Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos"

Transcrição

1 Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial deste documento, por recurso a qualquer meio, sem o prévio consentimento do EQUASS.

2 Índice ÍNDICE...2 INTRODUÇÃO...3 CANDIDATURA E AUTOAVALIAÇÃO...5 VERIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA...5 SELECÇÃO DO AUDITOR...6 AUDITORIA...6 VISITA À ORGANIZAÇÃO...7 NÚMERO DE DIAS PARA A VISITA...7 PLANEAMENTO DA VISITA...8 AGENDA DA VISITA...8 RELATÓRIO...9 CERTIFICAÇÃO...9 AUDITORIA DE SEGUIMENTO...10 RECURSO

3 Introdução O EQUASS European Quality in Social Services é um sistema da qualidade dirigido às organizações que actuam no âmbito dos serviços sociais que procuram um desempenho baseado em standards considerados fundamentais e essenciais para os serviços sociais. Os critérios de avaliação utilizados no sistema estão baseados em valores chave para o sector social: os Princípios da Qualidade e os requisitos essenciais para a operacionalização do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). O EQUASS é operacionalizado com base em critérios de avaliação, indicadores de desempenho e regras bem definidas e num procedimento de auditoria externa testado. Os momentos chave para a Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais são a autoavaliação, a candidatura, a auditoria externa e a certificação. Com o envio do formulário de candidatura e os resultados da auditoria interna autoavaliação a organização candidata formaliza o seu pedido de auditoria externa. Um auditor externo independente será responsável por auditar o desempenho da organização relativamente aos critérios de Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais (EQUASS Assurance). O auditor solicitará o acesso no máximo a 15 documentos, de entre os referenciados pelo candidato no relatório de autoavaliação. Os documentos deverão estar disponíveis para consulta pelo auditor durante a visita à organização. Durante a auditoria, é verificado o desempenho da organização relativamente aos critérios, mediante a realização de entrevistas com clientes, colaboradores e outras partes interessadas. O desempenho relativamente aos critérios será também verificado através de outras fontes de informação, e.g. Sistema de Gestão da Informação. Os resultados serão reportados pelo auditor em sede de relatório de auditoria, o qual será enviado à organização candidata e ao secretariado do EQUASS. Todo o processo é supervisionado pelo Comité de Certificação do EQUASS que emitirá o respectivo Certificado se a organização requerente cumprir com os requisitos e critérios de certificação. O presente documento descreve sumariamente os procedimentos aplicáveis à Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais, referindo os respectivos documentos de suporte. 3

4 O processo de Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais encontra-se representado de forma simplificada no fluxograma apresentado na figura abaixo. Os documentos de suporte são identificados na figura pelo número com o qual são mencionados ao longo deste documento. 4

5 Candidatura e autoavaliação A organização candidata define na candidatura o âmbito organizacional para o qual requer a Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. O âmbito pode abranger a organização no seu todo, um ou mais departamentos/unidades de negócio específicos, implantados em um ou mais locais 1. O âmbito deverá sempre dizer respeito à prestação de serviços sociais de qualquer tipo (incluindo o ensino e formação profissional). A apresentação de candidaturas encontra-se aberta ao longo de todo o ano. A autoavaliação é efectuada pela organização candidata através do preenchimento do questionário incluído no Formulário de Candidatura. Através da resposta às 100 questões dele constantes, a organização deve demonstrar a conformidade com os requisitos do EQUASS Certificação da Qualidade. As evidências da conformidade são listadas no formulário de candidatura, de modo a que o auditor conheça e possa verificar a efectiva implementação das evidências requeridas. 1. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais - Formulário de candidatura (inclui o questionário para utilização na autoavaliação) 2. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais - Apoio ao preenchimento do formulário de candidatura Verificação administrativa O secretariado do EQUASS é responsável por verificar se o dossiê de candidatura se encontra completo e se o âmbito da actividade principal da organização é pertinente em termos de candidatura à Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Se a organização candidata não enviar todos os documentos solicitados ou não apresentar devidamente preenchido o Formulário de Candidatura e a lista de questões da autoavaliação, a organização será solicitada a fazê-lo. O processo de auditoria apenas avançará quando o dossiê de candidatura estiver completo. 3. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Verificação administrativa 1 A certificação das organizações de maior dimensão (>250 colaboradores) e das organizações com instalações em mais do que um local requer um mais elevado número de dias para a realização da auditoria. Se a auditoria incluir visita a diferentes locais, serão adicionados mais dias para a visita dos auditores externos aos previstos como regra geral no sistema. 5

6 Selecção do Auditor O gestor do EQUASS designará um auditor independente e devidamente qualificado/certificado para a condução da auditoria externa. A qualificação/certificação dos auditores no quadro do sistema é formalmente reconhecida pelo Comité de Certificação do EQUASS. A gestão e o secretariado do EQUASS apoiam o auditor ao longo de todo o processo de auditoria. O auditor tem competências na abordagem à Gestão da Qualidade e no conhecimento e compreensão dos Princípios da Qualidade e nos critérios de Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais, nos indicadores e regras/procedimentos. O auditor é especializado e experiente nas metodologias de auditoria. É responsável por todas as fases da auditoria, incluindo o processo prévio à emissão do respectivo relatório. 4. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Perfil do auditor 5. Código de ética Auditoria A auditoria à organização candidata é baseada na informação contida no formulário de candidatura, que espelha os resultados da autoavaliação. O resultado da auditoria decorre de um processo que integra as seguintes fases: Análise do formulário de candidatura e da autoavaliação pelo auditor. Solicitação de um máximo de 15 documentos, dos mencionados na autoavaliação, para comprovação da implementação dos requisitos do sistema. Estes 15 documentos serão a primeira selecção para análise. Preparação da visita às instalações da organização candidata pelo auditor: análise da documentação, identificação de tópicos prioritários para discussão, entrevistas e análise documental a efectuar no decorrer da visita. Informação ao candidato sobre a preparação da visita através do Formulário de preparação da visita. Identificação da conformidade do candidato no cumprimento dos critérios Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais através da validação das respostas dadas no questionário de candidatura. 6

7 O auditor receberá uma cópia digital completa da candidatura apresentada pela organização. O auditor procederá à verificação documental e à classificação da candidatura. A classificação é baseada na documentação disponibilizada durante a visita, nas discussões, entrevistas e em fontes de informação adicionais (e.g. Sistema de Gestão da Informação). O auditor é responsável por enviar previamente ao secretariado do EQUASS o formulário de preparação da visita, incluindo a listagem dos documentos seleccionados para revisão. Este documento será remetido à organização candidata no prazo mínimo de 10 dias úteis antes da data planeada para a auditoria. 6. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Formulário de preparação da visita Visita à organização O auditor é responsável por elaborar um plano de auditoria e um programa para a visita local. Este plano deve conter: Datas e tempo necessário para as entrevistas colectivas e individuais com clientes, colaboradores e outras partes interessadas. Data e tempo necessário à análise da documentação e de outras fontes de informação (e.g. Sistema de Gestão da Informação). Tempo necessário para apresentar à organização e aos seus colaboradores as conclusões da visita. Tempo necessário para efectuar uma síntese da auditoria e o respectivo relatório final. Este plano será discutido e acordado com a organização candidata, e dele será enviada cópia ao gestor do EQUASS e à organização. Número de dias para a visita O número de dias de referência fixado para a visita às organizações candidatas com um único local é de dois dias, com a duração de 8 horas cada. 7

8 Grandes organizações (> 250 colaboradores a tempo inteiro), ou com múltiplas localizações (> 1 instalação), necessitarão de mais dias para a visita. Se o âmbito de certificação da candidatura inclui mais locais de prestação de serviços, serão considerados dias adicionais para a realização da visita local. O número de dias adicionais é determinado pela fórmula: [nº de locais identificados]. O número máximo de localizações possíveis por auditoria é de 9. A decisão sobre o número de dias relativos a uma localização, bem como os dias adicionais relativos a multi-localizações é da responsabilidade do gestor EQUASS. A decisão sobre os locais a serem visitados é da responsabilidade do auditor. Planeamento da visita O auditor envia a proposta de planeamento e o programa da visita à organização candidata (incluindo o Formulário de Preparação da Visita), até 2 semanas (10 dias úteis) antes da data prevista para a realização. O planeamento e o programa devem ter o acordo da organização e serem divulgados ao auditor e a todos os colaboradores. O auditor utilizará o Formulário de Preparação da Visita para comunicar o planeamento da mesma. O auditor reunirá com colaboradores, clientes e outras partes interessadas directamente relacionadas com o âmbito da auditoria. É obrigatória a realização de uma entrevista com a Direcção Executiva da organização, de duração limitada (Max. 1,5h), a qual deve ocorrer no final da visita. O planeamento efectuado deve ser suficientemente flexível de modo a permitir alterações no decorrer da visita, como resultado da informação recolhida ao longo da mesma. 6. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Formulário de Preparação da Visita Agenda da visita O auditor recolherá evidências para verificação da conformidade através de entrevistas, análise de documentos e observação das actividades e condições relacionadas com o âmbito da candidatura. 8

9 A obtenção da mesma informação através de outras fontes independentes, tais como observação directa, medições e registos devem permitir a confirmação da informação recolhida nas entrevistas. As observações recolhidas durante a auditoria devem ser registadas. No final da visita, antes do relatório de auditoria, o auditor realizará uma reunião com os colaboradores da organização considerados relevantes para o âmbito da candidatura. O objectivo desta reunião é apresentar as observações e informação recolhida durante a visita, de modo a garantir que existe um entendimento claro dos resultados da auditoria e das recomendações contidas no relatório respectivo. 7. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Planeamento da auditoria 8. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Lista de verificação dos auditores Relatório Após a visita, e com base na informação e evidências recolhidas, o auditor revê as classificações atribuídas a cada critério e indicador. O auditor deve preparar e reportar os seus comentários no relatório de auditoria. O auditor é responsável por apresentar um relatório rigoroso e completo. Os resultados da auditoria são reportados numa secção específica do formulário de candidatura e devem ser enviados ao secretariado do EQUASS até 5 dias úteis após a realização da visita local. O secretariado do EQUASS comunicará o resultado ao Gestor do EQUASS e enviará o relatório de auditoria à organização, bem como um sumário executivo do mesmo aos membros do Comité de Certificação do EQUASS. 1. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Formulário de candidatura 9. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Sumário executivo Certificação O Comité de Certificação do EQUASS é responsável pela decisão de certificação das organizações candidatas que cumpram com os critérios de Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. O Comité de Certificação não certifica uma 9

10 organização se esta não cumprir 1 ou mais critérios de Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais, total ou parcialmente. Nestes casos, o Comité de Certificação permite a implementação das acções de melhoria referidas no relatório de auditoria, uma vez confirmadas pela organização candidata. A implementação das melhorias deve ocorrer no prazo de 6 meses após a recepção do relatório por parte da organização candidata. As decisões de certificação tomadas pelo Comité de Certificação devem ser unânimes e consensuais. O secretariado e/ou o gestor do EQUASS comunicarão a decisão do Comité de Certificação à organização candidata. 9. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Sumário executivo Auditoria de Seguimento Após a implementação das acções de melhoria previstas no relatório de auditoria e aceites pela organização candidata, será efectuada uma nova auditoria no sentido de retomar/concluir o processo de certificação. Será solicitado à organização que reporte as acções de melhoria implementadas e os resultados das mesmas no prazo de 6 meses. A nova auditoria será realizada após a recepção do relatório de melhoria enviado pela organização. A organização terá um máximo de 6 meses para promover as melhorias no seu desempenho relativamente aos critérios da Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais que não foram preenchidos. A organização reportará estes resultados no formulário de autoavaliação. O auditor analisará o relatório de autoavaliação e reportará, em conformidade com os procedimentos de auditoria definidos. A verificação dos resultados será efectuada através da realização de uma visita local adicional. O auditor realizará uma verificação externa das medidas de melhoria desenvolvidas, após a comunicação por parte da organização dos resultados alcançados. Apenas as medidas e resultados das melhorias identificadas como necessárias serão alvo de verificação nesta nova auditoria. O número de dias da visita será estabelecido pelo gestor do EQUASS (1 dia para um local único; 1 + [nº de locais identificados] dias para multi-localizações). Os custos da auditoria de seguimento serão debitados à organização candidata. 10

11 Recurso Para situações de decisão de não certificação, o EQUASS dispõe de procedimentos de recurso. Estes procedimentos destinam-se a garantir uma oportunidade à organização candidata de requerer uma segunda apreciação por outro auditor, com base no mesmo formulário de candidatura e no mesmo questionário de autoavaliação. Em conformidade com os procedimentos referidos, após a organização ser informada dos resultados da auditoria externa, pode, num prazo de tempo pré- -estabelecido, requerer que lhe seja dada a oportunidade de solicitar uma segunda opinião. O resultado do relatório de auditoria obtido nesta segunda opinião é final. O procedimento para recurso encontra-se descrito no documento Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Procedimentos para recurso. O custo do recurso é da responsabilidade da organização que recorre. 10. Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais Procedimentos para recurso 11

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO (Portaria nº 42/2005 de 17 de Janeiro e Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março) Ano Lectivo 2009/2010 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURAS ONLINE

MANUAL DE CANDIDATURAS ONLINE MANUAL DE CANDIDATURAS ONLINE Manual de Apoio às Candidaturas online As candidaturas são realizadas através do portal da Divisão Académica em https://daonline.isa.utl.pt/cssnet/page O acesso está condicionado

Leia mais

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD )

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Unidade de Informação Financeira Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Índice 1. Objectivo da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas (DIPD)... 3

Leia mais

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio PREÂMBULO ( ) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Âmbito de Aplicação) O presente regulamento

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE

REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE CANDEMIL Regulamento de Incentivo à Natalidade na Freguesia de Candemil Nota Justificativa Considerando que a diminuição da Natalidade é um problema

Leia mais

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA 2014 FICHA TÉCNICA Título: Estrutura de Termos de Referência Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos

Leia mais

FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO SECÇÃO I PROCEDIMENTOS ACADÉMICOS 1- Criação de cursos conferentes de grau; 2- Extinção de cursos conferentes de grau; 3- Alteração ou reformulação

Leia mais

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE LEGENDA, COM CORES, PARA IDENTIFICAR AS AÇÕES NO FLUXOGRAMA NÚMERO DA PÁGINA ONDE SE ENCONTRA O PROCEDIMENTO Mnnnnnnnnnnnnnnnnnn Zccccccccccc AÇÕES VINCULADAS

Leia mais

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS Regulamento de Certificação de Entidades Formadoras Página 1 de 16 Índice Capítulo I Disposições gerais... 4 Artigo 1.º Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE 1.º CHEQUE-DENTISTA

UTILIZAÇÃO DE 1.º CHEQUE-DENTISTA GUIA DO UTILIZADOR DO SISO UTILIZAÇÃO DE 1.º CHEQUE-DENTISTA Data: 30-06-2008 Versão: 1.0 Sumário: Guia do utilizador do SISO para Estomatologistas e Médicos Dentistas, relativo à utilização do 1.º Cheque-Dentista,

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO Página 1 de 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/04/2011 Revisão do procedimento 02 09/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane Freire de Oliveira

Leia mais

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016.

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016. Nº de proc. 01/2016 Objeto (s) Regulamento Interno de Horário de Trabalho do ITQB Departamento responsável pela tramitação do procedimento Conselho de Gestão do ITQB Responsável pela Direção do procedimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO 1. Nos termos do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com a redacção dada pela Lei nº 51/2005, de 30 de Agosto, e pela

Leia mais

Exemplo. Solange N. Alves de Souza 1

Exemplo. Solange N. Alves de Souza 1 Exemplo. v Sistema Aeroclube (fazer o modelo de classe, considerando apenas as classes persistentes) Num Aeroclube, estão inscritos pilotos, instrutores e alunos de pilotagem. Todos os sócios são identificados

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS. Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas

CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS. Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas CORPORATE GOVERNANCE Conjunto de mecanismos, processos e relações através dos quais as diferentes empresas

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

DIRETRIZES PARA A DIVULGAÇÃO E UTILIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES

DIRETRIZES PARA A DIVULGAÇÃO E UTILIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES DIRETRIZES PARA A DIVULGAÇÃO E UTILIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES 2014 FICHA TÉCNICA Título: Diretrizes para a Divulgação e Utilização das Avaliações Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto

Leia mais

Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional. Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA)

Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional. Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA) Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA) CONVITE PÚBLICO PRÉVIO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA DE PROGRAMA DE ACÇÃO SAMA/1/2008

Leia mais

Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares

Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares 1.º Âmbito A Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares(APARD), através do seu Gabinete Técnico

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2008 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) CONCURSO GERAL E CONCURSO JUSTIÇA OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos

Leia mais

OFERTA 35 EM VOUCHERS VOD (VAGA) Propriedade: DPTV

OFERTA 35 EM VOUCHERS VOD (VAGA) Propriedade: DPTV OFERTA 35 EM VOUCHERS VOD (VAGA) 2011 1 RESUMO Este documento pretende explicar a mecânica de oferta dos 35 em alugueres no ZON Videoclube (oferta incluída na nova vaga), respondendo às dúvidas que poderão

Leia mais

manual de navegação [área reservada a entidades gestoras]

manual de navegação [área reservada a entidades gestoras] manual de navegação [área reservada a entidades gestoras] 2 1 1 O presente manual aborda as noções gerais de navegação na área de acesso reservado às entidades gestoras e não dispensa a consulta das instruções

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1 ANEXO XIII PROGRAMA DE APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1. Programa e Secções 1.1. O Programa de Apoio à Distribuição Cinematográfica destina-se a comparticipar as despesas com planos de distribuição

Leia mais

Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção

Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção (Fileira do Cimento) Joana Vaz, Gestora de Processo CERTIF APFAC/CTCV Porto, Outubro 2009 Iniciou a sua actividade em 1999 Constituída por 24 associados

Leia mais

CURSO Certificação/Qualificação de Auditores Internos do Ambiente ISO 14001:2015

CURSO Certificação/Qualificação de Auditores Internos do Ambiente ISO 14001:2015 CURSO O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 3 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação ISO 14001:2015 Requisitos associados à estrutura de Alto nível Anexo

Leia mais

- Para uma contabilidade mais específica, o serviço base pode ser complementado com a contabilidade por centro de custos.

- Para uma contabilidade mais específica, o serviço base pode ser complementado com a contabilidade por centro de custos. Solução RCR GERIR Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR GERIR disponibiliza os serviços e o apoio essencial para introduzir mais tranquilidade e segurança na gestão

Leia mais

Regulamento das Entidades Formadoras

Regulamento das Entidades Formadoras Regulamento das Entidades Formadoras Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Norma habilitante O presente Regulamento é adotado ao abrigo do disposto no artigo 10.º e nas alíneas a) e c) do número 2 do

Leia mais

1 de 6 11-06-2009 19:23 Portaria n.º 216-E/2008, de 3 de Março Enuncia todos os elementos que devem instruir os pedidos de emissão dos alvarás de licença ou autorização de utilização das diversas operações

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460) E DO PROJETO INTERDISCIPLINAR (30-094)

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460) E DO PROJETO INTERDISCIPLINAR (30-094) UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460)

Leia mais

ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS 4. FLUXOGRAMA DA TRAMITAÇÃO

ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS 4. FLUXOGRAMA DA TRAMITAÇÃO AM/12 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO INDUSTRIAL ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS 4. FLUXOGRAMA DA TRAMITAÇÃO 1. Apresentação

Leia mais

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA.

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA. PARECER Nº 32/PP/2016-P SUMÁRIO: Existência ou não de incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de sócio gerente de sociedade comercial cujo objecto é Promoção Imobiliária, Compra e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR PARA O QUADRIÉNIO 2009-2013 Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário de Localização (Mod. ESPAD 030)

Instruções para o preenchimento do Formulário de Localização (Mod. ESPAD 030) Pág. 1 of 5 Instruções para o preenchimento do Formulário de Localização (Mod. ESPAD 030) Regras Gerais No âmbito das modalidades colectivas incluídas no sistema de localização, a responsabilidade pelo

Leia mais

Candidatura Passo a Passo

Candidatura Passo a Passo Candidatura Passo a Passo 1.1 Candidaturas on-line Este manual é um documento ilustrativo como efetuar a sua candidatura passo a passo. Para efetuar o processo de candidatura deverá aceder ao portal de

Leia mais

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas:

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas: DESPACHO NR/R/0094/2008 ASSUNTO: Regulamento de provas de agregação Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 239/2007, de 19 de Junho e ao fim de alguns meses de aplicação na UCP, considerou-se conveniente

Leia mais

Artº - 1º Âmbito. Artº - 2º Objectivos

Artº - 1º Âmbito. Artº - 2º Objectivos REGULAMENTO DE ESTÁGIOS IEP- UCP Artº - 1º Âmbito O presente Regulamento de Estágios é válido para os alunos dos Cursos de Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais e do Programa de Mestrado

Leia mais

O Programa da Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão

O Programa da Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão O Programa da Assistência para Projectos Comunitários A concede um programa de assistência financeira à projectos comunitários para responder as diversas necessidades dos paises em desenvolvimento. Conhecido

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR / DOS SERVIÇOS DE BIBLIOTECA ESCOLAR DE ESCOLA / AGRUPAMENTO...

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR / DOS SERVIÇOS DE BIBLIOTECA ESCOLAR DE ESCOLA / AGRUPAMENTO... THEKA Projecto Gulbenkian de Formação de Professores para o Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares www.theka.org MÓDULO E: GESTÃO DE RECURSOS. Maria José Vitorino (2005) MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO NO BE SWAROVSKI

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO NO BE SWAROVSKI TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO NO BE SWAROVSKI 1. Âmbito e aplicação (1) Swarovski Ibérica, S.A, C/ llacuna, 10-20 1ª Planta, 08005 Barcelona, Espanha (doravante denominada SWAROVSKI ) promove

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria

Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria Escola Sede: ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ LOUREIRO BOTAS 4 0 1 9 8 5 REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIEIRA DE LEIRIA Artigo 1º Objecto

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO A CLIENTES DO INAC, I.P. PARA APRECIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO A CLIENTES DO INAC, I.P. PARA APRECIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO A CLIENTES DO INAC, I.P. PARA APRECIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO FICHA TÉCNICA Título Relatório do Questionário a Clientes do

Leia mais

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Circular 8-1-006 de 1 de Fevereiro De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Caros Irmãos Escutas A Direcção

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CONCURSO DE BANDAS DE GARAGEM DE SETÚBAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CONCURSO DE BANDAS DE GARAGEM DE SETÚBAL REGULAMENTO MUNICIPAL DO CONCURSO DE BANDAS DE GARAGEM DE SETÚBAL Preâmbulo O Município de Setúbal tem procurado intervir em diversos campos, no sentido de proporcionar a satisfação de um conjunto de necessidades

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Página INTRODUÇÃO 14 CAPÍTULO I TERCEIRA IDADE: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL Problematização do conceito de terceira idade 24

ÍNDICE GERAL. Página INTRODUÇÃO 14 CAPÍTULO I TERCEIRA IDADE: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL Problematização do conceito de terceira idade 24 ÍNDICE GERAL Página INTRODUÇÃO 14 CAPÍTULO I TERCEIRA IDADE: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL 23 1. Problematização do conceito de terceira idade 24 2. Transformações objectivas conducentes à construção social da

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) - PGM. Relatório de Avaliação da Satisfação Clientes/Familiares

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) - PGM. Relatório de Avaliação da Satisfação Clientes/Familiares Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) - PGM Relatório de Avaliação da Satisfação Clientes/Familiares 2012 ÍNDICE Introdução... 3 Resultados Globais...... 3 Centro Educativo..... 6 Formação Profissional.....

Leia mais

Desenvolvimento Económico REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA

Desenvolvimento Económico REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA O licenciamento da localização, construção e instalação dos estabelecimentos será feito em conformidade

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil (aprovado pela CC do MEC em 11 de Março de ) (aprovado pela CCP do DECivil em 7 de Junho de ) Generalidades

Leia mais

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto José António Sarsfield Cabral 14.03.2008 1 Estrutura da apresentação A Universidade do Porto Introdução Contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Entrada de numerário Saída de numerário Câmbio de moeda. Seguros Mercado imobiliário Direcção Nacional de Impostos

Entrada de numerário Saída de numerário Câmbio de moeda. Seguros Mercado imobiliário Direcção Nacional de Impostos Declaração de Transacção em Numerário ( DTN ) Lei n.º 34/11, de 12 de Dezembro - Lei do Combate ao Branqueamento de Capitais e do Financiamento ao Terrorismo. Decreto Presidencial n.º 35/11, de 15 de Fevereiro,

Leia mais

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL Pág.: 1 / 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO 2. DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA 3. MODO DE PROCEDER 3.1. Introdução 3.2. Recolha de Currículos dos Candidatos 3.3. Organização Interna dos Currículos 3.3.1. Arquivo

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

CONCURSO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL

CONCURSO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL CONCURSO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL EMPREENDEDORISMO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 2 2. OBJECTIVO DO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL... 4 3. CANDIDATOS... 4

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9761, válido até 31/08/2007» AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

Leia mais

Ref: PCI 0301 Edição: 0.1- JUL/2013 Página: 1 / 12

Ref: PCI 0301 Edição: 0.1- JUL/2013 Página: 1 / 12 Página: 1 / 12 3.2.1 - RECEÇÃO DE BENS MÓVEIS (1) SERVIÇO REQUISITNTE Receção de Bens Móveis 2 Receciona os bens Guia de Remessa Confere quantitativa e qualitativamente os bens (evidência na Guia de Remessa)

Leia mais

ANEXO XVIII. O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções:

ANEXO XVIII. O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções: ANEXO XVIII PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PÚBLICOS NAS ESCOLAS 1. Programa e Secções O ICA apoia a formação de públicos nas escolas nos termos estabelecidos nas seguintes secções: Secção I Apoio à realização

Leia mais

Inquérito de avaliação. Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações

Inquérito de avaliação. Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações Inquérito de avaliação Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações Relatório Amadora Dezembro 2011 Inquérito de avaliação»1 Ficha

Leia mais

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009 Implementação do Projecto Competências TIC Fevereiro de 2009 Objectivos Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos, em ordem à utilização das TIC Reconhecimento de competências já

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

A EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS A EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO Art. 228 Constituição da República O controlo da legalidade dos actos administrativos e da aplicação das

Leia mais

Portal da Janela Única Electrónica

Portal da Janela Única Electrónica Portal da Janela Única Electrónica Instruções para acesso a funcionalidade Busque & Encontre A funcionalidade Busque e Encontre têm como objectivo proporcionar aos operadores de comércio externo, de entre

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES Câmara Municipal de Miranda do Douro

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES Câmara Municipal de Miranda do Douro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES 2015 Câmara Municipal de Miranda do Douro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. A IMPORTANCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES 2 3. OBJECTIVOS 2 4. METODOLOGIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA INSTITUTO DOS REGISTOS E DO NOTARIADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA INSTITUTO DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Anexo 2-A Análise To-Be Consulta Aquisição de Bens e Serviços para a Implementação do Novo Sistema de Informação de Registo Automóvel - no contexto da Nova Plataforma Integrada de Suporte ao Espaço Registos

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO ÍNDICE OBJECTO 3 ÂMBITO 3 CONCEITO 3 COMPETÊNCIAS 4 VALOR DA BOLSA 4 NÚMERO DE BOLSAS A ATRIBUIR 4 DISTRIBUIÇÃO DAS BOLSAS 4 ADMISSÃO 4 CRITÉRIOS

Leia mais

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição 1 Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 26 DE MARÇO DE 2008 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 18 DE ABRIL DE 2008 2 Regulamento

Leia mais

Regulamento do concurso de fotografia. Os Materiais e a Cidade

Regulamento do concurso de fotografia. Os Materiais e a Cidade Regulamento do concurso de fotografia Os Materiais e a Cidade Ponto 1. O concurso de fotografia Os Materiais e a Cidade, promovido pelos Departamentos de Engenharia Metalúrgica e de Materiais e de Engenharia

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008

XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008 XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008 Acordo de Cooperação Consular entre os Estados Membros da Comunidade dos Países

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS PARA A ELEIÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS DE 12 DE DEZEMBRO DE Até

QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS PARA A ELEIÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS DE 12 DE DEZEMBRO DE Até QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS PARA A ELEIÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS DE 12 DE DEZEMBRO DE 1976 DECRETO-LEI N.º 701-B/76, DE 29 de SETEMBRO Alterações: Decretos-lei n.ºs 757/76, 21 Outubro e

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

INFORMAÇÃO SOBRE O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INFORMAÇÃO SOBRE O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida neste documento,

Leia mais

Candidatura Passo a Passo

Candidatura Passo a Passo Candidatura Passo a Passo 1.1 Candidaturas on-line Este manual é um documento ilustrativo como efetuar a sua candidatura passo a passo. Para efetuar o processo de candidatura deverá aceder ao portal de

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS. Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME

REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS. Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME Sumário I. Introdução... 3 II. Política de Confidencialidade... 4 III. Políticas de

Leia mais

Relatório dos testes e estudos de mercado, da candidatura ao Prémio Cinco Estrelas 2016

Relatório dos testes e estudos de mercado, da candidatura ao Prémio Cinco Estrelas 2016 Relatório dos testes e estudos de mercado, da candidatura ao Prémio Cinco Estrelas 2016 O PRÉMIO CINCO ESTRELAS RESUMO DO PROCESSO INFORMAÇÃO SOBRE O SERVIÇO SERVIÇO: Reparação e Substituição de Vidro

Leia mais

Soluções de Comunicação Publicitária

Soluções de Comunicação Publicitária Soluções de Comunicação Publicitária Direct Mail Tabelas de preços Condições gerais Versão set15 Informação geral Direct Mail SEGMENTO OCASIONAL Preços aplicáveis a qualquer pessoa singular ou coletiva

Leia mais

Leia atentamente as instruções antes de iniciar o preenchimento da ficha curricular. Documento de Identificação:

Leia atentamente as instruções antes de iniciar o preenchimento da ficha curricular. Documento de Identificação: ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Candidatura nº Candidatura ao 8º Curso de Complemento de Formação em Enfermagem FICHA CURRICULAR Leia atentamente as instruções antes de iniciar

Leia mais

Novo Modelo de Formação

Novo Modelo de Formação Novo Modelo de Formação Conhecimento Melhoria Aperfeiçoamento Fomentar e favorecer a aquisição de conhecimentos Melhoria da qualidade de intervenção dos treinadores Promover o aperfeiçoamento qualitativo

Leia mais

CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO

CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Ex. mo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova I - IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA BI/Cartão do Cidadão NIF E-mail Data de Nascimento NIB Estado Civil Naturalidade Sexo Filiação do Cônjuge (Se

Leia mais

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN Conferência Ad Urbem Porto, 26-27 de Novembro Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN 2007-2013 Paulo Areosa Feio Informação e Monitorização Estratégica: A Experiência do

Leia mais

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) está integrado na Divisão dos Serviços

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO, ACÇÃO SOCIAL E DEFESA DO AMBIENTE. Ofertas de Emprego

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO, ACÇÃO SOCIAL E DEFESA DO AMBIENTE. Ofertas de Emprego Ofertas de Emprego Director do Controlo de Qualidade (M/F) Campo Maior Freguesia de S. João Baptista Habilitações: Licenciatura Horário: Diurno (8H 17H) Função: Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade,

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1. OBJETIVO A política de recrutamento e seleção tem como objetivo formalizar o processo de recrutamento e seleção da empresa Irapuru. Este processo desempenha papel fundamental na organização, pois através

Leia mais

SALÁRIOS POR PROFISSÕES

SALÁRIOS POR PROFISSÕES REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIOS POR PROFISSÕES NA CONSTRUÇÃO ABRIL 2006 Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões

Leia mais

SALÁRIOS POR PROFISSÕES

SALÁRIOS POR PROFISSÕES REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIOS POR PROFISSÕES NA CONSTRUÇÃO JULHO 2006 Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para eleição

Leia mais

Relatório dos testes e estudos de mercado, da candidatura ao Prémio Cinco Estrelas 2016

Relatório dos testes e estudos de mercado, da candidatura ao Prémio Cinco Estrelas 2016 Relatório dos testes e estudos de mercado, da candidatura ao Prémio Cinco Estrelas 2016 O PRÉMIO CINCO ESTRELAS RESUMO DO PROCESSO INFORMAÇÃO SOBRE O SERVIÇO SERVIÇO: Atendimento em loja MARCA: Rituals

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA(161263)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA(161263) Direcção Regional de Educação do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA(161263) Escola Básica Rainha Santa Isabel Coimbra (342580) REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR Artigo 1º Objecto O presente

Leia mais

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática Rev. 7, Aprovado

Leia mais

Inclusão de NOTAS FISCAIS. Guia Rápido Audatex Web Perfil Oficina

Inclusão de NOTAS FISCAIS. Guia Rápido Audatex Web Perfil Oficina Inclusão de NOTAS FISCAIS Guia Rápido Audatex Web Perfil Oficina 1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Acesso... 3 3. Home Tela Inicial... 4 4. Sinistros... 5 5. Dados Gerais... 6 6. Notas Fiscais... 6 7. Ações...

Leia mais

ADOPÇÃO FASES DO PROCESSO EM PORTUGAL

ADOPÇÃO FASES DO PROCESSO EM PORTUGAL 1. CANDIDATURA Entrega de formulário e documentação nos Serviços de Adopção. O processo não tem qualquer tipo de custo. Informações em: Segurança Social http://www2.seg-social.pt/left.asp?03.06.01.02.02

Leia mais

Regulamento para submissão de pedidos de parecer prévio

Regulamento para submissão de pedidos de parecer prévio Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Regulamento para submissão de Folha de Controlo Nome do Documento: Regulamento para submissão de

Leia mais