AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E GESTÃO DO CONHECIMENTO: AS PRÁTICAS NAS MAIORES INDUSTRIAS CATARINENSES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E GESTÃO DO CONHECIMENTO: AS PRÁTICAS NAS MAIORES INDUSTRIAS CATARINENSES"

Transcrição

1 ISSN AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E GESTÃO DO CONHECIMENTO: AS PRÁTICAS NAS MAIORES INDUSTRIAS CATARINENSES Dante Girardi (UFSC) Júlia de Freitas Girardi (UFSC) André de Freitas Girardi (UFSC) Anderson Sasaki Vasques Pacheco (UFSC) Resumo O alcance dos objetivos e das estratégias das organizações depende, significativamente, dos resultados produzidos pelas pessoas. Os talentos humanos produzem e agregam conhecimento à organização, aos processos, produtos e serviços. As organnizações competitivas buscam, em conjunto com a gestão de pessoas, gerir o capital humano, por meio de valores e processos efetivos e da gestão do conhecimento. O desenvolvimento do conhecimento dos profissionais está relacionado ao processo de avaliação de desempenho. Assim, este artigo trata do processo de avaliação de desempenho e da sua relação com a gestão do conhecimento nas organizações. A metodologia adotada foi a da pesquisa qualitativa, descritiva e aplicada. Por meio de pesquisa documental e entrevistas foram identificadas as práticas de avaliação de desempenho das sete maiores indústrias catarinenses em número de colaboradores. Os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo. Os resultados do estudo demonstraram que todas as empresas estudadas praticam a avaliação de desempenho. Na maioria, o processo envolve o RH, os gestores e colaboradores e há integração entre a avaliação de desempenho, o treinamento e desenvolvimento de pessoas e a remuneração. Destaca-se como tendências observadas a remuneração variável, a avaliação por competências e a avaliação 360 graus. A avaliação de desempenho é utilizada como instrumento de apoio ao desenvolvimento das pessoas, de lideranças, do conhecimento e da competitividade da organização. Palavras-chaves: Gestão do Conhecimento. Gestão de Pessoas. Avaliação de Desempenho.

2 1 INTRODUÇÃO O conhecimento tornou-se diferencial competitivo das organizações, possibilitando a melhoria contínua da estrutura, processos, produtos e serviços. Nonaka; Takeuchi (1997) afirmam que o conhecimento é o principal elemento de competitividade das organizações e que a criação de conhecimento gera inovação e vantagem competitiva. Como detentoras do conhecimento, as pessoas constituem o capital humano das organizações orientadas pela gestão de pessoas como atividade ampla de gestão dos talentos humanos e do conhecimento. Os processos de gestão de pessoas colaborem com a organização na realização das suas estratégias, atuando na retenção de talentos e no desenvolvimento do conhecimento dos indivíduos. Fleury (2002) reflete que a maximização dos talentos humanos é uma preocupação de toda a organização. As organizações buscam gerir o conhecimento por meio da gestão de pessoas e da gestão do conhecimento, um conjunto de ações visando a criação, disseminação, desenvolvimento e utilização do conhecimento. Dessa forma, a organização amplia o seu capital intelectual e promove o desenvolvimento de todos. Nesse contexto, a avaliação de desempenho é uma ferramenta importante para as organizações. Como um dos processos de gestão de pessoas, permite verificar os resultados produzidos pelas pessoas e melhorá-los, juntamente com a performance da organização. O controle dos objetivos e metas organizacionais, do comportamento dos indivíduos, das suas competências e conhecimentos, bem como do seu potencial, são aspectos essenciais à competitividade organizacional e a avaliação de desempenho fornece essas informações, bases para decisões diversas como de treinamento e desenvolvimento, remuneração e carreira. A avaliação de desempenho tende a ampliar o conhecimento na organização, pois identifica os resultados produzidos, a forma de trabalhar, de se relacionar dos indivíduos e pontos a melhorar, estimulando a auto-avaliação, o aperfeiçoamento profissional e o desenvolvimento de competências e conhecimentos em todos os níveis. 2 A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL 2

3 A avaliação de desempenho é um dos instrumentos do processo de comprometimento de pessoas, voltada à gestão do desempenho humano e ao desenvolvimento do potencial dos indivíduos nas organizações. Souza (2005) cita que a gestão de desempenho é um processo para a integração do universo corporativo, de equipes, indivíduos e líderes, por meio de planos sistêmicos, interessado na sustentação da organização no mercado. Historicamente, a avaliação de desempenho foi influenciada pela administração científica, sendo uma forma de controle, e pelo movimento das relações humanas, anos depois, com contribuições da psicologia, da administração por objetivos (APO) e outras, intensificando-se nos anos 60 e 70 e renovando-se nos anos 90, após o movimento da qualidade (HIPÓLITO; REIS, 2002). A lógica mecanicista, durante muito tempo, conduziu a avaliação de desempenho de modo informal nas empresas, procurando esta verificar a adaptação do homem ao trabalho. A partir da segunda guerra, surgiu o interesse em obter informações sistemáticas sobre a contribuição do trabalho das pessoas nas organizações. Nos anos 70, o paradigma da qualidade e outros fatores tornaram a prática da avaliação de desempenho apoiada em indicadores, especialmente financeiros, surgindo, mais tarde, novos modelos de avaliação, buscando agregar valor e compartilhar feedbacks. Mas foi na década de 90, em um contexto de turbulência e de ênfase nas pessoas como ativos estratégicos das organizações, que a avaliação de desempenho sofreu transformações, buscando, além do controle dos resultados, o envolvimento (SOUZA, 2005). O Quadro 1, a seguir, expõe alguns conceitos de avaliação de desempenho nas organizações: Milkovich; Boudreau Zavaglia Processo que mede o desempenho do profissional, sendo desempenho o grau de realização das exigências do seu trabalho, fornecendo informações aos indivíduos sobre a sua atuação, de modo que possam aperfeiçoá-la (2006). Processo que consiste na aplicação de técnicas visando obter e analisar informações sobre o desempenho das pessoas nos seus cargos (2006). Francisco Filho Verificação formal e contínua da performance do profissional diante das suas responsabilidades, e dos resultados alcançados de acordo com metas preestabelecidas (2008). Quadro 6 Conceitos de avaliação de desempenho Fonte Elaborado pelos autores 3

4 A avaliação de desempenho é um instrumento organizacional que tem como propósito verificar a adaptação do profissional aos objetivos da empresa e às exigências do trabalho, implicando significativamente na remuneração e carreira. Mesmo nos enfoques mais tradicionais, tem por objetivo a melhoria global do desempenho das pessoas nas organizações (HIPÓLITO; REIS, 2002), fornecer insumos para todas as atividades de RH e proporcionar feedback aos profissionais para aprimorar o seu desempenho (BOHLANDER et al, 2003). Um programa de avaliação de desempenho deve ter como objetivos: a) Identificar a contribuição dos profissionais à empresa, bem como necessidades de treinamento; b) Permitir que o empregado conheça seus pontos fortes e fracos, procurando corrigir suas deficiências, melhorar suas oportunidades na empresa e buscar o seu autodesenvolvimento; e, c) Apoiar os processos de remuneração, promoção e carreira, entre outros (FRANCISCO FILHO, 2008). Lucena (1992) ressalta que as diretrizes para o processo de avaliação de desempenho são baseadas na percepção e no reconhecimento do desempenho humano como fator impulsionador do sucesso da organização. Segundo Hipólito; Reis (2002), a avaliação de desempenho está voltada à expectativa de desempenho humano e também ao grau de desenvolvimento do profissional, devendo ter como foco: a) Aferição do potencial; b) Análise comportamental; c) Desenvolvimento profissional; e, d) Realização de metas e resultados, sendo, para este último, importante considerar uma expectativa desafiadora, porém factível, dos resultados esperados do indivíduo ou grupo, definir claramente a expectativa de resultado os critérios de revisão das metas. Milkovich; Boudreau (2006) apontam que o processo de avaliação de desempenho deve ter três características: 1) Oportunidade de observar o desempenho; 2) Capacidade de traduzir as observações de forma utilizável; e, 3) Motivação pra fornecer as avaliações. A avaliação de desempenho nas organizações relaciona-se ao planejamento estratégico e à definição dos objetivos estratégicos e requer definição de padrões de desempenho, acompanhamento dos resultados de desempenho e avaliação final (ZAVAGLIA, 2006). Souza (2005) enfatiza que o plano estratégico é a base de qualquer sistema contemporâneo de avaliação de desempenho. O planejamento da avaliação de desempenho envolve a definição de objetivos, metas e resultados, de modo compartilhado entre líderes e liderados, além de medidas de desempenho, das ferramentas a serem utilizadas, do acompanhamento e da avaliação do processo. A implementação da avaliação de desempenho nas organizações necessita alguns cuidados (HIPÓLITO; REIS, 2002): 4

5 a) Critérios claros de avaliação, negociados e legitimados; b) Comunicação ampla dos objetivos, etapas e impacto do processo; c) Preparação dos avaliadores e avaliados; d) Adoção de sistemática flexível, que estimule a auto-avaliação e a avaliação com múltiplas fontes; e, e) Avaliação como instrumento de apoio ao desenvolvimento individual e organizacional. Destaca-se a importância de preparar os gestores do desempenho para o processo de avaliação de desempenho. O treinamento de líderes na avaliação de desempenho otimiza a potencialização e o desenvolvimento dos indivíduos e do conhecimento individual e organizacional. Para Lucena (1992), a preparação dos avaliadores envolve orientação sobre o funcionamento da avaliação de desempenho, seus objetivos e normas, para o domínio da sistemática do processo e desenvolvimento das habilidades gerenciais necessárias. A autora ainda destaca que o gestor deve ter visão estratégica, habilidade de comunicação, abertura a inovação e à criatividade e apoiar o autoconhecimento. Souza (2005) argumenta que a liderança é importante para a sustentação de patamares crescentes de desempenho, portanto, a organização deve capacitar os líderes, no âmbito técnico e comportamental. A escolha das ferramentas de avaliação de desempenho é aspecto fundamental. Atualmente, as organizações dispõem de várias formas para avaliar a performance dos profissionais, utilizando-as conforme sua cultura, estratégias e visão das pessoas. Os métodos tradicionais mais comuns de avaliação de desempenho nas organizações são os seguintes (SOUZA, 2005): a) Escalas gráficas de classificação: é o mais adotado, avalia o desempenho baseado em fatores previamente estabelecidos e graduados, usados como referência para a comparação do desempenho; b) Escolha e distribuição forçada: frases descritivas, afirmações e padrões predefinidos, onde o avaliador escolhe o que mais se adequa ao comportamento do avaliado; c) Pesquisa de campo: entrevistas feitas pelo gestor ou especialistas, buscando informações sobre o desempenho do avaliado; d) Incidentes críticos: observações e registros sistemáticos de fatos positivos e negativos que interferem no desempenho; e) Comparação de pares: uma comparação de avaliados, dois a dois; 5

6 f) Auto-avaliação: análise do próprio avaliado sobre os pontos fortes e fracos do seu desempenho; g) Relatório de performance: relato de desempenho que descreve potencial, pontos fortes e fracos, contribuições para os objetivos organizacionais, conduta do indivíduo no trabalho; h) Avaliação por objetivos: proveniente da administração por objetivos (APO), avalia com base na capacidade do cumprimento de objetivos específicos, acordados previamente, alinhados aos objetivos da organização; e, i) Avaliação por resultados: uma comparação entre o previsto e o realizado, visando comprovar de modo sistematizado o grau de alcance dos resultados. Entretanto, há atualmente algumas tendências no processo de avaliação de desempenho humano nas organizações. Araújo (2006) cita que há hoje na avaliação de desempenho a influência da horizontalização e a ênfase no trabalho em equipe e na maior autonomia das pessoas. Hipólito; Reis (2002) apontam: a) Compromisso maior com a estratégia organizacional; b) Avaliação cada vez mais compreendida como um espaço para negociação e equilíbrio entre expectativas da empresa e do indivíduo; c) Fortalecimento do papel dos gestores em coaching no apoio ao desenvolvimento e à melhoria do desempenho; d) Utilização de diversas ferramentas de avaliação, como a avaliação por competências, a avaliação 360 graus, seguidas de feedback, ampliando o autoconhecimento e o aprimoramento profissional; e, e) Uso de modelos que integram as diferentes funções de gestão de pessoas, orientando ações como seleção, desenvolvimento, carreira. Zavaglia (2006) reforça que se observa a necessidade de uma avaliação de desempenho mais consensual entre os envolvidos (gestores e indivíduos), priorizando a análise, acompanhamento e avaliação das contribuições, competências, metas e resultados oferecidos pelas pessoas à organização. São formas modernas de avaliação de desempenho a avaliação por competências e a avaliação 360 graus. A avaliação por competências é um instrumento da gestão de competências nas organizações. Competência é o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes dos 6

7 indivíduos e a gestão das competências identifica, avalia e desenvolve as competências das pessoas no contexto do trabalho, agregando à organização conhecimento e competitividade. A avaliação por competências é a mensuração das competências conceituais, técnicas e interpessoais necessárias ao desempenho, através de instrumentos específicos e entrevistas, privilegiando abordagens quantitativas e qualitativas (SOUZA, 2005), analisa o processo de aprendizado organizacional, baseado nas competências humanas (DUTRA, 2002). As competências individuais estão relacionadas às competências estratégicas da organização, portanto, devem ser geridas de modo a otimizar o alcance dos objetivos organizacionais. A avaliação por competências visa identificar as competências presentes no comportamento do avaliado e as que precisam ser desenvolvidas, dando clareza e objetividade ao desempenho real e esperado, para que um plano de ação possa ser traçado conjuntamente entre líder e liderado O feedback é aspecto fundamental da avaliação de desempenho com foco em competências, fornecendo base para a geração de mudança (BENETTI et al. 2007). Por meio da avaliação por competências, a carreira dos indivíduos, focada nas competências, se desenvolve, devendo o profissional demonstrar a aplicabilidade de determinada competência, sendo avaliado dentro de uma escala que considera diferentes níveis de proficiência, de acordo com o valor agregado em termos de ações e resultados (WOOD JR., 2004). Outros benefícios da avaliação de desempenho por competências, na visão de Rabaglio (2004), são autoconhecimento, autodesenvolvimento e melhoria contínua, estímulo ao planejamento estratégico, foco nas pessoas, melhor relação entre líderes e liderados e promoção do plano de desenvolvimento. Mascarenhas (2008) reflete que a avaliação por competências possibilita o aprendizado por meio da melhoria das competências segundo critérios de desempenho. Gramigna (2002) justifica que por meio das competências, a organização mantém e desenvolve o capital intelectual, integra competências nas diversas áreas de trabalho, alavanca processos, forma sucessores, desenvolve novos comportamentos e assegura mudanças. Hipólito; Reis (2002) avaliam que os sistemas de gestão por competências permitem avaliar o desenvolvimento das pessoas, apoiando decisões sobre capacitação, carreira ou remuneração. A avaliação por competências relaciona-se com os processos de gestão de pessoas. Boog; Boog (2006) propõem a gestão integrada do treinamento e desenvolvimento com a 7

8 avaliação de desempenho e a gestão por competências, buscando desenvolver as competências estratégicas para o negócio e mostrar o valor da contribuição do profissional para os resultados da organização. Dessler (2003) associa também a remuneração de pessoas à avaliação por competências, sendo a remuneração por competências baseada na gestão de competências e na avaliação por competências, uma forma de remuneração estratégica que avalia mais amplamente as pessoas e todo o seu potencial de desempenho. Lacombe (2005) enfatiza que esses processos contribuem para a identificação e o estímulo ao desenvolvimento de competências e conhecimentos que agregam valor à organização. Trata-se de uma ação conjunta, em que a organização, a gestão de pessoas e os gestores de linha buscam manter os talentos humanos e promover o conhecimento e a competitividade. A avaliação 360 graus, ou feedback 360 graus ou feedback com múltiplas fontes, é a coleta de feedbacks de pessoas situadas em diferentes posições ao redor do avaliado e que integram a sua network, as quais avaliam o comportamento do profissional e os seus fatores críticos para o alcance dos objetivos organizacionais (HIPÓLITO; REIS, 2002). Tem influência dos preceitos do modelo de administração participativa (ZAVAGLIA, 2006). Consiste em pareceres de todos os ângulos em relação à performance do indivíduo no trabalho: supervisores, colegas, subordinados, clientes e fornecedores internos e externos, na busca por um feedback mais completo. Oferece aos profissionais uma visão crítica constante em relação às adequações necessárias e a construção da carreira (BOHLANDER et al. 2003; GRAMIGNA, 2002). Esta configuração de avaliação é fundamentada na lógica atual dos sistemas de desempenho, acordados em feedbacks orientados para o fortalecimento dos valores desejados e a consecução da estratégia organizacional; privilegia o olhar plural, apoiada em múltiplas fontes, transformando o encontro entre avaliador e avaliado em uma oportunidade para o diálogo e para mudanças. O desenvolvimento da percepção dos líderes e do seu papel de gestores é aspecto fundamental nesse processo (SOUZA, 2005). Zavaglia (2006) corrobora a necessidade do treinamento daqueles que formarão a rede de avaliação 360 graus. A avaliação 360 graus possibilita uma avaliação ampla do desempenho humano nas organizações. Em termos de vantagens, Mascarenhas (2008) observa que esta resulta em diversas percepções sobre o desempenho das pessoas. Milkovich; Boudreau (2006) ressaltam que há melhoria do desempenho dos líderes com a avaliação dos subordinados sobre o seu comportamento. Na visão de Zavaglia (2006), tem apresentado resultados significativos no desempenho das equipes, promove a retenção de talentos, favorece a formação de uma cultura 8

9 de aprendizado e um clima de maior envolvimento e comprometimento com o alcance dos objetivos e metas organizacionais, resulta em autoconhecimento para os profissionais, consciência das suas dificuldades, possibilita o gerenciamento dos pontos fortes e fracos, pelo caráter participativo e orientador, e favorece o desenvolvimento de competências. Delineando a performance do profissional por todas as direções na organização, a avaliação 360 graus está conectada ao processo de remuneração, bem como ao treinamento e desenvolvimento das pessoas na organização; utilizando as informações coletadas na avaliação, o gestor de pessoas e os demais gestores buscam coerência nas ações de gestão de pessoas, orientadas para o desenvolvimento contínuo. Em geral, o processo de gestão do desempenho humano sistematizado nas organizações trás vantagens relevantes à tomada de decisão, como o reforço de valores, a geração de insumos referentes ao atendimento das necessidades do cliente externo e interno, nitidez na definição e divulgação do desempenho esperado e obtido, fortalecimento das relações interpessoais, da identificação e gestão das competências humanas, do vínculo entre resultados e recompensas, criação de oportunidades de diálogo, autoconhecimento, autodesenvolvimento, melhor direcionamento do treinamento e desenvolvimento e gestão de carreira (SOUZA, 2005). Lucena (1992) reflete que a avaliação de desempenho é uma ferramenta de gestão do desempenho em todas as suas dimensões, na negociação dos resultados esperados, análise da capacitação profissional, plano de ação para corrigir desvios de desempenho e melhor orientação do aproveitamento das pessoas. Esses benefícios dependem do planejamento do processo de avaliação de desempenho, da sua implementação e controle, considerando todos os critérios estabelecidos. Nesse contexto, o feedback é aspecto essencial para a eficácia da avaliação, atuando como meio de socialização, informação e conhecimento, possibilitando mudanças e melhoria contínua. O conceito de feedback deriva da Teoria de Sistemas, significa retroalimentação, o processamento e a transmissão de informações ao sistema para a continuidade do seu funcionamento (RABAGLIO, 2004). Feedback é o repasse cuidadoso dos resultados das avaliações de desempenho para os avaliados (HIPÓLITO; REIS, 2002). O feedback faz parte da etapa de acompanhamento do processo de avaliação de desempenho, a qual visa a orientação do trabalho e assegurar a conexão entre os objetivos e resultados. Ganhou ênfase na administração por objetivos (APO), como uma fonte confiável de autoconhecimento e, portanto, de melhoria do desempenho e como forma de agregar valor 9

10 à organização. Essa perspectiva acentuou o seu valor para o aperfeiçoamento das políticas e práticas de RH. É necessário que haja condição favorável ao diálogo para o compartilhamento do feedback sobre os pontos fortes e fracos, relativos aos alcance dos resultados previstos e que os gestores assumam o papel de orientadores da sua equipe (SOUZA, 2005). Ainda na visão de Souza (2005), ao invés do julgamento, o diálogo é a base das práticas inovadoras de avaliação de desempenho, logo, é necessário desenvolver a competência interpessoal de dar e receber feedback, para a gestão adequada das contribuições dos talentos humanos. O diálogo permite transparência nas informações, sustentando o comprometimento das pessoas com a organização. Algumas atitudes gerenciais avançadas nesse sentido são a busca do bem estar das pessoas, de níveis crescentes de desempenho, disseminação de informações, reconhecimento e intensificação do conhecimento. Branham (2002) ressalta que os profissionais de alto desempenho são os que mais desejam receber feedback, para planejarem a carreira, ou para estarem atualizados. Pelo fato de a avaliação de desempenho ser um processo da gestão de pessoas relacionado ao controle das ações, da capacitação e desenvolvimento dos profissionais na empresa, requer o retorno sobre os resultados produzidos. A avaliação é a etapa final do processo de avaliação de desempenho, formalizando periodicamente o diagnóstico dos resultados individuais e da equipe. É o momento em que se avalia a discrepância entre o desempenho esperado e o obtido, resultando em insumos úteis à tomada de decisão, planos de desenvolvimento e outros (SOUZA, 2005). O acompanhamento sistemático do desempenho assegura que a organização está utilizando e conduzindo adequadamente os seus recursos e as pessoas para a performance ideal (FRANCISCO FILHO, 2008). O ciclo do desempenho deve ser realimentado constantemente, sob a orientação dos gestores, portanto, a avaliação de desempenho se configura como uma etapa de um processo mais amplo (SOUZA, 2005). A avaliação de desempenho humano está atrelada à avaliação de desempenho da organização. Nesse sentido, Souza (2005) cita uma ferramenta de avaliação que alinha o desempenho humano ao organizacional, o balanced scorecard (BSC), definido nos anos 90 por Kaplan e Norton, gerando insumos para aperfeiçoar processos, gerenciar as competências essenciais, mudanças e competitividade. Hipólito; Reis (2002) observam que o BSC estimula a obtenção de resultados de longo prazo. Os sistemas de desempenho devem ser definidos com base na satisfação do cliente, integrados com os demais instrumentos de gestão, apoiando a tomada de decisão e a melhoria 10

11 organizacional. Na prática, um sistema integrado de desempenho envolve valores, processos, ferramentas utilizadas para planejar e acompanhar as metas e a satisfação dos clientes e as consequências, decisões resultantes das informações de avaliação de desempenho, sobre treinamento e desenvolvimento, recompensas, carreira (SOUZA, 2005). Cabe destacar, portanto, que os gestores assumem papel fundamental na avaliação de desempenho e no desenvolvimento dos talentos humanos e do conhecimento. Lucena (1992) afirma que o gerente é responsável pelo processo. Assim, a organização otimiza o alcance dos seus objetivos em uma ação estratégica e conjunta entre a gestão de pessoas e os gestores, apoiadores e orientadores dos indivíduos e grupos, buscando o desenvolvimento das pessoas e da organização. Os processos de gestão de pessoas devem estar conectados entre si, direcionados às pessoas com ações efetivas de estímulo ao crescimento, à mudança, fornecendo informações que apoiam a tomada de decisão e agregando conhecimento e competitividade. Confirmando esses pontos, Hipólito; Reis (2002) citam que a atuação gerencial é importante no processo de avaliação de desempenho, para a condução e orientação do processo, de forma clara, imparcial e negociada, praticando o feedback e apoiando o desenvolvimento de competências, bem como sugerindo revisões e aperfeiçoamentos do processo segundo as características e necessidades da organização. A avaliação de desempenho forma um sistema que objetiva a melhoria global do desempenho das pessoas, então deve conectar-se às outras atividades de gestão de pessoas, trocando inputs com práticas de seleção, desenvolvimento, gestão de carreira, remuneração, sendo esta variável em função dos resultados da avaliação de desempenho. Abreu (2006) relaciona a gestão do desempenho à seleção e ao treinamento e desenvolvimento. Boog; Boog (2006) analisam que a avaliação de desempenho, juntamente com o feedback, é ferramenta essencial para a melhor adequação das atividades de treinamento e desenvolvimento. Bohlander et al. (2003) ressalta que a avaliação de desempenho e o coaching são meios eficazes à gestão de carreira. Milkovich; Boudreau (2006) ponderam que a avaliação de desempenho vincula-se aos resultados organizacionais e deve ser implantada com sistema de recompensas baseado no desempenho. Dessa forma, a avaliação de desempenho contribui para a gestão do conhecimento organizacional, como parte de um sistema efetivo de gestão de pessoas. A área de RH tem participação importante no mapeamento do conhecimento, selecionando de modo estratégico, qualificando profissionais, avaliando competências e 11

12 cuidando da gestão participativa das informações e conhecimentos (SANTIAGO JR., 2004). O papel do RH na gestão do conhecimento é a orientação estratégica, investimento na aquisição de competências, educação continuada, estímulo à carreira, avaliação e remuneração por competências e valorização de ações inovadoras (TERRA, 2005). 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Conforme o objetivo desse estudo, adotou-se a linha de pesquisa qualitativa, descritiva e aplicada. Para a coleta de dados, foram utilizadas a pesquisa documental e a entrevista semiestruturada. A população da pesquisa foram as indústrias catarinenses de grande porte, em razão da estrutura do RH, da possibilidade de investimentos na área e da gestão descentralizada de pessoas. Foi selecionada de uma lista da FIESC, uma amostra intencional de dez indústrias, as que possuíam maior número de colaboradores, buscando uma análise qualitativa em profundidade, sem a intenção de generalização dos dados. Os gestores de pessoas, de processos e, caso houvesse, o consultor interno foram os sujeitos da pesquisa. Das dez indústrias da amostra, sete foram pesquisadas, pela disponibilidade. As dez indústrias catarinenses selecionadas para a pesquisa foram: 1) Aurora; 2) Weg; 3) Sadia; 4) Perdigão; 5) Busscar; 6) Tupy; 7) Malwee; 8) Whirlpool Multibrás; 9) Teka; e, 10) Whirlpool Embraco. A pesquisa foi realizada em sete delas. O Quadro 2, a seguir, apresenta as sete maiores indústrias de Santa Catarina pesquisadas: Empresa Nº de Colaboradores AURORA - COOPERATIVA CENTRAL OESTE CATARINENSE WEG SADIA TUPY S.A WHIRLPOOL S/A MULTIBRÁS TEKA TECELAGEM KUEHNRICH S/A WHIRLPOOL S/A EMBRACO Quadro 2 Empresas pesquisadas Fonte Elaborado pelos autores A análise de dados seguiu o método de análise de conteúdo, focado na análise por categoria. A triangulação foi utilizada para alcançar a máxima amplitude na descrição, explicação e compreensão do foco do estudo. Não há identificação das empresas na análise dos dados por motivo de sigilo. 12

13 A seguir, são apresentadas as práticas de avaliação de desempenho das maiores indústrias de Santa Catarina. 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES Foram analisadas nessas organizações as práticas de avaliação de desempenho e a sua contribuição para a gestão do conhecimento. Na empresa 1 a avaliação de desempenho é atrelada ao levantamento de necessidades, ao desenvolvimento de carreira e à remuneração variável. Segundo o entrevistado, a avaliação de desempenho possibilita identificar o que é preciso desenvolver e viabiliza os programas de desenvolvimento de liderança. A empresa está tentando migrar para o conceito pleno de educação corporativa, para desenvolver cada vez mais as pessoas. A avaliação de desempenho analisa os resultados e o comportamento. Nos níveis de liderança são avaliadas competências específicas, de acordo com as determinações da empresa. Os demais colaboradores também são avaliados em relação às competências e aos valores organizacionais. Há a avaliação 360 graus, a autoavaliação, e avaliação de pares e chefes, com peso de 35% na avaliação. Os resultados são metas financeiras, de projetos e de desenvolvimento, avaliados pelo chefe e posicionando o colaborador num ranking, o que determina a sua remuneração variável. A empresa 2 vincula a avaliação de desempenho à provisão de talentos, ao treinamento e à remuneração. A avaliação dos funcionários serve como critério de desligamento na empresa. O gestor decide o e RH faz a parte burocrática de acordo com o entrevistado 2. Há plano de sucessão até o nível de coordenação e também um programa de formação de sucessores, com o intuito de preparar as pessoas tanto para sucessão quanto para a seleção de novos funcionários. Há remuneração variável de acordo com a eficiência do setor, sendo avaliado tanto por área como por grupo de máquinas e individualmente. A empresa 3 atua com a avaliação de competências associada à remuneração variável, de acordo com os resultados coletivos e individuais. Essas avaliações são feitas pelos 13

14 superiores imediatos, que delimitam inclusive uma parte do percentual de remuneração variável do funcionário. A empresa 4 possui uma ferramenta de avaliação de desempenho que fornece subsídios para a elaboração de um plano de desempenho individual, um trabalho conjunto dos gestores e colaboradores. Destaca o programa de meritocracia, o qual promove o comprometimento, pois reconhece as pessoas de acordo com seu desempenho, o que se traduz em recompensa financeira, promoção (de cargo ou função) ou participação em programas de desenvolvimento e sucessão. Em 2008, foram avaliados cerca de 3,4 mil colaboradores, ou 6% do total. O modelo está baseado nas competências organizacionais e visa o reconhecimento através da aplicação de políticas de RH alinhadas de remuneração (fixa meritocracia e variável bônus). Além das competências o desempenho é baseado no atingimento de metas individuais. A soma dos resultados (metas) e os meios para atingi-los (competências) caracteriza o desempenho individual (ENTREVISTADO 4). Essas metas são medidas por meio de indicadores de RH, gerados pela central de informações gerenciais, que extrai do sistema de gestão os principais dados. Os indicadores são desdobrados para os gestores, responsáveis por garantir a gestão de pessoas no dia a dia. Os gestores possuem interface irrestrita com esses sistemas de gestão. Esporadicamente, a empresa realiza um benchmarking com indicadores de mercado, para a definição das metas de RH a serem desdobradas. Todo esse processo de RH é acompanhado por auditorias internas. A empresa 5 ainda não tem a avaliação de desempenho de acordo com a lógica de competências, mas fez recentemente a revisão dos desenhos de cargos baseada na avaliação de desempenho e no mapeamento de competências organizacionais, para dar início à gestão por competências. A avaliação é feita pela chefia por autoavaliação, mas a intenção é chegar à avaliação 360 graus. O processo todo inclui reuniões de feedback, do RH com os gestores e dos gestores com os colaboradores. Esse acompanhamento dos gestores gera expectativa em relação ao coaching. O resultado da avaliação de desempenho subsidia o levantamento de necessidades de treinamento. A avaliação não está atrelada à remuneração variável. Na empresa 6 a avaliação de desempenho é focada na parte comportamental, mas, segundo o entrevistado, ainda não é um modelo estabelecido, e precisa passar por uma série de mudanças. A empresa vinculou à avaliação de desempenho um dos dois salários pagos neste ano aos colaboradores como participação. Há plano de carreira e trabalho em equipe. 14

15 A empresa 7 forneceu poucas informações nesse sentido, mas pode-se afirmar que todos os colaboradores participam da avaliação de desempenho e que a empresa possui um sistema informatizado para acompanhamento de resultados e feedbacks. Há remuneração variável para todos os níveis, com valor fixo para o operacional e variável para os executivos, alavancado pela performance individual e resultados da companhia, alinhado ao mercado local (ENTREVISTADO 7). O Quadro 3 a seguir, apresenta uma síntese comparativa das práticas de avaliação de desempenho nas sete maiores indústrias de Santa Catarina: Empresas pesquisadas Empresa 1 Empresa 2 Empresa 3 Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6 Empresa 7 Avaliação de desempenho Relação com levantamento de necessidades de treinamento, carreira e remuneração variável, Avaliação por competências, 360 graus, autoavaliação e av. por chefes e pares. Relação com provisão, treinamento e remuneração variável. Plano de carreira. Relação com remuneração variável. Avaliação por competências, feita pelo gestor. Programa de meritocracia baseado nas competências organizacionais. Remuneração variável. Relação com levantamento de necessidades de treinamento; Início gestão por competências. Autoavaliação, feedback (RH/gestor/colaborador). Avaliação de desempenho com foco comportamental. Trabalho em equipe, plano de carreira. Relação com remuneração variável. Avaliação. de desempenho com todos, sistema informatizado para feedbacks. Quadro 3 - Processo de avaliação de desempenho Fonte Elaborado pelos autores 6 CONCLUSÕES A preocupação constante com o desempenho humano é essencial ao aumento da produtividade nas organizações, afirma Lucena (1992). A avaliação de desempenho é uma ferramenta essencial para a otimização da produtividade e o alcance dos objetivos estratégicos da organização. Ocorrendo de modo formal ou informal, é inerente à gestão da empresa, encaminhando carreiras, buscando desenvolver o conhecimento e maximizar a contribuição dos indivíduos. O planejamento, a estruturação e a condução do processo de avaliação de desempenho como prática formal, produzem instrumentos comuns aos diversos gestores e profissionais, 15

16 vinculados aos objetivos e às estratégias da organização, possibilitam uma visão mais apurada e ampla da empresa e dos seus indivíduos, oferecem feedback e coaching e obtêm informações relevantes à tomada de decisão da gestão de pessoas (HIPÓLITO; REIS, 2002). O processo requer preparo dos gestores em habilidades de liderança e comunicação, pois está relacionado à satisfação das necessidades humanas, de segurança, estima, influenciando também no autodesenvolvimento. O maior envolvimento das pessoas com os objetivos organizacionais é resultado de uma ação de toda a organização, na qual os gestores e a gestão de pessoas têm papel essencial. Michelman (2007) avalia que gestores que buscam reter talentos avaliam o desempenho para desenvolver o profissional. O contexto do conhecimento requer das organizações ferramentas modernas de avaliação de desempenho, com feedbacks efetivos e múltiplos, que permitam uma visão clara dos resultados produzidos, das melhorias necessárias, das possibilidades de desenvolvimento dos indivíduos e da organização. São ferramentas de avaliação de desempenho que se destacam e provêm dos sistemas modernos de gestão de desempenho a avaliação por competências e a avaliação 360 graus. A avaliação de desempenho tem papel importante na gestão do conhecimento organizacional, buscando desenvolver o capital humano, competências e conhecimentos estratégicos e competitivos. Integrada aos demais processos de gestão de pessoas, promove o conhecimento, o aprendizado e a inovação. Foi possível verificar que a avaliação de desempenho está presente em todas as empresas estudadas, sendo que na maioria delas, relaciona-se com os demais processos de gestão de pessoas como a provisão de talentos, o treinamento, o desenvolvimento de carreira e especialmente a remuneração. Nesse contexto, a busca pelo uso efetivo do conceito de educação corporativa, o coaching, o trabalho em equipe e o sistema de informações de RH também foram aspectos observados em algumas destas empresas, como formas de desenvolver os indivíduos no trabalho. As ferramentas de avaliação de desempenho utilizadas por essas empresas variam, sendo que em duas há a autoavaliação, em quatro a avaliação por competências, em diferentes graus de estruturação, e em uma a avaliação 360 graus, bem como a de pares, favorecendo, segundo as particularidades da organização, a identificação de competências e conhecimentos, a mensuração dos resultados de trabalho e a definição de planos de ação. Nas empresas 5 e 6, 16

17 a avaliação de desempenho está em evolução, como na 5, onde teve início a gestão por competências. Em quase todas as empresas os gestores atuam na avaliação de desempenho, orientando os indivíduos e equipes na busca da melhoria da performance e do desenvolvimento profissional. O RH participa do processo, mais evidentemente nas empresas 2, 4 e 5, apoiando os gestores de linha na condução da avaliação e nos feedbacks. Assim, a avaliação de desempenho é uma ferramenta que retém talentos e amplia o comprometimento das pessoas, essencial à gestão do conhecimento, permitindo e estimulando o compartilhamento e a internalização do conhecimento e dos valores organizacionais. Contribui para a gestão do conhecimento mantendo o conhecimento na organização, desenvolvendo competências e conhecimentos, para a aprendizagem contínua, flexibilidade, inovação e competitividade. REFERÊNCIAS ABREU, R. C. L. de. T&D, Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos: uma abordagem organizacional, por gerenciamento de projetos. Rio de Janeiro: Qualitymark, ARAUJO, L. C. G. de. Gestão de Pessoas: estratégias e integração organizacional. São Paulo: Atlas, BENETTI, K. C.; GIRARDI, D. M. et al. Avaliação de Desempenho por Competências: a realidade do CODT - Centro Oftalmológico de Diagnose e Terapêutica, Revista de Ciências da Administração, v. 9, n. 19, p , set./dez BOHLANDER, G. W. et al. Administração de recursos humanos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, BOOG, G. G.; BOOG, M. T. (Coords.) Manual de treinamento e desenvolvimento: processos e operações. São Paulo: Pearson Prentice Hall, BRANHAM, L. Motivando as pessoas que fazem a diferença: 24 maneiras de manter os talentos de sua empresa. Rio de Janeiro: Campus, DESSLER, G. Administração de Recursos Humanos. 2 ed. São Paulo: Prentice Hall,

18 DUTRA. J. S. Gestão de Pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, FIESC. Guia web SC: o guia da indústria de Santa Catarina. Disponível em: <http://www.fiescnet.com.br/guiawebsc/> Acesso em: 10 mai FLEURY, M. T. L. A gestão de competência e a Estratégia organizacional. In:. (Coord.). As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, p FRANCISCO FILHO, E. Uma maneira descomplicada de fazer avaliação de desempenho e estimativa de potencial humano nas organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark, GIRARDI, Dante. Da seção de pessoal à gestão estratégica de pessoas: consultoria interna de recursos humanos. Florianópolis: Pandion, O compartilhamento dos processos de recursos humanos: uma Contribuição para a Gestão do Conhecimento Organizacional. Florianópolis, f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Universidade Federal de Santa Catarina. GRAMIGNA, M. R. Modelo de competências e Gestão dos talentos. São Paulo: Makron Books, HIPÓLITO, J. A. M.; REIS, G. G. A avaliação como instrumento de gestão. In: FLEURY, M. T. L. (Coord.). As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, p JOHRI, H. P.; COOPER, J. C.; PROKOPENKO, J. Managing internal consulting organizations: a new paradigm. Advanced Management Journal, v. 63, n. 4, p. 4-10, Outono Disponível em: Acesso em: 27 ago LACOMBE, F. J. M. Recursos Humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva: LUCENA, M. D. da S. Avaliação de desempenho. São Paulo: Atlas, MASCARENHAS, A. O. Gestão estratégica de pessoas: evolução, teoria e crítica. São Paulo: Cengage Learning, MICHELMAN, P. Porque a retenção de pessoal deve tornar-se a estratégia principal imediata. In: HARVARD Business School. Mantendo os talentos da sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, p Série Gestão orientada para resultados. MILKOVICH, G. T.; BOUDREAU, J. W. Administração de recursos humanos. São Paulo: Atlas, NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 16 ed. Rio de Janeiro: Elsevier,

19 RABAGLIO, M. O. Ferramentas de avaliação de performance com foco em competências. Rio de Janeiro: Qualitymark, SANTIAGO JR., J. R. S. Gestão do conhecimento: a chave para o sucesso empresarial. São Paulo: Novatec Editora, SOUZA, V. L. de. Gestão de desempenho. Rio de Janeiro: Editora FGV, TERRA, J. C. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Rio de Janeiro, Elsevier, WOOD JR. Remuneração e carreira por habilidades e por competências: preparando a organização para a era das empresas de conhecimento intensivo. 3 ed. São Paulo: Atlas, ZAVAGLIA, T. Gestão de pessoas: desafios, tendências e expectativas. São Paulo: Editora Alínea,

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E GESTÃO DO CONHECIMENTO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Dante Girardi (UFSC) Júlia de Freitas Girardi (UFSC) Andressa Sasaki Vasques Pacheco (UFSC) André de Freitas Girardi (UFSC) Resumo

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS E CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES

O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS E CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES ISSN 1984-9354 O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS E CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES Dante Marciano Girardi (UFSC) Júlia de Freitas Girardi (UFSC) Lisiane Bleyer Rossa (UFSC) André

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

RETENÇÃO DE TALENTOS NAS MAIORES INDÚSTRIAS DE SANTA CATARINA

RETENÇÃO DE TALENTOS NAS MAIORES INDÚSTRIAS DE SANTA CATARINA ISSN 1984-9354 RETENÇÃO DE TALENTOS NAS MAIORES INDÚSTRIAS DE SANTA CATARINA Dante Girardi (UFSC) Kelly Cristina Benetti Tonani Tosta (UFFS) Júlia de Freitas Girardi (UFSC) André de Freitas Girardi (UFSC)

Leia mais

A ATRAÇÃO E SELEÇÃO DE TALENTOS E A CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO: AS PRÁTICAS DAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES

A ATRAÇÃO E SELEÇÃO DE TALENTOS E A CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO: AS PRÁTICAS DAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES ISSN 1984-9354 A ATRAÇÃO E SELEÇÃO DE TALENTOS E A CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO: AS PRÁTICAS DAS MAIORES INDÚSTRIAS CATARINENSES Dante Marciano Girardi (UFSC) Júlia de Freitas Girardi (UFSC) Lisiane Bleyer

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Girardi, Dante; de Souza, Irineu Manoel; de Freitas Girardi, Júlia O PROCESSO

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

O papel da remuneração no engajamento profissional

O papel da remuneração no engajamento profissional O papel da remuneração no engajamento profissional 15 de Maio de 2014 Agenda 1. Sobre o Hay Group 2. Contexto de mercado 3. Estudo global: O papel da remuneração no engajamento 4. Estudo Brasil: Melhores

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Prêmio Nacional de Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Gestão da Inovação

Prêmio Nacional de Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Gestão da Inovação Prêmio Nacional de Inovação 2013 Caderno de Avaliação Categoria Gestão da Inovação Método: Esta dimensão visa facilitar o entendimento de como podem ser utilizados sistemas, métodos e ferramentas voltados

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus!

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus! Palestras, Treinamentos e Consultoria para Gestão Ministerial Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência Instituto Crer & Ser A excelência honra a Deus! Quem somos O Instituto Crer & Ser nasceu

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO Treinamentoéoprocessoeducacional,aplicadode maneira sistemática e organizada, pelo qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades

Leia mais