Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.: Rogério Dias Dalla Riva

2 Conjuntos Numéricos 1.Conjunto dos números naturais 2.Conjunto dos números inteiros 3.Conjunto dos números racionais 4.Conjunto dos números reais 5.Intervalos 6.Conjunto dos números complexos 7.Resumo

3 1. Conjunto dos números naturais Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números N = { 0,1,2,3, } O conjunto N N { 0} * é denotado por = { 1,2,3, } N * OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se A * = A { 0} 3

4 1.1. Propriedades dos números naturais Neste conjunto são definidas duas operações fundamentais, a adição e a multiplicação, que apresentam as seguintes propriedades, onde : a, b, c N 4

5 1.1. Propriedades dos números naturais [A.1] Associativa da adição ( a + b) + c = a + ( b + c) [A.2] Comutativa da adição a + b = b + a [A.3] Elemento neutro da adição a + 0 = a 5

6 1.1. Propriedades dos números naturais [M.1] Associativa da multiplicação ( ab) c = a( bc) [M.2] Comutativa da multiplicação ab = ba [M.3] Elemento neutro da multiplicação a 1= a 6

7 1.1. Propriedades dos números naturais [D] Distributiva da multiplicação relativamente à adição a( b + c) = ab + ac 7

8 1.2. A adição e a multiplicação nos números naturais N O conjunto é fechado para a adição e a multiplicação, ou seja, a soma dos números naturais é sempre um número natural e o produto de números naturais é sempre um número natural. Em símbolos escrevemos: a, b N,( a + b) N e ( a b) N Note que a subtração e a divisão nem sempre têm significado no conjunto dos números naturais. Por exemplo, 5 7 N e 10 3 N. Por isso, o conjunto subtração e a divisão. N não é fechado para a 8

9 2. Conjunto dos números inteiros Chama-se conjunto dos números inteiros símbolo o conjunto formado pelos números Z {, 3, 2, 1,0,1,2,3, } Z = 9

10 2. Conjunto dos números inteiros distinguimos três subcon- No conjunto juntos notáveis: Z { 0,1,2,3, } Z = = N + conjunto dos inteiros não negativos { } Z =, 3, 2, 1,0 conjunto dos inteiros não positivos {, 3, 2, 1,1,2,3, } * Z = conjunto dos inteiros não nulos 10

11 2.1. Propriedades dos números inteiros Neste conjunto são definidas também as operações de adição e multiplicação, que apresentam, além de [A.1], [A.2], [A.3], [M.1], [M.2], [M.3] e [D], a propriedade: [A.4] Simétrico ou oposto para a adição a Z a Z Para todo existe tal que a + ( a) = 0 11

12 2.1. Propriedades dos números inteiros Devido à propriedade [A.4], podemos definir emz a operação de subtração, estabelecendo que a b = a + ( b) para todos a, b Z 12

13 2.2. Operações no conjunto dos números inteiros Z O conjunto é fechado para a adição, a multiplicação e a subtração. Isto é, a adição, a multiplicação e a subtração de dois números inteiros resulta sempre num número inteiro. Em símbolos escrevemos: a, b Z,( a + b) Z, ( a b) Z e ( a b) Z 13

14 2.3. Os números inteiros e a reta Os números inteiros podem ser representados sobre uma reta orientada por meio do seguinte procedimento: a) sobre a reta estabelecemos um sentido positivo e um ponto O (origem), que representa o inteiro 0 (zero): 0 14

15 2.3. Os números inteiros e a reta b) A partir de 0, no sentido positivo, marcamos um segmento unitário u 0 cuja extremidade representará o inteiro 1: c) para cada inteiro positivo n, a partir de 0, marcamos um segmento de medida nu no sentido positivo cuja extremidade representará n e marcamos um segmento de medida nu no sentido negativo cuja extremidade representará o inteiro n. u u u u u u u u u

16 2.3. Os números inteiros e a reta Exercício 1: Quais das proposições abaixo são verdadeiras? 2 N ( ) Z ( ) N ( )( ) a) 0 f) 3 b) 2 3 g) 4 5 Z c) N Z h) 0 Z ( ) d) N Z = Z i) 5 11 Z e) Z Z + = +

17 2.3. Os números inteiros e a reta Exercício 2: Sabendo que um número inteiro p é primo quando p 0, 1 e -1, e D p = {1, -1, p e p}, pergunta-se: Quais dos elementos de Z, abaixo relacionados, não são primos? { 12, 13,0,5,31, 1,2, 4,1,49,53 } 17

18 3. Conjuunto dos números racionais Dado um número inteiro q 1 e 1, o inverso 1 de q não existe em Z : Z. Por isso não podemos q definir emz a operação de divisão, dando significado ao símbolo. A superação dessa dificuldade p q se dará com a introdução dos números racionais. 18

19 3. Conjunto dos números racionais Chama-se conjunto dos números racionais símbolo Q o conjunto dos pares ordenados (ou frações) a, em que a Z e b Z *, para os quais b adotam-se as seguintes definições: 1 a ) igualdade: a c = ad = b d 2 a a c ad + bc ) adição: + = b d bd 3 a ) multiplicação: a c = b d ac bd bc 19

20 3. Conjunto dos números racionais No conjuntoq destacamos os subconjuntos: Q + : conjunto dos racionais não negativos Q : conjunto dos racionais não positivos Q * : conjunto dos racionais não nulos 20

21 3. Conjunto dos números racionais Na fração a, a é o numerador e b o denominador. Se a e b são primos entre si, isto é, se b mdc(a, b) = 1, dizemos que a é uma fração irredutível. Assim, as frações 2 b, 3 e 7 são irredutíveis, mas 6 não é

22 3. Conjunto dos números racionais São válidas as mesmas propriedades formais vistas para os números inteiros. Além dessas, temos também a seguinte: [M.4] Simétrico ou inverso para a multiplicação a b Q a b 0 Para todo e, existe b a b b a tal que a Q = 1 22

23 3. Conjunto dos números racionais Devido à propriedade [M.4], podemos * definir emq a operação de divisão, estabelecendo que a c a d = b d b c para a e c racionais quaisquer não nulos. b d 23

24 3.1. Representação decimal Notemos que todo número racional a pode b ser representado por um número decimal. Passa-se um número racional a para a forma de número b decimal dividindo o inteiro a pelo inteiro b. Na passagem de uma notação para outra podem ocorrer dois casos: 24

25 3.1. Representação decimal 1 o ) o número decimal tem uma quantidade finita de algarismos, diferentes de zero, isto é, uma decimal exata. Exemplos: ,5 1 = 2 = 1 0,05 20 = = 0,027 25

26 3.1. Representação decimal 2 o ) o número decimal tem uma quantidade infinita de algarismos que se repetem indefinidamente, isto é, uma dízima periódica. Exemplos: 1 0,333 0,3 (período 3) 3 = = 2 0, , (período ) 7 = = 11 1,8333 1,83 (período 3) 6 = = 26

27 3.1. Representação decimal Podemos notar também que todo número na forma de decimal exata ou de dízima periódica pode ser convertido à forma de fração a e, portanto, representa um número racional. b 27

28 3.1. Representação decimal Quando a decimal é exata, podemos transformá-lo em uma fração cujo numerador é o numeral decimal sem a vírgula e cujo denominador é o algarismo 1 seguido de tantos zeros quantas forem as casas decimais do numeral dado. Exemplos: 37 0,37 = ,631 = ,4598 =

29 3.2. Determinação da fração geratriz Quando a decimal é uma dízima periódica, devemos procurar sua geratriz, conforme o exemplo a seguir: Como exemplo, vamos determinar a fração geratriz do número 1, Seja x a fração procurada. Então, x = 1,

30 3.2. Determinação da fração geratriz 1 o passo: Multiplicamos o número por uma potência conveniente de dez (isto é, 10, 100, 1000, etc ), com o propósito de deslocar a vírgula de modo a posicioná-la imediatamente antes do primeiro período. Neste exemplo, a vírgula deve deslocar-se uma casa para a direita. Para isso, basta multiplicar o número por x = 13, (1) 30

31 3.2. Determinação da fração geratriz 2 o passo: Multiplicamos o número obtido, novamente, por uma potência conveniente de dez, de modo que a vírgula se desloque e se posicione imediatamente antes do segundo período. No exemplo, a vírgula deve deslocar-se duas casas para a direita. Para isso, multiplicamos ambos os membros da igualdade (1) por 100, obtendo a igualdade (2): x = , x = 1321,2121 (2) 31

32 3.2. Determinação da fração geratriz Subtraindo a igualdade (1) da igualdade (2), membro a membro, eliminamos todas as casas decimais. Em seguida, é só isolar x e simplificar a fração obtida. 1000x = 1321, x = 13, x = x = x = x =

33 3.2. Determinação da fração geratriz Exercício 3: Quais das seguintes proposições são verdadeiras? 4 11 a) N Q f), 7 3 b) Z Q g) 1 Q Z 2 c) 0 Q h) Q Z 7 Q 14 d) 517 Q i) Q Z 2 21 e) 0, Q j) é irredutível 14

34 3.2. Determinação da fração geratriz Exercício 4: Colocar na forma de uma fração irredutível os seguintes números racionais: a) 0,444 b) 0,32 c) 0, d) 54,2 e) 5,

35 4. Conjunto dos números reais Números irracionais: Existem números cuja representação decimal com infinitas casas decimais não é periódica. Por exemplo, o numeral decimal 0, (em que o número de algarismos 0 intercalados entre os algarismos 1 vai crescendo) é não periódico. Ele representa um número não racional. Outros exemplo de números irracionais: 1, , ,

36 4. Conjunto dos números reais Chama-se conjunto dos números reais - - aquele formado por todos os números com representação decimal, isto é, as decimais exatas ou periódicas (que são números racionais) e as decimais não exatas e não periódicas (chamadas números irracionais). Dessa forma, todo número racional é número real, ou seja: Q R R 36

37 4. Conjunto dos números reais como: Além dos racionais, estão em R números 2 = 1, π = 3, a = 1, chamados números irracionais. 37

38 4. Conjunto dos números reais Se quisermos outros números irracionais, poderemos obtê-los, por exemplo, por meio da expressão p irracionais:,,, etc., em que p é primo e positivo. São

39 4. Conjunto dos números reais Outro recurso para construção de irracionais é usar o fato de que, se α é irracional e r é racional não nulo, então: α + r, α. r, α/r e r/α são todos irracionais. Exemplos: , 3 2,, são irracionais

40 4. Conjunto dos números reais R No conjunto destacamos os subconjuntos: R + : conjunto dos reais não negativos R : conjunto dos reais não positivos R * : conjunto dos reais não nulos 40

41 4.1. Operações no conjunto dos números reais em R As operações de adição e multiplicação gozam das mesmas propriedades vistas para Q R o conjunto. Em de subtração e em * R é também definida a operação é definida a divisão. 41

42 4.2. Os números reais e a reta Já vimos que os números inteiros podem ser representados por pontos de uma reta: u 42

43 4.2. Os números reais e a reta Analogamente, os números racionais não inteiros também podem. Se queremos, por exemplo, representar o número ½ sobre a reta, marcamos a partir de 0 um segmento de medida ½u no sentido positivo. A extremidade desse segmento representa ½. Na figura abaixo representamos sobre a reta vários números racionais

44 4.2. Os números reais e a reta Os números racionais, entretanto, não preenchem completamente a reta, isto é, há pontos da reta que não representam nenhum racional. Por exemplo, entre os pontos 1,41 e 1,42 fica um ponto que representa 2 = 1, (irracional). 44

45 4.2. Os números reais e a reta Quando representamos também sobre a reta os números irracionais, cada ponto da reta passa a representar necessariamente um número racional ou irracional (portanto, real), isto é, os reais preenchem completamente a reta π Essa reta, que representa reta real ou reta numérica. R, é chamada 45

46 4.2. Os números reais e a reta Na reta real os números estão ordenados. Um número a é menor que qualquer número x colocado à sua direita e maior que qualquer número x à sua esquerda. a { x R / x < a} { x R / x > a} 46

47 4.2. Os números reais e a reta Exercício 5: Quais das proposições abaixo são verdadeiras? R R Q 3 a) 3 f) 4 ( ) b) N R g) R Q 3 2 c) Z R h) R Q d) R Q i) Q e) 4 R Q

48 4.2. Os números reais e a reta Exercício 6: Mostrar que = 1+ 3

49 5. Intervalos Dados dois números reais a e b, com a < b, definimos: a) intervalo aberto de extremos a e b é o conjunto ] a, b [ = { x R / a < x < b} que também pode ser indicado por a b. 49

50 5. Intervalos b) intervalo fechado de extremos a e b é o conjunto [ a, b ] = { x R / a x b} que também pode ser indicado por a b. c) intervalo fechado à esquerda (ou aberto à direita) de extremos a e b é o conjunto [ a, b [ = { x R / a x < b} que também pode ser indicado por a b. 50

51 5. Intervalos d) intervalo fechado à direita (ou aberto à esquerda) de extremos a e b é o conjunto ] a, b ] = { x R / a < x b} que também pode ser indicado por a b. Os números reais a e b são denominados, respectivamente, extremo inferior e extremo superior do intervalo. 51

52 5. Intervalos Exemplos: ] [ = { x R < x < } o 1 ) 2, 5 / 2 5 é intervalo aberto [ ] = { x R x } o 2 ) 1, 4 / 1 4 é intervalo fechado o ), 7 = x / x < 7 é intervalo fechado à esquerda 5 R 5 o ), 2 = x / < x 2 é intervalo fechado à direita 3 R 3 52

53 5. Intervalos Também consideramos intervalos lineares os intervalos infinitos assim definidos: ] [ = { R < } a), a x / x a que também podemos indicar por - a ] ] = { R } b), a x / x a que também podemos indicar por - a 53

54 5. Intervalos ] + [ = { R > } c) a, x / x a que também podemos indicar por a + [ + [ = { R } d) a, x / x a que também podemos indicar por a + e) ], + [ =R que também podemos indicar por

55 5.1. Representação gráfica Os intervalos têm uma representação geométrica sobre a reta real como segue: ] a, b[ [ a, b] [ a, b[ ] a, b] ]-, a] ] a, + [ a a a a a a b b b b 55

56 5.1. Representação gráfica Exercício 7: Representar sobre a reta real, cada um dos seguintes conjuntos { x R x } { x R x } { x R x x } { x R x x } A = / 1 2 B = / 0 < < 3 C = / 0 ou > 2 D = / 1< < 0 ou 3

57 5.1. Representação gráfica Exercício 8: Descrever, conforme a notação da teoria dos conjuntos, os seguintes intervalos: [ ] a) 1,3 [ [ b) 0,2 ] [ c) 3,4 ] [ d),5 e) 1, [ + [

58 5.1. Representação gráfica Exercício 9: Utilizando a representação gráfica dos intervalos sobre a reta real, determinar AWB e AUB sendo A = [0, 3] e B = [1, 4].

59 5.1. Representação gráfica Solução: A B AWB AUB Então: AWB = [1, 3] e AUB = [0, 4]

60 5.1. Representação gráfica Exercício 10: Descrever os seguintes conjuntos 9 a) [ 1, + [,2 2 [ ] [ ] [ ] b) 1,2 0,3 1, 4

61 5.1. Representação gráfica Exercício 11: Determinar os seguintes conjuntos ] ] ] [ a) 2,1 0,5 [ ] [ ] b) 1,3 3,5

62 6. Conjunto dos números complexos Vimos que n a R, qualquer que seja o real a não negativo. Assim, por exemplo,,,,, e 6 π são números reais. Desde que o índice da raiz seja ímpar, os a a R+ n radicais da forma, em que, também representam números reais. É o caso, por exemplo, 3 5 de, e

63 6. Conjunto dos números complexos Se o radicando é negativo e o índice da raiz é par, entretanto, o radical não representa elemento de. Por exemplo, não é real, pois: n a R 1 1 = x 1= x 2 x R 2 x 0 e isso é impossível, pois se, então. 63

64 7. Resumo Os conjuntos numéricos podem ser representados esquematicamente pela figura abaixo: N ZQRC Observamos que N Z Q R C. 64

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA AULA 001 1 MATEMÁTICA PROFESSOR AULA 001 MATEMÁTICA DAVIDSON VICTOR 2 AULA 01 - CONJUNTOS NUMÉRICOS CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS É o primeiro e o mais básico de todos os conjuntos numéricos. Pertencem

Leia mais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais É indicado por Subconjuntos de : N N e representado desta forma: N N 0,1,2,3,4,5,6,... - conjunto dos números naturais não nulos. P 0,2,4,6,8,... - conjunto

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Definimos como conjunto uma coleção qualquer de elementos.

Definimos como conjunto uma coleção qualquer de elementos. Conjuntos Numéricos Conjunto Definimos como conjunto uma coleção qualquer de elementos. Exemplos: Conjunto dos números naturais pares; Conjunto formado por meninas da 6ª série do ensino fundamental de

Leia mais

Exemplos: -5+7=2; 12-5=7; -4-3=-7; -9+5=-4; -8+9=1; -4-2=-6; -6+10=4

Exemplos: -5+7=2; 12-5=7; -4-3=-7; -9+5=-4; -8+9=1; -4-2=-6; -6+10=4 0 - OPERAÇÕES NUMÉRICAS ) Adição algébrica de números inteiros envolve dois casos: os números têm sinais iguais: soma-se os números e conserva-se o sinal; os números têm sinais diferentes: subtrai-se o

Leia mais

MÓDULO II. Operações Fundamentais em Z. - Sinais iguais das parcelas, somam-se conservando o sinal comum. Exemplo: 2 4 = 6

MÓDULO II. Operações Fundamentais em Z. - Sinais iguais das parcelas, somam-se conservando o sinal comum. Exemplo: 2 4 = 6 1 MÓDULO II Nesse Módulo vamos aprofundar as operações em Z. Para introdução do assunto, vamos percorrer a História da Matemática, lendo os textos dispostos nos links a seguir: http://www.vestibular1.com.br/revisao/historia_da_matematica.doc

Leia mais

Números Racionais. Matemática - UEL Compilada em 25 de Março de 2010.

Números Racionais. Matemática - UEL Compilada em 25 de Março de 2010. Matemática Essencial Números Racionais Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 25 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Relacionando

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados.

Conjuntos Numéricos. É o conjunto no qual se encontram os elementos de todos os conjuntos estudados. Conjuntos Numéricos INTRODUÇÃO Conjuntos: São agrupamentos de elementos com algumas características comuns. Ex.: Conjunto de casas, conjunto de alunos, conjunto de números. Alguns termos: Pertinência Igualdade

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 NÚMEROS NATURAIS O sistema aceito, universalmente, e utilizado é o sistema decimal, e o registro é o indo-arábico. A contagem que fazemos: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, e assim

Leia mais

Matemática Conjuntos - Teoria

Matemática Conjuntos - Teoria Matemática Conjuntos - Teoria 1 - Conjunto: Conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma de representar

Leia mais

EXERCICIOS COMPLEMENTARES OS CONJUNTOS NUMÉRICOS

EXERCICIOS COMPLEMENTARES OS CONJUNTOS NUMÉRICOS NOME: TURMA: SANTO ANDRÉ, DE DE EXERCICIOS COMPLEMENTARES OS CONJUNTOS NUMÉRICOS Conjunto dos números naturais -Representado pela letra N, este conjunto abrange todos os números inteiros positivos, incluindo

Leia mais

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02 1 1.1 Conjuntos Numéricos Neste capítulo, serão apresentados conjuntos cujos elementos são números e, por isso, são denominados conjuntos numéricos. 1.1.1 Números Naturais (N) O conjunto dos números naturais

Leia mais

Figura disponível em: .

Figura disponível em: <http://soumaisenem.com.br/fisica/conhecimentos-basicos-e-fundamentais/grandezas-escalares-egrandezas-vetoriais>. n. 7 VETORES vetor é um segmento orientado; são representações de forças, as quais incluem direção, sentido, intensidade e ponto de aplicação; o módulo, a direção e o sentido caracterizam um vetor: módulo

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Números - Aula 03 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 28 de Fevereiro de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2013106 - Engenharia Mecânica Corpos Vimos que o

Leia mais

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir:

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir: MATRIZES CONCEITO: Um conjunto de elementos algébricos dispostos em uma tabela retangular com linhas e colunas é uma Matriz. A seguir, vemos um exemplo de Matriz de 3 linhas e 4 colunas, e que representaremos

Leia mais

Curso de Matemática Aplicada.

Curso de Matemática Aplicada. Aula 1 p.1/25 Curso de Matemática Aplicada. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Sistema de números reais e complexos Aula 1 p.2/25 Aula 1 p.3/25 Conjuntos Conjunto, classe e coleção de objetos possuindo

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA

Equipe de Matemática MATEMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5R Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Conjunto dos números racionais O conjunto dos números racionais é uma ampliação do conjunto dos números inteiros.

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo:

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo: MÓDULO 2 POTÊNCIA Sabendo que as potências tem grande importância no mundo da lógica matemática, nosso curso terá por objetivo demonstrar onde podemos utilizar esses conceitos no nosso cotidiano e vida

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Aula 4: Bases Numéricas

Aula 4: Bases Numéricas Aula 4: Bases Numéricas Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Bases Numéricas FAC 1 / 36 Introdução e Justificativa Diego Passos (UFF)

Leia mais

Definição: Um ou mais elementos que tenham características iguais ou atendam a uma regra que lhes permitam fazer parte de um mesmo meio.

Definição: Um ou mais elementos que tenham características iguais ou atendam a uma regra que lhes permitam fazer parte de um mesmo meio. CONJUNTOS Definição: Um ou mais elementos que tenham características iguais ou atendam a uma regra que lhes permitam fazer parte de um mesmo meio. Exemplos: A = {a, e, i, o, u} (conjunto das vogais do

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A):

QUERIDO(A) ALUNO(A): 1 QUERIDO(A) ALUNO(A): SEJA BEM-VINDO AO CURSO LIVRE MATEMÁTICA PARA CONCURSOS I. ESTE CURSO OBJETIVA PRIORITARIAMENTE QUE VOCÊ DESENVOLVA COMPETÊNCIAS SIGNIFICATIVAS ATRAVÉS DOS TEMAS ABORDADOS PARA USO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos.

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica. ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio Departamento de Engenharia Mecânica ENG1705 Dinâmica de Corpos Rígidos (Período: 2016.1) Notas de Aula Capítulo 1: VETORES Ivan Menezes ivan@puc-rio.br

Leia mais

Professor conteudista: Renato Zanini

Professor conteudista: Renato Zanini Matemática Básica Professor conteudista: Renato Zanini Sumário Matemática Básica Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES... EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES...6 3 RESOLVENDO EQUAÇÕES...7

Leia mais

: p, q Z,q = 0} Os números racionais têm uma expansão decimal finita ou periódoca (os decimais são repetidas): 1 2 =0, 5 ; 2

: p, q Z,q = 0} Os números racionais têm uma expansão decimal finita ou periódoca (os decimais são repetidas): 1 2 =0, 5 ; 2 Capítulo Números reais. Álgebra dos números reais.. O conjunto R Neste curso vamos sempre se referir aos números reais cujo conjunto se nota R. Principais subconjuntos de R: conjunto dos números naturais

Leia mais

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015

Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Planificação anual- 8.º ano 2014/2015 12 blocos Tópico: Números Números e operações/ Álgebra Dízimas finitas e infinitas periódicas Caracterização

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

PROGRAMA DE NIVELAMENTO 2011 MATEMÁTICA

PROGRAMA DE NIVELAMENTO 2011 MATEMÁTICA PROGRAMA DE NIVELAMENTO 0 MATEMÁTICA I - CONJUNTOS NUMÉRICOS Z {..., -, -, -, 0,,,,...} Não há números inteiros em fração ou decimais Q Racionais São os números que representam partes inteiras ou divisões,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo Universidade do Vale do Paraíba Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Rodrigo Sávio Pessoa São José dos Campos 0 Sumário Tópico Tópico Tópico Tópico Tópico

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA. Matrizes

Equipe de Matemática MATEMÁTICA. Matrizes Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 14B Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Matrizes Introdução O crescente uso dos computadores tem feito com que a teoria das matrizes seja cada vez mais

Leia mais

Números e Operações (NO) Álgebra (ALG) DOMÍNIO SUBDOMÍNIO OBJETIVO GERAL/DESCRITORES RECURSOS. Conhecer e aplicar propriedades dos divisores

Números e Operações (NO) Álgebra (ALG) DOMÍNIO SUBDOMÍNIO OBJETIVO GERAL/DESCRITORES RECURSOS. Conhecer e aplicar propriedades dos divisores ESCOLA BÁSICA CRISTÓVÃO FALCÃO ANO LETIVO: 2016/2017 SERVIÇO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DATA: Set 2016 ASSUNTO PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano RESPONSÁVEL: Grupo 230 DOMÍNIO SUBDOMÍNIO

Leia mais

LAÉRCIO VASCONCELOS MATEMÁTICA PARA VENCER. Rio de Janeiro

LAÉRCIO VASCONCELOS MATEMÁTICA PARA VENCER. Rio de Janeiro LAÉRCIO VASCONCELOS MATEMÁTICA PARA VENCER Rio de Janeiro 2011 ÍNDICE Capítulo 1: HORA DE ESTUDAR Para que serve este livro...1 Porque Colégio Militar e Colégio Naval?...2 Matérias e alunos...2 Os exercícios

Leia mais

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações 1. A Base de Nosso Sistema Numérico Se observarmos a história, nós veremos que os primeiros números usados pelos humanos

Leia mais

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5.

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5. Relações X Funções Considere a equação + =. Embora esta equação tenha duas variáveis, ela possui um número finito de soluções naturais. O conjunto solução desta equação, no universo dos números naturais,

Leia mais

CURSO DO ZERO. Indicamos um conjunto, em geral, com uma letra maiúscula A, B, C... e um elemento com uma letra minúscula a, b, c, d, x, y,...

CURSO DO ZERO. Indicamos um conjunto, em geral, com uma letra maiúscula A, B, C... e um elemento com uma letra minúscula a, b, c, d, x, y,... ssunto: Conjunto e Conjuntos Numéricos ssunto: Teoria dos Conjuntos Conceitos primitivos. Representação e tipos de conjunto. Operação com conjuntos. Conceitos Primitivos: CURSO DO ZERO Para dar início

Leia mais

Eduardo. Matemática Matrizes

Eduardo. Matemática Matrizes Matemática Matrizes Eduardo Definição Tabela de números dispostos em linhas e colunas. Representação ou Ordem da Matriz Se uma matriz A possui m linhas e n colunas, dizemos que A tem ordem m por n e escrevemos

Leia mais

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 52 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 2010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

Números irracionais. Dinâmica 3. 1ª Série 1º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO

Números irracionais. Dinâmica 3. 1ª Série 1º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Reforço escolar M ate mática Números irracionais Dinâmica 3 1ª Série 1º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Matemática 1ª do Ensino Médio Numérico Aritmético Números Irracionais Aluno Primeira Etapa

Leia mais

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento.

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento. 1. CONJUNTOS 1.1. TEORIA DE CONJUNTOS 1.1.1. DEFINIÇÃO DE CONJUNTO Definição: Conjunto é toda coleção de objetos. Uma coleção de números é um conjunto. Uma coleção de letras é um conjunto. Uma coleção

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA

TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA TREINAMENTO MATEMÁTICA BÁSICA 1ª ETAPA 1 Adição, subtração, multiplicação e divisão de números naturais e decimais Números Naturais Nos dias de hoje, em lugar das pedrinhas, utilizam-se, em todo o mundo,

Leia mais

Domínio Números e Operações Subdomínio Adição e subtração de números racionais não negativos. Metas/Objetivos Conceitos/Conteúdos Aulas previstas

Domínio Números e Operações Subdomínio Adição e subtração de números racionais não negativos. Metas/Objetivos Conceitos/Conteúdos Aulas previstas Números e Operações Adição e subtração de números racionais não negativos DEPARTAMENTO DE MATEMÀTICA DISCIPLINA: Matemática PLANIFICAÇÃO 1ºperíodo - 5º ANO - Efetuar operações com números racionais não

Leia mais

Derivadas das Funções Trigonométricas Inversas

Derivadas das Funções Trigonométricas Inversas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Derivadas das Funções

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PROJECTO CURRICULAR DE MATEMÁTICA - 8º ANO /2015

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PROJECTO CURRICULAR DE MATEMÁTICA - 8º ANO /2015 ESCOLA EB 23 LUÍS DE CAMÕES Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PROJECTO CURRICULAR DE MATEMÁTICA - 8º ANO - 2014/2015 Domínio: Números e operações Subdomínio 1. Relacionar números racionais

Leia mais

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE ANGRA DOS REIS DISCIPLINA: MATEMÁTICA CONTEÚDO E MÉTODO Período: 2016.2 NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES Prof. Adriano Vargas Freitas Noção de número

Leia mais

PLANIFICAÇÃO-2016/2017

PLANIFICAÇÃO-2016/2017 PLANIFICAÇÃO-2016/2017 ENSINO BÁSICO - PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA - 1ºPERÍODO 8º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS UNIDADE 1 Conjunto dos números reais -Dízimas finitas e infinitas

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática / 8º Ano MANUAL ADOTADO: MATEMÁTICA EM AÇÃO 8 (E.B. 2,3) / MATEMÁTICA DINÂMICA 8 (SEDE) GESTÃO DO TEMPO 1º PERÍODO Nº de tempos

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo Plano Curricular de Matemática 5ºAno - 2º Ciclo Domínio Conteúdos Metas Nº de Tempos Previstos Numeros e Operações Números racionais não negativos (Educação Financeira) - Cidadania - Simplificação de frações;

Leia mais

IN={0, 1, 2, 3, 4, 5,...}

IN={0, 1, 2, 3, 4, 5,...} ALUNO(A) AULA 001 MATEMÁTICA DATA 18 / 10 /2013 PROFESSOR: Paulo Roberto Weissheimer AULA 001 - DE MATEMÁTICA Conjunto dos números naturais (IN) IN={0, 1, 2, 3, 4, 5,...} CONJUNTOS NUMÉRICOS Um subconjunto

Leia mais

MATEMÁTICA - 7.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra ) NÚMEROS RACIONAIS

MATEMÁTICA - 7.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra ) NÚMEROS RACIONAIS Salesianos de Mogofores - 2016/2017 MATEMÁTICA - 7.º Ano Ana Soares (ana.soares@mogofores.salesianos.pt ) Catarina Coimbra (catarina.coimbra@mogofores.salesianos.pt ) Rota de aprendizage m por Projetos

Leia mais

Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos.

Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos. Capítulo 5 Vetores no plano 1. Paralelogramos Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos. Usando congruência de triângulos,

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues CENTRO EUCACIONAL GIRASSOL T de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues proftiagorodrigues@gmail.com IVISIBILIAE E RESTO. Introdução O assunto divisibilidade no Conjunto dos Inteiros ( ) é extremamente importante

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE LINHARES Prof. Esp. Thiago Magalhães

FACULDADE PITÁGORAS DE LINHARES Prof. Esp. Thiago Magalhães VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO INTRODUÇÃO Cumpre de início, distinguir grandezas escalares das grandezas vetoriais. Grandezas escalares são aquelas que para sua perfeita caracterização basta informarmos

Leia mais

OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS

OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS ADIÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS COM SINAIS IGUAIS OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS 1º Caso: (+3 ) + (+4) = + 7 +3 + 4 = + 7 ADIÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS Quando duas parcelas são positivas, o resultado da adição

Leia mais

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano Números e operações Números racionais não negativos Noção e representação de número racional Comparação e ordenação de números racionais Operações com números racionais Valores aproximados Percentagens

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I CDI I

Cálculo Diferencial e Integral I CDI I Cálculo Diferencial e Integral I CDI I Limites laterais e ites envolvendo o infinito Luiza Amalia Pinto Cantão luiza@sorocaba.unesp.br Limites 1 Limites Laterais a à diretia b à esquerda c Definição precisa

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 MATEMÁTICA (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 MATEMÁTICA (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Operações e Medida Tratamento de Dados Efetuar com números racionais não negativos. Resolver problemas de vários passos envolvendo com números racionais representados por frações, dízimas,

Leia mais

Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes.

Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes. Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes. Potenciação Antes de falar sobre potenciação e suas propriedades, é necessário que primeiro saibamos o que vem a ser uma potência. Observe o exemplo

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

Complementos sobre Números Complexos

Complementos sobre Números Complexos Complementos sobre Números Complexos Ementa 1 Introdução Estrutura Algébrica e Completude 1 O Corpo dos números complexos Notações 3 Interpretação Geométrica e Completude de C 4 Forma Polar de um Número

Leia mais

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra Salesianos de Mogofores - 2016/2017 MATEMÁTICA - 8.º Ano Ana Soares (ana.soares@mogofores.salesianos.pt ) Catarina Coimbra (catarina.coimbra@mogofores.salesianos.pt ) Rota de aprendizage m por Projetos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Matemática Trimestre: 1º Números Naturais: - Sistema de numeração - Adição e subtração - Multiplicação e divisão - Traduzir em palavras números representados por algarismos

Leia mais

Comprimento de Arco. 1.Introdução 2.Resolução de Exemplos 3.Função Comprimento de Arco 4.Resolução de Exemplo

Comprimento de Arco. 1.Introdução 2.Resolução de Exemplos 3.Função Comprimento de Arco 4.Resolução de Exemplo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Comprimento de Arco

Leia mais

Planificação Anual (por unidades)

Planificação Anual (por unidades) Planificação Anual (por unidades) Total de tempos letivos planificados: 10 Disciplina: MATEMÁTICA 5º ANO Ano letivo: 01/015 Período Unidade didática Nº DE TEMPOS PREVISTOS Total - Apresentação. - Atividades

Leia mais

a 11 a a 1n a 21 a a 2n A = a m1 a m2... a mn

a 11 a a 1n a 21 a a 2n A = a m1 a m2... a mn Matrizes Definição Definição Uma matriz m n é uma tabela de mn números dispostos em m linhas e n colunas a 11 a 1 a 1n a 1 a a n a m1 a m a mn Embora a rigor matrizes possam ter quaisquer tipos de elementos,

Leia mais

Concurso Público Conteúdo

Concurso Público Conteúdo Concurso Público 2016 Conteúdo 1ª parte Números inteiros e racionais: operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação); expressões numéricas; múltiplos e divisores de números naturais;

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 4 Conjuntos Numéricos. Rodrigo Hausen. v /9

Bases Matemáticas. Aula 4 Conjuntos Numéricos. Rodrigo Hausen. v /9 Bases Matemáticas Aula 4 Conjuntos Numéricos Rodrigo Hausen v. 2016-6-10 1/9 Números Naturais, Inteiros e Racionais naturais: inteiros: racionais: N = {0, 1, 2,...} Z = {... 2, 1, 0, 1, 2,...} { } p Q

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 27 de Março de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 -

Leia mais

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7 Decomposição de um número composto Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: 420 2 210 2 105 3 35 5 7 7 1 420= 2 2 X 3 X 5 X 7 Determinação do número de divisores de um número natural

Leia mais

dia 10/08/2010

dia 10/08/2010 Número complexo Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/n%c3%bamero_complexo dia 10/08/2010 Em matemática, os números complexos são os elementos do conjunto, uma extensão

Leia mais

CUFSA - FAFIL Graduação em Matemática TRIGONOMETRIA (Resumo Teórico)

CUFSA - FAFIL Graduação em Matemática TRIGONOMETRIA (Resumo Teórico) 1 INTRODUÇÃO CUFSA - FAFIL Graduação em Matemática TRIGONOMETRIA (Resumo Teórico) ARCOS: Dados dois pontos A e B de uma circunferência, definimos Arco AB a qualquer uma das partes desta circunferência

Leia mais

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0 Lista de exercícios. AL. 1 sem. 2015 Prof. Fabiano Borges da Silva 1 Matrizes Notações: 0 para matriz nula; I para matriz identidade; 1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC calcule A(B + C) B t A

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS O conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é uma lista, coleção ou classe de objetods bem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA - 5.º ANO PERFIL DO ALUNO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA - 5.º ANO PERFIL DO ALUNO DE MATEMÁTICA - 5.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de conhecer e aplicar propriedades dos divisores e efetuar operações com números

Leia mais

O uso de letras na linguagem matemática

O uso de letras na linguagem matemática O uso de letras na linguagem matemática Vimos que a linguagem matemática utiliza letras para representar propriedades, como por exemplo a propriedade distributiva: a(b + c) = ab + ac De fato as letras

Leia mais

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero.   Página: E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Números naturais Como somos apresentados aos números? Num primeiro momento, aprendemos

Leia mais

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I 6º Olímpico Matemática I Sistema de numeração romano. Situações problema com as seis operações com números naturais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação). Expressões numéricas

Leia mais

Pré-Cálculo. Camila Perraro Sehn Eduardo de Sá Bueno Nóbrega. FURG - Universidade Federal de Rio Grande

Pré-Cálculo. Camila Perraro Sehn Eduardo de Sá Bueno Nóbrega. FURG - Universidade Federal de Rio Grande Pré-Cálculo Camila Perraro Sehn Eduardo de Sá Bueno Nóbrega Projeto Pré-Cálculo Este projeto consiste na formulação de uma apostila contendo os principais assuntos trabalhados na disciplina de Matemática

Leia mais

Adição de números decimais

Adição de números decimais NÚMEROS DECIMAIS O número decimal tem sempre uma virgula que divide o número decimal em duas partes: Parte inteira (antes da virgula) e parte decimal (depois da virgula). Ex: 3,5 parte inteira 3 e parte

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 6.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LECTIVO 2011/2012 Compreender a noção de volume. VOLUMES Reconhecer

Leia mais

Lista de Exercícios Glossário Básico

Lista de Exercícios Glossário Básico Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 8 - Notação Matemática e Glossário Básico - (parte 2 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=tnbv2ewa3q8

Leia mais

TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS

TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS MULTIPLICAÇÃO POR E SEUS MÚLTIPLOS Para multiplicar multiplicar por, 0, 00,... basta deslocar a vírgula para a direita tantas casas quantos forem os zeros.,6,6 (desloca a

Leia mais

Abril Educação Conjuntos numéricos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Conjuntos numéricos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Conjuntos numéricos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Explique com as suas palavras por que zero é chamado de elemento neutro da adição. Questão 2 Qual é a única

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 8º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 8º ano 2014/2015 Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.

Leia mais

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Ano letivo 2015 / 16 Matriz Curricular 1º Ciclo Ano Letivo: 2015 / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Nº total de dias letivos 164 dias Nº de dias letivos 1º período - 64 dias 2º período - 52

Leia mais

1.1 Propriedades básicas dos números reais, axiomática dos números reais.

1.1 Propriedades básicas dos números reais, axiomática dos números reais. I - Funções reais de variável real 1. Números Reais. 1.1 - Números naturais, números relativos, números racionais e números reais. De uma forma muito simples vamos recordar os números: Números Naturais

Leia mais

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há 1 Produto Cartesiano Par Ordenado A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há casos entretanto em que a ordem é importante. Daí a necessidade de se introduzir

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: 2016 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/ º Ano Matemática. METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/ º Ano Matemática. METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho Número e Operações - Números naturais 1. Contar 1.1. Reconhecer que se poderia prosseguir a contagem indefinidamente introduzindo regras de

Leia mais

4 º Ano Matemática. METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho

4 º Ano Matemática. METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho METAS Domínios/Conteúdos Objetivos Descritores de Desempenho Ao longo do ano Números e Operações 3. Resolver problemas 3.1. Resolver problemas de vários passos envolvendo as quatro operações. setembro/

Leia mais

Função Inversa. 1.Função sobrejetora 2.Função injetora 3.Função bijetora 4.Função inversa

Função Inversa. 1.Função sobrejetora 2.Função injetora 3.Função bijetora 4.Função inversa UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Função Inversa Prof.: Rogério

Leia mais