Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Pesquisa Económico Aplicada (IPEA)"

Transcrição

1

2 Emprgs n Brsil ririds lítics Escritri d Bnc Mundil n Brsil Rgiã d Améric Ltin Crib Institut squis Ecnómic Aplicd (IEA) Vic rsint LCR: Dirtr LCC5C: Dirtr LCSHD: Ecnmist rincipl: Lír d Equip: Dvid Frrnti Vind Thms An-Mri Arrigd Jchim vn Amsbrg Inrmit S. Gill Bnc Mundil SCN, Qd. 2, Lt. A, Ed. Crprt Finncil Cntr Cj. 303/304 - Brsíli, DF Tl.: (61) Fx: (61) , Grup Bnc Mundil, tds s dirits rsrvds

3 Emprgs n Brsil ririds lítics Exist mnir mlhrr mrcd trblh n Brsil, md qu l pss funcinr mlhr, qulifiqu mis brsilirs pr ncntrr mprgs mis bm rmunrds, distribu s prtunids cnômics frm mis quânim diminu incrtz instbilid ds fluxs rnd ds trblhdrs? O Institut squis Ecnômic Aplicd (IEA) d Brsil Bnc Mundil trblhrm m cnjunt pr rspnr sts prgunts. O rsultd su stud fi publicd m Brzil Jbs Rprt (Rltóri sbr Emprgs n Brsil) (Bnc Mundil, 2002). O rltóri sbr plítics, Vlum I, rsum s principis qustõs prsnt rcmndçõs sbr plítics. O Vlum II cntém s dcumnts ntcnts ncmndds pr rltóri, s quis nlism snvlvimnt d mrcd trblh n Brsil, prsntm tul xpriênci intrncinl rlvnt discutm pçõs plítics. Sã muit divrgnts s piniõs sbr funcinmnt d mrcd trblh d Brsil sbr ncssid u nã rfrms. Discutms tx lvd rttivid mprg, grn str infrml smprg scnnt, ppl ds sindicts trblhists, slári mínim grn númr cuss trblhists. O rltóri trt sistmticmnt tds s spcts d mrcd trblh brsilir qu stã n cntr d bt públic n pís gvrnnç d mrcd trblh, funcinmnt d mrcd trblh prduts d mrcd trblh sugr pçõs plítics pr mlhrr sus instituiçõs, rgulmntçõs intrvnçõs. Exmin cntxt mcrcnômic cm librlizçã d cmérci, stbilizçã just fiscl s rlcinm cm mrcd trblh ftm. A nális tmbém dispns tnçã cuidds às instituiçõs d mrcd trblh spcilmnt sistm d justiç d trblh s sindicts. A quip chgu à cnclusã qu s qustõs rlmnt cntris sã s prduts d mrcd trblh, spcilmnt mprgs, prdutivid gnhs sgurnç rnd. Os critéris pr s trminr s mrcd trblh stá funcinnd bm sã: s crscimnt cnômic cri mprgs nvs bm rmunrds u nã; s s invstimnts m ducçã s nvs tcnlgis rsultm m prdutivid gnhs mis lvds u nã; s xist rzávl crtz ns fluxs rnd ds trblhdrs sus fmílis (Figur 1). O rltóri intific divrss mtivs pls quis sã ncssáris rfrms trblhists sugr pririds um sqüênci nst difícil ár plítics públics. Cnscint ds dificulds plítics qu rim s rfrms trblhists, quip prsnt um cnjunt pçõs plítics, msts rdicis, cm bs pr cisõs çõs viávis rlists. Outr imprtnt cntribuiçã st trblh é su nfqu clr bix rnd d Brsil, cnsirnd xplicitmnt s implicçõs d funcinmnt d mrcd trblh d rfrm pr s trblhdrs bix rnd. 1. A qustã ds instituiçõs trblhists ncssid dptrm-s às cndiçõs cnômics As instituiçõs rgulmntçõs têm um nrm influênci sbr funcinmnt d mrcd trblh vm sr justds smpr qu s circunstâncis cnômics mudm. As instituiçõs qu dminm mrcd trblh n Brsil sã

4 4 Figur 1: Qudr nális Rsultds d mrcd trblh Mcrcnmi (Dmnd mrcdris srviçs) Funcinmnt d mrcd trblh Qulid quntid d frç trblh Instituiçõs d mrcd trblh, rgulmntçõs, intrvnçõs Cnstituiçã Frl, sistm tribunis d justiç d trblh s sindicts trblhists. As principis rgulmntçõs trblhists sã s qu rgm s bnfícis slriis nã-slriis pr s mprgds, s nrms brigtóris rscisã s rgrs pr ngciçã cltiv. A situçã cnômic d Brsil mudu drmticmnt: um crscimnt lvd, cm um cnmi lt inflçã, dmind pl str públic fchd, ns décds , pr um crscimnt rduzid, cm um cnmi bix inflçã, lird pl str privd rltivmnt brt, s mds d décd Ms s instituiçõs qu rgm s litígis trblhists, rbitrgm ngciçã cltiv puc mudnç sfrrm s qu frm stblcids n décd O Brsil prcis mntr qu stá funcinnd ltrr qu nã stá, d msm frm cm Cnstituiçã fi mudnd lng ds ns. As rgulmntçõs trblhists sã ncssáris pr grntir cndiçõs trblh sgurs justiç ns cntrts mprg ntr mprgdrs trblhdrs, inclusiv pribiçã mprgdrs mprgds ntrrm m cnlui u discriminrm n ngciçã cntrts. Algums rgulmntçõs stinm-s grntir pgmnt mínim sgurnç d mprg, ms, qund brigm trblhdrs mprgdrs cntrts msidmnt rstritivs, pm cbr prjudicnd cpcid d mrcd trblh s justr cm flxibilid pr prmvr mprg prdutivid. As lis trblhists n Brsil prsntm sintms prblms: s mprss s vêm cm muit mis nrss d qu s utrs píss muits trblhdrs stã snd mpurrds pr str infrml n qul s rgulmntçõs nã s plicm. Cm muits ds Rfrm institucinl: Cuidd cm s mlhrs prátics Análiss ds mlhrs prátics prduzm dirtrizs útis snsívis pr rfrm institucinl: dispnsr sistmticmnt tnçã gnhdrs prdrs ptnciis; lbrr squms cmpnsçã qu sjm pliticmnt viávis; mprr s bnficiáris prprcinr-lhs sclh; crir instituiçõs qu cmplmntm s xistnts; invr pr ncntrr instituiçõs qu funcinm scrtr s qu nã funcinm. Ms qu é mlhr m um trmind situçã p nã funcinr bm m utrs. Exist tntçã cpir instituiçõs strngirs qu stã btnd bns rsultds, ms nm smpr mls institucinis sã trnsplntds cm êxit. E, qund ist cntc, s msms mls pm trnr-s bslts mis tr. As instituiçõs vm sr tulizds, frm cnsrvdr ms cnstnt. A própri xpriênci d Brsil cm instituiçõs d mrcd trblh frnc um xmpl. O rsint Gtúli Vrgs inspiru-s ns struturs trblhists crprtivists d Itáli d décd 1930, mvid tlvz muit mis pr cnvniênci plític d qu pr um vliçã bjtiv su dptbilid s hábits sprnçs brsilirs. Ests instituiçõs nã sfrrm qulqur rrnhã nm msm qund mudnçs cnômics plítics ltrrm rdiclmnt rlcinmnt ntr mprgdrs trblhdrs n Brsil n rst d mund. A cntrári, muits sts crctrístics frm ngssds n Cnstituiçã. Fnts: Building Institutins fr Mrkts, Bnc Mundil, 2001, Bynd th Wshingtn Cnsnsus: Institutins Mttr, Burki, rry utrs (1998).

5 nrms trblhists d Brsil stã incrprds n Cnstituiçã, é xtrmmnt difícil mudá-ls. Intrvnçõs cm trinmnt, ssistênci n busc mprg, sgur-smprg, micrcrédit squms trblh públic pm judr crrigir prblms spcífics flhs d mrcd. Su impct v sr cnstntmnt vlid s mls justds, msm tmp m qu s busc crrigir s flhs d mrcd qu trnm ncssáris s intrvnçõs. 2. As tndêncis n mprg, n prdutivid n sgurnç rnd sugrm qu rfrm d mrcd trblh é ncssári n Brsil Criçã insuficint mprgs lvçã d smprg Aumnts cnstnts n frç trblh n mprg pm lvr rnd ncinl bmstr cnômic d ppulçã tmbém sã imprtnts um pnt vist scil étic. A flt mprg p cmprmtr ut-stim ds psss bm-str sus fmílis, msm qund rcbm pi finncir. Até 1996, mrcd trblh n Brsil prcu crir mprgs suficints pr ppulçã crscnt. Ms, s ntã, grçã mprgs nã tm cmpnhd ritm d crscimnt d frç trblh smprg lvu-s crc 6% pr 8%. Além diss, s prticipçã ds hmns n frç trblh ( prcntul ds hmns ns qu trblhvm u prcurvm mprg) nã tivss cíd 61 pr 56 cd 100 hmns s 1991, m 2001 s txs smprg srim prximdmnt dbr ds tuis (Figur 2). Bixs nívis prdutivid O vlr grgd pr trblhdr n Brsil fi mis bix m 2000 d qu m 1980; cmprtivmnt, vlr grgd d Chil crscu m 50%, d Tilândi mis d qu dbru d Créi qus triplicu lng d msm príd. O Brsil tm um déficit prdutivid mã--br qu scil 33% 50% m cmprçã cm píss nívis rnd smlhnts, cm Mlási Méxic. Sgurnç inqud rnd A miri ds indivídus prfr um flux cnstnt gnhs R$500,00 pr mês um flux rnd médi R$500,00, ms qu flutu ltrimnt ntr 0 R$1.000,00. A sgurnç rnd u gnhs é spcilmnt imprtnt pr s psss qu birm linh d pbrz. Nrmlmnt, rnd cnsum vrim mns d qu s mudnçs d IB. A vltilid d crscimnt d IB n Brsil ns dus últims décds nã fi suprir à sus vizinhs ltin-mricns, ms cnsirvlmnt suprir à ds píss d OCDE. E vltilid d crscimnt d cnsum n Brsil fi mis lt d 5 Figur 2: N últim décd, ppulçã m id trblh crscu mis rpidmnt d qu mprg Indic (Jnir 1991=100) pulçã m id trblh Emprg 90 Jn-91 Jn-92 Jn-93 Jn-94 Jn-95 Jn-96 Jn-97 Jn-98 Jn-99 Jn-00 Jn-01 Fnt: ME d IBGE

6 6 qu vltilid d crscimnt d su IB, cntrári d qu crru ns píss d OCDE. Os sláris frm mis vlátis n Brsil d qu smprg, vid às frqünts mudnçs mprg, rfrçnd ssim ncssid rpnsr s rgulmntçõs qu prprcinm incntivs à mudnç mprgs, cm fund rscisã. 3. Mcrcnmi mnd mã--br Huv três mudnçs rdicis s finl d décd 1980 n cnjuntur cnômic brsilir: s txs inflçã círm pr um só dígit; s brrirs cmérci invstimnt intrncinis frm rduzids; um just fiscl m ndmnt stá diminuind ps cnômic d gvrn. Tud ist implic mudnçs cnsirávis n mnd d mã--br, ms s instituiçõs d mrcd trblh puc mudrm. Inflçã just d mrcd trblh às cntrçõs cnômics A lvd inflçã d pssd rcnt trnu rltivmnt fácil pr mrcd trblh just às cntrçõs cnômics à qud n mnd mã-br pr mi quds ns sláris ris. Ms cm inflçã bix pribiçã ds lis trblhists brsilirs à rduçã Tbl 1 - Aumnt d smprg ís % Brsil 2, 8 Argntin 7, 7 Chil 1, 4 Clômbi 9, 2 Méxic -0, 5 Espnh -2, 1 rtugl -0, 7 Itáli 1, 5 Almnh 3, 1 íss Bixs -3, 1 Rin Unid -1, 5 EUA -1, 6 Créi - Tilândi - Fnt: CEAL OIT Nt: N cs ds píss ltinmricns: ns sláris nminis, rstm pucs pçõs s mprgdrs pr rspnr à qud n mnd nã sr crtnd mprgs. Grns umnts n nívl d slári-mínim rl d Brsil n finl d décd 90 umntrm rigiz d slári rl. N mdid m qu crscimnt cnômic sclru, crscimnt d mprg diminuiu su ritm, smprg lvu-s prcl trblhdrs infrmis (utônms u sslrids) umntu (Tbl 1). A qud d inflçã p rfrm ns instituiçõs rgulmntçõs qu impm flxibilid d slári pr bix. Abrtur d cmérci mrcd trblh A cnmi brsilir trnu-s muit mis brt cm rmçã brrirs nã-trifáris, cm s grns rduçõs ns trifs imprtçã cm us librd d tx câmbi cm frrmnt stbilizçã stind umntr s prssõs cmptitivs n mrcd ds bns cmrcilizávis. Ist lvu s prçs ds bns nãcmrcilizávis s lvrm m rlçã s prçs ds bns cmrcilizávis, um vz qu sts nfrntvm um cncrrênci mis dur ns mrcds glbis. Tipicmnt, s cnmis qu s brm sã submtids mudnçs m sus pdrõs prduçã, qu, pr su vz, crrt mvimnts crrspnnts ns insums, inclusiv n mã--br. Em grl, mprg (nãqulificd) primir ci ns strs bns cmrcilizávis pis mnd pr trblhdrs (qulificds) umnt à mdid qu sts strs s trnm mis cmptitivs. N Brsil, crru um qud mprg n indústri, m grn prt ns mprgs d str frml, frt mprg crscu n str srviçs, qul, dint d tul inflxibilid ds lis trblhists, tn cntrtr m cndiçõs infrmlid. As rfrms d cmérci rfrçrm ncssid flxibilid n mã--br. O just mcrcnômic s plítics trblhists cminhm junts Cm Brsil pssu pr três rfrms struturis mcrcnômics, ms nã vnçu ns plítics trblhists, pr-s-i dizr qu pís nfrnt hj um grn cúmul prblms n ár d rfrm plítics trblhists pr cmplmntr s justs mcrcnômics. S rfrm ds plítics cmérci xtrir mntári é difícil m um mcrci vigrs cm d Brsil, um rfrm

7 durdur plítics n cmplx ár ds mrcds trblh prc ind mis árdu. Sri imprunt irrlist sprr qu Brsil mudss su plític trblhist rpidmnt u um hr pr utr. Flizmnt, té msm um brdgm grdtiv à rfrm trblhist s qu rzvlmnt bm lbrd pri sr ficz n sntid mlhrr s rsultds. 4. Quntid qulid d mã--br Os dis fts mis imprtnts rfrnts à frt d mã--br n Brsil sã umnt d prticipçã d mulhr fsgm n frmçã prfissinl, pnrm qu impõ rstriçõs s prduts d mrcd trblh. As lis trblhists prcism trnr-s mis flxívis à mdid qu umnt divrsid d frç trblh A prticipçã d frç trblh fminin n Brsil umntu mns 4 pr cd 10 mulhrs m 1976 pr qus 6 cd 10 tulmnt (Figur 3). (A tx prticipçã ds hmns é 86%.) Cm cntc m utrs píss, muits mulhrs brsilirs cnsgum mprg m rgim tmp prcil n str srviçs. N mdid m qu s trblhdrs s rrnjs s divrsificm, s lis trblhists tmbém prcism trnr-s mis flxívis. A lgislçã trblhist brsilir, lbrd crrtmnt n csiã, qu rgulmnt um frç trblh chfs fmíli (hmns) mprgds m tmp intgrl sb cntrts frmis it hrs pr di m mprss mnuftur, é inqud pr b prt d frç trblh d Brsil hj. A inflxibilid s ncrgs trblhists induzm s mprgdrs, té crt pnt s mprgds, s nvlvrm m cntrts trblh fr ds nrms trblhists. A frt mã--br ltmnt qulificd é muit bix O trblhdr médi brsilir tm pns 4,6 ns sclrid, qu é bix pr rgiã stá muit bix ds nívis d OCDE. E frt rltiv trblhdrs cm ducçã suprir ciu. O bix invstimnt m cpitl humn rstring prdutivid invçã inib utrs prduts d mrcd trblh: s trblhdrs qu pssum ducçã suprir têm 20% mis prbbilid Figur 3: As mulhrs prticipm cd vz mis d frç trblh rticipçã d mulhr n frç trblh 65% 60% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 36.3% 40.6% 47.0% 56.6% prticipr d mrcd trblh qu s quls qu só têm sclrid lmntr, sã 38% mns prpnss ficrm smprgds 6 vzs mis rápids m ncntrr um nv mprg qund smprgds. Nã rst dúvid qu mrcd trblh frc lts rtrns privds à ducçã. Os rtrns privds pr um n dicinl ducçã pr psss cm ducçã suprir subirm crc 30% s 1982, ms umnt m rlçã à ducçã scundári fi muit mnr d qu n Méxic n Clômbi, pr xmpl, qu sinliz ncssid qu Brsil tm lcnçr um rápid prgrss tcnlógic. 5. O mrcd trblh d Brsil strutur, rttivid, litígi infrmlid 59.1% Mudnçs n strutur mprg xigm mudnçs n rgulmntçã A strutur d mprg n Brsil sguiu pdrã típic, slcnd-s d gricultur pr indústri st pr srviçs. Dus utrs imprtnts mudnçs sã umnt d prcl d frç urbn trblh qud ns txs sindiclizçã. Ms s lis trblhists nã cmpnhrm s mudnçs. O cntrt trblh pdrã finid pr li nã crrspn às cndiçõs trblh m tds s prts d cnmi. Um cntrt spcil fi finlmnt prmitid n str grícl (pis 55 ns) é ncssári qu utrs strs cmpnhm. 7

8 8 As instituiçõs d mrcd trblh umntm rttivid d mã--br? A rttivid d mã--br é ssncil pr mrcd trblh tr cndiçõs tnr à mnd. Ms crrt custs pr mprgdrs mprgds: umnt d insgurnç rnd prd ptidõs spcífics pr trblh, qu p rduzir prdutivid s sláris. E s mprgdrs, n xpcttiv lt rttivid, têm mns incntiv pr invstir n trinmnt individul ds trblhdrs. A rttivid d mã-br n Brsil é xtrrdinrimnt lt umntu 60% , chgnd pnt um m cd três trblhdrs mudr mprg tds s ns. Rcnts studs indicm qu snh d Fund d Grnti pr Tmp Srviç (FGTS) prc subsidir, prtnt, xcrbr rttivid d mrcd trblh, xplicnd prcilmnt bix prdutivid d mã--br n Brsil (pr xmpl, Brrs, Crsuil Bhi, 1999 Mlny, 1999) (Figur 4). É msid lt númr cuss trblhists? Tds s ns, trblhdrs intrpõm crc 2 milhõs çõs judiciis cntr mprgdrs ns tribunis trblhists d Brsil, qu srvm à justiç d trblh. Ist rprsnt mis d qu 6% tds s trblhdrs sslrids s cuss trblhists umntrm 60% lng d últim décd. As mprss ssumm cust ds txs fris lgis, ms cust mir, ssumid pr tds, é prfund mudnç ns rlçõs trblh qu s crdit crrr ss ft, trnnd s mprss cutlss n tcnt nvs cntrtçõs, lvnd s custs rduzind mprg. O str infrml é msid insjvlmnt grn? O str infrml n Brsil crscu crc 34% d frç trblh m 1990 pr mis su mt. Qutr cd cinc ds 17 milhõs trblhdrs utônms d Brsil dizm qu prfrm su mprg infrml um mprg n str frml, ms 27 milhõs trblhdrs infrmis, qu cmpõm 28% d frç trblh, prfririm trblhr n str frml. Os dis grups nã cntribum pr prvidênci scil, têm puc u nnhum css prgrms pi à rnd sgur-smprg nfrntm um gru incrtz muit mis lt qunt à su rnd futur. 6. A trminçã crrt d pgmnt d mã--br Tds s mprgdrs d str frml vm pgr Figur 4: Litígi, infrmlid rttivid umntrm s s ns Litígi Infrmlid Rttivid mprg Índic mi 1982= My-82 My-84 My-86 My-88 My-90 My-92 My-94 My-96 My-98 My-00 Nt: O litígi é mdid cm númr css judiciis pr trblhdrs Fnt: Suprm Tribunl Frl ME d IBGE

9 pl mns slári mínim stblcid pr li, lém um décim trcir slári n fim d n, um slári fmíli/ducçã, sláris mis lvds pr hrs xtrs trblh nturn, lém cntribuir pr trinmnt ds trblhdrs. Ests bnfícis slriis brigtóris crscntm crc 35% slári básic. Os principis bnfícis nãslriis brigtóris (féris rmunrds, cntribuiçõs brigtóris pr cnt d FGTS pr miri ds mprgds cntribuiçõs sistm ncinl prvidênci scil) tipicmnt custm pr mprgdr utrs 35% d slári básic. Os trblhdrs pm ngcir cntrts nãpdrã pr mi ngciçã individul u cltiv, ms, pr li, sts vm sr n mínim tã gnrss m cd spct prticulr qunt cntrt pdrã. N cs ds trblhdrs prdutivid rltivmnt lt, lgislçã d slári-mínim nã é vinculnt s mprgdrs pm justr s sláris md qu mntnt glbl (bnfícis slriis mis bnfícis nã-slriis) sj prprid. Ms s mprgdrs sã frçds pgr s trblhdrs cuj prdutivid fic bix d slári mínim mis qu su vlr mrcd. Qunt mis bix prdutivid d trblhdr, mis nrs lgislçã é pr mprgdr mir incntiv pr vdi-l u vitá-l, qu cb lvnd trblhdrs pr str infrml, n qul crcm prtçã lgl. Um imprtnt justifictiv pr slári-mínim é su cpcid rduzir pbrz. Ms, s slári-mínim fr fixd m nívl msidmnt lt, fit psitiv rnds mis lts pr trblhdrs m mprgs d str frml bixprdutivid prá sr suprd pl fit ngtiv sbr mprg n str frml. Qund primir slári-mínim lgl fi rginis difrnts, qu pssrm pr 39 nívis m Em 1984, nívl d slári mínim fi pdrnizd m td nçã ns nívis (mis lts) qu prvlcim n Sul n Sust (Figur 5). Ms, rcnhcnds qu sláris rzávis n Sul n Sust sã msid lts pr Nrst, qu é mis pbr, m bril 2000 s sláris mínims spcífics pr rgiã frm rintrduzids, stblcnd-s um mínim pr âmbit frl. O slári-mínim rl umntu R$120,00 pr R$180,00 ntr (prçs nvmbr 2001). Ms ficáci ds sláris-mínims rginis difrncids pr lvr s trblhdrs mis pbrs pr frmlid pn qu mínim frl sj mntid bix. Nvs prpsts pr prmitir qu s crds ngciçã cltiv s sbrpnhm à lgislçã trblhist prsntm um intrssnt ptncil pr trnr mrcd trblh mis flxívl, ms sã prblmátics, prqu s lis tuis sbr ngciçã cltiv filiçã sindicts rduzm s incntivs ds sindicts rprsntr s intrsss cnômics ds trblhdrs mis pbrs. O rltóri fn qu mlhr mnir Brsil judr s sgmnts mis frcs d ppulçã é liminr prgrssivmnt s bnfícis nã-slriis brigtóris cntr s umnts d slári mínim frl. Ist pri prcr um cntrdiçã, ms prvvlmnt rduziri infrmlid ntr s psss bix rnd, diminuiri númr cuss trblhists, ss frm, umntri prdutivid, mprg sgurnç gnhs. 9 Figur 5 - Os sláris mínims sã mis vinculnts n Nrst rcntul d ttl ncinl Sul Sã ul Sust Nrst Outr rcl n mprg d str frml rcl n frç trblh cm slári mínim

10 10 7. Mlhr linhmnt ds incntivs As nrms qu tulmnt rgm rscisã mnir cm s tribunis trblhists funcinm n sluçã disputs trblhists n cumprimnt ds cntrts trnm mrcd trblh mis dvrs, crim incntivs prvrss pr s trblhdrs cmprmtm prdutivid. Bnfícis brigtóris d rscisã Os trblhdrs têm dirit rcbr qutr bnfícis principis pr csiã d rscisã: pgmnts sgur-smprg; vis prévi um mês cm pgmnt intgrl; dirit scr dinhir su cnt d FGTS, pr qul s mprgdrs cntribum cm crc um slári mnsl pr cd n srviç qu rn um tx rl jurs 3% grntid pl gvrn;, qund missã nã fr pr just cus (pr xmpl, pr rzõs cnômics u pr um mr cprich d mprgdr), mprgdr vrá pgr trblhdr um mult 50% d sld cumuld d FGTS. Os pgmnts dicinis pm chgr qus um slári nul, qu signific pr s mprgds um frt incntiv pr prvcrm ls própris missã, spcilmnt qund cnmi stá frt (Tbl 2). Os mprgdrs muits vzs s rcusm pgr mult pr srm lvds tribunl, prqu sts cm frqüênci cim prcilmnt m su fvr, prdnd crc 40% d mntnt disputd. Ist umnt númr cuss judiciis. ir ind, s trblhdrs mis pbrs mvm mis çõs, prsumivlmnt prqu ls cm mis frqüênci prcism d dinhir sus cnts d FGTS. Ist p trnr s mprgdrs mis hsitnts m ssinr cntrts frmis mprg cm st grup trblhdrs. É óbvi ncssid mudnçs pr rduzir s çõs trblhists, s cmprtmnts nãcprtivs lt frqüênci cntrts infrmis. Um sluçã ptncil sri mudr lgislçã prmitir ngciçõs dirits individuis pr mi cntrts cltivs m nívl mprs cm prticipçã d sindict. Ist xigiri dus ltrçõs: um nv sistm bsd mns n idéi justiç mis n idéi disput sindicts qu tussm mis cm rprsntnts ds trblhdrs fssm mis snsívis às cndiçõs ds mprgdrs. D msm frm, s fss xigid tds s mprss nvlvids m cuss n justiç d trblh qu pgssm n íntgr sus brigçõs fiscis (pr xmpl, prvidênci scil, utrs impsts), ls trim um incntiv pr vitr s tribunis trblhists pgr s bnfícis ngcids cm s trblhdrs. O sistm d justiç d trblh funcinri ntã mis pr fisclizr cumprimnt ftiv ds cntrts qu pr ngcir ntr trblhdrs mprgdrs. Finlmnt, mbr FGTS sj bsd m um sólid princípi cnômic tnh significd um clr mlhri n sistm qu substituiu, su snh pri sr mlhrd pr mudnçs qu ssgurssm mlhrs rtrns sbr s slds d FGTS impusssm pnlids pr s missõs injusts srm rclhids m um fund qu bnficiss tds s trblhdrs nã pns indivídus. Tbl 2: Os bnfícis d rscisã pm crscntr té um n slári msm pr trblhdrs cm puc tmp mprg Bnfíci Sgur-smprg FGTS Mult pr cus Avis révi missã sm just Qulificçã A miri ds trblhdrs frml d str A miri ds trblhdrs d str frml (qu nã sj pr jud fmilir) Tds s n FGTS Tds s frml trblhdrs qu têm cnt trblhdrs d str Mntnt d bnfíci 1 2 sláris-mínims 3 5 pgmnts, pnnd d históric d cntribuiçã 8% d slári pr 3% mês, cm tx grntid 40% d sld (Os mprgdrs pgm 10% xtrs gvrn) Avis prévi mês slári missã um mês u um

11 8. Mlhri d sgurnç rnd Um imprtnt qustã n lbrçã intrvnçõs stinds mlhrr sgurnç rnd é s v-s dr mir ênfs smprg u à pbrz, qu ft muit mis psss. Em 2000, hvi milhõs pbrs n Brsil (pnnd d linh d pbrz usd) 6 10 milhõs smprgds (pnnd d finiçã smprg), ds quis 70% 80% prtncm dmicílis bix rnd. As plítics rfrnts à rduçã d pbrz prcism stcr mdids pr umntr prticipçã d frç trblh pr psss nã-tivs n mrcd trblh mdids pr umntr s gnhs d trblhdr bix rnd. cndicind à prticipçã n Fund Grnti pr Tmp Srviç (FGTS). Os trblhdrs infrmis cm bixs sláris nã sã cbrts nm pl FGTS nm pl sgur-smprg, psr d prbbilid rltivmnt lt qu s trnm smprgds (Figur 6). Sri sjávl pssívl frcr lgum frm pi rnd n príd smprg s trblhdrs d str infrml, nqunt s mntém pi à rnd pr grss ds trblhdrs pr mi um rfrm snsívl d FGTS. O rdircinmnt d sistm tul sgur-smprg pr tnr às psss bix rnd pri sr um mnir bix cust judr s mis pbrs d Brsil miri ds trblhdrs prpnss smprg. 11 As txs smprg sã mis lts ntr s mulhrs, s jvns qu prcurm mprg, s trblhdrs d str infrml s psss sm ducçã suprir. Três intrvnçõs principis vism rduzir smprg umntr s gnhs: prgrms micrcrédit; trinmnt; ssistênci n busc mprg. As vliçõs su impct rl sbr smprg prdutivid n Brsil cnsttm qu s rsultds stã muit bix ds xpcttivs tórics, ms cmptívis cm xpriênci intrncinl. Acss Sgur-Dsmprg 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% Figur 6: rgrms css pi à rnd Sgur Ds. FGTS 10% 40% rcntil d rnd fmilir Fnt: s Brrs utrs (Vlum II, Cpítul 10). O sistm sgur-smprg d Brsil é mir d Améric Ltin, tnnd 300 mil 400 mil bnficiáris pr mês. Ofrc bnfícis pquns (nã mis qu dus vzs slári mínim) pr um curt durçã, é rstrit s trblhdrs d str frml 9. Rsum pririds plítics Cnclui-s qu sã ncssáris rfrms trblhists pr trminr crrtmnt prç d mã-br prmvr crscimnt d mprg, linhr s incntivs qu s trblhdrs prcism pr umntr prdutivid d mã--br s sláris mlhrr s prgrms sgurnç rnd fim qu s trblhdrs sus fmílis s sintm mis 100% 90% 80% 70% 60% 50% Acss FGTS prtgids. As principis rcmndçõs (Tbl 3) pr lvr ist cb sã: liminçã subsídis à rttivid d mã--br, slcmnt ds ngciçõs ds tribunis trblhists pr lcl trblh, slári-mínim ncrgs nã-slriis mis bixs liminçã sbrpsiçõs prgrms sgurnç rnd xpnsã su cbrtur. A tbl bix rsum s fits qu sss mudnçs trim sbr funcinmnt d mrcd trblh s principis fits sbr s prduts d mrcd trblh. **********

12 rcmndd lític sbr Impct mrcd d funcinmnt trblh prduts s sbr Impct trblh mrcd d pgmnt sistm d Rfrm rscisã cnts s sbr mrcd txs gr () FGTS d ds fund pr rvrtr mult Fzr (b) jurs tx umntr pr trblhdrs FGTS d cnts s sbr nã Gvrn, FGTS d mult gr (c) trblhdrs s injust missã pr mult Eliminr (d) rimári: rttividd Mnr litígi Mns Scundári: rimári: r Mi prdutivid mprg Mis Scundári: slári-mínim d bix mis ct slári-mínim d fixçã Rginlizr () nã-slriis bnfícis s Rduzir (b) brigtóris rimári: infrmlidd Mnr litígi Mns Scundári: rimári: prtçã Mlhr scil mprg Mis Scundári: lcl n ngciçõs s Incntivr trblh - sindicts criçã n librd Mir () sindicl(b) unicid d cláusul liminr - sindicts s pr cncrrênci Mir s brigtóris cntribuiçõs s liminr sindicts rimári: litígi Mns rttivid Mnr Scundári: rimári: mprg Mis Mir Scundári: prdutivid flxívis mis cntrts s Trnr sjm rjustds sláris s qu rmitir () bix pr sjm cltivs cntrts s qu rmitir (b) ntrirmnt cntrts s qu bixs mis ngcids rimári: rttividd Mnr litígi Mns Scundári: rimári: mprg Mis Mir Scundári: prdutivid tribunis ds funcinmnt Mlhrr trblhists CLT ntr incrêncis Eliminr () pr d utilid Avlir Cnstituiçã(b) rbitrgm rgrs s Avlir nrmtiv(c) tribunis ds cisõs ds justiç rimári: litígi ns M : rimári mprg Mis s pr sgurnç r Amplir Ampr Fund - trblhdrs (FAT) Trblhdr pr sgur-smprg Rdircinr () sslrids s infrml slári s micrcrédit Dircinr (b) s utônms trblhdrs micrmprsáris à ssistênci trinmnt Dircinr (c) prcurm mprg qu s mprg busc frml str n sbr impct qun mrcd d funcinmnt trblh rimári: prtçã Mlhr scil mprg Mis Scundári: mbint n trinmnt Mlhrr (Sistm) trblh sbr impct qun mrcd d funcinmnt d mi pr funcin - trblh mã- frt d qulid br rimári: r Mi prdutivid Tbl 3 - As principis rcmndçõs

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1

A Revolução da Longevidade: impacto na sociedade, na família e no indivíduo1 A Rvluçã d Lngvid: impct n scid, n fmíli n indivídu1 Ursul Lhr2 Rs A plstr mnstr s mudnçs mgráfics (lt xpcttiv vid, nt rápi grup ds pss iss), trzn ds d Almnh Singpur, nlisn impct sts ltrçõs d strutur ppulcinl

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO DE 2005 1.Dt,

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. -

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. - SEGURS N Sgurs, S.A. Zn Industril d Mi - Sctr IX - Lt 20 Mrir d Mi 4470 440 Mi infvnsgurs.pt wwwnsgurs.pt Tl 707502525 Fx 22090 77 77 RELATÓRI & CNTAS Exrcíci d 2012 N SEGURS, S.A. SEGURS Griçj 1ntpici

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade

FUND. Empréstimo. Empréstimo Sabesprev Uma opção segura para seu sonho virar realidade An XX nº 77 nvmbr/zmbr 2011 FUND PET SHO P Empréstim Empréstim Sbsprv Um pçã sgur pr su snh virr rlid Sbsprv Entr s mlhrs plns sú d pís. Cbrnç Pglirini Mrls Advgds Asscids é cntrtd pr cbrr indimplnts.

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Estimativas dos impactos das mudanças climáticas nos zoneamentos da cultura da banana e da maçã no Estado de Santa Catarina

Estimativas dos impactos das mudanças climáticas nos zoneamentos da cultura da banana e da maçã no Estado de Santa Catarina Estimtivs s impcts s munçs climátics s znmnts cultur bnn mçã Est Snt Ctrin Cristin Pnlf1, Luiz Alb Hmms2, Cláudi Cmrg3, Angl Mns Mssignm4, Emnul Sl Prir Pint5 Mriln Lim6 qustã mátics t s munçs si discuti

Leia mais

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX CP 10 Mrkting n linh Dirt O mrcd tlfni stá m prcss trnsfrmçã. O bm crscimnt pssu, ufri d prtbilid tmbém. O rsultd é sgmnt qu gr brig mntr ptncilizr sus clints. Pr tnt, invst m rlcinmnt n mpliçã srviçs

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância

Histórico e fundamentação teórica do Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância ÚD S ICO rn cd m ics çã lúd rm s F pç s 3 FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 A 3 ANOS 5 c rn Pr Sã gr Pr P m I n im ul fân ir í ci ssim pl ÃO AÇ RM FO O C n tít scim rn ul 5 s p nt F ut rm V rd é Pr i idig

Leia mais

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba

C A PA. Por Ví v i a n Ga m ba Brunn Luz C A PA O mdic Ptrsn Lddi rtrt ss nv grçã: plnj trcr Mdicin pr sguir snh sr tr Pr Ví v i n G m b mrc trblh stá m cnstnt mudnç, s jvns qu stã sin ds univrsids m busc clcçã tmbm. Em funçã diss,

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Sem a tua pedra a minha não construirá nada. ATIV. Coordenado por. alguns dias d u r a n t e o m ê s, o que é s u f i c i e n t e

Sem a tua pedra a minha não construirá nada. ATIV. Coordenado por. alguns dias d u r a n t e o m ê s, o que é s u f i c i e n t e Sm tu pdr minh nã cnstruirá n. B L E T I M CHRLES-HENR! BRBIER TIV N. 60 S E T E M B R, 1958 Crn pr Rcçã dministrçã NTÓNS Lrg Pz, 22- Lisb SÉRGÍ DISTRIBUIÇÃ á i v i 4 t â - principl: Embr n ã cnhç mvimnt

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina

Acervo: Biblioteca Pública de Santa Catarina Acrv: Biblitc Públic d Snt Ctrin CCE d I [crt litr] Rvlu ã digitl J ur qu librdd smpr fi um tm xplrd m tds s rs d humnidd? Pdms ncntrr txts qu flm d ssunt dsd s pnsdrs grgs té hj, pssnd, clr, pl Rvluçã

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do LEI Nº 181/2010 Dispõ sbr Municipl quçã 051/2006 d Li 14, gst 2006, qu trt sbr Cnslh Municipl Alimntçã Esclr CMAE, s dispsiçõs d Li Frl junh 2009 MEC/FNDE/DAE-CD julh 11.947, 38, 2009, 16 Rsluçã dá 16

Leia mais

Atendimento por marcação Atualizado em:

Atendimento por marcação Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL pr rcçã Atulizd : 23-01-2017 O qu é O tn pr rcçã é u rvi qu prit gn d tn di hr prvint finid. C t rvi cidã é tndid n di hr qu i qu à u dipnibili, tr prncr fil pr. O tn pr rcçã p r fit n-lin

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

Credenciamento de Bancos Múltiplos

Credenciamento de Bancos Múltiplos Crncimnt Bncs Múltipls mrn invr gstã ptncil cnômic-finncir d Flh Pgmnt Exrcit Brsilir. Gn Bd Ricr Mrqus Figuir Dirtr bstcimnt Exrcit Tn Cl Js Eustáqui S. Mrgtt ssssr Lgístic d Dirtri bstcimnt fnt rcits,

Leia mais

*' V'.*. «*>.' -"* ' ''-.'. ** ) '

*' V'.*. «*>.' -* ' ''-.'. ** ) ' ^pw^imi - *..,*.-** «**»* >! % -» «*,»» «-.», mm n /, d Slári Mínim ütá * - " íiê " i» - *j:>-.-í»»*. ;«. - * - t» -? é Exigênci Qw Nã P Sr Adid ncinlism mcrci Txt n 7.9 págin nai#ã^ Eliçã Rini n CNTI:

Leia mais

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996)

LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995. (Regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.301, de 19 de Setembro de 1996) LEI Nº 1152, 27 DE DEZEMBRO DE 1995 (Rgulmntd pl Dcrt nº 2.301, 19 Stmbr 1996) (Cnslidd pl Dcrt nº 2.905, 26 Dzmbr 2000) Dpõ sbr rrgnizçã dmintrtiv d Prfitur Arujá dá prvincis. JOSÉ CLAUDIO MENDONÇA, PREFEITO

Leia mais

Artigo de Prestes Sobre o XXII Congresso do Partido Comunista da URSS tíito PjUMA. Nação Reclama de Nasser: Revele os Nomes Dos Terroristas do MAC

Artigo de Prestes Sobre o XXII Congresso do Partido Comunista da URSS tíito PjUMA. Nação Reclama de Nasser: Revele os Nomes Dos Terroristas do MAC ' ' W/Mákã rtig Prsts Sbr XX Cngrss d Prtid Cmunist d URSS tíit PjUM ístd Lng: Ptrbrs Qur Msm Dscbrir Mis Ptról m n«.«t ét\mt,* pi*\*md\ è mplnt, ir. ' """ Mntblw (frim pt è idiil*ni «n- * cint i lbti,

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara Institut d Físic USP Físic Mdn I Aul 9 Pfss: Mzé Bch Aul 9 O átm d hidgêni n ti d Schding 1. A sluçã d átm d H n ti d Schding. Cmpçã cm s sultds d Bh.. Os stds dgnds m ngi: stds d msm ngi divss móduls

Leia mais

Governo e Congresso: Emenda da Constituição

Governo e Congresso: Emenda da Constituição i M*»»«J *"»"» ^»*--ív»*»rt»wv*-t fiqmmi -,,, i, -M,,.:" ncinlism mcrci scilism... A Am m\\ Am m^am mm. Am mm%. mt fl Bl^ ^^ ^1 ^r ^1 ^^ ^1 ^^,Brnbés Nã Rcum MSxigm Jng 70 / ifl ^^B ^^^ ^^1 ^»

Leia mais

Lei garante qualidade de mamografias na Paraíba

Lei garante qualidade de mamografias na Paraíba númr36 utubr 2003 ISSN 1518-6377 Li grnt qulid mmgrfi n Príb pp.4 5 Snd Frl prv indicçã nv dirtr p. 3 Fici tdui fri intrditm frmáci mgitrl p. 7 www.nvi.gv.br utubr 2003 2 ditril Um prgrm qu já fi incrprd

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ NO SUL DO BRASIL

O ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ NO SUL DO BRASIL O ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ NO SUL DO BRASIL Diys Knyl Fssil1 RESUMO: Nst rtig, tnt-s discutir situçã linguístic à qul s imigrnts scnnts imigrnts lãs frm /u sã submtis, qui, n Brsil. Qustin-s qul é qudr jurídic

Leia mais

Turismo Fotografia Mergulho Técnico Naufrágios Cavernas Equipamentos Meio Ambiente Novidades PUBLICIDADE 2014

Turismo Fotografia Mergulho Técnico Naufrágios Cavernas Equipamentos Meio Ambiente Novidades PUBLICIDADE 2014 Turi Ftgrfi Mrgulh Técnic Nufrági Cvrn Equipnt Mi Abint Nvidd PUBLICIDADE 2014 2014 Objtiv ditrii d rvit: A rvit t bjtiv d trr públic rvilh d fund d r, nfcnd pct cini frind iprtânci d cnrvçã bintl. Vi

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho 1 Aul 14 Ofrt Agrgd, Inflção Dsmprgo Populção, Tx d Prticipção, Populção Activ ( t ), Tx d Emprgo, Populção Emprgd (N t ), Tx d Dsmprgo (u t ) Populção Dsmprgd ( t N t ). Tx d Dsmprgo (u t ): u t t N t

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

Paulo Honório versus Madalena: um casamento conflituoso

Paulo Honório versus Madalena: um casamento conflituoso 88 Pul Hnóri vrsus Mln: csmnt cnflitus Mrcs Himi Lim* ft-s Rs:Nst lgs rtig cnsirçõs sbr rmnc sbr S. rltiv Brnrd vigr (1934), rm Grcilin ptrircl Rms, dispunh ns primirs décs d sécul XX, xplificd pl bt ntr

Leia mais

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24.

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24. R 3 R R D S VL L Ó S L U D K LÃ W -S / 3 SH FW -S Ã P UL F S SP / / : 8:3 3// 8/ 3/ : 6: SPCL - PRU C VCÊ UC VU.in 7 R Ú 8 9 - R$,,9 R$ CP.in S D PP R S G GS S - R$, 9 R D : : U Q R VG D R SÃ PU L FS H

Leia mais

Deputado fllmino Afonso: Só a Lula Pode Garantir a Defesa Das Liberdades

Deputado fllmino Afonso: Só a Lula Pode Garantir a Defesa Das Liberdades M W Cmplt Êxit d Missã Dnts Ns Piss Scilists Rp. n 7 [)éi»i< Pdr»!Ij Lrr.-j Dputd fllmin fns: Só Lul P Grntir Dfs Ds Librds GGÁRIN:--. O Rmnc d strn MjCT* Ü rrtfi i JliT ; - (TEXTO N 3 PGIN) W ^^ i BiípIH

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Chotes. Música na escola: exercício 12

Chotes. Música na escola: exercício 12 Chts Músic n scl: xcíci 12 Chts Aut: Aut scnhci, cnçã flclóic Rgiã: Ri Gn Sul Fix: 12 Anj: Nil Azv Pvt Músics: Cls Rbt Olivi pin Nil Azv Pvt clints sx lt Cnts: lic Alid Pi Guilh Cnciçã Sntn Eily Ryn Buin

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

PADRE JÚLIO MARIA DE LOMBAERDE

PADRE JÚLIO MARIA DE LOMBAERDE Históri Escrit pr scrmn Sg, 20 Junh 2011 17:22 - Últim tulizçã Tr, 30 gst 2011 18:44 PDRE JÚLI MRI DE LMBERDE Nscu di 7 Jnir 1878 n li Bvrn, municípi Wrgm n Bélgic. Fi btiz di 8 jnir, prssdmnt, pis nscu

Leia mais

a posição de defensor dos interesses

a posição de defensor dos interesses BLETIM Mvimnt Cprtiv v firmmnt psiçã fnsr ds intrsss firmr d cnsidr. CPERTIVIST REDCÇÃ E DMINISTRÇÃ: R u d Cruzir. 1 - Tlf. 68 26 49 - Lisb 3 CRDEND NTÓNI PR SÉRGI PRPÓSIT DE UM NIVERSRI di 19 Dzmbr já

Leia mais

Reunião de Presidentes das Américas no UrugUcLl

Reunião de Presidentes das Américas no UrugUcLl Y-:- : Ri clc Jnir Qurt-fir, 24 mi 1961 n LXX N. 119 Em nt distribuiri n nòitc ntm, &rf> Quintnilh Ribir.sc»i1 rcu (juc vérn vi mntr tul hrári d» funcinlism. Ò Gvéiv tí nfi cgit cl rxmi» nr mtéri. ág.

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Pelo fomento do arrendamento, contra despejos baratos e fora da lei 14-Mar-2012

Pelo fomento do arrendamento, contra despejos baratos e fora da lei 14-Mar-2012 Sit Distritl Prt - Blc Esqurd Pl fmnt rrndmnt, cntr spjs brts fr d li 14-Mr-2012 N Assmbli Municipl Prt, 12 mrç, Blc prsntu mçã sbr li rrndmnt qu nã fi prvd, tn s vts fvrávis BE. PS CDU bstivrm-s PSD CDS/PP

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

consmoicao democrática

consmoicao democrática **p f^ yff^^. -^ ^^****************-*****>s*rrrãtttvtttrbbs - Wf^LK^ r "t B^ (_ NOVOS RUMOS Tmbém é Vitim d FMI PAÍTll hêiê. NOVOS HJMOI dmrfré mpêmt 2" m ***** éê 0M0 pòmmm. I* *» m ftw. tu.1 ««d In MM

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

c Vr :a e UNESCO Recursos Educacionais Abertos: Perguntas Frequentes Neil Butcher, OER Africa

c Vr :a e UNESCO Recursos Educacionais Abertos: Perguntas Frequentes Neil Butcher, OER Africa Rcurss Educcinis Abrts: Prgunts Frqunts Nil Butchr, OER Afric UNESCO Unitd Ntins Eductinl, Scintific nd Culturl Orgniztin iw COMMONWEALTH OfLEARNING L c Vr : UNESCO with Citç: th Cmmnwlth j prmissä A rplicr,

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

prático, o balconista, o professor, o industrial, 43 anos informa e atualiza sobre os Procuramos ser úteis a colaborando você nos incentiva ã

prático, o balconista, o professor, o industrial, 43 anos informa e atualiza sobre os Procuramos ser úteis a colaborando você nos incentiva ã ANO XUV N. 517 A GAZETA Um ^trnir smpr tm águ nã prcup ninguém. O di m nã funcin é um trgédi s lh dá vlr mrc. Assim é su jrnl, há d MAO DE 1975 Nss gm litrs é muit divrsificd. Dntr d frmáci st frmcêutic,

Leia mais

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO 2inf08 HMF (23.01.29) INFORMATIVO 02 / 29 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO Em 22.12.28 foi publicd Li Complmntr 128. El ltrou

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

SIDNEY OLIVEIRA HEBE CAMARGO, LEVA SEU CARINHO PARA A ETERNA DAMA DA TV BRASILEIRA. PÁG.7

SIDNEY OLIVEIRA HEBE CAMARGO, LEVA SEU CARINHO PARA A ETERNA DAMA DA TV BRASILEIRA. PÁG.7 Cmprr pl intrnt é muit fácil. As vntgns vã dsd cnfrt sgurnç té cnmi. Cnhç nss sit. Estms mplind nsss srviçs pr fcilir s sus cmprs. Sidny Olivir Prsidnt d UltrFrm A Pásc é fst d chclt! Ms vcê sbi qu pd

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Escrito por Sônia Oliveira Qua, 19 de Janeiro de :03 - Última atualização Dom, 25 de Dezembro de :18

Escrito por Sônia Oliveira Qua, 19 de Janeiro de :03 - Última atualização Dom, 25 de Dezembro de :18 Brilid O fntástic reveilln Cpcbn Escrit pr Sôni Oliveir Qu, 19 Jneir 2011 22:03 - Últim tulizçã Dm, 25 Dezembr 2011 08:18 Ess mensgem reveilln me fi envid pr pess só vi vez e já vi fzer is ns, jur se encntrr

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

'--TTir».,-Tifí" arfeijão. etc. sonegados pelos espeailatlorcs c simples

'--TTir».,-Tifí arfeijão. etc. sonegados pelos espeailatlorcs c simples --TTir».,-Tifí" N. 289 ANO VII UM JORNAL QUE VALE POR UM LIVRO Dirtr:.OSWALDO COSTA Ri d Jnir 12 d Julh d 1962 0 PREÇO DA ORDEM j-j A crc d mi sécul, scrvnd n "ABC", rvist dc Luís Mris Pul Hsslchr quc

Leia mais

COOPERATIVO E COORDENADOR. dense; em 1957, levou-se a efeito o I F e s t i v a l Cooperativo, na q u i n t a da Cooperativa

COOPERATIVO E COORDENADOR. dense; em 1957, levou-se a efeito o I F e s t i v a l Cooperativo, na q u i n t a da Cooperativa BOLETIM Espr firmnt sbrã tingir cprtivism vitóri frtrnid sbr dr lut ntr s hmns. JAMES P. WARBASSE COOPERATIVISTA COORNADO REDACÇÃO E ADMINISTRAÇÃO LARGO DA PAZ, 22-A LISBOA ANTÓNIO POR N. 68 - As próxims

Leia mais

iça0 espec a COPA DO MUNDO 2010

iça0 espec a COPA DO MUNDO 2010 Acrv: Biblitc Públic d Snt Ctrin iç0 spc COPA DO MUNDO 2010 Espcil Pr trás ds cinc strls A plífic cnmi s criss s fvrcimnts s fts O cntxt nális ds ns d glóri d futbl brsilir Plític 2006 sprd shw d qudrd

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

Hino da CF 2010 ====================== & 2 C. ci - por ======================= ˆ ˆ ˆ ˆ««« ˆ ˆ« ====================== & œ ««« mui - to

Hino da CF 2010 ====================== & 2 C. ci - por ======================= ˆ ˆ ˆ ˆ««« ˆ ˆ« ====================== & œ ««« mui - to œ ====================== & 2 4 Œ = Rfr.: J sus ci v pr pri mi r um Ri n d jus ti ç_ sus v rs: "Vós nã p s ====================== & = us nhi r mui t gr & 2. j j { nh rs." "Vós nã p nh rs." dr Vz d_um s

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Saudável. Assefaz. Envelhecimento. Revista. Câncer de próstata - Centro de lazer de Goiás Velho - Programa Beneficiário Consciente

Saudável. Assefaz. Envelhecimento. Revista. Câncer de próstata - Centro de lazer de Goiás Velho - Programa Beneficiário Consciente A UN DAÇÃ Assfz O F Rvist An 1 - Ediçã 3 - g/dz 2012 SSEFAZ Publicçã d Fundçã Assistncil ds Srvidrs d Ministéri d Fznd Envlhcimnt Sudávl Câncr d próstt - Cntr d lzr d Giás Vlh - Prgrm Bnficiári Cnscint

Leia mais

Trailblazer 302 Diesel

Trailblazer 302 Diesel OM-217 454C-BR Junh 2006/Nvmbr 2006 Prcsss Sldgm Eltr Rvsti (SMAW) Sldgm MIG (GMAW) Sldgm c/ Arm Tubulr (FCAW) Sldgm TIG c/cc (GTAW) Dscriçã Grr pr Sldgm rc mvi pr mtr Disl Trilblzr 302 Disl MANUAL DO

Leia mais

ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Auts nº:0014695-64.2013.403.6181 Inquérit Plicil nº0196/2013-11

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

NOTICIAS. "Estas. "Pravda" conclui afirmando que o

NOTICIAS. Estas. Pravda conclui afirmando que o .» r JORNL DE NOTCS NO SO PULO - Dming, 6 dc Mrç dc 947 Td NUM. 279 nrt d Prgui sb dmini s trçs rbls Crts t cmunicçõs cm cpitl Cnfirm sã s frçs d Chc ting su pnt culminnt rvlt cntr Mrinig DUENOS RES, 4

Leia mais

A 100 metros da residência do Presidente da República, pistoleiros de Lacerda guardavam um verdadeiro aisenal de guerra, com metralhadoras

A 100 metros da residência do Presidente da República, pistoleiros de Lacerda guardavam um verdadeiro aisenal de guerra, com metralhadoras .......^^_ > i» imw»w~«^ww Ml»»»»M»»IMM»M»M«MW««ll 1 «HI ««««««MMMMMMMr^^ Ri Brsíli t " : t- -t í? - i-*^?^ utrs Estds N VIII N. 355 UM JRNL UE VLI- PR UM LIVR Dirtr: SWLD CST Ri d Jnir, 17 23 dc utubr

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

COOPERATIVISTA. instalar com os filhos e a mulher, só o subsídio de férias ou a colónia de férias poderia permitir-lhe um período de retemperança.

COOPERATIVISTA. instalar com os filhos e a mulher, só o subsídio de férias ou a colónia de férias poderia permitir-lhe um período de retemperança. B^n ^flzjék H BBB ÊÊÊÊ 9 B k jfib H BjH H w H psiçã fnsr ds intrsss d cnsidr. B H H 9 Mvimnt Cprtiv v firmmnt firmr CPERTIVIST REDCÇÃ E DMINISTRÇÃ: Ru d Cruzir. 1 - Tlf. 63 26 49 - Lisb 3 ir CRDEND NTÓNI

Leia mais

MPJMi. o racionamento do ener. ano VIU ic RIO DE JANEIRO, QUINTA-FEIRA, 20 DE OUTUBRO DE 1055 * N» 1.03» (Conclui na 2* pãg.)

MPJMi. o racionamento do ener. ano VIU ic RIO DE JANEIRO, QUINTA-FEIRA, 20 DE OUTUBRO DE 1055 * N» 1.03» (Conclui na 2* pãg.) ** Hj, m Frnt Ctt, GrrrJz ÉSSj>ÉlÉM, jg^ift^^fmslg,.... ^g», PÍlk * mgm»msmèè%im Dum flgrnt» du rumnd ds tmnwdriitmmmltfututuí m prári» d méric Fbril 0 cm prári» J «8» pd, m Vil sbl 1 [fft ml, üh 17 liriui,

Leia mais

Para Vik Lovell, do cuco.

Para Vik Lovell, do cuco. Pr Vik Lvll, m pis diss m lvu s drgõs té sus tcs. xistim, n...n flw flw vr st, th cuck s n flw nst. * wst, Cntig ppulr rd *... vu lst, vu st, vu pr cim d ninh d cuc. UM ESTRANHO NO NINHO.p65 5 UM ESTRANHO

Leia mais

10 de abril de Calendário da data de vencimento de pagamento de taxas do ano fiscal de Impostos Municipais, Provinciais.

10 de abril de Calendário da data de vencimento de pagamento de taxas do ano fiscal de Impostos Municipais, Provinciais. 10 bril 2017 Clendári d dt venciment pgment txs d n fiscl 2017 Impsts Municipis MÊS Prz Pgment Impsts bens e imóveis Impst veícul s pequen prte Impsts Municipis, Prvinciis clet especil clet nrml pensind

Leia mais

P R Ó L O G O. Ele estava sentado em uma mesa no centro do salão, obviamente. M377-01(Ficção Estrangeira).p65 9

P R Ó L O G O. Ele estava sentado em uma mesa no centro do salão, obviamente. M377-01(Ficção Estrangeira).p65 9 P R Ó L O G O r só ppl séri TV, pns prtmnt E qunt mis côm s cnts, Nv stvm Yrk. ficn Ms ppéis difícis qulr ncntrr, tip, té msm Ls Angls ts cnhcim vlr pid-àtrr s ppéis Nv ficilizçã Yrk. Além diss, divórci.

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais