Movimento em duas ou mais dimensões. Prof. Ettore Baldini-Neto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Movimento em duas ou mais dimensões. Prof. Ettore Baldini-Neto"

Transcrição

1 Movimento em duas ou mais dimensões Prof. Ettore Baldini-Neto

2 A partir de agora, generalizamos a discussão que fizemos para o movimento retilíneo para mais dimensões. A grande diferença é que o cálculo vetorial volta à cena e as grandezas físicas relevantes tais como a posição, o deslocamento, a velocidade e a aceleração devem ser expressas e operadas como um vetor. Vejamos como fazer isto.

3 Vetor posição A localização de uma partícula tanto no plano (2D) ou no espaço (3D) é descrita, de maneira geral, pelo vetor posição que, também em geral, depende do tempo. y Particle (x, y) r(t) ~ =x(t)î + y(t)ˆ r = xî + yĵ yĵ xî x Generalizando para o 3D, temos: r(t) ~ =x(t)î + y(t)ˆ + z(t)ˆk

4 Vetor Deslocamento Como vimos em uma dimensão, o deslocamento entre dois instantes quaisquer é definido com sendo a diferença entre as posições da partícula, nestes instantes. ~r = ~r 2 (t) ~r 1 (t)

5 Como ~r 1 = x 1 î + y 1ˆ + z 1ˆk ~r 2 = x 2 î + y 2ˆ + z 2ˆk ~r = ~r 2 ~r 1 = (x 2 x 1 )î +(y 2 y 1 )ˆ +(z 2 z 1 )ˆk = xî + yˆ + zˆk Exemplo 1: O vetor posição de uma partícula é, inicialmente, r1=-3,0i+2,0j+5k. Mais tarde, esta partícula está em r2= 9,0i+2.0j+8k. Calcule seu deslocamento.

6 Velocidades média e instantânea Analogamente ao caso unidimensional, definimos as velocidades média e instantânea como v m = ~r t m s v = d~r dt m s A interpretação geométrica é a mesma, ou seja, a direção da velocidade instantânea de uma partícula em determinado ponto (instante) é tangente à trajetória da partícula neste ponto.

7 A direção da velocidade instantânea de uma partícula em determinado ponto (instante) é tangente à trajetória da partícula neste ponto. ~v = d~r dt = dx dt î + dy dt ˆ + dz dt ˆk = v x î + v yˆ + v zˆk Cuidado: Está implícito nesta equação que as componentes do vetor posição variam com o tempo, ou seja, x=x(t), y=y(t) e z=z(t). A regra de derivação é a mesma.

8 Acelerações média e instantânea Analogamente ao caso unidimensional, definimos as acelerações média e instantânea como m s 2 ~a m = ~v t ~a = d~v dt m s 2 A interpretação geométrica, assim como as regras de derivação continuam as mesmas. No caso geral, devemos lembrar que a aceleração pode depender do tempo.

9 Reescrevendo, ficamos com ~a = a x (t)î + a y (t)ˆ + a z (t)ˆk No caso de um movimento retilíneo uniforme em qualquer uma das direções, a aceleração nesta direção será constante, ou seja, não vai variar com o tempo. Exemplo 2: Uma partícula movimentando-se no plano tem o seguinte vetor posição ~r (t) =(2t 4)î +(t 2 2t + 1)ˆ Calcule sua velocidade e aceleração em função do tempo. Existe algum instante onde a velocidade se anula? Descreva o movimento para t>0.

10 Casos especiais Vamos estudar agora dois casos particulares do movimento em duas dimensões. Movimento circular uniforme Movimento de Projéteis

11 Movimento Circular Uniforme (MCU) Uma partícula descreve o MCU se estiver se movimento em uma circunferência ou arco de circunferência com velocidade escalar constante. Muito embora o módulo desta velocidade seja constante, a direção do vetor velocidade varia ao longo da trajetória, é sempre tangente à trajetória em cada instante do tempo. Portanto, o movimento possui uma aceleração, a qual chamamos de aceleração centrípeta que é dirigida para o centro da curva.

12 Cálculo da aceleração ~v = vsen î + vcos ˆ Da figura sen = y p r cos = x p r ~v = y p r vî + x p r vˆ Sabemos que a aceleração é a derivada da velocidade. Note que nem o raio nem a velocidade variam com o tempo. ~a = d~v dt = dy p dt v r î + dx p dt v r ˆ

13 Note que dy p dt = v y = vcos dx p dt = v x = vsen Finalmente: ~a = d~v dt = dy p dt v r î + dx p dt v r ˆ v r v r ~a = vcos î vsen ˆ v 2 v 2 ~a = r cos î r sen ˆ

14 Calculando o módulo deste vetor ~a = q a 2 x + a 2 y ~a = v2 r

15 Durante o movimento circular uniforme, o período de uma volta em um circunferência é simplesmente a razão entre o comprimento da mesma e sua velocidade escalar, ou seja: T = 2 R v (s) Podemos com o auxílio desta equação expressar a intensidade da aceleração centrípeta como função do período do movimento. a cp = v2 R a cp = 4 2 R T 2 m s 2 Definimos a frequência do movimento como sendo inversa ao período, ou seja: f = 1 T (Hz)

16 Exemplo 3: Um objeto se move com velocidade constante ao longo de um caminho circular no plano xy. O centro é a origem do plano. Quando o objeto está em x=-2m, sua velocidade vale v=-4j (m/s). Calcule a velocidade deste objeto e sua aceleração quando ele está em y=2m.

17 Exemplo 4: Pilotos de caças militares sempre se preocuparam com curvas muito acirradas. Como o corpo de um piloto sofre aceleração centrípeta, com sua cabeça direcionada para o centra da curva, a pressão sanguínea no cérebro diminui, podendo causar perda de consciência em uma manobra. Existem vários avisos para o piloto para maneirar. Quando a aceleração centrípeta chega a 2g ou 3g, o piloto sente-se pesado. Em 4g, a visão começa a se turvar e se esta aceleração mantiver-se por algum tempo ou aumentar, a visão cessará e o piloto desmaiará. Qual a aceleração centrípeta, em unidades de g, de um piloto de um F22 com velocidade v=2500km/h fazendo um arco de circunferência de raio 5,80km?

18 Lançamento de Projéteis O lançamento de projéteis é um caso particular do movimento em duas dimensões. Podemos tratar matematicamente o problema de maneira simples pois podemos decompor este tipo de movimento em dois movimentos independentes: Em um movimento horizontal no qual a velocidade é constante, ou seja, um movimento retilíneo uniforme. Em um movimento vertical no qual a aceleração é constante e igual à aceleração da gravidade, ou seja, um movimento retilíneo uniformemente variado.

19 O movimento vertical das duas bolas é o mesmo, ou seja, o movimento horizontal da bola amarela não afeta seu movimento vertical, ou em outra palavras, eles são independentes.

20 O ponto importante é que durante um lançamento oblíquo, o vetor velocidade inicial tem duas componentes, uma componente ao longo do eixo x, e outra componente ao longo do eixo y, ou seja, ambas dependem do ângulo de lançamento. ~v 0 = v 0 cos î + v 0 sen ˆ O movimento horizontal do projétil então tem a seguinte equação. x = x 0 + v 0x.t! x = x 0 + v 0 cos.t

21 O movimento vertical do projétil então tem as seguintes equações, lembrando que a aceleração é a aceleração da gravidade, g. y = y 0 + v 0y.t 1 2 gt2 y = y 0 + v 0 sen.t 1 2 gt2 v y = v 0y g.t v y = v 0 sen g.t v 2 y = v 2 0y 2g y v 2 y = v 2 0sen 2 2g y

22 Equação da Trajetória do Projétil x = x 0 + v 0 cos.t t = x x 0 v 0 cos y = y 0 + v 0 sen.t 1 2 gt2 y y 0 = v 0 sen x x0 v 0 cos 1 x x0 2 g v 0 cos 2 y y 0 = sen cos (x x 0) 1 2 g (x x 0) 2 v0 2cos2

23 y y 0 = sen cos (x x 0) 1 2 g (x x 0) 2 v0 2cos2 y y 0 = tg (x x 0 ) 1 2 g (x x 0) 2 v0 2cos2 (x 0,y 0 )=(0, 0) y = tg.x g 2v0 2cos2 x2 y = bx + ax 2

24 Alcance Horizontal O alcance horizontal é a distância horizontal que o projétil percorre desde o lançamento até o ponto em que sua altura é a mesma do que a altura inicial de lançamento. x = x 0 + v 0 cos.t y = y 0 + v 0 sen.t 1 2 gt2 Quando a altura final é igual à altura inicial temos que: v 0 sen.t = 1 2 gt2 t = 2v 0sen g

25 t = 2v 0sen g x = x 0 + v 0 cos.t x x 0 = v 0 cos 2v0 sen g x x 0 = v2 02sen cos g R = v2 0 g sen2 O alcance máximo ocorre quando sen2 =1 = 45 o

26 Exemplo 5: Na figura abaixo, um avião de salvamento voa a 55m/s a uma altura de 500m rumo a um ponto diretamente acima de uma vítima de naufrágio para deixar cair uma balsa.! a) Qual dever ser o ângulo ø da linha de visão do piloto para a vítima no instante em que o piloto deixa a balsa cair? b) Qual a velocidade vetorial da balsa ao cair na água

27 Exemplo 6: A figura mostra um navio pirata a 560m de um forte que protege a entrada de um porto. Um canhão de defesa situado no nível do mar, dispara balas com uma velocidade inicial de 82m/s.! a) Qual o ângulo em relação à horizontal com que as balas devem ser disparadas para alcançar o navio? b) Qual o alcance máximo das balas de canhão?

MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES. O que um jogador de beisebol faz para saber onde deve estar para apanhar uma bola? CAPÍTULO 4

MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES. O que um jogador de beisebol faz para saber onde deve estar para apanhar uma bola? CAPÍTULO 4 MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES O que um jogador de beisebol faz para saber onde deve estar para apanhar uma bola? CAPÍTULO 4 Posição, velocidade e aceleração: Vetores Posição e velocidade: O vetor

Leia mais

Movimento em duas e três dimensões

Movimento em duas e três dimensões Movimento em duas e três dimensões Professor: Carlos Alberto Disciplina: Física Geral I Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como representar a posição de um corpo em duas

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Prof.a: Érica Muniz 1 Período Lançamentos Movimento Circular Uniforme Movimento de Projéteis Vamos considerar a seguir, um caso especial de movimento

Leia mais

Nesta aula, continuaremos a estudar a parte da física que analisa o movimento, mas agora podem ser em duas ou três dimensões.

Nesta aula, continuaremos a estudar a parte da física que analisa o movimento, mas agora podem ser em duas ou três dimensões. Parte 1 Movimento em 2 ou 3 dimensões Nesta aula, continuaremos a estudar a parte da física que analisa o movimento, mas agora podem ser em duas ou três dimensões. 1 - Posição e Deslocamento A localização

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Prof. Paulo Lopes

CINEMÁTICA VETORIAL. Prof. Paulo Lopes CINEMÁTICA VETORIAL Prof. Paulo Lopes Vetor deslocamento ( d ) x deslocamento escalar (Δs) d 100 metros Δs = 100 m ІdІ = 100 m R = 100 metros d Δs = 2πr 2 ІdІ = 2r = 200 m = 3,14x100 = 314 m Escalar Vetorial

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular

Física. Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular Velocidade Relativa Um Gedankenexperiment Imagine-se agora em um avião, a 350 km/h. O destino (a direção) é por conta de

Leia mais

1) O vetor posição de uma partícula que se move no plano XZ e dado por: r = (2t 3 + t 2 )i + 3t 2 k

1) O vetor posição de uma partícula que se move no plano XZ e dado por: r = (2t 3 + t 2 )i + 3t 2 k 1) O vetor posição de uma partícula que se move no plano XZ e dado por: r = (2t + t 2 )i + t 2 k onde r é dado em metros e t em segundos. Determine: (a) (1,0) o vetor velocidade instantânea da partícula,

Leia mais

Equipe de Física. Física. Movimento Circular

Equipe de Física. Física. Movimento Circular Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 3B Ensino Médio Equipe de Física Data: Física Movimento Circular Grandezas Angulares As grandezas até agora utilizadas de deslocamento/espaço (s, h, x, y), de velocidade

Leia mais

MOVIMENTO BIDIMENSIONAL

MOVIMENTO BIDIMENSIONAL Problemas esolvidos do Capítulo 3 MVIMENT BIDIMENSINAL Atenção Leia o assunto no livro-teto e nas notas de aula e reproduza os problemas resolvidos aqui. utros são deiados para v. treinar PBLEMA 1 Um projétil

Leia mais

Aula 6. Doravante iremos dizer que r(t) é uma parametrização da curva, e t é o parâmetro usado para descrever a curva.

Aula 6. Doravante iremos dizer que r(t) é uma parametrização da curva, e t é o parâmetro usado para descrever a curva. Curvas ou Funções Vetoriais: Aula 6 Exemplo 1. Círculo como coleção de vetores. Vetor posição de curva: r(t) = (cos t, sen t), t 2π r(t) pode ser vista como uma função vetorial: r : [, 2π] R R 2 Doravante

Leia mais

Prof. Marcelo França

Prof. Marcelo França Prof. Marcelo França VETOR POSIÇÃO ( ). No capítulo precedente, estudamos as propriedades e as operações envolvendo vetores. Temos, agora, plenas condições de iniciar o estudo dos movimentos no plano

Leia mais

Chapter 2 Movimento Retilíneo (movimento unidimensional)

Chapter 2 Movimento Retilíneo (movimento unidimensional) Chapter 2 Movimento Retilíneo (movimento unidimensional) (2-1) 1. Vamos supor que o movimento se dá ao longo de uma linha reta. A trajetória pode ser vertical, horizontal ou inclinada, mas deve ser retilínea.

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Lançamentos Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Lançamentos Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Lançamentos Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Queda dos corpos Quando um corpo é lançado verticalmente para cima verificaremos que ele sobe até

Leia mais

Fundamentos de Física. José Cunha

Fundamentos de Física. José Cunha José Cunha jmcunha@ipca.pt Cinemática de um Ponto Material Movimento Unidimensional Cinemática é a descrição do movimento sem considerar as suas causas 3 Cinemática 4 Cinemática 5 Cinemática Para descrever

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Cinemática II

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Cinemática II CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Cinemática II Iva Emanuelly Pereira Lima - Engenharia Civil João Victor Tenório Engenharia Civil Na aula de hoje... - Lançamento Oblíquo; - Algumas

Leia mais

Análise do movimento dos projéteis no vácuo

Análise do movimento dos projéteis no vácuo Capítulo 2 Análise do movimento dos projéteis no vácuo 2.1 Movimento unidimensional O estudo do movimento dos projéteis envolve seu deslocamento no espaço e a velocidade com que se deslocam em um intervalo

Leia mais

Caro Aluno: Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU e MCU. Bom estudo e Boa Sorte!

Caro Aluno: Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU e MCU. Bom estudo e Boa Sorte! TEXTO DE EVISÃO 10 Movimento Circular Caro Aluno: Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU e MCU. om estudo e oa Sorte! 1 - Movimento Circular: Descrição do Movimento Circular

Leia mais

Exercícios desafiadores de Cinemática

Exercícios desafiadores de Cinemática Exercícios desaiadores de Cinemática Stevinus agosto 2009 1 Cinemâtica 1.1 Moysés, cap.2-10 Um trem com aceleração máxima a, e deceleração máxima (magnitude da aceleração de reiamento) tem de percorrer

Leia mais

Física 1. Resumo e Exercícios P1

Física 1. Resumo e Exercícios P1 Física 1 Resumo e Exercícios P1 Fórmulas e Resumo Teórico Parte 1 Derivada de polinômios - Considerando um polinômio P x = ax %, temos: d P x = anx%() dx Integral de polinômios - Considerando um polinômio

Leia mais

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA Objetivos de aprendizagem: Descrever o movimento em uma linha reta em termos de velocidade média, velocidade instantânea, aceleração média e aceleração

Leia mais

MOVIMENTO RETILÍNEO. Prof. Bruno Farias

MOVIMENTO RETILÍNEO. Prof. Bruno Farias CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DISCIPLINA: FÍSICA I MOVIMENTO RETILÍNEO Prof. Bruno Farias Introdução Por que estudar mecânica? Porque o mundo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Processos Seletivos COPS PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 28/06/2015 Física

Leia mais

MOVIMENTO CIRCULAR PROFESSORA DANIELE SANTOS FÍSICA 2 ANO FÍSICA INSTITUTO GAY-LUSSAC

MOVIMENTO CIRCULAR PROFESSORA DANIELE SANTOS FÍSICA 2 ANO FÍSICA INSTITUTO GAY-LUSSAC MOVIMENTO CIRCULAR PROFESSORA DANIELE SANTOS FÍSICA 2 ANO FÍSICA INSTITUTO GAY-LUSSAC MOVIMENTO CIRCULAR CONCEITOS INICIAIS UM CORPO EXECUTA MOVIMENTO CIRCULAR QUANDO SUA TRAJETÓRIA É UMA CIRCUNFERÊNCIA

Leia mais

Princípios da Dinâmica

Princípios da Dinâmica Princípios da Dinâmica Parte 6 Componentes da Força Resultante Profa. Kelly Pascoalino Imagine uma partícula qualquer que descreve uma trajetória curvilínea como indicado na figura. Suponhamos que no instante

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Vetores. Gustavo Henrique Miron Batista - Engenharia Civil

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Vetores. Gustavo Henrique Miron Batista - Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2016.2 Vetores Gustavo Henrique Miron Batista - Engenharia Civil Definição O que é um vetor? Um vetor é um segmento de reta orientado, que representa uma

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 22 CINEMÁTICA VETORIAL

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 22 CINEMÁTICA VETORIAL FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 22 CINEMÁTICA VETORIAL r P r 1 1 r 2 r 2 vm r 2 1 a a t Eixo tangente à trajetória a c a Fixação 1) Um móvel percorre 4,0km para leste e 3,0km para norte. Isso ocorre em 20 minutos.

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 10: Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação;

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 10: Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 10: Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas Relacionadas Objetivos da Aula Denir taxa de variação; Usar as regras de derivação

Leia mais

Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB.

Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB. Vetores Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB. Se indicarmos com este conjunto, simbolicamente poderemos escrever: onde XY é um segmento

Leia mais

AULA 43 RELAÇÃO ENTRE O MOVIMENTO HARMÔNICO E O MOVIMENTO CIRCULAR

AULA 43 RELAÇÃO ENTRE O MOVIMENTO HARMÔNICO E O MOVIMENTO CIRCULAR AULA 43 RELAÇÃO ENTRE O MOVIMENTO HARMÔNICO E O MOVIMENTO CIRCULAR OBJETIVOS: ESTUDAR A RELAÇÃO DO MOVIMENTO HARMÔNICO COM O CIRCULAR, MOSTRANDO QUE ESTE É UMA COMPOSIÇÃO DE DOIS MOVIMENTOS HARMÔNICOS

Leia mais

GABARITO DA AFE02 FÍSICA 2ª SÉRIE 2016

GABARITO DA AFE02 FÍSICA 2ª SÉRIE 2016 GABARITO DA AFE0 FÍSICA ª SÉRIE 016 1) A figura abaixo representa um móvel m que descreve um movimento circular uniforme de raio R, no sentido horário, com velocidade de módulo V. Assinale a alternativa

Leia mais

Movimentos na Terra e no Espaço Dulce Campos 2

Movimentos na Terra e no Espaço Dulce Campos 2 Unidade 1 Síntese Movimentos na Terra e no Espaço 23-11-2011 Dulce Campos 2 Sobre a função x(t) podemos resumir: X(t) é crescente A partícula move-se no sentido positivo da trajetória X(t) é decrescente

Leia mais

Movimento Circular Uniforme (MCU)

Movimento Circular Uniforme (MCU) Movimento Circular Uniforme (MCU) Introdução Período e frequência Movimento Circular (MCU) Velocidade escalar Velocidade angular Relações matemáticas Transmissão de movimentos Introdução Dizemos que algo

Leia mais

Dinâmica do Movimento dos Corpos CINEMÁTICA VETORIAL5. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Dinâmica do Movimento dos Corpos CINEMÁTICA VETORIAL5. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques CINEMÁTICA VETORIAL5 Gil da Costa Marques 5.1 Referenciais 5. Vetores e Referenciais Cartesianos 5.3 Referenciais Gerais 5.4 Vetores em Coordenadas Polares 5.5 Vetores Velocidade e Aceleração em coordenadas

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 15: Taxa de Variação. Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação;

CÁLCULO I. 1 Taxa de Variação. Objetivos da Aula. Aula n o 15: Taxa de Variação. Taxas Relacionadas. Denir taxa de variação; CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. Edilson Neri Prof. André Almeida Aula n o 15: Taxa de Variação. Taxas Relacionadas Objetivos da Aula Denir taxa de variação; Usar as regras de derivação no cálculo de

Leia mais

Quando um corpo descreve um movimento circular alem das grandezas lineares existem as grandezas angulares, desse modo, temos:

Quando um corpo descreve um movimento circular alem das grandezas lineares existem as grandezas angulares, desse modo, temos: MOVIMENTO CIRCULAR Quando um corpo descreve um movimento circular alem das grandezas lineares existem as grandezas angulares, desse modo, temos: MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME (M.C.U.) Velocidade linear v

Leia mais

Movimento Circular e Uniforme

Movimento Circular e Uniforme A principal característica desse tipo de movimento é que a partícula ou o corpo no qual estamos considerando tem o módulo da velocidade constante na sua trajetória circular. Exemplos: - Satélites na órbita

Leia mais

1ªAula do cap. 04. Movimento em 2 Dimensões 2-D

1ªAula do cap. 04. Movimento em 2 Dimensões 2-D 1ªAula do cap. 4 Moimento em Dimensões -D Introdução ao moimento em -D. Vetor Posição e Deslocamento, Velocidade e aceleração, Princípio da Independência dos Moimentos, Moimento em -D Lançamento Horizontal,

Leia mais

FQA Ficha 9 Exercícios variados

FQA Ficha 9 Exercícios variados ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS FQA Ficha 9 Exercícios variados 11.º Ano Turma A e B 10 novembro 2014 NOME Nº Turma 1. Um grupo de alunos realizou a atividade de laboratório AL-1.4 - Satélite geostacionário

Leia mais

Atividade Complementar para a DP de Física 1. Profs. Dulceval Andrade e Luiz Tomaz

Atividade Complementar para a DP de Física 1. Profs. Dulceval Andrade e Luiz Tomaz Atividade Complementar para a DP de Física 1. Profs. Dulceval Andrade e Luiz Tomaz QUESTÕES DO CAPÍTULO 2 DO LIVRO FUNDAMENTOS DE FÍSICA HALLIDAY & RESNICK - JEARL WALKER 6 ª - 7 ª e 9ª EDIÇÃO VOLUME 1

Leia mais

Ficha de trabalho 5 AMPLIAÇÃO

Ficha de trabalho 5 AMPLIAÇÃO Nome: N. o : Turma: Data: Ficha de trabalho 5 AMPLIAÇÃO 1. Uma pedra é lançada do ponto P com uma velocidade de 10 m s 1 numa direcção que forma um ângulo de 45º com a horizontal, atingindo o ponto Q conforme

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO Como se deslocam no mesmo sentido, a velocidade relativa entre eles é: V rel = V A - V C = 80-60 = 20 km/h Sendo a distância relativa, S rel = 60 km, o tempo necessário para o alcance é: S rel 60 t = =

Leia mais

Espaço x Espaço inicial x o

Espaço x Espaço inicial x o MOVIMENTO CIRCULAR Prof. Patricia Caldana O movimento circular é o movimento no qual o corpo descreve trajetória circular, podendo ser uma circunferência ou um arco de circunferência. Grandezas Angulares

Leia mais

Física I. Aula 03: Movimento em um Plano. Tópico 03: Movimento de Projéteis. Observação

Física I. Aula 03: Movimento em um Plano. Tópico 03: Movimento de Projéteis. Observação Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 03: Movimento de Projéteis Todo mundo sabe que brasileiro é doido por futebol, mas dos que gostam de futebol, muitos não gostam de Física. Mas você sabia que tem muita

Leia mais

EQUAÇÃO DE TORRICELLI E LANÇAMENTO VERTICAL EXERCÍCIOS

EQUAÇÃO DE TORRICELLI E LANÇAMENTO VERTICAL EXERCÍCIOS EQUAÇÃO DE TORRICELLI E LANÇAMENTO VERTICAL EXERCÍCIOS 1. Uma partícula, inicialmente a 2 m/s, é acelerada uniformemente e, após percorrer 8 m, alcança a velocidade de 6 m/s. Nessas condições, sua aceleração,

Leia mais

A figura abaixo mostra a variação de direção do vetor velocidade em alguns pontos.

A figura abaixo mostra a variação de direção do vetor velocidade em alguns pontos. EDUCANDO: Nº: TURMA: DATA: / / LIVRES PARA PENSAR EDUCADOR: Rosiméri dos Santos ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME Introdução Dizemos que uma partícula está em movimento circular quando

Leia mais

Solução: Alternativa (c). Esse movimento é retilíneo e uniforme. Portanto h = (g t 1 2 )/2 e 2 h =

Solução: Alternativa (c). Esse movimento é retilíneo e uniforme. Portanto h = (g t 1 2 )/2 e 2 h = UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ FÍSICA PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 9/06/206 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 0 Prova sem consulta. 02 Duração:

Leia mais

Física Teórica: Lista de Exercícios (aula 4)

Física Teórica: Lista de Exercícios (aula 4) Física Teórica: Lista de Exercícios (aula 4) Fonte: HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; WALKER, Jearl. Fundamentos de Física. 6ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.v.. cap. 4, p. 65. (Adaptados).. Uma partícula

Leia mais

MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. O valor do número real que satisfaz a equação =5 é. A) ln5. B) 3 ln5. C) 3+ln5. D) ln5 3. E) ln5 2ª QUESTÃO

MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. O valor do número real que satisfaz a equação =5 é. A) ln5. B) 3 ln5. C) 3+ln5. D) ln5 3. E) ln5 2ª QUESTÃO MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO O valor do número real que satisfaz a equação =5 é A) ln5 B) 3 ln5 C) 3+ln5 D) ln5 3 E) ln5 ª QUESTÃO O domínio da função real = 64 é o intervalo A) [,] B) [, C), D), E), 3ª QUESTÃO

Leia mais

Cap.04 Cinemática em duas Dimensões

Cap.04 Cinemática em duas Dimensões Cap.04 Cinemática em duas Dimensões Do professor para o aluno ajudando na avaliação de compreensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. 4.1 Aceleração Entender a Eq. 4.1: o vetor

Leia mais

Resultante Centrípeta

Resultante Centrípeta Questão 01) Uma criança está em um carrossel em um parque de diversões. Este brinquedo descreve um movimento circular com intervalo de tempo regular. A força resultante que atua sobre a criança a) é nula.

Leia mais

Cinemática I Movimento Retilíneo

Cinemática I Movimento Retilíneo CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2016.2 Cinemática I Movimento Retilíneo Rafael Silva P. de Santana Engenharia Civil 5º Período Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem

Leia mais

Tabela de Constantes

Tabela de Constantes Questão Aula Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos DISCIPLINA: Física e Química Módulo: F1 2016/2017 11 ºAno de escolaridade Duração: 45 minutos Nome: N.º 8 páginas

Leia mais

CINEMÁTICA MOVIMENTO RETILÍNEO

CINEMÁTICA MOVIMENTO RETILÍNEO CINEMÁTICA MOVIMENTO RETILÍNEO 1 Duas partículas A e B estão do lado oposto de uma reta com 500 m de comprimento. A partícula A desloca-se na direção AB e no sentido de B, com uma velocidade constante

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 2: Aproximações Lineares. Regra da Cadeia.

Cálculo Diferencial e Integral 2: Aproximações Lineares. Regra da Cadeia. Aproximações lineares. Diferenciais. Cálculo Diferencial e Integral 2: Aproximações Lineares.. Jorge M. V. Capela Instituto de Química - UNESP Araraquara, SP capela@iq.unesp.br Araraquara, SP - 2017 Aproximações

Leia mais

Abril Educação Medidas e movimentos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Medidas e movimentos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Medidas e movimentos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Diferencie uma grandeza escalar de uma grandeza vetorial. Questão 2 No estudo dos movimentos, é de grande

Leia mais

Movimento Unidimensional

Movimento Unidimensional Movimento Unidimensional Professor: Carlos Alberto Disciplina: Física Geral I Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como descrever o movimento unidimensional em termos da velocidade

Leia mais

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA FÍSICA E QUÍMICA A 11º ANO 2015/2016 A.P.S.A. F1 Movimentos: caracterização e representação gráfica 1. Selecione a alternativa correta que completa a frase. Uma partícula

Leia mais

SUGESTÃO DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL DE FÍSICA- 1 ANO Professor Solon Wainstein SEGUE ABAIXO UMA LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS

SUGESTÃO DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL DE FÍSICA- 1 ANO Professor Solon Wainstein SEGUE ABAIXO UMA LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS SUGESTÃO DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL DE FÍSICA- 1 ANO Professor Solon Wainstein # Ler todas as teorias # Refazer todos os exercícios dados em aula. # Refazer todos os exercícios feitos do livro. # Refazer

Leia mais

Aula 3 Introdução à Cinemática Movimento em 1 dimensão

Aula 3 Introdução à Cinemática Movimento em 1 dimensão Aula 3 Introdução à Cinemática Movimento em 1 dimensão FÍSICA Divisões da Física Quântica trata do universo do muito pequeno, dos átomos e das partículas que compõem os átomos. Clássica trata dos objetos

Leia mais

LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012

LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012 # Velocidade escalar média # Movimento retilíneo uniforme # Movimento retilíneo uniformemente variado # Movimento de queda livre dos corpos # Movimento

Leia mais

LANÇAMENTO OBLÍQUO - INTERMEDIÁRIO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

LANÇAMENTO OBLÍQUO - INTERMEDIÁRIO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS LANÇAMENTO OBLÍQUO - INTERMEDIÁRIO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS A Equipe SEI, pensando em você, preparou este artio com exercícios resolvidos sobre lançamento oblíquo. Bons estudos!. (AFA 9) Uma bola de basquete

Leia mais

Física I. Aula 02: Movimento Retilíneo. Tópico 02: Velocidade; Movimento Retilíneo Uniforme

Física I. Aula 02: Movimento Retilíneo. Tópico 02: Velocidade; Movimento Retilíneo Uniforme Tópico 02: Velocidade; Movimento Retilíneo Uniforme Aula 02: Movimento Retilíneo Observe o movimento da tartaruga acima. Note que a cada segundo, ela anda 10cm e mantém sempre esse movimento. A velocidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez Versão 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez Versão 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A e B Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 10 páginas e termina na palavra FIM Nome:

Leia mais

Física I 2009/2010. Aula02 Movimento Unidimensional

Física I 2009/2010. Aula02 Movimento Unidimensional Física I 2009/2010 Aula02 Movimento Unidimensional Sumário 2-1 Movimento 2-2 Posição e Deslocamento. 2-3 Velocidade Média 2-4 Velocidade Instantânea 2-5 Aceleração 2-6 Caso especial: aceleração constante

Leia mais

Mecânica. Cinemática Dinâmica

Mecânica. Cinemática Dinâmica MOVIMENTO RETILÍNEO CAPÍTULO 2 MOVIMENTO RETILÍNEO 2.1 - INTRODUÇÃO 2.2 DESLOCAMENTO, TEMPO E VELOCIDADE MÉDIA 2.3 VELOCIDADE INSTANTÂNEA 2.4 ACELERAÇÃO INSTANTÂNEA E MÉDIA 2.5 MOVIMENTO COM ACELERAÇÃO

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Vetor Deslocamento: Na cinemática vetorial determinamos a posição da partícula através do seu. vetor posição.

CINEMÁTICA VETORIAL. Vetor Deslocamento: Na cinemática vetorial determinamos a posição da partícula através do seu. vetor posição. CINEMÁTICA VETORIAL CINEMÁTICA VETORIAL Vetor Deslocamento: Na cinemática vetorial determinamos a posição da partícula através do seu vetor posição. CINEMÁTICA VETORIAL O vetor posição da partícula, em

Leia mais

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I CAPÍTULO III MOVIMENTO EM DUAS E EM TRÊS DIMENSÕES SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I CAPÍTULO III MOVIMENTO EM DUAS E EM TRÊS DIMENSÕES SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I CAPÍTULO III MOVIMENTO EM DUAS E EM TRÊS DIMENSÕES SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO ATENÇÃO: O objetivo deste arquivo é fornecer pistas para a solução de questões e problemas.

Leia mais

GABARITO COMENTADO DE PROVAS DE FÍSICA CINEMÁTICA

GABARITO COMENTADO DE PROVAS DE FÍSICA CINEMÁTICA GABARITO COMENTADO DE PROVAS DE FÍSICA CINEMÁTICA 1ª Prova 2007 Questão 1: FÁCIL O valor de H é calculado pela equação de Torricelli: Para isso, deve-se calcular a velocidade inicial e final: (sinal negativo,

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Física I (Movimento em Uma Dimensão)

2ª Lista de Exercícios de Física I (Movimento em Uma Dimensão) 2ª Lista de Exercícios de Física I (Movimento em Uma Dimensão) 1. Um motorista dirige para o norte por 3, min a 8 km/h e então para por 1, min. Em seguida continua para o norte, viajando 13 km em 2, h.

Leia mais

Lançamento Horizontal e Oblíquo

Lançamento Horizontal e Oblíquo Lançamento Horizontal e Oblíquo Composição de movimentos Princípio da Independência dos Movimentos de Galilei - Se um corpo apresenta um movimento composto, cada um dos movimentos componentes se realiza

Leia mais

Equipe de Física. Física

Equipe de Física. Física Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 2R Ensino Médio Equipe de Física Data: Física Lançamento Vertical Um arremesso de um corpo, com velocidade inicial na direção vertical, recebe o nome de Lançamento

Leia mais

Cinemática Bidimensional

Cinemática Bidimensional Cinemática Bidimensional INTRODUÇÃO Após estudar cinemática unidimensional, vamos dar uma perspectiva mais vetorial a tudo isso que a gente viu, abrangendo mais de uma dimensão. Vamos ver algumas aplicações

Leia mais

Apostila 2 Setor A. Aula 20. Velocidade Vetorial. Página 184. Gnomo

Apostila 2 Setor A. Aula 20. Velocidade Vetorial. Página 184. Gnomo Apostila 2 Setor A Aula 20 Página 184 Velocidade Vetorial INTRODUÇÃO Na Cinemática Escalar, o estudo de um movimento era feito independentemente da trajetória do móvel. Na Cinemática Vetorial, as grandezas

Leia mais

Fís. Semana. Leonardo Gomes (Arthur Vieira)

Fís. Semana. Leonardo Gomes (Arthur Vieira) Semana 6 Leonardo Gomes (Arthur Vieira) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA 06/02

Leia mais

LANÇAMENTOS NO VÁCUO. I) RESUMO DE LANÇAMENTOS NO VÁCUO (VERTICAL, QUEDA LIVRE, OBLIQUO E HORIZONTAL )

LANÇAMENTOS NO VÁCUO.  I) RESUMO DE LANÇAMENTOS NO VÁCUO (VERTICAL, QUEDA LIVRE, OBLIQUO E HORIZONTAL ) LANÇAMENTOS NO VÁCUO www.nilsong.com.br I) RESUMO DE LANÇAMENTOS NO VÁCUO (VERTICAL, QUEDA LIVRE, OBLIQUO E HORIZONTAL ) São os movimentos onde só cosndera-se atuando no móvel apenas a força de gravidade

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais Considerações Iniciais Mecânica Estudo do Movimento; Cinemática Descarta as causa do moviemento; Reducionismo redução de variáveis envolvidas em algum problema. Por exemplo: no lançamento de uma caneta

Leia mais

Revisão Grandezas - Comprimento

Revisão Grandezas - Comprimento Revisão Grandezas - Comprimento Revisão Grandezas - Tempo Revisão Gradezas - Prefixos Revisão Gradezas (densidade) Revisão - Dimensões Revisão Movimento 1D v x = x t Revisão Velocidade Instantânea v x

Leia mais

Introdução à Cinemática

Introdução à Cinemática Mecânica: Cinemática Introdução à Cinemática Conceitos Iniciais Prof. Murillo Nascente I- CONCEITOS BÁSICOS DE CINEMÁTICA 1. Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos dos corpos ou partículas

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional)

Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional) Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional) Questões: 1) No salto a distância, é importante a altura alcançada? Quais os fatores que determinam o alcance

Leia mais

META 2 CINEMÁTICA VETORIAL

META 2 CINEMÁTICA VETORIAL META 2 CINEMÁTICA VETORIAL As grandezas da cinemática escalar (posição, deslocamento, velocidade e aceleração) ganham nova cara. Agora não importa mais somente o módulo da grandeza, mas também sua direção

Leia mais

Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva

Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Objeto de ensino 1.2. Da Terra à Lua Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Interações à distância e de contacto; As quatro interações fundamentais na Natureza;

Leia mais

FÍSICA PROFº JAISON MATTEI

FÍSICA PROFº JAISON MATTEI FÍSICA PROFº JAISON MATTEI QUEDA LIVRE Fórmulas: V h V. g. h Aceleração constante e igual g = 1 m/s Velocidade inicial sempre igual a zero. Despreza a resistência do ar. Objetos com formatos e massas diferentes,

Leia mais

Física 1 Mecânica. Instituto de Física - UFRJ

Física 1 Mecânica. Instituto de Física - UFRJ Física 1 Mecânica Sandra Amato Instituto de Física - UFRJ Cinemática - 3D 1/ 67 (Vetores) Física 1 1/58 Outline 1 Grandezas da Cinemática 3D 2 Lançamento de Projéteis 3 Movimento Circular 4 Movimento Relativo

Leia mais

Movimentos circulares e uniformes

Movimentos circulares e uniformes Movimento circular Movimentos circulares e uniformes Características do movimento circular e uniforme (MCU) Raio da trajetória (R): A trajetória de um ponto material em MCU é uma circunferência, cujo raio,

Leia mais

9 AULA. Curvas Espaciais LIVRO. META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço.

9 AULA. Curvas Espaciais LIVRO. META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. 1 LIVRO Curvas Espaciais META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. PRÉ-REQUISITOS Funções vetoriais (Aula 08). Curvas Espaciais.1 Introdução Na aula

Leia mais

Existem duas formas de se pensar a questão da composição de movimento. Uma primeira forma de se entender a composição de movimentos (aqui é melhor

Existem duas formas de se pensar a questão da composição de movimento. Uma primeira forma de se entender a composição de movimentos (aqui é melhor Existem duas formas de se pensar a questão da composição de movimento. Uma primeira forma de se entender a composição de movimentos (aqui é melhor falar em decomposição de movimentos) é pensar o movimento

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

FÍSICA. Prof. Emerson. Módulo 3

FÍSICA. Prof. Emerson. Módulo 3 FÍSICA Prof. Emerson Módulo 3 GRANDEZA FÍSICA A tudo aquilo que pode ser medido, associando-se um valor numérico a uma unidade de medida, dá-se o nome de GRANDEZA FÍSICA. TIPOS DE GRANDEZAS GRANDEZA ESCALAR

Leia mais

Fundamentos de Mecânica

Fundamentos de Mecânica Fundamentos de Mecânica 45 Lista de exercícios Primeiro semestre de Os exercícios da lista deverão ser todos feitos. Não há necessidade de entregá-los. O conteúdo será cobrado nas provas e provinhas, ao

Leia mais

1ª Prova de Física I - FCM0101

1ª Prova de Física I - FCM0101 1ª Prova de Física I - FCM11 #USP: Nome: Instruções: 1. Escreva seu nome e número USP no espaço acima.. A duração da prova é de horas. A prova tem 4 questões. 3. Não é permitido consultar livros, anotações

Leia mais

FÍSICA A. Aula 18 O vetor velocidade. Página 207

FÍSICA A. Aula 18 O vetor velocidade. Página 207 FÍSICA A Aula 18 O vetor velocidade. Página 207 O VETOR VELOCIDADE O vetor velocidade (v) indica, num dado instante, para onde um corpo está se movendo e com que rapidez. Sendo assim, para representar

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Onde estamos? Nosso roteiro ao longo deste capítulo Cinemática retilínea: movimento contínuo

Leia mais

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Derivadas Aula 16 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 04 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014104 - Engenharia Mecânica A Derivada Seja x = f(t)

Leia mais

UNIDADE IV: Cinemática Vetorial 4.1- Vetores:

UNIDADE IV: Cinemática Vetorial 4.1- Vetores: www.medeirosjf.net Unidade IV: Cinemática Vetorial 37 UNIDADE IV: Cinemática Vetorial 4.1- Vetores: Grandezas como volume, tempo, massa e temperatura ficam perfeitamente definidas por um número e respectiva

Leia mais

Figura Na figura nós podemos ver que não há aceleração tangencial, somente a aceleração em azul que aponta para o centro da curva.

Figura Na figura nós podemos ver que não há aceleração tangencial, somente a aceleração em azul que aponta para o centro da curva. Movimento Circular INTRODUÇÃO Para um movimento ser curvo, é necessária a existência de pelo menos uma componente da aceleração perpendicular à trajetória, ou seja, a aceleração não deve estar na mesma

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 FÍSICA PROF. MARCO ANTÔNIO

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 FÍSICA PROF. MARCO ANTÔNIO CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 FÍSICA PROF. MARCO ANTÔNIO INTRODUÇÃO À MECÂNICA Movimento O que é o movimento? O que é o Movimento? Um corpo está em movimento em relação a um dado referencial quando a posição

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Onde estamos? Nosso roteiro ao longo deste capítulo Cinemática retilínea: movimento contínuo

Leia mais

2. Observe o gráfico S x t abaixo e responda. b) O movimento é progressivo ou retrógrado? Explique. c) Desenhe o gráfico V x t entre 0 e 5 segundos.

2. Observe o gráfico S x t abaixo e responda. b) O movimento é progressivo ou retrógrado? Explique. c) Desenhe o gráfico V x t entre 0 e 5 segundos. Colégio Master Anglo Araraquara 1ª série EM Exercícios de revisão para Recuperação 2º bimestre Física Adriano Gráficos MU MCU e acoplamentos Vetor deslocamento Vetor velocidade 1. Observe o gráfico S x

Leia mais