ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA"

Transcrição

1 PROVAS PÚBLICAS PARA PROF. ADJUNTO ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA Carlos S. C. Rebello de Andrade ESACB 1996 INTRODUÇÃO

2 A alimentação influência todos os factores produtivos do animal: Durante a cobrição - número de crias concebidas (prolificidade) Durante a gestação - número de crias nascidas e peso ao nascimento Durante a lactação - maior efeito na produção de leite e crescimento do borrego e preparação da ovelha para novo ciclo fisiológico (após o desmame). É conhecido o efeito da nutrição nos aspectos produtivos mas deve ser considerada ao longo de todo o ano ( Ex.: melhoria da alimentação na cobrição e consequente aumento do número de fetos; no final da gestação e principio da lactação se não se melhora a alimentação podemos ter sérios problemas na resposta produtiva imediata dos animais e, nalguns casos, futura; melhora as sincronizações de cios e superovulações). O nível de produção deve ser tido em linha de conta com o nível alimentar que pode ser providenciado. Os rebanhos são constituidos por indivíduos com diferentes produtividades e, consequentemente, diferentes necessidades. É evidente que é impossivel atender às necessidades individuais, entre tantos animais, mas há épocas em que se colherão dividendos por dividir o rebanho em duas ou mais unidades com necessidades semelhantes. Isto é essencial. 1. Princípios digestão proteína e energia Devido à grande variedade e qualidade de alimentos disponíveis centramos o problema das necessidades alimentares nos princípios importantes das relações entre a utilização da energia e proteina da dieta. a) Sistema EM (energia metabolizável) Em regime de manutenção - a eficiência da EM para forragens de baixa qualidade com concentração de 7,5 Mj/Kg M.S. é de 0,67 e de 0,73 para uma dieta de boa qualidade com 11 Mj/Kg M.S. Em regime de crescimento - 0,33 e 0,48 respectivamente Para a lactação e gravidez - 0,66 e 0,13, respectivamente, com uma dieta de 10-11Mj/Kg M.S. de EM. Nota: EM - é a energia contida nos alimentos (Bruta) menos as perdas de energia nas fezes, urinas e metano. b) Digestão da proteina e sua utilização

3 Há uma relação entre a ingestão de EM e seu efeito na utilização da proteina na dieta e logo nas necessidades do animal em proteina. A proteína da dieta é degradada pelos microorganismos do rúmen com libertação de amónia (RDP). Àquela que passa pelo rúmen sem sofrer degradação dá-se o nome de UDP. A extensão da degradação varia com a origem da fonte proteica e o tempo que permanece no rúmen. Para os cereais, por exemplo, assume-se que 80% da sua proteína é degradada. Os suplementos proteicos tendem a ser menos degradados como a farinha de peixe e bagaço de soja. A amónia só tem valor para a ovelha se fôr utilizada, pelos microorganismos, para a formação de nova proteína. A energia da dieta tem um papel importante sobre os factores que regulam a quantidade de proteina microbiana produzida àparte concentrações de amónia e elementos minerais como enxofre. Na prática são necessárias 8g de RDP por Mj de EM e, considerando que a conversão de amónia em proteína microbiana é de 100% então, a síntese microbiana é, também, de 8g/Mj EM. 80% da proteína microbiana chega ao intestino em forma de aminoácidos e estes com os 20% de UDP fazem o total da proteina disponível para a digestão e absorção. Para o processo combinado de absorção e utilização é apropriado o valor de 50%. c) Nível de produção e necessidades proteicas Em manutenção as forragens de baixa qualidade podem constituir o único alimento para ovelhas mas podem necessitar de suplementação em N. Para uma forragem com concentração de 7,5 Mj/Kg M.S., mínimo necessário para manutenção para o que são necessários 8g/Mj EM, e contando com que a RDP é de 80% do total da proteína da maioria das forragens necessitamos de 10g/Mj EM ( 10 x 7,5 = 75g/K M.S.). Se a forragem não tiver 75g de proteína bruta (7,5%) por Kg M.S. o fornecimento de NPN é benéfico para assegurar a máxima ingestão voluntária e assegurar as necessidades proteicas da ovelha. Os cereais em grão não contêm quantidade suficiente de RDP e, quando usados como suplemento energético em que a produção máxima de proteína microbiana é insuficiente para as necessidades da ovelha (Ex.: último terço da gestação), requerem suplementação com 1% de ureia. No último terço de gestação e princípio lactação, em que a síntese máxima de proteína microbiana não cobre as necessidades para crescimento feto, produção colostro e exportação de proteína no leite, é necessário fornecer UDP sob forma de farinha de peixe e bagaço de soja.

4 Exemplo: Ovelha com 70Kg à cobrição (com gémeos) Ingestão M.S. = 1,6 Kg Necessidades proteína bruta 105 X 1,6 = 168g PB 80% é sintetizada em proteína microbiana (RDP) 168 X 0,80 = 134g PB UDP = 34g 80% da proteína microbiana está na forma de aminoácidos 134 X 0,8 = 107,2g PB Para absorção no intestino (UDP) = 141g PB A eficiência dos processos combinados de absorção e utilização é de 50% pelo que a dieta suporta 70g/dia de proteína limpa. 141 : 2 = 70g As necessidades em proteína limpa para manutenção, crescimento fetal e colostro são de 80g. Faltam 10g. A farinha de peixe, com 70% proteína na M.S. e 35% de degradabilidade, fornece-se na ordem dos 3% da dieta total. farinha peixe g x 0,70 = 35g PB 35x 0,65 = 22,75 UDP 2. Alimentação antes, durante e após cobrição O objectivo principal é minimizar o número de ovelhas que não ovulam ou não mostram cio, para assegurar que um número suficiente de óvulos sejam libertados na ovulação e fertilizados, e maximizar o número de óvulos fertilizados implantados que dêem origem a embriões e fetos viáveis. Quadro 1- Prolificidade de ovelhas em várias condições corporais à cobrição

5 a) Malatas Devem ter pelo menos 60% do peso esperado em adulto. A boa alimentação deve ser iniciada 6 meses antes da cobrição e não só algumas semanas antes da cobrição. É necessário, além disso, alimentá-las a um nível de 20% superior às necessidades para permitir o seu crescimento.

6

7 b) Ovelhas O significado da condição corporal à cobrição: o número de óvulos libertados depende muito da raça. Há evidência de que a condição corporal influência bastante algumas raças e outras pouco. Normalmente as menos prolíficas são as mais afectadas (Quadro 1). A boa condição corporal à cobrição não é importante sómente pela alta taxa de ovulação mas também porque na maioria dos sistemas de maneio do nível alimentar, após a prenhez se ter estabelecido, encorajam a perda de peso e o uso das reservas corporais e, nalguns casos, muitos meses passarão até as reservas serem repostas Alimentação durante o período de pré-cobrição

8 O objectivo é ter todas as ovelhas na mesma condição corporal à cobrição. Se chegam à cobrição com pontuação superior a 3,5, ou seja gordas, é porque a sua produtividade durante o ciclo de produção não foi particularmente alta pelo que o sistema de maneio deve ser revisto. É sabido que a própria alimentação durante o período de cobrição pode afectar a taxa de ovulação embora, com condição corporal 3,5, possa ser negligenciável. A variação de 1 Kg no peso vivo é equivalente a uma alteração aproximada de 0,1 unidades na condição corporal. Fig. 4 - Necessidades diárias em energia e proteína antes da cobrição (para manutenção e variação da condição corporal de 0,25; 0,5 e 0,75 unidades por mês em ovelhas com diferentes Pesos Vivos.) Se houver um núcleo de ovelhas mais magras devem ser separadas para receberem alimentação melhorada.

9 Pontos importantes - as ovelhas devem estar em boas condições corporais à cobrição na maioria dos casos com pontuação 3,5. - ovelhas magras devem ter um maneio separado pelo menos seis semanas para assegurar uma condição corporal do rebanho uniforme à cobrição. - a perda de peso ou condição deve ser evitada durante este período Princípio gestação (1º mês) Durante as primeiras duas semanas após a cobrição o embrião em desenvolvimento não está implantado no útero e recebe os seus nutrientes por absorção directa do seu fluído ambiental. A ligação ao útero só se realiza à 3ª semana. Geralmente, 15 a 30% ou mais dos óvulos falham não resultando no nascimento de um borrego; Isto é devido à não fertilização dos óvulos embora a razão principal para a diferença entre a taxa de ovulação e prolificidade seja o problema da implantação do embrião no primeiro mês após cobrição. A sub-nutrição severa ou excessos alimentares após a cobrição estão associados ao aumento das perdas em embriões. Seria ideal que as ovelhas mantivessem o peso constante durante este período. Excepto em rebanhos com sincronização de cios o período de cobrição desenvolver-se-á durante algumas semanas por isso, e para minimizar a mortalidade embrionária, um nível alimentar alto e constante deve ser providenciado durante quatro semanas após a última cobrição. Fig. 5 - Necessidades diárias em energia e proteína no 1º e 2º-3º meses de gestação.

10 Pontos importantes - É essencial evitar qualquer mudança brusca no nível alimentar. - As ovelhas devem manter o seu peso durante este período Meia gestação (2º e 3º meses) Aos três meses o feto tem 15% do peso ao nascimento. Com gémeos o peso total é de 1,5 Kg. Mas, por outro lado, ao terceiro mês a placenta completou o seu processo de crescimento (1 Kg), a parede uterina aumenta 0,8Kg e os fluídos fetais correspondem a mais 1,5 Kg. Aparentemente a ovelha que mantém o seu peso perde na realidade em tecidos corporais 4,5Kg. Isto é equivalente a 0,5 unidades na pontuação corporal. Esta perda de peso é, perfeitamente suportada por ovelhas com condição corporal 3,5 à cobrição, boa para ovelhas que tinham pontuação 4 ou superior pois previne a toxémia da gestação, isto é, ovelhas habituadas a níveis

11 alimentares altos ao sofrerem uma restrição repentina na ingestão de alimentos ficam mais susceptíveis a problemas nutricionais como a referida e, má para ovelhas que à cobrição tinham já uma pontuação baixa pois o tamanho do feto aos 90 dias será pequeno por associação com o ainda menor peso da placenta em relação ao que seria normal. Durante este período as primíparas (60% peso adulto) e malatas (80% peso adulto) devem ter um ganho de peso constante (estável) de aproximadamente 5% do seu peso vivo. Pontos importantes - Só pequenas perdas de peso são permitidas para ovelhas em boa condição corporal à cobrição. - mesmo perídos curtos de subnutrição acentuada devem ser evitados Final gestação O útero e seus conteúdos pesam cerca de 3 a 6 Kg consoante o número de fetos e tamanho da ovelha. Isto representa menos do que 1/3 do peso do útero grávido imediatamente antes do parto. Devido à baixa eficiência da conversão da EM da dieta em ganho energético no feto (13%), associada ao aumento muito rápido de deposição de energia no feto no final da gestação, as necessidades energéticas da ovelha vão sofrer um aumento considerável. Ao mesmo tempo vão ser necessários nutrientes para o desenvolvimento dos tecidos mamários, um fornecimento adequado de colostro e para as necessidades de manutenção da ovelha. Uma ovelha com um feto tem, nesta altura, duas vezes mais necessidades alimentares do que uma ovelha não prenha, 2,5 com duplos e 3 vezes mais com triplos. Uma degradação excessiva das reservas corporais da ovelha levam, a baixos pesos ao nascimento e menor vigor dos borregos, a menores quantidades de colostro, a um instinto maternal deficiente e, a reservas insuficientes para superar o déficit energético no princípio da lactação quando as necessidades para a produção de leite excedem a ingestão voluntária. Fig. 6 - Necessidades em energia e proteina no final gestação

12 Pontos importantes - Ovelhas não devem perder mais do que 0,5 unidades de condição corporal nas últimas 8 semanas de gestação. - Para economia do alimento as ovelhas deveriam ser agrupadas de acordo com as necessidades, data de parto e idade. Fig. 7 - Necessidades em energia e proteina no final gestação

13 2.5. Ovelha lactante a) Factores não nutricionais que influenciam produção leite Número e peso dos borregos a mamar Tem maior influência na produção de leite do que o nível alimentar. As ovelhas com duplos produzem 40% mais leite do que as ovelhas alimentadas ao mesmo nível com um borrego. Ovelhas com triplos produzem mais 10% do que as dos duplos. As curvas de lactação também diferem. As ovelhas com duplos têm um maior pico de lactação que é atingido às três semanas e algumas duas semanas antes das ovelhas com simples. Contudo o declínio da produção nas primeiras é mais rápido. Ao quarto mês têm produção idêntica às ovelhas que dão de mamar a um borrego. O peso e vigor dos borregos também influencia a produção pela maior estimulação do úbere.

14 O tipo de parto influencia a produção enquanto os borregos mamam. Após o desmame as produções vão para níveis idênticos. Raça, peso e idade da ovelha A lactação máxima ocorre na 3ª lactação. Pequenas variações ocorrem entre a 3ª e 6ª lactações. Após a 6ª lactação o decréscimo é influenciado pelo plano nutricional e dentição. b) Efeitos Nutricionais na produção de leite As necessidades energéticas, no princípio da lactação, para uma ovelha com duplos podem ser de 70% superiores às das duas últimas semanas de gestação. Em ovelhas muito produtivas e em constante déficit energético, no princípio da lactação, a utilização das reservas está dependente do fornecimento de proteína na dieta visto que as reservas em proteína disponível só contribuem com quantidades ínfimas de aminoácidos para a síntese do leite. Dando proteína suficiente a ovelha pode fazer uso eficiente das reservas corporais em gordura e manter a produção de leite no máximo do seu potencial. A eficiência da conversão da M.S. do leite em ganho de peso vivo nos borregos é aproximadamente de 1:1 e o conteúdo em M.S. no leite de ovelha é de 20%. Assim, multiplicando por "5" o ganho médio diário do borrego durante as primeiras 4 a 6 semanas podemos estimar, com 90% de rigor, a produção da ovelha. Pontos importantes - Nos primeiros três meses de vida o crescimento do borrego está dependente da produção de leite da ovelha. - As ovelhas, no princípio da lactação, podem manter a produção de leite pela rápida utilização das reservas corporais. - Devido às altas necessidades em proteína e energia, no princípio da lactação, se o parto acontecer fora da época de suficiente disponibilidade de erva ter-se-á que suplementar com concentrado. Fig. 8 - Necessidades em energia e proteina para ovelhas lactantes

15 2.6. Exemplo de um sistema de produção

16 Fig Maneio alimentar do rebanho na práctica

17 BLOCOS MINERAIS SEMPRE À DISPOSIÇÃO Steaming (forçagem alimentar) na ùltima fase de gestação funciona como Flushing (forçagem alimentar no período de cobrição) para as que estiverem alfeiras. 3.1 Esquema do maneio alimentar das ovelhas adultas Fig Pastagem natural 2 - Restolhos + pasto 3 - Milharada + feijão frade + concentrado ou outro alimento aquoso + concentrado 4 Pastagem + concentrado + feno/palha 3.2 Esquema do maneio alimentar das borregas de substituição

18 Fig. 11 As borregas do nascimento ao período de cobrição, para que tenham pelo menos 60% do peso adulto, devem mamar até aos cinco/seis meses de idade. A partir do mês as borregas mamam durante o dia, sendo separadas à tarde para receberem um suplemento de concentrado e feno, permitindo a ordenha das mães no período da manhã. Após o desmame acompanham sempre o rebanho com maiores exigências alimentares. 4 - Maneio reprodutivo Abril/Maio valorização borrego Épocas de cobrição Agosto/Setembro ordenha + produção queijo

19 Janeiro/Fevereiro câmaras de cura Abril a Novembro? Períodos de cobrição 45 dias? 30 dias? com repescagem Jun/Julho? Duração Gestação em cabras e ovelhas? Duração cio? Concentração de partos - 3 semanas Sincronização de cios - Efeito Macho - 3/6 dias Esponjas + PMSG ( UI) antes ou depois de retirar as esponjas Inseminação artificial - 55 horas depois - ovulação 55/60 horas depois. Referir - Épocas de utilização, tamanho rebanho e cuidados, ovelhas a sincronizar Cuidados com carneiro - Auctótene Exótico Tosquia - Antes da cobrição facilita-a e evita stress durante o período de implantação do óvulo Relação Machos/fêmeas - Malatas/Malatos Não Chibos/Chibas Carneiros/malatas Bode/Chibas Carneiros/ovelhas Bode/Cabras Malatos/ovelhas Chibo/Cabras Chibo=Anáco Controle de paternidade - cobrição em liberdade condicionada a lotes defenidos Cobrição à mão com arnês marcador Inseminação artificial DESPARASITAÇÕES antes da cobrição e antes da parição

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

Alimentação de caprinos

Alimentação de caprinos Alimentação de Caprinos vcadavez@ipb.pt Conservação de habitats com recurso a caprinos Outline 1 Denição comportamental dos caprinos 2 3 4 5 Denição comportamental dos caprinos Os caprinos são ruminantes

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante Data: Agosto/2001 MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II Nutrição da matriz gestante O princípio geral para um programa nutricional de matrizes suínas bem sucedido, basea-se na premissa

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

file://e:\arquivos\ovinocap\5.htm

file://e:\arquivos\ovinocap\5.htm Page 1 of 8 Produção De Ovinos Evandro Neves Muniz e Silvio Aragão Almeida Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Av. Beira Mar, 3250. CEP 49025-040. Aracaju - SE. www.cpatc.embrapa.br evandro@cpatc.embrapa.br

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação CABRAS GESTANTES Primeira fase (fase inicial): da cobertura até o terceiro mês de gestação:

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Utilização de gordura inerte na dieta de ruminantes

Utilização de gordura inerte na dieta de ruminantes II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. Utilização de gordura inerte na dieta de ruminantes Cátia Borges FERREIRA 1 ; Leonardo Almeida

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

ANIMAIS EXÓTICOS COELHO

ANIMAIS EXÓTICOS COELHO ANIMAIS EXÓTICOS COELHO Sabia que todos os animais exóticos deveriam consultar o médico veterinário e efetuar um check up, após a sua aquisição, e pelo menos uma vez por ano, mesmo que estejam saudáveis?

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

José M.B.F. Ribeiro, M. Rosário Marques, Ana Teresa Belo, Carlos Camona Belo

José M.B.F. Ribeiro, M. Rosário Marques, Ana Teresa Belo, Carlos Camona Belo José M.B.F. Ribeiro, M. Rosário Marques, Ana Teresa Belo, Carlos Camona Belo INTRODUÇÃO Necessidade crescente de ordenhar mecanicamente as ovelhas imprescindível conhecer o comportamento produtivo da raça

Leia mais

Pontos de controlo críticos:

Pontos de controlo críticos: Pontos de controlo críticos: Pontos de Controlo Critico Valores Padrão Medidas Peso à 1ª cobrição Idade ao 1º Parto 350 kg

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única.

Quisque luctus vehicula nunc. Só a DSM tem proteinados com Minerais Tortuga. Por isso ela é única. TORTUGA. TORTUGA. TORTUGA. A MARCA PARA A MARCA RUMINANTES A PARA MARCA RUMINANTES PARA DA DSM. RUMINANTES DA DSM. DA DSM. Ut eget Ut eget elit arcu elit arcu Quisque luctus vehicula nunc Só a DSM tem

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE OVELHAS

MANEJO ALIMENTAR DE OVELHAS MANEJO ALIMENTAR DE OVELHAS Juan Ramon Olalquiaga Perez 1 Luciana Castro Geraseev 2 Fábio Arantes Quintão 3 1 INTRODUÇÃO As condições econômicas, climáticas e agrostológicas do Brasil oferecem condições

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto

Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto Nutrição de Cabras e Ovelhas no Pré e Pós-Parto Marco Aurélio Delmondes Bomfim (1), Nelson Nogueira Barros (1) (1) Embrapa Caprinos, mabomfim@cnpc.embrapa.br Introdução Nos últimos anos tem-se observado

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

NUTRIÇÃO DE BÚFALOS EM REGIÕES TROPICAIS

NUTRIÇÃO DE BÚFALOS EM REGIÕES TROPICAIS NUTRIÇÃO DE BÚFALOS EM REGIÕES TROPICAIS I - INTRODUÇÃO Adaptado de Leonardo C. Kearl (1982). Traduzido por Alcides de Amorim Ramos Dos 149 milhões de búfalos do mundo, cerca de 144 milhões se acha na

Leia mais

RAÇA HOLANDESA MODERNIZA E ATUALIZA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMAÇÃO DAS VACAS (Classificação para Tipo )

RAÇA HOLANDESA MODERNIZA E ATUALIZA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMAÇÃO DAS VACAS (Classificação para Tipo ) RAÇA HOLANDESA MODERNIZA E ATUALIZA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMAÇÃO DAS VACAS (Classificação para Tipo ) Por: Altair Antonio Valloto; Méd.Vet.; Superintendente da APCBRH Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Crescimento CINEANTROPOMETRIA. Elementos do Crescimento. Desenvolvimento

Crescimento CINEANTROPOMETRIA. Elementos do Crescimento. Desenvolvimento Crescimento CINEANTROPOMETRIA CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. Paulo Sergio Chagas Gomes, Ph.D. O ser humano gasta em torno de 30% da sua vida crescendo Dificuldades em analisar o crescimento dificuldade

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia 1.INTRODUÇÃO A correcta alimentação dos animais deve constituir uma prioridade

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas

O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas ISSN 0100-8625 O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas 25 Bagé, RS Junho, 2002 Autor José Carlos Ferrugem Moraes Méd. Vet., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Caixa Postal 242, Bagé, RS,

Leia mais

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro Perder Gordura e Preservar o Músculo Michelle Castro 25 de Novembro de 2012 Principais Tópicos 1. Processos catabólicos associados a dietas hipocalóricas. 2. Contextualização/compreensão do porquê da existências

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Suplementação Energética de Ovelhas na Última Semana Pré-parto Aumenta a Sobrevivência de Cordeiros

Suplementação Energética de Ovelhas na Última Semana Pré-parto Aumenta a Sobrevivência de Cordeiros ISSN 1983-0475 37 Bagé, RS Dezembro, 2009 Autores Carlos José Hoff de Souza Médico Veterinário, Doutor (Ph.D.) em Reproductive Biology Pesquisador da Embrapa Pecuária Sul e-mail: csouza@cppsul.embrapa.br

Leia mais