ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes"

Transcrição

1 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU

2 MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO GESTÃO DA MATÉRIA GESTÃO DA CLASSE Eucds rvs pj, s v ds cúds d u dscp, udd, u u pr d. Prvê cju ds prõs d qu prfssr fz us pr vr s us prdr sss cúds. Cju d rgrs d dspsõs cssárs pr crr r u b rdd fvráv s qu à prdzg. A df d rd vr sgud s vdds prpss, srég schd, p dspív, rgz d sp ds rcurss, ss c fu d pdr d cuc prvgd. ETAPAS DO PROCESSO 1-Pj d Gs d Mér. 2-Gs d Mér Prcss d Ir c s Aus. 3-Av d fs d Gs d Mér. 1-Pj d Gs d Css. 2-Gs d Css Prcss d Ir c s Aus. 3-Av d fs d Gs d Css.

3 FLUXOGRAMA (prvgd pj d ér) Chc d rdd Pj ds bjvs d s PREPARAÇÃO Pj ds cúds/prdzg Rpj Pj ds vdds/prdzg APERFEIÇOAMENTO Fdbck Av A v P j Pj ds éds/s Pj ds srégs/prdzg Pj d b ducv Pj d v Gs su d r DESENVOLVIMENTO P Esruur d p d s (SANTÁNNA ET. AL., 1998; GAUTHIER. ET. AL, 1998.)

4 FLUXOGRAMA (prvgd pj d css) Chc d rdd Pj ds bjvs d s PREPARAÇÃO Rpj Pj ds dds dscprs APERFEIÇOAMENTO Fdbck A v P j Pj ds rgrs ds prcds Pj ds rprsõs/ xpcvs ds prfssrs Av Pj d v d css Gs su d r DESENVOLVIMENTO P Esruur d p d s (SANTÁNNA ET. AL., 1998; GAUTHIER. ET. AL, 1998.) Prf. Dr. Rbr Vdés Pus

5 FLUXOGRAMA (prvgd xcu d ér) (SANTÁNNA ET. AL., 1998; GAUTHIER. ET. AL, 1998.) Prf. Dr. Rbr Vdés Pus Chc d rdd Pj d gs d ér Esruur d p d s PREPARAÇÃO DESENVOLVIMENTO P Crz r ds bjvs d u Rpj G s A gr r rgzv d u A v APERFEIÇOAMENTO Fdbck Av P j s u d r As cdõs pscógcs ds pr xcu O r sdd d rbh dqud O r sdd d rbh dqud O r sdd d rbh dqud Sscdd cudd ds prõs d s As prõs ccusvs O prv ó d p

6 FLUXOGRAMA (prvgd xcu d css) Prf. Dr. Rbr Vdés Pus Chc d rdd Pj d gs d ér Esruur d p d s PREPARAÇÃO DESENVOLVIMENTO P Rpj G s Apc ds dds dscprs ds sõs A v APERFEIÇOAMENTO Fdbck Av P j s u d r A pc ds rgrs ds prcds As uds ds prfssrs A suprvs v d rbh rzd (SANTÁNNA ET. AL., 1998; GAUTHIER. ET. AL, 1998.)

7 . PLANO DE ENSINO vrsus PROGRAMA DE APRENDIZAGEM T c cr d psr dc d sr (pr, d prfssr é fc d p). Es crds cúd s cssdds rbh ds suds. S brds d r sd, dvdu sár. Prd s Ps d Dscp r s ps d Udds d Au. Crcrz-s p rgdz (f d fxbdds). N v csdr s võs, rsss, chcs prévs pssbdds rs d sus us. T c cr d psr dc d prdr d s dsvvr (pr, d u é fc). Es crds s bjvs, cúd, s vdds, s srégs s éds. S brds c bs rbh ssác cbrv ds dcs. Há u quíbr r Prgr d dscp, d udd d u. Crcrz-s p fxbdd (br à cgêc) Lv csdr s võs, rsss, chcs prévs pssbdds rs d sus us.

8 O PROGRAMA DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA UNIDADE PROGRAMA DA AULA Crrspd c pj u é dcu qu dv cr r ds dcsõs prévs prs ds ps prfssrs c fuêc g prz sud. Esss dcsõs s ds rv cd, c d v, s dv cr c prcp ds us rsu u sér d cdõs qu xrc u pr fuêc sbr s pssbdds d d d dcsõs psrrs. Crrspd c pj pr ps, pr udds pr ss s r d u dcu qu cup u ps rdr r Prgr d Aprdzg d Dscp d Au. É u puc s spcífc dhd qu Prgr d Dscp, s chg ív d úc d Prgr d Au. E ssz rgz dscp c bs ssus u s qu gurd r s sr r d p d vs d cúd. Crrspd c pj dár pc s gs d r ds vdds dr d sruur sbcd pr sss dcsõs g prz. Pr ss v, pd sr csdrd c u spéc d p prác d Prgr d Aprdzg d Dscp d Udd. E spcfc s rzõs dárs pr ccrz ds prgrs rrs. COMPONENTES GESTÃO DA MATÉRIA GESTÃO DA CLASSE 1-Objvs d s. 2-Ss d Cúds. 3-Avdds d Aprdzg. 4-Méds d Es. 5-Esrégs d Aprdzg. 6-Ab Educv. 7-Av 1-Mdds dscprs. 2-Rgrs prcds. 3-Rprsõs xpcvs ds prfssrs. 4-Auds ds prfssrs. Prf. Dr. Rbr Vdés Pus

9 A DIDÁTICA OU TEORIA DO ENSINO FIM Mu brgd Cs: E-:

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Mackenzie Voluntario. Caro apoiador, Redes sociais: 8668 de 30/11/1981), que atua em solo brasileiro há 141 anos.

Mackenzie Voluntario. Caro apoiador, Redes sociais: 8668 de 30/11/1981), que atua em solo brasileiro há 141 anos. C, O Mkz Vlá é m j sl Mkz, sm fs lvs (D º 8668 3/11/1981), q m sl bsl há 141 s. Iml m 24, m m l fl ssblz, mblz g s s ss gs, gss, lbs, fsss, ls, gs ls, fs, s, mgs fmls m mvm xmçã s ms q bgm s ss m, lém

Leia mais

2.2.1 Cálculo do m.d.c. à direita de matrizes polinomiais

2.2.1 Cálculo do m.d.c. à direita de matrizes polinomiais 2.2.1 Cálculo do m.d.c. à direita de matrizes polinomiais Teorema 2.1: Sejam N(s) IR p m [s] e D(s) IR m m [s] e assuma que det[d(s)] 0. Seja U(s) uma matriz unimodular tal que [ ] D(s) U(s) = N(s) R(s),

Leia mais

ATIVIDADE DE SALA (02)

ATIVIDADE DE SALA (02) COLÉGIO PLÍNIO LEITE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º Píd/2014 6º ANO ESCOLAR - ENSINO FUNDAMENTAL Nm: Pfss (): ATIVIDADE DE SALA (02) Tum: º: D: / / VALOR:... Mds ppss p suu d T Mus ds gs dés d suu d T bsvm-s m

Leia mais

Farmacêutico na Política

Farmacêutico na Política REVIST DO CONSELHO REGIONL DE FRMÁCI DO ESTDO DE MINS GERIS Nº 30 - JULHO / GOSTO DE 2012 Fê Pí Pã d ês s õs â d á í 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 BRNCO CORRIGE CONFIRM Sd Ss Rs Cs R d Fá d Esd d Ms Gs R S, 28 -

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Volvo do Brasil Veículos Ltda.

Volvo do Brasil Veículos Ltda. 1 VOLVO/ FH 400 4x2 D13A400 2020 2070 2120 550 600 650 1 1350 92 ano fabricação 2006 a 2011 2 VOLVO/ FH 400 6x2 D13A400 2020 2070 2120 550 600 650 1 1350 92 ano fabricação 2006 a 2011 3 VOLVO/ FH 400 6x4

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

Março 2017 *Consulte-nos condições de pagamento a prestações I

Março 2017 *Consulte-nos condições de pagamento a prestações I L A N E M U SR IN O I R Ó A RO ã i c i F 0 mm sjurss s * r M d 3 é S t Mr 07 *Csult-s cdiõs d pgmt prstõs. 800 83 4 5 I www.dtlxprss.pt ã Prm URBINA PREMIUM PACK DE IMPRESSÃO - 4 Elit HD Putty - 4 Elit

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores. Manual de Procedimentos

RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores. Manual de Procedimentos RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores Manual de Procedimentos!" ESTRUTURA DESTE MANUAL &'( ) *+,-./0-1 *+,2 % *+,3-445-"-4 6 *+,"-47.2-4 8 *+,4349!.4 : ; 4';

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

Latim-runas NUMERO 5:511 Sabbadrh-BQ de dezembro de O Fundador,

Latim-runas NUMERO 5:511 Sabbadrh-BQ de dezembro de O Fundador, 1 -\(^" - UR 11 S-Q 19 - F &-(P U? y - » T D!! &Jj / P - J óó PUÇS - PU-S QURTS-ÊHS SDS - - - 1 ñ 9 1 f - - - õ j w-- 1 PRSS PP D V F* " õ» -í ( (- f õ ~ f õí ( 1 " ÍÍÉ- f S J J &/ j - f f f j S f P-!

Leia mais

A CANTONEIRA ABAS IGUAIS PESO ( Kg ) Milimetro Polegada Barra 6 m A C A C CT-001 0,600 12,70 1,20 1/2" CT-005 0,740 15,87 1,20 5/8" CT-007 0,890 19,05 1,20 3/4" CT-015 0,790 25,40 0,90 1" CT-016 0,980

Leia mais

A CANTONEIRA ABAS IGUAIS PESO ( Kg ) Milimetro Polegada Barra 6 m A C A C CT-001 0,600 12,70 1,20 1/2" CT-005 0,740 15,87 1,20 5/8" CT-007 0,890 19,05 1,20 3/4" CT-015 0,790 25,40 0,90 1" CT-016 0,980

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como J. A. M. Flipp d Soz Igris (rsmo l) Igris A igrl idfiid d m fção f() é rprsd como f ( τ) Por oro ldo, igrl dfiid, rprsd como f ( τ), f ( τ) τ o f ( τ) dτ 3 d fz Som d Rim q clcl ár so crv m m irvlo m dfiido

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

2.3 DFMs irredutíveis

2.3 DFMs irredutíveis 2.3 DFMs irredutíveis Definição: Duas matrizes polinomiais N(s) e D(s) com o mesmo número de colunas são coprimas à direita se seus m.d.c.s são unimodulares. Lema 2. (Identidade de Bezout): Duas matrizes

Leia mais

Matrizes - Teoria ...

Matrizes - Teoria ... Mrzs - Tor Mrz Rgulr Mrz Rgulr d ord por é u qudro fordo por los dsposos lhs olus ou s Rprsros u rz d lhs olus por Os los d rz srão dfdos por u lr o dos íds o prro íd d lh o sgudo íd olu à qu pr o lo Iguldd

Leia mais

Aula 06 Análise no domínio do tempo Parte I Sistemas de 1ª ordem

Aula 06 Análise no domínio do tempo Parte I Sistemas de 1ª ordem Aula 06 Análise n dmíni d temp Parte I Sistemas de 1ª rdem input S utput Sistemas de primeira rdem Sistema de primeira rdem d tip a G(s) bs + c input a bs + c utput Sistemas de primeira rdem u seja: Y(s)

Leia mais

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24.

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24. R 3 R R D S VL L Ó S L U D K LÃ W -S / 3 SH FW -S Ã P UL F S SP / / : 8:3 3// 8/ 3/ : 6: SPCL - PRU C VCÊ UC VU.in 7 R Ú 8 9 - R$,,9 R$ CP.in S D PP R S G GS S - R$, 9 R D : : U Q R VG D R SÃ PU L FS H

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

PLR Por quê? d L i i q u e z b l d d R t i i e n a a e b d E i t a d d d P t i i ro u v a e é l l d B F t i R t u s c a e r n c a e p o e su a o

PLR Por quê? d L i i q u e z b l d d R t i i e n a a e b d E i t a d d d P t i i ro u v a e é l l d B F t i R t u s c a e r n c a e p o e su a o .. u p v g c C C O ) F h C I ( É, - p c c ç u u g w w p g c u F C I ã ) A U E ( C D h W k N f N h C F. z c v p ç p g u ) k M U ( E ã A M ) P S ( M P S E k M G p v h F C O ã b S Apc gc Agc Ag c R z O v

Leia mais

Módulo III. Processadores de texto

Módulo III. Processadores de texto Módul F d O Pd d x Flh d Clul F d duvdd @2006 Módul v 1 Pd d x Uldd í djv Wwd d d x Ed u du Sl x Tblh u du Fç d g Fçõ gé Fçõ d x A lz l lu ú @2006 Módul v 2 Pd d x F d dh Tbl M uç Plzç d l dl Cç d lzd

Leia mais

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada 107484 Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB) Controle

Leia mais

! " ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$

!  ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ xfghdfgh!" # ! " $$! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ &! '! -! 95,()!! +)- *$ - :! ' ')!0 ') );!4 ' -! ',*$!7 < )) 6 +=!>? @ ) *$!)2 3 ) - :! -), "

Leia mais

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo Flh d Clul O qu é: U Flh d Clul é, dç, u ju d élul qu u glh u bl qu d l- vé d xõ lóg /u O qu : Ogzç ç d bl l d vl; F, í,, qu jud xu lul lx; Auzç d, vé d gç u d ódg d lul u d uld; Rç g d ç; d bl ulzd çõ

Leia mais

Guia Rápido de Consulta

Guia Rápido de Consulta fh c 2010_Ly 1 21/07/11 15:09 P 1 G Rá Cs TIPO PRODUTO/ FORMULAÇÃO PRAGA-ALVO DOSAGENS CONCENTRAÇÃO DE INGREDIENTE ATIVO RATICIDAS RODILON PELLETS CAMUNDONGOS, RATOS RATAZANAS 1 4 schês c 10 s s Dfh 0,0025%

Leia mais

M cobsíp cofflfflnnista ia ig

M cobsíp cofflfflnnista ia ig y Wgggp)r ~» BBWXJ& Drr LÃ LL XrXT XX Gr DURT FLX W XwBH ÊW h( WUTU MPü % k B y R Drr 8 CRd 08 Cdsr Cr uprssu pp RDKG C Crs K JR XTFR MBR 99 RDCÇÃ Xrg ü Cr u TRCL rvçs d ssd Prss Hvs r rrsps sps s grvs

Leia mais

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS Mpmnt Cstr cm Ap d Imgns d Stélts THEOS 1 Glbrt Pssnh Rbr, glbrt.pssnh@gml.cm Artur Wllcx ds Snts, rturwllcx@gml.cm Ubrtn d Suz Ds Junr, ubrtn.ds.junr@gml.cm Agrdcmnts: Rbr Brn, Gfísc/UFF UNIFESP Ls Unvrsdd

Leia mais

Projetos finais de curso. Perspetivas dos orientadores

Projetos finais de curso. Perspetivas dos orientadores Projetos finais de curso Projetos /dissertações de Engenharia e Gestão Industrial MIEGI-LEGI-LEP Perspetivas dos orientadores S. Carmo Silva (Departamento de Produção e Sistemas (DPS) Uminho) 05 a 07 Novembro

Leia mais

Vi Vai. FETRANSPOR Rio de Janeiro RJ. Prezados Senhores,

Vi Vai. FETRANSPOR Rio de Janeiro RJ. Prezados Senhores, Ri de Janeir, 07 de Dezembr de 201 1. i»u ivu1'iy.w ÿ0 FETRANSPR Ri de Janeir RJ. Vi Vai At.: Sr. Sérgi Peixt Prezads Senhres, Em atençã a sua slicitaçã, estams adiante frnecend s preçs de carrcerias MARCPL

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

Amplificadores para sinais de pequena potência em RF

Amplificadores para sinais de pequena potência em RF Amplificadores para sinais de pequena potência em RF Gil Pinheiro UERJFENDETEL Amplificadores para sinais de pequena potência em RF Objetivo: Amplificação seletiva de sinais de RF de baixa potência com

Leia mais

4.6 Sombras de sólidos geométricos

4.6 Sombras de sólidos geométricos 4.6 Sombras de sólidos geométricos Geometria Descritiva 2006/2007 Sombras de sólidos geométricos Os corpos opacos produzem sombras quando expostos a uma fonte luminosa Fonte luminosa A posição da fonte

Leia mais

Aula 09 Equações de Estado (parte II)

Aula 09 Equações de Estado (parte II) Aul 9 Equções de Estdo (prte II) Recpitulndo (d prte I): s equções de estdo têm form (sistems de ordem n ) = A + B u y = C + D u onde: A é um mtriz n n B é um mtriz n p C é um mtriz q n D é um mtriz q

Leia mais

Thiago Lombardi da Silva Projeto de conclusão de curso Araranguá, 07 de Março de 2010 Lombardi.silva@hotmail.com

Thiago Lombardi da Silva Projeto de conclusão de curso Araranguá, 07 de Março de 2010 Lombardi.silva@hotmail.com Thiago Lombardi da Silva Projeto de conclusão de curso Araranguá, 07 de Março de 2010 Lombardi.silva@hotmail.com CALCULO DOS GASTOS E LUCROS DA EMPRESA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS. CALCULO MENSAL TOTAL DO

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Curso grátis Inglês pr vigm Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls

Leia mais

Sazonais da Floresta ENQUADRAMENTO GERAL. Sazonais da Floresta

Sazonais da Floresta ENQUADRAMENTO GERAL. Sazonais da Floresta ub ub ENQUADRAMENTO GERAL A f é um m u cm múp pu, qu ó é pív pv m m épc fc p um vgm qu pb m u p u u mm m p- pv m qu um cu f fm m cv g. Ex um g v u qu ó xm m m épc. T- pv m v pu f, qu mu v ã já u m m vu

Leia mais

Conversores CC-CC (Buck-Boost e Flyback)

Conversores CC-CC (Buck-Boost e Flyback) Insu Federal de Educaçã, Cênca e ecnlga de ana Caarna eparamen Acadêmc de Elerônca PósGraduaçã em esen. de Prdus Elerôncs Cnversres Esács e Fnes Chaveadas Cnversres CCCC (BuckBs e Flyback) Prf. Clóvs Anôn

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

VIDA PROJETO DE DICAS: N 6. Músicas e Poesias: REALIZAÇÃO: Pra você aprofundar no tema: Sites de busca: OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE DA UFMG

VIDA PROJETO DE DICAS: N 6. Músicas e Poesias: REALIZAÇÃO: Pra você aprofundar no tema: Sites de busca: OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE DA UFMG DICAS: N 6 Pr vcê prfdr m: Múc P: JUVENTUDE EM/ IN FORMAÇÃO Al Abrç, Glbr Gl Flm D d fcrm rê c, Frd Sb Hrz D, L Hrm Em lgm lgr d fr (pód d ér Cdd d Hm ) Cmç chcr-m, Álvr d Cmp N m d cmh, Crl Drmmd d Adrd

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

PMR3404 Controle I Aula 3

PMR3404 Controle I Aula 3 PMR3404 Controle I Aula 3 Resposta estática Ações de controle PID Newton Maruyama 23 de março de 2017 PMR-EPUSP Classificação de sistemas de acordo com o seu desempenho em regime estático Seja o seguinte

Leia mais

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID)

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Sistemas Realimentados Regulação e Tipo de sistema: Entrada de referência Entrada de distúrbio Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Fernando

Leia mais

Catálogo de Perfis de Alumínio

Catálogo de Perfis de Alumínio www.alcomet.com.br Catálogo de Perfis de Alumínio Página em Branco Sumário Empresa... 005 Produtos... 006 Padronizados... 007 Linha 20... 013 Linha 25... 017 Linha 25/90... 021 Linha 30... 037 Linha 32/90...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X LIST DE EER MTRIZES E DETERMINNTES PROF ROGERINHO º ENSINO MÉDIO NOME Nº TURM Rrsn n for d l rz, co s, s, Dd rz, co, scrv rz (M O rço d u rz qudrd é so dos lnos d su dgonl rncl O rço d rz ) (, l qu é:

Leia mais

Conceitos básicos População É constutuida por todos os elementos que são passíveis de ser analisados de tamanho N

Conceitos básicos População É constutuida por todos os elementos que são passíveis de ser analisados de tamanho N sísc Coceos áscos opulção É cosuud por odos os elemeos que são pssíves de ser lsdos de mho mosrgem Sucojuo d populção que é eecvmee lsdo com um ddo mho mosr leór mosr ode cd elemeo d populção êm hpóeses

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

' V'' * JF ' "' * BITTENCOURT. Dlreotor-BDMUNDO. . Redacçâo Rua do Ouvidor n. 117 O FIM DA GREVE

' V'' * JF ' ' * BITTENCOURT. Dlreotor-BDMUNDO. . Redacçâo Rua do Ouvidor n. 117 O FIM DA GREVE SSfRf? MMMHMfrWW f BSBffRí9B58fWpS?íSS? W L _H _ L_ NN N 24 JF rr M DrrBDMUND pr s r r sw F BTTENCURT ípr pp C p p«_ rrg Rçâ R vr 7 R DE JNERQURTFER 5 DE BRL DE 00Ç J )í r r E E íssb q pr s z Jr y frrrs

Leia mais

Chotes. Música na escola: exercício 12

Chotes. Música na escola: exercício 12 Chts Músic n scl: xcíci 12 Chts Aut: Aut scnhci, cnçã flclóic Rgiã: Ri Gn Sul Fix: 12 Anj: Nil Azv Pvt Músics: Cls Rbt Olivi pin Nil Azv Pvt clints sx lt Cnts: lic Alid Pi Guilh Cnciçã Sntn Eily Ryn Buin

Leia mais

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão Vs o to nh o oho d ão Oá, ss ntd fo ns dos tos fz s gost. Aé d nd dd, obnção d sbos sson té os s xgnts. A t s dfí v s onsg vs fss. Ingdnts: 1 to nh; 3 dúzs d vs; s nt t; d do. Modo d fz: t s tbhos é bs

Leia mais

A formulação representada pelas equações (4.1)-(4.3) no método de elementos finitos é denominada de formulação forte (strong formulation).

A formulação representada pelas equações (4.1)-(4.3) no método de elementos finitos é denominada de formulação forte (strong formulation). 4. Fomlção Mcl o Méoo Elmos Fos s cpílo sá ps fomlção mcl o méoo lmos fos pos plcção o méoo lv ssms lgécos q pom s ogzos fom mcl p poso solção po éccs mécs pops p c po qção fcl: lípc pólc o hpólc. O poo

Leia mais

Minha vida está mudando.

Minha vida está mudando. U jt v vv. Mh v tá. Q á, z, t Q. 11 h t M é Alc b h l t g, c FLR DA IDAD. t ql. c l, ã, q é pcólg c z. l íc f tã é ã cêc Sb, t l t c é É, t, t b. h c M. g c p lh! t q h c Pq t, tbé c t j, q é, bc, á c.

Leia mais

Controladores PID. ENGC42: Sistemas de Controle I. 27 de maio de Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Universidade Federal da Bahia - UFBA

Controladores PID. ENGC42: Sistemas de Controle I. 27 de maio de Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Universidade Federal da Bahia - UFBA Controladores PID ENGC42: Sistemas de Controle I Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Universidade Federal da Bahia - UFBA 27 de maio de 205 Sumário Introdução 2 Estrutura de controladores PID 3 Efeitos

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Sobre a obra: Sobre nós:

Sobre a obra: Sobre nós: Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe do ebook espírita com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos, bem como o simples teste da qualidade da obra,

Leia mais

SPRAY DE ZINCO ESCURO 400ML. Ref: Z 728_0244. Caixa: 12Un Palete: 1008Un SPRAY ANTIADERENTE SOLDADURA 400ML. Ref: AS 450_0189

SPRAY DE ZINCO ESCURO 400ML. Ref: Z 728_0244. Caixa: 12Un Palete: 1008Un SPRAY ANTIADERENTE SOLDADURA 400ML. Ref: AS 450_0189 SPRAY DE ZINCO CLARO 400ML ZA 574_0237 3.62 SPRAY DE ZINCO ESCURO 400ML Z 728_0244 3.71 SPRAY DE ZINCO 98% 400ML Z 721_0307 4.69 MASSA POLOS DE BATERIA 400ML BP 430_0210 3.20 SPRAY ANTIADERENTE SOLDADURA

Leia mais

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Hector Bessa Silveira e Daniel Coutinho 2012/2 1 Objetivos Neste próximos laboratórios, utilizar-se-á

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

1. Diagrama de Blocos. 2. Gráfico de fluxo de sinais. Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares

1. Diagrama de Blocos. 2. Gráfico de fluxo de sinais. Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares 1. Diagrama de Blocos 2. Gráfico de fluxo de sinais Fernando de Oliveira Souza pag.1 Engenharia de Controle Aula 3 Diagrama de Blocos U(s) G(s) Y

Leia mais

Discrete Automation & Motion. CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO

Discrete Automation & Motion. CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO Discrete Automation & Motion CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO CPUs AC500-eCO Tipo I/Os na base ED/SD/EA/AS I/O digital I/O analógico Tensão de Entrada Saída Entrada Saída alimentação

Leia mais

MONTGOMERY CAPTUROU BREMEN I OS FRANCESES OCUPARAM CONSTANCA. ao retiro

MONTGOMERY CAPTUROU BREMEN I OS FRANCESES OCUPARAM CONSTANCA. ao retiro MNTGMRY CPTURU BRMN S FRNCSS CUPRM CNSTNC RUSSS JUHC DS X RCU GíRL DS TRÇS Í ÍMÃS N FRNT Â TÁL llè! M MNJ PL/7/C Drr: j Gr: 0CTV0 LM CSSN RCRD NT SUPRNTNNT LUZ C D CST NTT prs N V R JNR SXT-FR 27 DÈ BRL

Leia mais

(estes diapositivos não constituem manual da disciplina de MACROI, não dispensam a frequência às aulas nem a consulta da bibliografia recomendada)

(estes diapositivos não constituem manual da disciplina de MACROI, não dispensam a frequência às aulas nem a consulta da bibliografia recomendada) ! DESCRIÇÃO Contabilidade Nacional (dados estatísticos) EXPLICAÇÃO Teoria Económica INTERVENÇÃO Política Económica ! )!*!+!# *!* #,!-( "#. / ( *!&( ( *!*! ((!! +( *! ( & (*!( 0 1 & ((#*!'!(#*!&((!/!! +(*!20!

Leia mais

Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh

Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh 107484 Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB)

Leia mais

O MOSFET como Amplificador. ENG04055 Concepção de CI Analógicos Eric Fabris

O MOSFET como Amplificador. ENG04055 Concepção de CI Analógicos Eric Fabris O MOSFET como Amplificador Amplificador Básico Amplificador Fonte Comum Topologia Básica Representação Gráfica da Reta de Carga eterminação da Curva de Transferência v i i O v S f ( v f ( v V GS GS R )

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Relatório Turma/Horário

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Relatório Turma/Horário AT 40 CCMP0077 - ADMINISTRAÇAO DA TEC DA INFORMAÇAO E COMUNICAÇAO JURANY FREITAS MELRO TRAVASSOS* 30 QUI A03 10:30-11:20 11:20-12:10 AM 45 CCMP0001 - ALGEBRA APLICADA A COMPUTAÇÃO ELIANE MARIA LOIOLA*

Leia mais

Vestibular Unificado PUC-SP/2014 (Verão) Por Instituição / Curso / Turno

Vestibular Unificado PUC-SP/2014 (Verão) Por Instituição / Curso / Turno 11 AE11 ADMINISTRACAO MATUTINO PUC-SP (MONTE ALEGRE) 0 11 AE13 ADMINISTRACAO NOTURNO PUC-SP (MONTE ALEGRE) 0 13 AE11 ADMINISTRACAO MATUTINO PUC-SP (BARUERI) 16 AE13 ADMINISTRACAO NOTURNO PUC-SP (IPIRANGA)

Leia mais

SUMÁRIO TEMPERADO - 10MM BOX FRISADO...16

SUMÁRIO TEMPERADO - 10MM BOX FRISADO...16 SUMÁRIO TEMPERADO - 08MM... 8 TEMPERADO - 10MM... 11 STANDART - 08MM... 13 STANDART - 10MM... 14 BOX LISO...15 BOX FRISADO...16 GRADIL... 18 FACHADA CORTINA... 22 FACHADA OMEGA... 23 FACHADA PELE DE VIDRO

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

ARMÁRIO 6 PORTAS 2 GAVETAS BRUSQUE

ARMÁRIO 6 PORTAS 2 GAVETAS BRUSQUE DLM XR R ÇS RDU RMÁR 6 RS 2 VS RUSQU 09 18 05 18 g 06 g 5 g g 03 19 5 g 04 22 01 16 5 g 01 Dimensões do roduto ltura: 00mm Largura: 36mm rofundidade Útil: 447mm rofundidade otal: 462mm riação 06/03/ Revisão

Leia mais

1 Sm ª 13. Então, se dispôs Davi com os seus homens, uns seiscentos, saíram de Queila e se foram sem rumo certo. Ziclague

1 Sm ª 13. Então, se dispôs Davi com os seus homens, uns seiscentos, saíram de Queila e se foram sem rumo certo. Ziclague 1 Sm. 23.13ª 13 Então, s dspôs Dv om os ss homns, ns ssntos, sírm d Q s form sm rmo rto. Z 1 Sm 27.1-3 1 Dss, porém, Dv onso msmo: Pod sr q m d vnh prr ns mãos d S; nd há, pos, mhor pr mm do q fr pr trr

Leia mais

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G M E T O D O L O G I A U T I L I Z A D A P E L O P E T C O M P U T A Ç Ã O D A U F C G P A R A M I N I S T R A R C U R S O S DE I N F O R M À T I C A B À S I C A G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o C u

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV s GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO ADVOGADO EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA i VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV -4 ' c ri r O -4 ' -4 t-3 PROCESSO N 1003345-80.2002.8.26.0100

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Mother s D. Recepção. A Festa. continua...

Mother s D. Recepção. A Festa. continua... 3 Ediçã 35 Mi 2013 Fi c i cih q s ls, fsss clbs d FC cçã di ds ãs. Cd lh d Mh's Dy fi sd ibi d cih dçã dd ls ãs. Os ls si bs fz c q d ccss c fiçã: c s cgfis, s sis s ls úss. Cd sçã fi cid c bs s s sdds

Leia mais

dno 72.'-Número &sz-sabado 14 de lulho de ^ ?Wah da Emma Campeão das vaíacías, NP_ Publica-se aos 'sabadbs 'F3P "sab d?de

dno 72.'-Número &sz-sabado 14 de lulho de ^ ?Wah da Emma Campeão das vaíacías, NP_ Publica-se aos 'sabadbs 'F3P sab d?de 7Nú &zsb 93 GDTR Lããâ R 5 ^ z Pb bb 8Ê ü%% à 93? É?ê / 333 S bõ ) b F3P b? N59 J bã àlê @ z S5 Nã 5 ] ããããà b y3338% 359 7 b? Cã NP > â â ã & â ê Nú 8 5 BZZF G 85) B! bz 5 ó b ã > z z ó R à! P? z J Sb!

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. Erro em estado estacionário de sistemas de controle realimentados 2. Erro em estado estacionário de sistemas com realimentação não-unitária 3. Índice de

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

pendentes arandelas plafons embutidos cúpulas

pendentes arandelas plafons embutidos cúpulas plafons cúpulas embutidos pendentes arandelas Um grande projeto de iluminação depende da escolha certa das luminárias, pois podem criar efeitos de luz que deixarão seus ambientes mais agradáveis e confortáveis,

Leia mais

ROUPEIRO SONARE 3 PTS

ROUPEIRO SONARE 3 PTS PBX () 5-5050 v. Jesus Candian, 86 - B. angueira Rural - CP 6500-000 - bá - G -mail: qualidade@moveisnovohorizonte.com.br RPIR SR PTS LT.: 80mm LRG.: 05mm PRF.: 500mm CRT SS PÁGI FCBK LIK LD (QR CD) FICH

Leia mais

Hans Staden Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor. Romance histórico. Ficha Autor: Quadro sinóptico

Hans Staden Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor. Romance histórico. Ficha Autor: Quadro sinóptico Hs S Lz r J L r Lz r s 9, Jr. sr Lrr rslr, l -J, s sr lr lr sss, é rss rs lrárs, rr, rr, só Lr slr rl r fs rçã rçã lrár. rl r rrs sórs qrs ár l rk. s íls ls vrss rês ss lvrs, lsv J lr íl f- l Jvl, 99,

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

Circuitos Eletrónicos Básicos

Circuitos Eletrónicos Básicos Circuitos Eletrónicos Básicos Licenciatura em Engenharia Eletrónica Transparências de apoio às aulas Cap. 3: Fontes de corrente 1º semestre 2013/2014 João Costa Freire Instituto Superior Técnico Setembro

Leia mais

SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER

SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER Rodrigo Cézar Limeira 1, Pedro Vieira de Azevedo 2, Wagner de Aragão Bezerra 3, Josefa Morgana Viturino de Almeida 3, Lindenberg Lucena

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

Clube Empresarial 400 + Dados Clube Premium 400 DM Clube Smartphone 400 DM Clube 400 + Dados Clube Premium 1200 DM Clube 400 + Trio Clube Smartphone

Clube Empresarial 400 + Dados Clube Premium 400 DM Clube Smartphone 400 DM Clube 400 + Dados Clube Premium 1200 DM Clube 400 + Trio Clube Smartphone Planos Iden Meu Nextel 70R Meu Nextel 500 PJ Meu Nextel Ilimitado PJ Meu Nextel 150 PJ Meu Nextel Pooling 800 PJ Meu Nextel 300 PJ Meu Nextel Ilimitado PJ BIS Meu Nextel Ilimitado Meu Nextel Pooling 800

Leia mais

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A *

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A * R O TA S D E N AV E G A Ç Ã O N O L O N G O C U R S O - M E R C O S U L - C O S TA O E S T E D A A M É R I C A D O S U L - A M É R I C A C E N T R A L E C A R I B E - G O L F O D O M É X I C O - C O S

Leia mais

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1985-2005

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1985-2005 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1985-25 NACIONAL IMPORTADO Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % 1985 1.359.54 89,62% -1,3% 157.476

Leia mais

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada SO TS 16949:2002 A uu d pcfcçã écnc E g pná cnc d m d gã d quldd, uu d pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 bdgm d m d quldd umv. A pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 é bd n pncíp d gã d quldd pnd n nm NBR SO 9001:2000:

Leia mais

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33.

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. Disciplina: Português Período: 1º Unidade 1 Eu me comunico Linguagem : formal e informal Variação regional de vocabulário Usando diferentes linguagens Ortografia: L e U,A/AI; E/I; O/OU; Usando diferentes

Leia mais