MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE"

Transcrição

1 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente baixa, em conseqüência dos baixos índices de natalidade (50% a 60% ao ano), dos elevados índices de mortalidade (10% a 15% ao ano), da baixa taxa de desfrute real (em torno de 20,0%), além do peso e da idade de abate, que estão muito abaixo de suas possibilidades (oscilando em torno de 4 anos). A produção de carne baseia-se na utilização de raças zebuínas, notadamente a raça Nelore pura ou mestiços, obtidos de sistema de cruzamento industrial. No entanto, em virtude do tipo de manejo adotado, utilizando animais inteiros mantidos no pasto e geralmente sem suplementação, os animais estão sendo abatidos com idade acima de 36 meses. No entanto, recentemente, intensificaram-se os esforços para melhorar os índices de produtividade dos sistemas de produção de bovinos de corte no Brasil. Nesse sentido, conscientes da importância dos resultados de pesquisa, os pecuaristas passaram a adotar tecnologias para gerar aumentos na produtividade e na eficiência econômica de produção. Essa preocupação está associada à crescente competição dentro do setor de pecuária, assim como em outros setores envolvidos na produção de proteína de alta qualidade. O objetivo dessa revisão é discutir o efeito das inter-relações entre nutrição e manejo, notadamente a nutrição, na forma da manipulação do crescimento. Além disso, identificar os objetivos e as estratégias que podem ser utilizados na alteração da taxa de crescimento. Essas estratégias incluem, principalmente, suplementação e confinamento. 2. Produtividade do Sistema A produtividade de qualquer sistema de produção pecuário depende do conhecimento mínimo dos fatores envolvidos no processo produtivo, do nível de gerenciamento, das técnicas de manejo empregadas e da disponibilidade de recursos financeiros. Dentro das categorias de bovinos, a do rebanho de cria é a que possui as maiores exigências. Esta etapa tem seu início vinculado à concepção da vaca ou novilha passando pelo período de gestação, parto e a partir do nascimento, a fase de criação propriamente dita, culminando na desmama, recria e engorda. 3. Curvas de Crescimento e a Precocidade Sexual de Terminação A grande parte das atividades desenvolvidas pelos pecuaristas envolve a manipulação nas curvas de crescimento. Os pontos mais importantes dessa curva são maturidade sexual, peso e composição de abate, os quais devem ser atingidos da forma mais rápida e econômica possível. O crescimento do animal é determinado pelo estímulo que recebe de sua herança, sendo a manifestação desse estímulo proporcionada pela ação de hormônios, auxiliada pela ação de fatores externos, dentre os quais a alimentação, que desempenha um papel essencial para se alcançar o máximo crescimento. Analisando o crescimento em função da idade do animal, observa-se que esse obedece a uma curva sigmóide, caracterizada por uma fase de crescimento acelerada, coincidente com o período que precede a puberdade e uma fase de 1 Zootecnista Doutor em Produção Animal. Consultor da Lagoa da Serra.

2 crescimento lento, que ocorre após a puberdade. O ponto de divisão entre as duas fases (ponto de inflexão) coincide com a puberdade (Figura 1). Figura 1 - Funções Descritivas do Crescimento de Bovinos. (Fonte: Silveira et al. (2001). Analisando a curva de crescimento apresentada na Figura 1, observa-se que o crescimento acumulado (peso por idade) é a mais utilizada e a menos informativa sobre as diferenças entre os tipos biológicos quanto à maturidade e à composição corporal. A curva de crescimento absoluto (ganho de peso/dia) já é mais informativa. Nesse sentido, observa-se que há um ponto em que o ganho de peso/dia é máximo e que esse ponto ocorre um pouco antes da puberdade dos animais. Isso implica que, nesse ponto, há uma maior eficiência na utilização dos alimentos. Por outro lado, a curva de crescimento relativo (ganho de peso/dia/peso vivo) mostra que os animais são cada vez menos eficientes à medida que aumenta a sua idade; daí a grande importância que o fator idade de abate assume na eficiência do sistema de produção de bovinos de corte. Quando se analisa o ganho de peso vivo dos animais, vê-se que a composição do mesmo é diferente em razão das fases de crescimento do animal. Isso tem conseqüências importantes na eficiência de ganho de peso dos animais. No ganho de peso diário, verifica-se que os principais tecidos da carcaça (músculos, ossos e gordura) são depositados com taxas diferentes de crescimento, de acordo com o peso e a idade do animal. Observa-se que a taxa de deposição de gordura aumenta a partir do ponto em que a maior parte do crescimento muscular tenha sido completada. A partir daí, a maior parte dos alimentos fornecidos ao animal será convertida em gordura e, além disso, grande parte dessa gordura não será depositada dentro dos músculos (gordura intramuscular), mas entre os músculos (gordura intermuscular), debaixo do couro (gordura subcutânea) e ao redor dos órgãos (rins e coração), na cavidade pélvica e na parede abdominal (gordura interna). 4. O Ambiente Ruminal e a Atividade de Microrganismos Os ruminantes são animais caracterizados por apresentarem quatro compartimentos gástricos (rúmen, retículo, omaso e abomaso). O retículo-rúmen (câmara de fermentação) representa aproximadamente 85% do estômago de um animal adulto, e apresenta uma capacidade total de 200 litros. O restante é compreendido pelo omaso-abomaso (estomago verdadeiro). A temperatura ruminal situa-se na faixa de 39 a 40 C, e o valor de ph situa-se ao redor de 6,5, devido basicamente à elevada e ininterrupta produção de saliva, em função da 2

3 manutenção de teores adequados de fibra na dieta, garantindo umidade do conteúdo ruminal entre 80 a 90%. O meio ruminal é anaeróbio e os nutrientes são adicionados pela ingestão e digestão dos alimentos, alternado com períodos de ruminação e mastigação. Esses processos são responsáveis pela redução do tamanho das partículas ingeridas. O rúmen apresenta movimentos regulares e constantes, que permitem a mistura dessas partículas recém-ingeridas com o conteúdo ruminal, contribuindo no processo de fermentação e na saída de partículas menores do que 1 milímetro pelo orifício rúmen-reticular para o estômago verdadeiro (abomaso), dando seqüência ao processo digestivo. O rúmen funciona basicamente como uma câmara de armazenamento e fermentação, mantida pela atividade simbiótica dos microrganismos ruminais, bactérias, protozoários e fungos. Para que ocorra a digestão simbiótica dos alimentos consumidos é necessária a manutenção das condições supracitadas (temperatura, ph, motilidade, umidade, etc.), resultando na produção de ácidos graxos voláteis (acético, propiônico, butírico, isobutírico, etc.), dióxido de carbono, metano, amônia e células microbianas. Nesse processo, as bactérias celulolíticas são as mais importantes, por permitirem aos bovinos a capacidade de sobreviverem em dietas exclusivas de forragens. Entretanto, vale ressaltar que, além da fonte de energia (celulose, hemicelulose, amido, pectina, açúcares solúveis, etc.), esses microrganismos necessitam de adequado suprimento de nitrogênio (N), sendo a amônia, sua principal fonte. Além disso, é necessário que haja o fornecimento de fonte de proteína verdadeira, uma vez que somente a amônia não supre as exigências de nitrogênio dos microrganismos e, por conseqüência, o requerimento protéico dos animais, notadamente aqueles de elevado potencial de produção ou ganho de peso. Sendo assim, não há dúvidas de que os ruminantes devem receber suficientes quantidades de aminoácidos essenciais, de forma a atender as exigências de manutenção e produção. No caso dos ruminantes, a situação é mais complexa devido às particularidades do metabolismo intermediário, às transformações que os alimentos sofrem durante a degradação ruminal e às dificuldades de se conhecer os aminoácidos disponíveis no intestino delgado, oriundos de uma mistura de proteínas microbianas, proteínas dietéticas (sobrepassantes) e proteínas endógenas. Dessa forma, essa abordagem simplificada sobre os princípios que norteiam a nutrição de ruminantes, caracteriza a necessidade de manutenção do equilíbrio no ambiente ruminal, de forma a potencializar a atuação dos microrganismos e conseqüentemente, aumentar a eficiência de uso da forragem disponível nas pastagens. Portanto, a meta da suplementação, nessas circunstâncias, deve ser a oferta de nutrientes (proteína, energia, minerais e vitaminas) que, sistematicamente, limitam a produção de animais mantidos em pastagens Utilização da Uréia como Fonte de Nitrogênio Não Protéico (NNP) A uréia é caracterizada como sendo um produto químico solúvel em água e se apresenta na forma de grânulos brancos, quando em estado sólido. O gás natural, que é utilizado como fonte de Hidrogênio (H), e o ar atmosférico que fornece o Nitrogênio (N) são as matérias-primas básicas usadas na fabricação da uréia. Esses dois elementos são combinados, industrialmente, para formar a amônia (NH 3 ) que, associada com o gás carbônico (CO 2 ), sob elevadas condições de temperatura e pressão, gera a uréia - CO(NH 2 ) 2. Os ruminantes, através de microrganismos presentes no rúmen, são capazes de transformar em proteína tanto o nitrogênio derivado da proteína verdadeira quanto o proveniente de alguns compostos nitrogenados não protéicos, como a uréia, o sulfato de amônio e o biureto. Dessa forma, o uso da uréia, na dieta desses animais, apresenta-se como 3

4 uma forma de redução de custo na formulação de suplementos e rações concentradas, além de substituir parte da proteína verdadeira. Quando a uréia alcança o rúmen, ela é rapidamente desdobrada em amônia e CO 2 pela enzima uréase, produzida pelas bactérias. O mesmo processo de transformação ocorre quando o animal ingere uma fonte de proteína verdadeira, proveniente do pasto ou de qualquer outro alimento. A amônia presente no rúmen, resultante da uréia ou de uma fonte protéica, é utilizada pelos microrganismos para a síntese de sua própria proteína. Para que isso ocorra, é essencial a presença de uma fonte de energia (celulose, amido, pectina, etc.). A proteína assim formada é chamada de proteína bacteriana. À medida que a digestão ruminal progride, todo o alimento ingerido pelo animal, juntamente com as bactérias e seus produtos, continua a avançar pelo trato digestivo. Quando o bolo alimentar alcança o abomaso, que possui atividade enzimática e química, sendo considerado o estômago verdadeiro do ruminante, as bactérias são destruídas e o seu conteúdo liberado. As proteínas passam, então, para o intestino delgado, onde serão utilizadas pelo animal, ou seja, para a sua própria nutrição. A suplementação exclusiva com nitrogênio não protéico (NNP), caso da uréia, não satisfaz totalmente a demanda protéica do animal. O excedente de NNP, na forma de amônia, é absorvido pela parede ruminal e levado através do sangue ao fígado, onde a amônia vai ser transformada em uréia. Parte da uréia é reciclada, retornando ao rúmen através da saliva, e a parte restante é eliminada pela urina a fim de prevenir intoxicações. Esse processo é conhecido como ciclo da uréia. A Figura 2 mostra um mecanismo simplificado da síntese e metabolismo da proteína no rúmen, com a participação da proteína verdadeira do alimento, da uréia endógena e da uréia dietética. Vale ressaltar que a eliminação de NNP excedente acarreta aumento do gasto energético do animal para essa finalidade, motivo pelo qual seu uso deve seguir as recomendações técnicas pertinentes. A quantidade de amônia incorporada na proteína microbiana depende da concentração de energia fermentável da deita. Os carboidratos, por meio do fornecimento dessa energia e de esqueletos de carbono, possibilitam essa síntese protéica. A fonte e a quantidade desses carboidratos são os fatores mais importantes, capazes de influenciar a eficiência de utilização da uréia pelos microrganismos do rúmen. Figura 2 Esquema simplificado do metabolismo da proteína em ruminantes. No rúmen, os precursores dos aminoácidos são sintetizados a partir dos carboidratos fermentecíveis, sendo a amônia adicionada para fornecer o grupo amino. De maneira geral, os 4

5 vários tipos de carboidratos diferem-se amplamente nessa função: a celulose, de transformação lenta no rúmen, não fornece adequadamente energia ao sistema, não permitindo, desse modo, uma eficiente sincronia na utilização da uréia, pelo fato de possuir uma velocidade de degradação não condizente com a velocidade da hidrólise da uréia; já o amido (milho e/ou sorgo) e a pectina (polpa cítrica) parecem ser as fontes de energia mais efetivas, sendo, geralmente, fermentadas em uma taxa condizente com a taxa de liberação da amônia pela uréia. Portanto, as rações que contêm milho, sorgo ou polpa cítrica são as mais adequadas para o uso eficiente da uréia. A quantidade de proteína da ração também influencia a conversão de nitrogênio não protéico (NNP) em proteína microbiana. Em dietas suplementadas com uréia, é desejável a inclusão de fontes protéicas com baixa solubilidade e baixa degradação ruminal, com a finalidade de evitar o excesso de amônia. Entretanto, a presença de proteína verdadeira é indispensável para o processo de síntese, uma vez que é necessária a existência de aminoácidos pré-formados para a utilização da amônia por esses microrganismos. Para animais em crescimento ou em lactação, a suplementação com fontes naturais de proteína é necessária, objetivando fornecer aminoácidos que escapam à degradação ruminal e são absorvidos no intestino. Do ponto de vista metabólico, a inclusão da uréia na alimentação de ruminantes requer a inclusão de enxofre na dieta. As funções do enxofre no rúmen estão relacionadas, principalmente, com a síntese de aminoácidos sulfurados (metionina, cisteína e cistina), precursores da proteína microbiana e algumas vitaminas. A deficiência de enxofre pode ocorrer durante a estação seca do ano, em virtude das pastagens apresentarem-se em estádio avançado de maturação fisiológica (maduras) e deficientes em proteína ou quando os animais estão recebendo uréia. Alem disso, de modo geral, o teor de enxofre é baixo, especialmente em dietas com altas proporções de grãos. Por isso, torna-se necessária a adição de enxofre em dietas com altos níveis de NNP. A relação ótima de nitrogênio/enxofre para bovinos está em torno de 12 a 15 partes de nitrogênio para uma parte de enxofre. A ingestão de grandes quantidades de uréia, principalmente quando o ruminante não está adaptado ao seu consumo, causa intoxicações que pode progredir até a morte do animal. Doses de 40 a 50 g/100 kg de peso vivo podem ser fatais para animais não adaptados ao consumo da uréia. A intoxicação ocorre quando o acúmulo de amônia no rúmen provoca aumento acentuado no ph ruminal, favorecendo sua absorção acima da capacidade de metabolismo hepático. A prevenção dos casos de intoxicação deve ser feita pela observação de regras básicas de utilização da uréia suplementar para ruminantes, como: A população microbiana deve estar adaptada para a utilização da uréia. O aumento da quantidade de NNP deve ser gradativo, de modo a favorecer uma alteração no equilíbrio entre os diversos microrganismos do rúmen e no desenvolvimento das bactérias capazes de utilizar a amônia; Quanto maior a quantidade de uréia a ser fornecida ao animal, mais parcelado deverá ser seu fornecimento, de forma a evitar a formação de altas concentrações de amônia no rúmen e melhorar o aproveitamento do N amoniacal; Deve ser assegurado o fornecimento associado de fontes de energia prontamente fermentáveis, visando favorecer a otimização da utilização da amônia pelos microrganismos ruminais. 5. Adequação do Manejo Nutricional 5

6 A nutrição é, sem dúvida, o parâmetro de manejo que mais altera a idade do animal ao abate. Em outras palavras, a precocidade ou a taxa com que o animal se aproxima do seu peso adulto e de abate é muito sensível às alterações do ambiente. Conseqüentemente, essa característica tem baixa herdabilidade. O maior determinante da baixa taxa de maturação de bovinos nas nossas condições é a estacionalidade da produção forrageira. A suplementação durante o primeiro ou segundo período de seca, bem como a suplementação durante o aleitamento (creep-feeding) tem enorme influência sobre a taxa de maturação dos animais. Entretanto deve-se atentar para o efeito do ganho compensatório que tende a minimizar efeitos positivos dessas tecnologias. Além de alterar a taxa de maturação, tratamentos nutricionais podem alterar o peso adulto. Geralmente, modificações no peso adulto causadas por nutrição são de pequena magnitude. Restrições alimentares muito severas, principalmente no animal jovem, podem resultar em diminuição significativa do peso adulto. O nível de ingestão de energia pode modificar a partição da utilização da energia para deposição de proteína ou lipídeos, em termos de tecido da carcaça e do desenvolvimento do tecido muscular e adiposo. O ponto crucial, nesse caso, é saber qual a extensão da possível manipulação do crescimento, quais os tecidos e os componentes químicos mais envolvidos e qual proporção desses pode ser alterada com a manipulação da nutrição Creep-Feeding À medida que o animal avança em idade, observa-se não somente uma intensa variação na capacidade total dos quatro compartimentos (Rúmen, retículo, omaso e abomaso), como também nas suas proporções, como pode ser observado na Tabela 1. Tabela 1. Variações na capacidade dos estômagos de bovinos. Idade Rúmen Retículo ( % ) Omaso Abomaso ( % ) Nascimento semanas semanas meses De maneira geral, a importância econômica dos modernos sistemas de alimentação de bezerros, vai depender da rapidez do desenvolvimento do rúmen. Este autor ainda sugeriu que no estudo da anatomia e fisiologia dos estômagos dos ruminantes, dois aspectos distintos devem ser considerados: a) Nas primeiras semanas de vida, o animal recém-nascido comporta-se como monogástrico, uma vez que nesta fase a atividade gástrica digestiva é atribuição do abomaso; b) O animal adulto, com o rúmen amplamente desenvolvido e com os microrganismos em plena atividade fermentativa, comportam-se como verdadeiros ruminantes, desenvolvendo portanto suas funções digestivas essenciais; A época em que ocorre a transição para o regime de ruminante varia de acordo com o tipo de alimento que o animal ingere. Quanto mais longo o período em que o bezerro têm acesso a um suprimento abundante de leite, mais lento será o desenvolvimento do rúmen com o decorrer da idade. Diversos autores comentam que a ingestão de concentrados e feno, provoca um desenvolvimento mais rápido do rúmen de bezerros. De maneira geral, a alimentação com forragens verdes ou secas (fenos) acarretam um maior desenvolvimento da musculatura e do volume do rúmen, ao passo que os alimentos concentrados promovem o desenvolvimento das papilas ruminais. 6

7 Para o sistema de creep-feeding têm se recomendado à partir do segundo mês de idade, o fornecimento de dietas concentradas que contenham teor de proteína variando de 18% a 24% de PB e alta densidade energética (acima de 74% de NDT), de forma a possibilitar a ingestão média de 0,60 a 1,50 kg /animal/dia. O uso da suplementação alimentar do bezerro deverá estar condicionada à obtenção de um ou mais dos seguintes objetivos: - Intensificar os sistemas de produção (carne por hectare), mediante um aumento na carga animal; - Melhorar o estado corporal da vaca em situações de emergência e, ao mesmo tempo, assegurar o pleno desenvolvimento do bezerro; e - Promover o melhor desempenho da cria, objetivando antecipar a idade de cobrição (fêmeas), ou precocidade para o abate (machos). A suplementação alimentar do bezerro, além de acelerar a taxa de ganho em peso, précondiciona os animais às dietas ricas em energia que receberão subseqüentemente no confinamento. Este fato influencia no ganho em peso e peso de carcaça. Em experimento, conduzido para se avaliar a eficiência de ganho de peso no período de terminação de bezerro manejados em creep-feeding, os autores obtiveram melhor conversão para o ganho de peso e maior ganho de peso nos animais que receberam dieta à vontade, quando comparado com os animais que receberam quantidade limitada do suplemento (0,5 kg/dia), conforme exposto na Figura 2. Peso inicial (kg) Peso final (kg) Controle Consumo limitado Consumo à vontade Figura 2. Peso final de bezerros submetidos ao creep-feeding Estratégias e Categorias Animais para Suplementação O maior problema no período da seca é o baixo desempenho dos bovinos em pastejo. As vacas de cria não recuperam a condição corporal necessária para manter o ciclo reprodutivo e as demais categorias animais apresentam baixas taxas de ganho de peso. O baixo teor de proteína é o fator limitante das pastagens nesta época do ano, e sua correção, normalmente, resulta em aumento no consumo e digestibilidade da pastagem. Essa correção pode ser feita na base de NNP (uréia), mas melhores desempenhos só serão alcançados com o uso também de proteínas verdadeiras (farelo de soja, algodão etc.). Níveis de substituição da proteína verdadeira pelo NNP em até 25%, aparentemente, não afetam o desempenho animal. 7

8 5.2.1 Suplementação na Seca Vacas de Cria Objetivo da suplementação: melhorar o desempenho animal, melhorando a utilização da pastagem disponível. Meta: aumentar a taxa de natalidade de vacas de cria e a taxa de reconcepção de primíparas. Estratégia: fornecer uma pequena quantidade de nutrientes que favoreçam os microorganismos do rúmen, de forma a estimular o consumo e digestibilidade do pasto. Tipo de suplemento: que contenha alto teor de proteína (acima de 30% de proteína bruta) e minerais, preferivelmente, na forma de proteína verdadeira; mas se o propósito é reduzir custos, uma parte de NNP (uréia) é aceitável (até 40% da necessidade de proteína degradável no rúmen, PDR). O uso de suplementos com apenas NNP, como fonte de nitrogênio, não tem resultado em desempenhos consistentes. Nível de fornecimento: 0,1% a 0,2% do peso vivo/animal/dia. Tabela 1. Suplementos para vacas de cria (% base MN)*. Sal mineral Mistura mineral com Ingredientes com uréia uréia + palatabilizante Milho triturado (e/ou sorgo, polpa Sal Proteinado de Baixo Cons. - 10,00 20,00 cítrica peletizada) Farelo de soja ou F. algodão ,00 Uréia 30,00 30,00 10,00 Sulfato de amônio 5,00 5,00 2,00 Suplemento mineral 65,00 55,00 20,00 Sal comum (NaCl) ,00 Total 100,00 100,00 100,00 *MN = matéria natural Mistura mineral com uréia baixo consumo resulta em desempenhos aquém do desejado. Uso específico para regiões de seca bem caracterizada onde haja disponibilidade de capim de baixa qualidade. Pode reverter uma situação de perda de peso vivo acentuada em moderada, mantença ou até mesmo leve ganho de peso, dependendo da qualidade do pasto e taxa de lotação animal. Mistura mineral com uréia + palatabilizante consumo mais constante vai resultar em desempenhos mais consistentes, como citados na situação anterior. Sal proteinado de Baixo consumo consumo controlado com o uso do sal branco, dentro de valores próximos a 0,1% a 0,2% do peso vivo (vaca de 450 quilos deveria consumir 450 gramas de sal protéico). É uma forma econômica de suplementação, com o objetivo de reduzir taxas de perdas de peso vivo, manter peso vivo ou, até mesmo, alcançar ganhos moderados de cerca de 200 gramas por vaca/dia, dependendo do pasto Suplementação na Seca Animais em Recria Objetivo da suplementação: melhorar o desempenho animal pelo fornecimento adicional de nutrientes. Meta: reduzir a idade de abate e/ou idade de primeira cria e/ou reduzir taxas de perda de peso vivo. Estratégia: fornecer um suplemento para aumentar o consumo total de energia, dentro de limites capazes de minimizar seu efeito sobre o consumo da pastagem. 8

9 Tipo de suplemento: que contenha alto teor de proteína (acima de 25% de proteína bruta) e minerais, preferivelmente proteína natural. Se for para reduzir custos e atender às exigências ruminais, uma parte de NNP (uréia) é aceitável (até 30% da exigência em proteína degradável no rúmen). Nível de fornecimento: 0,1% a 0,5% do peso vivo/animal/dia. Tabela 2. Suplementos para recria (% base MN)*. Ingredientes Sal proteinado de Suplemento Proteico- Ração Baixo Consumo Energético Concentrada Milho triturado (e/ou sorgo, polpa cítrica peletizada) 25,00 58,00 68,00 Farelo de soja ou F. algodão 38 32,20 24,62 23,25 Uréia 8,00 2,70 2,50 Sulfato de amônio 1,55 0,60 0,50 Suplemento 15,00 5,00 2,70 Sal comum (NaCl) 18,00 9,00 3,00 Rumensin 0,25 0,08 0,05 Total 100,00 100,00 100,0 *MN = matéria natural Sal Proteinado de Baixo Consumo é uma forma econômica de manter o peso do rebanho ou ganhos moderados de até 300 gramas/animal/dia, dependendo do pasto. O consumo deveria ficar entre 0,1% e 0,2% do peso vivo/animal/dia. Por meio deste suplemento é possível fornecer ao animal aditivos capazes de melhorar o desempenho animal. Se este for o caso, seguir as recomendações do fabricante. Ajustar o percentual de sal branco no suplemento em função do consumo desejado. Suplemento Protéico-Energético e Ração concentrada - na situação em que o consumo do suplemento pode alcançar até 0,5% do peso vivo/animal/dia, é fundamental que o mesmo seja o mais uniforme possível, para evitar diferenças no ganho de peso. O uso do sal branco é uma forma de controlar consumo, porém de resultados variáveis. A oferta diária do suplemento tende a distribuir melhor o consumo, desde que se respeitem de 40 centímetros a 50 centímetros lineares de cocho/animal. Uma boa distribuição dos cochos no pasto também vai contribuir para que haja uma separação natural dos diversos grupos sociais, reduzindo o estresse. Se a opção for pela oferta diária do suplemento, uma melhor eficiência no seu uso pode ser alcançada e, para isso, deve-se programar o fornecimento para minimizar sua interferência no regime de pastejo do animal. O ideal é não interferir no grande pastejo matinal. O fornecimento entre doze horas e dezesseis horas é o mais indicado. Animais recebendo suplementos com sal comum para controlar consumo precisam ter livre acesso à água Suplementação na Seca Animais em Engorda Objetivo da suplementação: melhorar o desempenho animal pelo fornecimento adicional de nutrientes. Meta: garantir o peso de abate e o acabamento até o final da seca. Estratégia: fornecer um suplemento para aumentar o consumo total de energia, mesmo ocorrendo substituição parcial no consumo do pasto. Tipo de suplemento: que contenha teor médio de proteína (18% a 25% de PB) e alta densidade energética (acima de 75% de NDT). Nível de fornecimento: 0,7% a 1,7% do peso vivo/animal/dia. Tabela 3. Suplementos para engorda (% base MN). 9

10 Ingredientes Nível de Consumo (% do Peso Vivo)** 0,5% 0,7% 1,0% 1,2% Milho triturado (e/ou sorgo, polpa cítrica peletizada) 72,0 77,00 80,00 83,00 Farelo de soja ou F. algodão 38 23,0 18,74 16,36 14,17 Uréia 2,28 1,55 1,25 0,85 Sulfato de amônio 0,35 0,30 0,20 0,15 Suplemento 1,40 1,00 0,80 0,45 Sal comum (NaCl) 0,90 1,35 1,35 1,35 Rumensin 0,07 0,06 0,04 0,03 Total 100,00 100,00 100,00 100,00 *MN = matéria natural **PV = peso vivo Os suplementos sugeridos na Tabela 3 são rações completas, formuladas em função do seu nível de oferta diária. Para os cálculos foi considerado um consumo total de matéria seca igual a 2,2% do peso vivo, composição química da pastagem igual a 5% de proteína bruta e 51% de NDT, e necessidade de proteína degradável no rúmen equivalente a 11,814% do NDT consumido. Para reduzir custos com o suplemento, sugere-se uma oferta inicial de 0,7% do peso vivo. Por essa ocasião, as pastagens ainda oferecem certo grau de qualidade e disponibilidade. À medida que a seca for avançando e o pasto sendo consumido, aumentar, gradativamente, os níveis de oferta do suplemento, de forma a manter um desempenho animal capaz de atender a meta, isto é, peso de abate ao final da suplementação. Níveis de suplementação acima de 1,2% do peso vivo podem ser usados em casos extremos ou em situações temporárias de oportunidades de mercado, tais como redução no custo do suplemento e/ou aumento no preço do boi gordo Suplementação Volumosa De maneira geral, pode-se inferir que são poucos os trabalhos de pesquisa que utilizam a suplementação volumosa como estratégia na produção de bovinos de corte em pastagens. Contudo, atualmente, os produtores têm buscado alternativas que minimizem os custos de produção e o pronunciado efeito da estacionalidade da produção forrageira sobre a taxa de lotação das pastagens, especialmente em sistemas intensivos. Nesse sentido, a ensilagem do excedente de produção das pastagens, oriunda do crescimento do verão, apresenta-se como uma alternativa viável para atender a demanda de forragem para utilização durante o período de seca e como medida auxiliar no manejo das pastagens. Considerando a qualidade da forragem disponível e as características dos suplementos utilizados, normalmente, nesses sistemas, ocorre alto efeito substitutivo em decorrência da suplementação volumosa. Esse fato pode ser comprovado por resultados obtidos em trabalhos de pesquisa conduzidos na EMBRAPA/CPPSE, nos quais as silagens de capim Tanzânia e Coast Cross, produzidas dentro do próprio sistema, foram fornecidas aos animais com acesso a pastagem e à silagem durante o período da seca. O consumo das silagens foi considerado elevado, atingindo praticamente 2% do peso vivo dos animais em relação à matéria seca, resultando em ganho de peso médio de 0,200 kg/animal/dia. Nesse mesmo sistema de produção e utilizando o capim Tanzânia (recria-engorda), foi possível obter bovinos da raça Canchim com peso vivo de abate na faixa de 450 Kg aos 20 meses de idade. No período das águas, a alimentação constituiu somente de forragem pastejada, proporcionando, em média, ganho de peso de 0,850 kg/animal/dia. No período de seca, a dieta dos animais foi a forragem pastejada mais a silagem produzida com o excesso de forragem obtida no período anterior e 0,500 kg de farelo de soja, resultando em ganho médio de 0,440 kg/animal/dia. 10

11 Outras opções podem ser citadas, dentre as quais destaca-se a cana-de-açúcar corrigida com 1% da mistura uréia + sulfato de amônio, na proporção de 9:1, capaz de permitir a manutenção dos animais ou ganhos da ordem de 0,100 a 0,150 kg/dia. Em trabalho de pesquisa com novilhas Holandês-Zebu, suplementados ou não com cana-de-açúcar e uréia, observou-se variação no ganho de peso diário de -0,190 a 0,130 kg/animal/dia, respectivamente para cada grupo. Já com novilhas mantidas em pastagens e suplementadas exclusivamente com cana-de-açúcar e uréia verificaram-se ganhos de peso diário da ordem de 0,180 a 0,300 kg/dia, respectivamente. Dessa forma, é importante observar que o fornecimento de volumosos, como forma de corrigir as deficiências nutricionais de animais mantidos em pastagens resultará em acentuado efeito substitutivo, uma vez que, de maneira geral, tem-se diminuição no consumo de forragem proveniente das pastagens Confinamento O balanceamento de dietas dos confinamentos realizados no Brasil, na sua grande maioria utiliza-se dos dados de NRC (1996), os quais estão mais adequados às nossas raças e condições, porém precisam de alguns ajustes. Os ajustes mais importantes referem-se aos teores de proteína e energia na dieta. As pesquisas que geram os dados para as tabelas do NRC são baseadas em dietas de alto grão, balanceadas para levar os animais a um grau avançado de terminação, com elevado teor de gordura na carcaça. Nas dietas à base de volumosos e destinadas a bovinos com mais de 50 % de sangue zebuíno, deve existir a preocupação de proporcionar melhor digestão de fibra no rúmen. Para tanto, é necessário utilizar nas dietas, níveis de proteína mais elevados, garantindo um teor de proteína degradável no rúmen que proporcione nitrogênio suficiente para manutenção de uma intensa atividade microbiana. Com relação á exigência de energia dos bovinos confinados no Brasil, o mercado demanda carcaças com muito menos gordura do que o mercado americano, de modo que se podem utilizar dietas menos energéticas, obtendo resultados equivalentes de ganho de peso. A pergunta mais freqüente feita por pecuaristas aos nutricionistas é sobre qual tipo de volumoso utilizar para confinamento de bovinos de corte. A seguir foram simulados os resultados de desempenho utilizando silagem de milho (Tabela 4) variando a concentração energética (baixa, média e alta), demonstrado a necessidade de concentrado a ser utilizado, buscando reduzir o custo de produção, com as mesmas exigências para ganho de g/dia em bovinos zebuínos com 400 quilos (Tabela 5). Com essa simulação verificou-se que para bovinos de raças zebuínas com consumo de matéria seca de 2,2 % em relação ao seu peso vivo, ocorreu maior utilização da silagem de milho, com maior nível energético, e conseqüentemente menor aporte de concentrado resultando em menor custo de produção de arrobas em confinamento, mostrando sua melhor viabilidade econômica em relação a dietas com silagem de milho com níveis médio e baixo de energia, demonstrando assim a importância de se produzir uma silagem de alta qualidade. Vale ressaltar que os custos operacionais para produção de silagem independem da sua qualidade, sendo os mesmos (Tabela 4). Tabela 4 - Composição e preços dos alimentos Composição** e preço dos alimentos concentrados Ingredientes MS (%) NDT (% da MS) PB Degr. PB (% da MS) (% da MS) PDR (% da MS) Ca (% MS) P (% MS) 11 Preço * (R$/kg) Silagem de capim tropical 22,00 54,00 8,00 65,00 5,20 0,56 0,42 0,042

12 Silagem de sorgo 30,00 60,00 7,50 75,00 5,63 0,35 0,21 0,054 Cana-de-açúcar 30,00 58,00 2,50 65,00 1,63 0,23 0,06 0,032 Silagem de milho (baixa energia) 33,00 55,00 7,00 75,00 5,25 0,31 0,22 0,060 Silagem de milho (média energia) 33,00 62,00 7,00 75,00 5,25 0,31 0,22 0,060 Silagem de milho (alta energia) 33,00 69,00 7,00 75,00 5,25 0,31 0,22 0,060 Composição** e preço dos alimentos concentrados Milho, grão 88,00 85,00 9,50 45,00 4,28 0,03 0,30 0,292 Algodão, farelo 91,00 68,50 31,00 56,00 17,36 0,22 0,76 0,230 Uréia + sulfato de amônio 99,00 0,00 260,00 80,00 208,00 0,00 0,00 1,075 Suplemento mineral 100,00 0,00 0,00 0,00 0,00 12,00 8,00 0,900 Polpa cítrica peletizada 91,00 79,00 6,50 65,00 4,23 1,90 0,12 0,175 * Dados obtidos da Scot consultoria (Janeiro/2007) ** Dados adaptados do NRC (1996) Tabela 5 - Comparação entre dietas com silagens de milho com qualidade variável (teores de energia). Variáveis Silagem de milho Baixo Médio Alto Volumoso (kg/animal/dia) 9,553 13,556 19,543 Concentrado (kg/animal/dia) Polpa Cítrica 4,890 3,353 1,012 Farelo de Algodão 1,908 2,006 2,201 Uréia 0,065 0,053 0,030 Mistura Mineral 0,057 0,057 0,057 Total 6,920 5,470 3,300 Relação volumoso:concentrado 34:66 48:52 68:32 PVE (kg) PVE 13,33 13,33 13,33 Custo/cabeça (compra) - (R$/cab) 666,50 666,50 666,50 GPD (g/dia) 0,980 0,986 1,042 PVS (kg) 498,00 498,60 504,2 PVS 17,93 17,95 18,15 Tempo confinado (dias) Custo dia (R$/animal/dia) 1,99 1,97 1,94 Custo total (R$) 199,00 197,00 ganha 4,60 4,62 4,82 Rendimento de carcaça (%) Custo do ganho 43,26 42,64 40,25 Preço vendida (R$) 50,00 50,00 50,00 Recebido por cabeça vendida (R$) 896,50 897,50 907,50 Lucro total (R$) 31,00 34,00 47,00 PVE - Peso Vivo de Entrada; = 30 kg = R$ 50,00 para animais zebuínos. PVS - Peso Vivo de Saída; GPD - Ganho de Peso Diário. *Somente ingredientes da ração. Por outro lado, quando foram simuladas dietas contendo diferentes volumosos suplementares para bovinos, com as mesmas características citadas acima, verificou-se que o menor custo por ganho em arrobas foi quando se utilizou a cana-de-açúcar nas dietas, seguida pela silagem de sorgo, de milho e de capim tropical (Tabela 6). Tabela 6 - Comparação entre dietas com diferentes volumosos Variáveis Silagem de milho** Silagem de sorgo Volumosos Silagem de capim Cana-de-açúcar 12

13 Volumoso (kg/animal/dia) 13,556 13,454 17,114 12,533 Concentrado (kg/animal/dia) Milho Grão Moído 0,000 0,000 1,963 1,368 Polpa Cítrica 3,353 3,898 4,083 3,015 Farelo de Algodão 2,006 1,943 0,000 1,707 Uréia 0,053 0,51 0,197 0,142 Mistura Mineral 0,057 0,058 0,057 0,058 Total 5,470 6,930 6,300 6,290 Relação volumoso:concentrado 34:66 43:57 40:60 40:60 PVE (kg) PVE 13,33 13,33 13,33 13,33 Custo cabeça comprada (R$/cab) 666,50 666,50 666,50 666,50 GPD (g/dia) 0,986 0,983 0,987 0,990 PVS (kg) 498,6 498,3 498,7 499,0 PVS 17,95 17,94 17,95 17,96 Tempo confinado (dias) Custo dia (R$/animal/dia) 1,97 1,96 2,27 1,93 Custo total (R$) 197,00 196,00 227,00 ganha 4,62 4,61 4,62 4,63 Rendimento de carcaça (%) Custo do ganho 42,64 42,52 49,13 41,68 Preço vendida (R$) 50,00 50,00 50,00 50,00 Recebido por cabeça vendida 897,50 897,00 897,50 898,00 (R$) Lucro total (R$) 34,00 34,50 4,00 38,50 PVE - Peso Vivo de Entrada; = 30 kg = R$ 50,00 para animais zebuínos. PVS - Peso Vivo de Saída; GPD - Ganho de Peso Diário. *Somente ingredientes da ração. ** Teor energético médio Observa-se na Tabela 6, que a menor rentabilidade foi obtida quando se utilizou a silagem de capim. Tal resultado, provavelmente, foi devido ao alto custo da silagem (Tabela 4) e do menor aporte de energia fornecida por esta, o que levou a maior utilização de alimentos energéticos (milho e polpa cítrica) na dieta refletindo num maior custo por animal por dia. Dentro deste contexto, a escolha dos alimentos concentrados deve ser avaliada com critério, principalmente do custo/kg de MS e NDT, possibilitando a redução do custo do concentrado e conseqüentemente da arroba produzida. As dietas com elevada proporção de volumosos, normalmente são mais econômicas para terminação de bovinos de corte em confinamento no Brasil, tirando maior proveito da habilidade de animais ruminantes para digestão de fibras. Porém, exige um planejamento do pecuarista no que diz respeito à qualidade do volumoso e a sua produtividade por área para minimizar o custo de produção por arroba. 6. Considerações Finais A combinação apropriada da alimentação, do manejo e do potencial genético dos animais, levando-se em consideração as exigências de mercado e a necessidade de melhorias 13

14 da qualidade da mão-de-obra, resultará em um sistema de produção dinâmico, rentável, sustentável e competitivo. A adoção ou adequação de determinada tecnologia de produção não depende, unicamente, do desejo do pecuarista, mas está intimamente relacionada com as condições socioeconômicas e culturais da região e da sua capacidade em promover investimentos que possam gerar resultados financeiros positivos ao sistema de produção ao longo do tempo. A maior utilização de capital e de tecnologia tem como conseqüência maior probabilidades de lucro, mas, por outro lado, resulta em maior complexidade e aumento de risco, o que por sua vez demanda melhor gestão dos processos produtivos. A adoção desordenada e inoportuna de tecnologias sofisticadas de produção, sem um planejamento consistente da evolução do sistema, compromete a eficiência, a economicidade dos investimentos e, conseqüentemente, a produtividade. Nesse sentido, fica claro que a pecuária deve ajustar-se às novas regras de mercado, pelas quais apenas produzir não basta. É necessário que o pecuarista busque produzir com alta eficiência e com controle dos custos de produção, de forma a tornar a pecuária de corte mais competitiva quanto aos quesitos produtividade e lucratividade. 14

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte?

Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Água: Qual a sua importância para ganho de peso em gado de corte? Animais necessitam de oferta abundante de água limpa para: 1. fermentação ruminal e metabolismo; 2. fluxo de alimentos através do trato

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS SUPLEMENTAÇÃO DE REBANHOS DE CRIA E RECRIA DE BOVINOS DE CORTE EM PASTEJO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos

UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE. Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos UTILIZAÇÃO DA AMIRÉIA NA NUTRIÇÃO DE BOVINOS CORTE Mônica Caldeira (3º ano Zootecnia) Diogo de Oliveira (2º ano Zootecnia) Grupal de Bovinos Introdução Uso de NNP: Fontes convencionais uso humano Diminuir

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Soja. Soja. Soja. Soja. Soja. Concentrados protéicos. Marinaldo Divino Ribeiro. Grãos de soja cru. Grãos de soja cru

Soja. Soja. Soja. Soja. Soja. Concentrados protéicos. Marinaldo Divino Ribeiro. Grãos de soja cru. Grãos de soja cru Concentrados protéicos Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Originária da China Oleaginosa Rica em proteína e de alto valor energético crua possui fatores antiprisina e antiquimiotripsina

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Profª. Valdirene Zabot Zootecnista Brasil: mercado e comercialização LONGO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento

Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento 30 Congresso Paranaense de Estudantes de Zootecnia 28 a 31 de outubro de 2009 Maringá, PR. Aspectos Relacionados à Terminação de Bovinos de Corte em Confinamento Luís Carlos Vinhas Ítavo 1, Camila Celeste

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

(67) 3471-1173 / (67) 9643-1999 e-mail: agro.neri@hotmail.com

(67) 3471-1173 / (67) 9643-1999 e-mail: agro.neri@hotmail.com Inscrição CNPJ.: 18.603.382/0001-03 - Inscrição Estadual: 28.389.383-4 VIABILIDADE DE IRRIGAÇÃO X BOVINOCULTURA DE CORTE A distribuição de água de maneira artificial em pastagens por meio de irrigação

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 BOI DE CICLO CURTO Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU/CONSUPEC adilson@consupec.com.br (034) 3313-8316/(034) 9972-7838 INTRODUÇÃO

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO

MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO MANIPULAÇÃO DE DIETAS EM CONFINAMENTO Flávio Augusto Portela Santos Depto. de Zootecnia ESALQ/USP ABATES ASSISTIDOS: ASSOCON 2006-2007 Total de animais: Machos: Fêmeas: 193.664 cab 177.966 cab 15.698 cab

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

factos e mitos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

factos e mitos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS factos e mitos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS FACTO: Os estudos disponíveis não permitem concluir que o consumo de bebidas refrescantes não alcoólicas (independentemente

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP

1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP TECNOLOGIAS TORTUGA 1954 1966 Nova Fábrica em Santo Amaro -SP 1955 Pioneirismo com as gaiolas individuais em avicultura 1964 Começa a testar boxes de parição de porcas UNIDADE INDUSTRIAL DE MAIRINQUE

Leia mais