Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.: Rogério Dias Dalla Riva

2 Conjuntos Numéricos 1.Conjunto dos números naturais 2.Conjunto dos números inteiros 3.Conjunto dos números racionais 4.Conjunto dos números reais 5.Intervalos 6.Conjunto dos números complexos 7.Resumo

3 1. Conjunto dos números naturais Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números N = { 0,1,2,3, } O conjunto N N { 0} * é denotado por = { 1,2,3, } N * OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se A * = A { 0} 3

4 1.1. Propriedades dos números naturais Neste conjunto são definidas duas operações fundamentais, a adição e a multiplicação, que apresentam as seguintes propriedades, onde : a, b, c N 4

5 1.1. Propriedades dos números naturais [A.1] Associativa da adição ( a + b) + c = a + ( b + c) [A.2] Comutativa da adição a + b = b + a [A.3] Elemento neutro da adição a + 0 = a 5

6 1.1. Propriedades dos números naturais [M.1] Associativa da multiplicação ( ab) c = a( bc) [M.2] Comutativa da multiplicação ab = ba [M.3] Elemento neutro da multiplicação a 1= a 6

7 1.1. Propriedades dos números naturais [D] Distributiva da multiplicação relativamente à adição a( b + c) = ab + ac 7

8 1.2. A adição e a multiplicação nos números naturais N O conjunto é fechado para a adição e a multiplicação, ou seja, a soma dos números naturais é sempre um número natural e o produto de números naturais é sempre um número natural. Em símbolos escrevemos: a, b N,( a + b) N e ( a b) N Note que a subtração e a divisão nem sempre têm significado no conjunto dos números naturais. Por exemplo, 5 7 N e 10 3 N. Por isso, o conjunto subtração e a divisão. N não é fechado para a 8

9 2. Conjunto dos números inteiros Chama-se conjunto dos números inteiros símbolo o conjunto formado pelos números Z {, 3, 2, 1,0,1,2,3, } Z = 9

10 2. Conjunto dos números inteiros distinguimos três subcon- No conjunto juntos notáveis: Z { 0,1,2,3, } Z = = N + conjunto dos inteiros não negativos { } Z =, 3, 2, 1,0 conjunto dos inteiros não positivos {, 3, 2, 1,1,2,3, } * Z = conjunto dos inteiros não nulos 10

11 2.1. Propriedades dos números inteiros Neste conjunto são definidas também as operações de adição e multiplicação, que apresentam, além de [A.1], [A.2], [A.3], [M.1], [M.2], [M.3] e [D], a propriedade: [A.4] Simétrico ou oposto para a adição a Z a Z Para todo existe tal que a + ( a) = 0 11

12 2.1. Propriedades dos números inteiros Devido à propriedade [A.4], podemos definir emz a operação de subtração, estabelecendo que a b = a + ( b) para todos a, b Z 12

13 2.2. Operações no conjunto dos números inteiros Z O conjunto é fechado para a adição, a multiplicação e a subtração. Isto é, a adição, a multiplicação e a subtração de dois números inteiros resulta sempre num número inteiro. Em símbolos escrevemos: a, b Z,( a + b) Z, ( a b) Z e ( a b) Z 13

14 2.3. Os números inteiros e a reta Os números inteiros podem ser representados sobre uma reta orientada por meio do seguinte procedimento: a) sobre a reta estabelecemos um sentido positivo e um ponto O (origem), que representa o inteiro 0 (zero): 0 14

15 2.3. Os números inteiros e a reta b) A partir de 0, no sentido positivo, marcamos um segmento unitário u 0 cuja extremidade representará o inteiro 1: c) para cada inteiro positivo n, a partir de 0, marcamos um segmento de medida nu no sentido positivo cuja extremidade representará n e marcamos um segmento de medida nu no sentido negativo cuja extremidade representará o inteiro n. u u u u u u u u u

16 2.3. Os números inteiros e a reta Exercício 1: Quais das proposições abaixo são verdadeiras? 2 N ( ) Z ( ) N ( )( ) a) 0 f) 3 b) 2 3 g) 4 5 Z c) N Z h) 0 Z ( ) d) N Z = Z i) 5 11 Z e) Z Z + = +

17 2.3. Os números inteiros e a reta Exercício 2: Sabendo que um número inteiro p é primo quando p 0, 1 e -1, e D p = {1, -1, p e p}, pergunta-se: Quais dos elementos de Z, abaixo relacionados, não são primos? { 12, 13,0,5,31, 1,2, 4,1,49,53 } 17

18 3. Conjuunto dos números racionais Dado um número inteiro q 1 e 1, o inverso 1 de q não existe em Z : Z. Por isso não podemos q definir emz a operação de divisão, dando significado ao símbolo. A superação dessa dificuldade p q se dará com a introdução dos números racionais. 18

19 3. Conjunto dos números racionais Chama-se conjunto dos números racionais símbolo Q o conjunto dos pares ordenados (ou frações) a, em que a Z e b Z *, para os quais b adotam-se as seguintes definições: 1 a ) igualdade: a c = ad = b d 2 a a c ad + bc ) adição: + = b d bd 3 a ) multiplicação: a c = b d ac bd bc 19

20 3. Conjunto dos números racionais No conjuntoq destacamos os subconjuntos: Q + : conjunto dos racionais não negativos Q : conjunto dos racionais não positivos Q * : conjunto dos racionais não nulos 20

21 3. Conjunto dos números racionais Na fração a, a é o numerador e b o denominador. Se a e b são primos entre si, isto é, se b mdc(a, b) = 1, dizemos que a é uma fração irredutível. Assim, as frações 2 b, 3 e 7 são irredutíveis, mas 6 não é

22 3. Conjunto dos números racionais São válidas as mesmas propriedades formais vistas para os números inteiros. Além dessas, temos também a seguinte: [M.4] Simétrico ou inverso para a multiplicação a b Q a b 0 Para todo e, existe b a b b a tal que a Q = 1 22

23 3. Conjunto dos números racionais Devido à propriedade [M.4], podemos * definir emq a operação de divisão, estabelecendo que a c a d = b d b c para a e c racionais quaisquer não nulos. b d 23

24 3.1. Representação decimal Notemos que todo número racional a pode b ser representado por um número decimal. Passa-se um número racional a para a forma de número b decimal dividindo o inteiro a pelo inteiro b. Na passagem de uma notação para outra podem ocorrer dois casos: 24

25 3.1. Representação decimal 1 o ) o número decimal tem uma quantidade finita de algarismos, diferentes de zero, isto é, uma decimal exata. Exemplos: ,5 1 = 2 = 1 0,05 20 = = 0,027 25

26 3.1. Representação decimal 2 o ) o número decimal tem uma quantidade infinita de algarismos que se repetem indefinidamente, isto é, uma dízima periódica. Exemplos: 1 0,333 0,3 (período 3) 3 = = 2 0, , (período ) 7 = = 11 1,8333 1,83 (período 3) 6 = = 26

27 3.1. Representação decimal Podemos notar também que todo número na forma de decimal exata ou de dízima periódica pode ser convertido à forma de fração a e, portanto, representa um número racional. b 27

28 3.1. Representação decimal Quando a decimal é exata, podemos transformá-lo em uma fração cujo numerador é o numeral decimal sem a vírgula e cujo denominador é o algarismo 1 seguido de tantos zeros quantas forem as casas decimais do numeral dado. Exemplos: 37 0,37 = ,631 = ,4598 =

29 3.2. Determinação da fração geratriz Quando a decimal é uma dízima periódica, devemos procurar sua geratriz, conforme o exemplo a seguir: Como exemplo, vamos determinar a fração geratriz do número 1, Seja x a fração procurada. Então, x = 1,

30 3.2. Determinação da fração geratriz 1 o passo: Multiplicamos o número por uma potência conveniente de dez (isto é, 10, 100, 1000, etc ), com o propósito de deslocar a vírgula de modo a posicioná-la imediatamente antes do primeiro período. Neste exemplo, a vírgula deve deslocar-se uma casa para a direita. Para isso, basta multiplicar o número por x = 13, (1) 30

31 3.2. Determinação da fração geratriz 2 o passo: Multiplicamos o número obtido, novamente, por uma potência conveniente de dez, de modo que a vírgula se desloque e se posicione imediatamente antes do segundo período. No exemplo, a vírgula deve deslocar-se duas casas para a direita. Para isso, multiplicamos ambos os membros da igualdade (1) por 100, obtendo a igualdade (2): x = , x = 1321,2121 (2) 31

32 3.2. Determinação da fração geratriz Subtraindo a igualdade (1) da igualdade (2), membro a membro, eliminamos todas as casas decimais. Em seguida, é só isolar x e simplificar a fração obtida. 1000x = 1321, x = 13, x = x = x = x =

33 3.2. Determinação da fração geratriz Exercício 3: Quais das seguintes proposições são verdadeiras? 4 11 a) N Q f), 7 3 b) Z Q g) 1 Q Z 2 c) 0 Q h) Q Z 7 Q 14 d) 517 Q i) Q Z 2 21 e) 0, Q j) é irredutível 14

34 3.2. Determinação da fração geratriz Exercício 4: Colocar na forma de uma fração irredutível os seguintes números racionais: a) 0,444 b) 0,32 c) 0, d) 54,2 e) 5,

35 4. Conjunto dos números reais Números irracionais: Existem números cuja representação decimal com infinitas casas decimais não é periódica. Por exemplo, o numeral decimal 0, (em que o número de algarismos 0 intercalados entre os algarismos 1 vai crescendo) é não periódico. Ele representa um número não racional. Outros exemplo de números irracionais: 1, , ,

36 4. Conjunto dos números reais Chama-se conjunto dos números reais - - aquele formado por todos os números com representação decimal, isto é, as decimais exatas ou periódicas (que são números racionais) e as decimais não exatas e não periódicas (chamadas números irracionais). Dessa forma, todo número racional é número real, ou seja: Q R R 36

37 4. Conjunto dos números reais como: Além dos racionais, estão em R números 2 = 1, π = 3, a = 1, chamados números irracionais. 37

38 4. Conjunto dos números reais Se quisermos outros números irracionais, poderemos obtê-los, por exemplo, por meio da expressão p irracionais:,,, etc., em que p é primo e positivo. São

39 4. Conjunto dos números reais Outro recurso para construção de irracionais é usar o fato de que, se α é irracional e r é racional não nulo, então: α + r, α. r, α/r e r/α são todos irracionais. Exemplos: , 3 2,, são irracionais

40 4. Conjunto dos números reais R No conjunto destacamos os subconjuntos: R + : conjunto dos reais não negativos R : conjunto dos reais não positivos R * : conjunto dos reais não nulos 40

41 4.1. Operações no conjunto dos números reais em R As operações de adição e multiplicação gozam das mesmas propriedades vistas para Q R o conjunto. Em de subtração e em * R é também definida a operação é definida a divisão. 41

42 4.2. Os números reais e a reta Já vimos que os números inteiros podem ser representados por pontos de uma reta: u 42

43 4.2. Os números reais e a reta Analogamente, os números racionais não inteiros também podem. Se queremos, por exemplo, representar o número ½ sobre a reta, marcamos a partir de 0 um segmento de medida ½u no sentido positivo. A extremidade desse segmento representa ½. Na figura abaixo representamos sobre a reta vários números racionais

44 4.2. Os números reais e a reta Os números racionais, entretanto, não preenchem completamente a reta, isto é, há pontos da reta que não representam nenhum racional. Por exemplo, entre os pontos 1,41 e 1,42 fica um ponto que representa 2 = 1, (irracional). 44

45 4.2. Os números reais e a reta Quando representamos também sobre a reta os números irracionais, cada ponto da reta passa a representar necessariamente um número racional ou irracional (portanto, real), isto é, os reais preenchem completamente a reta π Essa reta, que representa reta real ou reta numérica. R, é chamada 45

46 4.2. Os números reais e a reta Na reta real os números estão ordenados. Um número a é menor que qualquer número x colocado à sua direita e maior que qualquer número x à sua esquerda. a { x R / x < a} { x R / x > a} 46

47 4.2. Os números reais e a reta Exercício 5: Quais das proposições abaixo são verdadeiras? R R Q 3 a) 3 f) 4 ( ) b) N R g) R Q 3 2 c) Z R h) R Q d) R Q i) Q e) 4 R Q

48 4.2. Os números reais e a reta Exercício 6: Mostrar que = 1+ 3

49 5. Intervalos Dados dois números reais a e b, com a < b, definimos: a) intervalo aberto de extremos a e b é o conjunto ] a, b [ = { x R / a < x < b} que também pode ser indicado por a b. 49

50 5. Intervalos b) intervalo fechado de extremos a e b é o conjunto [ a, b ] = { x R / a x b} que também pode ser indicado por a b. c) intervalo fechado à esquerda (ou aberto à direita) de extremos a e b é o conjunto [ a, b [ = { x R / a x < b} que também pode ser indicado por a b. 50

51 5. Intervalos d) intervalo fechado à direita (ou aberto à esquerda) de extremos a e b é o conjunto ] a, b ] = { x R / a < x b} que também pode ser indicado por a b. Os números reais a e b são denominados, respectivamente, extremo inferior e extremo superior do intervalo. 51

52 5. Intervalos Exemplos: ] [ = { x R < x < } o 1 ) 2, 5 / 2 5 é intervalo aberto [ ] = { x R x } o 2 ) 1, 4 / 1 4 é intervalo fechado o ), 7 = x / x < 7 é intervalo fechado à esquerda 5 R 5 o ), 2 = x / < x 2 é intervalo fechado à direita 3 R 3 52

53 5. Intervalos Também consideramos intervalos lineares os intervalos infinitos assim definidos: ] [ = { R < } a), a x / x a que também podemos indicar por - a ] ] = { R } b), a x / x a que também podemos indicar por - a 53

54 5. Intervalos ] + [ = { R > } c) a, x / x a que também podemos indicar por a + [ + [ = { R } d) a, x / x a que também podemos indicar por a + e) ], + [ =R que também podemos indicar por

55 5.1. Representação gráfica Os intervalos têm uma representação geométrica sobre a reta real como segue: ] a, b[ [ a, b] [ a, b[ ] a, b] ]-, a] ] a, + [ a a a a a a b b b b 55

56 5.1. Representação gráfica Exercício 7: Representar sobre a reta real, cada um dos seguintes conjuntos { x R x } { x R x } { x R x x } { x R x x } A = / 1 2 B = / 0 < < 3 C = / 0 ou > 2 D = / 1< < 0 ou 3

57 5.1. Representação gráfica Exercício 8: Descrever, conforme a notação da teoria dos conjuntos, os seguintes intervalos: [ ] a) 1,3 [ [ b) 0,2 ] [ c) 3,4 ] [ d),5 e) 1, [ + [

58 5.1. Representação gráfica Exercício 9: Utilizando a representação gráfica dos intervalos sobre a reta real, determinar AWB e AUB sendo A = [0, 3] e B = [1, 4].

59 5.1. Representação gráfica Solução: A B AWB AUB Então: AWB = [1, 3] e AUB = [0, 4]

60 5.1. Representação gráfica Exercício 10: Descrever os seguintes conjuntos 9 a) [ 1, + [,2 2 [ ] [ ] [ ] b) 1,2 0,3 1, 4

61 5.1. Representação gráfica Exercício 11: Determinar os seguintes conjuntos ] ] ] [ a) 2,1 0,5 [ ] [ ] b) 1,3 3,5

62 6. Conjunto dos números complexos Vimos que n a R, qualquer que seja o real a não negativo. Assim, por exemplo,,,,, e 6 π são números reais. Desde que o índice da raiz seja ímpar, os a a R+ n radicais da forma, em que, também representam números reais. É o caso, por exemplo, 3 5 de, e

63 6. Conjunto dos números complexos Se o radicando é negativo e o índice da raiz é par, entretanto, o radical não representa elemento de. Por exemplo, não é real, pois: n a R 1 1 = x 1= x 2 x R 2 x 0 e isso é impossível, pois se, então. 63

64 7. Resumo Os conjuntos numéricos podem ser representados esquematicamente pela figura abaixo: N ZQRC Observamos que N Z Q R C. 64

Números Racionais. Matemática - UEL Compilada em 25 de Março de 2010.

Números Racionais. Matemática - UEL Compilada em 25 de Março de 2010. Matemática Essencial Números Racionais Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 25 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Relacionando

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados.

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados. Conjuntos Numéricos INTRODUÇÃO Conjuntos: São agrupamentos de elementos com algumas características comuns. Ex.: Conjunto de casas, conjunto de alunos, conjunto de números. Alguns termos: Pertinência Igualdade

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA. Matrizes

Equipe de Matemática MATEMÁTICA. Matrizes Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 14B Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Matrizes Introdução O crescente uso dos computadores tem feito com que a teoria das matrizes seja cada vez mais

Leia mais

Professor conteudista: Renato Zanini

Professor conteudista: Renato Zanini Matemática Básica Professor conteudista: Renato Zanini Sumário Matemática Básica Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES... EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES...6 3 RESOLVENDO EQUAÇÕES...7

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA

Equipe de Matemática MATEMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5R Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Conjunto dos números racionais O conjunto dos números racionais é uma ampliação do conjunto dos números inteiros.

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo Domínio Conteúdos Metas Nº de Tempos Previstos Numeros e Operações Números racionais não negativos (Educação Financeira) - Cidadania - Simplificação de frações;

Leia mais

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5.

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5. Relações X Funções Considere a equação + =. Embora esta equação tenha duas variáveis, ela possui um número finito de soluções naturais. O conjunto solução desta equação, no universo dos números naturais,

Leia mais

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA 1 Adição, subtração, multiplicação e divisão de números naturais e decimais Números Naturais Nos dias de hoje, em lugar das pedrinhas, utilizam-se, em todo o mundo,

Leia mais

PROGRAMA DE NIVELAMENTO 2011 MATEMÁTICA

PROGRAMA DE NIVELAMENTO 2011 MATEMÁTICA PROGRAMA DE NIVELAMENTO 0 MATEMÁTICA I - CONJUNTOS NUMÉRICOS Z {..., -, -, -, 0,,,,...} Não há números inteiros em fração ou decimais Q Racionais São os números que representam partes inteiras ou divisões,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 5

Deixando de odiar Matemática Parte 5 Deixando de odiar Matemática Parte Adição e Subtração de Frações Multiplicação de frações Divisão de Frações 7 1 Adição e Subtração de Frações Para somar (ou subtrair) duas ou mais frações de mesmo denominador,

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática / 8º Ano MANUAL ADOTADO: MATEMÁTICA EM AÇÃO 8 (E.B. 2,3) / MATEMÁTICA DINÂMICA 8 (SEDE) GESTÃO DO TEMPO 1º PERÍODO Nº de tempos

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS O conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é uma lista, coleção ou classe de objetods bem

Leia mais

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores Operações com potências A UUL AL A Quando um número é multiplicado por ele mesmo, dizemos que ele está elevado ao quadrado, e escrevemos assim: Introdução a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo

Leia mais

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 12 blocos Tópico: Números Números e operações/ Álgebra Dízimas finitas e infinitas periódicas Caracterização

Leia mais

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7 Decomposição de um número composto Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: 420 2 210 2 105 3 35 5 7 7 1 420= 2 2 X 3 X 5 X 7 Determinação do número de divisores de um número natural

Leia mais

Números e Operações. Nome: N.ª: Ano: Turma:

Números e Operações. Nome: N.ª: Ano: Turma: MATEMÁTICA 3º CICLO FICHA 1 Números e Operações Números Racionais Nome: N.ª: Ano: Turma: Data: / / 20 Os números 1, 2, 3, 4, 5, chamam-se números naturais. O conjunto dos números naturais representa-se

Leia mais

Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Função Crescente. Função Decrescente

Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Funções Crescentes e Funções Decrescentes. Função Crescente. Função Decrescente UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Definição de Função

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

Cálculo com expressões que envolvem radicais

Cálculo com expressões que envolvem radicais Escola Secundária de Aljustrel Material de apoio para o 11. o Ano Ano Lectivo 00/003 Cálculo com expressões que envolvem radicais José Paulo Coelho Abril de 003 ... Índice... 1 Radicais: definição e propriedades.

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Frações Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Frações Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Frações Prof. Dudan Matemática FRAÇÕES Definição Fração é um modo de expressar uma quantidade a partir de uma razão de dois números inteiros. A palavra vem do latim fractus

Leia mais

Curso Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Noturno Matemática Elementar I 60h

Curso Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Noturno Matemática Elementar I 60h 1 Curso Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Noturno Matemática Elementar I 60h Matemática Aula Período Data Coordenador 3.1 1. a 06/06/2006 (terça feira) Tempo Estratégia Descrição (Arte)

Leia mais

Capítulo V Sistemas Numéricos

Capítulo V Sistemas Numéricos Capítulo V Sistemas Numéricos Introdução Em capítulos anteriores estudamos diversas funções lógicas. No próximo capítulo veremos que operações aritméticas como soma e subtração de números binários podem

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que RADICIAÇÃO Provavelmente até o 8 ano, você aluno só viu o conteúdo de radiciação envolvendo A RAIZ QUADRA Para relembrar: = para calcular a raiz quadrada de, devemos encontrar um número que elevado a seja,

Leia mais

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I 6º Olímpico Matemática I Sistema de numeração romano. Situações problema com as seis operações com números naturais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação). Expressões numéricas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO. Plano da Unidade Unidade de Ensino: OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS ABSOLUTOS (adição e subtracção). Tempo Previsto: 3 semanas O reconhecimento do conjunto dos racionais positivos, das diferentes formas de representação

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas.

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas. Definição Uma matriz do tipo m n (lê-se m por n), com m e n, sendo m e n números inteiros, é uma tabela formada por m n elementos dispostos em m linhas e n colunas. Estes elementos podem estar entre parênteses

Leia mais

7º ANO. Lista extra de exercícios

7º ANO. Lista extra de exercícios 7º ANO Lista extra de exercícios 1. Um famoso problema de lógica consiste na seguinte situação. Um viajante precisava pagar sua estadia de uma semana (7 dias) em um hotel, sendo que só possuía uma barra

Leia mais

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas A medida de uma grandeza é obtida, em geral, através de uma experiência, na qual o grau de complexidade do processo de medir está relacionado com a grandeza em questão

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Progressão Aritmética e Geométrica Progressão Aritmética Uma sucessão de números na qual a diferença entre dois termos consecutivos é constante, é denominada progressão aritmética,

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS DOMÍNIOS POR PERÍODO

DISTRIBUIÇÃO DOS DOMÍNIOS POR PERÍODO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de Matemática 10.º ano Ano Letivo de 2015/2016 Manual adotado: Máximo 10 Matemática A 10.º ano Maria Augusta Ferreira

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/ º Ano Matemática. METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/ º Ano Matemática. METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho Número e Operações - Números naturais 1. Contar 1.1. Reconhecer que se poderia prosseguir a contagem indefinidamente introduzindo regras de

Leia mais

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c IR e Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e

Leia mais

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro.

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. FRAÇÕES O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. Assim, por exemplo, se tivermos uma pizza inteira e a dividimos em quatro

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática A 10ºano de escolaridade MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO 10 GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 1.º Período - Números naturais Números e operações Contar Estender as regras de construção dos numerais decimais para classes de grandeza indefinida; Conhecer os diferentes

Leia mais

MATEMÁTICA II. Aula 11. 3º Bimestre. Matrizes Professor Luciano Nóbrega

MATEMÁTICA II. Aula 11. 3º Bimestre. Matrizes Professor Luciano Nóbrega 1 MATEMÁTICA II Aula 11 Matrizes Professor Luciano Nóbrega º Bimestre MATRIZES _ INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO Uma matriz é uma tabela com m linhas e n colunas que contém m. n elementos. EXEMPLO: Ângulo 0º 45º

Leia mais

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Ano letivo 2015 / 16 Matriz Curricular 1º Ciclo Ano Letivo: 2015 / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Nº total de dias letivos 164 dias Nº de dias letivos 1º período - 64 dias 2º período - 52

Leia mais

Aula de Polinómios. Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra. Departamento de Matemática. Ensino da Matemática I

Aula de Polinómios. Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra. Departamento de Matemática. Ensino da Matemática I Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Aula de Polinómios Ensino da Matemática I Professora: Helena Albuquerque (lena@mat.uc.pt) Autor: Tânia Isabel Duarte

Leia mais

Apostila de Matemática 10 Matriz

Apostila de Matemática 10 Matriz Apostila de Matemática 10 Matriz 1.0 Definição m e n são números inteiros maiores que zero. Matriz mxn é uma tabela retangular formada por m.n números reais, dispostos é m linhas e n colunas. A tabela

Leia mais

4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA

4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA 43 4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA 4.1. A FUNÇÃO EXPONENCIAL Vimos no capítulo anterior que dado a R +, a potência a pode ser definida para qualquer número R. Portanto, fiando a R +, podemos definir

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço a ela reservado. Não basta escrever apenas o resultado final: é necessário mostrar os cálculos ou o raciocínio utilizado. Questão Emumasalaháumalâmpada,umatelevisão

Leia mais

Os eixo x e y dividem a circunferência em quatro partes congruentes chamadas quadrantes, numeradas de 1 a 4 conforme figura abaixo:

Os eixo x e y dividem a circunferência em quatro partes congruentes chamadas quadrantes, numeradas de 1 a 4 conforme figura abaixo: Circunferência Trigonométrica É uma circunferência de raio unitário orientada de tal forma que o sentido positivo é o sentido anti-horário. Associamos a circunferência (ou ciclo) trigonométrico um sistema

Leia mais

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente.

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente. Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e c = 6. 6x 2 - x - 1 = 0 é

Leia mais

Representações numéricas e bases de numeração

Representações numéricas e bases de numeração Representações numéricas e bases de numeração Objetivos Os alunos deverão ser capazes de: * Representar números na base 2 e 16 (binária e hexadecimal) * Converter representações numéricas entre si * Realizar

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Potenciação. Lucas Araújo - Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Potenciação. Lucas Araújo - Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.1 Potenciação Lucas Araújo - Engenharia de Produção Potenciação No século 3 a.c na Grécia antiga, Arquimedes resolveu calcular quantos grãos de areia

Leia mais

AUTOR: PROF. PEDRO A. SILVA lê-se: 2 inteiros e cinco sextos. Exs.:, 2 3 Fração aparente É aquela cujo numerador é múltiplo do denominador.

AUTOR: PROF. PEDRO A. SILVA lê-se: 2 inteiros e cinco sextos. Exs.:, 2 3 Fração aparente É aquela cujo numerador é múltiplo do denominador. I - NÚMEROS RACIONAIS lê-se: inteiros e cinco sextos. a Dois números a e b ( b 0 ), quando escritos na forma b representam uma fração, onde : b (denominador) e a (numerador). O numerador e o denominador

Leia mais

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Matemática Volume: 1 Unidade 1: Série 17 Resoluções Conjuntos 1. A = {1, } O Conjunto A possui dois elementos: 1 e. O total de subconjuntos

Leia mais

PROFMAT P1 MA

PROFMAT P1 MA PROFMAT P1 MA 11 011 Questão 1. Um pequeno barco a vela, com 7 tripulantes, deve atravessar o oceano em 4 dias. Seu suprimento de água potável permite a cada pessoa dispor de 3,5 litros de água por dia

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) MATEMÁTICA CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) MATEMÁTCA DOMÍNO/ UDOMÍNO Números e Operações Números naturais OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE 1. Conhecer os numerais ordinais 2. Contar até um milhão 3.

Leia mais

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE)

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Apostila Organizada por: Kamila Gomes Ludmilla Rangel Cardoso Silva Carmem Lúcia Vieira Rodrigues Azevedo

Leia mais

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4 Quarta Edição por William Stallings Capítulo 4 Corpos Finitos Na manhã seguinte, ao nascer o dia, Star entrou em casa, aparentemente ávida por uma lição. Eu

Leia mais

Aula 03: Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas, Fatoração e Produtos Notáveis.

Aula 03: Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas, Fatoração e Produtos Notáveis. Aula 03: Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas, Fatoração e Produtos Notáveis. GST1073 Fundamentos de Matemática Fundamentos de Matemática Aula 3 - Potenciação, Radiciação, Expressões Algébricas,

Leia mais

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA Professor: LUIZ ANTÔNIO 1 >>>>>>>>>> PROGRESSÃO ARITMÉTICA P. A.

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA - SPAECE MATEMÁTICA 5 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL TEMAS E SEUS DESCRITORES

MATRIZ DE REFERÊNCIA - SPAECE MATEMÁTICA 5 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL TEMAS E SEUS DESCRITORES MATEMÁTICA 5 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I INTERAGINDO COM OS NÚMEROS E FUNÇÕES D1 Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal. Utilizar procedimentos de cálculo para obtenção

Leia mais

Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR

Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR Conforme discutido na última aula, cada operação lógica possui sua própria tabela verdade. A seguir será apresentado o conjunto básico de portas lógicas

Leia mais

Equações Exponenciais e Logarítmicas. Equações Exponenciais e Logarítmicas. Exemplos: Exemplos: a x = b x= log a b. 1) Resolva as equações: ) 5 = 3

Equações Exponenciais e Logarítmicas. Equações Exponenciais e Logarítmicas. Exemplos: Exemplos: a x = b x= log a b. 1) Resolva as equações: ) 5 = 3 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Equações Eponenciais e Logarítmicas.

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II 1 Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 03 Página 1 2 ÁLGEBRA - é o ramo que estuda as generalizações dos conceitos e operações aritméticas. Hoje em dia o termo Álgebra é bastante

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições Exercícios de exames e testes intermédios 1. Na figura ao lado, está representado, no plano complexo, um quadrado cujo centro coincide com

Leia mais

Geometria Analítica. Prof Marcelo Maraschin de Souza

Geometria Analítica. Prof Marcelo Maraschin de Souza Geometria Analítica Prof Marcelo Maraschin de Souza Disciplina Aulas: Segunda-feira e terça-feira: 8:00 até 9:50 Avaliações: listas de exercícios e três provas; Sala: 222; Livros. Conteúdos Plano de Ensino

Leia mais

Vectores. Figura Vector PQ

Vectores. Figura Vector PQ Vectores 1 Introdução Neste tutorial vou falar sobre vectores. Os vectores são muito importantes em muitas ciências quer para a matemática, quer para alguns tipos de programação (especialmente programação

Leia mais

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites Este trabalho tem como foco, uma abordagem sobre a teoria dos limites. Cujo objetivo é o método para avaliação da disciplina

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 2 GABARITO 22 de junho de 201 1. Em cada um dos itens abaixo, dê, se possível,

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º

Leia mais

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE

UNICAMP Você na elite das universidades! MATEMÁTICA ELITE SEGUNDA FASE www.elitecampinas.com.br Fone: (19) -71 O ELITE RESOLVE IME 004 PORTUGUÊS/INGLÊS Você na elite das universidades! UNICAMP 004 SEGUNDA FASE MATEMÁTICA www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 51-101 O ELITE

Leia mais

I. Conjunto Elemento Pertinência

I. Conjunto Elemento Pertinência TEORI DOS CONJUNTOS I. Conjunto Elemento Pertinência Conjunto, elemento e pertinência são três noções aceitas sem definição, ou seja, são noções primitivas. idéia de conjunto é praticamente a mesma que

Leia mais

Matrizes. Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião

Matrizes. Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião Matrizes Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião Uma matriz A m n é uma maneira de apresentar informações numéricas ou algébricas dispostas como numa tabela com m linhas e n colunas cercada

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 4

Deixando de odiar Matemática Parte 4 Deixando de odiar Matemática Parte 4 Fatoração 2 Quantidade de divisores de um número natural 3 Mínimo Múltiplo Comum 5 Simplificação de Frações 7 Máximo Divisor Comum 8 Método da Fatoração Simultânea

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO 4.º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO 4.º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA ANO LETIVO 0/06 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO º CICLO.º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA Números e Operações Números naturais Contar Reconhece, sem falhas, que se poderia prosseguir a contagem indefinidamente introduzindo

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO SISTEMAS DE NUMERAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo

Leia mais

Disciplina: Matemática Professor (a): Rosângela Ano: 8º Turma: 8.1 e 8.2

Disciplina: Matemática Professor (a): Rosângela Ano: 8º Turma: 8.1 e 8.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2012 Disciplina: Matemática Professor (a): Rosângela Ano: 8º Turma: 8.1 e 8.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli MINICURSO Uso da Calculadora Científica Casio Fx Prof. Ms. Renato Francisco Merli Sumário Antes de Começar Algumas Configurações Cálculos Básicos Cálculos com Memória Cálculos com Funções Cálculos Estatísticos

Leia mais

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 Pode-se dizer que a é, em grande parte, trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). A noção de conjunto não é suscetível

Leia mais

1º Período. Figuras geométricas

1º Período. Figuras geométricas ii 1º Período Figuras geométricas Quadrado polígono com quatro lados iguais e com quatro ângulos rectos. Rectângulo polígono com quatro lados iguais dois a dois e com quatro ângulos rectos. Trapézio rectângulo

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

Matriz, Sistema Linear e Determinante

Matriz, Sistema Linear e Determinante Matriz, Sistema Linear e Determinante 1.0 Sistema de Equações Lineares Equação linear de n variáveis x 1, x 2,..., x n é uma equação que pode ser expressa na forma a1x1 + a 2 x 2 +... + a n x n = b, onde

Leia mais

Ciclo Trigonomé trico

Ciclo Trigonomé trico Ciclo Trigonomé trico Aluno: Professores: Camila Machado, Joelson Rolino, Josiane Paccini, Rafaela Fidelis, Rafaela Nascimento. Aula 1 As origens da trigonometria Não se sabe ao certo da origem da trigonometria,

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS ÁREA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO CALENDARIZAÇÃO DO ANO LETIVO Período Início Fim Nº Semanas

Leia mais

OS QUATRO QUATROS. Agora já resolvemos vários números e alguns com mais de uma solução, mas continua faltando

OS QUATRO QUATROS. Agora já resolvemos vários números e alguns com mais de uma solução, mas continua faltando INTRODUÇÃO O PROBLEMA D, tem sua história, sua evolução e generalizações citadas na página REFERÊNCIA da MATEMÁTICA. Entre as referências destaca-se o livro "O Homem que Calculava", de Malba Tahan, pseudônimo

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 06. Função do Grau Rafael Carvalho - Engenharia Civil Equações do primeiro grau Equação é toda sentença matemática aberta que exprime uma relação de igualdade.

Leia mais

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo ADIÇÃO É a operação que tem por fim determinar uma fração que contenha todas as unidades e partes de unidades de várias parcelas de mesma natureza. Entende-se por mesma natureza as frações que exprimem

Leia mais

Interação entre cargas elétricas

Interação entre cargas elétricas Interação entre cargas elétricas Cargas elétricas de mesmo sinal repelem-se. Cargas elétricas de sinais contrários atraem-se. A força de interação tem a direção da reta que une as cargas, depende do meio

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica

Álgebra Linear e Geometria Analítica Álgebra Linear e Geometria Analítica Engenharia Electrotécnica Escola Superior de Tecnologia de Viseu wwwestvipvpt/paginaspessoais/lucas lucas@matestvipvpt 007/008 Álgebra Linear e Geometria Analítica

Leia mais

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano 60 Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano Caderno 1 UNIDADE 1 Significados das operações (adição e subtração) Capítulo 1 Números naturais O uso dos números naturais Seqüência dos números

Leia mais

NOTAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS

NOTAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS Prova de MTMÁTI - Modelo R R R + R + R R Q Q Z Z + Z N N f(x) f(a) log a sen α cos α tg α cotg α cossec α x n! NOTÇÕS MTMÁTIS UTILIZS - conjunto dos números reais - conjunto dos números reais não nulos

Leia mais

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais