MOVIMENTO BIDIMENSIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOVIMENTO BIDIMENSIONAL"

Transcrição

1 Problemas esolvidos do Capítulo 3 MVIMENT BIDIMENSINAL Atenção Leia o assunto no livro-teto e nas notas de aula e reproduza os problemas resolvidos aqui. utros são deiados para v. treinar PBLEMA 1 Um projétil é disparado com velocidade de 600 m/s, num ângulo de 60 com a horizontal. Calcular (a) o alcance horizontal, (b) a altura máima, (c) avelocidadeeaaltura30s após o disparo, (d) avelocidadeeotempo decorrido quando o projétil está a 10 km de altura. SLUÇÃ As equações para este movimento são a t 0 v t v 0 cos t v 0 cos t a t g v t v 0 sen gt t v 0 sen t 1 gt Dados: v 0 v 0 600m/s 60 g 9, 8 m/s Diagrama: v 0 v 0 a = -g j θ v 0 = m = A Figura 1 (a) Alcance horizontal Seja t t A o instante em que o projétil atinge o ponto A. A distância A é chamada de alcance do projétil, que é obtida fazendo-se t A 0. Assim, da epressão para t, encontramos t v 0 sen t 1 at 0 v 0 sen 1 t 0 gt t 0 t v 0 sen g Estas duas raízes correspondem às duas situações em que o projétil se encontra em 0, uma no instante de lançamento, t t 0 0, e a outra ao atingir o solo no ponto A, t t A v 0 sen g. Portanto, substituindo os valores, encontra-se t A 600 sen60 9, Para calcular o alcance basta substituir este tempo em t, t A A, ou seja, (b) Altura máima 9, s A v 0 cos t A 600 cos60º m 31, 8 km Demonstramos em classe que t A t m. Logo o tempo para atingir a altura máima vale Prof. Dr. Abraham Mosés Cohen Departamento de Física 3.1

2 t m 53s. Assim, t m m, ou seja m v 0 sen t m 1 gt m , ,5 m (c) Velocidade e altura 30s após o disparo componentes Para calcular a velocidade, vamos primeiro calculara as Como v v i v j então v 30s) v 0 cos60º 600 0, m/s v 30s) v 0 sen60º gt , , 6 m/s v v v 300 5, 6 375, 4 m/s arctg v v arctg 5, arctg 0, 75 37º Aaltura 30s vale 30s 600 sen60º , , 178 m 11, km. (d) Velocidade e tempo para 10 km correspondente: Neste caso, basta fazer na epressão de t e determinar o t t 1 9, 8t ou 4, 9t 5t t 5 s 81 s Estas duas soluções para m correspondem aos dois valores de, isto é, , m 7, 5 km 600 0, m 4, 3 km em torno de m 600 0, m 15, 9 km. Como vimos em sala, em pontos simétricos em relação a m, como são 1 e, as velocidades são iguais, invertendo apenas a componente, ou seja, v 1 v. Assim, para calcular a velocidade basta substituir t 5 s nas epressões v t e v t para a componentes de v, v 5s 600 cos60º 300 m/s v 5s 600 sen60º 9, m/s v 5 s v 5s m/s arctg 75 43º 300 PBLEMA Um avião de bombardeio voa horizontalmente com velocidade de 180 km/h na altitude de 1, km. (a) Quanto tempo antes de o avião sobrevoar o alvo ele deve lançar uma bomba? (b) Qual a velocidade da bomba Notas de Aula de Física I Movimento Bidimensional - Problemas esolvidos 3.

3 quando ela atinge o solo? (c) Qual a velocidade da bomba quando ela está a 00 m de altura? (d) Qual a distância horizontal percorrida pela bomba? SLUÇÃ As equação que usaremos são a t 0 v t v 0 cos t v 0 cos t a t g v t v 0 sen gt t 0 v 0 sen t 1 gt Dados: v 0 v km/h 50 m/s, 0, 0 1, km/h m, 0 0, g 9, 8 m/s Diagrama: bomba v 0 a = -g j 0 Alvo a Figura (a) Tempo antes do sobrevoar o alvo diagrama mostra que o avião deve lancar a bomba a uma distância horizontal a do alvo para que este seja atingido. Em outras palavras, ao lançar a bomba sobre esta percorre sua trajetória e atinge o solo no ponto de coordenadas a e a 0 (alvo). Fazendo t a 0 encontra-se o tempo que a bomba leva para atingir o alvo ao ser lançada sobre. t 0 v 0 sen t 1 gt , 8 t a t a 15, 6 s A solução t a 15, 6 não serve porque t é um intervalo de tempo e tem que ser positivo. Portanto, a solução fisicamente aceitável é t a 15, 6 s. Logo, o avião tem que lançar a bomba 15, 6 s antes de sobrevoar o alvo para que ela o atinja. (b) Velocidade da bomba ao atingir o solo Usando as componentes v e v, encontramos v v 0 cos v 50 m/s v v 0 sen gt v 9, 8 t a 153 m/s v a v i v j v a m/s a arctg º u seja, a bomba atinge o alvo com uma velocidade cujo módulo vale v a 161 m/s, com um ângulo a 7º abaio da horizontal. Prof. Dr. Abraham Mosés Cohen Departamento de Física 3.3

4 (c) Velocidade da bomba em 00 m Para isto, basta calcular o tempo que a bomba leva para atingir 00 m e com ele determinar as componentes de v. Assim, t 0 v 0 sen t 1 gt , 9t t 14, 3 s Novamente a solução física é t 14, 3 s. Com este tempo calculamos v, ou seja, v v 0 cos v 50 m/s v v 0 sen gt v 9, 8 14, m/s v a v i v j v a m/s a arctg º (d) Distância horizontal percorrida pela bomba Desde o lançamento até tocar no solo, a bomba levou um tempo t a 15, 6 s. Portanto, a distância horizontal que a bomba percorre é dada por t a. Logo t v 0 cos t 50 15, m PBLEMA 3 Um projétil é disparado num ângulo de 35 com a horizontal. Ele atinge o solo a 4 km do ponto do disparo. Calcular (a) o módulo da velocidade inicial, (b) o tempo de trânsito do projétil, (c) a altura máima, (d) o módulo da velocidade no ponto de altura máima. SLUÇÃ As equações que usaremos são a t 0 v t v 0 cos t v 0 cos t a t g v t v 0 sen gt t v 0 sen t 1 gt Dados: A 4 km m, 35, g 9, 8 m/s Diagrama: v 0 v 0 35º v 0 v m = m m = A a = -g j Figura 3 (a) Módulo da velocidade inicial problema forneceu o alcance: A m. Então, podemos usar o resultado t A v 0 sen g, obtido no Problema 1, e fazer A v 0 cos t A para encontrar a velocidade incial. Assim, Notas de Aula de Física I Movimento Bidimensional - Problemas esolvidos 3.4

5 A v 0 cos v 0 sen g v 0 sen g v 0 ga sen 9, , m/s (b) Tempo de trânsito Esteéotempoqueoprojétillevouparaatingirosolo,t A (também conhecido como tempo de vôo). Logo, da epressão para t A, encontra-se t A v 0 sen g 04 0, 5 9, 8 3, 7 s (c) Altura máima Já vimos que t m t A e portanto t m 11, 9 s. Substituindo na epressão para t encontra-se m t m v 0 sen t m 1 gt m 04 0, 57 11, 9 0, 5 9, 8 11, m (d) Módulo de v m Como sabemos o tempo que o projétil leva para atingir a altura máima, podemos calcular as componentes de sua velocidade. Neste caso, devemos lembrar que a componente da velocidade se anula. Então, temos apenas a componente, v v 0 cos35º 04 0, m/s v 0 Assim, o módulo da velocidade no ponto de altura máima é: v m 167 m/s PBLEMA 4 Um avião voa horizontalmente na altitude de 1 km com a velocidade de 00 km/h. Ele deia cair uma bomba sobre um navio que se move no mesmo sentido e com a velocidade de 0 km/h. (a) Calcule a distância horizontal entre o avião e o navio, no instante do lançamento, para que este seja atingido pela bomba. (b) esolver o mesmoproblemaparaocasodeoaviãoeonavioterem movimentos de sentidos contrários. SLUÇÃ As equação que usaremos são a t 0 v t v 0 cos t v 0 cos t a t g v t v 0 sen gt t 0 v 0 sen t 1 gt Dados: Avião 0 1 km m v a 00 km/h 56 m/s Navio v n 0 km/h 5, 6 m/s g 9, 8 m/s Diagrama: Prof. Dr. Abraham Mosés Cohen Departamento de Física 3.5

6 v a v a 0 v n 0 v n d A (a) n A d (b) n Figura 4 Posições do avião e do navio no instante do lançamento. (a) Cálculo de d A bomba é deiada cair de um avião que voa a 56 m/s. Portanto, a bomba é lançada horizontalmente 0º com velocidade inicial v 0 56 m/s v 0 0 v 0 56 m/s. Para atingir o navio, a bomba deve ser lançada sobre o ponto, que está a uma distância horizontal d do navio (Figura 4(a)). bserve nesta figura que A d n, onde A éoalcancedoprojétile n é a distância percorrida pelo navio desde o instante do lançamento da bomba e d é a distância procurada. Mas, o tempo que o projétil leva para percorrer a distância A (alcance) é obtido fazendo t 0 para t t A, ou seja, e, portanto, t A 14, 3 s. Logo, t 0 v 0 sen t 1 gt , 9t t 14, 3 s A t A A v 0 cos0º t A 56 14, m Por outro lado, neste intervalo de tempo t A o navio percorreu uma distância n (MU) dada por n v n t A 5, 6 14, 3 80 m Desta maneira, usando a identidade A d n encontramos d A n m. (b) Neste caso o navio está em movimento em sentido contrário ao do avião (Figura 4(b)). Nesta figura obsevamos que d A n. Como os valores são os mesmos, encontramos d m. PBLEMA 5 Calcular a velocidade angular de um disco que gira com movimento uniforme de 13, rad em cada 6 s.calcular,também,operíodoeafreqüência do movimento. SLUÇÃ Como o disco gira de um ângulo Δ 13, rad em Δt 6 s, sua velocidade angular é dada por Δ Δt 13, 6, rad/s Notas de Aula de Física I Movimento Bidimensional - Problemas esolvidos 3.6

7 Neste caso, o período do movimento, dado pela epressão, T, vale T 3, 14,, 9 s A frequência é definida como o inverso do período, 1 T. Portanto,, 1 9 0, 34 Hz ou 0, 34 s 1. PBLEMA 6 Quanto tempo leva o disco do problema anterior para (a) girar de um ângulo de 780, e para (b) completar 1 revoluções? SLUÇÃ (a) Como a velocidade angular do disco é constante e igual a, rad/s, então para girar de um ângulo Δ 780º 13, 6 rad, o tempo gasto é dado por Δt Δ 13, 6, 6, s (b) Ao completar 1 revoluções, o disco terá girado de um ângulo Δ 1 75, 4 rad (lembre-se que cada volta equivale a rad). Portanto, Δt Δ 75, 4, 34, 3 s PBLEMA 7 Calcular (a) a velocidade angular, (b) a velocidade linear, e (c) a aceleração centrípeta da Lua, considerando-se que a Lua leva 8 dias para fazer uma revolução completa, e que a distância da Terra à Lua é 38, km. SLUÇÃ (a) Para calcular a velocidade angular da Lua, basta usar a definição Δ onde Δ rad 6, 8 Δt rad é o ângulo que a Lua percorre no intervalo Δt 8 dias , s. Assim, , rad/s (b) Sabendo o raio da órbita, 38, km 38, m, a velocidade linear, dada por v, vale v, , , 4 m/s (c) A aceleração centrípeta, definida como a c v, vale então a c 998, 4 38, , m/s. PBLEMA 8 Um volante com diâmetro de 3 mgiraa10 rpm. Calcular: (a) a sua freqüência, (b) o seu período, (c) a sua velocidade angular, e (d) a velocidade linear de um ponto na sua periferia. SLUÇÃ (a) Comoovolantegiraaumataade10 rpm (rotações por minuto), ou seja, realiza 10 rotações em cada1min 60 s. Por isto, o número de rotações por segundo, que éasuafrequência, vale Hz. (b) períodoéoinversodestafrequência, e então vale Prof. Dr. Abraham Mosés Cohen Departamento de Física 3.7

8 queéotempoqueovolantegastapararealizarumavolta. (c) A velocidade angular é T 1 1 0, 5 s 3, 14 1, 6 rad/s. T 0, 5 (d) A velocidade linear, em qualquer ponto da periferia, é dada por v. Mas,odiâmetrodovolantevaleD 3 m, de onde tiramos o raio 1, 5 m. Assim, v 1, 6 1, 5 18, 9 m/s PBLEMA 9 A velocidade angular de um volante aumenta uniformemente de 0 rad/s para 30rad/s em 5 s. Calcular a aceleração angular e o ângulo total através do qual o volante gira nesse intervalo de tempo. SLUÇÃ Sabe-se que a aceleração angular é definida por Δ Δt. Assim, rad/s. A lei horária do movimento circular uniformemente acelerado t 0 0 e 0 0 é t 0 0 t 1 t 5 s) rad. PBLEMA 10 Um ponto descreve uma circunferência de acordo com a lei s t t 3 t, onde s é medido em metros ao longo da circunferência e t, em segundos. Se a aceleração total do ponto é 16 m/s, quando t s, calcular o raio da circunferência. SLUÇÃ Trata-se aqui de um movimento circular qualquer. problema fornece o módulo da aceleração total do ponto, isto é, a s) 16 m/s. Como sabemos, aceleração total num movimento qualquer possui duas componentes, ou seja, a a T a N r a a T a N Por isto, precisamos calcular os módulos das acelerações tangencial a N e normal a N. De acordo com as Eqs. (3.8.16) e (3.8.17) do LT, a T dv e a N v. Agora precisamos calcular v. Como é dada a lei horária em termos do arco percorrido, s t, podemos calcular o módulo da velocidade instantânea num instante t qualquer, que é dada pela derivada desta função: v t ds. Assim, lembrando que a derivada de uma potência t n é dada por d t n nt n 1, encontra-se e, portanto, v t ds d t3 t 3t 4t. Notas de Aula de Física I Movimento Bidimensional - Problemas esolvidos 3.8

9 Logo, para t, encontra-se a T t dv d 3t 4t 6t 4 a N t v 3t 4t a T s) m/s a N s) Usando agora a epressão para o módulo da aceleração total e igualando a seu valor em t s, que foi dado, encontra-se a a T a N esolvendo para, temos finalmente, m. 56 PBLEMA 11 As coordenadas de um corpo são cos t, sen t onde e são medidos em metros. (a) bter a equação cartesiana da trajetória, (b) Calcular o valor da velocidade num instante qualquer, (c) Calcular as componentes tangencial e normal da aceleração num instante qualquer. Identificar o tipo de movimento descrito pelas equações acima. SLUÇÃ (a) Para obter a equação da trajetória em coordenadas cartesianas, vamos eliminar t entre as equações para e. u seja, cos t e sen t cos t sen t 1 ou seja, a equação da trajetória no sistema é 4. que é a equação de uma circunferência de raio r m com origem no ponto (Figura 5). 1 4 r v P θ = ωt. Figura 5 (b) Para calcular o módulo da velocidade num instante qualquer, basta usar a epressão em termos de suas Prof. Dr. Abraham Mosés Cohen Departamento de Física 3.9

10 componentes no sistema. As componentes são, v d v d d cos t sen t d sen t cos t onde usamos as identidades, d cos t sen t d sen t cos t para as derivadas de cos t e sen t, respectivamente. Logo, o módulo da velocidade em qualquer tempo, é dado por: v t v v sen t cos t 4 sen t cos t m/s mostrando que é independente do tempo. (c) As acelerações tangencial e normal são dadas por a T dv a N v 0 4 onde a T 0, reflete o fato de que v t constante. Na útlima equação, é o raio de curvatura da curva no ponto P, cujas coordenadas são,. Mas, a equação da trajetória, obtida no ítem (a), dada por 4 é a equação de uma circunferência de raio r com centro na origem (Figura 5). Sendo uma circunferência, o raio de curvatura é constante em todos os pontos, de modo que podemos fazer r na epressão de a N para obter finalmente a T 0 a N 4 4 m/s o que resulta numa aceleração total de módulo iguala a a T a N m/s Notas de Aula de Física I Movimento Bidimensional - Problemas esolvidos 3.10

Física. Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular

Física. Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular Velocidade Relativa Um Gedankenexperiment Imagine-se agora em um avião, a 350 km/h. O destino (a direção) é por conta de

Leia mais

Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME:

Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME: Lista 8 : Cinemática das Rotações NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder

Leia mais

Movimento em duas e três dimensões

Movimento em duas e três dimensões Movimento em duas e três dimensões Professor: Carlos Alberto Disciplina: Física Geral I Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como representar a posição de um corpo em duas

Leia mais

Movimento Circular e Uniforme

Movimento Circular e Uniforme A principal característica desse tipo de movimento é que a partícula ou o corpo no qual estamos considerando tem o módulo da velocidade constante na sua trajetória circular. Exemplos: - Satélites na órbita

Leia mais

SUGESTÃO DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL DE FÍSICA- 1 ANO Professor Solon Wainstein SEGUE ABAIXO UMA LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS

SUGESTÃO DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL DE FÍSICA- 1 ANO Professor Solon Wainstein SEGUE ABAIXO UMA LISTA COMPLEMENTAR DE EXERCÍCIOS SUGESTÃO DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL DE FÍSICA- 1 ANO Professor Solon Wainstein # Ler todas as teorias # Refazer todos os exercícios dados em aula. # Refazer todos os exercícios feitos do livro. # Refazer

Leia mais

Movimento em duas ou mais dimensões. Prof. Ettore Baldini-Neto

Movimento em duas ou mais dimensões. Prof. Ettore Baldini-Neto Movimento em duas ou mais dimensões Prof. Ettore Baldini-Neto A partir de agora, generalizamos a discussão que fizemos para o movimento retilíneo para mais dimensões. A grande diferença é que o cálculo

Leia mais

Lançamento de projéteis

Lançamento de projéteis Lançamento de projéteis 01. Um projétil é lançado com velocidade inicial de intensidade igual a 50 m/s. A trajetória faz na origem um ângulo de 37 com a horizontal. As intensidades da velocidade e da aceleração

Leia mais

Movimento Circular Uniforme MCU Conceitos Iniciais

Movimento Circular Uniforme MCU Conceitos Iniciais Movimento Circular Uniforme MCU Conceitos Iniciais O movimento circular uniforme é semelhante ao movimento retilíneo uniforme, seja, a partícula percorre distancias iguais em tempos iguais, com a única

Leia mais

GABARITO DA AFE02 FÍSICA 2ª SÉRIE 2016

GABARITO DA AFE02 FÍSICA 2ª SÉRIE 2016 GABARITO DA AFE0 FÍSICA ª SÉRIE 016 1) A figura abaixo representa um móvel m que descreve um movimento circular uniforme de raio R, no sentido horário, com velocidade de módulo V. Assinale a alternativa

Leia mais

Caro Aluno: Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU e MCU. Bom estudo e Boa Sorte!

Caro Aluno: Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU e MCU. Bom estudo e Boa Sorte! TEXTO DE EVISÃO 10 Movimento Circular Caro Aluno: Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU e MCU. om estudo e oa Sorte! 1 - Movimento Circular: Descrição do Movimento Circular

Leia mais

Movimentos circulares e uniformes

Movimentos circulares e uniformes Movimento circular Movimentos circulares e uniformes Características do movimento circular e uniforme (MCU) Raio da trajetória (R): A trajetória de um ponto material em MCU é uma circunferência, cujo raio,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 1 Lista de Exercícios Aplicação de Derivadas

Cálculo Diferencial e Integral 1 Lista de Exercícios Aplicação de Derivadas Cálculo Diferencial e Integral 1 Lista de Exercícios Aplicação de Derivadas 1) Esboce o gráfico da função f(x) = x + e responda qual é a taxa de variação média dessa função quando x varia de 0 para 4?

Leia mais

Em primeiro lugar devemos converter a massa do corpo dada em gramas (g) para quilogramas (kg) usado no Sistema Internacional (S.I.

Em primeiro lugar devemos converter a massa do corpo dada em gramas (g) para quilogramas (kg) usado no Sistema Internacional (S.I. Um corpo de massa 100 g é abandonado no ponto sobre uma superfície cilíndrica, com abertura de 150 o, sem atrito, cujo o eixo é horizontal e normal ao plano da figura em O. Os pontos e O estão sobre o

Leia mais

Trabalho e Energia. = g sen. 2 Para = 0, temos: a g 0. onde L é o comprimento do pêndulo, logo a afirmativa é CORRETA.

Trabalho e Energia. = g sen. 2 Para = 0, temos: a g 0. onde L é o comprimento do pêndulo, logo a afirmativa é CORRETA. Trabalho e Energia UFPB/98 1. Considere a oscilação de um pêndulo simples no ar e suponha desprezível a resistência do ar. É INCORRETO afirmar que, no ponto m ais baixo da trajetória, a) a energia potencial

Leia mais

Dinâ micâ de Mâ quinâs e Vibrâçõ es II

Dinâ micâ de Mâ quinâs e Vibrâçõ es II Dinâ micâ de Mâ quinâs e Vibrâçõ es II Aula 1 Revisão e princípios básicos: O objetivo desta aula é recapitular conceitos básicos utilizados em Dinâmica e Vibrações. MCU Movimento circular uniforme 1.

Leia mais

Movimento Circular Uniforme

Movimento Circular Uniforme Movimento Circular Uniforme Movimento Circular Uniforme v 8 v 1 v 7 v 2 v 6 v 3 v 5 v 4 2 v 1 = v 2 = v 3 =... = v 8 mas v 1 v 2 v 3... v 8 Período e Frequência Período (T) : tempo para que ocorra uma

Leia mais

Movimento Circular Uniforme (MCU) Conceitos iniciais

Movimento Circular Uniforme (MCU) Conceitos iniciais Movimento Circular Uniforme (MCU) Conceitos iniciais Acima temos descrito um MCU que tem como principais características: Período constante. Frequência constante. Velocidade tangencial constante em módulo.

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como descrever a rotação de um corpo rígido em termos da coordenada angular,

Leia mais

Física A Extensivo V. 3

Física A Extensivo V. 3 ) 8 6 4 y (m) m 3m 4m 4 m 6 5m a) s = m s = 4 m + 3 m + m + 5 m s = 5 m GRIO Física Extensivo V. 3 8 s (m) Exercícios x (m) ) C 8 6 4 v m = m/s (veja o vetor v m abaixo) y (m) 4 m 6 4 4 8 6 v m 8 6 s (m)

Leia mais

Aplicando as condições iniciais: 0 0, h0. temos:

Aplicando as condições iniciais: 0 0, h0. temos: 1) O Brasil, em 014, sediou o Campeonato Mundial de Balonismo. Mais de 0 equipes de diferentes nacionalidades coloriram, com seus balões de ar quente, o céu de Rio Claro, no interior de São Paulo. Desse

Leia mais

A figura abaixo mostra a variação de direção do vetor velocidade em alguns pontos.

A figura abaixo mostra a variação de direção do vetor velocidade em alguns pontos. EDUCANDO: Nº: TURMA: DATA: / / LIVRES PARA PENSAR EDUCADOR: Rosiméri dos Santos ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME Introdução Dizemos que uma partícula está em movimento circular quando

Leia mais

Características do MCU

Características do MCU ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! Características do MCU APROFUNDAMENTO DE ESTUDOS - ENEM FÍSICA O MCU é periódico. Apresenta velocidade angular e velocidade

Leia mais

As variáveis de rotação

As variáveis de rotação Capítulo 10 Rotação Neste capítulo vamos estudar o movimento de rotação de corpos rígidos sobre um eixo fixo. Para descrever esse tipo de movimento, vamos introduzir os seguintes conceitos novos: -Deslocamento

Leia mais

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I CAPÍTULO III MOVIMENTO EM DUAS E EM TRÊS DIMENSÕES SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I CAPÍTULO III MOVIMENTO EM DUAS E EM TRÊS DIMENSÕES SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I CAPÍTULO III MOVIMENTO EM DUAS E EM TRÊS DIMENSÕES SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO ATENÇÃO: O objetivo deste arquivo é fornecer pistas para a solução de questões e problemas.

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional)

Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional) Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional) Questões: 1) No salto a distância, é importante a altura alcançada? Quais os fatores que determinam o alcance

Leia mais

LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012

LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS DE FÍSICA PARA O EXAME 1 ANO / 2012 # Velocidade escalar média # Movimento retilíneo uniforme # Movimento retilíneo uniformemente variado # Movimento de queda livre dos corpos # Movimento

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01181 Área I Lista 1 1. Calcule a velocidade escalar média nos seguintes casos: a) você percorre uma distância de

Leia mais

Figura Na figura nós podemos ver que não há aceleração tangencial, somente a aceleração em azul que aponta para o centro da curva.

Figura Na figura nós podemos ver que não há aceleração tangencial, somente a aceleração em azul que aponta para o centro da curva. Movimento Circular INTRODUÇÃO Para um movimento ser curvo, é necessária a existência de pelo menos uma componente da aceleração perpendicular à trajetória, ou seja, a aceleração não deve estar na mesma

Leia mais

Cursinho TRIU 22/04/2010. Física Mecânica Aula 1. Cinemática Escalar Exercícios Resolução

Cursinho TRIU 22/04/2010. Física Mecânica Aula 1. Cinemática Escalar Exercícios Resolução Física Mecânica Aula 1 Cinemática Escalar Exercícios Resolução 1. O ônibus movimenta-se com velocidade constante, sem mudar sua trajetória. Então, tanto a lâmpada quanto o passageiro, que estão dentro

Leia mais

MOVIMENTOS CIRCULARES EXERCÍCIOS AVANÇADOS RESOLVIDOS

MOVIMENTOS CIRCULARES EXERCÍCIOS AVANÇADOS RESOLVIDOS MOVIMENTOS CIRCULRES EXERCÍCIOS VNÇDOS RESOLVIDOS Equipe SEI, pensando em você, preparou este artio com exercícios resolvidos sobre movimentos circulares. ons estudos! 1. (F 009) Uma pessoa, brincando

Leia mais

Física I 2009/2010. Aula02 Movimento Unidimensional

Física I 2009/2010. Aula02 Movimento Unidimensional Física I 2009/2010 Aula02 Movimento Unidimensional Sumário 2-1 Movimento 2-2 Posição e Deslocamento. 2-3 Velocidade Média 2-4 Velocidade Instantânea 2-5 Aceleração 2-6 Caso especial: aceleração constante

Leia mais

MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME. Prof. Emerson

MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME. Prof. Emerson MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME Prof. Emerson MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME Conceito: Quando o móvel percorre espaços iguais em tempos iguais, não acontecendo mudanças na direção e sentido do movimento. Logo

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Cinemática II

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Cinemática II CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Cinemática II Iva Emanuelly Pereira Lima - Engenharia Civil João Victor Tenório Engenharia Civil Na aula de hoje... - Lançamento Oblíquo; - Algumas

Leia mais

Equipe de Física. Física

Equipe de Física. Física Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 1R Ensino Médio Equipe de Física Data: Física Movimento Uniforme Quando um móvel se desloca com uma velocidade constante, diz-se que este móvel está em um movimento

Leia mais

9 AULA. Curvas Espaciais LIVRO. META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço.

9 AULA. Curvas Espaciais LIVRO. META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. 1 LIVRO Curvas Espaciais META Estudar as curvas no espaço (R 3 ). OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. PRÉ-REQUISITOS Funções vetoriais (Aula 08). Curvas Espaciais.1 Introdução Na aula

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 5 Lançamento Horizontal Lançamento Oblíquo Movimento Circular Prof.: Célio Normando

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 5 Lançamento Horizontal Lançamento Oblíquo Movimento Circular Prof.: Célio Normando Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 5 Lançamento Horizontal Lançamento Oblíquo Movimento Circular Prof.: Célio Normando 1) (FUVEST-2001) Um motociclista de motocross move-se com velocidade v

Leia mais

Matemática 3 Módulo 3

Matemática 3 Módulo 3 Matemática Módulo COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA 1. Lembrando... Se duas figuras são semelhantes, temos: 1 A = k; 1 = k, em que R 1 e R são medidas lineares A e A 1 e A são as áreas. Círculo I IV. =

Leia mais

Lista1: Cinemática Unidimensional

Lista1: Cinemática Unidimensional Lista 1: Cinemática Unidimensional NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais

LANÇAMENTOS NO VÁCUO. I) RESUMO DE LANÇAMENTOS NO VÁCUO (VERTICAL, QUEDA LIVRE, OBLIQUO E HORIZONTAL )

LANÇAMENTOS NO VÁCUO.  I) RESUMO DE LANÇAMENTOS NO VÁCUO (VERTICAL, QUEDA LIVRE, OBLIQUO E HORIZONTAL ) LANÇAMENTOS NO VÁCUO www.nilsong.com.br I) RESUMO DE LANÇAMENTOS NO VÁCUO (VERTICAL, QUEDA LIVRE, OBLIQUO E HORIZONTAL ) São os movimentos onde só cosndera-se atuando no móvel apenas a força de gravidade

Leia mais

Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA Pro Reitoria de Graduação PROGRAD Disciplina: Física II Professora: Subênia Medeiros

Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA Pro Reitoria de Graduação PROGRAD Disciplina: Física II Professora: Subênia Medeiros Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA Pro Reitoria de Graduação PROGRAD Disciplina: Física II Professora: Subênia Medeiros Movimento Periódico O movimento é um dos fenômenos mais fundamentais

Leia mais

Atividades Queda Livre e Arremesso Vertical

Atividades Queda Livre e Arremesso Vertical Atividades Queda Livre e Arremesso Vertical 1ª) Um corpo é abandonado a 80m do solo. Sendo g = 10m/s² e o corpo estando livre de forças dissipativas, determine o instante e a velocidade que o móvel possui

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Prof. Paulo Lopes

CINEMÁTICA VETORIAL. Prof. Paulo Lopes CINEMÁTICA VETORIAL Prof. Paulo Lopes Vetor deslocamento ( d ) x deslocamento escalar (Δs) d 100 metros Δs = 100 m ІdІ = 100 m R = 100 metros d Δs = 2πr 2 ІdІ = 2r = 200 m = 3,14x100 = 314 m Escalar Vetorial

Leia mais

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior.

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior. Física 01. Uma haste de comprimento L e massa m uniformemente distribuída repousa sobre dois apoios localizados em suas extremidades. Um bloco de massa m uniformemente distribuída encontra-se sobre a barra

Leia mais

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues.

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. Lista 1: Cinemática Unidimensional NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.

Leia mais

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA. Física e Química A - 11ºAno

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA. Física e Química A - 11ºAno 4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA Física e Química A - 11ºAno Professora Paula Melo Silva Data: 4 de dezembro 2015 Ano Letivo: 2015/2016 135 + 15 min 1. Produz-se uma onda harmónica numa

Leia mais

1º trimestre Exercícios - Física Data:03/16 Ensino Médio 3º ano classe: Prof.Dora Nome: nº

1º trimestre Exercícios - Física Data:03/16 Ensino Médio 3º ano classe: Prof.Dora Nome: nº . 1º trimestre Exercícios - Física Data:03/16 Ensino Médio 3º ano classe: Prof.Dora Nome: nº Valor: Nota:. 1. (FESP-PE) Um edifício projeta no solo uma sombra de 40 m. No mesmo instante, um observador

Leia mais

Movimento Uniforme (M.U.)

Movimento Uniforme (M.U.) Movimento Uniforme (M.U.) A principal característica do movimento uniforme é a velocidade escalar constante. Quando um móvel qualquer se movimenta com velocidade escalar constante, não existe variação

Leia mais

Exercícios de Física Movimento Harmônico Simples - MHS

Exercícios de Física Movimento Harmônico Simples - MHS Eercícios de Física Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período,

Leia mais

2 - A fonte de uma praça dispara cinco jatos d água seqüenciais, como numera a figura a seguir.

2 - A fonte de uma praça dispara cinco jatos d água seqüenciais, como numera a figura a seguir. 1 - Um atirador dispara um revólver formando um ângulo de 37º com a horizontal, em uma região plana, a uma altura de 2 m do solo. O projétil atinge o solo a 88,8 m do ponto de lançamento. Qual é a velocidade

Leia mais

Prof. Neckel. Capítulo 5. Aceleração média 23/03/2016 ACELERAÇÃO. É a taxa média de variação de velocidade em determinado intervalo de tempo = =

Prof. Neckel. Capítulo 5. Aceleração média 23/03/2016 ACELERAÇÃO. É a taxa média de variação de velocidade em determinado intervalo de tempo = = Capítulo 5 ACELERAÇÃO Aceleração média É a taxa média de variação de velocidade em determinado intervalo de tempo = = Se > >0 <

Leia mais

Colégio Santa Catarina Unidade II: Movimento Uniforme (MU) 7 Unidade II: Movimento Uniforme (M.U.)

Colégio Santa Catarina Unidade II: Movimento Uniforme (MU) 7 Unidade II: Movimento Uniforme (M.U.) Colégio Santa Catarina Unidade II: Movimento Uniforme (MU) 7 Unidade II: Movimento Uniforme (M.U.) O movimento de uma partícula é uniforme quando ela percorre ao longo de sua trajetória, espaços iguais

Leia mais

Movimento Circular Uniforme (MCU)

Movimento Circular Uniforme (MCU) Movimento Circular Uniforme (MCU) Introdução Período e frequência Movimento Circular (MCU) Velocidade escalar Velocidade angular Relações matemáticas Transmissão de movimentos Introdução Dizemos que algo

Leia mais

FÍSICA LISTA 2 VETORES, CINEMÁTICA VETORIAL, LANÇAMENTO OBLÍQUO E MCU VETORES

FÍSICA LISTA 2 VETORES, CINEMÁTICA VETORIAL, LANÇAMENTO OBLÍQUO E MCU VETORES G:\2015_Materiais UP_EM\Materiais de Professores\Física - Bruno\2015 - Física - Bruno - Vetores, Cinemática vetorial, Lançamento Oblíquo e MCU - 1º ano - 05-05 - SITE.docx FÍSICA Prof. Bruno LISTA 2 VETORES,

Leia mais

Lista 5: Trabalho e Energia

Lista 5: Trabalho e Energia Lista 5: Trabalho e Energia NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA MODERNA ALUNO(A): SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE

Leia mais

Lançamento Horizontal e Oblíquo

Lançamento Horizontal e Oblíquo Lançamento Horizontal e Oblíquo Composição de Movimentos São movimentos que serão descritos sob referenciais de duas dimensões (y, x), ou seja, são movimentos que ocorrem em duas direções ao mesmo tempo.

Leia mais

MRUV Movimento Retilíneo Uniformemente Variado

MRUV Movimento Retilíneo Uniformemente Variado MRUV Movimento Retilíneo Uniformemente Variado MRUV é o movimento de qualquer móvel com as seguintes características: Aceleração constante e diferente de zero. O módulo da velocidade varia de modo uniforme

Leia mais

Movimento Unidimensional

Movimento Unidimensional Movimento Unidimensional Professor: Carlos Alberto Disciplina: Física Geral I Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como descrever o movimento unidimensional em termos da velocidade

Leia mais

Lançamento Horizontal e Oblíquo

Lançamento Horizontal e Oblíquo Lançamento Horizontal e Oblíquo Composição de movimentos Princípio da Independência dos Movimentos de Galilei - Se um corpo apresenta um movimento composto, cada um dos movimentos componentes se realiza

Leia mais

Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula

Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula Aula 3 010 Movimento Harmônico Simples: Exemplos O protótipo físico do movimento harmônico simples (MHS) visto nas aulas passadas um corpo de massa m preso a uma mola executando vibrações de pequenas amplitudes

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ 1º Exame de Qualificação 011 Vestibular 011 Utilize as informações a seguir para responder às questões de números e 3. Um

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA A. Aula 14 Velocidades que variam sempre da mesma forma. Página 189

Professora Bruna FÍSICA A. Aula 14 Velocidades que variam sempre da mesma forma. Página 189 FÍSICA A Aula 14 Velocidades que variam sempre da mesma forma Página 189 INTRODUÇÃO O que já vimos até agora? Movimento Uniforme (velocidade constante) gráficos s x t, gráficos v x t e função horária.

Leia mais

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo.

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo. Colégio Militar de Juiz de Fora Lista de Exercícios C PREP Mil Prof.: Dr. Carlos Alessandro A. Silva Cinemática: Vetores, Cinemática Vetorial, Movimento Circular e Lançamento de Projéteis. Nível I 1] Dois

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M21 Geometria Analítica: Cônicas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M21 Geometria Analítica: Cônicas Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: Cônicas p. FGV-SP) Determine a equação da elipse de centro na origem que passa pelos pontos A, 0), B, 0) e C0, ). O centro da elipse

Leia mais

FUNÇÃO DE 2º GRAU. O grau de um polinômio é determinado pelo maior expoente dentre todos os termos. Assim uma equação de 2º grua tem sempre a forma:

FUNÇÃO DE 2º GRAU. O grau de um polinômio é determinado pelo maior expoente dentre todos os termos. Assim uma equação de 2º grua tem sempre a forma: FUNÇÃO DE º GRAU O grau de um polinômio é determinado pelo maior expoente dentre todos os termos. Assim uma equação de º grua tem sempre a forma: y = ax + bx + c O gráfico da função é sempre uma parábola.

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 3ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 3ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II 1) Duas bolas de dimensões desprezíveis se aproximam uma da outra, executando movimentos

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Journal Club Efeito Hall Edwin Herbert Hall 1879 Awschalow et al. Sci. Amer. (2007) Journal

Leia mais

A definição do traçado de uma estrada por meio de linhas retas concordando diretamente com curvas circulares cria problema nos pontos de concordância.

A definição do traçado de uma estrada por meio de linhas retas concordando diretamente com curvas circulares cria problema nos pontos de concordância. 4.1.2 Curvas Horizontais com Transição A definição do traçado de uma estrada por meio de linhas retas concordando diretamente com curvas circulares cria problema nos pontos de concordância. Assim, é necessário

Leia mais

ESPELHOS ESFÉRICOS - INTERMEDIÁRIO

ESPELHOS ESFÉRICOS - INTERMEDIÁRIO ESPELHOS ESFÉRICOS - INTERMEDIÁRIO A Equipe SEI selecionou exercícios de concursos sobre espelhos esféricos, para que você possa aprimorar seus conhecimentos. Os exercícios selecionados são de nível intermediário.

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Cinemática I. Bruno Conde Passos Engenharia Civil João Victor Engenharia Civil

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Cinemática I. Bruno Conde Passos Engenharia Civil João Victor Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Cinemática I Bruno Conde Passos Engenharia Civil João Victor Engenharia Civil Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem levar em consideração

Leia mais

Cinemática Bidimensional

Cinemática Bidimensional Cinemática Bidimensional INTRODUÇÃO Após estudar cinemática unidimensional, vamos dar uma perspectiva mais vetorial a tudo isso que a gente viu, abrangendo mais de uma dimensão. Vamos ver algumas aplicações

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa D. alternativa B. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa D. alternativa B. alternativa E Questão TIPO DE PROVA: A Os números compreendidos entre 400 e 500, divisíveis ao mesmo tempo por 8 e 75, têm soma: a) 600 d) 700 b) 50 e) 800 c) 50 Questão Na figura, temos os esboços dos gráficos de f

Leia mais

IJSO Preparação de Física (Lista 03) Aluno: Código:

IJSO Preparação de Física (Lista 03) Aluno: Código: IJSO Preparação de Física (Lista 03) Aluno: Código: Dados: g = 10 m /s 2 1 atm = 1,0.10 5 Pa Parte I: Questões (valor: 8,5) 01. (1,0) Dois trens I e II, cujas frentes distam A metros entre si no instante

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA PROVA ESPECÍFICA E TESTÃO 1 ANO 4 BIMESTRE

EXERCÍCIOS PARA PROVA ESPECÍFICA E TESTÃO 1 ANO 4 BIMESTRE 1. (Unesp 89) Um cubo de aço e outro de cobre, ambos de massas iguais a 20 g estão sobre um disco de aço horizontal, que pode girar em torno de seu centro. Os coeficientes de atrito estático para aço-aço

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU. y = f(x) = ax² + bx + c, onde a, b e c são constantes reais e. O gráfico de uma função quadrática é uma parábola

FUNÇÃO DO 2º GRAU. y = f(x) = ax² + bx + c, onde a, b e c são constantes reais e. O gráfico de uma função quadrática é uma parábola FUNÇÃO DO 2º GRAU A função do 2º grau está presente em inúmeras situações cotidianas, na Física ela possui um papel importante na análise dos movimentos uniformemente variados (MUV), pois em razão da aceleração,

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 e 2 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 29/11/2015 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES:

Leia mais

30's Volume 2 Física. 9 de dezembro de 2013

30's Volume 2 Física.  9 de dezembro de 2013 30's Volume 2 Física www.cursomentor.com 9 de dezembro de 2013 Q1. Se uma pessoa tirasse mil fotos por segundo, ela levaria quanto tempo, em anos, para bater um mol de fotos? Lembre-se que 1 mol de fotos

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção / GRUPO I (Exame 2013-2ª Fase) 1. (B) 2. 3. 3.1. Para que a intensidade média da radiação solar seja 1,3 x 10 3 Wm -2 é necessário que

Leia mais

Trabalho de uma força

Trabalho de uma força Questão 01 Um bloco de massa m desce escorregando por uma rampa inclinada, inicialmente com velocidade v, até atingir a base inferior da rampa com velocidade 2v, como mostra a figura. Sabendo que não há

Leia mais

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação da Energia

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação da Energia Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação da Energia O Plano inclinado m N Vimos que a força resultante sobre o bloco é dada por. F r = mg sin α i Portanto, a aceleração experimentada pelo

Leia mais

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x.

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x. INSTITUTO DE MATEMÁTICA -UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA LIMITES E DERIVADAS MAT B a LISTA DE EXERCÍCIOS - 008. - Prof a Graça Luzia Dominguez Santos. Prove que entre duas raízes consecutivas de uma função

Leia mais

Lista de Exercícios (Profº Ito) Dinâmica no Movimento Circular

Lista de Exercícios (Profº Ito) Dinâmica no Movimento Circular TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO SE NECESSÁRIO, ADOTE g = 10 m/s. 1. Um circuito de Fórmula Mundial circular, com 320 m de raio, tem como velocidade de segurança 40 m/s. Calcule a tangente do ângulo de inclinação

Leia mais

Física. Exercícios de Revisão I

Física. Exercícios de Revisão I Nome: n o : E nsino: S érie: T urma: Data: Prof(a): Médio Ednilson 1 a Física Exercícios de Revisão I 1) (UFPE) Um gafanhoto adulto pode saltar até 0,80 m com um ângulo de lançamento de 45 o. Desprezando

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO = 0,1 cm/min . Para as frequências temos: v v 2 f r 2 f r f 1,5 r f r f 1,5 f.

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO = 0,1 cm/min . Para as frequências temos: v v 2 f r 2 f r f 1,5 r f r f 1,5 f. t ESOLUÇÃO COMECE DO ÁSICO [] Dados: n = 4; t = s. Substituindo esses valores na fórmula dada: 4 (360 ) = 70 /s. [D] Dados: = 3,14 e raio da Terra: T = 6.000 km. O período de rotação da Terra é T = 4 h.

Leia mais

Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB.

Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB. Vetores Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB. Se indicarmos com este conjunto, simbolicamente poderemos escrever: onde XY é um segmento

Leia mais

Lá vai o às do. skate.

Lá vai o às do. skate. 1) Leia com atenção a tira da Turma da Mônica mostrada abaixo e analise as afirmativas que se seguem, considerando os princípios da Mecânica Clássica. Lá vai o às do skate. Cascão, você não sabe que é

Leia mais

Numa circunferência está inscrito um triângulo equilátero cujo apótema mede 3cm. A medida do diâmetro dessa circunferência é:

Numa circunferência está inscrito um triângulo equilátero cujo apótema mede 3cm. A medida do diâmetro dessa circunferência é: EXERCÍCIO COMPLEMENTARES - MATEMÁTICA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - 3ª ETAPA ============================================================================================== 01- Assunto: Função Polinomial

Leia mais

A Determine o comprimento do raio da circunferência.

A Determine o comprimento do raio da circunferência. Lista de exercícios Trigonometria Prof. Lawrence 1. Um terreno tem a forma de um triângulo retângulo. Algumas de suas medidas estão indicadas, em metros, na figura. Determine as medidas x e y dos lados

Leia mais

7. Diferenciação Implícita

7. Diferenciação Implícita 7. Diferenciação Implícita ` Sempre que temos uma função escrita na forma = f(), dizemos que é uma função eplícita de, pois podemos isolar a variável dependente de um lado e a epressão da função do outro.

Leia mais

Física e Química A 11º ano B

Física e Química A 11º ano B Escola Técnica Liceal Salesiana de S. to António Estoril Física e Química A 11º ano B MINI-TESTE 1 3/10/2008 versão 1 Nome: nº Classificação Enc. Educ. Professor 1. Uma pedra de massa m = 0,10 kg é lançada

Leia mais

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

I.1.2. RAPIDEZ MÉDIA E VELOCIDADE

I.1.2. RAPIDEZ MÉDIA E VELOCIDADE Ciências Físico-químicas - 9º ano de escolaridade Quão rápido és tu? COMPETÊNCIAS Definir rapidez média, indicar a respetiva unidade SI e aplicar a definição em movimentos com trajetórias retilíneas ou

Leia mais

FNT AULA 6 FUNÇÃO SENO E COSSENO

FNT AULA 6 FUNÇÃO SENO E COSSENO FNT AULA 6 FUNÇÃO SENO E COSSENO CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA Chama-se circunferência trigonométrica a circunferência de raio unitário (R=1), com centro na origem de um sistema cartesiano. +1 R = 1 360º

Leia mais

Física - vetores. Página 1 de 9

Física - vetores. Página 1 de 9 1. (Ita) Um barco leva 10 horas para subir e 4 horas para descer um mesmo trecho do rio Amazonas, mantendo constante o módulo de sua velocidade em relação à água. Quanto tempo o barco leva para descer

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO MODELO 1:

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO MODELO 1: Distância (km) MODELO 1: 1) Sabendo que a velocidade da luz no vácuo vale 300.000 km/s, calcule quantas voltas a luz efetuaria ao redor da Terra em 1 segundo (suponha que viaje sobre o Equador, cujo comprimento

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples

Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples 1. INTRODUÇÃO Um pêndulo é um sistema composto por uma massa acoplada a um pivô que permite sua movimentação livremente. A massa fica sujeita à força restauradora

Leia mais

Título da Aula: MOVIMENTO PARABÓLICO, A PARTIR DO LANÇAMENTO DE FOGUETES DIDÁTICOS

Título da Aula: MOVIMENTO PARABÓLICO, A PARTIR DO LANÇAMENTO DE FOGUETES DIDÁTICOS Título da Aula: MOVIMENTO PARABÓLICO, A PARTIR DO LANÇAMENTO DE FOGUETES DIDÁTICOS Disciplina: Física Tema a ser trabalhado: Cinemática Conteúdo: Movimento Parabólico. Nível de ensino: Ensino Médio Série:

Leia mais