FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO PLANEJAMENTO DE COMPRAS PARA UMA EMPRESA VAREJISTA NO RAMO DE VESTUÁRIOS VALQUIRIA DE OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO PLANEJAMENTO DE COMPRAS PARA UMA EMPRESA VAREJISTA NO RAMO DE VESTUÁRIOS VALQUIRIA DE OLIVEIRA"

Transcrição

1 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO PLANEJAMENTO DE COMPRAS PARA UMA EMPRESA VAREJISTA NO RAMO DE VESTUÁRIOS VALQUIRIA DE OLIVEIRA SOCORRO 2009 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO

2 PLANEJAMENTO DE COMPRAS PARA UMA EMPRESA VAREJISTA NO RAMO DE VESTUÁRIOS Aluno: Valquiria de Oliveira Orientadores: Profª Ms. Claudia Cobêro Prof.Ms. Luiz Antônio Fernandes Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Faculdade XV de Agosto como um dos prérequisitos para a obtenção do grau de bacharel em Administração SOCORRO AGRADECIMENTO Dedico este espaço para agradecer a todos aqueles que, direta ou indiretamente, colaboraram para a conclusão deste trabalho, pois em minha vida, tive o privilégio de conhecer, interagir ou trabalhar com pessoas muito talentosas e sempre tenho aprendido muito com todas elas e é impossível identificar as que me influenciaram mais. Agradeço em primeiro lugar a minha família, base do meu ser. Aos meus pais que me educaram da melhor maneira para enfrentar os obstáculos da vida. Principalmente a minha Mãe Bernadete, mulher guerreira e vitoriosa, que me ajuda a vencer

3 todos esses obstáculos e que é a responsável por eu estar concluindo esta etapa da minha vida. Mulher sábia, que mesmo indo contra a minha vontade, ela sabia que estava fazendo o melhor por mim. As minhas irmãs, Vanessa, Viviani e Valéria, exemplos vivos de que a união faz a força, amigas verdadeiras que estarão torcendo por mim e me ajudando em todos os momentos. A minha sobrinha Lívia, alegria do meu viver, que com toda inocência, espontaneidade e amor de um coração de criança ilumina meus dias. As minhas amigas Paulinha, Marcelle, Fernandinha, Érica e Tamires, família que a vida me permitiu escolher, companheiras maravilhosas, prontas para encararem juntas qualquer empecilho que a vida colocar. Realmente não sei o que seria de nós sem uma de nós. A todos meus colegas de faculdade pela amizade conquistada, pelo carinho e compreensão. Especialmente ao grupo das sete mulheres, que vivenciaram comigo todas as aventuras, conquistas, emoções, decepções que estes quatro anos de faculdade proporcionaram. Ao meu namorado Caio, por toda paciência, cumplicidade, apoio e incentivo que tem me dado. Obrigada por completar minha felicidade de um modo tão especial.

4 Pensa! O pensamento tem poder. Mas não adianta só pensar. Você também tem que dizer! Diz! Porque as palavras têm poder. Mas não adianta só dizer. Você também tem que fazer! Faz! Porque você só vai saber se o final vai ser feliz depois que tudo acontecer. (Gabriel O Pensador) RESUMO O presente trabalho buscou mostrar a importância de se ter um planejamento de compras em uma empresa varejista no ramo de vestuários. O objetivo do estudo foi ajustar o número de produtos que devem ser comprados para suprir a demanda de uma estação, como inverno ou verão, pretendo assim evitar a sobra de mercadorias, o que acarretaria prejuízos a empresa, por trabalhar com o segmento de moda. A previsão para compra foi elaborada por meio da análise das vendas passadas, junto com o desempenho atual, utilizando a ferramenta S&OP como base para a previsão de vendas. Assim buscou-se ajustar como a previsão dos acontecimentos futuros, aliado ao histórico de vendas da empresa, pode intervir nas decisões estratégicas. Como resultado do trabalho obteve-se as ações que o gestor de compras deve fazer a fim de gerar competitividade a empresa, dentre elas notou-se a importância da análise de relatórios que mostram os fatos que interferiram nas vendas da empresa nos últimos anos, e perante estas informações pode-se elaborar uma planilha Excel contendo dados necessários para a tomada de decisão no ato da compra dos produtos.

5 SUMÁRIO 1 Introdução Empresa Analisada Referencial Teórico Planejamento Planejamento de Compras Planejamento de Estoques Previsão de Vendas Ferramenta S&OP Planejamento de vendas e operações Metodologia Procedimentos Metodológicos Atualização dos dados Análise do desempenho passado Análise da demanda atual Previsão da demanda futura Resultado e Análises Considerações Finais...24 Referências Bibliográficas...25

6

7 6 1 - INTRODUÇÃO Perante um ambiente de intensas mudanças sociais, econômicas e tecnológicas, nenhuma empresa pode continuar indiferente e estática. Para sobreviver, é preciso analisar as tendências e resultados do seu negócio, é necessário aceitar, e enfrentar riscos, e tomar decisões rápidas e seguras. A obtenção da informação precisa, confiável e atualizada pode permitir ao empreendedor se posicionar de forma eficaz e eficiente no processo de tomada de decisão. Devido à crise iniciada nos EUA no segundo semestre de 2008, o mercado atual está cheio de incertezas de como será o futuro da economia mundial. Frente a muitos fatores, os gestores vêem-se obrigados a planejar o futuro das empresas. O planejamento de vendas é um meio de controlar as despesas que a empresa terá, e ele só se dá a partir do planejamento das suas compras. Para se destacar neste mercado competitivo, é fundamental que as empresas considerem suas compras como uma atividade estratégica e não operacional, visando antecipar-se às preferências dos consumidores e assim ganhar evidência neste mercado. Assim sendo, em uma empresa varejista no ramo de confecções notou-se a importância de se ter um planejamento para a compra de seus produtos, já que a empresa analisada deve fazer o pedido com seus fornecedores com mínimo de três meses de antecedência do período onde as vendas serão realizadas. A fim de ajudar a empresa analisada a se sobressair neste cenário incerto, sem maiores prejuízos e perdas, o presente estudo traz como problema de pesquisa: Quais as ações necessárias para desenvolver um planejamento de compras em uma empresa varejista no ramo de vestuários? O trabalho tem como objetivo fazer um planejamento de compras, utilizando como ferramenta uma análise das vendas passadas, juntamente com o desempenho atual da empresa, para assim ajustar o número dos itens a serem comprados. Deste modo evitará a compra maior que a demanda, o que acarretaria em sobra de mercadorias e consequentemente prejuízos à empresa, uma vez que atua no segmento de moda. 1.1 Empresa Analisada. A empresa analisada atua no mercado de comércio varejista de vestuários há 20 anos, oferecendo a seus clientes roupas, calçados e acessórios de grandes marcas do segmento surf wear. Atualmente a rede conta com cinco lojas, em quatro cidades: Itapira, Serra Negra, Bragança Paulista e Atibaia, que abriga duas unidades. E seu quadro de funcionários é composto por quarenta e dois colaboradores, sendo dez destes envolvidos no processo administrativo e estratégico e os demais ligados ao atendimento ao cliente.

8 7 Além da qualidade e modernidade de seus produtos, a empresa procura oferecer a seus clientes um serviço de atendimento diferenciado, satisfatório e prazeroso. Buscando destacar-se no comércio local, a empresa investe na capacitação de seus vendedores e gerentes, oferecendo cursos de vendas e reciclagens periódicas. A empresa acredita que um bom relacionamento com o cliente é a principal ferramenta para a diferenciação do seu produto para com os concorrentes. Para a realização de tal a empresa conta com um departamento de SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente), e também uma empresa de marketing terceirizada, que juntos desenvolvem projetos e campanhas para beneficiar seus clientes.

9 Figura 1: O Planejamento Fonte: Lacombe & Heilborn, (2003, p.162, apud SANTOS, 2009, p.3) 8 2 REFERENCIAL TEÓRICO deste trabalho. Neste capítulo serão apresentados os principais autores e teorias utilizados como base para o desenvolvimento 2.1 Planejamento Segundo definição de Nogueira (2009), planejar é estudar meios para que se possa destinar de forma assertiva os recursos da empresa a fim de atingir seus objetivos. Para que isso ocorra, primeiramente é necessário levantar quais são os objetivos da empresa; também é preciso avaliar a capacidade interna da organização e conhecer as limitações da mesma; julgar a influência do ambiente externo em suas ações e por fim formular alternativas estratégicas que direcionem a organização ao objetivo. As alternativas estratégicas trarão as ações que a empresa deverá tomar para a realização do objetivo, e para que estas aconteçam é necessário organização. E planejar é organizar, disciplinadamente, as tarefas que a empresa tem, estabelecendo informações claras de quem, como, quando, quanto custará e o cronograma a ser seguido para a realização da tarefa, de forma a manter a eficiência operacional nos seus negócios. E para que todas as ações tragam o resultado esperado é preciso ter controle sobre elas, conforme vão sendo executadas. É preciso medir o desempenho, conferir os orçamentos, analisar as informações e se necessário, corrigir e refazer a direção da ação. É necessário saber que a eficiência e eficácia da estruturação do processo de planejamento estratégico serão efetivas quando oferecer suporte necessário para uma correta tomada de decisões. Lacombe & Heilborn (2003, apud SANTOS, 2009) apresentam na figura a seguir claramente os componentes do planejamento:

10 9 Para Kotler (2005, apud NAVARRO & LIMA, 2006), a ferramenta para se obter vantagem e desenvolvimento organizacional é a capacidade da empresa para adequar suas estratégias de forma rápida e eficaz, em um ambiente de constantes mudanças. A partir daí coloca-se sobre a administração grande importância em planejar ou antecipar corretamente os eventos futuros. Empresas bem sucedida são conduzidas para o mercado através de um planejamento estratégico. Entretanto, o plano estratégico em uma organização define-se como ponto de partida para o planejamento através dos vários departamentos. Abrantes (2007), afirma que uma gestão de compras bem feita evitará perdas de investimentos, pois mercadoria parada além de gerar custo de estoque, ainda não traz o retorno do investimento, com o lucro da venda, portanto errar na compra acarreta prejuízos maiores do que os imagináveis. E para não errar no planejamento, é preciso seguir três etapas, Planejamento de Compras, Planejamento de Estoques e Planejamento de Vendas. 2.2 Planejamento de compras A lucratividade de qualquer empresa começa com uma compra correta e adequada de seus produtos, ou matéria-prima. E para que isto realmente ocorra é necessário enfrentar riscos e tomar decisões rápidas, tendo em vista antecipar-se as preferências dos consumidores. E com o mercado cada vez mais competitivo, é importante que as organizações considerem a gestão de compras como atividade estratégica e não operacional, pois certamente esses diferenciais levarão a eficiência e maximização dos resultados positivos. (PLANEJAMENTO DE COMPRAS, 2009) Segundo Lins (2007), o planejamento de compras direciona suas ações para a elaboração de estratégias que agreguem melhorias a gestão da função de compras e das despesas da organização. O processo de compras é abrangente e vai além do departamento, envolvendo outras áreas da empresa, assim sendo as compras devem acontecer de forma planejada. Para o desenvolvimento de uma boa estratégia de compras, são necessários dados coerentes, capazes de oferecer informações para as atividades de planejamento e controle. O departamento de compras encara alguns desafios, como: adquirir o produto certo, na quantidade solicitada e que condizem com os prazos que a empresa suporta. Também é necessário constante avaliação dos estoques, controlando as entradas e saídas; analisar os custos envolvidos na administração de materiais; realizar a classificação ABC (por ordem de importância econômica); ter conhecimento do consumo médio mensal; e também dos estoques mínimos e estoques máximos e o tempo de reposição Planejamento de Estoques Para Abrantes (2007), o planejamento de compras está interligado ao planejamento de estoques, pois é com a análise de estoques que podemos direcionar a linha de compras. Para realizar o planejamento de compras é indispensável estudar o estoque já existente na empresa para não exceder o limite de cobertura de estoque.

11 10 O objetivo da gestão de estoque é procurar constantemente o equilíbrio entre a demanda e a oferta. O gestor de compras deve saber com precisão o tempo em que o estoque suprirá as vendas da empresa (cobertura de estoque), pois assim poderá ter informações para trabalhar nos próximos meses. Com essas informações também poderá auxiliar ao departamento de metas de vendas, e ao departamento financeiro para controlar seu fluxo de caixa, pois com uma base de informações todos os gestores terão suporte para uma tomada de decisão estratégica e eficaz. A cobertura de estoque é a análise que permite identificar o tempo em que o estoque atual durará dentro da empresa, considerando a previsão de vendas e o estoque presente na empresa. Considerando que a previsão de vendas é fator determinante para o sucesso do planejamento, é preciso que seja muito bem feito e com o mínimo de alterações possíveis, para assim trazer um número confiável e próximo da realidade da cobertura de estoque Previsão de vendas Dias (2009), afirma que toda atividade de planejamento exige previsões para um acontecimento futuro. Quanto mais acertiva for essa previsão, melhores serão as teorias utilizadas para o planejamento. Segundo Brander (1995, apud DIAS, 2009), o processo de previsão se caracteriza em: Coletar e analisar os dados: todos os dados disponíveis no sistema devem ser analisados a fim de remover distorções da informação, que podem ser causadas por erros na alimentação dos dados, falta de mercadoria, especulação de mercado, eventos esporádicos que puderam influenciar na demanda. Aplicar técnicas quantitativas aos dados: se constitui em verificar a causa e efeito do comportamento da variável, ou se basear na hipótese que o futuro será uma continuação do que aconteceu no passado. Revisar a previsão: verificar se os resultados estão sendo reais, e se as premissas continuam válidas; ter sempre em mãos as informações sobre o mercado, concorrentes, clientes, fornecedores, pois elas completam os dados históricos; averiguar se a empresa está fazendo alguma ação de marketing ou se há alguma data comemorativa que possa interferir na demanda, como natal, dia das mães. Monitorar o erro: sempre haverá erros numa previsão, devido à oscilação da demanda, por isso é necessário acompanhá-la para assegurar que o erro esteja nos limites aceitáveis. Para Ishii (2005), realizar a definição e previsão de qual será o volume de vendas, num determinado período não é uma tarefa fácil. Pois há diversos fatores que influenciam a venda dos produtos, podendo ser fatores históricos, econômicos ou ligados a estratégia da empresa, como no caso de promoções e propaganda. Estes interferem significativamente na demanda, assim sendo a empresa que souber mensurar o real impacto de suas ações de marketing, terá vantagem competitiva, pois terá uma previsão de demanda mais precisa e poderá usufruir desses benefícios. Ishii (2005), cita que para realizar a previsão deve ser considerado os seguintes componentes, como demanda baseada no histórico de vendas, eventos com promoções e propagandas que possam influenciar no volume de vendas, e a

12 11 entrada de um novo produto no mercado, ocorrendo possivelmente a canibalização, ou seja, queda das vendas de um produto devido ao lançamento de um novo produto no mercado. 2.3 Ferramenta S&OP Planejamento de Vendas e Operações S&OP (Sales and Operations Planning) é um método de planejamento que procura identificar como a visão de um projeto futuro, junto com o conhecimento da situação atual, pode intervir nas decisões que estão sendo tomadas agora. É um processo de planejamento contínuo caracterizado por revisões periódicas e constantes ajustes dos planos da empresa, influenciados pela flutuação da demanda, pela disponibilidade de recursos internos e pelo comportamento do mercado, relacionado aos serviços disponíveis. (CÔRREA; GIANESI & CAON, 2001) Ainda para Côrrea; Gianesi & Caon (2001) esta ferramenta vem exercendo uma função importante dentro do processo de gestão da empresa, pois visa à integração entre diferentes níveis de decisão, assegurando que o que foi decidido estrategicamente pela alta administração, seja realizado efetivamente por meio de decisões operacionais dos gerentes. Também auxilia a integrar as diversas áreas funcionais, ou seja, que as ações e decisões dos gerentes de diferentes departamentos estejam sempre buscando o mesmo objetivo. Os autores afirmam que para garantir a eficácia da implantação da ferramenta, se faz necessário avaliar através de revisões periódicas se o planejamento continua sendo viável e se o mesmo está sendo executado. Também é preciso gerenciar os estoques de produtos, pois estoques altos geram custos maiores, e em contrapartida estoques muito baixos ou desregulados afetam o atendimento ao cliente. Ainda enfatizam a importância de se avaliar a relação entre planejamento e desempenho real, podendo assim detectar o que está fora de controle, separando-as do que está dentro dos planos. Tal verificação é necessária para que a gerência possa voltar a atenção para o que realmente é necessário, tomar decisões corretivas e recolocar o plano em ação. Os resultados de cada período de projeção devem ser nítidos, com colocação de meta mensal, projeção de lucros, estoques futuros, fluxo de caixa, orçamentos de compras, etc. Para Côrrea; Gianesi & Caon (2001) o planejamento de vendas não precisa de ferramentas sofisticadas para sua elaboração, muitas empresas ainda utilizam simples planilhas eletrônicas, embora já haja no mercado aplicativos específicos que trazem relatórios com informações de diferentes departamentos, mas o que realmente importa é que as informações necessárias estejam disponíveis claramente a todos que necessitem dessa ferramenta para tomar decisões. Nos relatórios é importante conter as seguintes informações: - Desempenho passado: analisar o que se desviou do planejamento é importante para diminuir o impacto do desvio, pois planejar olhando somente para o futuro, pode eternizar problemas que intervém nos resultados. - Situação Atual: verificação sobre o desempenho atual quanto as vendas, produtos em estoques, capital de giro, etc. a unificação dessas informações são essenciais para o planejamento futuro.

13 12 - Projeção para o futuro: qualquer planejamento necessita de previsões, porém o S&OP é considerado um caso a parte, pois nele as previsões são para médio e longo prazo. E previsões podem trazer muitos benefícios, como antecipação a decisão dos concorrentes, o que é essencial para a competitividade da empresa. Os autores enfatizam que os resultados obtidos com o planejamento de compras diminuem custos com decisões, quando estas têm que ser tomadas subitamente, sem considerar informações relevantes. Para apresentar os resultados obtidos no período deve-se fazer reuniões com todos os envolvidos do S&OP, mostrando a previsão versus o realizado. Os dados devem ser apresentados em forma gráfica, a fim de aumentar a compreensão dos resultados por parte de todos. Para Barbeiro (2005), o Planejamento de Vendas e Operações se define em um processo de gerenciamento que pode agregar vantagem competitiva, por meio de uma visão e entendimento do cenário futuro e pelo envolvimento de todos os funcionários. Assim um conjunto de planos operacionais poderão ser definidos e executados a fim de maximizarem os resultados do negócio e dar suporte para atender os clientes de forma qualificada. Segundo Barbeiro (2005) a ferramenta S&OP aborda três elementos básicos: Pessoas os colaboradores que gerenciam e executam o processo necessitam de treinamento adequado para assim estarem conscientes do que se espera da sua função. Também precisam ter conhecimento dos princípios, políticas e procedimentos que envolvem o processo. Processo este precisa estar documentado, com todas as etapas definidas, também necessita formalizar as responsabilidades do cargo e a maneira como será medido o desempenho de suas tarefas. Ferramentas - Podem incluir hardware, software, manuais e sistemas de comunicação, que deverão estar disponíveis para dar suporte as pessoas na execução de suas atividades. Segundo APICS Dictionary, (1995, apud BARBEIRO, 2005), S&OP é o processo que requer da administração capacidade de conduzir seus negócios para atingir a vantagem competitiva de modo contínuo, reunindo todas as áreas da empresa (vendas, marketing, desenvolvimento, manufatura, compras e financeiros) num único conjunto direcionado aos planos. A condução adequada do S&OP vincula o plano estratégico de negócio com a execução e revisão de desempenho do plano, a fim de garantir a melhoria contínua. Para Barbeiro (2005) o processo de S&OP é responsável em equilibrar a demanda de produtos, garantindo num período de tempo a disponibilidade de recursos necessários, controlando a falta ou excesso de mercadorias. Wallace (2002, apud BARBEIRO 2005), o S&OP é realizado através de grupos de produtos agregados, ou por família de produtos, e exige uma revisão do desempenho do passado recente, comparando o desempenho real com o plano de demanda previsto. Ele deve verificar os desvios do planejado, fazendo com que este controle sobre o desempenho aumente a responsabilidade na realização dos planos. É necessário também estar atento as perspectivas para o futuro, as previsões da demanda devem sempre ser atualizadas, desenvolvendo novos planos e modificando onde for necessário.

14 13 Segundo Palmatier & Crum, (2003, apud BARBEIRO 2005) as previsões de vendas são estimativas de como será a demanda no futuro, já o planejamento de demanda envolve as ações necessárias que afetam a demanda. Barbeiro (2005) afirma que o planejamento da demanda é importante, pois se tem um número que direciona a produtividade, e assim se consegue aumentar as vendas e atender todas as necessidades dos clientes. 3 METODOLOGIA

15 14 Para o desenvolvimento do presente estudo, utilizou-se da pesquisa exploratória, que conforme Oliveira (2004, p.134), é a ênfase dada à descoberta de práticas ou diretrizes que precisam modificar-se na elaboração de alternativas e possam ser substituídas Procedimentos Metodológicos Para a resposta do problema proposto, ou seja, quais as ações necessárias para desenvolver um planejamento de compras em uma empresa varejista do ramo de vestuários, foram realizadas algumas etapas as quais serão apresentadas. Em uma reunião informal com um professor da faculdade, a fim de esclarecer algumas dúvidas sobre o problema a ser estudado, tomou-se conhecimento da ferramenta S&OP (Sales and Operation Planning) utilizada para planejamento de compras e vendas. Para iniciar um planejamento de compras, pesquisou-se com o departamento de vendas da empresa analisada, quais fatores influenciavam a meta de vendas passada aos vendedores e ligou esses fatores ao planejamento da compra dos produtos para revenda, realizando uma previsão de demanda futura. Em resultado dessa pesquisa encontraram-se os feriados existentes no período analisado. Fez-se então um levantamento e comparação das vendas realizadas entre Março à Junho de 2007 e 2008, e notou-se que a quantidade e disposição dos feriados nos dias da semana, não tiveram influência nas vendas da loja analisada Atualização de dados Buscou-se no software da empresa dados que indicassem as compras e vendas do mesmo período nos anos anteriores. E baseando-se nas informações do último ano foi analisado o desempenho por família ou grupo de produtos. Fez-se uma comparação detalhada por fornecedor, da quantidade vendida em relação à quantidade comprada. 3.3 Análise do Desempenho Passado Observou-se assim o desempenho por fornecedor, se a quantidade comprada foi suficiente para suprir a demanda; se faltou mercadoria; ou se a quantidade comprada foi maior do que deveria, acarretando assim a sobra de estoque. Em uma planilha Excel foram colocados os dados para melhor visualização: Análise no período de 01/03/2009 à 30/06/2009 Grupo: Camisetas masculinas

16 15 Fornecedor Qtde Comprada Valor Comprado Qtde vendida Valor vendido % da quantidade vendida (compra x venda) Figura 2: Cabeçalho da planilha de vendas. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pela autora. A partir dos dados apresentados é gerada a informação das vendas. A planilha deve ser ordenada pelo valor vendido, do maior para o menor, pois o estudo está direcionado ao resultado do exercício. 3.4 Análise da Demanda Atual Faz-se um levantamento da quantidade vendida da coleção atual analisando os meses que as vendas já se realizaram, e calcula-se a média de vendas desse período. Meses de venda já realizadas: agosto, setembro e outubro = 90 dias. Quantidade de peças vendidas no período: x peças Média de venda: x peças dividido por 90 dias = x peças por dia. Considera-se a quantidade de peças que atualmente se tem em estoque e também a quantidade de peças do pedido que ainda tenha para receber. Assim resultará a quantidade de peças que se terá no final do período, chamado aqui de estoque final, que é quando as peças do pedido da nova estação começarão a chegar. Quantidade de peças no estoque atual: x peças Quantidade de peças dos pedidos que faltam receber: x peças Quantidade de peças que terá no estoque final: Estoque atual + pedidos a receber = xx peças Após ter uma média de peças vendidas, fará uma projeção de vendas. O cálculo tem por objetivo levantar um número de peças vendidas que teremos nos próximos meses de vendas. Projeção de vendas: meses: novembro, dezembro e janeiro = 150 dias* * O mês de dezembro devido à data do natal, tem seu volume de vendas aumentado em três vezes mais do que um mês comum. Média de vendas multiplicado pela projeção de vendas = x peças/dia * 150 dias = x peças a serem vendidas Com a projeção de vendas pode-se ter uma expectativa mais confiável do número de peças que teremos no estoque final. Estoque final menos projeção de vendas = xx peças x peças = x peças O resultado dá origem à quantidade de peças que terá em estoque no começo da próxima estação quando as mercadorias da compra que estamos fechando agora vão começar a chegar.

17 Previsão da Demanda Futura Para projetar a demanda futura analisa-se a demanda passada, quantidade de peças que foi vendido no mesmo período do ano anterior e a demanda atual, média de vendas do período atual. Sobre a quantidade vendida no ano anterior deve-se somar mais 40% no crescimento, pois é sabido que para se vender no mínimo x peças, não se pode comprar exatamente as x peças, pois numa loja precisa ter um estoque a mais, para o cliente ter opção de escolha. Dificilmente se tiver x peças no estoque, sairão todas elas, e se vender, a loja ficará sem mercadoria para os meses de promoção. Assim também o estoque da loja ficará desfalcado e não atenderá de forma satisfatória seus clientes. Notou-se que nos anos anteriores, a quantidade de peças vendidas em promoção equivalia a 30% das vendas do período normal de coleção. Estas informações serviram como base para projetar a compra de 40% a mais do que a quantidade vendida, pois este número suprirá o crescimento de vendas anual e as vendas de promoção. Para obter o número exato que deverá ser comprado não se pode esquecer a quantidade de estoque final que irá sobrar (calculado anteriormente neste trabalho). Então se calcula a quantidade a ser comprada menos estoque final. X peças a serem compradas x peças do estoque final = número exato de quantidade de peças a serem compradas. Para saber o valor do investimento futuro, ou seja, para prever quanto a empresa poderá desembolsar para a compra de mercadoria, usa-se informações de vendas passadas. Primeiramente se calcula o valor de custo médio das mercadorias vendidas. vendidos. Valor vendido dividido por quantidade vendida dividido por dois = preço de custo médio dos produtos Em seguida faz-se o cálculo do valor do investimento futuro. Neste valor acrescenta-se 10% considerando a inflação do preço da mercadoria de um ano para o outro. Quantidade a ser comprada a mais * valor médio dos produtos * (1+10%) = valor do investimento futuro. Para melhor visualização dos dados adicionamos a planilha de compras mais algumas colunas, com as seguintes informações: nálise no período de 01/03/2009 à 30/06/2009 rupo: Camisetas masculinas ecedor Qtde Comprada Valor Comprado Qtde vendida Valor vendido % da quantidade vendida (compra x venda) Venda acumulada Quantidade a ser comprada 40% a mais Valor do investimento futuro Valor mé dos produ

18 17 Figura 3: Cabeçalho da planilha com a quantidade para compra. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pela autora. 4 RESULTADOS E ANÁLISES Após o término do estudo, serão apresentados os resultados obtidos através da metodologia utilizada. Para a elaboração de uma previsão de vendas baseada em histórico de vendas passadas, foi necessário elaborar uma planilha Excel, contendo os seguintes dados: Análise no período de 01/03/2009 à 30/06/2009 Grupo: Camisetas masculinas Fornecedor Qtde Comprada Valor Comprado Qtde vendida Valor vendido % da quantidade vendida (compra x venda) Venda acumulada Marca A , ,20 93% 25% Marca B , ,00 87% 43% Marca C , ,16 84% 54% Marca D , ,12 31% 65% Marca E , ,90 77% 73% Marca F , ,98 48% 82% Marca G , ,16 49% 92% Marca H , ,91 67% 97% Marca I , ,76 35% 100% , ,19 64% Tabela 1: Planilha de vendas. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pela autora. Os valores utilizados acima são fictícios, utilizados apenas para elaborar os resultados da planilha. Com a planilha preenchida pode-se visualizar o desempenho por marca no período. Nota-se pela última coluna denominada Venda acumulada, que as marcas A, B, C, D e E garantem 73% do faturamento da empresa, considerando os quesitos de uma curva ABC estes seriam nossos principais fornecedores. Portanto não pode deixar de avaliar a coluna da % da quantidade vendida (compra x venda), pois este índice é que direciona a próxima compra. Para melhor compreensão dos resultados, dispõem-se no gráfico abaixo os dados com as marcas que deram maior retorno a empresa.

19 18 Figura 4: Gráfico do desempenho por marca. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pela autora. Na figura nota-se o desempenho por marca, e pode-se concluir que para elaborar o próximo pedido poderá apostar um pouco mais na Marca H, pois dessa marca foi vendido 67% da quantidade comprada, assim como deverá ser ajustado o número, diminuindo um pouco a compra da Marca D que vendeu apenas 31% da quantidade comprada. Convém lembrar que as 389 peças que restaram (que foram compradas e não teve venda), servirá para cobrir as vendas do próximo mês, onde é realizado a promoção do final da estação, no caso, promoção de inverno. Para saber o número que se deve comprar é adicionado mais algumas fórmulas na planilha elaborada. nálise no período de 01/03/2009 à 30/06/2009 rupo: Camisetas masculinas rnecedor Qtde Comprada Valor Comprado Qtde vendida Valor vendido % da quantidade vendida (compra x venda) Venda acumulada Quantidade a ser comprada 40% a mais Valor do investimento futuro Valor méd dos produto rca A , ,20 93% 25% ,74 38,87 rca B , ,00 87% 43% ,33 32,72 rca C , ,16 84% 54% ,26 31,40 rca D , ,12 31% 65% ,36 46,08 rca E , ,90 77% 73% ,92 30,28 rca F , ,98 48% 82% ,53 41,20 rca G , ,16 49% 92% ,11 53,69 rca H , ,91 67% 97% ,87 35,10 rca I , ,76 35% 100% ,35 39, , ,19 64% ,47 39,92 Tabela 2: Planilha com a quantidade para compra. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pela autora. Com o resultado da planilha de quantidade para compra obtém-se a quantidade que se deve comprar de camisetas masculinas para a próxima coleção de inverno que corresponderá a 01/03/2010 à 30/06/2010, os pedidos para este período serão realizados nos meses de outubro e novembro de 2009.

20 19 trabalho. Segue abaixo um quadro comparativo referente à compra e sobra de estoque antes e depois da realização do Antes Compras realizadas sem planejamento Compra de qualquer número para as vendas Compras sem considerar o desempenho atual, ou a quantidade de produtos que sobraria no final de cada estação Sobra excessiva de estoque no final da coleção, que serviria o período de promoção Diminuição exagerada da margem de lucro para desovar os produtos encalhados com preço de liquidação O proprietário tinha que estar presente na empresa em tempo integral para acompanhar de perto o desempenho de seus produtos Depois Compras realizadas com planejamento Compras de números corretos para as vendas Projeção de vendas e sobra de estoque, evitando assim a compra maior que o necessário Sobra correta de estoque para suprir as vendas do período de promoção Garantia da margem de lucro, pois há controle sobre a quantidade de produtos que sobrará para o período de promoção O proprietário ganhou mais liberdade, pois consegue acompanhar o desempenho dos produtos através de relatórios gerados pelo departamento de compra Quadro 1: Comparativo do antes e depois. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pela autora. Pode-se observar que foi de extrema importância para a empresa realizar um planejamento para as suas compras, considerando que foi de grande valia para a área financeira, que obteve um controle sobre os valores de custo com mercadoria. A partir do planejamento de compras foi possível controlar o valor de duplicatas que teriam para pagar nos próximos meses. E o principal resultado com o planejamento de compras foi percebido no lucro final da empresa, já que acertou a quantidade que deveria comprar para suprir sua demanda, assim poupou maiores gastos e/ou perdas com a sobra de estoque, pois sabendo que a empresa atua no segmento de moda, é sabido que quando sobra com produto no estoque e este cai de moda é necessário baixar seu valor, muitas vezes menor que seu custo, para conseguir vender a mercadoria.

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI SOCORRO 2011 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna Rodrigo Arozo A quebra dos silos funcionais e a integração entre as diversas áreas das empresas, bem como a adoção de uma visão por processos,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

PCP - Planejamento e Controle da Produção. Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera.

PCP - Planejamento e Controle da Produção. Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera. PCP - Planejamento e Controle da Produção Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera.ons Planning Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br PIVO = S&OP (Sales

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável SUMÁRIO 1. Sobre o Guia Rápido 03 2. Passo 1 - Plano de Contas 04

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais