Professor conteudista: Renato Zanini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor conteudista: Renato Zanini"

Transcrição

1 Matemática Básica

2 Professor conteudista: Renato Zanini

3 Sumário Matemática Básica Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES... EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES RESOLVENDO EQUAÇÕES RESOLVENDO INEQUAÇÕES...13 REGRA DE TRÊS SIMPLES: RELAÇÃO DIRETA E INVERSA ENTRE GRANDEZAS PORCENTAGEM: CONCEITOS FUNDAMENTAIS...19 Unidade II 7 FUNÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS REPRESENTAÇÕES... 8 FUNÇÃO DO 1º GRAU... 9 FUNÇÃO DO º GRAU SISTEMA DE EQUAÇÕES (PONTO DE INTERSEÇÃO)...3

4

5 MATEMÁTICA BÁSICA Unidade I APRESENTAÇÃO Caro aluno, 1 0 Sua visitação por conteúdos matemáticos já estudados no Ensino Fundamental e Médio contemplará o objetivo geral da disciplina Matemática Básica que, por sua vez, deseja capacitá-lo na operação com formulações e modelos matemáticos, no desenvolvimento do raciocínio lógico, espírito de investigação e habilidade em solucionar problemas, além de fazê-lo se familiarizar com símbolos, métodos e técnicas matemáticas que ajudem a estimular, organizar o pensamento e, portanto, oferecer ferramentas necessárias para futuras aplicações da matemática nas diferentes áreas profissionais. O material apresentado a seguir está dividido em duas partes. Primeiramente, estudaremos os conjuntos numéricos, suas operações e a resolução de equações e inequações, além de algumas aplicações utilizando regra de três simples e números percentuais. Em seguida, na segunda parte, abordaremos o conceito de Função e suas representações. Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugere-se, como complemento de estudo, a utilização de outras bibliografias. Observação: durante as aulas (estudos e provas), se for necessário, utilize apenas uma simples calculadora para facilitar os cálculos. 1

6 Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES Representações Os números que utilizamos diariamente em nossa vida são organizados por meio de conjuntos. Veja: conjunto dos números naturais: N = {0; 1; ; 3; 4;...}; conjunto dos números inteiros (Z): o conjunto dos números inteiros é formado por todos os elementos do conjunto dos números naturais (números inteiros positivos) e também por todos os números inteiros negativos: Z = {...; 4; 3; ; 1; 0; 1; ; 3; 4;...}; conjunto dos números racionais (Q): um número racional é representado por meio de uma fração. Por exemplo: 1 3 ; ; 3 ; ; ; 1 ; 1 ; 1 ; 3 ;. 9 1 Toda fração pode ser representada de outra maneira se dividirmos o seu numerador pelo seu denominador. Observe os exemplos abaixo: 1 = 1: = 0, 3 = 3: 4 = 0, = 3: = 1, = : 1= 1 8 = 8: 1 = = 1: 3 = 0, (dízima periódica) 7 = 7: 9 = 0, (dízima periódica) 9

7 MATEMÁTICA BÁSICA Portanto, podemos dizer que o conjunto dos números racionais (Q) é formado pelo conjunto dos números inteiros (que podem ser representados na forma de fração) e também por números não inteiros que, necessariamente, são representados por meio de frações e de números decimais; conjunto dos números irracionais (Ir): o conjunto dos números irracionais é formado por números que não se podem expressar como quocientes de dois números inteiros, ou seja, não se podem expressar por meio de fração. Por exemplo: se a raiz quadrada de um número natural não for inteira, é irracional. Logo, são irracionais, 3,, 7, 8, e outros. Tais números são representados por dízimas infinitas e não periódicas. Veja: 1 = 1, = 1, =, ; conjuntos dos números reais (R): reunindo o conjunto dos números irracionais (Ir) e o conjunto dos números racionais (Q), obtemos o conjunto dos números reais (R). A representação dos números reais na reta numérica: Reais Observação: vale lembrar que, entre dois números reais inteiros, existem infinitos outros números reais. Operações relembrando através de exemplos Multiplicação e Divisão em primeiro lugar: +. 7 = + 3 = 37 1 : 3 = = 3

8 Unidade I Distributiva: 3. (4 + 6) = = = 30. ( 6) =. +. ( 6) = 0 30 = 0 Os sinais: 7 4 = = = 3 ( 7). ( 4) = +8 ( 7). (+4) = 8 7. ( 4) = 8 ( 7) : ( 4) = +1,7 ( 7) : (+4) = 1,7 7 : ( 4) = 1,7 Potências: =. = 0. =. (.) =.0 = 00 ( ) = ( ). ( ) = 0 = (. ) = 0 3 =.. = 1 ( ) 3 = ( ). ( ). ( ) = / = 9 = 3 Frações e representações decimais: 7 + = = 7: 3 =, , = + = = : 4 = 1,

9 MATEMÁTICA BÁSICA (Obs.: a fração ½ é equivalente à fração /4) = = = 8: 1 = 0, , : = 6 3 = 6 = 1 (Obs.: multiplica-se a primeira fração pela inversa da segunda) As raízes: 8. = 16 = 4 8 : = 4 = 8 +,83 + 1,41 4,4 (Obs.: 8 + ) 8,83 1,41 1,4 (Obs.: 8 6) ( 8) = =. 3. 1,73 3,46 Subconjuntos de R Interpretando a simbologia: A = {x R x > 3} Quais são os elementos do conjunto A? Resp.: elementos x pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que x são elementos reais maiores que 3. B? B = {x R x } Quais são os elementos do conjunto Resp.: elementos x pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que x são elementos reais menores ou iguais a.

10 Unidade I C = {x R 8 < x < 3} Quais são os elementos do conjunto C? Resp.: elementos x pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que x são elementos reais maiores que 8 (pois -8 < x) e menores que 3 (pois x < 3), ou seja, elementos reais que estão entre os números 8 e 3. EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES Utilizamos as letras para representar ou traduzir, em linguagem matemática, as operações estudadas em aritmética. Tais representações são ferramentas muito úteis na resolução de problemas. Para relembrar: valor numérico de expressões literais: Considere: y = x + x Qual o valor de y quando x =? Resp.: y = () +.() = = 8 1 Considere: p = m3 4m + 3m + Qual o valor de p quando m = 3? Resp.: p = (3) 3 4.(3) + 3.(3) + = 7 4.(9) = = operações com expressões literais: x. x = x 0 x + x = x (b + 3c a) + (3a 4b c) = b + 3c a + 3a 4b c = b + c + a (6x + 1y) = 6x 1y 6

11 MATEMÁTICA BÁSICA ( x + 3y) = + x 3y (9x + 1y) (6x + 1y) = 9x + 1y 6x 1y = 3x + 3y (3c). ( 4c) = 1c.(3x + 4y) = 6x + 8y 3c. (4c c ) = 1c 6c 3 (x + 3y).(x 3y) = x 6xy + 1xy 9y = x + 9xy 9y (1x 3 ) : (3x) = 4x produtos notáveis: (a + b) = (a + b).(a + b) = a + ab + ab + b = a + ab + b (a b) = (a b).(a b) = a ab ab + b = a ab + b (a + b).(a b) = a ab + ab b = a b 3 RESOLVENDO EQUAÇÕES As equações são igualdades envolvendo expressões literais. Por meio da resolução de uma equação, pode-se encontrar um valor desconhecido. Veja: 1 Exemplo 1: y + 6 = (Vamos encontrar y ) y = 6 y = 4 0 y = y = 4 7

12 Unidade I Exemplo : x + 3 = x + 6 (Vamos encontrar x ) x = x x = x + 3 x x = x x + 3 3x = x = x = Exemplo 3: m + 3 = 4m + 6 (Vamos encontrar m ) m = 4m m = 4m + 3 m 4m = 4m 4m + 3 6m = m = m = = = 0, 6 8

13 MATEMÁTICA BÁSICA Exemplo 4: 14 = p + 3 (Vamos encontrar p ) 14 3 = p = p 11 = p,=p Exemplo :.(3t + ) = 4.(t 3) (Vamos encontrar t ) 6t + = 4t 1 6t + = 4t 1 6t = 4t 6t 4t = 4t 4t t = t = 1 t = 11 Exemplo 6: 4n + = 0 (Vamos encontrar n ) 4n + = 0 9

14 Unidade I 4n = 4 4 n = 4 n = = =, 4 Exemplo 7 (Equação do º grau): x 6x = (Vamos encontrar x ) x 6x + = + x 6x + = 0 a = 1 b = 6 c = + = b 4.a.c = ( 6) 4.(1).() = 36 0 = 16 b x = + a ( ) + ( ) x = ( ) ( ) x " = = + 4 = = 6 = 4 = = 1 Exemplo 8 (Equação do º grau): 1 x 9 = 0 (Vamos encontrar x ) a = 1 b = 0 c = 9

15 MATEMÁTICA BÁSICA = b 4.a.c = (0) 4.(1).( 9) = = 36 b x = + a 0 36 ( x = ) + ( 1) 0 36 ( x " = ) ( 1) = = = 3 = 0 6 = 6 = 3 Exemplo 9 (Equação do º grau): x + x = 0 (Vamos encontrar x ) a = b = 1 c = 0 = b 4.a.c = (1) 4.().(0) = 1 0 = 1 b x = + a ( x = ) + ( ) 1 1 = = = ( x " = ) ( ) 1 1 = 1 1 = =

16 Unidade I As equações são ferramentas auxiliares na resolução de vários problemas envolvendo a matemática e o cotidiano. Por exemplo: a) A soma de nossas idades atualmente é 4. Calcule-as, sabendo que sou 7 anos mais velho do que você. Resolução: Seja: x...minha idade atual e x 7...sua idade atual. x + (x 7) = 4 x + x 7 = 4 x 7 = 4 x = x = x = x = 6 1 Portanto, a minha idade atual é 6 anos e a sua idade atual é 6 7 = 19 anos. b) A relação entre o preço de venda e a quantidade vendida de um produto é dada pela equação: Q = 0 4p. Determinar a quantidade de produtos vendidos para p = R$ 1,00. Resolução: 0 Q = 0 4p 1

17 MATEMÁTICA BÁSICA Q = 0 4.(1) Q = 0 60 = 40 unidades do produto. c) A relação entre o preço de venda e a quantidade vendida de um produto é dada pela equação: Q = 0 4p. Determinar o preço p correspondente a 0 unidades de produtos vendidos. Q = 0 4p 0 = 0 4p 0 0 = 0 0 4p 0 = 4p 0 = 4p 4 4 R$ 1,0 = p. 4 RESOLVENDO INEQUAÇÕES 1 As inequações são desigualdades envolvendo expressões literais. Por meio da resolução de uma inequação, podem-se encontrar infinitos valores que satisfazem a uma determinada condição matemática. Os símbolos utilizados nas desigualdades são: > (maior), < (menor), (maior ou igual), (menor ou igual). Exemplo 1: y + 6 > 0 y > 6 y > 4 13

18 Unidade I y > 4 y > ou seja {y R y > } Solução desta inequação: elementos y pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que y são elementos reais maiores que. Exemplo : x + 3 < x + 6 x < x x < x + 3 x x < x x + 3 3x < x < 3 3 x < 1 ou seja {x R x < 1} Solução desta inequação: elementos x pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que x são elementos reais menores que 1. 1 Exemplo 3: m + 3 4m + 6 (Vamos encontrar m ) m m m 4m + 3 m 4m 4m 4m

19 MATEMÁTICA BÁSICA 6m +3 Atenção: é necessário tornar 6m um termo positivo. Por isso, neste caso, dividem-se os dois membros da inequação por 6. 6m > Então, troca-se o sinal por m 3 6 m 1 = 0, m 0, ou seja {m R m 0,} Solução desta inequação: elementos m pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que m são elementos reais menores ou iguais a 0,. Exemplo 4: 14 p p p 11 p, p ou p, Atenção: os sinais ou são invertidos sempre que os membros são trocados. 1 {p R p,} 1

20 Unidade I Solução desta inequação: elementos p pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que p são elementos reais maiores ou iguais a,. Exemplo : 4n + > 0 4n + > 0 4n > 4 n > 4 4 n > = =, n > n >, ou seja {n R n >,} Solução desta inequação: elementos n pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que n são elementos reais maiores que,. Dica importante: Vale observar que, por exemplo, a equação 14 = p + 3 pode ser escrita, também, como p + 3 = 14. Afinal, trata-se de uma igualdade. 1 Já nas desigualdades: Exemplo: a inequação 14 > p + 3 não pode ser escrita como p + 3 > 14, mas sim como p + 3 < 14. Pois, por exemplo, se 1 <, então > 1. 16

21 MATEMÁTICA BÁSICA As inequações, assim como as equações, também são ferramentas auxiliares na resolução de vários problemas envolvendo a matemática e o cotidiano. Por exemplo: a relação entre o preço de venda e a quantidade vendida de um produto é dada pela equação: Q = 90 p. Determinar os valores de p para os quais a quantidade vendida seja de, no mínimo, 40 unidades: Resolução: Q p p p 0 p 0 p 1 Resposta: para que a quantidade de produtos vendidos seja de, no mínimo, 40 unidades, os preços devem ser menores ou iguais a R$,00. 0 REGRA DE TRÊS SIMPLES: RELAÇÃO DIRETA E INVERSA ENTRE GRANDEZAS Exemplo 1 (situação de proporcionalidade direta) Uma empresa acredita que, diminuindo R$ 1,00 no preço de determinado produto, as vendas aumentam cerca de 0 unidades. Suponha que a relação entre o preço do produto e a quantidade vendida seja diretamente proporcional. Neste caso, 17

22 Unidade I uma redução de R$ 18,00 no preço do produto acarretará um aumento na quantidade vendida de: Resolução: R$ 1,00 de redução no preço do produto 0 unidades no aumento de vendas R$ 18,00 de redução no preço do produto? Espera-se que, neste caso, ao aumentarmos a redução no preço do produto, aumentem-se, também, as vendas do mesmo. Trata-se, portanto, de grandezas diretamente proporcionais. Veja: R$ 1,00 0 R$ 18,00 x 1. x = x = x = = 1 30 unidades no aumento de vendas 0 Resposta: quando aumentamos a redução do preço do produto de R$ 1,00 para R$ 18,00, obtemos um aumento nas vendas de 0 unidades para 30 unidades. Exemplo (situação de proporcionalidade inversa) Com 4 pedreiros trabalhando, um muro é construído em 1 dias. Em quantos dias 6 pedreiros construiriam o mesmo muro trabalhando no mesmo ritmo? 18

23 MATEMÁTICA BÁSICA Resolução: 4 pedreiros trabalhando 1 dias de construção 6 pedreiros trabalhando??? Espera-se que, neste caso, ao aumentarmos o número de trabalhadores, o tempo de serviço diminua x Atenção: para tanto, devemos manter uma razão e inverter a outra. Veja: 4 x x = x = x = = dias de serviço 6 Resposta: quando aumentamos o número de trabalhadores de 4 para 6, obtemos uma diminuição no tempo de trabalho de 1 para dias. 6 PORCENTAGEM: CONCEITOS FUNDAMENTAIS Exemplos: a) 1% de

24 Unidade I 0, = 600 b) Salário de R$.300,00 acrescido de 6% de aumento , = = R$.438,00 ou ,06 = R$.438,00 c) Preço de um produto, no valor de R$ 4,00, com desconto de % = 4 4, = R$ 490,0 ou 4. 0,90 = R$ 490,0 d) O salário de um empregado, em janeiro de 0, era de R$.00,00. Se o índice de aumento de salário, deste mesmo mês, em relação a dezembro de 009 foi de 13%, qual o salário real desse empregado em dezembro de 009? 1 x = salário do empregado 1,13. x = x = = R$. 1, , 0 e) A comissão recebida mensalmente por um vendedor é igual a % de seu salário-base. Em determinado mês, foram acrescidos R$ 10,00 à comissão do vendedor. Assim, o valor total da comissão passou a ser igual a % de seu salário-base. Determine, a partir dessas informações, o valor do salário-base do vendedor: 0

25 MATEMÁTICA BÁSICA x = salário-base do vendedor 0,. x + 10 = 0,. x ou seja, R$ 10,00 corresponde a 1% do salário do vendedor. Então, podemos utilizar uma regra de três simples para resolver o problema: 10 1% x 0% 1. x = x = x = = R$ 800,

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº08

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº08 Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 1. Conceitos básicos 3º Ano do Ensino Médio Aula nº08 Assunto: Funções, Equações e Inequações do 1º grau Introdução: Representação de uma equação com 2 variáveis

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são:

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são: FATORAÇÃO Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como produto de outras expressões.

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática / 8º Ano MANUAL ADOTADO: MATEMÁTICA EM AÇÃO 8 (E.B. 2,3) / MATEMÁTICA DINÂMICA 8 (SEDE) GESTÃO DO TEMPO 1º PERÍODO Nº de tempos

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º

Leia mais

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que RADICIAÇÃO Provavelmente até o 8 ano, você aluno só viu o conteúdo de radiciação envolvendo A RAIZ QUADRA Para relembrar: = para calcular a raiz quadrada de, devemos encontrar um número que elevado a seja,

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados.

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados. Conjuntos Numéricos INTRODUÇÃO Conjuntos: São agrupamentos de elementos com algumas características comuns. Ex.: Conjunto de casas, conjunto de alunos, conjunto de números. Alguns termos: Pertinência Igualdade

Leia mais

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE MATEMÁTICA PROVA - 3º BIMESTRE 2011 2º ANO Reconhecer e utilizar

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Matemática Volume: 1 Unidade 1: Série 17 Resoluções Conjuntos 1. A = {1, } O Conjunto A possui dois elementos: 1 e. O total de subconjuntos

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 06. Função do Grau Rafael Carvalho - Engenharia Civil Equações do primeiro grau Equação é toda sentença matemática aberta que exprime uma relação de igualdade.

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática 8.º Ano de Escolaridade

Prova de Aferição de Matemática 8.º Ano de Escolaridade Prova de Aferição de Matemática 8.º Ano de Escolaridade Prova 86 Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. Parte A: 35 minutos (com calculadora) Parte B: 55 minutos

Leia mais

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c IR e Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e

Leia mais

MÓDULO XII. EP.02) Determine o valor numérico da expressão algébrica x 2 yz xy 2 z para x = 1, y = 1 e z = 2. c) y.(y x + 1) +

MÓDULO XII. EP.02) Determine o valor numérico da expressão algébrica x 2 yz xy 2 z para x = 1, y = 1 e z = 2. c) y.(y x + 1) + MÓDULO XII EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 1. Epressão algébrica Em álgebra, se empregam outros símbolos além dos algarismos. Damos o nome de epressão algébrica ao conjunto de letras e números ligados entre si por

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo Domínio Conteúdos Metas Nº de Tempos Previstos Numeros e Operações Números racionais não negativos (Educação Financeira) - Cidadania - Simplificação de frações;

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

Nivelamento Matemática Básica

Nivelamento Matemática Básica Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga Av. Dr. Flávio Henrique Lemos, 8 Portal Itamaracá Taquaritinga/SP CEP 900-000 fone (6) -0 Nivelamento Matemática Básica ELIAMAR FRANCELINO DO PRADO Taquaritinga

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço a ela reservado. Não basta escrever apenas o resultado final: é necessário mostrar os cálculos ou o raciocínio utilizado. Questão Emumasalaháumalâmpada,umatelevisão

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO SISTEMAS DE NUMERAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 4º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 4º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 4º

Leia mais

Denilson Marques ENEM 2013 ENEM 2013 ENEM 2013 ENEM 2013 Números Proporcionais Suponha que x represente os valores de uma grandeza e que y represente os valores correspondentes a outra grandeza.

Leia mais

Números e Operações. Nome: N.ª: Ano: Turma:

Números e Operações. Nome: N.ª: Ano: Turma: MATEMÁTICA 3º CICLO FICHA 1 Números e Operações Números Racionais Nome: N.ª: Ano: Turma: Data: / / 20 Os números 1, 2, 3, 4, 5, chamam-se números naturais. O conjunto dos números naturais representa-se

Leia mais

Mapas de Karnaugh Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Mapas de Karnaugh Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Mapas de Karnaugh Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Mapas de Karnaugh O mapa de Veitch-Karnaugh, ou simplesmente mapa de Karnaugh, é uma tabela montada de forma a facilitar o processo

Leia mais

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA 1 Adição, subtração, multiplicação e divisão de números naturais e decimais Números Naturais Nos dias de hoje, em lugar das pedrinhas, utilizam-se, em todo o mundo,

Leia mais

MATEMÁTICA II. Aula 11. 3º Bimestre. Matrizes Professor Luciano Nóbrega

MATEMÁTICA II. Aula 11. 3º Bimestre. Matrizes Professor Luciano Nóbrega 1 MATEMÁTICA II Aula 11 Matrizes Professor Luciano Nóbrega º Bimestre MATRIZES _ INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO Uma matriz é uma tabela com m linhas e n colunas que contém m. n elementos. EXEMPLO: Ângulo 0º 45º

Leia mais

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 12 blocos Tópico: Números Números e operações/ Álgebra Dízimas finitas e infinitas periódicas Caracterização

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS ÁREA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO CALENDARIZAÇÃO DO ANO LETIVO Período Início Fim Nº Semanas

Leia mais

Aulas Previstas. Objectivos Conteúdos Estratégias/Actividades Recursos Avaliação

Aulas Previstas. Objectivos Conteúdos Estratégias/Actividades Recursos Avaliação Escola E.B. 2.3 de Pedro de Santarém PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 5º ANO 2010/2011 Objectivos Conteúdos Estratégias/Actividades Recursos Avaliação Aulas Previstas Preparar e organizar o trabalho a realizar

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 5

Deixando de odiar Matemática Parte 5 Deixando de odiar Matemática Parte Adição e Subtração de Frações Multiplicação de frações Divisão de Frações 7 1 Adição e Subtração de Frações Para somar (ou subtrair) duas ou mais frações de mesmo denominador,

Leia mais

NOTAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS

NOTAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS Prova de MTMÁTI - Modelo R R R + R + R R Q Q Z Z + Z N N f(x) f(a) log a sen α cos α tg α cotg α cossec α x n! NOTÇÕS MTMÁTIS UTILIZS - conjunto dos números reais - conjunto dos números reais não nulos

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 39/0, de 5 de julho Prova 6/Época Especial Critérios de Classificação 0 Páginas 05 Prova 6/E. Especial CC Página / 0 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Progressão Aritmética e Geométrica Progressão Aritmética Uma sucessão de números na qual a diferença entre dois termos consecutivos é constante, é denominada progressão aritmética,

Leia mais

Álgebra. 4º encontro. Representação das quantidades desconhecidas

Álgebra. 4º encontro. Representação das quantidades desconhecidas PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SME Programa de Formação Continuada (re) Significando Saberes na Educação Infantil e Ensino Fundamental/2011 4º encontro Álgebra Fonte

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM)

Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM) Projeto de Recuperação Final - 1ª Série (EM) Matemática 1 MATÉRIA A SER ESTUDADA Nome do Fascículo Aula Ex de aula Ex da tarefa Funções Inequação do 1º grau, pág 59 2 4,5,6 Funções Inequação do 1º grau,

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na Integrais Duplas em Coordenadas Polares Bibliografia básica: THOMAS, G. B. Cálculo. Vol. Capítulo 1. Item 1.3. STEWAT, J. Cálculo. Vol.. Capítulo 15. Item 15.4. Sabemos que o cálculo da área de uma região

Leia mais

Números e Operações. Nome: N.ª: Ano: Turma:

Números e Operações. Nome: N.ª: Ano: Turma: MATEMÁTICA 3º CICLO FICHA 3 Números e Operações Números Reais Dízimas Finitas e Infinitas Nome: N.ª: Ano: Turma: Data: / / 20 Um número diz-se racional quando pode ser representado por uma fração entre

Leia mais

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano 60 Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano Caderno 1 UNIDADE 1 Significados das operações (adição e subtração) Capítulo 1 Números naturais O uso dos números naturais Seqüência dos números

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática A 10ºano de escolaridade MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO 10 GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Polinômios Lista C Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Polinômios Lista C Professor Marco Costa 1 1. (Fuvest 97) Suponha que o polinômio do 3 grau P(x) = x + x + mx + n, onde m e n são números reais, seja divisível por x - 1. a) Determine n em função de m. b) Determine m para que P(x) admita raiz

Leia mais

NÚMEROS E ÁLGEBRA FUNÇÕES

NÚMEROS E ÁLGEBRA FUNÇÕES Professores: Josiane Caroline Protti Disciplina: Matemática Ano: 1º ano E Período: 1º Bimestre - Atividades com os alunos para - Atividades dos livros didáticos e - Correção das atividades na lousa e individual.

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

Meu nome: Minha Instituição:

Meu nome: Minha Instituição: Meu nome: Minha Instituição: 1. O Teorema Fundamental da Aritmética enuncia que todo número natural maior que 1 ou é primo ou pode ser escrito de forma única, a menos da ordem dos fatores, como produto

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU. y = f(x) = ax² + bx + c, onde a, b e c são constantes reais e. O gráfico de uma função quadrática é uma parábola

FUNÇÃO DO 2º GRAU. y = f(x) = ax² + bx + c, onde a, b e c são constantes reais e. O gráfico de uma função quadrática é uma parábola FUNÇÃO DO 2º GRAU A função do 2º grau está presente em inúmeras situações cotidianas, na Física ela possui um papel importante na análise dos movimentos uniformemente variados (MUV), pois em razão da aceleração,

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID. Subprojeto Matemática Campus Itaqui. RELATÓRIO I Data: 29/04/2015.

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID. Subprojeto Matemática Campus Itaqui. RELATÓRIO I Data: 29/04/2015. RELATÓRIO I Data: 29/04/2015 Objetivo(s) Ampliar noções de Estatística; Analisar e generalizar gráficos e tabelas. Desenvolvimento da práxis pedagógica Moda:O elemento com maior frequência, ou seja, o

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Porcentagem Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Porcentagem Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Porcentagem Prof. Dudan Matemática Porcentagem DEFINIÇÃO: A percentagem ou porcentagem (do latim per centum, significando por cento, a cada centena ) é uma medida de razão

Leia mais

Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática

Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática Análise dos descritores da APR II 4ª série/5º ano Matemática D10 Num problema, estabelecer trocas entre cédulas e moedas do sistema monetário brasileiro, em função de seus valores. O que é? Por meio deste

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Almeirim. Matemática 7.º Ano Propriedades das Operações Aritméticas em Q

Agrupamento de Escolas de Almeirim. Matemática 7.º Ano Propriedades das Operações Aritméticas em Q Agrupamento de Escolas de Almeirim Matemática 7.º Ano Propriedades das Operações Aritméticas em Q Potências A definição usual de potência, remetendo para um expoente natural, reporta-se a uma multiplicação.

Leia mais

6º ano 1 o TRIMESTRE

6º ano 1 o TRIMESTRE ESCOLA ESTADUAL DE BOA VISTA E.F. Disciplina: Matemática Curso: Ensino Fundamental Anos: 6º, 7º, 8º e 9º anos Professores: Eliane R. Vicente Ano Letivo: 2012 II JUSTIFICATIVA PLANO DE TRABALHO DOCENTE

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA A DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 635) 1ª FASE 25 DE JUNHO Grupo I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA A DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 635) 1ª FASE 25 DE JUNHO Grupo I Associação de Professores de Matemática Contactos: Rua Dr. João Couto, n.º 27-A 500-236 Lisboa Tel.: +35 2 76 36 90 / 2 7 03 77 Fa: +35 2 76 64 24 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE QUESTÃO 01 SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES Descritor 11 Resolver problema envolvendo o cálculo de perímetro de figuras planas. Os itens referentes a

Leia mais

JUSPODIVM

JUSPODIVM MATERIAL ETRA COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DA PROVA AFRF - 2005 31 - Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está

Leia mais

Passando do português para a linguagem matemática.

Passando do português para a linguagem matemática. 1 Passando do português para a linguagem matemática. Professor Maurício 2 Um grande problema para quem está estudando matemática pela primeira vez é passar o enunciado (na forma de palavras e escrito em

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 2ª AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2012 MATEMÁTICA

Leia mais

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro.

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. FRAÇÕES O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. Assim, por exemplo, se tivermos uma pizza inteira e a dividimos em quatro

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ. Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas.

REFRAÇÃO DA LUZ. Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas. REFRAÇÃO DA LUZ AULA 18 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas. 2- A REFRAÇÃO A refração ocorre quando a luz ao passar

Leia mais

a n = a.a.a...a Aula 01 _ Revisão de Potência FUNÇÃO EXPONENCIAL a n+1 = (a.a.a...a).a a n+1 = a n.a (a.a.a.a...a).(a.a...

a n = a.a.a...a Aula 01 _ Revisão de Potência FUNÇÃO EXPONENCIAL a n+1 = (a.a.a...a).a a n+1 = a n.a (a.a.a.a...a).(a.a... Aula 01 _ Revisão de Potência FUNÇÃO EXPONENCIAL 1 1) Revisão de Potência Assim: a 1 = a e a n = a.a.a.....a a n+1 = (a.a.a.....a).a 2) Propriedades das Potências P1) a m.a n = a m+n Demonstração: a m.a

Leia mais

Polinômios. 02) Se. (x 1), então. f(x) (x 2) (x 1) 5ax 2b, com a e b reais, é divisível por a b 1. 04) As raízes da equação

Polinômios. 02) Se. (x 1), então. f(x) (x 2) (x 1) 5ax 2b, com a e b reais, é divisível por a b 1. 04) As raízes da equação Polinômios 1. (Ufsc 015) Em relação à(s) proposição(ões) abaixo, é CORRETO afirmar ue: 01) Se o gráfico abaixo representa a função polinomial f, definida em por f(x) ax bx cx d, com a, b e c coeficientes

Leia mais

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Medidas de Dispersão Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Introdução Estudo de medidas que mostram a dispersão dos dados em torno da tendência central Analisaremos as seguintes

Leia mais

POTENCIAÇÂO. A potenciação é uma forma de representar uma multiplicação de fatores iguais.

POTENCIAÇÂO. A potenciação é uma forma de representar uma multiplicação de fatores iguais. POTENCIAÇÂO A potenciação é uma forma de representar uma multiplicação de fatores iguais. A potência é o resultado. x x x cada termo desta multiplicação é chamado de fator, portanto temos 4 fatores iguais

Leia mais

Geometria (X 6 ) Português (X 3 ) Álgebra (X 4 )

Geometria (X 6 ) Português (X 3 ) Álgebra (X 4 ) ROTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS COMPONENTES PRINCIPAIS Consideremos o seguinte exemplo (exercício 6): 15 alunos de uma determinada escola foram sujeitos a testes de 6 disciplinas e os resultados obtidos encontram-se

Leia mais

Funções e gráficos num problema de freagem

Funções e gráficos num problema de freagem Funções e gráficos num problema de freagem Adaptado do artigo de Geraldo Ávila Há situações concretas das quais o professor pode extrair, de maneira espontânea e natural, conceitos importantes e muito

Leia mais

Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação. Subárea de Matemática. Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014

Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação. Subárea de Matemática. Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014 Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação Subárea de Matemática 1 Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014 Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação Subárea de Matemática Profª Marisa Gomes

Leia mais

Sistemas Digitais Circuitos Aritméticos e Representação de Números com Sinal

Sistemas Digitais Circuitos Aritméticos e Representação de Números com Sinal Sistemas Digitais Circuitos Aritméticos e Representação de Números com Sinal João Paulo Baptista de Carvalho (Prof. Auxiliar do IST) joao.carvalho@inesc.pt Circuitos Aritméticos Circuitos aritméticos são

Leia mais

Capítulo V Sistemas Numéricos

Capítulo V Sistemas Numéricos Capítulo V Sistemas Numéricos Introdução Em capítulos anteriores estudamos diversas funções lógicas. No próximo capítulo veremos que operações aritméticas como soma e subtração de números binários podem

Leia mais

Observe na figura mostrada acima que temos duas condições para um circuito em paralelo: fontes em paralelo ou cargas (resistores) em paralelo.

Observe na figura mostrada acima que temos duas condições para um circuito em paralelo: fontes em paralelo ou cargas (resistores) em paralelo. Ao contrário dos circuitos em série, em que a corrente é a mesma em qualquer um dos pontos do circuito, no circuito em paralelo a corrente se divide entre vários pontos de um circuito. Observe na figura

Leia mais

Prática. Exercícios didáticos ( I)

Prática. Exercícios didáticos ( I) 1 Prática Exercício para início de conversa Localize na reta numérica abaixo os pontos P correspondentes aos segmentos de reta OP cujas medidas são os números reais representados por: Exercícios didáticos

Leia mais

04 Fórmulas Matemáticas

04 Fórmulas Matemáticas HEWLETT-PACKARD 04 Fórmulas Matemáticas [Digite o subtítulo do documento] Prof. Rodrigo [Digite aqui o resumo do documento. Em geral, o resumo é uma breve descrição do conteúdo do documento. Digite aqui

Leia mais

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola:

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola: 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova Final a Nível de Escola, nos termos das orientações gerais das condições especiais na realização de provas finais de ciclo para

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Função Trigonométrica II Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Resumo das Principais Relações I sen cos II tg sen cos III cotg tg IV sec cos V csc sen VI sec tg VII csc cotg cos sen Arcos e subtração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE www.elitecampinas.com.br Fone: (19) -71 O ELITE RESOLVE IME 004 PORTUGUÊS/INGLÊS Você na elite das universidades! UNICAMP 004 SEGUNDA FASE MATEMÁTICA www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 51-101 O ELITE

Leia mais

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 Pode-se dizer que a é, em grande parte, trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). A noção de conjunto não é suscetível

Leia mais

Unidade 3 Função Afim

Unidade 3 Função Afim Unidade 3 Função Afim Definição Gráfico da Função Afim Tipos Especiais de Função Afim Valor e zero da Função Afim Gráfico definidos por uma ou mais sentenças Definição C ( x) = 10. x + Custo fixo 200 Custo

Leia mais

B { } e o produto. . Resolve a equação. x admite raízes m e a sua altura mede da base. Calcula o comprimento da diagonal

B { } e o produto. . Resolve a equação. x admite raízes m e a sua altura mede da base. Calcula o comprimento da diagonal Escola Secundária com 3ºCEB de Lousada Ficha de Trabalho de Matemática do 9º ano - nº Data / / 010 Assunto: Preparação para o teste nº Lições nº, e Apresentação dos Conteúdos e Objectivos para o º Teste

Leia mais

Prof. Rivelino Matemática Básica

Prof. Rivelino Matemática Básica NÚMEROS PROPORCIONAIS Números Diretamente Proporcionais Os números de uma sucessão numérica A = ( a, a, a,... a n ) são ditos diretamente proporcionais aos números da sucessão numérica B = ( b,.. n), quando

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 4

Deixando de odiar Matemática Parte 4 Deixando de odiar Matemática Parte 4 Fatoração 2 Quantidade de divisores de um número natural 3 Mínimo Múltiplo Comum 5 Simplificação de Frações 7 Máximo Divisor Comum 8 Método da Fatoração Simultânea

Leia mais

Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) Prof. Guilherme Neves

Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) Prof. Guilherme Neves Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) 31- (ANAC 2016/ESAF) A negação da proposição se choveu, então o voo vai atrasar pode ser logicamente descrita por a) não choveu

Leia mais

Cursinho TRIU 22/04/2010. Física Mecânica Aula 1. Cinemática Escalar Exercícios Resolução

Cursinho TRIU 22/04/2010. Física Mecânica Aula 1. Cinemática Escalar Exercícios Resolução Física Mecânica Aula 1 Cinemática Escalar Exercícios Resolução 1. O ônibus movimenta-se com velocidade constante, sem mudar sua trajetória. Então, tanto a lâmpada quanto o passageiro, que estão dentro

Leia mais

POTENCIAÇÃO, RADICIAÇÃO E LOGARITMAÇÂO NOS NÚMEROS REAIS. Potenciação 1

POTENCIAÇÃO, RADICIAÇÃO E LOGARITMAÇÂO NOS NÚMEROS REAIS. Potenciação 1 POTENCIAÇÃO, RADICIAÇÃO E LOGARITMAÇÂO NOS NÚMEROS REAIS Potenciação 1 Neste texto, ao classificarmos diferentes casos de potenciação, vamos sempre supor que a base e o expoente sejam não nulos, pois já

Leia mais

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016 Planificação a médio e longo prazo Matemática B 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193 Ano letivo 2015/2016 Professor responsável: Paulo Sousa I O programa Matemática B do 11º Ano - Página

Leia mais

Produtos Notáveis. 2 Proposta de ensino Proposta da atividade: O Quadrado da soma Quadrado da diferença. 4

Produtos Notáveis. 2 Proposta de ensino Proposta da atividade: O Quadrado da soma Quadrado da diferença. 4 Programa de Iniciação a Docência em Matemática (UEM 2010)- Outubro 9: 1 9. c PIBID-MAT www.dma.uem.br/pibid Produtos Notáveis Priscila Costa Ferreira de Jesus e Tatiane Oliveira Santos Resumo: Neste trabalho

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DE SALES - MG

CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DE SALES - MG CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DE SALES - MG Resposta dos recursos interpostos contra o Gabarito Oficial Cargo: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS 00241 Betania de Oliveira

Leia mais

Tecnologia em Construções de Edifícios

Tecnologia em Construções de Edifícios 1 Tecnologia em Construções de Edifícios Aula 9 Geometria Analítica Professor Luciano Nóbrega 2º Bimestre 2 GEOMETRIA ANALÍTICA INTRODUÇÃO A geometria avançou muito pouco desde o final da era grega até

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Aula 01 Introdução a Geometria Plana Ângulos Potenciação Radiciação Introdução a Geometria Plana Introdução: No estudo da Geometria Plana, consideraremos três conceitos primitivos:

Leia mais

II Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível II Fase I 2015

II Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível II Fase I 2015 1 2 Questão 1 Artur é muito bom em problemas matemáticos e sempre propõe desafios aos seus colegas. Desta vez, Artur criou uma sequência infinita de letras, juntando as palavras que formavam o nome de

Leia mais