PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO RODRIGO OTÁVIO SPENGLER BEEF TEC - Consultoria Pecuária Campo Grande/MS 1. INTRODUÇÃO A pecuária brasileira se desenvolveu baseada em sistemas extensivos de exploração graças a grande extensão territorial e aos baixos preços de terra no passado aliado ao clima bastante favorável ao desenvolvimento das forrageiras tropicais proporcionando alimentar os animais de uma forma prática e econômica. No entanto, a estacionalidade da produção forrageira faz com que tenhamos uma grande oferta de forragens no período das aguas e uma baixa oferta no período da seca. Essa característica faz com que tenhamos maior taxa de lotação e de ganho de peso no verão em relação ao inverno. Desta forma um planejamento nutricional para o rebanho que contemple essas variações se faz necessário, onde podemos utilizar varias tecnologias para fazer a adequação. Dentre elas podemos destacar algumas, como o diferimento de pastagens, pastagens de inverno, suplementação volumosa, semiconfinamento e confinamento. Nas décadas de 70 e 80, existia uma grande variação nos preços pagos pela arroba devido à estacionalidade de oferta de animais para o abate no período do verão. Esse fator foi o que primeiro impulsionou os confinamentos no Brasil, onde alguns produtores perceberam a oportunidade de maiores ganhos explorando esse diferencial de maiores preços durante a entressafra. À medida que os produtores conseguiram aumentar a oferta de animais durante a entressafra, o diferencial de preço que havia, foi diminuindo e os confinamentos precisaram se modernizar, e a necessidade de se obter maior eficiência passou a ser um fator primordial para a sobrevivência da atividade. De acordo com estudos, a intenção de confinamento no Brasil aponta para um volume de aproximadamente 3,7 milhões de bovinos de corte em 2013, o que representa cerca de 8% do total de animais abatidos (Banco Original, 2013). Uma participação relativamente

2 pequena se compararmos a outros países grandes produtores de carne. A Argentina atualmente confina 50% dos animais abatidos, a África do Sul 80%, Austrália 33%, Estados Unidos e Canadá praticamente 100% (Deblitz, 2011). Atualmente no Brasil, a redução da abertura de novas áreas para a exploração agropecuária é uma realidade. Isso limita em extensão territorial disponível para o uso do solo com atividades produtivas e traz como consequência a competição das mesmas por áreas com maior potencial produtivo. Temos visto claramente no Brasil Central nos últimos anos o avanço de culturas como cana, floresta, soja e milho sobre áreas de pastagens. Este processo deve continuar ocorrendo e o ritmo do seu crescimento vai ser ditado pelo grau de rentabilidade que essas atividades vão oferecer quando comparadas à pecuária explorada na mesma propriedade. Uma das consequências disso é a valorização da terra e como a pecuária não vai ter novas fronteiras de terras baratas para migrar, como ocorria no passado, será necessário adequarmos os sistemas de produção a este novo cenário que vem se desenhando. O crescimento do uso de integração entre lavoura, pecuária e floresta nas suas diversas modalidades, assim como o uso do confinamento são exemplos de tecnologias que serão cada vez mais utilizadas para atender o aumento da necessidade de produção de alimentos e demais produtos agropecuários. Estudos da FAO apontam para uma demanda crescente no consumo de carnes para os próximos anos, incluindo a carne bovina. Nesse cenário o Brasil aparece como um dos países de maior potencial para ocupar esse espaço no mercado internacional devido ao grande rebanho que possui e ao grande espaço para ganhos de produtividade que existe na pecuária brasileira. O confinamento deve exercer um papel fundamental nesse processo de aumento de produtividade do setor. Para tanto é de fundamental importância que o confinamento seja muito bem planejado e gerido. É uma atividade que na maioria das vezes tem margens de lucro muito estreitas e pequenos detalhes podem fazer toda a diferença e lucro e prejuízo. Nesta apresentação temos o objetivo de contribuir com informações que possam ser úteis aos interessados em montar um confinamento ou aos que já possuem um. Serão abordadas questões fundamentais no que diz respeito ao planejamento e gestão de confinamento de gado de corte.

3 2. Benefícios diretos e indiretos da engorda de bovinos em confinamento O confinamento como modelo de negócio pode ser separado basicamente em duas modalidades, o especulativo e o estratégico. O confinamento especulativo é quando a atividade fim é o próprio confinamento e visa normalmente se beneficiar do diferencial de preço entre safra e entressafra. Nesta modalidade os bois magros são adquiridos diretamente no mercado. Já o confinamento estratégico é quando o mesmo esta inserido dentro de um sistema de produção onde pode haver o ciclo completo ou apenas recria e engorda. No confinamento estratégico existe uma série de benefícios que o mesmo pode trazer para o sistema de produção. Vamos exemplificar alguns deles: Aliviar as pastagens no período da seca. Este sem dúvida é um dos maiores benefícios. Esta característica permite por si o melhor aproveitamento das pastagens durante o verão, fazendo com que ocorra um aumento na produção de carne por hectare a custo baixo. Ainda ocorre como benefício indireto uma baixa taxa de lotação na entrada do período chuvoso que é de extrema importância para permitir um rápido reestabelecimento das pastagens atuando como fator de prevenção a degradação das pastagens. Redução da idade de abate. Em sistemas de recria e engorda a pasto, a introdução do confinamento pode aumentar a produção de carne por hectare à pasto em cerca de 25% devido à redução do peso médio dos animais à pasto, fazendo com que haja um aumento da lotação em cabeças com a mesma carga de unidade animal. Redução da necessidade de área. Permite ampliar a atividade sem a necessidade de aquisição de novas áreas, permitindo ganhos de escala. Maior facilidade de ajustar o grau de acabamento aos interesses do mercado. Permite produção de carne de melhor qualidade principalmente devido à redução da idade de abate e ao melhor grau de acabamento de carcaça.

4 Eventualmente melhor preço de venda. No passado o diferencial de preço entre safra e entressafra chegava a mais de 20%. Hoje isso reduziu muito, mas na maioria dos anos ainda se consegue algum diferencial. Aumento do giro de capital. Retorno mais rápido do capital investido. Redução na produção de gases de efeito estufa. Isso ocorre por vários motivos. O animal é abatido com menos tempo de vida e em consequência produz menos gases. As dietas baseadas em grãos e o uso de aditivos melhora a eficiência energética da fermentação ruminal e também reduz a produção de metano. 3. Planejamento da atividade de confinamento Mas como em todas as atividades, existem os prós e os contras, no confinamento não seria diferente. Nas atividades muito intensivas, o risco tende a aumentar. Existem, principalmente, os riscos de produção, sanitários, sócio ambiental e de mercado. É de fundamental importância que se tenha um bom planejamento da atividade. São necessários mais controles operacionais e gerenciais, melhor qualificação de mão de obra, constante acompanhamento do mercado de gado e de insumos. Como o custo é muito alto e as margens são estreitas e qualquer erro pode fazer a diferença entre o sucesso ou fracasso na atividade Para quem pretende montar um confinamento, alguns pontos fundamentais a serem observados são: Localização geográfica; Aptidão da propriedade; Localização dentro da propriedade; Adequação ambiental do projeto; Capacidade administrativa dos gestores do empreendimento; Mão-de-obra qualificada; Logística em relação à aquisição de grãos, subprodutos agroindustriais; Logística em relação à reposição de animais para engorda; Previsão adequada de recursos para investimento e capital de giro; Correto dimensionamento da infraestrutura e maquinário; Alternativas de comercialização na região.

5 4. Gestão de Confinamentos A gestão dos confinamentos visa em última análise a obter lucro e para tanto deve ser realizada através do gerenciamento adequado de recursos e pessoas Formação do custo e compra de insumos Os principais fatores que definem a rentabilidade do confinamento são o preço de compra do boi magro, o preço dos alimentos, o preço de venda da arroba e a conversão alimentar. Na tabela 1 apresentamos uma simulação para exemplificar de forma resumida os principais números para análise financeira do confinamento. Os índices zootécnicos serão discutidos mais adiante. Tabela 1 Exemplo de custos e resultados de um confinamento. Peso do animal magro (Kg) 380 Preço do Kg vivo R$ 3,00 Preço do animal R$ 1.140,00 Frete R$ 35,00 Protocolo Sanitário R$ 4,50 Custo de venda (NF, taxas, etc ) R$ 10,00 Custo da diária - Alimento R$ 4,30 Custo da diária - Fixo + Operacional R$ 1,00 Desembolso total R$ 1.719,50 Período de confinamento (Dias) 100 Ganho de peso em confinamento (Kg/dia) 1,500 Peso final 530 Rendimento de carcaça 54,00% Preço de venda da arroba R$ 98,00 Receita total R$ 1.869,84 Lucro R$ 150,34 Lucro % 8,04% Lucro mensal 2,41% Ponto de equilíbrio R$ 90,12

6 Quando analisamos a composição custos de um confinamento podemos observar a importância de cada item e nos dá uma direção clara de onde devemos concentrar nossos esforços. A figura 1 foi feita com base nos dados da Tabela 1 e como podemos ver compra do gado magro correspondeu por 66,30% dos custos, seguido pela despesa com os alimentos com 25,01% dos custos, portanto é onde definitivamente não pode se errar. Uma reposição de gado magro mal feita ou custos elevados no preço dos alimentos podem comprometer seriamente a rentabilidade da atividade. Não que os outros itens não sejam importantes, mas tem menor impacto no resultado final. Figura 1 Distribuição dos custos do confinamento Custo da diária - Alimento 25,01% Participação nos custos Custo da diária - Fixo + Operacional 5,82% Preço do animal 66,30% Custo de venda (NF, taxas, etc ) 0,58% Protocolo Sanitário 0,26% Frete 2,04% Para isso é de fundamental importância acompanhar o mercado de reposição e de insumos. O gestor do confinamento deve estar constantemente bem informado, assinar informativos, estar sempre em contato com fornecedores e corretores, avaliar grupos de compra coletiva e acompanhar as tendências de mercado futuro, tentando sempre identificar oportunidades de bons negócios.

7 Uma dúvida frequente é a categoria ou raça ou qualidade ideal do animal para se confinar. Na verdade o animal ideal é o que dá mais lucro é obvio, mas vamos à algumas considerações. Um animal de genética ruim, mesmo desempenhando menos no confinamento pode dar um lucro maior que um animal de genética excepcional, depende do preço que eu pago em cada um. Então podemos concluir que cada mercadoria tem seu preço e o animal inferior pode ser um bom negócio dependendo do que se paga nele e o desafio é esse. Quanto posso pagar a mais por um animal de genética superior que vai desempenhar melhor? Quanto ele vai converter melhor? São perguntas complexas e de difícil resposta. Para tanto é importante ter históricos das compras e seus resultados zootécnicos e econômicos o que pode auxiliar e muito balizar as compras. As fêmeas, por questões fisiológicas são menos eficientes na engorda que os machos e na maioria das vezes em que são confinadas é em se utilizando o confinamento como ferramenta de manejo ou em uma boa oportunidade de compra ou para nichos de mercado como no caso das novilhas. Outro fator importante que norteia a escolha da raça e da categoria dos animais a serem confinados é em função da necessidade de atendimento de algum nicho de mercado ou aliança mercadológica onde na maioria das vezes se consegue um prêmio para animais produzidos dentro do padrão desejado Planejamento e estratégias de venda de bovinos Conforme foi descrito anteriormente, o valor de venda da arroba é um dos principais fatores que determinam a rentabilidade do confinamento. As principais alternativas para se tentar ter um bom preço de venda são os mecanismos de proteção de preço nas suas diversas modalidades, a agregação de valor para mercados específicos e em alguns casos os incentivos públicos. Como principais ferramentas de proteção de preço podemos citar: Mercado a termo: É um contrato firmado entre o produtor e o frigorífico onde se define antecipadamente a quantidade, a data, o tipo de animal a ser entregue e o preço que será pago na ocasião. Esse preço é ofertado pelo frigorífico e tem como referencia o mercado futuro e o diferencial de

8 base para a região onde esta localizada a propriedade. Não há a necessidade de ajustes até o vencimento do contrato; Mercado futuro: O produtor fixa um preço de venda no mercado futuro. Funciona como se fosse um seguro de preço, onde o produtor vai ser remunerado exatamente no preço em que foi vendido à futuro, corrigido para a região em que ele está e descontando as taxas da bolsa de valores e a comissão da corretora. Esta operação deve ser realizada obrigatoriamente através de uma corretora credenciada na bolsa de valores. Exige compensações diárias das oscilações de preço o que pode ser um tanto penoso para quem não esta organizado para esta atividade; Mercado de opções: Tem o custo do prêmio que é o valor que se paga por arroba para se ter uma garantia de preço mínimo de venda para a data de vencimento do contrato. A vantagem é que se a arroba subir além do valor estipulado no contrato de opção, o produtor continua ganhando ao contrario do hedge no mercado futuro; Como algumas opções de agregação de valor para mercados específicos e incentivos públicos podemos citar: Mercado Europeu: Exige que os animais sejam rastreados. O diferencial que os frigoríficos pagam a mais varia muito em função da demanda e da oferta de animais para esse mercado. Temos observado prêmios de R$ 1,00 à R$ 3,00 por arroba; Cota Hilton: Exige que os animais tenham sido rastreados até os 10 meses de idade. Devem ser abatidos entre 22 e 24 meses, com no máximo dois dentes, ser alimentados exclusivamente à pasto e o peso de abate não pode ultrapassar 460 Kg. Os prêmios tem variado de R$ 1,00 à R$ 2,00 por arroba; Programas específicos dos frigoríficos e Supermercados. Exemplos: o Programa Angus Marfrig: Exige animais com um mínimo de 50% de grau de sangue da raça Aberdeen Angus. Machos inteiros tem que ter dentes de leite. Fêmeas e machos castrados até 2 dentes. Peso mínimo de 225 Kg para carcaça dos machos e 195 kg para fêmeas. Acabamento mínimo mediano. Premiação de até 10% para machos e até arroba do macho mais 8% para fêmeas. o Programa No Ponto JBS: Para machos castrados que não sejam de origem leiteira com maturidade de 0 à 6 dentes com gordura mediana e uniforme. Premia até R$ 5,00 por arroba. o Produtos TAEQ do grupo Pão de Açucar Associações. Exemplos: o Associação sul-mato-grossense dos produtores de novilho precoce: Atualmente conta com três alternativas para comercialização dos animais dos associados. Um com a rede

9 Carrefour de Supermercados. Abates no frigorífico Navicarnes em Rochedo-MS. Exige fêmeas com carcaça acima de 180 Kg, machos com carcaça de 210 à 225 kg acabamento mínimo de 3mm e máximo de 10mm de gordura. Os animais cruzados com até 30 meses e nelore até 36 meses. A segunda opção é para a marca Primo Corte da própria associação. O abate também é no Navicarnes e aceita apenas novilhas com peso de carcaça acima de 180 Kg, com no mínimo de 5mm de gordura e idade máxima de 30 meses para animais cruzados e 36 meses para animais da raça nelore. A terceira opção é uma parceria com o frigorífico JBS. Exige machos castrados ou inteiros com peso mínimo de carcaça de 240 Kg, vacas com mínimo de 210 kg e novilhas com mínimo de 180 Kg, todos com no mínimo 5mm de gordura. A idade máxima de 30 meses para animais cruzados e 36 meses para animais da raça nelore para bois e novilhas e vacas com idade livre; o Programa Carne Angus Certificada; o Carne Certificada Pampa da Associação Brasileira de Hereford e Braford; o Bonsmara Beef; Programa de incentivo à produção do novilho precoce: Incentivo fornecido pelo governo do Mato Grosso do Sul onde o ICMS sobre a carne pode ter uma redução nos seguintes níveis de incentivo: redução de 67% do ICMS animais com apenas dentes de leite, sem nenhuma queda; redução de 50% do ICMS animais com no máximo dois dentes permanentes, sem a queda dos 1ºs médios; e redução de 33% do ICMS animais com no máximo quatro dentes permanentes (castrados), sem a queda dos 2ºs médios. Os animais deverão ter peso mínimo de carcaça de 180 kg para as fêmeas e 225 Kg para os machos. Carne Orgânica: Animais criados em sistemas extensivos no pantanal. São rastreados ao nascimento. Animais abatidos e processados pelo JBS. Como pudemos ver, as alternativas para agregação de valor são muitas e a escolha de qual é mais interessante participar vai variar em funçãodas características de cada empreendimento e da possibilidade de se ajustar em cada programa.

10 4.3. Principais métricas utilizadas em confinamento Você não pode melhorar o que você não controla. Você não pode controlar o que você não mede. Você não pode medir o que você não define. (Autor desconhecido) Quando falamos de métricas em confinamento, devemos fazer algumas considerações à respeito. A primeira delas é que o volume de informações à serem coletadas e analisada normalmente é muito grande. Existe a necessidade de padronização dessas métricas para não correr o risco de se comparar medições realizadas com diferentes metodologias. Existe a necessidade de mão-de-obra qualificada e em grande parte dos casos é fundamental que se tenha um controle informatizado dessas informações. De longe, a métrica mais utilizada para medir desempenho em confinamento é o ganho médio diário. Apesar de ser uma medida de ser facilmente tomada, ela esta sujeita a grandes variações por questões de manejo e de dieta e é onde na maioria das vezes as pessoas comparam coisas diferentes. O manejo prévio a uma pesagem pode fazer com que o animal tenha variações que variam na prática de 4% à 10% do peso vivo. É uma diferença imensa e é devido principalmente a diminuição do conteúdo gastrointestinal e algumas vezes a desidratação.. Se pensarmos que um animal de 400 kg pelo simples fato de dormir preso pode ter uma perda de cerca de 5% do peso vivo, estamos falando de 20 Kg e que em uma engorda de 80 dias representam 250 gramas por dia. Quanto comparado à um animal idêntico que não teve esse mesmo manejo, o ganho de peso seria 250 gr por dia superior. Apenas por diferença na metodologia de pesagem. Como vimos, nem sempre o ganho médio diário é um bom indicativo para se comparar confinamentos por exemplo Quando tenho o mesmo manejo, na mesma fazenda, com a mesma dieta, aí sim pode ser um parâmetro para comparar desempenho. Mas ainda assim tem algumas ineficiências. Animais que tem o mesmo ganho, mas com rendimento de carcaça diferentes, tem

11 resultados econômicos diferentes. Existem muitos consultores e pesquisadores que utilizam o ganho de peso corrigido pelo rendimento de carcaça, que seria uma forma justa de corrigir o ganho de peso vivo pelo ganho em carcaça que em última análise é o que interessa. O rendimento de carcaça é uma métrica muito utilizada e é obtida dividindo-se o peso da carcaça pelo peso vivo do animal antes de ir para o abate. Uma medida de eficiência muito utilizada é a conversão alimentar, onde se mede quantos quilos de matéria seca de alimento foi necessário para se ganhar um quilo de peso vivo. E atualmente a métrica de eficiência mais utilizada é a conversão alimentar em carcaça onde se calcula quantos quilos de matéria seca de alimento foi necessário para se ganhar uma arroba de carcaça. É importante salientar que todas essas métricas estão sujeitas à ineficiências devido ao desconhecimento do rendimento de carcaça na entrada do confinamento. Hoje de praxe a maioria das empresas e consultores utiliza como rendimento de entrada 50%. E se utiliza isso por falta de coisa melhor. Este é um ponto na análise das métricas em confinamento que precisaria ser melhor discutido para tentarmos propor metodologias para correção desse jejum de entrada de acordo com a nutrição e o manejo prévio à entrada do confinamento Principais controles realizados Em um confinamento é de suma importância que se tenha uma forma organizada e sistematizada de coleta e análise de informações de forma que se possa durante o andamento do confinamento, que é um processo de duração relativamente curta, analisar se os processos em andamento estão dentro de parâmetros satisfatórios ou não e tomar decisões para corrigir problemas, caso seja necessário. Em propriedades que não tem um acompanhamento mínimo

12 pelo menos do consumo dos animais, caso ocorram problemas, provavelmente só serão notados quando os animais forem embarcados e o desempenho ficar aquém do esperado, quando será tarde de mais para ver quais foram as causas do problema. O acompanhamento do que ocorre em um confinamento deve ser diário e rigoroso. Para isso é importante definir a ferramenta de controle adequada a cada empreendimento e o que deve ser controlado. Hoje existem diversos softwares para controle de confinamento. Existem alguns que fazem controles em planilhas eletrônicas. A ferramenta não precisa ser complexa. Precisa ser simples de operar e controlar o mínimo necessário. Todos os aspectos do gerenciamento de um confinamento devem ser focados em ter a máxima consistência e tudo o que for feito fora disso lhe custará dinheiro. Devemos identificar e monitorar todos os pontos críticos visando minimizar perdas e maximizar resultados Os principais pontos a serem controlados e monitorados são: Consumo: o Consumo de matéria original por cabeça por dia; o Consumo de matéria seca por cabeça por dia; o Consumo de matéria seca em porcentagem do peso vivo; o Quantidade de sobras de ração; Estoque: o Variação entre previsto e realizado entre carga e descarga de ração; o Entrada de matéria prima; o Variação de matéria seca dos ingredientes; o Composição bromatológica dos ingredientes; o Baixa no estoque pelo realizado da carga; Controle de movimentação dos animais: o Origem; o Ocorrências sanitárias; o Carências do manejo profilático e medicamentosas; o Mortes

13 o Problemas de adaptação o Abates o Transferências Controle de fábrica de ração o Qualidade de mistura o Volume produzido o Produtos para outras finalidades o Perdas o Logística dos vagões Índices de desempenho o Ganho médio diário o Ganho corrigido pelo rendimento o Rendimento de Carcaça o Eficiência alimentar o Conversão alimentar o Conversão em carcaça Índices econômicos o Custo da diária o Custo operacional o Custo Fixo o Custo da arroba produzida o Lucro o Margem o Desembolso por cabeça 4.5. Manejo alimentar O manejo alimentar do confinamento esta relacionado principalmente com a distribuição da ração no cocho e tudo o mais que envolve esse processo, como frequência, horários, proporções em cada trato, qualidade da mistura, leitura de cocho e outros e visa principalmente otimizar o consumo dos animais, diminuir a variação na oferta e no consumo de ração, evitar desperdícios, evitar

14 problemas metabólicos, prever desempenhos e melhorar a conversão alimentar. A leitura de cocho é feita de uma a duas vezes por dia e visa dar uma informação à pessoa que faz o manejo do arraçoamento no que diz respeito aos ajustes que se fazem necessários na quantidade de ração à ser fornecida para cada lote. Este manejo visa ajustar a quantidade de ração fornecida para cada lote de forma que não haja sobras, o que representa uma perda econômica e de forma que não falte ração no cocho, o que poderia limitar desempenho ou causar problemas metabólicos em caso de consumo excessivo após um período de restrição, nem que este período seja pequeno. No confinamento é importante que se tenha uma rotina muito bem definida. Os animais se acostumam à ela e tudo que muda gera stress. Os horários, proporções fornecidas e outros manejos devem seguir uma rigorosa rotina. 5. Considerações Finais O confinamento de gado de corte é uma atividade que esta em expansão no Brasil e vai estar cada vez mais presente no cotidiano da pecuária de corte. É uma atividade complexa que exige muito da equipe gestora do empreendimento para que se tenha sucesso na atividade, mas por outro lado pode recompensar muito bem quem se dispor a praticar a atividade com profissionalismo. Muito já se fez, mas ainda serão necessárias muitas pesquisas no Brasil para podermos ajustar os manejos, dietas, instalações, processamento de grãos e outras questões que exigem mais respostas adequadas à nossa realidade.

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Plano do Projeto: Diagnóstico (Planejamento) Estudo de Mercado Engenharia do Projeto Avaliação Planejamento Estratégico Tecnologia e tamanho do Investimento Projeto é:

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

Pressão de Seleção. Touros Jovens CEIP (20%) Machos avaliados (100%)

Pressão de Seleção. Touros Jovens CEIP (20%) Machos avaliados (100%) O Qualitas Programa de melhoramento genético da raça Nelore Reconhecido, aprovado e auditado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) Autorizado a emitir o CEIP a partir de 2002 O

Leia mais

Local: Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo Campo Grande/MS Data: 4 e 5 de Maio de 2015

Local: Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo Campo Grande/MS Data: 4 e 5 de Maio de 2015 Local: Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo Campo Grande/MS Data: 4 e 5 de Maio de 2015 Realizadores A empresa é localizada em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul e tem seu foco na prestação

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 O que é uma Bolsa de Futuros? Local organizado para administrar risco; Organização sem fins lucrativos; Dar visibilidade nos preços;

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

04 de maio de 2012 Edição nº. 469

04 de maio de 2012 Edição nº. 469 O relatório Boi na Linha, da Scot Consultoria, na edição dessa sexta feira resumiu bem o status quo do mercado pecuário nesse início de maio A seca que vem afetando as pastagens há algum tempo somado a

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais

O Sistema de Pregão Por Prazo Determinado da Bolsa Brasileira de Mercadorias foi criado para realizar negócios de produtos agropecuários.

O Sistema de Pregão Por Prazo Determinado da Bolsa Brasileira de Mercadorias foi criado para realizar negócios de produtos agropecuários. Comercialização de carne na Bolsa Brasileira de Mercadorias Abril de 2010 1. Pregão por Prazo Determinado O Sistema de Pregão Por Prazo Determinado da Bolsa Brasileira de Mercadorias foi criado para realizar

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Christiano Nascif, zootecnista, coordenador de assistência do PDPL-RV e coordenador técnico do Projeto Educampo/Sebrae.

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Boi Gordo Futuro de Boi Gordo Ferramenta que permite a gestão financeira do risco existente nas operações realizadas no mercado físico. O Contrato Futuro de Boi Gordo é

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA

III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA OBJETIVOS: REGULAMENTO GERAL O III Circuito de Concursos de Carcaça Carne Pampa, promovido em parceria entre a e o Frigoríficos Marfrig, tem como principais

Leia mais

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE ARTIGOS TÉCNICOS 04/2006 Júlio Otávio Jardim Barcellos Médico Veterinário, D.Sc - Zootecnia Professor Adjunto Depto Zootecnia UFRGS julio.barcellos@ufrgs.br Guilherme Cunha Malafaia Aluno do Curso de Pós

Leia mais

Coleta e Análise de Dados

Coleta e Análise de Dados Uma ferramenta para melhorar os resultados no campo Renato Pavan Anderlini Médico Veterinário Mestrado UNESP Botucatu Cel: (11) 986 770 089 renato.pavan@multbovinos.com.br BeefExpo 2015 O que são dados?

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

O Sistema de Pregão Por Prazo Determinado da Bolsa Brasileira de Mercadorias foi criado para realizar negócios de produtos agropecuários.

O Sistema de Pregão Por Prazo Determinado da Bolsa Brasileira de Mercadorias foi criado para realizar negócios de produtos agropecuários. Comercialização de carne na Bolsa Brasileira de Mercadorias Janeiro de 2010 1. Pregão por Prazo Determinado O Sistema de Pregão Por Prazo Determinado da Bolsa Brasileira de Mercadorias foi criado para

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite.

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Jéssica Samara Leão SIMÕES¹; André da Mata CARVALHO²; Marlon MARTINS Moraes ²; Joiciane Maria

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil

primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil o índice para guiar suas melhores decisões! O QUE É O BCBI? Desenvolvido com o suporte técnico do Geneticista Senior da L`Alliance Boviteq,

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais 1. Objeto de negociação Boi gordo acabado para abate. Tipo: bovinos machos, castrados, bem acabados (carcaça convexa), em pasto ou confinamento.

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais