PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com."

Transcrição

1 PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL

2 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição de leitões nas fases de maternidade e creche, possui dois programas que atendem às necessidades nutricionais dos leitões, dependendo principalmente do peso e da idade ao desmame. Pré Leitão 6000 Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para leitões lactentes e logo após o desmame. Permite maior ganho de peso e evita perda de peso ao desmame. Adicionar 600 kg de Pré Leitão 6000 por tonelada de ração. 46/80 Pré Leitão Pré Leitão 00 Programa 1 Para leitões desmamados abaixo de 6,0 kg de peso vivo e idade entre 17 a 20 dias de vida. Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para leitões após o desmame, na fase Pré Inicial 1. Adicionar 0 kg de Pré Leitão 00 por tonelada de ração. Programa 2 Para leitões desmamados acima de 6,0 kg de peso vivo e idade superior a 21 dias de vida. Estes programas adaptam-se às necessidades da granja trazendo melhor relação custo x benefício. 46/80 Pré Leitão

3 Inicial 200 Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para leitões desmamados na fase Pré Inicial. Adicionar 20 kg de Inicial 200 por tonelada de ração. Leitão 00 Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para leitões na fase Inicial 2. Adicionar 0 kg de Leitão 00 por tonelada de ração. 46/80 Inicial /80 0 Açúcar Leitão 00 0 Leitão 1000 Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para leitões na fase Inicial 1. Adicionar 100 kg de Leitão 1000 por tonelada de ração. 46/80 Leitão Programa 01 Para leitões desmamados de 17 a 20 dias de vida e peso médio abaixo de 6 kg de peso vivo. Produto Pré Leitão 6000 Pré Leitão 00 Inicial 200 Leitão 1000 Leitão 00 Programa 02 Fase de Uso (em dias) 7 a a 31 a 4 46 a 4 a 70 Consumo esperado por fase (em kg) 1,00 3,00 4,00 7,00 20,00 Para leitões desmamados acima de 21 dias de vida e com peso acima de 6 kg de peso vivo. Produto Fase de Uso (em dias) Consumo esperado por fase (em kg) Pré Leitão 00 7 a 3 4,00 Inicial a 49 9,00 Leitão 00 0 a 70 22,00 Nota: Os programas acima poderão ser modificados de acordo com as necessidades da granja, mediante a orientação do técnico da Nutriserviços.

4 Pigfort O produto Pigforte é um potente antidiarréico utilizado para granjas com alto desafio sanitário. Adicionar de 3,0 a,0kg de Pigfort por tonelada de ração dependendo do desafio da granja. Suinoceva Crescimento Núcleo vitamínico, mineral e aminoácido para suínos na fase de crescimento, de 70 a 110 dias de vida. Adicionar kg de Suinoceva Crescimento por tonelada de ração. s para as fases de Crescimento e Terminação Suinoceva Crescimento 7 2 Suinoceva Terminação Núcleo vitamínico, mineral e aminoácido para suínos na fase de terminação, de 111 até o abate. Adicionar kg de Suinoceva Terminação por tonelada de ração. O programa nutricional para cevados é composto por dois núcleos diferenciados para a fase de crescimento e terminação, um núcleo de terminação com ractopamina e um núcleo único que pode ser utilizado para as duas fases. Suinoceva Terminação

5 Suinoceva Terminação LM Núcleo vitamínico, mineral, aminoácidos e com Ractopamina. O Suinoceva Terminação LM é um produto ajustado para fornecer os níveis adequados de lisina, proporcionando assim os efeitos benéficos da ractopamina como maior ganho de peso, menor C.A e melhor qualidade de carcaça. Adicionar kg de Suinoceva Terminação LM por tonelada de ração nos últimos 28 dias de terminação antes do abate. s para a fase de Reprodução Suinoceva Terminação LM O programa nutricional para animais em reprodução é composto de dois núcleos, um para a fase de Gestação e outro para a fase de Lactação, um núcleo único para as fases de gestação e lactação e um concentrado energético destinado à fase de lactação. Suinoceva Núcleo vitamínico, mineral e aminoácido para suínos nas fases de crescimento e terminação, de 70 dias de vida até o abate. Crescimento: Adicionar kg de Suinoceva por tonelada de ração. Terminação: Adicionar kg de Suinoceva por tonelada de ração. 46/80 Crescimento (kg) Terminação (kg) Suinocria Gestação Núcleo vitamínico, mineral e aminoácido para matrizes em gestação. Adicionar kg de Suinocria Gestação por tonelada de ração Farelo de Trigo 270 Suinoceva Suinocria Gestação

6 Suinocria Lactação Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para matrizes em Pré lactação e lactação. Adicionar kg de Suinocria Lactação por tonelada de ração. Liposui 100K Farelo de Trigo Açúcar Óleo Vegetal Suinocria Lactação Concentrado energético para matrizes em lactação. Pré Adicionar 100 kg de Liposui 100K por tonelada de ração. Farelo de Trigo Açúcar 10 Suinocria Lactação Liposui 100K 100 Suinocria Núcleo vitamínico, mineral e aminoácidos para matrizes em gestação e lactação. Adicionar kg de Suinocria por tonelada de ração para fazer as rações de gestação e lactação. Programa Nutricional Produto Gestação Ração Pré Lactação Lactação Suinocria Gestação (kg) Farelo de Trigo 270 Fase de Uso Da cobertura até 8 dias de gestação De 86 dias de gestação até o parto Do parto à cobertura Consumo esperado por fase (em kg) 1,8 a 2,0 2, a 3,0 6,0

7 Linha de Premix Suimix Linha de suplementos vitamínicos e minerais da Nutriserviços que permite vasta flexibilidade nas formulações aproveitando as matérias primas disponíveis na propriedade. Suimix Crescimento K Premix vitamínico e mineral para cevados em fase de crescimento. Adicionar kg de Suimix Crescimento K por tonelada de ração Fosfato Bicálcico 12 Sal Calcáreo 37% 11 Suimix Crescimento K Suimix Leitão K Premix vitamínico e mineral destinado a rações de leitões na fase de creche. Adicionar kg de Suimix Leitão K por tonelada de ração. para Ração Inicial 2 Açúcar Fosfato Bicálcico Sal Calcáreo 37% 8 1 Suimix Terminação K Premix vitamínico mineral para cevados em fase de terminação. Adicionar kg de Suimix Terminação K por tonelada de ração. Fosfato Bicálcico Sal 10 Calcáreo 37% 10 Suimix Leitão K Suimix Terminação K

8 Suimix Reprodução K Premix vitamínico e mineral para as fases de Gestação, Pré Lactação e Lactação. Adicionar kg de Suimix Reprodução K por tonelada nas rações de Gestação, Pré Lactação e Lactação. Ração Pronta Leitãosui Óleo Vegetal Açúcar Farelo de Trigo Fosfato Bicálcico Sal Cálcareo 37% Suimix Reprodução K Gestação (kg) Pré A linha Leitãosui é uma linha de rações prontas minipeletizadas e fareladas para leitões na fase de creche. Esta linha é composta de três produtos: Leitãosui Maternidade Leitãosui Pré 1 Leitãosui Pré 2 Leitãosui Maternidade Ração pronta destinada aos leitões na fase de maternidade e pós desmame, de 7 a 2 dias de vida, ou até três dias após o desmame. Fornecer a ração à vontade em pequenas quantidades 8 vezes ao dia em cochos apropriados para leitões. Formato Minipelets e Farelada Leitãosui Pré 1 Níveis de Garantia por kg do Produto Nutrientes Níveis (%) Proteína (mín.) Extrato Etéreo (mín.) Matéria Mineral (máx.) Cálcio (máx.) Fósforo (mín.) Matéria Fibrosa (máx.) Umidade (máx.) Ração pronta destinada a leitões de 26 dias de vida até 3 dias de vida. 19,0 3,0 8,0 1,0 0,8 3, 13,0 Fornecer a ração à vontade em pequenas quantidades 8 vezes ao dia em cochos apropriados para leitões. Formato Minipelets e Farelada Níveis de Garantia por kg do Produto Nutrientes Níveis (%) Proteína (mín.) Extrato Etéreo (mín.) Matéria Mineral (máx.) Cálcio (máx.) Fósforo (mín.) Matéria Fibrosa (máx.) Umidade (máx.) 19,0 3,0 8,0 1,0 0,8 3, 13,0

9 Leitãosui Pré 2 Ração pronta destinada a leitões de 36 dias de vida até 0 dias de vida. Fornecer a ração à vontade em pequenas quantidades 8 vezes ao dia em cochos apropriados para Ração Pronta Reprosui Ração específica para reprodutores destinados à monta natural ou a Inseminação Artificial. A Reprosui foi formulada dentro das exigências nutricionais dos cachaços de alto desempenho visando uma maior vida produtiva, melhor qualidade de sêmen e maior número de doses inseminantes por animal. Formato Minipelets e Farelada Programa Leitãosui Produto Níveis de Garantia por kg do Produto Nutrientes Níveis (%) Proteína (mín.) Extrato Etéreo (mín.) Matéria Mineral (máx.) Cálcio (máx.) Fósforo (mín.) Matéria Fibrosa (máx.) Umidade (máx.) Fase de Uso (em dias) Leitãosui Maternidade 7 a 2 1,00 Leitãosui Pré 1 26 a 3 3,00 Leitãosui Pré 2 36 a 0 10,00 18, 3,0 8,0 1,0 0,6 4,0 13,0 Consumo esperado por fase (em kg) Reprosui Ração específica para reprodutores destinados à monta natural ou a inseminação artificial. Formato Peletizada Níveis de Garantia por kg do Produto Nutrientes Níveis (%) Proteína (mín.) Extrato Etéreo (mín.) Matéria Mineral (máx.) Cálcio (máx.) Fósforo (mín.) Matéria Fibrosa (máx.) Umidade (máx.) 1,0,0 12,0 1,8 0,6 10,0 13,0 Fornecer de 2,0 a 3, kg de Reprosui por animal por dia, dependendo do estado corporal, idade e intensidade de uso.

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS

PROGRAMA GUABI DE ALIMENTAÇÃO PARA EQUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS PROGRAMA GUABI D ALIMNTAÇÃO PARA QUINOS O Programa de Alimentação para quinos Guabi é composto de produtos que atendem a todas as classes de equinos, desde seu nascimento

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Homologação

Leia mais

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL Classificação do Produto: Ração para suínos pré-inicial. Indicação do Produto: Ração pronta para alimentação de suínos em fase pré-inicial (07 a 35 dias de idade). Espécie animal a que se destina: Suínos.

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 17:19 horas do dia 25 de janeiro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo, designado pela portaria 5.020/2011 após analise da documentação do Pregão

Leia mais

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 2 a Edição. Horacio Santiago Rostagno

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 2 a Edição. Horacio Santiago Rostagno Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais 2 a Edição Editor: Horacio Santiago Rostagno Autores: Horacio Santiago Rostagno Luiz Fernando Teixeira Albino Juarez Lopes Donzele Paulo Cezar Gomes Rita

Leia mais

SERVICO PUBLICO FEDERAL SIAFI - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRACAO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL N O T A D E E M P E N H O PAGINA: 1

SERVICO PUBLICO FEDERAL SIAFI - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRACAO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL N O T A D E E M P E N H O PAGINA: 1 PAGINA: 1 EMISSAO : 15Ago12 NUMERO: 2012NE800615 ESPECIE: EMPENHO DE DESPESA CNPJ : 10635424/0003-48 FONE: (47) 3803-7200 ENDERECO : ROD. BR 280 KM 27, COLEGIO AGRICOLA MUNICIPIO : 8025 - ARAQUARI UF:

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Soro de leite integral na alimentação dos suínos Teresinha Marisa Bertol 1 Jonas Irineu dos Santos

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3 a Edição. Horacio Santiago Rostagno

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3 a Edição. Horacio Santiago Rostagno Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais 3 a Edição Editor: Horacio Santiago Rostagno Autores: Horacio Santiago Rostagno Luiz Fernando Teixeira Albino Juarez Lopes Donzele Paulo Cezar Gomes Rita

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico

Leia mais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Introdução - Energia Elétrica; - Água; - Espaço de cocho para alimentação;

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R Página 1 de 10 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú Termo de Adjudicação do

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS PRINCIPAIS ATIVIDADES FISIOLÓGICAS DO SUÍNO Sistema respiratório: Frequência Respiratória variando entre 20 a 30 movimentos por minuto. Sistema

Leia mais

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00012/2012 (SRP)

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00012/2012 (SRP) 1 de 51 12/07/2012 19:35 Pregão Eletrônico 158459.122012.33493.4851.23029312.604 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

Nascida da experiência internacional do Grupo Agras, em atividade desde 1946 na importação de matérias-primas alimentares, a Agras Delic introduziu

Nascida da experiência internacional do Grupo Agras, em atividade desde 1946 na importação de matérias-primas alimentares, a Agras Delic introduziu Nascida da experiência internacional do Grupo Agras, em atividade desde 1946 na importação de matérias-primas alimentares, a Agras Delic introduziu no mercado de alimentos para animais domésticos, sob

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Efeito da taurina sobre o desempenho de leitões na fase de creche Oliveira, E. F.¹,

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Criação de Porco Caipira

Criação de Porco Caipira Criação de Porco Caipira CRIAÇÃO DE PORCO CAIPIRA 1 - INTRODUÇÃO A criação de porco caipira, também chamada criação extensiva de suínos, criação tradicional de porcos ou criação de porco-banha, está presente

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO

ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO Nº 183 ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO Todos os autores reconhecidos que já escreveram sobre o tema de alimentação em suínos começam pelo alimento. ÁGUA! Todos sabemos da importância da água na nossa sobrevivência

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P.

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

High Definition [Alta definição] High Development [Alto desempenho] High Digestibility [Alta digestibilidade]

High Definition [Alta definição] High Development [Alto desempenho] High Digestibility [Alta digestibilidade] High Definition [Alta definição] High Development [Alto desempenho] High Digestibility [Alta digestibilidade] 1 PROGRAMA NUTRICIONAL A VACCINAR disponibiliza ao mercado a linha QualiSUI HD para suínos,

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS - Campus ARAGUATINS N.Q 10/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS - Campus ARAGUATINS N.Q 10/2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus ARAGUATINS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N.Q

Leia mais

TRABALHO - SIMULAÇÃO DE CONSULTORIA PARA COOPERATIVA CAMPAL 1

TRABALHO - SIMULAÇÃO DE CONSULTORIA PARA COOPERATIVA CAMPAL 1 TRABALHO - SIMULAÇÃO DE CONSULTORIA PARA COOPERATIVA CAMPAL 1 INTRODUÇÃO Marcos Vily Paladini 2 Neste trabalho será apresentada uma simulação de consultoria para a cooperativa CAMPAL, de Cornélio Procópio,

Leia mais

Peso do Filhote. 1Kg 2Kg 3 a 5Kg 5 a 7Kg 7 a 10Kg 10 a 14 Kg 14 a 18 Kg 18 a 22Kg. 432 a 556g. 288 a 371g. 371 a 484g

Peso do Filhote. 1Kg 2Kg 3 a 5Kg 5 a 7Kg 7 a 10Kg 10 a 14 Kg 14 a 18 Kg 18 a 22Kg. 432 a 556g. 288 a 371g. 371 a 484g Puppy: Carne, Espinafre & Batata Doce Filhote de cães com até 1 ano de idade Alimento rico em proteína, para um crescimento saudável Alta palatabilidade Alta digestibilidade: proteínas de alta qualidade

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo Elvania Maria da Silva Costa 1, Agustinho Valente de Figueirêdo

Leia mais

NUTRIÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO. Profa. Luciana Catunda Brito

NUTRIÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO. Profa. Luciana Catunda Brito NUTRIÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO Profa. Luciana Catunda Brito HIDRATAÇÃO Qualidade da água seja equivalente aos padrões de água potável para humanos, devendo ser obtida diretamente da adutora principal

Leia mais

Programa Boi Verde Inovação tecnológica e qualidade para maior eficiência produtiva.

Programa Boi Verde Inovação tecnológica e qualidade para maior eficiência produtiva. Programa Boi Verde Inovação tecnológica e qualidade para maior eficiência produtiva. Um programa tão completo que acompanha sua criação em todas as fases: do nascimento ao abate. A lucratividade na pecuária

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo.

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo. O que é? A chlorella é uma alga unicelular de água doce existente na Terra há milhões de anos. A sua estrutura genética manteve-se intacta ao longo do tempo resultando numa grande concentração e variedade

Leia mais

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P.

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P. Tecnologias, suplementos, e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto,

Leia mais

Qual a importância da Glutamina e do Ácido Glutâmico para o leitão?

Qual a importância da Glutamina e do Ácido Glutâmico para o leitão? Folder Ajinomoto.indd 2 13/10/2009 16:46:22 Folder Ajinomoto.indd 3 13/10/2009 16:46:30 O que é AminoGut? O AminoGut é composto pelos aminoácidos L-Glutamina e L-Ácido Glutâmico livres, nutrientes que

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS SUÍNOS QUALISUI

LINHA DE PRODUTOS SUÍNOS QUALISUI LINHA DE PRODUTOS SUÍNOS QUALISUI A linha de produtos suínos Qualisui pode ser segmentada de maneira simplificada da seguinte forma: QUALIMIX (PREMIX) São pré-misturas elaboradas a partir de minerais,

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos Vinícius Cantarelli Objetivo Apresentar informações e resultados econômicos, ambientais e sociais da RACTOPAMINA e seus efeitos sobre a SUSTENTABILIDADE

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Problemas deste tipo consistem em combinar materiais obtidos na natureza (ou

Leia mais

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho Gustavo J. M. M. de Lima Suíno jovem tem potencial para apresentar um rápido crescimento; Dificuldades de expressar

Leia mais

RACTOPAMINA UMA TECNOLOGIA SUTENTÁVEL

RACTOPAMINA UMA TECNOLOGIA SUTENTÁVEL RACTOPAMINA UMA TECNOLOGIA SUTENTÁVEL Sustentabilidade? Economia Meio Ambiente Social SUSTENTABILIDADE = COMPETITIVIDADE POR QUE A RACTOPAMINA É SUSTENTÁVEL? 12% 12% 15% 5% GPD CA Carne R$ Água Efluente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Sumário. Manual de Reprodutores - 3

Sumário. Manual de Reprodutores - 3 Manual Reprodutores Sumário PREFÁCIO................................................................................................................................ 05 1 - LEITOAS GENETIPORC EM CRESCIMENTO.............................................................................................

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00011/2016

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00011/2016 25/04/2017 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679 7353. Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679 7353. Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral OSTEODISTROFIA FIBROSA EM EQUINOS DECORRENTE DA DEFICIENCIA NUTRICIONAL DE CALCIO E FOSFORO RELATO DE CASO FURIAN, Mariana PAES, Camila A. MENEGHETTI, Monique M. PARRA, Bruno C. AMARAL, Getulio A. Alunos

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Qualidade do milho para utilização na alimentação animal Luiz Carlos MACHADO 1, Daviane Martinele

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Dezembro / 2011 Otimizando a Taxa de Conversão Alimentar do Frango de Corte Este artigo foi elaborado especificamente para produtores de aves

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Alimentação de Potros Lactentes

Alimentação de Potros Lactentes Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária Departamento de Nutrição e Produção Animal Alimentação de Potros Lactentes Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso@fmvz.usp.br

Leia mais

Bem-estar animal: Brasil x Europa

Bem-estar animal: Brasil x Europa UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Bem-estar animal: Brasil x Europa Cleandro Pazinato Dias Bem-estar: Brasil x Europa Introdução Situação europeia Situação brasileira Considerações finais Conceitos de

Leia mais

Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos

Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO O QUE NÃO PODE SER NEGLIGENCIADO NO GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES Bem Vindos Cascavel PR, Setembro de 2015. Obrigado Pelo Convite Obrigado Pelo Patrocínio Mensagens Iniciais:

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais