Quem vence é o que melhor se adapta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quem vence é o que melhor se adapta"

Transcrição

1 Quem vence é o que melhor se adapta Tecnologia dos Óleos Funcionais em Ruminantes Dra Juliane Diniz Magalhães Gerente de Ruminantes da Oligo Basics Região Sul São Paulo-SP Junho de 2016

2 Perfil dos confinamentos EUA o 80% de grãos (Owens, 2007); o 2,70-3,45 Mcal de EM/kg. Brasil o 81,3% de grãos (Pinto e Millen 2015); o 70-75% NDT (2,50-2,70 Mcal de EM/kg) (Almeida, et al., 2010)

3 na inclusão de alimentos concentrados Manejo alimentar diferenciado Acidose, timpanismo, abscessos hepáticos, laminite Perdas econômicas e de desempenho (Cervieri et al., 2009)

4 Período de Adaptação

5 3 4 semanas Antes de atingir a meta de consumo de concentrado (acima 70% MS)

6 Estresse Saúde Transporte Mudança de ambiente Mistura de Lotes Redução no GMD

7 Recomendações para adaptação dos animais Água de boa qualidade; Mistura mineral à vontade e adequada às exigências; Adaptação gradual à dieta de alto concentrado; Número de tratos diários; Avaliação de cocho e consumo.

8 Maior CMS ph (prevenção de acidose) Digestibilidade

9 Prezando pelos animais, cuidando das pessoas.

10

11 Essential Óleo de mamona Óleo de caju (LCC) Ácido Ricinoléico Cardol Cardanol

12 Mudança abrupta na microflora ruminal Favorecimento de mo G+ Streptococcus bovis ph ruminal

13 ph Essential Controle da Acidose Efeitos do Essential sobre o ph ruminal em tourinhos (Branco et al., 2008) 6,8 6,6 Relação Vol:Conc 20:80 6,4 6,2 6,0 5,8 5,6 5,4 Monensina 30 mg/kg Essential 500 mg/kg 5, Horas após alimentação

14 Digestibiliadade (%) Efeitos do Essential sobre a digestibilidade in vivo (Branco et al., 2008) , , , ,30 Monensina 30 mg/kg Essential 500mg/kg 54 MS FDN

15 Essential Efeitos do Essential sobre o ph in vitro com inóculo alto em concentrado (Balcells et al., 2015) Parâmetro Controle Essential ph 6,58 b 6,61 a Proporcão AGV (mol / 100 mol) Acético 46,4 a 45,4 b Propiônico 33,5 b 34,3 a Isobutírico 1,33 1,36 Butírico 12,5 12,7 Isovalérico 3,05 3,12 Valérico 3,13 3,14 C2:C3 1,41 a 1,35 b

16 Aumenta a atividade da flora ruminal

17 ph rumial médio Atividade ruminal (Castro-Costa, 2014) 7,0 6,9 6,8 6,7 Relação Vol:Conc 50:50 y = -1,0192x + 47,466 6,6 6,5 6,4 6,3 y = -0,2818x + 17,565 6,2 6,1 6,0 38,5 39,0 39,5 40,0 40,5 41,0 Temperatura ruminal Linear (Control) Linear (Essential)

18 Informações técnicas Resultados de Produção em Pesquisas

19 Resultados Bovinos de Corte

20 Proporção dos ingredientes e composição química da dieta Ingredientes % Matéria seca Milho quebrado 82,02 Bagaço de cana desidratado 7,71 Farelo de soja 45% 6,83 Ureia 1,44 Calcário 0,80 Núcleo mineral 0,60 Cloreto de Potássio 0,60 Composição Química Nutrientes Digestíveis Totais (%)¹ 85,43 Energia Líquida de mantença², MJ kg -1 8,82 Energia Líquida de ganho², MJ kg -1 6,04 Proteína Bruta (%) 16,23 Extrato Etéreo (%) 3,94 Amido (%) 54,53 Fibra em Detergente Neutro (%) 17,39 92% de concentrado ¹NDT estimado com a equação de Weiss, Conrad e St. Pierre (1992);²Cálculo utilizando o NRC (1996). Fonte: Silva et al

21 Período de adaptação Relação entre CMS (kg) e dias em confinamento

22 Dias Período de adaptação Mon30 Mon40 Mon30+VM25 Essential Tratamentos Número de dias para o animal atingir o CMS equivalente a 2% do peso vivo

23 Influência dos aditivos sobre o desempenho e as características de carcaça de bovinos Tratamentos Parâmetros Mon 30¹ Mon 40² Mon30+VM 25³ Essential 4 Peso vivo inicial (kg) 318,62 325,93 320,12 324,68 Peso vivo final (kg) 486,00 512,19 512,51 522,07 Ingestão de MS (kg)* 7,73b 8,52ab 7,80b 9,06a Ingestão de MS (%PV)* 1,91b 2,03ab 1,86b 2,13a Ganho de peso diário (kg) 1,39 1,55 1,56 1,64 Conversão Alimentar 5,62 5,54 5,05 5,57 Eficiência alimentar 0,18 0,18 0,20 0,18 Área olho de lombo (cm²) 64,33 65,08 66,75 68,42 Espessura de gordura subcutânea (mm) 0,44 0,41 0,37 0,47 Peso carcaça quente (kg)** 281,03 293,18 284,17 298,56 Rendimento carcaça (%) 57,86 57,31 55,75 57,27 ¹M30= Monensina 30mg/kg MS; ²M40=Monensina 40mg/kg MS (esta dosagem foi oferecida nos primeiros 14 dias de confinamento e depois diminui para 30 mg/kg MS); ³MV= Monensina 30 mg/kg MS + Virginiamicina 25 mg/kg MS), Essential= 400 mg/kg MS. *P < 0,05; médias seguidas por letras diferem entre si. **P < 0,10 Fonte: Silva et al

24 Resultados econômicos com base na pesquisa da USP/Pirassununga Tratamentos Parâmetros Mon30¹ Mon40² Mon30+VM25³ Essential 4 Carcaça produzida no confinamento (kg)¹ 121,72 130,22 124,11 136,22 Arrobas produzidas no confinamento 8,11 8,68 8,27 9,08 Custo diário da dieta/animal (R$)² 4,44 4,89 4,58 5,24 Custo dieta/animal por 120 dias de conf. (R$) 532,37 587,01 549,83 628,39 Valor sugerido (R$) 135,00 135,00 135,00 135,00 Receita produzidas no confinamento 1095, , , ,98 Margem produzidas no confinamento 563,11 584,93 567,16 597,59 Valor de venda dos animais (R$) 2529, , , ,04 Margem do confinamento (valor de venda custo da dieta no confinamento) (R$) 1996, , , ,65 ¹M30= Monensina 30mg/kg MS; ²M40=Monensina 40mg/kg MS (esta dosagem foi oferecida nos primeiros 14 dias de confinamento e depois diminui para 30 mg/kg MS); ³MV= Monensina 30 mg/kg MS + Virginiamicina 25 mg/kg MS), Essential= 400 mg/kg MS. Fonte: Silva et al

25 Chagas et al., 2014

26 Tabela 1 Ingredientes da dieta em porcentagem da matéria seca Ingredientes (% MS) Tratamentos Controle¹ Mon30² Essential 300 ³ Essential Feno de gramínea 12,0 12,0 12,0 12,0 Milho em grãos 80,6 80,6 80,6 80,6 Farelo de soja 4,0 4,0 4,0 4,0 Mineral 2,5 2,5 2,5 2,5 Ureia 0,9 0,9 0,9 0,9 Monensina (ppm) -- 30, Essential (ppm) ,0 500,0 ¹Controle: sem adição de aditivos; ²Mon30: Monensina 30mg/kg MS; ³Essential 300: 300 mg/kg MS ingerida; 4 Essential 500: 500 g/kg MS ingerida. Fonte: Chagas et al % de concentrado

27 Tabela 2 Influência dos aditivos sobre o desempenho de bovinos Nelore Análise dos 21 primeiros dias, descontando 4% do peso vivo aos 21 dias Parâmetros Tratamentos Controle¹ Mon30² Essential 300 ³ Essential Peso vivo inicial (kg) 338,70 338,60 338,70 338,70 Peso vivo aos 21 dias (kg)* 358,70ab 349,70b 363,30a 360,20a Ingestão de MS aos 21 dias (kg/dia)* 7,96a 6,49b 7,83a 7,71a Ganho de peso diário aos 21 dias (kg)* 0,95a 0,76b 1,11a 1,12a Eficiência alimentar* 0,120bc 0,105c 0,141ab 0,145a ¹Controle: sem adição de aditivos; ²Mon30: Monensina 30mg/kg MS; ³Essential 300: 300 mg/kg MS ingerida; 4 Essential 500: 500 g/kg MS ingerida. Fonte: Chagas et al

28 Tabela 3 Influência dos aditivos sobre o desempenho e as características de carcaça de bovinos Nelore Análise do período total (124 dias) Parâmetros Tratamentos Controle¹ Mon30² Essential 300 ³ Essential Peso vivo inicial (kg) 338,60 338,53 338,55 338,68 Peso vivo final (kg) 496,44 493,20 501,26 504,86 Ingestão de MS (kg)* 9,89a 9,52b 10,28a 10,26a Ganho de peso diário (kg) 1,27 1,24 1,31 1,34 Conversão Alimentar 7,79 7,67 7,85 7,68 Eficiência alimentar 0,129 0,131 0,128 0,131 Área olho de lombo (cm²) 62,84 63,98 65,06 65,59 Espessura de gordura subcutânea (mm) 6,06 6,02 6,33 6,65 Peso carcaça quente (kg) 273,84 273,98 278,96 281,13 Rendimento carcaça (%) 55,65 55,61 55,83 55,79 ¹Controle: sem adição de aditivos; ²Mon30: Monensina 30mg/kg MS; ³Essential 300: 300 mg/kg MS ingerida; 4 Essential 500: 500 g/kg MS ingerida. *P < 0,10; médias seguidas por letras diferem entre si. Fonte: Chagas et al

29 Tabela 4 Resultados econômicos com base na pesquisa da ESALQ/USP/Piracicaba Parâmetros ¹Considerando rendimento de carcaça inicial 50%; ²R$ 0,50/ kg MS ingerida;³controle: sem adição de aditivos; 4 Mon30: Monensina 30mg/kg MS; 5 Essential 300: 300 mg/kg MS ingerida; 4 Essential 500: 500 g/kg MS ingerida. Fonte: Chagas et al Tratamentos Controle³ Mon30 4 Essential 300 ³ Essential Carcaça produzida no confinamento (kg)¹ 104,54 104,72 109,69 111,79 Arrobas produzidas no confinamento 6,97 6,98 7,31 7,45 Custo diário da dieta/animal (R$) 5,271 5,112 5,541 5,571 Custo dieta/animal por 124 dias de conf. (R$) 653,63 633,83 687,06 690,81 Valor sugerido (R$) 135,00 135,00 135,00 135,00 Receita produzidas no confinamento 940,86 942,44 987, ,11 Margem produzidas no confinamento 287,23 308,61 300,11 315,30 Valor de venda dos animais (R$) 2464, , , ,17 Margem do confinamento (valor de venda custo da dieta no confinamento) (R$) 1810, , , ,36

30 Meta-análise dos efeitos do Essential sobre a ingestão de matéria seca (IMS) em bovinos IMS 744 g/dia

31 Essential Efeitos do Essential sobre o ph in vitro com inóculo alto em concentrado (Balcells et al., 2015) Parâmetro Controle Essential ph 6,58 b 6,61 a NH 3 -N mg/l 305 a 284 b Concentração AGV Mmol 56,7 54,4

32 Redução na Produção de Metano Produção de metano (ml/g de substrato na MS) - EPM 0,284; P = 0,06 o Essential 13,50; o Controle 14,26. Razão metano/ gás (CH4/ gás; v/v) - EPM 0,0011; P = 0,049 o Essential 0,089; o Controle 0,093.

33 Conceito Óleos Funcionais

34 Óleos Funcionais Óleos Funcionais porque possuem funções além dos seus valores energéticos (Bess et al. 2012)

35 Conclusão Controla o ph Ruminal; Estimula o consumo de alimentos sem flutuação; Aumenta a velocidade de degradação da fibra; Aumenta a produção de carne; Reduz a produção de metano.

36

37

38 Obrigada! Dra. Juliane Diniz Magalhães (19) (45)

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL.? Característica da palma Cactácea

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS Fatores que determinam o sistema de produção de leite Terra área/limitações Capital investimento/tecnologia Mão de obra capacitação/tecnologia

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Utilização da cana-de na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007

Utilização da cana-de na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007 Utilização da cana-de deaçúcar na alimentação de ruminantes Paulo R. Leme FZEA -2007 Área ocupada com cana e produção de açúa çúcar e alcool Região ou Estado Brasil Área de cana milhões ha 6,19 Produção

Leia mais

Virginiamicina. Benefícios em sistemas confinados e a pasto. Pedro Terencio Phibro Animal Health

Virginiamicina. Benefícios em sistemas confinados e a pasto. Pedro Terencio Phibro Animal Health Virginiamicina Benefícios em sistemas confinados e a pasto Pedro Terencio Phibro Animal Health O que é Virginiamicina 2 Fator M e Fator S promovem efeito sinérgico Microorganismo MIC (ug/ml) Fator M Fator

Leia mais

Utilização da cana-deaçúcar na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007

Utilização da cana-deaçúcar na alimentação de ruminantes. Paulo R. Leme FZEA -2007 Utilização da cana-deaçúcar na alimentação de ruminantes Paulo R. Leme FZEA -2007 Área ocupada com cana e produção de açúcar e alcool Região ou Estado Área de cana milhões ha Produção de cana milhões t

Leia mais

O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. PROF. DR. JULIANO FERNANDES EVZ/UFG

O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. PROF. DR. JULIANO FERNANDES EVZ/UFG O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. PROF. DR. JULIANO FERNANDES EVZ/UFG O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. Situação da Pecuária nacional Papel dos órgãos de

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

Relação bezerro boi.

Relação bezerro boi. Relação troca @ bezerro X @ boi. MODELOS DE PRODUÇÃO MAIS COMUNS NO BRASIL Peso Corporal (kg) 550 500 450 400 350 300 250 200 150-4 meses de terminação em Confinamento; - 8 meses do nascimento ao desmame.

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

Manejo de pastagens Consumo de forragem

Manejo de pastagens Consumo de forragem Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Manejo de pastagens Consumo de forragem Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Introdução

CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Introdução 137 CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Rivânia Ferreira Moreira¹, Daniene Aparecida Pereira 2, Marco Túlio Lopes

Leia mais

SEU RESULTADO É O NOSSO COMPROMISSO + TECNOLOGIA + ATENDIMENTO + QUALIDADE. linhaconfinatto.com.br

SEU RESULTADO É O NOSSO COMPROMISSO + TECNOLOGIA + ATENDIMENTO + QUALIDADE. linhaconfinatto.com.br SEU RESULTADO É O NOSSO COMPROMISSO A Agroceres Multimix investe pesado em tecnologia e segurança, contando com unidades fabris que atendem às mais rigorosas certificações de qualidade. Mais do que boas

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes

CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes LUCROS DO CONFINAMENTO GANHO DO PRODUTOR Valorizaçãodo boi magro Peso de abate (logisticae produtividadepormatriz) Manejoda Pastagem e Recria

Leia mais

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO DA MATÉRIA SECA DE SILAGENS DE CAPIM-ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM SCHUM.) PRODUZIDAS COM FARELO DE BATATA DIVERSA Ronaldo Francisco de Lima (1), Adauto

Leia mais

Tecnologia Brasileira para o M undo!

Tecnologia Brasileira para o M undo! Tecnologia Brasileira para o M undo! As novas normas regulatórias derivadas da maior preocupação dos consumidores tanto na parte de qualidade como de sustentabilidade, estão influenciando cada vez mais

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO Flávio Augusto Portela Santos Depto. de Zootecnia ESALQ/USP ABATES ASSISTIDOS: ASSOCON 2006-2007 Total de animais: Machos: Fêmeas: 193.664 cab 177.966 cab 15.698 cab

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

Mitigação e Adaptação por meio de Alimentação Suplementar e Confinamento. Dr. Sérgio Raposo de Medeiros Embrapa Gado de Corte

Mitigação e Adaptação por meio de Alimentação Suplementar e Confinamento. Dr. Sérgio Raposo de Medeiros Embrapa Gado de Corte Mitigação e Adaptação por meio de Alimentação Suplementar e Confinamento Dr. Sérgio Raposo de Medeiros Embrapa Gado de Corte Conteúdo 1) Efeitos da suplementação na idade de abate; 2) Princípios da alimentação

Leia mais

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios:

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios: Proteinados Independente da época do ano, a suplementação proteica tem se mostrado uma excelente ferramenta para aumentar o ganho de peso dos animais. O fornecimento do Proteinado agpastto melhora o padrão

Leia mais

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015 TERMINAÇÃO Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) produção Confinamento 3.047 7,39 Semiconfinamento Pastagens inverno 2.583 6,27 822 1,99 Pastagem sem 34.748 84,35 definição

Leia mais

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina omposição de um Protetor Hepático comercial PROTEÍNA Fórmula: Aspartato de L-ornitina...2,0 g loridrato de L-arginina...7,5 g L-citrulina...0,5 g Acetil metionina...1,0 g loridrato de colina...1,0 g Levulose...10,0

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I PRODUÇÃO DE BOVINOS EM PASTAGENS NO BRASIL Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini Zootecnia UNESP/Dracena

Leia mais

Número de animais nas propriedades Região Média N Castro Minas Gerais Goiás Toledo Santa Catarina RMC Média

Número de animais nas propriedades Região Média N Castro Minas Gerais Goiás Toledo Santa Catarina RMC Média XVII PEC NORDESTE Produção de silagem: saiba como melhorar a qualidade Prof. Dr. Patrick Schmidt Zootecnista UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Silagem de milho (?) Silagem de milho (?) 109 propriedades Silagem

Leia mais

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro Alimentos utilizados na alimentação Animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Alimentos Volumosos (pelo menos 25% de de FDN na na MS) MS) Concentrados Outros Forragens secas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

Técnicas de manejo para preparo de touros para comercialização e readaptação a sistemas de reprodução

Técnicas de manejo para preparo de touros para comercialização e readaptação a sistemas de reprodução Técnicas de manejo para preparo de touros para comercialização e readaptação a sistemas de reprodução Rodrigo da Costa Gomes Pesquisador A Nutrição Animal Embrapa Gado de Corte 28º Curso de Melhoramento

Leia mais

O papel da genética na. de corte brasileira. Leonardo Souza Qualitas Agronegócios

O papel da genética na. de corte brasileira. Leonardo Souza Qualitas Agronegócios O papel da genética na lucratividade da pecuária de corte brasileira. Leonardo Souza Qualitas Agronegócios Porquefazer melhoramentogenético? Comparação entre pesos vivos de frangos de acordo com linhagens

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR E BAGAÇO DE CANA NA ENGORDA DE BOVINOS (1 )

CANA-DE-AÇÚCAR E BAGAÇO DE CANA NA ENGORDA DE BOVINOS (1 ) B. Indústr. anim., Nova Odessa, SP, 43(1):1-6,jan.fjun. 1986 CANA-DE-AÇÚCAR E BAGAÇO DE CANA NA ENGORDA DE BOVINOS (1 ) (Sugar cane as cattle ration ingredient) LAÉRCIO JOSÉ PACOLA e), CELSO BOIN (3),

Leia mais

Utilização da silagem de cana-de-açúcar para vacas em lactação

Utilização da silagem de cana-de-açúcar para vacas em lactação Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Zootecnia - DZO Utilização da silagem de cana-de-açúcar para vacas em lactação Marcos Inácio Marcondes Professor Adjunto DZO/UFV Viçosa, Novembro de

Leia mais

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz Alimentos e Alimentação Para Bovinos Sistemas de Recria e Terminação Ricardo Zambarda Vaz Desempenho de novilhos em pastagem cultivada e natural de verão e inverno com a utilização de suplementação Adaptado

Leia mais

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta?

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta? Producote Feed O que é? Producote Feed é um aditivo nutricional de liberação controlada, indicado para a suplementação proteica segura de ruminantes, com alta concentração de nitrogênio não proteico de

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

Introdução. Definição e atuação dos ionóforos

Introdução. Definição e atuação dos ionóforos Introdução É fato conhecido às transformações ocorridas na pecuária de corte nos últimos anos, principalmente com relação a sua rentabilidade, de altos e baixos. Comenta-se muito sobre os avanços tecnológicos,

Leia mais

O segredo é a conciliação de recrias intensivas, com abates precoces e de alta taxa de ganho.

O segredo é a conciliação de recrias intensivas, com abates precoces e de alta taxa de ganho. Atualmente o Brasil confina em torno de 2,5 milhões de bovinos, produzindo cerca de 600 mil toneladas de carne de melhor qualidade, tendo em vista não só o sistema de produção em si, mas também pela menor

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÃO. Consumo de matéria seca: 3,5% do peso vivo (PV), equivalendo a 21 Kg de MS (matéria seca) por dia.

FORMULAÇÃO DE RAÇÃO. Consumo de matéria seca: 3,5% do peso vivo (PV), equivalendo a 21 Kg de MS (matéria seca) por dia. FORMULAÇÃO DE RAÇÃO Vacas leiteras Uma propriedade com 50 vacas em início de lactação, pesando em média 600 Kg, com uma média de produção de 30 Kg de leite / dia, com um teor de gordura de 3,8%. Estes

Leia mais

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO Por que pasto? Menor investimento inicial Instalações Rebanho Não confinar vacas no período chuvoso do ano

Leia mais

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos II SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA IISINPET 26 e 27 de setembro de 2014 Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos M. Sc. Gabriel Faria Estivallet Pacheco Z o o

Leia mais

18 a em 24 MESES: O QUANTO O CONFINAMENTO DEPENDE DO PASTO? César Borges Zootecnista, MSc Gerente de Desenvolvimento e Soluções - Phibro

18 a em 24 MESES: O QUANTO O CONFINAMENTO DEPENDE DO PASTO? César Borges Zootecnista, MSc Gerente de Desenvolvimento e Soluções - Phibro 18 a 21@s em 24 MESES: O QUANTO O CONFINAMENTO DEPENDE DO PASTO? César Borges Zootecnista, MSc Gerente de Desenvolvimento e Soluções - Phibro Introdução Evolução da área plantada e da produção de soja

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos Introdução Uso de NNP: Fontes convencionais uso humano Diminuir

Leia mais

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P.

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P. Tecnologias, suplementos, e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto,

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Programa Boi Verde Inovação tecnológica e qualidade para maior eficiência produtiva.

Programa Boi Verde Inovação tecnológica e qualidade para maior eficiência produtiva. Programa Boi Verde Inovação tecnológica e qualidade para maior eficiência produtiva. Um programa tão completo que acompanha sua criação em todas as fases: do nascimento ao abate. A lucratividade na pecuária

Leia mais

PROBLEMAS DE PATAS EM VACAS LEITEIRAS/NOVILHOS

PROBLEMAS DE PATAS EM VACAS LEITEIRAS/NOVILHOS N 74 PROBLEMAS DE PATAS EM VACAS LEITEIRAS/NOVILHOS É muito frequente o fabricante de alimentos compostos para vacas leiteiras ser responsabilizado pelos problemas de patas (unhas) nos efectivos leiteiros

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Leide Karla Ribeiro Loureiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 ; 1 Aluno do Curso de

Leia mais

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda.

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda. SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE SISTEMAS DE ENGORDA Sistema de engorda Confinamento 27 2.397. 28 2.757. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini Semiconfinamento Pastagem de inverno Demais sistemas

Leia mais

Subprodutos do Algodão na Alimentação de Ruminantes. Fernanda Barros Moreira

Subprodutos do Algodão na Alimentação de Ruminantes. Fernanda Barros Moreira Subprodutos do Algodão na Alimentação de Ruminantes Fernanda Barros Moreira Setembro, 2008 PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CONSUMO E DESEMPENHO DE CORDEIROS DE DOIS GRUPOS GENÉTICOS EM DIFERENTES FASES DE CRESCIMENTO FABRÍCIO LEONARDO ALVES RIBEIRO 1, JUAN RAMÓN OLALQUIAGA PÉREZ 2, RAFAEL FERNANDES LEITE 3, IRAÍDES FERREIRA

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANIMAL E IMPACTOS AMBIENTAIS

SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANIMAL E IMPACTOS AMBIENTAIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANIMAL E IMPACTOS AMBIENTAIS Arnaldo A. Dias da Silva Prof. Catedrático CECAV UTAD, Apartado 1013, 5001 801, Vila Real, Portugal arnaldodiasdasilva@gmail.com Hoje como sempre, toda

Leia mais

Doença Respiratória Bovina: gerenciamento de risco e impacto no desempenho dos animais confinados

Doença Respiratória Bovina: gerenciamento de risco e impacto no desempenho dos animais confinados Doença Respiratória Bovina: gerenciamento de risco e impacto no desempenho dos animais confinados Marcelo de Oliveira Furtado Consultor em Pecuária Médico Veterinário Especialista em Produção de Ruminantes

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

bovinos de leite A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de leite A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de leite A resposta para o da sua questão está aqui. A Premix está comprometida em desenvolver e oferecer o que há de melhor no mercado em soluções para nutrição animal. Quando você estiver buscando

Leia mais

Nutrição e Formulação de Rações para Bovinos de Corte com Microcomputador

Nutrição e Formulação de Rações para Bovinos de Corte com Microcomputador Gado de Corte Nutrição e Formulação de Rações para Bovinos de Corte com Microcomputador Aprenda os princípios e também os programas NutriMax e BeefMax Antonio Ferriani Branco C A P Í T U L O 5 Princípios

Leia mais

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste Prova de Resultado Lactance Terneira Desempenho de bezerros alimentados à base de ração peletizada x farelada Desempenho de bezerros alimentados

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

A PARCEIRA DO CRIADOR

A PARCEIRA DO CRIADOR A PARCEIRA DO CRIADOR Especialista na fabricação de produtos para nutrição animal com diferenciada atenção para a sua qualidade, a Rações Dugrão é uma empresa com conhecimentos sofisticados em rações

Leia mais

TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. A marca Tortuga tem a linha completa de proteinados, que atende todas as necessidades do gado,

Leia mais

UREIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

UREIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES UREIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES Períodos de estiagem : supre deficiência de PTN (> desempenho) ou não há deficiência de PTN : economia de farelos protéicos (custo elevado). N uréia substitui N dieta;

Leia mais

Noções de Nutrição Animal com Ênfase nos Ruminantes parte I

Noções de Nutrição Animal com Ênfase nos Ruminantes parte I Noções de Nutrição Animal com Ênfase nos Ruminantes parte I Victor Hugo Pedraça Dias 1 Fonte: google imagem Fonte: google imagem 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA Aula - Período seco Prof. Luciane Rumpel Segabinazzi Bovinocultura de Leite II 1º sem. 2016 Secagem da vaca 1. O que é o secar a vaca??

Leia mais

Partição de energia e sua determinação na nutrição de bovinos de corte CAPÍTULO. Sérgio Raposo de Medeiros Tiago Zanetti Albertini

Partição de energia e sua determinação na nutrição de bovinos de corte CAPÍTULO. Sérgio Raposo de Medeiros Tiago Zanetti Albertini Partição de energia e sua determinação na nutrição de bovinos de corte CAPÍTULO Sérgio Raposo de Medeiros Tiago Zanetti Albertini Energia dos alimentos Ao contrário dos demais nutrientes, a energia não

Leia mais

Manipulação da Curva de Crescimento para Otimizar a Eficiência de Bovinos de Corte

Manipulação da Curva de Crescimento para Otimizar a Eficiência de Bovinos de Corte NESPRO, Porto Alegre, Setembro 2013 Manipulação da Curva de Crescimento para Otimizar a Eficiência de Bovinos de Corte Prof. Dante Pazzanese Lanna, Laboratório de Nutrição e Crescimento Animal Departamento

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DE DIETAS COM ALTO TEOR DE ENERGIA

ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DE DIETAS COM ALTO TEOR DE ENERGIA ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DE DIETAS COM ALTO TEOR DE ENERGIA BERTONSELLO, L. G. R. 1 ; SERAFIM, R. S. 2 1 Pós-graduando em Nutrição e Alimentação de Ruminantes, Faculdades Associadas de Uberaba, Uberaba

Leia mais

Luiz Roberto Lopes de S.Thiago 1 Fernando Paim Costa 2

Luiz Roberto Lopes de S.Thiago 1 Fernando Paim Costa 2 CONFINAMENTO NA PRÁTICA: SISTEMAS ALTERNATIVOS /% Luiz Roberto Lopes de S.Thiago 1 Fernando Paim Costa 2 No Brasil Central, bovinos engordados a pasto apresentam bom desenvolvimento na estação das chuvas

Leia mais

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento 30 Congresso Paranaense de Estudantes de Zootecnia 28 a 31 de outubro de 2009 Maringá, PR. Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento Luís Carlos Vinhas Ítavo 1, Camila Celeste

Leia mais

FATOS! Até 2050, a população mundial necessitará: 100% mais alimentos Novas áreas? Aumento rebanho? Introdução de tecnolgia?

FATOS! Até 2050, a população mundial necessitará: 100% mais alimentos Novas áreas? Aumento rebanho? Introdução de tecnolgia? FATOS! Até 2050, a população mundial necessitará: 100% mais alimentos Novas áreas? Aumento rebanho? Introdução de tecnolgia? Focos de interesse em melhorias na produção de carne Saúde Animal Eficiência

Leia mais

Avaliação da casca proteinada de soja em dietas para ovinos

Avaliação da casca proteinada de soja em dietas para ovinos DOI: 10.4025/actascianimsci.v33i2.7910 Avaliação da casca proteinada de soja em dietas para ovinos Vanessa Peripolli 1*, Júlio Otávio Jardim Barcellos 2, Ênio Rosa Prates 2, Cássio André Wilbert 1, Maria

Leia mais

Suplementação de Vacas Leiteiras em Regime de Pasto. Ronaldo Braga Reis, Ph.D.

Suplementação de Vacas Leiteiras em Regime de Pasto. Ronaldo Braga Reis, Ph.D. Suplementação de Vacas Leiteiras em Regime de Pasto Ronaldo Braga Reis, Ph.D. Opção pela exploração da pecuária leiteira em pastagem tropical Crescente interesse em sistemas de produção de leite com base

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

Glicerol na alimentação animal. Doutoranda Geruza Silveira Machado MSc. Em Zootecnia - UFRGS

Glicerol na alimentação animal. Doutoranda Geruza Silveira Machado MSc. Em Zootecnia - UFRGS Glicerol na alimentação animal Doutoranda Geruza Silveira Machado MSc. Em Zootecnia - UFRGS Produção de BIODIESEL Produção autorizada de 21.155,79 m³/dia. BRASIL : 1º de janeiro de 2010 5% de biodiesel

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de resíduos de frutas na alimentação de ruminantes. Tiago Neves Pereira Valente 1

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de resíduos de frutas na alimentação de ruminantes. Tiago Neves Pereira Valente 1 PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de resíduos de frutas na alimentação de ruminantes Tiago Neves Pereira Valente 1 1 Zootecnista - Doutor em Nutrição de Ruminantes pela

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE GLÚTEN DE MILHO EM DIETAS DE OVINOS CONFINADOS1

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE GLÚTEN DE MILHO EM DIETAS DE OVINOS CONFINADOS1 pág 01 UTILIZAÇÃO DE FARELO DE GLÚTEN DE MILHO EM DIETAS DE OVINOS CONFINADOS1 AUTORES ARILSON NARCIZO SOARES2 SALETE ALVES DE MORAES3 JOSÉ NEUMAN MIRANDA NEIVA4 CYNTHIA RENATA LIMA SÁ2 ANA CLARA CAVALCANTE

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

Suplementação Mineral para Bovinos de Corte: Maurício Bueno NERU 27/04/2011

Suplementação Mineral para Bovinos de Corte: Maurício Bueno NERU 27/04/2011 Suplementação Mineral para Bovinos de Corte: Maurício Bueno NERU 27/04/2011 1-) IMPORTÂNCIA DA MINERALIZAÇÃO DE BOVINOS Peso corporal de um bovino: minerais = 4% Importante função no metabolismo (conjunto

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES PARA O SUCESSO DA. Zootecnista: Cledson Augusto Garcia Docente da Graduação

ASPECTOS IMPORTANTES PARA O SUCESSO DA. Zootecnista: Cledson Augusto Garcia Docente da Graduação ASPECTOS IMPORTANTES PARA O SUCESSO DA PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE Zootecnista: Cledson Augusto Garcia Docente da Graduação Jacó: o precursor do Pastoreio Racional O BOM PASTOR COMEÇA DESDE CEDO PASTOR:

Leia mais

Alto grão,dieta que vai bem,

Alto grão,dieta que vai bem, Alto grão,dieta que vai bem, sendo uma alternativa para o confinamento. Engorda de bovinos sem o uso de volumoso, uma dieta de oportunidade e democrática, podendo ser utilizada desde pequenos a grandes

Leia mais

Coprodutos e subprodutos agroindustriais na alimentação de bovinos

Coprodutos e subprodutos agroindustriais na alimentação de bovinos 1/9 /9 96 milhões/safra 14-15 3/9 37 milhões 47 milhões 17,8 milhões 4/9 5/9 6/9 7/9 8/9 9/9 Recomendações de inclusão Ruminantes: até 35% de inclusão dependendo do custo; Proteína by-pass deficiente e

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR A INGESTÃO DE ENERGIA DE ANIMAIS EM PASTAGEM. Flávio A. P. Santos Departamento de Zootecnia- ESALQ/USP

ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR A INGESTÃO DE ENERGIA DE ANIMAIS EM PASTAGEM. Flávio A. P. Santos Departamento de Zootecnia- ESALQ/USP ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR A INGESTÃO DE ENERGIA DE ANIMAIS EM PASTAGEM Flávio A. P. Santos Departamento de Zootecnia- ESALQ/USP fapsantos@usp.br CUSTO OPERCIONAL EFETIVO 01/2014 2,64 2,84 4,15 3,08 3,11

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. - Nº 231, quinta-feira, 2 de dezembro de 2004 Pág. 4 SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12,DE 30 DE

Leia mais

Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto

Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto Universidade Federal de Pelotas Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária Grupo de estudos Nutrição de Ruminantes Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto A preparação para o

Leia mais

Desempenho de novilhas Gir suplementadas durante o período seco em pastagem de capim-marandu

Desempenho de novilhas Gir suplementadas durante o período seco em pastagem de capim-marandu Desempenho de novilhas Gir suplementadas durante o período seco em pastagem de capim-marandu Glayk Humberto Vilela Barbosa (1), Edilane Aparecida da Silva (2), Douglas Martins Resende (1), José Mauro Valente

Leia mais

PLANOS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE BEZERRAS. Sandra Gesteira Coelho Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais

PLANOS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE BEZERRAS. Sandra Gesteira Coelho Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais PLANOS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE BEZERRAS Sandra Gesteira Coelho Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais Agradecimentos Aos alunos de Mestrado e Doutorado Ana Paula Saldanha Franzoni

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas  UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas www.aqi.ufsc.br UFSC Tópicos a serem abordados Necessidade do conhecimento das exigências nutricionais

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE FIXAÇÃO DE PARÂMETROS E DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS DOS SUPLEMENTOS DESTINADOS A BOVINOS, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE FIXAÇÃO DE PARÂMETROS E DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS DOS SUPLEMENTOS DESTINADOS A BOVINOS, em anexo. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 152, DE 11 DE OUTUBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere a alínea

Leia mais

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Sub-ordem Caniformia Classe Mamíferos Ordem Carnivora Sub-ordem Feliformia Canedae Procyonidae

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS

Leia mais

Forragicultura e Pastagens

Forragicultura e Pastagens Setor de Forragicultura Pastagens, 19,5 ha de Brachiaria brizantha cv. Marandu; Forragicultura e Pastagens Curral de confinamento semi coberto. Ricardo A. Reis Dep. Zootecnia Setor de Forragicultura Setor

Leia mais

PRINCÍPIOS DE NUTRIÇÃO ANIMAL. Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. Ano Lectivo 2010 / 2011 SISTEMAS DE VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA

PRINCÍPIOS DE NUTRIÇÃO ANIMAL. Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. Ano Lectivo 2010 / 2011 SISTEMAS DE VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA PRINCÍPIOS DE NUTRIÇÃO ANIMAL Mestrado Integrado em Medicina Veterinária Ano Lectivo 2010 / 2011 SISTEMAS DE VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA ENERGIA Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora 2010/2011: Princípios

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais