FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT"

Transcrição

1 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO VERSÃO FINAL FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT

2 ÍNDICE DE QUESTIONÁRIOS 1. Gestão de Topo - Características da Empresa e Estratégia 2. Organização e Recursos Humanos 3. Financeira 4. Marketing e Comercial e Relacionamento com a Envolvente 5. Logística 6. Qualidade 7. Produção Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel

3 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Gestão de Topo - Características da Empresa e Estratégia

4 GESTÃO DE TOPO - CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA E ESTRATÉGIA Identificação da empresa 1. Nome e Origem: 2. Natureza Jurídica: 3. Capital Social 3.1. Capital (c.) 3.2. Composição (%): Público Privado Nacional Estrangeiro País 4. Os investidores estrangeiros participam na gestão? Sim Não Conselho de Administração Direcção Operações Outros 5. Ano Início da Actividade: 6. C.A.E.: 7. Área de actividade: 8. Integrada num grupo empresarial? Qual? 9. Tem delegações/filiais/empresas do grupo no estrangeiro? Países Nº Unidades Produtivas Nº Deleg. Comerciais Nº Agentes Outros. Quais? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

5 Estratégia 10. Quais têm sido as grandes fontes de inovação aos diversos níveis? Preencha de acordo com a escala de importância 1-nunca... 4-muito frequente. Fonte de inovação Produto Processo Organizac. Estudos internos Propostas de fornecedores Recurso a especialistas (consultores) Rrecurso a laboratórios e centros de competência Análise da concorrência Propostas de clientes Participação em consórcio Presença em feiras Literatura especializada 11. Classifique de 1 (Nada Importante) a 5 (Crítica) a importância dos seguintes factores para a definição do posicionamento estratégico da empresa no mercado. Classifique os mesmos factores para três anos atrás: O preço mais baixo A rapidez de entrega Fiabilidade das entregas A qualidade da matéria prima As especificações únicas do produto Superior nível de qualidade Maior amplitude da gama de produtos A capacidade de garantir, com rapidez, a quantidade desejada Introdução mais rápida dos produtos no mercado Proximidade geográfica Outros. Quais Actual Há 3 anos Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

6 12. Quais considera serem os pontos fortes e fracos da sua empresa (classifique de acordo com a escala 1-muito fraco; 2-fraco; 3-médio; 4-forte; 5-muito forte)? Capacidade de desenvolvimento produtos/ferramentas/processos Domínio tecnológico produtos/processos Qualificação dos recursos humanos de produção/engenharia/gestão Custos de fabrico Qualidade Flexibilidade na dimensão das encomendas e no prazo de entrega 13. Quais são as principais dificuldades enfrentadas pela sua empresa (níveis 1 (Nada Importante) a 5 (Crítica))? Baixa na procura, perda de clientes Encargos com o pessoal Insuficiências de capital Legislação laboral Equipamento ultrapassado Qualificação da mão de obra Concorrência Outras. Quais 14. Estão definidas a médio prazo as grandes prioridades ou linhas de desenvolvimento da empresa? Quais são essas prioridades? Excelência do sistema de produção Aumento da capacidade da produção Aumento do valor acrescentado dos produtos Informatização Desenvolvimento dos serviços de engenharia (produtos e/ou processos) Diversificação (produtos / processos / mercados) Estabelecimento de parcerias Internacionalização Relação com o Sistema Administrativo/Regulador 15. Se considera que existe um enquadramento do sector na política industrial do Estado, quais as medidas sectoriais específicas de apoio à actividade que conhece? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 3

7 16. Quais as actividades/projectos desenvolvidas(os) com a colaboração do Estado nos últimos cinco anos? Quais as medidas de apoio envolvidas? Actividade/Projecto Objectivo Período de execução Medida de apoio Fim da Parte de Gestão de Topo Características da Empresa e Estratégia Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 4

8 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Organização e Recursos Humanos

