ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!"

Transcrição

1 ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos, suplementos minerais protéicos energéticos e rações para a nutrição de bovinos, com o objetivo de obter o máximo de desempenho em ganho de peso, fertilidade e produção de leite dos animais, de maneira simples, prática e econômica, fazendo que o produtor obtenha maiores ganhos. Na primeira parte é apresentada de forma objetiva e de fácil compreensão, a importância e funções dos macrominerais e microminerais na nutrição de bovinos e os sintomas de deficiência quando há carência dos mesmos. Na segunda parte são apresentadas as três linhas de produtos BigSal, (BigCromo, BigFós e Big+), especificando o objetivo nutricional de cada produto e categoria animal para a qual foi desenvolvido. Na terceira parte é apresentada os fatores que podem influenciar no consumo dos suplementos minerais e a importância do uso dos cochos, indicações de construções que possam melhorar o desempenho dos bovinos. Na quarta parte é apresentado o Programa Peso Pesado que é o programa nutricional de alto desempenho da BigSal, desenvolvido para maximizar o desempenho dos bovinos e lucros para o pecuarista. No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! Funções dos Minerais e Sintomas de suas deficiências 05 Macro Minerais 05 Micro Minerais 06 Nossa Linha de Produtos 09 BIGCROMO 09 Suplementos Minerais de Pronto Uso 09 Suplementos Minerais Protéicos de Pronto Uso 11 Suplementos Minerais Protéicos e Energéticos de Pronto Uso 13 BIGFÓS 15 Suplementos Minerais para Mistura 15 Suplementos Minerais de Pronto Uso 15 BIG+ 17 O que interfere no consumo de suplementos minerais 19 Uso de Cochos 20 Comprimento do Cocho 20 Largura do Cocho 20 Localização dos Cochos 21 Cobertura e Manejo dos Cochos 21 O que interfere no consumo de suplemento mineral? 21 Modelo de Cocho com Creep Feeding 22 Programa Peso Pesado 23 Gado de Corte 24 CRIA 24 RECRIA 26 ENGORDA 26 GADO DE LEITE 29 BEZERRO MAMANDO 29 RECRIA 29 NOVILHAS EM GESTAÇÃO 29 VACAS EM LACTAÇÃO 30 VACAS SECAS 31 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES 32 Níveis de Garantia dos Produtos 33 Linha BIGCROMO 33 Linha BIGFÓS e BIG

2 FUNÇÕES DOS MINERAIS E SINTOMAS DE SUAS DEFICIÊNCIAS Este capítulo de nosso manual tem o objetivo de informar para que servem e quais os problemas que as deficiências de minerais podem causar aos bovinos. MACRO MINERIAIS 1 CÁLCIO E MAGNÉSIO São responsáveis pela formação de ossos e dentes; São importantes para animais em crescimento, vacas de cria com bezerro ao pé e vacas leiteiras; São os minerais mais baratos nos suplementos minerais. Má formação óssea em bezerros (mãos tortas e juntas grossas); Queda na produção de leite e no desenvolvimento dos bezerros que estão mamando; Febre do leite em vacas leiteiras (vaca fraca pós-parto, com tremores e morte); Reduz o aparecimento de cio. 2 FÓSFORO Participa do metabolismo energético das proteínas, açucares e gorduras; É o mineral mais importante para estimular o aparecimento de cio e o ganho de peso, portanto o mais limitante para produção de carne e leite a pasto; É o mineral que representa o maior custo nos suplementos minerais; É responsável pela formação de ossos e dentes; É importante para animais em crescimento, vaca de cria com bezerro ao pé e vacas leiteiras. Reduz o aparecimento de cio e o ganho de peso; Queda na produção de leite e no desenvolvimento dos bezerros que estão mamando; Animais ingerindo ossos e material estranho; Aparecimento de doenças como o Botulismo. 3 ENXOFRE Participa da formação das proteínas no rúmen do animal e a nível celular; Melhora a elasticidade da pele e aumenta a resistência dos animais aos parasitos (carrapatos); Promove a transformação da uréia em proteína no rúmen. Má utilização da uréia pelo ruminante; Sintomas de deficiência de proteínas, como baixo ganho de peso e produção de leite; Animais com pelos arrepiados e quebradiços; Animais altamente susceptíveis aos ectoparasitos, principalmente os carrapatos; 4 SÓDIO O sódio é o mineral mais deficiente para a nutrição de todos os animais, inclusive o homem; É deficiente em todos os alimentos naturais; Está contido no sal branco ou sal de cozinha (cloreto de sódio); É responsável por regular a quantidade de água no organismo do animal; É o mineral que controla o consumo dos suplementos, ou seja, o ruminante vai ao cocho buscar sódio, até atingir um consumo de aproximadamente 30 g de sal comum por animal adulto ao dia. Falhas em todas as funções orgânicas do animal, inclusive crescimento, ganho de peso e produção de leite; Animais lambendo terra e urina de outros animais; Obs: Como o Sal Comum é um elemento barato na mistura mineral e geralmente não aparece a deficiência nos animais. Quanto maior o nível de sal comum em uma mistura, menor será seu consumo e sua qualidade. Todos os produtos BigSal são formulados com as quantidades adequadas de sódio, portanto não é necessário misturar sal comum nos suplementos, isto reduz o valor nutritivo e desequilibra todos os outros minerais, além de reduzir o consumo da mistura. MICRO MINERAIS 1 ZINCO Ativa e constitui mais de 30 enzimas envolvidas no metabolismo do ácido nucléico, na síntese da proteína e no metabolismo dos carboidratos; Reduz o efeito do estresse provocado por doenças inflamatórias e medidas de manejo; Participa na formação dos espermatozóides nos touros; 5 6

3 Atua na recuperação do fígado em casos de intoxicações; É um dos minerais mais deficientes nas pastagens de braquiárias e na região Amazônica; Redução da fertilidade em touros; Problemas de pele enrugada, queda de pêlos, pelos grossos e sem brilho, Quedas no ganho de peso após a desmama, castração e outros fatores estressantes; 2 COBRE Participa junto com o ferro da composição do sangue; Atua no combate da anemia causada pelas verminoses e outros parasitos; Mantém a integridade dos pelos dos animais; Bezerros com diarréias escuras; Pêlos arrepiados e quebradiços; Anemia, fraqueza e baixo desenvolvimento. 3 COBALTO Função: Participa da formação da Vitamina B12 no rúmen, o que estimula o apetite do animal; Anorexia (perda do apetite); Falhas no crescimento, reprodução e produção de leite. 4 IODO Função: É responsável pela formação do hormônio da tireóide (Tiroxina) que participa do metabolismo do animal (aproveitamento de todos nutrientes); Má utilização dos alimentos e conseqüentemente pior conversão alimentar; Bezerros com aumento da Tireóide ( papo ou papeira). 5 SELÊNIO Participa da formação de enzimas que combate os radicais livres formados no metabolismo celular (destrói a membrana celular); Possui efeito antioxidante; Algumas regiões, a exemplo do Acre, podem apresentar excesso de selênio em plantas que aparecem junto com as pastagens (plantas seleníferas); Aparecimento de retenção da placenta pós-parto; Falhas na reprodução; 5 MANGANÊS Participa na formação dos hormônios da reprodução; Importante para melhorar o aparecimento de cio; Em dietas com altos níveis de cálcio, inibe a absorção do manganês; Muito importante na suplementação de eqüinos, pois estes animais são muito exigentes em cálcio. Falhas na reprodução; Enfraquecimento e deformação dos membros de bezerros. 6 FERRO É componente do sangue, está envolvido no sistema de transporte do oxigênio para as células; A deficiência de ferro pode ser problema em bezerros de até 4 meses com infestação anormal de parasitas; Os níveis de ferro encontrados nas pastagens, em nossa região, são até dez vezes maiores que o necessário. O excesso de ferro na suplementação ocasiona a diminuição da absorção de fósforo pelo organismo do animal; 7 CROMO É considerado o mineral anti-stress; Regula os níveis de insulina (hormônio produzido pelo pâncreas) no sangue, que controla a taxa de açúcar na circulação; Redução no desenvolvimento após a desmama, transporte e castração; Em casos de animais de pêlos escuros o stress térmico, diminui a produção de carne e leite pelos animais; Falhas na reprodução. 7 8

4 NOSSA LINHA DE PRODUTOS Os suplementos da linha Big Cromo são produtos de alto desempenho e indicados para pecuaristas que querem resultados superiores em qualquer fase da criação de bovinos. Os produtos foram desenvolvidos a partir de análises de solo e bromatológicas das pastagens dos estados de Rondônia, Acre e norte do Mato Grosso, com objetivo específico de cobrir toda a deficiência destas pastagens, objetivando melhores ganho de peso e produção de leite nos bovinos. A partir de resultados de pesquisas, mostrando a eficiência do cromo orgânico em diminuir o stress animal, possibilitando melhor bem estar, foi adicionado este mineral em toda esta linha de produto, conseqüentemente aumentando os ganhos, tanto de carne como de leite nos animais. SUPLEMENTOS MINERAIS DE PRONTO USO Estes produtos são formados por misturas minerais completas, prontos para uso e formulado com o objetivo de cobrir todas as deficiências macro e micro mineral das pastagens. Vários destes produtos são aditivados com proteína, o que em várias pesquisas que realizamos, tem mostrados ganhos significativos, mesmo no período das chuvas. BIG CROMO 50 SECA Indicado para suplementação mineral de bovinos de corte na fase de engorda no período seco. É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco. Este suplemento mineral possui proteína na forma de uréia e amiréia cuja finalidade de uso é cobrir a deficiência protéica das pastagens na época da seca, nas regiões onde esta estação é menos rigorosa, como é o caso da Amazônia. O uso destes suplementos tem mostrado alta eficiência e uma ótima relação custo benefício, quando o produtor não deseja utilizar proteinados. Consumo estimado em 100g por animal adulto (450 kg) ao dia, variando em função da qualidade e quantidade de pastagem disponível para o animal, sendo necessário um comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto. BIG CROMO 50 ÁGUAS Indicado para suplementação mineral de bovinos de corte na fase de engorda no período das águas e início de período seco. É importante que haja boa disponibilidade de 9 capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período das chuvas. Este suplemento mineral possui proteína na forma de farelos e amiréia cuja finalidade de uso é cobrir a pequena deficiência protéica das pastagens no período das águas. O uso de BIG CROMO 50 ÁGUAS apresenta uma das melhores relações custo/benefício, uma vez que incrementa o ganho de peso de 80 a 150g por animal ao dia, em comparação com outros suplementos minerais sem proteína, como já constatamos em pesquisas realizadas em nossa região. Consumo estimado 80g por animal adulto ao dia (450 kg), variando em função da comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto. BIG CROMO 60 SECA Indicado para suplementação mineral de bovinos de corte nas fases de cria e recria, no período seco É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco. Este produto é ideal para vacas após a segunda cria, que não estão em estação de monta e entram o período seco com bom escore corporal. Pode, também, ser utilizado para bois de acabamento em solos de baixa fertilidade. Este suplemento mineral possui proteína na forma de uréia e amiréia cuja finalidade de uso é cobrir a deficiência protéica das pastagens na época da seca, nas regiões onde esta estação é menos rigorosa, como é o caso da Amazônia. Consumo estimado em 150g por animal adulto ao dia (450 kg), mas pode variar em função da qualidade e quantidade de pastagem disponível para o animal, sendo necessário um comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto. BIG CROMO 65 ÁGUAS Indicado para suplementação mineral de bovinos de corte na fase de recria, período das águas e início de período seco. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período das chuvas. Este produto é uma opção ideal para bezerros desmamados, evita o stress causado pela desmama e melhora o ganho de peso nesta fase. Este suplemento mineral possui proteína na forma de farelos e amiréia cuja finalidade de uso é cobrir a pequena deficiência protéica das pastagens no período das águas. Consumo estimado 100g por animal adulto ao dia ou 70g por garrote (300 kg) ao dia, variando em função da qualidade e quantidade de pastagem disponível para o animal, sendo necessário um comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto ou 3 cm por bezerro. BIG CROMO 75 Indicado na suplementação mineral de bovinos de cria, em solos de alta fertilidade e nas fases de recria e engorda em pastos sobre solos de média a baixa fertilidade. 10

5 Consumo estimado 70 g por animal adulto ao dia, mas pode variar em função da fertilidade do solo e qualidade da pastagem, sendo necessário um comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto. BIG CROMO 90 REPRODUÇÃO Indicado para suplementação mineral de bovinos na fase de cria durante toda a estação de reprodução, monta ou inseminação. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período das chuvas. O uso de BIG CROMO 90 REPRODUÇÃO é indicado com objetivo de se obter altos índices de prenhes em vacas de cria na estação de monta ou inseminação Este suplemento mineral possui proteína na forma de farelos e amiréia cuja finalidade de uso é cobrir a pequena deficiência protéica das pastagens no período das águas. Consumo estimado 120g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto. BIG CROMO 90 LEITE Indicado para suplementação mineral e vitamínica de bovinos de leite em lactação É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. O uso de deste produto é indicado para vacas com potencial de produção de 4 a 6 kg de leite ao dia. O fornecimento deste produto ajuda a diminuir o intervalo entre partos e aumenta o período que a vaca se mantém em produção. Este suplemento mineral possui proteína na forma de farelos e amiréia cuja finalidade de uso é cobrir a pequena deficiência protéica das pastagens no período das águas. Consumo estimado 120g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto. SUPLEMENTOS MINERAIS PROTEÍCOS DE PRONTO USO São suplementos balanceados para suprir as deficiências de minerais e proteínas que faltam nas pastagens, principalmente no período seco, onde o déficit de proteínas afeta negativamente o consumo de pastagem e conseqüentemente os índices produtivos. Estes suplementos oferecem também pequenas quantidades de energia, suficiente para aumentar a flora de microorganismos no rumem e melhorar a síntese protéica, resultando em melhor aproveitamento da forragem e maior desempenho dos animais. Dependendo da qualidade da pastagem, com a utilização deste produto se espera um incremento de 200g a 400g no ganho de peso em relação aos de animais tratados com suplemento mineral, no período da seca. Estes produtos são comumente chamados de proteinados. BIG PESO DESMAMA Indicado para suplementação mineral e protéica de bovinos de corte na fase de recria, durante o período seco. É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco, e que os cochos estejam dimensionados de acordo com a quantidade de animais no lote. Este produto é ideal para animais desmamados na seca, para que os mesmos não sintam o estresse da desmama. Este produto ajuda numa recuperação mais rápida de bezerros de compra sentidos, em qualquer época do ano. Para animais de alto padrão zootécnicos este produto deverá ser oferecido para os machos até 18 meses de idade e para as fêmeas até entrarem em estação de monta, em qualquer época do ano. Consumo estimado 120g por 100 kg de peso vivo ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 8 cm por animal adulto e 4 cm por bezerro. Indicado para suplementação mineral e protéica bovinos de corte na fase de cria e bovinos de leite, durante o período seco, É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco, e que os cochos estejam dimensionados de acordo com a quantidade de animais no lote. Este produto é ideal para fêmeas em estação de monta, pois melhora o aparecimento de cio e a condição corporal dos animais, conseqüentemente maior quantidade de bezerros por ano. Para novilhas iniciar o fornecimento deste produto 45 dias antes do início da estação de monta e manter durante toda a estação. Para vacas de primeira cria iniciar o fornecimento 30 dias antes do início das parições e manter o tratamento até o final da estação de monta. Utilizado para vacas de leite para aumentar a produção tanto no período seco quanto chuvoso, tendo um maior retorno e uma duração maior na lactação da matriz. Consegue aumentar em até 30% a produção. Consumo estimado 120g por 100 kg de peso vivo ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 8 cm por animal adulto. BIG PESO 25.0 Indicado para suplementação mineral e protéica de bovinos de corte na fase de engorda, durante o período seco. É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco, e que os cochos estejam dimensionados de acordo com a quantidade de animais no lote. Este suplemento permite obter ganhos de 200 a 500 g por animal ao dia, além de forçar o animal a comer o pasto fibroso, durante a seca. Para animais de alto padrão zootécnico, este produto dever ser oferecido para todos os bois acima de 18 meses

6 Consumo estimado 120g por 100 kg de peso vivo ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 8 cm por animal adulto. BIG PESO 20.0 Indicado para suplementação mineral e protéica de bovinos de corte na fase de engorda, no período chuvoso. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período chuvoso, e que os cochos estejam dimensionados de acordo com a quantidade de animais no lote. Este suplemento permite obter ganhos de 600g a 800g por animal ao dia, Para animais de alto padrão zootécnico, este produto dever ser oferecido para todos os bois acima de 18 meses. Consumo estimado 120g por 100 kg de peso vivo ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 8 cm por animal adulto. SUPLEMENTOS MINERAIS PROTEÍCOS E ENERGÉTICOS DE PRONTO USO São suplementos balanceados para suprir a deficiência de minerais, de proteína e incrementar o ganho de peso com o suprimento do déficit energético das pastagens. São produtos indicados para animais em terminação até o abate. Ganhos de peso maiores são observados em animais mais leves. Animal com maior acabamento de carcaça, obtém ganhos menores, devido à maior exigência para a formação da gordura corporal. Estes são os produtos comumente chamados de proteinados de alto consumo. BIG ENERGIA 20.0 SECA Indicado para suplementação mineral, protéica e energética de bovinos de corte na fase de engorda, durante o período seco. É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco, e que os cochos estejam dimensionados de acordo com a quantidade de animais no lote. Este produto deve ser oferecido para animais nos últimos 60 a 90 dias de vida (acima de 400 kg de peso vivo). O fornecimento deste produto proporciona um acabamento de carcaça ideal e acelera o ganho de peso. Os ganhos de peso são estimados de 500g a 800g ao dia, variando em função da qualidade e disponibilidade de pastagens. Consumo estimado 200g por 100 kg de peso vivo ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 10 cm por animal adulto. BIG ENERGIA 20.0 ÁGUAS Indicado para suplementação mineral, protéica e energética de bovinos de corte na fase de engorda, durante o período seco. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período chuvoso, e que os cochos estejam dimensionados de acordo com a quantidade de animais no lote. Este produto deve ser oferecido para animais nos últimos 60 a 90 dias de vida (acima de 400 kg de peso vivo). O fornecimento deste produto proporciona um acabamento de carcaça ideal e acelera o ganho de peso. Os ganhos de peso são estimados de 700g a 1000g ao dia, variando em função da qualidade e disponibilidade de pastagens. Consumo estimado 200g por 100 kg de peso vivo ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 10 cm por animal adulto. BIG BABY Indicado para suplementação mineral, protéica e energética de bezerros lactentes (mamando) durante todo ano. Oferecer este produto em sistema de creep feeding, com objetivo de estimular a ruminação e o ganho de peso. O valor nutritivo deste produto é semelhante ao do leite o que garante um menor desgaste da vaca e rápido retorno ao cio. Com o uso de BIG BABY, pode-se desmamar bezerros com 20kg a 40Kg mais pesados em relação aos animais que não consomem este produto Iniciar o fornecimento deste suplemento a partir de 2 meses de idade dos bezerros, durante toda a amamentação e até 30 dias após a desmama. O consumo aumenta gradativamente podendo atingir 200g por 100kg vivo ao dia. Estes valores variam em função da produção de leite da vaca, ou seja, quanto menor a produção, maior será a procura pelo suplemento

7 A linha BigFós é formada por produtos para a suplementação de bovinos, de ampla utilização pelo pecuarista tradicional e que exige produtos com qualidade assegurada. Estes produtos são econômicos e incorpora matérias primas de qualidade, tudo na dose certa. SUPLEMENTO MINERAL PARA MISTURA BIG 30 É indicado para suplementação mineral de bovinos de corte nas fases de cria, recria e engorda, após misturar sal comum. Para gado de cria e recria, misturar 1 saco do produto em 1 saco de sal comum. Para engorda, misturar 1 saco do produto em 2 sacos de sal comum. A mistura de maiores quantidades de sal comum em concentrados, não é recomendada devido à grande diluição dos minerais, tornando a mistura de baixa qualidade nutricional. Consumo estimado de 70g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto. SUPLEMENTO MINERAL DE PRONTO USO BIGFÓS 40 Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de engorda em pastagens sobre solo de alta fertilidade. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Consumo estimado de 70g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto. BIGFÓS 50 ÁGUAS Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de engorda, durante o período das águas. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Este suplemento mineral possui proteína na forma de farelos e amiréia, cuja finalidade de uso é cobrir a pequena deficiência protéica das pastagens no período das águas. Consumo estimado de 100g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto BIGFÓS 50 SECA Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de engorda, durante o período da seca. É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco. Este suplemento mineral possui proteína na forma de uréia e amiréia, cuja finalidade de uso é cobrir a deficiência protéica das pastagens na época da seca, nas regiões onde esta estação é menos rigorosa, como é o caso da Amazônia. Consumo estimado de 100g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto BIGFÓS 60 SECA Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de cria e recria, durante o período da seca. É importante que haja boa disponibilidade de capim, mesmo que seco e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Iniciar o fornecimento logo no começo do período seco. Este suplemento mineral possui proteína na forma de uréia e amiréia, cuja finalidade de uso é cobrir a deficiência protéica das pastagens na época da seca, nas regiões onde esta estação é menos rigorosa, como é o caso da Amazônia. Consumo estimado de 100g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 5 cm por animal adulto. BIGFÓS 65 Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de recria em pastagens sobre solo de alta fertilidade e engorda em solos de média fertilidade. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Consumo estimado de 70g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto BIGFÓS 75 Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de cria em pastagens sobre solo de alta fertilidade, recria em solos de média fertilidade e engorda em solos de baixa fertilidade. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Consumo estimado de 70g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto 15 16

8 BIGLEITE 85 Indicado na suplementação mineral de bovinos de leite. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Consumo estimado de 85g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto. BIGFÓS 90 Indicado na suplementação mineral de bovinos de corte na fase de cria em pastagens sobre solo de média fertilidade, recria em solos de baixa fertilidade. É importante que haja boa disponibilidade de capim e que não falte produto no cocho durante o período que este for fornecido. Consumo estimado de 70g por animal adulto ao dia, variando em função da comprimento de cocho de 4 cm por animal adulto A linha Big+ é formada por rações formuladas para o máximo desempenho de três categorias de animais: bovinos de corte, bovinos de leite e eqüinos. Big+ suplementa energia, proteína e minerais para atingir o máximo da capacidade genética dos animais, sejam para obter mais força de eqüinos e muares, mais carne na engorda de bois no curto prazo ou mais leite em vacas de alta produção. O uso de rações concentradas tem como objetivo, atingir o máximo de desempenho da capacidade genética do animal e reduzir o consumo de pastagens, o que possibilita aumentar o número de animais no pasto. As rações são indicadas: Para vacas leiteiras com produções acima de 6 kg de leite ao dia na seca e 9 kg nas águas; Para animais de elite ou destinados a exposições e leilões; Para engorda de bois em curto prazo (30 a 60 dias); Para eqüinos de elite ou animais de trabalho em pastagens de baixa qualidade. RAÇÕES BIG EQUINO 14.0 É a ração formulada para suplementar energia, proteína e minerais para eqüinos e muares de forma a suprir toda deficiência das pastagens, o que permite ao animal apresentar o máximo de desempenho. A ração deverá ser oferecida na quantidade de 0.5% a 1.0% do peso vivo dos animais, ou seja, de 2 a 4 kg por animal ao dia. 2 kg quando a pastagem for de boa qualidade (nas águas) e 4 kg para pastagem de baixa qualidade (na seca). Até 2 kg por animal ao dia, a ração poderá ser oferecida em uma única refeição, de preferência pela manhã e acima de 2 kg por animal ao dia, a ração deverá ser dividida em 2 a 3 refeições. O uso de mais de 4 kg de ração predispõe o animal ao aparecimento de cólicas intestinais, por isto deverá ser dividida em um maior número de refeições. BIG CORTE 16.0 É a ração formulada para suplementar energia, proteína e minerais de forma a suprir toda deficiência das pastagens, o que permite ao animal apresentar o máximo de desempenho. Para bois em terminação (com mais de 400 kg de peso vivo), a ração deverá ser oferecida na quantidade de 0.5 a 1.0 % do peso vivo dos animais, ou seja, de 2 a 4 kg por animal ao dia, sendo 2 kg quando a pastagem for de boa qualidade (nas águas) e 4 kg para pastagem de baixa qualidade (na seca). Com este consumo, estima-se um ganho de peso de 1kg a 1,4kg de peso vivo por animal ao dia, variando em função da quantidade e qualidade da pastagem. Esta ração poderá ser oferecida também para animais de elite, destinados à exposição ou leilões, na proporção de 1 a 1.5 % do peso vivo dos animais, dividida em 2 a 4 refeições diárias. BIG LEITE 22.0 É a ração formulada para suplementar energia, proteína e minerais das vacas leiteiras, de forma a suprir toda deficiência das pastagens, para produção de leite e reprodução, permitindo ao animal apresentar o máximo de desempenho. A ração deverá ser oferecida na proporção de 1kg da ração para cada 3kg de leite produzido. O uso de rações para vacas leiteiras é de fundamental importância, uma vez que o desgaste da vaca é muito intenso devido à extração de nutrientes pelo leite. Quando não suplementamos de maneira adequada, as vacas leiteiras mobilizam nutrientes de seus organismos para produzir leite e interrompe a reprodução, o que significa falha nas parições e produção de leite. Para vacas com médio potencial de produção, de 6 kg a 12 kg de leite ao dia, oferecer este produto no período das águas, para vacas com até 3 meses de lactação, ou até o aparecimento do cio. No período seco oferecer para todas as vacas em lactação. Para vacas com alto potencial de produção, de mais de 12 kg de leite ao dia, oferecer para todas as vacas durante toda a lactação. Sendo que na seca, as vacas deverão ser suplementadas com volumosos no cocho, como silagem de milho, sorgo ou cana-deaçúcar

9 O QUE INTERFERE NO CONSUMO DE SUPLEMENTOS MINERAIS? FERTILIDADE DE SOLO E TIPO DE CAPIM Quanto maior a fertilidade do solo menor é o consumo de minerais. Diversas pesquisas mostram que o gado sob pastejo em campos nativos consome mais suplementos do que em pastagem melhorada. Quando os animais estão com baixa disponibilidade de capim, o consumo de suplemento é maior que em épocas normais de boa disponibilidade. ESTAÇÃO DO ANO No período da seca, os capins param de crescer, perdem a cor verde, aumentam o teor de fibra, diminuindo a digestibilidade e disponibilidade de minerais. Nesta época, o consumo de mineral é aumentando para compensar essa falta de disponibilidade. Quanto mais seco estiver o capim maior será o consumo do suplemento mineral. EXIGÊNCIA INDIVIDUAL A velocidade de crescimento, taxa de natalidade e produção de leite influenciam as exigências de minerais. Gestação e lactação aumentam essas exigências e por conseqüência o consumo de mistura mineral. Quanto mais elevado é o nível de produção, mais importante torna-se o fornecimento de suplemento mineral. QUANTIDADE DE SAL NA ÁGUA DE BEBER Elevadas concentrações de sal na água de beber (água salobra) reduzem a ingestão de suplemento mineral. Bovinos têm apetite natural por sal, no entanto se esse apetite é saciado pela quantidade de sal da água, os animais terão consumo de mistura mineral diminuído, o que causará deficiência em outros minerais importantes. Nestes casos, as misturas não devem ser formuladas baseadas em sal branco e sim em outros palatabilizantes como farelo de trigo, melaço, açúcar ou palatabilizantes artificiais. DISPONIBILIDADE DA MISTURA FRESCA (NOVA) O fato dos animais receberem a mistura numa freqüência, que faça com que o fique vazio por alguns dias, prejudica o consumo de sal mineral, fazendo que o animal fique subnutrido e quanto existe produto no cocho ele come muito produto de uma única vez. O fornecimento diário da mistura é um fator que auxilia muito na qualidade e economia do produto, pois produtos expostos ao tempo podem ficar úmidos, empedrar ou embolorar e grandes quantidades colocadas o cocho podem provocar certo desperdício. FORMA FÍSICA DOS MINERAIS O consumo de sal em forma de blocos pode ser até 10% menor do que quando utilizadas misturas soltas, considerando-se a mesma formulação. Por isso, o sal deve ser preferencialmente fornecido na forma de pó granulado ou farelada. MANEJO DE COCHOS Itens como localização de cochos (quanto mais perto da água maior o consumo), área de cochos disponível, altura cocho, afetam decisivamente o consumo de suplementos, como veremos na próxima parte. USO DE COCHOS Os cochos são construções feitas com objetivo de fornecer e proteger os suplementos utilizados na alimentação dos animais. O correto dimensionamento dos cochos é um dos principais requisitos para que a suplementação dos animais seja bem sucedida. As medidas de comprimento, largura e profundidade determinam a facilidade de acesso e garantem um consumo adequado dos suplementos. Quanto maior o consumo das misturas, maior deverá ser a área de chegada dos animais no cocho, evitando competição entre os mesmos. COMPRIMENTO DO COCHO: Deve ser proporcional ao consumo e ao tamanho ou peso dos animais. Segue abaixo uma tabela com comprimentos, por animal, necessários conforme a categoria animal. Produto Categoria Animal Bezerro Garrote Vaca Boi Suplementos Minerais 3cm 4 a 5cm 4 a 5cm Suplementos Minerais Protéicos 4cm 6cm 8cm 8cm Suplementos Minerais Protéicos e Energético 6cm 10cm 10cm Rações Concentradas 30cm 30cm As dimensões acima se referem ao comprimento do cocho por animal. Ex.: pasto com 100 bois comendo Suplemento Mineral: 100 x 5 cm = 5 m de comprimento do cocho. LARGURA DO COCHO A largura dos cochos deve ser suficiente para um fácil acesso dos animais, de preferência dos dois lados do cocho. Por isto recomendamos que ela seja de no mínimo 40cm. Com esta largura, pode-se considerar que os animais tenham acesso aos dois lados do cocho, o que reduz em 50% o comprimento final. Ex.: cocho para Suplemento Mineral Protéico Energético para 100 bois: 10 m de comprimento, se a largura for menor que 40 cm; 5 m de comprimento, se a largura for de 40cm 19 20

10 LOCALIZAÇÃO DOS COCHOS É de fundamental importância que os cochos sejam bem distribuídos na pastagem, de forma que os animais tenham fácil acesso para consumirem os suplementos. Vários trabalhos têm mostrado que animais com dificuldades de acesso aos cochos, apresentam menor consumo de suplemento e conseqüentemente menor desempenho produtivo. O animal não deve se deslocar mais de 1000 m para ter acesso ao cocho. É comum entre alguns criadores, deslocar os cochos nas pastagens para facilitar o corte da forragem pelos animais. Este manejo não funciona, pois os animais preferem pastejar onde a forragem encontra-se com melhor valor nutritivo (plantas novas). Os cochos devem ser localizados o mais próximo possível da água, pois logo após os animais consumirem os suplementos, procuram a água para beber. Isto proporciona um maior conforto e conseqüentemente melhor resultado na suplementação. MODELO DE COCHO COM CREEP FEEDING Cocho a 30 cm dosolo COBERTURA E MANEJO DOS COCHOS A finalidade de cobrir os cochos é proteger os produtos contra água de chuvas, evitando desperdícios e perdas de nutrientes. Em regiões com maior precipitação, a cobertura deverá ser rigorosa, protegendo ao máximo o suplemento. Em propriedades maiores, o processo de salgar os cochos é menos freqüente (uma a duas vezes por semana), isto coloca maior risco de molhar os cochos, aumentando a possibilidade de contaminar os suplementos. Propriedades menores ou com manejo que possibilita salgar os cochos todos os dias, dispensa a cobertura, o que reduz o custo destas construções. Quando a distribuição de suplementos não é freqüente, torna-se necessário passar nos cochos todos os dias, mexendo o produto para evitar o empastamento ou até mesmo que empedre. Este manejo melhora o consumo e a eficiência do tratamento. 40 cm 30 cm 25 cm 21 22

11 GADO DE CORTE CRIA Entende-se por cria a fase em que os animais estão em reprodução, envolvendo o aparecimento do cio fértil, gestação e lactação (vacas paridas), até a desmama. Nesta época a exigência dos animais é alta devido às mudanças fisiológicas, qualquer falha nutricional implicará em menor eficiência reprodutiva e conseqüentemente menor número de bezerros colhidos no ano. 1 NOVILHAS Este programa permite obter índices de fertilidade de 90 % para as novilhas, utilizando pastagens de boa qualidade e bem manejadas. Iniciar o fornecimento deste produto 45 dias antes do início da estação de monta e manter durante toda a estação. O Programa Peso Pesado foi desenvolvido pela BIGSAL para oferecer aos criadores o que há de mais avançado em nutrição de bovinos para as condições de pastagens da Região Norte, especialmente dos estados do Acre, Rondônia e norte do Mato Grosso. O Programa Peso Pesado está estruturado com base nos produtos da linha BigCromo e Big+, com formulações exclusivas, largamente estudadas e utilizadas por criadores de todos os portes, e que incorpora o Cromo Orgânico em todos os produtos, diminuindo sensivelmente os danos causados pelo estresse originado do transporte, da castração, da parição, da desmama, do manejo em currais e outras alterações no ambiente da criação. Neste sentido, o Programa Peso Pesado tem objetivos muito claros: oferecer a otimização de resultados produtivos e econômicos, gerando melhor relação custobenefício através da eficiência nos sistemas de produção de bovinos. Aqui você vai encontrar todas as informações para identificar qual o produto mais adequado à sua necessidade, e a forma de uso, também encontrará informações objetivas e orientativas para a sua tomada de decisão. BIG CROMO 75 Deve ser oferecido para as novilhas após o término da estação de monta, durante todo período de chuvas. BIG CROMO 60 SECA Fornecer este suplemento para vacas que entram no período seco com bom escore corporal. 2 VACAS PRIMÍPARAS Este programa permite obter índices de fertilidade de 80 % para as primíparas, além de melhorar a produção de leite e conseqüentemente o peso à desmama dos bezerros, utilizando pastagens de boa qualidade e bem manejadas. No período seco, 30 dias antes do início das parições, iniciar o fornecimento deste suplemento para todas as novilhas em gestação, mantendo o tratamento durante toda a estação de monta, à vontade dos animais. BIG CROMO 75 Deve ser oferecido para as vacas após o término da estação de monta, durante todo período de chuvas. BIG CROMO 60 SECA Fornecer este suplemento para vacas que entram no período seco com bom escore corporal

12 3 VACAS MULTÍPARAS COM BAIXO ESCORE CORPORAL Este programa permite obter índices de fertilidade de 80 % a 90 % para as vacas magras, além de melhorar a produção de leite e conseqüentemente o peso à desmama dos bezerros, utilizando pastagens de boa qualidade e bem manejadas. No período seco, 30 dias antes do início das parições, iniciar o fornecimento deste suplemento para todas as vacas magras, mantendo o tratamento durante toda a estação de monta, à vontade dos animais. BIG CROMO 75 Deve ser oferecido para as vacas após o término da estação de monta, durante todo período de chuvas. BIG CROMO 60 SECA Fornecer este suplemento para vacas que entram no período seco com bom escore corporal. 4 VACAS MULTÍPARAS COM BOM ESCORE CORPORTAL Este programa permite obter índices de fertilidade de 90 %, além de melhorar a produção de leite e conseqüentemente o peso à desmama dos bezerros, utilizando pastagens de boa qualidade e bem manejadas. BIG CROMO 90 REPRODUÇÃO Utilizar durante toda a estação de monta, à vontade dos animais. BIG CROMO 75 Deve ser oferecido para as vacas após o término da estação de monta, durante todo o período de chuvas, em pastagens de boa qualidade. BIG CROMO 60 SECA Fornecer este suplemento para vacas que entram no período seco com bom escore corporal. 5 BEZERROS MAMANDO Este programa permite desmamar bezerros com 20 a 40 kg mais pesados em relação a bezerros sem tratamento. BIG BABY Este suplemento deve ser oferecido aos bezerros e bezerras a partir dos 2 meses de idade. O consumo aumenta gradativamente, iniciando com 50 g ao dia, atingindo 150g à desmama. Estes valores variam em função da produção de leite da vaca, ou seja, quanto menor a produção, maior será a procura pelo suplemento. RECRIA A recria é uma das fases mais importante da criação animal e geralmente é colocada em segundo plano pelos criadores, uma vez que aparentemente estes animais ainda não estão gerando renda. Após a desmama, além de o estresse ser grande, a exigência para crescimento é alta e estes animais geralmente são colocados nas piores pastagens da propriedade. A suplementação adequada permite que os bezerros sejam abatidos e as bezerras entrem em reprodução precocemente. 1- ANIMAIS DE ALTO PADRÃO ZOOTÉCNICO Com o uso deste programa, é possível cobrir as novilhas puras e selecionadas com 18 a 22 meses e novilhas de cruzamento industrial de 14 a 18 meses, criar tourinhos a pasto e abater machos de cruzamento industrial de 24 a 30 meses. BIG PESO DESMAMA Após a desmama, este produto deverá ser oferecido à vontade dos animais, durante qualquer época do ano. Este manejo é importante para que os bezerros não sintam os efeitos do estresse na desmama. Este suplemento deverá ser oferecido até os 18 meses de idade para os machos e para fêmeas até entrarem em estação de monta. 2 ANIMAIS DE MÉDIO PADRÃO ZOOTÉCNICO Com o uso deste programa, é possível cobrir as novilhas aos 24 meses, atingindo a idade ao primeiro parto aos 33 meses. BIG CROMO 65 ÁGUAS Durante o período de chuvas, fornecer este produto da desmama até os bezerros atingirem 18 a 24 meses de idade. O uso deste produto, por ser um suplemento mineral protéico, apresenta uma das melhores relações custo/benefício, uma vez que incrementa o ganho de peso em 50 a 100 g por animal ao dia, em comparação com os suplementos minerais. BIG PESO DESMAMA Durante o período seco, fornecer este produto para evitar a queda no ritmo de desenvolvimento dos animais. ENGORDA A engorda dos animais vai desde o final da recria (18 a 24 meses) até o abate. Nesta fase os animais devem ter uma nutrição balanceada com uma dieta rica em minerais, proteínas e principalmente energia, com o objetivo de promover um melhor acabamento da carcaça, além de um maior rendimento ao abate

13 1- ANIMAIS DE ALTO PADRÃO ZOOTÉCNICO O uso deste programa nutricional proporciona uma rápida engorda dos animais, permitindo que alcancem peso ao abate dos 24 aos 30 meses de idade. DURANTE O PERÍODO DE SECA BIG PESO 25.0 Este suplemento deve ser oferecido para todos os bois acima de 18 meses de idade, desde o final das chuvas, mantendo o fornecimento durante todo o período seco. O fornecimento deste produto permite obter ganhos de 200 a 500 g por animal ao dia, durante todo o período seco, desde que seja mantida boa quantidade de massa no pasto, mesmo que seca. BIG ENERGIA 20.0 SECA Deve ser oferecido para animais nos últimos 60 a 90 dias de vida (acima de 400 kg de peso vivo). O fornecimento deste produto proporciona um acabamento de carcaça ideal e acelera o ganho de peso, com resultados semelhantes ao uso de rações concentradas em semi-confinamento, porém com menor custo. Os ganhos de peso são estimados em 500 a 700g ao dia, variando em função da qualidade e disponibilidade de pastagens. DURANTE O PERÍODO DE SECA BIG CROMO 50 SECA Este suplemento deve ser oferecido para todos os bois acima de 18 meses de idade, desde o final das chuvas, mantendo o fornecimento durante todo o período seco. O fornecimento destes produtos permite manter o peso dos animais ou até mesmo ganhos moderados de 100 a 200g por animal ao dia, durante todo o período seco, desde que seja mantida boa quantidade de massa no pasto, mesmo que seca. DURANTE O PERÍODO DAS ÁGUAS BIG CROMO 50 ÁGUAS Este suplemento deve ser oferecido para todos os bois acima de 18 meses de idade, desde o início das chuvas, mantendo o fornecimento durante todo o período. O uso deste produto apresenta uma das melhores relações custo/benefício, uma vez que incrementa o ganho de peso em 50 a 100 g por animal ao dia, em comparação com outros suplementos minerais. Os ganhos de peso médio são da ordem de 600 g a 700 g por animal ao dia, mas podem ser até maiores em pastagens de alta qualidade. DURANTE O PERÍODO DAS ÁGUAS BIG PESO 20.0 Este suplemento deve ser oferecido para todos os bois acima de 18 meses de idade, desde o início das chuvas, mantendo o fornecimento durante todo o período. O fornecimento deste produto permite obter ganhos de 600 a 900 g por animal ao dia, durante todo o período chuvoso, desde que sejam mantidas boas quantidade e qualidade de pastagens. BIG ENERGIA 20.0 ÁGUAS Deve ser oferecido para animais nos últimos 60 a 90 dias de vida (acima de 400 Kg de peso vivo). O fornecimento deste produto proporciona um acabamento de carcaça ideal e acelera o ganho de peso, com resultados semelhantes ao uso de rações concentradas em semi-confinamento, porém com menor custo. Os ganhos de peso são estimados em 1000g ao dia, variando em função da qualidade e disponibilidade de pastagens. 2- ANIMAIS DE MÉDIO PADRÃO ZOOTÉCNICO O uso deste programa nutricional proporciona uma rápida engorda dos animais, permitindo que alcancem peso ao abate dos 30 aos 36 meses de idade

14 GADO DE LEITE BEZERRO MAMANDO Com este tratamento pode-se desmamar bezerros com 20 a 40 kg mais pesados em relação aos animais que não consomem este produto. BIG BABY Este suplemento deve ser oferecido a partir dos 30 dias de idade. O consumo aumenta gradativamente, iniciando com 50 g ao dia, atingindo 150 g à desmama (8 a 10 meses). Estes valores variam em função da quantidade de leite oferecida ao bezerro, ou seja, quanto menor, maior será a procura pelo suplemento; Bezerros leiteiros devem mamar à vontade até os 60 dias de idade (4 litros ao dia), nesta fase, é inviável procurar alimentar estes animais com sucedâneos do leite, BIG BABY apenas irá complementar suas necessidades. A partir de 60 dias pode-se reduzir a quantidade de leite oferecida, gradativamente, à medida que aumenta o consumo do suplemento, até a desmama. É importante que estes bezerros tenham à disposição, forragem de boa qualidade durante todo período que estiverem mamando RECRIA A recria é uma das fases mais importante da criação animal e geralmente é colocada em segundo plano pelos criadores, uma vez que aparentemente estes animais ainda não estão gerando renda. Após a desmama, além de o stresse ser grande, a exigência para crescimento é alta e estes animais geralmente são colocados nas piores pastagens da propriedade. A suplementação adequada permite que os bezerros sejam abatidos e as bezerras entrem em reprodução precocemente, o que reduz o tempo e custo da recria. BIG PESO DESMAMA Após a desmama, este produto deverá ser oferecido à vontade dos animais, durante qualquer época do ano. Este suplemento deverá ser oferecido até os 18 meses de idade, a partir desta época, os machos entram no programa de nutrição de gado de corte. Com o uso deste produto, é possível cobrir as novilhas aos 18 a 21 meses, atingindo a idade ao primeiro parto dos 27 a 30 meses. NOVILHAS EM GESTAÇÃO Do primeiro ao sexto mês de gestação, a exigência destas novilhas é menor, podemos nesta época, oferecer pastagem de boa qualidade (nas águas) e suplemento mineral à vontade dos animais. BIG CROMO 75 Utilizar este produto no período das águas, até o sexto mês de gestação. No período seco, ou mesmo no período das águas, quando as novilhas estiverem no sétimo mês de gestação, iniciar o fornecimento deste suplemento para todas novilhas, mantendo o tratamento até a parição ou início das águas; Este tratamento permite um perfeito equilíbrio entre os nutrientes (proteínas, minerais, carboidratos e gorduras), sendo de fundamental importância para prevenir carências alimentares como hipocalcemia pós-parto (febre do leite), retenção de placenta, além de melhorar a produção de leite da vaca primípara (primeira cria) e a qualidade do bezerro que vai nascer. VACAS EM LACTAÇÃO A nutrição da vaca leiteira deve ser totalmente diferenciada de outras categorias, principalmente gado de corte. O fato de produzir leite e este alimento ser extraído de seu organismo leva a vaca a um intenso desgaste, se não ocorrer a reposição de todos nutrientes excretados pelo leite. É comum o produtor dizer que as vacas melhores são as que ficam mais magras, principalmente, no período seco. O principal reflexo de uma nutrição mal feita em vacas leiteiras é a falha na reprodução, alem da baixa produção de leite, que irá refletir em maiores intervalos entre partos. Este é, sem dúvida, o maior prejuízo, pois a vaca permanece na fazenda, com altos custos de manutenção, sem produzir leite. A nutrição da vaca leiteira depende de dois critérios básicos: a) Do seu potencial de produção Quanto maior a produção, maior deverá ser a quantidade e qualidade do alimento ingerido; b) Da fase da lactação Vacas com parições recentes (até 3 meses), são mais exigentes, pois além de produzir leite, tem que manter seu estado corporal, dar cio e até o crescimento, no caso das primíparas. Nesta época a resposta a uma boa nutrição é ótima e oferece a melhor relação custo/benefício. Nesta categoria oferecemos três planos de nutrição: 1- VACAS COM BAIXO POTENCIAL DE PRODUÇÃO - 4 A 6 KG DE LEITE/DIA Oferecer este produto no período das águas para as vacas, que estiverem com até 3 meses de lactação, ou até aparecer o cio. No período seco oferecer este produto para todas as vacas em lactação. BIG CROMO 90 LEITE Oferecer este produto para as vacas com mais de 3 meses de lactação, no período das águas

15 2- VACAS COM MÉDIO POTENCIAL DE PRODUÇAO - 6 A 12 KG DE LEITE/DIA BIG LEITE 22.0 Oferecer esta ração no período das águas, para vacas com até 3 meses de lactação, ou até o aparecimento do cio, e no período seco oferecer para todas as vacas em lactação, na proporção de 1 kg de ração para cada 3 kg de leite produzido. Oferecer este produto para as vacas com mais de 3 meses de lactação, no período das águas. 3- VACAS COM ALTO POTENCIAL DE PRODUÇÃO - MAIS DE 12 KG DE LEITE/DIA BIG LEITE 22.0 Durante todo ano, oferecer este produto para todas as vacas em lactação, na proporção de 1 kg de ração para cada 3 kg de leite produzido, durante toda lactação. É importante lembrar que, vacas de alta produção, no período seco deverão ser suplementadas com volumosos no cocho, como silagem de milho, sorgo ou cana-deaçúcar. VACAS SECAS Ao terminar a lactação, a vaca pode se encontrar nas seguintes situações, vacas em gestação adiantada, faltando 2 a 3 meses para parir e vacas com gestação atrasada, faltando mais de 3 meses para parir, e para cada situação oferecemos solução 1- VACAS COM GESTAÇÃO ATRASADA Faltando mais de 3 meses para o parto a vaca tem a exigência menor e poderá ser tratada apenas com suplemento mineral. BIG CROMO 75 Oferecer este produto até atingir o pré-parto, então deverá oferecer o próximo tratamento. 2- VACAS COM GESTAÇÃO ADIANTADA Faltando menos de 3 meses para o parto a vaca deverá receber um cuidado especial, pois já se encontra no pré-parto. Oferecer este produto até o parto para vacas com baixo ou médio potencial de produção. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES As indicações de nutrição dos Programas BigSal devem ser consideradas genéricas. Para melhor eficiência e geração de resultados, a BigSal dispõe de profissionais qualificados para avaliar corretamente as condições da propriedade e dos animais, especialmente quanto à situação das pastagens e o perfil genético dos animais, proporcionando indicações de manejo e tratamento adequadas e ajustadas à realidade de cada cliente. A BigSal também pode fabricar suplementos com fórmulas especiais, totalmente direcionados para cobrir as reais necessidades de nutrição e suprir as carências identificadas nas pastagens. AUTOR: Gilmar Ferreira Prado Zootecnista Professor da FAZU Faculdades Associadas de Uberaba/MG Especialista em Nutrição Animal Especialista em Pastagens da Região Amazônica Formulador dos Produtos BigSal Consultor Técnico e de Campo da BigSal BigSal Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio sem autorização Ji-Paraná, janeiro de BIG LEITE 22.0 Oferecer este produto no período seco, para vacas com alto potencial de produção, 30 a 60 dias antes do parto, na proporção de 2 kg ração ao dia,

16 NÍVES DE GARANTIA DOS PRODUTOS nutrientes unidade BIG CROMO 50 ÁGUAS BIG CROMO 50 SECA BIG CROMO 60 SECA BIG CROMO 65 ÁGUAS BIG CROMO 75 BIG CROMO 90 LEITE BIG CROMO 90 REPRODUÇÃO BIG PESO 25.0 BIG PESO 20.0 BIG PESO DESMAMA BIG ENERGIA 20.0 SECA BIG ENERGIA 20.0 ÁGUAS Cálcio g/kg Cobalto mg/kg Cobre mg/kg Cromo mg/kg ,4 2,4 3 3,7 1,2 1,2 3 Enxofre g/kg ,6 2 2,75 2,8 1,6 1,6 5 Ferro mg/kg 150 Fósforo g/kg Flúor (máximo) mg/kg Iodo mg/kg Magnésio g/kg Manganês mg/kg NDT % Proteína Bruta % 8, , Selênio mg/kg ,6 1,6 6 Sódio g/kg , , ,5 Vitamina A UI/kg Vitamina D3 UI/kg Vitamina E UI/kg 1000 Zinco mg/kg BIG BABY 33 NÍVEIS DE GARANTIA DOS PRODUTOS LINHAS nutrientes unidade BIG FÓS 40 BIG FÓS 50 ÁGUAS BIG FÓS 50 SECA BIG FÓS 60 SECA Cálcio g/kg Cobalto mg/kg Cobre mg/kg Enxofre g/kg Fósforo g/kg ,5 Flúor (máximo) mg/kg Iodo mg/kg Magnésio g/kg Manganês mg/kg Proteína Bruta % Selênio mg/kg Sódio g/kg Zinco mg/kg Extrato Etéreo % 3,0 3,0 3,0 Fibra Bruta % 10 7,0 7,0 Matéria Mineral % 7,0 7,0 9,0 BIG FÓS 65 BIG FÓS 75 BIG LEITE 85 BIG FÓS 90 BIG 30 BIG EQUINO 14.0 BIG CORTE 16.0 BIG LEITE

17 35

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC)

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) Suplementação mineral Visa complementar os minerais fornecidos

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Os macroelementos nos bovinos

Os macroelementos nos bovinos Jornal O Estado de São Paulo - SÃO PAULO/SP Suplemento Agrícola 1082, em 22/02/1976, página 11. Os macroelementos nos bovinos No corpo dos bovinos há perto de 96 elementos, 30 dos quais em volumes mensuráveis.

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte?

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Animais necessitam de oferta abundante de água limpa para: 1. fermentação ruminal e metabolismo; 2. fluxo de alimentos através do trato

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Colonial Agropecuária e Fazenda Calciolândia F-1, A MATRIZ MAIS ADEQUADA AO SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

Minerais Matsuda. Fós Leite. Lac Gold. Lac Gest. Lac Guardian. Lac Parto. Cocho. Sem tamponante para ração. Tamponado para ração

Minerais Matsuda. Fós Leite. Lac Gold. Lac Gest. Lac Guardian. Lac Parto. Cocho. Sem tamponante para ração. Tamponado para ração Fós eite uplemento mineral pronto para uso para rebanhos de leite. 25 kg = Código 18945 inerais atsuda ac Gest uplemento mineral para mistura para rebanhos de leite que recebem volumoso e/ou concentrado

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS Cristiane Otto de Sá 1 e José Luiz de Sá 2 1. QUE TIPO DE PESSOA TEM VOCAÇÃO PARA CRIAR OVINOS O ovino foi um dos primeiros animais a ser domesticado pelo homem. Após

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

Suplementação na terminação eleva produtividade e lucro

Suplementação na terminação eleva produtividade e lucro Suplementação na terminação eleva produtividade e lucro FOTOS: FERNANDO YASSU Fornecendo ração de alto consumo na fase final de engorda e investindo em adubação, fazenda rondoniense aumenta produção de

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais