CURSO DE INTRODUÇÃO AO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE INTRODUÇÃO AO"

Transcrição

1 201 O Ç 1 & 4 1 PO PESENTÇÃO DO CUSO DE INDUÇÃO O LINHEN ESPIITUL LIEN P ENTE EOÇÕES & ELÇÕES EQUILIBDS ELIZÇÃO PESSOL -

2 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL ESTEL é um pr c ss d ut c nh cim nt, strtégi rintçã, cm influêncis d Filsfi, Cching PNL, tm vind sr dsnvlvid, tstd prfiçd lng d últim décd pr Nun Qulhs, n xrcíci ds sus tividds d cnsultri, frmçã, cching wrkshps d dsnvlvimnt pssl. Os sus cmps d plicçã sã vsts, grçs à su flxibi l i dd, mprsril, n p d nd sr dfiniçã dp td primrmnt c ntxt d tríd Visã, issã Vlrs, idntificçã d cntxt tul, dfiniçã implmntçã d strtégis d mudnç, idntificçã d rcurss ncssáris ss(s) mudnç(s), xcuçã d plns d cçã, cm tps bm dlinds, cmpnhmnt d rsultds nális cnstnt d rum d rgnizçã, qu prvin cntcimnts insprds grnt um rspst ssrtiv mmnts crítics. su vrtnt cmprtmntl titudinl prmit xplrr ld mtivcinl ds indivídus d rgnizçã, ptncind dsmpnh rsultds individuis. N cntxt pssl, dptçã ds prcsss vis lcnçr prprcinr quilíbri d indivídu ns 4 dimnsõs: rlizçã pssl, mçõs rlçõs (mis) quilibrds, linhmnt spiritul cntúd rcinl. inscriçõs infrmçõs m: f 13

3 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL O prcss dcrr subprcsss, tnd m 7 cm prssupst pré-xistênci d (pl mns um) Cs st nã s j bjtivs. prssups t stisfit, dvrá sr plicd d ESTEL pr dfiniçã cmplt dst(s). Signific qu tds s sub-prcsss d mdl intgrl dvrã sr plicds pr cd um ds bjtivs. Snd 'pnt d prtid' dfinid pl cndiçã tul d clint, pr iss, sm um rdm spcífic ns pnts qu vã sr prsntds d sguid, d ESTEL prpõ dus fss: intrspçã xtrspçã. intrspçã, 'lhr pr dntr', u 'inspçã intrn', põ m cus sistm d crnçs d indivídu u d rgnizçã, qu influnci td cmprtmnt dst, u sj, su intrcçã cm mund xtrir. Pdms dizr qu st fs trblh 'qum'. Dst fs fzm prt s subprcsss vlrs, rlidd titud. N fs d xtrspçã, 'inspçã xtrn', lhms pr fr d nós, pr nss prjçã n xtrir. qui, inscriçõs infrmçõs m: f 13

4 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL trblhms s bjtivs (prvimnt dfinids, cm dit nts), u sj, ' quê', 'cm' 'qund'. Dst fs fzm prt s subprcsss rcurss, rsultds visã/snh. Cmcms pl fs d intrspçã... O 'primir' subprcss vli s VLOES. rlidd mprsril mstr qu m muits css, s rgnizçõs nã têm bm dfinids s sus vlrs, s sus critéris, pls quis qurm/dsjm sr vists pl mrcd. Em lguns css, s xistm, nã sã trnsmitids, u sã indvidmnt trnsmitids, s indivídus qu cmpõm rgnizçã qu têm ppl d s 'vivr' trnsmitir dirimnt qur ns rlçõs intrns, qur ns xtrns. Ns css m qu té xistm, stã dfinids trnsmitids (sã mis frqunts s mprss qu dcrm intrir ds sus instlçõs cm frss mtivcinis, rgnizçã), lgums rlcinds s cm cmprtmnts titu ds d li drnç s d dã vlrs d di--di xmpl cntrári, qu nvi um mnsgm subliminr à rgnizçã d incrênci incngruênci, qu, n médi-lng prz prvc um dscrdibilizçã d rgnizçã prnt s sus clbrdrs /u mrcds um lnt dsmtivçã glbl. inscriçõs infrmçõs m: f 13

