3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)"

Transcrição

1 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) Neste ponto, são abordados os módulos de planeamento da produção do software BaaN. Este software dispõe dos seguintes três módulos complementares de planeamento: MPS master production schedule; MRP materials requirement planning; SIC statistical inventory control. Os módulos MPS e MRP implementam um sistema de gestão da produção do tipo MRP II Manufacturing Ressources Planning. O módulo MPS permite gerir para cada item, individualmente: O plano de procura, i.e., as quantidades a entregar aos clientes em cada período de planeamento. O plano de produção, i.e., as quantidade a produzir e as respectivas datas de entrega. O plano de inventário, i.e., o nível de stocks a manter em armazém. Por seu lado, o módulo MRP implementa um procedimento de cálculo automático que, por explosão das bills of materials dos produtos finais, determina as necessidades de materiais e de componentes necessários para satisfazer o plano de produção estabelecido pelo MPS. Por fim, o módulo SIC planeia a produção e a compra dos materiais e dos componentes geridos pelo método do ponto de encomenda. Nos pontos seguintes, vai começar por efectuar uma série de consultas sobre os sistemas de planeamento do BaaN. Depois, irá: Introduzir ordens de venda para o seu artigo. Planear e gerar ordens de produção com base no módulo MPS para satisfazer essas ordens de venda. Transferir as ordens de produção assim geradas para o módulo SFC (que será estudado na quarta parte). Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 44

2 Gerar ordens de produção para artigos intermédios fabricados internamente e ordens de compra para componentes adquiridos a fornecedores externos, com base nos módulos MRP e INV Sistemas de planeamento Nos sistemas de gestão de produção, tipicamente: O módulo MPS é utilizado para planear a produção de artigos finais ou de artigos intermédios de alto valor acrescentado. O módulo MRP é utilizado para determinar as necessidades de componentes intermédios e matérias-primas induzidas pelas ordens de produção geradas pelo MPS. O módulo SIC aplica-se, sobretudo, a componentes de reduzido valor acrescentado Um dos campos do ficheiro de artigos especifica o sistema de planeamento da produção utilizado para esse artigo. a. Consulte no ecrã 4 da sessão Manter Artigos, para o artigo atribuído ao seu grupo, o respectivo Sistema de Planeamento e registe-o: Sistema de planeamento: b. Registe, também, o Método de Planeamento seleccionado para esse artigo e descreva-o após consulta da documentação on-line: Método de planeamento: Descrição: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 45

3 3.2. Master Production Scheduling Introdução A figura seguinte representa um quadro de planeamento MPS, onde cada coluna corresponde a um período de planeamento. Linhas do quadro de planeamento MPS As linhas Previsão de Vendas, Ordens de Cliente e Previsão Extra de Vendas, no seu conjunto, caracterizam a procura comercial do artigo, isto é, o que se pensa que será vendido em cada período de planeamento. A linha Disponível planeado contém o plano de inventário, isto é a evolução pretendida para as existências em stock do artigo em cada período de planeamento. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 46

4 A linha Quantidade MPS estabelece o plano de produção, isto é, a quantidade a produzir do artigo em causa, até ao final de cada período de planeamento, de modo a que seja satisfeita a procura comercial do artigo e sejam assegurados os níveis de inventário pretendidos. Este plano de produção é o elemento central do MPS, dado que integra a informação relativa à procura do artigo (proveniente do Departamento Comercial), as existências em armazém (Gestão de Inventário) e a produção (Departamento de Produção). Fases do planeamento MPS A elaboração de um Plano Mestre de Produção desenrola-se em duas etapas. Na primeira, a partir do plano da procura comercial do artigo e do plano de inventário pretendido é planeado o Plano de Produção. Na segunda fase, a partir do Plano de Produção planeado, são geradas as ordens de fabrico e a cada uma delas é associada uma data de início e de conclusão. Enquanto no plano de produção gerado na primeira fase apenas são definidas as datas de conclusão da produção, na segunda fase já são definidas as datas em que a produção deve ser iniciada para que os artigos estejam disponíveis nas datas definidas pelo plano de produção. Para determinar as datas de início das ordens de produção, o sistema atende aos tempos de operação definidos nas Gamas Operatórias dos artigos, bem como a uma série de parâmetros que condicionam o número de artigos a produzir em cada ordem de produção. Por exemplo, esses parâmetros podem especificar quantidades máximas ou mínimas de artigos a produzir em cada ordem, ou quantidades múltiplas de um dado valor, etc. Nota: no BaaN, estas duas fases do planeamento são executadas através da mesma sessão (o que se presta a alguma confusão ), sessão essa que dispõe de um conjunto de switches que permitem especificar se: Se pretende gerar o plano de produção a partir dos planos de procura e de inventário (1ª fase). Se pretendem gerar as ordens de produção a partir do plano de procura (2ª fase). Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 47

5 Procedimento O procedimento que vai executar de seguida envolve os seguintes passos: Inicialização do quadro de planeamento MPS para o seu artigo. Geração do plano de produção (1ª fase do planeamento). Geração das ordens de produção (2ª fase do planeamento). Transferência das ordens para o controlo de produção Inicialização do quadro de planeamento Antes de poder planear a produção do seu artigo, tem que inicializar o respectivo quadro de planeamento, o que envolve: Parametrizar o algoritmo de planeamento do seu artigo. Associar o seu artigo a um dado plano MPS (como se verá, numa mesma companhia, podem existir vários planos, um é o plano activo e os restantes são planos de simulação). Criar o quadro de planeamento do seu artigo. Nota: neste trabalho irá utilizar o plano com o código AMS Para parametrizar o seu artigo relativamente ao MPS, lance a sessão Manter Artigos tiitm0101m000 e aceda à informação relativa ao seu artigo. a. Na form 2 (Stock), defina o valor do stock de segurança, atribuindo-lhe um valor de algumas dezenas de unidades. b. Na form 5 (Produção), defina o valor do Período Congelado como sendo de 7 dias (mais tarde verá o significado deste parâmetro) Para associar o seu artigo ao plano MPS: a. Lance a sessão Manter Artigos de Planeamento timps2101m000. b. De seguida, introduza o código do plano MPS (AMS) que está activo neste momento, o Nível de Planeamento (7) e o código do seu artigo. Para introduzir um novo registo deve carregar no botão. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 48

6 c. Na form 1 desta sessão, verifique os valores dos campos Stock de Segurança e Período Congelado foram correctamente importados do ficheiro de artigos. d. Na form 3 da mesma sessão, atribua o valor Sim aos campos Actualizar Previsão de Vendas, Actualizar Quantidades MPS e Actualizar Plano de Inventário Para criar o quadro de planeamento do seu artigo: a. Lance a sessão Manter Plano de Produção timps3101m000 da pasta Preparação e Planeamento. b. Recorra aos botões de deslocamento para aceder ao seu artigo ou caso o seu artigo ainda não tenha sido inserido utilize o botão. c. Do Menu Especial da mesma sessão (Manter Plano de Produção) seleccione a opção Gerar Dados de Plano Mestre de Produção. d. Seleccione Sim nos campos Gerar Quantidade MPS, Gerar Disponível Planeado e Agregar Dados MPS, e Não nos restantes campos. e. Seleccione a data correspondente ao dia em que estiver a executar o guião e prima o botão Sair Após ter executado as acções anteriores, deverá aparecer o quadro de planeamento do seu artigo com todas as células inicializadas em zero. a. Nesse quadro, analise todas as linhas do plano, com especial atenção para as linhas Previsão de Vendas, Ordens de Cliente, Previsão de Vendas Extra, Quantidade MPS, Recepções Planeadas, Recepções Reais e Disponível Planeado. b. Explique a diferença entre as linhas Recepções Planeadas, Recepções Reais e Quantidade MPS recorrendo à documentação on-line:. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 49

7 Geração do plano de produção Como se viu acima, o plano de produção é gerado a partir do plano de procura e do plano de inventário. Por defeito, assume-se que o plano de inventário é igual ao stock de segurança (isto é, as existências em stock serão constantes e iguais ao stock de segurança). Quanto ao plano da procura, vai ter que o simular. Para isso, pode optar entre introduzir uma ordem de venda ou, o que é mais simples, editar a procura do seu artigo directamente na linha Previsões de Venda ou na linha Previsões de Venda Extra do quadro de planeamento (Sessão Manter Plano de Produção timps3101m000). Em qualquer dos casos: a. Planeie duas entregas ao cliente, ambas com datas posteriores a uma semana depois do dia em que está a executar este guião. b. As quantidades a entregar ao cliente devem ser superiores às eventuais existências em stock do seu artigo (de outra forma não seria necessário produzir novos artigos para satisfazer essa procura). c. De seguida, registe os seguintes dados relativos às Ordens de Venda que acabou de criar: Artigo: Quantidade: Quantidade: Data (actual): Data de entrega: Data de entrega: Para gerar o plano de produção e de inventário (1ª fase): a. Pressione o botão Gerar directamente a partir do ecrã da sessão Manter Plano Mestre de Produção timps3101m000. b. Seleccione Sim nos campos Gerar Quantidade MPS, Gerar Disponível Planeado e Agregar Dados MPS, e Não nos restantes campos. c. Seleccione a data correspondente ao dia em que estiver a executar o guião e prima o botão Sair. d. Aguarde que desapareça na barra do fundo do quadro de planeamento a mensagem A gerar plano mestre de produção. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 50

8 e. Consulte o estado do MPS após a geração dos planos de produção e de inventário e registe as suas linha na tabela seguinte (registe apenas os períodos de planeamento em que as recepções planeadas não sejam nulas): Período de Planeamento Previsão de Vendas Quantidade MPS Disponível Planeado Disponível Previsto Disponível Compromisso O plano de produção e de inventário gerados pelo sistema podem ser alterados manualmente. Altere manualmente o plano de inventário e, de seguida, gere o novo plano de produção. Para isso: a. Edite a linha Disponível Planeado. b. Pressione o botão Gerar e seleccione Sim apenas nos campos Gerar Quantidade MPS, e Agregar Dados MPS, e Não' nos restantes campos, incluindo o campo Gerar Disponível Planeado. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 51

9 c. Consulte o novo estado do quadro de planeamento: Período de Planeamento Previsão de Vendas Quantidade MPS Disponível Planeado Disponível Previsto Disponível Compromisso Agora, altere o plano de produção. Para isso: d. Modifique as quantidades ou as datas das entregas planeadas da produção (linha Quantidade MPS). e. Registe o novo plano: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 52

10 Período de Planeamento Previsão de Vendas Quantidade MPS Disponível Planeado Disponível Previsto Disponível Compromisso Nota: Até agora, ainda não foram geradas ordens de produção pois apenas está na primeira fase do planeamento. Para o confirmar, lance a Consultar Ordens Planeadas MPS de Fabrico timps5520m000; e verifique que não existe nenhuma ordem de produção no sistema para o seu artigo. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 53

11 Geração das ordens de produção Vai agora executar a 2ª fase do planeamento, ou seja, vai gerar as ordens de produção correspondentes ao plano de produção que definiu no ponto anterior. Para isso: a. Execute novamente a sessão Gerar MPS, mas agora coloque a Sim o campo Gerar Ordens Planeadas MPS, e todas as restantes a Não. b. Depois de executada esta sessão, já existem no sistema ordens de produção para o seu artigo. Para consultar e registar os respectivos códigos, lance a sessão Consultar Ordens Planeadas MPS de Fabrico timps5520m000: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 54

12 Código: Data de início: Estado: Data de conclusão: Transferência das ordens de produção para o SFC (Shop Floor Control) Tipicamente o processo de planeamento é iterativo, sendo as ordens de produção frequentemente alteradas antes de se alcançar o plano de produção definitivo. Nessa altura, as ordens são passadas do módulo MPS para o módulo SFC Shop Floor Control. A partir daí, as ordens deixam de estar sob a responsabilidade do Sector de Preparação e Planeamento (que deixa de as poder alterar) e passam a ser geridas pelo Sector de Produção (Oficina e Montagem). A passagem das ordens do MPS para o SFC processa-se em duas etapas, primeiro são confirmadas e, depois, transferidas Para confirmar as ordens de produção planeadas pelo MPS: a. Lance a sessão Confirmar Ordens Planeadas MPS de Fabrico timps5220m000. Nota: embora ao executar a sessão seja apresentada a mensagem Não se encontraram dados para a listagem. Não se executa a impressão. o estado das ordens de produção foi alterado. b. Verifique a alteração do estado das ordens de produção através da sessão Consultar Ordens Planeadas MPS de Fabrico timps5520m000: Código: Código: Estado: Estado: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 55

13 Para transferir as ordens de produção planeadas pelo MPS para o SFC: a. Execute a sessão Lançar Ordens Planeadas MPS de Fabrico timps5260m000. b. Seleccione a série de ordens Ordem de Fabrico Genérica. c. Registe o número dessa série e o seu primeiro número livre: Nº da série: Primeiro nº livre: d. Verifique a alteração do estado das ordens de produção no módulo MPS através da sessão Consultar Ordem Planeada MPS de Fabrico: Código: Estado: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 56

14 Para verificar que as ordens que lançou para produção estão, efectivamente, no módulo SFC: a. Lance a sessão Consultar Ordens de Fabrico tisfc0501m000 da pasta Oficina. b. Para facilitar a procura da ordem, no menu Ordem desta sessão, seleccione a ordenação por artigo. c. Registe os seguintes elementos relativos às ordens que transferiu: Código: Estado: Quantidade: Verifique que nos movimentos (transacções) de inventário previstos para o seu artigo já aparecem essas ordens. Para registar esses movimentos: c. Na pasta Armazéns, lance a sessão Consultar Movimentos Planeados de Stock por Artigo tdinv1550m000. d. Registe os seguintes elementos: Data: Tipo de ordem: Quantidade planeada: Tipo de transacção: Nº da ordem: Inventário esperado: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 57

15 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 2) Dada a relativa complexidade do módulo MPS, no nível 1, apenas executou o procedimento básico associado a este método de planeamento. Agora, vai revisitar o módulo MPS para analisar funcionalidades um pouco mais avançadas Parametrização do MPS Tal como foi já referido, numa mesma companhia, é possível ter vários planos MPS, um dos quais é o plano activo, e os restantes são planos de simulação. As ordens de produção apenas podem ser geradas a partir do plano activo. Os planos de simulação permitem gerar planos de produção (1ª fase) mas não ordens de produção (2ª fase) o código do plano activo é um Parâmetro de Fabrico do módulo Comum (Dados Comuns), definido para cada companhia. a. Para obter os códigos de todos os planos definidos para esta companhia lance a sessão Consultar Planos timps1502m000. Para verificar qual o plano que se encontra activo deve lançar a sessão Manter Parâmetros do Plano Mestre de Produção timps0100m000. Código do plano activo: Descrição: Cada plano MPS inclui um conjunto de itens. Uma parte dos parâmetros associados ao MPS são comuns a todos os itens, enquanto que outros parâmetros são específicos de cada item. Os parâmetros específicos de cada artigo são definidos na sessão Manter artigos de Planeamento que já utilizou anteriormente (ponto ); Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 58

16 Os parâmetros comuns a todos os itens de um dado plano são definidos na sessão manter Planos timps1101m000. Consulte e registe o valor dos seguintes dados comuns do MPS e por consulta da documentação on-line, descreva o seu significado: Datas de início/fim: Descrição: Frequência de Deslizamento: Descrição: Ao longo do horizonte de planeamento do MPS, i.e. ao longo do período decorrente entre a data de início e de fim do plano, os intervalos de planeamento podem variar e são definidos pelo utilizador. a. Execute a sessão Manter Períodos de Planeamento timps1110m000. b. Consulte e registe os períodos de planeamento definidos para o plano activo: entre e Período de planeamento: entre e Período de planeamento: O Período Congelado é um parâmetro fundamental que pode variar dentro do mesmo MPS conforme o artigo condicionado. a. Execute a sessão Manter artigos de Planeamento timps2101m000. b. Registe o valor deste parâmetro para o artigo correspondente ao seu grupo e explique a sua utilização, após consulta da documentação on-line: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 59

17 Período Congelado: Descrição: Regresse ao quadro de planeamento do seu artigo, executando a sessão Manter Plano de Produção, que utilizou nos pontos e De seguida: a. Introduza na linha Previsão de Vendas ou na linha Previsão de Vendas Extra procura para o seu artigo em vários períodos de planeamento, alguns dos quais dentro do período Congelado. b. Gere de novo o plano de produção (botão Gerar e posteriormente o campo Gerar Ordens Planeadas MPS a Sim ). c. Registe e comente as recepções planeadas que obteve: Período de planeamento Previsão de Vendas Previsão Extra de Vendas Quantidade MPS Recepções Planeadas Comentário: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 60

18 Vai concluir o estudo do módulo MPS analisando a forma como as previsões de procura são consumidas pelas ordens de venda efectivas. Mantendo-se no quadro de planeamento do seu artigo (sessão Manter Plano Mestre de Produção tdilc4101m000): a. Introduza para um período de 2 semanas após o Período Congelado, uma previsão de venda constante (por exemplo 10 unidades diárias). b. Introduza uma ordem de venda 1 com 3 entregas ao cliente (3 linhas) para dias diferentes ao longo das 2 semanas e em quantidades dupla, tripla e quadrupla da procura diária. c. Gere o correspondente plano de produção (Gerar Ordens Planeadas MPS de Fabrico a Sim). d. Registe o plano de produção que obteve: Período de Planeamento Previsão de Vendas Quantidade MPS e. Interprete e explique os resultados que obteve para as Quantidades MPS. Para isso, consulte a documentação on line dos campos Consumo previsão para trás e Consumo Previsão para adiante da sessão Manter Planos timps1101m000: Explicação:. 1 Ver ponto 2.2 Ordens de Venda Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 61

19 3.3. Material Requirements Planning Depois de no ponto anterior terem sido planeadas ordens de produção a partir do módulo MPS, neste ponto será abordado o módulo de planeamento MRP, e no ponto seguinte o módulo SIC. Como foi já referido, as ordens de produção podem ser geradas por qualquer um dos módulos de planeamento e, uma vez transferidas para o módulo SFC, são tratadas todas da mesma forma. O MRP gera ordens de produção para produtos intermédios e ordens de compra para componentes e matérias primas, a partir das necessidades dos artigos. Tipicamente, as necessidades de um dado artigo intermédio, são calculadas a partir: Das ordens MPS planeadas para os artigo finais em que esse artigo intermédio entra. Das ordens de venda que existam para esse artigo. O módulo MRP permite calcular as necessidades de um dado artigo ou conjunto de artigos, especificados com base em critérios como o cliente, o artigo ou a data. As necessidades de uma dado artigo gerido por MRP são calculadas a partir: Das ordens de venda registadas directamente para esse artigo, ou Das ordens de produção MPS relativas a artigos finais de cuja nomenclatura o artigo MRP faça parte. É este segundo caso que será considerado de seguida, pois vai gerar ordens de produção MRP para um dos componentes do artigo final do seu grupo Comece por verificar que existem ordens de produção confirmadas para o seu artigo final: a. execute a sessão Consultar Movimentos Planeados de stock por Artigo tdinv1550m000 da pasta Armazéns. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 62

20 3.3.2 Vai agora criar um novo artigo que posteriormente será introduzido na estrutura do seu artigo final. Esse artigo será criado por cópia do artigo DIV , que já existe, e serlhe-á atribuído o código DIVGOi, onde i é o identificador do seu grupo. a. Comece por consultar o artigo DIV b. Para criar uma cópia deste artigo, click sobre o botão de cópia na toolbar. c. Introduza o código do novo artigo (DIVGOi) e altere a sua descrição e as palavras chave de procura. d. Verifique que se trata de um artigo comprado gerido pelo sistema MRP. e. Registe o código e a descrição do artigo que acabou de criar: Código: Descrição: f. Altere a estrutura do seu artigo final, recorrendo à sessão Manter Estruturas tibom1110m000, substituindo o artigo DIV (posição 90/1) pelo DIVGOi. g. Registe o stock actual desse artigo: Stock Físico: Stock por Encomenda: Stock Reservado: h. Explique o significado de cada um dos 3 tipos de existência: Stock Físico: Stock por Encomenda: Stock Reservado: Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 63

21 i. Verifique se já existem no sistema ordens de compra, recorrendo à sessão Consultar Ordens Planeadas MRP de Compra timrp1521m000, para esse artigo e, no caso afirmativo, registe uma dessas ordens: Código OP: Código OP: Agora, vai gerar as suas próprias ordens MRP: a. Lance a sessão Gerar Ordens/Lotes Planeados (MPS)/MRP timrp1210m000. b. Depois de definir o modo de execução regenerativo e o seu artigo (form 2), gere as ordens de produção MRP. c. Consulte as ordens de produção geradas através da sessão Consultar Ordens Planeadas MRP de Compra timrp1521m000. d. Comente os resultados que obteve na alínea anterior: Comentário: Por consulta da documentação on-line explique em que consistem os modos de geração do MRP Regenerativo, Câmbio Líquido e Loop Fechado. Recorra à sessão Gerar Ordens/Lotes Planeados (MPS)/MRP timrp1210m000. Regenerativo: Câmbio Líquido:. Loop Fechado:. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 64

22 3.4. SIC - Statistical Inventory Control O planeamento dos artigos SIC é baseado no reaprovisionamento por ponto de encomenda, i.e., as ordens de produção são geradas quando as existências em stock descem abaixo de um determinado valor, designado por ponto de encomenda. Tipicamente, os artigos SIC são artigos de baixo custo e/ou não directamente ligados à estrutura dos produtos. Um exemplo típico deste tipo de artigos são as brocas empregues em máquinas ferramentas. Durante a aula, é relativamente difícil testar este sistema de planeamento com base nos artigos já existentes na Companhia 550, pois é necessário actuar nas existências em stock e pode acontecer que diferentes grupos de alunos trabalhem, em simultâneo, sobre o mesmo artigo. Para ultrapassar esta dificuldade, vai criar um novo artigo com stock nulo a gerir apenas pelo seu grupo através do sistema SIC Esse artigo será criado por cópia do artigo Broca0, que já existe, e ser-lhe-á atribuído o código Brocai, onde i é o identificador do seu grupo. a. Comece por consultar o artigo Broca0. b. Para criar uma cópia deste artigo, click sobre o botão de cópia na toolbar. c. Introduza o código do novo artigo e altere a sua descrição e as palavras chave de procura. d. Verifique que se trata de um artigo comprado gerido pelo sistema SIC. e. No campo Política de Lotificação seleccione a opção quantidade fixa e especifique um valor de 100 unidades para o ponto de pedido Dado que o stock actual do artigo é inferior ao ponto de encomenda, já pode gerar ordens de reaprovisionamento. a. Para o fazer lance a sessão Gerar Ordens Planeadas INV tdinv3201m000. b. Preencha os campos desta sessão como achar conveniente para gerar, apenas, as ordens de compra relativas ao artigo Brocai. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 65

23 Nota: embora ao executar a sessão seja apresentada a mensagem Não se encontraram dados para a listagem. Não se executa a impressão. A ordem de compra foi planeada. c. Através da sessão Consultar Ordens Planeadas INV de Compra tdinv3520m000, consulte e registe a ordem de compra que planeou no ponto anterior: Nº da ordem: Data: Estado: Quantidade: Fornecedor: Dado que se trata de uma ordem de compra, depois de confirmada, deverá ser transferida para o módulo Compras, seguindo um procedimento semelhante ao que utilizou para transferir ordens entre os módulos MPS e SFC: a. Transfira a ordem de compras previamente criada para o módulo Compras; para consultar os dados das ordens de compra, lance a sessão Consultar Ordens de Compra tdpur4501m000 da pasta Compras: Nº da ordem: Data: Tipo: Quantidade: Fornecedor: b. Descreva o procedimento que seguiu para transferir a ordem para o módulo compras, referindo as sessões que executou e os campos que preencheu: Descrição do procedimento:.. Gestão de Operações, Utilização do Software BaaN 66

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) No módulo SFC - Shop Floor Control é controlada a execução das ordens de fabrico. Através das sessões deste módulo, o responsável pelo fabrico pode introduzir novas ordens

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Gestão de Operações Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan António Rocha Quintas, Gil Manuel Gonçalves Fevereiro de 2006

Leia mais

Planeamento da Produção

Planeamento da Produção Regula o funcionamento da ao nível operacional através de decisões do tipo o que, quando e quanto produzir ou comprar estratégico do negócio estratégico do negócio estratégico da estratégico da agregado

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

Passagem de Ano Primavera Software

Passagem de Ano Primavera Software Passagem de Ano Primavera Software Linha Profissional v 7 Manual Dezembro 2009 Procedimentos Fim de Ano A finalidade deste documento é, essencialmente, clarificar os procedimentos a considerar antes da

Leia mais

Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA

Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA A finalidade deste documento é, essencialmente, clarificar os procedimentos a considerar antes da abertura de ano e a forma como realizar esta operação. O manual está

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Manual do Serviço. Trabalho Realizado por: Maria João Santos

Manual do Serviço. Trabalho Realizado por: Maria João Santos Manual do Serviço Pós-venda Trabalho Realizado por: Maria João Santos Organização do Trabalho: Conceito de Serviço Pós-Venda Importância do Serviço Pós-Venda Desafios Gestão de stocks Ordens de Serviço

Leia mais

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano ÍNDICE PASSAGEM DE DADOS / FECHO DE ANO... 1 Objectivo da função... 1 Antes de efectuar a Passagem de dados / Fecho de Ano... 1 Cópia de segurança da base de

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Gerar o Ficheiro de Inventário

Gerar o Ficheiro de Inventário Gerar o Ficheiro de Inventário Data: 05-12-2014 Os dados a enviar no ficheiro são os seguintes Código do Artigo Código de Barras (se não existir deve preencher neste campo o código do artigo) Descrição

Leia mais

Adenda de Janeiro de 2013 Manual de Utilizador

Adenda de Janeiro de 2013 Manual de Utilizador Adenda de Janeiro de 2013 Manual de Utilizador Novas funcionalidades: - Fatura Simplificada (Certificação AT Janeiro de 2013) - Ficheiro SAFT (Certificação AT Janeiro de 2013) - Séries de Faturação (Certificação

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com Manual Gestix Guia do Utilizador Gestix.com Copyright Este documento é Copyright 2008 Westix TI Lda. Todos os direitos reservados. Todas as marcas registadas referidas neste Manual são propriedade dos

Leia mais

GE PowerShop. Manual de Treino

GE PowerShop. Manual de Treino Manual de Treino Agenda Inserir uma encomenda Colocar uma encomenda com base em consultas da GE Como carregar uma encomenda (base excel) Como encomendar M-Pact Como seguir as suas encomendas Como alterar

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

BearingNet - Inventário

BearingNet - Inventário Contenuto Introdução... 2 Tabela O Seu Inventário... 3 Adicionar inventário... 4 Editar ou Eliminar Inventário... 5 Tabela de Manutenção de Inventário... 7 O seu inventário/ Lista de pedido de stock...

Leia mais

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções Gestão de Produção Definição A Gestão de Produção para a Indústria Têxtil e Confecções associa o Controlo, Planeamento e Custeio Industrial dos vários sectores das denominadas Têxteis Verticais com o tratamento

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

Manual de Acertos / Contagens de Stock

Manual de Acertos / Contagens de Stock Manual de Acertos / Contagens de Stock Dezembro de 2008 ÍNDICE O MANUAL DE ACERTOS / CONTAGENS DE STOCK... 1 Introdução... 1 Objectivos... 1 Condições de Utilização... 1 ACERTOS / CONTAGENS DE STOCK...

Leia mais

Módulo Armazém. Neste módulo do OpenERP é possível gerir armazéns, movimentos de produtos, inventários, rastreabilidade, produtos, entre outros.

Módulo Armazém. Neste módulo do OpenERP é possível gerir armazéns, movimentos de produtos, inventários, rastreabilidade, produtos, entre outros. Módulo Armazém Neste módulo do OpenERP é possível gerir armazéns, movimentos de produtos, inventários, rastreabilidade, produtos, entre outros. Gestão de produtos Na gestão de produtos são apresentados

Leia mais

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals Data última actualização: 20-06-2014 Instalação E-Portals 1. Conteúdo 1. Conteúdo... 2 2. Instalação e Manutenção do EPT... 3 3. Configuração de perfis de sincronização... 6 3.1 Módulos Oficinas, GCE e

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

GESTÃO DE STOCKS. Para gerir o seu stock deve realizar 4 passos essenciais:

GESTÃO DE STOCKS. Para gerir o seu stock deve realizar 4 passos essenciais: GESTÃO DE STOCKS Para gerir o seu stock deve realizar 4 passos essenciais: 1. Garantir que têm os artigos todos criados no Sublime 2. Fazer a contagem de todos os artigos que estão a uso, em expositores

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de aquisições

Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de aquisições Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de aquisições Elaborado por: Ana Cosmelli e Amélia Janeiro SDUL 2008 Índice 1. Gestão de encomendas... 4 1.1 Criar uma nova encomenda... 4 1.1.1 Associar uma

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados Instituto Politécnico de Tomar Manual da Área de Secretariados Última actualização: 13 de Outubro de 2004 Índice Como aceder a Área de Secretariados...2 O que posso efectuar na Área de Secretariado (Acções)...4

Leia mais

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda.

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda. 1 P á g i n a Procedimentos Inventário AT 2014 Software Olisoft-SIG.2014 Verificar Versão dos Módulos Instalados Em primeiro lugar deveremos verificar se o programa SIG está actualizado. Esta nova rotina

Leia mais

Manual de Utilizador de Clínicas. www.softwhere.com.pt

Manual de Utilizador de Clínicas. www.softwhere.com.pt Manual de Utilizador de Clínicas www.softwhere.com.pt Formulário de login de Clínicas Utilizador : Administrador Password: 123 Formulário Principal do Software de Clínicas Este formulário lista todos os

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

Arranque do FrontOffice

Arranque do FrontOffice TOUCH Arranque do FrontOffice O FrontOffice Touch-Screen do Gespos permite-nos criar várias páginas com uma grande variedade de botões. Esses botões poderão ser usados para chamar artigos e funções. O

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

PAINEL DE ADMINISTRADOR

PAINEL DE ADMINISTRADOR PAINEL DE ADMINISTRADOR IMPORTANTE: O Painel de administrador APENAS deverá ser utilizado pelo responsável do sistema. são: Nesta aplicação, poderá configurar todo o sistema de facturação. As opções do

Leia mais

Gestão de bases de dados e listas

Gestão de bases de dados e listas Gestão de bases de dados e listas Uma das tarefas mais comuns em que são utilizadas folhas de cálculo é a gestão de listas (listas de números de telefone, listas de clientes, listas de tarefas, listas

Leia mais

Fecho de Ano WEuroGest 2000

Fecho de Ano WEuroGest 2000 Fecho de Ano WEuroGest 2000 INTRODUÇÃO Neste documento são descritos os passos a seguir para uma boa execução do fecho de ano e respectiva conversão da empresa em euros. No final é apresentada uma checklist

Leia mais

POSTOUCH. Manual Software

POSTOUCH. Manual Software POSTOUCH Manual Software Introdução Introdução POS TOUCH é uma solução direcionada a pequenos postos de venda, que tem necessidade de criação de muitos talões de uma forma linear e rápida. A solução implementa

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda)

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda) Manual de Iniciação FrontOffice (ponto de venda) 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Início de Operador... 5 b) Fazer login de Empregado:... 5 c) Botões de Acção:...

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 14

Planeamento Industrial Aula 14 Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO SANTARÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO SANTARÉM ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO SANTARÉM Guia de Utilização VERSÃO 3.x Requisição de Recursos Para cada actividade, que não tenha atingido a data de término, poderá efectuar a requisição de recursos

Leia mais

Manual de Instalação. Gestão Comercial Golfinho. Gestão Comercial Golfinho - Manual de Instalação

Manual de Instalação. Gestão Comercial Golfinho. Gestão Comercial Golfinho - Manual de Instalação Manual de Instalação Gestão Comercial Golfinho 1 Caro Utilizador, É com muito gosto que lhe damos as boas vindas agradecendo a sua preferência pelos nossos produtos. Este manual tenta auxilia-lo na instalação

Leia mais

BALCÃO DIGITAL. Manual de Utilização

BALCÃO DIGITAL. Manual de Utilização BALCÃO DIGITAL Manual de Utilização BALCÃO DIGITAL 2 ÍNDICE COMO ADERIR ADESÃO À CARTEIRA DE SERVIÇOS DO BALCÃO DIGITAL ACTIVAÇÃO DA CARTEIRA DE SERVIÇOS DO BALCÃO DIGITAL Contratos Comunicar Leitura Adesão

Leia mais

A BDAP Passo a Passo. www.bdap.min-financas.pt

A BDAP Passo a Passo. www.bdap.min-financas.pt A BDAP Passo a Passo www.bdap.min-financas.pt Versão 1 BDAP passo a passo A BDAP Base de Dados dos Recursos Humanos da Administração Pública - é um repositório de informação sobre os Recursos Humanos da

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Referências de tarefas de comunicação do Sametime

Referências de tarefas de comunicação do Sametime Referências de tarefas de comunicação do Sametime ii Referências de tarefas de comunicação do Sametime Índice Referências de tarefas de comunicação do Sametime............ 1 iii iv Referências de tarefas

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado Manual Profissional Comandos Rádio X64 V2011-Certificado 1 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. Configuração inicial... 3 4. Configurações X64... 5 a) Definições Gerais... 5 b) Documentos e Periféricos... 8

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Manual Brother Image Viewer para Android

Manual Brother Image Viewer para Android Manual Brother Image Viewer para Android Versão 0 POR Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado o seguinte ícone: NOTA As Notas indicam o que fazer perante uma determinada situação

Leia mais

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR as novas tecnologias ao serviço do desenvolvimento de projectos w w w. i m a d i p. c o m CABO VERDE: REALIZAÇÃO DE UMA ACÇÃO- PILOTO PARA A MELHORIA DA GESTÃO NUM GABINETE TÉCNICO SELECCIONADO OFITEC

Leia mais

Tarefa Orientada 17 Listas de dados

Tarefa Orientada 17 Listas de dados Tarefa Orientada 17 Listas de dados Estudo prático da folha de cálculo Excel - Gestão de listas como base de dados. Conceitos teóricos Lista Série de linhas da folha de cálculo que contém dados relacionados,

Leia mais

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006)

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Este documento tem como objectivo ajudar os nossos clientes a trabalhar com o nosso site. Se necessitar de alguma ajuda extra não hesite em contactar-nos. Apesar

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS

PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS APLICAÇÃO TRATAIHRU Versão 03.04 INDICE 1. CANDIDATURA...3 a) Tratar... Error! Bookmark not defined. b) Fechar... Error! Bookmark not defined. c) Converter...3 d)

Leia mais

Guia Passo a Passo de Actualização do Windows 8.1

Guia Passo a Passo de Actualização do Windows 8.1 Guia Passo a Passo de Actualização do Windows 8.1 Instalação e Actualização do Windows 8.1 Actualizar o BIOS, aplicações, controladores e executar o Windows Update Seleccionar o tipo de instalação Instalar

Leia mais

O prime gestão é um software online constituído por vários módulos:

O prime gestão é um software online constituído por vários módulos: O prime gestão é um software online constituído por vários módulos: Assistências Técnicas (indicado para empresas que façam deslocações, intervenções ex: sector de jardinagem, informática, reparação de

Leia mais

Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas do RoadShow Mais PHC O novo SNC O que é necessário para produzir a demonstração de fluxos de caixa pelo método directo (único aceite a

Leia mais

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida Português Índice Instalação do Software... 1 Instalação do Controlador e Actualização do Controlador... 4 Motic Images Plus 2.0 ML...11 Calibração

Leia mais

ZSRest. Manual de Configuração. Serviço de Entregas. V2011-Certificado

ZSRest. Manual de Configuração. Serviço de Entregas. V2011-Certificado Manual de Configuração Serviço de Entregas V2011-Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Configuração... 3 4. Funcionamento Frontoffice... 4 a) Pedido normal... 4 b) Pedido baseado noutras encomendas...

Leia mais

Alteração da taxa de IVA

Alteração da taxa de IVA Manual do Utilizador Alteração da taxa de IVA Software Sisgarbe Data última versão: 24-06-2010 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-06-2010 Versão: 1.00 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31

Leia mais

Segurança e recuperação Manual do utilizador

Segurança e recuperação Manual do utilizador Segurança e recuperação Manual do utilizador Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações contidas

Leia mais

A gestão comercial e financeira através da Internet

A gestão comercial e financeira através da Internet PHC dgestão A gestão comercial e financeira através da Internet A solução de mobilidade que permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos, documentos de facturação, encomendas, compras,

Leia mais

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Acesso ao Comercial Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Neste Manual são apresentados écrans preenchidos com dados para melhor exemplificar as funcionalidades do programa. O uso do

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Manual do Utilizador Publicado: 2014-01-09 SWD-20140109134740230 Conteúdos 1 Como começar... 7 Acerca dos planos de serviço de mensagens para o BlackBerry Internet

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina do Correio Para saber mais sobre Correio electrónico 1. Dicas para melhor gerir e organizar o Correio Electrónico utilizando o Outlook Express Criar Pastas Escrever

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

NOVO Panda Antivirus 2007 Manual resumido sobre a instalação, registo e serviços Importante! Leia a secção de registo on-line deste manual atentamente. As informações contidas nesta secção são essenciais

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

Manipulação de Células, linhas e Colunas

Manipulação de Células, linhas e Colunas Manipulação de Células, linhas e Colunas Seleccionar células Uma vez introduzidos os dados numa folha de cálculo, podemos querer efectuar alterações em relação a esses dados, como, por exemplo: apagar,

Leia mais

Facturação Guia do Utilizador

Facturação Guia do Utilizador Facturação Guia do Utilizador Facturação Como se utiliza 2 1 Como se utiliza Todas as opções do sistema estão acessíveis através do menu: ou do menu: O Menu caracteriza-se pelas seguintes funcionalidades:

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Paulo Rui Lopes Pereira da Silva nº 47049 Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luis Miguel Ferreira Rosa nº 51784 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Manual básico do Utilizador Software de Facturação e Gestão Comercial On-line Level 7 Basic, Light & Premium Este Software é fornecido com um número de

Leia mais

Manual Upgrade para a Versão 6

Manual Upgrade para a Versão 6 Manual Upgrade para a Versão 6 Gabinete de Manutenção Informática Unipessoal, Lda. Rua Rui de Pina, 1B 2805-241 Almada Tel. 21 274 34 41 Fax. 21 274 34 43 www.gmi.co.pt * geral@gmi.mail.pt -1- Conteúdo

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions. Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.pt Conteúdo Introdução... 2 Gestão de acessos... 3 Ficha de

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO SDILAB Investigação e Desenvolvimento de Software, Lda. Parque Industrial de Celeirós - 1ª Fase, Lote C 4705 Celeirós Braga, Portugal +351 253 678

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Módulo de Circulação e Empréstimo

Módulo de Circulação e Empréstimo Módulo de Circulação e Empréstimo BIBLIObase, versão 2004 Procedimentos de instalação 1. EQUIPAMENTO MÍNIMO NECESSÁRIO Antes de instalar o BIBLIObase - Módulo de Circulação e Empréstimo verifique se a

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

Introdução ao Microsoft Windows

Introdução ao Microsoft Windows Introdução ao Microsoft Windows Interface e Sistema de Ficheiros Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Iniciar uma Sessão A interacção dos utilizadores com o computador é feita através de sessões.

Leia mais

Aplicação da Qualidade. Manual do Utilizador. Versão 1 2006-05-30

Aplicação da Qualidade. Manual do Utilizador. Versão 1 2006-05-30 Aplicação da Qualidade Versão 1 2006-05-30 Índice 1. Introdução 2. Acesso à Aplicação 3. Menu principal 3.1. Processo 3.1.1. Registo da Ocorrência - Fase 1 3.1.2. Análise das Causas - Fase 2 3.1.3. Acção

Leia mais