Manejo alimentar de ovinos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manejo alimentar de ovinos"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR

2 Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas Minerais Vitaminas Lipídeos Água

3 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DE OVINOS Ovelhas: Mantença Reprodução Gestação (Início e Final) Lactação (Início, Metade e Final) Reprodutores Mantença Separar em categorias Reprodução Animais em Crescimento Divisão por GMD e grau de maturidade

4 Alimentação de ovelhas secas Baixa exigência nutricional Requerimento de proteína Peso Vivo Ovelhas CMS kg/d NDT kg/d %NDT PB PNDR40 (g/d) %PB PM g/d PDR g/d Mantença 40 0,77 0,41 53,2 56 7, Mantença 60 1,05 0,56 53,3 76 7, NRC (2007)

5 Ovelhas em reprodução Baixa exigência nutricional; Exigência nutricional superior em comparação as ovelhas em manutenção.

6 Ovelhas em reprodução Requerimento de Estágio Peso Vivo GMD CMS NDT NDT proteína (g/d) (kg/d) (kg/d) (% MS) PB PB (g/d) %MS Mantença ,2 0, ,4 Monta ,8 1, ,1 Exemplo: Silagem de milho PB = 8,0% NDT = 65% Exemplo: Feno de coastcross PB = 10,0% NDT = 55% Alternativa: Azevém pré-secado PB = 18,0% NDT = 62% NRC (2007)

7 Ovelhas em reprodução Flushing consiste em aumentar o fornecimento de energia para a ovelha antes e durante a estação de monta. Aumenta a taxa de ovulação. Aumento de 2% na TX ovulação para cada kg de aumento no PV da ovelha no encarneiramento (Morley et al., 1978). Aumenta o número de cordeiros nascidos.

8 Ovelhas em reprodução Escore alvo 3,0 a 3,5. Ovelhas com ECC 2,0 a 2,5 Mais responsivas. ECC = 1,5 ECC = 2,0 ECC = 3,0 ECC = 4,0 ECC = 4,5

9 Ovelhas em reprodução 2-3 Semanas antes até 3 a 4 semanas após início acasalamento: ganho de peso g/dia. Suplementação: forrageira de alta qualidade, forragem conservada ou concentrados?

10 Ovelhas em reprodução Tabela. Tempo de suplementação para ovelhas de baixo ECC atingir o ECC ideal para reprodução ECC Duração do Flushing (semanas) 1,5 9 2,0 6 2,5 3 3,0 2 Brien (2002).

11 Alimentação de ovelhas em gestação

12 Exigências nutricionais para ovelhas em gestação Período inicial: dias Necessidades próximas da mantença: crescimento fetal pequeno (feto: 25-30% do seu peso ao nascer)

13 Exigências nutricionais para ovelhas em gestação Período final: dias Período crítico para ovelha 1/3 final - 70% do crescimento Redução na capacidade de consumo.

14 Ovelhas em gestação com deficiência nutricional Cordeiros 34% menores ao nascer; 9% menores quando adultos; sobrevivência das mães toxemia. (Carrol et al.,1964)

15 Como deve ser a dieta das ovelhas prenhes??? Início de gestação baixo requerimento Pastagem de boa qualidade Últimas 6 semanas de gestação alto requerimento Pastagem + suplemento?

16 Metas a serem perseguidas no manejo de ovelhas Tabela. Mudanças na condição corporal durante o ciclo de produção de cabras e ovelhas ECC Período desejável Fase Ao desmame > 2,0 Gestação (fase I) 2,5-3,0 Ao parto simples 3,0-3,5 Ao parto múltiplo 3,5-4,0 Adaptado de Thompson e Meyer (1998) e Baertsche (1988)

17 Exigências nutricionais para lactação

18 Exigências nutricionais de ovelhas em lactação Período de maior exigência nutricional das ovelhas. Produção de 70% do volume total do leite (primeiras 6 semanas). Pico de leite ocorre na 3ª- 4ª semana. A partir da 8ª semana, a produção se reduz acentuadamente;

19 Figura Consumo de matéria seca (CMS) e produção de leite (PL) das ovelhas ao longo do período experimental Urano (2010) e Ferreira (2011)

20 Exigências nutricionais para lactação Peso Vivo Ovelhas Leite kg/d GMD g/d CMS kg/d % NDT % PB (PDR 60) Lactação, parto duplo Início 60 1, ,80 66,7 14,9 Meio 60 0,97 0 1,94 53,1 11,5 Final 60 0, ,80 52,7 9,6 NRC (2007) NRC (2007)

21 Alimentação de cordeiros prédesmama

22 Leite, kg/dia Fornecimento de alimento sólido Alimentação Privativa ou Creep feeding / Desmama precoce Leite, kg/dia CMS, kg/dia

23 Exigência nutricional Peso (kg) GP (g/d) CMS (kg) NDT (kg) NDT (%l) PB (g) PB (%) Ca (g) P (g) Cordeiros potencial de crescimento moderado ,5 0,4 0, ,4 4,0 1, ,0 0,8 0, ,7 5,4 2, ,3 1,0 0, ,7 6,7 3,2 Cordeiros potencial de crescimento rápido ,6 0,48 0, ,2 4,9 2, ,2 0, ,1 6,5 2, ,4 1,1 0, ,4 7,2 3,4 GP=Ganho de peso; CMS=Consumo de matéria seca; NDT=Nutrientes digestíveis totais; ED=Energia digestível; EM=Energia metabolizável. NRC (1985)

24 Composição do concentrado inicial Fontes proteicas o Farelo de soja o Farelo de algodão Fonte energética o Milho Melaço age como palatabilizante e favorece o aumento do consumo Não usar NNP (nitrogênio não proteico)

25 Sistema de Produção de cordeiro em CONFINAMENTO Tabela - Proporção dos ingredientes e composição química do concentrado inicial Ingredientes Concentrado inicial (% MS) Milho 70,0 Farelo de soja 23,9 Melaço 3,6 Calcário 1,5 Mistura mineral 1,0 Composição química (% MS) Matéria seca 89,4 Proteína bruta 18,6 FDN 13,4 Matéria mineral 5,1 Ferreira (2011)

26 Desempenho (2ª a 8ª Semana) CMS = 149 g/dia. GMD = 250 g/dia.

27 Desempenho (15 após desmama) CMS = 779 g/dia. GMD = 336 g/dia.

28 Oferta de concentrado inicial aos cordeiros ao pé da mãe

29 Oferta de concentrado inicial aos cordeiros ao pé da mãe

30 Oferta de concentrado inicial aos cordeiros ao pé da mãe

31 Oferta de concentrado inicial aos cordeiros ao pé da mãe Manejo de oferta de concentrado inicial Iniciar a partir da segunda semana de vida Fornecimento ad libitum Frequência: 2 vezes por dia (manhã e tarde) Teor de concentrado: - 100% zero forragem???

32 ALIMENTAÇÃO DE MACHOS PARA ABATE

33 Introdução Pastagem Confinamento

34 Qual o tamanho do desafio? Tabela 1 Ganho médio diário (g/dia) necessário para abate de cordeiros com 35 kg de peso corporal Idade (meses) Peso de nascimento, kg 3,0 4,0 5,0 GMD, g/d

35 Terminação a pasto Tabela Suffolk Ganho médio diário de peso corporal (GMD) de cordeiros desmamados terminados a pasto Raça 13 Corriedale (C) 14 C x Bergamácia 09 C x Hampshire Down Forrageira Tifton 85 + Azevém PB (% MS) ID (dias) GMD g/d Referência Poli et al. (2008) Coastcross Macedo et al. (2009) Suffolk Azevém Ribeiro et al. (2009) Santa Inês Tifton-85 17,7-40 Carnevalli et al. (2001) - Azevém 21, Pellegrini et al. (2010) Média 100,2

36 Terminação à base de pasto para Tabela 3 Ganho médio diário (g/dia) necessário para abate de cordeiros com 35 kg de peso corporal. Idade (meses) cordeiros desmamados Peso de nascimento, kg 3,0 4,0 5,0 GMD, g/d

37 Porque utilizar o confinamento? Ganhos 40-60% inferior para cordeiros (Jordan e Marten, 1968); Custos produção pode ser inferior; Maior tempo para atingir peso de abate.

38 Porque utilizar o confinamento??? Reduz ocorrência de verminose Redução da mortalidade Sistema de alimentação GMD Martalidade Pastagens de coastcross 82 g/d 16,2% Confinamento 153 g/d 0% Siqueira et al. (1993)

39 Confinamento Maior ganho de peso diário Objetivo: Abate de animais precoces Menos problemas sanitários Ganho recomendado = > 200 g/dia

40 Peso Vivo Cordeiro GMD g/d CMS kg/d NDT kg/d % NDT PB PDR 60 (g/d) Cordeiros em crescimento; Idade = 4 m; maturidade = 0,3 Requerimento de proteína % PB PM g/d ,57 0,30 52, , ,78 0,41 52, , ,59 0,39 66, , ,61 0,48 78, , ,05 0,56 53, , ,76 0,50 65, , ,88 0,58 65, , ,12 0,74 66, , ,32 0,70 53, , ,54 0,82 53, , ,16 0,77 66, , ,40 0,93 66, , PDR g/d NRC (2007)

41 Qual o melhor teor de concentrado da dieta para cordeiros confinados???

42 Qual o melhor teor de concentrado da dieta para cordeiros confinados??? Tabela - Consumo de matéria seca (CMS), consumo de fibra em detergente neutro (CFDN), peso inicial (PI), peso ao abate (PA), ganho médio diário (GMD), conversão alimentar (CA) e dias de confinamento para cordeiros Ile de France x Texel Item Silagem de milho (% da MS) 33,1 47,3 61,6 75,8 Efeito CMS (kg/d) 0,97 0,96 0,77 0,77 L CFDN (kg/d) 0,22 0,28 0,28 0,34 L PI (kg) 20,3 20,1 18,7 18,3 ns PA (kg) 30,8 31,5 30,1 30,9 ns GMD (kg/d) 0,321 0,318 0,239 0,188 L CA 3,0 3,1 3,3 4,2 L Dias 33,2 38,3 47,6 70,5 L Cardoso et al. (2006)

43 UTILIZAÇÃO DE DIETAS CONTENDO ALTO TEOR DE CONCENTRADO

44

45 Dieta com alto concentrado Ingrediente, % Dietas FSO FAM FCA FAL Feno de Coastcross Milho grão moído 54,0 52,8 50,7 49,3 Polpa cítrica 18,5 18,5 18,5 18,5 Farelo de soja 15, Farelo de amendoim - 16,3 - - Farelo de canola ,3 - Farelo de algodão ,7 Mistura mineral 1,4 1,4 1,4 1,4 Cloreto de amônio 0,5 0,5 0,5 0,5 Calcário 0,6 0,6 0,6 0,6 Composição química Proteína bruta, % 16,2 15,8 16,2 15,9 Queiroz (2009) Maia (2011)

46 Desempenho de cordeiros alimentados dietas com alto grão Ingrediente, % CMS Dietas FSO FAM FCA FAL kg/dia 1,17 1,09 1,04 1,17 g/kg PV 0,75 93,2 89,3 86,8 93,7 GMD, kg/dia 0,330 0,316 0,284 0,311 EA (kg de ganho/kg MS) 0,29 0,30 0,28 0,27 FSO = farelo de soja; FAM = farelo de amendoim; FCA = farelo de canola; FAL = farelo de algodão. Queiroz Maia (2009) (2011)

47 SIPOC - Sistema Intensivo de Produção de Ovinos e Caprinos Alimentação no confinamento Utilização de Rações com alto teor de concentrado D e s e m p e n h o d e c o r d e ir o s S a n ta In ê s c o n fin a d o s e a lim e n ta d o s c o m d ie ta s d e a lta p r o p o r ç ã o d e c o n c e n tr a d o PI PF DC G M D C A % C o n c. R e fe r ê n c ia 2 1,0 4 5, ,3 80 M o ra is et a l. ( ) 2 0,6 4 3, ,3 80 M e n d e s et a l. ( ) 1 8,3 3 1, ,3 80 R o c h a et a l. ( ) 2 0,8 4 4, ,2 80 S u s in e t a l. ( ) 1 9,1 3 4, ,5 95 S u s in e t a l. ( ) 1 6,4 3 8, ,6 80 T u rin o e t a l. ( ) 1 8,7 3 5, ,5 90 M e n d e s et a l. ( ) 1 7,9 3 2, ,8 90 R o d rig u e s et a l.( ) 1 9,5 3 5, ,6 90 U ra n o et a l. ( ) 1 8,0 3 4, ,8 9 0 F e rre ira et a l.( ) 1 8,9 3 5, ,5 90 M e n d e s et a l. ( ) 2 1,8 3 7, ,9 90 D a d o s n ã o p u b lic a d o s P I = p e s o in ic ia l (k g ); P F = p e s o fin a l (k g ); D C = d u ra ç ã o d o c o n fin a m e n to ;G M D = g a n h o m é d io d iá rio (g ); C A = c o n v e rs ã o a lim e n ta r (k g M S /k g g a n h o ); % C o n c.= % c o n c e n tra d o

48 Qual o tamanho do desafio? Tabela 1 Ganho médio diário (g/dia) necessário para abate de cordeiros com 35 kg de peso corporal Idade (meses) Peso de nascimento, kg 3,0 4,0 5,0 GMD, g/d

49

50 SIPOC - Sistema Intensivo de Produção de Ovinos e Caprinos Alimentação no confinamento Parâmetros da carcaça Tabela 1 Parâmetros de carcaça de cordeiros da ração Santa Inês confinados Referência Tratamento PVA (kg) RCQ (%) RCF (%) QR (%) AOL (cm 2 ) EG (mm) T u rin o e t a l. ( ) F D N B IN x F D N C S (9 0 :1 0 ) 3 5, , ,3 0 2, ,2 8 2,0 5 R o c h a e t a l. ( ) T e o re s d e P B (9 0 :1 0 ) 3 2, , ,5 7 2, R o d rig u e s ( ) P o lp a c ítric a x M ilh o (9 0 :1 0 ) 3 3, , ,8 2 2, ,6 0 1,6 3 M e n d e s ( ) S ila g e m d e c a n a (5 0 :5 0 ) 4 3, , ,3 0 2, ,0 0 2,5 7 U ra n o et a l. ( ) T e o re s d e g rã o d e s o ja 3 7, , ,7 0 2, ,8 2 1,5 2 PVA= Peso vivo de abate; RCQ= rendimento da carcaça quente; RCF= rendimento da carcaça fria; QR= quebra ao resfriamento; AOL= área de olho de lombo; EG= espessura de gordura; BIN= bagaço de cana-de-açúcar; CS= casca de soja; PB= proteína bruta

51 DIETAS COM ALTO TEOR DE CONCENTRADO PARA CORDEIROS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS

52 Seleção dos animais para confinar Utilização de cruzamentos Resultados Depto Zootecnia/ESALQ Desempenho de cordeiros cruzados abatidos com 35 kg PV SI DO IF SU TX Idade inicial, dias Peso inicial, kg 22,5 25,0 18,3 21,0 21,2 GMD, g CMS, kg/dia 1,1 1,2 1,1 1,2 1,1 CA, kg MS/kg ganho 4,3 4,4 3,7 3,8 4,3 Idade no abate, dias Período confinamento,d RCQ, % 49,1 50,8 49,4 49,2 51,9 RCF, % 47,8 49,3 48,3 47,9 50,7 Perda resfriamento, % 2,7 2,8 2,3 2,6 2,3 Espessura gordura, mm 2,26 3,18 2,26 2,81 2,76 AOL, cm 2 14,2 14,4 14,3 13,8 14,4 Gordura peri - renal, kg 0,09 0,04 0,08 0,07 0,08 (DADOS NÃO PUBLICADOS)

53 Seleção dos animais para confinar Utilização de cruzamentos Resultados Depto Zootecnia/ESALQ D e s e m p e n h o d e c o r d e ir o s c r u z a d o s a b a tid o s c o m 4 5 k g P V SI DO IF SU TX Id a d e in ic ia l, d ia s P e s o in ic ia l, k g 2 2,8 2 9,1 2 7,1 2 6,5 2 4,2 G M D, g C M S, k g /d ia 1,2 3 1,2 7 1,3 5 1,4 2 1,2 3 C A, k g M S /k g g a n h o 5,2 0 4,0 0 4,1 0 4,1 0 3,9 0 Id a d e n o a b a te, d ia s P e r ío d o c o n fin a m e n to,d R C Q, % 5 0,1 5 1,3 5 2,3 5 0,5 5 3,4 R C F, % 4 9,1 5 0,2 5 1,3 4 9,4 5 2,3 P e r d a r e s fr ia m e n to, % 2,1 2,1 1,9 2,1 2,1 E s p e s s u r a g o r d u r a, m m 2,7 1 3,2 9 3,9 3 3,3 1 3,2 6 A O L, c m 2 1 6,0 1 7,3 1 6,6 1 5,4 1 7,9 G o r d u r a p e r i-r e n a l, k g 0,3 1 0,1 1 0,1 6 0,1 1 0,2 0 (DADOS NÃO PUBLICADOS)

54 Qual o tamanho do desafio? Tabela 1 Ganho médio diário (g/dia) necessário para abate de cordeiros com 35 kg de peso corporal Idade (meses) Peso de nascimento, kg 3,0 4,0 5,0 GMD, g/d

55 CRUZAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE CARNE ½ sangue (Santa Inês X Dorper)

56 CRUZAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE CARNE ½ sangue (Santa Inês X Ile de France)

57 CRUZAMENTOS COM BASE EM ANIMAIS DESLANADOS ½ sangue (Santa Inês X Suffolk)

58 CRUZAMENTOS COM BASE EM ANIMAIS DESLANADOS ½ sangue (Santa Inês X Texel)

59 CRUZAMENTOS COM BASE EM ANIMAIS DESLANADOS ½ sangue (Santa Inês X Texel) Santa Inês X Santa Inês

60 Considerações finais O sucesso na criação de ovinos depende:????? Manejo alimentar adequado para cada categoria. Alimentos de boa qualidade - animais exigentes nutricionalmente; Controle sanitário efetivo; Animais com potencial para ganho e CA. 60

61 ????? Muito obrigado pela atenção!!! Evandro Maia Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG Departamento de Zootecnia 61

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

file://e:\arquivos\ovinocap\5.htm

file://e:\arquivos\ovinocap\5.htm Page 1 of 8 Produção De Ovinos Evandro Neves Muniz e Silvio Aragão Almeida Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Av. Beira Mar, 3250. CEP 49025-040. Aracaju - SE. www.cpatc.embrapa.br evandro@cpatc.embrapa.br

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL.? Característica da palma Cactácea

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1

DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1 DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1 PINTO*, G. S. 2 ; VARGAS JR., F. M. 3 ; MARTINS, C. F. 4 ; OLIVEIRA, M. V. M. 5 ; SANTIAGO FILHO A. 6 ; NOGUEIRA, L. M. L.

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação CABRAS GESTANTES Primeira fase (fase inicial): da cobertura até o terceiro mês de gestação:

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

OVINOCULTURA TROPICAL ESTRATÉGIAS APLICADAS À PRODUÇÃO COMERCIAL

OVINOCULTURA TROPICAL ESTRATÉGIAS APLICADAS À PRODUÇÃO COMERCIAL OVINOCULTURA TROPICAL ESTRATÉGIAS APLICADAS À PRODUÇÃO COMERCIAL SARITA BONAGURIO GALLO 1 1 Pesquisadora científica da APTA Regional, Pólo Regional do Noroeste Paulista, CP 61, CEP 15.500-000, Votuporanga

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA Júlio César Damasceno 1, Geraldo Tadeu dos Santos 1, Cristiano Côrtes 2, Fabíola Cristine de Almeida Rego 2. 1 Professor Doutor do Departamento de Zootecnia da

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina ISSN 1516-4111X A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina 36 São Carlos, SP Dezembro, 2004 Autor Pedro Franklin Barbosa Eng. Agr., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Rod.

Leia mais

Alimentação de caprinos

Alimentação de caprinos Alimentação de Caprinos vcadavez@ipb.pt Conservação de habitats com recurso a caprinos Outline 1 Denição comportamental dos caprinos 2 3 4 5 Denição comportamental dos caprinos Os caprinos são ruminantes

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO Flávio Augusto Portela Santos Depto. de Zootecnia ESALQ/USP ABATES ASSISTIDOS: ASSOCON 2006-2007 Total de animais: Machos: Fêmeas: 193.664 cab 177.966 cab 15.698 cab

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTO

PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTO PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTO Flávio A. Portela Santos Departamento de Zootecnia ESALQ/USP fapsantos@usp.br 554 milhões ha de vegetação nativa = 65% ÁREAS URBANAS 38 milhões ha RESERVAS INDÍGENAS 103.5 AGRICULTURA

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO DE OVINOS MELHORAMENTO GENÉTICO DE OVINOS Profa. Dra. Sandra Aidar de Queiroz Departamento de Zootecnia FCAV UNESP INTRODUÇÃO Países com tradição na produção de ovinos Austrália Nova Zelândia África do Sul Argentina

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

Raças Ovinas. Profa. Alda Monteiro 2013

Raças Ovinas. Profa. Alda Monteiro 2013 Raças Ovinas Profa. Alda Monteiro 2013 OVINOS Sub-reino Classe Ordem Subordem Grupo Família Subfamilia Gênero Espécie Vertebrata Mammalia Ungulata Artiodactyla Ruminantia Bovineae Ovinae Ovis Ovis aries

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS PARA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE NO OUTONO: REDUÇÃO DA SAZONALIDADE DE PRODUÇÃO ASSOCIADO À SUSTENTABILIDADE

SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS PARA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE NO OUTONO: REDUÇÃO DA SAZONALIDADE DE PRODUÇÃO ASSOCIADO À SUSTENTABILIDADE SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS PARA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE NO OUTONO: REDUÇÃO DA SAZONALIDADE DE PRODUÇÃO ASSOCIADO À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA A pequena escala de produção de

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS - ALGUNS ASPECTOS

MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS - ALGUNS ASPECTOS MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS - ALGUNS ASPECTOS Luciana Castro Geraseev 2 Juan Ramon Olalquiaga Perez 1 Bruno Carneiro e Pedreira 3 1 INTRODUÇÃO A produção de carne ovina, conforme Siqueira (1996), tem

Leia mais

Quem vence é o que melhor se adapta

Quem vence é o que melhor se adapta Quem vence é o que melhor se adapta Tecnologia dos Óleos Funcionais em Ruminantes Dra Juliane Diniz Magalhães Gerente de Ruminantes da Oligo Basics Região Sul São Paulo-SP Junho de 2016 Perfil dos confinamentos

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Alternativas para nutrição em ovinos

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Alternativas para nutrição em ovinos PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Alternativas para nutrição em ovinos Gabriella Mamede Andrade 1*, Mariela Silva Moura 1, Laerte Pereira de Almeida 2 1 Graduanda em Medicina Veterinária,

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 BOI DE CICLO CURTO Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU/CONSUPEC adilson@consupec.com.br (034) 3313-8316/(034) 9972-7838 INTRODUÇÃO

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE OVINOS CRIADOS INTENSIVAMENTE

ALIMENTAÇÃO DE OVINOS CRIADOS INTENSIVAMENTE ALIMENTAÇÃO DE OVINOS CRIADOS INTENSIVAMENTE Mauro Sartori Bueno Luiz Eduardo dos Santos Eduardo Antonio da Cunha Ovinos são animais ruminantes e devem ser alimentados com forrageiras de boa qualidade,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA PROVAS PÚBLICAS PARA PROF. ADJUNTO ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA Carlos S. C. Rebello de Andrade ESACB 1996 INTRODUÇÃO A alimentação

Leia mais

Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento

Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento CAPÍTULO Estratégias alimentares para gado de corte: suplementação a pasto, semiconfinamento e confinamento Rodrigo da Costa Gomes Amoracyr José Costa Nuñez Carolina Tobias Marino Sérgio Raposo de Medeiros

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

CRUZAMENTOS NA OVINOCULTURA TROPICAL. PRÍNCIPIOS, PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES

CRUZAMENTOS NA OVINOCULTURA TROPICAL. PRÍNCIPIOS, PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES CRUZAMENTOS NA OVINOCULTURA TROPICAL. PRÍNCIPIOS, PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES Autor: Arnaldo Dantas B. Neto Médico Veterinário, Especialista em Gestão de Negócios, Coordenador do Programa de Melhoramento

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento 30 Congresso Paranaense de Estudantes de Zootecnia 28 a 31 de outubro de 2009 Maringá, PR. Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento Luís Carlos Vinhas Ítavo 1, Camila Celeste

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PERÍODO DE TRANSIÇÃO (3 semanas pré-parto a 3 semanas pós-parto) aperíodo de tempo onde a vaca passa por grandes alterações

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto

Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto Marco Aurélio Delmondes Bomfim (1), Nelson Nogueira Barros (1) (1) Embrapa Caprinos, mabomfim@cnpc.embrapa.br Introdução Nos últimos anos tem-se observado

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA

NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA Fernando Queiroz de Almeida Instituto de Veterinária Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro EQUINOS (Equus caballus) Herbívoros não-ruminantes Pastejadores Gramíneas, leguminosas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos Introdução Uso de NNP: Fontes convencionais uso humano Diminuir

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO USO DA PALMA FORRAGEIRA NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO USO DA PALMA FORRAGEIRA NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO USO DA PALMA FORRAGEIRA NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS Prof. Marcelo de Andrade Ferreira Stela Antas Urbano Departamento de Zootecnia/UFRPE O começo de tudo Itens Tratamentos Palma Silagem

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

Manejo de pastagens Consumo de forragem

Manejo de pastagens Consumo de forragem Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Manejo de pastagens Consumo de forragem Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais