Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013"

Transcrição

1 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

2 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para ovinos Poucas divisões para categorias e fases NRC 2007 Exigências nutricionais para ovinos e caprinos Mais categorias, com subdivisões;

3 DIVISÕES DAS TABELAS RAÇA: LÃ, CARNE, LEITE CATEGORIA: Ovelhas (Mature Ewes) Reprodutores (Rams) Animais em Crescimento (Growing Lambs and Yearlings / Growing Rams)

4 DIVISÕES DAS TABELAS FASES: Ovelhas: Mantença Reprodução Gestação (Início e Final) Lactação (Início, Metade e Final) Reprodutores Mantença Reprodução Animais em Crescimento Divisão por GMD e grau de maturidade

5 Manejo nutricional por categorias -ovelhas em reprodução; -ovelhas em gestação; -ovelhas em lactação; -carneiros; -fêmeas de reposição; -cordeiros em crescimento;

6 Peso Vivo (PV) Ovelha Mudan ça no PV Ovelha Nutrientes/ovelha NRC 1985 Energia Proteína Bruta MS/ ovelha NDT ED EM Ca P (kg) (g) (kg) (%PV) (kg) (Mcal) (Mcal) (g) (g) (g) Manutenção ,1 1,8 0,61 2,7 2, ,3 2,1 Flushing ,7 2,8 1,00 4,4 3, ,5 2,9 Primeiras 15 semanas de gestação ,3 2,2 0,72 3,2 2, ,2 2,5 Últimas 4 semanas de gestação ou final da lactação com 1 cordeiro (45) 1,7 2,8 1,00 4,4 3, ,0 5,2 Primeiras 6-8 semanas de lactação com 1 cordeiro ou final da lactação com gêmeos 60-25(90) 2,3 3,8 1,50 6,6 5, ,1 6,6 Primeiras 6-8 semanas de lactação com gêmeos ,6 4,3 1,69 7,4 6, ,7 7,7

7 Método de utilização Modelo da Tabela para Ovelhas em Mantença PV (kg) Mudança IMS Energia Proteína (g) no PV (g/d) kg % PV NDT (kg) EM 60% 40 0,77 1,93 0,41 1, ,91 1,83 0,49 1, ,05 1,75 0,56 2, ,18 1,68 0,62 2, ,30 1,63 0,69 2, ,42 1,58 0,75 2, ,54 1,54 0,82 2, ,76 1,47 0,94 3, ,98 1,41 1,05 3, Fonte: NRC (2007)

8 OVELHAS EM REPRODUÇÃO FLUSHING efeito dinâmico 2-3 Semanas antes até 3 semanas após início acasalamento: ganho de peso g/dia Ovelhas com ECC < 2,5 Melhoria fertilidade, aumento de 2% na txa ovulatória para cada kg de aumento da ovelha em monta; aumenta % gestações gemelares Pode-se suplementar com forragem conservada ou concentrados

9 OVELHAS GESTANTES GESTAÇÃO INICIAL (1-105º DIA) Necessidades próximas da mantença: crescimento fetal pequeno (feto: 25-30% do seu peso ao nascer)

10 Peso do(s) feto(s) (kg) DESENVOLVIMENTO FETAL EM OVINOS

11 OVELHAS GESTANTES GESTAÇÃO TERÇO FINAL ( º DIA) Período crítico da gestação; cuidado com parasitoses; Peso do feto 70-75% do peso ao nascer; Redução da capacidade ingestiva; Pastagens + suplementação - ração 14-16%PB ou dieta total.

12 OVELHAS LACTANTES LACTAÇÃO (primeiras 6 a 8 semanas) Período mais crítico das ovelhas; cuidados com parasitoses; Produção de 70% do volume total do leite. Pico de leite ocorre na 3-4ª semana. A partir da 8 semana, a produção se reduz; Até 3ª - 4ª semana: cordeiro totalmente dependente do leite materno; Pastagens + suplementação - ração 14-16%PB ou dieta total.

13 CURVA DE LACTAÇÃO

14 OVELHAS APÓS DESMAME Manter ganho de g/dia; Favorecer a recuperação da fêmea à próxima gestação; Não prejudicar a qualidade da lã, principalmente para ovelhas destinadas à produção de lã.

15 ALTERAÇÃO NO PESO CORPORAL DA OVELHA EM DIFERENTES FASES 13,5 Parição Parição 9,0 4,5 73,0 Perda de peso no parto Acasalamento GESTAÇÃO ,5 LACTAÇÃO PERÍODO SECO - 9,0 Desmame MÊS

16 ESCORE DE CONDIÇÃO CORPORAL DE OVELHAS Fase ECC indicado Estação de monta (2,5) 3,0 Gestação (fase I) 2,5-3,0 Gestação (fase II) 3,0-4,0 Ao parto simples 3,0-3,5 Ao parto múltiplo 3,5-4,0 Ao desmame maior/igual a 2,0 Fonte: adaptado de Thompson e Meyer (1998) e Baertsche (1988)

17 Planejamento Forrageiro = adequar Suprimento e Demanda

18 Kg de MS/ovelha/dia Demanda alimentar de uma ovelha 3 Cobertura de Forragem mínimo 1200 kg MS/ha 2,5 2 1,5 1 0,5 0 encarneiramento Cobertura de Forragem mínimo 800 kg MS/ha Meses do ano parição

19 PLANEJAMENTO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE CORDEIROS Monta Parição jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0

20 PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ALIMENTAR J F M A M J J A S O N D Aruana Pastagem de inverno / feno/silagem Concentrado??$$

21 Ovelhas de parições simples ou duplas: necessidade ingestão pasto NECESSIDADE DE INGESTÃO (kg MS/ovelha/dia) OFERTA DE FORRAGEM (kg de MS /ovelha/dia) Ovelhas em monta 1,5 a 2,0 4,5 a 5,0 Mantença 1 a 1,5 3 a 4,5 Final de gestação 1,5 a 2,5 4 a 8 Lactação, simples 2,3 a 2,7 6 a 8 Lactação, duplo 3,2 a 3,5 8

22 CARNEIROS Fora da Estação de Monta: Pastagem e suplemento mineral. Na estação de monta: flushing Pastagem e suplemento para leve ganho (50 80 g/dia); Cuidar com o excesso de P e Cu.

23 CORDEIROS Máximo possível de ganho de peso Depósitos corporais de proteína e gordura TAXA ÓTIMA DE GANHO - decisão de ordem econômica: custo da alimentação produto final desejado retorno do capital investido

24 Grau de Maturidade Maturidade Idade 4 meses 8 meses Tardio 30% PV adulto 40% PV adulto Precoce 60% PV adulto 80% PV adulto * Determinadas de acordo com padrão genético

25 Modelo da Tabela para Animais em Crescimento (Cordeiros - 4 meses de idade e 30% de maturidade) PV (kg) Mudança IMS Energia Proteína (g) no PV (g/d) kg % PV NDT (kg) EM 60% ,57 2,86 0,30 1, ,78 3,91 0,41 1, ,59 2,97 0,39 1, ,61 3,04 0,48 1, ,05 3,51 0,56 2, ,76 2,53 0,50 1, ,88 2,93 0,58 2, ,12 3,72 0,74 2, ,32 3,31 0,70 2, ,54 3,84 0,82 2, ,16 2,91 0,77 2, ,40 3,51 0,93 3, Fonte: NRC (2007)

26 SISTEMAS DE TERMINAÇÃO TERMINAÇÃO SEM DESMAME Mãe + cria na pastagem Amamentação controlada Mãe + cria no confinamento Suplementação cria ou não Com ou sem creep feeding Suplementação Mãe ou não Creep Feeding Creep Grazing

27 SISTEMAS DE TERMINAÇÃO Terminação com desmame Fase I com ou sem Creep Feeding Creep Grazing Fase II Terminação em pastagem ou Confinamento Mãe na Pastagem ou Confinada

28 cordeiros desmamados (15 a 40 kg PV) exigência 500 a 1500 g MS/cordeiro/dia Oferta de forragem 1,5 a 3,0 kg MS/cordeiro/dia

29 FÊMEAS DE REPOSIÇÃO (Do nascimento à parição - 12 meses) PERÍODO PESO NDT PB CONCENTRADO VOLUMOSO FINAL (%) (%) (%) (%) Até desmame , Cresc. Inicial , Cresc. Final , Início Gestação , Final Gestação , Fonte: Adaptado de CHAPPELL (1993)

30 PASTAGENS PARA OVINOS

31 Hábito de pastejo

32

33

34 Desempenho de cordeiros em pastagens de azevém manejada em diferentes alturas (Carvalho et al., 2001) GMD G (kg ha -1 ) G/ha GMD (g.dia -1 ) Altura da pastagem (cm)

35

36 NÚMERO DE LARVAS/m 2 Número de Larvas/m 2 Aveia Azevém Estrato superior Estrato inferior total adaptado de Gazda et al. (no prelo) Gazda et al. (2009)

37 COBERTURA DE FORRAGEM Fêmeas em lactação e cordeiros Cobertura mínima de forragem (mínimo 1200 kg MS/ha cm) Fêmeas secas ou início gestação Cobertura mínima de forragem (800kg MS/ha cm)

38

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

file://e:\arquivos\ovinocap\5.htm

file://e:\arquivos\ovinocap\5.htm Page 1 of 8 Produção De Ovinos Evandro Neves Muniz e Silvio Aragão Almeida Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Av. Beira Mar, 3250. CEP 49025-040. Aracaju - SE. www.cpatc.embrapa.br evandro@cpatc.embrapa.br

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica Beef Expo 15 de junho de 2016 São Paulo, SP Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica João Marcos Beltrame Benatti Supervisor de Treinamento Técnico Trouw

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS PARA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE NO OUTONO: REDUÇÃO DA SAZONALIDADE DE PRODUÇÃO ASSOCIADO À SUSTENTABILIDADE

SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS PARA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE NO OUTONO: REDUÇÃO DA SAZONALIDADE DE PRODUÇÃO ASSOCIADO À SUSTENTABILIDADE SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS PARA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE NO OUTONO: REDUÇÃO DA SAZONALIDADE DE PRODUÇÃO ASSOCIADO À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA A pequena escala de produção de

Leia mais

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação CABRAS GESTANTES Primeira fase (fase inicial): da cobertura até o terceiro mês de gestação:

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 INSTALAÇÕES PARA OVINOS Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 Temperaturas e ZCT Cordeiros TCI 6oC ; TCS 34oC ; ZCT 25 a 30oC (Baêta e Souza,1997) Ovinos adultos TCI -20

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante Data: Agosto/2001 MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II Nutrição da matriz gestante O princípio geral para um programa nutricional de matrizes suínas bem sucedido, basea-se na premissa

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

OVINOCULTURA TROPICAL ESTRATÉGIAS APLICADAS À PRODUÇÃO COMERCIAL

OVINOCULTURA TROPICAL ESTRATÉGIAS APLICADAS À PRODUÇÃO COMERCIAL OVINOCULTURA TROPICAL ESTRATÉGIAS APLICADAS À PRODUÇÃO COMERCIAL SARITA BONAGURIO GALLO 1 1 Pesquisadora científica da APTA Regional, Pólo Regional do Noroeste Paulista, CP 61, CEP 15.500-000, Votuporanga

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA PROVAS PÚBLICAS PARA PROF. ADJUNTO ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA Carlos S. C. Rebello de Andrade ESACB 1996 INTRODUÇÃO A alimentação

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto

Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto Marco Aurélio Delmondes Bomfim (1), Nelson Nogueira Barros (1) (1) Embrapa Caprinos, mabomfim@cnpc.embrapa.br Introdução Nos últimos anos tem-se observado

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Nutrição, produtividade e rentabilidade econômica na caprinoovinocultura

Nutrição, produtividade e rentabilidade econômica na caprinoovinocultura Nutrição, produtividade e rentabilidade econômica na caprinoovinocultura Gabriel Jorge Carneiro de Oliveira 1 Soraya Maria Palma Luz Jaeger 1 Ronaldo Lopes de Oliveira 2 Jair de Araújo Marques 1 Adriana

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

"Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil. Homero De Boni Júnior

Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil. Homero De Boni Júnior "Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil Homero De Boni Júnior "Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil Apresentação PGW Sementes Estudo de casos Uruguay Planejamento Alimentar para Terminação

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DA OVELHA RECOMENDAÇÕES PARA UMA PARIÇÃO A CADA 8 MESES

MANEJO REPRODUTIVO DA OVELHA RECOMENDAÇÕES PARA UMA PARIÇÃO A CADA 8 MESES MANEJO REPRODUTIVO DA OVELHA RECOMENDAÇÕES PARA UMA PARIÇÃO A CADA 8 MESES RUI DE CASTRO PILAR 1 JUAN RAMÓN O. PÉREZ 2 CRISTIANE LEAL DOS SANTOS 3 1. INTRODUÇÃO A eficiência produtiva de um rebanho ovino

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 BOI DE CICLO CURTO Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU/CONSUPEC adilson@consupec.com.br (034) 3313-8316/(034) 9972-7838 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE OVELHAS

MANEJO ALIMENTAR DE OVELHAS MANEJO ALIMENTAR DE OVELHAS Juan Ramon Olalquiaga Perez 1 Luciana Castro Geraseev 2 Fábio Arantes Quintão 3 1 INTRODUÇÃO As condições econômicas, climáticas e agrostológicas do Brasil oferecem condições

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTO

PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTO PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTO Flávio A. Portela Santos Departamento de Zootecnia ESALQ/USP fapsantos@usp.br 554 milhões ha de vegetação nativa = 65% ÁREAS URBANAS 38 milhões ha RESERVAS INDÍGENAS 103.5 AGRICULTURA

Leia mais

Manejo reprodutivo I. Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc.

Manejo reprodutivo I. Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc. Manejo reprodutivo I Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc. MNEJO REPRODUTIVO Escolha do macho Escolha da fêmea Flushing Efeito macho Seleção Melhoramento MNEJO REPRODUTIVO Exame andrológicos

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

Pastagem para ovinos e caprinos

Pastagem para ovinos e caprinos Pastagem para ovinos e caprinos Hábitos alimentares Classes Ruminante Não ruminante Selecionadores de concentrado, frutos e folhas Brotos e folhas de árvores e arbustos (baixa fibra) Consumidores intermediários

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA. Gene Boorola. Edgard G. Malaguez Rafael Assunção

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA. Gene Boorola. Edgard G. Malaguez Rafael Assunção MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA Gene Boorola Edgard G. Malaguez Rafael Assunção Ovelha Booroola? É uma mutação genética que tem na característica

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I PRODUÇÃO DE BOVINOS EM PASTAGENS NO BRASIL Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini Zootecnia UNESP/Dracena

Leia mais

Alimentação de caprinos

Alimentação de caprinos Alimentação de Caprinos vcadavez@ipb.pt Conservação de habitats com recurso a caprinos Outline 1 Denição comportamental dos caprinos 2 3 4 5 Denição comportamental dos caprinos Os caprinos são ruminantes

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

ESTAÇÃO DE MONTA: POR QUE INVESTIR? EDSON RAMOS DE SIQUEIRA FMVZ / UNESP Botucatu- SP

ESTAÇÃO DE MONTA: POR QUE INVESTIR? EDSON RAMOS DE SIQUEIRA FMVZ / UNESP Botucatu- SP ESTAÇÃO DE MONTA: POR QUE INVESTIR? EDSON RAMOS DE SIQUEIRA FMVZ / UNESP Botucatu- SP OBTENÇÃO DE ALTOS ÍNDICES REPRODUTIVOS (OWEN, 1988) PRECOCIDADE LONGEVIDADE REPRODUTIVA INTERVALO ENTRE PARTOS PROLIFICIDADE

Leia mais

Suplementação Energética de Ovelhas na Última Semana Pré-parto Aumenta a Sobrevivência de Cordeiros

Suplementação Energética de Ovelhas na Última Semana Pré-parto Aumenta a Sobrevivência de Cordeiros ISSN 1983-0475 37 Bagé, RS Dezembro, 2009 Autores Carlos José Hoff de Souza Médico Veterinário, Doutor (Ph.D.) em Reproductive Biology Pesquisador da Embrapa Pecuária Sul e-mail: csouza@cppsul.embrapa.br

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Questionário Para Seguro de Rebanho Ovinos

Questionário Para Seguro de Rebanho Ovinos Questionário Para Seguro de Rebanho Ovinos 1 - Propriedade: Proprietário: Profissão: Telefone: Nome da Fazenda: Endereço da Fazenda: Roteiro de acesso completo: Confrontações: Norte: Sul: Leste: Oeste:

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015 TERMINAÇÃO Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) produção Confinamento 3.047 7,39 Semiconfinamento Pastagens inverno 2.583 6,27 822 1,99 Pastagem sem 34.748 84,35 definição

Leia mais