TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº /06 ACÓRDÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO"

Transcrição

1 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº /06 ACÓRDÃO N/M KAMARI. Colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais ao navio e ao píer, sem vítima e sem registro de poluição ao meio ambiente. Equiparado aos casos cujas determinantes não puderam ser apuradas acima de qualquer dúvida, mas com fortes indícios de condição insegura no píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, sob condições de forte correnteza, de maré de sizígia. Exculpar o representado. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar a colisão ocorrida no dia 14 de dezembro de 2004, cerca de 04h30min, do N/M KAMARI, bandeira cipriota, prefixo P3XF8, de 234,76m de comprimento, graneleiro, de TAB, armador Tofelino Shipping Co. Ltd, com o píer nº. III do Terminal Marítimo da Ponta da Madeira, em São Luiz, MA, onde se encontrava atracado, com danos materiais ao navio e ao cais, sem vítima e sem registro de poluição ao meio ambiente. No inquérito realizado pela Capitania dos Portos do Maranhão foram ouvidas quatro testemunhas, sendo apenas um marinheiro do navio e três empregados da CVRD e anexados aos autos os documentos de praxe. Na fl. 3 consta da comunicação da CVRD à Capitania dos Portos, datada de 24 de outubro de 2005, quase um ano depois do fato, solicitando abertura de inquérito. No laudo de exame pericial indireto, fls. 7 a 10, consta que a embarcação se encontrava em boas condições, pois foi inspecionado pelo Port State Control em setembro de 2004; que o acidente se deu com vento noroeste, fraco, corrente de meia maré de enchente, velocidade aproximada de 2,5 nós, com mar bom e visibilidade boa; que no dia 14 de dezembro de 2004, estando atracado por bombordo ao píer nº. 3 do Terminal Marítimo da Ponta da Madeira, em fase de conclusão de carregamento, as espias da popa começaram a se partir e o navio começou a se afastar do cais, devido ao efeito da corrente. Em seguida o navio tomou seguimento para vante e colidiu com o píer nº. 3, provocando as avarias no cais e no navio, conforme descrito nos relatórios apresentados pela CVRD. Após a ruptura dos cabos, foram acionados todos os rebocadores que se encontravam de prontidão e o navio atracou novamente no píer 3, com o auxílio da praticagem. 1/13

2 Consta ainda que a CVRD, no seu plano de amarração entregue ao N/M KAMARI, sugeriu a utilização de seis cabos de aço, como través, de modo a impedir o afastamento do navio do berço; que o navio, pelo fato de não possuir seis cabos de aço para atender ao plano de amarração sugerido, utilizou os cabos de aço e nylon existentes, conforme mostra o plano de amarração realizado, o que não ofereceu a segurança necessária para manter o navio atracado no cais. Além do não cumprimento pelo navio do plano de amarração proposto pela CVRD, os cabos utilizados na amarração estariam em mau estado de conservação, conforme pode ser visto no relatório fotográfico apresentado pela CVRD e depoimentos das testemunhas. Não foi possível fazer perícia técnica, com o auxílio de laboratório, onde conste a carga de ruptura dos cabos, para se determinar se houve fadiga do material ou defeito, porque o acidente ocorreu em dezembro de 2004 e a CVRD só comunicou o fato a esta Capitania em outubro de 2005; que, pela observação das fotografias e depoimentos das testemunhas, verifica-se que os cabos de amarração que foram utilizados na atracação do N/M KAMARI não estavam em boas condições de uso, com a agravante de se tratar de um navio de grande porte. Considerou que o fator material contribuiu, pois os cabos de aço e de nylon utilizados na amarração do N/M KAMARI estavam em mau estado de conservação. Os cabos de aço existentes a bordo não foram suficientes para cumprir o plano de amarração proposto pela CVRD e que o fator operacional também contribuiu, pois o navio não cumpriu o plano de amarração proposto pela CVRD, sendo estas as causas determinantes do acidente em pauta. Nayden Petrov Petrov, búlgaro, fls. 19 a 21, declarou que estava em seu camarote, por ocasião do acidente, sob cuidados médicos, quando cerca de 4h30min soou o alarme geral do navio e as máquinas e toda a tripulação foram acionados, inclusive o depoente que subiu ao convés e viu que o navio estava se afastando do cais, porque os cabos de amarração haviam se partido; que depois de mais ou menos sete horas conseguiram atracar o navio na posição que se encontrava, com cabos novos, sendo que os de aço eram os de bordo, enquanto que os demais vieram da administração do porto; que ouviu comentários que o acidente ocorreu porque o navio atracou no píer III, onde a correnteza é muito forte, quebrando todos os cabos, sendo 6 de aço e 12 de nylon; que depois do acidente a companhia trocou todos os cabos, desta vez comprou 18 cabos, sendo 8 de aço com uma bitola maior; que a causa do acidente foi porque a correnteza no local, onde o navio estava atracado, estava muito forte; que o navio deveria ter atracado mais afastado do local onde estava, porque lá a correnteza é muito forte; que o vento estava forte e a correnteza na proa do navio era muito forte; que o navio estava carregado com cerca de 25 mil toneladas de um total de 2/13

3 toneladas de carga; que a tripulação foi avisada pelo imediato que repassou as informações antes da atracação; que os cabos estavam em boas condições e que um ano antes de o navio ir para o porto de São Luiz a companhia trocou todos os cabos; que os guinchos de bordo estavam em boas condições de uso, a máquina pronta para operar; que o comandante determinou para o pessoal de convés ficar com atenção redobrada nos cabos de amarração; que o navio estava atracado por bombordo e que sofreu pequena avaria na bochecha de boreste; que, dos cabos apresentados no relatório de avarias da CVRD, só reconheceu dois. Nas fls. 31 a 33 consta o relatório do inspetor de carregamento, da CVRD, no qual seu signatário, Ivaldo Oliveira, descreveu os seguintes pontos: às 04:20 h quando ia colocar dois rebocadores em stand by no canal 15 VHF em cumprimento ao PRO 0209, ou seja, 40 minutos antes do momento crítico (o PRO pede 30 minutos), visto que o período crítico, conforme gráfico de correntes, de 14/12 seria às 05h, recebeu a informação de que o navio estava se afastando do cais, inicialmente 30 a 50 cm, solicitou o apoio do imediato para o tensionamento dos cabos, como já vinha fazendo desde o início do turno; que as 04:25h, solicitou a parada do sistema e três rebocadores para o costado, visto que já haviam quebrado 2 lançantes da popa e o navio estava com 5 m de abertura e movimentando-se muito rápido, ficou com 90º em relação ao píer; que o comandante, muito nervoso, não conseguia lhe copiar (VHF) e quando conseguiu contato passou a seguir as instruções do depoente, referentes à máquina e leme, que deu máquina atrás para evitar uma colisão e grande dano ao píer e ao navio, no que obteve êxito, pois a colisão com a unidade 8 foi branda; que, quando o navio pegou seguimento a ré, estava com três rebocadores no costado e mesmo assim continuava com seguimento em direção ao píer nº. 1, que chamou outros rebocadores, conseguindo manter o navio estabilizado, paralelo e afastado a uma distância segura do píer, enquanto aguardava a chegada do prático; que solicitou a retirada dos cabos da água para, novamente, atracar o navio, e foi prontamente atendido, solicitou ao comandante manter o navio com muito devagar adiante, mantendo o navio estabilizado até a chegada do prático, às 5h45min; que às 7h o navio iniciou a manobra de atracação. Considerou que as péssimas condições dos cabos do navio, mais o píer desabrigado, mais a corrente marítima e o navio posicionado muito a ré (por imposição do prático conforme foi informado) foram os fatores que contribuíram para o ocorrido. No relatório do encarregado do inquérito, fls. 126 a 132, após resumir os depoimentos e demais documentos acostados aos autos, acompanhando as considerações e conclusões da perícia, apontou o comandante do N/M KAMARI, Naumov Oleksandr, 3/13

4 como o possível responsável pelo acidente da navegação, por imprudência e negligência no exercício de suas funções. O indiciado foi notificado através da agência marítima mas não apresentou Defesa Prévia. A Douta Procuradoria, fls. 141 a 144, em uniformidade de entendimento com o encarregado do inquérito e, com base no relatório do Sr. Ivaldo Oliveira, inspetor de carregamento da CVRD, representou em face de Naumov Oleksandr, comandante do N/M KAMARI, por imprudências e negligência, por considerar que foi realizada a atracação da embarcação utilizando cabos de amarração inadequados e insuficientes para o local e em mau estado de conservação, ignorando, por completo, as recomendações da CVRD acostadas às fls. 75 e 76, assumindo um risco perfeitamente previsível que acabou por se materializar, com fulcro no art. 14, letra a (colisão), da Lei nº /54, fundamentando. Citado, o representado que não consta do rol de antecedentes deste E. Tribunal, foi defendido por Ilustre Defensor Público da União. Naumov Oleksandr, fls. 238 a 241, em síntese, alegou que, como o acidente ocorreu em 14 de dezembro de 2004 e o IAFN só foi instaurado em 25 de outubro de 2005, quase um ano depois, comprometendo o conteúdo das informações, principalmente às referentes à perícia realizada no pilar de sustentação e os danos supostamente causados pelo acidente, além do que as informações que alicerçaram a representação, supostamente atribuindo culpa ao representado, foram prestadas por funcionários do próprio terminal. Alegou, ainda, que, de modo contrário, segundo o depoimento da fl. 19 e do registro do diário de bordo, foram utilizados seis cabos de aço e 12 de nylon na amarração do KAMARI, portanto número até superior ao sugerido no plano (da CVRD) e que a carga de ruptura dos cabos era de 86,9t (os cabos de aço) e 72,4t (os de polipropileno), superior a carga mínima sugerida de 50t. Alegou que a suposta má condição de conservação dos cabos foi embasada nos depoimentos dos funcionários da própria CVRD, colhidos quase um ano depois do acidente, enquanto que, segundo as informações do navio, os cabos eram novos e haviam sido recentemente inspecionados, não apresentando sinais de fadiga. Não obstante o já alegado bastaria, para refutar a responsabilidade do comandante, o que consta no laudo do inspetor da CVRD, fls. 32 e 33, que o acidente teria ocorrido devido à localização do píer, muito desabrigado, bem como pela forte correnteza no local, posicionamento incorreto do navio pela praticagem e pelo rompimento da amarração, portanto, a causa determinante não foram os cabos utilizados, mas em conseqüência desses outros fatores. 4/13

5 Alegou, por fim, a clara existência de culpa de terceiros (erro da praticagem), ocorrência de força maior (forte correnteza no local) e caso fortuito (rompimento dos cabos, mesmo tendo sido utilizado uma capacidade superior à recomendada), tudo a isentar o representado de culpa no presente evento, requerendo seja julgada improcedente a representação em face do representado. Tofelino Shipping Company Limited requereu sua entrada nos autos, na qualidade de Assistente do Representado (acusado), fls. 202 a 214, com anexos, fls. 215 a 235, e a Douta Procuradoria, como Fiscal da Lei, fl. 236, verso, opinou pelo seu deferimento, no que foi deferido, fl Em síntese, o Assistente do Representado alegou que a acusação não tem fundamento algum e que não poderia subsistir, pois se baseou em um IAFN tardio, incompleto e inconsistente, haja vista que foi iniciado cerca de um ano depois do acidente, por provocação da proprietária do Terminal; que não houve perícia da Capitania e o seu Laudo se baseou exclusivamente nos depoimentos prestado pelos funcionários do Terminal, tomados quase um ano depois do acidente; que o único depoimento prestado por pessoa do navio, marinheiro de convés, consta que os cabos de amarração estavam em bom estado de conservação e que a amarração do navio seguiu o proposto pelo Terminal, mas que foi ignorado nas conclusões do inquérito e que o próprio representado, comandante do navio, não foi ouvido. Alegou, ainda, que, provavelmente, pela intempestividade da comunicação, a Capitania não investigou, nem apurou, devidamente, o acidente em pauta; que a CVRD enviou ao agente do navio (que também não foi ouvido), em 02/12/2004 (fl. 77 dos autos) o plano de amarração que consistia num total de 16 cabos: sendo 6 lançantes, de qualquer material, com carga de ruptura mínima de 50 toneladas; 6 cabos de través, sugerindo cabo de aço com carga de ruptura de 50 toneladas e 4 espringues, de cabos de aço de 38 mm, com as pontas 25% mais resistentes e com a seguinte ressalva: Considerando que o senhor não tem cabos de aço para os espringues, o navio não atende plenamente nossas recomendações, utilize mais cabos como espringues nos cabeços nº. 8, 7, 5 e 4, para evitar movimentos longitudinais. Neste caso, o navio deve ter a bordo pelo menos 18 (dezoito) cabos. Portanto, a preocupação foi no sentido de evitar movimentos longitudinais do navio, entretanto, no caso em questão, o que houve foi um movimento transversal, isto é, de afastamento do cais. Considerou ser do Terminal (CVRD) a responsabilidade por fornecer o plano de amarração do navio, de amarrar de forma correta e segura o navio ao cais, de determinar e instruir o prático e verificar o correto posicionamento do N/M KAMARI no seu píer, o que 5/13

