MARCHA DE PROTESTO DE TRABALHADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARCHA DE PROTESTO DE TRABALHADORES"

Transcrição

1 o jornol comunltorlo portugus < c3 COLLEGE 5 ANO NUMERO 3 MAlO THE PORTUGUESE COMMUNTY NEWSPAPER TEL TORONTO PRECO AVULSO 25c MGRAAo NO CANADA MENDS MGRANTES EM 975 No n pssdo ' Cnd rcbu 8788 imigrnts4 por cnto mnos do qu m 974 cujo montnt foi d o Ministro d migro spr qu numro d imigrnts nst n ds pr ntr 4 45 mi o dcrscimo mior d imigrnts no no d 975 rlcion-s com os qu sc nomdos por pssos d fmfl i no chgdos (2 por cnto com os indpndnts (3 por cnto o govrno d Ottw st intrssdo m justr ntrd d imigrnts s ncssidds d fors d trblho os objctivs d popuso ncionl diss Andrs A comsr no di d ulho s pssos qu quirm bilhts d sguro socil (socil insurnc crds tro d provr su idntidd No ciddos rcbro um bilht com um idntificyo nx o numro Est lgislo tm como fim controlr imigrnts ilgis os ptros qu lhs do trblhosgundo ministro CDADANA PARA MGRANTES Nst momnto os imigrnts tm d sp-:' rr cinco nos pr rqurr ciddni continu n pgin 5 "''''''-:- - -:--l MARCHA DE PROTESTO DE TRABALHADORES No di 28 d Abril d 976 rlizou-s nuncid mnifsto dos trblh dors d constru9o orgnizd pl Ontrio Fdrtion of Lbour rn protsto contr o controlo d slrios cort ns dspss do govrnorzs qu motivrrn umnto do dsmprgo o motivo d mnifsto no di 28 d Abril foi dvido runio qu 'Ontrio Fdrtion of Lbour Govrnb Provincil rlizm todos os nos n qul os rprsntnts ds "unios" prsntrh su opinio sobr os vrios problms qu os procupm N mnifsto prticiprm crc d 24 trblhdors num mr d cpcts rnrlos d construo corn bndirs protstndo contr govrno Aplvm trnb m pr unidd dos trblhdors grv grl pr qu os ricos pgssm pl cr is conomic Os trblhdors principirrn concntrr-s crc ds 9 hors' form umntndo rn nurnro vindo sr mior mnifsto d trblhdors n hist6ri do Quns Prk Os rprsntnts ds "unios" flrm contr os corts do govrno nos sp 'cts d sud (como fchr hospitis nos srvi9s sociis -(como fchr gncis sociis dy-cr cntrs tc xigirm rspost do govrno um situo comprd corn do sculo XX Foi crscntdo qu s govrno no cbr corn os progrrns d rduo d dspss nos srvios ssnciis s s "unis" no consayors su pvo Vj n pgin sis urn rportgm fotogrfic pr Gultr Torrs qundo d su visit lgurns ilhs dos A9rs trvs d TAP guirm cbr corn ss progrm sro suficintmnt forts pr drrubrm govrno Ern sguid os trblhdors pdirm pr flr corn primiro Ministro do On- continu n pgin 4 Auls d ngls no Vro o YMCA d Collg Dovrcourt vi inicir uls d ngls no Vro durnt di prtir do di 3 d Mio t o fi d Agosto As uls sro todos os dis ds 2s s 6s firs corn os sguintshorrios: ds 9:3 s 2 d :3 s 4 d trd Hvr urn psso pr tomr cont d crincs d 5 nos nqunto s ms tndm s uls Os profssors sro studnts univrsitrios portuguss Hvr clsss pr pssos qu no sbrn nd ou muito pouco d ngls clsss pr pssos qu j tnhm uns conhcimntos bsicos d l{ngu ms quirrn mlhor-l No fim dst curso sr pssdo urn crtificdo os lunos qu mostrm urn minimo d provitrnnto As inscricos sto brts t o di 2 d Mio no YMCA ds 9 s 5 d trd Pr mis inforrnos tlfon pr oo Mdiros Cd luno pgr dolrs no momn to d inscric;:o H urn limit mximo d 7 lunos nst curso

2 2 COMUNDADE Mio Profssors nl izm situo m Portug l \ Rfrindo-s situco mis pr6xim No qu s rfr s lisos os prgrd plos contcimntos d 25 d Notidos Csr Olivir diss qu prtido Nos dis 6 7 d Abril comisso d Socilist tm um dirit um squrvmbro pssdo csr Olivir diss qu Estudos Europus do Progrm d Toronto prtir dst dt houv tnttivs d d ms no momnto ctul ssncil u lvou fito um confrnci d dois dis qu prtido socilist no -s "prt" rprsso d cc s bruxs intituld "A Cris m Portugl" qu tra prtir d niro qum tv inici- Nst momnto qum dfnd rform griu um cntn d pssos As sssos rtiv pol{tic foi dirit s forcs ri Lops Crdoso (PS Prtido Comu ' lizrm-s n Hrt Hous Univrsidd d nist Sindictos Agrrios por trs do PPD CDS PDC qu qurm Toronto contrm com prsn d 3 rsturr cptlsmo rgm ntordors todos ls profssors univrrior Os tqus d dirit prcm sositrios d Portugl Cnd Estdos Unibrtudo num cmpnh d imprns trricsr Olivir dclrou qu h prc dos Frnc vl qu tm por principl lvo squrd As intrvncos dos ordors concntrqu Prtido Socilist no vi fzr incluindo prtido socilist A cmprm-s m spctos rlcondos com rlinc com PPD E n vntulidd d 7 nh d imprns grv-s xtrordinrivoluco d 25 d Abril m Portugl nomdir it chgr o govrno tm d fzr um mnt trvs do Dirio d Notlcis d dmnt um nlis do Movimnto ds Forcois fundmntl s quisr govrnr Rpublic d Cpitl 9s Armds politic conomic s fortm d ssgurr liminco d tod Csr d Olivir rconhcu tmbm qu cs pol{tics s msss trblhdors squrd militr; 2 tm d grntir qu imprns Portugus nts do 25 d Nodntro dss procsso rvolucionrio o prsidnt d rpublic lito h fc vmbro foi ltmnt sctri tv Anlizrm tmbm poc historic qu o pgo Or sgundo constituico tndnci pr mpolr contcimntos ntcdu rvoluco incluindo tmpo Primiro Ministro dsigndo plo PrsiMs nos ultimos tmpos no h smn nd Rpublic os 5 nos d govrno sldnt d RpQblic dpois d ouvir Connhum qu no prs um jornl novo d zrist OUtros topicos nlizdos form slho d Rvoluco Alm disso qulqur dirit o procsso d dscolonizco su imciddo pod lntr-s contr s violos prtidos d dirit concntrrm os pcto m Portugl strtgi militr d cs d ltr do sp{rito d constitui sus tqus m trs frnts: contr gurr m Angol posi fricn d linco Oum finlmnt tm ltim pl dscolonizco 2 contr Rform gr- ; gu Porugus ppl d grj ctovr Conslho d Rvoluco pois no ri 3 contr constituico sobrtulic n polltic portugus h nnhum li qu no sj provd sm do no qu l consgr d fvorvl os Trs profssors univrsitrios portupssr por qul orgo pol{tico Prsitrblhdors tl como controlo oprguss form conviddos pr tomr prt dnt Conslho d Rvoluco podm rcorio nst confrnci sbr: Mrio Murtir mndr lgisl9o concrt pr pr m profssor d Economi do nstituto Supri- """""""""""""""""""""'prtic tori d Constituico > or Tcnico d Lisbo x-ministro d Coordnco Plnmnto Economico no V V govrnos provisorios csr Olivir profssor d invstig9s sociis d UniCsr d Olivir conclui portnto qu vrsidd d Lisbo Administrdor do Bn dirit st mtid num colt d fors co d Portugl no V govrno Antonio tri d pssr ofnsiv violnt Bndir xildo brziliro Profssor d Pr contrblncr podr d dirit so Cincis Polltics do nstituto Suprior h um vi: unidd d squrd sm ntcnico d Lisbo cssrimnt st unidd sr formlizd Tmos d dizr qu confrnci tinh S Prtido Socilist formr govrno um ito muito vsto prsnc d st condndo govrnr squrd ou muit3 ordors m tg curto spco d plo mnos no hostilizr Prtido Cotmpo no fcilltou discussgo dos promunist Flizmnt m Portugl stblms lvntdos com crt profundidd mos condndos unidd d squrd Por st fcto prticipco d udino mximlismo d Rvolu9o m Portugl ci foi svrmnt limitd ' (fzr mximo d rvoluco num curto Vmos dr um rsum do qu os profssosp9 d tmpo foi nocivo problm rs csr Olivir Mirio Murtir xpufundmntl portugus no vi sr rsolsrm n confrnci d Hrt Hous n vido pls licos ms pl lut ds > msss trblhdors pl unidd d srunio pr portuguss rlizd no di 8 no KUM KANG HALL qurd o n{vl militr Ao flr sobr Portugl Csr Olivir Csr Olivir xprimiu opinio d qu hvr um clim grnd d golp d stdo com9u por firmr qu tod gnt co mtu rros tribui isso tmbm um d 26 d Abril 27 d ulho dt ds prcipitc o clrd dos contcimntos licos prsidnciis Csr Olivir prguntou: qu qu n rvoluo Ao msmo tmpo prcu logo d inicio um conflito d strtgis: constituico tm qu flig dirit o rtigo i diz qu Portugl um rpuuns virm no procsso litorl unico o dsnvolvimnto do Cpitlismo m Porblic dmocryic cminho d um socimtodo pr chgr o socilismo nquntugl foi "longo dscontnuo dpndnt dd sm clsss A constituico consto outros no concordvm corn st idi Em Portugl principl dfito foi no gr rform grri irrv{sibilidd htrogno mntm rslduos fudis" ds ncionlizcos dmocrci" d b- Portugl ncontr-s n zon prifric tr hvido um dircco pol{tic cpz do cpitlismo uropu dpndnt d ngls Alm dsso dclr qu ppl ds d unir MFA s msss D qulqur forcs rmds d grntir dmocrci trr Frn Almnh gor d sumodo nm tudo st prdido controlo oprro No s pod vn- ci Estdos Unidos po o litorl crctrizv-s por um cpicr pr socilismo sm dstruir cpitlismo dsnvolvido intrior d Portlismo is rzo por qu dirit tugl crctriz-s plo p-cpitlismo quri dstruir constituico subdsnvolvido o Profssor Mrio Murtir dclrou qu Portugl ctulmnt crctriz-s por um conomi mist com crc d 2 mprss ncionlizds qu rprsntm 25% do produto ncionl 45% do invstimnto FST'FCALZDA ft' COP'Fc Dpois do 25 d Abril invstimnto incom 6 mil ps qudrdos no l-ndr trno xtrno nunc foi posto m cus 6 mil ps qudrdos no 2- lug-s Nst momnto j foi provd polltic st dificio qu pod srvir pr pr invstimnto privdo no h prosloj no primiro ndr pr um pctos pr mis ncionliz 6s fbric d industri lv no sgundo Sgundo profssor Mrio Murtir Fcilidds d stcionmnto Chm plo tlfon Portugl prcis d um pol{tic conomi;z f8-9p:':7 At>crt" no 93 AUGl'STA AVr c d ustridd DFCULDADE PARA ADRETA GOVERNAR f" " HAVERA W CLrA DE GOLPE DE ESTADO DEPENDENCA DE PORTUGAL o } su jornl ' COllltllidod9 Fl'ncll Bllly Slon

3 Comunidd Mio 5976 C-s EDTORAL C o 8 D Portugl Povo Portugus sto d prbns pl rlizco ds primirs li9s livrs pr lgisltur dsd h cinqunt nos Rlizrm-s mihrs d sssos d sclrcimnto por todo pis povo tv possibilidd d poir scolhr os prtidos qu h grdm ou h do miors vn tgns sociis con6mics Em sis mihos d litors mis d oitnt por cnto dos Portuguss votrm um ds mis lts prcntgns m licos dst nturz Sbmos qu s lic5s no so tudo ms sc urn cto CVCO lmportnt s form rlizds nurn splrito d rspito d discusso no sntido d sclrcr os problms scolhr pssos qu s compromtm trblhr pr os rsolvr Os govrnos qu s sguirm pos 25 d Abril tivrm portnto d lidr corn todos sts problms com s trn visto s coiss no trn corrido corn clm sobrtudo dvido s dificuldds qu s crirm mudncs qu tinhm d dr-s invitvlmntmbor fossm contrris os intrsss privilgios d lguns o monopolismo cpitlist foi qubrdo corn ncionlizco dos bncos comp nhis d sguros miors industris ncionis; os povos fricnos conquistrm su indpndnci mbor conti" lnd num tr os s us problms sc Corn pdido d publicco rcbmos dupndnts donos do su futuro; inicim noss litor sguint ou-s rform grri qu stndo ind long d sr stisftori du j Crt brt o Sr Pdr Antro d Mlo lguns pssos dcisivos Alm disso Portugl trn hoj urn constituico droi-m conscinci s no scrvi mocrtic qu rconhc os trblhst missiv pois com ciddg portugus i importnt rconhcr qu Portugl dors dirito d prticipr controqu m przo d sr no podi dixr d dv hoj su librdd o Movimnto lr produdlo m mnifstr Qundo d vind st ci ds Fors Armds qu tv corgm d dd do primiro ministro cndino Sr scudir vlho rgim cduco oprssitodos sts fctos mostrm qu ptrudu d rlizco d mnifstco vo lgdo por Slzr mntido por sr d todos os problms Portugl rqu fui ssistir c6m dvido rspito Ctno Urn rgim qu dixou grnds lizou muits coiss m dois nos ms m dixou profundmnt indignd dif{cis problms por rsolvr tis mnir com Sr Pdr s comportou com dscolonizco Africn qu prosclro qu lguls problms com visto tr bnd d music tocdo hino tou Portugl nurn mrsmo conomico dsmprgo grvdo pl dscolonlzco cndino qul rzo porqu no tocou contribuiu grndmnt pr dividir spctos d ducco mdlcln lnd o hino portugus Qu snhor no qui pls; urn rgim qu mntv um rprsprcism sr rsolvidos Ms sprmos r sr portugus d cordo ms qu ssc contlnu mnutnco d dsigulqu cminho trdo plo Movimnto ds tv nhor no dvri tr fito r fltr o dds conomlcs SOCllS qu no so Forcs Armds continu povo scolh rspito o ptriotismo ds pssos qu mpobrcrm os portuguss ms obrigsmpr quls qu mlhor sibm dfnssistirm o cto rm dois milhos migrr dr os sus intrsss E porqu usnci n sl d um bndir Portugus Sr qu Sr Trudu no vio visitr os Portuguss Afinl qu qu l visitou A qum qu l du vivs ngo foi Portugl os portuguss Nss cso porqu qu snhor no convidou m nom dos sus cornos Cnd Rlizou-s sgundo convlvio fmiespro qu d um vntul visit qu lir do Comunidd no slo do YMCAqu Ms mis fcnhudo d noit foi qu primiro ministro Cndino poss fzr trlu crc d um cntn d pssos A dois snhors bm stidos form pr cs noss comunidd sts rros no s volfst foi divrtid lgr o msmo tm- sm grvt pois s qu trzim form cor- trn rptir E trn vocs dscrmnpo culturl Em cn9s xibiu-s Ros tds por urn psudo-ilusionist qu prom- to d dizrm n TV qu no sc sprmrqus qu ctulmnt fz prt d urn tu voltr mnd-ls dpois d s tists rvist do First Portugus Cndin Club cortr viu os sus podrs mgicos dspsm outro ss unto m subscrvo intituld "o tk it sy" qu dodt Ros Fonsc monstrou grnd tlnto pr cntr fdo cn9o Acompnhrm-n guitrr Antonio Crdoso viol nul d Almid rt is ts mdors j bm conhcidos n comunidd pl su ctu9o m rsturnts Aqui vo os noms d«mis lguns ssiprogrms d tlviso por trm comnnts qu ofrcrm urn dontivo pr pnhdo fdists profissionis tis como ljud do pgmnto d mquin d scrvr Alic Mgin Clst Rodrigus Lidi Ribiro Din Fri Ftim Frrir oamdu Rblo $ quim Dvid fdist mdor don do SLo Antonio Arsnio 5 Dvid no 299 August v no chgou E Estrgdinho ctur por tr chgdo trd dvido no Dvid Cmpbll Frnndo Pingulo 5 tr rcbido indicqos crts sob loos Poncno 5 cl d fst Os rtists cturm grtui- rcr com por ncnto ficndo incpz d oquim Fonsc 5 tmnt visto fst sr pr bnflcio cumprir qu promtr Por isso nd d os Tixir 5 confir m crtos ilusionists dsnvolvimnto do Comunidd os Vicnt Hnriqus 5 Mnul Mrqus fz tmbm monologo Tivmos tmbm honr'd rcbr Ddo" "Snhor dos Pssos" qu provocou muit vid Cmpbll urn cnqontist cndino Totl 5 risd n ssistnci No srvico d br originrio d Guin filho d m pordt $465 tugus Dvid cntou 4 cn9os urn dls s comids mis prcids for m s bifns Totl rcbido pstis d cmro qu dsprcrm intituld "WorkingBoy" outr sobr nts do dibo lmbr os bi9s Aos qu nvirm su dontivo st ms m portugus vrsndo prcismnt ft viafst trminou por volt d mi noitum nuito obrigdo d ds mulhrs crinys portuguss no U n & d CONvivlO DO #lcomunqade" AUDA PARA A MAQUNA " 4t mv- ;sv

4 4 COMUNDADE Mio LdM [W U'l[3Q[Q FORCA DOS TR\BPLHADORES continuco d pgin trio ms no comprcu Urn rprsntnt do NDP n Dns fz guns comntrios opondo-s politic d rduo d dspss do govrno no qu foi pudido pls pssos Em sguid Sturt Smith ldr do prtido Librl n prov{nci do Ontrio dirigiu plvr mss trbvoco d todos os intrsss suprmos d Fstjou-s no pssdo di 25 d Abril hdor vind dos mis difrnts lugrs! commorco do di d Portugl Public- comundd qu prtncm do Ontrio ms foi pupdo plos trbmos sguir mnsgm do Consul d Porhdors prsnts Prguntou st por qu No di qu hoj s commor rlizm-s tugl m Toronto por ltur dqul dt no intrrogvm NDP rzo d no poi rv " m Portugl s lcos d qu rsultr fstiv r Prtido Librl no voto d dsconfi scolh livr dirct plo Povo Portun no govrno d Willim Dvis do Prti 2 - nvrsrlo d Rvo ugus do dstino do su pis concrtizndo Consrvdor isto motivri novs lipss ho] do-s ssim promss fit m 25 d Abril 5s crscntou qu Prtido Librl o d 25 d Abril d 974 di ss qu d 974 Prc dsncssrio frizr no cmpo d sgurn industril-fr por disposicgo d li Portugus pssou importnci impliccbs dos rsultdos msmo qu NDP fizr muito mis sr considfdo com Di d Portugl N qu s vrificrm A smlhnc do qu A minh surprs foi vr tntos trqul dt Movimnto ds For9s Armds > contcr corn s licos d 975 pr blhdors d construo corn prdominnpromtu o Povo Portugus substituico ci d itlinos portuguss ssim com d ditdur vignt por urn rgim dmor Assmbli Constituint form os portuguss qu migrrm pr strngiro chtrblhdors d outrs industris protico qu grntiss librdd pros portuguss mdos xrcr dirito d voto gor tstrm contr govrno Tinhm-m dito pridd d todos os cddos qu no sjm ciddni qu os trblhdors s intrssvm p- sm distinos d clsss crdos ou rcs sm limitcbs ns plo dinhiro plo slrio mis ncrlndo-s os mcnlsmos ncssrlos pr portugus idd d 8 nos d; qu os trblhdors imigrnts rm qu trvs d licos livrs Povo vis Os portuguss no strngro pr busdos no qu diz rspito sgurn s scolhr su dstino long do su pls sntm por vzs mls condios grnti d trblho QUo o procsso rvolucionrio ssim dsncntudmnt nsidd plo futuro d rrds sc sts visos - cddo no obstnt os scolhos surgidos Dvido s dspss qu stblcrno su cminho mntv todvi com prio- Portugl sndo su prclpo n procs' so litorl urn cto CVCO d cpnfn9 -snum PoQVO pis crrt dificuldridd promss fit o Povo d qu d intrss nos dstinos do su pls d dum nov lingu obrigm trblhdor futuro do pls sri ordndo dmocrticapsr d n6mro rduzido d litors imigrnt muits vzs sujitr-s simnt trvs d licos livrs Assim > m trmos comprtivos voto do migrnttuos d xploro h xctmnt urn n rlizrm-s s constituir um prsnc um voz qu Por 28 d Abril foi urn xmplo d qu licos pr Assmbli Constituint n qul os prtidos politicos n propr9o tugl no podr ignorr vir di m qu trblhdor imigrnt do poio populr qu hs foi confrido Nst dt'duplmnt significtiv por-'unido sm distino d r ou cor l" provrm Constituico qu s dstin qu s commor 25 d Abril porqu s vntr cb dir qu no culpdo rgr futuro plitio socil do Povo rlizm s lic8s m Portugl dsjo d cris conomic dst pis qu no Portugus rdntmnt qu todos os portuguss vio trzr ms sim riquz 'd d qu voluco Nngum po duvl s nomdmnt os qu rsidm n Provlnci do Form os imigrnts qu lvntrm do procsso rvolucionrio inicido 25 Ontrio ncontrm no xrclcio do su di- st pls lo su trblho duro dvido d Abril d 974 dprou corn obstculos d rito d voto cminho pr prosprid- o pgmto d slrios bixos nriquc grv idd _qur d ordm in trn qur d d n constru}o d urn Portugl dmocrt- rm ngrndcrm ou plo mnos nordm intrncionl uns prvisivis outros co mis livr mis justo mis frtrno chrm s lgibirs dos snhors mis ri imprvisivis ms tmb m stmos cints cos Vivndo ns prts mis vlhs ds d vontd do Povo Portugus d tingir cidds corn mnos condi6s mnos con formt promtid plo Movimnto ds Forcs tos Por isso qundo cris conomic -' Armds ou sj insturco dum rgim urnnt govrno procur pr s culps dmocrtico m qu rin pz librdnos trblhdors cortm srvios soci- d progrsso pr todos is fchm hospitis m zons suprpopu Nturlmnt qu trnsformco ds lds cortm SUbSldios os jrdins d struturs d urn nco politicnt subinfnci tudo qu jud clss mis miss durnt dcds no pdri procspobr sobrvivr lnm milhrs d sr-s sm sobrssltos dissidncis sa municiplidd mtroplitn d Toronto trblhdors no dsmprgo Enfim t crificios injustics Por outro ldo outorg s pssos d 65 nos d idd pr prc sr li d mis pobr pgr smoportunismo d uns vnturirismo d pr cim (Snior Citizns rsidnts m Tooutros mbio d muitos qu tudo ronto dirito d urn btimnto no pr9 Nst 28 d Abril foi importnt noxigm pouco ou nd ofrcm contribuidos srviyos d trnsport d Comisso d tr' rm lrgmnt pr prjudicr rnovco Trnsito d Toronto - qu os trblhdors tmbm trn d socidd portugus qu todo ciddo Pr obtr s pssgns pl mtd do voz nos problms dst p{s sconscint dos sus diritos dvrs dpr9 corrnt os idosos dvm prnchr tndo dcididos fz-l ouvirj sjri promovr Nm spirito cristo nvir Comisso m form qundo - Qu s"unios" qundo procurm luqu inform N9 Portugus h oito spti9o provd intrssdo rcb tr plos diritos dos trblhdoculos foi cpz d contr pixos violnts urn crto d idntidd corn qu h rs trn urn for considrvl posslvl comprr utilisr s pssgns trs d si A FORA DO POVO TRABA odios cridos por divrgncis pol{tics N form dv-s dclrr nom diqundo qulqur socidd civilizd dlhador QUE ERGUEUESTA CDADE QUE mocrtic trn d ncssrimnt bsr-s r9o tlfon dt d nscimnto FAZ MOVER ESTE PAS E QUE CONTNUA no rspito ds idis d cd urn n da FAZER ENCHER AS ALGBERAS A QUEM do intrssdo qu dv sr ssind por \ TEM DE MAS tstmunh (scrdot dvogdo mdico Consuldo Grl d Portugl MENSAGEM PARA DA DE PORTUGAL CENTRO PARA DOSOS PORTUGUESE Gin STORE & ElECTRONCS CAMARAS * RADOS * GRAVADORES * PORCELANAS Agor corn vnd rpros d rlogios grnt d bnco ou ssistnt socil No Cntro d Ajud os dosos 93 Collg Strt tlfon os idosos podm obtr s form s qu l msmo hs sro prnchids sm rros sm custo OSUE ANLDE MANATA 848 DUNDAS ST W Tl FESTVAL PORTUGUES r"-'=""'::74;'!> Tx hqqhb nocwnnto-6 fqcu" 83 Dunds St w _ o grupo d ttro mdor do First Portugus rlizou no pssdo di 2 urn spctculo no sld d fsts d Hrbord Collgit E pn qu tg pucs pssos tnhm prcido pr pludir os sfor9s d urn grupo d pssos qu durnt mis d urn n trblhrm incsvlmnt Ond r ! ;SOLMAA TRAVEL! TltuYl>polLt ri FRST PORTUGUESE Alvro Hrrn Mdin rtigos d prt ouro - os Hnriqu Borgs lcom! Toronto T ± Pssou-s no di 25 d Abril primiro nivrsrio do progrm d tlviso "Fstivl Portugus" qu trnsmitido todos os domingos n Globl TV Fzmos votos pr qu dirctor do progrm Sr F Alvrz continu prsntr urn fstivl portugus por muitos domingos no futuro stv rro Flt d intrss pr pr t d comunidd Flt d prom9o pr prt do club No sbmos crto qu sfor9 dqul punhdo d gnt mrci urn udinci mior

5 Mio COMUNDADE 5 Volt it su trr smolxr sucs Volt cl su trr onnoso porqu onnosd su trr str mis prto Confi OS sus pnos d vigm o su gnt El tmbm olbor onnoso pr qu su proxim vigm s A su gnt A su lingu E simpti d ssistni TAP vijro onsigo bordo dos nossos vios "A vigm d portuguss corn portuguss Portugl" Cino vzs por smn! Dirtmnt pr Lisbo vi Snt Mri ou Trir TAP brc;o migo ntr o Cd Portugl ' flmi9rr <i POCTORS HOSPTAL PASSARA A CLNCA No di 2 d Abril Primiro Ministro Dvis nunciou qu Doctor's Hospitl pssr sr clnic no di d unho continundo tr scritorios d mdicos lbortorios srvi9s d pquns oprcos rio X hospitl rcbu ordns pr no rcbr donts dpois do di 5 d Mio visr o-pssol qu vi sr dspdido Est Hospitl corn 39 cms 'cont 6 mprgdos mior prt dos quis sro dspdidos Willirn As utoridds do hospitl no citrrn ordm sto movr urn cco no tribunl contr govrno consrvdor q3 COLLECE S TO\ONTO KEN PSLLAS REAL ESTATE LTD REALTOR 596 BLOOR ST W (HEAD OFFCE 852 DANFORTH AVE CASA EM EXCELENTE COND9AO ARGYLE DUFFERN Cs corn 7 qurtos 2 cozinhs 2 qurtos d bnho cv tod brt linh public grgm Chm oo Ris Chm oo Ris GRACAO NO CANADA S iddni for ngd um psso por rzos d sgurnsgundo nov li psso tm dirito d sr visd do motivo Tl informo r imposs(vl continuco d pg nts At dt j ngrm iddni 223 pssos por rzos d sgurny A nov li d No n pssdo foi dd iddni migro spr d 4688 imigrnts Sgundo nov li provso do sndo s rins d fmflis imigrnts po do ssnto rl dm rqurr por si propris om idd prv qu os d 8 nos m vz d 2 dst modopoimigrnts podm dm votr tornr-s iddos A nov li xig qu todos os rqundinos ps 3 rnts (inluindo os inqlss fm jurmnto num tribunl Cr d 4% dos nos no Cnd novos iddos tm sido inglss POHUCU[5E COMMUNTY NEWSPAPER TRANSPORTES AEREOSPORTUGUESES PUBLCACAO DE Movimnto Comunitric Portugus EDTOR Domingos Mrqus MANNNG DUNDAS d6rs d ntrd por st cs sprd dos 2dos corn 2 cozinhs 2 qurtos d bnho 4 qurtos no ndr 5 qurtos no 2! ndr lot d 25 X 29 linh --- public grgm pr 2 crros Hipotc brt pr blnyo por l nos 'Chm oo Ris Shw Hrbord d ntrd por st cs tod m tijol com qurtos 3 coz bsmnt todo br'!o linh public fc; lidd d grgm Chm oo Ris H um vrio d tmpo ntr os grupos qu rqurm su iddni:lnglss lvm d 3 6 nos; Amrinos Dinmrquss Holndss - 4 nos; Chinss ndinos - 6 Anos - ATEN}AO ATENAO Triplx rn tijolo sprdo idl pr 2 ou 3 fm{lis Cozinhs grn ds 3 qurtos d bnho corn 4 p9s cd urn cho rn mdir 3 fogs 3 frigor{ficos 3 "hydro mtrs" 3 tnqus d qcirnnto d gu grgm pr 2 utomovis ind fcilidds d stcionrnnto Est dif{cio fic prto durn prgm d utocrros lojs scols n r d Eglinton Kl Pr9 totl: 9 mil dolrs Entrd d mil dlrs ijmhipotc brt por l nos % Chrn imditrnnt Mr Wdsworth plos tlfons ou

6 :D D :: D ft ft c:::: D c: D

7 y Mio COMUNDADE 7 rlo '- Num dos ultimos jogos ntr os Mpl Lfs os Flyrs vrificou-s st cn curios rn qu os jogdors dixrm d jogr hoqui pr dncrm urn pouco d vls Clro qu dnc urn form d rt ms n6s pgms pr vr hoqui s quisrrnos vr Ultimo tngo rn Pris vrnos o cinm Not-s no ntnto qu os rbitros trnbm qurm bilr sto procurr dividir urn dos prs pr Y-Y mis squrd st dnr com pd fcilmnt dduzir-s Chgou o conhcimnto do mlro qu dvido populridd dstduplo spctculo combinco "bllt- hoqui" rn > Portugl vi sr introduzido "futbolfolclor" corn os jogdors dns:rm vir mlho smpr qu quip d N cs mt urn golo Tl rsoluco st ind sr discutid pois club d Nzr objctou dvido o - tru:-- 6f7f c' f-f-t::;v #" t logo EUSEBO NFORMACAO DESPORTVA 28 d Abril: PORTUGAL VENCEU CANADA' EM ANDEBOL Rrrnnt tlts Portuguss Cndinos s ncontrrn pr disputrm provs dsportivs tlvz motivdo pl long distnci qu spr os dois prss Portugl tv rctmnt oportunidd d dfrontr slcyo Cndin d ndbol nurn jogo con tr pr disput d t9 Ltin dst modlidd rlizdo n cidd d Nic Frn9 rsultdo do pr6lio foi fvorvl os Portuguss qu finlizrm prtid corn urn optim vi4tri d 24-7 golos qu dsmontr um crt supriodd d turrn Lusitn sobr Cndin As quips linhrm mrcrm Portugl - Msquit (Z Antonio ;Dlfim(2 Aris(4 org(3 Gon9lvs(5 Moris ( oo Mnul(7 Pis(l niro(l Filip Crniro Cnd - Powr Chrbonnu(2 Blinski Roy Touignnt(2 Lrnuth(l Portir(4 Vins(8 A not mis sncionl dst crtrn foi jovm sdlcyo Portugus vncr podros tcnicrnnt mis bm ptrchd urrn guls qu ctundo dntro do su proprio prs for drrotd por 3- qu du dirito o conjunto Portugus clssifr-s m trciro lugr corn bstnt mrito conquistr rspctiv mdlh d bronz Como r d sprr Romni um vz mis conquistou:st tc Ltin com j nts conquistr s cinco ntriors pois st modlidd dsportiv st muito ds nvolvid nst rpublic socilist A clssificco finl ficou ssim ordnd: Romni 2 Espnh 3 Portugl 4 Frnc 5 tli 6 Blgic 7 Mrrocos 8 Mxico 9 Cnd l Brsil ntuxl dificuldd d jogr futbol corn s st sjs lm d qu os Pulitiros d Mirnd podrim nurn momnto d chtic corn rbitro dr-lh cbo d crc corn os pulitos Bnfic rgistou j os sus diritos xclusivos o bilinho corridinho pr os nsinr o Sporting Blnnss Porto nos jogos d tc Como podrnos vrificr por st clssi ficyo os nossos irrnos Brsiliros forrn os lntrns vrrnlhos dst compiti9 ms strnos inforrndos qu psr dss dsir trnbm fstjrm honroso trciro lugr dos Lusitnos os Ros EUStBO "FNALMENTE METROS CROATA-4 HARTFORD-l Domingo di 2 d Mio Eusbio voltou form d grn d goldor mrcndo dois bons golos qu so plo su fito oportunismo rvlrrn su ctgori Eusbio ssinlou jogds d blo rcort tcnico urn dls houv qu fz lvntr os spctdors compltmnt rndidos su ntologi Eusbio jogou promtu voltr corn mis golos novs xibi9s su HAMLTON CROATA-2 FRST PORTUGUESE-2 QUERER t PODER First 2 tli No di 2 d Mio corn chuv tornbr intrrninntmnt nm por isso s d ixou d ssistir urn born sptculo: movimnto pgo dciso sprro d lut futbol Tctic crtd d ASSS bm intrprtd plos jogdors qu xcutrrn t o limit ds sus forc;:s Os golos do First forrn pontdos por Crnpinns im o Vitori Stubl lvou fito urn fst d prsntqo dos sus jogdors sbdo di d Mio plntl do Vitori sr constituido por 2 tlts comnddos plo ntigo jogdor do Vitori Stubl d Portugl Sr oo Rsnds Nuno Mdiros CALDENSE ROOFNG Pr qulqur trblho d tlhdos clhs(cnos (novo ou vho Tl: Rs Chm: Sr Frncisco Bus i------; l VESEO SER ASSNANTE VO "CO- MirNVAf'E': ENV $5 VOLARES El! CHEQUE OU MONEY ORDER PARA PONT lac HLlCK Co h 4\ Crros novs usds UMA ASSNATURA ANUAL NOME _ MORAVA TELEFONE --' Pgmnto o ( ACK E SUS CORREA Rprsntnt d vnds 348 Dnforth Av Bus R"s MOVMENTO COMUNTAR PORTUGUtS t CoUg Stlt:t ToltOtU:o Ontnio _

8 8 COMUNDADE Mio r o qu vi po sl ldundo ELECOES PRMARAS NOS ESTADOS UNDOS irnmy Crtr gnhou s icos prim no dl 27 no Estcdo d Pnnsylvnl d Abril Est stim mis importnt vitori do ntigo Govrndor d Gorgi qu provvlmnt sr iito n convn9o Dmocrtic m ulho com cndidto do prtido Dmocrtico pr opor-s Grld Ford (Rpublicno ctul p sidnt dos Estdos Unidos KSSNGER NAO RECEBDO POR 2 PASES AFRCANOS 9 mil profssors do Qubc trn fito frqunts mni stc5s sldo ds u ls pr protstr contr li nti-grv por 8 dis publicd plo Govrno d Bourss no di 2 d Abril Um frnt comurn d 7 mil mmbros qu nvolv d sindicto dos mprgdos publicos incluindo os trblhdors dos hospitis qu tmbm sc pro{bidos d fzr grv juntr m-s m grvs d hors ns ultims smns ENCERRADA POR MOTVOS SANTAROS o scrtrio d Estdo dos Estdos Un idos Hnry Kissingr nurn visit 7 ns6s d Afric n qul condnou titud d Rodsi Afric do Sul pl mnutnco dos sus rgims rcists tv d cnclr su visit o Gn Nigri dvido mnifstcos intrns contr su visit DESEMPREGO NO CANADA A prcntgm d pssos' dsmprgds no Cnd Mro r d 69 ou sj 73 mil trblhdors sgundo Estt{stic Cndin Em Mrqo pssdo hvi msm prcntgm d dsmprgdos o govrno do Ontrio mndou fchr no di 2 urn min d fibrsd sbstos prto d Mtchwn t qu compnhi rduz poluico nl xistnt pr urn nivl > citvl Estudos trn mostrdo urn ligcd ntr inlro d fibrs d sbstos donc d pulmos o lidr do NDP Stphm Lwis iniciou m Fvriro urn cmpnh contr nlvl prigoso do po d sbstos qu podr fctr sud dos 8 mprgdos dqul min Dsd ntd os trblhdors inicirm urn piqut pr obrigr compnhi limpr fbric j NOTiclAS DE PORTUGAL V GOVERNO PROVSORO CONTNUA Apsr ds spculcos surgids p6s s ll9s pr Assmbll d Rpublic V Govrno Provisorio continur govrnr pls t s lic6s d unho pr prsidnci d RpUblic Alis com firmou Mrio Sors rmodl9o do govrno nst momnto sri "urn fctor d dsstbilizco grv pr pls" Qunto o futuro govrno formr dpois dss dt sr diflcil fzr conjcturs Os dirignts socilists continum rcusr qulqur lin dirit ou squrd ' Q ne r AO Os trblhdors portuguss commorrm d Mio Prtndu-s qu s commorcos fossm rigorossmnt prtidris rlizds sob sign d unidd Os fins principis d clbro rm: dfs d librdd dmocrci cumprimnto d constituio cminho d socidd socilist Houv no ntnto indilduos pr qum sts fins nd significm trrorismo mis urn vz blou dbil dmocrci Portugus Um bomb colocd m frnt sd do Prtido Comunist cusou urn morto vrios fridos MELO ANTUNES AFRMA FORAS NEOFASCSTAS PROCURAM SABOTAR RELA(ES COM EX-COLONAS «As rlos ntr Portugl Angol so(rm um cris provocd ssncilmnt como d rsto ptnt no comunicdo do «buru» politico do MPLA por tod um ofnsiv d fors rccionris d dirit qui m Portugl no s6 contr procsso politico ngolno contr MPLA contr os dirignts rspons"is do Estdo ngolno com tmbm contr s fors progrssists qu m Portugl procurm lvr por dint urn projcto politico qu lis ficou bm dmonstrdo ns ultims lios» Plvrs do ministro dos Ng6cios Estrngiros mjor Mlo Antuns o comntr ontm trd m S Bnto nts d runio do Conslho d Ministros suspnso d pssgm d vistos d ntrd ciddos portuguss ordnd plo Govrno d Angol not d protsto qu st Govmo ntrgou m Lund o rprsntnt diplomtico portugus «Esss fors rccionris d dirit» prossguiu Mlo Antuns «sto mpnhds m sbotr no s6 consolido d dmocrci port!!gus com trnsio : "- ;i:;' ort GREVES EM MONTREAL r 2'i$l :' ELEC dst pis pr urn modlo fctivo d socidd mis just mis quilibrd - quilo qu u chmo urn modlo d socilismo dptdo rlidd portugus Esto ind intrssds m prjudicr todo o dsnvolvimnto d rlos quilibrds justs ntr Portugl s x-co6nis sto o qu st dntro do su projcto politico d sbotg m d urn procsso progrssist quilo qu considro muito clrmnt com um tnttiv d rcupro d fors nofscists m Portugl fors qu inflizmnt ncontrm colhimnto m muitos 6rgos d nformo postdos m dstruir prsonlidds m dstruir projctos m contrrir vontd xprss do povo portugus n su cminhd p'r dmocrci socilismo Esss msms fors so fctivmnt s principis rsponsvis pl cris qu s lvnt nst momnto ntr Portugl Angol» Mlo Antuns mbor dmitindo qu ssunto viss sr trtdo m Conslho d Ministros rvlou qu ncrrgdo d Ng6cios d Portugl m Lund (dr Tixir d Mot foi chmdo Lisbo «qu um pnitic norml qundo s rlos ntr dois Estdos sofrm qulqur problm ou ltro» E crscntou: «Agurdo portnto chgd do nosso ncrrgdo d Ng6cios pr d po is Govrno str m condios d dcidin> o mjor Vitor Alvs m i n istro d Educo nvstigo Cintific fz tmbm lgums dclros os jornlists ntrd pr Conslho d Ministros nomdmcnt qunto os possivis cndidtos pr Prsidnci d Rpublic No prlr d Vitor Alvs «hvri vntgm m Prsidnt d Rpublic sr urn militr qu no xclui vidntmnt hip6ts dz podr sr urn civil» Frisou no ntnto qu su opinio r mrmnt pssol NEGOCAf;OES COM MOf;AMBQUE Aind sobr s rlos d Portugl corn s x-col6nis urn informdor do Ministrio d Coopro citdo pl ANOP condnou s tnttivs fits m Portugl «por fors Rlizrm-s no pssdo di 25 d Abril s nuncids lios pr Assmbli d RpUblic Portugus Sgundo firmrm os orgos d informco s msms dcorrrm m clim d pz civismo qu surprndu lguns dos 8 jornlists d qus todo mundo prsnts o contcimnto As dspss ds licos ind sgun7 do fonts oficiis ndou por 2 cntos Os rsultdos publicdos plo Ministrio d Administrco ntrn sujitos ind rctificco so os sgulnts: 4r _:t pcnto 4448 Numro d frgusis Numro d inscritos Numro d votnts Prcntgm d votnts Numro d votos m brnco Prcntgm d votos m brnco Numros d votos nulos Prcntgm d votos nulos Abstnf(os Prcntgm d bstnf(os 82 pcnto pcnto pcnto ----rsultdos nos Considrdos sts trmos d li litorl sguint distribuic&o provisori dos 259 mn " dtos corrspondnts o trrltorlo litorl: Prtido Socilist Prtido Populr Dmocnitico Cntro Dmocrtico Socil Prtido Comunisl Portugus Unio Dmocrtic Populr Flt ind purr os 4 dputdos lgr plo circulo d migro (2 pl Europ 2 plo rsto do mundo purmnto ss qu tr lugr lglmnt prtir do di 5 d Mio Dos comicios sssos d scl rcimnto qu s rlizrm prprr s liqos 5 rlizrm-s m Lisbo crc d no Porto Stubl ssistiu 826 Aviro 653 As populsos mnos contmplds form s dos distritos d Vil Rl Brgn9 ond os com:lcios s"'limitrm rspctivmnt A PCP cb utori do mior nlimro d comlcios ntr todos os prtidos: 223 qu rprsnt 223 por cnto do totl Sgum-s PS corn 952 CDS co 276 UDP corn 257 PPd corn 64 pr os rstnts prtidos hvr qu" rgistr numros bstnt infriors Tmbm no stv usnt violnci qu no foi so vrbl ms pr vzs che;gou o ultimo gru rgistndo-s qutro mortos dzns d fridos CASA ELEGANTE VAS DE OVA E KOl PAS 22 OSSNGTON AVE TORONTO ONTARO rccionris d qu crtos jornis podro sr port-vozs» pr prturbr s ros corn Angol Por outro ldo possibilidd d todo momnto srm rtds s ngocios ntr Portugl Mombiqu foi dmitid por urn port-voz do Ministrio dos Ng6cios Estrngiros qu dintou no hvr nst ltur qulqur ltro ssinlr rltivmnt o problm DF CEKNONA P'\RA CRHN<;\ UDA LETAO!536-45!5 MOOSTA PROFUiSONAl Agnci Portugus d Vigns ;\j "CARSll 3' : :A-W'i --j=3 Qun St W (Prto d Lisgotr Toronto Tlfon: 32 8'

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

ISTARIMOS A razib VINBO ILIGALMINTI?

ISTARIMOS A razib VINBO ILIGALMINTI? ISTARIMOS A razib VINBO ILIGALMINTI? - Est foi prgunt qu fizmos dpois dum convrs corn mmbros do "Liquor Control Bord" m Toronto Explicri dpois Dsd smpr pr nos portuguss 0 vinho foi numr urn ntr tods s

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

TYE PORTUGUESE COMMUNITY NEWSPAPER

TYE PORTUGUESE COMMUNITY NEWSPAPER o iornol comunitorio portugus 93 COLLEGE T ANO NlJrERO 5 JmJHO 0 97E TYE PORTUGUESE COMMUNTY NEWSPAPER TELEFONE 535-866 PPEO TORONTO AVULSO 25c ; NDO MORRE PELO SEU -POVO No di 6 d Mio Nlson Smll Lgs urn

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

MULHER PORTUGUESA EXIGIU DIREITOS. gadas da limpeza em numero de 54, na maioria mulhe'res portuguesas. A companhia nao tinha sindicato

MULHER PORTUGUESA EXIGIU DIREITOS. gadas da limpeza em numero de 54, na maioria mulhe'res portuguesas. A companhia nao tinha sindicato Mis um comtriot morto trblhr Ellos MUniclpls pg.3 ANO NUMERO 6 NOVEMBRO 25 THE PORTUGUESE COMMUNTY NEWSPAPER 1976 Li ns pgins cntris TELEFONE 535-8616 PRE9 AVULSO 25c ASSNATURA $HOO POR ANO MULHER PORTUGUESA

Leia mais

IMIGRANTES ILEGAIS 8ensacional

IMIGRANTES ILEGAIS 8ensacional ; THRD CLASS AL MGRANTES LEGAS 8nscionl NO CANADA &porfm, PPfi2 o jornol comunltorio portugus C}l ANO 11 NUMERO 4 OUTUBRO 1 lq7f: THE PORTUGUESE COMMUNTY NEWSPAPER DEOUTUBRO di d pwolslo ncionl Sgundo

Leia mais

As melhores épocas do ano para viajar para a Europa Sex, 15 de Fevereiro de 2013 11:48 -

As melhores épocas do ano para viajar para a Europa Sex, 15 de Fevereiro de 2013 11:48 - Sx 15 d Fvriro d 2013 11:48 - As mlhors pocs do no pr vijr pr Europ Um bom cordo scolhr nts dpois do príodo stção ocupd do vrão porqu o tmpo n mior prt confortávl prç são bix Europ do sul ofrc tmbm um

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Curso grátis Inglês pr vigm Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Academia de Futebol forma novos talentos TEMOS OFERTA SUFICIENTE E DE QUALIDADE PARA OS MUNÍCIPES. ALA promove cursos

Academia de Futebol forma novos talentos TEMOS OFERTA SUFICIENTE E DE QUALIDADE PARA OS MUNÍCIPES. ALA promove cursos Dirctor: Pulo Pimnt Ano XXI Nº 241 ABRIL 2009 Prço 1.25 (IVA incluido) Lin Andrês Junt d Montlvr consguiu mntr quilibrio págin 6 António Morir Vrdor d Cultur d CM Amdor TEMOS OFERTA SUFICIENTE E DE QUALIDADE

Leia mais

mediadores de seguros, bem como as regras do seguro autom el obrigat io5;

mediadores de seguros, bem como as regras do seguro autom el obrigat io5; PN 960.021: Ag. TC. Amarant; Ag.2: ; Ag.os: Em confr 麩 cia, no Tribunal da Rla 鈬 o do Po rto 1. A Ag. n 縊 s conformou com o dspacho plo qual foram havidos como parts ilg 咜 imas (por consguint, absolvidos

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

ESCOLA DE LÍDERES BRASIL

ESCOLA DE LÍDERES BRASIL ESCOLA DE LÍDERES BRASIL CURSO DE MARKETING MÓDULO I LEITURA COMPLEMENTAR (LC) [ D i g i o c o n ú d o d b r r l r l. T r - s d u m s u p l m n o O MERCADO 1. O Circuio Econômico Sgundo Armndo Krmr, produção

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 Parágrafo único Nos casos m qu o afastamnto s stndr por tmpo suprior ao prvisto, dsd qu autorizada sua prorrogação, fará jus, às diárias corrspondnts ao príodo prorrogado. Art.

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Resumo Executivo. Análise da Cobertura

Resumo Executivo. Análise da Cobertura x f R T V z E s s FQ Z KL o H R ut K qw A O V B U r G M o z Rsumo Excutivo Anális d Cobrtur d Imprns sobr Mulhr Trblho Estudo coordndo pl ANDI Comunicção Diritos plo Instituto Ptríci Glvão no âmbito do

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

hospital. pãg. 6 Cuidado: você pode adoecer no Saiba porque. Pág. 5 Rodar ou dez biriteiros, Estatuto da terra No Brasil, de cada não rodar..

hospital. pãg. 6 Cuidado: você pode adoecer no Saiba porque. Pág. 5 Rodar ou dez biriteiros, Estatuto da terra No Brasil, de cada não rodar.. UFSC Snt A librdd stá m fzr músic indpndnt pág JS ZE j DO Jornlismo Ctrin, bril/1985 Cuiddo: você pod docr no hospitl Sib porqu Pág 5 Esttuto d trr n pãg 6 No Brsil, d cd dz biritiros, um é lcoóltr Pág

Leia mais

SÃO BENTO PORTA ABERTA. 10 a 15. Agosto 2014 Ano LV. n.º 620. Órgão Oficial da Irmandade de São Bento da Porta Aberta Rio Caldo

SÃO BENTO PORTA ABERTA. 10 a 15. Agosto 2014 Ano LV. n.º 620. Órgão Oficial da Irmandade de São Bento da Porta Aberta Rio Caldo SÃO BENTO PORTA ABERTA d Agosto 2014 Ano LV. n.º 620 Órgão Oficil d Irmndd d São Bnto d Port Abrt Rio Cldo 0,50 (iv incluido) 10 15 d Ag osto 14 p i c i t r P i r g l n o ã ç r o n! o t n B. S d fstjr

Leia mais

OLETIM COOPERATIVISTA

OLETIM COOPERATIVISTA O COOPERTIVISMO É DE I N I C I T I V POPULR EM T U D O. TODO ELE É EDIFICDO PEL CTIVIDDE DOS CIDDÃOS OLETIM COOPERTIVIST REDCÇÃO E DMINISTRÇÃO: Ru Cruziro, 1 - Tlf. 63 26 49 - Lisbo-3 COORDENDO POR N.

Leia mais

Que ele é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade. filho de e de. Que ela é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade

Que ele é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade. filho de e de. Que ela é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE ESTADO CIVIL E DE MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES AUSÊNCIA DE IMPEDIMENTO AO CASAMENTO NÓS abaixo assinados, atstamos qu conhcmos: nom complto

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo Vortic Jornl Informtivo sobr Mgntismo ANO II, n.º 03 Arcju/Srgip/Brsil, gosto/2009 jvortic@gmil.com Mgntismo & Espiritismo Durnt um psquis qu rlizi nos Ests Unis sobr o Mgntismo, ncontri vários livros

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Ana Carolina.doc - 1 -

Ana Carolina.doc - 1 - na arolina.doc Me Sento na Rua Tom: Intro:,, Me sento na rua em frente as horas omo a qualquer hora assim mesmo eu sou Sou de qualquer jeito nem tudo eu respeito Pra onde for o vento eu vou Pano de mesa

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos 53. Calcular o valor dos juros pagos por um fiaciamto d capital d giro d $1.500 por cico dias cotratado à taxa d 3% a.m., capitalizada diariamt. Dados: P = $1.500, j = 3% a.m.. k =, m = 5 dias, J =? k

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ«

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ« PROSSOR L M: Trz d átim R. rvh & # m _ Ó Œ bm cm c ri nh n si & # Ó Œ du c tm _ bém. Ns s n, qu ri ri n t, d, ju v cê tm d ns & # 2 4 _ V cê é u m grn d mi g pr fs s r qu ri d qu ns qur tn t ms tr ns s

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA I Aos quinz dias d mês d maio d 2014, ntr Autoridad Para

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

aeads aas pais ignarantss?

aeads aas pais ignarantss? "OUSM ds s pis ignrntss? Est t{tulo tlvz pr rlmsido fort ou msmo i njus to Ms s 1r rsto d his tori comprndr qu inflizmnt h lguns pis n noss comunidd qu prcism d jud d conslhos d instruio Sr ignornt nio

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

ECOBOLETIM ÍNDICE CANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA CDU AO PARLAMENTO EUROPEU 2014

ECOBOLETIM ÍNDICE CANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA CDU AO PARLAMENTO EUROPEU 2014 EOBOLETI Boltim Informtivo d Juvntud do Prtido Ecologist Os Vrds númro 10. ABRIL. 2014. dição smstrl ÍNDIE 02 Abril é o sonho qu s constrói dirimnt 03 Ecolojovm procupd com minto ns scol m difícios públicos

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais