PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO 00.000.00"

Transcrição

1 PORTARIA COGER N.o 24, DE 06 DE AGOSTO DE 2008(*) Consolida procedimento para digitalização dos processos em tramitação nas Varas de Execuções instituído pela PORTARIA/COGER N. 05, de 24 de janeiro de O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL OLINDO HERCULANO DE MENEZES, CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO, no uso das atribuições que lhe conferem o artigo 24 e seguintes do Regimento Interno do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, e ' CONSIDERANDO a) a implantação do sistema Processo Judicial Digital - Execução Fiscal (PJD-EF) nas Varas de Execuções do Distrito Federal; b) a necessidade de fixar diretrizes para o procedimento de digitalização dos processos em tramitação nas Varas de Execuções da Seção Judiciária do Distrito Federal; c) as determinações contidas na Lei n , de 19 de dezembro de 2006; d) a decisão nos autos do Expediente Administrativo 2007/ DF; RESOLVE: Art. 1 2 Instituir, no âmbito da Primeira Região, o procedimento de digitalização dos processos em tramitação nas Varas de Execuções da Seção Judiciária do Distrito Federal, para inclusão no sistema Processo Judicial Digital- Execução Fiscal (PJD-EF) e efetiva tramitação em meio digital. 1 2 Entende-se por digitalização o procedimento de transformação de documentos em papel para arquivos digitais, por meio de equipamento de scanner. 2 2 Os arquivos digitais devem representar fielmente os originais, autenticados por meio de assinatura digital, na forma da lei, observadas as determinações desta Portaria. Art. 2 2 Durante o procedimento de digitalização dos processos das Varas de Execuções da Seção Judiciária do Distrito Federal será implantada uma Central de Digitalização composta por equipe do órgão ou vinculada à empresa contratada para esse fim. Art. 3 2 Reputam-se agentes públicos, para efeitos do presente regulamento, os servidores, prestadores de serviços e estagiários lotados nas unidades administrativas da Seção Judiciária do Distrito Federal envolvidas no procedimento de digitalização, inclusive na Central de Digitalização, seja essa interna à Justiça Federal ou terceirizada. 1 2 Compete a todos os agentes públicos envolvidos no procedimento de digitalização zelar pelo bom andamento das etapas de migração dos processos para o meio digital, bem como pela exatidão dos documentos digitais gerados. 2 2 A autenticação, por meio de assinatura digital, dos documentos digitais gerados poderá ser realizada por qualquer agente público envolvido no procedimento de digitalização. 3 2 Todo o procedimento de digitalização dos processos deve ser acompanhado por servidor da Vara, designado para essa atividade. Art. 4 2 Compete à Secretaria da Vara organizar os processos que serão submetidos à digitalização. 1 o A organização dos processos para digitalização compreende: F:ICOGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

2 fls.2 a) a retirada de bilhetes, marcadores, anotações e documentos inseridos no processo, que não fazem parte dele; b) a juntada da certidão de encerramento do trâmite processual em meio físico e migração para o meio digital, conforme modelo constante do Anexo I desta Portaria; c) a conferência da numeração dos documentos nos autos; d) o agrupamento dos processos em lotes de até 500 (quinhentos) processos; e) a emissão de guias de remessa para cada lote, para controle dos processos encaminhados à Central de Digitalização; f) o encaminhamento dos lotes organizados para a Central de Digitalização. 2º A Central de Digitalização deve solicitar à Secretaria da Vara, com antecedência de 10 (dez) dias úteis, os lotes de processos organizados em guias de remessa. 3º Assim que iniciar a preparação dos autos solicitados pela Central de Digitalização, a Secretaria da Vara deve realizar o lançamento da movimentação processual "Remessa ordenada: digitalização (código: 222/11)", com, no máximo, 10 (dez) dias úteis antes do envio dos autos físicos à Central de Digitalização, quando deverá ser lançada a movimentação processual "Remetidos: digitalização (código: 223/10)". 4 Serão digitalizados os processos em Tramitação Ajustada da Secretaria da Vara, conforme prioridade a ser definida pelo Juiz, enquanto o acervo de processos arquivados provisoriamente ou suspensos somente serão digitalizados à medida que tiverem a tramitação reativada. Art. 5º Durante o período em que estiver em procedimento de digitalização e até 10 (dez) dias úteis após a sua conclusão, a Vara envolvida será excluída da distribuição processual. 1º Nesse período, devem ser realizadas todas as atividades de organização e encaminhamento dos processos para digitalização, bem como o recebimento, conferência e organização do acervo digitalizado e incorporação das imagens ao sistema PJD-EF. 2º O juiz deverá analisar a necessidade de diligências urgentes que devam ser cumpridas antes da ordem de envio dos processos à digitalização. 3º Na hipótese de pedidos ou medidas urgentes requeridas após o envio dos processos à digitalização, o juiz, de ofício ou a pedido do interessado, deve requisitar os autos para as providências cabíveis, com lançamento das movimentações processuais "Recebidos: digitalização (código: 218/8)" e "Digitalização: cancelada (código: 258/7)" e replicação automática da movimentação imediatamente anterior à "Remessa ordenada: digitalização (código: 222/11)". Após a conclusão das diligências necessárias, determinar a sua devolução à Central de Digitalização, em uma nova guia de processos, caso o processo não seja arquivado definitivamente. 4º Na hipótese de pedidos ou medidas urgentes requeridas em processos digitalizados, nos quais as imagens ainda não foram incorporadas ao sistema PJD-EF, a movimentação processual deverá ser realizado nos autos físicos, após atendimento do disposto no 3º. Os documentos juntados posteriormente deverão ser encaminhados à Central de Digitalização, a fim de possibilitar a inclusão das respectivas imagens no sistema. Art. 6º No recebimento dos processos que foram submetidos ao procedimento de digitalização, a Secretaria da Vara deve lançar a movimentação processual "Recebidos: digitalização (código 218/8)", independentemente da incorporação das imagens ao sistema PJD-EF. 1º Compete à Secretaria da Vara: a) importar os arquivos resultantes do procedimento de digitalização; b) conferir se as imagens refletem adequadamente os documentos do processo; c) remeter à Central de Digitalização os processos cujos arquivos apresentem falhas ou imperfeições; d) certificar, por meio de assinatura digital, a autenticidade de todos os documentos digitalizados, bem como a integralidade dos autos físicos e digitais. 2º A certificação digital do processo implicará: a) aceitação das imagens dos documentos digitalizados; b) incorporação das imagens ao sistema PJD-EF; F:ICOGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

3 c) lançamento automático pelo sistema da movimentação processual "Processo digitalizado (código: 257 /0)" e replicação automática da movimentação imediatamente anterior à "Remessa ordenada: digitalização (código: 222/11)"; d) encerramento da tramitação em meio físico; e) assimilação automática, no meio digital, da tramitação em meio físico; f) migração definitiva do processo para o meio digital; g) emissão automática, pelo sistema, de certificação da migração do processo para o meio digital, conforme modelo constante do Anexo I desta Portaria. 3º Após a certificação digital do processo, a correção de imagens, em virtude de falhas ou imperfeições no procedimento de digitalização, ou por qualquer outro motivo, somente será possível pela juntada de novos documentos ao final do processo, devidamente autorizados pelo juiz, permanecendo nos autos digitais os documentos originais. 4º A conferência das imagens será feita por amostragem pela Secretaria da Vara, seguindo os seguintes critérios: a) o procedimento de avaliação deve ocorrer com tantas pessoas quantas sejam necessárias (no mínimo dois servidores) para atender à demanda no prazo de 10 (dez) dias úteis, visando a garantir o atendimento ao prazo definido no Parágrafo Único do Art. 9º, e permitindo avaliações distintas da qualidade da digitalização; QUESITO Integridade Classificação Legibilidade Qualidade b) serão avaliados 10% dos processos de cada lote digitalizado; c) deverão ser considerados os seguintes quesitos na avaliação: "INCONFORMIDADE Autos digitais faltando imagens ou com estranhas ~ r- - Ordem das imagens não condizente com a ordem das folhas nos autos físicos Documentos distintos juntos em apenas um arquivo ou um documento separado em dois arquivos. ; Documentos digitais com tipificação, constante do l Anexo li desta Portaria, não condizente com o seu teor.... Imagens ilegíveis. Imagens com baixaqualid~de de definição. LIMITEPARA ACEITAÇ~Q 0% 0,5% 0,5% 1% fls.3 UNIDADE.. IMAGEM PEÇA PEÇA IMAGEM IMAGEM d) o lote será integralmente reprovado se em qualquer quesito houver uma quantidade de inconformidades acima do limite de aceitação; e) sendo o lote reprovado, será encaminhado à digitalização em um novo lote único, retirados os processos aprovados na avaliação, que serão incorporados ao sistema PJD-EF; f) sendo o lote aprovado, será incorporado ao sistema PJD-EF, retirados os processos reprovados na avaliação, que serão encaminhados à digitalização em um novo lote único; g) a avaliação da amostra deverá ser feita em sua totalidade, independentemente de se algum quesito tiver seu limite de aceitação ultrapassado antes da conclusão da avaliação, para que se possa verificar a real situação do lote, visando ao aperfeiçoamento do procedimento de digitalização; h) processos e lotes reprovados na avaliação terão prioridade de execução e entrega sobre os demais, tanto na V ara quanto na Central de Digitalização, visando a garantir o atendimento ao prazo definido no Parágrafo Único do Art. 9 2 ; i) processos e lotes reprovados na avaliação deverão atender aos critérios definidos neste artigo quando de novas avaliações, garantindo-se, também, a avaliação de todas as inconformidades identificadas em avaliações anteriores. F:\COGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

4 5º Todo processo aprovado na avaliação por amostragem deverá ter juntada certidão, assinada digitalmente, que indique o resultado da avaliação e seu responsável, conforme modelo constante do Anexo IV desta Portaria. Art. 7º Os procedimentos relacionados à digitalização dos processos sigilosos devem ser acompanhados por servidor da vara devidamente autorizado pelo juiz. 1º Os processos sigilosos devem ser levados à Central de Digitalização, bem como recolhidos à Vara, pelo servidor autorizado, e devem ter todo o procedimento de digitalização acompanhado por ele, a quem compete também a sua certificação digital. 2º As imagens dos documentos dos processos sigilosos devem ser trabalhadas na presença do servidor autorizado e a ele entregues, sendo eliminadas definitivamente do computador em que foram produzidas. Art. 8º Finalizado o procedimento de migração para o sistema PJD-EF, os processos físicos devem pemmnecer na Vara por até 6 (seis) meses. Após o transcurso do prazo, os autos físicos devem receber o destino definido pela Comissão de Avaliação de Documentos do Tribunal. Art. 9º O trâmite dos processos encaminhados para digitalização será suspenso, durante a realização do procedimento de digitalização, iniciando-se a suspensão na data do lançamento da movimentação processual "Remessa ordenada: digitalização (código: 222/11)" e encerrando-se na data do lançamento da movimentação processual "Processo digitalizado (código: 257/0)". dias. Parágrafo único. A digitalização de cada processo deverá ser concluída em, no máximo, 60 (sessenta) Art. 10. A Central de Digitalização deve classificar todos os documentos que compõem os respectivos processos, de acordo com a tabela constante do Anexo li desta Portaria. 1º Sempre que na folha digitalizada houver mais de um tipo de documento, deve-se atribuir o código do documento que apresente maior importância, de acordo com a escala de prioridade constante do Anexo li desta Portaria. 2º Existindo agravos, conflitos de competência, juntadas por linha, autos avulsos, autos suplementares, autos de infração ou outros processos vinculados aos autos em tramitação nas varas de execuções, esses devem ser classificados com o tipo genérico "Anexos do processo", item 003 da tabela constante do Anexo li desta Portaria. Art. 11. É facultada à Central de Digitalização a fixação de etiquetas ou aposição de carimbos nas folhas que serão digitalizadas, preservado o conteúdo dessas. digitais; Art. 12. Concluído o procedimento de digitalização, a Central de Digitalização deve: a) conferir a qualidade das imagens geradas; b) reorganizar o processo na respectiva capa; c) fazer uso das mesmas guias de remessa geradas pela V ara para devolução dos processos, físicos e d) encaminhar as imagens digitalizadas à área de Tecnologia da Informação para processamento; e) encaminhar os processos à V ara de origem. Parágrafo único. Os processos devem ser devolvidos à Vara de origem na mesma guia de remessa e na mesma ordem em que foram encaminhados. Art. 13. No caso de impossibilidade de digitalização de algum documento, a Central de Digitalização deve comunicar o fato à Vara de origem, com justificativa, quando da devolução dos respectivos autos. Parágrafo único. Deve ser juntada ao processo, em meio digital, informação dessa impossibilidade, na qual deve ser indicada a numeração das folhas correspondentes ao documento que não pôde ser digitalizado, de acordo com modelo constante do Anexo III desta Portaria. Art. 14. A atividade de digitalização de documentos destinados a processo que tramita em meio digital é atribuição exclusiva da Central de Digitalização interna instalada nas seccionais, sendo de sua competência: fls.4 F:\COGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

5 a) receber, exclusivamente da Seção de Protocolo ou da Seção de Classificação e Distribuição, os documentos protocolados em meio físico, destinados a processos digitais; b) digitalizar os documentos recebidos; c) conferir os arquivos gerados na digitalização com os documentos recebidos; d) autenticar, mediante certificação digital, os documentos digitais gerados; e) encaminhar os documentos digitais à unidade responsável pelo seu tratamento; f) devolver à Seção de Protocolo ou à Seção de Classificação e Distribuição os documentos físicos digitalizados. Parágrafo único. Os originais dos documentos digitalizados ficarão disponíveis, na Seção de Protocolo ou na Seção de Classificação e Distribuição, para retirada pela parte que os protocolou, pelo prazo de 60 (sessenta) dias, contados da data da juntada das imagens aos autos em meio digital. Findo esse prazo, a destinação obedecerá às diretrizes fixadas pela Comissão de Avaliação de Documentos do Tribunal. Art. 15. O Anexo VII do Provimento Geral Consolidado - Coger fica acrescido dos códigos de movimentação processual constantes do Anexo IV desta Portaria. Art. 16. Compete à área responsável pela Tecnologia da Informação a gestão do procedimento de digitalização e o assessoramento à Comissão Gestora do PJD-EF nos aspectos técnicos necessários à execução desta Portaria. Art. 17. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Gestora do PJD-EF. Art. 18. Revogam-se a Portaria Coger , de 24 de janeiro de 2008, e as demais disposições em contrário. fls.5 REGISTRE-SE. PUBLIQUE-SE. CUMPRA-SE. ~--~.._,_~ Desembargador Federal OLIND HERCULANO DE MENEZES Corregedor-Geral da Jus ça Federal da Primeira Região F:ICOGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER 21 digitalização.doc

6 ANEXO I PORTARIA COGER N. 0 24/2008 CERTIDÃO DE ENCAMINHAMENTO À DIGITALIZAÇÃO fls.6 CERTIDÃO CERTIFICO que os autos do presente processo foram encaminhados ao procedimento de digitalização, previsto na Portaria Coger N. 0 24/2008, encerrando, a partir desta data, a tramitação em meio físico, com a migração para o Sistema Processo Judicial Digital- Execução Fiscal (PJD-EF). Brasília- DF, I I Assinatura Servidor - matrícula F:\COGER PERMANENTE\Portarias COGER\PORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

7 ANEXO li PORTARIA COGER N. 0 24/2008 CLASSIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS fls.? PRIORIDADE NA CÓDIGO DESCRIÇÃO EXEMPLO Decisão Acórdão Certidões gerais :Conclusão Auto de penhora/ arresto : Petição inicial e documentos Petição incidental e documentos Expedientes diversos do juízo Termo de Termo de abertura/ encerramento volume A~~f.-~ª.9 (ii_l:teiro _t~<?r)..., Termo de remessa/recebimento Protocolos da Vara : Çg_~~ição ordiná~~_(l/igspeção : Termo de redi~t~i~11iç~g Ata de audiência Auto de penhora/arresto de avaliação(~~(lvaliação Carta precatória Cat,:t_(l rogatória Mandado... Oficio Edital Alvará Carta/ A viso de Recebimento - AR Judicial : Planilha de cálculos Agravos : Conflitos d~ C<?J.!lp~t~ncia Juntadas por linha : Autos s11pl_~rnentares : Autos de ii?:f~(lç_~() Autos avulsos F:ICOGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

8 ANEXOIII PORTARIA COGER N. 0 24/2008 INFORMATIVO DA IMPOSSIBILIDADE DE DIGITALIZAÇÃO fls.8 INFORMO que os documentos, às fls..../..., não foram digitalizados, conforme a Portaria Coger n. 0 24/2008, pelo(s) seguinte(s) motivo(s): ; o Assinatura Servidor - matrícula F:\COGER PERMANENTE\Portarias COGER\PORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

9 ANEXO IV PORTARIA COGER N. 0 24/2008 MOVIMENTAÇÕES RELATIVAS À DIGITALIZAÇÃO fls.9 MOVIMENTAÇÃO 222/11 Remessa ordenada: digitalização COMPLEMENTO Procedimento de digitalização regulamentado pela Prn-t<>ri" N. 0 24/2008. Procedimento de digitalização regulamentado pela N. 0 24/2008. r 222/12 Rem"~~sa orden~d~~---- I a~guivo ::::- ~~1~~git~~~~()S r~;~~ ~i.~~~~~~~~s; ar~~~:~-~ t~n Procedimento de digitalização regulamentado pela Portaria ~~~~~~~~~~o de digitalização regulamentado pela Portaria Coger 12_0_0_8_._ ---~~-----~ ~--- ~ I r ~58/7 Digitalização: cancelada Procedimento de regulamentado pela Portaria Coger L... _L_N. 0 24/ F:\COGER PERMANENTE\Portarias COGERIPORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

10 ANEXO V PORTARIA COGER N.o 24/2008 CERTIDÃO DE AVALIAÇÃO POR AMOSTRAGEM fls.10 CERTIDÃ0 1 CERTIFICO que os autos digitais do presente processo foram avaliados e aprovados, conforme procedimento de digitalização regulamentado pela Portaria Coger N. 0 24/2008. (*) Republicada, por ter sido publicada com incorreção no original, divulgado no dia 18/08/2008 no e-djfl Ano Il/N 154, Tomo Administrativo. 1 Deve constar do rodapé selo de autenticidade digital, identificando o signatário, a data e o código da certidão. F:\COGER PERMANENTE\Portarias COGER\PORTARIAS 2008\PORTARIA COGER digitalização.doc

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Art. 5º Para acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de assinatura digital a que se refere o inciso II, alínea a, do artigo 3º desta resolução, nas seguintes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) EMENTA: Implanta o Sistema Processo Judicial Eletrônico-PJe nas Varas Cíveis da Capital e dá outras providências. O Presidente do Tribunal de Justiça

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DO PLENO RESOLUÇÃO Nº 11, DE 28 DE MAIO DE 2010. DJe-CE de 31/05/2010 (nº 99, pág. 9)

TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DO PLENO RESOLUÇÃO Nº 11, DE 28 DE MAIO DE 2010. DJe-CE de 31/05/2010 (nº 99, pág. 9) TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DO PLENO RESOLUÇÃO Nº 11, DE 28 DE MAIO DE 2010 DJe-CE de 31/05/2010 (nº 99, pág. 9) Institui, no âmbito da Justiça do Estado do Ceará, o sistema eletrônico de tramitação de

Leia mais

Estado do Piauí Tribunal de Contas

Estado do Piauí Tribunal de Contas Estado do Piauí Tribunal de Contas RESOLUÇÃO n.º 20/2013, de 01 de julho de 2013. Dispõe sobre o processo eletrônico e a assinatura digital no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Piauí. O TRIBUNAL

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 38/2012 Dispõe sobre o envio, por meio eletrônico, através do Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e em andamento de processos físicos que tramitam na primeira instância

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 43/2012

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 43/2012 FL. PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 43/2012 Regulamenta, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre o acesso às peças digitais da consulta processual e o recebimento de Petição, por meio eletrônico, no âmbito da Primeira Região. O PRESIDENTE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 4, p. 6-12 em 10/4/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 Regulamenta o meio eletrônico de tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais no Supremo Tribunal Federal (e-stf) e dá

Leia mais

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO Ano IX nº 143 Porto Alegre, sexta-feira, 4 de julho de 2014

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO Ano IX nº 143 Porto Alegre, sexta-feira, 4 de julho de 2014 DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO Ano IX nº 143 Porto Alegre, sexta-feira, 4 de julho de 2014 SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PUBLICAÇÕES ADMINISTRATIVAS SEÇÃO DE CONTRATOS

Leia mais

Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências.

Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências. Publicada no DJE, N. 190/2010, em 15/10/2010, pág. 1 3. RESOLUÇÃO N. 044/2010-PR Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 (Disponibilizada no Diário Eletrônico da Justiça Federal da 3ª Região em 03/04/2009) Texto atualizado com as Ordens de Serviço nºs 02 e 03 até

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM PROVIMENTO N. 26/2014/CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Ato TRT GP nº 096/2009 (Implementa o Processo Administrativo Eletrônico) Seg, 11 de maio de 2009 15:49 - Última atualização Qui, 02 de maio de 2013

Ato TRT GP nº 096/2009 (Implementa o Processo Administrativo Eletrônico) Seg, 11 de maio de 2009 15:49 - Última atualização Qui, 02 de maio de 2013 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO - 13ª REGIÃO PARAÍBA DOC: ATO NUM: 096 ANO: 2009 DATA: 30-04-2009 DJ_e DATA: 11-05-2009 PG: 02 ATO TRT GP Nº 096/2009* João Pessoa, 30 de abril de 2009 O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 3, de 9 mar. 2011, p. 7-10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1338/2015

RESOLUÇÃO Nº 1338/2015 RESOLUÇÃO Nº 1338/2015 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM-BA). O TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. Disciplina, no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região, a digitalização e a remessa de processos através de sistema eletrônico ao Tribunal Superior do Trabalho,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

PROVIMENTO N 04/2012-CGJ. 1a Fase e nas Serventias Deficitárias.

PROVIMENTO N 04/2012-CGJ. 1a Fase e nas Serventias Deficitárias. CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA DE MATO GROSSO EfxiclaeUlnspabiüaempmIdouxiKkxlc. Publicado no DJE Em /V/v9^-//L PROVIMENTO N 04/2012-CGJ e

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2005

PROVIMENTO Nº 29/2005 PROVIMENTO Nº 29/2005 Atualiza a disciplina da Seção IV, do Capítulo IX, do Tomo I, das Normas de Serviço da Corregedoria: subdividindo-a em Subseção I (itens 29 a 45-A) e Subseção II (itens 45-B a 45-O);

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT)

Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) 1) ATOS NORMATIVOS: 1º e 2º do art. 154 do CPC (com a redação que lhe deu a Lei n. 11.280, de 16 de fevereiro de 2006) Lei n. 11.419, de 19

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais. Proposto por: Equipe da 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS) Aprovado por: Juiz de Direito 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital 1 OBJETIVO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM PROVIMENTO N. 23/2015-CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda Instância

Leia mais

Provimento GP/VPJ/CR N. 05/2012

Provimento GP/VPJ/CR N. 05/2012 Provimento GP/VPJ/CR N. 05/2012 (Divulgado no DEJT de 29/10/2012 segunda-feira, às páginas 02/04) Regulamenta o Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT), módulo de 1º grau, no âmbito

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários.

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários. Proposto por: Juiz de Direito Analisado por: Integrante da Comissão de Gestão Estratégica (COGES) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ) ATENÇÃO: A cópia impressa a

Leia mais

Institui o Diário da Justiça Eletrônico.

Institui o Diário da Justiça Eletrônico. PROVIMENTO Nº. 1321/2007 Institui o Diário da Justiça Eletrônico. O Conselho Superior da Magistratura, de acordo com o disposto no parágrafo único do art. 154 do Código de Processo Civil, acrescido pela

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO DA PROPOSTA DE MONOGRAFIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO DA PROPOSTA DE MONOGRAFIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO Normatiza as atividades relacionadas à monografia da pós-graduação lato sensu do CEFET-SP. Art. 1º. Os objetivos da monografia

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE RJ-BIE-2012/00239 Publicação Diária - Data: 20/12/2012 SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE ORDEM DE SERVIÇO ORDEM DE SERVIÇO Nº RJ-ODF-2012/00008 de 11 de dezembro de 2012 AUXILIARES DA JUSTIÇA FEDERAL - SEÇÃO JUDICIÁRIA

Leia mais

PROCESSO DE AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PROCESSO DE AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS OURO PRETO DIREÇÃO GERAL Rua Pandiá Calógeras, 898 Bairro

Leia mais

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN 48 Vara Federal - 198 Subseção Judiciária - Guarulhos/SP PORTARIA n 004/2006 o Dr. ALESSANDRO DIAFERIA, MM. Juiz Federal da 48 Vara de Guarulhos - 198 Subseção Judiciária do Estado de São Paulo, no uso

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº RJ-PGD-2009/00054 de 18 de junho de 2009

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº RJ-PGD-2009/00054 de 18 de junho de 2009 PORTARIA Nº RJ-PGD-2009/00054 de 18 de junho de 2009 O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS SERVIÇOS AUXILIARES DA - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006

Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006 Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006 Regulamenta o Sistema de Correição do Poder Executivo Federal, de que trata o Decreto nº 5.480, de 30 de junho de 2005. O MINISTRO DE ESTADO DO

Leia mais

ATO Nº 02/2008 DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRT DA 3ª REGIÃO

ATO Nº 02/2008 DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRT DA 3ª REGIÃO REGULAMENTA A REALIZAÇÃO DE CURSOS A DISTÂNCIA POR MEIO DE MULTIMÍDIAS SIMPLES PELA ESCOLA JUDICIAL PARA MAGISTRADOS E SERVIDORES DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Considerando a necessidade de ampliar

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 13 1 / 20 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil RESOLUÇÃO Nº 1 Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil, ao qual se refere o inciso XI do art. 3º do Decreto n 7.113, de 19 de fevereiro de 2009. Tendo em vista a

Leia mais

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES Artigo 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa no Uso Científico de Animais,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL RESOLUÇÃO 18 / 03 / 2013 PRESIDÊNCIA Nº 62/2013 O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o regulamento de comunicação eletrônica de dados no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 Dispõe sobre a participação de servidores do Tribunal Superior do Trabalho em ações de educação corporativa

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

Gabinete da Presidência Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP.: 57020-919, Maceió-AL FONE:(82) 3216.3619 - PRESIDENCIA@TJ.AL.GOV.

Gabinete da Presidência Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP.: 57020-919, Maceió-AL FONE:(82) 3216.3619 - PRESIDENCIA@TJ.AL.GOV. Gabinete da Presidência Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP.: 57020-919, Maceió-AL FONE:(82) 3216.3619 - PRESIDENCIA@TJ.AL.GOV.BR RESOLUÇÃO Nº 30/2008. REGULAMENTA O MEIO ELETRÔNICO DE TRAMITAÇÃO DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição Art. 1º - O Conselho Regional de Economia da 1ª Região tem sede e foro na cidade do Rio de Janeiro e

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

O Presidente da 76ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, e

O Presidente da 76ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, e PROVIMENTO N.º 01/2012 Regulamenta a prestação de serviços de cópia de autos pelos serventuários da 76ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais, na Subseção de Boa Esperança e em Guapé,

Leia mais

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte)

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO PTJAM 61 Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO, no exercício de suas atribuições, e considerando:

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO, no exercício de suas atribuições, e considerando: Resolução 11/2014 O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO, no exercício de suas atribuições, e considerando: - a autorização dada por meio do art. 18 da Lei nº 11.419, de 19 de dezembro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010*

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 17.ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de se implementar

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe de Vara Cível Analisado por: Chefe de Serventia Judicial Aprovado por: Juiz de Direito 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 90/2015 DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. Regulamenta os trabalhos de graduação dos cursos superiores da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O diretor da Faculdade

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

DECRETO Nº 162/2015. Capítulo I Da Tabela de Temporalidade de Documentos

DECRETO Nº 162/2015. Capítulo I Da Tabela de Temporalidade de Documentos DECRETO Nº 162/2015 Dispõe sobre a Tabela de Temporalidade de Documentos TTD do Município de Gramado e dá outras providências. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições que

Leia mais

MÓDULO D- CONCLUINTE

MÓDULO D- CONCLUINTE Grupo de Supervisão Educacional GSE/Gestão de Vida Escolar MÓDULO D- CONCLUINTE Emissão do Diploma / Certificado 1 D5 Revisado em JAN/2014 Material Necessário Relação de alunos concluintes publicados no

Leia mais

EDUCAÇÃO COM QUALIDADE CONTRIBUI PARA UMA SOCIEDADE MELHOR

EDUCAÇÃO COM QUALIDADE CONTRIBUI PARA UMA SOCIEDADE MELHOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA Subsecretaria de Assuntos Administrativos M E C EDUCAÇÃO COM QUALIDADE CONTRIBUI PARA UMA SOCIEDADE MELHOR BOLETIM DE SERVIÇO Nº 30/2012 SUPLEMENTO EDITADO,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ N /2012 O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA,

RESOLUÇÃO CNJ N /2012 O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, RESOLUÇÃO CNJ N /2012 Institui o Sistema Processo Judicial Eletrônico PJe como sistema de processamento de informações e prática de atos processuais e estabelece os parâmetros para sua implementação e

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 16, DE 23 DE ABRIL DE 2014.

RESOLUÇÃO N.º 16, DE 23 DE ABRIL DE 2014. RESOLUÇÃO N.º 16, DE 23 DE ABRIL DE 2014. Regulamenta a implantação do serviço voluntário no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Roraima e dá outras providências. O EGRÉGIO, em sua composição plenária,

Leia mais

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013.

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013. Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS Coordenador) Aprovado por: Juiz Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL IFRS - CÂMPUS FELIZ

PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL IFRS - CÂMPUS FELIZ EDITAL Nº 16/2015 PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL IFRS - CÂMPUS FELIZ O DIRETOR-GERAL PRO TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) Dispõe sobre a informatização dos processos administrativos de qualquer natureza, no âmbito da Secretaria de Estado da Fazenda. A Assembleia Legislativa

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico (PJe)

Processo Judicial Eletrônico (PJe) SETIM // DIN//COSIS Equipe PJe ASSUNTO: Processo Judicial Eletrônico (PJe) INTRODUÇÃO SOBRE INFORMATIZAÇÃO DO PROCESSO DIGITAL Aspectos da Lei 11.419/06 Dispõe sobre a informa/zação do processo judicial

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o avanço tecnológico,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe

Leia mais

FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Realização: CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Elias Caetano da Silva Controlador Geral Ji-Paraná, Março de 2013 FORMALIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas EDITAL N O 12, DE 23 DE ABRIL DE 2015 O Diretor Geral do Campus Campinas

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011.

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. Aprova o Regulamento do Estágio de Estudantes junto à Agência Reguladora de Águas,

Leia mais

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE O Superintendente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer de Itajaí, no uso de

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Boa Vista, 14 de abril de 2015 Diário da Justiça Eletrônico ANO XVIII - EDIÇÃO 5487 242/249 Expediente de 13/04/2015 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre a aprovação do Regimento

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO MAGISTRADO 1ºGRAU MÓDULO 4 Sumário 1 Detalhamento 3 11 Aba Processo 4 12 Aba Assunto 8 13 Aba Partes 9 14 Aba Documentos

Leia mais

ATA DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO POSTO AVANÇADO DE VALENÇA

ATA DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO POSTO AVANÇADO DE VALENÇA 1 ATA DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO POSTO AVANÇADO DE VALENÇA Aos treze dias do mês de setembro do ano de dois mil e onze, compareceu à sede do Posto Avançado de Valença o Excelentíssimo Senhor FERNANDO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Setembro de 2012 I - DA ELEIÇÃO ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE DA FIOCRUZ - 2012 REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º - A eleição do presidente da Fiocruz será autorizada e acompanhada pelo

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo terceiro do Artigo 65 do Regimento Unificado da Associação Educativa Evangélica

Leia mais

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DO ACRE IMAC

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DO ACRE IMAC PORTARIA NORMATIVA N.º 003 DE 1º DE JUNHO DE 2010 A Presidente do Instituto de Meio Ambiente do Acre -, no uso de suas atribuições legais que lhe confere o art. 1º, da Lei Estadual nº. 851, de 23 de tubro

Leia mais