9 ORGANIZAÇÃO E RECURSOS HUMANOS 17. Quais os departamentos que existem na empresa? Recursos Humanos Afectos Total Nível de formação < 9º ano < 12º ano Licenc. Mestr. Dout. Produção Técnico / Engenharia / Concepção Qualidade Marketing Comercial Logística Outros. Quais? 18. Foram introduzidas inovações organizacionais (ex: reestruturação do organograma, introdução de sistemas de incentivos, novos departamentos, etc.) na empresa nos últimos cinco anos? Ano Tipo de Inovação Nº total de Trabalhadores nos últimos cinco anos Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

10 Recursos Humanos Afectos à Produção 20. Qual o número de pessoas em cada uma das seguintes funções de produção? Função Nº Pessoas Operadores Chefes de equipa Supervisores Manipuladores de material 21. Classifique a experiência do pessoal afecto à produção com as tecnologias que opera preenchendo a tabela seguinte: Experiência < 1 ano 1 a 5 anos 5 a 10 anos > 10 anos Nº de pessoas 22. Avalie a capacidades técnicas dos colaboradores, preenchendo a tabela com o número de pessoas. Operários Técnicos Capacidade de: Operar máquina CNC Programar máq. CNC Usar /edi 23. Indique o valor médio dos salários para as funções seguintes: Experiência Operários Encarregado/Chefe de Equipa Técnico (quadro intermédio) Engenheiro (quadro superior) Salário Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

11 24. Ferramentas e técnicas de gestão de recursos humanos empregues na empresa: Percentagem dos Trabalhadores em equipas multi-disciplinares auto-geridas Percentagem de trabalhadores e supervisores a participar em rotação de trabalho Percentagem de Trabalhadores com polivalência de funções 25. Existem sistemas de incentivos com base em critérios definidos para as linhas de produção? Em caso afirmativo, de que tipo? Não existem Pecuniários Outros. Quais? 26. Indique o número médio de horas anuais de formação para as funções seguintes: Operários Horas / ano Encarregado/Chefe de Equipa Técnico (quadro intermédio) Engenheiro (quadro superior) Relação com o Sistema Ensino/Formação 27. Com avalia as entidades do sistema nacional de formação relativamente às necessidades da indústria? Entidade Adequação* Universidades e Institutos Politécnicos Escolas secundárias Escolas profissionais e Centros de formação * Ex: 1- nada adequado; 2 - pouco adequado, 3- adequado. 28. Pensa que deveriam existir cursos de formação dedicados à indústria automóvel? A que nível de ensino (técnicos, superiores, especialização) e em que locais? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 3

12 29. Assinale no quadro seguinte os sectores/níveis de qualificação onde se verificam maiores dificuldades no recrutamento de pessoal. Nível de Qualificação Sector Funcionários administrativos Operários Quadros médios (técnicos) Quadros superiores (engenheiros) Produção Engenharia Comercial e marketing Administrativa e financeira Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 4

13 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Financeira

14 FINANCEIRA 30. Qual o volume total de facturação e a quota correspondente ao mercado automóvel? Volume de Facturação (c.) Mercado automóvel (%) (previsto) 31. Qual o volume de investimento realizado nos últimos anos? (previsto) Volume de Investimento (c.) Corpóreo Incorpóreo Total Participação do Estado (%) Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

15 Estrutura de Custos 32. Indique a decomposição dos custos de fabrico (em %) para as principais famílias de produtos destinados ao sector automóvel: Família Mão-de-obra Rubrica Matéria-prima Energia Outros 33. Indique, para os últimos cinco anos, os custos totais de: Rubrica Qualidade Valor (c.) Logística Manutenção I&D Formação Relação com o Sistema Financeiro/Financiador 34. Classifique, de acordo com a escala 1 - Sem importância;2 - Pouco importante;3 - Importante;4 - Muito importante, o apoio do sistema financiador ao nível de: Projectos de expansão de produção / aquisição de equipamentos Projectos de desenvolvimento tecnológico Projectos de internacionalização Outros. Quais? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

16 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Marketing e Comercial e Relacionamento com a Envolvente

17 MARKETING E COMERCIAL E RELACIONAMENTO COM A ENVOLVENTE Produtos e Mercados 35. Quais os principais produtos (ou famílias de produtos) da empresa, o número de unidades produzidas e a % do volume de vendas nos últimos 5 anos? Nº Produto Volume produzido % das vendas No caso específico do sector de componentes para automóvel, indique o peso relativo dos principais países compradores. País % das vendas no sector automóvel Portugal Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

18 37. No caso específico do sector de componentes para automóvel, indique o posicionamento na cadeia de produção e, no caso de fornecimentos ao nível de 2ª e 3ª linhas, o sistema a integrar. Indique ainda se o produto se destina a 1º equipamento ou equipamento de reposição. Produto nº * 1ª linha 2ª linha 3ª linha Sistema 1º Equip. Reposição * - conforme questão Para cada produto ou família de produtos, quais os clientes OEM que fornece como primeiro equipamento, qual o modelo da viatura e a qual a unidade fabril de montagem? Produto nº * OEM Modelo Fábrica * - conforme questão Para cada produto ou família de produtos, quais os clientes (OEM ou distribuidores) que fornece como equipamento de reposição, qual o modelo da viatura e os países de destino? Produto nº * Cliente Modelo Países de destino * - conforme questão 35 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

19 Relação com Clientes e Fornecedores 40. Quais as características mais valorizadas para as três famílias de produtos mais importantes (ex: injectados, estampados,...)? Para cada uma das famílias, classifique a importância atribuída, pelos seus clientes, a cada uma das características apresentadas. Para tal, utilize a seguinte escala: 1-Insignificante... 5-Muito Importante Características Família Preço Resistência Durabilidade Design Amplitude da Gama Exclusividade Inovação Produto à Medida do Cliente Imagem (Marca) Prazo de Entrega Fiabilidade das Entregas Assistência Técnica Proximidade Geográfica Outras. Especifique: 41. Qual a duração média dos contratos com fornecedores? 42. Qual a duração média dos contratos com clientes? 43. Quais os recursos afectos ao contacto com os clientes? Ano Financeiros (c.) (% Orçamento) (% Vendas) (Preencha apenas uma das opções) Humanos Nº de Pessoas Função % de Tempo na actividade Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 3

20 44. A sua empresa integra as seguintes actividades com clientes e fornecedores? Em caso afirmativo, indique o ano de início da relação. Engenharia (concepção de produtos e/ou processos) Operações conjuntas de produção Localização conjunta de instalações Assistência e apoio técnico (partilha de informação técnica) Acesso a sistemas de planeamento Conhecimento de stocks Comunicação via EDI Capacidade de produção dedicada Uso conjunto de equipamentos logísticos (contentores, embalagens) Uso conjunto de serviços logísticos de terceiros Clientes Fornecedores Ano de início Ano de início 45. Classifique a importância dos seguintes critérios na escolha de fornecedores usando a escala 1 (Nada Importante) a 5 (Crítica). Capacidade de Desenvolvimento Qualidade do Produto Entregas on-time Qualidade de Serviços Prestados Abrangência das Relações Proximidade Geográfica Exclusividade Produtos e Serviços específicos para a empresa Preço Garantia oferecida Dimensão da organização Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 4

21 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel Identifique cada uma das matérias primas utilizadas pela empresa, os seus actuais fornecedores, o peso de cada fornecedor no total de compras e a sua origem geográfica. Matéria prima fornecida Fornecedores actuais da empresa Importância no total das compras Origem geográfica do fornecedor (1-100%) 1 2. Origem do Fornecedor: 1 Nacional; 2 Estrangeiro. Questionário Global

22 Concorrência 47. Quais os principais concorrentes da empresa para as três famílias de produtos mais importantes (ex: injectados, estampados,...)? Produto (Nº) Concorrente Nacionalidade Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 6

23 Relacionamento com Outros Agentes 48. A empresa possui ou contrata no exterior os seguintes serviços técnicos especializados? Processamento Controlo de qualidade Selecção de pessoal Contabilidade Formação profissional Marketing Estudos técnicos Projectos/serviços de engenharia Preparação e métodos de trabalho Serviços de manutenção Serviços jurídicos Design Transporte de pessoal Transporte de matérias-primas Transporte de produtos acabados Gestão de Stocks Manuseamento Interno Armazenamento Publicidade Outros serviços que contrate: 1 Não possui nem contrata; 2 Contrata; 3 Possui. 49. A empresa é membro de alguma associação do sector? Quais? Associação Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 7

24 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel Classifique as relações da empresa com os tipos de instituições listadas abaixo. Instituição Frequência da relação Objecto da relação Ano de início Tipo de relação Avaliação Universidades Institutos Politécnicos Laboratórios Públicos Institutos Tecnológicos Outras Empresas Frequência da relação: 1 Inexistente; 2 Pouco frequente; 3 Frequente; 4 Muito frequente Objecto da relação: 1 - Investigação de novos processos tecnológicos; 2 - Desenvolvimento de tecnologias; 3 - Análises à qualidade dos produtos finais; 3 - Desenvolvimento de produtos; 4 - Controle ambiental; 5 - Outros. Especifique. Tipo de relações estabelecidas: 1 Parceria; 2 Colaboração pessoal informal; 3- Subcontratação; 4 Mobilidade de pessoal. Avaliação da colaboração: 1 - Sem importância; 2 - Pouco importante; 3 - Importante; 4 - Muito importante. Questionário Global

25 51. Na sua opinião, que medidas deveriam ser tomadas ao nível da política industrial nacional e em particular no que respeita ao sector? Fim da Parte de Marketing e Comercial e Relacionamento com a Envolvente Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 9

26 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Logística

27 LOGÍSTICA 52. Prazos: Saída (para o produto com maior facturação ou valor mais típico) Tempo entre encomenda definitiva do cliente e entrega da encomenda (em horas ou dias) Frequência de entregas (entrega cada x horas ou dias) Entregas em atraso (%) Entrada (para o principal fornecedor ou valor mais típico) Tempo entre encomenda ao fornecedor e chegada da encomenda (em horas ou dias) Frequência de entregas (entrega cada x horas ou dias) Entregas em atraso (%) Nº total de fornecedores 54. Qual a percentagem do volume de vendas referente a produtos abastecidos just-in-time (entregas diárias com horas pré-definidas)? 55. A organização tem uma estratégia de logística delineada e formalizada? Sim Não 56. A empresa detém mecanismos formais de avaliação da eficácia e eficiência da função baseados em critérios claramente definidos? Sim Não Se Sim, quais os critérios de avaliação do desempenho utilizados? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

28 56.2. Identifique os meio que utiliza na comunicação com clientes e fornecedores 1 Insignificante; 2 Importância Reduzida; 3 Importante; 4 - Critico Meios Utilizados Importância Carta Telefone Fax Internet Extranet EDI(Electronic Data Interchange) EFT(Electronic Funds Transfer) Outros: 57. Caracterize a estrutura de distribuição utilizada pela empresa Estrutura Fornecimento directos ao cliente na linha Fornecimento directo aos clientes para armazém Fornecimento a agentes de organização de JIT Utilização de armazéns intermédios (localização: ) Outras. Quais? Sim/Não 58. Defina os valores de, Stock de matérias primas, Work In Progress e Stock de produtos acabados para os últimos cinco anos: Stock de matérias primas Work In Progress Stock de produtos acabados Nº de peças Valor Nº de Valor Nº de Valor Nº de Valor Nº de (Esc) peças (Esc) peças (Esc) peças (Esc) peças Valor (Esc) Fim da Parte de Logística Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

29 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Qualidade

30 QUALIDADE 59. Preencha a seguinte tabela para o produto mais importante da empresa ( em termos de volume de vendas) destinado ao sector automóvel: Ano Taxa de Defeitos Interna valor máximo(ppm) Taxa de Defeitos Interna valor médio(ppm) Taxa de Defeitos Externa medida no cliente (ppm) Taxa de defeitos da matéria prima e componentes Taxa de Sucata (ppm) Rework (horas por semana) Rework (% horas de produção) Downtime (horas por semana) Downtime (% horas de produção) 60. Que certificações possui a empresa Certificação Data 61. Qual a percentagem de fornecedores certificados? 62. Quem elaborou o manual de qualidade: Consultores externos Serviços internos Outros. Quem? 63. Alterações significativas ao produto nas várias fases do ciclo de vida do produto (% por fase) Concepção Desenvolvimento Produção de Protótipos Pré-série Produção em Série Outras Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

31 64. Número total de informações escritas de clientes reportando problemas no último ano 65. Identificação de ferramentas de qualidade utilizadas pela empresa nas seguintes fases do ciclo de vida do produto. Exemplo: FMECA (Failure Mode and Effects Critical Analysis); QFD (Quality Function Deployment); SPC (Statistical Process Control); Kaizen; Design for Manufacturing (DFM); Design for Assembly (DFA) Opção A B C D E F Concepção Desenvolvimento Produção de Protótipo Pré-série Produção em Série Reutilização e Reciclagem Ferramentas Integradas Legenda: A - FMECA (Failure Mode and Effects Critical Analysis); B - QFD (Quality Function Deployment); C - SPC (Statistical Process Control); D - Kaizen; E - Design for Manufacturing (DFM); F - Design for Assembly (DFA) 66. São definidos objectivos de qualidade a diferentes níveis de responsabilidade ou apenas globais? Globais Níveis Especifique os níveis: 67. Nº de sugestões formalizadas por ano 68. Numero total de sugestões implementadas por ano 69. Quantas horas de assistência técnica teve a empresa por parte dos OEM nos últimos 5 anos? Ano Nº de Horas Fim da Parte de Qualidade Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

32 Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO Produção

33 PRODUÇÃO 70. Flexibilidade da produção Ano Número total de referências Número típico de referências em produção simultânea Número de referências novas Dimensão típica de uma ordem de produção Tempo médio entre o pedido de um novo produto até o primeiro lote estar concluído Percentagem de produtos que partilham uma ou mais tecnologias de produção Caracterização da Base Tecnológica 71. Quais são as principais tecnologias de fabrico da empresa? Definir como verbo e um complemento (ex: soldadura de aço por pontos, pintura cataforese de aço, etc. ). Classifique ainda o domínio da empresa sobre cada uma (ver legenda): Tecnologia Domínio Nº Designação A B C D E Níveis de domínio: A Muito reduzido, recorre a assistência técnica exterior; B - Algum domínio do controlo, recorre a assistência técnica para tarefas mais exigentes; C - Domínio operacional da tecnologia; D - Desenvolvimento da tecnologia com recurso ao exterior; E - Desenvolvimento interno da tecnologia. Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 1

34 72. Desenhe ou anexe um fluxograma com o processo de fabrico para os produtos mais representativos das 5 famílias mais representativas, indicando, sempre que possível, para cada tecnologia: Matéria prima / tipo de componentes à entrada e à saída Número de operários (mão-de-obra directa) Volume de produção (na unidade que for mais adequada - nº peças, facturação, ) Grau (nível) de automação Área ocupada Tempos de transporte entre processos consecutivos Percurso médio dos produtos dentro das instalações 1 De acordo com o Inquérito Internacional de Estratégias de Produção: Nível de automação Extensão do controlo computadorizado Descrição do controlo computadorizado para o nível 1 Nenhum - 2 Máquina isolada Instruções para o controlo da máquina 3 Centro de maquinação 2 + mudanças de ferramentas 4 Célula de maquinação 3 + controlo de maquinação múltiplo 5 FMS tipo programação 6 FMS tipo carga/descarga, armazenamento 7 FMS tipo inspecção e classificação Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 2

35 Produto Família Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 3

36 73. Indique, para cada tecnologia ou para o total da unidade, a idade, a experiência da empresa com a tecnologia (medida em anos de utilização da tecnologia) e o número de equipamentos produtivos com os diversos níveis de automação. Tecnologia nº 1 Idade média dos equipamentos Idade do equipamento chave Experiência com a tecnologia Comando manual Comando automático Comando numérico Integração com outras tecnologias Total da Unidade 74. Indique, para cada tecnologia ou para o total da unidade, o número (ou a existência) de equipamentos produtivos correspondentes: Tecnologia nº Sistema Flexível de Produção Centros de maquinação Robots Sistemas de montagem flexível Sistemas automáticos de armazenagem e busca (AS/RS) Automated Guided Vehicles (AGV s) Total da Unidade Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 4

37 75. Características do processo para cada uma das tecnologias da empresa: Tecnologia Global Horas de produção disponíveis por ano Capacidade de produção (h/mês) Dimensão média dos lotes para o produto mais sinificativo Número médio de lotes por mês para o produto mais sinificativo Tempo médio de setup Perdas de produção devido a imprevistos de produção (% ou h/mês) Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 5

38 Implantação 76. Identifique o tipo de implantação dos recursos produtivos da empresa Processo Produto Célula Fabrico 77. No caso de implantação mista (processo e produto), qual a % de produção realizada com implantação por produto 78. No caso da existência de células de fabrico, qual a % de produção que realizam 79. Percentagem da produção realizada através de linhas dedicadas (apenas um produto toma 100% da produção da linha) 80. Quando foi efectivado o último estudo de implantações? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 6

39 Engenharia de Processo 81. Geração de informação para fabrico Ferramentas utilizadas na geração de gamas e de informação para fabrico: Gamas antigas semelhantes Gamas padrão Catálogos de fabricantes de ferramentas e máquinas Base de dados de ferramentas e de características tecnológicas Sistemas informáticos de planeamento do processo Redução média dos custos de fabrico obtida a partir da melhoria de uma gama de fabrico (%) 82. Percentagem de trabalhadores envolvidos em actividades de resolução de problemas Qual a frequência de reuniões realizadas? (vezes por mês) Qual o tempo médio gasto por mês reuniões? 83. Tempos de processo Client Final Order Production Lead Times Production Freeze Schedule Product Ready Product Delivered t1 t2 t Caracterize os tempos (para os produtos mais significativos das 3 famílias mais significativas e/ou valor mais típico) Produto t1 t2 t Valor típico Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 7

40 83.2. Tempos úteis de processamento (descontando tempos de espera a t2) Produto 1 Tempo 2 3 Valor típico Planeamento e controlo da produção 84. Número de referências produzidas para armazém e produzidas para encomenda Armazém Encomenda 85. Avaliação do desempenho da manutenção realizada Tempo médio anual de paragens planeadas para manutenção Em períodos produtivos Valor (horas/ano) Em períodos não produtivos Tempo médio anual de paragens não planeadas para manutenção Em períodos produtivos Valor (horas/ano) Em períodos não produtivos 86. Quais as técnicas de planeamento da produção em vigor na empresa? MRP (Material Resource Planning) MRP II (Manufacturing Requirements Planning II ) JIT (Just in Time) Kanban Misto Outros. Especifique: Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 8

41 87. Assinale as funções que têm apoio informático e ligue entre si as que estão integradas. Engenharia Gestão Gestão ambiental e energética Planeamento Produção Máquinas Controlo Produção Gestão da Qualidade Manutenção Expedições Stocks Desenvolvimento 88. Tempo médio ou típico desde que o cliente pede o desenvolvimento de um novo produto (a partir do desenho, sem estudo técnico) até que a especificação do produto e plano de produção estão prontos 89. Tempo médio desde que é adjudicado um novo produto até que a primeiro lote está pronto (incluindo desenvolvimento da ferramenta) 90. Qual o volume de investimento em desenvolvimento (% vendas ou contos) para os últimos anos? Ano % Vendas Valor (c.) Qual o valor do equipamento de desenvolvimento (contos) 92. A empresa desenvolve ferramentas internamente? Se sim, qual o valor do equipamento de desenvolvimento? Qual o valor das últimas cinco ferramentas produzidas internamente? Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 9

42 93. Número de horas de engenharia aplicadas aos últimos 5 produtos desenvolvidos. Engenharia (h) Produto Ano de introdução Produto Processo 94. Número de estações de trabalho (computadores) exclusivamente para desenvolvimento 95. Indique quais as ferramentas de engenharia da produção e técnicas de organização do desenvolvimento empregues na empresa. Indique o seu ano de introdução na empresa. Computer Aided Engineering (CAE) Computer Aided Design (CAD) Planeamento de processos assistido por computador (CAPP, CAM) FMEA Engenharia simultânea Equipas interdisciplinares (engenharia, produção, ) Análise de valor/reengenharia do produto Outras. Especifique: Ano de introdução 96. Existe capacidade de desenvolvimento a partir de conceito no seio da empresa? Sim Não 97. A empresa possui patentes? Se sim, quantas e em que data foram submetidas? Patente - designação Data Fim da Parte de Produção Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel 10

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST):

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): Instruções Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): 1º Ler integralmente a folha "Instruções" Antes do preenchimento

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Como criar uma empresa em 9 passos

Como criar uma empresa em 9 passos Como criar uma empresa em 9 passos Passo 1: A Concepção da Ideia O primeiro grande desafio na altura de criar um negócio próprio é a concepção da ideia. Nesta fase o investimento do empreendedor não se

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010 1 - Aspectos Gerais 1.1 - Em qual das duas categorias a sua empresa se insere mais? Indústria 1.2 - O tema da eficiência energética é importante para a sua empresa. Barómetro da Eficiência Energética Portugal

Leia mais

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências WORKSHOP Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências Os desafios... Como identificar e dar a conhecer aos proprietários as oportunidades de

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

A Energia em Portugal Perspectiva de quem a utiliza

A Energia em Portugal Perspectiva de quem a utiliza A Energia em Portugal Perspectiva de quem a utiliza 2 Introdução A Associação Portuguesa da Energia (APE) publica a terceira edição de A Energia em Portugal - perspectiva de quem a utiliza, estudo que

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Lisboa, Janeiro de 2014 Realizar Negócios na China é o sonho de qualquer empresário mas pode ser uma realidade

Leia mais

Sinopse Índice SECÇÃO I

Sinopse Índice SECÇÃO I Sinopse Livro especialmente dirigido aos profissionais e universitários da área da produção e operações que fornece um conjunto de técnicas para a melhoria das organizações. A primeira secção do livro

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

17,5 mil milhões de dólares são 17,5 mil milhões de oportunidades para a sua empresa. Bem-vindo, Dr. João Belo Director-Geral do Grupo About Media

17,5 mil milhões de dólares são 17,5 mil milhões de oportunidades para a sua empresa. Bem-vindo, Dr. João Belo Director-Geral do Grupo About Media APRESENTAÇÃO O Grupo About Media organiza pela primeira vez em Luanda o Programa Avançado para Decisores sobre Concursos Inseridos no Programa de Investimentos Públicos (PIP) de Angola, com o aval do Ministro

Leia mais

Excelência na Produtividade

Excelência na Produtividade Excelência na Produtividade Pull Flow-OLI Nuno Martins nmartins@oli.pt HISTÓRIA 1954 1981 Fundação da empresa OLIVEIRA & IRMÃO, LDA. Início da atividade industrial com participação na empresa K.A 1993

Leia mais

TTULO. Seminário sobre Financiamento

TTULO. Seminário sobre Financiamento TTULO bjectivo / Compromisso: Dar a conhecer o Renting e a sua importância na gestão de Empresas aos associados da 2 Definição / Âmbito Diferenciação Impactos e Vantagens Processo de Negócio TODAS AS VANTAGENS

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / -

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / - IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO 0 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa são essenciais

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

Sucesso a Longo Prazo no Ramo de Montagem de Andaimes

Sucesso a Longo Prazo no Ramo de Montagem de Andaimes Departement Gesundheitswissenschaften und Technologie (D-HEST) Projecto de investigação para a prevenção de lesões músculo-esqueléticas nos profissionais de montagem de andaimes Elke Tomforde, Novembro

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda.

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 08.II.2006 C(2006) 241 final Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. Excelência, I. Procedimento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A Licenciatura em Engenharia Agro-pecuária Ref.ª : 1531001 Ano lectivo: 2010-11 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO ENTERPRISE MANAGEMENT AND ENTREPRENEURSHIP 1. Unidade

Leia mais

Together We Create Value

Together We Create Value Together We Create Value APRESENTAÇÃO DA MUNDISERVIÇOS LISBOA 2015 A história da MundiServiços carateriza-se por um percurso de inovação e de investimento na excelência dos seus serviços, assim como por

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo : SPT e SIG Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet Objetivos do Capítulo Explicar como os sistemas de informação empresariais podem apoiar as necessidades de informação

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO

NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO A Lei n.º 28/11, de 01.09., estabelece as bases gerais de organização e funcionamento aplicáveis às seguintes atividades: (i) refinação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: A Pós-Graduação em Gestão Estratégica dos Recursos Humanos e Inovação tem como objectivo geral dotar os gestores,

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n.

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n. Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Departamento Comercial Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8 Tânia Leão n.º19 Diferença de Aprovisionamento e Compra O aprovisionamento é um conjunto

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos?

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos? WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO Onde estão os Riscos? No Futuro... que pode ser duvidoso e nos forçar a mudanças... Nas Mudanças... que podem ser inúmeras e nos forçam a decisões...

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Ano lectivo: 2013 / 2014

Ano lectivo: 2013 / 2014 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS, SOCIAIS E HUMANAS ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano lectivo: 2013 / 2014 Data: 12 de Junho de 2013 Duração: 2h00m LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

Seminário OEP/INPI. O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções. Em colaboração com: Apresentado por

Seminário OEP/INPI. O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções. Em colaboração com: Apresentado por Seminário OEP/INPI Apresentado por José Maria Maurício Director de Marcas e Patentes O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções Em colaboração com: Bissau, 21 de Dezembro

Leia mais

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC O PO Regional Centro 2014-2020 por EIXOS 9,79% 2,48% Eixo 9 Reforçar a rede urbana Eixo 8

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente Estrutura Capital Salvo se indicação em contrário, as respostas reportam à situação a 31 de Dezembro do ano #### Contacto da sociedade para esclarecimento: Nome Telefone E mail Quesito Identificação da

Leia mais

24/05/2015. Índice. Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades. Estrutura Operacional. ISQ e Portugal 2020. Oportunidades

24/05/2015. Índice. Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades. Estrutura Operacional. ISQ e Portugal 2020. Oportunidades 24/05/2015 Índice Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades Estrutura Operacional ISQ e Portugal 2020 Oportunidades 1 ( ) Portugal 2020 é o conjunto de políticas, estratégias de desenvolvimento, domínios

Leia mais

Licenciatura em Administração Pública (LAP)

Licenciatura em Administração Pública (LAP) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração Pública (LAP) Maputo, Julho de 2015 UDM

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 BANKING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados, sendo

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO EMPRESAS 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO EMPRESAS 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO S ERVIÇOS I NDÚSTRIA C ONSTRUÇÃO MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL D ISTRIBUIÇÃO H OTELARIA T RANSPORTES S AÚDE E DUCAÇÃO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Manuel Sebastião Brasília 21 de Maio de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MODERNIZAÇÃO DAS REGRAS ARTIGOS 81 e 82 3. O CONTROLO DE CONCENTRAÇÕES 4. CONCLUSÕES

Leia mais

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro Ministérios das Finanças e da Economia Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro O Decreto-Lei n.º 70-B/2000, de 5 de Maio, aprovou o enquadramento das medidas de política económica para o desenvolvimento

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas. Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016

NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas. Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016 NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Dar exemplos de como a Internet e outras tecnologias da informação apoiam os processos de negócio nas seguintes funções empresariais: ƒ contabilidade; ƒ gestão financeira;

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:405266-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266 Anúncio de

Leia mais