UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) À EFETIVAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO Clbr Cmch Gnzlz SÃO CARLOS 2008

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) À EFETIVAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO Clbr Cmch Gnzlz Dissrtçã prsnt Prgrm Pós-Gruçã m Engnhri Pruçã Univrsi Frl Sã Crls, cm prt s rquisits pr btnçã Títul Mstr m Engnhri Pruçã. Orintr: Prf. Dr. Emilsn Nguir SÃO CARLOS 2008

3 Fich ctlgráfic lbr pl DPT Biblitc Cmunitári UFSCr G643cs Gnzlz, Clbr Cmch. Cntribuiçã sistm gstã mprsril (SGE) à ftivçã strtégi pruçã / Clbr Cmch Gnzlz. -- Sã Crls : UFSCr, f. Dissrtçã (Mstr) -- Univrsi Frl Sã Crls, Estrtégi pruçã. 2. Sistms infrmçã grncil. 3. Alinhmnt strtégi. I. Títul. CDD: (20 )

4 ~-1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO R. Wshingtn Luis, Km GEP Sã Grls - SP - Brsi, FnlFx: (016) / / (rml: 232) Em i!: FOLHA DE APROVAÇÃO Alun(): Clbr Cmch Gnzlz DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEFENDIDA E APROVADA EM 06108/2008 PELA COMISSÃO JULGADORA: P?U- Uv y pr~~'emiison NgJir Orintr() PPGEP/UFSCr L Prf. Dr. jj j,( s Alvs Filh PPGEP/~s r i j Al I / " 7'~ Prf. Dr. Sílvi!brt Ignáci Pirs FEAM/UNIMEP ) (~ (iccjji: Prf. Dr. Mári Otávi Btlh Crnr PPGEP

5 Dic st trblh minh sps, mig cmpnhir Frnn.

6 AGRADECIMENTOS A Prf. Dr. Emilsn Nguir pl rintçã cntribuiçõs lng t ss prcss. Fi prcis tr muit pciênci pr suprtr s is vins st mstrn um tnt cmplic. A Prf. Dr. Alcu Gms Alvs Filh pls vliss cntribuiçõs pr grntir quli trblh. As iscussõs ns isciplins m qu stv prsnt tmbém frm muit vliss. A Prf. Dr. Silvi Rbrt I. Pirs pl ispsiçã m prticipr s bncs qulificçã fs, smpr tnn s slicitçõs imit. Sus bsrvçõs frm ssnciis pr cnclusã st psquis. As mus pis qu m inicrm um cminh bnit sguir incntivrm minhs inicitivs smpr critn m mim. As mus irmãs pl pi incnicinl pl miz qu c vz fic mis frt. As mus migs Fábi Luis pls lngs cnvrss, váris cnslhs muits riss. A Fábi Hlszchuh Simn Gnçlvs pr uxilir ns stus css grntin css às rgnizçõs psquiss. As scrtáris DEP qu smpr m tnrm cm muit prstz, m spcil Rqul Róbsn qu frm muit slicits nsss últims mss. Assim cm ts s mis funcináris UFSCr (biblitc, áui-visul, limpz, tc.) smpr muit tnciss. A ts s clgs qu prticiprm junts s isciplins pós-gruçã. Smpr trg bs rcrçõs quls is, psr rápi rlcinmnt.

7 RESUMO Est trblh prt princípi qu sucss um rgnizçã é lcnç mis fcilmnt s s hirrquis strtégics frm rspits. Sn ssim s cisõs rfrnts à ár prutiv vrim sguir s irtrizs prpsts pl strtégi pruçã qu, pr su vz, vri str subrin crnt à strtégi crprtiv. Tn iss cm funmnt principl, stu fc s bjtivs strtégics pruçã, pr mi stus css, prcur vrificr cntribuiçã s sistms gstã mprsril (SGE) à su ftivçã. Busc-s cnhcr ns css stus quis s bjtivs smpnh pririzs pl ministrçã mprs tmbém pl funçã pruçã. Em sgui, junt à ár prçõs, prcur-s intificr quis s funcinlis um SGE prim cntribuir mis n cncrtizçã sss bjtivs strtégics. Pr fim é rliz um invntári sbr utilizçã SGE um nális cmprtiv é rliz pr intificr nívl quçã xistnt. Pr qulizçã cnhcimnt m rlçã s tms iscutis, tmbém lbru-s um rvisã bibligráfic sbr Estrtégi Pruçã, Sistms Gstã Emprsril Alinhmnt Estrtégic ntr ls. A cncluir trblh, fi pssívl bsrvr qu strtégi mprsril stá sn cmunic cm ficiênci à ár prcinl qu utilizçã SGE cntribui pr ftivçã strtégi pruçã. Entrtnt, prcb-s qu ss cntribuiçã pri sr mis rlvnt cs linhmnt strtégic ntr s árs Pruçã TI fss trblh cm mis finc. Em rlçã nívl linhmnt, s náliss nã mstrrm ifrnçs significtivs ntr s mprss psquiss, psr prtncrm árs tuçã istints, nm ntr s ifrnts SGE u vrsõs s msms. Plvrs-chv: Estrtégi Pruçã, Sistms Gstã Emprsril, Alinhmnt Estrtégic.

8 ABSTRACT This wrk ssums tht th succss f n ntrpris cn b rch ut mr sily if th strtgic hirrchis r rspct. Thus, th cisins rfrring t th prtinl r ught t fllw th pths prps by th prtin strtgy, which shul b subrint t n chrnt with th crprtiv strtgy. Hving this s min bsis, this stuy fcuss n th strtgic bjctivs f prtins n, by mns f cs stuis, it ims t vrifying th cntributin f ntrpris mngmnt systm (EMS) t its lbrtin. Th css wr stui iming t knwing th prfrmnc bjctivs mst vlu by th cmpny ministrtin n th pructin functin t. Nxt, this wrk stuis in th prtinl r which trits f EMS cn mstly cntribut in th ffctivnss f ths strtgic bjctivs. Finlly, n invntry but th utiliztin f th EMS is lbrt n cmprtiv nlysis is crri ut s tht it is pssibl t intify th qucy lvl xistnt. In rr t gt th rr cquint t th thms iscuss bibligrphicl rviw ws m n it cvrs Oprtin Strtgy, Entrpris Mngmnt Systm n th Strtgic Alignmnt btwn thm. By th n f this stuy, it ws pssibl t bsrv tht th ntrpris strtgy hs bn cmmunicting fficintly with th prtinl r n tht th utiliztin f EMS cntributs t th strtgic ffctivnss f prtin. Nvrthlss, it cn b rliz tht this cntributin cul b mr rlvnt in cs th lignmnt btwn Oprtinl rs n IT wr wrk ut mr lbrtly. In rltin t th lignmnt lvl, nlyss i nt shw significnt iffrncs nithr mng th cmpnis rsrch in spit f th fct thy blng t iffrnt ctin rs, nr mng iffrnt EMS r thir vrsins. Kywrs: Oprtin Strtgy, Entrpris Mngmnt Systm, Strtgic Alignmnt.

9 LISTA DE TABELAS TABELA 3.1. Exmpl prátic Plnjmnt s Ncssis Mtriis 69

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1.1. Árs tivi brngis pl psquis 19 FIGURA 1.2. Estrutur issrtçã Rlcinmnt ntr priris cmptitivs móuls SGE 24 FIGURA 2.1. Nívis strtégi 27 FIGURA 2.2. Três strtégis gnérics 28 FIGURA 2.3. Mls cmplmntrs pr strtégi pruçã 32 FIGURA 2.4. Prcss trminçã plític mnuftur 34 FIGURA 2.5. Mtriz Imprtânci X Dsmpnh 36 FIGURA 2.6. Ml prminnt prcss strtégi pruçã 38 FIGURA 2.7. Quli m pruts/srviçs 40 FIGURA 2.8. Ml Cn Ari 43 FIGURA 2.9. As crctrístics vlum-vri s tcnlgis mnuftur 47 FIGURA Mtriz prut-prcss 47 FIGURA Crnlgi s ifrnts brgns pr prjt trblh 48 FIGURA Criçã cnhcimnt 49 FIGURA Efit intrpnênci ns rlcinmnts n ci suprimnts 52 FIGURA Prpst intgrçã IO CT 56 FIGURA 3.1. Ml stági plnjmnt cntrl pruçã 59 FIGURA 3.2. Visã grl um SGE 62 FIGURA 3.3. Estrutur prut 70 FIGURA 3.4. Ilustrçã gráfic Gntt us pr cntrl fbricçã 73 FIGURA 3.5. Equilíbri ntr tivis plnjmnt cntrl 77 FIGURA 3.6.Visã grl s árs cnhcimnt s prcsss grênci prjts 85 FIGURA 3.7. Estrtégi cmptitiv, priris cmptitivs implmntçã SGE 88 FIGURA 3.8. O stu intgrçã SGE à strtégi pruçã 89 FIGURA 3.9. Ml Alinhmnt Estrtégis Ngóci Estrtégis TI 90 FIGURA 4.1. Psicinmnt s mprss psquiss n mtriz PrcssXPrut 126

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1.1. Tips psquis 20 QUADRO 2.1. Bibligrfi s nms s pr tips strtégi pruçã pr nm psquisr 31 QUADRO 2.2. Cntú s strtégis pruçã: cmprçã s ctgris cisã strtégic 44 QUADRO 2.3. Dis cncits crprçã: Uni Estrtégic Ngóci (SBU) u Cmptênci Essncil 54 QUADRO 3.1. Rzõs pr çã SGE 63 QUADRO 3.2. Móuls SGE 64 QUADRO 3.3. Nívis ifrnts cisõs sbr cpci prutiv 74 QUADRO 3.4. Qustõs rlcins às cisõs sbr rgnizçã trblh 84 QUADRO 4.1. Funcinlis ssnciis um SGE 94 QUADRO 4.2. Critéris Dsmpnh 95 QUADRO 4.3. Rsum s rspsts qustinári 4 Emprs A (númr inicçõs funcinli frnt s critéris smpnh) 105 QUADRO 4.4. Trnscriçã s rspsts qustinári 3 Emprs A (1 rprsnt cncrânci ttl cm firmçã squr 5 iscrânci ttl) 107 QUADRO 4.5. Rsum s rspsts qustinári 4 Emprs B (númr inicçõs funcinli frnt s critéris smpnh) 113 QUADRO 4.6. Trnscriçã s rspsts qustinári 3 Emprs B (1 rprsnt cncrânci ttl cm firmçã squr 5 iscrânci ttl) 115 QUADRO 4.7. Rsum s rspsts qustinári 4 Emprs C (númr inicçõs funcinli frnt s critéris smpnh) 123 QUADRO 4.8. Trnscriçã s rspsts qustinári 3 Emprs C (1 rprsnt cncrânci ttl cm firmçã squr 5 iscrânci ttl) 124 QUADRO 4.9. Anális cmprtiv s mprss psquiss 127

12 SUMÁRIO RESUMO...7 ABSTRACT...8 LISTA DE TABELAS...9 LISTA DE FIGURAS...10 LISTA DE QUADROS...11 SUMÁRIO...12 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA DA PESQUISA QUESTÃO DA PESQUISA UNIDADES DE ANÁLISE MÉTODO DE PESQUISA ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO CAPÍTULO 2 ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DEFINIÇÕES BÁSICAS ESTRATÉGIA COMPETITIVA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO PROCESSO CONTEÚDO ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO BASEADA EM COMPETÊNCIAS CAPÍTULO 3 SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) ORIGENS DO SGE MÓDULOS DO SGE PRODUÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ENGENHARIA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO MODELO DE HENDERSON E VENKATRAMAN CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE OS SGE... 91

13 CAPÍTULO 4 ESTUDOS DE CASOS PREPARAÇÃO DA PESQUISA EMPRESA A ESTRATÉGIA COMPETITIVA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) ANÁLISE DO CASO EMPRESA B ESTRATÉGIA COMPETITIVA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) ANÁLISE DO CASO EMPRESA C ESTRATÉGIA COMPETITIVA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) ANÁLISE DO CASO ANÁLISE COMPARATIVA CAPÍTULO 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA RESULTADOS DA PESQUISA LIMITAÇÕES E DESENVOLVIMENTOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICES...143

14 14 Cpítul 1 Intruçã O bjtiv strtégi pruçã é grntir qu funçã grncir s prcsss pruçã ntrg vlr clint sjm ttlmnt linhs cm intnçã strtégic mprs qunt s mrcs qu prtn srvir. Pr iss, é ncssári incluir n trtmnt prcsss cisóris m pruçã lmnts xtrns à rgnizçã, cm clint cncrrênci. Trt-s grncir tivis prutivs, nã mntn um visã intrspctiv, ms cm um sns prpósit qu justifiqu ár sus çõs. Gnhm imprtânci s intrfcs, ntr ár prçõs utrs strs rgnizçã. (CORRÊA CORRÊA, 2004, pág. 56) Ess nv prspctiv s árs prcinis gru munçs n pnrm cmptitiv inustril trnsfrmn píss grn pr mnufturir m cjuvnts n mrc munil. Cnfrm Crrê Ginsi (1993), ss nv cnári tv cm ftr principl lt quli bix prç s pruts fits pls nvs cmptirs, btis pr mi sucss funçã pruçã. A msm tmp m qu ss xclênci mnufturir s nvs cncrrnts r snti pls mprss minnts, grçã um mrc munilmnt únic trnu-s um rli, principlmnt m virtu vnt nvs tcnlgis qu fcilitrm trc infrmçã. Píss cm Brsil, qu prtgis pls brrirs lfngáris, princípi, nã stvm nnhum l ss gurr, prcbrm, m puc tmp qu nã prim mis r-s lux ignrr sss tnêncis. Ds ntã, s mprss brsilirs sã cmplis fzr cm qu su sistm pruçã nqur-s às mlhrs prátics muniis, muits psquisrs prnm nsinm cm prqu ss sfrç v sr rliz. D utr l, prcbms pucs stus rltn qu s mprss rlmnt têm fit m rlçã ssunt qul rsult bti m rlçã s rcurss invstis. Flury (2008) ntn qu s sistms pruçã stã isprss pl mun, nvlvn ifrnts tips mprss m ifrnts píss, utilizn ivrss sistms lgístics, xigin um nrm cpci crnçã tn sr ágil flxívl ficint. Em su piniã, ss ft é cnsqüênci vluçã s tcnlgis infrmçã. Muit s tm public sbr utilizçã Tcnlgi Infrmçã (TI) pr ss finli. Sgun Lurin (2002), tm crsci xpcttiv qustinmnt crc ppl ss frrmnt, s pr um l, surgm úvis crc s

15 15 rsults riuns s invstimnts m TI, pr utr, há um spéci ncntmnt cm sus plicçõs qu vibilizm chm cnmi glbliz. Hnrsn Vnktrmn (1993), n éc pss, já slintvm qu ss flt hbili s mprss m btr rtrns cnsirávis s invstimnts m TI vi-s à flt crnçã linhmnt ntr s strtégis ngóci tcnlgi. Ess just ntr s strtégis nã é um vnt isl u simpls sr bti, ms sim um prcss inâmic cntínu lng tmp. Dss frm, p-s firmr qu nnhum plicçã TI, ntr ls Sistms Gstã Emprsril (SGE), cnsir islmnt, pr mis sfistic qu sj, p mntr u prprcinr um vntgm cmptitiv urur. Est só p sr bti pl cpci mprs m xplrr Tcnlgi Infrmçã frm ficz intgr (LAURINDO, 2002). Rzn (2002) crit qu ss linhmnt já vm sn iscuti n mun cêmic, ms qun sss mls sã lvs pr prátic ntr s rgnizçõs prsntm inúmrs ificuls pr su implmntçã. Iss ritr ncssi stus qu mstrm rli s mprss, ns quis sj pssívl bsrvr ss intgrçã pr qu l pss sr rcnstruí rtrlimnt Ess trblh fi snvlvi nss cntxt, u sj, prcuru-s stur prátics ts pls mprss n gstã sus sistms pruçã infrmçã visn mntrm-s cmptitivs m um mrc cuj cncrrênci stá c vz mis cirr. Dss mnir, st trblh tm cm bjtiv principl stur cntribuiçã Sistm Gstã Emprsril (SGE) à funçã Pruçã n btnçã s bjtivs strtégics. Espcificmnt: - Intificr strtégi pruçã s mprss stus; - Dscrvr Sistm Gstã Emprsril (SGE); - Vrificr suprt Sistm Gstã Emprsril (SGE) à ftivçã Estrtégi Pruçã. N sqüênci st cpítul srã rlts s psss srm sguis pr tingir s bjtivs prpsts. Inicilmnt srá tlh prblm psquis. Bsns n prblm é pssívl cnstruir prjt finin mét psquis sr utiliz. A strutur st issrtçã p ntã sr lbr cnsqüntmnt snvlvi sgun um plnjmnt cnsistnt.

16 PROBLEMA DA PESQUISA Um s váris qustõs imprtnts srm rslvis ntr prcss frmulçã implmntçã um Estrtégi Pruçã iz rspit grncimnt prutiv, rprsnt principlmnt pls tivis PCP. A miri litrtur sbr sss tivis cncr, frm xplícit u implícit, qu s cisõs rspit prjt implmntçã um sistm PCP sjm trts sb um ótic strtégic (PIRES, 1995). Prém, sistm PCP trnu-s pns um cmpnnt Sistm Gstã Emprsril (SGE), qu xpniu-s nrmmnt n finl últim éc impulsin, ntr utrs ciss, pl bug milêni. O SGE suprt ts s infrmçõs prcinis mprs, tis cm, vns, pruçã, rcbimnt, mnutnçã, cntrlri, cmprs, plnjmnt, ntr utrs. Os s ts sss árs sã gurs m um bs s cntrl, fzn cm qu usuári sistm tnh su ispsiçã infrmçõs cnsistnts intgrs. Ain sbr SGE, Brbck (2001) cmplmnt qu tis sistms rqurm linhmnt rsnh s prcsss rgnizçã rintn-s pr visã ngóci, prmitin intgrçã prfiçmnt s trfs trblh (psss), trnsfrmn strutur rgnizcinl (liminçã nívis funçõs) flxibilizn gstã, prvn bs pr linhmnt s plns ngóci Tcnlgi Infrmçã (TI). Tn tnt tnr é cmprnsívl qu um sistm ss prt nã tnh um smpnh hmgên m rlçã s rquisits c um s funçõs mncins ntrirmnt. A su utilizçã s xplic pls vntgns icinis qu sss sistms virm rprsntr qu hj tlvz sj principl mtivçã grn númr mprss qu ptm pr tá-l: intgrçã ntr s váris árs strs funcinis rgnizçã, ts cmprtilhn um msm bs s únic nã runnt (CORRÊA, GIANESI CAON, 2001). D cr cm Crrê, Ginsi Cn (2001), lguns prpnnts lógic çã s chms mlhrs prátics prcm crr qu hj pncéis pr ts s mls n mun s sluçõs mprsriis (cmputcinis u nã). Prém, n piniã sss utrs, nã há um sluçã qu s prst rslvr qulqur prblm, simplsmnt prqu s prblms ris sã muit vris s sluçõs ris in sã simplists mis. Iss implic qu, nts çã qulqur cnjunt sluçõs infrmátic, um

17 17 cuis nális quçã funcinlis v sr fit pr s chcr qu, ft, sluçã tn minimmnt às ncssis prticulrs mprs m qustã. Slltiz Dutsch (1974) cmplmntn firmçã Schrr (1974) scrvm qu ntr s rzõs qu lvm um psquisr à sclh um trmin prblm pm str s intrsss pssis, sciis u cintífics, sss ftrs vm str hrmnizs ntr si. N ntnt, ftr grn imprtânci nss sclh é inclinçã pssl julgmnt vlr invstigr. O utr st psquis, m su tivi prfissinl cm cnsultr mprss n ár implntçã prgrms SGE, muits vzs cnsttu puc prcupçã n rlcinmnt ntr sftwr sclhi strtégi vignt. Tm-s imprssã qu s ftrs cisivs pr sclh SGE nã cnsirm s ncssis funçã Pruçã. Dss mnir, crit-s qu ss trf trn-s scunári frnt prjt implntçã, msm qu fssm vrifics tlhmnt, s pssibilis ispnibilizs pls pcts prim, vntulmnt, nã tnr às strtégis pruçã stblcis pls mprss. D pnt vist cmuni, m virtu rcnt ifusã s SGE, puc infrmçã xist sbr ssunt, ssim cm puc fi rlt sbr xpriênci s mprss ncinis cm ss tip frrmnt. E qun xist, ss infrmçã é ncntr islmnt, trt cm puc u nnhum rlçã cm s mis funçõs cm pln strtégic mprs. Cnfrm stcrm Clln King (1978) n finl s ns stnt nqunt nlisvm s prgrms MRP, s flhs muits sss sistms stvm ligs ft srm cncbis pnt vist bttm-up, m qu prcupçã stá mis pr ficiênci s msms cnmi custs qu pr ficáci sj pl mprs. Crrê, Ginsi Cn (2001) in firmm qu flhs n nális quçã prã fzr cm qu trmin rgnizçã tnh qu cnvivr sncssrimnt cm rstriçõs incôms crs su sistm infrmçõs pr lng tmp, lvn um prjuíz n ptncil qu ls têm cntribuir pr umnt ftiv smpnh prcinl, chgn té msm trplhr. Em um nívl tlh mis pur, st stu busc ntnr cm utilizçã SGE stá cntribuin cm funçã Pruçã n btnçã sus bjtivs strtégics. Pr s stunts, prfssrs mprsáris qu ncssitm plnjr us um sistm ss tip, tm prtnsã ispnibilizr lgum infrmçã qu s uxili btr mir prvit ss frrmnt.

18 QUESTÃO DA PESQUISA D cr cm Yin (2001), qustã psquis é primir mis imprtnt cniçã pr s ifrncir s strtégis psquis. O rfri utr crit trtr-s pss primril sr cnsir m um stu cs cnslh rsrvr pciênci tmp suficint pr rlizçã ss trf. Dv-s in rssltr qu quçã ntr Estrtégi Pruçã SGE é cnsir pr váris utrs (PIRES, 1995; BRODBECK, 2001; CORRÊA, GIANESI CAON, 2001) rfrncis ntrirmnt, cm um s tivis mis crítics pr cnuçã ficz pruçã, qu pruçã é um s principis ftrs vntgm cmptitiv rl pr mprss mnufturirs. Nss snti qustã principl pr snvlvimnt st tm buscrá stur cm s mprss stã linhn s priris cmptitivs pruçã cm s rcurss ispnívis pl SGE. Pr iss srã stus s crctrístics Estrtégi Pruçã s rcurss SGE ispnívis. Busc-s tmbém vrificr cm s mprss rlcinm sss cncits quis s bjtivs lmjs, cnsirn ts s utrs intrsss prsnts m sistms intgrs qu vri tnr t rgnizçã. Sn ssim, snvlvimnt st trblh tntrá buscr rspst à sguint qustã: - Cm Sistm Gstã Emprsril (SGE) clbr pr tingir smpnh spr ns priris cmptitivs cntribui pr ftivçã Estrtégi Pruçã? Unis nális A finiçã uni nális stá rlcin à mnir cm qustã inicil psquis fi fini. N cs st trblh, qustã ntrirmnt prsnt ircin stu pr nális rgnizçõs qu utilizm sistms infrmtizs Gstã Emprsril. Inicilmnt fi pns psquisr mprss qu prtncssm um msm sgmnt inustril. A vntgm ss brgm stá n ft tr lguns critéris cntrls ssim nlisr pns vriávl sj (SGE), qu pri fcilitr intrprtçã s s. A svntgm stá n pssibili xistênci vícis

19 19 ngóci, u sj, s crctrístics ár stu pm isfrçr infrmçõs rlvnts cnfunir nális s fts ris. Pstrirmnt pnsu-s m stur rgnizçõs qu utilizssm um sistm spcífic. Mis um vz r busc cntrl lgums vriávis cm intuit fcilitr intrprtçã. D msm frm, um sistm spcífic p trplhr intificçã lguns ftrs rlvnts pr cnclusã psquis. Ess brgm in cntv cm ftr icinl rfrnt à xpriênci prfissinl utr. Mis um vz intrprtçã pri sr fcilit pr ss ft, ms msm frm sri impssívl um nális ttlmnt isnt. Anlisn s vntgns svntgns sss brgns, ciiu-s psquisr mprss prtncnts ifrnts sgmnts inustriis, prém s qu fssm cmplmntrs, tn cm rfrênci tip sistm pruçã. Pr ciir quis s sgmnts qu vrim fzr prt st stu rcrru-s grfism (figur 1.1) prsnt primirmnt pr Hys Whlwright (1979) qu busc clssificr s prcsss prutivs rlciná-ls cm s pssívis prõs pruçã (prut X prcss). 1. Bix vlum prnizçã Estrutur Prut 2. Múltipls pruts bix vlum 3. Alguns pruts principis lt vlum 4. Alt vlum, Prnizçã cmmity 1. Trf Nnhum Estrutur Prcss 2. Lt 3. Linh mntgm ár brngênci psquis 4. Flux cntínu Nnhum Figur 1.1 Árs tivis brngis pl psquis. Fnt: pt Hys Whlwright (1979, p.128) A sclhr mprss qu prm pr mi flux cntínu (químics, cluls ppl, sirúrgics, tc.), flux intrmiári (utmbilístics, ltrméstics, ltrônics, limntícis, tc.) trfs ics (rnáutic, móvis, tc.), prtn-s brngr ifrnts prcsss prutivs xistnts btr um qunti mir infrmçõs qu vrim nriqucr cnclusã psquis.

20 20 As únics rstriçõs qu stã sn cnsirs pr sclh finitiv s mprss srm psquiss sã qu sts vm sr mprss mnufturirs in pssuir um sistm gstã mprsril, inpnntmnt fbricnt sclhi. 1.3 MÉTODO DE PESQUISA Inicilmnt é ncssári finir tip psquis qu mis s pt tm sr br. Pr finiçã tip psquis é imprtnt tmbém sclhr um tiplgi cm qul utr tnh fini. Gnslvs (2005) scrv lgums clssificçõs qu pm sr tribuís um psquis (Qur 1.1). Sgun s bjtivs: psquis xplrtóri busc mplir cnhcimnt sbr trmin fnômn; scritiv bjtiv scrvr s crctrístics um bjt stu; xprimntl busc cmprvr n prátic vnt rlcin; xplictiv prcur ntnr s mtivs cnsqüêncis cntcimnt stu. Qur 1.1 Tips psquis Tips psquiss Tips psquiss sgun s bjtivs sgun s prcimnts clt Explrtóri Exprimnt Dscritiv Lvntmnt Exprimntl Estu cs Explictiv Bibligrfi Dcumntl Prticiptiv Fnt: Gnslvs (2005, p.64) Tips psquiss sgun s fnts infrmçã Cmp Bibligráfic Dcumntl Tips psquiss sgun nturz s s Quntittiv Qulittiv Sgun clt: xprimnt rpruz um cs; lvntmnt busc lclizr infrmçõs crc l; stu cs tnt ncntrr n rli frms smlhnts pr ntnê-l; bibligrfi bsi-s pns n tri já xistnt pr lcnçr nvs cnclusõs; cumntl prcur rlcinmnts n cumntçã xistnt; prticiptiv infiltr-s n bjt stu pr prsntr s piniõs crrnts.

21 21 A cnsirr s fnts infrmçã: psquis cmp prcur infrmçõs n mun xtrir; psquis lbrtóri busc rpruzir ft num mbint fch; nqunt qu s psquiss bibligráfics u cumntis sã mis tórics bss m utrs stus já ifunis. A tiplgi sugri pr Gnslvs (2005) in trt nturz s s: um psquis quntittiv v justificr-s numricmnt utilizn prfrncilmnt s nrms sttístics; psquis qulittiv tm sr crnt, bs m fts ncntrs ispsts mnir lógic. Pr snvlvimnt st tm srá mprg um brgm psquis scritiv, qu sgun Crv Brvin (1996) bsrvm, rgistr, nlis crrlcin fts u fnômns sm s mnipulr. Cm bjtiv st trblh é invstigr cm s s mprss rlcinm sus strtégis pruçã s sistms infrmçã quiris pr cntmplr ts s rquisits sus ngócis, ntr s frms ssumis pl psquis scritiv, qul qu mis s prxim sss bjtivs é stu xplrtóri. Cm strtégi psquis, srá utiliz um stu múltipls css. Cm iss, tm-s cm bjtiv ntnr cm ifrnts rgnizçõs lim cm um trmin ssunt cmum. Tmbém srá bjt nális s smlhnçs ifrnçs ntr sss rgnizçõs, sprn-s ncntrr s spcts mtivrs pr trtmnt ifrnci ssunt. Pr Wstbrk (1995), stu cs nlis, cm tlhmnt prpri, tivi um rgnizçã u um prt st. O stu cs invstig um fnômn cntmprân ntr cntxt vi rl, stu situçõs ns quis s frntirs ntr fnômn su cntxt nã sã clrs, us múltipls fnts infrmçã (YIN, 2001). Prir (2006) cit váris utrs, ntr ls Nkn Flury (1996) Brymn (1989), qu firmm qu psr s ificuls gnrlizçã rsults, stu cs é cnstntmnt utiliz ifuni n Engnhri Pruçã. O prtcl psquis tm cm bjtiv struturr snh, snvlvimnt cnuçã stu css, ptn spcts mtlógics ncntrs n litrtur à psquis, spcificmnt n cmp gstã prçõs. Sgun Lwis (1998) pu Vss, Tsikriktsis Frhlic (2002), stu css m psquis plic m cmp é um mét bstnt qu pr invstigr

22 22 mgnitu frqüênci munçs tcnlógics méts gstã qu mrcm mmnt tul. Vss, Tsikriktsis Frhlic (2002) pntm s ificuls inrnts ss mtlgi, cm us xcssiv tmp, ncssi hbili ntrvistr trtmnt s infrmçõs, qun cnfrnt ntr sts tri, pr rfinmnts u stblcimnt gnrlizçõs. Ain ssim, tis utrs rssltm qu s bnfícis prprcins pl mét nã s rstringm à psquis m si, ms stnm-s psquisr, qu é xpst prblms ris trts m cmp.. Cnfrm scrit pr Yin (2001), utiliz-s stu cs m muits situçõs, ntr s quis s inclum s stus rgnizcinis grnciis, qu rtrt xtmnt viés qu sj sguir st psquis. Yin (2001) tmbém fn utilizçã stus cs pr qulqur prpósit psquis, s qu s stisfçm três cniçõs ssnciis: () tip qustã psquis prpst v-s inicir, prfrncilmnt, cm cm ; (b) psquisr nã v tr cntrl sbr vnts cmprtmntis ftivs; (c) gru nfqu v cntrrs m cntcimnts cntmprâns. Anlisn psquis prpst pr mi sss três cniçõs chg-s cnclusã qu utilizçã stu css é um strtégi qulific. A cisã pr utilizr um u váris css tmbém bsi-s ns infrmçõs scrits pr Yin (2001). Nls ncntrm-s três funmnts pr utilizçã cs únic nnhum ls ncix-s n prfil st psquis, qu lv utr trblhr cm utr pçã, u sj, stu múltipls css. Os funmnts rfris sã: () qun cs stu rprsnt cs cisiv tstr um tri bm-frmul; (b) qun cs rprsnt um cs rr u xtrm; (c) qun é um cs rvlr. Cnfrm scrit ntrirmnt, s stus css sclhis pr srm nliss nst trblh prtncm árs cmplmntrs cr cm ivisã gr pl mtriz Prut X Prcss. Dss frm, s mprss sclhis pm sr clssifics m rgnizçõs qu pruzm pr mi flux cntínu, pr lts pr prcsss intrmitnts u ics. Pr sclh s mprss, lém prtncrm sgmnts ifrnts cmplmntrs, frm ftrs rlvnts lclizçã fcili cntt. A fcili css rlcin-s ft s mprss prmitirm qu um pss nã vincul circul pls instlçõs, tmbém ispnibili clbrrs pr prticipr s ntrvists rspnr s qustináris. A tivi prfissinl utr, cnsultr mprss,

23 23 uxiliu n cntt inicil cm s váris mprss cnits, prém, cntrári qu r spr, nã fcilitu css. Fi ncntr rsistênci cim spr m lguns css psquis tv sr intrrmpi urnt prcss. Em ts s css stus, pr ftur psquis frm utilizs ssncilmnt qutr méts ifrnts: ntrvists, istribuiçã qustinári, visit cntr prutiv psquis ns mis cmunicçã (rvist, jrnis, intrnt, tc.). Dss frm prtnu-s cptr visõs ifrnts msm lcl pr mplir pr nális. Pr rlizr s ntrvists utr utilizu um rtir (pênic A) pr crtificr-s qu nã iri squcr brr ssunts rlvnt intrss pr stu cs. O utr s tntu pr ft rscrvr ntrvist n primir mmnt ispnívl pós xcuçã msm, ssim pri rtrtr s infrmçõs mnir mis ssrtiv. A qunti funçã s ntrvists vrirm m c um s css stã tlhs m su rspctiv scriçã, qulqur frm, huv prcupçã m btr infrmçõs irtmnt cm s rspnsávis pl Pruçã Tcnlgi Infrmçã. Qunt s qustináris, frm lbrs três mls istints qu srã tlhs pstrirmnt n cpítul sbr s stus cs. O primir nmin Estrtégi Pruçã (pênic B) trt ssunts strtégics prtn intificr s imnsõs cmptitivs mprsriis funçã pruçã. O sgun qustinári, qu fi intific cm Sistm Gstã Emprsril (pênic C) br ssunts técnics rfrnts s sistms infrmçã utilizs pl mprs. Prtn-s cm l intificr cm s imnsõs cmptitivs stã rlcins cm frrmnt utiliz. O qustinári Rlçã ntr Critéris Dsmpnh Funcinlis SGE (pênic D) vis vrificr cm mprs rlcin s bjtivs smpnh utilizçã s rcurss ispnívis sistm quiri. 1.4 ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO As cisõs tms pl mprs qunt à mnir utilizr SGE vrim fvrcr funçã pruçã n btnçã smpnh ncssári. Nss cntxt, s priris cmptitivs trnm-s um ótim prâmtr miçã. Pr mi vrificçã vluçã s priris cmptitivs (mir quli cnfibili, mnr cust, ruçã tmp snvlvimnt nvs pruts istribuiçã, ntr utrs) p-s ntnr s SGE stá clbrn n snti ptncilizá-ls.

24 24 Prs (1996) firm qu é pssívl rlcinr s bjtivs strtégics mprs às priris cmptitivs mnuftur, bti pr mi snvlvimnt Estrtégi Pruçã sts às funcinlis SGE. O rfri utr in cmplmnt bsrvr qu ss rcicíni prmit rstrr cm c tivi sistm impct ns bjtivs strtégics mprs. Dss frm, s priris cmptitivs pm sr sbrs m critéris smpnh qu sã rspnsbili árs cisã strtégic spcífics qu cim suprts pls funcinlis SGE qu, pr su vz, prtncm trmins móuls (figur 1.2). Prtnt um critéri smpnh stri rlcin trmin móul, s ss critéri smpnh é imprtnt pr mprs, rspctiv móul é imprtnt pr sucss SGE. PRIORIDADES COMPETITIVAS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO árs cisã strtégic FUNCIONALIDADES SGE MÓDULOS SGE Figur1.2 Estrutur Dissrtçã Rlcinmnt ntr Priris Cmptitivs Móuls SGE. Fnt: pt Prs (1996, p.133) Os próxims cpítuls (2 3) prtnm tlhr s ssunts Estrtégi Pruçã Sistm Gstã Emprsril (SGE), rspctivmnt. Pr mi um rigrs rvisã bibligrfi xistnt, sss ssunts sã mstrs s mmnt m qu surgirm cm tm rltiv imprtânci pr quls qu stvm nvlvis cm pruçã bns srviçs, té s rcnts cntribuiçõs prátics tórics. O tm strtégi pruçã é br prtir s trblhs Skinnr (1969) pinir nss tip brgm. Ds ntã, váris utrs utrs tcm sus

25 25 tris s rgnizçõs mpnhm-s n snti rcuprr trrn sucss pris. As tris scrits pr sss stuiss srvm bs pr lbrçã st prjt psquis. Outr tm trt n psquis, Sistm Gstã Emprsril (SGE) é mstr s su rigm, um vluçã s primirs sistms infrmtizs pr plnjmnt cmpr mtriis, té tlhmnt sus funcinlis mir rlçã cm s tivis mnufturirs. Pstrirmnt sã scrits s stus qu nfcm tm linhmnt strtégic lguns imprtnts mls linhmnt sã prsnts. Cm bs nss stu, utr vri str pt pr cnstruçã prjt psquis cmp qu cnstituirá qurt cpítul st trblh. Nst mmnt sã scrits s s btis pls stus, ntrvists visits rlizs. Os prcsss, s sistms infrmçã, s pruts, s prcupçõs xtr-prcinl s strtégis cmptitivs rgnizçã pruçã srã trnscrits cr cm quil qu fi vrific m lc. Est cpítul tmbém inclui nális s fts sb pnt vist utr. N ncrrmnt, é prsnt um nális cnfrntn s mprss sus ifrnts sgmnts prutivs cm intuit vrificr cm frms istints pruçã trtm um tm cmum ncssári ts ls. Pr finlizr issrtçã, n cpítul 5 sã scrits s cnsirçõs finis qu prpõm rsumir s principis pnts brs n trnscrrr prcss lbrçã trblh, prsntr s ificuls ncntrs, prniz qu fi pssibilit tmbém prpr nvs brgns pr futurs psquiss Crtmnt utrs pnts iscussã intrssnts srã lvnts urnt snvlvimnt st tm, pis st é um crctrístic inrnt stu css, strtégi sclhi pr st trblh, qu sm cntrlr mbint qu nvlv psquis prmit scbrt utrs imprtnts qustõs nvlvis.

26 26 Cpítul 2 Estrtégi Pruçã O bjtiv st cpítul é cntxtulizr finir s cncits sbr Estrtégi Pruçã qu srã utilizs n crrr st trblh. Bs nsss cncits srá snvlvi lógic stu sr rliz. Primirmnt srã mstrs s váris finiçõs trm strtégi, m sgui srã psquiss sus utilizçõs ns ngócis mis spcificmnt n mnuftur. Pr finlizr, Estrtégi Pruçã srá tlhmnt xplic cm finli ntnr cm vríms trblhr pr cnsguir lcnçr su signific prátic. 2.1 DEFINIÇÕES BÁSICAS Estrtégi é um trm rigm militr utiliz n ntigui pr grgs rmns, qu signv cmnnt um rm u té msm ministr gurr. Ns is hj, pr mi su rivçã pr xtnsã snti, su us é frquntmnt ncntr ns ngócis cr cm s icináris p sr ntni cm rt plicr s rcurss ispnívis cm finli lcnçr bjtivs spcífics. Hnrsn (1998) cmpr strtégi mprsril cm própri vluçã s spécis cit princípi Gus, sgun qul s cmptirs qu cnsgum su sustnt mnir iêntic nã pm cxistir, tnt ns ngócis qunt n nturz. Pr l strtégi é busc libr um pln çã pr snvlvr justr vntgm cmptitiv um mprs. Pirs (1995) pós psquisr s finiçõs trm strtégi fits pr utrs cm Ansff, Hys, Whlwright, Zcrlli, Stlk Jr., Wbbr, Quinn utrs cnclui qu pms rsumir su signific, pr mi mprsril, cm çõs u prõs çõs ncssáris pr s tingir crts bjtivs pré-stblcis. Whlwright (1984) prfunn sus stus sbr tm sugr utilizçã um hirrqui strtégic ivi m: - Estrtégi Crprtiv rltiv às grns cisõs mprsriis qu p sr simplistmnt rsumi pl prgunt: Em quis ngócis mprs v invstir sus rcurss?

27 27 - Estrtégi Ngócis rltiv ás cisõs spcífics sbr c ngóci qu crprçã ciiu invstir. Nss nívl vms ncntrr quis s cnsumirs, mrcs cncrrnts pr c um ls. - Estrtégi Funcinl rltiv às cisõs inrnt c funçã (mnuftur, finnçs, mrkting, psquis snvlvimnt, ntr utrs) ntr um trmin ngóci. Rsumin, pms finir strtégi funcinl rspnn às sguints prgunts: Cm funçã p cntribuir pr lcnçr s bjtivs ngóci? Cm l p uxilir pr qu s utrs prts tmbém cntribum? A figur 2.1 ilustr mnir pculir ivisã prpst: Estrtégi Crprtiv Estrtégi Ngóci A Estrtégi Ngóci B Estrtégi Ngóci C Estrtégi Mrkting/ Vns Estrtégi Mnuftur Estrtégi P&D Estrtégi Finncir- Cntábil Figur 2.1 Nívis Estrtégi. Fnt: Whlwright (1984, p.83) 2.2 ESTRATÉGIA COMPETITIVA Prtr (1980) fin Estrtégi Cmptitiv cm çõs fnsivs u fnsivs pr crir um psiçã fnsávl m um inústri, pr nfrntr cm sucss s cinc frçs cmptitivs (pr ngciçã clints frncrs; mç ntr nvs cncrrnts u nvs pruts; mnbrs pl psicinmnt ntr s tuis cncrrnts), ssim, btr um rtrn sbr invstimnt mir pr mprs. Num stu pstrir, Prtr (1986) stblc s Estrtégis Cmptitivs Gnérics, qu v sr plnj pls strtgists ngóci mplmnt ivulg pr qu ts s funçõs mprs fqum sus sfrçs n btnçã um bjtiv cmum.

28 28 Sã ls: custs, ifrnciçã u nfqu. A figur 2.2 ju cmprnr ss tri Prtr (1986). - Difrnciçã: busc tr vntgm sbr s cncrrnts pr mi frcimnt um prut xclusiv. Ess xclusivi p sr lcnç pr um crctrístic físic prut u msm bstrt cm mrc. - Cust: nst cs vntgm é bti pl frcimnt pruts vlrs mis cssívis s clints. Ess pssibili é cnsgui pl mnr cust pruçã lcnç pr um mir cntrl s prçõs u msm pl utilizçã um tcnlgi xclusiv. - Fc: vis tnr um sgmnt únic crin ssim um srviç ifrnci qu ificult çã s cncrrnts. VANTAGEM ESTRATÉGICA Unici Obsrv pl Clint Psiçã Bix Cust ALVO ESTRATÉGICO N Âmbit T Inústri Apns um Sgmnt Prticulr DIFERENCIAÇÃO FOCO LIDERANÇA NO CUSTO TOTAL Figur 2.2 Três Estrtégis Gnérics. Fnt: Prtr (1980, p.53) Prtnt, pl plnjmnt strtégic, mprs v ciir qul rum sguir pr btr su vntgm cmptitiv, pr mi cmprtilhmnt sss cisõs cmpnhmnt prticipçã s rspctivs funçõs qu cmpõm ngóci, grntir implntçã pln. A Estrtégi Cmptitiv v sr sbr ns strtégis funcinis mrkting, mnuftur, tcnlgi, finnçs utrs, pnn strutur rgnizcinl mprs (CHU, 2002). Cm nss intrss spcífic pr st trblh é Estrtégi Pruçã, irms tlhá-l mlhr sguir.

29 ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO A iscussã sbr imprtânci strtégic pruçã gnhu spç cm publicçã pr Skinnr is rtigs. N primir ls Mnufcturing Missing Link in Crprt Strtgy (SKINNER, 1969), utr fn um prticipçã mis tiv funçã mnuftur n grçã vntgm cmptitiv pr mprs. Já n sgun, Th Fcus Fctry (SKINNER, 1974), utr prsnt iéi fclizçã cm sn chv pr strtégi pruçã. Cm própri Skinnr (1969) scrv: O prpósit mnuftur é srvir cmpnhi ncntrr sus ncssis pr sbrvivr, lucrr crscr. Mnuftur é prt cncit strtégic qu rfr-s s pnts frts cmpnhi ircin pr prtunis mrc. C strtégi cri um funçã únic mnuftur. A hbili ministrçã mnuftur m ncntrr ss funçã é chv pr su sucss. Após publicçã ss rtig, muits utrs utrs (WHEELWRIGHT (1984); WHEELWRIGHT HAYES (1985); HAYES, WHEELWRIGHT CLARK (1988); LEONG, SNYDER WARD (1990); SWAMIDASS, DARLOW BAINES (2001); HAYES t l. (2005); ntr utrs) juntrm-s à Skinnr, fnn pr mi stus psquiss ncssi trtr funçã mnuftur sb um ótic strtégic. Em um rtig mis rcnt, Skinnr (1992) prsnt frm rsumi sus principis iéis: - A mnuftur p sr um frt rcurs cmptitiv s vimnt prjt pr. - Custs, ficiênci prutivi mbr cmumnt cits cm mis imprtnts bjtivs smpnh, sã limits imprópris pr szinhs suprtr um vntgm cmptitiv. - St bjtivs smpnh pm sr cnsirs: custs, ficiênci prutivi; tmp ntrg; quli; srviç, cnfibili; flxibili pr ltrçã pruts; flxibili pr ltrçã vlum; s invstimnts ncssáris ns sistms pruçã - Um bjtiv strtégic fcliz u trf mnuftur é bs m um u is s st bjtivs é riv strtégi cmptitiv mprs prtunis cnômics tcnlógics.

30 30 - O sistm pruçã v sr prjt pr pr fclizr m um trf, cm um fix limit pruts, mrcs tcnlgi. - Um fábric qu s fcliz m um fix pruts pr um nich mrc, irá tr mlhr smpnh qu um fábric cnvncinl. - Um strutur prjt strtgicmnt é chv pr qu funçã mnuftur trn-s um rm cmptitiv. - A strutur um sistm pruçã é riv cisõs cncrnnts fzr vrsus cmprr; cpci; quipmnts prcsss; númr, tmnh lclizçã s instlçõs; qu pruts vm sr fits m c plnt; sistm grncil pr plnjmnt pruçã (Sistm Aministrçã Pruçã SAP); prgrmçã cntrl; sistms infrmçã; cntrl quli; strutur rgnizcinl grncimnt mã--br. Whlwright Hys (1985) rm significtiv cntribuiçã clssificrm funçã mnuftur um crprçã m qutr stágis snvlvimnt cntínu. Sã ls: - Estági 1 Intrnmnt Nutr: mnuftur pns rg ficz ficintmnt às ncssis crprçã; - Estági 2 Extrnmnt Nutr: mnuftur v pssuir um cpz cmptir cm s mlhrs prátics mrc; - Estági 3 Suprt Intrn: mnuftur v r subsíis pr clcr m prátic s strtégis ngóci, nss stági cmç surgir um rl strtégi pruçã; - Estági 4 Suprt Extrn: mnuftur v grr nvs cniçõs pr qu crprçã frç vntgns cmptitivs bss n cmptênci mnufturir. A strtégi pruçã é rcnhci utiliz pl mprs, vic-vrs. Hj é cmum rfrir-s um mprs qu é cnsir clss munil (wrl clss cmpny) qul qu lcnçu qurt stági vluçã. Swny (1991) lbr um intrssnt trblh psquis qu rún s stus lguns utrs qu prpusrm-s scrvr strtégis gnérics pr mnuftur. O rsum ss stu p sr vrific n qur bix (qur 2.1). O rfri utr prcuru incluir s ivrss stus m um txnmi qu l ptu um

31 trblh ntrir Rth Millr. A clssificçã sugri pl utr ncntr n figur é cmpst sguint frm: 31 Qur 2.1 Bibligrfi s nms s pr tips Estrtégi Pruçã pr nm psquisr. SWEENEY (IJOPM, Vl.11, N.8, STOBAUGH ROTH n 1991) n TELESIO MILLER DE MEYER Cnsrvr Estrtégi Cnsrvr ircin cust Mrclógic Estrtégi Mrclógic Grup ircin mrc rint mrc Rfrmulr Grup pruts lt prfrmnc Invr Estrtégi Invr Invçã m ircin à prçã tcnlgi EDMONDSON n HAYES n WHEELWRIGHT SWEENEY WHEELWRIGHT PORTER A rspst mis Cnsrt Intrnmnt Cust rápi s rápi nutr sfis prçã (1. mli) Limit Extrnmnt Difrnciçã tnsã nutr O us Alcnc Suprt intrn rgnizcinl rspst (2. mli) O Dscbrt Suprt Extrn Enfqu snvlvimnt um rspst cmptitiv mnuftur Fnt: pt Swny (1991, p.10) - Cnsrvr (Crtkr): tm cm prcupçã principl bix cust pruçã, busc pruçã ficint cnfibili ntrg. Nã prcur n ifrnciçã um vntgm cmptitiv. - Mrclógic (Mrktr): busc umntr u stnr s prõs srviç clint pr mi mpliçã linh pruts, btnçã istribuiçã mis mpl cm quli, mlhrmnts n quli spcificçã s pruts frcis; - Rfrmulr (Rrgnisr): clssificçã icin pl utr, nã prsnt n stu inicil Rth Millr. Prcur snvlvimnt nvs prcsss pruçã pr nvs pruts m mnuftur ficint. A strtégi rfrmulr prt utr lng prz qu lv mnuftur clss munil, pr mi grncimnt lmnts tngívis strtégi pruçã: cpci, instlçõs gstã tcnlgi.

32 32 - Invr (Innvtr): é sínts s strtégis mrclógic rfrmulr. Dá ênfs à quli prcur vitr cncrrênci pl prç, pr mi intgrçã ntr prjt, mnuftur pi mnuftur. Já Lng, Snyr Wr (1990), prsntm is mls cmplmntrs pr Estrtégi Pruçã: prcss cntú. O ml prcss v sr utiliz pr finiçã s bjtivs srm lcnçs. Já ml cntú rá s irtrizs inicn cm lcnçr sss bjtivs. A figur 2.3 prcur rsumir quil qu Lng, Snyr Wr (1990) rtrtrm m su rtig. Slck, Chmbrs Jhnstn (2002), m rlçã à Estrtégi Pruçã, sugrm msm ivisã prsnt n figur 2.3 scrv: A strtégi pruçã iz rspit prã cisõs çõs strtégics qu fin ppl, s bjtivs s tivis pruçã. Cm m qulqur tip strtégi, pms cnsirr su cntú su prcss sprmnt, cm sgu: - O cntú strtégi pruçã nvlv cisõs çõs spcífics qu stblcm ppl, s bjtivs s tivis pruçã. - Prcss strtégi pruçã é mét us pr pruzir s cisõs spcífics cntú. Estrtégi Mnuftur Prcss Cntú Frmulçã Implmntçã Priris Cmptitivs Árs Dcisã Quli Estruturl Infr-struturl Flxibili Vlci -Instlçõs Inustriis -Cpci -Tcnlgi -Intgrçã Vrticl -Orgnizçã -Rcurss Humns -Grênci Quli -Rlçã c/ Frncrs -PCP Cnfibili Custs Figur 2.3 Mls cmplmntrs pr Estrtégi Pruçã. Fnt: pt Lng, Snyr Wr (1990, p.113) Pirs (1995, p.48)

33 33 Ess ivisã s fz ncssári um vz qu xist um níti ifrnç ns prcsss psquis utilizs pr stur c um sss mls (CHU, 2002). Pirs (1995) rgumnt inclusiv qu, n litrtur, xist um cnsns muit mir qun trts cntú qu prcss. Lng, Snyr Wr (1990) firmm in qu prcss tm si nglignci tnt cncitulmnt qunt mpiricmnt, qu nã cntc cm cntú. Pr ntnr um puc mis c um ls é váli um prfunmnt sbr ssunt Prcss A primir iscussã qu s ncntr psquisr sbr prcss um strtégi pruçã é sbr mnir pl qul l v sr cnuzi. Skinnr (1969), Hys Whlwright (1984), Fin Hx (1985), Anrsn, Clvln Schrr (1989), Hill (1989) Slck (1993), fnm um cnuçã hirárquic, tn cm ircinr strtégi ngóci. É intrssnt nlisr um puc mis cuismnt s prpsts Skinnr Slck. A primir pr sr pinir prcursr s mls sguints, sgun pr su plicbili prátic pr cntr influêncis s stus ntrirs utrs utrs. MODELO DE SKINNER Cmpst pr quinz tps, cnfrm p sr vist n figur 2.4, prcss inici-s pr mi nális situçã cmptitiv mprs, qu juntmnt cm invntári rgnizçã irá grr strtégi crprtiv qu guirá s çõs mprs cnsquntmnt funçã mnuftur. Pr mi stus rltivs às rstriçõs cnômics tcnlógics xistnts n inústri p-s btr ntnimnt s prblms prtunis prçã, ntã finir s sus trfs spcífics pr tnimnt prticulr strtégi cmptitiv. Nss mmnt grênci prçõs já p finir s rquisits infrstruturis (prcsss, pruts, plnts, quipmnts, sistms cntrl, rgnizçã ministrtiv, tc.) ncssáris. Pr finlizr ml, utr prpõ um séri prcimnts cntrl rlimntçã, lém s náliss prfrmnc.

34 Situçã Cmptitiv Númr Tip Rcurss Nturz Tnênci s cmptirs Estrtégis tátics cmptiçã FATORES INDUSTRIAIS 5 Ecnômics Estrutur custs Chv custs-mrgns Estrutur inustril Flxibili cust Munç vlum Munç prut Cncpçã tnênci cust nrml 6 Tcnlgi Prcsss Equipmnts Dtrminnts crítics Mtriis Tnêncis 3 Estrtégi Crprtiv 2 Invntári Emprs Hbilis Rcurss Objtivs Pruts Equipmnts Prcsss Expriênci técnic 4 Trfs Funçã Mnuftur Emprs Prutivi Srviç Quli Rtrn invstimnt 7 Avliçã Hbilis rcurss mprs 8 Plítics Mnuftur Emprs Extnsã prcss Escl prcss Esclh prcss quipmnt Lclizçã plnt Dtrminçã cntrl lmnts crítics Sistms cntrl Orgnizçã grncil 9 Rqurimnts pr srm ncntrs pls grnts vic-prsint mnuftur 10 Sistms prcimnts mnuftur 11 Cntrl mnuftur 12 Oprçõs mnuftur 13 Rsults Prutivi Srviç Quli Rtrn invstimnt 14 Rtrn 15 Rtrn Figur 2.4 Prcss trminçã plític mnuftur. Fnt: Skinnr (1969, p.143) MODELO DE SLACK Slck (1993) prpõ um ml qu l própri intitul mtlgi gp, qu pssui bsicmnt qutr psss: primir v-s lbrr cnári il qu mprs lmj; m sgui ftu-s um nális intrn rgnizçã; ifrnç ntr

35 rl il é justmnt gp á nm ml; pr últim sã ciis s priris frm implmntá-ls. A sguir srá tlh c um sss psss. 35 Pss 1 Estblcimnt s bjtivs mnuftur D cr cm Nguir (2002), prcss finiçã s bjtivs v nvlvr ts s prts rlcins (mrkting, mnuftur, snvlvimnt pruts, tc.) rsult v sr um cnjunt pririz bjtivs smpnh. Esss bjtivs vrim sr trmins pls ncssis s cnsumirs. Pr uxilir nss trf, Slck (1993) sugr utilizçã um scl imprtânci rltiv s bjtivs nv pnts. Ess scl in sri ivii m 3 prts cr cm clssificçã s bjtivs m: - Gnhrs pi: bjtivs cisivs pnt vist clint, quls qu fzm ifrnç trminm pçã sclh cnsumir. ( 1 3 pnts n scl) - Qulificrs: bjtivs mínims, sm s quis s clints squr cgitm ptr pl prut/srviç rgnizçã. ( 4 6 pnts n scl) - Mns imprtnts: bjtivs qu cmpõ prut/srviç mprs, ms pr prticmnt t su imprtânci m cmprçã cm s mis. ( 7 9 pnts n scl) Pss 2 Avliçã smpnh rl funçã mnuftur Slck (1993) crit qu smnt é pssívl vlir situçã intrn rgnizçã s cmprá-ls s cncrrnts irts. Nvmnt utr sugr um scl nv pnts ivis m três grups: - Mlhr: smpnh suprir s cncrrnts ( 1 3 pnts n scl). - Igul: smpnh smlhnt s cncrrnts ( 4 6 pnts n scl). - Pir: smpnh infrir s cncrrnts ( 7 9 pnts n scl). Pss 3 Pririzr trvés lcun imprtânci/smpnh Tmbém cnhci cm mtriz imprtânci/smpnh st frrmnt é muits vzs cnfuni cm própri ml. Trt-s um plicçã prátic qu frm ilustr cnsgu frncr infrmçõs vliss pr tm cisã. A mtriz (figur 2.5) lv m cnsirçã s scls cits ntrirmnt ns psss iniciis. A imprtânci é limit pl frm cm s clints ntnm c

36 bjtiv (pss 1). O smpnh inic cm c bjtiv stá sn trblh pl mprs frnt s cncrrnts (pss 2). 36 Dsmpnh m rlçã Cncrrnts Mlhr qu O msm Pir qu Excss Mlhrmnt Aqu Açã Urgnt Mns Imprtnt Qulificr Gnhr Pis Imprtânci pr s Cnsumirs Figur 2.5 Mtriz Imprtânci X Dsmpnh. Fnt: Slck (1993, p.185) sbr: Cm p sr vist n figur 2.5, mtriz é ivii m qutr zns, - Zn çã urgnt: é qui, ns bjtivs smpnh qu cuprm ss fix mtriz, qu mprs v mntr su fc. Nss spç ncntrm-s s bjtivs mis imprtnts pnt vist clint msm tmp quls qu pssum um smpnh infrir s cncrrnts. Dv-s plicr ts s sfrçs pssívis pr migrr urgntmnt s crctrístics qu li s lclizm, pl mns, pr próxim zn. - Zn mlhri: lcliz imitmnt bix linh mínim smpnh, é um rgiã qu psr nã str stisftóri p pr mi um sfrç pqun tingir ptmrs bm mlhrs, m sum, prcis p sr mlhr.

37 37 - Zn prpri: ár il pr brigr s bjtivs smpnh rgnizçã. Nss spç cncntrm-s s crctrístics grn imprtânci pr s clints é xtmnt nsss qu s mnstr str suprir à cncrrênci. Dv-s grntir qu s sfrçs plics pr btr ss psiçã sjm mntis. - Zn xcss: s bjtivs smpnh qu s cncntrrm nss ár nã trã priri, ist é, trtm-s crctrístics m qu mprs pssui ótim smpnh /u nã sã sum imprtânci pr s clints. Nss cs é váli vrificr s lgum rcurs utiliz pr grntir prfrmnc nã pri sr slc pr lgum tivi mis ssncil. Pss 4 Dsnvlvr plns çã Até mmnt prcss scrit prcupu-s m intificr s bjtivs smpnh qu vm sr trblhs pr btr um mlhr prfrmnc, prém in nã frncu nnhum inicçã s tivis qu vm sr snvlvis pr qu ss gnh sj lcnç. Um brgm útil pri sr xm s influêncis qu c ár tivi tm sbr c crctrístic sr trblh. Ist signific prguntr qu cntribuiçã pr mlhrmnt pri sr riv munçs: n tcnlgi prcsss prçã; n rgnizçã prçã n snvlvimnt rcurss humns; n r suprimnts prçã, tnt m trms flux infrmçã cm flux mtril. A strutur hirárquic fni pls utrs cits srá frm usul cit pr st psquis qun trtr ss tm. Prém nm ts quls qu stum ssunt cncrm cm ss visã, cm é cs um publicçã pstrir Whlwright Hys (1985) qu sugr qu m um situçã instávl s cpcis mnuftur prim té influncir strtégi ngóci mprs. Prcurn sinttizr s váris prpsts, Lng, Snyr Wr (1990) snvlvrm squm mstr n figur 2.6. D cr cm ss squm, implmntçã strtégi funcinl é tã imprtnt qunt su frmulçã, pr qu cnjunt frmulçã/implmntçã cnsig vibilizr-s é ncssári, n mínim, xistênci lgums cpcis básics. Os utrs justificm qu, m t cs, s

38 38 cpcis pm surgir sm nnhum plnjmnt prévi spcífic, um vz qu ls pm sr prnis pl strutur rgnizcinl,, prtnt pm sr stus sprmnt. FRONTEIRA AMBIENTE EXTERNO ESTRATÉGIA CORPORATIVA ESTRATÉGIA DA UNIDADE DE NEGÓCIOS FORMULAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS Mnuftur Outrs Árs Funcinis IMPLEMENTAÇÃO Mnuftur Outrs Árs Funcinis CAPACIDADES Mnuftur Outrs Árs Funcinis MELHORIA DOS PRODUTOS Mis Dsmpnh Intrns Prfrmnc Mrc Figur 2.6 Ml Prminnt Prcss Estrtégi Pruçã. Fnt: Lng, Snyr Wr (1990, p.111) O squm prpst fz rfrênci utr pnt cnsns ntr s utrs, qu é ncssi s vlir strtégi stblci frnt mrc, vrificn s vntgm sj fi rlmnt cnsgui. Cs cntrári v-s rptir s psss. Outr cntribuiçã intrssnt sbr prcss strtégi pruçã é pr Hill (1993) qu prsnt um mtlgi bs m cinc tps: - Etp 1: ncntrr s bjtivs crprçã;

39 39 - Etp 2: stblcr um strtégi mrkting qu busqu lcnçr sss bjtivs; - Etp 3: nlisr cm s pruts/srviçs btrã vntgm cmptitiv; - Etp 4: finir prcss pruçã sss pruts; - Etp 5: frncr infr-strutur ncssári pr suprtr tis prcsss Cntú Cnfrm rlt ntrirmnt squmtiz n figur 2.3, cntú um strtégi pruçã nvlv cisõs çõs spcífics qu stblcm ppl, s bjtivs s tivis pruçã, nglb tnt s priris cmptitivs qunt s árs cisã struturis infr-struturis. O rsult um stu tlh intrtiv ntr s priris cmptitivs s árs cisã cnsist n cntú um strtégi pruçã (VANALLE, 1995). PRIORIDADES COMPETITIVAS Apsr rcnt, trm priri cmptitiv nã é um invçã qun ssunt é smpnh funçã mnuftur, cnfrm rlt Pirs (1995), utrs cm Frws t l. (1986) já trtvm tm n éc pss, ssim cm Skinnr (1969) m su trblh pinir sbr strtégi pruçã. Tmbém nã v sr cnfuni cm s strtégis cmptitivs gnérics mncins ntrirmnt. Trt-s um cnjunt cnsistnt priris u mts qu rintrã s prgrms srm implmnts pl funçã mnuftur um mprs (CHU, 2002). D cr cm Slck, Chmbrs Jhnstn (2002), n nívl prcinl, é ncssári um cnjunt bjtivs mis stritmnt finis, s quis l chm bjtivs smpnh. N litrtur nã xist um cnsns sbr quis sã sss priris, prém ls tmbém nã ifrm muit um utr pr utr, qu psr rm nms ifrnts cbm rfrncin-s às msms crctrístics. Grvin (1993) puru qu grn prt s stuiss sbr ssunt cncntrm-s m qutr priris principis: quli, ntrg, flxibili cust. A sss l tmbém crscnt um quint, qul cnsir inispnsávl, qu chmu srviçs. QUALIDADE: cnfrm fin Lng, Snyr Wr (1990) trt-s mnuftur s pruts cm quli lv prõs smpnh. Slck,

40 40 Chmbrs Jhnstn (2002) finm quli cm fzr crt s ciss rsslt qu c cis pssui su própri mnir sr fit crrtmnt. Grvin (1987) á imprtnt cntribuiçã tm, fzn inclusiv um rlt históric sbr crscnt imprtânci qu ss priri vm btn ns ns rcnts subivi m it imnsõs: smpnh, crctrístics, cnfibili, cnfrmi, urbili, ssistênci técnic, stétic quli prcbi. É pssívl sinttizr sss ifrnts visõs sbr quli fini-l cm sn cnfrmi cm s xpcttivs s cnsumirs, ilustr pl figur 2.7. Expcttiv clint qunt prut/srviç. Prcpçã clint qunt prut/srviç rcbi. Cmprçã QUALIDADE PERCEBIDA PELO CLIENTE Figur 2.7 Quli m pruts/srviçs. Fnt: Ginsi Crrê (1994, p.196) ENTREGA: Slck, Chmbrs Jhnstn (2002) prfrm ivii-l m vlci cnfibili, sguin msm linh rcicíni Lng, Snyr Wr (1990). Iss signific izr qu ntrg tm qu sr cncluí n mmnt cr cm clint (cnfibili); s qu prí tmp ntr pi clint ss mmnt ntrg nã sj msimnt lng (vlci). Pirs (1995) tnt ft qu ultimmnt us tmp cm frm btnçã vntgm cmptitiv tm si xtrmmnt imprtnt. A utilizçã tmp cm um rm cmptitiv stá intimmnt lig à flxibili/vlci cnsgui pl mprs n implmntçã nvs pruts. Nguir (2002) rlcin lguns itns qu stã cmprnis pr ss crctrístic: prcisã, cmpltu, cnfibili, ispnibili, vlci, ispnibili infrmçã, quli, fcili missã pi, flxibili n missã pi, flxibili trnsprt fcili rtrn.

41 41 FLEXIBILIDADE: tlvz sj priri mis stu ntr s rlcins. Diz rspit à cpci qu mprs tm mur quil qu stá sn pruzi u msm prjt. Nrmlmnt fl-s us imnsõs, mix (qunti pruts ifrnts) vlum (quntis pruts iguis). Nguir (2002) ivi flxibili m três grns grups: prut, vlum prcss. Flxibili prut p sr ntni cm hbili mprs snvlvr nvs pruts cniznts cm ncssi mrc; prmitir intrvnçã clint pr fzr justs su intrss; u té msm trnsfrmr pruts bslts. Diz-s qu um mprs tm flxibili vlum qun l pssui cpci pruzir pruts m ifrnts quntis, lgums unis grns lts, cnsgu rgir rápi ficintmnt um rr intrn prvisã. Em rlçã à flxibili prcss, pms izr qu é cnsgui pr mi cpci pruzir ifrnts pruts cm msm strutur u msm prut cm struturs ifrnts, qu inclui pssibili ltrçã rtir pruçã, s mtriis nvlvis squncimnt s rns pruçã. CUSTOS: p-s izr qu ss é strtégi cmptitiv mis ntig pr mnuftur. Hnry Fr utilizu cncits Am Smith Tylr pr cncbr su inústri mnir pruzir cm ficiênci bix cust, tv grn sucss pr um lng prí. Grvin (1993) subivi custs m três tips: custs quisiçã prut (cust inicil); cust utilizçã prut (cust prcinl); cust pr mntr prut m prfit funcinmnt (cust mnutnçã). Sgun Pirs (1995), pr lcnçr xclênci m cust, um mprs prcis fcr principlmnt três cncits clássics mnuftur: cnmi scl, curv prniz prutivi. Iss signific qu qunt mir fr qunti pruts iguis qu um fábric pruz, mnr srá su cust, pis btém-s lt scl, xpriênci cnsquntmnt ínic flh prs srá muit pqun, u msm inxistnt. Entrtnt, m virtu lt xigênci cnsumir mrn, ificilmnt iss sri pssívl. SERVIÇOS: ss priri rfr-s s bnfícis nã físics qu inirtmnt cmpnhm prut, qu cnsumir spr tr su ispr n mmnt m qu sjr. Nguir (2002) s ivi m:

42 42 - Api clint: frncimnt ssistênci técnic frm rápi ficint; - Api às vns: frncimnt t tip infrmçã ncssári cnsumir pr qu l sib xtmnt qu strá quirin; - Rsluçã prblms: ntcipçã às pssívis ncssis s clints pr mi mlhri quli s pruts xistnts u té msm pl snvlvimnt nvs mls; - Infrmçã: frncimnt s crítics rfrnts à mnuftur s pruts pr gurncr quip intrn u tmbém pr umntr cmptitivi s própris clints. Existm utrs priris cmptitivs, scrits pr utrs utrs, qu psr nã strm sn cnsirs num primir instnt, stã prsnts implicitmnt n rlçã scrit cim, mrcm stqu. Lng, Snyr Wr (1990) inclui invçã m su rlçã, rfrncin cpci mprs lnçr nvs pruts prcsss cr cm s ncssis sus cnsumirs. Nguir (2002) bsrv qu Grvin nã ix cnsirr cpci mprs intruzir nvs pruts cm um imnsã cmptitiv, pns cnsir st spct pr mi um subivisã, qu chm flxibili nvs pruts. Slck, Chmbrs Jhnstn (2002), pr su vz, sugrm sguint list, qu chm bjtivs smpnh: custs, quli, vlci, flxibili cnfibili. Entrtnt vrificn finiçã c um sss imnsõs principlmnt cnjunt frm, p-s firmr qu invçã srviç, qu nã prcm n listgm, sã justmnt smpnh lmj pr su tri. Pr srm s priris cmptitivs mlhr cmprnsã n mi mprsril st psquis irá utilizr-s ss list pr lbrçã plicçã s qustináris prátics (stu cs). Outr iscussã qu nss pnt vl rssltr é cmptibili ntr s priris cmptitivs (tr-ff). Nvmnt fi Skinnr, qu m 1974, m um rtig qu trtv sbr s mprss fcs, chmu tnçã pr ssunt. Nqul épc rgumntu qu nçã qu um b fábric é qul qu pr cm bixs custs p sr sstrs s mprs scrificr utrs priris cmptitivs, cm quli, flxibili, srviçs ntrgs (SKINNER, 1974). A prtir ss firmçã, psquisrs

43 43 iscrrm té hj sbr vrci u nã qu pririzçã um spct invibiliz utr. Wssnhv Crbtt (1993) fnm qu, n vr, huv um má intrprtçã quil qu Skinnr (1974) stv prpn. N piniã ls nã xist incmptibili, ms sim um scl pss, n s priris vm sr clcs m rm imprtânci m c circunstânci spcífic. Ess msm pnt vist já hvi si fni pr Frws D Myr (1990) cm cnclusã um psquis mpíric rliz ntrirmnt, qun lgums mprss mstrrm sr cpzs sírm-s bm m mis um qusit. Cm cnsquênci ss trblh s utrs sugrm ml cn ri, rprsnt n figur 2.8. Cust Flxibili Entrg Quli Figur 2.8 Ml Cn Ari. Fnt: Frws D Myr (1990, p.175) Ess ml sugr um hirrqui ntr s priris, inicilmnt tntn pr mlhris n quli, sgui s ntrgs, flxibili pr últim tcn s custs. Sgun ls, um mlhri n spct ntrir trri utmticmnt lgum mlhri n spct subsqunt. Prtnt qulqur mlhri m quli tm um rflx psitiv ns ntrgs; qu pr su vz tmbém rflt psitivmnt m flxibili. A mlhri nss cnjunt t trás significtivs ruçõs custs. Pirs (1995) lmbr qu psr ss ml tr si vli pr mi um stu cs, xist rsslv qu lém s priris nm smpr prm sr rspits, xist um grn inmizçã ntr ls, m qu um vz ltr cntxt, s rlçõs vignts u té msm cm simpls pssr s ns, hirrqui p sr qubr rcnstruí utr frm. ÁREAS DE DECISÃO Pr qu s priris cmptitivs mnuftur s ftivm sã ncssáris lgums cisõs rfrnts s méts prcsss pruçã qu cnvncinu-s

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO

Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO Abrgns Administrtivs ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4 2009 Administrçã Cintífic Tylr (TAREFAS) Estu s rtis prdutivs slçã trblhr Incntiv slril cndiçõs mbintis trblh

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do LEI Nº 181/2010 Dispõ sbr Municipl quçã 051/2006 d Li 14, gst 2006, qu trt sbr Cnslh Municipl Alimntçã Esclr CMAE, s dispsiçõs d Li Frl junh 2009 MEC/FNDE/DAE-CD julh 11.947, 38, 2009, 16 Rsluçã dá 16

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde Plítics públics sú: Sistm Únic Sú Dnizi Olivir Ris, Elin Crs Arúj Luiz Crls Olivir Ccíli Sumári Aprsntçã 2 Os impsss u ificuls SUS 13 O Pct pl Sú (buscn sís pr s prblms impsss) 16 Rfrêncis 17 2 Plítics

Leia mais

Turma 2. Especialização em SAÚDE DA UNA - SUS FAMÍLIA. Universidade Aberta do SUS. Unidades de Conteúdo

Turma 2. Especialização em SAÚDE DA UNA - SUS FAMÍLIA. Universidade Aberta do SUS. Unidades de Conteúdo Espcilizçã m SAÚDE DA FAMÍLIA Turm 2 UNA - SUS Univrsi Abrt SUS Unis Cntú Scrtri Gstã Trblh Eucçã m Sú (SGTES) Scrtári: Mzrt Júli Tbs Sls Dprtmnt Gstã Eucçã m Sú (DEGES) Dirtr: Mônic Smpi Crvlh Scrtri

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO DE 2005 1.Dt,

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1 A Rvluçã d Lngvid: impct n scid, n fmíli n indivídu1 Ursul Lhr2 Rs A plstr mnstr s mudnçs mgráfics (lt xpcttiv vid, nt rápi grup ds pss iss), trzn ds d Almnh Singpur, nlisn impct sts ltrçõs d strutur ppulcinl

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios sluçõs Ecícis MTEMÁTI IV LOO 0 nhcimnts lgébics pítul 0 Funçõs Tignmétics 0 p.( p-)( p-b).( p- c), n + b+ c 8+ + p 8 8.0...9..... LOO 0 0 D + D sn cs tg 0 + 0... sn +.,8.,8. sn 0. +,.,8. +, cm. sn 0 0

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

NEW HOLLAND VM, VL. VL6080 e VL6090

NEW HOLLAND VM, VL. VL6080 e VL6090 NEW HOLLND VM, VL Máquins Mls VM4090, Vindimr VL6040, lt VL6050, Cpcid VL6060, Plivlnt VL6080 VL6090 VL6070, 2 I3 VM, VL xclênci Nw Hllnd m td tcnlgi tip Brud: vinhs dur Há Nw mis Hllnd 30 têm ns mrc qu

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX CP 10 Mrkting n linh Dirt O mrcd tlfni stá m prcss trnsfrmçã. O bm crscimnt pssu, ufri d prtbilid tmbém. O rsultd é sgmnt qu gr brig mntr ptncilizr sus clints. Pr tnt, invst m rlcinmnt n mpliçã srviçs

Leia mais

BIM - Building Information Modeling: : inovação que integra projeto, obra, operação e manutenção de edifícios.

BIM - Building Information Modeling: : inovação que integra projeto, obra, operação e manutenção de edifícios. BIM - Building Infrmtin Mling: : invçã qu intgr prjt, br, prçã mnutnçã difícis. Eng. Mri Anglic Cvl Silv ngi@ngicnsultri.cm.br Sã Pul - SP Estrutur básic b d ci prdutiv n cnstruçã civil Rvnds distribuirs

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO AO

CURSO DE INTRODUÇÃO AO 201 O Ç 1 & 4 1 PO PESENTÇÃO DO CUSO DE INDUÇÃO O LINHEN ESPIITUL LIEN P ENTE EOÇÕES & ELÇÕES EQUILIBDS ELIZÇÃO PESSOL - 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL ESTEL é um pr c ss d ut c nh cim nt, strtégi rintçã,

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1 Anális struturl sínts ds crctrístics linrs sistêmics d mdls d dsnvlvimnt d prdut 1 Crls Frnnd Jung 2 Crl Schwngbr tn Ctn 3 Márci Elis Srs Echvst 4 Jsé Luis Durt Ribir 5 Rsum Est rtig prsnt s rsultds d

Leia mais

COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online

COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atulizçõs Onlin rquê s tulizçõs s livrs d COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? N pnrm lgisltiv ncinl é frnt publicçã nvs diplms lgis, rgulrmnt, ltrm utrs diplms, s quis stã muits vzs incluís ns cmpilçõs

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996)

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996) LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995 (Rgulmntd pl Dcrt nº 2.301, 19 Stmbr 1996) (Cnslidd pl Dcrt nº 2.905, 26 Dzmbr 2000) Dpõ sbr rrgnizçã dmintrtiv d Prfitur Arujá dá prvincis. JOSÉ CLAUDIO MENDONÇA, PREFEITO

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba Brunn Luz C A PA O mdic Ptrsn Lddi rtrt ss nv grçã: plnj trcr Mdicin pr sguir snh sr tr Pr Ví v i n G m b mrc trblh stá m cnstnt mudnç, s jvns qu stã sin ds univrsids m busc clcçã tmbm. Em funçã diss,

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO E DESPACHOS DE PROCESSOS

RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO E DESPACHOS DE PROCESSOS Dlibrçõs ANÚNCIOS ANÚNCIOS, AVISOS, EDITAIS E NOTICIÁRIO Anúncis brtur prcdimnt N.s 0/04/DCEP 03/04/DCEP 0/04/DCEP, pág. 094 ASSEMBLEIA RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO E DESPACHOS DE PROCESSOS Nt: Julh

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Credenciamento de Bancos Múltiplos

Credenciamento de Bancos Múltiplos Crncimnt Bncs Múltipls mrn invr gstã ptncil cnômic-finncir d Flh Pgmnt Exrcit Brsilir. Gn Bd Ricr Mrqus Figuir Dirtr bstcimnt Exrcit Tn Cl Js Eustáqui S. Mrgtt ssssr Lgístic d Dirtri bstcimnt fnt rcits,

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011 Açõs Sciis Sustntávis 2011 1. Aprsntçã 1. Aprsntçã é trminlgi d língu gélic pr unid, mtiv pl qul sms sinrgi milhrs cm 1. Aprsntçã vltds é trminlgi dcm língu gélic unid, qul sms disciplins culturs difrnts

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Estimativas dos impactos das mudanças climáticas nos zoneamentos da cultura da banana e da maçã no Estado de Santa Catarina

Estimativas dos impactos das mudanças climáticas nos zoneamentos da cultura da banana e da maçã no Estado de Santa Catarina Estimtivs s impcts s munçs climátics s znmnts cultur bnn mçã Est Snt Ctrin Cristin Pnlf1, Luiz Alb Hmms2, Cláudi Cmrg3, Angl Mns Mssignm4, Emnul Sl Prir Pint5 Mriln Lim6 qustã mátics t s munçs si discuti

Leia mais

Jornal Conexão. SOS Educação QUEM SERÁ? Destaques Editorial. Novidades

Jornal Conexão. SOS Educação QUEM SERÁ? Destaques Editorial. Novidades Jrnl Cnxã Eiçã 2 I Mrç I An 2014 SOS Eucçã Dstqus Eitril O l bm s cnflits É sbi qu stms m um mmnt prfun trnsfrmçã. Vlrs stã sn rvists t tmp, mis qu nunc, tm-s bti sbr s cnflit. N ntnt, pr qu pssms vnçr

Leia mais

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade An XX nº 77 nvmbr/zmbr 2011 FUND PET SHO P Empréstim Empréstim Sbsprv Um pçã sgur pr su snh virr rlid Sbsprv Entr s mlhrs plns sú d pís. Cbrnç Pglirini Mrls Advgds Asscids é cntrtd pr cbrr indimplnts.

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------ EDUCADOR E RÁDIO: APONTAMENTOS DESSA RELAÇÃO EM UMA

Leia mais

Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA)

Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA) Emprgs n Brsil ririds lítics Escritri d Bnc Mundil n Brsil Rgiã d Améric Ltin Crib Institut squis Ecnómic Aplicd (IEA) Vic rsint LCR: Dirtr LCC5C: Dirtr LCSHD: Ecnmist rincipl: Lír d Equip: Dvid Frrnti

Leia mais

Formação de professores na América: notas sobre

Formação de professores na América: notas sobre Nrms rtig Pr Submissã Artig Frmçã prfssrs Améric: nts sbr históri Brsilir Nrms cmpr Técnics (ABNT) s mis ducçã instruçõs ditriis. n sécul XX rtig submtis Rvist "Frmçã srã prcis pl Cnslh Excutiv qunt prtinênci

Leia mais

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ«

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ« PROSSOR L M: Trz d átim R. rvh & # m _ Ó Œ bm cm c ri nh n si & # Ó Œ du c tm _ bém. Ns s n, qu ri ri n t, d, ju v cê tm d ns & # 2 4 _ V cê é u m grn d mi g pr fs s r qu ri d qu ns qur tn t ms tr ns s

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara Institut d Físic USP Físic Mdn I Aul 9 Pfss: Mzé Bch Aul 9 O átm d hidgêni n ti d Schding 1. A sluçã d átm d H n ti d Schding. Cmpçã cm s sultds d Bh.. Os stds dgnds m ngi: stds d msm ngi divss móduls

Leia mais

Rua Dr. Celestino, 74 24020-091- RJ Brasil Tel. (21) 2629-949/ E-mail: mpeauff@gmail.com www.uff.br/mpea

Rua Dr. Celestino, 74 24020-091- RJ Brasil Tel. (21) 2629-949/ E-mail: mpeauff@gmail.com www.uff.br/mpea R Dr. Clstin, 74 400-09- RJ Brsil Tl. () 69-949/ E-mil: mpff@gmil.cm www.ff.br/mp UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE ESCOL DE ENFERMGEM UROR DE FONSO COST PROGRM DE PÓS-GRDUÇÃO MESTRDO PROFISSIONL EM ENFERMGEM

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Configuração do vínculo empregatício do diarista um estudo de caso no âmbito do TRT da 17ª Região *

Configuração do vínculo empregatício do diarista um estudo de caso no âmbito do TRT da 17ª Região * Rvist Jurídic mtr - 17ª Rgiã Cnfigurçã víncul prgtíci dirist stu cs n âmbit TRT 17ª Rgiã * Klbr Crtltti Prir** 56 1. INTRODUÇÃO t O vist trblh mtril, spr r fi pnt ncssi vist psiclógic sr hn, u scilógic.

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

EXMO SR. JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ILHÉUS/BA.

EXMO SR. JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ILHÉUS/BA. EXMO SR. JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ILHÉUS/BA. ICP nº 1.14.001.000097/2011-61 ICP nº 001.0.155502/2009 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, pr sus

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ NO SUL DO BRASIL

O ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ NO SUL DO BRASIL O ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ NO SUL DO BRASIL Diys Knyl Fssil1 RESUMO: Nst rtig, tnt-s discutir situçã linguístic à qul s imigrnts scnnts imigrnts lãs frm /u sã submtis, qui, n Brsil. Qustin-s qul é qudr jurídic

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G«

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G« œ œ 1) Oh! egri (bertur) est d mr Mis de Priir ucristi ( "Liturgi I" Puus) Letr e Músic: Ir. Miri T. King (x) ======================== & 2 º 4.. œ œ. œ œ. œ _.. = m ======================== &.... = gri

Leia mais

Paulo Honório versus Madalena: um casamento conflituoso

Paulo Honório versus Madalena: um casamento conflituoso 88 Pul Hnóri vrsus Mln: csmnt cnflitus Mrcs Himi Lim* ft-s Rs:Nst lgs rtig cnsirçõs sbr rmnc sbr S. rltiv Brnrd vigr (1934), rm Grcilin ptrircl Rms, dispunh ns primirs décs d sécul XX, xplificd pl bt ntr

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

1. A Ortodontia como Especialidade da Medicina Dentária

1. A Ortodontia como Especialidade da Medicina Dentária Cntribut nsin spcili rtnti n FMDUP 31.Mi.2011 1. A Ortnti cm Espcili Mdicin Dntári Sgun Wrld Frtin f Orthntics (WFO), rtnti é fini cm " ár mdicin ntári s prcup cm suprvisã, rintçã crrcçã s struturs nt-fciis

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

Atualização no licenciamento ambiental cearense

Atualização no licenciamento ambiental cearense ANO III - Nº 12- MAR-ABR/2012 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Atulizçã n licncimnt mbintl crns N últim runiã Cnslh Estdul Mi Ambint (Cm) fi prvd um nv rsluçã qu tuliz s critéris, prâmtrs custs

Leia mais

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância ÚD S ICO rn cd m ics çã lúd rm s F pç s 3 FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 A 3 ANOS 5 c rn Pr Sã gr Pr P m I n im ul fân ir í ci ssim pl ÃO AÇ RM FO O C n tít scim rn ul 5 s p nt F ut rm V rd é Pr i idig

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Escrito por Eng. Lidiane Faccio de Faveri Sex, 27 de Setembro de :27 - Última revisão Sex, 27 de Setembro de 2013

Escrito por Eng. Lidiane Faccio de Faveri Sex, 27 de Setembro de :27 - Última revisão Sex, 27 de Setembro de 2013 TQS - SISEs - Prt 6 - Editr Rdir Escrit pr Eng. Lidin Fcci Fvri Sx, 27 Stbr 2013 08:27 - &Ucut;ltim rvis&til; Sx, 27 Stbr 2013 Plvr-chv: SISEs, ditrs funçã, rdir. 1. Editr Rdir s ditrs s sci rdir sã idêntic

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

GRUPO LIBERTY SEGUROS

GRUPO LIBERTY SEGUROS Dmnstrçõs Finncirs Rsults Cmrmiss Rsnsili cm Trnsrênci LIBERTY SEGUROS S.. C.N.P.J. nº 6.550./000-72 GRUPO LIBERTY SEGUROS INDIN SEGUROS S.. T sgurnç qu um rcri rcis C.N.P.J. nº 6.00.5/000-59 Rltóri ministrçã

Leia mais

MOBILIDADE E TRANSPORTES

MOBILIDADE E TRANSPORTES 16 REVIST D GRNDE ÁRE METRPLITN DE LISB 4º TRIMESTRE 2006 MBILIDDE E TRNSPRTES N ÁRE METRPLITN DE LISB ENTREVIST NTÓNI CPUCH, PRESIDENTE D CÂMR DE CSCIS LMD UM TERR DE PRTUNIDDES DESTQUE UTRIDDE METRPLITN

Leia mais

Projeto UCA. Um Computador Por Aluno. Relatório da configuração do Metasys Classmate PC. Beatriz Corso Magdalena. Carlos Fagundes

Projeto UCA. Um Computador Por Aluno. Relatório da configuração do Metasys Classmate PC. Beatriz Corso Magdalena. Carlos Fagundes Prjt UCA Um Cmputdr Pr Alun Rltóri d cnfigurçã d Mtsys Clssmt PC Btriz Crs Mgdln Crls Fguns Iris Elisbth Tmpl Cst 2010 Prjt UCA 1 Sári CPU...4 MEMÓRIA...4 SISTEMA OPERACIONAL...4 INTERFACE...5 APLICAÇÕES

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Lyceum Educacional. A Educação está no nosso DNA

Lyceum Educacional. A Educação está no nosso DNA Lyum Euinl A Euçã tá n n DNA Lyum Grni u intituiçã frm fiz invr Atn u muni êmi trvé um Srtri Virtul Cnt u lun u intituiçã m móul Mbili Alqu u rp nt frm fiz Otimiz u rur iminu u ut Ofrç rviç prnliz u lun

Leia mais

Sem a tua pedra a minha não construirá nada. ATIV. Coordenado por. alguns dias d u r a n t e o m ê s, o que é s u f i c i e n t e

Sem a tua pedra a minha não construirá nada. ATIV. Coordenado por. alguns dias d u r a n t e o m ê s, o que é s u f i c i e n t e Sm tu pdr minh nã cnstruirá n. B L E T I M CHRLES-HENR! BRBIER TIV N. 60 S E T E M B R, 1958 Crn pr Rcçã dministrçã NTÓNS Lrg Pz, 22- Lisb SÉRGÍ DISTRIBUIÇÃ á i v i 4 t â - principl: Embr n ã cnhç mvimnt

Leia mais

Selt Engenharia Ltda.

Selt Engenharia Ltda. SELT ENGENHARIA LTDA.- FUNDADA EM 1 º DE SETEMBRO DE 1976 PELO ENG. JOSÉ MOHALLEM 2005-2015 SELT ENGENHARIA LTDA.- FUNDADA EM DE SETEMBRO DE 1976 PELO ENG. JOSÉ MOHALLEM SELT ENGENHARIA LTDA.- FUNDADA

Leia mais

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008 RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 7/8 º Tst, 3-Nov-7 Durção: H3 DEEC AC-Tl Prof. Crlos Frnns Prof. António Top Problm Suponh qu um nvio fst-s cost nqunto mntém um comunicção vi ráio m 5 MHz, polrizção vrticl, com um

Leia mais

Uma publicação que é referência no setor

Uma publicação que é referência no setor ublic qu é rfrêci Vlt r rfiii ii frcêuc, viári, c, bitclgi, litíci, quíic fi, quit hitlr, i vi qu cl cti é u xigêci, rvit Cl Cti fc luçõ tclógic r rli brilir. C iibui irigi, ublic g rtt ghri ut, r Quli,

Leia mais

OLETIM COOPERATIVISTA

OLETIM COOPERATIVISTA CPERTIVISM É DE I N I C I T I V PPULR E M T U D. TD ELE É EDIFICD PEL CTIVIDDE DS CIDDÃS LETIM CPERTIVIST R E D C Ç Ã Ru Cruzir. E CRDEND D M I N I S T R Ç Ã : 1 - Tlf. NTÓNI 63 26 49 - L i s b - 3 N.

Leia mais

Editorial. Radar. Últimas. Mapa da Vez. Eventos. Espaço do Leitor. Epidemiologia espacial da Língua Azul II

Editorial. Radar. Últimas. Mapa da Vez. Eventos. Espaço do Leitor. Epidemiologia espacial da Língua Azul II Sumári Editril 5 Rdr 9 Últims 6 Mp d Vz 10 Evnts 7 Espç d Litr 8 12 48 CAPA Dsnvlvimnt SIG: Um nv mund snd scbrt Epimilgi spcil d Língu Azul II 18 55 Entrvist Gff Ziss Bnc Dds Ggráfi cs n Crp Bmbirs d

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

População sofre com a falta de esgoto

População sofre com a falta de esgoto Jrnl Gurpuv, mi 2009 An 5 Ediçã 4 Ppulçã sfr cm flt sgt Gbril Jcubski Jrdim s Amrics Hj, mis 40.000 psss vivm sm r sgt m Gurpuv, mis 4.000 smnt n birr Jrdim s Amrics. p. 08 09 Prfitur x Snpr Entn pr Prfitur

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE MOVIMENTOS SOCIAIS ATRAVÉS DA INTERNET: O CASO DOS JOGOS ELETRÔNICOS. por. Letícia Perani Soares

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE MOVIMENTOS SOCIAIS ATRAVÉS DA INTERNET: O CASO DOS JOGOS ELETRÔNICOS. por. Letícia Perani Soares ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE MOVIMENTOS SOCIAIS ATRAVÉS DA INTERNET: O CASO DOS JOGOS ELETRÔNICOS pr Ltíci Prni Srs (Alun d Curs Cmunicçã Scil) Mngrfi prsntd à bnc xmindr d disciplin Prjt Exprimntl II. Orintdr

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE FEIRA DE SANTANA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE FEIRA DE SANTANA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE FEIRA DE SANTANA. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pls Prcurdrs d Rpúblic qu st subscrvm, n us sus tribuiçõs cnstitucinis lgis, vm, prnt Vss Exclênci,

Leia mais

Atendimento por marcação Atualizado em:

Atendimento por marcação Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL pr rcçã Atulizd : 23-01-2017 O qu é O tn pr rcçã é u rvi qu prit gn d tn di hr prvint finid. C t rvi cidã é tndid n di hr qu i qu à u dipnibili, tr prncr fil pr. O tn pr rcçã p r fit n-lin

Leia mais

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS Mpmnt Cstr cm Ap d Imgns d Stélts THEOS 1 Glbrt Pssnh Rbr, glbrt.pssnh@gml.cm Artur Wllcx ds Snts, rturwllcx@gml.cm Ubrtn d Suz Ds Junr, ubrtn.ds.junr@gml.cm Agrdcmnts: Rbr Brn, Gfísc/UFF UNIFESP Ls Unvrsdd

Leia mais

Março 2017 *Consulte-nos condições de pagamento a prestações I

Março 2017 *Consulte-nos condições de pagamento a prestações I L A N E M U SR IN O I R Ó A RO ã i c i F 0 mm sjurss s * r M d 3 é S t Mr 07 *Csult-s cdiõs d pgmt prstõs. 800 83 4 5 I www.dtlxprss.pt ã Prm URBINA PREMIUM PACK DE IMPRESSÃO - 4 Elit HD Putty - 4 Elit

Leia mais

ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Auts nº:0014695-64.2013.403.6181 Inquérit Plicil nº0196/2013-11

Leia mais