Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade"

Transcrição

1 Montepio, Portugal Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade A qualidade e fiabilidade dos recirculadores Vertera foram determinantes na escolha da Glory Global Solutions para este projecto. Fernando Cálix Director Adjunto Montepio

2 Tecnologia eficiente para a Enquadramento Sobre Montepio A história do Montepio remonta a Criado como instituição mutualista, o grupo é composto por diversas entidades pertencentes ao sector financeiro e segurador: Montepio Geral, Caixa Económica Montepio Geral, Lusitânia Vida, Montepio Gestão de Activos, Futuro e Residências Montepio. O Montepio é a maior instituição mutualista e financeira de capitais privados exclusivamente portugueses. A prática do Mutualismo desde a sua fundação é a principal diferença do grupo face às restantes instituições presentes no mercado. Único no panorama bancário português e ligado à economia social, representa, na sua actividade valores como o associativismo, a solidariedade e o humanismo. Actualmente, com cerca de 325 agências e colaboradores, o Montepio cobre todo o território nacional e encontra-se entre os 10 maiores bancos portugueses. Para assegurar a integridade das notas de Euro em circulação, em Dezembro de 2004 o Banco Central Europeu (BCE) adoptou uma nova directiva designada por Quadro de Recirculação de Notas de Euro (BRF). Segundo esta directiva, todas as instituições bancárias e profissionais que operam com numerário dentro da zona euro devem estar preparados para verificar a autenticidade e qualidade das notas Euro antes de as reintroduzir em circulação. Cumprir com este Quadro representa um grande desafio para as partes envolvidas. Tal como outras instituições financeiras portuguesas, o Montepio tem de adaptar os seus procedimentos e equipamentos de forma a cumprir com o Quadro até final de Existem duas estratégias principais que podem ser utilizadas para cumprir com esta nova normativa: subcontratar o serviço ou investir em nova tecnologia. A primeira consiste em transferir parte da responsabilidade para as ETVs. Estas tornam-se responsáveis por fornecer notas às agências e carregar ATMs, enquanto a instituição se responsabiliza por instruir os seus colaboradores na inspecção manual das notas antes de serem fornecidas ao balcão. A segunda opção consiste em efectuar a recirculação na instituição, investindo em equipamentos de recirculação de numerário certificados pelo BCE. Fernando Cálix -Director Adjunto do Montepio e responsável pelo desenvolvimento de projectos de Automatização das Agências, Self- Service e Distribuição Multicanalcomenta: Decidimos tratar o novo Quadro dentro da instituição e investir na mais recente tecnologia de recirculadores. Esta nova directiva tornou viável o nosso projecto de automatização das agências.

3 recirculação de numerário O parceiro adequado O Montepio escolheu a Glory, como seu parceiro na tecnologia de recirculação de numerário por ter a oferta mais equilibrada em termos de tecnologia, custo, serviços e prestígio da marca. Fernando Cálix comenta: Como norma interna, optámos por equipar cada agência com um recirculador. Dada a importância do projecto, procurávamos um só parceiro que nos proporcionasse não só a solução certa como o apoio adequado. No que se refere ao produto propriamente dito, definimos uma lista de requisitos técnicos fundamentais. Entre eles, existem quatro que consideramos particularmente importantes: máxima qualidade, características de alta segurança, avançada capacidade de autenticação e escolha por qualidade, assim como dimensões reduzidas. Depois de analisarmos as diferentes propostas, chegámos à conclusão de que a Glory nos oferecia a solução mais equilibrada com o seu recirculador de notas Vertera. A qualidade e fiabilidade dos recirculadores Vertera foram determinantes na escolha da Glory para este projecto. O Vertera é uma solução nova e altamente fiável e, ao mesmo tempo, o Montepio beneficia da grande experiência e conhecimento da Glory em tecnologia de recirculação. No entanto, o que determinou o negócio foi a flexibilidade da Glory e a sua capacidade de nos oferecer um excelente serviço pós-venda. O apoio técnico da Glory cobre a totalidade do território nacional e a empresa tem uma boa reputação em termos de qualidade de serviço. Esta é a razão pela qual, em simultâneo com o fornecimento dos Vertera, o acordo entre o Montepio e a Glory inclui cinco anos de apoio técnico e uma gama completa de serviços, entre os quais: inspecção antes da entrega, instalação e configuração dos equipamentos, e formação dos operadores. Com o apoio da Glory, o Montepio foi capaz de integrar o recirculador Vertera na sua aplicação bancária, tendo iniciado um piloto numa agência com grande volume de circulação de notas. Depois de alcançar resultados favoráveis, deu-se início ao lançamento do projecto na sua totalidade. Fernando Cálix conclui: No total, temos planeado instalar 400 Vertera em 3 anos: 200 unidades até 2009, 150 em 2010 e 50 em Depois de analisarmos as diferentes propostas, chegámos à conclusão de que a Glory nos oferecia a solução mais equilibrada com o seu recirculador de notas Vertera. Fernando Cálix Director Adjunto Montepio Recirculador de Notas Vertera: sistema líder em autenticação e separação de notas A série Vertera baseia-se directamente na reputação do sistema líder de recirculação de notas o pioneiro e muito aclamado TCR Twin Safe. O Vertera, no entanto, oferece autenticação de notas substancialmente melhorada, melhor desempenho e a capacidade de reduzir custos operacionais tudo num dispositivo compacto, facilmente incorporado na agência. O Vertera traz verdadeiros benefícios comerciais a vários níveis, proporcionando uma solução abrangente e integrada de forma a responder às necessidades do cliente e do operador melhorando a eficiência da agência. A nova tecnologia de autenticação e escolha por qualidade do Vertera oferece a solução ideal para as agências bancárias, ETVs e grandes organizações de retalho que necessitem de cumprir com o Quadro de Recirculação de Notas de Euro. O Vertera figura na página Web do Banco Central Europeu como um equipamento testado com sucesso.

4

5 Uma solução completa Com o recirculador Vertera, o Montepio conseguiu não só cumprir a nova directiva legal como ainda melhorar a eficiência das suas agências. Um das principais vantagens que procurávamos ao optar pelo recirculador Vertera era melhorar a nossa produtividade. As outras eram: melhorar os nossos processos de gestão de numerário, reduzir os custos inerentes, aumentar as vendas, melhorar a satisfação dos clientes e reduzir os riscos operacionais e de segurança, disse Fernando Cálix. Após a implementação do Vertera, foram registados quase de imediato ganhos em produtividade e eficiência. Graças a esta nova solução os operadores conseguem proporcionar aos clientes um serviço rápido e eficiente, com uma redução significativa das filas de espera e um atendimento mais personalizado. Além disso, o tempo dedicado a actividades de início e fecho do dia foi reduzido, permitindonos cortar nos custos. Por fim, mas com igual importância, a capacidade de autenticação avançada e as características de segurança do Vertera asseguram um maior grau de segurança dentro da agência, quer contra fraudes quer contra ataques físicos. Graças ao Vertera, calculamos que o retorno do investimento será alcançado em menos de dois anos, acrescentou. Após a implementação do Vertera, foram registados quase de imediato ganhos em produtividade e eficiência. Fernando Cálix Director Adjunto Montepio

6 O compromisso da Glory Global Solutions A Glory Global Solutions é especialista mundial em gestão de numerário. Fornece tecnologia e soluções de serviço que garantem segurança, produtividade e inovação aos seus clientes em mais de 100 países a nível mundial. Estas soluções são suportadas pelos conhecimentos técnicos especializados do Grupo GLORY, uma empresa japonesa pioneira no desenvolvimento e fabrico de máquinas para o manuseamento de numerário nos sectores financeiro, de retalho, vending, diversão e jogo, há quase 100 anos. A empresa está empenhada na satisfação das diversas necessidades da sociedade, nomeadamente na realização de transacções financeiras seguras e precisas entre indivíduos e empresas e entre empresas. Sendo uma organização responsável, mantém uma abordagem disciplinada à sua governança corporativa e opera de acordo com os mais elevados padrões profissionais e éticos em todos os aspectos do seu negócio. A Glory Global Solutions esforça-se por ser um empregador exemplar e irá procurar sempre fornecer um ambiente de trabalho justo, seguro e produtivo onde todos os seus colaboradores se possam desenvolver e aceitar desafios. Onde quer que opera, o seu objectivo é contribuir de forma activa para com a comunidade e o meio ambiente local, incluindo a responsabilidade ambiental consistente. A sua filosofia, prioridades de negócio e práticas diárias resumem-se num único compromisso: We Secure the Future. Glory Global Solutions Rua Manuel Martinho, Lote 1 a 11, Zona Industrial Cruz do Barro, Torres Vedras Portugal T , F , CS-MONTEPIO-0114/PT Glory Global Solutions faz parte da GLORY LTD. Esse estudo de caso refere-se a um cliente da empresa Talaris, que hoje comercializa com a Glory Global Solutions. O presente documento pretende servir como guia de consulta geral. Devido a um contínuo desenvolvimento ao nível dos seus produtos e serviços, a Companhia recomenda aos seus clientes a consulta quanto às últimas novidades e melhorias introduzidas nos seus equipamentos, as quais podem não estar reflectidas na presente edição. Apesar de todas as precauções terem sido tomadas na preparação deste documento, a Companhia e a editora não aceitam qualquer responsabilidade por erros ou omissões, declinando qualquer responsabilidade por danos resultantes do uso desta informação. Este documento não é parte integrante de nenhum contrato ou licença que tenha sido expressamente acordada. Todas as capacidades e performance estão sujeitas ao tamanho e à qualidade das notas/moedas, assim como ao processo utilizado. GLORY é uma marca registada da GLORY LTD., no Japão, Estados Unidos da América e Europa. Todas as marcas comerciais são propriedade do grupo de empresas da GLORY Limited. Glory Global Solutions (International) Limited 2014.

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

KidZania Lisboa Portugal

KidZania Lisboa Portugal KidZania Lisboa Portugal Acrescentando valor à indústria de entretenimento com soluções de Self-Service Este projecto representava um desafio real para nós, por isso, era necessário encontrar não só uma

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Portugal CODIPOR. Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes

Portugal CODIPOR. Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes Portugal CODIPOR Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes ENQUADRAMENTO A Montebravo é a última empresa e a face mais visível, de uma organização composta por um circuito totalmente integrado

Leia mais

Como criar uma empresa em 9 passos

Como criar uma empresa em 9 passos Como criar uma empresa em 9 passos Passo 1: A Concepção da Ideia O primeiro grande desafio na altura de criar um negócio próprio é a concepção da ideia. Nesta fase o investimento do empreendedor não se

Leia mais

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos O nosso compromisso de cuidar e curar Código de Conduta Os nossos cinco princípios fundamentais: Doentes O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos Colaboradores Tratamos

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa!

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa! 1. ENQUADRAMENTO O PERSONIS é uma solução integrada de gestão e avaliação de desempenho que foi desenhada pela GlobalConsulting e suportada por uma aplicação desenvolvida pela CENTRAR numa estreita parceria,

Leia mais

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição:

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Uma subscrição de um espaço web da One.com oferece acesso aos servidores

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Central Inteligente. Solução integrada de comunicações fixas e móveis

Central Inteligente. Solução integrada de comunicações fixas e móveis Inteligente Solução integrada de comunicações fixas e móveis Suponhamos que a minha empresa tem comerciais sempre fora do escritório... Inteligente A central telefónica que integra as comunicações entre

Leia mais

Indústria Agroalimentar. Cursos de Formação. Primeiro Semestre 2016

Indústria Agroalimentar. Cursos de Formação. Primeiro Semestre 2016 Indústria Agroalimentar Cursos de Formação Primeiro Semestre 2016 Assista aos nossos cursos e atualize os seus conhecimentos sobre os requisitos inerentes à Indústria Agroalimentar. Introdução Localização

Leia mais

Porto Editora acentua ganhos de produtividade e eficiência com investimento em tecnologia Microsoft

Porto Editora acentua ganhos de produtividade e eficiência com investimento em tecnologia Microsoft Microsoft Exchange Server 2007 Caso de Estudo Microsoft Porto Editora Porto Editora acentua ganhos de produtividade e eficiência com investimento em tecnologia Microsoft Sumário País Portugal Sector Cultura

Leia mais

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentário da APRITEL 17 de Março de 2009 APRITEL comentarios DL23-2009

Leia mais

QUANTINFOR CONSULTORIA INFORMÁTICA UMA EQUIPA, MÚLTIPLOS SERVIÇOS PARA A SUA EMPRESA

QUANTINFOR CONSULTORIA INFORMÁTICA UMA EQUIPA, MÚLTIPLOS SERVIÇOS PARA A SUA EMPRESA QUANTINFOR CONSULTORIA INFORMÁTICA UMA EQUIPA, MÚLTIPLOS SERVIÇOS PARA A SUA EMPRESA Somos uma empresa de Consultoria Informática que presta serviços na área das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Sonae Sierra, Centro Colombo e NorteShopping recebem certificação ambiental

Sonae Sierra, Centro Colombo e NorteShopping recebem certificação ambiental Lisboa, Portugal 14 de Dezembro 2005 Pioneira a nível internacional Sonae Sierra, Centro Colombo e NorteShopping recebem certificação ambiental A certificação da Sonae Sierra pela Norma ISO 14001:2004

Leia mais

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP INTRODUÇÃO Em 26 DE Novembro de 2003, os CTT CORREIOS DE PORTUGAL, SA, notificaram à Autoridade da Concorrência,

Leia mais

Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens

Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens 2 Sistemas de chamada e som de emergência Praesideo da Bosch Manter o público informado e protegido Com mais

Leia mais

Financiamento do Desporto

Financiamento do Desporto Financiamento do Desporto Para abordar o tema do financiamento do desporto no momento actual e suas prospectivas é conveniente recordarmos as Opções do Plano e o Programa do Governo. De igual modo, consubstanciando

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

Pipe xperience. Amiantit. Amitech

Pipe xperience. Amiantit. Amitech Um mundo em PRFV Pipe xperience Amiantit Amitech EQUIPA HUMANA: A FORÇA DA AMITECH FLOWTITE fabrico COMPROMISSO DE QUALIDADE E RESPEITO PELO MEIO AMBIENTE GAMA DE PRODUTOS ACOPLAMENTOS FLOWTITE Água potável

Leia mais

Dossiê de Preços de Transferência

Dossiê de Preços de Transferência Dossiê de Preços de Transferência Fiscalidade 2011 3 Índice Pág. 1. Preços de Transferência 03 1.1 Conceito 03 1.2 O que são Preços de Transferência 03 1.3 Porquê os Preços de Transferência? 03 1.4 Entidades

Leia mais

O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico

O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico INTRODUÇÃO 1. Desenvolvimento histórico O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico Alguns marcos de desenvolvimento: Séc. XV introdução das partidas dobradas

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

INFORMAÇÃO DA EMPRESA PT PERFORMANCE FOR SIMPLICITY

INFORMAÇÃO DA EMPRESA PT PERFORMANCE FOR SIMPLICITY INFORMAÇÃO DA EMPRESA PT PERFORMANCE FOR SIMPLICITY 2 ADMINISTRAÇÃO PERFORMANCE FOR SIMPLICITY Dr. Sven Bär Administrador ESYLUX GmbH Peter Kremser Administrador ESYLUX GmbH Mareks Peters Administrador

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro Permitam-me uma primeira palavra para agradecer à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas pelo amável convite que

Leia mais

Há cada vez mais empresas cidadãs

Há cada vez mais empresas cidadãs + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008 PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 1 Introdução A ISO 9001:2008 e o Processo de Transição da SGS ICS A International Organization for Standardization (ISO) publicou,

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

Parcerias com selo de excelência

Parcerias com selo de excelência Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo Promor II. Rações III. Produção Animal IV. Indústria de Carnes V. Selecção Genética Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2010 Aicep Portugal Global Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Dielmar Uma empresa de sucesso... 1º Trabalho prático Grupo 3 Bruno Almeida bmcalmeyda@gmail.com

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

PARECER N.º 175/CITE/2009

PARECER N.º 175/CITE/2009 PARECER N.º 175/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento colectivo

Leia mais

OS VALORES E OS PRINCÍPIOS DA SIKA

OS VALORES E OS PRINCÍPIOS DA SIKA OS VALORES E OS PRINCÍPIOS DA SIKA SIKA UM LÍDER GLOBAL COM PRINCÍPIOS E TRADIÇÃO Fundada na Suíça pelo inventor visionário Kaspar Winkler há mais de 100 anos, a Sika tornou-se numa empresa global de sucesso

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO 22000:2005 Lead Auditor Training course ENTIDADES PARCEIRAS SGS PORTUGAL SOCIEDADE GERAL DE SUPERINTENDÊNCIA, S.A. O Grupo SGS Société

Leia mais

TARIFA AUTOMÓVEL 2009

TARIFA AUTOMÓVEL 2009 1 Tarifa Automóvel 2009 ENQUADRAMENTO Encontrando-se a actividade seguradora exposta a uma conjuntura económica e de mercado que tem conduzido a uma contracção dos prémios de seguro, é imperioso que todos

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Arranque em 1995, possuindo um Entreposto em Camarate; Principais produtos: - Queijos Bola e Barra do tipo Flamengo;

Arranque em 1995, possuindo um Entreposto em Camarate; Principais produtos: - Queijos Bola e Barra do tipo Flamengo; A Certificação da Segurança Alimentar no Sector dos Lacticínios INSULAC Apresentado por: José Rodrigues Eng. º Máquinas Director Industrial - INSULAC 1- BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR A Certificação ISO

Leia mais

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1)

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1) Comissão Europeia Investigação Comunitária Brochura informativa QUINTO PROGRAMA-QUADRO DE ACÇÕES DA COMUNIDADE EUROPEIA EM MATÉRIA DE INVESTIGAÇÃO, DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E DE DEMONSTRAÇÃO PROPOSTA

Leia mais

asanetwork asanetwork está presente na Alemanha, Aústria, Holanda, Itália, Japão, Eslovénia, Grécia, Rússia e desde o princípio de 2001:

asanetwork asanetwork está presente na Alemanha, Aústria, Holanda, Itália, Japão, Eslovénia, Grécia, Rússia e desde o princípio de 2001: asanetwork. asanetwork foi fundada na Alemanha por iniciativa dos próprios fabricantes de equipamentos, software e Volkswagen para conseguir um standard de comunicação comum que permitisse integrar todos

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1)

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1) BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA Vítor B. VALE (1) RESUMO O SIGC - Sistema Integrado de Gestão de Clientes, foi analisado e desenvolvido tendo como grande

Leia mais

para gruas e aplicações de elevação

para gruas e aplicações de elevação SOLUÇÕES SEM FIOS INOVADORAS para gruas e aplicações de elevação WWW.LOADSYSTEMS.COM O QUE ACREDITAMOS SEGURANÇA PRODUTIVIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE EFICÁCIA Nos sectores das gruas e da elevação, a SEGURANÇA

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Estado Entidade Promotora Nova Rede Comercial Parceiro Estratégico (Assegura)

Leia mais

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito A Universidade : reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito Miguel Rombert Trigo, Luis Borges Gouveia mtrigo@ufp.pt, lmbg@ufp.pt ProjEstQ, CEREM Universidade Fernando Pessoa Universidade

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS SILVESTRES DO MEDITERRÂNEO - UMA ESTRATÉGIA PARA AS ÁREAS DE BAIXA DENSIDADE DO SUL DE PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS C&C ADVOGADOS Em Parceria: Portugal China (Macau) Parceria de oportunidades

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS C&C ADVOGADOS Em Parceria: Portugal China (Macau) Parceria de oportunidades Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS C&C ADVOGADOS Em Parceria: Portugal China (Macau) Parceria de oportunidades Abreu Advogados C&C Advogados 2015 PORTUGAL CHINA Abreu Advogados

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Estruturas Pré-fabricadas em Betão Filipe Saraiva Fevereiro 2012 Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 rota 4 FORNECEDORES Rota 4 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Selecção de fornecedores 8 Percurso 2. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 Percurso 3. Promoção do Desenvolvimento

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Assembleia Nacional Resolução n.º 4/06 de 22 de Fevereiro Considerando que à luz das disposições da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 10 de Dezembro de 1982,

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO SERHOGARSYSTEM

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO SERHOGARSYSTEM DOSSIER DE APRESENTAÇÃO SERHOGARSYSTEM Quem Somos? A SerHogarsystem como marca registada franchisadora nasce da experiência de um grupo de empresas vocacionadas para o sector dos recursos humanos e, nomeadamente,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE COLABORADORES EM FUNÇÕES NÃO DOCENTES QUADRO DE REFERÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA O Instituto Superior Dom Afonso III, adiante designado por INUAF, é um estabelecimento

Leia mais

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ENGLISH/ PORTUGUESE MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ALBERTO JOAQUIM CHIPANDE É uma grande honra para mim comemorar o primeiro aniversário da nossa empresa. Em primeiro lugar, gostaria

Leia mais

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde TEMA DE CAPA FORMAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE Pág: II Área: 26,79 x 37,48 cm² Corte: 1 de 5 Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde Em 2010, os administradores

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Leroy Merlin leva backup a toda sua rede de lojas com soluções arcserve

Leroy Merlin leva backup a toda sua rede de lojas com soluções arcserve CASO DE SUCESSO Julho 2014 Leroy Merlin leva backup a toda sua rede de lojas com soluções arcserve PERFIL DO CLIENTE Indústria: Varejo Empresa: Leroy Merlin Colaboradores: 7.000+ EMPRES A DESAFIO SOLUÇÃO

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira

Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira I. Art.º 8º (Registo) Na redacção ora proposta para a alínea

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

As Compras Electrónicas no Grupo Águas de Portugal

As Compras Electrónicas no Grupo Águas de Portugal As Compras Electrónicas no Grupo Águas de Portugal Autores Alberto Martins Coordenador de Compras EPAL (Grupo Águas de Portugal) alberto.martins@epal.pt Nuno Fragoso Gestor de Projecto AdP Serviços (Grupo

Leia mais

CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY

CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY A Madeira Wine Company, titular das conceituadas marcas Blandy's, Cossart Gordon, Leacock's, Miles e Atlantis posicionase como um produtor nacional com um forte perfil de

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais