Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única."

Transcrição

1 TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. Aliquam Aliquam erat volutpat. erat volutpat. Nam in Nam nibh in velit, nibh susci velit, -susci - pit mattis pit mattis est. Maecenas est. Maecenas at turpis at turpis laoreet laoreet quam quam interdum interdum ultrices. ultrices.

2 Suplemento Nutricional Bezerros em Creep-Feeding nho ADE Indicado para suplementação mineral proteico vitamínica de bezerros de corte em fase de aleitamento. Suplemento mineral proteico-vitamínico pronto para uso. Deve ser fornecido aos bezerros desde o nascimento até a desmama, em cochos no sistema creep feeding. Basta abrir o saco e despejar o produto no cocho para o consumo dos animais. Faixa recomendada de consumo de 120 g para cada 100 kg de peso vivo. - Saco de 20 kg. A marca Tortuga tem a linha completa de proteinados, que atende todas as necessidades do gado, além das estratégias nutricionais de intensificação da fazenda, desde o nascimento até o abate, tanto na seca quanto na estação das águas. Só a DSM, tem a melhor seleção de minerais do mercado. Se você quer uma linha completa de proteinados, conte com a marca líder em nutrição animal. Cocho de nho (creep-feeding) Dez produtos, uma só tecnologia. Conheça e descubra qual é o mais indicado para sua fazenda. Tortuga, a marca para ruminantes da DSM.

3 Suplemento Nutricional Ganho de peso (g/dia) Indicado para suplementação mineral proteica de bovinos de corte na época da seca. deixando à vontade para os animais. Faixa recomendada de consumo de 90 a 100 g para cada 100 kg de peso corporal. Na primeira semana de uso, 35 deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1 para adaptação dos animais. ESTE PRODUTO CONTÉM UREIA. Necessita de adaptação*. - Saco de 30 kg. 45 Indicado para suplementação mineral proteica de bovinos de corte na época da seca. deixando à vontade para os animais. Faixa recomendada de consumo de 70 a 80 g para cada 100 kg de peso corporal. Na primeira semana de uso, 45 deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1 para adaptação dos animais.este PRODUTO CONTÉM UREIA. Necessita de adaptação*. - Saco de 30 kg J F M A M J J A S O N D Meses do ano Com suplementação mineral proteica início em abril/maio PASTO SECO Sem suplemento mineral proteico perda de peso acentuada Digestibilidade da MS (%) DAS ÁGUAS 48,66 Digestibilidade da Matéria Seca - MS Linear (Digestibilidade da Matéria Seca - MS) 52,34 54,18 35 com Monensina Indicado para a suplementação mineral protéica de bovinos de corte na época da seca. deixando à vontade para os animais. Faixa recomendada de consumo de 80 a 120 g para cada 100 kg de peso corporal. Na primeira semana de uso, 35 com Monensina deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1 para adaptação dos animais. Este produto contém ionóforos. Não permitir que cavalos ou outros equídeos tenham acesso a produtos contendo monensina. - Saco de 30 kg. 30 com Monensina Indicado para a suplementação mineral protéica de bovinos de corte na época das águas. Suplemento mineral protéico pronto para uso. Basta abrir o saco e despejar o produto no cocho, deixando à vontade para os animais. Faixa recomendada de consumo de 90 a 130 g para cada 100 kg de peso corporal. Na primeira semana de uso, FOSBOVI PROTÉICO 30 COM MONENSINA deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1 para adaptação dos animais. Este produto contém ionóforos. Não permitir que cavalos ou outros equídeos tenham acesso a produtos contendo monensina. - Saco de 30 kg. 55,65 Consumo de PB via suplemento (g/animal/dia) 56, Digestibilidade aparente total da matéria seca (%) em função do consumo de proteína bruta via suplemento (g/animal/dia), observado em novilhas Nelore em pastejo durante a época da seca. (Fonte: adaptado de Valente et al., Parte de Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Viçosa) Síntese de Nitrogênio Microbiano (g/dia) Síntese de Nitrogênio Microbiano Linear (Síntese de Nitrogênio Microbiano) Consumo de PB via suplemento (g/animal/dia) 56 Produção de proteína microbiana, representada pela síntese de nitrogênio microbiano (Nmic - g/dia), em função do consumo de proteína bruta via suplemento (g/animal/dia), observado em novilhas Nelore em pastejo durante a época da seca. (Fonte: adaptado de Valente et al., Parte de Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Viçosa) 62 80

4 Versatilidade para o ano todo Suplementos Nutricionais s-s DAS ÁGUAS 40 Indicado para suplementação proteico-energética de bovinos de corte na época da seca. Suplemento mineral proteico-energético pronto para uso. Basta abrir o saco e despejar o produto no cocho. Fornecer aos animais diariamente 270g para cada 100kg de peso vivo. Na primeira semana de uso, 40 deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1, para adaptação dos animais. Saco de 30 kg. 45 Águas Indicado para suplementação mineral proteico-energética de bovinos de corte na época das águas. Suplemento mineral proteico-energético pronto para uso. Basta abrir o saco e despejar o produto no cocho. Fornecer aos animais diariamente 170 g para cada 100 kg de peso vivo. Na primeira semana de uso, 45 Águas deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1, para adaptação dos animais. Saco de 30 kg. ANO TODO 25 e 25M Indicado para suplementação mineral proteica e energética de bovinos de corte durante o ano todo. Suplemento mineral proteico-energético pronto para uso. Basta abrir o saco e despejar o produto no cocho. Fornecer aos animais diariamente 250g a 300g para cada 100kg de peso vivo. Na primeira semana de uso, 25 e 25M deve ser misturado ao suplemento mineral na proporção de 1:1, para adaptação dos animais. 25M contém ionóforos. Não permitir que cavalos ou outros equídeos tenham acesso a produtos contendo monensina. Saco de 30 kg Núcleo proteico Versatilidade de acordo com a sua necessidade Núcleo Indicado para o preparo de suplementos minerais proteicos e/ou protéico-energético para bovinos de corte. Saco de 25 kg Sugestões de uso 50% +50% de Núcleo de milho = Suplemento 1/3 +2/3 de Núcleo de milho = Suplemento

5 Níveis de garantia (por kg de produto) nho ADE com Monensina com Monensina Águas 25 25M Núcleo NDT (mín.) g Proteína Bruta (PB) (mín.) g NNP - Equivalente Proteína (máx.) g Cálcio (mín.) g Cálcio (máx.) g Fósforo (mín.) g , Enxofre (mín.) g Magnésio g Sódio (mín.) g Cobalto (mín.) mg Cobre (mín.) mg Cromo (mín.) mg Ferro mg Iodo (mín.) mg Manganês (mín.) mg , Selênio (mín.) mg Zinco (mín.) mg , , , , Vitamina A (mín.) UI 31, , , Vitamina D3 (mín.) UI 4, Vitamina E (mín.) UI Flúor (máx.) mg Monensina sódica mg Para maiores informações contate: DSM Produtos Nutricionais Brasil Av. Brigadeiro Faria Lima, º andar Jd. Paulistano São Paulo SP Brasil Tel.: 55 (11) SAC AVISO Embora a DSM tenha tido cuidado diligentemente para assegurar que a informação contida neste documento seja precisa e atualizada, isso não representa, nem dá garantia da sua exatidão, confiabilidade, nem que tal informação seja completa. A informação contida neste documento tem fins informativos e é destinada para ser utilizada somente entre a DSM e seus clientes. Esta publicação não constitui nem fornece pareceres científicos ou médicos, diagnóstico ou tratamento e é distribuída sem nenhum tipo de garantia, expressa ou implícita. Em nenhum caso a DSM é responsável por quaisquer danos decorrentes da confiança que o leitor deposite neste material, nem do uso que faça deste. O leitor será o único responsável por qualquer interpretação ou utilização do material aqui contido. O conteúdo deste documento está sujeito a alterações sem aviso prévio. Por favor, contate seu representante local DSM para mais detalhes. Todas as marcas mencionadas neste folheto são marcas registradas ou marcas comerciais da DSM na Holanda e/ou outros países. DSM Nutritional Products LTD 2014

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

POTENSAL. O trabalho da POTENSAL é promover o crescimento e a satisfação dos produtores e criadores que utilizam nossos produtos.

POTENSAL. O trabalho da POTENSAL é promover o crescimento e a satisfação dos produtores e criadores que utilizam nossos produtos. POTENSAL Atuando em todo o território nacional, a POTENSAL NUTRIÇÃO E SAÚDE ANIMAL trabalha somente com matérias-primas nobres e mão-de-obra especializada. Atualmente, possui diversas linhas de produtos,

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Programa de Nutrição para. Bovinos

Programa de Nutrição para. Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Copyright 2012 Kera Nutrição Animal Propriedade literária reservada. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC)

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) Suplementação mineral Visa complementar os minerais fornecidos

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS - Campus ARAGUATINS N.Q 10/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS - Campus ARAGUATINS N.Q 10/2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus ARAGUATINS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N.Q

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN 1679-7353 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 2 JANEIRO DE 2004 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Os macroelementos nos bovinos

Os macroelementos nos bovinos Jornal O Estado de São Paulo - SÃO PAULO/SP Suplemento Agrícola 1082, em 22/02/1976, página 11. Os macroelementos nos bovinos No corpo dos bovinos há perto de 96 elementos, 30 dos quais em volumes mensuráveis.

Leia mais

Suplementação na terminação eleva produtividade e lucro

Suplementação na terminação eleva produtividade e lucro Suplementação na terminação eleva produtividade e lucro FOTOS: FERNANDO YASSU Fornecendo ração de alto consumo na fase final de engorda e investindo em adubação, fazenda rondoniense aumenta produção de

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GRANDE ESCALA EM BOVINOS DE CORTE / PRODUÇÃO DE NOVILHO PRECOCE E SUPER PRECOCE

PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GRANDE ESCALA EM BOVINOS DE CORTE / PRODUÇÃO DE NOVILHO PRECOCE E SUPER PRECOCE PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GRANDE ESCALA EM BOVINOS DE CORTE / PRODUÇÃO DE NOVILHO PRECOCE E SUPER PRECOCE Nixon Rodrigues de Faria 1 - INTRODUÇÃO A eficiência do produtor e a qualidade dos

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

USO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO FORRAGEIRA. Rodolpho de Almeida Torres e José Ladeira da Costa

USO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO FORRAGEIRA. Rodolpho de Almeida Torres e José Ladeira da Costa USO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO FORRAGEIRA Rodolpho de Almeida Torres e José Ladeira da Costa A produção eficiente de leite e carne está baseada numa adequada disponibilidade de forragem de boa qualidade ao

Leia mais

GUABI no CAMPO. Por fim, esperamos contribuir para o desenvolvimento de todos os que forem direta ou indiretamente envolvidos nesse projeto.

GUABI no CAMPO. Por fim, esperamos contribuir para o desenvolvimento de todos os que forem direta ou indiretamente envolvidos nesse projeto. GUABI no CAMPO Guabi no Campo é um projeto editorial desenvolvido pelo departamento de marketing e técnico da Guabi com dois objetivos, o primeiro é contribuir para evolução e equalização do conhecimento

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

prorrogada(o) por:resolução RDC nº 182, de 03 de outubro de 2006

prorrogada(o) por:resolução RDC nº 182, de 03 de outubro de 2006 título: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: O "REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE A INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA (IDR) DE PROTEÍNA, VITAMINAS E MINERAIS". publicação: ANVISA - Agência

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Desempenho de bovinos Nelore suplementados com óleos essenciais de caju e mamona, mantidos em pastagens de Brachiária brizantha Lívia Rezende de

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

OS GANHOS REAIS COM A SUPLEMENTAÇÃO NO PÓS-DESMAMA DE BEZERROS

OS GANHOS REAIS COM A SUPLEMENTAÇÃO NO PÓS-DESMAMA DE BEZERROS OS GANHOS REAIS COM A SUPLEMENTAÇÃO NO PÓS-DESMAMA DE BEZERROS Gustavo Rezende Siqueira Zoot., Dr., PqC do Polo Regional Alta Mogiana/APTA siqueiragr@apta.sp.gov.br Flávio Dutra de Resende Zoot., Dr.,

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

FICHA TÉCNICA ISO WHEY V3

FICHA TÉCNICA ISO WHEY V3 FICHA TÉCNICA ISO WHEY V3 - MATRIZ PROTEICA ISOLADA - 54g DE PROTEÍNAS POR DOSE - BAIXO TEOR DE GORDURAS - 25 VITAMINAS E MINERAIS - PROTEÍNA MICROFILTRADA ISO WHEY V3 AGE é a forma molecular da Proteína

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR baixo teor de Gordura e Sódio; é rica em Vitamina B12; fonte de Vitamina D, Energia (Kcal) 83 Gordura (g) 1.4 Ác. gordos saturados (g) 0.2 Ác. gordos monoinsaturados (g) 0.4 Ác. gordos

Leia mais

2. Normas para produção de suplementos minerais

2. Normas para produção de suplementos minerais 1. Introdução Formulação de misturas minerais para bovinos Marco Antonio Alvares Balsalobre 1 Ana Léa Moreira Martins 1 Adriano Eduardo Cruz 1 Cristiane Sevilla 1 Diante da deficiência de alguns minerais

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

Peso do Filhote. 1Kg 2Kg 3 a 5Kg 5 a 7Kg 7 a 10Kg 10 a 14 Kg 14 a 18 Kg 18 a 22Kg. 432 a 556g. 288 a 371g. 371 a 484g

Peso do Filhote. 1Kg 2Kg 3 a 5Kg 5 a 7Kg 7 a 10Kg 10 a 14 Kg 14 a 18 Kg 18 a 22Kg. 432 a 556g. 288 a 371g. 371 a 484g Puppy: Carne, Espinafre & Batata Doce Filhote de cães com até 1 ano de idade Alimento rico em proteína, para um crescimento saudável Alta palatabilidade Alta digestibilidade: proteínas de alta qualidade

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR Tem alto teor de Proteína; é rico em Cálcio, Fósforo e Vitamina B12; fonte de Vitaminas A, E e B2. Valores de referência do requeijão com 13% proteína Energia (Kcal) 187 Proteína (g)

Leia mais

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 A Database State Machine Approach Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 Introdução Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer eget lacus vitae lorem varius pretium quis nec diam. Nulla

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

TESTES DE PRODUTIVIDADE

TESTES DE PRODUTIVIDADE TESTES DE PRODUTIVIDADE INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS LTDA. PROBIÓTICO SISTEMA DIGESTIVO E FLORA DE RÚMEN Os ruminantes (bovinos, ovinos, caprinos e bubalinos) constituem um grupo de animais com

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP

1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP TECNOLOGIAS TORTUGA 1954 1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP 1955 Pioneirismo com as gaiolas individuais em avicultura 1964 Começa a testar boxes de parição de porcas UNIDADE INDUSTRIAL DE MAIRINQUE

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho edição 01 ano 01 Fevereiro de 2015 Publicação bimestral com distribuição gratuita no Circuito das Águas Paulista www.circuitosaude.com.br SEJA FELIZ o poder da alegria pág.7 TEM IDADE CERTA para uso do

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

SIMULAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA SUPLEMENTAÇÃO PROTEICA PARA BOVINOS EM REGIME DE PASTAGEM

SIMULAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA SUPLEMENTAÇÃO PROTEICA PARA BOVINOS EM REGIME DE PASTAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO MURILLO MACHADO CRUZ SIMULAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA SUPLEMENTAÇÃO PROTEICA

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

SUPLEMENTOS MÚLTIPLOS PARA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS EM PASTEJO

SUPLEMENTOS MÚLTIPLOS PARA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS EM PASTEJO SUPLEMENTOS MÚLTIPLOS PARA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS EM PASTEJO Mário Fonseca Paulino 1, Edenio Detmann 2, Joanis Tilemahos Zervoudakis 2 1 D.S. Professor UFV - Bolsista CNPq, 2 Doutourando UFV-Bolsista

Leia mais