"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada"

Transcrição

1 "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar.

2 Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo??

3 Algumas INFORMAÇÕES acerca do nosso assunto: a) MICRO EMPRESAS e EPP; ( SEBRAE) Faturamento até R$ /ano; EMPRESA PEQUENO PORTE: R$ ,00 MEI : R$ ,00 - Decreto (2005).

4 Origem da contabilidade: Ligada a necessidade de registros do comércio. Um escriba egípcio contabilizou os negócios efetuados pelo governo de seu país no ano de 2000 ac.

5 Estudos SEBRAE sobre micro empresas: - A maioria não sobrevivem mais que 4 anos.???...

6 ... - Falta de gerenciamento ou sua inexistência aparecem como umas das principais causas de mortalidade....

7 ... A gestão financeira é um dos grandes problemas enfrentados por micro e pequenos empresários - praticam preços por intuição, sem conhecerem o custo do negócio; - Além disse não possuem referencias para formação de preço de venda, formulação de estratégias de mercado ou para tomada de decisão.

8 ... A participação de micro e pequenas empresas no desenvolvimento social e econômico é cada vez mais significativa, principalmente na criação de novas empresas e também na geração de emprego e renda. - Motivos???

9 * Situação atual: - informação das ultimas compras de um determinado fornecedor? - Informação do produto adquirido de determinado fornecedor? - Qual o valor que pagamos por esse produto? - Qual o custo?

10 * Situação anterior: - Registro de notas fiscais - livro de registro de entradas Livro Diário. - Tempo para saber determinadas informações....

11 ... - Fiscalização? - Calcular o custo de um produto - Formação de preço de venda?

12 - **** QUAL É A DIFERENÇA ENTRE ESSAS DUAS SITUAÇÕES? - você consegue identificar?

13 - Estamos diante da velocidade das informações, o prazo que essas informações são geradas e chegam ao seu destino. - A tecnologia é a grande responsável por gerar essas INFORMAÇÕES

14 ... Hoje as informações são geradas através de programas e enviadas para governo pela internet... e antes? - telefone, fax, computador, programas contábeis, internet... SPEDs

15 PRIMEIRO COMPUTADOR - Criado em Eniac- computador integrador numérico eletrônico -O computador pesava 30 toneladas, media 5,50 m de altura e 25 m de comprimento e ocupava 180 m² de área construída. - e contava com 70 mil resistores e válvulas a vácuo ocupando a área de um ginásio desportivo. - realizava cálculos por segundo. (muito?)

16 Primeiro computador:

17

18

19 A Contabilidade como Instrumento de GESTÃO: Qual é a função da contabilidade para as micros e Empresas de pequeno porte? Como a contabilidade pode auxiliar essas empresas?

20 A Contabilidade como Instrumento de GESTÃO: A contabilidade é um banco de dados, no processamento das informações para fins gerenciais Tem como objetivo (contabilidade), nesse processo, registrar as operações realizadas pelas micro e EPP combinadas com outros fatores facilitam a avaliação dos fatos e a tomada de decisão...

21 - Camargo (2003, p. 53) Defende a manutenção da escrituração por pequenos empresários - A contabilidade é a história, a memória, o arquivo da entidade. Logo não deve e não pode ser eliminada....

22 ... - O micro e pequeno empresário vê-se constantemente obrigados a tomar decisões, quase todas vitais para o sucesso do negócio. - Essas decisões devem ser suportadas por informações corretas que tem na contabilidade, o grande instrumento de auxilio.

23 - Os avanços tecnológicos, aliados com a capacidade de difusão de novas técnicas produtivas, surgem a todo instante e em qualquer lugar. - A utilização de vantagens competitivas e ferramentas estratégicas de gestão suplantarão as administrações que mantiverem-se presas as conceitos ultrapassados...

24 - Então...para a sobrevivência de seus empreendimentos, os microempresários precisam pensar e agir com objetivos definidos, buscando a prosperidade, mesmo que isso os conduza para uma média ou grande empresa do contrário, a microempresa será mais uma na estatística da mortalidade.

25 A FREQUÊNCIA NO USO DE INFORMAÇÕES GERADAS PELA SISTEMA CONTÁBIL: - O percentual não ultrapassa 50% - Existe um a visão deturpada que a contabilidade dessas empresas é quase exclusivamente para atendimento do fisco -... Pode ser ligado ao profissional, baixa freqüência de relatórios (BP e DRE), outras informações contábeis de modo geral....

26 ... Precisamos entender que o papel histórico dos registros contábeis deve ser considerado como muito mais que uma mera obrigação fiscal. - É possível que a obrigatoriedade legal contribua nesse processo (freqüência de relatório), mas não será eficiente se os usuários não estiverem preparados para usar tais informações e não reconhecerem que são relevantes para o futuro da empresa. -...

27 Resolução CFC 1.255/09 (aprovou a NBC TG) Normatiza a Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas - Desde Essa norma é fundamental para a transparência e obriga as empresas enquadradas neste porte, a elaborarem as DC s.

28 - Portanto, cabe a contabilidade fornecer informações (relatórios) relevantes ao micro e pequeno empresário (ou o adminstrador/gestor), na eminência de tomar decisões gerencias e evitar a descontinuidade do negócio. - A contabilidade é essencial para a sobrevivência financeira de uma instituição, pois fornece informações relevantes para o planejamento e avaliações de desempenho dessas empresas....

29 Além de contribuir para o fortalecimento econômico das micro e pequenas empresas junto ao setor, indiretamente, as informações contábeis também fomentam a economia. -...

30 - Com isso, a aplicação de ferramentas contábeis para a gestão contribui para a administração dos empreendimentos, sendo um dos seus instrumentos de controle e planejamento.

31 INSTRUMENTOS CONTÁBEIS DE DECISÃO - A Contabilidade dever ter como características de gerar informações que possam ser úteis a administração tomar decisões, nesse aspecto deve ter ser útil, oportuna, clara, íntegra, relevante, flexível e completa, possibilitando fornecer indicadores de tendências, sendo assim ser possível estar direcionada à gerência do negócio., -...

32 Diversos são as ferramentas contábeis, além das demonstrações, que auxiliam a tomada de decisão. Podemos citar algumas???

33 a) Análise Demonstrações financeiras: Permite uma visão da estratégia e dos planos da empresa analisada a estima seu futuro, suas limitações e suas potencialidades A Finalidade é encontrar pontos fracos e fortes do processo operacional e financeiro; (análise horizontal, vertical e dos indicadores econômico-financeiro) -...

34 b) Orçamento Empresarial: - A empresa necessita planejar, ou seja, tomar decisão anteriormente ao fato. A decisão implica em optar por alternativas. Não deve ser entendido como um instrumento limitador e controlador de gastos, mas como forma de focalizar a atenção nas operações e finanças da empresa, antecipando o problema....

35 c) Margem de Contribuição por produto: - Fornece ao gestor informações para decidir sobre qual linha de produção deve diminuir ou expandir; assim como decidir sobre estratégia de preços, serviços ou produtos e avaliar o desempenho da empresa. Trata-se da diferença entre o preço de venda e os custos e despesas variáveis. Gerencial (Custeio Variável)...

36 d) Análise Ponto de Equilibrio: - É umas das técnicas mais úteis e facilmente aplicáveis da qualidade do desempenho de uma empresa, bem como o planejamento de suas atividades Demonstra, em termos de quantidade, qual o volume que a empresa precisa vender, os custos e despesas fixas e variáveis sejam coberto para que não ocorra prejuízo. -...

37 Além dessas ferramentas ou instrumentos contábeis, há outras demonstrações e ou forma de cálculos de dados econômicos financeiros que são úteis à tomada de decisão; - DFC importância para a sobrevivência financeira da empresa Muitas empresas vão a falência, ou enfrentam problemas de insolvência ou liquidez por não terem administrado adequadamente a projeção de seu fluxo caixa.

38 - Buscamos evidenciar a utilização das ferramentas contábeis pelos micro e pequeno empresários, mostrando a importância da gestão contábil, suas ferramentas de apoio à gestão empresarial. - Não usando a informação contábil, as empresas podem estar perdendo capacidade competitiva.

39 FIM!!

40 OBRIGADO E BOA NOITE A TODOS

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

José dos Santos Dias Danielle Brandão Franco

José dos Santos Dias Danielle Brandão Franco A PERCEPÇÃO DOS MICRO E PEQUENOS EMPRESÁRIOS DE BOA VISTA, RORAIMA, QUANTO À UTILIDADE DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO EMPRESARIAL. José dos Santos Dias Danielle Brandão Franco Fortaleza/CE Setembro/2016

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde Aula 1- Contextualização Prof.: Marcelo Valverde Plano de ensino: Contabilidade de Custo e Gerencial UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de

Leia mais

Organização da Disciplina. Contabilidade Pública. Aula 6. Contextualização. Balanço Orçamentário. Instrumentalização.

Organização da Disciplina. Contabilidade Pública. Aula 6. Contextualização. Balanço Orçamentário. Instrumentalização. Contabilidade Pública Aula 6 Prof. Me. Ely Celia Corbari Organização da Disciplina Conteúdos da aula Análise e interpretação dos demonstrativos contábeis de gestão Contextualização O objetivo da contabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 16. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 16. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 16 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 5 - CUSTEIO VARIÁVEL 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável 5.3

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL Aula 9 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 05 Custeio Variável 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Um dos grandes fatores limitantes ao crescimento e desenvolvimento das micro e pequenas empresas é a falta de conhecimento e do uso de informações gerenciais no negócio.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em IFRS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em IFRS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 27/06/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE INTEGRAL

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CUSTOS PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, FINANCEIRO E ECONÔMICO

FUNDAMENTOS DE CUSTOS PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, FINANCEIRO E ECONÔMICO FUNDAMENTOS DE CUSTOS PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, FINANCEIRO E ECONÔMICO PONTO DE EQUILÍBRIO PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL: Representa a receita total suficiente para cobrir todos os gastos, ou seja,

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras Análise das Demonstrações Financeiras Professora conteudista: Divane A. Silva Sumário Análise das Demonstrações Financeiras Unidade I 1 APRESENTAÇÃO DOS CONCEITOS BÁSICOS E IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA...1

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

RESULTADO DO 3º TRIMESTRE DE 2014

RESULTADO DO 3º TRIMESTRE DE 2014 RESULTADO DO 3º TRIMESTRE DE 2014 Receita bruta cresce Receita bruta atinge Margem EBITDA atinge 11,7% R$800,7 MM 17,7% Dickson Esteves Tangerino Presidente Octávio Fernandes Vice-Presidente de Operações

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

CONTABILIDADE PARA CONCURSOS PÚBLICOS QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS

CONTABILIDADE PARA CONCURSOS PÚBLICOS QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS DESCRICAO_AREA DESCRICAO_TITULO ANO_EDICAO QTDTOMBO MICROSOFT PRESS DICIONÁRIO DE INFORMÁTICA.998 2 ORÇAMEMTO PÚBLICO 2.003 5 LEGISLAÇÃO DA PROFISSÃO CONTÁBIL 2.003 3 MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

Leia mais

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa FEA - USP Graduação Ciências Contábeis EAC0511 Profa. Joanília Cia Tema 07 Decisões de Investimento e Orçamento de Capital 7. Decisões Estratégicas de Investimentos:Orçamento de Capital 1. Introdução II.

Leia mais

Gestão Integrada de Custos e Orçamentos Objetivos Gerais: A Gestão Integrada de Custos e Orçamentos permite detetar e eliminar desperdícios e otimiza ações estratégicas para o controle de gastos. Ao adotar

Leia mais

ANEXO 9.B. Análise Gráfica do Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-BP)

ANEXO 9.B. Análise Gráfica do Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-BP) ANEXO 9.B Análise Gráfica do Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-BP) A apresentação gráfica desse modelo de macroeconomia aberta com concepção keynesiana ajuda a entender passo-a-passo as dezesseis situações

Leia mais

DECLARAÇÃO SIMPLIFICADA DA PESSOA JURÍDICA SIMPLES. DEMONSTRATIVO DA RECEITA BRUTA E DO SIMPLES A PAGAR (Valores Expressos em Reais)

DECLARAÇÃO SIMPLIFICADA DA PESSOA JURÍDICA SIMPLES. DEMONSTRATIVO DA RECEITA BRUTA E DO SIMPLES A PAGAR (Valores Expressos em Reais) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO SIMPLIFICADA DA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SIMPLIFICADA DA PESSOA JURÍDICA 2008 - SIMPLES CNPJ: 03.494.215/0001-02

Leia mais

Portal da Transparência do Poder Executivo

Portal da Transparência do Poder Executivo Portal da Transparência do Poder Executivo transparencia.sc.gov.br Graziela Luiza Meincheim Diretora de Contabilidade Geral Florianópolis, 7 de julho de 2016 MARCOS LEGAIS 2011 2000 Lei de Responsabilidade

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

II CONGRESSO DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO A NORMA DE CUSTOS DO CFC DESAFIOS E OPORTUNIDADES

II CONGRESSO DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO A NORMA DE CUSTOS DO CFC DESAFIOS E OPORTUNIDADES II CONGRESSO DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO A NORMA DE CUSTOS DO CFC DESAFIOS E OPORTUNIDADES Prof. L.D. Lino Martins da Silva Blog: http://linomartins.wordpress.com/ E-mail: lino.martins@gmail.com

Leia mais

ProvaFácil. Manual para Uso do Aplicativo Elaborador de Provas do

ProvaFácil. Manual para Uso do Aplicativo Elaborador de Provas do ProvaFácil Manual para Uso do Aplicativo Elaborador de Provas do www.minhasaulas.com.br APRESENTAÇÃO O ProvaFácil é o aplicativo elaborador de provas do portal www.minhasaulas.com.br e permite que professores

Leia mais

ATIVIDADE. 142 capítulo 4 (%) FAT. REGIÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN

ATIVIDADE. 142 capítulo 4 (%) FAT. REGIÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN positivo. Os fluxos incrementais líquidos descontados gerarão um ganho extra de $50.202,28, além da TMA, que foi estipulada em 35% ao ano. Suponha que a organização, ao analisar tal projeto, tivesse adotado

Leia mais

Lista de exercícios 6 Circuitos

Lista de exercícios 6 Circuitos Lista de exercícios 6 Circuitos 1. Um fio com uma resistência de 5,0 Ω é ligado a uma bateria cuja força eletromotriz é 2,0 V e cuja resistência interna é 1,0 Ω. Em 2 minutos, qual é: a) a energia química

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO C U R S O D E C I Ê N C I A S C O N T Á B E I S Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Código: CNB Pré-Requisito: Período Letivo:

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33 SUMÁRIO Prefácio, xv Parte I Fundamentos de Finanças, 1 1 Introdução às Finanças Corporativas, 2 1.1 Como evoluíram as finanças das empresas, 4 1.2 As novas responsabilidades da administração financeira,

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Medindo Resultados Medir o desempenho da empresa é fundamental para o sucesso e a boa gestão. Não se trata apenas de uma boa prática gerencial,

Leia mais

AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E SUA APLICAÇÃO AMANDA DE LIMA GOMES

AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E SUA APLICAÇÃO AMANDA DE LIMA GOMES AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E SUA APLICAÇÃO AMANDA DE LIMA GOMES Definição Ponto de Equilíbrio: mostra o nível de atividade ou o volume operacional, quando a receita total das vendas

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 ENCERRAMENTO DO MANDATO EXERCÍCIO DE 2016 RESTRIÇÕES DA LRF LC 101/2000 CRISE FINANCEIRA RESTRIÇÕES ELEITORAIS Lei 9504/97

Leia mais

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame Fundamentos da Gestão do Capital de Giro Paulo Diogo Remo Willame Finanças Empresarial: Âmbito Macro Macroeconomia Fluxos Internacionais de Capitais Sistemas Financeiros Mercados de Capitais Âmbito Micro

Leia mais

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006)

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006) Modelo Keynesiano 1. (APO) Considere as seguintes informações: Y = 1000 C = 600 I = 300 G = 100 X = 50 M = 50 onde Y = produto agregado; C = consumo agregado; I = investimento agregado; G = gastos do governo;

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO

SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO SIMULADOR A ferramenta do Contador. Qual é o melhor regime para sua empresa? SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO Acesse nosso ebook http://www.etecnico.com.br/ https://www.facebook.com/mapaetecnicofiscal

Leia mais

Análise da Gestão Financeira nas Micro e Pequenas Empresas de Osasco. Analysis of Financial Management in Micro and Small Enterprises Osasco

Análise da Gestão Financeira nas Micro e Pequenas Empresas de Osasco. Analysis of Financial Management in Micro and Small Enterprises Osasco Análise da Gestão Financeira nas Micro e Pequenas Empresas de Osasco Analysis of Financial Management in Micro and Small Enterprises Osasco Recebido: 05/05/2015 Aprovado: 05/06/2015 Publicado: 27/06/2015

Leia mais

Procedimentos Atualização: ***** 1-ANTES DE ADAPTAR ***** Alterar grupos contas contábeis (tabela Grupo_da_contabp) os seguintes grupos:

Procedimentos Atualização: ***** 1-ANTES DE ADAPTAR ***** Alterar grupos contas contábeis (tabela Grupo_da_contabp) os seguintes grupos: Projeto/Versão/Release: IS2 GERENT / EVOLUTION / 21 Data Release: 02/12/2014 Procedimentos Atualização: ***** 1-ANTES DE ADAPTAR ***** Alterar grupos contas contábeis (tabela Grupo_da_contabp) os seguintes

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS 1

FLUXO DE CAIXA PARA ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS 1 FLUXO DE CAIXA PARA ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS 1 Ivanildo Scheuer 2, Lauri Basso 3, Marcelo Luis Didoné 4. 1 Projeto de Extensão Assessoria em Gestão Empresarial e Serviços de Contabilidade para Entidades

Leia mais

SISTEMA DE SERVIÇO DE PRECIFICAÇÃO E ORIENTAÇÃO CONTÁBIL SSPOC. PALAVRAS-CHAVE: Engenharia de Software, precificação, markup.

SISTEMA DE SERVIÇO DE PRECIFICAÇÃO E ORIENTAÇÃO CONTÁBIL SSPOC. PALAVRAS-CHAVE: Engenharia de Software, precificação, markup. SISTEMA DE SERVIÇO DE PRECIFICAÇÃO E ORIENTAÇÃO CONTÁBIL SSPOC PEREIRA, Francisco Carlos de Lima Pereira. 1* ; SILVA. Wender Antônio da. 2 ; RUFINO, Marta Cacilda de Carvalho. 3 1 * fpcarlos@uerr.edu.br

Leia mais

FEUP - MIEIC FÍSICA I - EIC /2009

FEUP - MIEIC FÍSICA I - EIC /2009 FEUP - MIEIC FÍSICA I - EIC0010-2008/2009 NOME: LOG-IN FEUP: Exame final 30 de Junho de 2009 Duração: Duas horas. Com consulta de formulário. Pode usar calculadora, mas apenas para fazer contas e nunca

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

Pesquisa. O Impacto do SIMPLES nas Micro e Pequenas Empresas

Pesquisa. O Impacto do SIMPLES nas Micro e Pequenas Empresas Pesquisa O Impacto do SIMPLES nas Micro e Pequenas Empresas MARÇO DE 2015 2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A reprodução não autorizada

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo abordar mais alguns índices importantes para a análise das demonstrações financeiras. Indicadores

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 2º trimestre/2013 Julho 2013 Objetivo Aferir, por meio de um índice, as expectativas dos empresários das empresas de micro e

Leia mais

Etapa 2: Tenha disciplina e cheque as contas com cuidado

Etapa 2: Tenha disciplina e cheque as contas com cuidado Este conteúdo faz parte da série: Orçamento Ver 3 posts dessa série Quando temos uma empresa sob nossa responsabilidade, nos sentimos entusiasmados em poder elaborar projetos, desenvolver produtos, gerir

Leia mais

Exercício de Acompanhamento Orçamento Empresarial

Exercício de Acompanhamento Orçamento Empresarial Exercício de Acompanhamento Orçamento Empresarial Vamos preparar um orçamento para uma sorveteria de alta qualidade que usa apenas ingredientes naturais, oferecendo sabores exóticos. Seu negócio é muito

Leia mais

Faça a projeção do seu orçamento de receitas e

Faça a projeção do seu orçamento de receitas e Este conteúdo faz parte da série: Orçamento Ver 3 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O que é orçamento empresarial Faça a projeção do seu orçamento de receitas e despesas Acompanhe os resultados

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL E OS REFLEXOS DA LEI

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL E OS REFLEXOS DA LEI ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL E OS REFLEXOS DA LEI 12.973 Apresentador: Gerson Diehl, Contador, Empresário Contábil, Membro da Comissão de Organizações Contábeis do CRCRS. 20-03-2015 Sumário IFRS Fim do

Leia mais

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS 1 CONCEITO Os Bens Patrimoniais, devido ao uso e pelo desgaste natural

Leia mais

Seminário. Relatórios Gerenciais - Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas. Outubro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Seminário. Relatórios Gerenciais - Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas. Outubro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O QUE VEREMOS A SEGUIR: Balanço Patrimonial; NBC T 3-2; Demonstração do Resultado do Exercício (DRE); NBC T 3-3; Demonstração das Mutações

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 15: Avaliação de empresas: diagnóstico empresarial Este trecho de nossa análise focaliza uma série de situações típicas que envolvem as organizações nos seus aspectos econômico-financeiros.

Leia mais

Quando falamos de finanças, se tem uma coisa que não dá para fugir são os pagamentos. Podemos dividir essa área de contas a pagar em 2 tipos:

Quando falamos de finanças, se tem uma coisa que não dá para fugir são os pagamentos. Podemos dividir essa área de contas a pagar em 2 tipos: A área financeira é uma das partes mais importantes de qualquer negócio. Digo isso porque nenhuma empresa sobrevive sem um fluxo de caixa positivo por muito tempo. A equação é simples, se você tem mais

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

Catalogo de requisitos - Processo Seletivo

Catalogo de requisitos - Processo Seletivo Catalogo de requisitos - Processo Seletivo 006-01-2016 Marketing (para a Habilitação ) - Ênfase em Análise de Sistemas - Habilitação em - Habilitação em Geral - Habilitação em Finanças e Controladoria

Leia mais

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior.

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior. Física 01. Uma haste de comprimento L e massa m uniformemente distribuída repousa sobre dois apoios localizados em suas extremidades. Um bloco de massa m uniformemente distribuída encontra-se sobre a barra

Leia mais

ANÁLISE DOS PRAZOS MÉDIOS DE COMPRA E VENDA E O IMPACTO NO FLUXO DE CAIXA EMPRESARIAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE.

ANÁLISE DOS PRAZOS MÉDIOS DE COMPRA E VENDA E O IMPACTO NO FLUXO DE CAIXA EMPRESARIAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE. ANÁLISE DOS PRAZOS MÉDIOS DE COMPRA E VENDA E O IMPACTO NO FLUXO DE CAIXA EMPRESARIAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE. RESUMO Iago Moscardi CONDE 1 Luciano Conde ABOLIS 2 William Santana

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Certificado de Registro Cadastral - CRC (Instituído pelo art. 34 da Lei 8.666, de 1993 e regulamentado pelo art. 1 do Decreto n 3.722, de 2001) CNPJ / CPF: 02.037.069/0001-15 Razão Social / Nome: G REFRIGERACAO

Leia mais

PASSO-A-PASSO ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

PASSO-A-PASSO ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PASSO-A-PASSO ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Atualização: Março/2017 Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física para o Microempreendedor Individual

Leia mais

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA GESTOR EMPRESARIAL SETOR DE SERVIÇOS GESTOR DE PROJETOS SETOR DE SERVIÇOS CURSO

Leia mais

Sumário. Apresentação, xiii Prefácio, xv Introdução, 1

Sumário. Apresentação, xiii Prefácio, xv Introdução, 1 Apresentação, xiii Prefácio, xv Introdução, 1 1 Conceitos básicos para desenvolvimento e implantação de custos, 3 1.1 Relação dos custos com o lucro, 4 1.2 Contabilidade de custos, 4 1.3 Sistema de informações

Leia mais

SSC570 - Empreendedorismo Profa. Ellen Francine ICMC/USP

SSC570 - Empreendedorismo Profa. Ellen Francine ICMC/USP SSC570 - Empreendedorismo Profa. Ellen Francine ICMC/USP 1 O sucesso de um empreendimento depende muito da capacidade de se administrar financeiramente o negócio. O acompanhamento sistemático das finanças

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com Orçamento de Aquisição de Matéria-Prima O orçamento de aquisição

Leia mais

EAE-206 Teoria Macroeconômica I Prof. Márcio I. Nakane Lista de Exercícios 4 Mercado de trabalho e AS AD. 1. Blanchard, cap.

EAE-206 Teoria Macroeconômica I Prof. Márcio I. Nakane Lista de Exercícios 4 Mercado de trabalho e AS AD. 1. Blanchard, cap. EAE-206 Teoria Macroeconômica I Prof. Márcio I. Nakane Lista de Exercícios 4 Mercado de trabalho e AS AD 1. Blanchard, cap. 7, exercício 2 Choques de gastos e o médio prazo Suponha que a economia começa

Leia mais

Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR. junho de 2017

Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR. junho de 2017 Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR junho de 2017 Sondagem conjuntural dos pequenos negócios Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Conhecer as expectativas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: DR JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: Jales/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added)

AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added) AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added) Metodologia para avaliar resultados ou investimentos? EVAs positivos significam desempenho superior? O que fazer para aumentar o EVA? Francisco

Leia mais

SOBRE A CONTRATAÇÃO TERCEIRIZADA DE SERVIÇOS:

SOBRE A CONTRATAÇÃO TERCEIRIZADA DE SERVIÇOS: ÁREA: Ciências Contábeis ANÁLISE SOBRE A CONTRATAÇÃO TERCEIRIZADA DE SERVIÇOS: Estudo no Município de Boa Esperança Pr. CARBONERA, Fabio Luis 1 SANTOS, Adriane Oliveira 2 STELA, Éder Rogério 3 Introdução

Leia mais

Nome do aluno: Nota:

Nome do aluno: Nota: CAMPUS NOVA CRUZ PROCESSO SELETIVO PARA TUTORIA DE APRENDIZAGEM EM LABORATÓRIO TAL ETAPA 1 PROVA ESCRITA DISCIPLINA: CONTABILIDADE DATA: 15/02/2013 HORÁRIO 10:30h.às 12:00h. Nome do aluno: Nota: QUESITO

Leia mais

Unidade I ANÁLISE DE BALANÇOS. Profa. Divane Silva

Unidade I ANÁLISE DE BALANÇOS. Profa. Divane Silva ANÁLISE DE BALANÇOS Profa. Divane Silva Dividida em duas Unidades: 1. Introdução 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis 3. Objetivos da Análise 4. Técnicas de Análises 5. Análises Vertical e Horizontal

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Objetivo: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Analise de Balanços: Estudo da situação patrimonial da entidade, através da decomposição, comparação e interpretação do

Leia mais

Comissão de Estudos do. Terceiro Setor

Comissão de Estudos do. Terceiro Setor Comissão de Estudos do Terceiro Setor Breve histórico Instituída em 2010. Iniciou com 7 componentes, atualmente são 11. São realizadas reuniões mensais. Objetivos da Comissão Orientar os profissionais

Leia mais

por Aleksander Avalca

por Aleksander Avalca por Aleksander Avalca O Gestor se preocupa com o financeiro normalmente quando......o saldo negativo na conta bancária aparece. Mas isso é apenas a consequência. Onde estão as causas? As causas estão na

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

AS MELHORES CAPACITAÇÕES COM DE MERCADO.

AS MELHORES CAPACITAÇÕES COM DE MERCADO. Regional Metrop. Aparecida de Goiânia Agenda Set/Dez AS MELHORES CAPACITAÇÕES COM os MENORES PREÇOS DE MERCADO. Aparecida de Goiânia. Caldazinha VEJA QUAL SUA CATEGORIA EMPRESARIAL Microempreendedor Individual

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais

AS AÇÕES DO SEBRAE PARA A CADEIA DA CONSTRUÇÃO EM GOIÁS. COMAT- Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade

AS AÇÕES DO SEBRAE PARA A CADEIA DA CONSTRUÇÃO EM GOIÁS. COMAT- Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade AS AÇÕES DO SEBRAE PARA A CADEIA DA CONSTRUÇÃO EM GOIÁS COMAT- Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade Goiânia 23/maio/2014 PROJETO DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PÚBLICO ALVO

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Ostanel - USP MBA_FAAP_ BP S/A 1 - Exercício 2009(1)

Ostanel - USP MBA_FAAP_ BP S/A 1 - Exercício 2009(1) 11-Quadro de Estrutura Decisões 2009/1 Criação Aumento Capital 1 500 000 Dividendos Distribuídos Empréstimo 1: Montante Empréstimo 1 : Duração Empréstimo 1: Juros Empréstimo 2: Montante Empréstimo 2: Duração

Leia mais

GRADE HORÁRIA 2º SEMESTRE DE 2016

GRADE HORÁRIA 2º SEMESTRE DE 2016 ADMINISTRAÇÃO 1º PERÍODO # TURNO Noite # Metodologia do Matemática Matemática I Trabalho Científico I I Matemática Metodologia do Trabalho Científico Matemática I Economia Português Instrumental Projeto

Leia mais

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho pedro.carvalho@fmu.br Finanças para Empreendedores Prof. Simulação de um orçamento para o fornecimento de materiais e serviços para uma rede LAN, em uma empresa.

Leia mais

Gestão de Custos. Conceitos Básicos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Contextualização. Prof. Me.

Gestão de Custos. Conceitos Básicos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Contextualização. Prof. Me. Gestão de Custos Aula 1 Conceitos Básicos Prof. Me. Ernani João Silva Organização da Disciplina Aula 1 Elementos conceituais básicos Aula 2 de custo Aula 3 Avaliação dos custos Aula 04 Mensuração dos custos/custeios

Leia mais

Sugestões de aprimoramento na Lei do Bem

Sugestões de aprimoramento na Lei do Bem Sugestões de aprimoramento na Lei do Bem Luiz Eugênio Mello Vice-presidente da Anpei, 10 de abril de 2017 1) Possibilidade de utilização do incentivo em situação de prejuízo fiscal 1) Possibilidade de

Leia mais

Lista Básica Aulas 22 e 23 Frente 3

Lista Básica Aulas 22 e 23 Frente 3 TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Considere os dados abaixo para resolver a(s) questão(ões), quando for necessário. Constantes físicas Aceleração da gravidade próximo à superfície da Terra: Aceleração da gravidade

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Orçamento dos Custos. Indiretos de Fabricação. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento dos Custos. Indiretos de Fabricação. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento dos Custos Indiretos de Fabricação Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento dos CIFs Conceito: É o orçamento que relaciona todos os gastos (custos e despesas) de fabricação ocorridos

Leia mais