GEOMETRIA ANALÍTICA PROF. ENZO MARCON TAKARA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEOMETRIA ANALÍTICA PROF. ENZO MARCON TAKARA"

Transcrição

1 GEOMETRIA ANALÍTICA PROF. ENZO MARCON TAKARA EDIÇÃO 016 1

2 1- PLANO CARTESIANO ORTOGONAL Considere num plano a dois eixos x e y perpendiculares em O. O par de eixos x (Ox), eixo das abscissas, e y (Oy), eixo das ordenadas, chama-se sistema cartesiano ortogonal, onde o plano α é o plano cartesiano e o ponto O é a origem do sistema. IMPORTANTE Localizações notáveis do plano cartesiano ortogonal 1) Origem (0,0) ) Um ponto do eixo x ( a,0) 3) Um ponto do eixo y ( 0,a) 4) Um ponto da bissetriz dos quadrantes ímpares ( a, a) ou ( -a, -a) 5) Um ponto da bissetriz dos quadrantes pares ( -a, a ) ou ( a, -a) EXERCÍCIO BÁSICO 01-(Unifesp 00) Um ponto do plano cartesiano é representado pelas coordenadas (x + 3y, - x - y) e y também por (4 + y, x + y), em relação a um mesmo sistema de coordenadas. Nestas condições, x é igual a a) -8. b) -6. c) 1. d) 8. e) 9. GABARITO 1)A -DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS Quando conhecemos as coordenadas de dois pontos A e B do plano, sabemos localizar esses pontos num sistema cartesiano ortogonal e, assim, podemos calcular a distância entre A e B por meio do Teorema de Pitágoras.

3 EXERCÍCIOS BÁSICOS 01-Calcule a distância entre os pontos A( 1, 3 ) e B( -1,4) 0-Calcular a distância entre o ponto P (-6,8) à origem. 03-(PUCCAMP) Sabe-se que os pontos A = (0; 0), B = (1; 4) e C = (3; 6) são vértices consecutivos do paralelogramo ABCD. Nessas condições, o comprimento da BD é a) b) 3 c) d) 5 e) 5 04-(UFRG) Sendo os pontos A = (- 1, 5) e B = (, 1) vértices consecutivos de um quadrado, o comprimento da diagonal desse quadrado é a).b). c) 3. d) 5. e) 5 05-Dados A (x,5), B (-,3) e C ( 4,1), obtenha x para que A seja equidistante de B e C. 06-Determine P, pertencente ao eixo x, sabendo que é equidistante aos pontos A(1,3) e B (-3,5) 07-Determine P, pertencente a bissetriz dos quadrantes pares, equidistante de A (8,-8) e B( 1,-) 08-(UEL) Seja AC uma diagonal do quadrado ABCD. Se A = (-, 3) e C = (0, 5), a área de ABCD, em unidades de área, é a) 4 b) 4 c) 8 d)8 e) (PUC) O ponto B = (3, b) é eqüidistante dos pontos A = (6, 0) e C = (0, 6). Logo o ponto B é: a) (3, 1) b) (3, 6) c) (3, 3). d) (3, ) e) (3, 0) 10-(CESGRANRIO) A distância entre os pontos M(4,-5) e N(-1,7) do plano x0y vale: a) 14. b) 13. c) 1. d) 9. e) 8. GABARITO 1) 5 )10 3)D 4) E 5) x= 6)P (-3,0) 7) (-5,5) 8)A 9)C 10)B 3- PONTO MÉDIO Sejam os pontos A, B, e um ponto M, que divide AB ao meio, podemos dizer que as coordenadas X M e Y M do ponto médio M são obtidos por meio da média aritmética das abscissas e ordenadas, respectivamente, dos pontos dos quais M é ponto médio. EXERCÍCIOS BÁSICOS 1)Calcular o comprimento da mediana AM do triângulo ABC cujos vértices são os pontos A(0,0), B(3,7) e C( 5,-1). ) Dados os vértices consecutivos, A(-,1) e B(4,4), de um paralelogramo, e o ponto E (3,-1), intersecção de suas diagonais, determinar os outros dois vértices. 3-(IBMEC) Considere o triângulo ABC, onde A (, 3), B (10, 9) e C (10, 3) representam as coordenadas dos seus vértices no plano cartesiano. Se M é o ponto médio do lado AB, então, a medida de MC vale: a) 3 b) 3 c) 5 d) 3 e) 6 4-(FEI) O simétrico do ponto A=(1,3) em relação ao ponto P=(3,1) é: a) B = (5, -1) b) B = (1, -1) c) B = (-1, 3) d) B = (, ) e) B = (4, 0) 5-(PUCMG) Os catetos AC e AB de um triângulo retângulo estão sobre os eixos de um sistema cartesiano. Se M = (-1, 3) for o ponto médio da hipotenusa BC, é correto afirmar que a soma das coordenadas dos vértices desse triângulo é igual a: 3

4 a) - 4 b) - 1 c) 1 d) (Puc-rio) Os pontos (-1, 6), (0, 0) e (3, 1) são três vértices consecutivos de um paralelogramo. Assinale a opção que apresenta o ponto correspondente ao quarto vértice. a) (, 7). b) (4, -5). c) (1, -6). d) (-4, 5). e) (6, 3). GABARITO 1)5 ) C (8,-3) e D (,-6) 3)C 4)A 5) D 6)A 4-BARICENTRO Sabemos da Geometria plana, que o baricentro de um triângulo ABC é o ponto de encontro das 3 medianas. Sendo G o baricentro, temos que AG =. GM onde M é o ponto médio do lado oposto ao vértice A (AM é uma das 3 medianas do triângulo). Nestas condições, as coordenadas do baricentro G(x g, y g ) do triângulo ABC onde A(x a, y a ), B(x b, y b ) e C(x c, y c ) é dado por : Conclui-se pois que as coordenadas do baricentro do triângulo ABC, são iguais às médias aritméticas das coordenadas dos pontos A, B e C. Assim, por exemplo, o baricentro (também conhecido como centro de gravidade) do triângulo ABC onde A(3,5), B(4, -1) e C(11, 8) será o ponto G(6, 4). Verifique com o uso direto das fórmulas. EXERCÍCIOS BÁSICOS 1) O baricentro de um triângulo é G( 1,6) e dois de seus vértices são A(,5) e B (4,7). Determinar o terceiro vértice ) Calcule a distância do baricentro do triângulo A ( 1,4), B(,7) e C (3,1) à origem. d) (1, 5/3) e) (0, 3/) GABARITO 1) C( -3,6) ) 5 3)D 3)- (Fei) Dado um triângulo de vértices (1,1); (3,1); (-1,3) o baricentro (ponto de encontro das medianas) é: a) (1, 3/) b) (3/, 1) c) (3/, 3/) 4

5 5-ÁREA DE TRIÂNGULO / ALINHAMENTO DE 3 PONTOS Área de um triângulo Seja o triângulo ABC de vértices A(x a, y a ), B(x b, x c ) e C(x c, y c ). A área S desse triângulo é dada por S = 1 D onde D é o módulo do determinante formado pelas coordenadas dos vértices A, B e C. Temos portanto: A área S é normalmente expressa em u.a. (unidades de área) Para o cálculo do determinante de terceira ordem, utilizamos a conhecida e prática regra de Sarrus Condição de alinhamento de três pontos Três pontos estão alinhados se são colineares, isto é, se pertencem a uma mesma reta. É óbvio que se os pontos A, B e C estão alinhados, então o triângulo ABC não existe, e podemos pois considerar que sua área é nula ( S = 0 ). Fazendo S = 0 na fórmula de área do item 1.1, concluímos que a condição de alinhamento dos 3 pontos é que o determinante D seja nulo, ou seja : D = 0. Exercício resolvido: Se os pontos P(3, 5), Q(-3, 8) e C(4, y) são colineares, então o valor de y é : a) 4 b) 3 c) 3,5 d) 4,5 e) Solução: Para que estes pontos estejam alinhados (pontos colineares), deveremos ter: 5

6 Desenvolvendo o determinante pela Regra de Sarrus, obtemos: - 3-3y y + 0 = 0 y = 9/ = 4,5. Portanto a alternativa correta é a letra D. EXERCÍCIOS BÁSICOS 01-Para que valores de x os pontos A (x,x), B(3,1) e C ( 7,-3), são colineares? 0-Para que valores de a os pontos A (0,a), B (a, -4) e C (1, ) são vértices de um triângulo? 03-Dados A(3,1) e B (5,5), obter o ponto em que a reta AB intercepta o eixo das ordenadas. 04-Dados A (,-3) e B ( 8,1), obter o ponto em que a reta AB intercepta a bissetriz dos quadrantes ímpares. 05-Dados A (7,4) e B( -4,), obter o ponto em que a reta AB intercepta a bissetriz dos quadrantes pares. 06-(UERJ) A área do triângulo, cujos vértices são (1, ), (3, 4) e (4, -1), é igual a: a) 6. b) 8 c) 9. d) 10. e) 1 07-(PUC) O valor de x para que os pontos (1,3), (-,4), e (x,0) do plano sejam colineares é: a) 8. b) 9 c) 11 d) 10 e) 5 08-(UNESP) Um triângulo tem vértices P = (, 1), Q = (, 5) e R = (x, 4), com x > 0. Sabendo-se que a área do triângulo é 0, a abscissa x do ponto R é: a) 8 b) 9 c) 10 d) 11 e) 1 09-(PUC) Calcule a área do triângulo de vértices A = (1,), B = (,4) e C = (4,1). a) 5/ b) 3 c) 7/ d) 4 e) 9/ 10-(PUCRIO) Os pontos (0,8), (3,1) e (1,y) do plano são colineares. O valor de y é igual a: a) 5 b) 6 c) 17/3 d) 11/ e) 5,3 GABARITO 1) x= ) a -1 e a 4 3) (0,-5) 4) ( -13,-13) 5) (-30/13, 30/13) 6)A 7)D 8)E 09)C 10)C 6- INCLINAÇÃO E COEFICIENTE ANGULAR DE UMA RETA 6.1- COEFICENTE ANGULAR DA RETA CONHECENDO O ÂNGULO DE INCLINAÇÃO Sabemos que em uma reta existem infinitos pontos, com apenas dois desses pontos podemos representar essa mesma reta no plano cartesiano, pois dois pontos distintos sempre serão colineares (pertencerão ou formarão uma reta). Com o estudo da geometria analítica aprendemos que não é necessário ter dois pontos distintos para formar uma reta, podemos construir uma reta no plano cartesiano conhecendo apenas um de seus infinitos pontos e sabendo o valor do ângulo formado com a reta e o eixo Ox. Essa outra forma de representarmos uma reta será feita levando em consideração a inclinação da reta e o seu coeficiente angular. Considere uma reta s que intercepta o eixo Ox no ponto M. A reta s está formando com o eixo Ox um ângulo β. A medida desse ângulo é feita em sentido anti-horário a partir de um ponto pertencente ao eixo Ox. Assim, podemos dizer que a reta s tem inclinação β e o seu coeficiente angular (m) igual a: m = tg β. A inclinação da reta irá variar entre 0 β <180. Veja os exemplos de algumas possibilidades de variação da inclinação da reta e seus respectivos coeficientes angulares: 6

7 Exemplo 1: Nesse exemplo o valor da inclinação é menor que 90º. Inclinação igual a 45 e coeficiente angular igual a: m = tg 45 = 1. Exemplo : Nesse exemplo o valor da inclinação da reta é maior que 90 e menor que 180. Inclinação igual a 15 e coeficiente angular da reta igual a: m = tg 15 = -. Exemplo 3: Quando a reta for paralela ao eixo Oy, ou seja, tiver uma inclinação igual a 90 o seu coeficiente angular não irá existir, pois não é possível calcular a tg 90. Exemplo 4: Nesse exemplo a reta s é paralela ao eixo Ox, ou seja, seu ângulo de inclinação é igual a 180, portanto, o seu coeficiente angular será igual a: m = tg 180º = COEFICIENTE ANGULAR CONHECENDO AS COORDENADAS DE DOIS PONTOS O coeficiente angular de uma reta ( m) é a tangente do ângulo de inclinação m = tgα Porém em muitos casos não vamos conhecer o ângulo de inclinação, mas sim as coorcenadas de dois pontos, A x, y e B x b, yb a a 7

8 Prolongando-se a reta que passa por A e é paralela ao eixo x, formaremos um triângulo retângulo no ponto C. m tg cateto oposto cateto adjacente y x A A y x B B y x B B y x A A EXERCÍCIOS BÁSICOS 01- (Ufrs 007) Considere os coeficientes angulares das retas r, s e t que contêm os lados do triângulo representado a seguir. Podemos afirmar que a) o coeficiente linear de I é negativo. b) o coeficiente linear de II é positivo. c) ambos os gráficos possuem coeficiente linear zero. d) o coeficiente angular do gráfico II é maior que o do gráfico I. e) o coeficiente angular do gráfico I é maior que o do gráfico II. GABARITO 1)C )D A sequência das retas r, s e t que corresponde à ordenação crescente dos coeficientes angulares é a) r, s, t. b) r, t, s. c) s, r, t. d) s, t, r. e) t, s, r. - (Ufscar 004) Considere a relação gráfica: 8

9 7- EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DA RETA Podemos representar uma reta r do plano cartesiano por meio de uma equação. Essa equação pode ser obtida a partir de um ponto A(x A, y A ) e do coeficiente angular m dessa reta. Considere uma reta r não-vertical, de coeficiente angular m, que passa pelo ponto A(x A, y A ). Vamos obter a equação dessa reta, tomando um ponto P(x, y) tal que P A. A equação fundamenta da reta é: PARA FACILITAR A(x A, y A ) =A x 0, y0 m y x y x 0 y y0 m x x0 0 EXERCÍCIOS BÁSICOS 1) Determine a equação da reta de 135 de inclinação e que passa pelo ponto A (1,4). ) Determine a equação da reta que passa pelos pontos A (,3) e B( 1,5) c) x - 3y + 3 = 0 d) 3x - y - 1 = 0 e) 3x + y + 1 = 0 6-(Puccamp ) Na figura a seguir têm-se as retas r e s, concorrentes no ponto (1;3). 3) (Unitau) A equação da reta que passa pelos pontos (3, 3) e (6, 6) é: a) y = x. b) y = 3x. c) y = 6x. d) y = x. e) 6y = x. 4- (Ufpe) A equação cartesiana da reta que passa pelo ponto (1, 1) e faz com o semieixo positivo ox um ângulo de 60 é: a) x - y = - 1 b) 3 x + y = 1-3 c) 3 x - y = 3-1 d) e) 3 3 x + y = x - y = 3-1 Se os ângulos assinalados têm as medidas indicadas, então a equação da reta a) r é 3 x + 3y - 6 = 0 b) s é x + y + 4 = 0 c) r é - 3 x + 3y + 6 = 0 d) s é x + y - 4 = 0 e) r é - 3 x + 3y + 9 = 0 5-(Fei ) A equação da reta que intercepta o eixo Ox no ponto x = 3 e o eixo Oy no ponto y = -1 é: a) x - 3y - 1 = 0 b) x - 3y - 3 = 0 9

10 07-(Unirio ) A área desse triângulo é A equação geral da reta anterior representada é: a) 3x - 3 y + 6 = 0 b) 3x + 3 y + 6 = 0 c) 3 x - y - = 0 d) y = 3 x + 3 e) y = 3 3 (x+) 8-(Puc-rio) A reta x + y = 1 no plano xy passa pelos pontos a) (5, -4) e (1/, 1/). b) (0, 0) e (1/, 1/). c) (0, 0) e (1, 1). d) (1, 0) e (1, 1). e) (5, -4) e (4, -5). 9-(Ufrs ) Considere a figura a seguir. a) 40 b) 35 c) 30 d) 5 e) (Ufpi ) Se a reta de equação (k + 5)x - (4 - k)y + k - 6k + 9 = 0 passa pela origem, então seu coeficiente angular é igual a: a) 0 b) 5/4 c) -1 d) -8/5 e) 1/ 1-(Ufmg ) Sejam A e B dois pontos da reta de equação y = x +, que distam duas unidades da origem. Nesse caso, a soma das abscissas de A e B é a) 5/8. b) -8/5 c) -5/8. d) 8/ (Pucpr ) Para que a reta (k - 3)x - (4 - k)y + k - 7k + 6 = 0 passe pela origem dos eixos coordenados, o valor da constante k deve ser: a) ± b) ± 3 c) 1 e 6 d) -1 e -6 e) e 3 14-(Ufpr ) Considere, no plano cartesiano, o triângulo de vértices A = (0, 0), B = (3, 1) e C = (1, ) e avalie as afirmativas a seguir. Uma equação cartesiana da reta r é 3 a) y = 3 - x b) y = 3 3 (1-x) c) y = 1-3 x d) y = 3 (1-x) e) y = 3 (x-1) 10-(Fatec) No plano cartesiano, considere o triângulo determinado pelo ponto A e pelos pontos de abscissas -3 e 7, representado a seguir. I. O triângulo ABC é isósceles. II. O ponto D = (, 1/) pertence ao segmento AB. III. A equação da reta que passa pelos pontos B e C é x + y = 5. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa I é verdadeira. b) Somente as afirmativas I e II são verdadeiras. c) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras. d) Somente as afirmativas I e III são verdadeiras. e) As afirmativas I, II e III são verdadeiras. 15-(UFPR-1)Na figura abaixo estão representados, em um sistema cartesiano de coordenadas, um quadrado cinza de área 4 unidades, um quadrado hachurado de área 9 unidades e a reta r que passa 10

11 por um vértice de cada quadrado. Nessas condições, a equação da reta r é: d) x y 3 e) x y 3 Gabarito 1) y= -x+5 ) y=-x+7 3) A 4)C 5)B 6)D 7)A 8)A 9)B 10)E 11)D 1)B 13)C 14)A 15)A a) x y 4 b) 4x 9y 0 c) x 3y 1 8- TIPOS DE EQUAÇÃO DA RETA 8.1-Equação geral da reta Toda reta r do plano cartesiano pode ser expressa por uma equação do tipo: Em que: a, b, e c são números reais; a e b não são simultaneamente nulos. Podemos obter a equação geral de uma reta r conhecendo dois pontos não coincidentes de r: Para isso, usa-se a condição de alinhamento de A e B com um ponto genérico P(x,y) de r. 11

12 8.-Equação reduzida da reta Vamos determinar a equação da reta r que passa por Q(0,q), e tem coeficiente angular m = tg(α): Toda equação na forma y = mx + q é chamada equação reduzida da reta, em que m é o coeficiente angular e q a ordenada do ponto n qual a reta cruza o eixo Oy. A equação reduzida pode ser obtida diretamente da equação geral ax + by + c = 0: Onde: 8.3-Equação segmentária da reta Considere uma reta r que cruza os eixos cartesianos nos pontos (0, q) e (p, 0). Vamos escrever a equação da reta r: 1

13 Dividindo essa equação por pq, obtemos a equação segmentária da reta: OBSERVAÇÃO IMPORTANTE Não é possível usar a equação segmentária da reta quando a reta for paralela a um dos eixos ou passa pela origem. 8.4-Equação paramétrica da reta As equações paramétricas são formas de representar as retas através de um parâmetro, ou seja, uma variável irá fazer a ligação de duas equações que pertencem a uma mesma reta. As equações x = t + 9 e y = t 1 são as formas paramétricas de representar a reta s determinadas pelo parâmetro t. Para representar essa reta na forma geral através dessas equações paramétricas, é preciso seguir os seguintes passos: Escolher uma das duas equações e isolar o t. E substituir na outra. x = t + 9 x 9 = t y = t 1 y = (x 9) 1 y = x 18 1 y = x 19 x y 19 = 0 é a equação geral da reta s. 8.5-Reta horizontal É toda reta do tipo y=k. 8.6-Reta vertical. É toda reta do tipo x=k. (ESTA RETA NÃO É FUNÇÃO DO PRIMEIRO GRAU) 13

14 EXERCÍCIOS BÁSICOS 1-(UNESP) Seja B (0, 0) o ponto da reta de equação y = x cuja distância ao ponto A = (1, 1) é igual a distância de A à origem. Então a abscissa de B é igual a: a) 5/6 b) 5/7 c) 6/7 d) 6/5 e) 7/5 -(UEL) São dados os pontos A = (-, 1), B = (0, -3) e C = (, 5). A equação da reta suporte da mediana do triângulo ABC, traçada pelo vértice A, é: a) y = 1 b) x = 1 c) x = y d) x - y = 1 e) x + y = 1 3-(PUC) Considere a parábola de equação y = -x²+ x + 4 e uma reta r. Se r é conduzida pelo vértice da parábola e tem uma inclinação de 135, então a equação de r é a) x + y -6 = 0 b) x - y + = 0 c) x + y - = 0 d) x - y - 4 = 0 e) x + y - 4 = 0 4- (Cesgranrio ) A equação da reta mostrada na figura a seguir é: a) 3x + 4y - 1 = 0 b) 3x - 4y + 1 = 0 c) 4x + 3y + 1 = 0 d) 4x - 3y - 1 = 0 e) 4x - 3y + 1 = 0 5-(Ufmg ) Observe a figura a seguir. Nessa figura, está representada a reta r de equação y = ax + 6. Se A = (-a-4, -a-4) pertence à reta r, o valor de a é a) - 5 b) - c) 6 d) e) (Ufrs) Um ponto P (x,y) descreve uma trajetória no plano cartesiano, tendo sua posição a cada instante t (t 0) dada pelas equações. x t A distância percorrida pelo ponto y 3t. P (x,y) para 0 t 3 é a) b) 3 c) 13 d) 3 13 e) 61 7-(Ufmg ) Um triângulo isósceles ABC tem como vértices da base os pontos A = (4, 0) e B = (0, 6). O vértice C está sobre a reta y = x - 4. Assim sendo, a inclinação da reta que passa pelos vértices B e C é a) 7/17 b) 10/3 c) 9/0 d) 1/5 08- (Fgv) O ponto da reta de equação y = (1/)x + 3, situado no 1. quadrante e equidistante dos eixos x e y, tem coordenadas cuja soma é: a) menor que 11. b) maior que 5. c) um múltiplo de 6. d) um número primo. e) um divisor de 0. GABARITO 1)D )A 3)A 4)B 5)A 6)D 7)A 8)C 14

15 9- POSIÇÕES RELATIVAS DE RETAS NO PLANO Duas retas podem ser representadas em um plano cartesiano de forma paralela ou concorrente. Mas cada uma dessas formas possui características e elementos que ajudam na identificação da forma que estão dispostas no plano, sem ser preciso construir o gráfico. 9.1-Retas paralelas Duas retas são paralelas se não tiverem nenhum ponto em comum ou todos em comum e seus coeficientes angulares forem iguais ou não existirem. As retas u e t são paralelas e distintas. E por serem perpendiculares ao eixo Ox os seus coeficientes angulares não irão existir. As retas u e t são paralelas e coincidentes, pois possuem todos os pontos em comum. E por serem perpendiculares ao eixo Ox os seus coeficientes angulares não irão existir. As retas u e t são paralelas e distintas. E os seus coeficientes angulares serão iguais. PORTANTO m u m t e q u q t As retas u e t são paralelas e coincidentes, pois possuem todos os pontos em comum. E os seus coeficientes angulares serão iguais. PORTANTO m u m t e q u q t 15

16 9.-Retas concorrentes Duas retas são concorrentes se possuírem apenas um ponto em comum. E seus coeficientes angulares poderão ser diferentes ou um existir e o outro não. As retas u e t são coincidentes e as inclinações das retas são diferentes de 90. Assim, seus coeficientes angulares serão diferentes. As retas u e t são concorrentes e a inclinação da reta t é de 90, sendo assim seu coeficiente angular não irá existir, mas o coeficiente da reta u existe, pois não é perpendicular ao eixo Ox. EXERCÍCIOS BÁSICOS 01-(Ufmg ) Observe a figura. 03-(Cesgranrio ) As retas x + ay - 3 = 0 e x - y + 5 = 0 são paralelas, se a vale: a) - b) - 0,5 c) 0,5 d) e) (Cesgranrio) Se as retas y + (x/) + 4 = 0 e my + x + 1 = 0 são paralelas, então o coeficiente m vale: a). b) 3. c) 4. d) 5. e) 6. Nessa figura, os pontos B, C e D são colineares, B = (,3) e a área do triângulo OCD é o dobro da área do paralelogramo OABC. Então, C é o ponto de coordenadas a) 3, 5 b) d) (3, ) e) (, ) 1, 5 c) (, 1) 0-(Unaerp) A equação, no plano, x - 3 = 0, representa: a) Um ponto do eixo das abcissas b) Uma reta perpendicular ao eixo das ordenadas c) Uma reta perpendicular à reta x + y = 0 d) Uma reta concorrente à reta x + y = 0 e) Uma reta paralela à reta y - 3 = 0 05-(Ufmg ) A reta r é paralela à reta de equação 3x-y-10=0. Um dos pontos de interseção de r com a parábola de equação y=x-4 tem abscissa 1. A equação de r é a) x + 3y + 8 = 0 b) 3x - y + 6 = 0 c) 3x - y - 6 = 0 d) x - 3y - 10 = 0 06 (Ufmg ) A reta r passa pelo ponto (16, 11) e NÃO intercepta a reta de equação y = (x/) - 5. Considerando-se os seguintes pontos, o ÚNICO que pertence à reta r é a) (7, 6) b) (7, 13/) c) (7, 7) d) (7, 15/) 07-(Fatec) Seja a reta r, de equação y=(x/) +17. Das equações a seguir, a que representa uma reta paralela a r é a) y = (x/) + 10 b) y = - x + 5 c) y = x + 1 d) y = - x + 5 e) y = x

17 08- (cftmg ) As retas x + ky = 3 e x - y = - 5 são paralelas; logo o valor de k é a) - b) -1/ c) 1/ d) 09- (Ufrrj ) Sabendo que as retas mx + (m - )y = m e (m + 3)x + (m + 5)y = m + 1 são paralelas, o valor de m será: a) 1/. b) - 1/. c) 3/. d) - 3/. e) 5/. 10- (Unemat 010) Dada a equação de reta (s): x - y +1 = 0, a equação de reta paralela a s pelo ponto P(1,1) será: a) x - y = 0 b) x + y +1 = 0 c) x + y -1 = 0 d) x - y -1 = 0 e) x - y + = 0 1)B )D 3)B 4)C 5)C 6)B 7)C 8)B 9)D 10)D 10-INTERSECÇÃO ENTRE RETAS / CURVAS Relembrado a definição de retas concorrentes: Duas retas são concorrentes se, somente se, possuírem um único ponto em comum, ou seja, a intersecção das duas retas é o ponto em comum. Considerando a reta t e u e as suas respectivas equações gerais das retas, a tx + b ty + c t = 0 e a ux + b uy + c u = 0. Representando-as em um plano cartesiano, iremos perceber que são concorrentes, pois possui o ponto A em comum. O sistema formado com as equações gerais das retas terá como solução o par ordenado (x 0, y 0) que representa o ponto de intersecção. Exemplo: As equações gerais das duas retas r e s são respectivamente, x + 4y 7 = 0 e 3x + y + 1 = 0. Determine o ponto P(x0, y0) comum às retas r e s. Sabemos que o ponto de intersecção de duas retas concorrentes é a solução do sistema formado por elas. Assim, veja a resolução do sistema abaixo: x + 4y 7 = 0 3x + y + 1 = 0 x + 4y = 7 (-3) 3x + y = -1-3x 1y = -1 3x + y = -1-11y = - y = Substituindo o valor de y em qualquer uma das equações iremos obter o valor de x: 17

18 x + 4y = 7 x + 4. = 7 x + 8 = 7 x = 7 8 x = -1 Portanto, o ponto P(x 0, y 0) = (-1,). EXERCÍCIOS BÁSICOS 01-(Ufmg ) Sejam t e s as retas de equações x - y - 3 = 0 e 3x - y + 1 = 0, respectivamente. A reta r contém o ponto A = (5,1) e o ponto de interseção de t e s. A equação de r é: a) 5x - y - 4 = 0 b) 5x + y - 6 = 0 c) x + 5y - 10 = 0 d) x - 5y = 0 0- (Puc-rio) O ponto de intersecção entre a reta que passa por (4,4) e (,5) e a reta que passa por (,7) e (4,3) é: a) (3, 5). b) (4, 4). c) (3, 4). d) (7/, 4). e) (10/3, 13/3). 03- (Fei) As retas representadas pelas equações y = x + 1, y = x + 3 e y = b - x passam por um mesmo ponto. O valor de b é: a) 1 b) 3 c) 5 d) 7 e) 9 04-(Puc-rio) As retas dadas pelas equações x + 3y = 3 e x + y = 1 se interceptam: a) em nenhum ponto. b) num ponto da reta x = 0. c) num ponto da reta y = 0. d) no ponto (3, 0). e) no ponto (1/, 0). 05-(Unifesp ) Se P é o ponto de intersecção das retas de equações x - y - = 0 e (1/) x + y = 3, a área do triângulo de vértices A(0, 3), B(, 0) e P é a) 1/3. b) 5/3. c) 8/3. d) 10/3. e) 0/ (Ufpr ) Sabe-se que a reta r passa pelos pontos A = (-, 0) e P = (0, 1) e que a reta s é paralela ao eixo das ordenadas e passa pelo ponto Q = (4, ). Se B é o ponto em que a reta s intercepta o eixo das abscissas e C é o ponto de interseção das retas r e s, então o perímetro do triângulo ABC é: a) 3 (3 + 5 ) b) 3 (5 + 3 ) c) 5 (3 + 5 ) d) 3 (3 3 ) e) 5 ( ) 07- (Unifesp ) Dadas as retas r: 5x - 1y = 4, s: 5x + 16y = 56 e t: 5x + 0y = m, o valor de m para que as três retas sejam concorrentes num mesmo ponto é a) 14. b) 8. c) 36. d) 48. e) (UFMG) A reta de equação y = 3x + a tem um único ponto em comum com a parábola de equação y = x² + x +. O valor de a é a) - b) - 1 c) 0 d) 1 e) GABARITO 1)A )E 3)D 4)B 5)D 6)A 7)E 8)D 11-CONDIÇÃO DE PERPENDICULARISMO Considere duas retas perpendiculares r e s. Pelo teorema dos ângulos externos temos : =

19 tg sen 90 cos sen90.cos 0 cos90.cos 1 1 sen 1.cos90 0 sen90. sen 0 1 = cos sen 1 1 = 1 tg 1 PORTANTO tg 1 tg 1 Portanto m s 1, ou seja, m r. ms 1 m r EXERCÍCIOS BÁSICOS 01-(FATEC) Se A=(-1,3) e B=(1,1), então a mediatriz do segmento AB encontra a bissetriz dos quadrantes pares no ponto: a) (-1,1) b) (-3/4, 3/4) c) (-6.6) d) (-1/, 1/) e) (-1/4, 1/4) 0-(Ufmg ) A reta r é perpendicular à reta de equação x + y - 1 = 0 no ponto de abscissa -1. A equação da reta r é a) x - y + 7 = 0 b) x + y - 7 = 0 c) -x + y + 7 = 0 d) x + y + 7 = 0 e) x + y - 1 = 0 03-(FEI) Se a reta r passa pelos pontos (3, 0) e (0, 1), a reta s é perpendicular a r e passa pela origem, então s contém o ponto: a) (5, 15) b) (5, 10) c) (5, 5) d) (5, 1) e) (5, 0) 04-(Cesgranrio) A equação da reta que contém o ponto A (1, ) e é perpendicular à reta y=x+3 é: a) x + y - 5 = 0 b) x + y = 0 c) x + y - 4 = 0 d) x - y + 3 = 0 e) x + 3y - 7 = 0 05-(Ufmg ) O lado BC de um ângulo reto ABC está sobre a reta de equação x - y + 1 = 0, e o ponto de coordenadas (,4) pertence à reta que contém o lado BA. A equação da reta que contém o lado BA é: a) 4x + y - 5 = 0 b) x - y + 6 = 0 c) x + y - 10 = 0 d) x + y - 8 = (Ufrn ) Sobre as retas y = -x + 3 e y = x + 3, podemos afirmar que elas a) se interceptam no ponto de coordenadas (-1,). b) se interceptam formando um ângulo de 60. c) são perpendiculares aos eixos OX e OY, respectivamente. d) estão a uma mesma distância do ponto de coordenadas (3, 3). 07-(Ufal) As retas de equações y + 3x - 1 = 0 e y + 3x + 9 = 0 são a) coincidentes. b) paralelas entre si. c) perpendiculares entre si. d) concorrentes no ponto (1, -9). e) concorrentes no ponto (3, 0). 08-(Fgv ) A reta perpendicular à reta (r) x-y=5, e passando pelo ponto P(1,), intercepta o eixo das abscissas no ponto: a) (9/, 0) b) (5, 0) c) (11/, 0) d) (6, 0) e) (13/, 0) 09-(Fgv) No plano cartesiano, o ponto da reta (r) 3x-4y=5 mais próximo da origem tem coordenadas cuja soma vale: a) -/5 b) -1/5 c) 0 d) 1/5 e) /5 10 -(Fgv ) Considere os pontos A = (1, - ); B = (-, 4) e C = (3, 3). A altura do triângulo ABC pelo vértice C tem equação: a) y - x - 3 = 0 b) y - x + 3 = 0 c) y + x + 3 = 0 d) y + x + 9 = 0 e) y + x - 9 = (Fgv ) As retas de equações y = - x - 1 e y = [(-a + 1)/(a - )] x + 1 são perpendiculares. O valor de a é: a) b) 1/ c) 1 d) - e) 3/ 1. ( cftmg ) A equação da reta s perpendicular à reta r: y = x + 1, traçada pelo ponto P (4, -1) é a) y = - (1/)x - 1 b) y = (1/)x - 1 c) y = - (1/)x + 1 d) y = (1/) x (Pucmg ) Duas retas perpendiculares se cortam no ponto (, 5) e são definidas pelas equações y = ax + 1 e y = bx + c. Com base nessas informações, é correto afirmar que o valor do coeficiente linear c é igual a: a) - 4 b) - c) 4 d) (Ufscar ) Considere P um ponto pertencente à reta (r) de equação 3x + 5y - 10 = 0 e 19

20 equidistante dos eixos coordenados. A equação da reta que passa por P e é perpendicular a (r) é a) 10x - 6y - 5 = 0. b) 6x - 10y + 5 = 0. c) 15x - 9y - 16 = 0. d) 5x + 3y - 10 = 0. e) 15x - 3y - 4 = (FEI) O ponto A', simétrico do ponto A = (1, 1) em relação à reta r: x + y - 1 = 0 é: a) (1, 1) b) (1/, -3/) c) (-1/, -1/) d) (-1/, -3/) e) (1/, 3/) GABARITO 1)A )A 3)A 4)A 5)D 6)D 7)B 8)B 9)B 10)A 11)E 1)C 13)D 14)A 15)C 1-DISTÂNCIA ENTRE PONTO E RETA Dado um ponto P=(x o,y o ) e uma reta na sua forma geral ax+by+c=0, pode-se obter a distância d deste ponto P à reta através da expressão matemática: DISTÂNCIA É SEMPRE PERPENDICULAR A distância da origem (0,0) à reta 5x+1y+5=0 é: EXERCÍCIOS BÁSICOS 1-(Fgv ) No plano cartesiano, existem dois valores de m de modo que a distância do ponto P(m,1) à reta de equação 3x + 4y + 4 = 0 seja 6; a soma destes valores é: a) - 16/3 b) - 17/3 c) - 18/3 d) - 19/3 e) - 0/3 GABARITO 1)A 0

21 13-RESOLUÇÃO GEOMÉTRICA DE INEQUAÇÕES Uma inequação do 1 o grau com duas variáveis admite infinitas soluções que podem ser representadas num sistema de eixos coordenados por uma região limitada por uma reta, conforme mostra a figura. 1

22 Exemplo 1 Resolver graficamente a) x + y - > 0 e x - y < 0 b) x + y - > 0 ou x - y < 0 EXERCÍCIOS BÁSICOS 1-(Ufal) Seja R a região sombreada na figura a seguir. Essa região é o conjunto dos pontos (x, y) do plano cartesiano, com y 0 e tais que a) y b) y c) y 3 x + 3 e y -3x + 3 3x + 3 e y -3x x + 3 e y -3x d) y 3x + 3 e y x + 3 e) y x + 3 e y -3x -1 -(Fgv) A região do plano cartesiano determinada pelas inequações x + y 5 y 3 x 0 y 0 tem uma área A. O valor de A é: a) 10 b) 10,5 c) 11 d) 11,5 e) 1

23 3- (Pucrj ) A área delimitada pelos eixos x = 0, y = 0 e pelas retas x + y = 1 e x + y = 4 é: a) 3 b) c) 3,5 d),5 e) 1,5 GABARITO 1)A )B 3)D 4)A 5)B 6)D 4- (Fgv) A área da região triangular limitada pelo sistema de inequações 3x 5y 15 0 x 5y 10 0 x 0 a),5 b) 7,5 c) 5 d) 1,5 e) 3 5- (Puc-rio ) A área do triângulo determinado pelas retas y = x, y = - x e y = 3 é: a) 8. b) 9. c) 5. d) 4. e) 1. 6-(Ufrs ) A área do triângulo que tem lados sobre as retas de equações y = - x + 9, x = 1 e y = 1 é a) 6. b) 7. c) 8. d) 9. e) EQUAÇÃO REDUZIDA DA CIRCUNFERÊNCIA A equação reduzida da circunferência é dada por (x-a)² + (y-b)² = r², Onde o centro da circunferência é o ponto C(a,b) e o raio é r. A definição de uma equação de uma circunferência é a condição necessária para que um ponto de coordenadas P (x,y) pertença a uma circunferência de centro C(a,b) e raio r. Ou seja d CP r Usando a fórmula da distância entre dois pontos temos: d x x y y =r CP c p c p x a y b =r 3

24 Elevando-se os dois lados ao quadrado temos: (x-a)² + (y-b)² = r², Exemplo: Determine a equação reduzida da circunferência de centro C(-4,1) e R = 1/3. Basta substituirmos esses dados na equação R = (x a) + (y b). (x (-4)) + (y 1) = (1/3) (x + 4) + (y 1) = 1/9 Exemplo: Obtenha o centro e o raio da circunferência cuja equação é (x 1/) + (y + 5/) = 9. É preciso que seja feito à comparação das equações: (x 1/) + (y + 5/) = 9 (x a) + (y b) = R - a = -1/ a = 1/ - b = 5/ b = -5/ R = 9 R = 3 Portanto as coordenadas do centro da circunferência de equação (x 1/) + (y + 5/) = 9 é igual a C(1/, -5/) e raio igual a R = 3 EXERCÍCIOS BÁSICOS 1- (Ufc ) O segmento que une os pontos de interseção da reta x + y - 4 = 0 com os eixos coordenados determina um diâmetro de uma circunferência. A equação dessa circunferência é: a) (x - 1) + (y - ) = 5 b) (x - 1) + (y - ) = 0 c) (x - 1) + (y - ) = 5 d) (x + 1) + (y + ) = 5 e) (x + 1) + (y + ) = 0 - (Pucrs) Os pontos (3, 1) e (9, -7) são extremidades de um dos diâmetros da circunferência c. Então, a equação de c é a) (x + 6) + (y - 3) = 5 b) (x + 6) + (y - 3) = 10 c) (x - 6) + (y + 3) = 10 d) (x - 6) + (y - 3) = 5 e) (x - 6) + (y + 3) = 5 3-(Fatec ) A área do quadrilátero determinado pelos pontos de intersecção da circunferência de equação (x + 3) + (y - 3) = 10 com os eixos coordenados, em unidades de área, é igual a a) 4 b) 6 c) 8 d) 10 e) 1 4- (Pucrs ) A distância entre o centro da circunferência de equação (x - ) + (y + 5) = 9 e a reta de equação y + 5 x = 0 é a) - 5 b) 0 c) d) 5 e) 9 5-(Uft ) Considere no plano cartesiano xy, a circunferência de equação (x - ) + (y + 1) = 4 e o ponto P dado pela interseção das retas x - 3y + 5 = 0 e x - y + 4 = 0. Então a distância do ponto P ao centro da circunferência é: a) o dobro do raio da circunferência b) igual ao raio da circunferência. c) a metade do raio da circunferência. d) o triplo do raio da circunferência. 6-(Ufpel ) O gráfico a seguir representa a função: f(x) = x - 5x + 6. Com base nessas informações é CORRETO afirmar que a equação da circunferência que passa em B e tem centro em A é: a) (x - 6) + y = 45 b) x + (y - 6) = 9 c) x + (y - 6) = 45 d) (x - 6) + y = 9 e) x + (y - 3) = 9 4

25 7- (Ufrgs ) Os pontos de interseção do círculo de equação (x - 4) + (y - 3) = 5 com os eixos coordenados são vértices de um triângulo. A área desse triângulo é a). b) 4. c) 5. d) 6. e) 8 GABARITO 1)A )E 3)B 4)B 5)A 6)C 7)B 15-EQUAÇÃO NORMAL DA CIRCUNFERÊNCIA A equação normal da circunferência é obtida através da eliminação dos parênteses e redução dos termos semelhantes. (x a)² + (y b)² = r² x² xa + a² + y² yb + b² r² = 0 x + y ax by + a + b r = 0 Essa equação é mais uma forma de equacionar uma circunferência e a partir dela determinar o centro e o raio que a equação está representando, isso poderá ser feito utilizando dois métodos diferentes: comparação e redução. Comparação Dada a equação x + y x + 8y + 8 = 0, comparado-a com a equação x + y ax by + a + b r = 0, temos: a = a = 1 b = 8 b = 8 b = 4 a² + b² r² = 8 1² + ( 4)² r² = r² = 8 17 r² = 8 r² = 8 17 r² = 9 r = 3 Portanto, a circunferência de equação igual a x + y x + 8y + 8 = 0 terá centro igual a C(1, 4) e raio igual a r = 3. Redução Consiste em transformar a equação normal em reduzida e assim identificar o centro e o raio. Pegando como exemplo a equação x + y x + 8y + 8 = 0, iremos transformá-la em uma equação reduzida seguindo os passos abaixo: 1º passo É preciso agrupar os termos em x e os termos em y, e isolar o termo independente. (x x) + (y + 8y) = 8 º passo Somar aos dois membros da igualdade um termo que torne o agrupamento em x um quadrado perfeito. (x x +1) + (y + 8y) = º passo Somar aos dois membros da igualdade um termo que torne o agrupamento em y um quadrado perfeito. (x x +1) + (y + 8y + 16) =

26 (x x +1) + (y + 8y + 16) = 9 (x 1) + (y + 4) = 9 Comparando com a equação reduzida. (x 1) + (y + 4) = 9 (x + a) + (y + b) = r Portanto, o centro dessa equação da circunferência será C (1, 4) e R = 3. EXERCÍCIOS BÁSICOS 1-(Udesc ) Para que a equação x + y - 4x + 8y + k = 0 represente uma circunferência, devemos ter: a) K < 0 b) K > 13 c) K < 1 d) K > 1 e) K < 10 - (Fatec) Sejam O a origem do sistema de eixos cartesianos e A o centro da circunferência de equação x + y - x - 4y - 4 = 0. A equação de reta que passa pelos pontos A e O é: a) y = x + 1 b) y = x -1 c) y = x/ d) y = x e) y = x 3-(Cesgranrio) As circunferências x + y + 8x + 6y = 0 e x + y - 16x - 1y = 0 são: a) exteriores. b) secantes. c) tangentes internamente. d) tangentes externamente. e) concêntricas. 4. (Ufrs ) A equação x + y + 4x - 6y + m = 0 representa um círculo se e semente se a) m > 0 b) m < 0 c) m > 13 d) m > -13 e) m < 13 5-(Cesgranrio ) A equação da circunferência de raio 5, cujo centro é o ponto comum às retas x - y + 1 = e x + y - 1 = é: a) x + y - 4x - y - 0 = 0 b) x + y - 4x - y + 0 = 0 c) x + y - 4x + y + 0 = 0 d) x + y - 4x + y - 0 = 0 e) x + y + 4x - y - 0 = 0 6-(Unirio ) A equação x + y - 4x + 6y - 3 = 0 é de uma circunferência cuja soma do raio e das coordenadas do centro é igual a: a) - b) 3 c) 5 d) 8 e) 15 circunferência de raio 1 e centro a) (- 6, 4). b) (6, 4). c) (3, ). d) (-3, -). e) (6, -4). 8-(Ufv ) Considere a equação x + y - 6x + 4y + p = 0. O maior valor inteiro p para que a equação anterior represente uma circunferência é: a) 13 b) 1 c) 14 d) 8 e) (Pucpr ) A distância do ponto P(1; 8) ao centro da circunferência x + y - 8x - 8y + 4 = 0 é: a) 1 b) c) 3 d) 5 e) 6 10-(Ufrs ) As extremidades de uma das diagonais de um quadrado inscrito em um círculo são os pontos (1, 3) e (-1, 1). Então, a equação do círculo é a) x + y + 4y - = 0. b) x + y - 4y + = 0. c) x + y - y + = 0. d) x + y + = 0. e) x + y - 4y = (Fatec) Num sistema de eixos cartesianos ortogonais, considere a circunferência λ e a reta r, de equações x + y - 6x + y + 6 = 0 e 3x + 7y - 1 = 0. A reta s, que é paralela a r e contém o centro de λ, tem equação a) 3x + 7y - = 0 b) 3x - 7y - = 0 c) 3x - 7y + 5 = 0 d) 3x + 7y - 16 = 0 e) 7x + 3y - = 0 1- ( cftmg ) O lado do quadrado circunscrito à circunferência de equação x + y - 4x - 5 = 0 mede a) 3 b) 4 c) 5 d) (Ufrs ) Na figura a seguir, o octógono regular está inscrito no círculo de equação x + y - 4 = 0. 7-(Unifesp ) A equação x + y + 6x + 4y + 1 = 0, em coordenadas cartesianas, representa uma 6

27 e) x y 4x 4y 4 0 A área do octógono é a) 5. b) 8. c) 10. d) 10. e) (Ufjf ) Considere uma circunferência c1 de equação x + y + 8x - y - 83 = 0. Seja agora uma circunferência c de centro em O(13, - ) que passa pelo ponto P(9, 0). A área da figura plana formada pelos pontos internos à circunferência c1 e externos à circunferência c, em unidades de área, é: a) 0π. b) 80π. c) 100π. d) 10π. e) 00π. 15-(GV) Dada a equação x² + y² = 14x + 6y + 6, se p é o maior valor possível de x, e q é o maior valor possível de y, então, 3p + 4q é igual a a) 73 b) 76 c) 85 d) 89 e) (Ufsm ) A massa utilizada para fazer pastéis folheados, depois de esticada, é recortada em círculos (discos) de igual tamanho. Sabendo que a equação matemática da circunferência que limita o círculo é x + y - 4x - 6y - 36 = 0 e adotando π = 3,14, o diâmetro de cada disco e a área da massa utilizada para confeccionar cada pastel são, respectivamente, a) 7 e 113,04 b) 7 e 153,86 c) 1 e 113,04 d) 14 e 113,04 e) 14 e 153,86 19-(Ueg 01) Considere num plano cartesiano duas retas r e s. perpendiculares. A reta r tem equação y x e a reta s intercepta o eixo x no ponto B (10,0). Encontre a equação da circunferência que passa pelos pontos A (0,0), B (10,0) e C, que é o ponto de interseção das retas r e s. 0) (Ufjf 01) No plano cartesiano, considere os pontos A( 1,) e B(3,4). a) Encontre a equação da reta r que passa por A e forma com o eixo das abscissas um ângulo de 135º, medido do eixo para a reta no sentido antihorário. b) Seja s a reta que passa por B e é perpendicular à reta r. Encontre as coordenadas do ponto P, determinado pela intersecção das retas r e s. c) Determine a equação da circunferência que possui centro no ponto Q(,1) e tangencia as retas r e s. GABARITO 1) A ) D 3)D 4)E 5)A 6)B 7)D 8)B 9)D 10)B 11)A 1)D 13)B 14)C 15)D 16)E 17)A 18)B 19) (x-5)² +y²=5 0)a) y=-x+1 b) y=x+1 c) (x-)² +(y-1)² = 17-(Fgv ) Dada a circunferência de equação x + y 6x 10y + 30 = 0, seja P seu ponto de ordenada máxima. A soma das coordenadas de P e: a) 10 b) 10,5 c) 11 d) 11,5 e) 1 18-(Fgv 011) No plano cartesiano, uma circunferência, cujo centro se encontra no segundo quadrante, tangencia os eixos x e y. Se a distância da origem ao centro da circunferência é igual a 4, a equação da circunferência é: a) b) c) d) x y 10 x 10 y 10 0 x y 8 x 8 y 8 0 x y 10 x 10 y 10 0 x y 8 x 8 y 8 0 7

28 16-POSIÇÕES RELATIVAS: RETA E CIRCUNFERÊNCIA CASO 1 RETA EXTERNA À CIRCUNFERÊNCIA DISTÂNCIA ENTRE O CENTRO E A RETA É MAIOR QUE O RAIO DA CIRCUNFERÊNCIA A INTERSECÇÃO ENTRE A EQUAÇÃO DA RETA E A DA CIRCUNFERÊNCIA RESULTA EM UMA EQUAÇÃO DE SEGUNDO GRAU COM Δ <0 CASO RETA TANGENTE À CIRCUNFERÊNCIA DISTÂNCIA ENTRE O CENTRO E A RETA É IGUAL AO RAIO DA CIRCUNFERÊNCIA A INTERSECÇÃO ENTRE A EQUAÇÃO DA RETA E A DA CIRCUNFERÊNCIA RESULTA EM UMA EQUAÇÃO DE SEGUNDO GRAU COM Δ =0 CASO 3 RETA SECANTE A UMA CIRCUNFERÊNCIA DISTÂNCIA ENTRE O CENTRO E A RETA É MENOR QUE O RAIO DA CIRCUNFERÊNCIA A INTERSECÇÃO ENTRE A EQUAÇÃO DA RETA E A DA CIRCUNFERÊNCIA RESULTA EM UMA EQUAÇÃO DE SEGUNDO GRAU COM Δ =0 Uma forma de encontrar a posição relativa entre uma reta e uma circunferência é verificando a sua intersecção, ou seja, analisando se a reta e a circunferência terão dois pontos em comum, apenas um ponto em comum ou nenhum ponto em comum. 8

29 O valor dessa intersecção é a solução do sistema formado com a equação geral da reta e com a equação reduzida da circunferência. Considerando a equação geral da reta ax+by+c = 0 e a equação reduzida da circunferência (x - a) + (y - b) = R. Resolvendo o sistema é possível encontrar uma equação do segundo grau, analisando o seu descriminante Δ é possível determinar a posição da reta em relação à circunferência: Δ > 0 reta secante à circunferência Δ = 0 reta tangente à circunferência Δ < 0 reta externa à circunferência. Se o discriminante Δ for maior ou igual à zero, para descobrir as coordenadas dos pontos é preciso terminar a resolução da equação do segundo grau. Exemplo: Verifique se a circunferência (x+1) + y = 5 e a reta x + y 6 = 0 possui algum ponto de intersecção. Resolução: x + y 6 = 0 equação 1 (x+1) + y = 5 equação Escolhemos uma das duas equações e isolamos uma das incógnitas. x + y 6 = 0 x = 6 y Substituímos o valor de x na equação. (6 y +1) + y = 5 (-y + 7) + y = 5 (-y) 14y y = 5 y 14y y = 0 y 14y + 4 = 0 (: ) y 7y + 1 = 0 Δ = b 4ac Δ = (-7) Δ = Δ = 1 Como o descriminante Δ é maior que zero sabemos que essa reta é secante à circunferência, agora para descobrir o valor das coordenadas dos dois pontos pertencentes à circunferência é preciso terminar de resolver a equação. Para y = 4 x = 6 y x = 6 4 x = Para y = 3 9

30 x = 6 y x = 6 3 x = 3 Portanto, os dois pontos que interceptam a circunferência são: (,4) e (3,3). EXERCÍCIOS BÁSICOS 1- (Fei ) O comprimento da corda que a reta x + y = 3 determina na circunferência de centro 5 em (,1) e raio é: a) b) c) 3 d) 4 e) 5 -(Fei ) Qual deve ser o raio da circunferência com centro no ponto O = (0,0) para que a reta x - y - 10 = 0 seja tangente a essa circunferência? a) 4 b) 5 c) 0 d) 5 e) (Ufrs ) O centro O = (x, y) de uma circunferência que passa pelos pontos (-1, 1) e (1, 5), tem as coordenadas na relação a) y + x = 6 b) 5y + x = 15 c) 5y + 3x = 15 d) 8y + 3x = 5 e) 9y + 4x = (Ufes ) Sabe-se que b > 0 e que a reta 5y + b(x - 5) = 0 é tangente à circunferência x + y = 9. O valor de b é a) 15/4 b) 16/3 c) 6 d) 0/3 e) 7 5-(Ufsm ) Dada a circunferência β: x + y - 4x - 1 = 0, então a circunferência α, que é concêntrica à circunferência β e tangente à reta r: x + y = 0, é a) x + (y + ) = 4 b) y - 4x + y = 0 c) x + y + 4y + = 0 d) x + y - 4x + = 0 e) (x + ) + y = 6-(Ufsm ) A equação da circunferência de centro C(,1) e tangente à reta 3x - 4y + 8 = 0 é a) (x + ) + (y - 1) = 8 b) (x - ) + (y - 1) = c) (x - ) + (y + 1) = d) (x - ) + (y - 1) = 4 e) (x - )- (x - 1) = 4 7- (Fgv ) A reta de equação y = x - 1 determina, na circunferência de equação x + y = 13, uma corda de comprimento: a) 4 b) 5 c) 6 d) 7 e) 8 8-(Ufsm ) As retas r e s tangenciam a circunferência de equação x + y - 4x + 3 = 0, respectivamente, nos pontos P e Q e passam pelo ponto O (0, 0). A medida do ângulo PÔQ vale a) 15 b) 30 c) 45 d) 60 e) (Ufpi ) Se uma circunferência no segundo quadrante, tangente a ambos os eixos, toca o eixo y no ponto (0, 3), então o centro dessa circunferência é o ponto: a) (-3, 0) b) (-3, 3) c) (3, 3) d) (-4, 3) e) (, 3) 10-(Ufrrj ) Se a área de uma figura é representada pela solução do sistema x y 9, pode-se afirmar que esta área x y 3 0 corresponde a a) 9 π 9 π b) π 3 d) 4. e) π 3 π 3. c) (Ufrs ) Considere a região plana limitada pelos gráficos das inequações y - x - 1 e x + y 1, no sistema de coordenadas cartesianas. A área dessa região é a) π/4-1/ b) π/4-1/3 c) π/ - 1 d) π/ + 1 e) 3π/ (Fgv ) No plano cartesiano, a reta de equação x = k tangencia a circunferência de equação (x - ) + (y - 3) = 1. Os valores de k são: a) - ou 0 b) -1 ou 1 c) 0 ou d) 1 ou 3 e) ou (Ufes) Em um sistema de coordenadas cartesianas com origem O, considere a circunferência C dada pela equação x + y - 4x - 8y + 15 = 0, cujo centro indicamos por P. A reta OP intersecta C em dois pontos A e B, onde A é o mais próximo da origem. A equação da reta que tangencia a circunferência C no ponto A é a) x - y + 3 = 0 b) x + y - 5 = 0 c) x + y - 4 = 0 d) x + y - 5 = 0 e) x - y - 4 =

31 14- (Ufjf ) Sobre o conjunto de pontos de interseção da circunferência x + (y - ) = com a reta mx - y + = 0, onde m é real, podemos afirmar que: a) contém um único ponto. b) é o conjunto vazio. c) contém dois pontos. d) contém três pontos. e) depende de m. 15- (Pucmg ) Considere a circunferência C de equação (x + 1) + (y - 1) = 9 e a reta r de equação x + y = 0. É CORRETO afirmar: a) r é tangente a C. b) r não corta C. c) r corta C no ponto (1, 1). d) r passa pelo centro de C. 16- (Pucrs) O raio da circunferência centrada na origem que tangencia a reta de equação y = x -1 é a) 1 b) 1 c) d) e) (Fatec ) Considere que R é a região do plano cartesiano cujos pontos satisfazem as sentenças (x - )+ (y - ) 4 e x y. A área de R, em unidades de superfície, é a) π b) π c) π d) 4π e) 4π 18-(Pucrs ) A área da região do plano limitada pela curva de equação (x - 1) + (y - ) = 4 com x 1 e y é a) 4π b) π c) π d) π/ e) π/4 19- ( cftmg ) Analisando a equação da reta r: x - y = 0 e da circunferência λ: x + y - 10y + 5 = 0, podemos afirmar que a) a reta é tangente à circunferência. b) a reta é secante à circunferência. c) a reta é exterior à circunferência. d) a reta está em plano distinto da circunferência. 0- (Uece ) A soma das coordenadas do centro da circunferência que tem raio medindo 1 u.c., que está situada no primeiro quadrante e que tangencia o eixo dos y e a reta 4x - 3y = 0, é a) 3 u.c. b) 5 u.c. c) 4 u.c. d) 6 u.c. 1-(Ufc ) Em um sistema Cartesiano de coordenadas, o valor positivo de b tal que a reta y = x + b é tangente ao círculo de equação x + y = 1 é: 1 a) b) 1 c) d) e) 3 GABARITO 1)E )B 3)A 4)A 5)D 6)D 7)B 8)D 9)B 10)B11)A 1)D 13)B 14)C 15)D 16)D 17)B 18)C 19)A 0)C 1) C 17-CÔNICAS E RECONHECIMENTO DE CURVAS 1-ELIPSE Entende-se por elipse o lugar geométrico de um plano onde a soma da distância de sua extremidade a dois pontos fixos, chamados de focos, F1 e F, resulta em uma constante a, onde a > c. 31

32 Na ilustração da elipse acima temos: F1 e F são os focos da elipse e a distância entre eles é a distância focal (c). O segmento A1A é o maior eixo da elipse e sua medida é a soma da definição a. O segmento B1B é o menor eixo da elipse e sua medida corresponde a b. O centro O é o ponto médio entre os eixos da elipse e os focos A1A e F1F. A excentricidade da elipse é calculada pela razão entre c e a. Na elipse, a relação de Pitágoras é válida entre as medidas de a, b e c. Dessa forma, temos que: a² = b² + c² Equação reduzida da elipse De acordo com a posição dos focos em relação aos eixos das abscissas e das ordenadas, a elipse possui as seguintes equações reduzidas: Exemplo 1 Vamos determinar as equações das seguintes elipses: a) a² = b² + c² a² = 6² + 8² a² = 100 a = 10 Equação: 3

33 b) a² = b² + c² a² = 5² + 1² a² = a² = 169 a = 13 Equação: Exemplo Vamos determinar os focos e as extremidades do eixo maior da elipse de equação 9x² + 36y² = 144. Temos que 16 > 4, portanto, o eixo maior está na abscissa (x). Dessa forma: a² = 16 a = 4 b² = 4 a = a² = b² + c² 16 = + c² c² = 16 c² = 14 Os focos são F1(14,0) e F( 14,0) e as extremidades dos eixos maiores são A1(5,0) e A( 5,0). A elipse possui uma importante aplicação na Astronomia, pois os planetas descrevem movimentos elípticos em órbita do sol, estando localizados nos focos da elipse. Essa teoria foi descoberta e comprovada por Johannes Kepler ( ), grande astrônomo alemão. -HIPÉRBOLE No estudo da geometria analítica, as diversas figuras geométricas são estudadas do ponto de vista algébrico. Ponto, retas, circunferências são esquematizadas com o auxílio da álgebra. As cônicas, que são figuras geométricas oriundas de secções transversais realizadas em um cone, também são muito exploradas. A própria circunferência, a elipse, a parábola e a hipérbole são classificadas de cônicas. Vejamos como a hipérbole pode ser explorada do ponto de vista da geometria analítica. Definição de hipérbole: Considere F 1 e F como sendo dois pontos distintos do plano e c a distância entre eles. Hipérbole é o conjunto dos pontos do plano, tais que a diferença, em valor absoluto, das distâncias à F 1 e F é a constante a (0 < a < c). A hipérbole pode ter os focos sobre o eixo x ou sobre o eixo y e sua equação varia em cada um dos casos. Vamos deduzir sua equação para cada um dos casos citados. Hipérbole com focos sobre o eixo x. 33

34 Como os focos da hipérbole estão localizados sobre o eixo x, suas coordenadas serão: F (c, 0) e F 1( c, 0). Nesse caso, a equação da hipérbole será do tipo: Hipérbole com focos sobre o eixo y. Como os focos da hipérbole estão sobre o eixo y, suas coordenadas serão: F (0, c) e F 1(0, c). Nesse caso, a equação da hipérbole será do tipo: Elementos e propriedades da hipérbole: c é a distância focal. c = a + b relação fundamental. A 1( a, 0) e A (a, 0) são os vértices da hipérbole. a é a medida do eixo real. b é a medida do eixo imaginário. c/a é a excentricidade Exemplo 1. Determine a equação da hipérbole com focos F 1( 10, 0) e F (10, 0) e eixo real medindo 16 unidades. Solução: De acordo com as coordenadas dos focos percebemos que eles estão sobre o eixo x, pois as coordenadas y são iguais a zero. Também podemos afirmar que c = 10. Foi dado que o eixo real tem 16 unidades de comprimento. Logo, temos que: a = 16 a = 8 Para determinar a equação da hipérbole precisamos conhecer os valores de a e b, portanto devemos utilizar a relação fundamental para encontrarmos o valor de b. Segue que: c = a + b 34

35 10 = 8 + b b = b = 36 b = 6 Conhecidos os valores de a e b podemos escrever a equação da hipérbole com focos sobre o eixo x: Exemplo. Determine as coordenadas dos focos da hipérbole de equação: Solução: Observando a equação da hipérbole podemos constatar que seus focos estão sobre o eixo y, logo terão coordenadas do tipo F 1(0, c) e F (0, c). Da equação da hipérbole obtemos que: a = 16 a = 4 b = 9 b = 3 Utilizando a relação fundamental, teremos: c = a + b c = c = 5 c = 5 Portanto, os focos da hipérbole são F 1(0, 5) e F (0, 5). 3- PARÁBOLA -Como traçar uma parábola. Com pregos, barbante e um lápis, você consegue desenhar circunferência, elipse e também uma parábola. Parábola é o lugar geométrico tal que distam igualmente de uma reta fixa d, chamada diretriz, e de um ponto fixo F, não pertencente à diretriz, chamado foco. Imagine uma reta d, um ponto F (foco) e o barbante preso ao prego no ponto F. O comprimento do barbante tem que ser constante e a sua outra ponta deve correr livre sobre a reta d, o lápis deve se deslocar, mas sempre o barbante, entre o lápis e a reta d, deve ser perpendicular à reta: 35

36 -Definição Considere no plano cartesiano xoy, uma reta d (diretriz) e um ponto fixo F (foco) pertencente ao eixo das abcissas (eixo dos x), conforme figura abaixo: Denominaremos PARÁBOLA, à curva plana formada pelos pontos P(x,y) do plano cartesiano, tais que PF = Pd onde: PF = distância entre os pontos P e F PP' = distância entre o ponto P e a reta d (diretriz). Importante: Temos portanto, a seguinte relação notável: VF = p/ 3 - Equação reduzida da parábola de eixo horizontal e vértice na origem Observando a figura acima, consideremos os pontos: F(p/, 0) - foco da parábola, e P(x,y) - um ponto qualquer da parábola. Considerando-se a definição acima, deveremos ter: PF = PP' Daí, vem, usando a fórmula da distancia entre pontos do plano cartesiano: Desenvolvendo convenientemente e simplificando a expressão acima, chegaremos à equação reduzida da parábola de eixo horizontal e vértice na origem, a saber: y = px onde p é a medida do parâmetro da parábola Parábola de eixo horizontal e vértice no ponto (x 0, y 0 ) Se o vértice da parábola não estiver na origem e, sim, num ponto (x 0, y 0 ), a equação acima fica: (y - y 0 ) = p(x-x 0 ) 3. - Parábola de eixo vertical e vértice na origem 36

GUIA PARA AS PROVAS ( PO, AT E PG) E VESTIBULARES GEOMETRIA ANALÍTICA

GUIA PARA AS PROVAS ( PO, AT E PG) E VESTIBULARES GEOMETRIA ANALÍTICA GUIA PARA AS PROVAS ( PO, AT E PG) E VESTIBULARES GEOMETRIA ANALÍTICA PROF. ENZO MARCON TAKARA 05 - PLANO CARTESIANO ORTOGONAL Considere num plano a dois eixos x e y perpendiculares em O. O par de eixos

Leia mais

PROFESSOR FLABER 2ª SÉRIE Circunferência

PROFESSOR FLABER 2ª SÉRIE Circunferência PROFESSOR FLABER ª SÉRIE Circunferência 01. (Fuvest SP) A reta s passa pelo ponto (0,3) e é perpendicular à reta AB onde A=(0,0) e B é o centro da circunferência x + y - x - 4y = 0. Então a equação de

Leia mais

Geometria Analítica - AFA

Geometria Analítica - AFA Geometria Analítica - AFA x = v + (AFA) Considerando no plano cartesiano ortogonal as retas r, s e t, tais que (r) :, (s) : mx + y + m = 0 e (t) : x = 0, y = v analise as proposições abaixo, classificando-

Leia mais

Geometria Analítica? Onde usar os conhecimentos. os sobre Geometria Analítica?

Geometria Analítica? Onde usar os conhecimentos. os sobre Geometria Analítica? X GEOMETRIA ANALÍTICA Por que aprender Geometria Analítica?... A Geometria Analítica estabelece relações entre a álgebra e a geometria por meio de equações e inequações. Isso permite transformar questões

Leia mais

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA - 015 1. (Unicamp 015) Seja r a reta de equação cartesiana x y 4. Para cada número real t tal que 0 t 4, considere o triângulo T de vértices em (0, 0),

Leia mais

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3 01 Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b a) a = 3, b, b R b) a = 3 e b = 1 c) a = 3 e b 1 d) a 3 1 0 y = 3x + 1 m = 3 A equação que apresenta uma reta com o mesmo coeficiente angular

Leia mais

Professor Mascena Cordeiro

Professor Mascena Cordeiro www.mascenacordeiro.com Professor Mascena Cordeiro º Ano Ensino Médio M A T E M Á T I C A. Determine os valores de m pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que os pontos (0, -), (, m) e (-, -)

Leia mais

Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de 3 pontos.

Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de 3 pontos. Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de pontos. 1. (Ufpr 014) A figura abaixo apresenta o gráfico da reta r: y x + = 0 no plano

Leia mais

Nome: nº Professor(a): UBERLAN / CRISTIANA Série: 3ª EM Turmas: 3301 / 3302 Data: / /2013

Nome: nº Professor(a): UBERLAN / CRISTIANA Série: 3ª EM Turmas: 3301 / 3302 Data: / /2013 Nome: nº Professor(a): UBERLAN / CRISTIANA Série: 3ª EM Turmas: 3301 / 3302 Data: / /2013 Sem limite para crescer Bateria de Exercícios de Matemática II 1) A área do triângulo, cujos vértices são (1, 2),

Leia mais

Matemática - 3ª série Roteiro 04 Caderno do Aluno. Estudo da Reta

Matemática - 3ª série Roteiro 04 Caderno do Aluno. Estudo da Reta Matemática - 3ª série Roteiro 04 Caderno do Aluno Estudo da Reta I - Inclinação de uma reta () direção É a medida do ângulo que a reta forma com o semieixo das abscissas (positivo) no sentido anti-horário.

Leia mais

1 Geometria Analítica Plana

1 Geometria Analítica Plana UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO Curso: Matemática, 1º ano Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Linear Professora: Gislaine Aparecida Periçaro 1 Geometria Analítica Plana A Geometria

Leia mais

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE 1. Seja X = (x ij ) uma matriz quadrada de ordem 2, onde i + j para i = j ;1 - j para i > j e 1 se i < j. A soma dos seus elementos é igual a: a. -1 b. 1 c. 6 d. 7 e. 8 2. Se

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO MATEMÁTICA II 3 a SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO GEOMETRIA ANALÍTICA

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO MATEMÁTICA II 3 a SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO GEOMETRIA ANALÍTICA EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO MATEMÁTICA II a SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO GEOMETRIA ANALÍTICA ******************************************************************************** 1) (U.F.PA) Se a distância do ponto

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Pontos e Plano Cartesiano

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Pontos e Plano Cartesiano Exercícios de Matemática Geometria Analítica Pontos e Plano Cartesiano 1. (Fuvest) Sejam A=(1, 2) e B=(3, 2) dois pontos do plano cartesiano. Nesse plano, o segmento AC é obtido do segmento AB por uma

Leia mais

III CAPÍTULO 21 ÁREAS DE POLÍGONOS

III CAPÍTULO 21 ÁREAS DE POLÍGONOS 1 - RECORDANDO Até agora, nós vimos como calcular pontos, retas, ângulos e distâncias, mas não vimos como calcular a área de nenhuma figura. Na aula de hoje nós vamos estudar a área de polígonos: além

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M21 Geometria Analítica: Cônicas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M21 Geometria Analítica: Cônicas Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: Cônicas p. FGV-SP) Determine a equação da elipse de centro na origem que passa pelos pontos A, 0), B, 0) e C0, ). O centro da elipse

Leia mais

Colégio Santa Maria Lista de exercícios 1º médio 2011 Prof: Flávio Verdugo Ferreira.

Colégio Santa Maria Lista de exercícios 1º médio 2011 Prof: Flávio Verdugo Ferreira. Colégio Santa Maria Lista de exercícios 1º médio 2011 Prof: Flávio Verdugo Ferreira. 1- ( VUNESP) A parábola de equação y = ax² passa pelo vértice da parábola y = 4x - x². Ache o valor de a: a) 1 b) 2

Leia mais

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias 4 Posição relativa entre retas e círculos e distâncias Sumário 4.1 Distância de um ponto a uma reta.......... 2 4.2 Posição relativa de uma reta e um círculo no plano 4 4.3 Distância entre duas retas no

Leia mais

Quantos números pares, formados por algarismos distintos, existem entre 500 e 2000?

Quantos números pares, formados por algarismos distintos, existem entre 500 e 2000? PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - AGOSTO DE 011. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 01 Quantos

Leia mais

0 < c < a ; d(f 1, F 2 ) = 2c

0 < c < a ; d(f 1, F 2 ) = 2c Capítulo 14 Elipse Nosso objetivo, neste e nos próximos capítulos, é estudar a equação geral do segundo grau em duas variáveis: Ax + Bxy + Cy + Dx + Ey + F = 0, onde A 0 ou B 0 ou C 0 Para isso, deniremos,

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Eercícios de Matemática Geometria Analítica. (UFRGS) Considere um sistema cartesiano ortogonal e o ponto P(. ) de intersecção das duas diagonais de um losango. Se a equação da reta que contém uma das diagonais

Leia mais

- GEOMETRIA ANALÍTICA -

- GEOMETRIA ANALÍTICA - Vestibulando Web Page 1. (Puc-rio 2004) Sejam A e B os pontos (1, 1) e (5, 7) no plano. O ponto médio do segmento AB é: a) (3, 4) b) (4, 6) c) (-4, -6) d) (1, 7) e) (2, 3) 2. (Ufg 2004) Para medir a área

Leia mais

matemática geometria analítica pontos, baricentro do triângulo, coeficiente angular e equações da reta Exercícios de distância entre dois pontos

matemática geometria analítica pontos, baricentro do triângulo, coeficiente angular e equações da reta Exercícios de distância entre dois pontos Exercícios de distância entre dois pontos 1. (FUVEST 1ª fase) Sejam A = (1, ) e B = (3, ) dois pontos do plano cartesiano. Nesse plano, o segmento AC é obtido do segmento AB por uma rotação de 60º, no

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

Ponto 1) Representação do Ponto

Ponto 1) Representação do Ponto Ponto 1) Representação do Ponto Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Plano Cartesiano, sistemas de coordenadas: pontos e retas Na geometria

Leia mais

Geometria Analítica - Aula

Geometria Analítica - Aula Geometria Analítica - Aula 19 246 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 20 Vamos analisar a equação Ax 2 + Cy 2 + Dx + Ey + F = 0 nos casos em que exatamente um dos coeficientes A ou C é nulo. 1. Parábola

Leia mais

Matemática. Ficha Extra - Temas do 2º Bim. 3 os anos Walter/Blaidi Nome: Nº: Turma:

Matemática. Ficha Extra - Temas do 2º Bim. 3 os anos Walter/Blaidi Nome: Nº: Turma: Matemática Ficha Extra - Temas do º Bim. 3 os anos Walter/Blaidi 01 Nome: Nº: Turma: 1. (PUCRS) A região plana limitada por uma semicircunferência e seu diâmetro faz uma rotação completa em torno desse

Leia mais

Tecnologia em Construções de Edifícios

Tecnologia em Construções de Edifícios 1 Tecnologia em Construções de Edifícios Aula 9 Geometria Analítica Professor Luciano Nóbrega 2º Bimestre 2 GEOMETRIA ANALÍTICA INTRODUÇÃO A geometria avançou muito pouco desde o final da era grega até

Leia mais

Equações da reta no plano

Equações da reta no plano 3 Equações da reta no plano Sumário 3.1 Introdução....................... 2 3.2 Equação paramétrica da reta............. 2 3.3 Equação cartesiana da reta.............. 7 3.4 Equação am ou reduzida da reta..........

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO ENSINO MÉDIO 4º. BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE REVISÃO ENSINO MÉDIO 4º. BIMESTRE EXERCÍCIOS DE REVISÃO ENSINO MÉDIO 4º. BIMESTRE 1ª. SÉRIE Exercícios de PA e PG 1. Determinar o 61º termo da PA ( 9,13,17,21,...) Resp. 249 2. Determinar a razão da PA ( a 1,a 2, a 3,...) em que o primeiro

Leia mais

ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) TURNO. 01. Determine a distância entre dois pontos A e B do plano cartesiano.

ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) TURNO. 01. Determine a distância entre dois pontos A e B do plano cartesiano. SÉRIE ITA/IME ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) ALUNO(A) TURMA MARCELO MENDES TURNO SEDE DATA Nº / / TC MATEMÁTICA Geometria Analítica Exercícios de Fixação Conteúdo: A reta Parte I Exercícios Tópicos

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

2º trimestre Lista de exercícios Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Maurício Nome: nº

2º trimestre Lista de exercícios Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Maurício Nome: nº º trimestre Lista de exercícios Ensino Médio º ano classe: Prof. Maurício Nome: nº --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

d AB y a x b x a x a

d AB y a x b x a x a Introdução A Geometria Analítica é uma parte da Matemática, que através de processos particulares, estabelece as relações existentes entre a Álgebra e a Geometria. Desse modo, uma reta, uma circunferência

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse: 02/05/2012

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse:  02/05/2012 1. FUNÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO Uma função é um conjunto de pares ordenados de números (x,y) no qual duas duplas ordenadas distintas não podem ter o mesmo primeiro número, ou seja, garante que y seja único para

Leia mais

c) F( 4, 2) r : 2x+y = 3 c) a = 3 F 1 = (0,0) F 2 = (1,1)

c) F( 4, 2) r : 2x+y = 3 c) a = 3 F 1 = (0,0) F 2 = (1,1) Lista de Exercícios Estudo Analítico das Cônicas e Quádricas 1. Determine o foco, o vértice, o parâmetro e a diretriz da parábola P e faça um esboço. a) P : y 2 = 4x b) P : y 2 +8x = 0 c) P : x 2 +6y =

Leia mais

Média, Mediana e Distância entre dois pontos

Média, Mediana e Distância entre dois pontos Média, Mediana e Distância entre dois pontos 1. (Pucrj 01) Se os pontos A = ( 1, 0), B = (1, 0) e C = (, ) são vértices de um triângulo equilátero, então a distância entre A e C é a) 1 b) c) 4 d) e). (Ufrgs

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Circunferência

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Circunferência Exercícios de Matemática Geometria Analítica Circunferência 1. (Pucmg) O gráfico da função real y = f(x) é formado por um segmento de reta com extremos nos pontos, (1, 0) e (3, 2) e pela semicircunferência

Leia mais

Matemática Régis Cortes GEOMETRIA ANALÍTICA

Matemática Régis Cortes GEOMETRIA ANALÍTICA GEOMETRI NLÍTIC 1 GEOMETRI NLÍTIC Foi com o francês René Descartes, filósofo e matemático que surgiu a geometria analítica. issetriz dos quadrantes pares º QUDRNTE ( -, + ) Y ( eio das ORDENDS ) 1º QUDRNTE

Leia mais

FUNÇÕES(1) FUNÇÃO POLINOMIAL DO 2º GRAU

FUNÇÕES(1) FUNÇÃO POLINOMIAL DO 2º GRAU FUNÇÕES(1) FUNÇÃO POLINOMIAL DO º GRAU 1. (Uece 015) Se a função real de variável real, definida por f(1) =, f() = 5 e f(3) =, então o valor de f() é a). b) 1. c) 1. d). f(x) = ax + bx + c, é tal que.

Leia mais

3) O ponto P(a, 2) é equidistante dos pontos A(3, 1) e B(2, 4). Calcular a abscissa a do ponto P.

3) O ponto P(a, 2) é equidistante dos pontos A(3, 1) e B(2, 4). Calcular a abscissa a do ponto P. Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Lista 2: Plano cartesiano, sistema de coordenadas: pontos e retas. 1) Represente no plano cartesiano

Leia mais

Simulado 1 Matemática IME Soluções Propostas

Simulado 1 Matemática IME Soluções Propostas Simulado 1 Matemática IME 2012 Soluções Propostas 1 Para 0, temos: para cada um dos elementos de, valores possíveis em (não precisam ser distintos entre si, apenas precisam ser pertencentes a, pois não

Leia mais

Matemática Básica II - Trigonometria Nota 01 - Sistema de Coordenadas no Plano

Matemática Básica II - Trigonometria Nota 01 - Sistema de Coordenadas no Plano Matemática Básica II - Trigonometria Nota 01 - Sistema de Coordenadas no Plano Márcio Nascimento da Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA Curso de Licenciatura em Matemática marcio@matematicauva.org

Leia mais

A primeira coisa a fazer é saber quais são as equações das curvas quando elas já se encontram na melhor

A primeira coisa a fazer é saber quais são as equações das curvas quando elas já se encontram na melhor Identificação de Cônicas Uma equação do segundo grau ax + bxy + cy + dx + ey + f = 0 define de maneira implícita uma curva no plano xy: o conjunto dos pontos (x, y) que satisfazem a equação. Por exemplo,

Leia mais

{ } Questão 1. Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} Questão 2. Seja o conjunto = { : 0 e 2 2

{ } Questão 1. Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} Questão 2. Seja o conjunto = { : 0 e 2 2 NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos. : conjunto dos números racionais. : conjunto dos números reais. : conjunto dos números inteiros. = 0,,,,.... { } { } * =,,,.... i : unidade imaginária; i =. z=x+iy,

Leia mais

6. Considere. igual a : (A) f (x) + 2x f(x) = 0 (B) f (x) x f(x) = 0 (C) f (x) + f(x) = 0 (D) f (x) f(x) = 0 (E) f (x) 2x f(x) = 0

6. Considere. igual a : (A) f (x) + 2x f(x) = 0 (B) f (x) x f(x) = 0 (C) f (x) + f(x) = 0 (D) f (x) f(x) = 0 (E) f (x) 2x f(x) = 0 QUESTÃO ÚNICA 0,000 pontos distribuídos em 50 itens Marque no cartão de respostas a única alternativa que responde de maneira correta ao pedido de cada item.. O valor da área, em unidades de área, limitada

Leia mais

Geometria Analítica. x + y 4x 6y+ m= 0 e a circunferência C 2 tem. C 2 são tangentes exteriormente, assinale o que for

Geometria Analítica. x + y 4x 6y+ m= 0 e a circunferência C 2 tem. C 2 são tangentes exteriormente, assinale o que for Geometria Analítica 1. (Uerj 15) As baterias B 1 e B de dois aparelhos celulares apresentam em determinado instante, respectivamente, 1% e 9% da carga total. Considere as seguintes informações: - as baterias

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios MATEMÁTICA IV Co Capítulo 04 Ângulos entre Retas; Inequações no Plano; Circunferência 0 D Analisando o gráfico, tem-se que as coordenadas dos estabelecimentos são: 01 A) 03 C Assim,

Leia mais

Matemática B Extensivo v. 8

Matemática B Extensivo v. 8 Matemática B Etensivo v. 8 Eercícios y = Eio real = a = a = C = A + B ( = ( + B B = a y b = D C y = y = 6 9 Daí, a = 6 e b = 9 c = a + b c = 9 + 6 c = c = c = Portanto, a distância focal é dada por: c

Leia mais

Retas Tangentes à Circunferência

Retas Tangentes à Circunferência Retas Tangentes à Circunferência 1. (Fuvest 01) São dados, no plano cartesiano, o ponto P de coordenadas (,6) e a circunferência C de equação um ponto Q. Então a distância de P a Q é a) 15 b) 17 c) 18

Leia mais

Instituto de Matemática UFBA Disciplina: Geometria Analítica Mat A01 Última Atualização ª lista - Cônicas

Instituto de Matemática UFBA Disciplina: Geometria Analítica Mat A01 Última Atualização ª lista - Cônicas Instituto de Matemática UFBA Disciplina: Geometria Analítica Mat A01 Última Atualização - 005 1ª lista - Cônicas 1 0 ) Em cada um dos seguintes itens, determine uma equação da parábola a partir dos elementos

Leia mais

REVISÃO FUVEST Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini

REVISÃO FUVEST Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini REVISÃO FUVEST Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini Aluno :... Questão 1 - (FUVEST SP/014) GEOMETRIA PLANA Uma das piscinas do Centro de Práticas Esportivas da USP tem o formato de três hexágonos

Leia mais

MAT Poli Cônicas - Parte I

MAT Poli Cônicas - Parte I MAT2454 - Poli - 2011 Cônicas - Parte I Uma equação quadrática em duas variáveis, x e y, é uma equação da forma ax 2 +by 2 +cxy +dx+ey +f = 0, em que pelo menos um doscoeficientes a, b oucénão nulo 1.

Leia mais

Exercícios de Geometria Analítica Ponto e Reta

Exercícios de Geometria Analítica Ponto e Reta Exercícios de Geometria Analítica Ponto e Reta ) (FGV-2004) No plano cartesiano, o ponto P que pertence à reta de equação y = x e é eqüidistante dos pontos A(-,) e B(5,7) tem abscissa igual a: a), b),

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos NOTAÇÕES R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos i : unidade imaginária: i = 1 z : módulo do número z C Re(z) : parte real do número z C Im(z) : parte imaginária do número z C

Leia mais

GEOMETRIA PLANA. 1) (UFRGS) Na figura abaixo, o vértice A do retângulo OABC está a 6 cm do vértice C. O raio do círculo mede

GEOMETRIA PLANA. 1) (UFRGS) Na figura abaixo, o vértice A do retângulo OABC está a 6 cm do vértice C. O raio do círculo mede GEOMETRI PLN 1) (UFRGS) Na figura abaixo, o vértice do retângulo O está a 6 cm do vértice. O raio do círculo mede O (a) 5 cm (b) 6 cm (c) 8 cm (d) 9 cm (e) 10 cm ) (UFRGS) Na figura abaixo, é o centro

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Referência: cadernos de aula: Professor Eduardo Wagner

Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Referência: cadernos de aula: Professor Eduardo Wagner Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Referência: cadernos de aula: Professor Eduardo Wagner 3 - Parábolas Definição 1.1: Dados um ponto no plano F e uma reta d no plano, é denominada Parábola

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia 2ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica

Bacharelado em Ciência e Tecnologia 2ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS Bacharelado em Ciência e Tecnologia ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica 008. ) São dados os pontos

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 3 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 3 Professor Marco Costa 1 1. (Fgv 97) Uma empresa produz apenas dois produtos A e B, cujas quantidades anuais (em toneladas) são respectivamente x e y. Sabe-se que x e y satisfazem a relação: x + y + 2x + 2y - 23 = 0 a) esboçar

Leia mais

Exercícios de exames e provas oficiais

Exercícios de exames e provas oficiais mata Exercícios de exames e provas oficiais. Na figura, está representado, no plano complexo, um quadrado cujo centro coincide com a origem e em que cada lado é paralelo a um eixo. Os vértices deste quadrado

Leia mais

TESTES. 5. (UFRGS) Os ponteiros de um relógio marcam duas. horas e vinte minutos. O menor ângulo entre os ponteiros é

TESTES. 5. (UFRGS) Os ponteiros de um relógio marcam duas. horas e vinte minutos. O menor ângulo entre os ponteiros é TESTES (UFRGS) O valor de sen 0 o cos 60 o é 0 (Ufal) Se a medida de um arco, em graus, é igual a 8, sua medida em radianos é igual a ( /) 7 (6/) (6/) (UFRGS) Os ponteiros de um relógio marcam duas horas

Leia mais

1. Sendo (x+2, 2y-4) = (8x, 3y-10), determine o valor de x e de y. 2. Dado A x B = { (1,0); (1,1); (1,2) } determine os conjuntos A e B. 3. (Fuvest) Sejam A=(1, 2) e B=(3, 2) dois pontos do plano cartesiano.

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência ) (Unicamp-000) Sejam A e B os pontos de intersecção da parábola y = x com a circunferência de centro na origem e raio. a) Quais as coordenadas

Leia mais

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE www.elitecampinas.com.br Fone: (19) -71 O ELITE RESOLVE IME 004 PORTUGUÊS/INGLÊS Você na elite das universidades! UNICAMP 004 SEGUNDA FASE MATEMÁTICA www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 51-101 O ELITE

Leia mais

Instituto de Matemática - UFBA Disciplina: Geometria Analítica - Mat A 01 1 a Lista - Cônicas

Instituto de Matemática - UFBA Disciplina: Geometria Analítica - Mat A 01 1 a Lista - Cônicas Instituto de Matemática - UFBA Disciplina: Geometria Analítica - Mat A 0 a Lista - Cônicas. Em cada um dos seguintes itens, determine uma equação da parábola a partir dos elementos dados: (a) foco F (,

Leia mais

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b).

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b). 9 ESTADO PLANO DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES As tensões e deformações em um ponto, no interior de um corpo no espaço tridimensional referenciado por um sistema cartesiano de coordenadas, consistem de três componentes

Leia mais

a média de gols da primeira rodada, M G a média de gols das duas primeiras rodadas e x o número de gols da segunda rodada, tem-se 15 + x 15 M G

a média de gols da primeira rodada, M G a média de gols das duas primeiras rodadas e x o número de gols da segunda rodada, tem-se 15 + x 15 M G MATEMÁTICA O número de gols marcados nos 6 jogos da primeira rodada de um campeonato de futebol foi 5,,,, 0 e. Na segunda rodada, serão realizados mais 5 jogos. Qual deve ser o número total de gols marcados

Leia mais

Distância entre duas retas. Regiões no plano

Distância entre duas retas. Regiões no plano Capítulo 4 Distância entre duas retas. Regiões no plano Nesta aula, veremos primeiro como podemos determinar a distância entre duas retas paralelas no plano. Para isso, lembramos que, na aula anterior,

Leia mais

Prova Vestibular ITA 2000

Prova Vestibular ITA 2000 Prova Vestibular ITA Versão. ITA - (ITA ) Sejam f, g : R R definidas por f ( ) = e g cos 5 ( ) =. Podemos afirmar que: f é injetora e par e g é ímpar. g é sobrejetora e f é bijetora e g é par e f é ímpar

Leia mais

a) b) 5 3 sen 60 o = x. 2 2 = 5. 3 x = x = No triângulo da figura abaixo, o valor do x é igual a: a) 7 c) 2 31 e) 7 3 b) 31 d) 31 3

a) b) 5 3 sen 60 o = x. 2 2 = 5. 3 x = x = No triângulo da figura abaixo, o valor do x é igual a: a) 7 c) 2 31 e) 7 3 b) 31 d) 31 3 Matemática a. série do Ensino Médio Frentes e Eercícios propostos AULA FRENTE Num triângulo ABC em que AB = 5, B^ = º e C^ = 5º, a medida do lado AC é: a) 5 b) 5 c) 5 d) 5 e) 5 Sabendo-se que um dos lados

Leia mais

GABARITO PROVA B GABARITO PROVA A. Colégio Providência Avaliação por Área 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

GABARITO PROVA B GABARITO PROVA A. Colégio Providência Avaliação por Área 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Colégio Providência Avaliação por Área Matemática e suas tecnologias 1ª ETAPA Data: 11/05/2015 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO GABARITO PROVA A GABARITO PROVA B A B C D 1 XXXX xxxxx xxxxx xxxxx 2 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Matemática (Prof. Lara) Lista de exercícios recuperação 2 semestre (2Ano) Fazer todos os exercícios e entregar no dia da prova (1 ponto)

Matemática (Prof. Lara) Lista de exercícios recuperação 2 semestre (2Ano) Fazer todos os exercícios e entregar no dia da prova (1 ponto) Matemática (Prof. Lara) Lista de exercícios recuperação semestre (Ano) Fazer todos os exercícios e entregar no dia da prova (1 ponto) 1-)(MACK) Se A é uma matriz 3 x 4 e B uma matriz n x m, então: a) existe

Leia mais

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prova QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Confira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, conforme o que consta na etiqueta

Leia mais

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prova QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Confira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, conforme o que consta na etiqueta

Leia mais

1ª Aula. Introdução à Geometria Plana GEOMETRIA. 3- Ângulos Consecutivos: 1- Conceitos Primitivos: a) Ponto A. b) Reta c) Semi-reta

1ª Aula. Introdução à Geometria Plana GEOMETRIA. 3- Ângulos Consecutivos: 1- Conceitos Primitivos: a) Ponto A. b) Reta c) Semi-reta 1ª Aula 3- Ângulos Consecutivos: Introdução à Geometria Plana 1- Conceitos Primitivos: a) Ponto A Na figura, os ângulos AÔB e BÔC são consecutivos, portanto AÔC=AÔB+AÔC b) Reta c) Semi-reta d) Segmento

Leia mais

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA 4 APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA Gil da Costa Marques 4.1 Geometria Analítica e as Coordenadas Cartesianas 4. Superfícies 4..1 Superfícies planas 4.. Superfícies limitadas e não limitadas 4.3 Curvas

Leia mais

Escola Secundária de Francisco Franco Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária de Francisco Franco Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Mais exercícios de.º ano: www.prof000.pt/users/roliveira0/ano.htm Escola Secundária de Francisco Franco Matemática.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 000). Seja C o conjunto

Leia mais

ÍNDICE: Relações Métricas num Triângulo Retângulo página: 2. Triângulo Retângulo página: 4. Áreas de Polígonos página: 5

ÍNDICE: Relações Métricas num Triângulo Retângulo página: 2. Triângulo Retângulo página: 4. Áreas de Polígonos página: 5 ÍNDICE: Relações Métricas num Triângulo Retângulo página: Triângulo Retângulo página: 4 Áreas de Polígonos página: 5 Área do Círculo e suas partes página: 11 Razão entre áreas de figuras planas semelhantes

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Áreas de Figuras Planas Lista 4 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Áreas de Figuras Planas Lista 4 Professor Marco Costa 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Ufscar 2001) Considere o triângulo de vértices A, B, C, representado a seguir. a) Dê a expressão da altura h em função de c (comprimento do lado AB) e do ângulo A (formado pelos

Leia mais

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 47 6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Na figura abaixo, seja a reta r e o ponto F de um determinado plano, tal que F não pertence a r. Consideremos as seguintes questões: Podemos obter,

Leia mais

Profª.. Deli Garcia Ollé Barreto

Profª.. Deli Garcia Ollé Barreto CURVAS CÔNICAS Curvas cônicas são curvas resultantes de secções no cone reto circular. Cone reto circular é aquele cuja base é uma circunferência e a projeção do vértice sobre o plano da base é o centro

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Mat Geom Espacial

Exercícios de Aprofundamento Mat Geom Espacial 1. (Fuvest 015) No cubo ABCDEFGH, representado na figura abaixo, cada aresta tem medida 1. Seja M um ponto na semirreta de origem A que passa por E. Denote por θ o ângulo BMH e por x a medida do segmento

Leia mais

1. (Uece) Se, em um polígono convexo, o número de lados n é um terço do número de diagonais, então o valor de n é a) 9. b) 11. c) 13. d) 15.

1. (Uece) Se, em um polígono convexo, o número de lados n é um terço do número de diagonais, então o valor de n é a) 9. b) 11. c) 13. d) 15. 1. (Uece) Se, em um polígono convexo, o número de lados n é um terço do número de diagonais, então o valor de n é a) 9. b) 11. c) 13. d) 15. 2. (Espm) Na figura abaixo, ABCD é um quadrado, BDE é um triângulo

Leia mais

Este trabalho foi licenciado com a Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Este trabalho foi licenciado com a Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada 1. Introdução Definição: Parábola é o lugar geométrico dos pontos do plano cujas distâncias entre uma reta fixa, chamada de reta diretriz, e a um ponto fixo situado fora desta reta, chamado de foco da

Leia mais

Lista de Exercícios de Geometria

Lista de Exercícios de Geometria Núcleo Básico de Engenharias Geometria - Geometria Analítica Professor Julierme Oliveira Lista de Exercícios de Geometria Primeira Parte: VETORES 1. Sejam os pontos A(0,0), B(1,0), C(0,1), D(-,3), E(4,-5)

Leia mais

2 CILINDRO E ESFERA 1 CUBO E ESFERA. 2.1 Cilindro inscrito. 1.1 Cubo inscrito. 2.2 Cilindro circunscrito. 1.2 Cubo circunscrito

2 CILINDRO E ESFERA 1 CUBO E ESFERA. 2.1 Cilindro inscrito. 1.1 Cubo inscrito. 2.2 Cilindro circunscrito. 1.2 Cubo circunscrito Matemática Pedro Paulo GEOMETRIA ESPACIAL XI A seguir, nós vamos analisar a relação entre alguns sólidos e as esferas. Os sólidos podem estar inscritos ou circunscritos a uma esfera. Lembrando: A figura

Leia mais

Prof. Luiz Carlos Moreira Santos. Questão 01)

Prof. Luiz Carlos Moreira Santos. Questão 01) Questão 01) A figura abaixo representa o perfil de uma escada cujos degraus têm todos a mesma extensão (vide figura), além de mesma altura. Se AB = m e BCA mede 0º, então a medida da extensão de cada degrau

Leia mais

Vetores. 2. (G1 - ifpe 2012) Qual o cosseno do ângulo formado pelos vetores A 4. i 3. j e

Vetores. 2. (G1 - ifpe 2012) Qual o cosseno do ângulo formado pelos vetores A 4. i 3. j e Vetores 1. (Uece 2014) Duas únicas forças, uma de 3 N e outra de 4 N, atuam sobre uma massa puntiforme. Sobre o módulo da aceleração dessa massa, é correto afirmar-se que a) é o menor possível se os dois

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À AGRIMENSURA PROF. JORGE WILSON

MATEMÁTICA APLICADA À AGRIMENSURA PROF. JORGE WILSON MATEMÁTICA APLICADA À AGRIMENSURA PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM DEFINIÇÕES GEOMETRIA PLANA Ponto: Um elemento do espaço que define uma posição. Reta: Conjunto infinito de pontos. Dois pontos são

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA - BAGÉ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO DE MATEMÁTICA PIBID

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA - BAGÉ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO DE MATEMÁTICA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA - BAGÉ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO DE MATEMÁTICA PIBID Atividade nº 2 Oficina de Geometria Analítica com uso

Leia mais

Exercícios de Matemática Funções Função Polinomial

Exercícios de Matemática Funções Função Polinomial Exercícios de Matemática Funções Função Polinomial 5. (Unesp) A figura a seguir mostra o gráfico da função polinomial f(x)=ax +x +x,(a 0). 1. (Ufpe) Seja F(x) uma função real, na variável real x, definida

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa D. alternativa B. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa D. alternativa B. alternativa E Questão TIPO DE PROVA: A Os números compreendidos entre 400 e 500, divisíveis ao mesmo tempo por 8 e 75, têm soma: a) 600 d) 700 b) 50 e) 800 c) 50 Questão Na figura, temos os esboços dos gráficos de f

Leia mais

Questão 1 (UFMG) Sendo A = 88 o 20', B = 31 o 40' e C = radianos, a expressão A + B - C é igual a: a) radianos b) 116 o 40' ;

Questão 1 (UFMG) Sendo A = 88 o 20', B = 31 o 40' e C = radianos, a expressão A + B - C é igual a: a) radianos b) 116 o 40' ; APOSTILAS (ENEM) VOLUME COMPLETO Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM) 4 VOLUMES APOSTILAS IMPRESSAS E DIGITAIS Questão 1 (UFMG) Sendo A = 88 o 20', B = 31 o 40' e C = radianos, a expressão A + B - C é

Leia mais

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA X 1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS 1.2 Triângulo equilátero circunscrito A seguir, nós vamos analisar a relação entre alguns polígonos regulares e as circunferências.

Leia mais

PREPARATÓRIO PROFMAT/ AULA 8 Geometria

PREPARATÓRIO PROFMAT/ AULA 8 Geometria PREPARATÓRIO PROFMAT/ AULA 8 Geometria QUESTÕES DISCURSIVAS Questão 1. (PROFMAT-2012) As figuras a seguir mostram duas circunferências distintas, com centros C 1 e C 2 que se intersectam nos pontos A e

Leia mais

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA Geometria Analítica A Geometria Analítica, famosa G.A., ou conhecida como Geometria Cartesiana, é o estudo dos elementos geométricos no plano cartesiano. PLANO CARTESIANO O sistema cartesiano de coordenada,

Leia mais

FUNÇAO DO 2 GRAU. é igual a:

FUNÇAO DO 2 GRAU. é igual a: 1. (Epcar (Afa)) O gráfico de uma função polinomial do segundo grau y f x, que tem como coordenadas do vértice (5, 2) e passa pelo ponto (4, 3), também passará pelo ponto de coordenadas a) (1, 18) b) (0,

Leia mais