bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui."

Transcrição

1 bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui.

2 índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos

3 A Premix está comprometida em desenvolver e oferecer o que há de melhor no mercado em soluções para nutrição animal. Quando você estiver buscando a melhor saída para acelerar seus resultados na pecuária, conte com a Premix, pois a resposta para o da sua questão está em nossa marca. Com ampla estrutura de produção e distribuição, a Premix possui unidades fabris em Patrocínio Paulista/SP (matriz), Presidente Prudente/SP e Araguaína/TO, além dos centros de distribuição em Goiânia/GO, Maringá/PR, Campo Grande/MS e Cuiabá/MT. Investindo em inovação e desenvolvimento tecnológico, a Premix também possui estrutura de pesquisa, mantendo parceria com as mais renomadas instituições de ensino. Entre em contato conosco e entenda melhor como a Premix pode contribuir para acelerar seus resultados. 3

4 bovinos de corte Confinamento Terminação a pasto Recria a pasto Cria Rebanho elite Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Campo Águas Campo Extra Campo Recria Campo 60 Campo 50 Campo 40 Campo 30 Campo Creep Feeding Campo Seca Campo PréMonta PSAI Águas PSAI Extra PSAI Seca PSAI Creep Feeding Fós Premium Premiphós 80 Premiphós 60 Premiphós 40 Ureia Premiphós Seca Premiphós Monta Araguaia 90 Araguaia 80 Araguaia 60 Araguaia 40 4

5 Confinamento Terminação a pasto Recria a pasto Núcleos Rações Linha PHóS Aditivos Núcleo Concentrado para Rações Núcleo Alto Desempenho Núcleo Confinamento 150 PróMilho 15% Rúmen Tamponante Cria Premiphós 130 Premiphós 160 Ração Total Bovinos Ração Bovinos 20% Ração Bovinos 18% Ração Bovinos 16% Rebanho elite Totus Baby Genplus 20% Genplus 18% Genplus 16% Genplus Total PHÓS 90 PHÓS 80 PHÓS 60 PHÓS 40 Fator P 20A Top Premium Vitamínico 5

6 linha campo Campo Creep Feeding Campo Recria Suplemento Mineral Proteico para bovinos em recria (pósdesmama). Este produto corrige desbalanços nutricionais no período da seca. Suplemento Mineral Proteico enriquecido com probiótico para bezerros. Este produto estimula o desenvolvimento e o metabolismo ruminal. É indicado para animais a partir dos primeiros dias de vida (bezerros ao pé) até os 8 meses de idade, para proporcionar maior peso à desmama ou fazer desmama precoce. Ácido fumárico (mínimo) mg 40/80 g 80 mg 300 mg mg 150 mg 15 g 10 mg 500 g NNP equiv. proteína (máx) 290 g 4,5 mg 57 g mg Pode ser utilizado puro, com consumo entre 200 g e 300 g por animal/ dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 30% do produto com 70% de farelo e fornecer 1 kg por animal uma vez ao dia. Nutrindo pósdesmama com praticidade e eficiência na seca. Cromo (mínimo) Lisina (mínimo) Metionina (mínimo) NNP equiv. proteína (máx) Saccharomyces cerevisiae 30/50 g 10 mg 80 mg mg 10 mg 90 mg mg 14 mg mg mg 250 g x 10 7 UFC mg mg Pode ser utilizado puro à vontade em creep feeding, com consumo podendo iniciar em 15 g chegando a 500 g por animal/dia, dependendo das condições de lactação das matrizes, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 50% do produto com 50% de farelo, e fornecer 0,5 kg a 1 kg por animal uma vez ao dia. Solução para uma desmama de peso. 6

7 Campo Extra Campo Águas Suplemento Mineral Proteico Energético para bovinos. Corrige desbalanços minerais, proteicos e energéticos nos períodos de préseca (sementeira) e na transição de seca para águas (rebrota). Tem como objetivo dar continuidade no ganho de peso aos animais em recria e terminação manejados em pastagens com boa disponibilidade de forragem. Suplemento Mineral Energético para bovinos em cria, recria e terminação. Corrige desbalanços nutricionais e potencializa a degradação da fração fibrosa, disponibilizando mais energia, além de aumentar a utilização do nitrogênio das forrageiras verdes. 45/60 g 9,87 mg 154,5 mg mg 150 mg 15 g 13,8 mg 350 g NNP equiv. proteína (máx) 196 g 57 g 440 mg Pode ser utilizado puro, com consumo entre 300 g e 700 g por animal/ dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 30% do produto com 70% de farelo, e fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Seu animal reequilibrado nos períodos de transição. Ácido fumárico (mínimo) mg Amido 70/ 168 mg mg 30 g 340 mg 34 g 120 mg NNP equiv. proteína (máx) 45 g 9 mg Tirosina (mínimo) mg mg Pode ser utilizado puro, com consumo entre e 200 g por animal ao dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 20% do produto com 80% de farelo, e fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal ao dia. Mais energia nas águas e maiores resultados das pastagens. 7

8 Campo Seca Produto indicado para bovinos no período da seca. Campo 40 Suplemento Mineral Proteico para bovinos. Corrige desbalanços nutricionais no período da seca e estimula a ingestão de alimentos fibrosos. Lisina (mínimo) Metionina (mínimo) NNP equiv. proteína (máx) Tirosina (mínimo) 66/70 g 25 mg 160 mg mg 150 mg 15 g 20 mg mg 720 mg 400 g 330 g 3 mg 70 g mg 550 mg Pode ser usado puro ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo, milheto e outros) na proporção de 50% do produto até o mínimo de 30%, aumentando o consumo da mistura final para 300 g a 500 g por animal ao dia respectivamente. Contém ureia. 50/80 g 75 mg 550 mg mg 200 mg 20 g 80 mg Lisina (mínimo) mg Metionina (mínimo) mg 400 g NNP equiv. proteína (máx) 320 g 6,75 mg 90 g mg Pode ser utilizado puro, com consumo entre 150 g e 300 g por animal/dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 30% do produto com 70% de farelo, e fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Na seca continue ganhando peso. 8

9 Campo 50 Campo 60 Suplemento Mineral Proteico para bovinos. Corrige desbalanços nutricionais no período da seca e estimula a ingestão e digestão de alimentos fibrosos. Suplemento Mineral Proteico para bovinos adultos. Corrige desbalanços nutricionais no período da seca e estimula a ingestão e digestão de alimentos fibrosos. 50/80 g 50/80 g 75 mg 75 mg 550 mg 550 mg mg mg 200 mg 200 mg 20 g 20 g 80 mg 80 mg Lisina (mínimo) mg Lisina (mínimo) mg Metionina (mínimo) mg Metionina (mínimo) mg 500 g 600 g NNP equiv. proteína (máx) 380 g NNP equiv. proteína (máx) 390 g 6 mg 6 mg 90 g 62 g mg mg Pode ser utilizado puro, com consumo entre entre 150 g e 300 g por animal/ dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 30% do produto com 70% de farelo e fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Pode ser utilizado puro com consumo entre 200 g e 300 g por animal/dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 30% do produto com 70% de farelo, e fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Na seca continue ganhando peso. 9

10 Campo 30 Suplemento Mineral Proteico para estimular a ingestão e digestão de alimentos fibrosos para bovinos sob pastejo. Corrige desbalanços nutricionais nos períodos de pré e pósseca, ou no período da seca em regiões de estiagem menos severa (Região Norte do Brasil). Campo PréMonta Indicado para bovinos em períodos de prémonta e monta. Suplementa minerais de forma adequada para animais destinados à reprodução. É enriquecido com minerais orgânicos (selênio, cromo e zinco) e leveduras vivas. Magnésio (mínimo) Manganês (mínimo) NNP equiv. proteína (máx) 30/80 g 42 mg 360 mg 13 g 150 mg 15 g 20 mg mg 180 mg 300 g 200 g 6 mg 72 g mg Pode ser utilizado puro, com consumo entre 150 g e 400 g por animal/dia, ou misturado a farelos energéticos (milho, sorgo e outros) na proporção de 30% do produto com 70% de farelo, e fornecer 1 kg por animal uma vez ao dia. Ácido fumárico (mínimo) mg Ácido linoleico (mínimo) 66 mg B.H.T. 70/80 g 170 mg mg Cromo (mínimo) 20 mg 30 g 400 mg 40 g 180 mg Lisina (mínimo) mg Magnésio (mínimo) mg Manganês (mínimo) 500 mg Metionina (mínimo) 960 mg 120 g NNP Equiv. Proteína (máx) 28 g Saccharomyces cerevisiae 0,02 x 10 7 UFC 18 mg 95 g 2. Produto pronto para uso. Fornecer à vontade com consumo entre e 250 g/animal/dia. Contém ureia. Garanta o ganho de peso na seca. Energia extra para fêmeas em reprodução e maior número de prenhezes. 10

11 PSAI Creep Feeding linha psai Ração para bovinos de corte em amamentação (bezerros ao pé) até os 8 meses de idade. Proporciona maior peso à desmama (desmama precoce), além de estimular o desenvolvimento e o metabolismo ruminal. PSAI Seca Ração para bovinos de corte em recria e terminação manejados a pasto no período de seca. Fornecer à vontade no sistema creep feeding, nos primeiros dias de vida dos bezerros. Pode ser limitado em 1 kg por animal ao dia, a partir da evolução do consumo. Fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Contém ureia. PSAI Águas Ração para bovinos de corte em recria e terminação manejados a pasto, com boa disponibilidade de forragem no período das águas e/ou do outono. Fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Contém ureia. PSAI Extra Ração para bovinos de corte em recria e terminação manejados a pasto, com boa disponibilidade de forragem no período de transição entre seca e águas. Fornecer 1 kg a 1,5 kg por animal uma vez ao dia. Contém ureia. Seca Águas Extra C.Feed Ácido fumárico (mínimo) 600 mg B.H.T. 15/25 g 15/20 g 20/25 g 13/20 g 15 mg 15 mg 15 mg 2 mg 153 mg 153 mg 153 mg 67,5 mg Cromo (mínimo) 0,164 mg 0,173 mg 0,204 mg 0,46 mg mg mg mg 700 mg Extrato etéreo (mínimo) FDA (máximo) g 200 g 120 g 50 mg 60 mg 50 mg 45 mg mg mg mg mg 6 mg 6 mg 6 mg 6 mg mg Lisina (mínimo) mg mg mg Magnésio (mínimo) 200 mg 200 mg 300 mg Mananoligossacarídeo 780 mg Matéria fibrosa (máximo) Matéria mineral (máximo) 270 g 270 g 270 g 270 g Metionina (mínimo) mg mg mg mg Potássio (mínimo) 240 g 120 g 180 g 156 g NNP equiv. proteína (máx) 118 g 22 g 62 g 28,1 g 3 mg 22 g 26 g 22 g mg Tirosina (mínimo) mg mg mg mg Umidade (máximo) 120 g 120 g 120 g 325 mg 272 mg 325 mg 450 mg A ração que faz mais por menos. 11

12 linha branca Premiphós 60 Premiphós 40 Suplemento Mineral completo para bovinos de cria e recria. Corrige desbalanços nutricionais de origens carenciais ou metabólicas, proporcionando aumentos produtivos e reprodutivos. Suplemento Mineral completo para bovinos em terminação. Corrige desbalanços nutricionais de origens carenciais ou metabólicas, proporcionando aumentos produtivos. Manganês (mínimo) 80/120 g 210 mg mg 12 g 400 mg 40 g 120 mg 500 mg 13 mg 180,5 g mg Vem pronto para uso, não precisa ser misturado a outros ingredientes. Fornecer à vontade no cocho saleiro. Manganês (mínimo) 120/160 g 210 mg mg 12 g 600 mg 60 g 180 mg mg 27 mg 155 g mg Vem pronto para uso, não precisa ser misturado a outros ingredientes. Fornecer à vontade no cocho saleiro. A essência está nos níveis de garantia e na qualidade da matériaprima. 12

13 Premiphós 80 Fós Premium Suplemento Mineral completo para bovinos em cria, recria e terminação. Corrige desbalanços nutricionais de origens carenciais ou metabólicas, proporcionando aumentos produtivos e reprodutivos. Suplemento Mineral Aminoácido enriquecido com Fator P para bovinos de corte, doadoras, receptoras de embriões e rebanhos em período de monta. Corrige desbalanços nutricionais de origens carenciais ou metabólicas, proporcionando aumentos produtivos e reprodutivos; melhora a resposta imunológica e reduz o manejo sanitário. Ácido linoleico (mínimo) 200 mg Ácido oleico (mínimo) 2 mg 210 mg 140/160 g mg 168 mg 12 g mg 10 mg 140/160 g 800 mg Cromo (mínimo) 80 g 12 g 180 mg 900 mg Manganês (mínimo) mg 90 g 27 mg 137,2 g mg Vem pronto para uso, não precisa ser misturado a outros ingredientes. Fornecer à vontade no cocho saleiro. A essência está nos níveis de garantia e na qualidade da matériaprima. 200 mg Lisina (mínimo) 120 mg Magnésio (mínimo) 15 g Manganês (mínimo) mg Metionina (mínimo) 110 mg Saccharomyces cerevisiae 0,0125 x 107 UFC 38 mg 99 g Tirosina (mínimo) 40 mg mg Vem pronto para uso, não precisa ser misturado a outros ingredientes. Fornecer à vontade no cocho saleiro. Suplemento para animais com genética superior e que possuem maiores exigências nutricionais. Enriquecido com Fator P. 13

14 Premiphós Seca Suplemento Mineral com ureia para bovinos e bubalinos. Premiphós Monta Suplemento Mineral Aminoácido para bovinos em reprodução, em período de monta, inseminação artificial e transferência de embriões. Corrige desbalanços nutricionais de origens carenciais ou metabólicas, proporcionando melhores condições reprodutivas e melhor resposta imunológica. Ácido fumárico (mínimo) NNP Equiv. Proteína (máx) 500 mg 120/150 g 900 mg 400 mg 40 g 60 mg 420 g 416,4 g 9 mg mg Produto pronto para uso para o período da seca a fim de suplementar deficiência proteicomineral dos animais. 140/150 g 180 mg mg 16 g 800 mg 80 g 200 mg Lisina (mínimo) 417 mg Magnésio (mínimo) mg Manganês (mínimo) mg Metionina (mínimo) 255 mg 38,3 mg 129 g Tirosina (mínimo) 618 mg mg Vem pronto para uso, não precisa ser misturado a outros ingredientes. Fornecer à vontade no cocho saleiro. Minimizando perdas no período da seca. Suplemento mineral que garante o máximo de prenhezes. 14

15 Ureia 10% 15% 18% 20% 27% Suplemento Mineral com ureia para bovinos de corte (cria, recria e terminação) no período da seca, manejados em pastagens com boa disponibilidade de massa. Este produto, além de fornecer nitrogênio, corrige desbalanços nutricionais de origens carenciais ou metabólicas, proporcionando melhores condições digestivas de alimentos fibrosos pobres em proteína. Ureia 10% Ureia 15% Ureia 18% Ureia 20% Ureia 27% Ácido fumárico (mínimo) 500 mg 500 mg 500 mg 500 mg 500 mg 80/120 g 80/120 g 80/120 g 80/120 g 80/120 g 140 mg 140 mg 140 mg 140 mg 140 mg mg mg mg mg mg 20 g 20 g 450 mg 450 mg 450 mg 450 mg 450 mg 40 g 40 g 40 g 40 g 40 g 120 mg 120 mg 120 mg 120 mg 120 mg NNP Equiv. Proteína (máx) 281,25 g 421,88 g 506,25 g 562 g 759,38 g 281,25 g 421,88 g 506,25 g 562 g 759,38 g 13 mg 13 mg 13 mg 13 mg 13 mg 117 g 117 g 117 g 117 g 117 g mg mg mg mg mg 0,6 mg 0,6 mg 0,6 mg 0,6 mg 0,6 mg Manganês (mínimo) Vem pronto para uso, não precisa ser misturado a outros ingredientes, exceto em fase de adaptação, quando pode ser misturado ao suplemento em uso por uma semana. Contém ureia. Obtendo ganhos no período da seca. 15

16 linha araguaia Araguaia 40 Araguaia 60 Araguaia 80 Araguaia 90 Indicado para equilibrar a alimentação de bovinos de corte, específico para a Região Norte / 120/130 g 140/150 g 140/150 g 68 mg 68 mg 68 mg 68 mg mg mg mg mg Colina (mínimo) 30 g 40 g 20 g 20 g 667 mg mg mg mg 40 g 60 g 80 g 90 g 68 mg 68 mg 68 mg 68 mg Magnésio (mínimo) mg mg Manganês (mínimo) 850 mg 850 mg 850 mg 850 mg 17 mg 17 mg 17 mg 17 mg g 130 g 126 g mg mg mg mg Deve ser usado puro sempre à disposição no cocho saleiro. Nutrição equilibrada para bovinos de corte especialmente para a Região Norte. 16

17 Núcleo Alto Desempenho núcleos Núcleo Concentrado para Rações Indicado para bovinos confinados ou semiconfinados. Garante o melhor metabolismo ruminal, evita acidose e melhora a conversão alimentar garantindo alto desempenho aos animais. Concentrado para balanceamento de rações e dietas de bovinos de corte e bubalinos em confinamento ou semiconfinamento. Pode ser usado após a mistura abaixo: A B Ácido linoleico (mínimo) 550 mg Ácido oleico (mínimo) 1 mg B.H.T. 150/160 g Núcleo Concentrado 15% Quirela de milho 85% 24 mg Núcleo concentrado 13% 260 mg Farelo de trigo 15% Quirela de milho 72% 60/ 15 mg 130 mg Colina (mínimo) 50 mg Cromo orgânico (mínimo) 3 mg mg 50 mg mg 12 mg Manganês (mínimo) 600 mg Monensina sódica 334 mg mg Metionina (mínimo) mg Extrato etéreo (mínimo) Potássio (mínimo) FDA (máximo) NNP equiv. proteína (máx) 750 g Fibra bruta (máximo) Saccharomyces cerevisiae 0,075 x 107 UFC 9 mg 76 g 5 mg Tamponante 70 g UI Magnésio (mínimo) mg Vitamina A (mínimo) Manganês (mínimo) Vitamina E (mínimo) 140 UI Matéria mineral (máximo) 450 g 800 mg Zinco orgânico (mínimo) 590 mg Modo de usar Fornecer de 80 a 90 g por 100 kg de peso vivo. Monensina sódica 270 mg 600 g NNP equiv. proteína (máx) 392 g 4,5 mg 26 g Umidade (máximo) Vitamina A (mínimo) UI 350 mg Praticidade e economia no preparo de rações. Equilibra e tampona dietas com altos níveis de concentrados e energia. Enriquecido com Fator P. 17

18 PróMilho 15% Concentrado para ser utilizado em rações de bovinos de corte em confinamento e semiconfinamento, com milho de grão inteiro sem a necessidade de volumosos. Misturar o PróMilho com milho de grão inteiro na seguinte proporção: 15% de PróMilho e 85% de milho de grão inteiro. Adaptação dos animais à mistura de PróMilho + milho de grão inteiro: 1º ao 5º dia Oferecer 1,3 a 1,5% do peso vivo 6º ao 7º dia 1,5 a 1,7% do peso vivo 11º ao 14º dia 1,8 a 2,0% do peso vivo Após o 15º dia Ir aumentando gradativamente (a cada 3 dias), conforme aceitação dos animais, até 2,5% do peso vivo ou conforme orientação do nutricionista. B.H.T. 22 mg 30/40 g 10 mg 68,9 mg mg Extrato etéreo (mínimo) FDA (máximo) 300 g 14 mg mg 2,58 mg Magnésio (mínimo) mg Manganês (mínimo) 300 mg Fibra bruta (máximo) Matéria mineral (máximo) 300 g Potássio (mínimo) 26 g 300 g NNP Equiv. Proteína (máx) 117,5 g Saccharomyces cerevisiae 0,0162 x 10 7 UFC mg Tamponante 13,2 g Umidade (máximo) Virginiamicina 134 mg Vitamina A (mínimo) UI Vitamina E (mínimo) 30,35 UI 207 mg Núcleo Confinamento 150 Suplemento Mineral completo, tamponado, produzido com matériasprimas de alta tecnologia e biodisponibilidade. Indicado para balancear rações de bovinos confinados e semiconfinados. Favorece o máximo ganho de peso e evita distúrbios digestivos (acidose). 220/240 g 500 mg Colina (mínimo) 60 mg 25 g 20 g 200 mg 50 mg Magnésio (mínimo) Manganês (mínimo) mg Potássio (mínimo) 35 g 9 mg 60 g Tamponante 54 g Vitamina A (mínimo) UI mg É de uso exclusivo na formulação de rações ou concentrados, devendo ser utilizado sob forma induzida, junto ao arraçoamento na dosagem de 120 a 150 g por animal/dia, ou no balanceamento de concentrados na proporção de 3 a 4%. Dietas equilibradas de confinamento. 18 Enriquecido com Fator P.

19 Premiphós 130 Premiphós 160 Suplemento Mineral Concentrado para suplementar desbalanços nutricionais em bovinos de corte. É produzido com matériasprimas de alta tecnologia e biodisponibilidade. Suplemento Mineral Concentrado para suplementar desbalanços nutricionais em bovinos de corte. É produzido com matériasprimas de alta tecnologia e biodisponibilidade. Misturar ao sal comum conforme tabela abaixo: Pastagens ou dietas de baixo valor nutricional Cria e recria: 25 kg de produto + 25 kg de sal branco Terminação: Diluição 75 kg de produto + 50 kg de sal branco Pastagens ou dietas de médio a alto valor nutricional Cria e recria: Diluição 50 kg de produto + 75 kg de sal branco Terminação: Diluição 25 kg de produto + 50 kg de sal branco Deve ser misturado ao sal comum conforme tabela abaixo: Pastagens ou dietas de baixo valor nutricional Cria e recria: 25 kg de produto + 25 kg de sal branco Terminação: Diluição 75 kg de produto + 50 kg de sal branco Pastagens ou dietas de médio a alto valor nutricional Cria e recria: Diluição 50 kg de produto + 75 kg de sal branco Terminação: Diluição 25 kg de produto + 50 kg de sal branco 230/260 g 240/270 g 200 mg 210 mg mg mg mg 160 g 131 g 200 mg Manganês (mínimo) mg 20 mg 20 mg mg mg Garantia de uma alimentação equilibrada. 19

20 Rúmen Tamponante Suplemento Mineral Corretivo especialmente indicado para animais recebendo altos níveis de grãos. Favorece a degradação ruminal dos alimentos, facilita a síntese proteica e evita distúrbios digestivos (acidose clínica e subclínica). Magnésio (mínimo) Niacina (mínimo) Potássio (mínimo) Tamponante 200/230 g 25 g 28 g mg 34 g 200 g Adicionar à ração na dosagem de 100 a 300 g por animal ao dia, ou em concentrados à base de milho, farelo de algodão, farelo de soja, farelo de trigo e/ou substitutivos no porcentual de 1 a 3%. Evita a acidose alimentar e mantém o metabolismo ruminal equilibrado. 20

21 rações Totus Baby É nutricionalmente balanceado como dieta total para bezerros de alto potencial genético, do nascimento à desmama. É enriquecido com vitaminas, aminoácidos, zinco e cromo orgânicos para que o animal possa expressar o máximo desempenho em ganho de peso. Enriquecido com Fator P. Desmama precoce e mais pesada traduzse em reprodução adiantada. Ácido fólico (mínimo) 0,6 mg Ácido fumárico (mínimo) mg Ácido linoleico (mínimo) 12,5 g B.H.T. Biotina (mínimo) 0,1 mg 18/20 g 2 mg 12 mg Colina (mínimo) 4 mg Cromo (mínimo) 0,146 mg mg Extrato etéreo (mínimo) 60 g FDA (máximo) 140 g 60 mg mg 1,2 mg Lactose 14 g Lisina (mínimo) mg Magnésio (mínimo) mg Matéria fibrosa (máximo) 80 g Matéria mineral (máximo) 50 g Metionina (mínimo) mg Niacina (mínimo) 10 mg Potássio (mínimo) 180 g Saccharomyces cerevisiae 0,001 x 107 UFC 0,5 mg 800 mg Tamponante 3,330 g Tirosina (mínimo) mg Umidade (máximo) 120 g Vitamina A (mínimo) UI Vitamina B1 (mínimo) 6 mg Vitamina B12 (mínimo) 0,05 mcg Vitamina C (mínimo) 20 mg Vitamina D (mínimo) 600 UI Vitamina E (mínimo) 40 UI 120 mg Fornecer à vontade em cochos com sistema de creep feeding ou casinhas tropicais, a partir do 5º dia de idade até a desmama. 21

22 GENPLUS 20% GENPLUS 18% GENPLUS 16% GENPLUS Total Dieta Total para bovinos de corte em viagens e exposições, recria e terminação de touros. Ração para bovinos enriquecida com minerais, vitaminas, aminoácidos, probióticos, Fator P e tamponantes. Produto com tecnologia para animais de valor genético diferenciado, manejados em sistemas intensivo ou semiextensivo. Indicado para arraçoamento de animais lactentes (em amamentação), em crescimento ou bovinos adultos consumindo volumoso de qualidade. Oferecer aos animais à vontade, chegando ao consumo médio esperado de 2% a 2,5% do peso vivo do animal. Produto pronto para uso. Fornecer até 1,3% do peso vivo dos animais, respeitando adaptação inicial de 0,6% do peso vivo e evoluindo gradativamente. A qualidade nutricional que sua genética merece. 20% 18% 16% Total Ácido fumárico (mínimo) mg Ácido linoleico (mínimo) B.H.T. 15/30 g 15/30 g 15/30 g 18/23 g 7 mg 7 mg 7 mg 3 mg 30 mg 30 mg 30 mg 12 mg Cromo (mínimo) 0,15 mg 0,15 mg 0,15 mg 0,146 mg mg mg mg mg Extrato etéreo (mínimo) 30 g 30 g 30 g 30 g FDA (máximo) 80 g 75 g 70 g 200 g 60 mg 60 mg 60 mg 60 mg mg mg mg mg 1,2 mg 1,2 mg 1,2 mg 1,2 mg Lactose 300 mg 300 mg 300 mg Lisina (mínimo) mg mg mg mg Magnésio (mínimo) 500 mg 500 mg 500 mg Matéria fibrosa (máximo) Matéria mineral (máximo) 70 g 70 g 70 g 80 g Metionina (mínimo) mg mg mg 800 mg NNP equiv. proteína (máx) 20 g 200 g 180 g 160 g 140 g Saccharomyces cerevisiae 0,02 x 10 7 UFC 0,02 x 10 7 UFC 0,02 x 10 7 UFC 0,001 x 10 7 UFC 0,5 mg 0,5 mg 0,5 mg 0,5 mg mg mg mg Tamponante 20 g 20 g 20 g mg Tirosina (mínimo) mg mg mg mg Umidade (máximo) 120 g 120 g 120 g 120 g Virginiamicina 33,3 mg Vitamina A (mínimo) UI UI UI UI Vitamina C (mínimo) 20 mg 20 mg 20 mg 20 mg Vitamina E (mínimo) 40 UI 40 UI 40 UI 40 UI 120 mg 120 mg 120 mg 120 mg Enriquecido com Fator P. 22

23 Ração Bovinos 16% Ração Total Bovinos Ração para bovinos de corte. Dieta completa de alta energia e baixa fibra indicada para bovinos de corte em confinamento ou transporte. Produto pronto para uso. Fornecer para novilhas confinadas ou semiconfinadas, respeitando uma adaptação inicial de até 0,6% do peso vivo médio na primeira semana, podendo chegar ao máximo de 1,3% do peso vivo médio. Fornecer no máximo 7,0 kg por dia deste produto. Contém ureia. Deve ser fornecido exclusivo ou associado a volumoso de boa qualidade. A ingestão diária deverá ser de 0,8% do peso vivo dos animais (adaptação) até 2,8% do peso vivo. Contém monensina; não fornecer para equinos. Enriquecido com Fator P. Ração Bovinos 18% Ração Bovinos 20% Ração para bovinos de corte recebendo volumoso de altíssima qualidade. B.H.T. Produto pronto para uso. Fornecer para bovinos confinados ou semiconfinados, respeitando uma adaptação inicial de até 0,6% do peso vivo médio na primeira semana, podendo chegar ao máximo de 1,3% do peso vivo médio. Fornecer no máximo 7,0 kg por dia deste produto. Contém ureia. Potencialize ainda mais seus resultados com Fator P. A solução segura para a falta de volumoso. 16% 18% 20% Total 5.000/ mg 17/20 g 17/20 g 17/20 g 0,21 mg 0,21 mg 0,21 mg 0,92 mg 15 mg 18 mg 18 mg 29,75 mg mg mg mg mg Extrato etéreo (mínimo) 30 g 30 g 30 g mg FDA (máximo) 180 g 190 g 200 g 300 g 45 mg 45 mg 50 mg 23,4 mg mg mg mg mg 0,5 mg 0,5 mg 0,5 mg 0,6 mg Magnésio (mínimo) mg Manganês (mínimo) 28,8 mg Matéria fibrosa (máximo) 86 g 120 g 120 g 180 g Matéria mineral (máximo) 72 g 70 g 60 g 70 g Monensina sódica 10 mg 160 g 180 g 200 g 120 g NNP equiv. proteína (máx) 40 g 40 g 40 g 20,99 g Potássio (mínimo) mg Saccharomyces cerevisiae x 107 UFC 0,3 mg 0,3 mg 0,3 mg 0,45 mg mg mg mg mg Tamponante mg Umidade (máximo) 120 g 120 g 120 g 120 g UI Vitamina A (mínimo) Vitamina E (mínimo) 4,5 UI 50 mg 60 mg 60 mg 55 mg 23

24 linha phós PHÓS 40 PHÓS 60 PHÓS 80 PHÓS 90 Para equilibrar a alimentação de bovinos de corte /120 g 120/160 g 140/160 g 140/160 g 80 mg 80 mg 80 mg 80 mg mg mg mg mg 400 mg 600 mg 800 mg 900 mg 40 g 60 g 80 g 90 g 60 mg 80 mg 80 mg 80 mg Manganês (mínimo) 500 mg mg mg mg 13 mg 20 mg 20 mg 20 mg 202,2 g 162,5 g 137,2 g 130 g mg mg mg mg Deve ser usado puro sempre à disposição no cocho saleiro. Nutrição equilibrada para os bovinos de corte. 24

25 25

26 aditivos Fator P Fator P é a mais avançada biotecnologia que auxilia na produção de carne e leite orgânicos. É um aditivo orgânico certificado pelo IBD (Instituto Biodinâmico) composto por aminoácidos, probióticos e ácidos graxos essenciais que melhoram a digestão de alimentos fibrosos, o metabolismo ruminal e a absorção de nutrientes. A sua inclusão no sistema de alimentação favorece aumentos no ganho de peso em até 20%, melhora a reprodução de fêmeas, reduz o manejo sanitário e melhora a resposta imunológica. Este aditivo é opcional em toda a Linha Premix. A dosagem fornecida pelos produtos é de 2 a 4 gramas por animal ao dia, dependendo do consumo diário do suplemento. Ácido linoleico (mínimo) 108,9 g Ácido oleico (mínimo) 900 mg Colina (mínimo) 30 g Cromo (mínimo) 50 mg Lisina (mínimo) mg Metionina (mínimo) 400 mg Saccharomyces cerevisiae 0,7 x 10 7 UFC Tirosina (mínimo) mg Potência máxima nos seus resultados. 20A 20A é composto por aminoácidos, probióticos e ácidos graxos essenciais que melhoram a digestão de alimentos fibrosos, o metabolismo ruminal e a absorção de nutrientes. Melhora também a reprodução de fêmeas e estimula a digestão ruminal. Ácido linoleico (mínimo) 370 mg Colina (mínimo) mg Cromo (mínimo) 10 mg Lisina (mínimo) mg Metionina (mínimo) 400 mg Saccharomyces cerevisiae 0,231 x 10 7 UFC Tirosina (mínimo) mg Este Suplemento Alimentar é opcional em toda a Linha Branca e Campo Águas. A dosagem fornecida pelos produtos é de 4 a 8 gramas por animal ao dia, dependendo do consumo diário. O aditivo da rentabilidade. 26 Top Premium Vitamínico Fornecer na dosagem de 5 a ramas diárias, junto ao arraçoamento ou adicionado de 0,5 kg a 1 kg por tonelada de ração. Suplemento Vitamínico Mineral para enriquecimento de rações de bovinos de corte confinados ou em pastejo, suplementos de alto consumo e como produto de ingestão induzida ao arraçoamento. Ácido linoleico (mínimo) mg B.H.T. Colina (mínimo) Cromo (mínimo) Saccharomyces cerevisiae 0,3 x 10 7 UFC 30 mg Vitamina A (mínimo) UI Vitamina D (mínimo) 630 UI Vitamina E (mínimo) UI mg Enriquecimento de dietas para animais de alta performance.

27 Conheça também nossas respostas para o da questão nos segmentos: Leite Equinos Ovinos e Caprinos Confinamento CONFINAMENTO DE ALTO RENDIMENTO 27

28 Entre em contato conosco e entenda melhor como a Premix pode contribuir para acelerar seus resultados. Patrocínio Paulista/SP Rod. Eng. Ronan Rocha km 21,4 CEP Presidente Prudente/SP Av. Joaquim Constantino, 5145 Pq. Cedral CEP Araguaína/TO Av. Rio Bandeira, 189 Daiara CEP premix.com.br

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

bovinos de leite A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de leite A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de leite A resposta para o da sua questão está aqui. A Premix está comprometida em desenvolver e oferecer o que há de melhor no mercado em soluções para nutrição animal. Quando você estiver buscando

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P.

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P. Tecnologias, suplementos, e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto,

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

GADO DE CORTE LINHA BRANCA

GADO DE CORTE LINHA BRANCA GADO DE CORTE LINHA BRANCA NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

GADO DE CORTE LINHA CAMPO

GADO DE CORTE LINHA CAMPO GADO DE CORTE LINHA CAMPO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P.

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

Minerais Matsuda. Fós Leite. Lac Gold. Lac Gest. Lac Guardian. Lac Parto. Cocho. Sem tamponante para ração. Tamponado para ração

Minerais Matsuda. Fós Leite. Lac Gold. Lac Gest. Lac Guardian. Lac Parto. Cocho. Sem tamponante para ração. Tamponado para ração Fós eite uplemento mineral pronto para uso para rebanhos de leite. 25 kg = Código 18945 inerais atsuda ac Gest uplemento mineral para mistura para rebanhos de leite que recebem volumoso e/ou concentrado

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN 1679-7353 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 2 JANEIRO DE 2004 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

Leia mais

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos de Corte Palmas, TO

Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos de Corte Palmas, TO Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos de Corte Palmas, TO Parceria: Programa do curso Pós- Graduação em Nutrição de Bovinos de Corte Palmas, TO O curso oferece 16 encontros

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios:

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios: Proteinados Independente da época do ano, a suplementação proteica tem se mostrado uma excelente ferramenta para aumentar o ganho de peso dos animais. O fornecimento do Proteinado agpastto melhora o padrão

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

1 - Qual o significado do registro genealógico para o melhoramento das raças de gado de corte?

1 - Qual o significado do registro genealógico para o melhoramento das raças de gado de corte? Dicas e Dúvidas 1 - Qual o significado do registro genealógico para o melhoramento das raças de gado de corte? O principal objetivo do registro genealógico é possibilitar o fornecimento de pedigrees corretos

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Gado de Corte. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Gado de Corte. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1517-3747 Julho, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Gado de Corte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 159 Aspectos Práticos da Suplementação Alimentar

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos Introdução Uso de NNP: Fontes convencionais uso humano Diminuir

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês

Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês Busca constante por qualidade e segurança. Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês A Royal Canin impõe padrões extremamente rigorosos para garantir condições sanitárias ideais em suas fábricas.

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Homologação

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO Flávio Augusto Portela Santos Depto. de Zootecnia ESALQ/USP ABATES ASSISTIDOS: ASSOCON 2006-2007 Total de animais: Machos: Fêmeas: 193.664 cab 177.966 cab 15.698 cab

Leia mais

Descrição dos produtos

Descrição dos produtos Descrição dos produtos Item Quant. Unid Descrição 01 1.100 latas (800g) 02 600 latas (800g) 03 4.000 Litros Produto de referência: Nutrison Soya, Nutri Enteral Soya ou similar. Nutrição enteral em pó a

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte?

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Animais necessitam de oferta abundante de água limpa para: 1. fermentação ruminal e metabolismo; 2. fluxo de alimentos através do trato

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. A marca Tortuga tem a linha completa de proteinados, que atende todas as necessidades do gado,

Leia mais

TORTUGA. Há 60 AnOs AjUdAndO A escrever A HisTóRiA da pecuária brasileira compromissso

TORTUGA. Há 60 AnOs AjUdAndO A escrever A HisTóRiA da pecuária brasileira compromissso TORTUGA. Há 60 anos ajudando a escrever a história da pecuária brasileira DECOMPROMISSSO DEPIONEIRISMO A CIÊNCIA E A TÉCNICA A SERVIÇO DA PECUÁRIA As primeiras atividades da Tortuga foi para o desenvolvimento

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Desempenho de Novilhos Nelore a Pasto no Período das Águas e Terminados em Confinamento

Desempenho de Novilhos Nelore a Pasto no Período das Águas e Terminados em Confinamento 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Renato Nascimento Rodrigues Desempenho de Novilhos Nelore a Pasto no Período das Águas e Terminados em Confinamento Pirassununga

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 19 DE SETEMBRO DE

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Soja. Soja. Soja. Soja. Soja. Concentrados protéicos. Marinaldo Divino Ribeiro. Grãos de soja cru. Grãos de soja cru

Soja. Soja. Soja. Soja. Soja. Concentrados protéicos. Marinaldo Divino Ribeiro. Grãos de soja cru. Grãos de soja cru Concentrados protéicos Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Originária da China Oleaginosa Rica em proteína e de alto valor energético crua possui fatores antiprisina e antiquimiotripsina

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Profª. Valdirene Zabot Zootecnista Brasil: mercado e comercialização LONGO

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

Alimentação de caprinos

Alimentação de caprinos Alimentação de Caprinos vcadavez@ipb.pt Conservação de habitats com recurso a caprinos Outline 1 Denição comportamental dos caprinos 2 3 4 5 Denição comportamental dos caprinos Os caprinos são ruminantes

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 BOI DE CICLO CURTO Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU/CONSUPEC adilson@consupec.com.br (034) 3313-8316/(034) 9972-7838 INTRODUÇÃO

Leia mais

Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009)

Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO

Leia mais