Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos"

Transcrição

1 Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa

2 Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional Manejo de adaptação Manejo de cocho Qualidade da mistura da ração Eficiência alimentar e econômica

3 Evolução do manejo nutricional 3% 7% 10% 30% 50% 3% 3% 5% 10% 67% 24% 2% 16% 35% 15% 20% Cervieri, 2008

4 Evolução do manejo nutricional Forragem como dieta predominante Nascimento Terminação

5 Evolução do manejo nutricional Visão atual do confinamento Ganhos importantes na redução da idade ao abate Produção de carne com maior qualidade Ferramenta de manejo de pastagem na seca Aumento da escala Redução das margens e profissionalização

6 Evolução do manejo nutricional Volumoso (limitações) Custo de produção Necessidade de área Investimento em equipamento Manejo do fornecimento

7 Evolução do manejo nutricional Utilização de subprodutos Boa disponibilidade (variação regional) Boa aceitação de produtores e técnicos Custos competitivos Safra confinamento = safra subprodutos Bons resultados quando substituem parcialmente grãos e/ou volumosos

8 Evolução do manejo nutricional Utilização de subprodutos O custo de aquisição de grãos e subprodutos é determinante na tomada de decisão. Considere os preços incluindo custos com fretes e estocagem. Avalie também o custo por unidade de MS, PB e NDT ao comparar ingredientes volumosos e concentrados (Cervieri, 2008)

9 Evolução do manejo nutricional Resumindo... custos de produção dos volumosos comumente utilizados (silagens de milho e sorgo) Boa disponibilidade de insumos concentrados (em quantidade e preço) Nas últimas décadas a produção agrícola tem se destacado e favorecido a atividade

10 Evolução do manejo nutricional Resumindo... Culturas como milho, sorgo, soja, algodão, laranja e cana-de-açúcare seus subprodutos farelos, cascas, polpa, bagaço, etc., são amplamente utilizados para formulação de dietas O confinamento está totalmente atrelado à produção de grãos, farelos e subprodutos e aos custos de aquisição destes insumos

11 Evolução do manejo nutricional % MS total da dieta Dieta 1 Dieta 2 % Silagem de milho % Volumoso MS NDT FDN FDN efetivo CNF Amido (g/dia) Amido (%) Cervieri, 2008

12 Evolução do manejo nutricional Volumoso Concentrado Concentrados fibrosos Grãos (amido) ph ruminal Risco Cervieri, 2008

13 Evolução do manejo nutricional Alto concentrado: Menor teor de amido Maior FDN fe Segurança Subprodutos fibrosos não substituem somente o milho e sim parte do milho e parte da forragem (Santos, 2007)

14 Evolução do manejo nutricional teor de amido nos teores de pectina e fibra de alta digestibilidade Melhorar o ph ruminal Otimizar a fermentação ruminal Aumentar a síntese microbiana Estimular o consumo de MS Melhorar o desempenho animal

15 Evolução do manejo nutricional Alto concentrado Participação no FDN efetivo da dieta (%MS) Caroço de algodão 38% Silagem 27% Casca de soja 20% Milho 15% Cervieri, 2008

16 Evolução do manejo nutricional FDNfe x ph ruminal ph % FDN fisicamente efetivo na dieta Cervieri, 2008

17 Evolução do manejo nutricional FDN e FDNfe MS total peffdn MS total peffdn Cervieri, 2008

18 Evolução do manejo nutricional Alto grão x Alto concentrado Visão atual do confinamento Utilização de subprodutos peffdn

19 Tipos de adaptação Manejo de adaptação Mudanças na dieta Alterações na flora ruminal Duas exigências Animal Microorganismos ruminais

20 Mudanças na dieta e alterações na fermentação ruminal Dias em confinamento Teor de concentrado Fermentação Ruminal 1 mês 80 % Rápida, Estável 2 semanas 60 % 1 semana 50 % Moderada, Instável 1 dia 0 % Lenta, estável Adaptado de Fred Owens

21 14 a 21 dias para a microbiotase adaptar Fred Owens

22 Tipos de Adaptação Sem adaptação Adaptação gradativa Restrição de oferta

23 Sem adaptação Dietas com alto volumoso Depende da quantidade de concentrado Depende do histórico dos animais

24 Volumoso Concentrado

25 Adaptação gradativa Dieta de Adaptação 1 Dieta de Adaptação 2 Dieta Final Tempo de fornecimento 7 a 10 dias 7 a 10 dias Do final da adaptação até o abate Frequencia do fornecimento Teor de FDN efetivo (%MS) 3 x ao dia 3 x ao dia 3 x ao dia 28 a 32% 20 a 24% 14 a 18% PB (%MS) 15 a 16% 14 a 15% 13 a 14% NDT (%MS) 65 a 68% 68 a 72% 74 a 78% Inclusão de Uréia menor menor maior Inclusão de Aditivos sim sim sim Minerais Aumentar Zn e K Aumentar Zn e K Requerimento Normal Cervieri, 2008

26 Restrição de consumo Facilita o manejo Dieta Final (+ Energética) Restringir o consumo 1,5 a 1,8 % do PV 0,2 a 0,4 kg/dia de MN

27 Limitações Manejo e Produtorpermitem????? Confinamento brasileiro Ganho de peso compensatório Animais dominantes

28 Período de pré-adaptação Animais debilitados de viagens longas e/ou vacas de descartes Baixa capacidade fermentativa do rúmen População microbiana reduzida

29 Manejo de cocho Consistente Minucioso animal + cocho + fezes

30 Leitura de cocho

31

32

33 Resto x Sobra

34

35 Escore de cocho 0 Sem alimento no cocho ½ Sobra de alimento espalhada. Maior parte do cocho aparente 1 Camada fina e uniforme de alimento no fundo do cocho 2 20 a 25% do trato anterior remanescente 3 De 50% do alimento permanece no cocho 4 Alimento praticamente não foi tocado Pritchard (1995)

36 Qualidade da mistura da ração Não permitir seleção para que o animal ingira todos Não permitir seleção para que o animal ingira todos os ingredientes de acordo com a formulação

37 Observação das fezes como ferramenta para ajuste ou mudança de dieta

38 Qualidade de água Ingrediente mais barato da dieta!!! Consumo menor de água limita desempenho (redução da ingestão de MS) Somente na ingestão de MS???

39 Qualidade de água Temperatura ambiental (Brasil - Temp.) Teor de MS da dieta

40 Eficiência alimentar e econômica

41 Eficiência alimentar e econômica Minimizar custo da dieta reduzindo o custo por animal/dia buscando o menor custo por unidade de matéria seca Custo mínimo: Menor custo da MS Menor custo da diária Dietas mais baratas: Mais forragem (menos energia) Desempenho? Maior lucro?

42 Eficiência alimentar e econômica O ganho de peso diário Eficiência com que o bovino irá converter a ração ingerida em ganho de peso Podemos analisar estes dois aspectos sob os pontos de vista biológico e econômico

43 Eficiência alimentar e econômica Ponto de vista biológico Conversão Alimentar (CA) O grupo racial A idade ou fase de crescimento O tipo de dieta A utilização de aditivos A condição corporal do animal

44 Eficiência alimentar e econômica Ponto de vista biológico Exemplo: LOTE 1 Ingestão média de MS 10,5 Kg Ganho de peso 1,250 kg/dia CA será de 8,4 kg de MS/kg de ganho LOTE 2 Ingestão média de MS 10,5 kg Ganho de peso 1,100 kg/dia CA será de 9,5 kg de MS/kg de ganho 13% maior

45 Eficiência alimentar e econômica Ponto de vista econômico Custo do ganho de peso (custo engordada) O ganho de peso A conversão alimentar O custo da dieta Ex.: Quanto melhor for a conversão alimentar para uma mesma dieta, menor será o custo engordada

46 Eficiência alimentar e econômica situação prática Dieta 1 (custo mínimo) X Dieta 2 (alto concentrado) Custo operacional de R$ 0,30/cabeça/dia Volumoso: silagem de sorgo (R$ 55,00/ton. de MN) Concentrados: milho grão, caroço de algodão, casca de soja e núcleo protéico-mineral com ionóforo Peso vivo inicial: 370 kg (50% de rendimento) Peso vivo final: 490 kg (53% de rendimento) Não foi considerado rendimento de carcaça superior para a Dieta 2 (alto concentrado) Adaptado de Rafael Cervieri

47 Tabela. Comparativo entre duas dietas para confinamento Dieta 1 (custo mínimo) Dieta 2 GP estimado (kg/dia) 1,34 1,55 % Volumoso na MS 40% 18% R$por ton. de MS na dieta R$ 321,49 R$ 365,83 Consumo de MS (kg/dia) 10,5 10,5 CA (kg MS/kg ganho) 7,9 6,8 Dias de confinamento Ganho 4,98 4,98 Custo diário alimentar R$ 3,38 R$ 3,84 Custo alimentar R$ 61,08 R$ 59,37 Custo diário total R$ 3,68 R$ 4,14 Custo no período R$ 329,55 R$ 320,52 Custo engordada R$ R$ Índice para custo diário Índice para custo

48 Eficiência alimentar e econômica Conclusões Apesar da Dieta 2custar 14%mais que a Dieta 1em termos de R$/tonelada de MS, o custo alimentar seria 2,9%menor, e o custo total engordada seria 3%inferior -maior ganho de peso -melhor conversão alimentar - menos dias de confinamento

49 Eficiência alimentar e econômica Conclusões Nesta situação, em que o animal engordaria no confinamento, esta diferença representaria R$ 9,06 a mais por cabeça no período (R$ 1,82 x Na simulação, com custo operacional de R$ 0,30 por cabeça/dia, a Dieta 2 levaria a uma economia de R$ 3,90 (R$ 0,30 x 13 dias) por cabeça no período, uma vez que o animal ficaria 13 dias a menos no cocho

50 Eficiência alimentar e econômica Conclusões As eficiências alimentar e econômica podem ser monitoradas pelo custo do ganho Devemos buscar sempre reduzi-lo, mesmo que isto seja obtido a partir de dietas mais caras

51 Eficiência alimentar e econômica Conclusões Se você não pode mensurar, não pode avaliar. Se não pode avaliar, não pode manejar. (Cervieri, 2008) Bovinos, não computadores, avaliam dietas. (Cervieri, 2008)

52 Obrigado... Beef Team 2008

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO Flávio Augusto Portela Santos Depto. de Zootecnia ESALQ/USP ABATES ASSISTIDOS: ASSOCON 2006-2007 Total de animais: Machos: Fêmeas: 193.664 cab 177.966 cab 15.698 cab

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento

Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento CAPÍTULO Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento Rodrigo da Costa Gomes Amoracyr José Costa Nuñez Carolina Tobias Marino Sérgio Raposo de Medeiros

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos Introdução Uso de NNP: Fontes convencionais uso humano Diminuir

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

Soja. Soja. Soja. Soja. Soja. Concentrados protéicos. Marinaldo Divino Ribeiro. Grãos de soja cru. Grãos de soja cru

Soja. Soja. Soja. Soja. Soja. Concentrados protéicos. Marinaldo Divino Ribeiro. Grãos de soja cru. Grãos de soja cru Concentrados protéicos Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Originária da China Oleaginosa Rica em proteína e de alto valor energético crua possui fatores antiprisina e antiquimiotripsina

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO RODRIGO OTÁVIO SPENGLER BEEF TEC - Consultoria Pecuária Campo Grande/MS rodrigospengler@beeftec.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes

CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes LUCROS DO CONFINAMENTO GANHO DO PRODUTOR Valorizaçãodo boi magro Peso de abate (logisticae produtividadepormatriz) Manejoda Pastagem e Recria

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento 30 Congresso Paranaense de Estudantes de Zootecnia 28 a 31 de outubro de 2009 Maringá, PR. Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento Luís Carlos Vinhas Ítavo 1, Camila Celeste

Leia mais

RENATO PALMA NOGUEIRA ZOOTECNISTA CONSULTOR INDEPENDENTE

RENATO PALMA NOGUEIRA ZOOTECNISTA CONSULTOR INDEPENDENTE RENATO PALMA NOGUEIRA ZOOTECNISTA CONSULTOR INDEPENDENTE ALIMENTAÇÃO O MAIOR CUSTO DE PRODUÇÃO. CUSTO ALIMENTAR POR VACA/DIA R$ 13,0 por vaca x 300 dias = R$ 3900,0 Em 10 meses uma vaca consome um custo

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO USO DA PALMA FORRAGEIRA NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO USO DA PALMA FORRAGEIRA NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO USO DA PALMA FORRAGEIRA NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS Prof. Marcelo de Andrade Ferreira Stela Antas Urbano Departamento de Zootecnia/UFRPE O começo de tudo Itens Tratamentos Palma Silagem

Leia mais

1- Obtenção de animais prontos para abate, em épocas normalmente favoráveis de preços;

1- Obtenção de animais prontos para abate, em épocas normalmente favoráveis de preços; A pecuária de corte desempenha papel de real importância socioeconômica para o Brasil, quer seja para o suprimento de um alimento nobre para a população,quer na geração de divisas através da exportação.

Leia mais

Webinar O Nutricionista. Marcelo Hentz Ramos PhD / Diretor 3rlab. Publicado originalmente na revista Balde Branco

Webinar O Nutricionista. Marcelo Hentz Ramos PhD / Diretor 3rlab. Publicado originalmente na revista Balde Branco Webinar O Nutricionista Marcelo Hentz Ramos PhD / Diretor 3rlab Publicado originalmente na revista Balde Branco Foi realizado no dia 11 de março as 19:00 mais um Webinar. Desta vez o palestrante era o

Leia mais

Integração Agricultura - Pecuária. Produção de Carne em Confinamento

Integração Agricultura - Pecuária. Produção de Carne em Confinamento Integração Agricultura - Pecuária Produção de Carne em Confinamento Integração Agricultura Pecuária. Agricultor Pecuarista. Agricultura 1990 2006 IBGE, Elaboração MB Agro IBGE, Elaboração MB Agro Porque

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

DIETA 100% CONCENTRADO COM GRÃO DE MILHO INTEIRO PARA TERMINAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO

DIETA 100% CONCENTRADO COM GRÃO DE MILHO INTEIRO PARA TERMINAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE DIETA 100% CONCENTRADO COM GRÃO DE MILHO INTEIRO PARA TERMINAÇÃO

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

Utilização da cana-de na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007

Utilização da cana-de na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007 Utilização da cana-de deaçúcar na alimentação de ruminantes Paulo R. Leme FZEA -2007 Área ocupada com cana e produção de açúa çúcar e alcool Região ou Estado Brasil Área de cana milhões ha 6,19 Produção

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

ALIMENTOS NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS

ALIMENTOS NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS ALIMENTOS NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS Fabiano Alvim Barbosa - Médico Veterinário, Mestre em Zootecnia/Nutrição de Ruminantes, Doutorando - Produção Animal da Escola de Veterinária/UFMG - junho/2004. http://www.agronomia.com.br/artigos_nutricao_bovinos.html,

Leia mais

Utilização da cana-deaçúcar na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007

Utilização da cana-deaçúcar na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007 Utilização da cana-deaçúcar na alimentação de ruminantes Paulo R. Leme FZEA -2007 Área ocupada com cana e produção de açúcar e alcool Região ou Estado Área de cana milhões ha Produção de cana milhões t

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia 1.INTRODUÇÃO A correcta alimentação dos animais deve constituir uma prioridade

Leia mais

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA Júlio César Damasceno 1, Geraldo Tadeu dos Santos 1, Cristiano Côrtes 2, Fabíola Cristine de Almeida Rego 2. 1 Professor Doutor do Departamento de Zootecnia da

Leia mais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Introdução - Energia Elétrica; - Água; - Espaço de cocho para alimentação;

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL.? Característica da palma Cactácea

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER

MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER ARTIGO TÉCNICO PREMIX 8ª edição MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER INTRODUÇÃO O termo manejo de cocho (adaptado do inglês bunk management) refere-se à técnica de manejo alimentar utilizada em

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES Sérgio O. Juchem 1, João Carlos Pinto Oliveira 2, Renato Serena Fontaneli 3 A aveia preta é uma alternativa

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos Vinícius Cantarelli Objetivo Apresentar informações e resultados econômicos, ambientais e sociais da RACTOPAMINA e seus efeitos sobre a SUSTENTABILIDADE

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE M. K. Eckman Departamento de Ciência Avícola Universidade de Auburn Auburn, AL 36849 5416 Prioridades Influência da Temperatura na Produção de

Leia mais