EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo de melhorar o desempenho animal, sua eficiência alimentar e diminuir os riscos de doenças ligadas à digestão tais como acidose e timpanismo. Dentre os aditivos utilizados, os antibióticos ionóforos tais como a monensina apresentam resultados positivos na maioria das vezes, melhorando em torno de 7% a eficiência alimentar animal. Entretanto, devido à preocupação em relação ao desenvolvimento de resistência por microorganismos aos antibióticos, aditivos deste tipo tem sido banido da nutrição animal em alguns países, gerando a demanda de outros tipos de aditivos alimentares nãoantibióticos ou naturais. Exemplos de aditivos não-antibióticos são os chamados probióticos. Probióticos podem ser microrganismos vivos tais como bactérias e leveduras, ou mesmo extratos de culturas de microrganismos que trazem consigo componentes que podem exercer influência sobre a fermentação microbiana ocorrida no rúmen e também no intestino. Dentro dos efeitos sobre a fermentação microbiana ruminal ligados ao uso de probióticos estão a manutenção do ph ruminal, diminuição da produção de lactato, aumento da concentração de propionato e aumento da digestão da fibra. Tais efeitos podem também estar relacionados ao aumento do consumo de alimento e do ganho de peso, diminuição do risco de acidose ruminal e aumento da digestibilidade da dieta.

2 OBJETIVO O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do probiótico DBR sobre o desempenho e características de características de carcaça de bovinos Nelore confinados, na fase terminação, com dietas contendo alto teor de concentrado. MATERIAL E MÉTODOS O estudo foi realizado no, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, em Pirassununga, SP. Foram utilizados 18 bovinos da raça Nelore, com média de idade de 18 meses e 362±30kg de peso vivo, no início do experimento. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em baias individuais cobertas, com acesso a sombra e água. A alimentação foi fornecida ad libitum, duas vezes ao dia, às 8h e 16h, com uma dieta a base de bagaço de cana-de-açúcar como fonte de volumoso (18%) e concentrado (82%) conforme descrito na Tabela 1. Além da dieta citada, os animais receberam diariamente 100g de uma mistura contendo fubá de milho, pela qual foram fornecidas quantidades específicas de monensina e probiótico DBR conforme os tratamentos a seguir: 1) MON - monensina sódica - fubá de milho + 275mg de monensina sódica; 2) DBR - probiótico DBR - fubá de milho + 2,0g de probiótico DBR ; 3) DBR+MON - probiótico DBR + monensina sódica - fubá de milho + 1,0g de probiótico DBR + 138mg de monensina sódica.

3 As misturas foram preparadas em misturador com capacidade de 100 kg e então foram acondicionadas em sacos plásticos, devidamente identificados, na quantidade a ser fornecida ao animal (100g). Os saquinhos contendo as misturas foram então armazenados ao abrigo da umidade e de insetos, até o momento do fornecimento. Tabela 1 Composição de ingredientes e de nutrientes da dieta utilizada Ingredientes % na MS Bagaço de cana in natura 18,0 Milho grão seco 42,5 Farelo de soja 49% 7,0 Casca de soja peletizada 30,0 Uréia 1,0 Núcleo mineral 1,5 Nutrientes estimados Proteína bruta, % 14,2 Proteína degradável no rúmen, % 9,05 NDT, % 72,4 Ca 0,44 P 0,29 Durante os primeiros 15 dias após a chegada ao local do estudo, os animais foram adaptados ao local e à dieta. Neste período os animais receberam uma mistura de bagaço de cana crú e silagem de milho à vontade e ração concentrada na quantidade de 2,0 kg/animal nos dias 1 a 5; 4,0 kg/animal nos dias 6 a 10 e 6,0 kg/animal entre os dias 11 e 15 da adaptação. Esta fase não foi computada para fins de cálculo de consumo de alimentos e ganho de peso dos animais. As misturas com aditivos não foram fornecidas nesta fase. Os animais foram distribuídos aleatoriamente aos três tratamentos, num total de seis animais em cada. Na fase de avaliação, as misturas entre fubá de milho e os aditivos foram fornecidos juntamente com a alimentação matinal. Após o fornecimento da dieta,

4 as misturas foram servidas sobre a ração total misturada, não sendo misturadas a esta, com o objetivo de garantir o consumo integral das misturas contendo os aditivos. O consumo de alimento (CMS) foi determinado diariamente sendo calculado como a diferença entre a quantidade de ração total fornecida e as sobras alimentares, as quais foram determinadas três vezes por semana. A quantidade de alimento fornecida foi ajustada de forma a manter 5 a 10% de sobras em relação ao total fornecido. Amostras de bagaço de cana e concentrado foram obtidas ao longo do período experimental para determinar o conteúdo de matéria seca da dieta e das sobras. Os animais foram pesados, após jejum alimentar de 16h, no início e no final do período experimental e também a cada 28 dias. Durante as pesagens foram realizadas avaliações de carcaça através da ultrassonografia, para avaliação da área de olho de lombo e espessura de gordura subcutânea sobre a região entre as 12ª e 13ª costelas e sobre a garupa. O período experimental de avaliações teve duração de 84 dias. Os dados obtidos foram analisados e são apresentados em função de subperíodos de 28 dias e em função do período total de 84 dias. A análise estatística foi realizada utilizando o pacote estatístico SAS (SAS Institute Inc., Cary, NW, EUA). Diferenças entre os tratamentos foram consideradas significantes apenas quando os valores de probabilidade foram menores que 0,05 (5%).

5 Resultados A dieta utilizada no estudo proporcionou adequado consumo de matéria seca, observando-se um aumento na ingestão de alimentos ao longo do teste, como apresentado na Figura 1. Foram observados poucos surtos de acidose subclínica, quando houve pequenas depressões na ingestão de alimentos, por curto período de tempo. Avaliando-se o comportamento semanal do consumo de alimentos nos três tratamentos estudados, não se verificou diferenças significativas entre os tratamentos DBR, monensina e DBR +monensina. 14,0 12,0 Consumo de alimentos, kgms/dia 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0, Tempo em confinamento, dias DBR DBR+MONENSINA MONENSINA Figura 1 Consumo de matéria seca de bovinos Nelore confinados, recebendo DBR, DBR +Monensina e Monensina, em função do tempo em confinamento. Comportamento semelhante ao observado para o consumo de alimentos ocorreu com o ganho de peso dos animais nos diferentes tratamentos, como mostrado na Figura 2. Não se observou também diferenças significativas entre os tratamentos, ao longo do

6 período do estudo. Os três tratamentos avaliados proporcionaram ganhos de peso considerados muito bons. 550,0 500,0 Peso Vivo, kg 450,0 400,0 350,0 300, Tempo em confinamento, dias DBR DBR+MONENSINA MONENSINA Figura 2 Peso vivo de bovinos Nelore confinados, recebendo DBR, DBR +Monensina e Monensina, em função do tempo em confinamento. Na Tabela 2, são apresentados os dados de desempenho em confinamento de tourinhos Nelore recebendo dieta de alto concentrado contendo diferentes aditivos. Os resultados foram divididos em função de três períodos de 28 dias. Observou-se que em todos os subperíodos avaliados os animais alimentados com o probiótico DBR apresentaram desempenho semelhante àqueles animais recebendo monensina ou a mistura entre os dois aditivos. Durante o período 2, entre 28 e 56 dias em confinamento, observou-se que houve uma tendência estatística (P=0,09) dos animais recebendo monensina apresentarem melhor conversão alimentar que animais recebendo DBR, porém considera-se que a diferença apresentada não é estatisticamente significativa.

7 Tabela 2 Desempenho em confinamento de bovinos Nelore recebendo dietas contendo monensina, DBR e DBR + monensina Tratamento Característica DBR Monensina DBR +Monensina Período 1 (0 a 28 dias) Peso vivo inicial, kg Peso vivo 28 dias, kg Ganho médio diário, kg/dia 2,30 1,95 2,00 Consumo de alimentos, kg/dia 10,30 10,58 9,36 Conversão alimentar, kg/kg 4,62 5,97 5,49 Eficiência alimentar, kg/kg 0,225 0,184 0,193 Período 2 (28 a 56 dias) Peso vivo 56 dias, kg Ganho médio diário, kg/dia 1,76 2,20 2,11 Consumo de alimento, kg/dia 10,9 11,1 10,5 Conversão alimentar, kg/kg 6,36 4,97 5,24 Eficiência alimentar, kg/kg 0,162 0,199 0,209 Período 3 (56 a 84 dias) Peso vivo 84 dias, kg Ganho médio diário, kg/dia 1,77 1,99 1,81 Consumo de alimento, kg/dia 11,1 12,3 11,8 Conversão alimentar, kg/kg 6,58 6,68 6,33 Eficiência alimentar, kg/kg 0,160 0,166 0,153 Período total (0 a 84 dias) Peso vivo inicial, kg Peso vivo final, kg Ganho médio diário, kg/dia 1,94 2,05 1,86 Consumo de alimento, kg/dia 10,8 11,3 10,6 Conversão alimentar, kg/kg 5,63 5,69 5,55 Eficiência alimentar, kg/kg 0,181 0,176 0,182 Tendência (P<0,10) de diferenças entre os tratamentos. Quando avaliado o 1º subperíodo, verificou-se que a alimentação com DBR resultou em ganho de peso e eficiência alimentar semelhante àquela apresentada com a monensina. Os primeiros dias de confinamento podem ser críticos à adaptação do animal

8 à dieta de confinamento e, por isso, a monensina é utilizada com o objetivo de dimiuir os riscos de acidose e desempenho deprimido nesta fase. Vistos os resultados obtidos no 1º subperíodo, é possível sugerir que o probiótico DBR pode ser utilizado em substituição parcial ou total à monensina sódica em dietas de confinamento. Em relação às características de carcaça (Figuras 3, 4 e 5), também não houve diferenças entre os tratamentos estudados. Verifica-se que todos os tratamentos contendo DBR proporcionaram um crescimento linear da área do músculo Longissimus, que é considerada uma medida de musculosidade e rendimento de porção comestível da carcaça bovina. 90,0 80,0 Área de Olho de Lombo, cm2 70,0 60,0 50,0 40, Tempo em confinamento, dias DBR DBR+MONENSINA MONENSINA Figura 3 Área de olho de lombo de bovinos Nelore confinados, recebendo DBR, DBR +Monensina e Monensina, em função do tempo em confinamento.

9 8,0 Espessura de Gordura Subcutânea, mm 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, Tempo em confinamento, dias DBR DBR+MONENSINA MONENSINA Figura 4 Espessura de gordura subcutânea sobre o músculo Longissimus de bovinos Nelore confinados, recebendo DBR, DBR +Monensina e Monensina, em função do tempo em confinamento. 8,0 Espessura de Gordura na Garupa, mm 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, Tempo em confinamento, dias DBR DBR+MONENSINA MONENSINA Figura 5 Espessura de gordura sobre a garupa de bovinos Nelore, recebendo DBR, DBR +Monensina e Monensina, em função do tempo em confinamento.

10 Todos os tratamentos proporcionaram cobertura de gordura na carcaça adequada quanto às exigências da indústria frigorífica, com carcaças apresentando aproximadamente 5 mm de gordura subcutânea sobre o lombo e a garupa. Conclusão Com base nos resultados obtidos neste estudo, verificou-se que a administração do probiótico DBR na dieta dos animais, resultou em ganho de peso e eficiência alimentar semelhante aos resultados obtidos com a administração da monensina. Dessa forma, é possível sugerir que o probiótico DBR pode ser utilizado em substituição parcial ou total à monensina sódica em dietas de confinamento. Pirassununga, 24 de agosto de 2010 Prof. Dr. Saulo da Luz e Silva Dr. Rodrigo da Costa Gomes

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

Quem vence é o que melhor se adapta

Quem vence é o que melhor se adapta Quem vence é o que melhor se adapta Tecnologia dos Óleos Funcionais em Ruminantes Dra Juliane Diniz Magalhães Gerente de Ruminantes da Oligo Basics Região Sul São Paulo-SP Junho de 2016 Perfil dos confinamentos

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO Flávio Augusto Portela Santos Depto. de Zootecnia ESALQ/USP ABATES ASSISTIDOS: ASSOCON 2006-2007 Total de animais: Machos: Fêmeas: 193.664 cab 177.966 cab 15.698 cab

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Aditivos Ionóforos para a Alimentação de Bovinos INTRODUÇÃO

Aditivos Ionóforos para a Alimentação de Bovinos INTRODUÇÃO Aditivos Ionóforos para a Alimentação de Bovinos INTRODUÇÃO Uma ampla gama de produtos classificados como aditivos está disponível no mercado para o produtor. Portanto, o objetivo deste artigo é fazer

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP

1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP TECNOLOGIAS TORTUGA 1954 1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP 1955 Pioneirismo com as gaiolas individuais em avicultura 1964 Começa a testar boxes de parição de porcas UNIDADE INDUSTRIAL DE MAIRINQUE

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos Introdução Uso de NNP: Fontes convencionais uso humano Diminuir

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina ISSN 1516-4111X A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina 36 São Carlos, SP Dezembro, 2004 Autor Pedro Franklin Barbosa Eng. Agr., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Rod.

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento

Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento CAPÍTULO Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento Rodrigo da Costa Gomes Amoracyr José Costa Nuñez Carolina Tobias Marino Sérgio Raposo de Medeiros

Leia mais

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol A cadeia de produção da carne bovina tem direcionado esforços, no sentido de estar cada vez mais atenta para atributos de qualidade da carne já que é uma exigência do consumidor final. A maciez é uma das

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS MINIST~RIO DA AGRICULTURA MA Empresa Brasileira de Pesquisa A",opecuária EMBRAPA Unidade de E)(ecuçllio de PesQuil8 de Âmbito Estadual de 5&0 Carlos UEPAE do SA'o Corl", RODOVIA WASHINGTON l.ljiz, km 234

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

II PRÊMIO MACAL DE INCENTIVO A PESQUISA EM BOVINOCULTURA DE CORTE CATEGORIA ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO AGRACIADO

II PRÊMIO MACAL DE INCENTIVO A PESQUISA EM BOVINOCULTURA DE CORTE CATEGORIA ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO AGRACIADO II PRÊMIO MACAL DE INCENTIVO A PESQUISA EM BOVINOCULTURA DE CORTE CATEGORIA ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO AGRACIADO Desempenho e Componentes Corporais de Bovinos de Dois Grupos Genéticos em Aquidauana MS Ricardo

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte:

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Leonardo Campos 1 e Gabriel Campos 2 O professor e pesquisador norte-americano R.A. Bob Long, colunista da revista Angus Journal e autor do Sistema

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

TESTES DE PRODUTIVIDADE

TESTES DE PRODUTIVIDADE TESTES DE PRODUTIVIDADE INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS LTDA. PROBIÓTICO SISTEMA DIGESTIVO E FLORA DE RÚMEN Os ruminantes (bovinos, ovinos, caprinos e bubalinos) constituem um grupo de animais com

Leia mais

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 75 fevereiro/2013 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA DE SOJA (G. MAX ), SOBRE O GANHO DE PESO DE BOVINOS CONFINADOS

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA DE SOJA (G. MAX ), SOBRE O GANHO DE PESO DE BOVINOS CONFINADOS 65 Efeitos de diferentes níveis de resíduo de pré-limpeza de soja (G. Max) sobre o...] 2004 (E) Silvio de Paula Mello, Andréa Bueno, Marcelo Garcia Macedo EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Regras e orientações para realização das provas zootécnicas de ovinos da raça Santa Inês

Regras e orientações para realização das provas zootécnicas de ovinos da raça Santa Inês INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 30/09/2010 Regras e orientações para realização das provas zootécnicas de ovinos

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária CÂMPUS DE JABOTIBAL RELATÓRIO TÉCNICO I IDENTIFIÇÃO DO PROJETO A Título: Avaliação do desempenho de suínos suplementados com DBI Probiótico, fabricado por IMEVE Indústria de Medicamentos Veterinários Ltda,

Leia mais

CITRUS PULP PELLETS DADOS TÉCNICOS

CITRUS PULP PELLETS DADOS TÉCNICOS CITRUS PULP PELLETS DADOS TÉCNICOS 1. Introdução: 1.1. O Processo: A CitrOvita Agro Industrial Ltda., é uma empresa do grupo Votorantim - maior grupo privado do país - que entrou em operação no ano de

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento 30 Congresso Paranaense de Estudantes de Zootecnia 28 a 31 de outubro de 2009 Maringá, PR. Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento Luís Carlos Vinhas Ítavo 1, Camila Celeste

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Substituição de Amido por Pectina em Dietas com Diferentes Níveis de Concentrado. 1. Desempenho Animal e Características da Carcaça 1

Substituição de Amido por Pectina em Dietas com Diferentes Níveis de Concentrado. 1. Desempenho Animal e Características da Carcaça 1 R. Bras. Zootec., v.27, n.6, p.1206-1211, 1998 Substituição de Amido por Pectina em Dietas com Diferentes Níveis de Concentrado. 1. Desempenho Animal e Características da Carcaça 1 Wignez Henrique 2, Paulo

Leia mais

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia.

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. IMUNOCASTRAÇÃO Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. Cronograma 1.Introdução 2. Suínos 3. Bovinos 4.Imunocastração 5. Considerações finais 1. Introdução A castração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Protocolo 066/2010 FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E ETENSÃO 1. Instruções 1 Deverão ser entregues 2 (duas) cópias impressas e 1 (uma) cópia via e-mail (na extensão.doc), encaminhados para

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Introdução - Energia Elétrica; - Água; - Espaço de cocho para alimentação;

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PERÍODO DE TRANSIÇÃO (3 semanas pré-parto a 3 semanas pós-parto) aperíodo de tempo onde a vaca passa por grandes alterações

Leia mais

DIETA 100% CONCENTRADO COM GRÃO DE MILHO INTEIRO PARA TERMINAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO

DIETA 100% CONCENTRADO COM GRÃO DE MILHO INTEIRO PARA TERMINAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE DIETA 100% CONCENTRADO COM GRÃO DE MILHO INTEIRO PARA TERMINAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 Cotação Diária do Suíno Vivo, por Unidade da Federação Data MG SP PR SC RS DF MT Carcaça CEPEA 05/02/2015 R$ 3,68 R$ 3,35 R$ 3,17 R$ 3,23 R$ 3,28 R$ 4,01

Leia mais

Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática.

Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática. ISSN 1983-0475 Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática. Qual é a Importância desta Tecnologia para o Produtor. 48 O Circular Técnica Bagé, RS Agosto, 015 Autores Marcos Jun-Iti Yokoo

Leia mais

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica 140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica SIGNOR, Arcângelo Augusto. UEM, angelo_signor@gmail.com; CORRÊIA, Arlindo

Leia mais

Metabolismo energético e digestão de amido em gado de leite: o que se sabe e que ferramentas podem melhorar o desempenho

Metabolismo energético e digestão de amido em gado de leite: o que se sabe e que ferramentas podem melhorar o desempenho Metabolismo energético e digestão de amido em gado de leite: o que se sabe e que ferramentas podem melhorar o desempenho MARCOS NEVES PEREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS Curva de lactação e consumo

Leia mais

URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES Clenderson Corradi de Mattos Gonçalves 1 Júlio César Teixeira 2 Flávio Moreno Salvador 1 1 INTRODUÇÃO A utilização de fontes alternativas de proteína na produção de bovinos

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Sérgio Raposo de Medeiros 1 1 Pesquisador Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS. A evolução das espécies ruminantes ocorreu associada à ingestão de forragens que

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

Utilização da cana-de na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007

Utilização da cana-de na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007 Utilização da cana-de deaçúcar na alimentação de ruminantes Paulo R. Leme FZEA -2007 Área ocupada com cana e produção de açúa çúcar e alcool Região ou Estado Brasil Área de cana milhões ha 6,19 Produção

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Pesos e Rendimentos dos Cortes Comerciais de Cordeiros Alimentados com Níveis Crescentes de Manipueira

Pesos e Rendimentos dos Cortes Comerciais de Cordeiros Alimentados com Níveis Crescentes de Manipueira IV Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 454 Pesos e Rendimentos dos Cortes Comerciais de Cordeiros Alimentados com Níveis Crescentes de Manipueira Erick Yanomami

Leia mais

EFEITO DO ADITIVO MONENSINA SÓDICA NO METABOLISMO RUMINAL DE BOVINOS DE CORTE EFFECT OF SODIUM MONENSIN IN RUMINAL METABOLISM OF BEEF CATTLE

EFEITO DO ADITIVO MONENSINA SÓDICA NO METABOLISMO RUMINAL DE BOVINOS DE CORTE EFFECT OF SODIUM MONENSIN IN RUMINAL METABOLISM OF BEEF CATTLE EFEITO DO ADITIVO MONENSINA SÓDICA NO METABOLISMO RUMINAL DE BOVINOS DE CORTE EFFECT OF SODIUM MONENSIN IN RUMINAL METABOLISM OF BEEF CATTLE MARCUCCI, Maira Tavares 1 ; TOMA, Hugo Shisei 2* ; SANTOS, Marcelo

Leia mais