1 Caracterização do Público Alvo 2 Execução de Cognitive Walkthrough (Simulação de Percurso)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Caracterização do Público Alvo 2 Execução de Cognitive Walkthrough (Simulação de Percurso)"

Transcrição

1 Alguns Cmnáris à Usbilidd d Srviç COMPARA Luís Cs, Linguc - Pól Sinf Crisin M, Linguc - Pól LbEL Luís Srmn, Linguc - Pól CLUP/FLUP Inrduçã Es x fi prduzid pr csiã d nss primir príd d frmçã m Osl, m qu fi fi prsnçã ds srviçs d Linguc pl Din Sns um prsnçã sbr usbilidd d srviçs n rd pl Asbjørn Følsd. Tm cm bjciv infrmr quip d COMPARA (m primir lugr) quip d Linguc (m sgund) d qu prndms sbr usbilidd prprcinr sugsõs pr dsnvlvimn fuur d COMPARA d urs srviçs d Linguc. Após um prsnçã fi pr Asbjørn Følsd sbr Usbilidd (princípis méds), grup fcuu um nális cnjun sbr usbilidd d srviç d css COMPARA. Es nális fi rlizd m dus fss: 1 Crcrizçã d Públic Alv 2 Excuçã d Cgniiv Wlkhrugh (Simulçã d Prcurs) Em sguid, irms dscrvr ss psss prsnr s cnclusõs qu chgáms n durn sssã cm m discussõs psrirs. A vrsã d COMPARA nlisd fi 2.1, d 31 d Ouubr d As págins qu bsrváms inhm sid culizds pl úlim vz m: Bm-vinds.hml: 30 d Ouubr d 2002; Psquisr.hml: 17 d Smbr d 2002; BuscSimpls.hml: 20 d Smbr d 2002; BuscAvncd.hml: 1 d Nvmbr d Crcrizçã d Públic Alv A primir fs d discussã rlizd durn prsnçã cnru-s n idnificçã ds pnciis grups d uilizdrs d srviç COMPARA. Frm idnificds váris grups: Aluns d Língu Esrngir m Váris Nívis (P/En) Prfssrs d Língu Esrngir m Váris Nívis (P/En) Aluns d Trduçã m Váris Nívis Prfssrs d Trduçã m Váris Nívis Trdurs Invsigdrs d PLN Dss grups slccináms rês pr psrir nális, s quis frm nã crcrizds rlivmn : 1. Prfil d Uilizdr. Idd b. Nívl d cnhcimns d Infrmáic c. Nívl d cnhcimns m mbs s Língus

2 2. Cnx d Uilizçã. Lcl d Trblh b. Tip d Acss 3. Trfs Típics Prâmr Prfssrs d Língu Esrngir Invsigdrs d PLN Trdurs P r f il d U il i z d r C n x Nívl d Cnhcimn s d Infrmáic Idd Nívl d Cnhcimn s m mbs s Língus Obs. Lcl d Uilizçã Tip d Acss Médi/Bix > 25 Elvd - Cs/Escl mdm/ bix débi Al > 25 Nã ncssrimn Elvd - Acdmi/Indúsri l débi Médi/Al > 25 Mui Elvd Têm rcurss própris. Elvd xigênci rlivmn à qulidd d rduçã. Evnul xpriênci m srviçs idênics (nã ncssrimn sbr Wb). Cs/Escrióri médi/l débi d U il i z ç ã T r f s T í p i c s Prprr xrcícis Vrificr frquêncis d crs plvrs Tsr qulidd d rduçõs Acss smiumáic rcurss bilingus. Exrcçã d grnds qunidds d x pr prcssmn psrir. Tbl 1 Crcrizçã d 3 ips d uilizdrs. Vrificr rduçã d um dd rm u cnsruçã m priculr. A nális subsqun fi fi bsd n prfil d uilizdr Trdur. A mdlgi qu fi mprgu prir ds pn dnmin-s Cgniiv Wlkhrugh (Simulçã d Prcurs) cnsis m fzr um simulçã d

3 cmprmn sprd d uilizdr, prcrrnd s váris psss ncssáris pr lcnçr um drmind bjciv. Prims nã d princípi d qu um uilizdr d ip Trdur, cm s crcrísics ncssidds rfrids n Tbl 1, iri nã uilizr pl primir vz srviç COMPARA pr um drmind rf: invsigr m qu cnxs plvr ingls niv r uilizd qul su crrspndênci m pruguês. 3 Simulçã d Prcurs 3.1 Pss 1 : Págin d Abrur A brir si d COMPARA, s pçõs prsnds prcrm clrs. Fi slccind pçã Cmçr usr COMPARA. Is lvu uilizdr à inrfc Esclh d Tip d Psquis. 3.2 Pss 2 : Inrfc Esclh d Tip d Psquis A sclh nurl rlizd pr um Trdur, usr srviç pl primir vz, sri Psquis Simpls. Fi s pçã md já qu sá rcmndd xplicimn pr primirs uilizdrs. Em sguid fi prsnd inrfc Psquis Simpls. 3.3 Pss 3 : Inrfc Psquis Simpls Ns inrfc, l cm indicd, fi insrid n cmp Psquis simpls d inglês pr pruguês plvr niv. Dpis d submid psquis fi prsnd págin d rsulds. 3.4 Pss 4 : Aprsnçã d Rsulds d Psquis O primir cmnári fi s págin prndu-s cm fc d s rsulds ds psquiss nã s ncnrrm suficinmn bm dscds. Vrificu-s sr cnslhávl qu pr d infrmçã xisn n págin fss clcd m sgund pln, d frm rlçr rsuld. Es ncssidd rn-s priculrmn vidn qund psquis nã rrn nnhum rsuld, cm fi cs usnd plvr niv. Nss siuçõs rn-s difícil lclizr n págin mnsgm d usênci d rsulds. Além diss, própri cnúd d mnsgm nã sugr uilizdr frms lrnivs d prssguir (urs psquiss), nm prsn vnuis cuss pr insucss (pr xmpl, rr rgráfic u xprssã rgulr incrrc). Dd fc d nss psquis usnd plvr niv nã r sid cnclusiv, frm submids nvs psquiss usnd nivly nivnss. Apsr dss psquiss pdrm sr fcuds uiliznd xprssã rgulr niv.*, pu-s pr fzr s rês psquiss individulmn. D psquis pr nivly surgiu nã um rsuld qu fi prsnd n rspciv bl:... 1): Cncrdânci Prcur: "nivly". PPEQ1(15 Thn n Sundy mrning in Augus, s I ws lying srchd u n h bd in my shirslvs, dzing, burnd-u cigr in my muh, I hrd h dr crk nivly. Hlf-pning my drwsy ys, I sw bld hd my sid, bn in Um dming d Ags, d mnhã, sird n cm m mngs d cmis, u drmiv, cm cigrr pgd n lábi -- qund pr rngu dvgrinh, nrbrind pálpbr drmn, vi curvr-s mu ld um clv rspis.

4 rspcful bw. Esprms qu COMPARA lh nh sid úil!... Um ds bsrvçõs fis nss mmn pl grup fi d qu sri inrssn dscr m mbs s cluns (.g.: rvés d frmçã ngri ) plvr u xprssã ncnrds, nã pns n clun qu srv d idim d prid pr psquis. Es mrcçã prll umnri bsn cmprnsibilidd ds rsulds mbr mbém s nh rcnhcid qu nm smpr iss pdrá sr viávl. Finlmn, dpis d um brv rflxã sbr s rsulds, dvid rsriçõs d mp, fi dd pr rmind Simulçã d Prcurs bm cm sssã crdnd pr Asbjørn Følsd. 4 Avliçã Psrir Sguind s rinçõs frncids pr Asbjørn Følsd dcidims cninur sud d Usbilidd d srviç COMPARA. Vlnd rcrrr à mdlgi Simulçã d Prcurs dcidims sr psrirmn inrfc Psquis Avnçd. Pr iss dfinims um nv rf xcur pr um uilizdr cm prfil Trdur qu ínhms dfinid nrirmn. Ds vz, rf sclhid cnsisi m drminr quis s plvrs inglss rminds m ly qu rm rduzids pr plvrs pruguss rminds m mn. Em sguid irms dscrvr prcurs simuld. 4.1 Pss 1 : Inrfc Esclh d Tip d Psquis Cm prndid, slccinu-s nã inrfc Psquis Avnçd. 4.2 Pss 2 : Inrfc Psquis Avnçd Após um brv inspcçã ds pçõs prsnds n inrfc Psquis Avnçd huv um qu s dmnsru priculrmn difícil d cmprndr: Aribus suplmnrs. Nmdmn, nã r clr s s pçã prmiiri: 1. fzr um psquis incluind, pr lém ds xs dispnívis, s cnsruçõs lisds; 2. fzr um psquis xclusivmn sbr sss cnsruçõs; 3. u impr rsriçõs dicinis àquls qu é pssívl clcr rvés d cmp já xisn pr fi; Sguind ligçã Ajud, qu s ncnrv dispnívl imdimn bix, fi ncnrd um xplicçã inflizmn puc sclrcdr, pl qu s dúvids s mnivrm: 2.3 Aribus suplmnrs Pr cnsulr um ribu suplmnr sm rlcinr um xprssã d psquis, dix vzi cmp d xprssã d psquis. A psquisr íuls, srngirisms ênfs, é imprn nr qu só s dscrm ss ribus ns css m qu própri ur u rdur s ssinlrm. Ns css d sbrpsiçã, só s mrcu ênfs qund s nã s rprv íuls u srngirisms, só s ssinlrm s srngirisms qund ss nã fzim pr d íuls. Em sguid, frm inrduzids s xprssõs rgulrs.*ly.*mn ns cmps prprids dfinid dircçã d psquis (pr s psquis priu-s d princípi d qu uilizdr já sbri mprgr xprssõs rgulrs).

5 Nã frm slccinds quisqur urs pçõs, nd sid pns uilizds s prâmrs dfinids pr missã. Vrificu-s mbém qu bã xisn pr submr s rsulds s ncnr pns n finl d págin. Is brig prcrrr d págin m cd psquis qu s fcu, qu é puc práic s rn rpidmn cnsiv. Finlmn, pós r sid ncnrd bã prprid, fi submid pdid frm rcbids s rsulds. 4.3 Pss 3: Aprsnçã d Rsulds d Psquis O rsuld rrnd pl sism fi um lng bl d cncrdâncis prmiiu bsrvr qu: 1. nã há indicçã d qu s códigs d primir clun crrspndm às fns d x usds n linhmn; 2. frm d cdificçã ds fns nã fi vidn pr ds s pricipns n grup d rblh; 3. uilizçã d ligçã xisn pr cdr significd d códig nã s rvl ã simpls cm pdri prcr: mmrizçã d sigl nã é fácil dscriçã d msm nã s dsc n págin. Dpis d lgum discussã, cncrdu-s qu um vnul sluçã pr ss prblms pssri pr liminr primir clun d bl d rsulds, m lrniv, fzr prsnçã ds rsulds grupds pr fn. A idnificçã d fn sri fi n p d cd grup incluind, pr lém d sigl, infrmçã mis xplíci. Ex: PPEQ1 sri cmpnhd d Eç d Quirz, "O Mndrim", "Th Mndrim", Sugsõs Em sguid, irms prsnr um cnjun d sugsõs qu ns prcm cnslhávis n snid d mlhrr usbilidd d srviç COMPARA. 5.1 Inrfc Esclh d Tip d Psquis A primir sugsã prnd-s cm frm cm sã fis s rcmndçõs sbr s dis ips d psquiss dispnívis. A rcmndçã d ip d psquis (Psquis Simpls/Psquis Avnçd) bsd unicmn n xpriênci ds uilizdrs pdrá dirccinr s msms pr um psquis qu nã lhs slucinrá prblm. O grup nã chu cnslhávl qu Psquis Simpls sivss rcmndd pr "principins" prqu um uilizdr cm mns xpriênci ms cm um drmind rf pdrá nã ncnrr í sluçã qu prcur. Pr xmpl, Psquis Simpls nunc prmiiri rslvr rf prps n pn 4.2. Es siuçã é priculrmn críic pr s nvs uilizdrs, pdnd dsviá-ls d xprimnçã d Psquis Avnçd u é dsmivr fuurs psquiss. Assim, um brv dscriçã ds pncilidds d cd psquis prmiiri uilizdr sclhr infrmdmn ip d psquis qu mlhr lh pdrá rslvr prblm. Pr psquis simpls sugríms sguin dscriçã: A Psquis Simpls prmi vrificr cm drminds plvrs u xprssõs frm rduzids. A psquis é smpr rlizd sbr lidd d COMPARA. O rsuld é pns prsnd cm um bl d cncrdânci linhds. Ns psquis nã é pssívl fzr rsriçõs d linhmn.

6 Pr Psquis Avnçd sugríms um dscriçã qu dscss s difrnçs: A Psquis Avnçd prmi xcur psquiss prlls rlivmn à frm cm drminds plvrs u xprssõs frm rduzids. A psquis pd sr rlizd sbr um cnjun d xs slccinávis pl uilizdr, prduzind cm rsulds bls d cncrdâncis, disribuiçõs frquêncis d frms d fns. Pssibilidd d prmrizçã d psquis. 5.2 Inrfc d Psquis Simpls A clcçã ld ld d dis cmps nd uilizdr digi plvr u xprssã psquisr sugr, rrdmn, qu mbs dvm/pdm sr prnchids pr us n msm psquis. Es nã é clrmn funcinlidd d Psquis Simpls, pl qu sri cnslhávl uilizçã d pns um cmp, nd s scrvri plvr u xprssã prndid, d um slcr d dircçã d rduçã. 5.3 Inrfc d Psquis Avnçd A clcçã d bã d submissã d psquis mis próxim d p viri prcrrr d págin smpr qu s xcu um psquis. Além diss, sri imprn nfizr qu s pçõs lisds m Aribus suplmnrs s rfrm rsriçõs dicinis fcur sbr psquis: íul Rsriçõs Suplmnrs prc mis prprid. Ns snid, sri mbém cnslhávl rfrmulçã d x d jud pr rfrid cmp, xplicnd qu s pçõs m cus rsringm s psquiss, snd prn d sprr mns rsulds, u é msm nnhum. 5.4 Aprsnçã d Rsulds d Psquis O grupmn ds rsulds pr fn prmiiri liminr primir clun d bl d rsulds. As rfrêncis às fns srim fis n p d cd grup dvrim sr cmpss nã só pl sigl, cuj significd nã é imdi, ms mbém pr dds mis xplícis is cm nm d br, su ur, n d publicçã, c. Ex: PPEQ1 - Eç d Quirz, "O Mndrim", "Th Mndrim", Sri mbém inrssn dscr m mbs s cluns s plvrs u xprssõs ncnrds, pr xmpl rvés d frmçã ngri. 5.5 Ours Sugsõs A indicçã d nm d inrfc (DISPARA) nã é rlvn pr s uilizdrs d srviç, pdnd prvcr é lgum cnfusã. O xcss d infrmçã dvrá sr vid. A criçã d um Mnul d Uilizdr u Livr d Exrcícis pdrá cnribuir pr um mis rápid dpçã d uilizdr.

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A DERIVADA DE UM INTEGRAL

A DERIVADA DE UM INTEGRAL A DERIVADA DE UM INTEGRAL HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. O cálculo o valor a rivaa um ingral ocorr com cra frquência na via profissional físicos, químicos, ngnhiros, conomisas ou biólogos. É frqun, conuo,

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

ESCOLA DE LÍDERES BRASIL

ESCOLA DE LÍDERES BRASIL ESCOLA DE LÍDERES BRASIL CURSO DE MARKETING MÓDULO I LEITURA COMPLEMENTAR (LC) [ D i g i o c o n ú d o d b r r l r l. T r - s d u m s u p l m n o O MERCADO 1. O Circuio Econômico Sgundo Armndo Krmr, produção

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO As qustõs sguints rfrm-s as sus hábits d sn durant mês passad. Suas rspstas dvm dmnstrar, d frma mais prcisa pssívl, qu acntcu na mairia ds dias

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

! " ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$

!  ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ xfghdfgh!" # ! " $$! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ &! '! -! 95,()!! +)- *$ - :! ' ')!0 ') );!4 ' -! ',*$!7 < )) 6 +=!>? @ ) *$!)2 3 ) - :! -), "

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada SO TS 16949:2002 A uu d pcfcçã écnc E g pná cnc d m d gã d quldd, uu d pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 bdgm d m d quldd umv. A pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 é bd n pncíp d gã d quldd pnd n nm NBR SO 9001:2000:

Leia mais

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24.

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24. R 3 R R D S VL L Ó S L U D K LÃ W -S / 3 SH FW -S Ã P UL F S SP / / : 8:3 3// 8/ 3/ : 6: SPCL - PRU C VCÊ UC VU.in 7 R Ú 8 9 - R$,,9 R$ CP.in S D PP R S G GS S - R$, 9 R D : : U Q R VG D R SÃ PU L FS H

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados Sisma para vrificação Lógica do Corolo Dzmro 3 4. ális d Sismas d Corol por Espaço d Esados No capiulo arior, vimos qu a formulação d um Prolma Básico d Corolo Ópimo Liar, ra cosidrado um sisma diâmico

Leia mais

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL REGULAMENTO BIBLIOTECA FACULDADE IPEL Regulament Bibliteca FACULDADE IPEL Pus Alegre/MG 2014 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESTE REGULAMENTO TEM POR OBJETIVO ESTABELECER NORMAS REFERENTES AO FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

CILINDROS. PNEUMÁTICOS. CILINDROS NORMALIZADOS ISO Ø32 À 200mm ISO Ø10 À 25mm

CILINDROS.  PNEUMÁTICOS. CILINDROS NORMALIZADOS ISO Ø32 À 200mm ISO Ø10 À 25mm CILINDROS PNEUMÁTICOS CILINDROS NORMLIZDOS ISO 6431 - Ø32 À 200mm ISO 6432 - Ø10 À 25mm R Tabelas técnicas TBEL DE FORÇ (Kp), COMPRIMENTO DO MORTECIMENTO (mm) E ENERGI CINÉTIC DO CILINDRO (kgf/cm2) ØCIL.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MICHELE SANTOS DA SILVA ORIENTADOR: ------------------ EDUCADOR E RÁDIO: APONTAMENTOS DESSA RELAÇÃO EM UMA

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores. Manual de Procedimentos

RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores. Manual de Procedimentos RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores Manual de Procedimentos!" ESTRUTURA DESTE MANUAL &'( ) *+,-./0-1 *+,2 % *+,3-445-"-4 6 *+,"-47.2-4 8 *+,4349!.4 : ; 4';

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de ngenhri létric Aul 5.3 Gerdores de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquins létrics: com Introdução à letrônic De Potênci.

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Juliana Azevedo Travassos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Juliana Azevedo Travassos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Prgrm d Pós-Grduçã m Sclg Juln Azvd Trvsss RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: Insucnlzçã Idlg Bl Hrzn 2012 Juln Azvd Trvsss RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: Insucnlzçã Idlg

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

DE NOTICIAS J ANOV São Paulo Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 1951 NÚMERO 1482

DE NOTICIAS J ANOV São Paulo Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 1951 NÚMERO 1482 N úlim págin*. brigds s indúsris JRNL pnáics SS Pul prlisr sus ivids. Vl prvimn d pr Sã Sbsiã sr bid. DE NTCS J NV Sã Pul Sxfir, 23 Fvrir 1951 NÚMER 1482 MEÇ DE GREVE GERL NS ESTRDS DE FERR BRTÂNCS N rcir

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

O sinal Impulso Unitário 1. Definição

O sinal Impulso Unitário 1. Definição O sinl mpuls Uniári. Dfiniçã mpuls uniári mp iscr [n] [ n], n, cs cnrári mpuls uniári mp cnínu, 2. Hisóric O sinl l Dirc fi cri pl físic inglês Pul A. Muric Dirc 92-984 p sr is cm quiln cnínu l Krnckr

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

Revista do Aluno Ensino Fundame ntal nos Iniciais

Revista do Aluno Ensino Fundame ntal nos Iniciais Revist d Al u n Ensin Fun Ans Indmentl iciis A Revist d Alun Ensin Fundmentl Ans Iniciis fz prte d Mteril Didátic crid pel prjet AES Sul n Cmunidde Educr pr Trnsfrmr, pertencente Prgrm de Eficiênci Energétic

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Sessão Técnica. Veículos aéreos não tripulados (VANT) para produção de Informação Geográfica. Ordem dos Engenheiros Região Centro

Sessão Técnica. Veículos aéreos não tripulados (VANT) para produção de Informação Geográfica. Ordem dos Engenheiros Região Centro Ordm d Engnhir Rgiã Cntr Sã Técnic Vícul ér nã tripuld (VANT) pr prduçã d Infrmçã Ggráfic jmrnt@infic.pt Sinfic SA 2013-01-28 Ordm d trblh P r p r ç ã E x c u ç ã A n á l i D f i 10H15: intrduçã (Viã br

Leia mais

2 em 1. código 1005. Ensina, protege e diverte Célula musical e regulagem de altura

2 em 1. código 1005. Ensina, protege e diverte Célula musical e regulagem de altura ê. b e b u e s m c d e c Cres 2 em 1 Ecômic, segur e versátil Nscid há cerc de 18 s, teve iíci cm frecimet r grdes mrcs d mercd. Há 11 s cm mrcs, rduts e sluções róris, Filler rgulh-se de td su trjetóri,

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ«

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ« PROSSOR L M: Trz d átim R. rvh & # m _ Ó Œ bm cm c ri nh n si & # Ó Œ du c tm _ bém. Ns s n, qu ri ri n t, d, ju v cê tm d ns & # 2 4 _ V cê é u m grn d mi g pr fs s r qu ri d qu ns qur tn t ms tr ns s

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Mackenzie Voluntario. Caro apoiador, Redes sociais: 8668 de 30/11/1981), que atua em solo brasileiro há 141 anos.

Mackenzie Voluntario. Caro apoiador, Redes sociais: 8668 de 30/11/1981), que atua em solo brasileiro há 141 anos. C, O Mkz Vlá é m j sl Mkz, sm fs lvs (D º 8668 3/11/1981), q m sl bsl há 141 s. Iml m 24, m m l fl ssblz, mblz g s s ss gs, gss, lbs, fsss, ls, gs ls, fs, s, mgs fmls m mvm xmçã s ms q bgm s ss m, lém

Leia mais

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular Cpíulo IV Torção de Peçs Lineres 1 CPÍTULO IV TORÇÃO DE PEÇS LINERES.1. Inrodução. sorção ou rnsmissão de esforços de orção: o Veios ou árvores de rnsmissão o Brrs de orção; ols; Esruurs uulres (veículos

Leia mais

Perspectivas para 2015 CONFIRA NESTA EDIÇÃO EDITORIAL

Perspectivas para 2015 CONFIRA NESTA EDIÇÃO EDITORIAL E D U C A Ç Ã O I N FA N T I L E E N S I N O F U N D A M E N T A L Nº8 An 4 EDITORIAL Prspctivs pr 2015 Ouvims, pr td nss vid, dizrm qu águs prds nã mvm minhs. Nã só nã fzm cm tmbém sã fnts d dnçs, cntminçõs

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350)

SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350) SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350) NOTAS IMPORTANTES 1. Documento atualizado mensalmente com o objetivo de ser o referencial do

Leia mais

EccoS Revista Científica ISSN: 1517-1949 eccos@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

EccoS Revista Científica ISSN: 1517-1949 eccos@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil ES Rv Cníf ISSN: 1517-1949 @unnv.br Unvrdd Nv d Julh Brl d Sn, Slvn Clud Dund br vã m um ur d lnur m mmá dân ES Rv Cníf, núm. 34, my-g, 2014, pp. 161-178 Unvrdd Nv d Julh Sã Pul, Brl Dpnívl m: hp://www.rdly.rg/rul.?d=71532890010

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

BANKSYNC ALGORITMO PARA GERAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS (DLL)

BANKSYNC ALGORITMO PARA GERAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS (DLL) OBJETIVO O algritm para geraçã d códig de barras (dll) utilizad n SAP Business One (SBO) deve ser instalad e cnfigurad adequadamente para pssibilitar a visualizaçã e impressã de blets lcalmente, assim

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

VIDA PROJETO DE DICAS: N 6. Músicas e Poesias: REALIZAÇÃO: Pra você aprofundar no tema: Sites de busca: OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE DA UFMG

VIDA PROJETO DE DICAS: N 6. Músicas e Poesias: REALIZAÇÃO: Pra você aprofundar no tema: Sites de busca: OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE DA UFMG DICAS: N 6 Pr vcê prfdr m: Múc P: JUVENTUDE EM/ IN FORMAÇÃO Al Abrç, Glbr Gl Flm D d fcrm rê c, Frd Sb Hrz D, L Hrm Em lgm lgr d fr (pód d ér Cdd d Hm ) Cmç chcr-m, Álvr d Cmp N m d cmh, Crl Drmmd d Adrd

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

jornais comemoram 400 anos em 2005

jornais comemoram 400 anos em 2005 jrnis cmmrm 400 ns m 2005 AnXX Númr 2 Curs d Jrnlism d UFSC Flrinóplis, MrçAbril d 2005 Acrv: Biblitc Públic d Snt Ctrin Nº CURSO UFSC CCE Acrv: Biblitc Públic d Snt Ctrin PESUISA Jrnlism é inslubr, ms

Leia mais

Avalanche de Informação

Avalanche de Informação Avalanche de Informação Marcos N. Lessa Xerox Global Services marcos.lessa@xerox.pt SIAP 2009 1 Qual é o problema? Sobrecarga de infoem papel: O mito do escritório sem papel: 15,2 triliões de páginas são

Leia mais

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do LEI Nº 181/2010 Dispõ sbr Municipl quçã 051/2006 d Li 14, gst 2006, qu trt sbr Cnslh Municipl Alimntçã Esclr CMAE, s dispsiçõs d Li Frl junh 2009 MEC/FNDE/DAE-CD julh 11.947, 38, 2009, 16 Rsluçã dá 16

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Multiplataforma expansível que oferece. a exclusiva tecnologia ELOS. www.skintecmedical.com.br. Sinergia da Luz e Radiofrequência

Multiplataforma expansível que oferece. a exclusiva tecnologia ELOS. www.skintecmedical.com.br. Sinergia da Luz e Radiofrequência Multiplatafrma expansível que ferece TM a exclusiva tecnlgia ELOS Sinergia da Luz e Radifrequência Ajuste individual da Energia Óptica e da Energia de RF para alcançar a máxima eficiência. Interface de

Leia mais

Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO

Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO Abrgns Administrtivs ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4 2009 Administrçã Cintífic Tylr (TAREFAS) Estu s rtis prdutivs slçã trblhr Incntiv slril cndiçõs mbintis trblh

Leia mais