O Plano Director de Produção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Plano Director de Produção"

Transcrição

1 O Director e Proução IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril O Director a Proução especifica : Quantiaes a prouzir e caa prouto Quantiaes a prouzir em caa "moo e proução" aoptao Níveis e Stocks e Matérias Primas, Proutos Semi- Acabaos, Proutos Acabaos Utilização os Factores Proutivos ("Cargas") Compras e Matérias Primas e Componentes Quantiaes (por Prouto ou Semi-Acabao) a subcontratar. IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

2 O MPS no processo e Planeamento LONGO Orientações estratégicas PRAZO Previsão a procura e negócios e Venas e Marketing Financeiro MÉDIO PRAZO Agregao Director a Proução Capaciaes (RCCP) MPS Encomenas IST / ISCTE / EGP Stocks JCFilipe Abril Do Planeamento à Programação Capaciae Programa Director e Proução Capaciae Programação e Capaciaes Capaciae Programa e Lançamentos Capaciae Sequência e Operações Horizonte o Planeamento IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

3 Funções a Programação Afectação e RECURSOS (*) às ENCOMENDAS SEQUÊNCIA e Execução as Encomenas (*) Orem e INÍCIO as Encomenas (*) (*). Mão e Obra. Equipamentos. Postos e Trabalho. Materiais (*). Definição e Prioriaes (*) LANÇA - MENTO REVISÃO DO PROGRAMA Aceleração as Encomenas Atrasaas e / ou Críticas Seguimento (Acompanhamento) as Encomenas IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril Tipos e cargas PREPARADAS NÃO PREPARADAS RESERVADAS DISPONÍVEIS BLOQUEADAS ATRASADAS Conhecias com precisão após a Preparação e Trabalho Estimaas por Orçamento Para imprevistos, absentismos, manutenção, etc. Possível e executar imeiatamente (já preparaas e com toos os aprovisionamentos efectuaos) Preparaas, mas aguarano aprovisionamento Aguarano isponibiliae o Centro e Trabalho IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

4 Cargas e capaciaes U n i a e s Encomenaas Prouzias Tempo CAPACIDADE > CARGA Má utilização o recursos Custos Fixos não absorvios. Reuzir a Caência e proução, ou. Prouzir para Stock U n i a e s U n i a e s Prazo e Entrega inicial Prazo e Entrega Constante CAPACIDADE < CARGA Encomenaas Impossibiliae e Cumprir Prazos Atrasos progressivamente crescentes Prouzias. Aumento os Prazos e Entrega Tempo não é Solução! Encomenaas Prouzias Tempo CAPACIDADE = CARGA SITUAÇÃO IDEAL IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril Nivelamento e cargas ELECTRONICS 1.1 Design Simulation Buil Boar Testing Final Drawings ANTENNA 2.1 Design Buil Testing Final Drawings MECH. ENG. 3.1 Chassis Design Buil Final Drawings SOFTWARE 4.1 Develop 4.2 Testing As activiaes 4.3 Release iniciam-se nas atas mais ceo 5 - ASSEMBLY 5.1 System Ass Quality Testing Documentation Hanover to Manuf RESOURCES O Diagrama e Cargas Original IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

5 Nivelamento e cargas ELECTRONICS 1.1 Design Simulation Buil Boar Testing Final Drawings ANTENNA 2.1 Design Buil Testing Final Drawings MECH. ENG. 3.1 Chassis Design Buil Final Drawings SOFTWARE 4.1 Develop 4.2 Testing Aiou-se o início e 4.3 Release activiaes não-críticas 5 - ASSEMBLY 5.1 System Ass Quality Testing Documentation Hanover to Manuf RESOURCES O Diagrama e Cargas Equilibrao IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril Nivelamento e cargas ELECTRONICS 1.1 Design Simulation Buil Boar Testing Final Drawings ANTENNA 2.1 Design Buil Testing Final Drawings MECH. ENG. 3.1 Chassis Design Buil Final Drawings SOFTWARE 4.1 Develop 4.2 Testing Aiou-se o início e 4.3 Release mais 2 activiaes não-críticas 5 - ASSEMBLY 5.1 System Ass Quality Testing Documentation Hanover to Manuf RESOURCES O Diagrama e Cargas Equilibrao IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

6 O Materials Requirements Planning (Sistema push ) IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril O processo e planeamento Orientações estratégicas LONGO PRAZO Previsão a procura e negócios e Venas e Marketing Financeiro MÉDIO PRAZO Agregao Director a Proução Capaciaes (RCCP) MPS Encomenas IST / ISCTE / EGP Stocks JCFilipe Abril

7 Planeamento as operações Previsão a procura Encomenas MPS Director a Proução Capaciaes (RCCP) Explosão o MRP Planeamento Capaciaes Stocks Orens e Fabrico Orens e Compra Forneceores Lançamento Execução IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril Para que empresas serve o MRP? As cinco características básicas: proução repetitiva (envolvente relativamente estável) utilização os mesmos componentes e subconjuntos em muitos proutos acabaos iferentes catálogo e proutos com grane número e referências ciclos e fabrico curtos o custos e matérias primas e componentes compraos representam grane parcela o custo inustrial IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

8 Procura Inepenente e Procura Depenente Procura I N D E P E N D E N T E * Inepenente as Operações * Definia pelas conições o mercao. Proutos Acabaos. Sobressalentes * Visa Repor o Stock * Previsão baseaa no passao * Controle : Análise ABC * Satisfaz as necessiaes os Clientes * Dimensão o Lote : QEE * Parão a Procura : Aleatório * Gestão por Ponto e Encomena Procura D E P E N D E N T E * Depenente a procura e "artigos e nível superior" * Definia pelo Mestre a Proução. Matérias Primas e Componentes. Proução em Vias e Fabrico * Visa alimentar a Proução * Previsão baseaa no Mestre * Controle : Toos os Artigos * Satisfaz as necessiaes a Proução * Dimensão o Lote : variável * Parão a Procura : Previsível "em bolo" * Gestão por MRP IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril O sistema MRP P - prazo e entrega Ponto e encomena P IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

9 Materials Requirements Planning (MRP) Oliver Wight Joseph Orlicky O MRP "exploe" o Mestre e Proução em * Orens e Compra * Orens e fabrico teno em conta : * Stocks existentes * orens já aas * prazos e entrega / fabrico COMPONENTES DO MRP * Director a Proução * Estrutura e Proutos * Situação e Stocks * Planeamento e Capaciaes * Compras * Controle Oficinal IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril Um Exemplo e MRP Tampo Perna Travessa Longa Travessa Curta Estrutura e Prouto Lista e materiais Bill Of Materials (BOM) Mesa PRAZOS PREVISTOS Operações semanas Montagem a mesa 1 Montagem o suporte 1 Compra as Pernas 1 Compra Trav.Curtas 1 Compra Trav.Longas 1 Compra o Tampo 2 Pernas (4) Suporte (1) Travessas Longas (2) Tampo (1) Travessas Curtas (2) IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

10 O ciclo MRP Movimento Stocks Planeam. Capaci. Gamas operat. Prev. Procura Situação Stocks Orens e Fabrico Controlo Proução. Agregao Director e Proução Explosão e Proutos Operações Orens Firmes Planeamento Capaciaes BOM Orens e Compra Forneceores Gamas operat. Alterações Projecto IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

Planeamento da Produção

Planeamento da Produção Regula o funcionamento da ao nível operacional através de decisões do tipo o que, quando e quanto produzir ou comprar estratégico do negócio estratégico do negócio estratégico da estratégico da agregado

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

Gestão da Produção Sincronização das Operações

Gestão da Produção Sincronização das Operações Sincronização das Operações Just In Time Business Process Reengineering José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O stock esconde problemas Os cinco zeros e a TQM O Just In Time

Leia mais

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 14

Planeamento Industrial Aula 14 Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Sinopse Índice SECÇÃO I

Sinopse Índice SECÇÃO I Sinopse Livro especialmente dirigido aos profissionais e universitários da área da produção e operações que fornece um conjunto de técnicas para a melhoria das organizações. A primeira secção do livro

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções Gestão de Produção Definição A Gestão de Produção para a Indústria Têxtil e Confecções associa o Controlo, Planeamento e Custeio Industrial dos vários sectores das denominadas Têxteis Verticais com o tratamento

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT

FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO VERSÃO FINAL FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT ÍNDICE DE QUESTIONÁRIOS 1. Gestão de Topo - Características

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII

Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII Disciplina de Gestão de Operações Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII por Prof. Pedro F.Cunha Ano lectivo 1999 / 2000 Curso de Engenharia de Informática de Gestão

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

DRP (Programação Requisitos Distribuição) Ferramentas da Logística

DRP (Programação Requisitos Distribuição) Ferramentas da Logística DRP (Programação Requisitos Distribuição) Ferramentas da Logística O que é a DRP? É uma otimizaçãoa aplicação dos príncipios do Material Requirements Planning (MRP) num ambiente de distribuição. Consegue

Leia mais

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) Neste ponto, são abordados os módulos de planeamento da produção do software BaaN. Este software dispõe dos seguintes três módulos complementares de planeamento: MPS

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21 Sumário Capítulo l - Introdução 1.1. Objetivos 3 1.1.1. Objetivos amplos 3 1.1.2. Objetivos específicos 3 1.2. Mapa cognitivo 4 1.3. Engenharia industrial (Materiais e processos) 5 1.4. Custos e preços

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

MRP Planejamento das Necessidades de Materiais

MRP Planejamento das Necessidades de Materiais MRP Planejamento das Necessidades de Materiais Conceito Planejamento das necessidades de materiais. Utiliza-se dos pedidos em previsões de pedidos que a carteira, assim como empresa acha que irá receber.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO Planificação anual da disciplina de Organizar e Gerir a Empresa 10º Ano Ano Letivo: 2012-2013

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO Planificação anual da disciplina de Organizar e Gerir a Empresa 10º Ano Ano Letivo: 2012-2013 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO Planificação anual da disciplina de Organizar e Gerir a Empresa 10º Ano Ano Letivo: 2012-2013 Turma: L Professor: JOÃO CARLOS CAVACO BRITO. 1 - Estrutura e Finalidades

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Gestão de Operações Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan António Rocha Quintas, Gil Manuel Gonçalves Fevereiro de 2006

Leia mais

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO OBJETIVO DA AULA Planejamento Mestre da Produção - MPS Planejamento das necessidades de materiais - Compreender a importância do MPS e dentro do planejamento da produção 2 CONTEXTUALIZAÇÃO SOPA DE LETRINHAS

Leia mais

1.1. OPERAÇÕES E GESTÃO DE OPERAÇÕES

1.1. OPERAÇÕES E GESTÃO DE OPERAÇÕES Gestão de Operações 1.1. OPERAÇÕES E GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações é a função responsável pela gestão das actividades que produzem os produtos e/ou serviços que uma empresa ou organização disponibiliza

Leia mais

Planeamento. e Controlo da Produção. Ficha Técnica PRONACI

Planeamento. e Controlo da Produção. Ficha Técnica PRONACI Planeamento e Controlo da Produção Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Planeamento e Controlo da Produção João Augusto de Sousa Bastos e Júlio Manuel Faceira Guedes PRONACI - Programa Nacional

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Gestão de Materiais. Volume. Vítor Gabriel

Gestão de Materiais. Volume. Vítor Gabriel Volume 17 Colecção: Gestão da Produtividade e da Qualidade Vítor Gabriel Gestão de Materiais Produção Apoiada pelo Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) No módulo SFC - Shop Floor Control é controlada a execução das ordens de fabrico. Através das sessões deste módulo, o responsável pelo fabrico pode introduzir novas ordens

Leia mais

Aula 06 PPCP ABERTURA

Aula 06 PPCP ABERTURA ABERTURA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PERÍODO LETIVO: 1 SEM/2015 SÉRIE: 6ª e 7ª Série PROFESSOR: Ivan Godoi Aula 06 DISCIPLINA CONTATO: ivan_godoi@aedu.com

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

Uma estrutura de ERP simplificada

Uma estrutura de ERP simplificada Uma estrutura de ERP simplificada Gestão Automatizada Armazéns Contas Clientes Gestão Clientes Análise Vendas Ordens Reaprov. Encom. Factur. Config. Encom. Previsão Vendas D R P Estrut. Produto Contas

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Sistemas sanitários Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2014

Sistemas sanitários Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2014 Sistemas sanitários Tabela e Preços Vália ese 1 e Abril e 2014 Geberit Kombifix - Para parees e alvenaria 3 Geberit Duofix - Para parees mistas 11 Sistema Geberit Duofix - Para parees ligeiras 29 Sistemas

Leia mais

EFICIENTE, ÁGIL, ATUALIZADO SOFTWARE QUE SE ADAPTA À SUA EMPRESA PREVER, GERIR, REALIZAR

EFICIENTE, ÁGIL, ATUALIZADO SOFTWARE QUE SE ADAPTA À SUA EMPRESA PREVER, GERIR, REALIZAR SOFTWARE QUE SE ADAPTA À SUA EMPRESA PREVER, GERIR, REALIZAR A eficiência de uma empresa é apenas metade da equação. Otimizar e agilizar todos os sistemas e processos entre os setores ou departamentos

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 04

Planeamento Industrial Aula 04 Planeamento Industrial Aula 04 Análise de processos:.fluxogramas;.tipos de processo;.medição do desempenho;.exemplos Análise de Processos 2 o Entender como os processos funcionam é fundamental para garantir

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 2010 GESTÃO 1 GIPE - Gabinete de Inovação Pedagógica COMUNICAR

Leia mais

Controlo e Gestão de Stocks

Controlo e Gestão de Stocks Publicação Nº 13-19 Maio 2010 Controlo e Gestão de Stocks PONTOS DE INTERESSE: Gestão de Stocks Sistemas de Inventário Controlo das saídas Uma gestão eficaz dos stocks é importante para qualquer empresa,

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Organizações. Pedro Sousa

Organizações. Pedro Sousa Organizações Índice Introdução aos Tipos de Organizações Industriais Grossistas/Armazenistas Distribuição e Retalho Logística Serviços. Áreas das Organizações Financeira Recursos Humanos Produção Marketing

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E. J o s é P i o T a m a s s i a S a n t o s, P e r i t o J u d i c i a l, B r a s i l e i r o, C a s a d o, R G.

C U R R I C U L U M V I T A E. J o s é P i o T a m a s s i a S a n t o s, P e r i t o J u d i c i a l, B r a s i l e i r o, C a s a d o, R G. C U R R I C U L U M V I T A E J o s é P i o T a m a s s i a S a n t o s, P e r i t o J u d i c i a l, B r a s i l e i r o, C a s a d o, R G. 6 4 2 4 5 3 6-6 S S P / S P, C P F 6 4 8 2 1 4 2 0 8-7 2, E

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias George Paulus Pereira Dias paulus@proage.com.br 1998: Consultor em projetos na área de logística e planejamento com a utilização de técnicas de

Leia mais

Características das etiquetas Kanban

Características das etiquetas Kanban Etiqueta Kanban A etiqueta kanban é um tipo de kanban de produção usado quando a quantidade de produção é tão grande e a velocidade tão rápida que somente a etiqueta é utilizada para controle. Características

Leia mais

27/04/2012 DA ARCA DE NOÉ ÀS MODERNAS CADEIAS DE DISTRIBUIÇÃO. AULA 06 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

27/04/2012 DA ARCA DE NOÉ ÀS MODERNAS CADEIAS DE DISTRIBUIÇÃO. AULA 06 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 27/4/212 AULA 6 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves MRP Material Requirements Planning, podendo ser traduzido como planejamento das necessidades de materiais Permite

Leia mais

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS 2008 Maio 7 Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 050 www@inescporto.pt www.inescporto.pt ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Introdução

EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Introdução EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Introdução ProfFernandoGomide Pesquisa Operacional O que é estudo de como formular e construir modelos matemáticos de decisão problemas de engenharia

Leia mais

Desenvolvimento de Células de Fabrico Flexível: Simulação e Controlo

Desenvolvimento de Células de Fabrico Flexível: Simulação e Controlo UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Desenvolvimento de Células de Fabrico Flexível: Simulação e Controlo Miguel Francisco Martins de Lima (Licenciado) DISSERTAÇÃO PARA OBTENÇÃO DO

Leia mais

Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Ramo de Automação, Produção e Electrónica Industrial

Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Ramo de Automação, Produção e Electrónica Industrial Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ramo de Automação, Produção e Electrónica Industrial Projecto, Seminário ou Trabalho Final do Curso 2004/2005 Unidade de Engenharia de Sistemas

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Melhoria do On Time Delivery na EFACEC AMT

Melhoria do On Time Delivery na EFACEC AMT na EFACEC AMT Sérgio Manuel Gomes da Silva Dissertação de Mestrado Orientador na FEUP: Engenheiro Hermenegildo Pereira Orientador na EFACEC AMT: Engenheiro Tiago Seabra Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

AULA 05 Movimentação e Armazenagem de Materiais

AULA 05 Movimentação e Armazenagem de Materiais 22/3/213 AULA 5 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves MRP Material Requirements Planning, podendo ser traduzido como planejamento das necessidades de materiais Permite

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo - 4 Conceitos relacionados com o Objectivos Aplicação dos conceitos básicos de gestão de inventário; Como calcular o stock de segurança; Verificar como as políticas de produção influenciam

Leia mais

Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva

Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva Glossário Introdução 03 Conceitos 05 PP.002.000 - Dados Mestre 07 PP.002.010 - MRP 1 09 PP.002.010 - MRP 2 10 PP.002.010 - MRP 4 11 PP.002.010 - Esquematização

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO 01 Alexandre Crepaldi 02 Celso Tomazini 03 Francine Lemes 04 Márcio Bernardo 05 Tábata Cristina 06 Tiago Tezzotto 07 Tied Humberto 1 O QUE É PCP? Plano de Controle de

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

Distribuição DISTRIBUIÇÃO E LOGISTICA. Tarefa indispensável a qualquer actividade produtora.

Distribuição DISTRIBUIÇÃO E LOGISTICA. Tarefa indispensável a qualquer actividade produtora. Distribuição Distribuição 1 Distribuição Introdução Tarefa indispensável a qualquer actividade produtora. Necessidade de mover objectos produzidos até ao cliente. É objectivo do produtor minimizar os custos

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

UMC/EPN 2013 - Sistemas de Informações Aula 02. Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios

UMC/EPN 2013 - Sistemas de Informações Aula 02. Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios Organização Sistemasde Informação Tecnologiada informação Gerenciamento Maio / 2013 31 Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

Prof. Msc. Marco Aurélio

Prof. Msc. Marco Aurélio Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção MRP MATERIAL REQUERIMENTS PLANNING Prof. Msc. Marco Aurélio Data: 05/03/2012 A históriado MRP começacom o episódiobíblicodaarcade Noé. DEUS DISSE

Leia mais

GESTÃO DE STOCKS. E INVENTÁRIOS Rentabilize a Sua Organização Melhorando os Procedimentos 3ª EDIÇÃO CURSO

GESTÃO DE STOCKS. E INVENTÁRIOS Rentabilize a Sua Organização Melhorando os Procedimentos 3ª EDIÇÃO CURSO 3ª EDIÇÃO CURSO Técnicas e Métodos Para Racionalizar os Custos GESTÃO DE STOCKS E INVENTÁRIOS Rentabilize a Sua Organização Melhorando os Procedimentos LUANDA 7 e 8 de JULHO de 2014 Saiba porque necessitamos

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Atividades / Funções Operacionais

Atividades / Funções Operacionais Letra Organ C Designação Diretor-Geral Adjunto; CEO Assistant Missão Gestão da Política de Sustentabilidade da Empresa em coordenação com a Direção Geral nos ramos mais significativos da sua atividade:

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC.

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC. GESTÃO DE MATERIAIS Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 A natureza e a função dos estoques 2 Métodos de gestão dos estoques Método LEC Método ABC Método de revisão contínua e periódica

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 7-02/03/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS ERP - ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 2 -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Arranjo Físico de Sistemas de Produção. Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Prof. Dr. Dario Ikuo Miyake 2005

Arranjo Físico de Sistemas de Produção. Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Prof. Dr. Dario Ikuo Miyake 2005 Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Prof. Dr. Dario Ikuo Miyake 2005 Introdução ao Planejamento do Arranjo Físico Tipos básicos de processo Por Projeto Por Jobbing Em Lote

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Implementação de Lean Manufacturing na fábrica de geradores EFACEC Energia, S.A. Unidade de Servicing

Implementação de Lean Manufacturing na fábrica de geradores EFACEC Energia, S.A. Unidade de Servicing Implementação de Lean Manufacturing na fábrica de geradores EFACEC Energia, S.A. Unidade de Servicing 28 ou 29 de Junho de 2011 (Consoante data da s/ intervenção) Nome da Apresentação (insira os dados

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Disciplina. Introdução à Gestão. Anual P R O G R A M A 2002 / 2003. Escola Superior de Educação. Curso de Animação e Produção Artística 2.

Disciplina. Introdução à Gestão. Anual P R O G R A M A 2002 / 2003. Escola Superior de Educação. Curso de Animação e Produção Artística 2. Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança P R O G R A M A Disciplina Introdução à Gestão Anual Curso de Animação e Produção Artística 2.º ano 2002 / 2003 Professor: Vitor Barrigão Gonçalves

Leia mais

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1 Índice Introdução 17 Capítulo 1 Logística e Gestão Logística 1. Introdução 23 2. Logística e Gestão Logística 24 3. Dimensões da Logística e da Gestão Logística 29 4. Características intrínsecas da Logística

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais