USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS"

Transcrição

1 USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. A alimentação constitui-se no principal componente dos custos de produção de uma exploração leiteira e, além disso, é o fator sobre o qual o produtor tem maior controle e ao qual a produção de leite responde mais rapidamente. Na alimentação da vaca leiteira, o uso de alimentos concentrados tem por objetivo suplementar os alimentos volumosos nas suas deficiências em termos qualitativos e quantitativos e, em sistemas mais intensivos aumentar a produção de leite por animal. Devido ao seu elevado custo, é necessário racionalizar a sua utilização. Nesse sentido o primeiro aspecto a ser levado em conta, são as necessidades nutricionais das vacas leiteiras, que estão influenciadas pelo peso do animal, ordem de lactação, estágio de lactação e pela produção de leite, entre outros fatores. Tabela I Exigências nutricionais para vacas em lactação Manutenção PB NDT Ca P (peso vivo, Kg) (g) (Kg) (g) (g) , , , Para produção de 90 0,32 3,21 1,98 1 kg de leite (*) Para ganho de 1 Kg 320 2, de peso vivo. (**) (*) Leite com 4% de gordura (**) Após 90 dias de lactação considerar um ganho diário de 0,055% do peso vivo. Fonte: NRC Nutrient Requirements of Dairy Cattle (1989) As exigências na tabela I, foram calculadas para vacas adultas estabuladas. Para animais em pastejo, deve-se acrescentar 10 a 20 % das exigências de energia (NDT). Para vacas de primeira e segunda lactação, deve-se adicionar às exigências de manutenção para os nutrientes mencionados na tabela I, respectivamente, 20 e 10 % O cálculo da quantidade de concentrados a ser adicionado à dieta deve considerar a contribuição dos volumosos em termos de nutrientes, subtraída das exigências totais da vaca. Em geral, pastagens tropicais (verão) bem manejadas e adubadas, fornecem nutrientes suficientes para a manutenção, mais a produção de 8 a 10 Kg de leite por dia. Já as pastagens de inverno têm um potencial de produção de 12 a 15 Kg de leite por dia. O uso exclusivo de silagem de milho ou de sorgo, fornece nutrientes para a produção de apenas 5 a 6 Kg, devido a deficiência de proteína. Estes são alguns exemplos de volumosos que são usados para vacas leiteiras na região. Para produção maiores, deve-se fornecer 1 Kg de concentrado para cada 2 Kg de leite produzidos acima do potencial de produção dos

2 volumosos. Como por exemplo, uma vaca com produção de 20 Kg de leite por dia, em pastagem de verão, deverá receber 6 Kg de concentrado por dia ((20-8)/2). Em pastagem de inverno, a suplementação cai para 4 Kg ((20-12)/2). Outro fator a considerar é o estágio de lactação. Vacas até 90 dias pós-parto, devem receber quantidades maiores de concentrados para permitir um maior pico de produção e para reduzir a perda de peso/condição corporal, que se verifica neste período. Os concentrados para vacas leiteiras devem ser formulados de acordo com o tipo de volumoso utilizado. Para suplementar pastagens de verão ou silagem de milho/sorgo, deverão conter 20 a 24 % de PB, acima de 70% de NDT, 0,8-1,0% de cálcio e 0,7% de fósforo. No caso de pastagens de inverno, incluindo leguminosas, devem possuir 14 16% de PB, acima de 70% de NDT, 0,5% de cálcio e 0,7 % de fósforo. Estes níveis também são adequados para a suplementação de vacas mantidas em pastagens de verão adubadas e manejadas sob pastejo rotacional (Tabela II). Para vacas com produção inferior a 20 kg de leite/dia usar soménte alimentos energéticos como grãos de milho, sorgo, casca de soja, farelo de trigo e farelo de arroz, desde que as mesmas tenham livre acesso (dia e noite) à pastagens de inverno ou de verão adubadas e manejadas intensivamente. Tabela II Níveis recomendados de proteína bruta (PB), cálcio (Ca) e de fósforo (P) em concentrados conforme o tipo de volumoso utilizado Tipo de volumoso PB do volumoso Níveis de nutrientes no concentrado (% da MS) % PB % Ca % P Pasto de inverno* > ,5 0,5 Pasto + silagem de milho ,5 0,6 Silagem de milho ou capineira ,0 0,7 Cana com uréia a 1 % >1,0 0,7 Pasto de verão* ,5 0,6 * Para vacas com produção inferior a 20 kg de leite/dia fornecer somentes alimentos energéticos (milho, casca de soja). Na tabela III, estão alguns exemplos de concentrados que podem ser utilizados para vacas leiteiras. Os concentrados I e II, devem ser utilizados no verão e outono ou quando a silagem de milho ou sorgo forem os volumosos predominantes na dieta. Os concentrados III e IV, estão balanceados para suplementar vacas em pastagens de inverno, com pequena suplementação de silagem de milho/sorgo ou com uso de pastagens de verão adubadas intensivamente. O fornecimento dos concentrados, deve ser feito duas vezes ao dia. Quantidades acima de 8 Kg/dia deverão ser distribuídos, preferencialmente três ou mais vezes ao dia, sendo que parte misturado ao volumoso (silagem).

3 Tabela III Exemplos de rações concentradas para vacas leiteiras Rações I II III IV PB, % 22,0 21,8 16,2 16,1 NDT, % 71,4 71,1 72,4 72,1 Milho, grão 39,0 46,0 55,0 62,0 Farelo de trigo 25,0 25,0 25,0 25,0 Farelo de soja 32,0 24,0 16,0 8,0 Sal comum 1,0 1,0 1,0 1,0 Concentrado mineral 2,0 2,0 2,0 2,0 Farinha de conchas 1,0 1,0 1,0 2 1,0 2 Uréia - 1,0 1-1,0 1 1 As rações com uréia não devem ser usadas para vacas com produção superior a 30 Kg de leite/dia. 2 A farinha de conchas ou calcário calcítico, não necessitam ser incluídos se houver predomínio de leguminosas. 3. ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO 3.1. ASPECTOS BÁSICOS Para alimentar corretamente uma vaca leiteira devemos inicialmente entender as relações existentes entre a produção de leite, o consumo voluntário de alimentos e a variação do peso vivo nas diferentes fases de produção (Fig. 5).

4 Fig.5 Relação entre produção de leite, consumo de matéria seca e variação de peso corporal durante o ciclo de lactação. As primeiras 10 semanas de lactação correspondem ao período de maior produção de leite (pico de lactação), existindo uma defasagem entre as exigências nutricionais e a quantidade de alimentos que o animal consegue ingerir. Para suprir estas exigências existe a necessidade de mobilizar as reservas corporais e, com isso ocorre perda de peso mesmo que a alimentação fornecida seja abundante e de boa qualidade. Após as primeiras 10 semanas de lactação segue-se um período em que a produção de leite tende a diminuir e o consumo de alimentos é maior. Havendo consequentemente uma estabilização do peso vivo seguido de uma fase de recuperação do peso perdido no início da lactação. Na fase final da lactação a produção de leite é baixa e a ingestão de alimentos normalmente supera as exigências nutricionais, de forma que no final da lactação a vaca deve se encontrar em boas condições físicas. Além disso, a eficiência de conversão de energia dos alimentos em reservas corporais e mais elevado no período de lactação que no período seco. Apesar desse fato, um período de descanso de aproximadamente dois meses (período seco) é necessário para que ocorra a recuperação da glândula mamária, consequentemente uma maior produção de leite na lactação subsequente ( SWANSON, 1965). Perdas de peso vivo no início da lactação da ordem de 8 a 10% podem ser consideradas normais para animais com boa capacidade de produção, desde que seguidos de um período de estabilização e de recuperação do peso perdido (FARIA, 1985). Uma alimentação deficiente no início da lactação produz efeitos desfavoráveis que podem não ser muito visíveis, em termos de produção de leite, neste período. Entretanto após o pico de lactação haverá uma queda acentuada, diminuindo consideravelmente a produção total de leite. Perdas excessivas de peso poderão também retardar o aparecimento do cio pós parto e, com isso aumentar o intervalo entre partos (%). Mesmo que a alimentação seja corrigida, haverá apenas uma recuperação parcial da capacidade produtiva da vaca, ficando prejudicada a eficiência reprodutiva (Fig. 6).

5 Além disso, a resposta a uma suplementação alimentar, no que se refere a produção de leite, torna-se menor com o avanço da lactação (Fig.7). Outro aspecto importante na alimentação da vaca leiteira é o nível de produção do animal. Existe uma correlação positiva entre o nível de produção de leite e a eficiência de uso dos alimentos (Fig. 8). Portanto, vacas de maior potencial produtivo podem apresentar um maior retorno econômico, dependendo do custo dos alimentos utilizados 3.2. BALANCEAMENTO DE DIETAS O primeiro passo no balanceamento de dietas é calcular as exigências nutricionais de uma vaca ou de um grupo de vacas. As exigências de energia, proteína, cálcio e fósforo para a manutenção e produção de leite de vacas adultas foram descritas na tabela III. Tomando por exemplo uma vaca com 450 kg de peso vivo, em regime de pastejo e produzindo 15 kg de leite com 3,5% de gordura, as exigências diárias são as seguintes:

6 O próximo passo é calcular uma dieta que atenda as necessidades acima e, que possa ser consumida pelo animal. Isto pode ser obtido com inúmeras combinações de alimentos. Para facilitar este exemplo, os ingredientes utilizados são limitados em silagem de milho, pastagem de aveia e azevém, milho (grão), farelo de soja, fosfato bicálcico e calcário calcítico. Inicia-se o cálculo pelos alimentos volumosos, por serem estes, na maioria das vezes, a fonte mais barata de nutrientes para os ruminantes. O consumo diário de volumosos por vacas leiteiras varia de 1 a 3 kg de MS/100 kg de peso vivo, dependendo da qualidade dos mesmos. Para as silagens o consumo máximo diário de matéria seca varia de 2,2 a 2,4 % do peso vivo (BATH et al, 1985). O consumo total de matéria seca está relacionado com o peso vivo do animal e com o nível de produção de leite. Uma estimativa de consumo máximo de matéria seca está na TABELA V. Embora mais pesquisas sejam necessárias para definir com exatidão o consumo de alimentos, os dados da TABELA V, podem ser usados com um guia para estabelecer a quantidade máxima de matéria seca que uma vaca leiteira pode consumir. TABELA V. Estimativa de consumo máximo diário de matéria seca por vacas em lactação (NRC, 1988)

7 No nosso exemplo o consumo diário de MS não deve ultrapassar a 13,0 kg. Supondo que o criador esteja fornecendo 15 kg de silagem de milho e pastejo em aveia e azevem por 4 horas diárias, estimando-se um consumo dessa pastagem da ordem de 1% do peso vivo (4,5 kg de MS). A composição média dos alimentos disponíveis é a seguinte Para resolver este problema forma-se duas equações (proteína e energia) com as quantidades de PB e NDT por kg de cada alimento, bem como as quantidades em kg de PB e NDT que faltam na dieta. Equação da Proteína = 0.10 a b = 0.42 Equação da Energia = 0.90 a b = 2.36 a= Kg de MS de milho (grão) b = Kg de MS de farelo de soja Para eliminar a. multiplica-se simultaneamente pelos coeficientes de a. subtraindo após a segunda equação da primeira.

8 0.10 a b = 0.42 (0.90) 0.90 a+ 0.86b = 2.36 (0.10) 0.09 a b = a b = b= b= 0.142= 0.4 kg de MS de farelo de soja Substituindo b pelo seu valor na equação da proteína, obtém-se o valor de a a (0.4) = a = a = a = a= 0.224= 2.24 kg de MS de milho grão Para calcular as quantidades de milho grão e de farelo de soja, divide-se pelos seus coeficientes de matéria seca Milho grão = 2.24/0.89 = 2.52 kg Farelo de soja = 0.4/0.89 = 0.45 kg Com o cálculo das quantidades de milho e de farelo de soja, a ração fica assim constituída:

9 Observa-se ainda que a dieta é deficiente em cálcio e fósforo. Para corrigir a deficiência de P pode-se utilizar o fosfato bicálcico. A quantidade pode ser calculada da seguinte forma: De fosfato bicálcico = Necessidade de P (g) X 100 % de P no suplemento De fosfato bicálcico = 10, X 100 = 56,7 18 Esta quantidade de fosfato ainda fornece 13,0 g de Ca (56,7 x 0,23). Faltam ainda 19,5 g de Ca (32,5-13,0 ) que podem ser fornecidos pelo calcário calcítico. De calcário = 19, X 100 = 52,7 37

10 A dieta formulada que será dada diariamente aos animais é a seguinte: A mistura concentrada pode ser dada em termos percentuais e terá a seguinte fórmula, com 90% de matéria seca: Esta ração deve ser dada aos animais na base de 3,0 kg/animal/dia. Alé

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA Júlio César Damasceno 1, Geraldo Tadeu dos Santos 1, Cristiano Côrtes 2, Fabíola Cristine de Almeida Rego 2. 1 Professor Doutor do Departamento de Zootecnia da

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Estratégias de suplementação com concentrados para vacas Holandês X Zebu manejadas em pastagem de capim-elefante INTRODUÇÃO

Estratégias de suplementação com concentrados para vacas Holandês X Zebu manejadas em pastagem de capim-elefante INTRODUÇÃO Estratégias de suplementação com concentrados para vacas Holandês X Zebu manejadas em pastagem de capim-elefante Fermino Deresz 1,2, Antônio Carlos Cóser 1,2, Ademir de Moraes Ferreira 1,2, Carlos Eugênio

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC)

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) Suplementação mineral Visa complementar os minerais fornecidos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS Benedito Marques da Costa 1, Maria do Carmo M. M. da Costa 2 RESUMO Formular rações não é difícil, porém gasta - se tempo nos cálculos. No método da tentativa

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 75 fevereiro/2013 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

Dietas Caseiras para Cães e Gatos

Dietas Caseiras para Cães e Gatos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIA AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA CAMPUS DE JABOTICABAL SERVIÇO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA Prof. Dr. Aulus Cavalieri Carciofi

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Christiano Nascif, zootecnista, coordenador de assistência do PDPL-RV e coordenador técnico do Projeto Educampo/Sebrae.

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

NUTRIÇÃO DE BÚFALOS EM REGIÕES TROPICAIS

NUTRIÇÃO DE BÚFALOS EM REGIÕES TROPICAIS NUTRIÇÃO DE BÚFALOS EM REGIÕES TROPICAIS I - INTRODUÇÃO Adaptado de Leonardo C. Kearl (1982). Traduzido por Alcides de Amorim Ramos Dos 149 milhões de búfalos do mundo, cerca de 144 milhões se acha na

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES Sérgio O. Juchem 1, João Carlos Pinto Oliveira 2, Renato Serena Fontaneli 3 A aveia preta é uma alternativa

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS MINIST~RIO DA AGRICULTURA MA Empresa Brasileira de Pesquisa A",opecuária EMBRAPA Unidade de E)(ecuçllio de PesQuil8 de Âmbito Estadual de 5&0 Carlos UEPAE do SA'o Corl", RODOVIA WASHINGTON l.ljiz, km 234

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PERÍODO DE TRANSIÇÃO (3 semanas pré-parto a 3 semanas pós-parto) aperíodo de tempo onde a vaca passa por grandes alterações

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 71 outubro/2012 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática

FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática FOLHA 2 Programação Linear : modelação matemática 1. A fábrica de gelados Derretem-se na Boca SARL fabrica 2 qualidades de gelados : de nozes (C) e de frutas (P). A loja encontra-se localizada numa animada

Leia mais

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Problemas deste tipo consistem em combinar materiais obtidos na natureza (ou

Leia mais