Fichas de indicadores e fórmulas de planejamento e logística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fichas de indicadores e fórmulas de planejamento e logística"

Transcrição

1 Fichas de indicadores e fórmulas de planejamento e logística 2016 by Inbrasc. This work is licensed under the Creative Commons. If you want to use or share, you must give appropriate credit to Inbrasc.

2 es de Atendimento do Pedido do Cliente On Time Mede o % de entregas realizadas no prazo acordado com o Cliente Entregas no prazo Total de entregas realizadas

3 es de Atendimento do Pedido do Cliente OTIF (On Time In Full) Corresponde às entregas realizadas dentro do prazo e atendendo as quantidades e especificações do pedido Entregas perfeitas Total de entregas realizadas

4 es de Atendimento do Pedido do Cliente In Full (Taxa de preenchimento do pedido) Mede o % de pedidos atendidos na quantidade e especificações solicitadas pelo cliente Pedidos integralmente atendidos Total de pedidos expedidos

5 es de Atendimento do Pedido do Cliente Fill Rate É o % de serviço ao cliente. Volume de entrega é considerado no resultado Caixas faturadas Caixas pedidas

6 es de Atendimento do Pedido do Cliente Devoluções Total de devoluções parciais ou totais com relação ao volume de vendas Quantidade devolvidas Quantidade faturada

7 es de Atendimento do Pedido do Cliente Tempo de ciclo do pedido Tempo decorrido entre a realização do pedido por um cliente e a data de entrega Data de entrega Data de realização do pedido

8 es de Atendimento do Pedido do Cliente Acuracidade da previsão de Planejamento. Mensura o erro da previsão da demanda Demanda efetiva Demanda prevista (em módulo) Demanda efetiva

9 es de Gestão de Estoques Days On Hand (DOH) Indica qual a cobertura disponível para a estimativa de vendas do mês seguinte Quantidade em estoque Estimativa do período seguinte* *30, se for mensal.

10 es de Gestão de Estoques Days Of Inventory (DI) Indica qual a performance financeira (valor) do meus estoques Valor do estoque médio Custo da Venda x Número de dias do período

11 es de Gestão de Estoques MAPE Mean Absolute Percentage Error Indica qual o % de erro entre o volume de venda previsto e o efetivo Soma dos erros absolutos dos SKUs Soma das vendas dos SKUs

12 es de Gestão de Estoques Acuracidade de inventário Corresponde à diferença entre o estoque físico e a informação contábil de estoques Estoque físico atual por SKU Estoque contábil/sistema

13 es de Gestão de Estoques Stock out Quantificação das vendas perdidas em função da indisponibilidade do item solicitado Quantidade de dias sem produto x Venda média diária x Preço unitário

14 es de Gestão de Estoques Estoque indisponível para venda Corresponde ao estoque indisponível para venda em função de danos decorrentes da movimentação, armazenagem, vencimento de data ou obsolescência Estoque Indisponível (R$) Estoque Total (R$)

15 es de Gestão de Estoques Utilização da capacidade de estocagem Mede a utilização volumétrica ou do número de posições para estocagem disponíveis em um armazém 3 Ocupação Média em m ou Posições de Armazenagem Ocupadas 3 Capacidade Total de Armazenagem em m³ ou Número de Posições

16 es de Gestão de Estoques Giro de estoques Indica a quantidade de vezes que o estoque da empresa é vendido num determinado período Valor vendas (preço compras) Valor médio dos estoques

17 es de Armazenagem Pedidos por hora Mede a quantidade de pedidos separados e embalados/acondicionados por hora. Também pode ser medido em linhas ou itens Pedidos separados e/ou embalados Total de horas trabalhadas no armazém

18 es de Armazenagem Produtividade Mede a eficácia da operação Volume movimentado Equipe ou Turno ou Atividade

19 es de Armazenagem Eficiência operacional Mede quanto tempo dos colaboradores estão efetivamente alocados. Identificação de tempos mortos com falta de caminhão, de pedido etc. Total de horas trabalhadas Total de horas pagas

20 es de Armazenagem Dock to stock time Tempo da mercadoria da doca de recebimento até a sua armazenagem física Horário da disponibilização do item para venda Horário do recebimento

21 es de Armazenagem Custo por pedido Rateio dos custos operacionais do armazém pela quantidade de pedidos expedidos Custo total do armazém Total de pedidos expedidos

22 es de Armazenagem Custos de movimentação e armazenagem como % das vendas Revela a participação dos custos operacionais de um armazém nas vendas de uma empresa Custo total do armazém Venda total

23 es de Armazenagem Tempo médio de carga e descarga Mede o tempo de permanência dos veículos de transporte nas docas de recebimento e expedição Hora de saída da doca Hora de entrada na doca

24 es de Armazenagem Tempo médio de permanência do veículo de transporte Além do tempo em doca, mede tempos de manobra, trânsito interno, autorização da portaria, vistoria etc. Hora de saída da portaria Hora de entrada na portaria

25 es de Armazenagem Utilização dos equipamentos de movimentação Mede a utilização dos equipamentos de movimentação disponíveis em uma operação de movimentação e armazenagem Horas em operação Horas disponíveis para uso

26 WORKSHOP Copyright 2016 by Inbrasc. Este trabalho, incluindo todos os modelos, slides e textos estão sob a licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Para ver uma cópia desta licença, visite Você pode utilizar e distribuir esse material desde que a fonte INBRASC seja mencionada. Autorizações adicionais podem ser concedidas no âmbito desta licença pelo abaixo: 2016 by Inbrasc. This work is licensed under the Creative Commons Attribution-NonCommercial- ShareAlike 4.0 International License. To view a copy of this license, visit You must give appropriate credit to Inbrasc, provide a link to the license, and indicate if changes were made. You may not use the material for commercial purposes. If you remix, transform, or build upon the material, you must distribute your contributions under the same license as the original.

OS 8 PRINCIPAIS INDICADORES NA GESTÃO DE ESTOQUES

OS 8 PRINCIPAIS INDICADORES NA GESTÃO DE ESTOQUES OS 8 PRINCIPAIS INDICADORES NA GESTÃO DE ESTOQUES 2016 by Inbrasc. This work is licensed under the Creative Commons. If you want to use or share, you must give appropriate credit to Inbrasc. es de Supply

Leia mais

WORKSHOP: ANÁLISE DE VIABILIDADE FINANCEIRA

WORKSHOP: ANÁLISE DE VIABILIDADE FINANCEIRA : 2015 by Confeb. This work is licensed under the Creative Commons. If you want to use or share, you must give appropriate credit to Confeb. Análise do fluxo de caixa para implantação de projetos Fluxo

Leia mais

Passo a passo de como montar sua matriz estratégica de categorias de compras. Febracorp University

Passo a passo de como montar sua matriz estratégica de categorias de compras. Febracorp University Passo a passo de como montar sua matriz estratégica de categorias de compras Matriz Kraljic - Definição A matriz de Kraljic, desenvolvida por Peter Kraljic, proporciona uma visão estratégica de compras,

Leia mais

WORKSHOP: INTELIGÊNCIA EM PRECIFICAÇÃO

WORKSHOP: INTELIGÊNCIA EM PRECIFICAÇÃO WORKSHOP: INTELIGÊNCIA EM PRECIFICAÇÃO 2015 by Ibramerc. This work is licensed under the Creative Commons. If you want to use or share, you must give appropriate credit to Ibramerc. Precificação Tática

Leia mais

WORKSHOP MÉTRICAS E INDICADORES DE TI

WORKSHOP MÉTRICAS E INDICADORES DE TI 2016 by ebusiness. This work is licensed under the Creative Commons. If you want to use or share, you must give appropriate credit to ebusiness. Dashboard Como Fazer Definir objetivo e público-alvo do

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques AULA 11: GESTÃO DE ESTOQUES

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques AULA 11: GESTÃO DE ESTOQUES GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques Gestão de Estoques Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Conhecer os termos mais usados sobre o tema. Conhecer os métodos e

Leia mais

Curso Básico do Ubuntu 8.04

Curso Básico do Ubuntu 8.04 Curso Básico do Ubuntu 8.04 Written by and attributed to Canonical Ltd. and the Ubuntu Training community 2007. This license is bound by the Creative Commons: CC by NC SA. Under this license, you are free:

Leia mais

01/09/2010. Incubadoras. Benchmarking

01/09/2010. Incubadoras. Benchmarking Incubadoras Benchmarking 1 Você sabe o que é uma incubadora?! Incubadora: Possui um ambiente especialmente planejado; Tem como base o empreendedorismo e seu incentivo Visa difundir o conhecimento. Qual

Leia mais

O que é a Ética? Ética da pessoa... Princípios e Normas Éticas. Sócrates

O que é a Ética? Ética da pessoa... Princípios e Normas Éticas. Sócrates 1 O que é a Ética? Ética da pessoa... Princípios e Normas Éticas 2 Sócrates É sujeito ético moral somente aquele que sabe o que faz, conhece as causas e os fins de sua ação, o significado de suas intenções

Leia mais

Picking. Essa atividade pode ter diferença em custos e no tempo do atendimento do pedido, que vai se refletir na satisfação do cliente.

Picking. Essa atividade pode ter diferença em custos e no tempo do atendimento do pedido, que vai se refletir na satisfação do cliente. Picking O processo de picking é considerado uma das atividades mais importantes no armazém, pois cria um diferencial competitivo fundamental para o sucesso da empresa. Outro aspecto importante é quanto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO/E.E ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código:091.01 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

Custos associados ao estoque

Custos associados ao estoque Sumário Custos associados ao estoque Estrutura Básica do Custo de Armazenagem Custo do Espaço de Armazenagem Custo de Perdas! Custo de Serviços de Armazenagem" Custo do Capital# Custo Total de Estocagem

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos. Capítulo 12 Bowersox

Gerenciamento de Depósitos. Capítulo 12 Bowersox Gerenciamento de Depósitos Capítulo 12 Bowersox Gerenciamento de Depósitos Estoque local de processamento Agrega custos Serviços preparação para entrega Break Bulk e Cross-docking Redução dos custos de

Leia mais

O que é Legislação? Direito de Propriedade Material, Industrial e Intelectual

O que é Legislação? Direito de Propriedade Material, Industrial e Intelectual O que é Legislação? Direito de Propriedade Material, Industrial e Intelectual 1 A palavra " lei " se refere a limites em várias formas de comportamento. Lei= do verbo latinoligare=significa "aquilo que

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT GESTÃO DE DEPÓSITOS ORGANIZAÇÃO PAULISTANA EDUCACIONAL E CULTURAL FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS GERENCIAIS

Leia mais

Otimizando a Gestão de Estoques

Otimizando a Gestão de Estoques Otimizando a Gestão de Estoques Curso de Gestão de Estoques Descontrole de estoques é um problema crônico da grande maioria das empresas de Bens de Consumo. Enquanto alguns produtos faltam, outros sobram.

Leia mais

Nível de Serviço Logístico

Nível de Serviço Logístico Nível de Serviço Logístico Prof. Dr. Claudio Barbieri da Cunha Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Março, 2017 O que é Nível de Serviço Logístico?

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 07: Tecnologia da Informação

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 07: Tecnologia da Informação GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 07: Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Ao final dessa aula o aluno deverá conhecer: Informações e cadeia de suprimentos; Níveis da cadeia de suprimentos

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br } COMPRAS: Será que o comprador verificou o estoque fisicamente e negociou o espaço disponível no almoxarifado, ou será que verificou em seu computador

Leia mais

Cultura e Arte Livres

Cultura e Arte Livres Jerônimo Cordoni Pellegrini (UFABC) Curso de Extensão Desenvolvimento de Software Livre projeto Proex 10/2015 Conceituação Creative Commons Exemplos Financiamento de Arte e Cultura no Brasil No Meio Acadêmico

Leia mais

SEAL USER CONNECT 2016 Solução Via Voz.

SEAL USER CONNECT 2016 Solução Via Voz. SEAL SISTEMAS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEAL USER CONNECT 2016 Solução Via Voz. I N O V A Ç Ã O S E M L I M I T E S GERENCIA DE SISTEMAS E APLICAÇÕES Agenda SEAL USER CONNECT 2016 Sobre a Seal Sistemas

Leia mais

11/05/2010 Slide - 1

11/05/2010 Slide - 1 SOLUÇÃO DE FERRAMENTARIA NO SAP Slide - 1 Escopo A solução SAP para uma atenderá as seguintes necessidades: Controle do empréstimo e devolução dos instrumentos e ferramentas. Administração do depósito

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Inventário Digital Responsabilidade pela guarda das informações da pessoa falecida e os requisitos para sua divulgação

Inventário Digital Responsabilidade pela guarda das informações da pessoa falecida e os requisitos para sua divulgação Responsabilidade pela guarda das informações da pessoa falecida e os requisitos para sua divulgação Conceito Inventário: Descrição detalhada dos bens deixados por uma pessoa física ao falecer, tendente

Leia mais

Matemática - Ensino Fundamental. Exercícios - Lista 2-8o. Ano. Exercícios sobre equações de 1o. grau em questões de geometria 1.

Matemática - Ensino Fundamental. Exercícios - Lista 2-8o. Ano. Exercícios sobre equações de 1o. grau em questões de geometria 1. Matemática - Ensino Fundamental Exercícios - Lista 2-8o. Ano Exercícios sobre equações de 1o. grau em questões de geometria 1. Exemplos Resolvidos: 1- Encontre o valor de x, dado o segmento de reta AB,

Leia mais

PROCESSO DE PLANEJAMENTO INTEGRADO DE NEGÓCIO S&OP

PROCESSO DE PLANEJAMENTO INTEGRADO DE NEGÓCIO S&OP PROCESSO DE PLANEJAMENTO INTEGRADO DE NEGÓCIO S&OP S&OP PASSO-A-PASSO 04 de novembro de 2009 Cássio Ricci Azevedo Sadia E-mail: Cassio.Azevedo@sadia.com.br S&OP PASSO-A-PASSO AGENDA Conceitos de S&OP Processo

Leia mais

Trade-off s Logístics & Custo Total

Trade-off s Logístics & Custo Total Trade-off s Logístics & Custo Total Prof. Dr. Claudio Barbieri da Cunha Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Março de 2017 Origem do conceito de custo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO de Controle de Pedidos Versão 2.0 DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO Página 2 / 8 de Controle de pedidos HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 25/09/2010 1.0 Elaboração do Documento Bruno Mota

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Moreira, 2008 Por que os estoques são necessários? Disponibilizar

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer o que são estratégias de posicionamento logístico Compreender as políticas

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações

Armazenagem & Automação de Instalações Armazenagem & Automação de Instalações Armazenagem & Automação de Instalações Funções do Sistema de Armazenagem - Manutenção de Estoque - Manuseio de Materiais: Carregamento & Descarregamento Movimentação

Leia mais

RB Distribuidora Distribuição Total

RB Distribuidora Distribuição Total RB Distribuidora Distribuição Total Breve Histórico Fundação Teresina-PI Abertura filial em Fortaleza Transferência da sede para Fortaleza Fim da atividade Atacadista e foco na distribuição especializada

Leia mais

PCP II. Sistema de estocagem e manuseio. Rodrigues, Roger Antônio.

PCP II. Sistema de estocagem e manuseio. Rodrigues, Roger Antônio. PCP II Sistema de estocagem e manuseio Rodrigues, Roger Antônio. R696s Sistema de estocagem e manuseio / Roger Antônio Rodrigues. Varginha, 2015. 13 slides : il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Seminário Scrum. Scrum uma estrutura ágil. Autor: Francisco Alecrim

Seminário Scrum. Scrum uma estrutura ágil. Autor: Francisco Alecrim Seminário Scrum Scrum uma estrutura ágil Autor: Francisco Alecrim Roteiro Scrum em 15 minutos Apresentação sobre origem, razões e detalhes do Scrum(75 minutos) Origem do scrum Razões das cerimônias/reuniões

Leia mais

RMI_M I C B M I I M E R M L P F F L V F T L V B V

RMI_M I C B M I I M E R M L P F F L V F T L V B V RMI_M I A mola em inox (AISI 304) é uma mola de pressão usada quando é necessária uma maior resistência à corrosão, tendo como principal objetivo estabilizar a pressão radial do lábio de vedação. Esta

Leia mais

24 a BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO

24 a BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO 24 a BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO Muita logística nessa hora Os Correios, maior empresa logística da América Latina, e responsáveis pela segunda maior operação logística de livros didáticos

Leia mais

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

MULTIRIO MULTICAR ÍNDICE. Armazenagem... Serviços Acessórios... Procedimentos Administrativos... Transporte e Serviços Relacionados...

MULTIRIO MULTICAR ÍNDICE. Armazenagem... Serviços Acessórios... Procedimentos Administrativos... Transporte e Serviços Relacionados... 2017 MULTIRIO MULTICAR A MultiRio é um Terminal de Contêineres e a MultiCar é um Terminal Roll-on/Rolloff, ambos do Grupo Multiterminais localizados no Porto do Rio de Janeiro. Os Terminais contam com

Leia mais

CAPÍTULO 1 A EMPRESA. 1.4 Termo de Compromisso Manual de Normas e Procedimentos Rosa Chá Studio CAPÍTULO 2 RECURSOS HUMANOS

CAPÍTULO 1 A EMPRESA. 1.4 Termo de Compromisso Manual de Normas e Procedimentos Rosa Chá Studio CAPÍTULO 2 RECURSOS HUMANOS CAPÍTULO 1 A EMPRESA 1.1 Histórico Rosa Chá 1.2 Histórico Marisol 1.3 O Manual de Normas e Procedimentos Rosa Chá Studio 1.4 Termo de Compromisso Manual de Normas e Procedimentos Rosa Chá Studio 1.5 Confidencialidade

Leia mais

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO Just In Time DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 DEFINIÇÃO DO JUST IN TIME TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO

Leia mais

O Melhor presente de Natal

O Melhor presente de Natal O Melhor presente de Natal This ebook is distributed under Creative Common License 3.0 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/ You are free to copy, distribute and transmit this work under the

Leia mais

105 Ciências Contábeis

105 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo 5 (Gestão de Stocks) Objectivos Explorar como o investimento em inventário pode influenciar o lucro da empresa Explorar como a gestão de inventário pode contribuir para o custo total

Leia mais

Fábio Figueiredo Supervisor. Suporte

Fábio Figueiredo Supervisor. Suporte Olá! Bem Vindo! Fábio Figueiredo Supervisor Suporte Fabio.figueiredo@grupopc.com.br Agenda do dia: Custos e precificação Importação do XML na entrada de mercadoria Entendendo a precificação de Produtos

Leia mais

1 Dimensionamento de Frota

1 Dimensionamento de Frota 1 Dimensionamento de Frota DESENVOLVA UM MODELO DE SIMULAÇÃO COM N CAMINHÕES QUE CIRCULAM ENTRE UMA FÁBRICA E PORTO. TANTO NA FÁBRICA COMO NO PORTO ESSES CAMINHÕES PASSAM POR UM PROCESSO DE PESAGEM NA

Leia mais

Marketing Comercial. campanhas promocionais. marketing. mala direta. classificação de contatos. Menu

Marketing Comercial. campanhas promocionais.  marketing. mala direta. classificação de contatos. Menu Soluções Marketing Comercial Registro e classificação dos contatos com clientes e prospects. Possibilidade de geração de compromissos encadeados, além de acompanhamento das ações promovidas pelas equipes

Leia mais

MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO. Alexandre Fanfa Ribas Sócio

MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO. Alexandre Fanfa Ribas Sócio MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO Alexandre Fanfa Ribas Sócio alexandrefanfa@falconi.com Pensamento Sistêmico Indicadores de Desempenho Lacunas e Metas Planos de Ação

Leia mais

A Importância estratégica dos estoques

A Importância estratégica dos estoques A Importância estratégica dos estoques Maria Aparecida Cavalcanti Netto Virgílio José Martins Ferreira Filho Coppe/UFRJ 3/5/2010 Aspectos financeiros da política de estoques Os estoques representam uma

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos: a)mantidos para venda no curso normal dos negócios; b)em processo

Leia mais

Estratégias eficientes de separação

Estratégias eficientes de separação Estratégias eficientes de separação Para atender as necessidades do mercado, as empresas estão avaliando diferentes sistemas na hora de separar os pedidos C ada vez mais clientes exigem entregas da noite

Leia mais

FORMULÁRIOS MANUAL DO EXPOSITOR

FORMULÁRIOS MANUAL DO EXPOSITOR FORMULÁRIOS MANUAL DO EXPOSITOR Formulário Prazo Status 1. Apresentação da Montadora 2. Credenciamento da Montadora 3. Responsabilidade da Montadora 4. Elétrica 17/10 Obrigatório 5. Credenciamento Expositor

Leia mais

OFICINAS DE VEÍCULOS OFICINAS GERAIS

OFICINAS DE VEÍCULOS OFICINAS GERAIS OFICINAS DE VEÍCULOS OFICINAS GERAIS SINGEST O Singest - destina-se essencialmente ao apoio à gestão de oficinas de reparaçoes. É um sistema modular, evolutivo e parametrizável. Está dotado de interfaces

Leia mais

EDITAL N.º 02/2010. Dispõe sobre o processo seletivo classificatório para os Cursos Técnicos em:

EDITAL N.º 02/2010. Dispõe sobre o processo seletivo classificatório para os Cursos Técnicos em: 1 EDITAL N.º 02/2010 Dispõe sobre o processo seletivo classificatório para os Cursos Técnicos em: Administração Comércio Exterior Contabilidade Design de Moda Eletrônica com ênfase em Eletrônica Médica

Leia mais

Etec Gustavo Teixeira

Etec Gustavo Teixeira ETEC GUSTAVO TEIXEIRA SÃO PEDRO Etec Gustavo Teixeira PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 236/03/2016 de 27/06/2016. Processo n /2016 AVISO

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Sandra Gonçalves Aluna do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil sandra.goncalves@aviator.com.br Alexsandra Machado da Silva dos Santos

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Entender os principais conceitos de Cadeia de Suprimentos Conhecer a origem da Cadeia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº38 aprovado pela portaria Cetec nº 6 de 06/01/2009 Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.1 Município: São Carlos-SP Eixo

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM - WMS

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM - WMS FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM - WMS São Paulo - SP 2015 ANA PAULA ALBUQUERQUE SILVA - RA: 6325336 DAIANA ANA DOS SANTOS - RA: 6512753 LEANDRO ANDRESA MENDES - RA: 6537600

Leia mais

6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados

6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados 6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados Este capítulo oferece a análise e as expectativas das empresas contratantes e contratadas com base nas informações adquiridas na pesquisa de campo objeto

Leia mais

Publicação de dados no GBIF com IPT

Publicação de dados no GBIF com IPT Publicação de dados no GBIF com IPT Instituto Superior de Agronomia, 11 e 12 de Julho Nó Português do GBIF Instituto de Investigação Científica Tropical Publicaçãode dados no GBIF com IPT Dia12 gestoresde

Leia mais

Uma mão na roda para o seu auto center.

Uma mão na roda para o seu auto center. Uma mão na roda para o seu auto center. Um completo sistema com módulo de gestão que abrange as funções necessárias para o desempenho do trabalho dos melhores centros automotivos. SOBRE A EMPRESA A F5

Leia mais

Administração de materiais é uma função coordenadora responsável pelo planejamento e controle do fluxo de materiais para produção.

Administração de materiais é uma função coordenadora responsável pelo planejamento e controle do fluxo de materiais para produção. Marcelo Sucena Administração de materiais é uma função coordenadora responsável pelo planejamento e controle do fluxo de materiais para produção. Objetivo principal: Suprir os diversos setores da empresa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 08 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT. 28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

King s Research Portal

King s Research Portal King s Research Portal Document Version Publisher's PDF, also known as Version of record Link to publication record in King's Research Portal Citation for published version (APA): Botelho Correa, F. (2014).

Leia mais

Manual de Utilização Logicorp Phoenix ERP. Pedido de Vendas. ML-01 Versão 4_7_3. ERP Estoque Rafael Marin 30/08/2012 ML01_04 Luis Perim

Manual de Utilização Logicorp Phoenix ERP. Pedido de Vendas. ML-01 Versão 4_7_3. ERP Estoque Rafael Marin 30/08/2012 ML01_04 Luis Perim Manual de Utilização Logicorp Phoenix ERP Pedido de Vendas ML-01 Versão 4_7_3 Departamento: Módulo: Coordenador de Projetos: Data: Número de Controle: Desenvolvido por: ERP Estoque Rafael Marin 30/08/2012

Leia mais

Problemas envolvendo fatorização de polinômios 1

Problemas envolvendo fatorização de polinômios 1 Problemas de Matemática do 2o. Grau Como Resolvê-los Passo à Passo - Lista 4 Problemas envolvendo fatorização de polinômios 1 Veremos no presente texto como resolver a fatorização de polinômios através

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II LOGÍSTICA 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM II PROJETO

Leia mais

Oferta Logística - Brasil

Oferta Logística - Brasil Oferta Logística - Brasil Visão Geral do Processo de Compra ENTRADA DO PEDIDO AVALIAÇÃO DE CRÉDITO PREPARAÇÃO DO PEDIDO PRAZO DE ENTREGA Via MySE (imediato) EDI (imediato) Se sua conta tem uma restrição

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação de serviços de fornecimento e administração de CARTÃO MAGNÉTICO - TÍCKET ALIMENTAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Início da produção em massa; Procurou identificar a melhor forma de fazer o trabalho baseado em princípios científicos. Inicio da engenharia industrial; Inovações

Leia mais

Reunião das Distribuidoras Regionais do Brasil. Novembro/2012 Distribuidora Geral Brás

Reunião das Distribuidoras Regionais do Brasil. Novembro/2012 Distribuidora Geral Brás Reunião das Distribuidoras Regionais do Brasil Novembro/2012 Distribuidora Geral Brás Projeto Hinário nº 5 Projeto Hinário nº 5 Comissão Musical iniciou em Fevereiro/2007 Conclusão em Junho/2012 Proposta:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Não há dúvidas de que as estruturas

Não há dúvidas de que as estruturas porta-paletes é uma boa solução Encontrar o modelo ideal para cada aplicação garante otimização de recursos e produtividade Não há dúvidas de que as estruturas porta-paletes aumentam a eficiência e segurança

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº38 aprovado pela portaria Cetec nº 6 de 06/01/2009 Etec Paulino Botelho - EE Esterina Placo (Extensão) Código: 091-01 Município: São Carlos

Leia mais

Antecipar o Problema

Antecipar o Problema INDICADORES Antecipar o Problema Mudar o Comportamento Informação Fidedigna Entendimento do Resultado Manter a Rotina de Controle Vendas da Farmácia Ticket Médio Lucro Despesas fixas Mercado Ticket Médio

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Prof. Fabrício Maciel Gomes Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção Prof. Fabrício Maciel Gomes Planejamento e Controle da Produção Sete perguntas-chave O que produzir e comprar? Quanto produzir e comprar?

Leia mais

PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020

PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020 + PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020 1 RESULTADOS OBTIDOS > 1ª edição 2013/2015 Aumento da Produtividade Aumento da produtividade > 25% Aumento da Volume Vendas Aumento de eficiência

Leia mais

CHECKLIST DE RESPONSABILIDADES DO VENDEDOR

CHECKLIST DE RESPONSABILIDADES DO VENDEDOR CHECKLIST DE RESPONSABILIDADES DO VENDEDOR I. REGISTRO DAS VENDAS A. Grupos de Mercadorias Identifica corretamente a informação nas etiquetas Compreende a divisão de mercadorias em grupos B. Registro de

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE COM PRODUTOS QUÍMICOS

PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE COM PRODUTOS QUÍMICOS 1. Objetivo PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE COM PRODUTOS QUÍMICOS Este procedimento estabelece os requisitos mínimos para orientar as ações básicas a serem adotadas pelas empresas envolvidas direta ou

Leia mais

LIÇÃO DE PROGRAMAÇÃO EV3 AVANÇADA. Matrizes. By Droids Robotics

LIÇÃO DE PROGRAMAÇÃO EV3 AVANÇADA. Matrizes. By Droids Robotics 1 LIÇÃO DE PROGRAMAÇÃO EV3 AVANÇADA Matrizes By Droids Robotics 2 Objetivos das Lições 1. Construir em cima de habilidades da lição Variáveis no Intermediário 2. Aprender como ler/escrever para matrizes

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

PPR Programa de Participação nos Resultados 2015

PPR Programa de Participação nos Resultados 2015 PPR Programa de Participação nos Resultados 2015 Objetivo O Programa de Participação nos Resultados tem como propósito incentivar o trabalho em equipe e o engajamento de todos no negócio da empresa. É

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPORTAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS PARA IMPORTAÇÃO INTRODUÇÃO GERAL A UFOP como instituição de pesquisa, está isenta pela Lei 8.010/90 do pagamento dos impostos na importação de bens destinados exclusivamente à pesquisa científica

Leia mais

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 Planejamento Mestre da Produção (PMP) e Cálculo das Necessidades de Materiais (MRP) Longo/médio

Leia mais

Gestão Empresarial PME GO UP

Gestão Empresarial PME GO UP Gestão Empresarial PME GO UP COM A SOLUÇÃO EM CLOUD, VOCÊ GARANTE SEGURANÇA, PERFORMANCE E DISPONIBILIDADE PARA O SEU NEGÓCIO. A Senior dispõe de todas as soluções em cloud, atuando na modalidade SaaS,

Leia mais

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01 Prova 01 Acadêmico(a): 24/11/2014 Matrícula: Assinatura: Obs: Rubricar cada página da avaliação Pergunta 01 Em toda a cadeia de suprimentos, a utilização de equipamentos e de dispositivos de movimentação

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Processo de inventário físico 2. Gestão de compras / contratos de fornecimento 3. Comprar ou fabricar?

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Tem sido estimado que as atividades associadas à preparação, à transmissão, à entrada e ao preenchimento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ LEADER FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ LEADER FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ LEADER FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI 00.875.318/0001-16 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das

Leia mais

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de Suprimento de Fundos pela Fundação de Educação Tecnológica e Cultural da Paraíba FUNETEC-PB. O SUPERINTENDENTE da Fundação de

Leia mais

APRESENTAÇÃO SISTEMAS BEM-VINDO A APRESENTAÇÃO DO SISTEMA PROSIS: AFFINCO

APRESENTAÇÃO SISTEMAS BEM-VINDO A APRESENTAÇÃO DO SISTEMA PROSIS: AFFINCO BEM-VINDO A APRESENTAÇÃO DO SISTEMA PROSIS: AFFINCO - - - - SPED s - Clique sobre os botões do lateral para acessar a página que desejar - Informações completas do produto e sua movimentação; - Possibilidade

Leia mais