Conselho da Justiça Federal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho da Justiça Federal"

Transcrição

1 Coselo da Justiça Federal RESOUÇÃO º 03, DE 9 DE SETEMBRO DE 008 Estabelece a Cosolidação ormativa do Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal de º e º graus O PRESIDETE DO COSEHO DA JUSTIÇA FEDERA, usado das suas atribuições legais e tedo em vista o decidido o Processo , a sessão realizada em 7 de agosto de 008, e Cosiderado que a Costituição Federal de 988 dispõe o art 6, º, que cabem à admiistração pública a gestão da documetação goverametal e as providêcias para fraquear sua cosulta a quatos dela ecessitem; Cosiderado que a ei 859, de 99, dispõe sobre a política acioal de arquivos públicos e privados, determia que é dever do Poder Público a gestão documetal e a de proteção especial a documetos de arquivos, como istrumeto de apoio à admiistração, à cultura e ao desevolvimeto cietífico e como elemetos de prova e iformação; Cosiderado que a mecioada ei 859, o seu art 0, defie a competêcia e o dever ierete aos órgãos do Poder Judiciário federal de proceder à gestão de documetos produzidos em razão do exercício das suas fuções, tramitados em juízo e oriudos de cartórios e secretarias, bem como de preservar e facultar o acesso aos documetos sob a sua guarda; Cosiderado que a referida lei dispõe sobre a política acioal de arquivos públicos e privados e, o seu art 0, defie como ialieáveis e imprescritíveis os documetos cosiderados de valor permaete; Cosiderado a importâcia de mater um Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal que assegure à admiistração e aos cidadãos o acesso às iformações e a proteção de direitos; Cosiderado que a ei 9605, de 998, o seu art 6, tipifica a destruição de arquivos como crime cotra o patrimôio cultural; Cosiderado a ecessidade de preservar processos e documetos de iteresse para o patrimôio istórico e cultural da ação, coforme o art 6 da citada ei 9605; Cosiderado o disposto a ei 49, de 006, sobre a geração, a tramitação, o acesso e a guarda de processos judiciais e documetos em meio eletrôico; Cosiderado a Resolução do Coselo acioal de Arquivos Coarq 6, de 6 de maio de 008, que estabelece diretrizes básicas de gestão de documetos a serem adotadas os arquivos do Poder Judiciário; Cosiderado a ecessidade de assegurar a auteticidade, a itegridade, a seguraça, a preservação e o acesso de logo prazo dos documetos e processos, em face das ameaças de degradação física e de rápida obsolescêcia tecológica de ardware, software e formatos, resolve:

2 Coselo da Justiça Federal SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art º Esta resolução estabelece a Cosolidação ormativa do Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal de º e º graus Art º O Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal tem a fialidade de assegurar a gestão itegral, a proteção, a destiação, a guarda, a preservação e o acesso aos documetos istitucioais, produzidos o exercício de atribuições jurisdicioais e admiistrativas Art 3º Gestão itegral de documetos é o cojuto de procedimetos e operações técicas referetes à sua produção, tramitação, publicação, acesso, uso, avaliação, arquivameto, elimiação e guarda os arquivos correte, itermediário e permaete Art 4º É de resposabilidade de magistrados e servidores, o âmbito das suas atribuições, a correta aplicação das ormas e dos procedimetos previstos o Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal Art 5º São istrumetos do Programa de Gestão Documetal: a) o sistema iformatizado de gestão de documetos processuais ou admiistrativos; b) os metadados esseciais à idetificação do documeto istitucioal de modo iequívoco e a sua relação com os outros documetos; c) o Plao de Classificação e Tabela de Temporalidade da Documetação Admiistrativa da Justiça Federal PCTT; d) a Tabela de Temporalidade das Ações Trasitadas em Julgado da Justiça Federal (Aexo I ); e) as Tabelas Processuais Uificadas da Justiça Federal; f) o Fluxo para Seleção de Ações Judiciais da Justiça Federal (Aexo II); g) o Plao para Seleção de Amostras Represetativas de Ações Judiciais (Aexo III); ) a ista de Verificação de Pedêcias Processuais Impeditivas da Baixa Defiitiva de Processos (Aexo IV); i) o Maual de Gestão Documetal da Justiça Federal Parágrafo úico Os istrumetos ão aexados a esta resolução estarão dispoíveis e permaetemete atualizados o portal da Justiça Federal, o edereço eletrôico wwwjfjusbr/ Art 6º São requisitos esseciais para a Gestão Documetal da Justiça Federal: I mauteção dos documetos em ambiete seguro e implemetação de estratégias de preservação desses documetos desde sua produção e pelo tempo de guarda que ouver sido defiido; II padroização de espécies e tipos documetais; III utilização dos istrumetos mecioados o art 5º desta resolução; IV gereciameto da documetação produzida e recebida por meio de sistema que cotemple a captura, movimetação, destiação e acesso dos processos e documetos;

3 Coselo da Justiça Federal V avaliação documetal orietada para a preservação das iformações idispesáveis à admiistração das istituições da Justiça Federal e esseciais à memória acioal, bem como para a garatia dos direitos idividuais; VI racioalização a produção de documetos istitucioais e a sua reteção somete pelo período estabelecido os istrumetos de gestão documetal da Justiça Federal; VII adoção de critérios de trasferêcia e recolimeto de documetos às uidades de arquivo; VIII orietação e treiameto de magistrados e servidores; IX defiição de resposabilidades e de íveis de acesso autorizado aos documetos; X adoção do Modelo de Requisitos para Sistemas Iformatizados de Gestão de Processos e Documetos da Justiça Federal MoReq-Jus, aprovado pela Resolução CJF 7, de 7 de abril de 008, para garatir as qualidades de um documeto istitucioal; XI aplicação da política de seguraça da iformação da Justiça Federal, aprovada pela Resolução CJF 6, de 7 de abril de 008 SEÇÃO II DOS DOCUMETOS ISTITUCIOAIS Art 7º Cosidera-se documeto istitucioal todo aquele gerado ou recebido pela Justiça Federal o exercício das suas fuções, idepedetemete da forma ou do suporte em que foi produzido º Os documetos istitucioais de que trata o caput deste artigo são classificados como: I corretes: aqueles que estiverem em tramitação, ou que, mesmo sem movimetação, costituírem objeto de cosultas freqüetes; II itermediários: aqueles que, por coservarem aida algum iteresse jurisdicioal ou admiistrativo, mesmo ão sedo de uso correte pelas áreas emitetes, estiverem aguardado elimiação ou recolimeto para guarda permaete; III permaetes: aqueles de valor istórico, probatório e iformativo, que devam ser defiitivamete preservados o suporte em que foram criados º As qualidades esseciais do documeto istitucioal são orgaicidade, uicidade, cofiabilidade, itegridade, auteticidade, ão-repúdio, tempestividade e cofidecialidade Art 8º Os documetos classificados como de guarda permaete costituem o fudo arquivístico istórico da Justiça Federal e devem ser guardados e dispoibilizados para cosulta de modo a ão colocar em risco a sua adequada preservação º São cosiderados documetos de guarda permaete: a) os atos ormativos: ato, regimeto, resolução, portaria e outras ormas expedidas; b) os atos de assetameto: ata, termo e outros registros oficiais sobre fatos ou ocorrêcias; c) os atos de ajuste: tratado, cotrato, covêio e outros acordos em que a Justiça Federal for parte;

4 Coselo da Justiça Federal d) o iteiro teor de seteças, decisões termiativas, acórdãos e decisões recursais moocráticas; e) as ações crimiais, as ações coletivas e as que versem sobre Direito Ambietal, desapropriações, privatizações, direitos idígeas, direitos umaos, tratados iteracioais, opção de acioalidade, aturalização, usucapião e as que costituírem precedetes de súmulas; f) as ações pertecetes ao período de 890 a 973; g) outros documetos classificados como de guarda permaete os istrumetos previstos as alíeas c e d do art 5º desta resolução; ) outros documetos e processos admiistrativos ou judiciais classificados como de guarda permaete pelas Comissões Permaetes de Avaliação e Gestão Documetal das istituições da Justiça Federal º Os documetos mecioados o º, alíeas a, b e c, devem ser ecamiados às uidades resposáveis pelo arquivameto imediatamete após a sua produção ou, quado for o caso, logo após a certificação da sua publicação 3º Os documetos relacioados o º, alíea d, referetes a processos ão selecioados para guarda permaete, serão retirados dos autos e terão guarda permaete o seu suporte físico ou em versão digital do seu iteiro teor, assiada e certificada por autoridade certificadora credeciada, a forma da lei 4º Os livros de registro de seteças poderão ser elimiados sempre que ouver cópia do seu iteiro teor em versão digital assiada e certificada por autoridade certificadora credeciada, a forma da lei 5º Tedo em vista a coservação, os documetos de guarda permaete só poderão ser retirados das uidades de arquivo em caráter excepcioal: I por empréstimo, o âmbito itero da Justiça Federal, quado a dispoibilização de cópia em meio digital ão for viável ou ão se apresetar como o modo mais adequado; II por desarquivameto, quado evolver tramitação; III para fis de exposição ao público, cumprido requisitos que garatam sua itegridade e seguraça 6º Os documetos selecioados para guarda permaete estarão dispoíveis para cosulta local as uidades de arquivo, ficado facultada a sua digitalização para fis de cosulta e forecimeto de cópia àqueles que a solicitarem SEÇÃO III DOS PROCEDIMETOS DE GESTÃO DE DOCUMETOS Art 9º Os documetos admiistrativos e as ações judiciais trasitadas em julgado e defiitivamete arquivados o âmbito da Justiça Federal de º e º graus serão avaliados, para fis de guarda ou elimiação, segudo os critérios previstos os istrumetos defiidos o art 5º desta resolução

5 Coselo da Justiça Federal Parágrafo úico As ações judiciais trasitadas em julgado serão defiitivamete arquivadas quado ão ecessitarem de euma diligêcia do juízo processate, da secretaria da uidade judiciária respectiva e de terceiros desigados para atuarem a lide ou evetualmete alcaçados pelo julgado Art 0 É facultada ao magistrado a formulação de proposta fudametada à Comissão Permaete de Avaliação Documetal de guarda defiitiva de processo em que atue Art Será preservada uma amostra represetativa extraída do uiverso dos autos judiciais fidos destiados à elimiação, obtida com base em fórmula estatística defiida o Aexo III desta resolução Parágrafo úico Fica dispesada a preservação de amostra represetativa dos agravos Art Os documetos previstos o PCTT para imediata elimiação após o prazo de arquivo correte devem ser elimiados a própria uidade resposável, sem trasferêcia para uidade arquivística e sem publicação de edital de elimiação Art 3 A elimiação dos autos de ações judiciais trasitadas em julgado e de documetos admiistrativos defiitivamete arquivados a Justiça Federal será precedida de publicação de edital de elimiação Art 4 Os editais de elimiação serão publicados o veículo de publicação oficial de cada órgão, cosigado-se um prazo de 45 (quareta e cico) dias para possíveis maifestações das partes iteressadas ates da efetiva elimiação dos processos ou documetos º As partes iteressadas os autos fidos e os documetos admiistrativos a serem elimiados poderão, às suas expesas, requisitá-los para guarda particular, por meio de petição ao diretor da uidade admiistrativa à qual o arquivo esteja viculado º O documeto origial será etregue, após o prazo previsto o caput deste artigo, à primeira parte solicitate; às demais partes requeretes, quado ouver, serão forecidas cópias Art 5 A elimiação de documetos istitucioais realizar-se-á mediate critérios de resposabilidade social e de preservação ambietal, por meio da reciclagem do material descartado e da destiação do resultado para programas sociais de etidades sem fis lucrativos Art 6 A avaliação e a destiação dos documetos admiistrativos e autos processuais fidos criados em suporte digital obedecem aos critérios previstos os istrumetos defiidos o art 5º desta resolução Art 7 A gestão de documetos digitais adotará requisitos fucioais, requisitos ão-fucioais e metadados estabelecidos o MoReq-Jus

6 Coselo da Justiça Federal Art 8 Os processos e documetos digitais cuja auteticidade esteja assegurada a forma da lei poderão ter a sua geração, tramitação e guarda feitas exclusivamete em sistemas iformatizados corporativos, dispesada a emissão de cópia em papel Art 9 Os sistemas iformatizados deverão possibilitar a trasferêcia de processos e documetos digitais do arquivo correte para os arquivos itermediário e permaete, ficado dispoíveis para magistrados e servidores, de acordo com os seus íveis de resposabilidades e com as atividades que desevolverem: Protocolo, Autuação, Classificação, Idexação, Processameto, Avaliação, Arquivameto, Elimiação, Guarda Permaete e Acesso º As uidades arquivísticas são resposáveis pela gestão documetal, especialmete o que se refere ao recebimeto, avaliação, destiação, guarda e acesso aos documetos digitais º A uidade de arquivo procederá ao exame de presução de auteticidade dos documetos arquivísticos digitais recebidos baseado-se os metadados relacioados a esses documetos 3º As uidades de tecologia da iformação são resposáveis pelo armazeameto adequado dos documetos digitais e pela dispoibilização de ferrametas de gestão documetal os sistemas iformatizados corporativos Art 0 Os documetos que forem trascritos para suporte digital mediate certificação por assiatura digital emitida por autoridade certificadora credeciada terão o mesmo valor dos origiais º os casos de fiel trascrição digital de documetos e processos judiciais físicos para compor os autos processuais eletrôicos, os origiais ão serão remetidos às uidades de arquivo º Aplica-se o previsto o caput deste artigo, o que couber, aos documetos e processos admiistrativos Art Os documetos istitucioais digitais deverão ser objeto de políticas de seguraça da iformação que visem garatir a sua itegridade e acessibilidade de logo prazo, evitado-se a degradação física e a obsolescêcia tecológica de ardware, software e formatos Art A guarda do documeto, idepedetemete do suporte físico, deverá garatir a sua autoria, itegridade e tempestividade Art 3 Os procedimetos para classificação, acesso, iserção de dados os sistemas eletrôicos, mauseio, reprodução, trasporte, arquivameto e guarda de documetos e processos o âmbito da Justiça Federal deverão assegurar, o que couber, a aplicação das ormas referetes ao sigilo e segredo de justiça SEÇÃO IV DA COORDEAÇÃO E EXECUÇÃO DA GESTÃO DE DOCUMETOS

7 Coselo da Justiça Federal Art 4 O Comitê de Gestão Documetal da Justiça Federal será coordeado pelo titular da Secretaria de Pesquisa e Iformação Jurídicas do Cetro de Estudos Judiciários do Coselo da Justiça Federal e itegrado pelos titulares das uidades de documetação ou arquivo do Coselo da Justiça Federal e dos Tribuais Regioais Federais, idicados pelos respectivos presidetes Parágrafo úico O Comitê, sempre que julgar ecessário, poderá covidar, para itegrá-lo, titulares das uidades de arquivo das Seções Judiciárias e servidores com formação as áreas de istória, admiistração, iformática, estatística, cotabilidade, direito, arquivologia, bibliotecoomia e outras Art 5 Compete ao Comitê coordear o Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal, bem como: I elaborar e atualizar mauais específicos com orietações para a aplicabilidade das ormas previstas esta resolução; II promover treiametos de servidores e magistrados; III propor ormas complemetares ao Programa para aprovação do Coselo da Justiça Federal; IV atualizar e publicar, o portal eletrôico da Justiça Federal, o Plao de Classificação e Tabela de Temporalidade da Documetação Admiistrativa da Justiça Federal e a Tabela de Temporalidade das Ações Trasitadas em Julgado da Justiça Federal; V propor alterações as Tabelas Processuais Uificadas da Justiça Federal; VI acompaar e verificar a aplicação das ormas previstas esta resolução e, quado for o caso, sugerir ao Coordeador-Geral da Justiça Federal medidas corretivas Art 6 Deverão ser istituídas Comissões Permaetes de Avaliação e Gestão Documetal o Coselo da Justiça Federal, os Tribuais Regioais Federais e as Seções Judiciárias, compostas, o míimo, por: I servidor resposável pela uidade de documetação ou arquivo; II bacarel em Arquivologia ou Bibliotecoomia; III bacarel em História; IV bacarel em Direito Parágrafo úico A critério das Comissões, serão covidados a itegrá-las servidores das uidades orgaizacioais às quais se referem os documetos a serem avaliados, bem como profissioais ligados ao campo de coecimeto de que trata o acervo objeto da avaliação, podedo ser substituídos após a coclusão dos trabalos relativos às respectivas uidades ou áreas de coecimeto Art 7 Compete às Comissões: a) orietar e realizar o processo de aálise, avaliação e seleção dos documetos produzidos e recebidos os respectivos órgãos, para fis de guarda permaete ou elimiação; b) propor alterações os istrumetos de gestão documetal previstos o art 5º desta resolução; c) estabelecer prioridades para aálise e destiação de documetos istitucioais; d) aprovar o Termo de Elimiação, elaborado pela uidade de arquivo;

8 Coselo da Justiça Federal e) aalisar a proposta de guarda defiitiva feita por magistrado e prouciar-se acerca do seu acolimeto; f) a Comissão poderá costituir comissões setoriais as Subseções Judiciárias º Compete às Comissões Permaetes dos Tribuais Regioais Federais acompaar a política de gestão documetal do Tribual e das Seções Judiciárias sob sua jurisdição e participar de todas as decisões afetas à mauteção do acervo, moderização e automatização dos arquivos setoriais e cetrais; º As Comissões as Seções Judiciárias se reportarão às Comissões dos Tribuais Regioais Federais, e estas, ao Comitê de Gestão Documetal da Justiça Federal 3º Os Presidetes dos Tribuais, ou o Diretor do Foro, as Seções Judiciárias, poderão desigar juiz para atuar como cosultor juto às respectivas Comissões Art 8 A execução do Programa de Gestão de Documetos da Justiça Federal de º e º graus será coordeada pelas uidades de documetação e de arquivo existetes os órgãos da Justiça Federal, às quais compete: I orgaizar e avaliar o acervo arquivístico da istituição e dar-le destio; II garatir o acesso e facultar aos solicitates a cosulta e auteticação de cópias dos documetos sob a sua custódia; III difudir as ormas e diretrizes de gestão documetal e zelar pela sua correta aplicação; IV propor políticas referetes à mauteção do acervo e à moderização e automatização dos arquivos setoriais e cetrais sob a sua jurisdição; V acompaar os procedimetos ecessários para a efetiva elimiação dos documetos icluídos o Termo de Elimiação; VI sugerir alterações o PCTT e a Tabela de Temporalidade das Ações Trasitadas em Julgado da Justiça Federal; VII recoecer a auteticidade de documeto icorporado ao acervo em suporte digital, mediate coferêcia com o origial e aplicação de assiatura digital forecida por autoridade certificadora Parágrafo úico Os pedidos relativos às ações judiciais trasitadas em julgado cujo acesso esteja limitado pela legislação acioal, bem assim aqueles referetes ao desetraameto de documetos e emissão de certidões, são de competêcia exclusiva das secretarias de varas ou turmas SEÇÃO V DAS DISPOSIÇÕES FIAIS Art 9 Os Tribuais Regioais Federais e as Seções Judiciárias materão Sistema de Protocolo e Cotrole de Tramitação dos Documetos Admiistrativos, itegrado ao arquivo, para o recebimeto, registro, distribuição e cotrole da movimetação dos documetos produzidos e recebidos pela Justiça Federal Art 30 Revogam-se as Resoluções 7, de de dezembro de 999; 359, de 9 de março de 004; e 393, de 0 de setembro de 004

9 Coselo da Justiça Federal Art 3 Esta resolução etra em vigor a data da sua publicação Miistro CESAR ASFOR ROCHA Publicada o Diário Oficial da Uião Em 4/09/008 Seção pág 99

10 Coselo da Justiça Federal Aexo I TIPO DE FEITO CAUTEAR ESPÉCIE CUMPRIMETO DE SETEÇA Com execução do pricipal Sem execução do pricipal PRAZO DE GUARDA 5 aos 30 aos COHECIMETO Com execução do pricipal 5 aos Sem execução do pricipal 30 aos EXECUTÓRIAS ESPECIAIS (CPC E EGISAÇÃO EXTRAVAGATE) Título Executivo Judicial Título Executivo Extrajudicial Título Executivo Fiscal Procedimetos especiais de jurisdição coteciosa Procedimetos especiais de jurisdição volutária Com execução do pricipal Sem execução do pricipal Com execução do pricipal Sem execução do pricipal 5 aos 5 aos 30 aos 5 aos 30 aos JEF (CÍVE) 5 aos Agravo de Execução Peal Guarda permaete AGRAVO 5 aos

11 Coselo da Justiça Federal Aexo II FUXO PARA SEEÇÃO DE AÇÕES JUDICIAIS DA JUSTIÇA FEDERA FASE I Seleção dos processos de guarda permaete, coforme o art 8º desta resolução, e idetificação, em destaque, como tal em suas capas FASE II Aplicação da Tabela (Aexo I) aos processos para guarda permaete ão selecioados a Fase I FASE III Aplicação do Plao Amostral (Aexo III) ao cojuto dos processos, após o trascurso do período determiado a Tabela (Aexo I) FASE IV Aálise fial casuística dos processos selecioados para elimiação pela Comissão Permaete de Avaliação Documetal de cada istituição da Justiça Federal essa fase também serão aalisadas as idicações de guarda permaete feitas por magistrados, bem como separados os processos precedetes de súmulas

12 Coselo da Justiça Federal Aexo III PAO PARA SEEÇÃO DE AMOSTRAS REPRESETATIVAS DE AÇÕES JUDICIAIS Cosiderações gerais o presete aexo, foi elaborado um estudo estatístico para represetar o uiverso das ações judiciais trasitadas em julgado e ão defiidas como de guarda permaete, com base em técica de amostragem estratificada para a seleção de amostras represetativas Essa técica cosiste em dividir o uiverso de processos de tamao igual a uidades em subpopulações (estratos) costituídas de,,, uidades, respectivamete, de modo que ão aja superposição e, jutas, totalizem a população de tamao o estudo de amostragem, para se obter uma amostra estimada precisa da população, deve-se observar prioritariamete a sua eterogeeidade Tedo em vista os difereciados tipos de processos arquivados, optou-se por dividi-los em classes; cada uma represetará um estrato, com a fialidade de buscar uma maior omogeeidade da população As subpopulações, deomiadas estratos, devem ter os valores coecidos, pois, detro de cada estrato, separadamete, será selecioada uma determiada amostra A gradeza amostral para a população correspoderá a + + 3,,4 O tamao da amostra será determiado a partir das estimativas da média e da variâcia da população Essas mostram que a precisão da amostra estratificada para dado estrato depede de i cujo resultado pode ser ecotrado por meio da técica de alocação proporcioal (Sukatme, 970) Justificativa para a escola deste plao amostral este estudo, a amostragem estratificada é recomedável em decorrêcia da eterogeeidade etre as classes de processos, com referêcia ao tempo durate o qual cada classe tramita a Justiça Federal Assim, a estratificação pode propiciar amostras que represetem melor o uiverso em estudo Caso o extrato selecioado apresete alta variâcia, pode-se aplicar a amostragem estratificada em uma seguda etapa, ode o primeiro estrato será dividido em subestratos que serão formados pelos processos que apresetam parâmetros mais omogêeos Para obteção de uma amostra aleatória cosistete e com baixa correlação etre os estratos, foi ecessário trabalar com uma variável resposta comum a todas as classes de processos e iseta de juízo de valor A maioria dos processos a Justiça Federal é costituída por questões repetitivas (comus), por isso a amostra deve represetar essa característica, e ão qualificar o mérito ou o ieditismo de uma determiada questão ão é porque um processo é complexo ou iédito que ele deve ser, a priori, selecioado para fis de amostragem Esses critérios qualitativos são relevates e deverão ser cosiderados para a seleção fial, a ser feita pela Comissão Permaete de Avaliação e pelo grupo de avaliação de documetos de cada istituição da Justiça Federal 3 Plao amostral amostragem estratificada Com o ituito de selecioar para cada Seção Judiciária uma amostra represetativa de processos, cada seção deverá ser dividida em estratos de acordo com as classes processuais Assim, tedo como referêcia o tempo de tramitação de cada processo até o

13 Coselo da Justiça Federal mometo do arquivameto, podem-se gerar as estatísticas ecessárias para determiação da gradeza amostral Seção Judiciária Mad Seg º do T proc tram Tabela utilizada para o cálculo das estatísticas ode T tram correspode ao tempo de tramitação de cada processo até o arquivameto 3 Valores populacioais e estimadores por estrato Para o dimesioameto do tamao da amostra por Seção Judiciária () e por classe processual ( ) deve-se, primeiramete, coecer as estatísticas por estrato e as estatísticas Estratos (Classes) globais (cosiderados os estratos cojutamete), tedo em vista que estas permitirão avaliar a cosistêcia da amostra retirada Feito esse estudo, pode-se, mediate o pricípio da alocação proporcioal, calcular a amostra Diate de otações icomus, tem-se a seguir a caracterização de cada uma delas: úmero total de processos a Seção Judiciária; úmero de processos em que o -ésimo estrato foi dividido; úmero de processos amostrados, cosiderado-se todos os estratos; úmero de processos amostrados a serem medidos o -ésimo estrato; x i valor observado da variável resposta (tempo de tramitação do processo até o seu arquivameto) referete a i-ésima uidade de amostra o -ésimo estrato; peso do -ésimo estrato; fator de amostragem o -ésimo estrato; fator de expasão o -ésimo estrato; úmero de estratos (cada estrato correspode a uma classe de processo) A formulação da aálise estatística a ser apresetada refere-se à aplicação em cada estrato da amostra simples ao acaso ogo, para cada estrato, tedo em vista o ecotrado, será tomada uma amostra de processos com o auxílio da tabela de úmeros aleatórios Após a seleção, serão calculados os estimadores amostrais e populacioais, com o objetivo de demostrar o grau de precisão da gradeza amostral ecotrada 3 Valores estimados por estrato Este cojuto de fórmulas permitirá ecotrar os valores amostrais estimados de cada estrato como forma de avaliar a precisão da amostra retirada:

14 xi i ) x Coselo da Justiça Federal (Valor médio estimado o -ésimo estrato); ) x x (Valor total estimado o -ésimo estrato); ( x ) i i ( x ) i x x i i i 3) s (Valor da variâcia estimada); 4) s (Valor do desvio padrão estimado); s 5) V ˆ( x ) ( ) (Valor da variâcia da média estimada); 6) V ˆ( ) (Erro padrão estimado) x 3 Valores estimados cosiderado-se cojutamete todos os estratos Baseado a variável tempo de tramitação de cada processo (x ij ) como parâmetro para o cálculo da estimativas abaixo, tem-se que: (7) xest x represeta o valor da média estratificada estimada, ode x represeta a média populacioal do -ésimo estrato Vale ressaltar que, sedo a amostra em cada estrato uma amostra aleatória simples, x é um estimador ão-viesado de x, por isso é atural utilizar a estatística xest a forma cosiderada A fim de se obter a variâcia amostral de S S (8) V ( xest ) estimada, ode i S x est, tem-se que: represeta o valor da variâcia da média estratificada é a variâcia da população do -ésimo estrato e pode ser obtida por: S ( x x ) Vale observar que (variâcia amostral do -ésimo estrato) i represeta um estimador ão-viesado de S variâcia da média estratificada pode ser descrito por: s esse setido, um estimador ão-viesado da ) s s V ( xest )

15 Coselo da Justiça Federal Sukatme afirma que o subscrito S em (8) permite idicar a variâcia da amostra estratificada e por isso pode ser utilizada Por último, para obter-se o erro padrão da média estratificada deve-se calcular: (9) ) ˆ( x est V 4 Dimesioameto da amostra Cosiderado a defiição da partila proporcioal, o úmero de processos amostrados em cada estrato é obtido atededo-se à seguite proporcioalidade:, ode Forece a amostra a ser retirada de cada estrato Seja ) ( est x s t E a semi-amplitude do itervalo de cofiaça ou expectâcia do erro, etão: ) ˆ( x est V t E Substituido a fórmula da variâcia da média estratificada estimada, tem-se que: est S S x ( ) V Calculado: s t E s t Assim S t S t E S t E S S S t E : ) ( Este valor de ecotrado correspode à amostra de processos de toda a Seção Judiciária Porém, para se ecotrar o valor da amostra de cada classe de processos, basta utilizar o pricípio da alocação proporcioal

16 Bibliografia Coselo da Justiça Federal ARKI, Herbert Hadbook of samplig for auditig ad accoutig USA: Mc Graw Hill Book Compay, Ic, v, metods, 963 BUSSAB, ilto O Métodos quatitativos Aálise de variâcia e regressão São Paulo: Atual, 996 QUEIROZ, aldeei Travassos Técicas de amostragem em ivetário florestal os trópicos Belém: FCAP Serviços de Documetação e Iformação, 998 SUKHATME, Padurag V; SUKHATME, Balkrisa Samplig Teory of Surveys wit applicatios Prited i te USA Iowa State Uiversity Press, 970 p 8

17 Coselo da Justiça Federal Aexo IV ISTA DE VERIFICAÇÃO DE PEDÊCIAS PROCESSUAIS IMPEDITIVAS DA BAIXA DEFIITIVA DE PROCESSOS Processo º Ação Aplicar esta lista também aos apesos Verificação de pedêcias: a) Há determiação de arquivameto? ( ) sim ( ) ão b) Seteça de extição, ou decisão termiativa, ou acórdão trasitado em julgado? ( ) sim ( )ão c) Há petições/documetos pedetes de jutada? ( ) sim ( ) ão d) Há outros processos e recursos viculados a estes autos (agravos, embargos, depedetes, apesos, etc verificar referêcias os autos ou evetos laçados o sistema)? ( ) sim ( ) ão e) Em caso positivo, essa viculação está registrada o sistema processual? ( ) sim ( ) ão Verificação do cumprimeto dos provimetos judiciais exarados os autos, coforme o caso: a) Pagameto de verbas de sucumbêcia (oorários, custas e despesas processuais) ( ) sim ( ) ão ( ) ão se aplica b) Suspesão do pagameto de verbas de sucumbêcia (ei 060) ( ) sim ( ) ão ( ) ão se aplica c) evatameto de peora/ipoteca e fiel depositário ( ) sim ( ) ão ( ) ão se aplica d) evatameto de depósito (alvará/coversão) ou pagameto de ofício requisitório de pequeo valor e precatório requisitório de pagameto ( ) sim ( ) ão ( ) ão se aplica e) Destiação de bes apreedidos ou acautelados em depósitos judiciais ( ) sim ( ) ão ( ) ão se aplica f) Traslado de peças ( ) sim ( ) ão ( ) ão se aplica g) Outros: 3 Aálise da possibilidade de guarda permaete dos autos: ( ) Corte croológico processos ateriores a 974 ovo CPC ( ) Com recomedação de iteresse istórico Por classe ou assuto: ( ) ações crimiais; ( ) ações coletivas; ( ) Direito Ambietal; ( ) desapropriações; ( ) privatizações; ( ) direitos idígeas; ( ) direitos umaos; ( ) tratados iteracioais; ( ) ações que costituírem precedetes de súmulas; ( ) opção de acioalidade; ( ) aturalização; ( ) usucapião 4 Tempo de guarda este quesito, deve-se trabalar com a tabela de TEMPORAIDADE para adequar o tempo de guarda aplicado aos processos em cosoâcia com a atureza da ação e do provimeto exarado os autos a) Trâsito em julgado ou decurso de prazo em / /, fl(s) b) Previsão de temporalidade: ( ) 5 aos ( ) 30 aos ( ) guarda permaete 5 Observações: 6 Todas as pedêcias foram saadas? ( ) sim ( ) ão, / / Servidor ( matrícula)

18 Coselo da Justiça Federal COFERÊCIA PARA EIMIAÇÃO: ( ) ão á iformação de petições/documetos pedetes de jutada ( ) ão á pedêcias o sistema processual ( ) ão á rescisória viculada ao processo ( ) Processo publicado a lista para elimiação Edital ( ) Documetos de guarda permaete extraídos fls ( ) Todos os evetos da gestão documetal foram laçados o sistema processual, / / Servidor ( matrícula)

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados 30.4.2004 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Jackkife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Camilo Daleles Reó camilo@dpi.ipe.br Referata Biodiversa (http://www.dpi.ipe.br/referata/idex.html) São José dos Campos, 8 de dezembro de 20 Iferêcia

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

www.tcu.gov.br www.tcu.gov.br Trabalhos Relevantes Sobre a Previdência Social Uma Contribuição do TCU ao Debate da Reforma da Previdência Social

www.tcu.gov.br www.tcu.gov.br Trabalhos Relevantes Sobre a Previdência Social Uma Contribuição do TCU ao Debate da Reforma da Previdência Social www.tcu.gov.br www.tcu.gov.br TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO www.tcu.gov.br Trabalhos Relevates Sobre a Previdêcia Social ISC /CEDOC SEDIP Uma Cotribuição do TCU ao Debate da Reforma da Previdêcia Social

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DAD SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DAD SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC PREGÃO ELETRÔNICO.º

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

A ESEC para o Novo Aluno...

A ESEC para o Novo Aluno... Praça Heróis do Ultramar Solum, 3030-329 Coimbra, Portugal Tel: (+ 35) 239 79 3 45/ 22 Fax: (+ 35) 239 40 46 www.esec.pt A ESEC para o Novo Aluo... CONTEÚDO A ESEC Serviços Directores de Curso Iformações

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED ISSN 1984-9354 PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED Alie de Aquio Pito (UFAM) Armado Araújo de Souza Juior (UFMG/UFAM) Sadro Breval Satiago

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM PARA AUDITORIAS

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM PARA AUDITORIAS TRIBUAL DE COTAS DA UIÃO Secretaria-Geral de Cotrole Extero Secretaria-Aduta de Fiscalização TÉCICAS DE AMOSTRAGEM PARA AUDITORIAS ADFIS/SEGECEX 00 TRIBUAL DE COTAS DA UIÃO egócio Cotrole extero da admiistração

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América www.ifos.com 214 143 334 Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa Catálogo

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

anexo metodológico capítulo 10 CT&I e o Setor Agrícola no Estado de São Paulo

anexo metodológico capítulo 10 CT&I e o Setor Agrícola no Estado de São Paulo aexo metodológico capítulo 10 CT&I e o Setor Agrícola o Estado de São Paulo A 35 Aexo Metodológico Capítulo 10 CT&I e o setor agrícola o Estado de São Paulo A.1. Valores IPCA/IBGE para o período 1995 2007

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ONDAS DE CHOQUE 06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbo Cataratas Foz do Iguaçu - PR REF: Exposição Paralela Motadora Oficial: Stads Solutios STTC Evetos e Turismo Telefoe: (45)

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais