Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Ramo de Automação, Produção e Electrónica Industrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Ramo de Automação, Produção e Electrónica Industrial"

Transcrição

1 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ramo de Automação, Produção e Electrónica Industrial Projecto, Seminário ou Trabalho Final do Curso 2004/2005 Unidade de Engenharia de Sistemas de Produção Implementação de um Sistema de Gestão Empresarial (ERP) numa Empresa do Sector Metalúrgico Gestão de Stocks Dulce de Fátima Varandas de Almeida Lídia Maria de Sousa Teixeira Orientação do projecto: Prof. Jorge Pinho de Sousa FEUP Eng. António Correia Alves INESC

2 Índice Índice...ii Índice de figuras...iv Índice de tabelas... v Índice de gráficos... vi Agradecimentos...vii Sumário Executivo...viii 1. A empresa Apresentação Produtos Processo Produtivo Enquadramento do estágio Projecto de estágio Sistemas de stocks Introdução Sistemas de stocks para procura independente Modelos de quantidade fixa de encomenda Modelos de quantidade fixa de encomenda com nível de serviço especificado Modelos de período fixo com nível de serviço Sistemas de stocks para procura dependente MRP - Planeamento das necessidades materiais Objectivos e filosofia do MRP Estrutura do sistema MRP Planeamento das necessidades líquidas Planeamento das necessidades de capacidade Cálculo dos lotes de encomenda Aplicações industriais do sistema MRP Planeamento de stocks ABC Gestão de stocks e MRP II MRP em ciclo fechado MRP II - Planeamento dos recursos de produção PIC - Plano industrial e comercial Conclusão Métodos de previsão Introdução Modelos qualitativos Modelos quantitativos Componentes da procura Modelos de séries temporais Modelos causais Erros de previsão Erro médio de previsão Desvio médio absoluto Sinal de controlo Conclusão ii

3 5 Previsão da procura Selecção de dados Análise de dados Aplicação de Métodos de Previsão Método da média móvel simples Média móvel ponderada Comparação dos métodos de previsão Procedimento adoptado Conclusão Dimensionamento de lotes e escalonamento Introdução Heurística de escalonamento arbitrário para vários artigos Sub-problema Problema mestre Procedimento adoptado Características do caso de estudo Determinação do tamanho do lote Escalonamento Conclusão Conclusões Referências Anexos...I Anexo A...I Anexo B... XIV Anexo C... XVIII Anexo D... XXI Anexo E... XXIII iii

4 Índice de figuras Figura 1.1 A Durit... 2 Figura 1.2 Tipos de grau... 3 Figura 1.3 Processo produtivo... 4 Figura 2.1 Metodologia do projecto de estágio... 6 Figura 3.1 Disfarce da ineficiência usando stocks... 8 Figura 3.2 Relação entre consumo e fornecimento... 9 Figura 3.3 Modelo de quantidade fixa de encomenda Figura 3.4 Modelo de custos Figura 3.5 Modelo de quantidade fixa de encomenda com nível de serviço especificado Figura 3.6 Modelo de período fixo com nível de serviço Figura 3.7 Árvore de estrutura do produto A Figura 3.8 Estrutura geral de um sistema MRP Figura 3.9 Estrutura do produto D Figura 3.10 Fluxograma da lógica do cálculo das necessidades líquidas Figura 3.11 Carga de trabalho para um centro de trabalho Figura 3.12 Carga de trabalho planeada para um centro de trabalho Figura 3.13 Princípio geral do MRP II Figura 4.1 Classificação dos Modelos de Previsão Figura 4.2 Componentes da Procura Figura 4.3 Técnica Box Jenkins Figura 6.1 Gantt para o escalonamento iv

5 Índice de tabelas Tabela 1.1 Tabela de graus de metal duro... 3 Tabela 3.1 Comparação dos modelos por quantidade fixa de encomenda e por período fixo de encomenda Tabela 3.2 Planeamento das necessidades líquidas Tabela 5.1 Graus de classe A Tabela Graus produzidos pelo menos 10 vezes no ano Tabela Graus de maior importância para a empresa Tabela 5.4 Variação da produção em Tabela 5.5 Variação da produção em Tabela 5.6 Variação da produção em Tabela 5.7 Previsão para 2004 com média móvel simples Tabela 5.8 Erros de previsão Tabela 5.9 Previsão para 2004 com média móvel ponderada Tabela 5.10 Erro médio de previsão Tabela 5.11 Ano típico após 1º passo Tabela 5.12 Ano típico após 2º passo Tabela 6.1 Dados de entrada no problema de dimensionamento de lotes Tabela 6.2 Solução para o dimensionamento de lotes Tabela 6.3 Solução para o dimensionamento de lotes com a técnica EOQ Tabela 6.4 Solução para o dimensionamento de lotes com a técnica lot for lot Tabela 6.5 Ordem de produção dos graus Tabela 6.6 Escalonamento dos graus pelas y máx máquinas em paralelo Tabela 6.7 Correspondência de graus v

6 Índice de gráficos Gráfico 5.1 Comparação dos erros médios entre os dois métodos Gráfico 5.2 Comparação dos desvios médios absolutos entre os dois métodos Gráfico 5.3 Comparação dos sinais de controlo entre os dois métodos Gráfico 5.4 Produção num ano típico para o grau BD05-CP Gráfico 5.5 Produção num ano típico para o grau GD03-CP vi

7 Agradecimentos Durante o desenvolvimento deste estágio diversas pessoas contribuíram, directa ou indirectamente, para a condução deste projecto. Gostaríamos de manifestar aqui a nossa gratidão a todos e em particular: Ao Professor Jorge Pinho de Sousa, nosso orientador de estágio da FEUP, pela orientação, constante apoio e simpatia que sempre nos recebeu. Ao Eng.º António Correia Alves, orientador do INESC Porto, pela ajuda e inexcedível colaboração para connosco. À Eng.ª Cláudia Pereira, colaboradora da Durit, pela disponibilidade, acolhimento e a experiência que nos transmitiu. À Universidade do Porto, em especial a FEUP pelo acolhimento e por ser uma GRANDE faculdade em todas as acepções. Aos nossos colegas de curso, pelo companheirismo e amizade manifestados durante estes últimos anos. Ao INESC Porto por nos ter assegurado boas condições de trabalho e a todos os seus colaboradores pelo acolhimento, colaboração e simpática durante a execução do nosso projecto. Em especial à Maria João Pato e ao Samuel Moniz pela boa disposição e entreajuda. Finalmente, à nossa família e companheiros de vida que nos têm acompanhado sempre e cujo encorajamento, apoio e compreensão, foram (e são) inestimáveis e insubstituíveis. vii

8 Sumário Executivo A gestão de stocks ajuda a organização a desenvolver políticas para atingir uma gestão optimizada dos investimentos em stock nos seus negócios. Com uma política apropriada a organização consegue obter vários benefícios, tais como, minimizar os custos associados ao produto, garantir a satisfação dos clientes e criar uma boa imagem de mercado. Uma boa gestão de stocks é crucial para tornar a empresa competitiva e contribuir para a qualidade dos seus produtos. Neste relatório descreve-se um projecto de estágio realizado no INESC Porto, onde foram abordados temas relacionados com a gestão de stocks, associados à previsão da procura e ao escalonamento da produção. Inicialmente apresenta-se o caso de estudo deste projecto de estágio. O capítulo 1 refere-se à empresa Durit, na qual foi recentemente implementado um sistema ERP, com a nossa colaboração e que constitui o caso de estudo deste estágio. No capítulo seguinte é feita a descrição do projecto de estágio, que teve como objectivo desenvolver diferentes regras alternativas de gestão de stocks, tendo em conta a previsão da procura e o escalonamento da produção. No capítulo 3 faz-se uma introdução aos sistemas de stocks e aos seus métodos de planeamento. No capítulo 4 explicam-se alguns métodos fundamentais de previsão e respectivos modelos. Em seguida, no capítulo 5, para o caso de estudo, realiza-se a previsão da procura com base nos dados seleccionados e procede-se à análise e à aplicação de um método de previsão. No capítulo 6 efectua-se o escalonamento da produção e mencionam-se algumas heurísticas de dimensionamento de lotes. Por fim, apresenta-se a conclusão deste projecto assim como orientações para trabalhos futuros. viii

9 Capítulo 1 Caso de estudo

10 Caso de estudo 1. A empresa 1.1 Apresentação A Durit é uma empresa situada na zona industrial de Albergaria-a-Velha e tem parceiros em Espanha, Alemanha e Brasil. Com perto de 24 anos de existência, a Durit iniciou a sua actividade comercial em 1981, desde então comercializa ferramentas e peças de grande precisão em metal duro de acordo com os requisitos do cliente. Melhorias contínuas de materiais e processos de produção conferem à Durit uma posição destacada no âmbito dos fornecedores de metal duro. A sofisticada unidade dispõe de maquinarias modernas operadas por pessoal altamente qualificado. Figura 1.1 A Durit 1.2 Produtos Todos os produtos da Durit são feitos de material sinterizado contento principalmente carboneto de tungsténio que é o componente que confere dureza, juntamente com o cobalto que serve de ligante. O tamanho de grão do carboneto de tungsténio e a percentagem de ligante influenciam directamente as propriedades do material. Os parâmetros de aplicação da peça final definirão o grão mais adequado para cada uso. 2

11 Caso de estudo Micrograu Grau médio Grau grosso Figura 1.2 Tipos de grau A tabela seguinte mostra os graus standards da Durit, contudo a empresa é capaz de produzir componentes especiais a pedido do cliente: Tabela 1.1 Tabela de graus de metal duro 1.3 Processo Produtivo Através de uma sequência de operações muito bem estruturada a Durit produz as ferramentas de metal duro. As peças em bruto são produzidas utilizando as mais modernas tecnologias de prensagem e fornos de sinterização. O processo produtivo está dividido em quatro secções. Na primeira subdivisão a matéria-prima é recebida em bruto e tratada de forma a produzir os graus, na segunda secção o grau é prensado e é formada a peça em metal duro, na terceira secção a peça em metal duro é associada ao aço e, por fim, há uma secção onde é feita a inspecção e rectificação das peças. Inicialmente, quando a matéria-prima chega à Durit ela passa pelas seguintes operações até formar o grau: mistura, moagem e secagem. Após esta primeira 3

12 Caso de estudo etapa o granulado fica pronto para passar pela prensagem, sinterização e electroerosão. Por fim, há uma secção responsável pela inspecção, rectificação e polimento das peças. De forma a melhorar o processo produtivo a Durit pretende implementar um ERP, neste projecto é apresentada uma solução para a gestão do stock da matéria-prima. Figura 1.3 Processo produtivo 1.4 Enquadramento do estágio Através de uma visita pelas instalações da Durit foi possível conhecer melhor todo o processo produtivo das ferramentas de metal duro feitas pela empresa. O objectivo da Durit é desenvolver uma política de gestão de stocks para uma máquina nova que será instalada. Esta nova máquina trabalhará em paralelo com o processo produtivo mais antigo e irá permitir tempos de produção menores e um processo mais eficiente. Para 4

13 Caso de estudo compreender melhor as vantagens que a nova máquina traz é importante perceber a sequência de operações que existe para se tornar claro quais as operações que serão optimizadas. A matéria-prima, Ni e Co, chega à Durit no seu estado bruto e o processo de produção começa com a pesagem do pó, com uma precisão na ordem dos µg. De seguida começa a operação de mistura adicionando à matéria inibidores TaC, TiC e WC. Após a mistura segue-se a operação de moagem que é muito importante pois permite transformar a matéria num granulado uniforme. A moagem pode ser feita em dois tipos de moinhos, moinho de bolas ou moinho de atrito. O grau depois de moído é depositado em três silos com capacidade de 250 Kg. O tempo de produção dos diferentes graus é semelhante até à moagem, a operação de moagem vai depender do tipo de moinho utilizado e da matéria-prima estar num estado puro ou não. Além disso, o tempo necessário para a limpeza dos moinhos é o mesmo independentemente do grau que foi moído. Porém, o tempo de descarga pode variar com o tipo de matéria utilizada porque existem grelhas que entopem e acabam por impedir o escoamento do granulado. Após o granulado passar pelas operações de mistura e moagem o passo seguinte é a secagem. O granulado é depositado num tanque ao ar juntamente com um solvente que acaba por evaporar. A seguir à evaporação do solvente o grau está pronto para ser armazenado e posteriormente passar para as fases seguintes do processo produtivo. O tempo de secagem está sujeito à presença da parafina que por vezes é adicionada à matériaprima para a produção de determinadas ferramentas. Em média o tempo de produção, desde a pesagem até à armazenagem, dos granulados sem parafina é de um dia e com parafina três dias. A máquina nova tem por objectivo reduzir os tempos de secagem através de um processo que passa a ser feito em circuito fechado. O granulado, depois de ser moído, fica depositado em três silos que o armazenam até que ele possa entrar na máquina. Posteriormente, quando estes silos despejam o granulado a secagem será feita de uma forma muito mais eficiente e após uma hora cerca de 80/100 Kg de pó optimizado está pronto para ser armazenado e seguir o processo produtivo. Além de tornar a secagem muito mais rápida a máquina nova traz muitas vantagens para o ambiente, para a saúde e segurança dos operários e até mesmo melhora a qualidade do processo produtivo. 2 Projecto de estágio O projecto de estágio, com o título Implementação de um Sistema de Gestão Empresarial (ERP) numa empresa do sector metalúrgico, decorreu nas instalações do INESC Porto implicando deslocações à empresa em que o sistema será implementado, a Durit, em Albergaria-a-Velha. O trabalho foi orientado pelo Eng. António Correia Alves, responsável da área de Consultoria da Unidade de Engenharia de Sistemas e Computadores do INESC Porto e pelo Prof. Jorge Pinho de Sousa, professor associado da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. O projecto tinha como objectivo apoiar uma empresa do sector metalúrgico/metalomecânico Durit na implementação de um sistema ERP, desenvolver 5

14 Caso de estudo uma política de gestão de stock, com base na previsão da procura e no escalonamento e planeamento da produção de graus, matéria-prima para a produção de produtos em metal duro. Numa primeira fase foi feito um estudo teórico sobre sistemas de stocks e métodos de previsão, onde se analisaram questões importantes para o projecto. Na fase seguinte, após uma visita à Durit e com os dados de produção dos últimos três anos fez-se uma previsão da procura para um ano típico. Por último, foi desenvolvido um algoritmo para escalonar e dimensionar os lotes de produção para os graus de maior importância para a empresa, desenvolvendo assim uma política de gestão de stocks. Esta metodologia é apresentada no seguinte fluxograma: Dados da produção Previsão da procura Dimensionamento dos lotes Escalonamento Figura 2.1 Metodologia do projecto de estágio 6

15 Capítulo 3 Sistemas de stocks

16 Sistemas de stocks 3 Sistemas de stocks Este capítulo descreve os conceitos e abordagens fundamentais em gestão de stocks e baseia-se em grande parte em Chase et al. (2004), Heizer e Render (2000), Chase e Aquilano (1995) e Courtois et al (1997). Inicialmente, faz-se uma introdução à gestão de stocks onde são abordados os seus conceitos básicos. Nas secções seguintes são mencionadas as características dos sistemas de stocks para procura dependente e independente e é abordado o planeamento de stocks ABC. Por último, descreve-se o papel do MRP II na gestão de stocks e o capítulo termina com uma breve conclusão. 3.1 Introdução Definição e objectivos dos stocks Stock é a existência de qualquer artigo ou recurso usado numa organização. Os stocks de fabrico são classificados em matérias-primas, produtos acabados, componentes, abastecimento ou trabalho em curso. Os stocks apresentam várias vantagens como conservar a independência das operações, satisfazer as variações da procura do produto, possibilitar a flexibilidade na programação da produção, garantir matéria-prima caso existam variações no tempo de aprovisionamento e permitir benefícios económicos de uma ordem de compra. No entanto, os stocks têm inconvenientes como ocupar muito espaço, imobilizar meios financeiros importantes e aumentar o prazo médio de produção. O papel dos stocks é bastante ambíguo, estes podem disfarçar a ineficiência de uma empresa. Os stocks são uma forma confortável de camuflar certos problemas comuns numa empresa, como o mau planeamento ou má manutenção de máquinas. Normalmente esta situação é comparada a uma rio aparentemente navegável, mas que quando o leito desce abaixo de certo nível deixa a descoberto muitos rochedos que se tornam problemáticos (figura 3.1). Desta forma, os stocks devem ser bem geridos para que se encontre um ponto óptimo entre um desempenho positivo e o mínimo custo. Figura 3.1 Disfarce da ineficiência usando stocks 8

17 Sistemas de stocks Custos de stocks Os custos de stock podem ser custos de manutenção, de preparação, de encomenda e de falhas de stock. Os custos de manutenção incluem custos das instalações de armazenamento, de manuseamento e de desgaste do stock, entre outros. Os custos de preparação correspondem aos custos de mudança de produção, que incluem custos de organização de equipamentos e de atribuição de materiais e de tempo. Os custos de encomenda referem-se aos custos de gestão e administrativos para preparar uma ordem de compra ou de produção. Custos de falhas de stocks correspondem a custos de rotura de stock, estes custos correspondem a custos tangíveis, como perda de encomenda ou pagamento de multas, e a custos intangíveis, como perda de imagem e de clientes. Relação entre fornecimento e procura O objectivo da análise de stocks no fabrico e nos serviços de armazenagem é definir quando devem ser encomendados ou produzidos os artigos e qual a dimensão da encomenda ou produção. Para isso, é necessário prever a procura dos produtos de forma a garantir que estes estão disponíveis no momento exacto. A relação entre o fornecimento e o consumo é representada na figura 3.2. A procura pode não ser linear e assim ser estimada usando métodos de previsão que apresentam sempre erros de previsão. O fornecimento pode ser instantâneo, caso os artigos estejam em stock, ou linear se o fornecimento for efectuado à medida que os artigos são produzidos. Quantidade de artigos Consumo Fornecimento Quantidade de artigos Fornecimento Consumo Tempo Tempo Figura 3.2 Relação entre consumo e fornecimento O papel dos stocks tem vindo a mudar ao longo dos tempos. No início do século XX, devido à grande procura de produtos, a produção era baseada nas teorias tayloristas e os produtos produzidos em massa. Nesta altura os stocks tinham um papel muito importante, pois permitiam o armazenamento dos produtos fabricados em massa. Actualmente, a produção é superior à procura e são necessárias óptimas técnicas de marketing e de gestão para que uma organização sobreviva no mercado. Uma das práticas adoptadas pelas organizações é a mass customisation, estratégia de diferenciação de 9

18 Sistemas de stocks produtos de grande consumo, ou seja, os produtos são produzidos em massa mas orientados ao cliente. Nesta estratégia os produtos são produzidos em massa até determinado nível e assim armazenados em stock, logo que se receba uma encomenda o produto é terminado tendo em conta as especificações do cliente. Desta forma, o stock tem um papel igualmente importante e tem que ser bem gerido com base nas previsões de consumo. Definição de conceitos Existe um conjunto de conceitos relacionados com a gestão de stocks, abordados ao longo do relatório, que são definidos de seguida: Ponto de encomenda: nível de stock que desencadeia uma nova encomenda, ou seja, é o nível se stock necessário para cobrir as necessidades durante o tempo de aprovisionamento; Quantidade de encomenda: quantidade de produtos a encomendar que minimiza os custos totais de encomenda e de movimentação de stock; Stock de segurança: stock mantido de forma a assegurar que o nível de serviço pretendido seja satisfeito. Este tipo de stock é utilizado para proteger o sistema contra os custos associados aos erros de previsão; Nível de serviço: número de unidades que podem ser fornecidas no momento a partir do stock disponível; Stock máximo: nível de stock para o qual a empresa tem capacidade. Tempo de aprovisionamento: tempo desde que é colocada uma encomenda até a sua recepção. Sistemas de stocks Um sistema de stocks é um conjunto de políticas e controlos que examinam os níveis de stocks e definem a sua dimensão, ou seja, proporcionam a estrutura organizacional para manter e controlar os produtos a armazenar. O sistema é responsável pela encomenda e pelo seu acompanhamento bem como pela recepção dos produtos. Existem dois tipos de sistemas de stock, sistemas de stock para procura dependente e sistemas de stock para procura independente. A procura dependente de um artigo ocorre sempre que a necessidade do artigo é resultado directo da necessidade de outro artigo, designada por necessidade dependente. Na procura independente, as procuras de vários artigos não estão relacionadas entre si e as quantidades necessárias para cada um, ou necessidades independentes, têm que ser determinadas separadamente. 10

19 Sistemas de stocks 3.2 Sistemas de stocks para procura independente Os sistemas de stocks para procura independente podem ser de dois tipos: modelos de quantidade fixa de encomenda ou modelos de período fixo de encomenda. Os modelos de quantidade fixa de encomenda, também designados por quantidade económica de encomenda, são accionados por um acontecimento, ou seja, este modelo inicia uma encomenda sempre que o nível de stock mínimo é atingido. Os modelos de período fixo de encomenda, sistemas de intervalo fixo de encomenda ou de revisão periódica, são accionados pelo tempo, isto é, coloca encomendas ao fim de um intervalo de tempo fixo e predeterminado. Estes dois tipos de modelos são comparados na tabela seguinte: Características Modelo de quantidade fixa Modelo de período fixo Quantidade a encomendar Quando encomendar Manutenção dos ficheiros Constante, a quantidade a encomendar é sempre a mesma. Quando for atingido o nível mínimo. Sempre que é feita uma adição ou subtracção. Variável de encomenda para encomenda. Quando chegar o período de revisão. No período de revisão. Dimensão dos stocks Menor. Maior, porque tem que se proteger contra roturas de stock durante o período de revisão. Tempo de manutenção Tipo de artigos Elevada, devido aos registos perpétuos. Artigos de preço mais elevado, críticos ou mais importantes. Tabela 3.1 Comparação dos modelos por quantidade fixa de encomenda e por período fixo de encomenda Modelos de quantidade fixa de encomenda Os modelos de quantidade fixa de encomenda pretendem determinar qual a quantidade mínima em stock que origina uma encomenda e a dimensão dessa encomenda (figura 3.3). A quantidade óptima de encomenda corresponde à quantidade de produtos que origina um custo mínimo, desta forma, é necessário analisar os custos de encomenda para se determinar a quantidade óptima de encomenda (figura 3.4). 11

20 Sistemas de stocks Figura 3.3 Modelo de quantidade fixa de encomenda Figura 3.4 Modelo de custos Os custos de encomenda são dados pela expressão: CustoAnual Total = CustoAnualCompra + CustoAnualEncomendas + CustoAnualPosse D Q TC = DC + S + H (3.1) Q 2 Onde: TC é o custo anual total; D é a procura anual; C é o custo por unidade; Q é a quantidade a encomendar; S é o custo de colocar uma encomenda; 12

21 Sistemas de stocks R é o ponto da nova encomenda; L é o tempo de aprovisionamento; H é o custo anual de posse e de armazenamento. Para um custo mínimo, a quantidade óptima de encomenda é dada por: dtc dq D H 2DS = 0 + S + = 0 Q 2 opt = (3.2) Q 2 H Como este modelo assume uma procura e tempo de aprovisionamento constantes não é necessário stock de segurança. Desta forma, o ponto da nova encomenda é: R = dl (3.3) Onde: d é a procura média diária; L é o tempo de aprovisionamento em dias Modelos de quantidade fixa de encomenda com nível de serviço especificado Os sistemas de quantidade fixa de encomenda controlam o nível de stock e originam uma nova encomenda sempre que o nível de stock atinge determinado nível. Existe perigo de rotura de stock no período em que é colocada uma encomenda e esta é recebida, ou seja, durante o tempo de aprovisionamento. Para garantir que não exista uma situação de perigo de rotura de stock, é necessário manter um stock de segurança, como se verifica na figura

22 Sistemas de stocks Figura 3.5 Modelo de quantidade fixa de encomenda com nível de serviço especificado Nos modelos de quantidade fixa de encomenda com nível de serviço especificado a quantidade a ser encomendada é calculada como nos modelos sem nível de serviço especificado. No entanto, nestes modelos o ponto da nova encomenda é definido de forma a cobrir a procura prevista no tempo de aprovisionamento mais um stock de segurança determinado pelo nível de serviço desejado. Assim, o ponto de nova encomenda é dado pela expressão: R = dl + zσ (3.4) L Onde: R é o ponto da nova encomenda em unidades; d é a procura média diária; L é o tempo de aprovisionamento em dias; z é o número de desvios padrão para um nível de serviço específico; σ L é o desvio padrão da utilização durante o tempo de aprovisionamento; zσ L é a quantidade do stock de segurança. Determinar d, σ L e z A procura média diária - d - durante o tempo de aprovisionamento é uma previsão ou estimativa, por isso, para se calcular este parâmetro tem que se aplicar os métodos de previsão. Seguindo uma premissa estatística que diz que o desvio padrão de uma série de ocorrências independentes é igual à raiz quadrada da soma das variações, pode-se afirmar que o desvio padrão da utilização durante o tempo de aprovisionamento - σ L é definido como a raiz quadrada da soma das variações diárias: 14

23 Sistemas de stocks σ L = σ1 + σ σ i (3.5) Para calcular z é necessário calcular E(z), o número de unidades em falta que satisfaz o nível de serviço desejado e determinar o valor de z tabelado. Este valor pode ser determinado pela expressão: (1 P) Q E( z) = (3.6) σ L Onde: P é o nível de serviço desejado; (1-P) é a procura não satisfeita; D é a procura anual; σ L é o desvio padrão da utilização durante o tempo de aprovisionamento; Q é a quantidade económica de encomenda; E(z) é o número previsto de unidades em falta de uma tabela normalizada onde a média é igual a zero e σ = Modelos de período fixo com nível de serviço Nos modelos de período fixo, o stock é contado e as encomendas são colocadas em determinados momentos. Estes modelos geram quantidades de encomenda que variam de período para período e que dependem dos índices de utilização. Além disso, nestes casos os stocks são contados apenas no momento de revisão, desta forma é possível estar-se em rotura de stock ao longo do período de revisão e durante o tempo de aprovisionamento da encomenda, como se representa na figura 3.6. Por isso, o stock de segurança tem que garantir protecção contra as roturas de stock no período de revisão e no tempo de aprovisionamento. 15

24 Sistemas de stocks Figura 3.6 Modelo de período fixo com nível de serviço Nestes modelos, as encomendas são colocadas no momento de revisão T e o stock de segurança tem que ser encomendado de novo segundo a expressão: StockSegur ança z T + L = σ (3.7) A quantidade a encomendar, q, é definida por: QuantidadeEncomenda = procuramédia + StockSegurança StockDisponível q = T + L d( T + L) + zσ I (3.8) Onde: q é a quantidade a encomendar; T é o número de dias entre revisões; L é o tempo de aprovisionamento em dias; d é a previsão da procura média diária; z é o número de desvios padrão para um nível de serviço especificado; σ T+L é o desvio padrão da procura durante o período de revisão e o tempo de aprovisionamento; I é o nível de stock actual. O valor de z é determinado consoante o valor de E(z) correspondente da tabela. E(z) é dado segundo a expressão: 16

25 Sistemas de stocks dt (1 P) E( z) = (3.9) σ T + L Onde: E(z) é o número previsto de unidades em falta de uma tabela normalizada onde a média é igual a zero e σ = 1; P é o nível de serviço desejado; dt é a procura durante o período de revisão; σ T+L é o desvio padrão da procura durante o período de revisão e o tempo de aprovisionamento. 3.3 Sistemas de stocks para procura dependente Na gestão de produção moderna os métodos de gestão de stocks apresentados anteriormente possuem um domínio de aplicação reduzido. As limitações destes métodos estão associadas as hipóteses de partida que raramente são verificadas na prática. Com efeito, considerar que não existe rotura de stock, que existe uma procura regular e que os custos de armazenagem, encomenda e lançamento são constantes tornam estes métodos inadequados para a gestão de produção dos nossos dias. Na gestão tradicional de stocks, a ligação entre a procura do cliente e a necessidade de componentes é-nos dada por dados históricos dos consumos médios. Em caso de um aumento significativo do consumo, os métodos expostos anteriormente conduzem a uma rotura de stock, porque as encomendas recebidas não intervêm nas ordens de compra. O MRP (Material Requirements Planning - Planeamento das Necessidades Materiais) surge como um método que associa os pedidos de encomendas às ordens de compras de uma forma estruturada. Este método foi o principal desenvolvimento dos anos 70 e surgiu com progressos espectaculares na redução do tempo e do custo das mudanças em série. Foi nos Estados Unidos que começou o desenvolvimento deste conceito de gestão de produção que permitiu antecipar as necessidades e a sua distribuição no tempo. No entanto, neste método os pontos de encomenda são colocados por antecipação levando a excessos de stocks. As evoluções permitiram chegar ao conceito do MRP II (Manufacturing Resource Planning - Planeamento dos Recursos de Produção). O MRP II constitui um conceito muito mais abrangente e permite gerir a produção a curto e a longo prazo. 17

Planeamento da Produção

Planeamento da Produção Regula o funcionamento da ao nível operacional através de decisões do tipo o que, quando e quanto produzir ou comprar estratégico do negócio estratégico do negócio estratégico da estratégico da agregado

Leia mais

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 14

Planeamento Industrial Aula 14 Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Planeamento. e Controlo da Produção. Ficha Técnica PRONACI

Planeamento. e Controlo da Produção. Ficha Técnica PRONACI Planeamento e Controlo da Produção Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Planeamento e Controlo da Produção João Augusto de Sousa Bastos e Júlio Manuel Faceira Guedes PRONACI - Programa Nacional

Leia mais

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) Neste ponto, são abordados os módulos de planeamento da produção do software BaaN. Este software dispõe dos seguintes três módulos complementares de planeamento: MPS

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

METAL DURO POR ESPECIALISTAS

METAL DURO POR ESPECIALISTAS METAL DURO POR ESPECIALISTAS A Durit emprega mais de 350 pessoas em todo o mundo. Os seus principais mercados são a Europa e a América do Sul Metal Duro sinterizado - caracterizado pela sua resistência.

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla Layouts Balanceamento de Linhas Maria Antónia Carravilla Abril 1998 1. Layouts... 1 1.1 Definição, tipos de layouts... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Factores determinantes para a construção de um layout...

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla Gestão de Stocks Março 2000 Introdução Objectivos Perceber o que é o stock Saber como classificar stocks Saber fazer uma análise ABC Saber comparar modelos de gestão de stocks Saber utilizar modelos de

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções Gestão de Produção Definição A Gestão de Produção para a Indústria Têxtil e Confecções associa o Controlo, Planeamento e Custeio Industrial dos vários sectores das denominadas Têxteis Verticais com o tratamento

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Programação Linear Exercícios Cap. I Modelo de PL - Formalização António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i Recomendações 1. É possível aprender a matéria fazendo apenas

Leia mais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais produtivos de modo a garantir uma maior qualidade dos produtos sujeitos a fabrico, ao menor

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Gestão de Operações Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan António Rocha Quintas, Gil Manuel Gonçalves Fevereiro de 2006

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Caso de estudo - Logística Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Diagnóstico e melhoria das escolhas passadas. Avaliação da necessidade de fazer escolhas futuras.

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII

Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII Disciplina de Gestão de Operações Módulo V PLANEAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS E DE RECURSOS: MRP/MRPII por Prof. Pedro F.Cunha Ano lectivo 1999 / 2000 Curso de Engenharia de Informática de Gestão

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy*

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy* Revista FOCUS e Diário Económico Maio / 2001 O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO João de Quinhones Levy* O custo de produção de uma empresa, quer se trate de um projecto,

Leia mais

Contribuição dos Sistemas APS na Gestão da Produção: o caso do Sistema Izaro APS. Resumo

Contribuição dos Sistemas APS na Gestão da Produção: o caso do Sistema Izaro APS. Resumo Contribuição dos Sistemas APS na Gestão da Produção: o caso do Sistema Izaro APS Felipe Porto Sequeira 1, Isabel Seruca 2. 1) Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal felipeporto@ua.pt 2) Universidade

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

por João Gomes, Director Executivo do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo e Professor Associado da Universidade Fernando Pessoa

por João Gomes, Director Executivo do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo e Professor Associado da Universidade Fernando Pessoa COMO AUMENTAR AS RECEITAS DE UM NEGÓCIO: O CONCEITO DE GESTÃO DE RECEITAS (revenue management) (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Maio/Junho 2004) por João Gomes, Director Executivo do Instituto

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) No módulo SFC - Shop Floor Control é controlada a execução das ordens de fabrico. Através das sessões deste módulo, o responsável pelo fabrico pode introduzir novas ordens

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

em torno do Planeamento da Produção e da Gestão de Operações

em torno do Planeamento da Produção e da Gestão de Operações workshop Competir e Inovar na Gestão em torno do Planeamento da Produção e da Gestão de Operações Jorge Pinho de Sousa (jsousa@inescporto.pt) Fevereiro 2008 agenda 1. planeamento e escalonamento de operações

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

Sinopse Índice SECÇÃO I

Sinopse Índice SECÇÃO I Sinopse Livro especialmente dirigido aos profissionais e universitários da área da produção e operações que fornece um conjunto de técnicas para a melhoria das organizações. A primeira secção do livro

Leia mais

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos Prefácio XIII Nota do Autor XV Capítulo I Introdução à gestão da manutenção 1 1.1. A manutenção 2 1.2. A gestão 4 1.3. Gestão da manutenção 5 1.4. Custos de manutenção 7 1.5. Software de gestão da manutenção

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática

FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática FOLHA 2 Programação Linear : modelação matemática 1. A fábrica de gelados Derretem-se na Boca SARL fabrica 2 qualidades de gelados : de nozes (C) e de frutas (P). A loja encontra-se localizada numa animada

Leia mais

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/2000 Cap. 6. As etapas do projecto 1 6.1. As etapas básicas CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO IDEIA!!! FORMULAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE DECISÃO PLANIFICAÇÃO EXECUÇÃO

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA ÍNDICE MANUTENÇÃO PRIMAVERA 4 MÓDULOS CONSTITUINTES 4 CADASTRO 4 Entidades 5 Localizações 8 MATERIAIS 11 Sobresselentes, Consumíveis,

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 04

Planeamento Industrial Aula 04 Planeamento Industrial Aula 04 Análise de processos:.fluxogramas;.tipos de processo;.medição do desempenho;.exemplos Análise de Processos 2 o Entender como os processos funcionam é fundamental para garantir

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Sistemas de Gestão

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Sistemas de Gestão Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação Sistemas de Gestão 27 de Outubro de 2007 Dora Gonçalo Directora de Certificação e de Auditores www.apcer.pt Agenda Desafios e Organizações

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

GESTÃO DE STOCKS. E INVENTÁRIOS Rentabilize a Sua Organização Melhorando os Procedimentos 3ª EDIÇÃO CURSO

GESTÃO DE STOCKS. E INVENTÁRIOS Rentabilize a Sua Organização Melhorando os Procedimentos 3ª EDIÇÃO CURSO 3ª EDIÇÃO CURSO Técnicas e Métodos Para Racionalizar os Custos GESTÃO DE STOCKS E INVENTÁRIOS Rentabilize a Sua Organização Melhorando os Procedimentos LUANDA 7 e 8 de JULHO de 2014 Saiba porque necessitamos

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais