Lisina, Farelo de Soja e Milho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lisina, Farelo de Soja e Milho"

Transcrição

1 Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina Industrial (L-Lisina HCl 99%) e sabem que, ao ser adicionado este ingrediente à ração, parte do farelo de soja pode ser substituído por milho. O resultado geralmente é uma significativa redução do custo das rações. Entretanto, a questão é saber quanta Lisina Industrial utilizar e quanto se pode economizar. Para responder esta e outras perguntas relacionadas ao uso da Lisina Industrial, a Ajinomoto Biolatina, empresa que produz este ingrediente no Brasil, criou no seu site uma seção chamada Espaço do Suinocultor. Nesta nova seção está disponibilizado o Simulador. É um programa que ajusta as fórmulas atualmente usadas na granja para a inclusão de Lisina Industrial. O Simulador modifica a formulação de forma a garantir os requerimentos de todos os aminoácidos. Portanto, o bom desempenho dos animais é, no mínimo, mantido. Dentre os resultados da simulação, é apresentada a nova composição da ração, onde é informada a quantidade máxima de Lisina Industrial que pode ser incorporada. Entre outras informações, também é calculado o impacto deste ajuste nos custos por tonelada de ração. Veja no Quadro 1 mais detalhes sobre como utilizar o Simulador. Usando como exemplo a simulação apresentada nas Figuras 1 e 2, se pode observar que, nas condições de preços utilizados, a incorporação da Lisina Industrial representou uma redução de R$4,44 por tonelada de ração (1,16%), o que, para esta granja, possibilitaria uma economia de R$8.764,68 por ano. Figura 1. Exemplo de simulação de uma ração de Terminação. 01

2 Figura 2. Resumo dos Resultados Fornecidos pelo Simulador Como os preços dos ingredientes afetam os benefícios da inclusão de Lisina Industrial? Quando comparadas às formulas convencionais, os três principais componentes que contribuem para o menor ou maior custo das rações com lisina industrial são: os preços do farelo de soja, do milho (sorgo, triticale, etc.) e da própria Lisina Industrial. Como pode ser visto na Figura 3, quanto maior o preço do farelo de soja, maior o benefício de se utilizar a Lisina Industrial. No gráfico, também é informado o preço de equilíbrio da Lisina Industria (L-Lys HCl), o qual também se eleva juntamente com os preços do farelo. Figura 3. Impacto do preço do Farelo de Soja (R$/t de ração) Preço do Farelo de Soja (R$/kg) Equilíbrio da L- Lys HCl (R$/kg) Equilíbrio 02

3 O preço de equilíbrio, que é semelhante ao preço de oportunidade, representa o valor da Lisina Industrial no qual os custos das rações, com e sem este ingrediente, são exatamente iguais. Portanto, se o preço da Lisina Industrial for inferior ao seu preço de equilíbrio, a fórmula com aminoácido industrial sempre custará menos do que a convencional e vice versa. No quadro de Resultados (Figura 2), o Simulador também informa o preço de equilíbrio da Lisina Industrial. O preço do milho é outro fator extremamente relevante (Figura 4), porque se substitui farelo de soja por Lisina Industrial mais milho. É por isso que o melhor indicativo para se avaliar se o momento é ou não interessante para se utilizar a Lisina Industrial, é se observar o que comumente se conhece como spread (Figura 5). Esta palavra em inglês nada mais é do que a diferença entre o preço do farelo de soja e do milho, do sorgo ou de qualquer outro ingrediente energético que está sendo utilizado para substituir o farelo de soja. Desta forma, quanto maior o spread, mais alto será o preço de equilíbrio da Lisina Industrial. O valor do spread também é fornecido pelo Simulador. Figura 4. Impacto do preço do Milho Figura 5. Impacto do spread (R$/t de ração) Equilíbrio da L- Lys HCl (R$/kg) (R$/t de ração) Equilíbrio da L- Lys HCl (R$/kg) Preço do Milho (R$/kg) "spread" (R$/tonelada) (preço farelo de Soja - preço milho) Equilíbrio Equilíbrio Na Figura 6, também se observa o impacto do preço da Lisina Industrial sobre o benefício do seu uso. Todavia, nas condições de preço do milho (R$17,00/sc = R$0,283/kg) e do farelo de soja (R$600/t = R$0,60/kg) utilizados nas simulações, pode se observar que o preço de equilíbrio da Lisina Industrial sempre se manteve acima do seu preço de compra.portanto, sempre houve alguma redução de custos. Figura 6. Impacto do preço da Lisina Industrial (R$/t de ração) Preço da L-Lys HCl (R$/kg) Equilíbrio da L-Lys HCl (R$/kg) Equilíbrio 03

4 O que muda na fórmula quando se incorpora a Lisina Industrial? Além da redução da inclusão do farelo de soja, ocorrem outras alterações na composição da ração e em alguns níveis nutricionais. Estas modificações ocorrem basicamente porque a lisina permite a substituição de um ingrediente rico em proteína (farelo de soja) por um outro, que é basicamente uma fonte de energia (milho, sorgo, triticale, etc.). Para melhor exemplificar e discutir estas alterações, serão aproveitados os resultados da simulação apresentada nas Figuras 1 e 2. Portanto, como pode ser observado, o resultado da inclusão de Lisina Industrial promove um aumento do nível de energia líquida da ração de 42kcal/ kg e uma redução do teor de proteína bruta em 1,8 pontos percentuais. O Simulador mantém o nível de lisina digestível igual ao da fórmula atual, mas como resultado da inclusão da Lisina Industrial, os níveis dos demais aminoácidos são reduzidos. Entretanto, como o programa utiliza o conceito de proteína ideal, para o nível de lisina digestível da fórmula, todos os demais aminoácidos estarão em quantidades adequadas. Na prática, sempre que são utilizados aminoácidos industriais, ocorre redução da proteína bruta da ração, indicando que houve uma redução do excesso de alguns aminoácidos. Como pode ser observado na Figura 7, esta redução da proteína bruta, quando feita a suplementação com aminoácidos industriais, não prejudica o desempenho dos animais. Figura 7. O ganho de peso de suínos de 15 a 30 kg não é afetado pelo teor de proteína bruta das rações, quando estas garantem os níveis mínimos de aminoácidos requeridos pelo animal. Ganho Diário de Peso - GDP (g/dia) a a a a a Proteína Bruta - PB (%) (P<0,01) Obs.: Todas as dietas continham 0,846% de lisina digestível. As letras a em todos os tratamentos indicam que todos os tratamentos foram estatisticamente iguais, ou seja, o nível de PB, entre 14 e 18%, não interferiu no ganho de peso. Fonte:Ferreira et al. (2003)

5 Por outro lado, o nitrogênio que sobra da quebra dos aminoácidos que estão em excesso na dieta precisa ser excretado através da urina. Como visto, o volume excedente de aminoácidos é bem menor nas dietas com aminoácidos industriais. Sendo assim, fica fácil entender porque suínos alimentados com estas rações, que contêm proteína bruta mais baixa, produzem dejetos com menor concentração de nitrogênio. Em geral, para cada 1% a menos de proteína bruta na ração, o nível de nitrogênio dos dejetos se reduz em 10%. Também ocorre uma diminuição de 10% na emissão de amônia, o que se reflete diretamente na qualidade do ambiente dos animais (Informe Técnico - 09). Em rações a base de milho e farelo de soja, apenas com a inclusão de Lisina Industrial, facilmente se reduz a proteína bruta em 2 pontos percentuais. Nas fórmulas contendo Lisina Industrial, também se observa uma ligeira diminuição no teor da Lisina Total. Isto é decorrente da diferença de digestibilidade da lisina do farelo de soja, que é próxima de 89%, e da Lisina Industrial, que é 100%. Por outro lado, este fato demonstra a importância de se formular com base em aminoácidos digestíveis, pois este sistema estima melhor o real valor em aminoácidos de um determinado ingrediente. Observação A fórmulas calculadas pelo Simulador devem ser utilizadas apenas para se avaliar a oportunidade de utilização de Lisina industrial. Entretanto, só devem ser realizadas alterações de formulação após uma consulta ao seu nutricionista. Este, além de ratificar o benefício da inclusão da Lisina industrial, poderá lhe indicar oportunidades para aproveitar melhor os ingredientes disponíveis na região e apontar alguns dos benéficos aos animais, que não são quantificados pelo programa. Conclusão O uso da Lisina Industrial, dependendo dos preços dos ingredientes, pode promover uma sensível redução dos custos das rações, além de alguns ganhos extras de performance. Com o uso do Simulador, se torna fácil avaliar os benefícios em relação ao custo da ração. O programa também gera alguns parâmetros simples, como o preço de equilíbrio e o spread, facilitando a tomada de decisão sobre o uso da Lisina Industrial. Bibliografia FERREIRA, R.A. Avaliação da redução da proteína bruta da ração com suplementação de aminoácidos para suínos de 15 a 60 kg mantidos em diferentes ambientes térmicos.viçosa, MG: UFV, Impr. Univ., 1998, 67 p. Tese de Doutorado em Zootecnia - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. AJINOMOTO BIOLATINA. Prevenção da poluição de nitrogênio na criação de suínos através de estratégias nutricionais. Informe Técnico Fonte: Amipig baseada na digestibilidade ileal verdadeira do farelo de soja com mais de 5% de fibra e 44,6% de Proteína Bruta.

6 Quadro 1. O que é necessário para se fazer uma simulação? Após selecionar o Espaço do Suinocultor no 1) Selecionar o Simulador 1 2) Escolher o tipo de ração entre as opções disponíveis2; 3) Informar a quantidade de suínos produzidos por semana; 4) Escolher os ingredientes da fórmula atual; 5) Digitar os preços (R$/kg) dos ingredientes; 6) Entrar com as quantidades dos ingredientes, sempre considerando batidas de 1000kg e 7) Clicar o botão SIMULAR A fórmula ajustada será apresentada ao lado da fórmula atual e, à direita da tela, estarão os níveis nutricionais calculados das duas dietas. Clicando no botão RESULTADOS, será apresentado um resumo dos resultados, com as estimativas dos benefícios econômicos. 1 O acesso ao simulador é livre e sem custos, basta informar o login e a senha. Estes são escolhidos pelo próprio usuário após preencher um pequeno cadastro. 2 Por enquanto, o Simulador ajusta apenas fórmulas para animais de 18 a 120kg. Quadro 2. Observações e Restrições do Simulador O Simulador não é um programa de custo mínimo. Assim, em condições adversas de preços, haverá casos em que o custo da fórmula ajustada será maior que o daquela sem Lisina Industrial. Nestas situações, a decisão do uso do aminoácido industrial também deverá levar em conta alguns dos benefícios da redução protéica. O programa não altera a inclusão dos Demais Ingredientes e também não ajusta os níveis de alguns nutrientes como o Ca, P, energia, etc. Caso os níveis de lisina digestível da fórmula não estejam adequados, o Simulador não é capaz de promover esta correção, pois ele sempre mantém o nível da fórmula atualmente em uso. O ganho de energia, obtido com a inclusão da Lisina Industrial, poderá resultar em maior benefício à performance dos suínos quando ajustada à relação energia:lisina da ração. Outra opção é reduzir o custo da dieta, ajustando o nível de energia para o mesmo padrão da fórmula atual, por exemplo, adicionando um pouco de farelo de trigo.

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - SISTEMA PORTAL ÚNICO. MÓDULO ACERVO Perfil Gestor

MANUAL DO USUÁRIO - SISTEMA PORTAL ÚNICO. MÓDULO ACERVO Perfil Gestor MANUAL DO USUÁRIO - SISTEMA PORTAL ÚNICO MÓDULO ACERVO Perfil Gestor CURITIBA 2007 Acervo Bibliográfico Última gravação rscosta- Página 1 SUMÁRIO INFORMAÇÕES SOBRE O MANUAL... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Informações

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS Benedito Marques da Costa 1, Maria do Carmo M. M. da Costa 2 RESUMO Formular rações não é difícil, porém gasta - se tempo nos cálculos. No método da tentativa

Leia mais

2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL)

2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL) Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção 2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL) Diversas ferramentas para solução de problemas de otimização, comerciais ou acadêmicos, sejam eles lineares

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

Manual do Sistema. SMARSA WEB Atendimento de Processos

Manual do Sistema. SMARSA WEB Atendimento de Processos Manual do Sistema SMARSA WEB Atendimento de Processos Módulo Atendimento ÍNDICE INTRODUÇÃO...1 OBJETIVOS...1 BEM VINDO AO SISTEMA SMARSA WEB MÓDULO ATENDIMENTO...2 TELA DE LOGIN...2 COMO UTILIZAR?... 2

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do farelo de soja por suínos Ferdinando N. Almeida e Hans H. Stein Department of Animal Sciences, University of Illinois, EUA

Leia mais

Manual NetBank PAN. Título da apresentação

Manual NetBank PAN. Título da apresentação Manual NetBank PAN Título da apresentação Sumário Sumário 1. Acesso ao NetBank Pan p. 04 2. Tela principal e funcionalidades p. 05 3. Opções de Conta Corrente p. 06 4. Extrato de Conta-Corrente p. 07 5.

Leia mais

Texto. Cadastro do Escritório de Advocacia. 1 de 28

Texto. Cadastro do Escritório de Advocacia. 1 de 28 Cadastro do Escritório de Advocacia 1 de 28 Atividades Propostas a) Acessar a funcionalidade para cadastrar o escritório de advocacia através do menu de opções; b) Cadastrar o escritório de advogado ao

Leia mais

Cenários do CEL. Acessar ao sistema

Cenários do CEL. Acessar ao sistema Cenários do CEL Acessar ao sistema Permitir que o usuário acesse ao Sistema de Léxicos e Cenários nas seguintes condições: logando-se, quando já estiver cadastrado; ou incluindo usuário independente, quando

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

M a n u a l E m i s s ã o d e N F e I

M a n u a l E m i s s ã o d e N F e I M a n u a l E m i s s ã o d e N F e I Sistema Nota Fiscal eletrônica Versão 1.1 29/02/2008 Para emitir uma Nota Fiscal eletrônica o usuário deverá acessar a tela inicial do sistema WebISS, digitar o usuário

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 2 a Edição. Horacio Santiago Rostagno

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 2 a Edição. Horacio Santiago Rostagno Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais 2 a Edição Editor: Horacio Santiago Rostagno Autores: Horacio Santiago Rostagno Luiz Fernando Teixeira Albino Juarez Lopes Donzele Paulo Cezar Gomes Rita

Leia mais

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3 a Edição. Horacio Santiago Rostagno

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3 a Edição. Horacio Santiago Rostagno Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais 3 a Edição Editor: Horacio Santiago Rostagno Autores: Horacio Santiago Rostagno Luiz Fernando Teixeira Albino Juarez Lopes Donzele Paulo Cezar Gomes Rita

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS MINIST~RIO DA AGRICULTURA MA Empresa Brasileira de Pesquisa A",opecuária EMBRAPA Unidade de E)(ecuçllio de PesQuil8 de Âmbito Estadual de 5&0 Carlos UEPAE do SA'o Corl", RODOVIA WASHINGTON l.ljiz, km 234

Leia mais

Como produzir suínos sem milho?

Como produzir suínos sem milho? Página 1 de 8 Como produzir suínos sem milho? Curtir Cadastre-se para ver do que seus amigos gostam. Luiz Fernando Teixeira Albino Professor Titular DZO/UFV Viçosa, MG Fernando de Castro Tavernari Pesquisador

Leia mais

Manual de Utilização. Sistema CotaOnline

Manual de Utilização. Sistema CotaOnline Manual de Utilização Sistema CotaOnline Versão usuário final Sistema desenvolvido pela equipe de desenvolvimento ANA/SGH/GPLAN/Telemetria. Versão 2 Agência Nacional de Águas ANA Superintendência da Gestão

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

PLATAFORMA SISUAB TUTORIAL PARA COMPARTILHAMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO

PLATAFORMA SISUAB TUTORIAL PARA COMPARTILHAMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO PLATAFORMA SISUAB TUTORIAL PARA COMPARTILHAMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO Coordenação Geral de Articulação Acadêmica CGAC Coordenação Geral de Políticas e Tecnologia de Informação CGTI Diretoria de Educação

Leia mais

Manual Operacional SIGA

Manual Operacional SIGA SMS - ATTI Julho -2012 Conteúdo Sumário... 2... 3 Consultar Registros... 4 Realizar Atendimento... 9 Adicionar Procedimento... 11 Não Atendimento... 15 Novo Atendimento... 16 Relatórios Dados Estatísticos...

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS - REDMINE MANUAL DE USO AGOSTO DE 2013 SUMÁRIO STI/UFF - Sistema de Gerenciamento de Projetos do PDI SUMÁRIO... 2 1 Introdução... 3 1.1 O que é e qual a finalidade

Leia mais

I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante

I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante Olá, Seja bem-vindo ao Instituto Lexec. Este manual foi criado por nossa equipe para orientar nossos clientes no acesso

Leia mais

MANUAL VERSÃO 4.14 0

MANUAL VERSÃO 4.14 0 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 1. O QUE É O EOL?... 2 2. ACESSANDO O EOL... 2 3. TELA INICIAL... 3 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 7 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 8 7. EXAMES

Leia mais

PROGRAMA WEB+LEITE DA RAÇA HOLANDESA

PROGRAMA WEB+LEITE DA RAÇA HOLANDESA MANUAL DO USUÁRIO PROGRAMA WEB+LEITE DA RAÇA HOLANDESA WEB+LEITE ACESSO AO SISTEMA: O usuário devera acessar o site da Associação através da internet no endereço: www.holandesparana.com.br e clicar no

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções.

Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções. 13. Editor de leiautes Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções. Neste capítulo uma breve explicação será apresentada sobre a organização

Leia mais

Grupo de Apoio Manual de Usuário 09/05/2011 FAPESP

Grupo de Apoio Manual de Usuário 09/05/2011 FAPESP Grupo de Apoio Manual de Usuário FAPESP Conteúdo Introdução... 3 Manutenção de usuários de apoio... 3 Acesso à funcionalidade... 3 Inclusão de novo usuário... 4 Exclusão de usuários... 8 Acompanhar PC...

Leia mais

PROCEDIMENTO Cadastro de Produtos. Café com Arte Móveis

PROCEDIMENTO Cadastro de Produtos. Café com Arte Móveis Cadastro de Produtos Café com Arte Móveis Valinhos, 22 de Abril de 2015 Versão: 1.0 Página 1 de 28 Alliati Soluções em TI. Controle de Alteração do Procedimento Versão Observações Responsável Data 1.0

Leia mais

Manual de configuração do sistema

Manual de configuração do sistema Manual de configuração do sistema (v.1.5.x Beta) Rua México, 119 Sala 2004 Centro Rio de Janeiro, RJ www.doctors-solution.com.br www.simdoctor.com.br contato@simdoctor.com.br Sumário 1. Fazendo seu primeiro

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema de Digitação de Notas Fiscais de Saídas Interestaduais

Manual do Usuário. Sistema de Digitação de Notas Fiscais de Saídas Interestaduais Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso Superintendência do Sistema de Administração Tributária Manual do Usuário Sistema de Digitação de Notas Fiscais de Saídas Interestaduais 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Manual do Debit Jurídico. Primeiros passos

Manual do Debit Jurídico. Primeiros passos Manual do Debit Jurídico Primeiros passos Índice Apresentação...2 Como acessar o produto...3 Tela Inicial...5 Como cadastrar o primeiro processo...5 Cliente...6 Advogado...6 Adverso...6 Dados do Processo...6

Leia mais

Como obter Ajuda e Suporte

Como obter Ajuda e Suporte Como obter Ajuda e Suporte Durante a utilização dos Sistemas comercializados pela Domínio Sistemas, você e sua equipe poderão ter dúvidas sobre algum processo ou alguma tela em específico. Estas dúvidas

Leia mais

HELP Fornecedores ATENÇÃO!!! IMPORTANTE: o acesso ao SIGA só poderá ser feito através do navegador Internet Explorer, versões 6 a 9.

HELP Fornecedores ATENÇÃO!!! IMPORTANTE: o acesso ao SIGA só poderá ser feito através do navegador Internet Explorer, versões 6 a 9. HELP Fornecedores IMPORTANTE: o acesso ao SIGA só poderá ser feito através do navegador Internet Explorer, versões 6 a 9. ATENÇÃO!!! Se a versão do seu navegador Internet Explorer for superior a 9, siga

Leia mais

Tutorial para envio de comunicados e SMS

Tutorial para envio de comunicados e SMS Tutorial para envio de comunicados e SMS Conteúdo 1. Enviando comunicado para os alunos... 1 2. Verificando a situação do envio dos e-mails para os alunos... 5 3. Enviando comunicado para colaboradores

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET I Sumário 1. Objetivo do Documento... 1 2. Início... 1 3. Cadastro de Pessoa Física... 3 3.1. Preenchimentos Obrigatórios.... 4 3.2. Acesso aos Campos

Leia mais

Serviço de Informação ao Cidadão. Eletrônico.

Serviço de Informação ao Cidadão. Eletrônico. Serviço de Informação ao Cidadão. Eletrônico. 2015 Acesse o site da Prefeitura de Japeri www.japeri.rj.gov.br e nele identifique o ícone de acesso ao e-sic. Clicando sobre o ícone, vai ser aberto o Portal

Leia mais

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1 1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1.ACESSANDO O SITE DA FEOL 1.1 Endereço do Site O endereço para acessar o site da Fundação Educacional de Oliveira é: www.feol.com.br Obs: experimente digitar apenas feol.com.br

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Dietas Caseiras para Cães e Gatos

Dietas Caseiras para Cães e Gatos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIA AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA CAMPUS DE JABOTICABAL SERVIÇO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA Prof. Dr. Aulus Cavalieri Carciofi

Leia mais

JURÍDICO. Gestão de Escritório de Advocacia Manual do Usuário. versão 1

JURÍDICO. Gestão de Escritório de Advocacia Manual do Usuário. versão 1 JURÍDICO Gestão de Escritório de Advocacia Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Operação básica do aplicativo 2 Formulários 2 Filtros de busca 2 Telas simples, consultas e relatórios 3 Parametrização

Leia mais

1 Natuur Online Cadastre-se Nome, Login E-mail Cadastrar.

1 Natuur Online Cadastre-se Nome, Login E-mail Cadastrar. 1 Essa é a tela de acesso do Natuur Online, clique aqui para acessar o site e siga o passo-apasso abaixo. Se esse é o seu primeiro acesso, clique em Cadastre-se. 2 - Preencha os dados solicitados com Nome,

Leia mais

Tutorial: Gestão da Central de Serviços

Tutorial: Gestão da Central de Serviços Tutorial: Gestão da Central de Serviços Orientação para acesso e edição de conteúdos de ofertas de serviços da Central de Serviços da UFABC Novembro de 2014 Autor: Nilson José Zoccaratto Versão 2 Conteúdo

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Digitação de Orçamentos

Digitação de Orçamentos Digitação de Orçamentos Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Aba Dados Gerais... 3 Aba Dados do Veículo... 5 Aba Cardápio... 5 Aba Serviços...

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Portal Acta. Tutorial para avaliador TUTORIAL AVALIADOR:

Portal Acta. Tutorial para avaliador TUTORIAL AVALIADOR: TUTORIAL AVALIADOR: O processo de Avaliação é dividido em seis passos, que guiam o Avaliador durante o processo de Avaliação. Passo 1 O Avaliador deve primeiramente informar o Editor de Seção se está disponível

Leia mais

VEXPRESSCRM. Manual do Usuário. Automação da força de vendas. MR Consultoria e Assessoria em Informática Desenvolvimento de Sistemas WEB Versão 2.

VEXPRESSCRM. Manual do Usuário. Automação da força de vendas. MR Consultoria e Assessoria em Informática Desenvolvimento de Sistemas WEB Versão 2. 1 Manual do Usuário VEXPRESSCRM Automação da força de vendas MR Consultoria e Assessoria em Informática Desenvolvimento de Sistemas WEB Versão 2.0 2 Acesso Para acessar o sistema VEXPRESS-CRM é necessário

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

Ano Base 2013. Programa de Qualificação da Saúde Suplementar

Ano Base 2013. Programa de Qualificação da Saúde Suplementar Relatório da Qualificação das Operadoras 2014 Ano Base 2013 Programa de Qualificação da Saúde Suplementar Introdução O Programa de Qualificação das Operadoras consiste na avaliação sistemática de um conjunto

Leia mais

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Conceitos iniciais 2 Perfis de utilização 2 Parametrização do aplicativo - configuração 2 Prazo de atendimento 2 Prazo de conclusão 3

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

PRODAV 05/2014 Passo a passo para inscrição do projeto

PRODAV 05/2014 Passo a passo para inscrição do projeto PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 05/2014 Para se inscrever na CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 05/2014, clique em http://ancine.brde.com.br/ancine/login.asp ou através do

Leia mais

BearingNet Bem-vindo Contenuto

BearingNet Bem-vindo Contenuto Contenuto Introdução... 2 Selecionar idioma... 3 Banners Publicitários... 3 Membro... 3 Atividade... 3 Utilidades... 3 Feriado Público... 6 Pedido de Ajuda... 6 Procurar... 7 Notícias recentes... 7 Novo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ. Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ

Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ. Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ 1 Sumário 1. Introdução 2. Emissão de Certidões 3. Autenticação de Certidões 4. Cadastro de Imóveis/Empresa 5. Acessando meu cadastro

Leia mais

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO. 05 3 ABERTURA DE PROTOCOLO. 06 4 CONSULTA DE PROTOCOLO. 08 5 PROTOCOLO PENDENTE. 10 6 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO.

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO. 05 3 ABERTURA DE PROTOCOLO. 06 4 CONSULTA DE PROTOCOLO. 08 5 PROTOCOLO PENDENTE. 10 6 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 04 2 ACESSO... 05 3 ABERTURA DE PROTOCOLO... 06 4 CONSULTA DE PROTOCOLO... 08 5 PROTOCOLO PENDENTE... 10 6 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO... 11 7 ANDAMENTO DE PROTOCOLO... 12 8 RELATÓRIOS,

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

Faculdade de Medicina de Marília Manual de acesso ao Demonstrativo de Pagamento de Salário dos Colaboradores

Faculdade de Medicina de Marília Manual de acesso ao Demonstrativo de Pagamento de Salário dos Colaboradores ACESSO AO DEMOSTRATIVO DE PAGAMENTO Para acessar o demonstrativo de pagamento, serão necessários os seguintes passos: 1º) Acesse o site da FAMEMA, vá em Área Funcionário localizado no canto superior direito,

Leia mais

Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo 1 Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo TABELA DE COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS ALIMENTOS Manual do Usuário 2014 São Paulo 2 Sumário Página inicial...

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PRÁTICAS

GUIA DE ORIENTAÇÕES PRÁTICAS GUIA DE ORIENTAÇÕES PRÁTICAS Professores e Coordenadores Pedagógicos 1. INTRODUÇÃO 2. PROPOSTA PEDAGÓGICA 3. COMO UTILIZAR 4. COMO ACESSAR A PLATAFORMA 5. ACOMPANHAMENTO DOS ALUNOS 6. CONTROLE DE CRÉDITOS

Leia mais

1) Como acessar a aplicação

1) Como acessar a aplicação Guia de Uso V1.0.0 1) Como acessar a aplicação 2 1 2 3 3 4 Ao clicar em Banco de Necessidades, será aberta uma nova guia do navegador com o formulário mostrado abaixo, o qual possui dois botões : Consulta

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. SINAP SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS.

PROGRAMA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. SINAP SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS. - DVVZI PROGRAMA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. SINAP SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS. A Divisão de Zoonoses e Intoxicações do Departamento de Vigilância Ambiental

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

Atualizações do Sistema. SMARsa

Atualizações do Sistema. SMARsa Atualizações do Sistema SMARsa Módulo WEB VERSÃO 2.0 Sumário 1º BLOQUEIO AUTOMÁTICO DE PROCESSO NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS (JUNTADA)...3 2º INCORPORAÇÃO DE PROCESSOS...4 3º PRAZO DE RECEBIMENTO DE PROCESSO

Leia mais

Para envio de Termos de Contrato, Editais de Licitação e Atos de Pessoal TCM-GO SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMÁTICA

Para envio de Termos de Contrato, Editais de Licitação e Atos de Pessoal TCM-GO SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMÁTICA Para envio de Termos de Contrato, Editais de Licitação e Atos de Pessoal TCM-GO SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMÁTICA :: Acesso Inicial ( p/ acessar o módulo de Envio e Cadastro) Clique no link Portal dos Jurisdicionados,

Leia mais

EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL DE FORNECEDOR QUALIDADE

EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL DE FORNECEDOR QUALIDADE EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL DE FORNECEDOR QUALIDADE 1 Índice 1. Solicitando acesso ao Portal de Fornecedor...3 2. Configurando o acesso ao Portal de Fornecedor...4 3. Acessando o Portal de

Leia mais

Manual de utilização de Usuário.

Manual de utilização de Usuário. Manual de utilização de Usuário. 1 - Entrar na Página da Assecc do Brasil no endereço: www.assecc.com.br e clicar no botão chamado Área restrita. 2 - Digitar o Código, Login e Senha . Irá aparecer

Leia mais

MANUAL VERSÃO 2.13 1

MANUAL VERSÃO 2.13 1 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. O QUE É O EOL?... 3 2. ACESSANDO O EOL... 3 3. TELA INICIAL... 4 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 6 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 7 7. EXAMES

Leia mais

Cadastros. Cadastro do Emitente

Cadastros. Cadastro do Emitente Página1 Cadastros O sistema dispõe de algumas vantagens interessantes e importantes no processo de emissão da NF-e, como é o caso dos cadastros. A principal funcionalidade é auxiliar o usuário no preenchimento

Leia mais

DAÍ DAIS Manual de Operação SISTAR V 1.0 1 / 30

DAÍ DAIS Manual de Operação SISTAR V 1.0 1 / 30 1 / 30 Sumário Sumário...2 Introdução...3 Objetivo...3 Operação...4 Autenticando no sistema SISTAR...5 Análise Tarifária...8 Unidade de Consumo...8 Tarifa...9 1. Informação Convencional...10 2. Informação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EXTRACRED Esta parte do sistema como descrito anteriormente neste manual permite que seus agentes tenham acesso á uma área exclusiva para acessar informações pessoais como: Meu Extrato

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

Manual B/L Web GRIEG

Manual B/L Web GRIEG Manual B/L Web GRIEG Introdução Acesse o site www.grieg.com.br e no menu SERVIÇOS escolha a opção B/L VIA WEB ou clique no ícone abaixo para o redirecionamento automático. Em seguida, o cliente preencherá

Leia mais

Página como comprar REQUISITOS

Página como comprar REQUISITOS Página como comprar REQUISITOS Só poderão realizar compras de Ingressos Corporativos Super Saver pessoas Jurídicas, ou seja, empresas registradas no Brasil que possuam CNPJ válidos. 1ª ETAPA - CADASTRO

Leia mais