5 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL Vivms um mmnt scil m qu um ds ciss qu mis s fl é 'flt u prd d vlrs'. frm cm scidd stá 'mntd' tulmnt, brig-ns vivr d um frm muit mmntân, suprficil vird pr xtrir. rmnt prms pr pnsr m nós própris, ns nsss vlrs, s nsss rgrs individuis, frm cm citms qu intrjm cnnsc cm intrgims cm s dmis. Fnómns cm s mdi, s tlnvls, rlity shws, lidrnç plític, md d dsmprg cnsqunts dificuldds, lvm-ns muits vzs qubrr s nsss própris rgrs vivr sgund vlrs qu nã ns stisfzm. Nã xist 'flt d vlrs'. Exist um flt d cnsciênci cnsqunt incngruênci n vivênci dsts n di--di, é st mtiv qu ns lv tr sgtmnts, dprssõs, frustrçõs, nsidds tq u s cr d íc s, m t i vd s pr c nf l i t s intrirs, cnscints u incnscints. O subprcss vlrs trz à luz d cnsciênci mprsril individul sts rgrs, ssim, mir cngruênci, crênci stisfçã. O 'sgund' subprcss é ELIDDE. rlidd é um ds prts mis rcinis d mét d. qui lidms cm fcts! Os fcts d 'rlidd' individul u mprsril. inscriçõs infrmçõs m: f 13

6 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL N rgnizçã, é hr d nlisr númrs, smtóri ds rsultds d curt-médi pssd. O qu fz, s prduts qu tm, situçã d mrcd nd stá insrid, náliss intrn cncrrncil, mçs prtunidds. É um spéci d uditri grl d rgnizçã. É qui pnt d prtid pr qulqur trnsfrmçã u mudnç qu s quir implmntr. qui lid-s cm vrdd, td vrdd nd mis qu ss vrdd. Cm indivídu trblh-s prcçã d mp d rlidd individul cpcidd d st s pôr m cus prnt su situçã tul. O 'trcir' subprcss é TITUDE. prt mcinl d! Qur n indivídu qur n rgnizçã, pd dizr-s qu titud é qu s utrs vêm d nss cmprtmnt. O cnjunt ds nsss çõs n mund xtrir. N ntnt, st é smpr ditd pl nss std nímic n mmnt m qu ns xprssms trvés d cmprtmnt. N d ESTEL, titud mrgulh bm mis fund qu iss. Vi à rigm d cmprtmnt: cm m sint. N rgnizçã st srá, prvntur, pnt mis cmplx um vz qu é influncid pr tds s mps d rlidd individuis ds mmbrs d inscriçõs infrmçõs m: f 13

7 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL rgn izçã l i d c m qu s tõ s, n mín im, subjtivs. Num mund 'prfit' (u num mund d máquins), qustã sri simpls. Em cs tms prcss 'cs' crrr, n trblh tríms prcss 'trblh' crrr. E, tl cm num cmputdr, sbms qu fcb k é um plicçã utcd utr. Estnqus! Qur ist dizr qu sã indpndnts nã s rlcinm. Um cnsgu funcinr sm utr. Num mbint humn ist nã s pss ssim. Pnt! Num mbint humn, s indivídu tm lgum prblm m cs, cnscint u incnscintmnt, m mir u mnr gru, vi lvá-l pr trblh, qu ftrá su dsmpnh prfissinl (m lguns css pd ptncir, nutrs pd trfir). Num rcicíni invrs, qund tm prblms n mprs, rrs sã s css m qu sss prblms nã pssm (msm!) prt d cs, qu grlmnt lv à criçã d prblms n mbint fmilir cb pr ptncir umntr s prfissinis, num spirl rcssiv d mtivçã, dsmpnh stisfçã. N limit, lv à lnt dgrdçã d rgnizçã. Num td, titud d rgnizçã rflt cm ss rgnizçã s snt prnt su rlidd, s sus fcts. Cm s snt rltivmnt futur, prtunidds dsfis, lg cm s vi ncrr. inscriçõs infrmçõs m: f 13

8 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL N indivídu, frm cm st s snt pd lvá-l à çã (s stivr mtivd s sntir bm prnt s rcrdçõs d su pssd, prsnt futur prjtd), u blqui (cs prdminm md, frustrçã, snsçã d imptênci u incpcidd prnt s msms ftrs). O subprcss titud vli trblh n frm cm ns sntims. Cm ns sntims prnt pssd, prnt prsnt prnt futur qu prjtms. inscriçõs infrmçõs m: f 13

9 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL Vjms gr fs d xtrspçã... O 'qurt' subprcss d d ESTEL vli s rcurss qu clint tm à su dispsiçã. Qur n indivídu qur n rgnizçã, s rcurss sã, nd mis nd mns qu tu d qu é ncssári pr lcnçr (s) bjtiv(s) qu ns prpms. S fssms fzr um vigm, incluiríms nst cpítul dsd mp ds strds (u pp cm ultim tulizçã dispnívl pr tblt), stimtiv prvisã finncir pr td vigm, cmid, rup, lntrn, númrs d mrgênci, cmbustívl ncssári, pnts d bstcimnt, pnts d drmid dscns, tc, tc, tc. u sj, tds s dtlhs. O qu u tnh à minh dispsiçã qu u ind nã tnh. O qu prcis dquirir, prndr, fzr, tr pr sr pssívl lcnçr mu bjtiv. Pd ( nrmlmnt ssim é) incluir cpcidds cgnitivs, vlr humn u vlr intlctul, linçs u prcris fzr, muits mis pssibilidds. Um rgnizçã p drá cncluir qu ncssit umntr u diminuir s sus qudrs, u substituir u crrigir s sus prcsss s, rrdnr rprvitr su cpitl humn, frmr s sus prfissinis u dquirir nvs quipmnts, dtr um lmnt d mis um língu pr ntrr num mv mrcd, tc, tc, tc. inscriçõs infrmçõs m: f 13

10 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL Um pss pdrá prcbr ciss tã simpls cm mu dr visul pr cnsguir um dtrmind mprg, fzr um frmçã pr pdr cndidtrs um nv mprs u prfissã u msm prmçã. N dmíni pssl pd cncluir qu términ d tul rlçã é um ftr indispnsávl pr s rncntrr rstblcr um utstim u idntidd prdid u prcbr qu ncssit fzr pr slvr rlçã qu tm qur mntr... O subprcss rcurss xplr s ncssidds pssibilidds d indivídu u d rgnizçã pr lcnçr um dsjd bjtiv. O 'quint' subprcss d ESTEL sã s rsultds. qui 'prtm-s ' s bjtivs m pquns prcls (mts). Dfinm-s mts tmpris, cndiçõs critéris d vliçã prgrssã sucss, xpttivs, mdiçã d dsvis d curs idntificçã d ltrntivs. strit ligçã ntr nális d rsultds titu d influnci gru d stisfçã rlizçã tnt d indivídu, cm d rgnizçã. O 'sxt' subprcss é visã/snh. É um ds dis subprcsss qu têm um dsignçã difrnt pr rgnizçã pr indivídu. Nrmlmnt Visã plic-s mis num cntxt mprsril Snh n pln individul. inscriçõs infrmçõs m: f 13

11 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL Tnt n ind ivídu c m n rgnizçã s t subprcss é critiv utópic, tl cm cnur n pnt d vr, pis é um std m cnstnt dptçã, trnsfrmçã criçã. Funcin cm linh dirtriz pnt d rfrênci, principlmnt ns mmnts difícis d vid d rgnizçã u d pss. imprtânci ds snhs n sr humn stá cmprvd pl ciênci, qu mstr qu tã simplsmnt 3 dis sm ntrr m sn prfund - fs d snh - pd lvr dns psi c lóg i c s, qu g rvd s p drã t r nr -s prmnnts n indivídu. D um frm nálg, um mprs sm visã, nm qu sj pns d um pss, é um mprs sm lm pr iss cndnd frcss. Tl cm s vlrs, tmbém trnsmitid Visã dvrá ssim i ld sr pl crrtmnt c mu n i dd rgnizcinl, pr qu sts s pssm idntificr ind mis cm rgnizçã ssim sbrm pr nd stã rmr. O subprcss d Snh/Visã, trblh cm Crinç Intrir d pss u d lídr pr crir ultimt rlity inscriçõs infrmçõs m: f 13

12 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL O 'últim' subprcss nã é nm intrsptiv nm xtrsptiv... É glutindr. É quil qu chmms prpósit d vid u missã d rgnizçã. É qu pr nrm chmms d 'prquê'. O qu ns mv. O qu ns mtiv. O qu dá um sntid lt glbl qu fzms qu cntribui pr vluçã d cmunidd u, d lgum frm, humnidd. O prpósit é frç mtriz, rzã pl qul fzms qu fzms. N pln individul cd vz mis psss prcurm ss sntid, ss significd d vid. Prqu, d lgum frm sntm qu lg nã fz sntid. E ss, cnscint u incnscintmnt é um ds mtivs pls quis prcurm ju d ncssitm d pi. inscriçõs infrmçõs m: f 13

13 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL inscriçõs infrmçõs m: f 13

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara Institut d Físic USP Físic Mdn I Aul 9 Pfss: Mzé Bch Aul 9 O átm d hidgêni n ti d Schding 1. A sluçã d átm d H n ti d Schding. Cmpçã cm s sultds d Bh.. Os stds dgnds m ngi: stds d msm ngi divss móduls

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade An XX nº 77 nvmbr/zmbr 2011 FUND PET SHO P Empréstim Empréstim Sbsprv Um pçã sgur pr su snh virr rlid Sbsprv Entr s mlhrs plns sú d pís. Cbrnç Pglirini Mrls Advgds Asscids é cntrtd pr cbrr indimplnts.

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina

Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina Acrv: Biblitc Públic d Snt Ctrin CCE d I [crt litr] Rvlu ã digitl J ur qu librdd smpr fi um tm xplrd m tds s rs d humnidd? Pdms ncntrr txts qu flm d ssunt dsd s pnsdrs grgs té hj, pssnd, clr, pl Rvluçã

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

Perspectivas para 2015 CONFIRA NESTA EDIÇÃO EDITORIAL

Perspectivas para 2015 CONFIRA NESTA EDIÇÃO EDITORIAL E D U C A Ç Ã O I N FA N T I L E E N S I N O F U N D A M E N T A L Nº8 An 4 EDITORIAL Prspctivs pr 2015 Ouvims, pr td nss vid, dizrm qu águs prds nã mvm minhs. Nã só nã fzm cm tmbém sã fnts d dnçs, cntminçõs

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ«

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ« PROSSOR L M: Trz d átim R. rvh & # m _ Ó Œ bm cm c ri nh n si & # Ó Œ du c tm _ bém. Ns s n, qu ri ri n t, d, ju v cê tm d ns & # 2 4 _ V cê é u m grn d mi g pr fs s r qu ri d qu ns qur tn t ms tr ns s

Leia mais

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1 ) Dtrmin dmíni das funçõs abai rprsnt- graficamnt: z + z 4.ln( ) z ln z z arccs( ) f) z g) z ln + h) z ( ) ) Dtrmin dmíni, trac as curvas d nívl sbc gráfic das funçõs: f (, ) 9 + 4 f (, ) 6 f (, ) 6 f

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX CP 10 Mrkting n linh Dirt O mrcd tlfni stá m prcss trnsfrmçã. O bm crscimnt pssu, ufri d prtbilid tmbém. O rsultd é sgmnt qu gr brig mntr ptncilizr sus clints. Pr tnt, invst m rlcinmnt n mpliçã srviçs

Leia mais

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1 A Rvluçã d Lngvid: impct n scid, n fmíli n indivídu1 Ursul Lhr2 Rs A plstr mnstr s mudnçs mgráfics (lt xpcttiv vid, nt rápi grup ds pss iss), trzn ds d Almnh Singpur, nlisn impct sts ltrçõs d strutur ppulcinl

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

Chotes. Música na escola: exercício 12

Chotes. Música na escola: exercício 12 Chts Músic n scl: xcíci 12 Chts Aut: Aut scnhci, cnçã flclóic Rgiã: Ri Gn Sul Fix: 12 Anj: Nil Azv Pvt Músics: Cls Rbt Olivi pin Nil Azv Pvt clints sx lt Cnts: lic Alid Pi Guilh Cnciçã Sntn Eily Ryn Buin

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Turma 2. Especialização em SAÚDE DA UNA - SUS FAMÍLIA. Universidade Aberta do SUS. Unidades de Conteúdo

Turma 2. Especialização em SAÚDE DA UNA - SUS FAMÍLIA. Universidade Aberta do SUS. Unidades de Conteúdo Espcilizçã m SAÚDE DA FAMÍLIA Turm 2 UNA - SUS Univrsi Abrt SUS Unis Cntú Scrtri Gstã Trblh Eucçã m Sú (SGTES) Scrtári: Mzrt Júli Tbs Sls Dprtmnt Gstã Eucçã m Sú (DEGES) Dirtr: Mônic Smpi Crvlh Scrtri

Leia mais

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G«

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G« œ œ 1) Oh! egri (bertur) est d mr Mis de Priir ucristi ( "Liturgi I" Puus) Letr e Músic: Ir. Miri T. King (x) ======================== & 2 º 4.. œ œ. œ œ. œ _.. = m ======================== &.... = gri

Leia mais

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância ÚD S ICO rn cd m ics çã lúd rm s F pç s 3 FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 A 3 ANOS 5 c rn Pr Sã gr Pr P m I n im ul fân ir í ci ssim pl ÃO AÇ RM FO O C n tít scim rn ul 5 s p nt F ut rm V rd é Pr i idig

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO DE 2005 1.Dt,

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) À EFETIVAÇÃO DA ESTRATÉGIA

Leia mais

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde Plítics públics sú: Sistm Únic Sú Dnizi Olivir Ris, Elin Crs Arúj Luiz Crls Olivir Ccíli Sumári Aprsntçã 2 Os impsss u ificuls SUS 13 O Pct pl Sú (buscn sís pr s prblms impsss) 16 Rfrêncis 17 2 Plítics

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

c Vr :a e UNESCO Recursos Educacionais Abertos: Perguntas Frequentes Neil Butcher, OER Africa

c Vr :a e UNESCO Recursos Educacionais Abertos: Perguntas Frequentes Neil Butcher, OER Africa Rcurss Educcinis Abrts: Prgunts Frqunts Nil Butchr, OER Afric UNESCO Unitd Ntins Eductinl, Scintific nd Culturl Orgniztin iw COMMONWEALTH OfLEARNING L c Vr : UNESCO with Citç: th Cmmnwlth j prmissä A rplicr,

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

A 100 metros da residência do Presidente da República, pistoleiros de Lacerda guardavam um verdadeiro aisenal de guerra, com metralhadoras

A 100 metros da residência do Presidente da República, pistoleiros de Lacerda guardavam um verdadeiro aisenal de guerra, com metralhadoras .......^^_ > i» imw»w~«^ww Ml»»»»M»»IMM»M»M«MW««ll 1 «HI ««««««MMMMMMMr^^ Ri Brsíli t " : t- -t í? - i-*^?^ utrs Estds N VIII N. 355 UM JRNL UE VLI- PR UM LIVR Dirtr: SWLD CST Ri d Jnir, 17 23 dc utubr

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. -

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. - SEGURS N Sgurs, S.A. Zn Industril d Mi - Sctr IX - Lt 20 Mrir d Mi 4470 440 Mi infvnsgurs.pt wwwnsgurs.pt Tl 707502525 Fx 22090 77 77 RELATÓRI & CNTAS Exrcíci d 2012 N SEGURS, S.A. SEGURS Griçj 1ntpici

Leia mais

Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA)

Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA) Emprgs n Brsil ririds lítics Escritri d Bnc Mundil n Brsil Rgiã d Améric Ltin Crib Institut squis Ecnómic Aplicd (IEA) Vic rsint LCR: Dirtr LCC5C: Dirtr LCSHD: Ecnmist rincipl: Lír d Equip: Dvid Frrnti

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA FARMÁCIA HOSPITALAR

APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA FARMÁCIA HOSPITALAR APLICAÇÃO DE ODELOS DE PREVISÃO DE DEANDA E UA FARÁCIA HOSPITALAR rin Wil Afns Univrsidd Fdrl d Juiz d Fr Rrt lhirs rir Filh Univrsidd Fdrl d Juiz d Fr ri Luci d Olivir Nvs Univrsidd Fdrl d Ri d Jnir RESUO

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

MADE IN ITALY TECHNICAL MANUAL

MADE IN ITALY TECHNICAL MANUAL MD N TLY TCHNCL MNL T NTR DS MNTS S CNTDR D MNTS NTR DS HRS NTR DS SNDS 5 20 0 TCHYMTR 0 TÃ D NÍC RM CR N SÇÃ SÇÃ NTR NTR DS SNDS D CRNÓMTR 0 TÃ D TM FRCCND RDÇÃ ZR CNTDR D HRS DT 40 VS: - DSTRRXR CR S

Leia mais

Turismo Fotografia Mergulho Técnico Naufrágios Cavernas Equipamentos Meio Ambiente Novidades PUBLICIDADE 2014

Turismo Fotografia Mergulho Técnico Naufrágios Cavernas Equipamentos Meio Ambiente Novidades PUBLICIDADE 2014 Turi Ftgrfi Mrgulh Técnic Nufrági Cvrn Equipnt Mi Abint Nvidd PUBLICIDADE 2014 2014 Objtiv ditrii d rvit: A rvit t bjtiv d trr públic rvilh d fund d r, nfcnd pct cini frind iprtânci d cnrvçã bintl. Vi

Leia mais

Saudável. Assefaz. Envelhecimento. Revista. Câncer de próstata - Centro de lazer de Goiás Velho - Programa Beneficiário Consciente

Saudável. Assefaz. Envelhecimento. Revista. Câncer de próstata - Centro de lazer de Goiás Velho - Programa Beneficiário Consciente A UN DAÇÃ Assfz O F Rvist An 1 - Ediçã 3 - g/dz 2012 SSEFAZ Publicçã d Fundçã Assistncil ds Srvidrs d Ministéri d Fznd Envlhcimnt Sudávl Câncr d próstt - Cntr d lzr d Giás Vlh - Prgrm Bnficiári Cnscint

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Curso grátis Inglês pr vigm Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------ EDUCADOR E RÁDIO: APONTAMENTOS DESSA RELAÇÃO EM UMA

Leia mais

PÁGINA 3 PÁGINAS 4/5 PÁGINA 15. Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina. CONEXÕES Ciência sem Fronteiras. Antes da universidade.

PÁGINA 3 PÁGINAS 4/5 PÁGINA 15. Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina. CONEXÕES Ciência sem Fronteiras. Antes da universidade. , _. CONEXÕES Ciênci sm Frntirs ENTREVISTA Brthld Zilly JOR ADA Ants d univrsidd Sbrm vgs MEC fcilit intrcâmbi d studnts diminuir nt mínim ds tsts d prficiênci m idims PÁGINA 15 Prfssr cnvidd d UFSC trblh

Leia mais

Atendimento por marcação Atualizado em:

Atendimento por marcação Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL pr rcçã Atulizd : 23-01-2017 O qu é O tn pr rcçã é u rvi qu prit gn d tn di hr prvint finid. C t rvi cidã é tndid n di hr qu i qu à u dipnibili, tr prncr fil pr. O tn pr rcçã p r fit n-lin

Leia mais

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS Mpmnt Cstr cm Ap d Imgns d Stélts THEOS 1 Glbrt Pssnh Rbr, glbrt.pssnh@gml.cm Artur Wllcx ds Snts, rturwllcx@gml.cm Ubrtn d Suz Ds Junr, ubrtn.ds.junr@gml.cm Agrdcmnts: Rbr Brn, Gfísc/UFF UNIFESP Ls Unvrsdd

Leia mais

illll-\-a-\_\ \ \ \ \ \ \ \ \ft«i1»''' * ^I^2S^2F^B^\*V Processo 1318. Oficinas sob o n., ytyyyvrtrrrt^fmvvvyyymymmyymmw»»»»t\ "Que a luz eterna

illll-\-a-\_\ \ \ \ \ \ \ \ \ft«i1»''' * ^I^2S^2F^B^\*V Processo 1318. Oficinas sob o n., ytyyyvrtrrrt^fmvvvyyymymmyymmw»»»»t\ Que a luz eterna illll-\-a-\_\ \ \ \ \ \ \ \ \ft«i1»''' * ^I^2S^2F^B^\*V W \, \ ) í**a*aaaafcaaaaaaaaaa*l>»lll tllâii «"'"Ufl^jVIU mauat«iiihllllluii»^bmj^ Smnri ilustrd, ditd pl is- Cm Suplmnt bimnsl ilustrd d Rvist "ESTRELA

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios sluçõs Ecícis MTEMÁTI IV LOO 0 nhcimnts lgébics pítul 0 Funçõs Tignmétics 0 p.( p-)( p-b).( p- c), n + b+ c 8+ + p 8 8.0...9..... LOO 0 0 D + D sn cs tg 0 + 0... sn +.,8.,8. sn 0. +,.,8. +, cm. sn 0 0

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

O FATOR HUMANO - LIDERANÇA DE COMPETÊNCIAS

O FATOR HUMANO - LIDERANÇA DE COMPETÊNCIAS R HMT, PRÁT 8º GRSS TRL QUL PR MPTTV 2 de Julho de 2007 PGQP T L S W B B R - SULTRS RGZS SSS w.w@terra.com.br FTR HUM - LRÇ MPTÊS FTR HUM LRÇ MPTÊS BRGM 1. que significa ser competente / talentoso 2. desequilíbrio

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

Março 2017 *Consulte-nos condições de pagamento a prestações I

Março 2017 *Consulte-nos condições de pagamento a prestações I L A N E M U SR IN O I R Ó A RO ã i c i F 0 mm sjurss s * r M d 3 é S t Mr 07 *Csult-s cdiõs d pgmt prstõs. 800 83 4 5 I www.dtlxprss.pt ã Prm URBINA PREMIUM PACK DE IMPRESSÃO - 4 Elit HD Putty - 4 Elit

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

COOPERATIVISTA. instalar com os filhos e a mulher, só o subsídio de férias ou a colónia de férias poderia permitir-lhe um período de retemperança.

COOPERATIVISTA. instalar com os filhos e a mulher, só o subsídio de férias ou a colónia de férias poderia permitir-lhe um período de retemperança. B^n ^flzjék H BBB ÊÊÊÊ 9 B k jfib H BjH H w H psiçã fnsr ds intrsss d cnsidr. B H H 9 Mvimnt Cprtiv v firmmnt firmr CPERTIVIST REDCÇÃ E DMINISTRÇÃ: Ru d Cruzir. 1 - Tlf. 63 26 49 - Lisb 3 ir CRDEND NTÓNI

Leia mais

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011 Açõs Sciis Sustntávis 2011 1. Aprsntçã 1. Aprsntçã é trminlgi d língu gélic pr unid, mtiv pl qul sms sinrgi milhrs cm 1. Aprsntçã vltds é trminlgi dcm língu gélic unid, qul sms disciplins culturs difrnts

Leia mais

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SISTEM PRGRESSIV 2011.2 DMINISTRÇÃ DE RECURSS MTERIIS E PTRIMNIIS TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 27.08 24.08 DMINISTRÇÃ PLICD ENFERMGEM TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 24.08 DMINISTRÇÃ D PRDUÇÃ TERÇ QURT QUINT

Leia mais

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é:

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é: nrgia no MHS Para studar a nrgia mcânica do oscilador harmônico vamos tomar, como xmplo, o sistma corpo-mola. A nrgia cinética do sistma stá no corpo d massa m. A mola não tm nrgia cinética porqu é uma

Leia mais

d) Proposta fundamentada da aplicação do resultado líquido do exercício; e) Os factos relevantes ocorridos após o termo do exercício.

d) Proposta fundamentada da aplicação do resultado líquido do exercício; e) Os factos relevantes ocorridos após o termo do exercício. 1. INTRODUÇÂO Cmpt à Câmr Municipl lbrr prvr dcumnt d prtçã d cnt d utrqui ubmtê-l à prciçã vtçã d Ambli Municipl n ã rdinári d mê d bril d n guint àqul qu ti dcumnt dizm rpit, dvnd r rmtid t órgã dlibrtiv

Leia mais

ALESSANDRA SANTOS SOLÉ O ACENTO SECUNDÁRIO DO ESPANHOL EM FALANTES NATIVOS DO MÉXICO

ALESSANDRA SANTOS SOLÉ O ACENTO SECUNDÁRIO DO ESPANHOL EM FALANTES NATIVOS DO MÉXICO ALESSANDRA SANTOS SOLÉ O ACENTO SECUNDÁRIO DO ESPANHOL EM FALANTES NATIVOS DO MÉXICO PORTO ALEGRE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996)

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996) LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995 (Rgulmntd pl Dcrt nº 2.301, 19 Stmbr 1996) (Cnslidd pl Dcrt nº 2.905, 26 Dzmbr 2000) Dpõ sbr rrgnizçã dmintrtiv d Prfitur Arujá dá prvincis. JOSÉ CLAUDIO MENDONÇA, PREFEITO

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hwltt-Packard MTRIZES ulas 0 a 06 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz no 06 Sumário MTRIZES NOÇÃO DE MTRIZ REPRESENTÇÃO DE UM MTRIZ E SEUS ELEMENTOS EXERCÍCIO FUNDMENTL MTRIZES ESPECIIS IGULDDE

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

BALANÇO GESTÃO. Revista Fórum 1

BALANÇO GESTÃO. Revista Fórum 1 BALANÇO 2010 2012 GESTÃO SUSTENTABILIDADE SAÚDE EQUILÍBRIO GASTRONOMIA ECONOMIA TECNOLOGIA Rvist Fórum 1 2 Rvist Fórum Rvist Fórum 3 Dirtri Excutiv Prsint: Antni Csr Rch A. Siquir 1 Vic-Prsint: Luiz Rbrt

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão Vs o to nh o oho d ão Oá, ss ntd fo ns dos tos fz s gost. Aé d nd dd, obnção d sbos sson té os s xgnts. A t s dfí v s onsg vs fss. Ingdnts: 1 to nh; 3 dúzs d vs; s nt t; d do. Modo d fz: t s tbhos é bs

Leia mais

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos.

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos. Not m: litur dsts potmtos ão disps d modo lgum litur tt d iliogrfi pricipl d cdir Chm-s tção pr importâci do trlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prstdos iliogrfi, sm cosult prévi ds soluçõs proposts,

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Álgebra. Matrizes. . Dê o. 14) Dada a matriz: A =.

Álgebra. Matrizes.  . Dê o. 14) Dada a matriz: A =. Matrizs ) Dada a matriz A = Dê o su tipo os lmntos a, a a ) Escrva a matriz A, do tipo x, ond a ij = i + j ) Escrva a matriz A x, ond a ij = i +j ) Escrva a matriz A = (a ij ) x, ond a ij = i + j ) Escrva

Leia mais

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba Brunn Luz C A PA O mdic Ptrsn Lddi rtrt ss nv grçã: plnj trcr Mdicin pr sguir snh sr tr Pr Ví v i n G m b mrc trblh stá m cnstnt mudnç, s jvns qu stã sin ds univrsids m busc clcçã tmbm. Em funçã diss,

Leia mais

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1 Anális struturl sínts ds crctrístics linrs sistêmics d mdls d dsnvlvimnt d prdut 1 Crls Frnnd Jung 2 Crl Schwngbr tn Ctn 3 Márci Elis Srs Echvst 4 Jsé Luis Durt Ribir 5 Rsum Est rtig prsnt s rsultds d

Leia mais