Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c"

Transcrição

1 Números Reais Víctor Arturo Martínez León 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais é denotado por Q, assim: { a } Q = b ; a, b Z, b 0 onde Z indica o conjunto dos números inteiros: Z = {..., 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3,...}, Indicamos, ainda por N o conjunto dos números naturais: N = {0, 1, 2, 3,...}. Observamos que N Z Q, isto é, todo número natural é também inteiro, e todo número inteiro é também número racional. Sejam a b e c dois racionais quaisquer. A soma e o produto destes racionais são obtidos d da seguinte forma: a b + c ad + bc = d bd a b c d = ac bd. A operação que a cada par de números racionais associa a sua soma denomina-se adição, e a que associa o produto denomina-se multiplicação. a O número racional b se diz positivo se a b N; se a b N e a 0, então a b estritamente positivo. se diz Sejam r e s dois racionais, dizemos que r é estritamente menor que s (ou que s é estritamente maior que r) e escrevemos r < s (respectivamente s > r) se existe um racional t estritamente positivo tal que s = r + t. A notação r s (leia: r menor ou igual a s ou simplesmente r menor a s) é usada para indicar a afirmação r < s ou r = s. A notação r s (leia: r maior ou igual a s ou simplesmente r maior a s) é equivalente a s r. Observe que r positivo equivale a r 0. Se r 0, dizemos que r é negativo. A quádrupla (Q, +,, ) satisfaz as seguintes propriedades: Sejam x, y, z Q então temos Associativa (A1) (x + y) + z = x + (y + z) Comutativa (A2) x + y = y + x (M1) (xy)z = x(yz). (M2) xy = yx. 1

2 Existência de elemento neutro (A3) x + 0 = x (M3) x 1 = x, onde 1 0. Existência de oposto (A4) Para todo racional x existe um único racional y tal que x + y = 0. Tal y denomina-se oposto de x e denota-se por x. Assim x + ( x) = 0. Existência de inverso (M4) Para todo racional x 0 existe um único racional y tal que x y = 1. Tal y denomina-se inverso de x e denota-se por x 1 ou 1 x. Assim x x 1 = 1. Distributiva da multiplicação em relação à adição (D) x(y + z) = xy + xz. Reflexiva (O1) x x. Anti-simétrica (O2) x y e y x então x = y. Transitiva (O3) x y e y z então x z. Comparáveis (O4) Quaisquer que sejam os racionais x e y x y ou y x. Compatibilidade da ordem com a adição (OA) x y então x + z y + z. (Somando-se ambos os membros de uma desigualdade um mesmo número, o sentido da desigualdade se mantém.) Compatibilidade da ordem com a adição (OM) x y e 0 z então xz yz. (Multiplicando-se ambos os membros de uma desigualdade um mesmo número positivo, o sentido da desigualdade se mantém.) Observação: Seja K um conjunto qualquer com pelo menos dois elementos e suponhamos que em K estejam definidas duas operações indicadas por + e ; se a terna (K, +, ) satisfazer as propriedades (A1) a (A4), (M1) a (M4) e (D), diremos que (K, +, ) é um corpo. Se, além disso, em K estiver definida uma relação ( ) de modo que a quádrupla (K, +,, ) é um corpo ordenado. Segue que (Q, +,, ) é um corpo ordenado; entretanto, (Z, +,, ) não é corpo ordenado, pois (M4) não se verifica. Os números racionais podem ser representados geometricamente por pontos de uma reta. Para isto, escolhem-se dois pontos distintos da mesma, um representando o 0 e o outro o 1. Tomandose o segmento de extremidades 0 e 1 como unidade de medida, marcam-se os representantes dos demais números racionais. 2

3 Se o ponto P for o representante do número racional r, diremos que r é a abscissa de P. Na figura anterior, 1 é a abscissa de A; 5 é a abscissa de B. 2 Lembre-se que a equação x 2 = 2 não admite solução em Q. Vejamos agora, como construir um ponto da reta que não tenha abscissa racional. Pela teorema de Pitágoras, d 2 = = 2 (veja figura anterior); assim a abscissa de P deveria ser d que não é número racional. Admitiremos que todo ponto da reta tem uma abscissa x; se x não for racional, diremos que x é irracional. O conjunto formado por todos os números racionais e irracionais é o conjunto dos números reais que será denotado por R. 2 Os números reais Observe que Q R, isto é, todo número racional é um número real. Os números reais que não são racionais denominam-se irracionais. Em R estão definidas duas operações, adição (+) e multiplicação ( ) e uma relação ( ). A adição associa a cada par (x, y) de números reais um único número real denotado por x + y, a multiplicação, um único real denotado por x y. As operações de adição e multiplicação definidas em R, quando restritas a Q, coincidem com as operações de adição e multiplicação de Q; o mesmo acontece com a relação ( ). Admitiremos que a quádrupla (R, +,, ) é um corpo ordenado, isto é, satisfaz todas as 15 propriedades listadas na seção anterior: (A1) a (A4), (M1) a (M4), (D), (O1) a (O4), (OA) e (OM). Exemplo 1. Quaisquer que sejam os reais x, y, z, w e x y } então x + z y + w. z w (Somando-se membro a membro desigualdades de mesmo sentido, obtém-se outra de mesmo sentido.) Como observamos anteriormente, a adição associa a cada par de números reais um único número real; assim, se x = y e z = w, então x + z = y + w; em particular, se x = y, então x + z = y + z para todo z, o que significa que, somando a ambos membros de uma igualdade um mesmo número, a igualdade se mantém. 3

4 Exemplo 2. (Lei do cancelamento) Quaisquer que sejam os reais x, y, z x + z = y + z então x = y. Exemplo 3. Quaisquer que sejam os reais x, y, z, w e 0 x y } então x z y w. 0 z w (Multiplicando-se membro a membro desigualdades de mesmo sentido e de números positivos, obtém-se desigualdade de mesmo sentido.) Propriedades: Quaisquer que sejam os reais x, y, z, w tem-se a) x < y se, e somente se, x + z < y + z b) z > 0 se, e somente se, z 1 > 0 c) z > 0 se, e somente se, z < 0 d) Se z > 0 e x < y se, e somente se, x z < y z e) Se z < 0 e x < y se, e somente se, x z > y z. (Multiplicando-se ambos os membros de uma desigualdade por um mesmo número negativo, o sentido da desigualdade muda.) f) e 0 x < y 0 z < w } então x z < y w. g) 0 < x < y se, e somente se, 0 < 1 y < 1 x h) (Tricotomia) Uma e somente uma das condições abaixo se verifica x < y ou x = y ou x > y. i) (Anulamento do produto) xy = 0 se, e somente se, x = 0 ou y = 0. (Um produto é nulo se e somente se um dos fatores for nulo) Exemplo 4. Suponha x 0 e y 0. Prove: a) x < y então x 2 < y 2. b) x y então x 2 < y 2. c) x < y se, e somente se, x 2 < y 2. Exemplo 5. Resolva a inequação 5x + 3 < 2x + 7. Exemplo 6. Estude o sinal da expressão x 3. Exemplo 7. Estude o sinal de x + 3 x 2. Exemplo 8. Resolva a inequação 2x + 1 x 4 < 0. Exemplo 9. Resolva a inequação 3x 1 x

5 3 Módulo de um número real Sejam x R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de x por: { x, x 0 x = x, x < 0 Note que x 0 para todo x R. Exemplo = 5, 2 = 2 e 3 = 3. Exemplo 11. Mostre que, para todo x R, x 2 = x 2. Lembrando que a indica a raiz quadrada positiva de a (a 0). Segue do anterior que x 2 = x. Exemplo 12. Suponha que a > 0. Resolva a equação x = a. Exemplo 13. Resolva a equação 2x + 1 = 3. Sejam x, y R quaisquer. Definimos a distância de x e y por x y. Sendo P e Q os pontos do eixo Ox de abscissa x e y, e u o segmento de extremidades 0 e 1, x y é a medida, com unidade u, do segmento P Q. De x = x 0, segue que x é a distância de x a 0. Seja r > 0; o próximo exemplo nos diz que a distância de x a 0 é menor que r se, somente se, x estiver compreendido entre r e r. Exemplo 14. Suponha r > 0. Mostre que x < r se e somente r < x < r. Exemplo 15. Resolva a inequação x < 3. Exemplo 16. Elimine o módulo em x p < r (r > 0). Exemplo 17. Mostre que quaisquer que sejam os reais x e y xy = x y. (O módulo de um produto é igual ao produto dos módulos dos fatores) Exemplo 18. (Desigualdade triangular) Quaisquer que sejam os reais x e y x + y x + y. (O módulo de uma soma é menor igual à soma dos módulos das parcelas) Exemplo 19. Elimine o módulo em x x

6 4 Intervalos Sejam a, b R com a < b. Um intervalo em R é um subconjunto de R que tem uma das seguintes formas: [a, b] = {x; a x b} ]a, b] = {x; a < x b} [a, b[= {x; a x < b} ]a, b[= {x; a < x < b} ], b[= {x; x < b} Observação: não é um número, é um simbolo. ], b] = {x; x b} ]a, + [= {x; a < x} [a, + [= {x; a x} ], + [= R. Os intervalos ]a, b[, ], a[, ]a, + [ e ], [ são denominados intervalos abertos; [a, b] denomina-se intervalo fechado de extremidades a e b. Exemplo 20. Expresse o conjunto {x R; 2x 3 < x + 1} em notação de intervalo. 5 Propriedades dos intervalos encaixantes e propriedades de Arquimedes A seguir destacaremos duas propriedades fundamentais dos números reais: Propriedade Arquimediana: Se x > 0 e y R então existe n N tal que nx > y. Propriedade dos intervalos Encaixantes: Seja [a 0, b 0 ], [a 1, b 1 ],...,[a n, b n ],... uma sequência de intervalos satisfazendo as condições: i) [a 0, b 0 ] [a 1, b 1 ] [a 2, b 2 ] [a n, b n ]... ii) Para todo r > 0, existe n N tal que b n a n < r. então existe um único α R tal que a n α b n para todo n N. Para mostrar isto primeiro vejamos: Definição 1. Seja A R. O maior elemento de A, quando existe, é chamado de máximo de A e indica-se por max A. O menor elemento de A, quando existe, é chamado de mínimo de A e indica-se por min A. Dizemos que m é uma cota superior de A se x m para todo x A. Dizemos que m é uma cota inferior de A se m x para todo x A. Exemplo 21. Seja A = {1, 2, 3} a) min A = 1 e max A = 3 6

7 b) 3, 10, 100 são cotas superiores de A e 0, 1, 1 são cotas inferiores de A. 3 Exemplo 22. Seja A = [1, 2[ um intervalo. a) min A = 1 b) A não tem máximo. c) Todo número m 1 é uma cota inferior de A. d) Todo número m 2 é uma cota superior de A. Um conjunto A pode não admitir máximo, entretanto, poderá admitir uma menor cota superior. Por exemplo, o intervalo [1, 2[ não admite máximo, mas admite uma menor cota superior que é 2. Definição 2. A menor cota superior de um conjunto A, quando existe, é chamado supremo de A e indica-se por sup A. É claro que se A admitir máximo m então m = sup A. Entretanto, A poderá não admitir máximo, mas admitir supremo; por exemplo A = [1, 2[ não tem máximo, mas admite supremo sup A = 2. Definição 3. A maior cota inferior de um conjunto A, quando existe, é chamado ínfimo de A e indica-se por inf A. Se A admitir uma cota superior então diremos que A é limitado superiormente. Se A admitir uma cota inferior então diremos que A é limitado inferiormente. Axioma do Supremo: Todo subconjunto de números reais, não vazio e limitado superiormente admite supremo. Pelo fato de R satisfazer esta propriedade do supremo, diremos que R é um corpo ordenado completo. Demonstração da Propriedade Arquimediana: Suponhamos por absurdo, que para todo n N, nx y. Consideremos A = {nx; n N}, note que A (pois 1 x = x A) e limitado superiormente por y. Logo pelo Axioma do Supremo, admite sup A = s. Como x > 0 e s x < s então s x não é cota superior de A, logo existe m N tal que s x < mx assim s < (m + 1)x que é uma contradição, pois s = sup A e (m + 1)x A. Exemplo 23. a) Para todo x > 0, existe n N tal que x < 1 n. b) Para todo x R, existe n N tal que n > x. Exemplo 24. Prove que se A é não vazio e limitado inferiormente então A admite ínfimo. Demonstração da Propriedade dos intervalos encaixantes: Temos pela propriedade (i) a 0 a 1... a n b n b n 1... b 0. Seja A = {a n ; n R}, A e limitada superiormente pois todo b n é cota superior de A. Assim existe α = sup A. Como α é a menor cota superior então a n α b n para todo n R. 7

8 Se β for outro real tal que a n β b n para todo n R, então α β b n a n para todo n N ( ), agora como α β então α β > 0 logo pela propriedade (ii), existe m N tal que β α 2 > b m a m. Dali usando ( ) tomando n = m temos que o qual é absurdo. β α b m a m < β α, 2 References [1] Hamilton Luiz Guidorizzi, Um curso de cálculo, 5 edição

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web . (Pucrj 015) Sejam as funções f(x) = x 6x e g(x) = x 1. O produto dos valores inteiros de x que satisfazem a desigualdade f(x) < g(x) é: a) 8 b) 1 c) 60 d) 7 e) 10 4. (Acafe 014) O vazamento ocorrido

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) =

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) = Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 9 Trigonometria I Resumo das principais fórmulas da trigonometria Arcos Notáveis: Fórmulas do arco duplo: ) sen (a) = ) cos (a) = 3)

Leia mais

Matemática na Reta. 1 o Colóquio de Matemática da Região Nordeste. Claus I. Doering Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Matemática na Reta. 1 o Colóquio de Matemática da Região Nordeste. Claus I. Doering Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul ColMatNesIAMNR 2010/12/29 15:43 page i #1 Introdução à Análise Matemática na Reta Claus I. Doering Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul 1 o Colóquio de Matemática da Região

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Matemática Aplicada à Administração, Ciências Contábeis e Economia

Matemática Aplicada à Administração, Ciências Contábeis e Economia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Matemática Matemática Aplicada à Administração, Ciências Contábeis e Economia AntôniodeAndradeeSilva iv Dedicatória

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul Florianópolis, SC 2014 A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

Álgebra Booleana. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

Álgebra Booleana. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Álgebra Booleana Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Histórico George Boole (1815-1864) Considerado um dos fundadores da Ciência da Computação, apesar de computadores não existirem em seus dias.

Leia mais

Conjuntos Numéricos. N = {0, 1, 2, 3, } Z = {, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, }= {0, ±1, ±2, ±3. } Q = : p e q Z, q 6= 0

Conjuntos Numéricos. N = {0, 1, 2, 3, } Z = {, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, }= {0, ±1, ±2, ±3. } Q = : p e q Z, q 6= 0 Conjuntos Numéricos Os conjuntos numéricos compõe uma parte fundamental da Matemática, notadamente no contexto de aplicação a outros campos de estudo. Atualmente tais conjuntos englobam os números naturais,

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA D

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA D OBMEP 015 Nível 3 1 QUESTÃO 1 Como,5 = 5 x 0,5, o tempo que o frango deve ficar no forno é 5 x 1 = 60 minutos. Logo, Paula deve colocar o frango no forno às 19 h, mas 15 minutos antes deve acender o forno.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

2.2 Subespaços Vetoriais

2.2 Subespaços Vetoriais 32 CAPÍTULO 2. ESPAÇOS VETORIAIS 2.2 Subespaços Vetoriais Sejam V um espaço vetorial sobre R e W um subconjunto de V. Dizemos que W é um subespaço (vetorial) de V se as seguintes condições são satisfeitas:

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC,

Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC, ESPAÇO VETORIAL Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC, + é a operação (função) soma + : V V V, que a cada par (u, v) V V, associa um único elemento de V, denotado

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA 1 MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA MATEMÁTICA DISCRETA Profa. Marcia Mahon Grupo de Pesquisas em Comunicações - CODEC Departamento de Eletrônica e Sistemas - UFPE Outubro 2003 2 CONTEÚDO 1 - Introdução

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU 1 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU Equação do 1º grau Chamamos de equação do 1º grau em uma incógnita x, a qualquer expressão matemática que pode ser escrita sob a forma: em que a e b são números reais,

Leia mais

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v.

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v. Vetores no R 2 : O conjunto R 2 = R x R = {(x, y) / x, y Є R} é interpretado geometricamente como sendo o plano cartesiano xoy. Qualquer vetor AB considerado neste plano tem sempre um representante OP

Leia mais

A Curva de Lorenz e o Índice de Gini

A Curva de Lorenz e o Índice de Gini A Curva de Lorenz e o Índice de Gini Curva de Lorenz Considere n valores para uma variável x i e admita-os ordenados de forma que x x 2... x n. A proporção acumulada da população até a i-ésima pessoa é

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Universidade Federal do Piauí Campus Ministro Reis Velloso Departamento de Matemática Fundamentos de Matemática por Cleyton Natanael Lopes de Carvalho Cunha Parnaiba, de 20 Sumário 1 Teoria Elementar dos

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing)

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) ISCTE, Escola de Gestão Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) Diana Aldea Mendes 29 de Outubro de 2008 Espaços Vectoriais Definição (vector): Chama-se vector edesigna-sepor v um objecto matemático caracterizado

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial Sistemas Digitais Exercícios de Apoio - I Sistemas de Numeração CONVERSÃO ENTRE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Conversão Decimal - Binário Números Inteiros

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Prof Elizeu Junior

Teoria dos Conjuntos. Prof Elizeu Junior Teoria dos Conjuntos Prof Elizeu Junior Introdução A teoria dos Conjuntos representa instrumento de grande utilidade nos diversos desenvolvimentos da Matemática, bem como em outros ramos das ciências físicas

Leia mais

Pré-Seleção OBM Nível 3

Pré-Seleção OBM Nível 3 Aluno (a) Pré-Seleção OBM Nível 3 Questão 1. Hoje é sábado. Que dia da semana será daqui a 99 dias? a) segunda-feira b) sábado c) domingo d) sexta-feira e) quinta feira Uma semana tem 7 dias. Assim, se

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Marília Brasil Xavier REITORA Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odivaldo Teixeira Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odivaldo Teixeira

Leia mais

Sistemas Polinomiais, Mapas e Origamis

Sistemas Polinomiais, Mapas e Origamis Sistemas Polinomiais, Mapas e Origamis Marcelo Escudeiro Hernandes 1 Departamento de Matemática Universidade Estadual de Maringá 1 mehernandes@uem.br Introdução O que sistemas de equações polinomiais,

Leia mais

Tópicos Matriciais Pedro Henrique O. Pantoja Natal / RN

Tópicos Matriciais Pedro Henrique O. Pantoja Natal / RN 1. Traço de Matrizes. Definição 1.1: O traço de uma matriz quadrada A a de ordem n é a soma dos elementos da diagonal principal. Em símbolos, TrA a a a a. Daqui em diante, A denotará uma matriz quadrada

Leia mais

Prof. José Carlos Morilla

Prof. José Carlos Morilla 1 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica Santos 009 1 CÁLCULO VETORIAL... 4 1.1 Segmentos Orientados... 4 1. Vetores... 4 1..1 Soma de um ponto com um vetor... 5 1.. Adição de vetores... 5 1..3 Diferença

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

8 8 (mod 17) e 3 34 = (3 17 ) 2 9 (mod 17). Daí que 2 67 + 3 34 8 + 9 0 (mod 17), o que significa que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 17.

8 8 (mod 17) e 3 34 = (3 17 ) 2 9 (mod 17). Daí que 2 67 + 3 34 8 + 9 0 (mod 17), o que significa que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 17. Prova Teoria de Números 23/04/203 Nome: RA: Escolha 5 questões.. Mostre que 2 67 + 3 34 é múltiplo de 7. Solução: Pelo teorema de Fermat 2 6 (mod 7 e 3 7 3 (mod 7. Portanto, 2 67 = 2 64+3 = ( 2 6 4 8 8

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

FUVEST VESTIBULAR 2006. RESOLUÇÃO DA PROVA DA FASE 1. Por Professora Maria Antônia Conceição Gouveia. MATEMÁTICA

FUVEST VESTIBULAR 2006. RESOLUÇÃO DA PROVA DA FASE 1. Por Professora Maria Antônia Conceição Gouveia. MATEMÁTICA FUVEST VESTIBULAR 006. RESOLUÇÃO DA PROVA DA FASE 1. Por Professora Maria Antônia Conceição Gouveia. MATEMÁTICA 1. A partir de 64 cubos brancos, todos iguais, forma-se um novo cubo. A seguir, este novo

Leia mais

MD Teoria dos Conjuntos 1

MD Teoria dos Conjuntos 1 Teoria dos Conjuntos Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Teoria dos Conjuntos 1 Introdução O que os seguintes objetos têm em comum? um

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 TEOREMA DE TALES. Na figura abaixo as retas r, s e t são (A) 0 (B) 6 (C) 00 (D) 80 (E) 0. Três retas paralelas são cortadas por duas Se AB = cm; BC = 6 cm e XY = 0 cm a medida, em cm, de XZ é: (A) 0 (B)

Leia mais

EXAME DE ACESSO PROFMAT - 2015 - SOLUÇÕES (B) 7 (E) 12

EXAME DE ACESSO PROFMAT - 2015 - SOLUÇÕES (B) 7 (E) 12 EXAME DE ACESSO PROFMAT - 015 - SOLUÇÕES 1. Se x é um número real tal que x + 1 x = 3, então x + 1 é igual a: x (A) 6 (D) 9 Resposta: B) (B) 7 (E) 1 (C) 8 Elevando ambos os membros da equação x + 1 = 3

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3 - ÁLGEBRA BOOLEANA 1. Introdução O ponto de partida para o projeto sistemático de sistemas de processamento digital é a chamada Álgebra de Boole, trabalho de um matemático inglês que, em um livro

Leia mais

Notas de Aula. Álgebra Linear

Notas de Aula. Álgebra Linear Notas de Aula Álgebra Linear Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula da disciplina Álgebra Linear

Leia mais

Åaxwell Mariano de Barros

Åaxwell Mariano de Barros ÍÒ Ú Ö Ö Ð ÓÅ Ö Ò Ó Ô ÖØ Ñ ÒØÓ Å Ø Ñ Ø ÒØÖÓ Ò Ü Ø Ì ÒÓÐÓ ÆÓØ ÙÐ ¹¼ ÐÙÐÓÎ ØÓÖ Ð ÓÑ ØÖ Ò Ð Ø Åaxwell Mariano de Barros ¾¼½½ ËÓÄÙ ¹ÅA ËÙÑ Ö Ó 1 Vetores no Espaço 2 1.1 Bases.........................................

Leia mais

Databases. Dependências Funcionais

Databases. Dependências Funcionais Databases Dependências Funcionais P. Serendero, 2011-13 Referências e exemplos tirados de diversas fontes, excetuando aqueles relacionados com embarcações Dependências Funcionais (DF) Uma Base de Dados,

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

Divisibilidade em Domínios de Integridade

Divisibilidade em Domínios de Integridade Universidade Federal de Sergipe PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT Divisibilidade em Domínios

Leia mais

Exercícios de Matemática Equações de Segundo Grau

Exercícios de Matemática Equações de Segundo Grau Exercícios de Matemática Equações de Segundo Grau 2. (Ita 2001) O conjunto de todos os valores de m para os quais a função TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufba 96) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos

Leia mais

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 203 Mário Jorge Dias Carneiro Introdução O que é um número real? A resposta formal e

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai ANÁLISE REAL (MA0062) Adriano Pedreira Cattai http://cattai.mat.br Universidade do Estado da Bahia UNEB Semestre 2009.2 UNEB 2009.2 Sumário Apresentação.....................................................................................................................

Leia mais

2.1.1 Grandezas escalares e sistema referencial em uma reta

2.1.1 Grandezas escalares e sistema referencial em uma reta Capítulo 2 Vetores Uma introdução geométrica 2.1 Grandezas escalares e grandezas vetoriais 2.1.1 Grandezas escalares e sistema referencial em uma reta As grandezas escalares são conceitos que podem ser

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

. Determine os valores de P(1) e P(22).

. Determine os valores de P(1) e P(22). Resolução das atividades complementares Matemática M Polinômios p. 68 Considere o polinômio P(x) x x. Determine os valores de P() e P(). x x P() 0; P() P(x) (x x)? x (x ) x x x P()? 0 P() ()? () () 8 Seja

Leia mais

MATEMÁTICA NÚMEROS INTEIROS E RACIONAIS: OPERAÇÕES (ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, POTENCIAÇÃO);

MATEMÁTICA NÚMEROS INTEIROS E RACIONAIS: OPERAÇÕES (ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, POTENCIAÇÃO); NÚMEROS INTEIROS E RACIONAIS: OPERAÇÕES (ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, POTENCIAÇÃO); Conjunto dos Números Inteiros Z Definimos o conjunto dos números inteiros como a reunião do conjunto dos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO).

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO). LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO. PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP OBS: Faça os exercícios sobre

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Vetores Lidando com grandezas vetoriais

Vetores Lidando com grandezas vetoriais Vetores Lidando com grandezas vetoriais matéria de vetores é de extrema importância para o ensino médio basta levar em consideração que a maioria das matérias de física envolve mecânica (movimento, dinâmica,

Leia mais

CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO

CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO Ricardo Bianconi Primeiro Semestre de 2008 Revisado em Fevereiro de 2015 Resumo Relacionamos os conceitos de campos irrotacionais, campos conservativos e forma do domínio

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇO VETORIAL REAL NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS Seja um conjunto V φ no qual estão definidas duas operações: adição e multiplicação por escalar, tais que u, v V, u+v V e α R, u V, αu V

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

Faça uma leitura atenciosa do conteúdo e das situações problemas propostas para compreensão e interpretação.

Faça uma leitura atenciosa do conteúdo e das situações problemas propostas para compreensão e interpretação. Apostila de Cálculo Zero Este material visa auxiliar os estudos em Matemática promovendo a revisão de seu conteúdo básico, de forma a facilitar o aprendizado nas disciplinas de cálculo e também melhorar

Leia mais

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B).

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo : Funções.- Definições Sejam A e B dois conjuntos não vazios. Uma função f de

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Exercícios de Números Complexos com Gabarito

Exercícios de Números Complexos com Gabarito Exercícios de Números Complexos com Gabarito ) (UNIFESP-007) Quatro números complexos representam, no plano complexo, vértices de um paralelogramo. Três dos números são z = i, z = e z = + ( 5 )i. O quarto

Leia mais

Soluções dos Exercícios do Capítulo 5

Soluções dos Exercícios do Capítulo 5 A MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO Volume 1 Soluções dos Exercícios do Capítulo 5 5.1. Menor do que o dobro, pois na segunda metade da corrida não foi cobrada a bandeirada. Algebricamente: se f(x) = ax + b então

Leia mais

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis.

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis. www.engenhariafacil.weebly.com Resumo com exercícios resolvidos do assunto: (I) (II) (III) Funções de duas ou mais variáveis; Limites; Continuidade. (I) Funções de duas ou mais variáveis. No Cálculo I

Leia mais