Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO"

Transcrição

1 Abrgns Administrtivs ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA Administrçã Cintífic Tylr (TAREFAS) Estu s rtis prdutivs slçã trblhr Incntiv slril cndiçõs mbintis trblh Hmm Ecnômic Tri Clássic Fyl (ESTRUTURA) Divi trblh grncil Funçõs dministrtivs tcnics Imprtânci Crçãdministrtiv Cncit Linh Stff Tri Burcrci Wbr (ESTRUTURA) Nrms rgulmnts grntm cnsistênci Rcili frmli cmunicçã Impssli prfissilism Tri s Rlçõs Hs My (PESSOAS) Estu Orgnizçã Infrml (Hmm Scil) Mtivçã, Lirnç Cmunicçã Dinâmic Grup Munç Orgnizcil Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Abrgns Administrtivs ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA ABERTO Tri Nclássic (ESTRUTURA) Intgrçã Cncits Clássics cm PESSOAS AMBIENTE Eficiênci Eficáci Orgnizcil Administrçã pr Objtivs Tri Estruturlist (ESTRUTURA) Intgrçã cncits Burcrci cm PESSOAS AMBIENTE Anális Intrrgnizcil Vi psitiv s cnflits rgnizciis Tri Cmprtmntl (PESSOAS) Mslw Hrzbrg: Anális Mtivçã Estils Administrçã: utcrátic mcrátic Hmm Administrtiv Tri Cibrntic Sistms (AMBIENTE) Sistm: ntr, prcss, sí rtrçã Orgnizçã Sistm Abrt Subsistm tcnic subsistm scil Vi Sistêmic lnt qu tri cntingncil usrá pr intrprtr s mis tris Tri NSchptri (TECNOLOGIA) Dstruiçã crir s invçõs Imprtânci Emprnr Evlucinism: sbrvivênci s mlhr pts Abrgm Sistêmic A rvluçã brgm sistêmic Abrgm Clássic: Abrgm Sistêmic: Rducinism. Expnsinism. Pnsmnt Pnsmnt lític. lític. Pnsmnt Pnsmnt sinttic. sinttic. Mcnicism. Mcnicism. Tllgi. Tllgi. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms 1

2 Abrgm Sistêmic O pnt prti Cibrntic Origns Cibrntic. Cncit Cibrntic. tri s sistms cntrl bs cmunicçã (trnsfrênci infrmçã) ntr sistm mi, ntr sistm cntrl (rtrçã) funçã s sistms cm rspit mbint Principis cncits Cibrntic: Cmp stu: s sistms. Rprsntçã s sistms: s mls. Sistm : Um cnjunt lmnts dimicmnt intrrlcis frmn ti pr tingir bjtiv prn sbr s/nrgi/mtri pr frncr infrmçã/nrgi/mtri Abrgm Sistêmic Prcss Dcisóri Prspctiv Prspctiv prcss. prcss. Prspctiv Prspctiv prblm. prblm. Dcisõs Dcisõs Prgrms: Prgrms: Dcisõs Dcisõs Nã-Prgrms: Ds Ds qus. qus. Ds Ds iqus. iqus. Ds Ds rptitivs. rptitivs. Ds Ds únics. únics. Cndiçõs Cndiçõs sttístics. sttístics. Cndiçõs Cndiçõs dinâmics. dinâmics. Crtz Crtz Incrtz Incrtz Prvisibili Prvisibili Imprvisibili Imprvisibili Rti Rti Invçã Invçã Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Abrgm Sistêmic - Tri Mtmátic Administrçã Psquis Oprcil Aplicçã Aplicçã prbbili prbbili m m cndiçõs cndiçõs risc risc incrtz. incrtz. Esttístic Esttístic sistmtizçã sistmtizçã nális nális s. s. Mtmátic Mtmátic frmulçã frmulçã mls mls quntittivs. quntittivs. Mtlgi Mtlgi PO: PO: Tcnics Tcnics PO: PO: Frmulçã Frmulçã prblm. prblm. Tri Tri s s Jgs. Jgs. Cnstruçã Cnstruçã ml ml Tri Tri s s Fils. Fils. mtmátic. mtmátic. Tri Tri s s Grfs. Grfs. Dduçã Dduçã Prgrmçã Prgrmçã Lir. Lir. ml. ml. Prgrmçã Prgrmçã Dinâmic. Dinâmic. Tst Tst ml ml.. Anális Anális Esttístic Esttístic Cntrl Cntrl sbr sbr.. Cálcul Cálcul Prbbili: Prbbili: Clcçã Clcçã m m * Cntrl Cntrl Esttístic Esttístic funcimnt funcimnt Quli. Quli. (implmntçã). (implmntçã). * Quli Quli Ttl. Ttl. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Tri Sistms A rgnizçã sistm brt Sistms Vivs Sistms Orgnizs (Orgnisms) (Orgnizçõs) Nscm, Nscm, hrm hrm sus sus trçs trçs struturis. struturis. Mrrm, Mrrm, su su tmp tmp limit. limit. Têm Têm cicl cicl prtrmi. prtrmi. cncrts cncrts sistm sistm scrit scrit m m trms trms físics físics químics. químics. cmplts. cmplts. O prsitism prsitism simbis simbis xcpciis. xcpciis. A A nç nç fini fini distúrbi distúrbi n prcss vitl. n prcss vitl. Fnt: Chivt, I. Intrduçã TGA, 2000, p.55 Ambint Entrs Infrmçã Enrgi Rcurss Trnsfrmçã Rtrçã rgnizs, rgnizs, dquirm dquirm su su strutur strutur m m stágis. stágis. Pm Pm sr sr rrgnizs, rrgnizs, têm têm ilimit ilimit pm pm sr sr rcnstruís. rcnstruís. Nã Nã tm tm cicl cicl fini. fini. bstrts bstrts sistm sistm scrit scrit m m trms trms psiclógics psiclógics scilógics. scilógics. incmplts: incmplts: pnm pnm cprçã cprçã cm cm utrs utrs rgnizçõs. rgnizçõs. Sus Sus prts prts intrcmbiávis. intrcmbiávis. O prblm prblm fini fini svi svi s s nrms nrms sciis. sciis. Sís Infrmçã Enrgi Rcurss Ambint 2

3 Abrgm Cntingncil Origns Tri Cntingênci (Cntingênci lg incrt u vntul) A strutur funcimnt rgnizçã pnm intrfc cm mbint Estrutur rgnizcil snh u frm rgnizçã qu l tu pr intgrr rcurss Estrtgi pln glbl lcçã rcurss pr tnr às mns mbint. Abrgm Cntingncil Prpris strutur mcnístic rgânic. Dsnh Mcnístic Dsnh Orgânic Psquis Psquis Chndlr Chndlr sbr sbr strtgi strtgi strutur: strutur: Aculçã rcurss. Rcilizçã us us rcurss. Cntinuçã crscimnt. Rcilizçã us us rcurss m m xpn. Crçã cntrliz. Pdrõs rígis intrçã m crgs bm finis Limit cpci prcssmnt infrmçã. Aqu pr trfs simpls rptitivs. Aqu pr ficiênci prduçã. Elv intrpndênci. Intns intrçã m crgs ut-finis, flxívis mutávis. Cpci xpndi prcssmnt infrmçã. Aqu pr trfs únics cmplxs. Aqu pr criti invçã. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Abrgm Cntingncil Mpmnt Mpmnt mbintl. mbintl. Prcpçã Prcpçã mbintl. mbintl. Cnsnânci Cnsnânci Dissnânci. Dissnânci. Dsbrmnt Dsbrmnt mbint. mbint. Ambint Ambint grl mbint trf. Ambint Grl Cndiçõs Tcnlógics Cndiçõs Lgis Ambint Trf Cndiçõs Culturis Cncrrnts Ambint Ambint Grl: Grl: Cndiçõs Cndiçõs tcnlógics. tcnlógics. Cndiçõs Cndiçõs lgis. lgis. Cndiçõs Cndiçõs plítics. plítics. Cndiçõs cnômics. Cndiçõs cnômics. Cndiçõs mgráfics. Cndiçõs mgráfics. Cndiçõs clógics. Cndiçõs clógics. Cndiçõs culturis. Cndiçõs culturis. Ambint Ambint Trf: Trf: Frncrs Frncrs ntrs. ntrs. Clints u usuáris. Clints u usuáris. Cncrrnts. Cncrrnts. Entis rgulrs. Entis rgulrs. Frncrs Emprs Clints Cndiçõs Eclógics Cndiçõs Plítics Entis Rgulrs Cndiçõs Ecnômics Cndiçõs Dmgráfics Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms 3

4 Abrgm Cntingncil Abrgm Cntingncil Hmgni htrgni mbintl Cncrrnts Hmgêns Cntinu hmgni-htrgni mbintl Frncrs Hmgêns Orgnizçã Clints Hmgêns Ambint Ambint Hmgên: Hmgên: Puc sgmntçã mrc. Puc sgmntçã mrc. Ambint Ambint Htrgên: Htrgên: Muit sgmntçã mrc. Muit sgmntçã mrc. Cncrrnts Htrgêns Frncrs, clints cncrrnts Frncrs, clints cncrrnts hmgêns. hmgêns. Simplici mbintl. Simplici mbintl. Prblms mbintis hmgêns. Prblms mbintis hmgêns. x Frncrs, clints cncrrnts Frncrs, clints cncrrnts htrgêns. htrgêns. Cmplxi mbintl. Cmplxi mbintl. Prblms mbintis htrgêns. Prblms mbintis htrgêns. Rçõs unifrms rgnizçã. Rçõs unifrms rgnizçã. Rçõs difrncis rgnizçã. Rçõs difrncis rgnizçã. Frncrs Htrgêns Orgnizçã Clints Htrgêns Estrutur rgnizcil simpls. Estrutur rgnizcil simpls. Estrutur rgnizcil difrnci. Estrutur rgnizcil difrnci. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Abrgm Cntingncil Figur18.1 As Orgnizçõs sus Nívis Abrgm Cntingncil Nívis Orgnizciis Ambint Extrn Ambint Sistm Nívl Institucil Lógic Sistm Abrt Nívl Institucil Incrtz É cmpnnt strtgic. Frmulçã plítics gris. Nívl Intrmdiári Nívl Intrmdiári Entrs mbint Nívl Oprcil Sís pr mbint É cmpnnt tátic. Elbrçã plns prgrms spcífics. Mdiçã (limitçã incrtz) Nívl Oprcil É cmpnnt tcnic. Excuçã rtis prcdimnts. Pntrçã frçs mbintis Frntirs s nívis sistm Lógic Sistm Fch Núcl Tcnic Crtz Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms 4

5 Aprciçã Crític Tri Cntingênci Rltivism Rltivism m m Administrçã. Administrçã. Biplri Biplri cntínu. cntínu. Ênfs Ênfs n n mbint. mbint Ênfs Ênfs tcnlgi. tcnlgi Cmptibili Cmptibili ntr ntr brgns brgns sistm sistm fch fch brt. brt Crátr Crátr cltic cltic intgrtiv. intgrtiv. Administrçã Quli Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms MAXIMIANO/TGA Principis intgrnts scl quli. MAXIMIANO/TGA Principis intgrnts scl quli Autrs Principis Idis Cntribuiçõs Autrs Principis Idis Cntribuiçõs Crts Cntrl. 14 Pnts. Shwhrt, Ddg Rmig Cntrl sttístic quli cntrl sttístic prcss. Tcnics Amstrgm. Cicl PDCA. Dming Ênfs n fzr crt primir vz. Crrnt Clints. Quli s s Frncrs t Clint Fil. Dprtmnt cntrl quli. Jurn Trilgi Quli (Plnjmnt, Cntrl, Aprimrmnt). Fignb Sistm Quli. Quli Ttl. Ishikw Quli Ttl. Círculs Quli. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms 5

6 MAXIMIANO /TGA Dfiniçõs idi quli. MAXIMIANO /TGA Dus ctgris custs quli. EXCELÊNCIA O mlhr qu s p fzr, pdrã mis lv smpnh m qulqur cmp tuçã. Custs vitr crrênci rrs fits: VALOR ESPECIFICAÇÕES CONFORMIDADE Quli lux. Mir númr tributs. Utilizçã mtriis u srviçs rrs, qu custm mis cr. Vlr rltiv pn prcpçã clint, su pr quisitiv su dispsiçã pr gstr. Quli plnj. Prjt prdut u srviç. Dfiniçã prdut u srviç v sr. Gru inti ntr prdut u srviç sus spcificçõs. CUSTOS DE PREVENÇÃO Plnjmnt prcss cntrl quli Trimnt pr quli. Dsnvlvimnt frncrs. Dsnvlvimnt prduts cm quli. Dsnvlvimnt sistm prduçã. Mnutnçã prvntiv. REGULARIDADE ADEQUAÇÃO AO USO Unifrmi. Prduts u srviçs idêntics. Quli prjt usênci ficiêncis. Implntçã mnutnçã utrs cmpnnts sistm quli. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms MAXIMIANO /TGA Dus ctgris custs quli. MAXIMIANO /TGA Dus ctgris custs nã-quli. Custs friçã quli sistm prduçã bns srviçs: Custs s fits qu pnhs nts s prduts srviçs srm xpdis pr clint: Mnsurçã tst mtris-prims inss prduçã. Mtris-prims prduts rfugs. CUSTOS DE AVALIAÇÃO Aquisiçã quipmnts spciis pr vliçã prduts. Rlizçã tis cntrl sttístic prcss. Inspçã. CUSTOS INTERNOS DOS DEFEITOS Prduts qu prcism sr rtrblhs. Mdificçõs ns prcsss prdutivs. Pr rcit. Tmp spr s quipmnts prs nqunt s fzm crrçõs. Elbrçã Rltóris. Prss tn pr ntrgr s prduts crrigis u cnsrts. Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms 6

7 MAXIMIANO /TGA Dus ctgris custs nã-quli. MAXIMIANO /TGA A mr dministrçã quli ttl nftiz tndimnt ncssis, intrsss sjs clint su trnsfrmçã m spcificçõs prduts srviçs. Custs s fits qu pnhs pis qu chgm clint: Cprimnt s Grntis frcis Clint CUSTOS EXTERNOS DOS DEFEITOS Pr Encmns Prcssmnt Dvluçõs Custs Prcsss ns rgnisms fs cnsir Cmprmtimnt Imgm Pr Clints Mrc Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms Curs Tcnlgi m Anális Dsnvlvimnt Sistms MAXIMIANO /TGA - Sqüênci sqátic s prcdimnts QFD Qulity Functin Dplymnt, Dsbrmnt Funçã Quli. Dsbrr funçã quli signific finir s spcificçõs s prduts, cr cm s xpcttivs clint, tlhr sucssivmnt s prcsss ncssáris pr prduzí-l. 7

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde Plítics públics sú: Sistm Únic Sú Dnizi Olivir Ris, Elin Crs Arúj Luiz Crls Olivir Ccíli Sumári Aprsntçã 2 Os impsss u ificuls SUS 13 O Pct pl Sú (buscn sís pr s prblms impsss) 16 Rfrêncis 17 2 Plítics

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO DE 2005 1.Dt,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) À EFETIVAÇÃO DA ESTRATÉGIA

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011 Açõs Sciis Sustntávis 2011 1. Aprsntçã 1. Aprsntçã é trminlgi d língu gélic pr unid, mtiv pl qul sms sinrgi milhrs cm 1. Aprsntçã vltds é trminlgi dcm língu gélic unid, qul sms disciplins culturs difrnts

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

BIM - Building Information Modeling: : inovação que integra projeto, obra, operação e manutenção de edifícios.

BIM - Building Information Modeling: : inovação que integra projeto, obra, operação e manutenção de edifícios. BIM - Building Infrmtin Mling: : invçã qu intgr prjt, br, prçã mnutnçã difícis. Eng. Mri Anglic Cvl Silv ngi@ngicnsultri.cm.br Sã Pul - SP Estrutur básic b d ci prdutiv n cnstruçã civil Rvnds distribuirs

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS Mpmnt Cstr cm Ap d Imgns d Stélts THEOS 1 Glbrt Pssnh Rbr, glbrt.pssnh@gml.cm Artur Wllcx ds Snts, rturwllcx@gml.cm Ubrtn d Suz Ds Junr, ubrtn.ds.junr@gml.cm Agrdcmnts: Rbr Brn, Gfísc/UFF UNIFESP Ls Unvrsdd

Leia mais

Projeto UCA. Um Computador Por Aluno. Relatório da configuração do Metasys Classmate PC. Beatriz Corso Magdalena. Carlos Fagundes

Projeto UCA. Um Computador Por Aluno. Relatório da configuração do Metasys Classmate PC. Beatriz Corso Magdalena. Carlos Fagundes Prjt UCA Um Cmputdr Pr Alun Rltóri d cnfigurçã d Mtsys Clssmt PC Btriz Crs Mgdln Crls Fguns Iris Elisbth Tmpl Cst 2010 Prjt UCA 1 Sári CPU...4 MEMÓRIA...4 SISTEMA OPERACIONAL...4 INTERFACE...5 APLICAÇÕES

Leia mais

NEW HOLLAND VM, VL. VL6080 e VL6090

NEW HOLLAND VM, VL. VL6080 e VL6090 NEW HOLLND VM, VL Máquins Mls VM4090, Vindimr VL6040, lt VL6050, Cpcid VL6060, Plivlnt VL6080 VL6090 VL6070, 2 I3 VM, VL xclênci Nw Hllnd m td tcnlgi tip Brud: vinhs dur Há Nw mis Hllnd 30 têm ns mrc qu

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

PLANO DE CURSO ADMINISTRAÇÃO I (CÓD. ENEX 60154) ETAPA: 3ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO ADMINISTRAÇÃO I (CÓD. ENEX 60154) ETAPA: 3ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO I (CÓD. ENEX 60154) ETAPA: 3ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Smana Contúdos/ Matéria Catgorias/ Qustõs Tipo d aula Habilids Comptências Txtos, films outros matriais

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Notas Técnicas. CBPF-NT-005/13 agosto 2013. Módulo Microcontrolado de Interface padrão SDI-12 para aplicações em monitoramento ambiental

Notas Técnicas. CBPF-NT-005/13 agosto 2013. Módulo Microcontrolado de Interface padrão SDI-12 para aplicações em monitoramento ambiental ISSN 11-921 Nts Tcnics CBPF-NT-5/13 gst 213 Módul Micrcntrld Intrfc pdrã plicçõs m mnitrmnt mbintl Brun Rnt, Gnild N. Snts, Pdr Russn, Alxndr Bnvnt Grld Crnicchir Ciênci, Tcnlgi Invçã dx.di.rg/1.7437/nt2236-764/213.2.2

Leia mais

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1 A Rvluçã d Lngvid: impct n scid, n fmíli n indivídu1 Ursul Lhr2 Rs A plstr mnstr s mudnçs mgráfics (lt xpcttiv vid, nt rápi grup ds pss iss), trzn ds d Almnh Singpur, nlisn impct sts ltrçõs d strutur ppulcinl

Leia mais

Editorial. Radar. Últimas. Mapa da Vez. Eventos. Espaço do Leitor. Epidemiologia espacial da Língua Azul II

Editorial. Radar. Últimas. Mapa da Vez. Eventos. Espaço do Leitor. Epidemiologia espacial da Língua Azul II Sumári Editril 5 Rdr 9 Últims 6 Mp d Vz 10 Evnts 7 Espç d Litr 8 12 48 CAPA Dsnvlvimnt SIG: Um nv mund snd scbrt Epimilgi spcil d Língu Azul II 18 55 Entrvist Gff Ziss Bnc Dds Ggráfi cs n Crp Bmbirs d

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1 Anális struturl sínts ds crctrístics linrs sistêmics d mdls d dsnvlvimnt d prdut 1 Crls Frnnd Jung 2 Crl Schwngbr tn Ctn 3 Márci Elis Srs Echvst 4 Jsé Luis Durt Ribir 5 Rsum Est rtig prsnt s rsultds d

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO AO

CURSO DE INTRODUÇÃO AO 201 O Ç 1 & 4 1 PO PESENTÇÃO DO CUSO DE INDUÇÃO O LINHEN ESPIITUL LIEN P ENTE EOÇÕES & ELÇÕES EQUILIBDS ELIZÇÃO PESSOL - 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL ESTEL é um pr c ss d ut c nh cim nt, strtégi rintçã,

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA)

Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA) Emprgs n Brsil ririds lítics Escritri d Bnc Mundil n Brsil Rgiã d Améric Ltin Crib Institut squis Ecnómic Aplicd (IEA) Vic rsint LCR: Dirtr LCC5C: Dirtr LCSHD: Ecnmist rincipl: Lír d Equip: Dvid Frrnti

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara Institut d Físic USP Físic Mdn I Aul 9 Pfss: Mzé Bch Aul 9 O átm d hidgêni n ti d Schding 1. A sluçã d átm d H n ti d Schding. Cmpçã cm s sultds d Bh.. Os stds dgnds m ngi: stds d msm ngi divss móduls

Leia mais

Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina

Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina Acrv: Biblitc Públic d Snt Ctrin CCE d I [crt litr] Rvlu ã digitl J ur qu librdd smpr fi um tm xplrd m tds s rs d humnidd? Pdms ncntrr txts qu flm d ssunt dsd s pnsdrs grgs té hj, pssnd, clr, pl Rvluçã

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SISTEM PRGRESSIV 2011.2 DMINISTRÇÃ DE RECURSS MTERIIS E PTRIMNIIS TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 27.08 24.08 DMINISTRÇÃ PLICD ENFERMGEM TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 24.08 DMINISTRÇÃ D PRDUÇÃ TERÇ QURT QUINT

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996)

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996) LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995 (Rgulmntd pl Dcrt nº 2.301, 19 Stmbr 1996) (Cnslidd pl Dcrt nº 2.905, 26 Dzmbr 2000) Dpõ sbr rrgnizçã dmintrtiv d Prfitur Arujá dá prvincis. JOSÉ CLAUDIO MENDONÇA, PREFEITO

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Atendimento por marcação Atualizado em:

Atendimento por marcação Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL pr rcçã Atulizd : 23-01-2017 O qu é O tn pr rcçã é u rvi qu prit gn d tn di hr prvint finid. C t rvi cidã é tndid n di hr qu i qu à u dipnibili, tr prncr fil pr. O tn pr rcçã p r fit n-lin

Leia mais

MOBILIDADE E TRANSPORTES

MOBILIDADE E TRANSPORTES 16 REVIST D GRNDE ÁRE METRPLITN DE LISB 4º TRIMESTRE 2006 MBILIDDE E TRNSPRTES N ÁRE METRPLITN DE LISB ENTREVIST NTÓNI CPUCH, PRESIDENTE D CÂMR DE CSCIS LMD UM TERR DE PRTUNIDDES DESTQUE UTRIDDE METRPLITN

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

a sua nova pedida, e a dos seus clientes também

a sua nova pedida, e a dos seus clientes também TOP! su nv pedid, e ds seus clientes tmbém A mrc Riz d Bem trduz cncepçã de liments sudáveis, nde prticmente td cdei limentíci prte d gricultur. Um nme simples, diret e frte em um lingugem de fácil entendiment

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX CP 10 Mrkting n linh Dirt O mrcd tlfni stá m prcss trnsfrmçã. O bm crscimnt pssu, ufri d prtbilid tmbém. O rsultd é sgmnt qu gr brig mntr ptncilizr sus clints. Pr tnt, invst m rlcinmnt n mpliçã srviçs

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

Selt Engenharia Ltda.

Selt Engenharia Ltda. SELT ENGENHARIA LTDA.- FUNDADA EM 1 º DE SETEMBRO DE 1976 PELO ENG. JOSÉ MOHALLEM 2005-2015 SELT ENGENHARIA LTDA.- FUNDADA EM DE SETEMBRO DE 1976 PELO ENG. JOSÉ MOHALLEM SELT ENGENHARIA LTDA.- FUNDADA

Leia mais

Turma 2. Especialização em SAÚDE DA UNA - SUS FAMÍLIA. Universidade Aberta do SUS. Unidades de Conteúdo

Turma 2. Especialização em SAÚDE DA UNA - SUS FAMÍLIA. Universidade Aberta do SUS. Unidades de Conteúdo Espcilizçã m SAÚDE DA FAMÍLIA Turm 2 UNA - SUS Univrsi Abrt SUS Unis Cntú Scrtri Gstã Trblh Eucçã m Sú (SGTES) Scrtári: Mzrt Júli Tbs Sls Dprtmnt Gstã Eucçã m Sú (DEGES) Dirtr: Mônic Smpi Crvlh Scrtri

Leia mais

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade An XX nº 77 nvmbr/zmbr 2011 FUND PET SHO P Empréstim Empréstim Sbsprv Um pçã sgur pr su snh virr rlid Sbsprv Entr s mlhrs plns sú d pís. Cbrnç Pglirini Mrls Advgds Asscids é cntrtd pr cbrr indimplnts.

Leia mais

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância ÚD S ICO rn cd m ics çã lúd rm s F pç s 3 FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 A 3 ANOS 5 c rn Pr Sã gr Pr P m I n im ul fân ir í ci ssim pl ÃO AÇ RM FO O C n tít scim rn ul 5 s p nt F ut rm V rd é Pr i idig

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

grandes empresas ajustados s às pequenas e médias empresas do Sector mobiliário nos concelhos de Paredes e Paços de Ferreira

grandes empresas ajustados s às pequenas e médias empresas do Sector mobiliário nos concelhos de Paredes e Paços de Ferreira MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS Os indicadrs d avaliaçã d dsmpnh utilizads plas grands mprsas ajustads s às pqunas médias mprsas d Sctr mbiliári ns cnclhs d Pards Paçs d Frrira CECÍLIA NATÁLIA ROCHA

Leia mais

Perspectivas para 2015 CONFIRA NESTA EDIÇÃO EDITORIAL

Perspectivas para 2015 CONFIRA NESTA EDIÇÃO EDITORIAL E D U C A Ç Ã O I N FA N T I L E E N S I N O F U N D A M E N T A L Nº8 An 4 EDITORIAL Prspctivs pr 2015 Ouvims, pr td nss vid, dizrm qu águs prds nã mvm minhs. Nã só nã fzm cm tmbém sã fnts d dnçs, cntminçõs

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO AQ Agênci Ncinl Atulids Trnsts AQ Ministri Públic / Sã Pul AQuviáris Étic n Srviç = 1 Institut Grl Prícis / Snt Ctrin Administrçã = = Atulids = 41 1 O di m qu s brsilirs Fichári s vstirm vr ATUALIDADES

Leia mais

OLETIM COOPERATIVISTA

OLETIM COOPERATIVISTA CPERTIVISM É DE I N I C I T I V PPULR E M T U D. TD ELE É EDIFICD PEL CTIVIDDE DS CIDDÃS LETIM CPERTIVIST R E D C Ç Ã Ru Cruzir. E CRDEND D M I N I S T R Ç Ã : 1 - Tlf. NTÓNI 63 26 49 - L i s b - 3 N.

Leia mais

Credenciamento de Bancos Múltiplos

Credenciamento de Bancos Múltiplos Crncimnt Bncs Múltipls mrn invr gstã ptncil cnômic-finncir d Flh Pgmnt Exrcit Brsilir. Gn Bd Ricr Mrqus Figuir Dirtr bstcimnt Exrcit Tn Cl Js Eustáqui S. Mrgtt ssssr Lgístic d Dirtri bstcimnt fnt rcits,

Leia mais

ingresso.ifsc.edu.br DO até o d a c Instituto Federal de Santa Catarina Campus Araranguá

ingresso.ifsc.edu.br DO até o d a c Instituto Federal de Santa Catarina Campus Araranguá Bltim d Câmpus Arrnguá An 3 Nº 9 Abril d 2014 ingrss.ifsc.du.br i DO té d A G O O P. 23 d mi Prticip. inscriçã n F ç s u Câmpus. d c t li bib l: Li Edit u.br/sit fsc.d.rrngu.i w w /w :/ p tt h pdf /prmi%20.

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. -

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. - SEGURS N Sgurs, S.A. Zn Industril d Mi - Sctr IX - Lt 20 Mrir d Mi 4470 440 Mi infvnsgurs.pt wwwnsgurs.pt Tl 707502525 Fx 22090 77 77 RELATÓRI & CNTAS Exrcíci d 2012 N SEGURS, S.A. SEGURS Griçj 1ntpici

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO:

CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO: CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO: cnmizand através d cuidad cm pnus! O pnu é indiscutivlmnt um ds itns mais imprtants d caminhã. Além sr um rspnsávl dirt pls custs d transprt rdviári nas planilhas ds carrtirs,

Leia mais

Atualização no licenciamento ambiental cearense

Atualização no licenciamento ambiental cearense ANO III - Nº 12- MAR-ABR/2012 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Atulizçã n licncimnt mbintl crns N últim runiã Cnslh Estdul Mi Ambint (Cm) fi prvd um nv rsluçã qu tuliz s critéris, prâmtrs custs

Leia mais

c Vr :a e UNESCO Recursos Educacionais Abertos: Perguntas Frequentes Neil Butcher, OER Africa

c Vr :a e UNESCO Recursos Educacionais Abertos: Perguntas Frequentes Neil Butcher, OER Africa Rcurss Educcinis Abrts: Prgunts Frqunts Nil Butchr, OER Afric UNESCO Unitd Ntins Eductinl, Scintific nd Culturl Orgniztin iw COMMONWEALTH OfLEARNING L c Vr : UNESCO with Citç: th Cmmnwlth j prmissä A rplicr,

Leia mais

MAN 66-10 (cód. 0108.353.004) 1.363, 00. Armário frigorífico de conservação. MAB 66-10 (cód. 0106.353.005) 1.589, 00

MAN 66-10 (cód. 0108.353.004) 1.363, 00. Armário frigorífico de conservação. MAB 66-10 (cód. 0106.353.005) 1.589, 00 Armáris Armáris d cnsrvaçã Intrir xtrir m aç inxidávl; islamnt m pliurtan injctad a alta prssã, sm CFC s; sistma d vntilaçã cm vapradr instalad nas cstas; frmas xtrirs cants intrirs arrdndads; juntas magnéticas

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online

COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atulizçõs Onlin rquê s tulizçõs s livrs d COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? N pnrm lgisltiv ncinl é frnt publicçã nvs diplms lgis, rgulrmnt, ltrm utrs diplms, s quis stã muits vzs incluís ns cmpilçõs

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE FEIRA DE SANTANA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE FEIRA DE SANTANA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE FEIRA DE SANTANA. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pls Prcurdrs d Rpúblic qu st subscrvm, n us sus tribuiçõs cnstitucinis lgis, vm, prnt Vss Exclênci,

Leia mais

BRIEFING DE PESQUISA DE MERCADO CARNE SUÍNA POTENCIAL DO MERCADO

BRIEFING DE PESQUISA DE MERCADO CARNE SUÍNA POTENCIAL DO MERCADO BRIEFING DE PESQUISA DE MERCADO CARNE SUÍNA POTENCIAL DO MERCADO I. HISTÓRICO O projto surgiu m 2006, por dmnd d FAP - Fdrção d Agriultur Puári do DF do Sindisuinos. Os rsultdos lnçdos no primiro momnto

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

EXMO SR. JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ILHÉUS/BA.

EXMO SR. JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ILHÉUS/BA. EXMO SR. JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ILHÉUS/BA. ICP nº 1.14.001.000097/2011-61 ICP nº 001.0.155502/2009 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, pr sus

Leia mais

Saudável. Assefaz. Envelhecimento. Revista. Câncer de próstata - Centro de lazer de Goiás Velho - Programa Beneficiário Consciente

Saudável. Assefaz. Envelhecimento. Revista. Câncer de próstata - Centro de lazer de Goiás Velho - Programa Beneficiário Consciente A UN DAÇÃ Assfz O F Rvist An 1 - Ediçã 3 - g/dz 2012 SSEFAZ Publicçã d Fundçã Assistncil ds Srvidrs d Ministéri d Fznd Envlhcimnt Sudávl Câncr d próstt - Cntr d lzr d Giás Vlh - Prgrm Bnficiári Cnscint

Leia mais

Aula 7-2. Ampère Gauss. Leis de. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça. Capítulo 7

Aula 7-2. Ampère Gauss. Leis de. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça. Capítulo 7 Aul 7-2 Leis e Ampère Guss Físi Gerl e Experimentl Prf. Cláui Grç Cpítul 7 Lei e Ampère B l int A integrl lei e Ampère é um integrl e linh feh (Amperin). O element e linh rrente inluí nesse perurs feh.

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: EMRC ANO: 5º 1º PERÍODO ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Vivr juntos AULAS PREVISTAS: 12 COMPETÊNCIAS (O aluno dvrá sr capaz d:) CONTEÚDOS

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do LEI Nº 181/2010 Dispõ sbr Municipl quçã 051/2006 d Li 14, gst 2006, qu trt sbr Cnslh Municipl Alimntçã Esclr CMAE, s dispsiçõs d Li Frl junh 2009 MEC/FNDE/DAE-CD julh 11.947, 38, 2009, 16 Rsluçã dá 16

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

1 Caracterização do Público Alvo 2 Execução de Cognitive Walkthrough (Simulação de Percurso)

1 Caracterização do Público Alvo 2 Execução de Cognitive Walkthrough (Simulação de Percurso) Alguns Cmnáris à Usbilidd d Srviç COMPARA Luís Cs, Linguc - Pól Sinf Crisin M, Linguc - Pól LbEL Luís Srmn, Linguc - Pól CLUP/FLUP 2002 1 Inrduçã Es x fi prduzid pr csiã d nss primir príd d frmçã m Osl,

Leia mais

Seguradoras, corretores e interações De canais para redes

Seguradoras, corretores e interações De canais para redes Robrto Ciccon Insurnc Lr 27 11 2013 Sgurdors, corrtors intrçõs D cnis pr rs Rsumo N r do consumidor cpcitdo, s sgurdors prcism trblhr um form multicnl mntndo o ldo pssol s pssos confim mis m pssos Sgurdors,

Leia mais

FACULDADE NOVOS HORIZONTES Mestrado Acadêmico em Administração

FACULDADE NOVOS HORIZONTES Mestrado Acadêmico em Administração 1 FACULDADE NOVOS HORIZONTES Mstrad Acadêmic m Administraçã MODELO PARA ANÁLISE DE RESULTADOS DE PROMOÇÕES COM COMPRAS COLETIVAS Fabríci Lana Pssa Bl Hriznt 2012 2 Fabríci Lana Pssa MODELO PARA ANÁLISE

Leia mais

Contabilidade financeira, contabilidade de gestão e contabilidade de custos

Contabilidade financeira, contabilidade de gestão e contabilidade de custos LEC205 Cntabilidade de Custs e de Gestã 1. Intrduçã à Cntabilidade de Custs e de Gestã Cntabilidade financeira, cntabilidade de gestã e cntabilidade de custs Cntabilidade financeira (CF) Cntabilidade de

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

9 Codificação de Canal: Códigos de Bloco Lineares

9 Codificação de Canal: Códigos de Bloco Lineares 9 Cfcaçã Canal: Cógs Blc Lnars Em capítuls antrrs stuáms cm alguma prfuna s s prlmas mas mprtants asscas a snh sstmas cmuncaçõs: prlma a cfcaçã fnt, prlma a transmssã nfrmaçã através canas russ. O prmr

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

Escrito por Eng. Lidiane Faccio de Faveri Sex, 27 de Setembro de :27 - Última revisão Sex, 27 de Setembro de 2013

Escrito por Eng. Lidiane Faccio de Faveri Sex, 27 de Setembro de :27 - Última revisão Sex, 27 de Setembro de 2013 TQS - SISEs - Prt 6 - Editr Rdir Escrit pr Eng. Lidin Fcci Fvri Sx, 27 Stbr 2013 08:27 - &Ucut;ltim rvis&til; Sx, 27 Stbr 2013 Plvr-chv: SISEs, ditrs funçã, rdir. 1. Editr Rdir s ditrs s sci rdir sã idêntic

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

Identificação Veicular

Identificação Veicular >> O INSTITUTO DE INFORMÁTICA (INF) >> OS PROJETOS > SIGMA Sistma Infrmaçã Ggráfica para Mnitramnt Ambintal frma, srá invstigad as qustõs prtinnts a utilizaçã tiqutas RFID para rastramnt vículs, talhs

Leia mais

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba Brunn Luz C A PA O mdic Ptrsn Lddi rtrt ss nv grçã: plnj trcr Mdicin pr sguir snh sr tr Pr Ví v i n G m b mrc trblh stá m cnstnt mudnç, s jvns qu stã sin ds univrsids m busc clcçã tmbm. Em funçã diss,

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais