Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula"

Transcrição

1 Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM.

2 ÍNDICE

3 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula tem como objetivo atender ao programa da disciplina Cálculo Diferencial e Integral do curso de Química da Universidade Estadual de Maringá. Será dividido em oito partes: 1. Introdução. Funções Reais a Uma Variável Real e Gráficos; 3. Limites e Continuidade; 4. Derivadas e Aplicações; 5. Integral e Aplicações; 6. Equações Diferenciais Ordinárias; 7. Funções Reais a Várias Variáveis Reais; 8. Diferenciação de Funções Reais a Várias Variáveis Reais; 9. Integração de Funções Reais a Várias Variáveis Reais. 3

4 4 OBJETIVOS DA DISCIPLINA 1 Familiarizar o aluno com o pensamento matemático, indispensável no estudo das Ciências. Possibilitar ao aluno o domínio dos conceitos e das técnicas do Cálculo. 3 Possibilitar ao aluno a aplicação do Cálculo em outras Ciências. AVALIAÇÕES Avaliação AF Data /03 03/05 14/06 3/08 04/10 14/11 04/1 CRONOGRAMA E CONTEÚDO MINISTRADO AULA DIA PARTE ASSUNTO 1 07/0 Introdução - Apresentação da disciplina - Teste de conhecimentos de Matemática Básica 08/0 Introdução - Correção e discussão do Teste da aula anterior. 4

5 Conjuntos Numéricos Vamos supor que o estudante tenha alguma familiaridade com os conjuntos dos números naturais ( N ), inteiros ( Z ), racionais ( Q ), reais ( R ) e complexos ( C ) para estabelecermos alguns fatos necessários ao desenvolvimento do cálculo diferencial e integral. Relembraremos as principais definições e propriedades de cada um deles. O Conjunto dos Números Naturais O conjunto dos números naturais N = {0,1,,3, } com as operações de adição ( + ) e multiplicação ( ) possui as seguintes propriedades: Propriedades: Sejam m, n e p números naturais. Então, tem-se: (a) m + n N (fechamento); (b) m + n = n + m (comutatividade); (c) ( m + n) + p = m + ( n + p) (associatividade); (d) 0 N tal que 0 + m = m (existência de elemento neutro); (e) m n N (fechamento); (f) m n = n m (comutatividade); (g) ( m n) p = m ( n p) (associatividade); (h) 1 N tal que 1 m = m (existência de elemento neutro); (i) m ( n + p) = m n + m p (distributividade). Definição: Dados os números naturais m e n, dizemos que m é menor do que n ( m < n), se existe p N, p 0, tal que n = m + p. Dizemos que m é maior do que n ( m > n), se n < m. Propriedades: Sejam m, n e p números naturais. Então, tem-se: (a) m < n e n < p m < p ; (b) m < n m + p < n + p ; (c) ou m = n ou m < n ou m > n. 5

6 Definição: Dados os números naturais m e n, dizemos que m é menor ou igual a n ( m n), se m < n ou m = n. Analogamente, dizemos que m é maior ou igual a n ( m n), se m > n ou m = n. O conjunto dos naturais é ordenado pela relação " ". Propriedades: Sejam m, n e p números naturais. Então, tem-se: (a) m m ; (b) m n e n m m = n ; (c) m n e n p m p ; (d) m n m + p n + p ; (e) m n ou n m. O Conjunto dos Números Inteiros O conjunto dos números inteiros, que pode ser considerado como Z= { ± n; n N }, estende o conjunto dos números naturais com sua ordem e suas operações e, portanto, é também um conjunto ordenado. Definição: Sejam m e p números inteiros, com p 0. Dizemos que p é um divisor de m, se existe um número inteiro q, tal que m = pq. Um número inteiro m 1 é primo, se os seus únicos divisores são 1 e m. Além das propriedades dos números naturais já mencionadas, valem as seguintes propriedades: (a) Para cada inteiro m, existe um inteiro n, tal que m + n = 0 (existência de elemento oposto); (b) Todo inteiro m pode ser escrito como produto de números primos e essa decomposição é única, exceto pela ordem dos fatores primos (Teorema Fundamental da Aritmética). O inteiro n citado no item a da propriedade anterior é único e denotado por m. 6 6

7 O Conjunto dos Números Racionais O conjunto dos números racionais, que pode considerado como Q = { a ; a, b Z e b 0 b }, estende o conjunto dos números inteiros com sua ordem e suas operações e, portanto, é também um conjunto ordenado. Definição: Os racionais a b e c d são iguais quando a d = b c. As propriedades citadas anteriormente para os números inteiros permanecem verdadeiras para os números racionais. Além daquelas, valem também as seguintes: (a) Para cada racional r 0, existe um racional s, tal que r s = 1 (existência de elemento inverso); (b) Sejam p e q racionais com p < q, então existe um racional w tal que p < w < q. O número s do item a da propriedade acima é único e denotado por 1 ou r 1. r Exercício 1: Mostre que não é número racional. Dica: escreva como um possível quociente de números inteiros e use o Teorema Fundamental da Aritmética. Representação geométrica de Q Podemos identificar o conjunto dos números racionais com pontos de uma reta ordenada. Para conseguirmos isso, devemos tomar uma reta e escolher um ponto P que será identificado com o número 0 Q. Escolhemos uma das semi-retas determinadas pelo ponto P e a identificamos como semi-reta dos números racionais positivos. Escolhemos um ponto S qualquer dessa semi-reta positiva e o identificamos com o número 1 Q. Fixando o segmento de reta PS como unidade de medida, podemos identificar qualquer número racional com um ponto da reta ordenada. 7

8 8 1 P 0 S 1 Para encontrar o ponto da reta identificado com o número racional a b, b > 0, dividimos a unidade de medida PS em b partes iguais e, a partir do ponto P, justapomos a vezes o segmento obtido nessa divisão. Marcaremos o ponto identificado com a na semi-reta positiva, se b a > 0 e o marcaremos na semi-reta oposta à semi-reta positiva, se a < 0. Existe uma pergunta crucial: dado um ponto da reta, sempre existe um racional identificado com ele? O Conjunto dos Números Reais Vimos que todos os números racionais estão identificados com pontos da reta ordenada. Será que existem pontos da reta que não estão identificados com números racionais? Será que existe algum ponto da reta ordenada identificado com? Veja a ilustração abaixo, na qual mostramos que existe um ponto da reta identificado com o número. Nessa figura, construímos um quadrado de lado unitário com um dos lados exatamente sobre um segmento AB da reta. A diagonal desse quadrado tem medida. Se transportarmos essa medida para a reta, marcaremos um ponto M, cuja distância até o ponto A é exatamente igual a unidades. 8

9 1 A 1 B M A partir dessa construção, é possível identificarmos, na reta ordenada, infinitos pontos, como, por exemplo, 5,. 5, 3,,, 3, Mais ainda, a reta ordenada possui outros números que não são racionais e que não podem ser escritos como resultado de extração de raízes sobre números inteiros ou racionais, chamados números transcendentes, tais como os números " e" e " π ". Definição: O conjunto dos números reais é o conjunto numérico formado pela união dos conjuntos dos números racionais e dos não racionais, identificados com os pontos da reta ordenada. Os números reais que não são racionais são chamados de números irracionais. Utilizaremos com certa freqüência alguns subconjuntos de R, tais como: Conjunto dos números reais não-negativos: R + ; Conjunto dos números reais não-nulos: R ; Conjunto dos números reais não-positivos: R. Considerando o conjunto dos números reais, mediante a identificação acima, permanecem válidas todas as propriedades advindas da relação de ordem e das operações dos racionais. 9

10 Devido à importância do conjunto dos números reais, apresentaremos, a seguir, as propriedades válidas para as operações de adição ( + ) e multiplicação ( ) nesse conjunto. Propriedades A1) se x, y R, então x + y R (fechamento); A) se x, y R, então x + y = y + x (comutatividade); A3) se x, y, z R, então x + ( y + z ) = ( x + y ) + z (associatividade); A4) para todo x R, existe 0 R tal que 0 + x = x (existência de elemento neutro); A5) para cada x R, existe y R tal que x + y = 0 (existência de elemento oposto); M1) se x, y R, então x y R (fechamento); M) se x, y R, então x y = y x (comutatividade); M3) se x, y, z R, então x ( y z ) = ( x y) z (associatividade); M4) para todo x R, existe 1 R tal que 1 x = x (existência de elemento M5) para cada } x R, existe y R tal que x y = 1 D) se x, y, z R, então x ( y + z ) = x y + x z (distributividade). 10 neutro); (existência de elemento inverso); O número real y citado na propriedade A5 é único e denotado por x. O número real y citado na propriedade M5 é único e denotado por 1 x 1 ou x. Um conjunto munido com duas operações que satisfazem as propriedades acima é denominado corpo. Assim, R munido das operações de adição e multiplicação é um corpo. O conjunto R é ordenado pela relação de ordem " " e essa ordem é compatível com as operações, isto é, para x, y e z números reais, a) se x y, então x + z y + z ; b) se x y e z 0, então xz yz. Como conseqüência, obtemos as seguintes propriedades para x, y, z e w números reais: 10

11 c) se x y e z 0, então xz yz ; d) se x y 0 e z w 0, então xz yw. Existem outras propriedades dos números reais que não são válidas para os racionais. Elas advêm da relação de ordem e serão estudadas em seguida. Limitantes, Supremos e Ínfimos Definição: Dizemos que um subconjunto não-vazio X R é limitado superiormente, se existe M R tal que x M, para todo x X. Todo número M R, nessas condições, é chamado de limitante superior ou cota superior de X. Segue da definição que se M for cota superior de um conjunto X, então qualquer número real maior do que M também será cota superior de X. Exemplo 1: Consideremos o conjunto X = { x ; x < } R. Vemos, por exemplo, que 3 é um limitante superior para esse conjunto, 10 também é um limitante superior, 531 também, ou seja, podemos obter 11 uma infinidade de cotas superiores para X. Mas será que existe um menor limitante superior para X? Definição: Dizemos que um subconjunto não-vazio X R é limitado inferiormente, se existe m R tal que m x, para todo x X. Todo número m R, nessas condições, é chamado de limitante inferior ou cota inferior de X. Segue da definição que se m for cota inferior de um conjunto X, então qualquer número real menor do que m também será cota inferior de X. Exemplo : Para o conjunto X do Exemplo 1 vemos que, por 315 exemplo, é um limitante inferior, que também é um 1 limitante inferior, que também. 11

12 Perguntamos: existe um maior limitante inferior para esse conjunto X? 1 Definição: Dizemos que um subconjunto não-vazio X R é limitado, se X é limitado superiormente e inferiormente, ou seja, se existe M R + tal que M x M, para todo x X. Exercício : O conjunto C = { x R ;( x + 3) < 1 ou x < } é limitado. Encontre possíveis valores de M que satisfaçam a definição anterior. Definição: Dado um conjunto não-vazio X R, chamamos supremo de X (sup X ) à menor das cotas superiores de X e chamamos ínfimo de X ( inf X ) à maior das cotas inferiores de X. Quando o supremo de X pertencer ao conjunto X, chamamos esse número de máximo de X ( max X ). Do mesmo modo, quando o ínfimo de X pertencer ao conjunto X, o chamaremos de mínimo de X ( min X ). Para subconjuntos de N, Z e Q define-se analogamente supremo, ínfimo, máximo e mínimo. Exemplos 3. Considere novamente o conjunto X = { x ; x < } R. O menor dos limitantes superiores de X é e, portanto, sup X =. Analisando os limitantes inferiores, vemos que inf X =. 4. Tomando { Q ; } X = x x < = X Q, vemos que esse conjunto não possui nem supremo e nem ínfimo em Q. Mas sendo X R limitado superiormente e limitado inferiormente, então existe em R o supremo e o ínfimo de X. Como podemos ver, o conjunto dos números reais tem propriedades diferentes do conjunto dos números racionais, e é isso que torna R um conjunto tão especial. 1

13 5. Considere o conjunto X = { x R ; 1 < x 1}. Vemos que sup X = 1 e, como 1 X, max X = 1. Temos também que inf X = 1 e não existe min X, pois 1 X. Outras propriedades importantes dos números reais são: (a) Propriedade do Supremo: Todo subconjunto não-vazio X R limitado superiormente tem um supremo; (b) Propriedade Arquimediana: Se x, y R, x > 0, então existe n natural tal que n x > y ; (c) Q é denso em R, isto é, dado um número real x qualquer, sempre existe um número racional arbitrariamente próximo de x. O Conjunto dos Números Complexos Os números complexos surgiram da necessidade de resolver equações, como x + 1 = 0, que não têm solução em R. Para resolver esse problema, o conjunto dos números reais foi estendido ao conjunto dos números complexos ( C ). Nesse conjunto, foi introduzido um novo número, 1, denotado por " i " e denominado unidade imaginária. Dessa forma, as soluções da equação x + 1 = 0 são x = i e x = i. Definição: O conjunto dos números complexos é o conjunto dos números da forma a + bi, com a e b reais. Isto é, C = { a + bi; a, b R}. Dado um número complexo z = a + bi, chamamos a de a parte real de z e chamamos b de a parte imaginária de z. Dados os números complexos z = a + bi e w = c + di, as operações de adição e multiplicação em C são definidas por: Adição: z + w = ( a + bi ) + ( c + di ) = ( a + c ) + ( b + d ) i ; Multiplicação: ziw = ( a + bi ) i ( c + di ) = ( ac bd ) + ( bc + ad ) i. O conjunto dos números complexos com essas operações forma um corpo. 13

14 Propriedade: C é algebricamente fechado. Isso significa que, em C, toda equação polinomial tem solução. É importante observarmos que a ordem do corpo dos números reais não se estende ao corpo dos números complexos. De fato, se i > 0, então i deveria ser maior do que zero, mas i = 1< 0. Por outro lado, se i < 0, então i também deveria ser maior do que zero, mas i = 1< 0. Exemplo 6: A adição de dois números complexos pode resultar em um número real. De fato, dado z = a + bi, seja z = a bi, então z + z = a + 0i = a. O número z é denominado conjugado de z. Exercícios 3. Determine o inverso do complexo não-nulo z = a + bi. 4. Calcule 3 i 1 i i + 3i Trabalhando com os Números Reais Desigualdades A seguir, apresentamos alguns exemplos do uso das propriedades da relação de ordem dos números reais. Exemplos 1 7. Vamos resolver a inequação + x < 7 x + 5. Para isso, devemos encontrar todos os números reais que satisfazem a desigualdade. Se x é um número real tal que x < 7x + 5, então, adicionando a ambos os membros da desigualdade, temos 1 + x 1 < 7x + 5 1, 9 ou seja, x < 7x +. Adicionando 7x a ambos os membros dessa 14 14

15 9 desigualdade, temos 5x <. Dividindo ambos os membros dessa 9 desigualdade por 5, obtemos x >. Assim, obtemos o conjunto 10 9 solução S = { x R x > } 10 x Vamos mostrar que se x > 1, então > 0. Por hipótese, x > 1, x 1 x + 3 logo x 1 > 0 e, portanto, x + 3 > 0. Desta forma, > 0, pois o x 1 quociente de números positivos é um número positivo. 9. Será que a recíproca do Exemplo 8 é verdadeira? Ou seja, se x + 3 > 0, então x > 1? A resposta é não. Basta tomar, por exemplo, x 1 x = 4. Módulo de um Número Real Definição: O valor absoluto (ou módulo) de um número real x, denotado por x, é definido como x x, x 0 =. x, x < 0 Segue da definição que o valor absoluto de um número real x é um número positivo ou nulo, isto é, x é sempre um número nãonegativo. Se x corresponde a um ponto P da reta real, então x é a distância entre P e a origem. Propriedades: Sejam x, y e a números reais. Então, tem-se: (a) x = x ; 15

16 16 (b) x = x e x (c) x. y = x. y ; = x ; (d) x y x + y x + y ; (e) x (f) x (g) x (h) x < a se, e somente se, a < x < a, onde a > 0 ; a se, e somente se, a x a, onde a > 0 ; > a se, e somente se, x > a ou x < a, onde a > 0 ; a se, e somente se, x a ou x a, onde a > 0. Demonstração: Faremos a demonstração do item d, deixando a demonstração dos demais itens como exercício. Vamos mostrar inicialmente que x + y x + y. Para todo x real, temos que x x e, portanto, x. y x. y. Assim, x + y = ( x + y ) = x + xy + y = x + xy + y x + xy + y = x + x y + y = ( x + y ) e, portanto, x + y x + y. Vamos agora mostrar que x y x + y. Temos x = x + y y = ( x + y) + ( y ) x + y + y = x + y + y, donde concluímos que x y x + y. Por outro lado, y = y + x x = x + y + ( x ) x + y + x = x + y + x, donde concluímos que y x x + y. Da definição de módulo, temos Então, x y x + y. x y, x y x y =. y x, x < y Intervalos 16

17 Definição: Um intervalo é um subconjunto S Rque satisfaz às seguintes propriedades: (a) S contém mais do que um ponto; (b) Se x1, x S e x1 < x < x, então x S. Proposição: Se a e b são números reais e a < b, então existe x R tal que a < x < b. a + b Demonstração: Basta tomar x =. Nesse caso, tem-se: a + b a + a a + b b + b > = a, ou seja, x > a e < = b, ou seja, x > a e x < b. Portanto, tem-se a < x < b. Como conseqüência desse resultado, dados os números reais a e b, com a < b, qualquer intervalo é descrito por uma das seguintes formas: [ a, b] = { x R ; a x b} ; ( a, b) = { x R ; a < x < b} ; [ a, b) = { x R ; a x < b} ; ( a, b] = { x R ; a < x b} ; (, a) = { x R ; x < a} ; (, a] = { x R ; x a} ; ( a, + ) = { x R ; x > a} ; [ a, + ) = { x R ; x a} ; (, + ) =R. É importante observarmos que os símbolos " + " (mais infinito) e " " (menos infinito) não representam números reais. Os intervalos ( a, b ),(, a) e ( a, + ) são chamados intervalos abertos. Os intervalos [ a, b ], (, a] e [ a, + ) são chamados 17

18 intervalos fechados. Os números reais a e b são chamados extremos do intervalo. Nem sempre os extremos pertencem ao intervalo. O intervalo [ a, b ] contém ambos os extremos, enquanto que o intervalo ( a, b ) não contém nenhum extremo. O intervalo ( a, b] contém apenas o extremo b e o intervalo [ a, + ) contém o seu único extremo a. Exercícios 5. Em cada desigualdade, encontre o conjunto solução, expresse-o com a notação de intervalos e represente-o na reta numérica. a) 5x + > x 6. b) x x < 0 c) 3x 5 < x d) 5 3x < 11 e) 1 x 1 f) x > x + 1 x g) 1 x x 0 h) i) < 3x 7 3 x x 3 + x j) 4 3 > 7 x x 6. Em cada um dos itens a seguir, resolva a equação em x. a) x 3 = b) 5x = 3 x c) x = 3 5x d) x 5 = 3x + 7 e) x x + = 5 7. Em cada desigualdade, encontre o conjunto solução, expresse-o com a notação de intervalos e represente-o na reta numérica. a) x 5 < 1 b) 3x + 5 > c) x 4x + 1 d) 9 x 7x e) 3x + 5 x + 1 f) 3 x 4 + x x 1 g) 3 h) i) x 1 x 1 x 3x

19 8. Use a desigualdade triangular para mostrar que as desigualdades se verificam sob as condições dadas. 1 a) x < e 1 b) x + < e 1 c) x y < e y <, então 3 y + <, então 3 x + <, então 3 7 x y < 6 7 x y < 6 7 y + < 6 9. Expresse as desigualdades a > b + c e a > b c em uma única desigualdade equivalente. 19

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Licenciatura em Ciências da Computação 2010/2011

Licenciatura em Ciências da Computação 2010/2011 Cálculo Licenciatura em Ciências da Computação 2010/2011 Departamento de Matemática e Aplicações (DMA) Universidade do Minho Carla Ferreira caferrei@math.uminho.pt Gab. EC 3.22 Telef: 253604090 Horário

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS . CONJUNTOS NUMÉRICOS.. INTRODUÇÃO Uma exposição sistemática dos conjuntos numéricos, utilizados na Matemática, pode ser feita a partir dos números usados para contar, chamados de números naturais. Estes

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é :

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é : Aula 1 1. Números reais O conjunto dos números reais, R, pode ser visto como o conjunto dos pontos da linha real, que serão em geral denotados por letras minúsculas: x, y, s, t, u, etc. R é munido de quatro

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

1.1 Propriedades básicas dos números reais, axiomática dos números reais.

1.1 Propriedades básicas dos números reais, axiomática dos números reais. I - Funções reais de variável real 1. Números Reais. 1.1 - Números naturais, números relativos, números racionais e números reais. De uma forma muito simples vamos recordar os números: Números Naturais

Leia mais

Curso de Matemática Aplicada.

Curso de Matemática Aplicada. Aula 1 p.1/25 Curso de Matemática Aplicada. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Sistema de números reais e complexos Aula 1 p.2/25 Aula 1 p.3/25 Conjuntos Conjunto, classe e coleção de objetos possuindo

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina.

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. O material completo a ser estudado encontra-se no Capítulo 11 - Seção 1.3 do livro texto da disciplina: Aritmética, A. Hefez,

Leia mais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais É indicado por Subconjuntos de : N N e representado desta forma: N N 0,1,2,3,4,5,6,... - conjunto dos números naturais não nulos. P 0,2,4,6,8,... - conjunto

Leia mais

O Corpo completo dos Números Reais

O Corpo completo dos Números Reais O Corpo completo dos Números Reais Márcio Nascimento da Silva 15 de janeiro de 2009 Resumo Neste trabalho definimos uma estrutura algébrica chamada corpo e a partir de fatos elementares (axiomas), deduzimos

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA 1 PROF. ILYDIO SÁ UNIDADE 1: OS NÚMEROS REAIS

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA 1 PROF. ILYDIO SÁ UNIDADE 1: OS NÚMEROS REAIS 1 UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA 1 PROF. ILYDIO SÁ UNIDADE 1: OS NÚMEROS REAIS Para esta primeira unidade de nosso curso, que adaptamos a partir de material utilizado em curso de

Leia mais

1 A Álgebra do corpo dos números complexos

1 A Álgebra do corpo dos números complexos Números Complexos - Notas de Aulas 1 1 A Álgebra do corpo dos números complexos 1.1 Preliminares Suponhamos fixado no plano um sistema retangular de coordenadas. Como usual, designaremos os pontos do planos

Leia mais

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 REVISÃO

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

Professor conteudista: Renato Zanini

Professor conteudista: Renato Zanini Matemática Básica Professor conteudista: Renato Zanini Sumário Matemática Básica Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES... EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES...6 3 RESOLVENDO EQUAÇÕES...7

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

: p, q Z,q = 0} Os números racionais têm uma expansão decimal finita ou periódoca (os decimais são repetidas): 1 2 =0, 5 ; 2

: p, q Z,q = 0} Os números racionais têm uma expansão decimal finita ou periódoca (os decimais são repetidas): 1 2 =0, 5 ; 2 Capítulo Números reais. Álgebra dos números reais.. O conjunto R Neste curso vamos sempre se referir aos números reais cujo conjunto se nota R. Principais subconjuntos de R: conjunto dos números naturais

Leia mais

dia 10/08/2010

dia 10/08/2010 Número complexo Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/n%c3%bamero_complexo dia 10/08/2010 Em matemática, os números complexos são os elementos do conjunto, uma extensão

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos.

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos (Período: 2016.1) Notas de Aula Capítulo 1: VETORES Ivan Menezes ivan@puc-rio.br

Leia mais

Complementos sobre Números Complexos

Complementos sobre Números Complexos Complementos sobre Números Complexos Ementa 1 Introdução Estrutura Algébrica e Completude 1 O Corpo dos números complexos Notações 3 Interpretação Geométrica e Completude de C 4 Forma Polar de um Número

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero.   Página: E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Números naturais Como somos apresentados aos números? Num primeiro momento, aprendemos

Leia mais

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>.

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>. n. 7 VETORES vetor é um segmento orientado; são representações de forças, as quais incluem direção, sentido, intensidade e ponto de aplicação; o módulo, a direção e o sentido caracterizam um vetor: módulo

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS O conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é uma lista, coleção ou classe de objetods bem

Leia mais

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [.

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [. 6 Embora o conceito de diferencial tenha sua importância intrínseca devido ao fato de poder ser estendido a situações mais gerais, introduziremos agora esse conceito com o objetivo maior de dar um caráter

Leia mais

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Números - Aula 03 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 28 de Fevereiro de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2013106 - Engenharia Mecânica Corpos Vimos que o

Leia mais

Matemática I Capítulo 11 Função Modular

Matemática I Capítulo 11 Função Modular Nome: Nº Curso: Mecânica Integrado Disciplina: Matemática I 1 Ano Prof. Leonardo Data: / /016 Matemática I Capítulo 11 Função Modular 11.1 - Módulo O módulo, ou valor absoluto, de um número real x representado

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados.

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados. Conjuntos Numéricos INTRODUÇÃO Conjuntos: São agrupamentos de elementos com algumas características comuns. Ex.: Conjunto de casas, conjunto de alunos, conjunto de números. Alguns termos: Pertinência Igualdade

Leia mais

Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas

Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas MÓDULO 2 - AULA 18 Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas Objetivos Estudar os cilindros quádricos, analisando suas seções planas paralelas aos planos coordenados e estabelecendo suas

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 206-207 DISCIPLINA / ANO: Matemática A - ºano MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO - Matemática A º ano GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA Professora: Elisandra Figueiredo OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA DEFINIÇÃO 1 Sendo E um conjunto não vazio, toda aplicação f : E E E recebe o nome de operação sobre E (ou em E) ou lei de composição

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis O Corpo dos Números Reais Prof. Doherty Andrade 2005/Agosto/20 Vamos rever algumas coisas que já sabemos sobre o corpo dos números reais. Por corpo entendemos

Leia mais

Números Racionais. Matemática - UEL Compilada em 25 de Março de 2010.

Números Racionais. Matemática - UEL Compilada em 25 de Março de 2010. Matemática Essencial Números Racionais Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 25 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Relacionando

Leia mais

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA AULA 001 1 MATEMÁTICA PROFESSOR AULA 001 MATEMÁTICA DAVIDSON VICTOR 2 AULA 01 - CONJUNTOS NUMÉRICOS CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS É o primeiro e o mais básico de todos os conjuntos numéricos. Pertencem

Leia mais

1.1 Propriedades Básicas

1.1 Propriedades Básicas 1.1 Propriedades Básicas 1. Classi que as a rmações em verdadeiras ou falsas, justi cando cada resposta. (a) Se x < 2, então x 2 < 4: (b) Se x 2 < 4, então x < 2: (c) Se 0 x 2, então x 2 4: (d) Se x

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo. Congruências

MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo. Congruências MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo Congruências Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto.

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano CAMPO MOURÃO 203 Capítulo Conjuntos e Funções Neste capítulo vamos fazer uma breve

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02 1 1.1 Conjuntos Numéricos Neste capítulo, serão apresentados conjuntos cujos elementos são números e, por isso, são denominados conjuntos numéricos. 1.1.1 Números Naturais (N) O conjunto dos números naturais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há 1 Produto Cartesiano Par Ordenado A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há casos entretanto em que a ordem é importante. Daí a necessidade de se introduzir

Leia mais

Notas em Álgebra Linear

Notas em Álgebra Linear Notas em Álgebra Linear 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Definições básicas Uma equação linear, nas variáveis é uma equação que pode ser escrita na forma: onde e os coeficientes são números reais ou complexos,

Leia mais

Conjuntos e sua Representação

Conjuntos e sua Representação Conjuntos e sua Representação Professor: Nuno Rocha nuno.ahcor@gmail.com Conjuntos Um conjunto é o agrupamento de vários elementos que possuem características semelhantes. Exemplos de conjuntos: Países

Leia mais

a 11 a a 1n a 21 a a 2n A = a m1 a m2... a mn

a 11 a a 1n a 21 a a 2n A = a m1 a m2... a mn Matrizes Definição Definição Uma matriz m n é uma tabela de mn números dispostos em m linhas e n colunas a 11 a 1 a 1n a 1 a a n a m1 a m a mn Embora a rigor matrizes possam ter quaisquer tipos de elementos,

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir:

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir: MATRIZES CONCEITO: Um conjunto de elementos algébricos dispostos em uma tabela retangular com linhas e colunas é uma Matriz. A seguir, vemos um exemplo de Matriz de 3 linhas e 4 colunas, e que representaremos

Leia mais

Prof. Doherty Andrade. 25 de outubro de 2005

Prof. Doherty Andrade. 25 de outubro de 2005 Funções Hiperbólicas - Resumo Prof. Doherty Andrade 5 de outubro de 005 Sumário Funções Transcendentes. Função Logaritmo Natural............................ Funções Trigonométricas Hiperbólicas.....................

Leia mais

Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 02 Licenciatura em Matemática Osasco -2010

Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 02 Licenciatura em Matemática Osasco -2010 Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 0 Licenciatura em Matemática Osasco -010 Equações Polinomiais do primeiro grau Significado do termo Equação : As equações do primeiro grau são aquelas que podem

Leia mais

Operações Fundamentais com Números

Operações Fundamentais com Números Capítulo 1 Operações Fundamentais com Números 1.1 QUATRO OPERAÇÕES Assim como na aritmética, quatro operações são fundamentais em álgebra: adição, subtração, multiplicação e divisão. Quando dois números

Leia mais

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit CONSTRUÇÃO DOS REAIS: UM ENFOQUE

Leia mais

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }.

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. ASSUNTO DE MATEMATICA=CONJUNTOS REAIS E ETC. 2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo Divisão Euclidiana Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material

Leia mais

Matemática II /06 - Matrizes 1. Matrizes

Matemática II /06 - Matrizes 1. Matrizes Matemática II - 00/0 - Matrizes Matrizes Introdução Se m e n são números naturais, chama-se matriz real de tipo m n (m vezes n ou m por n) a uma função A : f; ; :::; mg f; ; :::; ng R: (i; j) A (i; j)

Leia mais

1ª Ana e Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

1ª Ana e Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 1ª Ana e Eduardo 8º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 1 Foco: Leitura Compreender e utilizar textos, selecionando dados, tirando conclusões, estabelecendo relações,

Leia mais

Vetores em R n e C n, Vetores Espaciais

Vetores em R n e C n, Vetores Espaciais Capítulo 1 Vetores em R n e C n, Vetores Espaciais 1.1 INTRODUÇÃO A noção de vetor pode ser motivada ou por uma lista de números e índices, ou por meio de certos objetos da Física. Vejamos ambas maneiras.

Leia mais

Números Complexos - Forma Algébrica

Números Complexos - Forma Algébrica Matemática - 3ª série Roteiro 07 Caderno do Aluno Números Complexos - Forma Algébrica I - Introdução ao Estudo dos Números Complexos Desafio: 1) Um cubo tem volume equivalente à soma dos volumes de dois

Leia mais

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0 Lista de exercícios. AL. 1 sem. 2015 Prof. Fabiano Borges da Silva 1 Matrizes Notações: 0 para matriz nula; I para matriz identidade; 1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC calcule A(B + C) B t A

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2016/2017

Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANDRÉ SOARES (150952) Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2016/2017 8º Ano Matemática Períodos 1º Período 2º Período 3º Período Número de aulas previstas (45 minutos)

Leia mais

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 12 blocos Tópico: Números Números e operações/ Álgebra Dízimas finitas e infinitas periódicas Caracterização

Leia mais

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aplicar a definição de domínio fatorial na resolução de problemas. Estabelecer a definição de máximo divisor comum

Leia mais

LCC 2006/2007 Ana Jacinta Soares. Notas sobre a disciplina

LCC 2006/2007 Ana Jacinta Soares. Notas sobre a disciplina Cálculo LCC 2006/2007 Ana Jacinta Soares Notas sobre a disciplina Programa Resumido Capítulo I Capítulo II Capítulo III Capítulo III Capítulo IV Tópicos sobre o corpo dos números reais. Sucessões e séries

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

Exponencial de uma matriz

Exponencial de uma matriz Exponencial de uma matriz Ulysses Sodré Londrina-PR, 21 de Agosto de 2001; Arquivo: expa.tex Conteúdo 1 Introdução à exponencial de uma matriz 2 2 Polinômio característico, autovalores e autovetores 2

Leia mais

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5.

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5. Relações X Funções Considere a equação + =. Embora esta equação tenha duas variáveis, ela possui um número finito de soluções naturais. O conjunto solução desta equação, no universo dos números naturais,

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 4 Conjuntos Numéricos. Rodrigo Hausen. v /9

Bases Matemáticas. Aula 4 Conjuntos Numéricos. Rodrigo Hausen. v /9 Bases Matemáticas Aula 4 Conjuntos Numéricos Rodrigo Hausen v. 2016-6-10 1/9 Números Naturais, Inteiros e Racionais naturais: inteiros: racionais: N = {0, 1, 2,...} Z = {... 2, 1, 0, 1, 2,...} { } p Q

Leia mais

Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas

Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: Matemática A (11º Ano) METAS CURRICULARES/CONTEÚDOS... 1º Período (15 de setembro a 16 de dezembro) Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas

Leia mais

Concurso Público Conteúdo

Concurso Público Conteúdo Concurso Público 2016 Conteúdo 1ª parte Números inteiros e racionais: operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação); expressões numéricas; múltiplos e divisores de números naturais;

Leia mais

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante PLANO CARTESIANO eixo das ordenadas y 2º quadrante 1º quadrante eixo das abscissas O (0, 0) x Origem 3º quadrante 4º quadrante y ordenado do ponto P 4 P P(3, 4) O 3 x abscissa do ponto P No caso, 3 e 4

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 NÚMEROS NATURAIS O sistema aceito, universalmente, e utilizado é o sistema decimal, e o registro é o indo-arábico. A contagem que fazemos: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, e assim

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

OBMEP NA ESCOLA Soluções

OBMEP NA ESCOLA Soluções OBMEP NA ESCOLA 016 - Soluções Q1 Solução item a) A área total do polígono da Figura 1 é 9. A região inferior à reta PB é um trapézio de área 3. Isso pode ser constatado utilizando a fórmula da área de

Leia mais

TEMA TÓPICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS AVALIAÇÃO* Lei dos senos e lei dos cossenos. casos de ângulos retos e obtusos. Resolução de triângulos

TEMA TÓPICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS AVALIAÇÃO* Lei dos senos e lei dos cossenos. casos de ângulos retos e obtusos. Resolução de triângulos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 11º ano Ano Letivo

Leia mais

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 02: CÁLCULO DE LIMITES Neste tópico serão estudadas as técnicas de cálculo de limites de funções algébricas, usando alguns

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 2 GABARITO 22 de junho de 201 1. Em cada um dos itens abaixo, dê, se possível,

Leia mais

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 Pode-se dizer que a é, em grande parte, trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). A noção de conjunto não é suscetível

Leia mais

Definimos como conjunto uma coleção qualquer de elementos.

Definimos como conjunto uma coleção qualquer de elementos. Conjuntos Numéricos Conjunto Definimos como conjunto uma coleção qualquer de elementos. Exemplos: Conjunto dos números naturais pares; Conjunto formado por meninas da 6ª série do ensino fundamental de

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática / 8º Ano MANUAL ADOTADO: MATEMÁTICA EM AÇÃO 8 (E.B. 2,3) / MATEMÁTICA DINÂMICA 8 (SEDE) GESTÃO DO TEMPO 1º PERÍODO Nº de tempos

Leia mais

Matemática Conjuntos - Teoria

Matemática Conjuntos - Teoria Matemática Conjuntos - Teoria 1 - Conjunto: Conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma de representar

Leia mais

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras Silvia Gonçalves Santos Definição 1 Seja R um anel com unidade. O radical de Jacobson de R, denotado por J(R), é o ideal (à esquerda) dado pela

Leia mais

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57 Aula 2 p.1/57 Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Definição e representação Aula 2 p.2/57 Aula 2 p.3/57 Função Definição: Uma função de um conjunto em um conjunto, é uma correspondência

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita 1 Preliminares Neste curso, prioritariamente, estaremos trabalhando com números inteiros mas, quando necessário,

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática A 10ºano de escolaridade MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO 10 GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Programação anual. 6 º.a n o. Sistemas de numeração Sequência dos números naturais Ideias associadas às operações fundamentais Expressões numéricas

Programação anual. 6 º.a n o. Sistemas de numeração Sequência dos números naturais Ideias associadas às operações fundamentais Expressões numéricas Programação anual 6 º.a n o 1. Números naturais 2. Do espaço para o plano Sistemas de numeração Sequência dos números naturais Ideias associadas às operações fundamentais Expressões numéricas Formas geométricas

Leia mais

7º Ano. Planificação Matemática 2014/2015. Escola Básica Integrada de Fragoso 7º Ano

7º Ano. Planificação Matemática 2014/2015. Escola Básica Integrada de Fragoso 7º Ano 7º Ano Planificação Matemática 2014/2015 Escola Básica Integrada de Fragoso 7º Ano Domínio Subdomínio Conteúdos Objetivos gerais / Metas Números e Operações Números racionais - Simétrico da soma e da diferença

Leia mais