Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados"

Transcrição

1 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tedo em cota o Tratado que istitui a Comuidade Europeia, omeadamete a alíea c) do artigo 61. o e o segudo travessão do. o 5 do artigo 67. o, Tedo em cota a proposta da Comissão ( 1 ), (5) O coceito de «créditos ão cotestados» deverá abrager todas as situações em que o credor, estabelecida a ão cotestação pelo devedor quato à atureza ou dimesão de um crédito pecuiário, teha obtido uma decisão judicial ou título executivo cotra o devedor que implique a cofissão da dívida por parte deste, quer se trate de trasacção homologada pelo tribual, quer de um istrumeto autêtico. Tedo em cota o parecer do Comité Ecoómico e Social Europeu ( 2 ), Deliberado os termos do artigo 251. o do Tratado ( 3 ), Cosiderado o seguite: (6) A falta de cotestação a que se refere a alíea b) do. o 1 do artigo 3. o por parte do devedor pode assumir a forma de ão comparêcia a audiêcia, ou de falta de resposta a um covite do tribual para otificar por escrito a sua iteção de cotestar. (1) A Comuidade cosagrou como seu objectivo mater e desevolver um espaço de liberdade, de seguraça e de justiça, o qual seja assegurada a livre circulação de pessoas. Para este efeito, a Comuidade toma, desigadamete, o domíio da cooperação judiciária em matéria civil, ecessárias ao bom fucioameto do mercado itero. (7) O presete regulameto deverá ser aplicável às decisões judiciais, títulos ou istrumetos autêticos relativos a créditos ão cotestados e a decisões prouciadas a sequêcia de impugação de decisões, trasacções judiciais ou istrumetos autêticos, certificados como Título Executivo Europeu. (2) Em 3 de Dezembro de 1998, o Coselho aprovou um plao de acção do Coselho e da Comissão sobre a melhor forma de dar execução às disposições do Tratado de Amesterdão relativas à criação de um espaço de liberdade, de seguraça e de justiça ( 4 ) (Plao de Acção de Viea). (3) O Coselho Europeu aprovou, a sua sessão de Tampere de 15 e 16 de Outubro de 1999, o pricípio do recohecimeto mútuo de decisões judiciais, que deveria torar-se a pedra agular da criação de um verdadeiro espaço judiciário. (4) Em 30 de Novembro de 2000, o Coselho aprovou o programa de medidas destiadas a aplicar o pricípio do recohecimeto mútuo das decisões em matéria civil e comercial ( 5 ). Este programa compreede, a sua primeira etapa, a supressão do exequatur, ou seja, a criação de um Título Executivo Europeu para os créditos ão cotestados. ( 1 ) JO C 203 E de , p. 86. ( 2 ) JO C 85 de , p. 1. ( 3 ) Parecer do Parlameto Europeu de 8 de Abril de 2003 (JO C 64 E de , p. 79), posição comum do Coselho de 6 de Fevereiro de 2004 (aida ão publicada o Joral Oficial) e posição do Parlameto Europeu de 30 de Março de 2004 (aida ão publicada o Joral Oficial). ( 4 ) JO C 19 de , p. 1. ( 5 ) JO C 12 de , p. 1. (8) Nas Coclusões de Tampere, o Coselho Europeu cosiderou que a execução um Estado-Membro diferete daquele em que a decisão é proferida deve ser simplificada e acelerada, suprimido todas as medidas itermédias a tomar ates da execução o Estado-Membro em que é requerida. Uma decisão certificada como Título Executivo Europeu pelo tribual de origem deve ser tratada, para efeitos de execução, como se tivesse sido proferida o Estado-Membro em que a execução é requerida. No Reio Uido, por exemplo, o registo de uma decisão estrageira certificada estará, por coseguite, sujeito às mesmas regras que o registo de uma decisão de outra parte do Reio Uido e ão poderá implicar de forma alguma a reapreciação do mérito da decisão estrageira. As disposições de execução das decisões deverão cotiuar a ser reguladas pelo direito itero. (9) Esse procedimeto deverá apresetar vatages sigificativas em comparação com o procedimeto de exequatur previsto pelo Regulameto (CE). o 44/2001 do Coselho, de 22 de Dezembro de 2000, relativo à competêcia judiciária, ao recohecimeto e à execução de decisões em matéria civil e comercial ( 6 ), permitido ( 6 ) JO L 12 de , p. 1. Regulameto com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulameto (CE). o 1496/2002 da Comissão (JO L 225 de , p. 13).

2 L 143/ dispesar o recohecimeto pelos tribuais de um segudo Estado-Membro, com todos os atrasos e despesas que isso implica. (10) Sempre que um tribual de um Estado-Membro tiver proferido uma decisão um processo sobre um crédito ão cotestado, a ausêcia do devedor, a supressão de todos os cotrolos o Estado-Membro de execução está idissociavelmete ligada e subordiada à existêcia de garatia suficiete do respeito pelos direitos da defesa. (11) O presete regulameto pretede promover os direitos fudametais e tem em cota os pricípios recohecidos desigadamete pela Carta dos Direitos Fudametais da Uião Europeia. Em especial, pretede assegurar o pleo respeito do direito a um processo equitativo, tal como recohecido o artigo 47. o da Carta. (12) Deverão ser defiidas ormas míimas, a respeitar o processo que coduz à decisão, a fim de garatir que o devedor seja iformado acerca da acção judicial cotra ele, dos requisitos da sua participação activa o processo, de forma a fazer valer os seus direitos, e das cosequêcias da sua ão participação, em devido tempo e de forma a permitir-lhe preparar a sua defesa. (13) Devido às difereças etre os Estados-Membros o que diz respeito às ormas de processo civil e, omeadamete, as que regem a otificação e a citação de actos, é ecessário precisar as referidas ormas míimas. Em especial, ehum meio de citação ou de otificação baseado uma ficção jurídica, o que se refere ao respeito dessas ormas míimas, pode ser cosiderado suficiete para efeitos de certificação de uma decisão como Título Executivo Europeu. (16) O artigo 15. o deverá aplicar-se às situações em que o devedor ão possa comparecer o tribual, tal como o caso de uma pessoa colectiva, quado a pessoa que o represeta seja desigada por lei, bem como às situações em que o devedor teha autorizado outra pessoa, omeadamete um advogado, a represetá-lo aquela acção judicial específica. (17) Os tribuais competetes para examiar exaustivamete se as ormas processuais míimas foram itegralmete respeitadas deverão emitir uma certidão de Título Executivo Europeu ormalizado que tore esse exame e os seus resultados trasparetes. (18) A cofiaça mútua a admiistração da justiça os Estados-Membros autoriza que o tribual de um Estado- -Membro cosidere que todos os requisitos de certificação como Título Executivo Europeu estão preechidos, a fim de permitir a execução da decisão em todos os outros Estados-Membros sem revisão jurisdicioal da correcta aplicação das ormas processuais míimas o Estado-Membro ode a decisão deve ser executada. (19) O presete regulameto ão impõe aos Estados-Membros o dever de adaptar a sua lei acioal às ormas processuais míimas ele previstas. Promove um icetivo esse setido, istituido uma execução mais rápida e eficaz das decisões outros Estados-Membros apeas o caso em que essas ormas míimas forem respeitadas. (20) O pedido de certificação como Título Executivo Europeu para créditos ão cotestados deverá ser facultativo para o credor, que pode igualmete optar pelo sistema de recohecimeto e de execução previsto pelo Regulameto (CE). o 44/2001 do Coselho, ou por outros istrumetos comuitários. (14) Todos os meios de citação ou otificação eumerados os artigos 13. o e14. o se caracterizam quer pela iteira certeza (artigo 13. o ), quer por um elevado grau de probabilidade (artigo 14. o ) de que o acto otificado teha chegado ao seu destiatário. No segudo caso, uma decisão só pode ser certificada como Título Executivo Europeu se o Estado-Membro de origem dispuser de um mecaismo apropriado que cofira ao devedor o direito de requerer uma revisão itegral da decisão, as codições estabelecidas o artigo 19. o, os casos excepcioais em que, apesar de cumprido o disposto o artigo 14. o, o documeto ão teha chegado ao seu destiatário. (21) Quado um acto tiver de ser eviado de um Estado- -Membro para outro para ele ser citado ou otificado, o presete regulameto e, em particular, as ormas aplicáveis à citação ou otificação dele costates, deverá ser aplicado em cojuto com o Regulameto (CE). o 1348/2000 do Coselho, de 29 de Maio de 2000, relativo à citação e à otificação dos actos judiciais e extrajudiciais em matérias civil e comercial os Estados-Membros ( 1 ), omeadamete com o artigo 14. o, em articulação com as declarações dos Estados-Membros feitas os termos do artigo 23. o. (15) Só se deve cosiderar que a citação ou otificação pessoal de pessoas que ão sejam o próprio devedor efectuada os termos das alíeas a) e b) do. o 1 do artigo 14. o cumpre os requisitos dessas disposições se essas pessoas tiverem efectivamete recebido o documeto em questão. (22) Uma vez que os objectivos da acção proposta ão podem ser suficietemete atigidos pelos Estados-Membros, podedo, em razão da amplitude e efeitos pretedidos, ser melhor alcaçados a ível comuitário, a ( 1 ) JO L 160 de , p. 37.

3 L 143/17 Comuidade pode tomar medidas, de acordo com o pricípio da subsidiariedade cosagrado o artigo 5. o do Tratado. De acordo com o pricípio da proporcioalidade cosagrado o mesmo artigo, o presete regulameto ão excede o ecessário para atigir aqueles objectivos. (23) As medidas ecessárias à execução do presete regulameto devem ser adoptadas os termos da Decisão 1999/468/CE do Coselho, de 28 de Juho de 1999, que fixa as regras de exercício das competêcias de execução atribuídas à Comissão ( 1 ). (24) Nos termos do artigo 3. o do Protocolo relativo à posição do Reio Uido e da Irlada, aexo ao Tratado da Uião Europeia e ao Tratado que istitui a Comuidade Europeia, estes Estados-Membros otificaram por escrito a sua iteção de participar a aprovação e a aplicação do presete regulameto. (25) Nos termos dos artigos 1. o e2. o do Protocolo relativo à posição da Diamarca, aexo ao Tratado da Uião Europeia e ao Tratado que istitui a Comuidade Europeia, a Diamarca ão participa a aprovação do presete regulameto e ão lhe fica por isso viculada em sujeita à sua aplicação. (26) Nos termos do segudo travessão do. o 5 do artigo 65. o do Tratado, é aplicável, desde 1 de Fevereiro de 2003, o processo de co-decisão às medidas costates do presete regulameto, APROVARAM O PRESENTE REGULAMENTO: CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO DE APLICAÇÃO E DEFINIÇÕES Artigo 1. o Objecto O presete regulameto tem por objectivo criar o Título Executivo Europeu para créditos ão cotestados, a fim de assegurar, mediate a criação de ormas míimas, a livre circulação de decisões, trasacções judiciais e istrumetos autêticos em todos os Estados-Membros, sem ecessidade de efectuar quaisquer procedimetos itermédios o Estado-Membro de execução previamete ao recohecimeto e à execução. ( 1 ) JO L 184 de , p. 23 (Rectificação: JO L 269 de , p. 45). Artigo 2. o Âmbito de aplicação 1. O presete regulameto aplica-se em matéria civil e comercial, idepedetemete da atureza da jurisdição. O presete regulameto ão abrage, omeadamete, as matérias fiscais, aduaeiras e admiistrativas, em a resposabilidade do Estado por actos e omissões o exercício do poder público («acta iure imperii»). 2. São excluídos da aplicação do presete regulameto: a) O estado ou a capacidade das pessoas sigulares, os direitos patrimoiais decorretes de regimes matrimoiais, de testametos e de sucessões; b) As falêcias e as cocordatas em matéria de falêcia de sociedades ou outras pessoas colectivas, os acordos judiciais, os acordos de credores ou outros procedimetos aálogos; c) A seguraça social; d) A arbitragem. 3. Para efeitos do presete regulameto, etede-se por «Estado-Membro» qualquer Estado-Membro, à excepção da Diamarca. Artigo 3. o Títulos executivos a certificar como Título Executivo Europeu 1. O presete regulameto é aplicável às decisões, trasacções judiciais e istrumetos autêticos sobre créditos ão cotestados. Um crédito é cosiderado «ão cotestado» se o devedor: a) Tiver admitido expressamete a dívida, por meio de cofissão ou de trasacção homologada por um tribual, ou celebrada perate um tribual o decurso de um processo; ou b) Nuca tiver deduzido oposição, de acordo com os requisitos processuais relevates, ao abrigo da legislação do Estado-Membro de origem; ou c) Não tiver comparecido em feito represetar a audiêcia relativa a esse crédito, após lhe ter iicialmete deduzido oposição durate a acção judicial, desde que esse comportameto implique uma admissão tácita do crédito ou dos factos alegados pelo credor, em coformidade com a legislação do Estado-Membro de origem; ou d) Tiver expressamete recohecido a dívida por meio de istrumeto autêtico.

4 L 143/ O presete regulameto é igualmete aplicável às decisões proferidas a sequêcia de impugação de decisões, trasacções judiciais ou istrumetos autêticos certificados como Título Executivo Europeu. CAPÍTULO II TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU Artigo 4. o Defiições Para efeitos do presete regulameto, aplicam-se as seguites defiições: 1. «Decisão»: qualquer decisão, proferida por um órgão jurisdicioal de um Estado-Membro, idepedetemete da desigação que lhe for dada, tal como acórdão, seteça, despacho judicial ou madado de execução, bem como a fixação, pelo secretário do tribual, do motate das custas ou despesas do processo. 2. «Crédito»: a reclamação do pagameto de um motate específico de diheiro que se teha torado exigível ou para o qual a data em que é exigível seja idicada a decisão, trasacção judicial ou istrumeto autêtico. 3. «Istrumeto autêtico»: a) Um documeto que teha sido formalmete redigido ou registado como autêtico e cuja auteticidade: i) esteja associada à assiatura e ao coteúdo do istrumeto; e ii) ou teha sido estabelecido por uma autoridade pública ou outra autoridade competete para o efeito o Estado-Membro em que tiver origem; b) Uma coveção em matéria de obrigações alimetares celebrada perate autoridades admiistrativas ou por elas auteticada. 4. «Estado-Membro de origem»: o Estado-Membro o qual tiver sido proferida a decisão, a trasacção judicial homologada ou o istrumeto autêtico redigido ou registado, a certificar como Título Executivo Europeu. 5. «Estado-Membro de execução»: o Estado-Membro o qual for requerida a execução da decisão, trasacção judicial ou istrumeto autêtico de certificação como Título Executivo Europeu. 6. «Tribual de origem»: o órgão jurisdicioal ou tribual perate o qual o processo judicial foi ivocado, o mometo em que as codições euciadas as alíeas a), b) e c) do. o 1 do artigo 3. o se ecotravam preechidas. 7. Na Suécia, os processos sumários de ijução de pagameto (betaligsföreläggade), a expressão «tribual» iclui o «Serviço Público Sueco de Cobraça Forçada» (kroofogdemydighet). Artigo 5. o Supressão do exequatur Uma decisão que teha sido certificada como Título Executivo Europeu o Estado-Membro de origem será recohecida e executada os outros Estados-Membros sem ecessidade de declaração da executoriedade ou cotestação do seu recohecimeto. Artigo 6. o Requisitos de certificação como Título Executivo Europeu 1. Uma decisão sobre um crédito ão cotestado proferida um Estado-Membro será, mediate pedido apresetado a qualquer mometo ao tribual de origem, certificada como Título Executivo Europeu se: a) A decisão for executória o Estado-Membro de origem; e b) A decisão ão for icompatível com as regras de competêcia euciadas as Secções 3 e 6 do Capítulo II do Regulameto (CE). o 44/2001; e c) O processo judicial o Estado-Membro de origem preecher os requisitos euciados o Capítulo III, quado um crédito ão teha sido cotestado, a acepção das alíeas b) ou c) do. o 1 do artigo 3. o ;e d) A decisão tiver sido proferida o Estado-Membro do domicílio do devedor, a acepção do artigo 59. o do Regulameto (CE). o 44/2001, quado: o crédito ão teha sido cotestado, a acepção das alíeas b) ou c) do. o 1 do artigo 3. o ;e disser respeito a um cotrato celebrado por uma pessoa, o cosumidor, com um fim que possa ser cosiderado estraho à sua actividade comercial ou profissioal; e o devedor seja o cosumidor. 2. Em caso de cessação, suspesão ou limitação da força executória de uma decisão certificada como Título Executivo Europeu, o tribual de origem emitirá, a pedido apresetado a qualquer mometo, uma certidão que idique a ão existêcia ou a limitação dessa força executiva, utilizado para o efeito o formulário-tipo costate do Aexo IV.

5 L 143/19 3. Sem prejuízo do. o 2 do artigo 12. o, quado tiver sido proferida uma decisão a sequêcia de impugação de uma decisão certificada como Título Executivo Europeu os termos do. o 1, será emitida uma certidão de substituição mediate pedido apresetado a qualquer mometo, utilizado-se para tal o formulário-tipo costate do Aexo V, se a decisão sobre a impugação tiver força executória o Estado-Membro de origem. 3. Os pedidos de rectificação ou revogação de uma certidão de Título Executivo Europeu poderão ser feitos utilizado o formulário-tipo costate do Aexo VI. 4. A emissão da certidão de Título Executivo Europeu ão é susceptível de recurso. Artigo 7. o Custos das acções judiciais Sempre que uma decisão iclua uma decisão com força executória sobre o motate dos custos das acções judiciais, icluido as taxas de juro, essa decisão será certificada como Título Executivo Europeu igualmete o que respeita aos custos, a ão ser que o devedor teha especificamete cotestado a sua obrigação de suportar esses custos durate a acção judicial, em coformidade com a legislação do Estado-Membro de origem. Artigo 11. o Efeitos da certidão de Título Executivo Europeu A certidão de Título Executivo Europeu só produz efeitos detro dos limites da força executória da decisão. CAPÍTULO III Artigo 8. o Certidão de Título Executivo Europeu parcial No caso de só determiadas partes da decisão preecherem os requisitos do presete regulameto, será emitida uma certidão de Título Executivo Europeu parcial o que se refere a essas partes. NORMAS MÍNIMAS APLICÁVEIS AOS PROCESSOS RELATIVOS A CRÉDITOS NÃO CONTESTADOS Artigo 12. o Âmbito de aplicação das ormas míimas Artigo 9. o Emissão da certidão de Título Executivo Europeu 1. A certidão de Título Executivo Europeu será emitida utilizado o formulário-tipo costate do Aexo I. 2. A certidão de Título Executivo Europeu será preechida a lígua da decisão. Artigo 10. o Rectificação ou revogação da certidão de Título Executivo Europeu 1. A certidão de Título Executivo Europeu será, mediate pedido dirigido ao tribual de origem: a) Rectificada, os casos em que, devido a erro material, exista uma discrepâcia etre a decisão e a certidão; b) Revogada os casos em que teha sido emitida de forma claramete errada, em fução dos requisitos previstos o presete regulameto. 2. A legislação do Estado-Membro de origem é aplicável à rectificação ou à revogação da certidão de Título Executivo Europeu. 1. Uma decisão relativa a um crédito ão cotestado, a acepção das alíeas b) ou c) do. o 1 do artigo 3. o, só poderá ser certificada como Título Executivo Europeu se o processo judicial o Estado-Membro de origem obedecer aos requisitos processuais costates do presete capítulo. 2. Aplicar-se-ão os mesmos requisitos à emissão de uma certidão de Título Executivo Europeu ou de uma certidão de substituição, a acepção do. o 3 do artigo 6. o, relativamete a uma decisão proferida a sequêcia da impugação de outra decisão quado, o mometo em que é proferida aquela decisão, estejam preechidas as codições previstas as alíeas b) ou c) do. o 1 do artigo 3. o. Artigo 13. o Citação ou otificação com prova de recepção pelo devedor 1. O documeto que dá iício à istâcia ou acto equivalete pode ser otificado ao devedor por um dos seguites meios: a) Citação ou otificação pessoal comprovada por aviso de recepção, datado e assiado pelo devedor;

6 L 143/ b) Citação ou otificação pessoal atestada por documeto assiado pela pessoa competete para efectuar essa citação ou otificação declarado que o devedor recebeu o documeto ou que se recusou a recebê-lo sem qualquer justificação legal, acompahada da data da citação ou otificação; c) Citação ou otificação por via postal, comprovada por um aviso de recepção, datado e assiado pelo devedor, e devolvida por este; d) Citação ou otificação por meios electróicos, como fax ou correio electróico, comprovada por aviso de recepção, datado e assiado pelo devedor, e devolvida por este. 2. Qualquer ordem para que o devedor compareça em audiêcia pode ser efectuada os termos do. o 1, ou verbalmete, uma audiêcia aterior relativa ao mesmo crédito e registada a acta dessa audiêcia. 2. Para efeitos do presete regulameto, a citação ou otificação os termos do. o 1 ão é admissível se o edereço do devedor ão for cohecido com seguraça. 3. A citação ou otificação os termos das alíeas a) a d) do. o 1 será comprovada por: a) Um documeto assiado pela pessoa competete que procedeu à citação ou otificação, que idique: i) o método de citação ou otificação, e ii) a data da citação ou otificação, e iii) se o acto foi citado ou otificado a pessoa diferete do devedor, o ome dessa pessoa e a sua relação com o devedor, Artigo 14. o Citação ou otificação sem prova de recepção pelo devedor ou b) Um aviso de recepção pela pessoa citada ou otificada, para efeitos do disposto as alíeas a) e b) do. o A citação ou otificação do documeto que dá iício à istâcia ou acto equivalete, bem como qualquer ordem de comparêcia em audiêcia dirigida ao devedor, pode igualmete ser efectuada pelos seguites meios: a) Citação ou otificação pessoal, o edereço do devedor, das pessoas que vivem o mesmo domicílio ou que ele trabalhem; b) Se o devedor for um trabalhador por cota própria ou uma pessoa colectiva, citação ou otificação pessoal, o estabelecimeto comercial do devedor, das pessoas por ele empregadas; c) Depósito do documeto a caixa de correio do devedor; d) Depósito do documeto um posto de correios ou juto das autoridades competetes e otificação escrita desse depósito a caixa de correio do devedor, desde que a otificação escrita mecioe claramete o carácter judicial do documeto ou o efeito legal da otificação como sedo uma efectiva citação ou otificação, e especificado o iício do decurso do respectivo prazo; e) Citação ou otificação por via postal sem a prova prevista o. o 3, quado o devedor teha edereço o Estado- -Membro de origem; f) Citação ou otificação por meios electróicos, com cofirmação automática de etrega, desde que o devedor teha expressa e previamete aceite esse meio de citação ou otificação. Artigo 15. o Citação ou otificação dos represetates do devedor A citação ou otificação os termos dos artigos 13. o e 14. o pode igualmete ter sido feita a um represetate do devedor. Artigo 16. o Iformação adequada do devedor sobre o crédito A fim de assegurar que o devedor foi devidamete iformado sobre o crédito, o documeto que der iício à istâcia, ou acto equivalete, deve icluir: a) Os omes e edereços das partes; b) O motate do crédito; c) Se forem exigidos juros sobre o crédito, a taxa de juro e o período em relação ao qual são exigidos, salvo se ao capital forem aditados automaticamete juros legais por força da legislação do Estado-Membro de origem; d) Uma declaração sobre a causa de pedir.

7 L 143/21 Artigo 17. o Iformação adequada do devedor sobre as diligêcias processuais ecessárias para cotestar o crédito Os elemetos seguites devem ser claramete mecioados o documeto que der iício à istâcia ou acto equivalete, em documeto equivalete ou em qualquer citação ou otificação para comparecer em audiêcia: a) Os requisitos processuais para o devedor deduzir oposição ao crédito, icluido o prazo de cotestação por escrito ou a data da audiêcia, coforme o caso, o ome e o edereço da istituição a que deverá ser dada resposta ou perate a qual o devedor deverá comparecer e a idicação da obrigatoriedade ou ão de se fazer represetar por um advogado; b) As cosequêcias da falta de cotestação ou de comparêcia, em particular, quado aplicável, a possibilidade de uma decisão ser proferida ou executada cotra o devedor e a sua resposabilidade pelos custos da acção judicial. Artigo 19. o Normas míimas de revisão em casos excepcioais 1. Por força dos artigos 13. o a 18. o, uma decisão só pode ser certificada como Título Executivo Europeu se o devedor tiver direito, segudo a legislação do Estado-Membro de origem, a requerer uma revisão da decisão, quado: a) i) O documeto que dá iício à istâcia ou acto equivalete ou, se for caso disso, a ordem para comparecer em audiêcia tiver sido otificada por um dos meios previstos o artigo 14. o e ii) ou A citação ou otificação ão tiver sido efectuada em tempo útil para lhe permitir preparar a defesa, sem que haja qualquer culpa da sua parte; b) O devedor tiver sido impedido de deduzir oposição ao crédito por motivo de força maior ou devido a circustâcias excepcioais, sem que haja qualquer culpa da sua parte, Artigo 18. o Suprimeto da iobservâcia das ormas míimas desde que, em qualquer dos casos, actue protamete. 2. O presete artigo ão prejudica a possibilidade de os Estados-Membros facultarem o acesso à revisão da decisão em codições mais favoráveis do que as previstas o. o Se o processo o Estado-Membro de origem ão observar os requisitos processuais costates dos artigos 13. o a17. o, esta iobservâcia será saada e a decisão pode ser certificada como Título Executivo Europeu, se: CAPÍTULO IV EXECUÇÃO a) A decisão tiver sido otificada ao devedor de acordo com os requisitos costates dos artigos 13. o ou 14. o ; b) O devedor tiver tido a possibilidade de impugar a decisão, por meio de uma revisão total, e tiver sido devidamete iformado a decisão, ou jutamete com esta, sobre os requisitos processuais para essa impugação, icluido o ome e o edereço da istituição a que deve ser dirigida, bem como, quado aplicável, o respectivo prazo; c) O devedor ão tiver cotestado a decisão de acordo com os requisitos processuais relevates. 2. Se o processo o Estado-Membro de origem ão observar os requisitos processuais costates do artigo 13. o ou do artigo 14. o, esta iobservâcia será saada se se provar pela coduta do devedor a acção judicial que o devedor foi citado ou otificado pessoalmete em tempo útil para poder preparar a sua defesa. Artigo 20. o Trâmites de execução 1. Sem prejuízo das disposições do presete capítulo, os trâmites de execução são regidos pelo direito do Estado-Membro de execução. Uma decisão certificada como Título Executivo Europeu será executada as mesmas codições que uma decisão proferida o Estado-Membro de execução. 2. O credor deve apresetar à autoridade competete para a execução o Estado-Membro de execução: a) Uma certidão autêtica da decisão; e b) Uma certidão autêtica de Título Executivo Europeu; e

8 L 143/ c) Se ecessário, uma trascrição da certidão de Título Executivo Europeu ou uma tradução desta a lígua oficial do Estado-Membro de execução ou, caso esse Estado-Membro teha várias líguas oficiais, a lígua oficial ou uma das líguas oficiais do local ode é requerida a execução, ou em qualquer outra lígua que o Estado-Membro de execução teha declarado aceitar. Cada Estado-Membro pode idicar a lígua oficial ou as líguas oficiais da Comuidade diferetes da sua, em que pode aceitar a certidão. A tradução será certificada por pessoa habilitada para o efeito um Estado-Membro. 3. Não será exigida caução, garatia ou depósito, qualquer que seja a sua forma, a uma parte que requeira um Estado- -Membro a execução de uma decisão certificada como Título Executivo Europeu outro Estado-Membro com base o facto de ser acioal de um país terceiro, ou de ão estar domiciliado ou ão ser residete o Estado-Membro de execução. rida, omeadamete outro Estado Cotratate da referida coveção, cotra um requerido que teha o seu domicílio ou residêcia habitual um país terceiro quado, os casos previstos o artigo 4. o da citada Coveção, a decisão só pode ter por fudameto uma das disposições previstas o segudo parágrafo do artigo 3. o dessa Coveção. Quado o devedor tiver: Artigo 23. o Suspesão ou limitação da execução cotestado uma decisão certificada como Título Executivo Europeu, icluido um pedido de revisão a acepção do artigo 19. o,ou Artigo 21. o Recusa de execução 1. A pedido do devedor, a execução será recusada pelo tribual competete do Estado-Membro de execução se a decisão certificada como Título Executivo Europeu for icociliável com uma decisão ateriormete proferida um Estado-Membro ou um país terceiro, desde que: a) Evolva as mesmas partes e a mesma causa de pedir; e b) Teha sido proferida o Estado-Membro de execução ou reúa as codições ecessárias para o seu recohecimeto o Estado-Membro de execução; e c) Não teha sido alegada, em tiver sido possível alegar, a icompatibilidade para impugar o crédito durate a acção judicial o Estado-Membro de origem. 2. A decisão ou a sua certificação como Título Executivo Europeu ão pode, em caso algum, ser revista quato ao mérito o Estado-Membro de execução. Artigo 22. o Acordos com países terceiros O presete regulameto ão afecta os acordos os termos dos quais os Estados-Membros se teham comprometido, ates da etrada em vigor do Regulameto (CE). o 44/2001 do Coselho, ao abrigo do artigo 59. o da Coveção de Bruxelas relativa à Competêcia Judiciária e à Execução de Decisões em Matéria Civil e Comercial, a ão recohecer uma decisão profe- requerido a rectificação ou revogação da certidão de Título Executivo Europeu em coformidade com o artigo 10. o, o tribual ou a autoridade competete do Estado-Membro de execução pode, a pedido do devedor: a) Limitar o processo de execução a providêcias cautelares; ou b) Subordiar a execução à costituição de uma garatia, coforme determiar; c) Em circustâcias excepcioais, suspeder o processo de execução. CAPÍTULO V TRANSACÇÕES JUDICIAIS E INSTRUMENTOS AUTÊNTICOS Artigo 24. o Trasacções judiciais 1. As trasacções relativas a créditos, a acepção do poto 2 do artigo 4. o, que teham sido homologadas pelo tribual ou celebradas perate um tribual o decurso de um processo e sejam executórias o Estado-Membro ode tiverem sido homologadas ou celebradas, serão, mediate pedido apresetado ao tribual que as homologou ou perate o qual foram celebradas, certificadas como Título Executivo Europeu, utilizado o formulário-tipo costate do Aexo II. 2. Uma trasacção que teha sido certificada como Título Executivo Europeu o Estado-Membro de origem será executada os outros Estados-Membros sem ecessidade de declaração de executoriedade e sem que seja possível cotestar a sua força executória.

9 L 143/23 3. São aplicáveis, cosoate o caso, as disposições do Capítulo II, com excepção do artigo 5. o,do. o 1 do artigo 6. o edo. o 1 do artigo 9. o, e do Capítulo IV, com excepção do. o 1 do artigo 21. o e do artigo 22. o. Artigo 25. o Artigo 28. o Relação com o Regulameto (CE). o 1348/2000 O presete regulameto ão afecta a aplicação do Regulameto (CE). o 1348/2000. Istrumetos autêticos 1. Um istrumeto autêtico relativo a um crédito, a acepção do poto 2 do artigo 4. o, que seja executório um Estado- -Membro, será, mediate pedido apresetado à autoridade desigada pelo Estado-Membro de origem, certificado como Título Executivo Europeu, utilizado o formulário-tipo costate do Aexo III. 2. Um istrumeto autêtico que teha sido certificado como Título Executivo Europeu o Estado-Membro de origem será executado os outros Estados-Membros sem ecessidade de declaração de executoriedade e sem que seja possível cotestar a sua força executória. 3. São aplicáveis, cosoate o caso, as disposições do Capítulo II, com excepção do artigo 5. o,do. o 1 do artigo 6. o edo. o 1 do artigo 9. o, e do Capítulo IV, com excepção do. o 1 do artigo 21. o e do artigo 22. o. CAPÍTULO VI DISPOSIÇÃO TRANSITÓRIA CAPÍTULO VIII DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS Artigo 29. o Iformação sobre os trâmites de execução Os Estados-Membros cooperarão o setido de forecer, tato ao público em geral como aos sectores profissioais, iformações sobre: a) Os meios e trâmites de execução os Estados-Membros; e b) As autoridades competetes em matéria de execução os Estados-Membros, omeadamete por meio da Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial, criada pela Decisão 2001/470/CE ( 1 ). Artigo 26. o Disposição trasitória O presete regulameto é apeas aplicável às decisões proferidas por um tribual, às trasacções judiciais homologadas por um tribual ou celebradas perate um tribual e aos documetos formalmete redigidos ou registados como istrumetos autêticos após a etrada em vigor do presete regulameto. Artigo 30. o Iformações relativas aos tribuais, autoridades e procedimetos de recurso 1. Os Estados-Membros otificarão à Comissão: a) Os procedimetos de rectificação e de revogação referidos o. o 2 do artigo 10. o e de revisão previsto o. o 1 do artigo 19. o ; CAPÍTULO VII RELAÇÕES COM OUTROS INSTRUMENTOS COMUNITÁRIOS Artigo 27. o Relação com o Regulameto (CE). o 44/2001 O presete regulameto ão afecta a possibilidade de requerer o recohecimeto e a execução de uma decisão relativa a um crédito ão cotestado, de uma trasacção homologada por um tribual ou de um istrumeto autêtico os termos do Regulameto (CE). o 44/2001. b) As líguas aceites os termos da alíea c) do. o 2 do artigo 20. o ; c) As listas das autoridades referidas o artigo 25. o, bem como quaisquer alterações posteriores destas iformações. 2. A Comissão torará dispoíveis ao público as iformações otificadas os termos do. o 1 mediate a sua publicação o e por quaisquer outros meios adequados. ( 1 ) JO L 174 de , p. 25.

10 L 143/ Artigo 31. o Alterações aos Aexos As alterações dos formulários-tipo costates dos Aexos serão adoptadas de acordo com o procedimeto referido o. o 2do artigo 32. o. Artigo 32. o Comité 1. A Comissão é assistida pelo Comité previsto o artigo 75. o do Regulameto (CE). o 44/ Quado seja feita referêcia ao presete úmero, são aplicáveis os artigos 3. o e 7. o da Decisão 1999/468/CE, tedo-se em cota o disposto o seu artigo 8. o. 3. O Comité aprovará o seu regulameto itero. Artigo 33. o Etrada em vigor O presete regulameto etra em vigor em de 21 de Jaeiro de É aplicável a partir de 21 de Outubro de 2005, com excepção dos artigos 29. o,31. o e 32. o, que são aplicáveis a partir de 21 de Jaeiro de O presete regulameto é obrigatório em todos os seus elemetos e directamete aplicável em todos os Estados-Membros, em coformidade com o Tratado que istitui a Comuidade Europeia. Feito em Estrasburgo, em 21 de Abril de Pelo Parlameto Europeu O Presidete P. COX Pelo Coselho O Presidete D. ROCHE

11 L 143/25 ANEXO I CERTIDÃO DE TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU DECISÃO 1. Estado-Membro de origem: AT BE DE EL ES FI FR IE IT LU NL SE UK 2. Órgão jurisdicioal/tribual que emitiu a certidão 2.1. Nome: 2.2. Edereço: 2.3. Tel./Fax/Correio electróico: 3. Se diferete, Órgão jurisdicioal/tribual que proferiu a decisão 3.1. Nome: 3.2. Edereço: 3.3. Tel./Fax/Correio electróico: 4. Decisão 4.1. Data: 4.2. Número de referêcia: 4.3. Partes Nome e edereço do(s) credor(es): Nome e edereço do(s) devedor(es): 5. Crédito líquido certificado 5.1. Motate do capital: Moeda euro coroa sueca libra esterlia outra (especificar) Se o crédito tem pagameto escaloado Motate de cada prestação: Prazo da primeira prestação: Prazos das prestações subsequetes semaal mesal outro (especificar)

12 L 143/ Período do crédito Actualmete idetermiado ou Prazo da última prestação: 5.2. Juros Taxa de juro %ou % acima da taxa de base do BCE ( 1 ) Outra (especificar) Cobraça de juros a partir de: 5.3. Motate das despesas reembolsáveis, se a decisão o especificar: 6. A decisão é executória o Estado-Membro de origem. 7. A decisão aida é passível de recurso: Sim Não 8. A decisão tem por objecto um crédito ão cotestado os termos do. o 1do artigo 3. o 9. A decisão está em coformidade com a alíea b) do. o 1 do artigo 6. o 10. A decisão respeita a matérias relacioadas com cotratos celebrados com os cosumidores Sim Não Em caso afirmativo: O devedor é o cosumidor: Sim Não Em caso afirmativo: O devedor tem domicílio o Estado-Membro de origem (a acepção do artigo 59. o do Regulameto (CE). o 44/2001) 11. Notificação do acto que dá iício à istâcia os termos do Capítulo III, quado aplicável: Sim Não Notificação efectuada em coformidade com o artigo 13. o ou Notificação efectuada em coformidade com o artigo 14. o ou Ficou provado que, em coformidade com o. o 2 do artigo 18. o, o devedor foi otificado ( 1 ) Taxa de juro aplicada pelo Baco Cetral Europeu às suas pricipais operações de refiaciameto.

13 L 143/ Iformação obrigatória O devedor foi iformado em coformidade com os artigos 16. o e17. o 12. Citação, quado aplicável: Sim Não Citação efectuada em coformidade com o artigo 13. o ou Citação efectuada em coformidade com o artigo 14. o ou Ficou provado que, em coformidade com o. o 2 do artigo 18. o, o devedor foi citado Iformação obrigatória O devedor foi iformado em coformidade com o artigo 17. o 13. Suprimeto do icumprimeto das ormas míimas processuais os termos do. o 1 do artigo 18. o A decisão foi otificada em coformidade com o artigo 13. o ou A decisão foi otificada em coformidade com o artigo 14. o ou Ficou provado que, em coformidade com o. o 2 do artigo 18. o, o devedor recebeu a decisão Iformação obrigatória O devedor foi iformado em coformidade com a alíea b) do. o 1 do artigo 18. o O devedor tiha possibilidade de recorrer da decisão Sim Não O devedor ão recorreu da decisão os termos dos requisitos processuais pertietes: Sim Não Feito em... Data Assiatura e/ou carimbo

14 L 143/ ANEXO II CERTIDÃO DE TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU TRANSACÇÃO JUDICIAL 1. Estado-Membro de origem: AT BE DE EL ES FI FR IE IT LU NL SE UK 2. Órgão jurisdicioal que emitiu a certidão 2.1. Nome: 2.2. Edereço: 2.3. Tel./Fax/Correio electróico: 3. Se diferete, Órgão jurisdicioal que homologou ou ode foi celebrada a trasacção judicial 3.1. Nome: 3.2. Edereço: 3.3. Tel./Fax/Correio electróico: 4. Trasacção judicial 4.1. Data: 4.2. Número de referêcia: 4.3. Partes Nome e edereço do(s) credor(es): Nome e edereço do(s) devedor(es): 5. Crédito líquido certificado 5.1. Motate do capital: Moeda euro coroa sueca libra esterlia outra (especificar) Se o crédito tem pagameto escaloado Motate de cada prestação: Prazo da primeira prestação: Prazo das prestações subsequetes semaal mesal outro (especificar)

15 L 143/ Período do crédito Actualmete idetermiado ou Prazo da última prestação: 5.2. Juros Taxa de juro %ou % acima da taxa de base do BCE ( 1 ) Outra (especificar) Cobraça de juros a partir de: 5.3. Motate das despesas reembolsáveis, se a decisão o especificar: 6. A decisão é executória o Estado-Membro de origem Feito em..., Data Assiatura e/ou carimbo ( 1 ) Taxa de juro aplicada pelo Baco Cetral Europeu às suas pricipais operações de refiaciameto.

16 L 143/ ANEXO III CERTIDÃO DE TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU INSTRUMENTO AUTÊNTICO 1. Estado-Membro de origem: AT BE DE EL ES FI FR IE IT LU NL SE UK 2. Órgão jurisdicioal/autoridade que emitiu a certidão 2.1. Nome: 2.2. Edereço: 2.3. Tel./Fax/Correio electróico: 3. Se diferete, Órgão jurisdicioal/autoridade que emitiu o istrumeto autêtico 3.1. Nome: 3.2. Edereço: 3.3. Tel./Fax/Correio electróico: 4. Istrumeto autêtico 4.1. Data: 4.2. Número de referêcia: 4.3. Partes Nome e edereço do(s) credor(es): Nome e edereço do(s) devedor(es): 5. Crédito líquido certificado: 5.1. Motate do capital Moeda euro coroa sueca libra esterlia outra (especificar) Se o crédito tem pagameto escaloado Motate de cada prestação: Prazo da primeira prestação: Prazo das prestações subsequetes semaal mesal outro (especificar)

17 L 143/ Período do crédito Actualmete idetermiado ou Prazo da última prestação 5.2. Juros Taxa de juro %ou % acima da taxa de base do BCE ( 1 ) Outra (especificar) Cobraça de juros a partir de: 5.3. Motate das despesas reembolsáveis, se o istrumeto autêtico o especificar: 6. O istrumeto é executório o Estado-Membro de origem: Feito em..., Data Assiatura e/ou carimbo ( 1 ) Taxa de juro aplicada pelo Baco Cetral Europeu às suas pricipais operações de refiaciameto.

18 L 143/ ANEXO IV CERTIDÃO DE AUSÊNCIA OU LIMITAÇÃO DA FORÇA EXECUTÓRIA (. o 2 do artigo 6. o ) 1. Estado-Membro de origem: AT BE DE EL ES FI FR IE IT LU NL SE UK 2. Órgão jurisdicioal/autoridade que emitiu a certidão 2.1. Nome: 2.2. Edereço: 2.3. Tel./Fax/Correio electróico: 3. Se diferete, Órgão jurisdicioal/autoridade que proferiu a decisão/trasacção judicial/istrumeto autêtico (*) 3.1. Nome: 3.2. Edereço: 3.3. Tel./Fax/Correio electróico: 4. Decisão/Trasacção/Istrumeto autêtico (*) 4.1. Data: 4.2. Número de referêcia: 4.3. Partes Nome e edereço do(s) credor(es): Nome e edereço do(s) devedor(es): 5. A presete decisão trasacção/istrumeto autêtico foi certificado como Título Executivo Europeu, mas: 5.1. A decisão/trasacção/istrumeto autêtico deixou de ter força executória 5.2. A execução está provisoriamete suspesa limitada a providêcias cautelares

19 L 143/ depedete da prestação de uma caução aida pedete Motate da caução: Moeda euro coroa sueca libra esterlia outra (especificar) Outro (especificar) Feito em..., Data Assiatura e/ou carimbo

20 L 143/ ANEXO V CERTIDÃO DE SUBSTITUIÇÃO DE TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU NA SEQUÊNCIA DE IMPUGNAÇÃO (. o 3 do artigo 6. o ) A. Foi impugada a seguite decisão/trasacção/istrumeto autêtico certificado como Título Executivo Europeu: 1. Estado-Membro de origem: AT BE DE EL ES FI FR IE IT LU NL SE UK 2. Tribual/Autoridade que emitiu a certidão: 2.1. Nome: 2.2. Edereço: 2.3. Tel./Fax/Correio electróico: 3. Se diferete, Órgão jurisdicioal/autoridade que proferiu a decisão/trasacção judicial/istrumeto autêtico (*) 3.1. Nome: 3.2. Edereço: 3.3. Tel./Fax/Correio electróico: 4. Decisão/Trasacção/Istrumeto autêtico (*) 4.1. Data: 4.2. Número de referêcia: 4.3. Partes Nome e edereço do(s) credor(es): Nome e edereço do(s) devedor(es): B. Em virtude dessa impugação, é certificada como Título Executivo Europeu de substituição do Título Executivo Europeu origial e comuicada a seguite decisão: 1. Tribual 1.1. Nome: 1.2. Edereço: 1.3. Tel./Fax/Correio electróico: (*) Riscar o que ão iteressa.

21 L 143/35 2. Decisão: 2.1. Data: 2.2. Número de referêcia: 3. Crédito líquido certificado: 3.1. Motate do capital Moeda Euro Coroa sueca Libra esterlia Outra (especificar) Se o crédito tem pagameto escaloado Motate de cada prestação: Prazo da primeira prestação: Prazo das prestações subsequetes semaal mesal outro (especificar) Período do crédito Actualmete idetermiado ou Prazo da última prestação: 3.2. Juros Taxa de juro %ou % acima da taxa de base do BCETaxa de juro aplicada pelo Baco Cetral Europeu às suas pricipais operações de refiaciameto Outra (especificar) Cobraça de juros a partir de: 3.3. Motate das despesas reembolsáveis, se a decisão o especificar: 4. A decisão é executória o Estado-Membro de origem: 5. Da decisão aida cabe ovo recurso: Sim Não 6. A decisão é coforme com a alíea b) do. o 1 do artigo 6. o :

22 L 143/ A decisão diz respeito a matérias relacioadas com cotratos celebrados por cosumidores: Sim Não 7.1. Em caso afirmativo: O devedor é o cosumidor: Sim Não 7.2. Em caso afirmativo: O devedor tem domicílio o Estado-Membro de origem, a acepção do artigo 59. o do Regulameto (CE). o 44/ Ao tempo da decisão sobre a cotestação, o crédito ão é cotestado, a acepção das alíeas b) ou c) do. o 1 do artigo 3. o Sim Não Em caso afirmativo: 8.1. Notificação do acto que dá iício à cotestação O credor recorreu da cotestação? Sim Não Em caso afirmativo: Notificação efectuada em coformidade com o artigo 13. o ou Notificação efectuada em coformidade com o artigo 14. o ou Ficou provado que, em coformidade com o. o 2 do artigo 18. o, o devedor foi otificado Iformação obrigatória O devedor foi iformado em coformidade com os artigos 16. o e17. o 8.2. Citação, quado aplicável: Sim Não Em caso afirmativo: Citação efectuada em coformidade com o artigo 13. o ou Citação efectuada em coformidade com o artigo 14. o ou Ficou provado que, em coformidade com o. o 2 do artigo 18. o, o devedor foi citado Iformação obrigatória O devedor foi iformado em coformidade com o artigo 17. o

23 L 143/ Suprimeto do icumprimeto das ormas processuais míimas os termos do. o 1 do artigo 18. o A decisão foi otificada em coformidade com o artigo 13. o ou A decisão foi otificada em coformidade com o artigo 14. o ou Ficou provado que, em coformidade com o. o 2 do artigo 18. o, o devedor recebeu a decisão Iformação obrigatória O devedor foi iformado em coformidade com a alíea b) do. o 1 do artigo 18. o Feito em..., Data Assiatura e carimbo

24 L 143/ ANEXO VI PEDIDO DE RECTIFICAÇÃO OU REVOGAÇÃO DE CERTIDÃO DE TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU (. o 3 do artigo 10. o ) O SEGUINTE TÍTULO EXECUTIVO EUROPEU 1. Estado-Membro de origem: AT BE DE EL ES FI FR IE IT LU NL SE UK 2. Órgão jurisdicioal/autoridade que emitiu a certidão 2.1. Nome: 2.2. Edereço: 2.3. Tel./Fax/Correio electróico: 3. Se diferete, Órgão jurisdicioal/autoridade que proferiu a decisão/trasacção judicial/istrumeto autêtico (*) 3.1. Nome: 3.2. Edereço: 3.3. Tel./Fax/Correio electróico: 4. Decisão/trasacção judicial/istrumeto autêtico 4.1. Data 4.2. Número de referêcia: 4.3. Partes Nome e edereço do(s) credor(es): Nome e edereço do(s) devedor(es): DEVE SER 5. RECTIFICADO, uma vez que, devido a um erro material, existe a seguite discrepâcia etre o Título Executivo Europeu e a decisão/trasacção judicial/acto autêtico a que diz respeito (especificar) (*) Riscar o que ão iteressa.

25 L 143/39 6. REVOGADO, uma vez que: 6.1. A decisão certificada diz respeito a um cotrato celebrado por um cosumidor, mas foi emitida um Estado- -Membro em que o cosumidor ão tem domicílio, a acepção do artigo 59. o do Regulameto (CE). o 44/ A certidão de Título Executivo Europeu foi emitida de forma claramete errada, por outros motivos (especificar) Feito em... Data Assiatura e/ou carimbo

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003 23.12.2003 L 338/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 2201/2003 DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 relativo à competência, ao reconhecimento e à execução

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO Ídice 1. Regulametação e Vigêcia...pág.2 2. Metodologia de Cálculo da TJLP...pág.2 3. Aplicabilidade da TJLP...pág.3 4. Metodologia de Cálculo dos Cotratos do BNDES atrelados

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTO EUROPEU RELATIVO A ACÇÕES DE PEQUENO MONTANTE FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (REQUERENTE)

ANEXO I PROCEDIMENTO EUROPEU RELATIVO A ACÇÕES DE PEQUENO MONTANTE FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (REQUERENTE) ANEXO I PROCEDIMENTO EUROPEU RELATIVO A ACÇÕES DE PEQUENO MONTANTE FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (REQUERENTE) (N 1 do artigo 3 do Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece um procedimento

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU L 134/22 Jornal Oficial da União Europeia 21.5.2011 DECISÕES DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 20 de Abril de 2011 relativa à selecção dos fornecedores do serviço de rede do TARGET2-Securities (BCE/2011/5)

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Guia Prático para a aplicação do Regulamento relativo ao Título Executivo Europeu

Guia Prático para a aplicação do Regulamento relativo ao Título Executivo Europeu PT Guia Prático para a aplicação do Regulamento relativo ao Título Executivo Europeu http://ec.europa.eu/civiljustice/ Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Prefácio Os cidadãos e as empresas

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 17.2.2004 L 46/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 261/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Fevereiro de 2004 que estabelece regras comuns

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo)

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) CONTRATO-MODELO Reembolso dos custos para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) NB: O presente contrato é utilizado quando a contribuição comunitária consiste num montante fixo. A contribuição

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 12.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 207/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 809/2011 DA COMISSÃO de 11 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (CE)

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. Departamento de Produção e Sistemas. Trabalho Prático Nº 1 de. Métodos Numéricos

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. Departamento de Produção e Sistemas. Trabalho Prático Nº 1 de. Métodos Numéricos Uiversidade do Miho Escola de Egeharia Trabalho Prático Nº 1 de Métodos Numéricos Liceciatura em Egeharia de Produção 00 Métodos Numéricos TRABALHO PRÁTICO Nº 1 (A) (Egeharia de Produção, 001/00) Resolução

Leia mais

Prova Específica para o Curso de Administração e Ciências Contábeis

Prova Específica para o Curso de Administração e Ciências Contábeis Prova Específica para o Curso de Admiistração e Ciêcias Cotábeis 06 de dezembro de 011 INSTRUÇÕES 1. Verifique se este cadero cotém 30 questões.. Ao costatar qualquer irregularidade com relação ao total

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 1 Curso de Graduação em Admiistração a Distâcia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Reitora Célia Maria da Silva Oliveira Vice-Reitor João Ricardo

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 37/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 37/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 37/X Exposição de Motivos Através da presente iniciativa visa-se a aprovação de disposições que complementem o quadro legal vigente sobre asilo e refugiados, estabelecido pela Lei n.º

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.6.2008 SEC(2008) 2109 final Projecto de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU, DO CONSELHO, DA COMISSÃO, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, DO TRIBUNAL DE CONTAS,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS 392A ANEXOS (Inserido pelo Regulamento (CE) n.º 1192/2008 de 17 de Novembro, publicado no JO n.º L 329 de 6 de Dezembro de 2008 e alterado pelo Regulamento (CE) n.º 414/2009 de 30 de Abril, publicado no

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO 14.6.2006 C 139/1 I (Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO ACORDO INTERINSTITUCIONAL Entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão, sobre a disciplina orçamental e a boa gestão financeira

Leia mais

2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1

2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1 2008R0593 PT 24.07.2008 000.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 593/2008 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de Junho

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 29.1.2004 L 24/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 139/2004 DO CONSELHO de 20 de Janeiro de 2004 relativo ao controlo das concentrações de empresas («Regulamento

Leia mais

22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47

22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47 22.10.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 279/47 REGULAMENTO (CE) N. o 1739/2005 DA COMISSÃO de 21 de Outubro de 2005 que define as condições de polícia sanitária para a circulação de animais de circo

Leia mais

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca)

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca) L 336/42 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 2009 relativa a uma contribuição financeira comunitária, para 2009, para as despesas efectuadas pelos Estados-Membros

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 5/VI/2008 C(2008) 2274 final RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 5/VI/2008 relativa à limitação da responsabilidade civil dos revisores oficiais de contas e das sociedades

Leia mais