6 teria sido reconhecido pelo encarregado de amarração de navio, fls. 24 e 25, e do inspetor de carregamento e embarque no terminal, fls. 22 e 23. Alegou, ainda, que a amarração do N/M KAMARI não só atendeu à recomendação do Terminal, mas que excedeu ao recomendado pela CVRD (inicial de 12 cabos de qualquer material e mais 4 cabos de aço e, depois, por 18 cabos de qualquer material, com carga mínima de ruptura de 50 toneladas, na presunção de que o navio não disporia de cabos de aço), mas que ficou provado nos autos que o navio providenciou a seguinte amarração: POPA: 2 lançantes, 4 traveses e 3 espringues; PROA: 3 lançantes, 3 traveses e 3 espringues (total de 18 cabos). Além disso, das quatro testemunhas ouvidas no IAFN, uma delas declarou que o plano de amarração foi atendido, enquanto que uma outra declarou que não foi atendido e as outras duas testemunhas não souberam dizer; que a carga de ruptura dos cabos do N/M KAMARI, de 86,9 toneladas e 72,4 toneladas, era superior à recomendada pela CVRD, de 50 toneladas. Quanto às condições dos cabos de amarração do N/M KAMARI, alegou que tanto o marinheiro ouvido no inquérito, quanto o perito nomeado pelo P&I, engenheiro Luiz Inácio Corrêa Filho, da empresa Oceanspect Ltda (que esteve no Terminal da Ponta da Madeira TPM, logo depois do acidente, em 14 e 15 de dezembro de 2004), que inspecionou os cabos, verificou que estavam em boas condições. Além disso, alegou que o N/M KAMARI esteve no porto de Ghent, na Bélgica, em 26 de novembro de 2004, imediatamente antes de operar no TPM, sofreu rigorosa inspeção do Port State Control PSC, que não encontrou qualquer irregularidade nos cabos de amarração; que o acidente se deu durante o carregamento e que depois disso o navio voltou a atracar, sete horas depois, e concluir seu carregamento, utilizando-se dos mesmos cabos, inclusive os que se romperam e que foram provisoriamente reparados; que, das fotografias apresentada na CP ao marinheiro, ele só reconheceu dois dos cabos mostrados, sem indicar, contudo, o estado desses cabos; que as fotografias dos autos apenas mostram cabos após o rompimento, depois da enorme força a que foram submetidos e que não seria certo julgar o estado dos cabos pelo seu estado depois do seu rompimento. Finalizando este questionamento, se os cabos da amarração estivessem em mau estado de conservação, seria de se indagar o porquê de a CVRD ter iniciado o carregamento nessa situação, ou o porquê de não ter determinado a sua desatracação, ou o porquê de não ter providenciado cabos próprios para reforçar a amarração do navio, ou, ainda, de colocar rebocadores em prontidão durante todo o tempo que o navio esteve atracado, assim como de ter aceitado o navio atracado com os mesmos cabos, até a conclusão do carregamento. 6/13

7 Alegou que a real causa determinante do acidente foi a forte correnteza, aliada ao incorreto posicionamento do navio no píer, responsabilidade exclusiva da proprietária do Terminal, CVRD, ou seja, para o representado seria caso fortuito ou força maior; que parece evidente que, pelo menos nos períodos de marés de sizígia, falta segurança no Terminal da Ponta da Madeira; que semelhante acidente (rompimento dos cabos de amarração e colisão com o cais) ocorreu com outro navio no mesmo terminal (píer I), em 12 de dezembro de 2004 (dois dias antes), que está em curso neste E. Tribunal no Processo nº /2005. A situação do píer III Norte é mais crítica, pois quando o navio é posicionado, atracado muito para o extremo Norte, fica mais exposto à correnteza, porque aquele trecho do píer não fica totalmente protegido pelo quebra-mar existente no local e foram justamente os cabos de amarração de popa que se romperam primeiro. O N/M KAMARI foi atracado por bombordo, com a popa no sentido Norte, mais avançado do que deveria ser, conforme depoimentos dos funcionários da CVRD, de que o prático descumpriu as determinações do Terminal, citando trechos dos depoimentos, fls. 26 e 27, do inspetor de embarque do porto e fls. 22 e 23 do inspetor de carregamento e embarque do terminal. Alegou que o próprio Terminal sabia das condições de risco, devido à influência das correntezas provocadas pela maré, no Terminal da Ponta da Madeira, pois tem como procedimento padrão colocar rebocadores em stand-by nos momentos críticos de maré, conforme declarou seu inspetor, fls. 32 e 33 e, no mesmíssimo sentido, ratificado na declaração do funcionário da CVRD, fls. 24 e 25, transcrevendo os trechos desses depoimentos. Alegou que a situação foi tão crítica que nem os três rebocadores chamados pela CVRD, para auxiliar o navio, depois do rompimento dos cabos de amarração, conseguiram anular o efeito da correnteza da maré, pois tiveram que ser empregados mais dois rebocadores, num total de cinco, e, mesmo assim, a manobra de re-atracação demorou mais de sete horas, devido a forte correnteza. Citou trechos do relatório do perito do Clube de P&I, Sr. Luiz Inácio, que atribuiu à causa determinante do acidente a intensidade das correntes na região dos berços do Píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, nessa época do ano, e que o quebra mar existente em frente não oferece proteção suficiente para o navio atracado na extremidade Norte daquele píer, onde as correntezas são mais fortes e que esse quebra-mar Norte foi construído durante a construção do píer I, em 1983, e que o referido quebra-mar não foi modificado ou estendido, embora o píer III tenha sido construído em Anexou os seguintes documentos: 7/13

8 - Relatório de vistoria emitido pela Oceanspect, referente às inspeções realizadas em 14 e 15 de dezembro de 2004 (fls. 215 a 223); - Carta Protesto emitida pelo ora representado contra o Terminal da Ponta da Madeira (fl. 224); - Plano de amarração utilizado pelo navio, indicando a posicionamento dos 18 cabos utilizados, o mesmo antes e depois do acidente (fl. 225); - Relatório de acidente emitido pelo N/M KAMARI (fls. 226 e 227); - Certificado dos cabos de aço utilizados na amarração (fl x36 galv. 32 mm, carga de ruptura mínima de 60,8 toneladas, carga de ruptura teórica de 72,4 toneladas); - Certificado dos cabos de polipropileno usados na amarração (fl de circunferência, 80 mm de diâmetro nominal, carga de ruptura de 86,9 toneladas); e - Vistoria do Port State Control, em Ghent, Bélgica, em 24/11/2004 (fls. 233 a 235, 20 dias antes). Concluiu, alegando que ficou evidente que nenhuma responsabilidade pode ser imputada ao representado, uma vez que ficou provado que: O N/M KAMARI usou cabos de amarração superiores às recomendações da CVRD (proprietária do TPM e responsável pelo plano de amarração e posicionamento do navio), tanto em quantidade quanto em carga de ruptura; os cabos de amarração estavam em boas condições e, em uma pior hipótese, o que cogita por mero zelo, não ficou provado acima de qualquer dúvida que tais cabos estariam em condições impróprias de uso (não foram submetidos a teste de tração, para verificação da carga de ruptura, de modo que qualquer comentário sobre eles não passaria de meras suposições, desprovidas de qualquer fundamento técnico); que restou provado de modo incontroverso que as marés de sizígia provocam uma correnteza com efeitos extraordinários, sobre os navios atracados no Terminal da Ponta da Madeira, e que o píer III Norte fica mais exposto à tais correntezas; e que o navio não foi corretamente posicionado no píer, pois foi atracado mais para ré do que deveria, deixando sua popa ainda mais exposta, mas a CVRD decidiu iniciar a operação do navio mesmo assim. Finalizou requerendo que se julgue improcedente a representação e que se declare a causa determinante do acidente em pauta como decorrente de caso fortuito ou de força maior, no que diz respeito ao navio KAMARI, eximindo o representado de qualquer responsabilidade. Aberta a instrução, o assistente da defesa, Tofelino Shipping Company Limited, juntou aos autos as traduções juramentadas dos documentos anteriormente juntados, fls. 248 a 305, e requereu a oitiva do perito do P&I, Sr. Luiz Inácio Corrêa Filho e a apresentação de prova técnica. 8/13

9 Luiz Inácio Corrêa, fl. 329, em síntese declarou que os cabos de amarração apresentavam-se em condições de serviço; que as extremidades rompidas demonstravam que os cabos foram submetidos a esforços demasiados; que, se o terminal tivesse posicionado o navio mais a vante, livraria a popa da área de incidência das fortes correntes que predominam naquele local, devido ao posicionamento do píer III ficar fora da proteção do molhe, acarretando a passagem do peso das águas entre o constado do navio e a estrutura do cais, aplicando, assim, pressão excessiva ao conjunto de amarração do navio; que, na sua opinião, a causa determinante do acidente foi a forte correnteza, porque aplicou força excessiva ao conjunto de cabos que integravam o arranjo da amarração do N/M KAMARI. Nas fls. 340 a 362 consta o Relatório Técnico produzido por Picolo e Associados Ltda, assinado pelos especialistas Prof. Gilberto Fialho, D.Sc., Comte. Francisco Penido, B. Sc. e Eng. Salvador Picolo, M. Sc. (com anexos, fls. 363 a 438), que concluiu que: A causa prima e determinante da ruptura dos cabos de amarração do navio KAMARI em 14 de dezembro de 2004 foi a intensidade da maré enchente de sizígia e sua direção, a qual impôs forças em excesso aos limites de projeto (MBL) dos cabos de amarração do navio que foram distribuídos em conformidade e em número superior àquele recomendado no plano de atracação / amarração emitido pela CVRD TPM e Tecnicamente, o uso de cabos de arame de 32 ou 38 mm como cabos de espringue, nas condições de maré existentes em 14 de dezembro de 2004, nas condições de atracação do N/M KAMARI (popa exposta na ponta norte do píer 3) e conforme calculado anteriormente e relatório em anexo, não evitariam o acidente. As forças impostas ao sistema de amarração eram superiores ao MBL (maximum breaking load) dos cabos empregados e sugeridos pela CVRD TPM. Em alegações finais, falaram as partes. De tudo o que consta dos presentes autos, temos que a Douta Procuradoria, em uniformidade de entendimento com o encarregado do inquérito e, tendo por base o relatório do Sr. Ivaldo Oliveira, inspetor de carregamento da CVRD, representou em face de Naumov Oleksandr, comandante do N/M KAMARI, por imprudências e negligência. Verifica-se dos autos que o representado não foi ouvido no inquérito e que este IAFN só foi aberto, pela Portaria nº. 71, de 25 de outubro de 2005, em virtude de comunicação da CVRD datada de 24 de outubro de 2005, referente a um acidente da navegação ocorrido em 14 de dezembro de 2004, ou seja, cerca de dez meses antes de informar à CP. A perícia, indireta, foi realizada no dia 15 de fevereiro de 2006, cerca de um ano e dois meses depois do acidente e teve como base, além do material trazido à colação pela proprietária do Terminal, quatro depoimentos. 9/13

10 No primeiro, de um tripulante do navio, fls. 19 a 21, marinheiro, consta que os cabos (sendo seis de aço e doze de nylon) estavam em boas condições (que foram trocados um ano antes do acidente) e que o navio teria cumprido o plano de amarração apresentado pelo terminal; que o navio sofreu pequena avaria na proa e que ouviu comentários de que o acidente aconteceu porque o navio atracou no píer III, onde a correnteza era muito forte. No segundo depoimento, do inspetor de Carregamento e Embarque do porto da Companhia Vale do Rio Doce, Ivaldo Pereira Oliveira, fls. 22 e 23, consta que a causa do acidente foi o mau estado de conservação dos cabos e o não cumprimento da amarração sugerida pela CVRD; que, pelo que ele observou, os cabos de amarração estavam mostrando bastante desgaste e todos estavam arrepiados, parecendo serem bem velhos. No terceiro depoimento, do encarregado de amarração da CVRD e que participou da faina de amarração do navio, Antonio José da Cruz, fls. 24 e 25, consta que os cabos não estavam em boas condições, mas que não sabia se foi utilizado o número de cabos de aço e nylon recomendando pela CVRD; que tem conhecimento de que fatos semelhantes têm acontecido, de navios desatracarem, até de navios atracados com cabos novos, fato com maior incidência no Píer I; que foram reutilizados na re-atracação apenas os cabos do navio que não se partiram; que quando os cabos estão em mau estado, o depoente sempre avisa ao Inspetor de Embarque, o que fez nesse caso, mas que os cabos foram utilizados assim mesmo. No quarto e último depoimento, de Rogério Bogéa de Araújo Júnior, Inspetor de Embarque, fls. 26 e 27, consta que ele participou da atracação, que visualmente os cabos não estavam em boas condições e que a praticagem não posicionou o navio na posição segundo a amarração proposta, fato que ele informou à SERVPRAT, mas que o navio foi mantido nessa posição, entretanto, quanto às outras perguntas, declarou que: não sabia responder qual era a amarração do navio, nem se foi apresentado um plano de amarração pela CVRD, nem se o comandante foi informado pela CVRD que, durante o carregamento, haveria momentos críticos de maré e corrente, nem quais as providências tomadas pela CVRD para suprir deficiências de cabos de aço, nem a causa do acidente, nem o que deveria ter sido feito para evitar o acidente, nem o porquê de os cabos terem se partido, nem se o número de cabos utilizados pelo navio, de aço e de nylon, era o recomendado pela CVRD, e nem mesmo as condições de mar e de vento. No relatório do inspetor de Carregamento e Embarque do Porto da Companhia Vale do Rio Doce, Ivaldo Pereira Oliveira (segundo depoente), fls. 31 a 33, consta, o seguinte: alguns fatores que na minha opinião contribuíram para o ocorrido. Péssimas condições dos cabos do navio, - Píer desabrigado + corrente marítima, - Navio posicionado 10/13

11 muito a ré (por imposição do prático conforme fui informado), além disso, consta que teve dificuldade de acessar rápido o navio, devido à longa distância entre a inspetoria e os navios atracados no cais norte; dificuldade de comunicação, pois tinha que utilizar rádios portáteis para contato com o navio, gastando as baterias rapidamente, porque o rádio fixo (operação do Píer III) continuava com o canal 5 inoperante, depois de vários pedidos. O Laudo de Exame Pericial, que foi indireto e realizado mais de um ano depois do acidente, teve como base apenas os depoimentos e os documentos apresentados pela proprietária do Terminal, e não consta de nenhum embasamento técnico para sustentar as afirmações de que os cabos de aço e de nylon do navio estariam em mau estado de conservação, assim como de que os cabos existentes a bordo do navio não seriam suficientes para cumprir o plano de amarração, que teria sido proposto pela CVRD. Nas fls. 65 e 66 constam dois documentos da CVRD, datados de 13/12/2005, com as recomendações de amarração do navio KAMARI, sendo que no primeiro, da fl. 65, com 6 cabos de aço, de través, 6 cabos de lançante, sem especificação de material, e outros 6 cabos de espringue, também sem especificação de material, metade na proa e metade na popa, e, no segundo, fl. 66, na proa 2 lançantes de nylon e 1 de aço, 3 cabos de través de nylon, 1 espringue de aço e 2 espringues de nylon, e, na popa, 3 lançantes de nylon, 1 lançante de aço, 2 lançantes curtos de nylon, 1 lançante longo de aço, 2 espringues de nylon e 1 espringue de aço, mas não consta se o navio recebeu cópia dessas recomendações, pois não há assinatura de recebimento. Na fl. 74, com tradução na fl. 73, consta de comunicação da CVRD ao navio, datado de 13 de dezembro de 2004, na qual adverte o comandante de que medidas poderiam ser tomadas, tendo em vista que o sistema de amarração do N/M KAMARI não atenderia às exigências de amarração do Terminal da Ponta da Madeira, cujos custos dessas medidas e os prejuízos decorrentes de atrasos seriam custeados pelos armadores, através de seu agente de navegação, quais sejam: a) interrupção do carregamento; b) advertência por escrito ao comandante, c) manter rebocadores em stand by, d) manter rebocadores durante toda a operação, e e) manter prático a bordo do navio. Na fl. 79, com tradução na fl 78, consta a carta de advertência da CVRD ao comandante do navio lhe responsabilizando pela ruptura dos cabos e pela conseqüente desatracação do navio, perdas e todos os custos causados pelos danos ao navio e ao terminal, assim como as despesas com praticagem, transportes, barcos, amarração, rebocadores e 11/13

12 outros, no que o comandante protestou, fl. 81, com tradução na fl. 79, contra qualquer responsabilidade do N/M KAMARI, e declarou que os cabos estavam em boas condições e capacidade superior às 50 toneladas; que o posicionamento do navio seguiu a recomendação do Terminal; que o Terminal não lhe informou sobre uma segunda correnteza que o navio teria nesse atracadouro, que foi extremamente alta e forte do cais até o mar cuja velocidade era de 5 a 6 nós e responsabilizou o Terminal por todos os custos e danos, inclusive com rebocadores e amarração do navio. Na fl. 88, cópia da tradução do diário de bordo, onde consta que o comandante do Terminal informou ao comandante do navio que a embarcação estava em posição e lhe sugeriu a amarração que foi de: proa: 3 cabos de lançante, 3 espias de través e 3 cabos de espringue; popa: 4 espias de través, 2 cabos de lançante e 3 cabos de espring. Todos os cabos do navio eram de 50 a 90 MBL Tons e todos estavam em boas condições. Nas fls. 106 a 118 consta Análise Técnica e de Custo da Solução de Recuperação Proposta pela CVRD, datada de 24 de fevereiro de 2005, reportando as avarias com uma planilha orçamentária no valor de R$ ,72 (um milhão, seiscentos e quatro mil e cinqüenta e dois reais e setenta e dois centavos), fl No relatório, o encarregado do inquérito acompanhou a perícia, mas, também não acrescentou nenhum documento técnico a respaldar suas conclusões. Na defesa e na fase de instrução, a Douta Defensoria Pública da União e o Assistente de Defesa contestaram a inicial, apontando as várias falhas já relatadas, que devem ser acolhidas, tendo em vista que o inquérito ficou muito prejudicado, pela falta da informação do acidente tempestivamente, não havendo nos autos prova inconteste do alegado na exordial da Douta Procuradoria, pois, ao contrário, os indícios são no sentido de que ocorreu uma condição insegura no Terminal da Ponta da Madeira, na forma como ocorreu a atracação do N/M KAMARI, declarada pela proprietária do TPM, como em posição incorreta e que o navio estaria com a amarração comprometida, mas que aceitou tal situação, não aplicou nenhuma das medidas que poderia e deveria aplicar, se a situação da amarração estivesse, realmente, comprometida, conforme documentos apresentados nos autos. Por todo o exposto, deve-se exculpar o representado e arquivar os presentes autos, por não ter ficado provado acima de qualquer dúvida os fatos que lhe foram imputados. Assim, A C O R D A M os Juizes do Tribunal Marítimo, por unanimidade: a) quanto à natureza e extensão do acidente da navegação: colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais 12/13

13 ao navio e ao píer, sem vítima e sem registro de poluição ao meio ambiente; b) quanto à causa determinante: não apurada acima de qualquer dúvida; c) decisão: julgar o acidente da navegação, tipificado no art. 14, letra a (colisão), da Lei nº /54, como equiparado aos casos cujas determinantes não puderam ser apuradas acima de qualquer dúvida, mas com fortes indícios de condição insegura no píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, sob condições de forte correnteza, de maré de sizígia, exculpando-se o representado, Naumov Oleksandr, tendo em vista não terem sido provadas, acima de qualquer dúvida, as imputações que lhe foram atribuídas, arquivando-se os presentes autos. Publique-se. Comunique-se. Registre-se. Rio de Janeiro, RJ, em 7 de agosto de FERNANDO ALVES LADEIRAS Juiz-Relator LUIZ AUGUSTO CORREIA Vice-Almirante (RM1) Juiz-Presidente DINÉIA DA SILVA Diretora da Divisão Judiciária AUTENTICADO DIGITALMENTE 13/13

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO Catamarã TURISMANDO. Avaria deixando a embarcação à deriva. Deficiência de manutenção. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO Moto-aquática VIPER. Colisão com altos fundos de corais, resultando em lesões corporais nos dois ocupantes, adolescentes inabilitados, e em avarias na embarcação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO Rebocador RIO BRANCO. Acidente da Navegação. Naufrágio de rebocador no terminal da PETROBRAS da ilha D água, Rio de Janeiro, RJ, sem danos pessoais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O FPSO PETROBRAS 43. Acidente de trabalho com cinco vítimas não fatais, danos materiais, sem registro de poluição ao meio ambiente. Falha no sistema

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO N/M BOIURA. Acidente ocorrido com estivador Alcides de Jesus Barbosa a bordo do navio quando em faina de carregamento, no cais comercial do porto de Vitória,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO L/M ILSA-MAR. Queda na água de condutor de lancha, provocando-lhe lesões leves. Falha do condutor da lancha na operação do motor da embarcação. Imperícia.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO N/M ALIANÇA IPANEMA. Colisão com píer em construção, pertencente à Delegacia da Capitania dos Portos, em Itajaí, resultando em avarias de grande monta na

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO Plataforma NOBLE THERALD MARTIN. Acidente de trabalho a bordo, vítima não fatal. Desequilíbrio da própria vítima, durante operação com chave flutuante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO R/E A. H. GENOVA x Dique Flutuante PAULO FERRAZ. Abalroação de rebocador com dique flutuante, durante manobra de docagem, provocando avaria no costado

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 25.254/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 25.254/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 25.254/10 ACÓRDÃO N/M NORDIC BRASILIA. Perda de energia total (blackout) a bordo de petroleiro, durante operação de recebimento de petróleo da Plataforma FPSO MARLIM

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

A C Ó R D Ã O. Documento Assinado Eletronicamente SANDOVAL OLIVEIRA Relator GABINETE DO DESEMBARGADOR SANDOVAL OLIVEIRA 2

A C Ó R D Ã O. Documento Assinado Eletronicamente SANDOVAL OLIVEIRA Relator GABINETE DO DESEMBARGADOR SANDOVAL OLIVEIRA 2 Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Fls. Órgão : 5ª TURMA CÍVEL Classe : APELAÇÃO N. Processo : 20130111009823APC (0026373-45.2013.8.07.0001) Apelante(s)

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

PARECER Nº 6906/2015. tms Pagina 1 de 9

PARECER Nº 6906/2015. tms Pagina 1 de 9 PROCESSO Nº UNIDADE GESTORA : : 1513-0/2014 (AUTOS DIGITAIS) FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDENCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃOZINHO ASSUNTO : CONTAS ANUAIS DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2014 GESTOR

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

A C Ó R D Ã O

<CABBCABCCBBACADCBAADBDAACABCBCDCBAAAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO INDENIZATÓRIA. AGRAVO RETIDO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. MOTORISTA DA AMBULÂNCIA CAUSADOR DO ACIDENTE. OITIVA COMO INFORMANTE. VALOR

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO R/E CLOTILDES BERNARDES e Balsa JOSÉ BERNARDO DA SILVA. Queda de caminhão do convés de balsa de travessia, operada por tripulação inabilitada, nas

Leia mais

Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região

Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região AGRAVANTE(S): AGRAVADO(S): AGROPECUARIA NOVA TRES PONTAS LTDA. UNIAO FEDERAL (FAZENDA NACIONAL) EMENTA: AUTOS DE INFRAÇÃO LAVRADOS POR AUDITOR FISCAL DO TRABALHO. PRESUNÇÃO DE VERACIDADE. Os autos de infração,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO L/M ARROZ. Colisão, seguida de encalhe, água aberta e naufrágio, de lancha de esporte e recreio, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO B/P ALIANÇA e moto aquática ÁGUA AZUL. Abalroação. Danos materiais e lesões corporais graves nos ocupantes da moto aquática. Erro de navegação do

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO Balsa ENCONTRO DAS ÁGUAS. Colisão de embarcação contra duas casas palafitas, situadas às margens do rio Solimões, proximidades do porto Careiro da

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais

26ª Câmara Cível / Consumidor Apelação Cível Processo nº 0165330-90.2013.8.19.0001

26ª Câmara Cível / Consumidor Apelação Cível Processo nº 0165330-90.2013.8.19.0001 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0165330-90.2013.8.19.0001 APELANTE: MASTERCARD BRASIL SOLUÇÕES DE PAGAMENTO LTDA APELANTE: THEREZA ZETTEL CARNEIRO APELADOS: OS MESMOS

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 772.818 - RS (2005/0132229-4) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : LUCIANA GHELLER LUQUE ENGEL ADVOGADO : PAULO RICARDO DUARTE DE FARIAS E OUTRO RECORRIDO : BOURBON ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 17ª Região Interessado 1: Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Espírito Santo - SINDILIMP/ES

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO Canoa sem nome não inscrita. Naufrágio durante brincadeira dos passageiros. Embarcação desprovida de material de salvatagem. Condução por pessoa sem

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO Moto aquática FEIO II e L/M PAPA LÉGUAS II. Exposição a risco que se materializou em abalroamento e no óbito de duas pessoas. Moto aquática imprópria

Leia mais

PARECER N.º 198/CITE/2012

PARECER N.º 198/CITE/2012 PARECER N.º 198/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhador no gozo de licença parental, por facto imputável ao trabalhador, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 35 Registro: 2016.0000031880 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0003042-68.2011.8.26.0003, da Comarca de, em que é apelante/apelado JOSUÉ ALEXANDRE ALMEIDA (JUSTIÇA

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO Moto aquática RAFAEL ELITE X Moto aquática D FORÇA. Abalroação entre motos aquáticas nas proximidades da ilha do Sol, canal de Marapendi, Barra da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 12505/2011 (1 vol.) 2. Classe/Assunto: 3. Consulta / 5. Consulta acerca da legalidade do pagamento de despesas com internação de urgência do senhor João

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 Registro: 2016.0000032905 232 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0027207-72.2012.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante/apelado RENAULT DO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO ESTADO DA PARAÍBA 21 PODER JUDICIÁRIO 1 Apelação Cível n. 888.2002.014.833-4/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: GM Factoring Sociedade de Fomento Comercial Ltda Advogada: Maria Irinea

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO N/M ALPHA. Morte de tripulante após queda de escada de portaló. Deficiência de manutenção de responsabilidade do imediato, condenando-o. Exculpar

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: Interessado(s) 1: Interessado(s) 2: PRT 4ª Região Anônimo PELZER Sistemas do Brasil Ltda. Assunto(s): Meio Ambiente do Trabalho 01.02.09. -01.02.11. - 01.02.13. RECURSO ADMINISTRATIVO. AUSÊNCIA

Leia mais

PARECER N.º 93/CITE/2009

PARECER N.º 93/CITE/2009 PARECER N.º 93/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Nº 0213000-12.2009.5.02.0059-10ª TURMA

Nº 0213000-12.2009.5.02.0059-10ª TURMA PROCESSO TRT/SP RECURSO ORDINÁRIO RECORRENTE RECORRIDO ORIGEM Nº 0213000-12.2009.5.02.0059-10ª TURMA : SINTHORESP SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLAT, RESTAURANTES, BARES,

Leia mais

O julgamento teve a participação dos MM. Juízes EGBERTO DE ALMEIDA PENIDO (Presidente), LUIS EDUARDO SCARABELLI E CLAUDIA THOMÉ TONI.

O julgamento teve a participação dos MM. Juízes EGBERTO DE ALMEIDA PENIDO (Presidente), LUIS EDUARDO SCARABELLI E CLAUDIA THOMÉ TONI. fls. 146 Registro: 2015.0000046600 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 1008439-47.2014.8.26.0016, da Comarca de São Paulo, em que são FÁBIO IVO ANTUNES e GABRIELA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro APELAÇÃO CRIMINAL (ACR) Nº 11023/RN (0004472-39.2010.4.05.8400) APTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APDO : JARBAS CAVALCANTI DE OLIVEIRA ADV/PROC : JOSE ALEXANDRE SOBRINHO E OUTRO ORIGEM : 2ª VARA FEDERAL

Leia mais

ACÓRDÃO. ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS e agravado MESQUITA BARROS ADVOGADOS, ACORDAM

ACÓRDÃO. ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS e agravado MESQUITA BARROS ADVOGADOS, ACORDAM AGRAVO INOMINADO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019225-16.2014.8.19.0000 AGTE. CAMARA DIBE E ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS AGDO. MESQUITA BARROS ADVOGADOS RELATOR: DESEMBARGADOR MAURICIO CALDAS LOPES Ação

Leia mais

TCE-RJ PROCESSO Nº 212.955-5/07 RUBRICA: FLS.:

TCE-RJ PROCESSO Nº 212.955-5/07 RUBRICA: FLS.: TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ MAURÍCIO DE LIMA NOLASCO VOTO GC-4 50201/2012 PROCESSO: TCE-RJ Nº 212.955-5/07 ORIGEM: FUNDAÇÃO TEATRO MUNICIPAL TRIANON DE CAMPOS

Leia mais

EMENTA CIVIL - DANOS MORAIS - NEGATIVA NA CONCESSÃO DE PASSE LIVRE EM VIAGEM INTERESTADUAL - TRANSPORTE IRREGULAR - INDENIZAÇÃO DEVIDA.

EMENTA CIVIL - DANOS MORAIS - NEGATIVA NA CONCESSÃO DE PASSE LIVRE EM VIAGEM INTERESTADUAL - TRANSPORTE IRREGULAR - INDENIZAÇÃO DEVIDA. Órgão: 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe: ACJ Apelação Cível no Juizado Especial N. Processo: 2007.09.1.022383-7 Apelante:VIAÇÃO TRANSPIAUÍ SÃO RAIMUNDENSE LTDA Apelado:

Leia mais

SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº TA-RJ2002/6413. Descumprimento do art. 24 da Instrução CVM nº 209/94. Advertência.

SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº TA-RJ2002/6413. Descumprimento do art. 24 da Instrução CVM nº 209/94. Advertência. SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº TA-RJ2002/6413 Acusados : Eduardo Rocha de Rezende Mellon Brascan DTVM S/A Ementa: Decisão: Descumprimento do art. 24 da Instrução CVM

Leia mais

VI CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 20ª REGIÃO

VI CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 20ª REGIÃO PROVA PRÁTICA - 3ª FASE (SENTENÇA) INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS PARA A ELABORAÇÃO DA SENTENÇA: 1. A partir do relatório apresentado, que se constitui no próprio enunciado da prova, o candidato deverá elaborar

Leia mais

EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL.

EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL. 223 EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL. PROC.0011163-42-2014-8-19-0208 I. CONDOMÍNIO DO EDIFICIO FANY, por seu advogado, nos autos da AÇÃO INDENIZATORIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO ACR 12760 AL (0007902-40.2007.4.05.8000) APTE : JOSEVAL REIS LIMA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : JUÍZO FEDERAL DA 4ª VARA AL (SENTENCIANTE: DR. SÉRGIO DE

Leia mais

ANÁLISE CONSELHEIRO RELATOR RODRIGO ZERBONE LOUREIRO

ANÁLISE CONSELHEIRO RELATOR RODRIGO ZERBONE LOUREIRO CONSELHEIRO RELATOR ANÁLISE NÚMERO E ORIGEM: 114/2014-GCRZ DATA: 16/10/2014 RODRIGO ZERBONE LOUREIRO 1. ASSUNTO Recurso Administrativo interposto pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES LTDA, CNPJ nº 66.970.229/0001-67,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

Processo n.º 363/2014

Processo n.º 363/2014 Processo n.º 363/2014 (Recurso Cível) Relator: Data : João Gil de Oliveira 16/Outubro/2014 ASSUNTOS: - Julgamento da matéria de facto SUMÁ RIO : Não é pelo facto de algumas testemunhas, empregados de uma

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Robson Willian Albuquerque Vieira da Silva UF: RJ ASSUNTO: Recurso contra a decisão do Centro Universitário Augusto

Leia mais

SENTENÇA. Maxcasa Xii Empreendimentos Imobiliários Ltda

SENTENÇA. Maxcasa Xii Empreendimentos Imobiliários Ltda fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0008740-84.2013.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Perdas e Danos Requerente: Fernando Albieri Requerido: Maxcasa Xii Empreendimentos Imobiliários Ltda Juiz(a)

Leia mais

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: BANCO DO BRASIL S/A APELANTE: CLAUDIO FELIPE CUSTODIO LESSA APELADO: OS MESMOS RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Relação de consumo.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DISCIPLINAR E DE PROBIDADE ADMINISTRATIVA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DISCIPLINAR E DE PROBIDADE ADMINISTRATIVA PARECER Nº 14.999 PROCESSO ADMINISTRATIVO- DISCIPLINAR. PROFESSORA. FALTA DISCIPLINAR CAPITULADA NAS DISPOSIÇÕES DO ARTIGO 177, INCISOS I, III E V, ARTIGO 178, INCISO XXIV, E ARTIGO 191, INCISOS I, III,

Leia mais

Processo Administrativo Sancionador nº CVM RJ 2008-2530 RELATÓRIO

Processo Administrativo Sancionador nº CVM RJ 2008-2530 RELATÓRIO Indiciado: Carlos Alberto Cardoso Moreira : Resumo Processo Administrativo Sancionador nº CVM RJ 2008-2530 RELATÓRIO 1. Trata-se de Termo de Acusação apresentado pela Superintendência de Registro de Valores

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 724/2011 REFERENTE À F.A.: 0111-006.917-8 RECLAMANTE ELONILCE BARBOSA DA SILVA RECLAMADO CLARO S.

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 724/2011 REFERENTE À F.A.: 0111-006.917-8 RECLAMANTE ELONILCE BARBOSA DA SILVA RECLAMADO CLARO S. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROCON Rua Álvaro Mendes, nº2294, Centro, Teresina-PI, CEP.: 64.000-060 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 724/2011 REFERENTE À

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro APELAÇÃO CRIMINAL (ACR) Nº 11490/CE (0002186-09.2010.4.05.8103) APTE : MANOEL CAMELO FILHO ADV/PROC : JOSE NILSON FARIAS SOUSA JUNIOR E OUTROS APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 18ª VARA FEDERAL

Leia mais

Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4

Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4 Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4 (Autos em recurso penal) Assuntos: toxicodependente suspensão de execução da pena de prisão maus resultados nos testes de urina rejeição voluntária do internamento

Leia mais