Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1"

Transcrição

1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

2 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção 3. Características e estrutura do MRP 4. Métodos de dimensionamento de lotes de fabrico num ambiente MRP 5. Desenvolvimentos do MRP e integração com a gestão de outros recursos da empresa Planeamento de capacidades MRP II - Material Resource Planning Planeamento dos recursos da empresa (ERP) Planeamento dos recursos de distribuição (DRP) 6-2

3 Objectivos deste Módulo Na conclusão deste módulo pretende-se que os alunos sejam capazes de: Identificar ou definir: Materiais de consumo dependente Plano Agregado de Produção e Plano Mestre de Produção Artigos pai e filho em listas de materiais Dimensionamento de lotes Descrever ou explicar: Requisitos dos modelos de gestão de materiais com consumo dependente Planeamento das necessidades de materiais (MRP) Necessidades brutas e líquidas de materiais Planeamento dos recursos da empresa (ERP) e das necessidades de distribuição (DRP) 6-3

4 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção 3. Características e estrutura do MRP 4. Métodos de dimensionamento de lotes de fabrico num ambiente MRP 5. Desenvolvimentos do MRP e integração com a gestão de outros recursos da empresa Planeamento de capacidades MRP II - Material Resource Planning Planeamento dos recursos da empresa (ERP) Planeamento dos recursos de distribuição (DRP) 6-4

5 Formas de classificar os stocks Inventário Fase do Processo Número e valor Tipo de consumo Outras MP, WIP, PA (*) Artigos A Artigos B Artigos C Independente Dependente Manutenção (*) MP Matérias-primas; WIP Produção em curso; PA Produtos Acabados 6-5

6 Consumo Dependente versus Independente Item Origem do consumo Tipo de material Método de estimativa do consumo Método de planeamento Materiais de consumo independente Clientes da empresa Produtos acabados Previsões e encomendas de clientes QEE e ROP MRP Materiais de consumo dependente Artigos pai WIP e Mat. primas Calculado 6-6

7 Requisitos dos modelos de gestão de materiais com consumo dependente A aplicação eficiente dos modelos de gestão de stocks de materiais com consumo dependente requer que os gestores de operações disponham das seguintes informações: Plano Mestre de Produção (o que deve ser produzido e quando) Especificações ou listas de materiais (materiais e componentes necessários para cada produto) Disponibilidade de materiais (o que há em stock) Encomendas de materiais por entregar (o que está encomendado) Prazos de entrega ou lead times (quanto tempo leva a entrega dos vários componentes) 6-7

8 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção 3. Características e estrutura do MRP 4. Métodos de dimensionamento de lotes de fabrico num ambiente MRP 5. Desenvolvimentos do MRP e integração com a gestão de outros recursos da empresa Planeamento de capacidades MRP II - Material Resource Planning Planeamento dos recursos da empresa (ERP) Planeamento dos recursos de distribuição (DRP) 6-8

9 Horizontes de Planeamento Planos de curto prazo Programação de ordens de fabrico Alocação de tarefas Expedição Responsabili dade: Gestores de Operações, Chefes de Produção, Encarregados Responsabilidade: Gestores de Operações Planos de médio prazo Planos de vendas Planos e orçamentos de produção Definição dos níveis de mão-de-obra, stocks e subcontratação Análise dos planos operacionais Responsabilidade: Gestão de topo Planos a longo prazo I&D Planos para novos produtos Despesas de capital Novas instalações, ampliações Hoje 3 Meses 1 ano 5 anos Horizonte de Planeamento 6-9

10 Plano Agregado de Produção e Plano Mestre de Produção Plano Agregado de Produção Define as quantidades a produzir por períodos (meses ou trimestres) num horizonte de médio prazo (habitualmente de 3 a 18 meses). Por exemplo: - quantos carros a GM deve produzir no 1º trimestre de 2004, sem desagregação de modelos, cores, etc.; - quantas toneladas de aço deve uma siderurgia produzir, sem diferenciar por tipo de aço. Plano Mestre de Produção (Master Production Schedule) Especifica o que é necessário produzir e quando Define o que é necessário (materiais e capacidade) para cumprir o Plano Agregado de Produção Desagrega o Plano Agregado de Produção em produtos específicos 6-10

11 Plano Agregado de Produção e Plano Mestre de Produção Mês Plano Agregado de Produção (indica a quantidade total de amplificadores Janeiro 1500 Fevereiro 1200 Semana Plano Mestre de Produção (indica o tipo específico, quantidade e semana para cada amplificador) Amplificador de 240 watts Amplificador de 150 watts Amplificador de 75 watts

12 Inputs para o Plano Agregado de Produção Produção Capacidade Stocks Marketing Procura do mercado Finanças Cash Flow Compras Desempenho dos fornecedores Gestão Retorno do capital investido Plano de Produção Agregado Engenharia Projecto Recursos Humanos Planeamento da mão-de-obra 6-12

13 O Processo de Planeamento da Produção Plano Agregado de Produção Alterar necessidades? Alterar capacidade? Não Plano Mestre de Produção Plano de necessidades de materiais Plano de necessidades de capacidade Realístico? Sim Executar planos de capacidade Alterar o Plano Mestre? A execução está a cumprir o plano? Executar planos de materiais 6-13

14 Enfoque típico do Plano Mestre de Produção Número de artigos finais Enfoque típico do MPS Número de inputs Produzir por encomenda (Focus no Processo) Planear encomendas Montar por encomenda ou previsões (Repetitivo) Planear módulos Armazenar por previsões (Focus no Produto) Planear produtos acabados Exemplos Tipografia Metalomecânica Restaurante Motas, Automóveis, TVs, fast-food Aço, Cerveja, Lâmpadas, Papel, Pão 6-14

15 O modelo de planeamento da produção depende das características do produto Projecto Compra de MP Stock MP Produção Stock de mento Semiacabados de semiacabados Acaba- Stock PA Entrega Lógica de Produção Produzir para stock Montar para stock Produzir por encomenda Lead time total Projectar para encomenda 6-15

16 Conceitos típicos para o planeamento da produção Conhecimento da procura Prazo de entrega Importância previsões Stocks elevados Adequado para Produzir para stock Baixo Curto Alta Produtos acabados Maior parte dos produtos Montar para stock Médio Curto Média Partes/ componentes Linhas de montagem Produzir por encomenda Alto Médio/baixo Baixa MP e WIP Formatos específicos Projectar por encomenda Muito alto (contrato) Alto Irrelevante Stocks mínimos Indústrias de projecto 6-16

17 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção 3. Características e estrutura do MRP 4. Métodos de dimensionamento de lotes de fabrico num ambiente MRP 5. Desenvolvimentos do MRP e integração com a gestão de outros recursos da empresa Planeamento de capacidades MRP II - Material Resource Planning Planeamento dos recursos da empresa (ERP) Planeamento dos recursos de distribuição (DRP) 6-17

18 Planeamento das Necessidades de Materiais (MRP ou Material Requirements Planning) Sistema de informação para a gestão das operações planeamento e programação Determina as quantidades e datas em que serão necessários os materiais de consumo dependente Semana Necessidades brutas Encomendas a receber 5 30 Disponível Necessidades líquidas 7 Ordens de Fab. Planea. 7 Datas para ordens plan

19 Lista de materiais (Bill-of-Materials, BOM) Lista dos componentes e respectivas quantidades, necessárias para fabricar uma unidade de produto Indica a estrutura do produto (árvore) Artigos pai - artigos acima de um determinado nível da estrutura, devendo ter, necessariamente, artigos filho ao(s) nível(eis) inferior(es) Artigos filho ou componentes - artigos abaixo de um determinado nível da estrutura Codificação ao nível inferior Cada componente é codificado no nível mais baixo da estrutura do produto em que ocorre (convenção destinada a facilitar o cálculo das necessidades de um artigo O nível mais alto é 0; o nível seguinte é 1, etc

20 Exemplo da estrutura de produto para uma bicicleta Bicicleta(1) P/N 1000 Guiador (1) P/N 1001 Quadro montado (1) P/N 1002 Rodas (2) P/N 1003 Quadro (1) P/N

21 Listas de materiais especiais (1/2) Listas modulares Os módulos não são produtos finais para venda, mas componentes que são produzidos e montados em unidades do produto final Nas listas modulares os módulos são considerados produtos finais e são utilizados para produzir produtos finais de montagem para stock As listas de materiais são por vezes organizadas por módulos porque a programação da produção e a própria produção são facilitadas se organizadas com base num número reduzido de módulos, em vez de um grande número de produtos finais 6-21

22 Listas de materiais especiais (2/2) Listas de planeamento Consistem num conjunto de materiais que são agrupados num artigo pai artificial Servem para reduzir o número de artigos de planeamento Listas fantasma São listas para componentes que são criadas temporariamente, geralmente de sub-conjuntos Estes componentes entram directamente na linha de montagem e não são nunca inventariados. Ex.: eixo de transmissão com as engrenagens, que é directamente colocado na transmissão 6-22

23 Exemplo da estrutura de produto para um conjunto de altifalantes 6-23

24 Exercício quantidades necessárias para preparar 50 conjuntos de altifalantes Componente B = 2 x nº de As = 2x50 = 100 Componente C = 3 x nº de As = 3x50 = 150 Componente D = 2 x nº de Bs + 2 x nº de Fs = 2 x x 300 = 800 Componente E = 2 x nº de Bs + 2 x nº de Cs = 2 x x 150 = 500 Componente F = 2 x nº de Cs = 2 x 150 = 300 Componente G = 1 x nº de Fs = 1 x 300 =

25 Faseamento temporal da estrutura do produto Início da produção de D 2 sem 1 sem G D 2 sem Os artigos D e E devem estar prontos nesta data para fabricar B 1 sem 3 sem D E 2 sem 2 semanas para produzir E 1 sem F B A 1 sem C

26 Exemplo de um output do MRP Mapa das necessidades brutas de materiais 6-26

27 Preparação do MPS A S Períodos B C Lead Time de A=4 Plano Mestre para A B C Lead Time de S=6 Plano Mestre para S Plano Mestre para B vendido directamente Períodos Necessid. brutas de B = = 45 As necessidades brutas de B nos períodos 1 a 8 são 215 unidades 6-27

28 Exercício Cálculo das necessidades líquidas de materiais Para o caso do exemplo anterior, calcular as necessidades líquidas de materiais para uma encomenda de 50 altifalantes, sabendo que o stock de cada artigo no início do período de planeamento é o seguinte: Item A 10 B 15 C 20 D 10 E 10 F 5 G 0 Stock 6-28

29 Resolução do exercício 6-29

30 Articulação do MRP com o processo de Planeamento da Produção Previsões e encomendas Plano de Produção Agregado Disponibilidade de recursos Planeamento das Necessidades de Materiais Plano Mestre de Produção Não, modificar CRP, MRP, ou MPS Planeamento da Necessidades de capacidades Realístico? Sim Programas de Fabrico 6-30

31 Requisitos do MRP Sistema informático Aplicável essencialmente a produtos discretos Listas de materiais exactas Elevada precisão da situação de stocks 99% de precisão Ciclos de fabrico estáveis T/Maker Co. 6-31

32 Estrutura de um sistema MRP BOM (Listas de materiais) Plano Mestre de Produção Relatórios por período Lead Times (Ficheiro mestre de artigos) Dados de stocks Programa MRP Relatórios por data Ordens planeadas Necessidades de compra Dados de compras Relatórios de excepções 6-32

33 Benefícios do MRP Contribui para assegurar o cumprimento dos prazos de entrega, e, dessa forma, a satisfação dos clientes Resposta mais rápida às alterações da procura Melhora a utilização de equipamentos e mão-deobra Melhora o planeamento e a gestão de stocks Permite reduzir o nível de stocks sem prejudicar o nível de serviço aos clientes Aplicável por excelência a operações organizadas por processos 6-33

34 A dinâmica do MRP Suporta facilmente a necessidade de re-planeamentos Mas pode gerar nervoso miudinho do sistema, com fortes perturbações nas áreas de Compras e Produção! São usadas 2 regras para reduzir estes efeitos: 1) Períodos de bloqueio regras pré-definidas que proíbem quaisquer alterações ou re-planeamentos de certos segmentos do MPS em certos intervalos de tempo 2) Pegging analisar os níveis superiores da estrutura do produto para avaliar as implicações das alterações pretendidas Com o MRP o gestor de operações pode reagir à dinâmica do mundo real, mas tem a responsabilidade de decidir quando e até que ponto o deve fazer 6-34

35 MRP e JIT (Just-in-time) MRP uma metodologia de planeamento e de programação baseada em Lead Times fixos (prazos de entrega, se referentes a materiais comprados, ou ciclos de fabrico, se referentes a materiais produzidos internamente) JIT um modelo de organização fabril orientado para a criação de fluxo na fábrica e a movimentação rápida dos materiais A integração de ambos (não é fácil!) proporciona o melhor de dois mundos: O MRP produz um bom programa de produção e dá uma indicação rigorosa das necessidades de materiais O JIT reduz fortemente os stocks de produção em curso (WIP) 6-35

36 Resultados obtidos pela Nissan Com base num sistema informático ligado on-line aos seus fornecedores, a Nissan consegue uma boa integração entre o MRP e o JIT: Os programas de produção são confirmados, actualizados ou revistos a cada 15 a 20 minutos Os fornecedores fazem entre 4 a 16 entregas diárias de materiais! A taxa de cumprimento dos programas de produção (MPS) é de 99%, medida hora a hora! A taxa de cumprimento dos programas de entregas dos fornecedores é de 99.9% 6-36

37 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção 3. Características e estrutura do MRP 4. Métodos de dimensionamento de lotes de fabrico num ambiente MRP 5. Desenvolvimentos do MRP e integração com a gestão de outros recursos da empresa Planeamento de capacidades MRP II - Material Resource Planning Planeamento dos recursos da empresa (ERP) Planeamento dos recursos de distribuição (DRP) 6-37

38 Métodos de Dimensionamento de Lotes de Fabrico num ambiente MRP 1. Lote a lote Procura satisfazer exactamente as necessidades do Plano de Produção, em linha com o objectivo de um sistema MRP, em que não existem stocks de segurança e não são antecipadas as necessidades futuras. 2. Quantidade económica de ordem de fabrico Método baseado no modelo da QEE, aplicável preferencialmente a situações de consumo independente e relativamente uniforme, não quando se conhece o consumo. 6-38

39 (1) Exemplo do dimensionamento lote a lote 6-39

40 (2) Exemplo da quantidade económica de ordem de fabrico (1/2) Para as mesmas necessidades do exemplo anterior, a aplicação do modelo da QEE (preferível em situações de consumo relativamente constante e independente, não em casos de procura conhecida) conduz aos seguintes resultados: O consumo das 10 semanas é de 270 unidades, o que representa 27/semana ou 1404/ano (52 semanas) Q* = 2xDxS 2x1404x100 = H 1x52 = 73 Nº de ordens = 1404 / 73 = 19 Custo das ordens = 19 x 100 = 1900 /ano Custo de posse = 73/2 x 1x52 = 1898 /ano Custo Total = = x (10/52) = 730 em 10 semanas 6-40

41 (2) Exemplo da quantidade económica de encomenda (2/2) Na realidade o Custo Total depende do ritmo de consumo. Da tabela acima tem-se 400 para o custo das ordens (4 ordens, 100 /ordem), mais 318 para o custo de posse (318 unidades em stock nos períodos 2 a 10, 1 /unidade), dando um custo total de 718, ligeiramente inferior ao valor teórico do modelo QEE. Se tivessem ocorrido rupturas de stock, ter-se-ia que adicionar o respectivo custo. 6-41

42 Comentários sobre o dimensionamento de lotes de fabrico (1/2) O dimensionamento dos lotes da Speaker Kits através dos 3 métodos proporcionou os seguintes resultados: Lote a Lote 700 QEE 730 Balanceamento de períodos.unidades 490 Não se devem daqui tirar conclusões sobre qual o melhor método. Em princípio a dimensão dos lotes deveria ser recalculada sempre que se verifiquem alterações na estrutura do MRP (prazos de entrega, dimensão dos lotes de artigos filho numa estrutura, outras). Na prática estas modificações geram instabilidade no processo de planeamento e acabam por não ser feitas, o que significa que, em geral, as dimensões de lotes não são as óptimas devido à incapacidade dos sistemas produtivos reagirem a alterações frequentes. 6-42

43 Comentários sobre o dimensionamento de lotes de fabrico (2/2) Em geral o dimensionamento lote a lote é o objectivo e deve ser utilizado sempre que tal se revele económico e viável. A dimensão dos lotes pode ser ajustada para ter em conta factores tais como: Nível de desperdício - ex.: 3% a mais para cobrir o desperdício numa máquina de enchimento de ampolas Restrições de processo um tratamento térmico num forno pode exigir um lote com uma dada dimensão mínima (ou máxima) Lotes dos fornecedores a entrega mínima de um determinado produto químico pode ser 1 camião cisterna com 20 ton. Quando os custos de encomenda são significativos e o consumo é relativamente uniforme, deve ser usado o método da QEE. 6-43

44 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção 3. Características e estrutura do MRP 4. Técnicas de dimensionamento de lotes de fabrico num ambiente MRP 5. Desenvolvimentos do MRP e integração com a gestão de outros recursos da empresa Planeamento de capacidades MRP II - Material Resources Planning Planeamento dos recursos da empresa (ERP) Planeamento dos recursos de distribuição (DRP) 6-44

45 Desenvolvimentos do MRP MRP em ciclo fechado (feedack automático) Planeamento de capacidades relatórios de ocupação (carga) das secções de produção MRP II - Material Resource Planning ERP - Enterprise Resource Planning 6-45

46 MRP em ciclo fechado Todos os sistemas MRP comercialmente disponíveis funcionam deste modo 6-46

47 Planeamento de capacidades As técnicas utilizadas para atenuar a carga e minimizar o impacto de modificações nos lead times incluem: Sobreposição consiste em começar a enviar material para a operação seguinte antes de completar o processamento do lote na operação anterior,reduzindo assim o lead time total; Desdobramento de operações envio de um mesmo lote para duas máquinas diferentes, para a mesma operação; implica a preparação de mais uma máquina, mas resulta em menores tempo de processamento (throughput time); Divisão de lotes dividir a ordem de fabrico em duas partes e processar parte da ordem antes do período programado. 6-47

48 Exemplo do planeamento de capacidades 6-48

49 MRP II Material Resources Planning Após a implementação de um sistema MRP, aos dados relativos às quantidades de materiais podem ser acrescentados diversos outros recursos que também são necessários, tais como horas.homem, horas.máquina, custo dos materiais, custo do capital ou virtualmente qualquer outro recurso. A necessidade de qualquer um destes recursos pode ser calculada da mesma forma que as quantidades de materiais, e então comparada com a respectiva capacidade, de forma a permitir a elaboração de planos de produção exequíveis. 6-49

50 Exemplo da utilização do MRP II 6-50

51 Enterprise Resource Planning Os sistemas MRP II evoluíram para incluir o processamento de encomendas, compras, interfaces automáticos com fornecedores, genericamente designados por EDI (electronic data interchange), e clientes, tais como avisos de expedição, facturação automática, notas de recepção, etc.. Estes sistemas integrados, que abrangem apoiam a gestão de todos os recursos de uma empresa, incluindo ligações aos seus fornecedores e clientes, são genericamente designados por ERP Enterprise Resources Planning. Os sistemas ERP mais completos estão integrados com a contabilidade, gestão de tesouraria, gestão de recursos humanos, etc., cobrindo praticamente todas as áreas funcionais de uma empresa. 6-51

52 Fluxos de informação entre o MRP, ERP e outros sistemas de informação 6-52

53 MRP nos Serviços O MRP pode ser utilizado nas actividades de serviços sempre que a procura de um serviço ou elementos de um serviço esteja directamente relacionada com a procura de outros serviços restaurantes ingredientes necessários para cada entrada, prato ou sobremesa hospitais instrumentos para as cirurgias etc. 6-53

54 Exemplo estrutura do produto e lista de materiais e mão-de-obra para a preparação de um prato num restaurante 6-54

55 Planeamento dos Recursos de Distribuição O DRP é um modelo de planeamento dos stocks em todos os níveis da cadeia de distribuição O objectivo é conseguir repor os stocks em quantidades pequenas e frequentes, minimizando os custos de encomenda e de expedição O Planeamento dos Recursos de Distribuição (DRP) exige: O conhecimento das necessidades brutas, que correspondem à procura esperada ou às previsões de vendas A definição de stocks mínimos para garantir os níveis de serviço aos clientes Prazos de entrega precisos A definição da estrutura de distribuição 6-55

Módulo 5 Gestão de stocks

Módulo 5 Gestão de stocks Gestão das Operações Módulo 5 Gestão de stocks 5-1 Sumário (1/2) 1. Funções dos stocks Tipos de stocks 2. Análise e controlo de stocks Análise ABC Precisão dos registos Contagens periódicas 3. Modelos

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 14

Planeamento Industrial Aula 14 Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Controlo e Gestão de Stocks

Controlo e Gestão de Stocks Publicação Nº 13-19 Maio 2010 Controlo e Gestão de Stocks PONTOS DE INTERESSE: Gestão de Stocks Sistemas de Inventário Controlo das saídas Uma gestão eficaz dos stocks é importante para qualquer empresa,

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT

FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO VERSÃO FINAL FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT ÍNDICE DE QUESTIONÁRIOS 1. Gestão de Topo - Características

Leia mais

Planeamento da Produção

Planeamento da Produção Regula o funcionamento da ao nível operacional através de decisões do tipo o que, quando e quanto produzir ou comprar estratégico do negócio estratégico do negócio estratégico da estratégico da agregado

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo - 4 Conceitos relacionados com o Objectivos Aplicação dos conceitos básicos de gestão de inventário; Como calcular o stock de segurança; Verificar como as políticas de produção influenciam

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

MRP Planejamento das Necessidades de Materiais

MRP Planejamento das Necessidades de Materiais MRP Planejamento das Necessidades de Materiais Conceito Planejamento das necessidades de materiais. Utiliza-se dos pedidos em previsões de pedidos que a carteira, assim como empresa acha que irá receber.

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO 12-10-2006

INTRODUÇÃO À GESTÃO 12-10-2006 INTRODUÇÃO À GESTÃO 12-10-2006 Algumas noções relativas à gestão: Uma Boa Hierarquia de funções é essencial para um bom projecto de gestão. Cada elemento na empresa tem que saber aplicar bem as suas funções

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII

Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII Disciplina de Gestão de Operações Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII por Prof. Pedro F.Cunha Ano lectivo 1999 / 2000 Curso de Engenharia de Informática de Gestão

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Módulo I Análise de Necessidades de Formação Versão Curta

Módulo I Análise de Necessidades de Formação Versão Curta Módulo I Análise de Necessidades de Formação Versão Curta Autor do Manual de Análise das Necessidades de Formação Instituto do Emprego e Formação Profissional 1 A Análise de necessidades de Formação As

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS ASSISTIDO POR COMPUTADOR CAPP (COMPUTER AIDED PROCESS

Leia mais

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo Carga horária 25 horas Objectivo (s) Realização de apoio administrativo e logístico, ligada à função de aprovisionamento. Formador: Rui Carvalho Formador: Rui Carvalho 2 1. Ficheiros de armazém Códigos

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

PARECER N.º 175/CITE/2009

PARECER N.º 175/CITE/2009 PARECER N.º 175/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento colectivo

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

CUSTOS. Custo = sacrifício de recursos com vista a atingir determinados objectivos (representa utilização de recursos).

CUSTOS. Custo = sacrifício de recursos com vista a atingir determinados objectivos (representa utilização de recursos). Controlo de Gestão é o conjunto de instrumentos que visam motivar os gestores a atingir os objectivos estratégicos da empresa, privilegiando a acção e a tomada de decisão em tempo útil e favorecendo a

Leia mais

ÍNDICE ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC

ÍNDICE ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC ÍNDICE 02 04 06 08 ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS 10 12 16 20 24 28 SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC 02 ID Flow Criada em 2006,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos?

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos? WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO Onde estão os Riscos? No Futuro... que pode ser duvidoso e nos forçar a mudanças... Nas Mudanças... que podem ser inúmeras e nos forçam a decisões...

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4 METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4.1 Introdução Vimos atrás, no ponto 2.9.3, uma justificação e uma descrição resumidas dos pontos que devem ser tratados sob este tema metodologias e pressupostos a adoptar

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo PHCLogística CS DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística CS A solução para

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

O seu parceiro de confiança para. ferramentas e fabricação de moldes

O seu parceiro de confiança para. ferramentas e fabricação de moldes O seu parceiro de confiança para ferramentas e fabricação de moldes Damos forma ao aço A nossa empresa é líder na área de peças standard. Mais de 10.000 clientes prestigiados em todo o mundo beneficiam

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Características das etiquetas Kanban

Características das etiquetas Kanban Etiqueta Kanban A etiqueta kanban é um tipo de kanban de produção usado quando a quantidade de produção é tão grande e a velocidade tão rápida que somente a etiqueta é utilizada para controle. Características

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

Robótica Industrial II

Robótica Industrial II Publicação Nº 8-10 Março 2010 Robótica Industrial II Armazéns Automáticos PONTOS DE INTERESSE: Sistema AS/RS Vantagens e Desvantagens Exemplo Prático - Kiva MFS Um Armazém é o espaço físico onde se depositam

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla Gestão de Stocks Março 2000 Introdução Objectivos Perceber o que é o stock Saber como classificar stocks Saber fazer uma análise ABC Saber comparar modelos de gestão de stocks Saber utilizar modelos de

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 04

Planeamento Industrial Aula 04 Planeamento Industrial Aula 04 Análise de processos:.fluxogramas;.tipos de processo;.medição do desempenho;.exemplos Análise de Processos 2 o Entender como os processos funcionam é fundamental para garantir

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Planeamento Financeiro de ML/ Prazo Ano letivo 2015/2016 1 Planeamento Financeiro de

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

Por que você precisa da Orisol

Por que você precisa da Orisol Por que você precisa da Orisol Maquinário Orisol para fabricação de calçados: Globalização, conceito, tecnologia e benefícios. Fabricação e Globalização: A fabricação de calçados é uma tradição milenar

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco ANEXO ORIENTAÇÕES GERAIS RELATIVAS À NOTIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE CONSUMO PERIGOSOS ÀS AUTORIDADES COMPETENTES DOS ESTADOS-MEMBROS POR PARTE DOS PRODUTORES E DOS DISTRIBUIDORES, EM CONFORMIDADE COM O N.º

Leia mais

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje Redes Inteligentes A Rede do Futuro Construída Hoje Grupo Efacec, Breve descrição Ao longo da sua história, a Efacec tem vindo a antecipar as mudanças num mundo extremamente competitivo, tornando-se numa

Leia mais

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto.

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto. Contribuir para a redução do tempo de preparação do sistema produtivo para a execução de um dado lote Aumentar a produtividade e a agilidade da resposta ao mercado PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Ciclo de Gestão Planear Definir o rumo da empresa, ou seja, o que se pretende atingir (objectivos) e para tal o que fazer

Leia mais

Anexo A Requisitos técnicos e funcionais, de integração e de nível de serviço para plataforma base

Anexo A Requisitos técnicos e funcionais, de integração e de nível de serviço para plataforma base Anexo A Requisitos técnicos e funcionais, de integração e de nível de serviço para plataforma base Requisitos técnicos e funcionais: 1. Estar estruturada de acordo com os diversos tipos de procedimentos

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

Ferramentas de Gestão

Ferramentas de Gestão Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto Ferramentas de Gestão Sis x Eficiência No sistema integrado

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Trabalho efectuado ao abrigo do Plano de

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos. Enunciado Geral do Projecto

Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos. Enunciado Geral do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado Geral do Projecto O objectivo do projecto é criar uma solução informática que facilite

Leia mais

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 Contabilidade II II. Demonstração dos Fluxos de Caixa Introdução CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 2004 2005 2004 ACTIVO AB AA AL AL CAP. PRÓPRIO E PASSIVO Imobilizado Capital próprio Imob.

Leia mais