Proteínas na alimentação de monogástricos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteínas na alimentação de monogástricos"

Transcrição

1 Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos Proteínas na alimentação de monogástricos Aminoácido essencial Não é sintetizado, ou em quantidades insuficientes Lisina\treonina são estritamente essenciais Aminoácido não essencial Sintetizados pelos animais a partir de outros aa Não necessário ser fornecido para os animais Aminoácido limitante Suprimento via dieta abaixo da exigência animal Lisina\treonina: deficientes nos cereais 1

2 Aminoácidos Essenciais Histidina Isoleucina Leucina Lisina Metionina Arginina Fenilalanina Triptofano Treonina Valina + glicina + prolina Esquematização das exigências em aminoácidos de suínos (Lisina - limitante) Trp His Ile Lis M+C Thr P+T Val Ordem de limitação dos aminoácidos Varia conforme a espécie animal, ingrediente e idade Suínos Frangos 1. Lisina 1. Metionina 2. Treonina 2. Lisina 3. Metionina 3. Treonina 4. Triptofano 4. Arginina/glicina Proteína Ideal: A proteína ideal é definida como balanço exato de aminoácidos que é capaz de prover sem excesso ou falta, os requerimentos de todos os aminoácidos necessários para a manutenção animal e máxima deposição protéica. SUIDA (1) Fontes: NRC, UFV, manual das linhagens etc... 2

3 Formulação por Proteína Ideal A evolução da produção animal Vantagens: Permite expressar o potencial máximo de crescimento potencial do animal, melhorar conversão alimentar e reduzir custo alimentar Flexibilidade na formulação de dietas Redução do nível protéico das dietas ( N%) Utilização de maior variedade de ingredientes Redução da excreção de Nitrogênio PRODUÇÃO BEM-ESTAR AMBIENTE QUALIDADE EFICIÊNCIA CONSUMIDORES ANOS A evolução da produção animal Suplementação com aminoácidos sintéticos???? BEM-ESTAR Arg His Ile Val AMBIENTE QUALIDADE Trp L-Thr Lys EFICIÊNCIA PRODUÇÃO Thr ANOS 3

4 Formulação por Proteína Ideal Conhecimento: Exigência nutricional dos animais (linhagem, sexo, categoria, idade) Digestibilidade dos ingredientes e dos aminoácidos PRODUÇÃO ANIMAL DIETAS Níveis Protéicos = Custos Proteína IDEAL Proteína BRUTA MAIOR LUCRO MENOR LUCRO Estimativa da relação ideal de AA Mantença Dep. proteina Leite Corpo Lisina referência para Proteína Ideal Ordem de limitação dos aminoácidos: Suínos: 1 o limitante Aves: 2 o limitante Conhecimento: Disponibilidade comprovada quimicamente e exigências nutricionais bem determinadas; Possui turnover lento: digestibilidade ileal verdadeira versus disponibilidade biológica Metabolismo para deposição protéica 4

5 Relação ideal de aminoácidos e lisina em dietas de frangos de corte e na carcaça de aves Como estimar as exigências nutricionais de suínos na fase de crescimento, baseando-se na LISINA? Aminoácidos Mack et al CVB 1996 Baker 1994, 1998 NRC 1994 Austic 1994 FAO d - 42 d - 21 d d - 21 d* d* - 21 d* Carcaça de ave Lisina Metionina Met+Cis Treonina , Arginina Valina Isoleucina Leucina Triptofano Histidina Lisina Total % - d 1,22 1,15, Através das tabelas de exigências nutricionais EXEMPLO: Lis Met,274 Lis --- x =,82 % de METIONINA frangos de corte de 1 a 21 dias de idade (BAKER, 1994) 1 frangos de corte de 1 a 21 dias de idade (NRC, 1994) LYS MET MET+CYS THR ARG VAL ILE LEU TRP HIS LYS MET MET+CYS THR ARG VAL ILE LEU TRP HIS 5

6 frangos de corte de 1 a 21 dias de idade DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE, SEXADOS, SUBMETIDOS A DIETAS FORMULADAS PELOS CONCEITOS DE PROTEÍNA BRUTA versus PROTEÍNA IDEAL 1 8 LYS MET MET+CYS THR ARG VAL ILE LEU TRP HIS NRC BAKER Tabela - Valores nutricionais das dietas experimentais segundo as respectivas fases:inicial (I), crescimento (C) e final (F) para machos (M) e fêmeas (F). PB PI I C F I C F EM Ca P 35,9,45 315,9,45 325,8,4 35,9,45 315,9,45 325,8,4 M F M F M F M F M F M F PB% 22, 21,27 21,21 19,27 19,67 18,19 22,43,57 18,74 17,85 15,68 15,74 LIS Bruta (b) 1,27 1,15 1,115 1,4 1,5, LIS Digestível (d) ,12 1,2,89,84,7,69 MET + CIS b,72,68,68,64,63, MET + CIS d ,8,73,64,64,5,49 Fonte: Mendoza et al. (1) frangos de corte de 21 a 42 dias de idade Proteína Bruta e Proteína Ideal para Frangos de Corte no Período de 1 a 21 dias de Idade 1 8 LYS MET MET+CYS THR ARG VAL ILE LEU TRP HIS Fonte: Rev. Bras. Cienc. Avic. vol.3 no.2 Campinas May/Aug. 1 NRC BAKER 6

7 Relação ideal dos aminoácidos essenciais com a lisina das dietas de suínos e tecido corporal Leitões < 25kg Henry, 1998 TBAS, Crescimento Engorda Gestação Lactação NRC, 1998 TBAS, NRC, 1998 TBAS, NRC, 1998 INRA, 1997 T. Corporal NRC, 1998 INRA, 1998 kg PV * Lys Thr M + C Trp Ile Val His * Campbell et al., 1998; Batterham et al., 199 suínos em crescimento (NRC, 1998) LYS THR MET+CYS TRP ILE VAL HIS leitões < 25kg (HENRY,1998) suínos terminação (NRC, 1998) LYS THR MET+CYS TRP ILE VAL HIS LYS THR MET+CYS TRP ILE VAL HIS 7

8 fêmeas em gestação (NRC, 1998) Impacto Econômico da Redução Protéica LYS THR MET+CYS TRP ILE VAL HIS Custo relativo da dieta (%) P. Bruta P. Ideal ,5 19, 19,5,,5 21, 22,5 Proteína Total (%) FONTE: Adaptado de Suida, 1 fêmeas em lactação (NRC, 1998) LYS THR MET+CYS TRP ILE VAL HIS PARA INCORPORAR 1 AA NA CADEIA PROTÉICA, GASTA-SE 4 mol de ATP PARA EXCRETAR 1 AA (EXCESSO), GASTA-SE 6-18 mol de ATP (variando conforme o número de N na molécula) 8

9 Mudança relativa na emissão de amônia Efeito da redução protéica na emissão de amônia no ar PB (%) da dieta Canh (1998) Kay & Lee (1996) Kay & Lee (1996) FONTE: Adaptado de Suida, 1 exigência (%)...zzz Arg Lis M+C Ter Trip total contribuição da Dieta (milho-soja) total contribuição da Dieta (milho-soja)+ AA Exigência Redução do nitrogênio alimentar A REDUÇÃO DE 1% de PB NA DIETA REDUZ ENTRE DE 1% A 13% A EMISSÃO DE AMÔNIA NO MEIO AMBIENTE * Máximo Efeito: % Redução proteica com perfil adequado de aminoácidos e qualidade de carcaça (Canh, 1998) PB, % 16,5 14,5 12,5 EL, kcal/kg Aminoácidos digestíveis Ileal Lisina, %,71,71,71 Tre / Lis 65% 65% 65% (Met + Cis) / Lis 65% 65% 65% Trp / Lis 23% 23% 23% Desempenho Consumo *, g/d NS Ganho de peso, g/d NS Carcaça Espessura de toucinho, mm NS Carne magra, % NS.75 * Alimentados 3 x requerimento de manutenção = 294 kj EL/kg PV 9

10 Nível protéico da dieta relacionado com diarréias em leitões Dieta de baixa proteína com perfil de AAs adequado: maior capacidade acidificante Melhora na condição sanitária do animal : Dietas de baixa proteína possuem maior capacidade acidificante Melhor digestão proteica Menos resíduos no aparelho digestivo ph baixo Proliferação de bactérias patogênicas restringida: intestino e ambiente Farinha de peixe Leite em pó Farelo de Soja l Cevada Milho 5 15 Capacidade tamponante Quantidade de HCl para alcançar ph3, meq/kg Efeito da proteína e dos aminoácidos no aproveitamento do nitrogênio, aminoácidos suplementados (lisina,3%, treonina,1%, metionina,1% e triptofano,5%) Experimento 1 Experimento 2 Parâmetros 34 kg peso vivo 115 kg peso vivo 16% PB 12% PB+AA 14% PB 1% PB+AA Consumo N, g/d 38,1 3,4 66,7 49,5 N Fezes, g/d 5,8 5,4 7, 5,9 N Urina, g/d 1,8 5,7 19,6 11,6 N Excretado, g/d 16,6 11,1 26,6 17,5 Retenção N, g/d 21,5 19,3,1 32, Retenção N, % 56,4 63,5,1 64,6 Adaptado de Cromwell, 1996 Dietas de baixa proteína para leitões - 22% - 17% Sem impacto negativo sobre ganho de peso de conversão alimentar Diminuição em 45% na excreção de nitrogênio Diminuição da incidência de diarréias Manejo alimentar e excreção de nitrogênio Reduzir o máximo os níveis protéicos das dietas Formular dietas na base de aminoácidos digestíveis Programas multi-fásicos 1

11 Como dietas com baixa proteína afetam a emissão de amônia nas instalações Uréia na urina + microorganismos nos dejetos Ureia & Amônia nos dejetos Afetados por dietas de baixa proteína Amônia no ar ph dos dejetos Água nos dejetos Efeito da redução protéica no volume de dejetos produzidos Mudanças relativas no volume (controle=) % 9% 8% 7% % PB, % dieta Oldenburg, 1996 Kay & Lee, 1996 (35-55) Kay & Lee, 1996 (65-9) Valaja, 1998 (*33-82kg) Pfeiffer, 1995 (*45-8kg multiphase) Pfeiffer, 1995 (*45-8kg) Redução de 1% de PB acarreta a redução de 3-5% do volume de dejetos Redução pode alcançar 3% * or urine Efeito da redução proteica na emissão amônia no ar Mudanças relativas na emissão de amônia (controle=) % 8% % % % Canh, 1998 (55-16kg) Canh, 1998 (55-16kg) Latimier, 1993 (31-12kg) Kay & Lee, 1996 (35-55kg) Kay & Lee, 1996 (65-9kg) Benefícios ao meio ambiente das dietas de suínos com baixa proteína Excreção de nitrogênio Nível de amônia nos dejetos Emissão de amônia no ar Efeito da em 1 ponto da PB Efeito máximo -1% - 5 % - 1 % - 5 % - 1 % - % Níveis atingíveis facilmente - 25 % -3 % - % % PB, % dieta Redução de 1% de PB acarreta a redução da emissão de amônia em 1-13% Efeito máximo : - % Consumo de água Volume de dejetos % % - 28 % - 3 % - 1 % - % 11

12 Conclusão Conceito da proteína ideal: importante ferramenta de flexibilização da formulação Redução de margens de segurança de formulação, custos e poluentes ao meio ambiente Requerimento de lisina deve ser bem conhecido Preferencialmente, formular com base nos aminoácidos digestíveis 12

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

conteúdo de proteína e aminoácidos dos alimentos

conteúdo de proteína e aminoácidos dos alimentos Capítulo3Metodologias para avaliar o conteúdo de proteína e aminoácidos dos alimentos 1. Introdução... 92 2. Digestibilidade da proteína e utilização dos aminoácidos pelos monogástricos... 93 2.1. Digestibilidade

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Aminoácidos e proteínas Metabolismo

Aminoácidos e proteínas Metabolismo Aminoácidos e proteínas Metabolismo Rota metabólica dos AA Origem dos AA circulantes; Dieta: classificação dos AA Transaminação Destino dos AA; Degradação 1 Stollet al (2006) Partição aminoácidos Biossíntese

Leia mais

Nutrição de Aves e Suínos: Desafios para as Próximas Décadas

Nutrição de Aves e Suínos: Desafios para as Próximas Décadas Nutrição de Aves e Suínos: Desafios para as Próximas Décadas Exigência de Aminoácidos no Crescimento e Terminação de Suínos Hotel Fazenda Fonte Colina Verde 03 de Dezembro de 2015 Lucio Araújo, Cristiane

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA NUTRIÇÃO NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

A INFLUÊNCIA DA NUTRIÇÃO NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE A INFLUÊNCIA DA NUTRIÇÃO NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Antônio Mário Penz Junior Departamento de Zootecnia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre, RS 1 Introdução No Brasil, algumas Fundações

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades, funções e transformações de aminoácidos e proteínas

Leia mais

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina omposição de um Protetor Hepático comercial PROTEÍNA Fórmula: Aspartato de L-ornitina...2,0 g loridrato de L-arginina...7,5 g L-citrulina...0,5 g Acetil metionina...1,0 g loridrato de colina...1,0 g Levulose...10,0

Leia mais

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF Metabolismo de Aminoácidos Degradação de Proteínas e Aminoácidos - Degradação de aminoácidos em excesso na alimentação - Absorção pelo fígado, retirada grupo amino - Degradação espontânea de proteínas

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

Aminoácidos peptídeos e proteínas

Aminoácidos peptídeos e proteínas Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Aminoácidos peptídeos e proteínas Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc mackswendhell@gmail.com Algumas funções de proteínas A luz produzida

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS IMPORTÂNCIA Conhecer fundamentos básicos de nutrição avaliar dietas e alimentos Interações entre nutrientes e o animal Exigências Cães e gatos Quantidade diária de nutrientes Manejo

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS p. 1/6 Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS Vivian Feddern a *, Angélica Riqueli Laux b, Gustavo Júlio Mello Monteiro Lima

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Soro de leite integral na alimentação dos suínos Teresinha Marisa Bertol 1 Jonas Irineu dos Santos

Leia mais

Aminoácidos. Prof. Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física. UNESP São José do Rio Preto. SP.

Aminoácidos. Prof. Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física. UNESP São José do Rio Preto. SP. Aminoácidos Prof. Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física. UNESP São José do Rio Preto. SP. Resumo Introdução Quiralidade Ligação peptídica Cadeia peptídica

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

AMINOÁCIDOS NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

AMINOÁCIDOS NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE AMINOÁCIDOS NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE 1. Introdução A eficiência de utilização dos ingredientes protéicos depende da quantidade, da composição e da digestibilidade de seus aminoácidos, os quais são

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 2003 EFEITO DA RELAÇÃO VALINA:LISINA DURANTE A LACTAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE MATRIZ E LEITÕES Introdução Pesquisas na Kansas State University realizadas por Richert et al (1996)

Leia mais

Aminoácidos (aas) Prof.ª: Suziane Antes Jacobs

Aminoácidos (aas) Prof.ª: Suziane Antes Jacobs Aminoácidos (aas) Prof.ª: Suziane Antes Jacobs Introdução Pequenas moléculas propriedades únicas Unidades estruturais (UB) das proteínas N- essencial para a manutenção da vida; 20 aminoácidos-padrão -

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

Artigo Número 53 PROTEÍNA IDEAL COMO ESTRATÉGIA NUTRICIONAL NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS. Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1 & Gabriel Fonseca SOBREIRA 1

Artigo Número 53 PROTEÍNA IDEAL COMO ESTRATÉGIA NUTRICIONAL NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS. Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1 & Gabriel Fonseca SOBREIRA 1 Artigo Número 53 PROTEÍNA IDEAL COMO ESTRATÉGIA NUTRICIONAL NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS. Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1 & Gabriel Fonseca SOBREIRA 1 INTRODUÇÃO As proteínas são polímeros resultantes da desidratação

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM DISCIPLINA: BIOQUÍMICA HUMANA PROF. WILLAME BEZERRA. Aminoácidos. Prof. Willame Bezerra

CURSO: ENFERMAGEM DISCIPLINA: BIOQUÍMICA HUMANA PROF. WILLAME BEZERRA. Aminoácidos. Prof. Willame Bezerra CURSO: ENFERMAGEM DISCIPLINA: BIOQUÍMICA HUMANA PROF. WILLAME BEZERRA Aminoácidos Prof. Willame Bezerra As proteínas são as biomoléculas mais abundantes nos seres vivos e exercem funções fundamentais em

Leia mais

AS PROTEÍNAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

AS PROTEÍNAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL AS PROTEÍNAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL 5.1- INTRODUÇÃO: As proteínas são nutrientes orgânicos nitrogenados presentes em todas as células vivas; portanto, são essenciais à vida de todo animal. Todos os animais

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE PROTEÍNA IDEAL PARA BOVINOS LEITEIROS

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE PROTEÍNA IDEAL PARA BOVINOS LEITEIROS APLICAÇÃO DO CONCEITO DE PROTEÍNA IDEAL PARA BOVINOS LEITEIROS Flávio Augusto Portela Santos 1 ; Fernanda Lopes Macedo 2 ; Lucas Jado Chagas 2 1 Professor titular do Dept. de Zootecnia da ESALQ/USP; 2

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Sub-ordem Caniformia Classe Mamíferos Ordem Carnivora Sub-ordem Feliformia Canedae Procyonidae

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

METABOLISMO DAS PROTEÍNAS. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

METABOLISMO DAS PROTEÍNAS. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto METABOLISMO DAS PROTEÍNAS Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto Aminoácido Os aminoácidos livres são obtidos da degradação da proteína da dieta, da renovação constante das proteínas

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Relação entre caracteres nutricionais e a produtividade de grãos em cultivares de milho transgênico

Relação entre caracteres nutricionais e a produtividade de grãos em cultivares de milho transgênico Relação entre caracteres nutricionais e a produtividade de grãos em cultivares de milho transgênico Bruna Mendonça Alves 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Marcos Toebe 1 Cláudia Burin 3 Leila Picolli da Silva

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Proteínas. As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry

Proteínas. As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry Proteínas As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry As proteínas são os compostos orgânicos mais abundantes dos organismos vivos (~50% do peso sêco)

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Introdução Fase monogástrica da Terneira; Base nutricional é o leite; Imunidade passiva;

Leia mais

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 2 a Edição. Horacio Santiago Rostagno

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 2 a Edição. Horacio Santiago Rostagno Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais 2 a Edição Editor: Horacio Santiago Rostagno Autores: Horacio Santiago Rostagno Luiz Fernando Teixeira Albino Juarez Lopes Donzele Paulo Cezar Gomes Rita

Leia mais

Você não é o que come. Você é o que absorve!

Você não é o que come. Você é o que absorve! Você não é o que come. Você é o que absorve! Sabe-se que o consumo de suplementos alimentares com finalidades específicas, como incremento de massa muscular,vem crescendo constantemente no Brasil e no

Leia mais

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do farelo de soja por suínos Ferdinando N. Almeida e Hans H. Stein Department of Animal Sciences, University of Illinois, EUA

Leia mais

Sumário. Manual de Reprodutores - 3

Sumário. Manual de Reprodutores - 3 Manual Reprodutores Sumário PREFÁCIO................................................................................................................................ 05 1 - LEITOAS GENETIPORC EM CRESCIMENTO.............................................................................................

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES Banco de dados de digestibilidade dos nutrientes de ingredientes tradicionais e novos para nutrição de Truta e Striped Bass F.T. Barrows 1, T.G.

Leia mais

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona)

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona) Proteínas O seu nome deriva da palavra Grega proteios, que significa de principal importância. As proteínas desempenham um papel fundamental nos sistemas biológicos, estando associadas a todas as formas

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

Atualização de programas nutricionais para poedeiras

Atualização de programas nutricionais para poedeiras Atualização de programas nutricionais para poedeiras Gabriel B.S. Pessoa 1, Sandra C. Salguero 2, Luiz F. T. Albino 2, Eduardo T. Nogueira 1 e Horacio S. Rostagno 2 1 Ajinomoto do Brasil Ajinomoto Animal

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Exigência e absorção de aminoácidos em bovinos

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Exigência e absorção de aminoácidos em bovinos PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Exigência e absorção de aminoácidos em bovinos Isabel Cristina Bonometti Stieven 1, Paulo Rossi Junior 2, Sergio Rodrigo Fernandes 3, Giovana Fanchin

Leia mais

Aminoácidos FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Aminoácidos FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Aminoácidos Disciplina: Bioquímica I Prof. Me. Cássio Resende de Morais Introdução Proteínas são as macromoléculas

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Química

Programa de Pós-Graduação em Química 1/12 Programa de Pós-Graduação em Química PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Duração da Prova: 4 horas São José do Rio Preto, 24 de Janeiro de 2013. Departamento 1 2/12 Questão 1. Os haloalcanos, também

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA CRIAÇÃO DE CODORNAS E QUALIDADES NUTRICIONAIS DO OVO E CARNE DE CODORNA. Vera Maria Barbosa de Moraes & Joji Ariki

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA CRIAÇÃO DE CODORNAS E QUALIDADES NUTRICIONAIS DO OVO E CARNE DE CODORNA. Vera Maria Barbosa de Moraes & Joji Ariki IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA CRIAÇÃO DE CODORNAS E QUALIDADES NUTRICIONAIS DO OVO E CARNE DE CODORNA Vera Maria Barbosa de Moraes & Joji Ariki Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciencias Agrarias

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Bioinformática Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 24 de agosto de 2015 Paulo H. R. Gabriel

Leia mais

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3 a Edição. Horacio Santiago Rostagno

Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3 a Edição. Horacio Santiago Rostagno Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais 3 a Edição Editor: Horacio Santiago Rostagno Autores: Horacio Santiago Rostagno Luiz Fernando Teixeira Albino Juarez Lopes Donzele Paulo Cezar Gomes Rita

Leia mais

14/02/2017. Genética. Professora Catarina

14/02/2017. Genética. Professora Catarina 14/02/2017 Genética Professora Catarina 1 A espécie humana Ácidos nucleicos Tipos DNA ácido desoxirribonucleico RNA ácido ribonucleico São formados pela união de nucleotídeos. 2 Composição dos nucleotídeos

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

Manejo alimentar de ovinos

Manejo alimentar de ovinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Manejo alimentar de ovinos Dr. Evandro Maia Ferreira Depto. de Zootecnia/UEPG Castro/PR Exigência Nutricional Nutrientes "Energia" Fibrosos Não fibrosos Proteínas

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

Influência da Genética desempenho

Influência da Genética desempenho UNIVERSIDADE GAMA FILHO PÓS-GRADUAÇÃO Nível: LATO SENSU Curso: FISIOLOGIA E TREINAMENTO APL. ATIVIDADES DE ACADEMIAS E CLUBES Influência da Genética desempenho Prof. Drd. LUIZ CARLOS CARNEVALI luizcarnevalijr@usp.br

Leia mais

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada Informações Técnicas B-PROTEIN Proteína Isolada da Carne Hidrolisada INTRODUÇÃO A proteína da carne é reconhecidamente uma das melhores fontes de proteínas existente no mundo. Apresenta um papel fundamental

Leia mais

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento ALBUMINA Proteína do ovo como suplemento INTRODUÇÃO Composto 100% natural, obtido da pasteurização e da secagem instantânea da clara de ovo, sem qualquer tipo de conservantes. A proteína é o elemento fundamental

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA E ENERGIA METABOLIZÁVEL DE INGREDIENTES PARA AVES 1

COMPOSIÇÃO QUÍMICA E ENERGIA METABOLIZÁVEL DE INGREDIENTES PARA AVES 1 COMPOSIÇÃO QUÍMICA E ENERGIA METABOLIZÁVEL 995 COMPOSIÇÃO QUÍMICA E ENERGIA METABOLIZÁVEL DE INGREDIENTES PARA AVES 1 PAULO ANTONIO RABENSCHLAG DE BRUM 2, DIRCEU LUIZ ZANOTTO 3, GUSTAVO JÚLIO MELLO MONTEIRO

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

Aminoácidos e Peptídeos. Profa. Alana Cecília

Aminoácidos e Peptídeos. Profa. Alana Cecília Aminoácidos e Peptídeos Profa. Alana Cecília O que são aminoácidos? A estrutura geral dos aminoácidos inclui um grupo amina e um grupo carboxila, ambos ligados ao carbono α (aquele próximo ao grupo carboxila);

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Escola Técnica Industrial. Disciplina de Biologia Primeiro Ano Curso Técnico de Eletromecânica

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Escola Técnica Industrial. Disciplina de Biologia Primeiro Ano Curso Técnico de Eletromecânica ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Escola Técnica Industrial Disciplina de Biologia Primeiro Ano Curso Técnico de Eletromecânica Prof. Diogo Schott diogo.schott@yahoo.com Substâncias orgânicas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

2. Metabolismo de Prótidos

2. Metabolismo de Prótidos 2. Metabolismo de Prótidos 2.1. Aminoácidos O transporte de aminoácidos é activo e faz-se juntamente com o sódio (Na + ), utilizando proteínas transportadoras. Os aminoácidos, são geralmente transportados

Leia mais

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo.

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo. O que é? A chlorella é uma alga unicelular de água doce existente na Terra há milhões de anos. A sua estrutura genética manteve-se intacta ao longo do tempo resultando numa grande concentração e variedade

Leia mais

AMINOÁCIDOS. Dra. Flávia Cristina Goulart. Bioquímica

AMINOÁCIDOS. Dra. Flávia Cristina Goulart. Bioquímica AMINOÁCIDOS Dra. Flávia Cristina Goulart Bioquímica Os aminoácidos (aa). O que são? AMINOÁCIDOS São as unidades fundamentais das PROTEÍNAS. São ácidos orgânicos formados por átomos de carbono, hidrogênio,

Leia mais

MACRONUTRIENTES III PROTEÍNAS

MACRONUTRIENTES III PROTEÍNAS MACRONUTRIENTES III PROTEÍNAS 1 PROTEÍNAS As proteínas são compostos orgânicos de estrutura complexa e massa molecular elevada, elas são sintetizadas pelos organismos vivos através da condensação de um

Leia mais

HNT 130 Nutrição Normal

HNT 130 Nutrição Normal PROTEÍNAS definição, classificação, avaliação da qualidade protéica, funções e metabolismo. HNT 130 Nutrição Normal NUTRIÇÃO NORMAL Combinação dos processos pelos quais os organismos vivos recebem e utilizam

Leia mais

A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia

A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia A U L A 17 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Identificar as situações metabólicas nas quais ocorre o catabolismo dos aminoácidos.

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA A DISCIPLINA DE NUTRIÇÃO ANIMAL SOBRE O TEMA ENERGIA DEMANDA ENERGÉTICA DOS ANIMAIS

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA A DISCIPLINA DE NUTRIÇÃO ANIMAL SOBRE O TEMA ENERGIA DEMANDA ENERGÉTICA DOS ANIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA A DISCIPLINA DE NUTRIÇÃO ANIMAL SOBRE O TEMA ENERGIA DEMANDA ENERGÉTICA

Leia mais

Requerimentos Nutricionais de Cães e Gatos

Requerimentos Nutricionais de Cães e Gatos Requerimentos Nutricionais de Cães e Gatos animais de companhia duas espécies diferentes de animais Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) apresentam requerimentos nutricionais específicos

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais