EFEITO DA APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CONTROLE DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E PRODUTIVIDADE DO ARROZ IRRIGADO E DE TERRAS ALTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CONTROLE DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E PRODUTIVIDADE DO ARROZ IRRIGADO E DE TERRAS ALTAS"

Transcrição

1 Aropecuári Técnic v.2 n. 2 ISSN 1767 Arei, PB, CCA/UFPB EFEITO DA APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CONTROLE DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E PRODUTIVIDADE DO ARROZ IRRIGADO E DE TERRAS ALTAS GIL RODRIGUES DOS SANTOS 1, CARLOS MARTINS SANTIAGO 2, BRENNER MAGNABOSCO MARRA 3, JULCEMAR DIDONET, JOENES M. PELÚZIO 1 1 Prof. Adjunto, Universid Ferl do Tocntins UFT, Cix Postl Gurupi, TO 2 EMBRAPA Arroz e Feijão, 7197 S to Antonio Goiás, GO 3 Depto FitoptoloiUniversid Brsíli UNB, 7919 Brsíli, DF Prof. Assistente, Universid Ferl do Tocntins UFT, Cix Postl Gurupi, TO RESUMO Este estudo foi relizdo n sfr rícol 22/23 no Projeto Formoso Tocntins, com o objetivo verificr eficiênci diferentes funicids no controle ds principis doençs do rroz plntdo em condições cmpo irrido e em terrs lts. A incidênci brusone ds pnículs foi diminuíd pel miori dos produtos testdos, porém o Tryciclzol isoldo ou em mistur com o Trifloxistrobin + Propiconzol ou Mncozeb Líquido form os melhores trtmentos. Nenhum funicid mostrou eficiênci no controle mnchprd nos dois ensios. A menor severid mnch dos rãos foi verificd nos trtmentos com Trifloxistrobin + Propiconzol em mistur com Tryciclzol em condições irrids e em terrs lts. A miori dos funicids testdos umentou produtivid. Plvrschve: Oriz stiv, brusone ds pnículs, mnch dos rãos FUNGICIDES SPRAYS EFFECTS ON THE CONTROL OF THE IRRIGATED AND HIGHLAND RICE DISEASES AND ON ITS PRODUCTIVITY ABSTRACT This experiment ws crried out durin the riculturl period from 22/23, in the Formoso Project, Tocntins, to study the effect of the funicis in the control of the most importnt rice diseses, cultivted on irrited nd hihlnd field conditions. The neck blst incince ws cresed with the mjority of the pplied funicis; however, the best results were obtined with the tryciclzol pplied lone or in mixtures with Trifloxistrobin + Propiconzol or Mncozeb Liquid. No control of brown spots ws observed. The lowest rin spot severity ws observed with the ppliction of Trifloxistrobin + Propiconzol in mixture with Tryciclzol on cultivted rice in irrited nd hihlnd field conditions. The productivity ws incresed by the most of the tested funicis. Key words: Oriz stiv, neck blst, rin spot Aropecuári Técnic, v.2 n. p.36, 2

2 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CONTROLE DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E PRODUTIVIDADE DO ARROZ INTRODUÇÃO Dentre s doençs importntes do rroz (Oriz stiv L.) no Estdo do Tocntins stcmse brusone, mnchprd e mnch dos rãos vido os rns prejuízos n produtivid e n qulid dos rãos (Rnel et l., 1992). E pesr estudos melhormento senvolvidos n reião indicrem bos perspectivs seleção enótipos superiores, tulmente todos os cultivres plntdos são suscetíveis em mior ou menor ru esss doençs. Os funicids utilizdos n prte ére não têm controldo eficientemente esss moléstis, contribuindo pr o encrecimento do processo produção (Sove et l., 198; Sntos et l., 23). A brusone, cusd pelo funo Pyriculri rise, po infectr s folhs, sementes, rqui, nó bsl e s pnículs (Bendo, 1997). Seundo Prbhu e Bendo (199), infecção do nó d bse d pnícul é mis conhecid como brusone ds pnículs ou do pescoço. Os cchos tcdos loo pós emissão e té fse leitos são totlmente chochos, enqunto que queles tcdos mis tr sofrem redução no peso dos rãos. As perds n lvour pom tinir 1% qundo s condições são fvoráveis à ocorrênci d doenç (Prbhu et l., 199). A mnch dos rãos é um enfermid etioloi complex e inci no período que vi do florescimento té mturção, crcterizndose por mnchs ns lums, que vrim pequenos pontos escuros extenss áres que pom tinir té 1% su superfície. Ess scolorção po estr restrit às lums, bem como po tinir internmente os rãos (Ou, 198). As mnchs sementes pom ser cusds por um complexo fúnico. Além outros menos freqüentes e pouco severos, os seuintes funos já form citdos como cusdores mnchs sementes pels sus lts freqüêncis e severid nesse sistem cultivo: Pyriculri rise, Drechsler oryze, Phom sorhin, Curvulri sp., Epicoccum sp., Nirospor sp., Trichoconiell pdwickii e Rhynchosporium oryze = Gerlchi oryze (Sove et l., 198). O funo D. oryze que fz prte sse complexo tmbém po ser encontrdo infectndo s folhs e lumels, ms tmbém po surir sobre o coleóptilo, binhs e rmificções ds pnículs (Ferreir, 1998). Atulmente, mnch dos rãos cus prejuízos em lvours vários Estdos brsileiros, tis como: Goiás (Cost, 1991); Mto Grosso (Souz et l., 1993) e Tocntins (Sntos et l., 199). As condições mbiente fvoráveis o senvolvimento d doenç são lt precipitção intermitente e um período luminosid por qutro semns ntes do florescimento (Sinh et l., 1987). No Brsil, existe um rn número funicids reistrdos pr o controle doençs n prte ére do rroz, no entnto, em Estdos como Tocntins e Mto Grosso que possuem lt pressão inóculo, poucos produtos monstrm eficiênci n proteção ds plnts. Dess form, há um necessid em testr novs moléculs pr que o orizicultor tenh opções uso e rotção funicids, como é o cso funicids rivdos estrobilurins, evitndo, ssim, indução resistênci nos ptóenos. Este trblho teve como principl objetivo vlir o efeito diferentes funicids sobre o controle ds principis doençs e n produtivid do rroz irrido e terrs lts. MATERIAL E MÉTODOS Os estudos form relizdos no no rícol 22/ 23, no Projeto Formoso, em áre experimentl do Cmpo Apoio Pesquis e Desenvolvimento Arícol do Tocntins no Município Formoso do Arui, Tocntins. Form relizdos dois ensios, emprendose o cultivr Metic 1 em cultivo irrido e o cv. Primver, pr s condições terrs lts (sequeiro). Esses cultivres form utilizdos por serem plntdos no Tocntins e são suscetíveis às principis doençs. As prcels experimentis, cd um ls, possuí um áre 1 m 2, com 1 linhs m comprimento. O espçmento entre linhs e nsid semedur form, respectivmente,,2 m e 1 sementes m 1 pr o ensio irrido e, m e 7 sementes m 1 pr o ensio terrs lts. No ensio irrido, dubção plntio foi 6 k h 1 d fórmul 21 e foi feito cobertur com uréi (6 k N h 1 ) os dis pós o plntio. No ensio terrs lts, dubção plntio foi 3 k h 1 d fórmul 21 e foi feito cobertur no perfilhmento com 1 k h 1 d fórmul 2 e no emborrchmento se fez outr cobertur com 1 k h 1 uréi. O linemento esttístico foi o blocos o cso, com trtmen Aropecuári Técnic, v.2 n. p.36, 2

3 38 Gil Rodriues dos Sntos et l. Tbel 1. Trtmentos (inredientestivo i..) funicids e respectivs doses do produto comercil (P.C.) h 1 e esquem plicção em rroz irrido e terrs lts, em Formoso do Arui, Tocntins, no rícol 22/23 Trtmentos Arroz irrido Arroz terrs lts Aplicções Funicids (i..) Dose (P.C.h 1 Dose (P.C.h 1 Emborrchment o 21 dis pois 1 oxistrobin () +,% 3 +,% vol/óleo vol/óleo 2 Trifloxistrobin + Propiconzol () 6 3 Tryciclzo l 2 2 Tryciclzo l Tryciclzo l Tryciclzo l 2 2 Tryciclzo l Tryciclzo l Mncozeb líquido (L),1,1 Mncozeb L Mncozeb L 6 + Tryciclzo l Tryciclzo l 7 + Tryciclzo l Tryciclzo l 8 Mncozeb L + Tryciclzo l 1,1 Mncozeb L 1 + 2,1 + 2 Mnc. + Tryciclzo l 9 Mncozeb (pó) + Tryciclzo l 3, k 3, k Mncozeb (pó) 3, k + 2 3, k + 2 Mnc. + Tryciclzo l 1 Mncozeb (pó) 3, k 3, k M ncozeb (pó) Mncozeb (pó) Testemunh sem funicid sem funicid tos (funicids plicdos isoldmente ou em misturs) e três repetições. Os trtmentos utilizdos nos dois ensios form os mesmos (Tbel 1) diferindose pens ns dosens. A plicção dos funicids foi feit em dois estádios senvolvimento do rroz: durnte o emborrchmento e os 21 dis pós primeir pulverizção. Relizouse por meio pulverizdor costl CO 2, com pressão justd pr 2 librs pol 2 e volume cld corresponnte 3 l h 1. Em cmpo, s doençs form vlids qunto severid d mnchprd e incidênci brusone ds pnículs. A vlição d mnchprd foi relizd 2 dis pós últim plicção dos funicids (cerc 1 dis ntes d colheit), pr evitr contminções por sprófits no período rão mduro, sendo neste procedimento empred um escl nots propost pelo Centro Interncionl Aricultur Tropicl (CIAT): = sem sintoms d doenç; 1 = < 1% do tecido doente; 3 = 1 % do tecido doente; = 6 2% do tecido fetdo; 7 = 26 % do tecido doente; 9 = mis % do tecido doente. A vlição d incidênci brusone ds pnículs foi relizd proximdmente 1 dis ntes d colheit em um mostrem 1 perfilhos por prcel, sendo, neste procedimento, consird rzão entre o número plnts doentes e o totl perfilhos vlidos. Em lbortório, cerc sementes por prcel form rnds ds pnículs pr se relizr quntificção d severid mnch dos rãos, conforme seuinte escl nots (Sntos et l., 2): = rão sdio; 1 = pontuções do tmnho cbeç lfinete; 2 = mnchs bem finids com 2 % áre mnchd; 3 = 1 7% áre cobert com mnchs; e = 76 1% d áre doente. A produtivid foi vlid consirndose o peso dos rãos colhidos n áre centrl m 2, cd prcel (dispensndose borddur), sendo os vlores obtidos trnsformdos em k h 1. Pr nálise esttístic, os ddos oriinis severid (nots) form trnsformdos em x +, e os incidênci (percentem) em rcoseno x +,, sendo submetidos à nálise vriânci e s médis comprds pelo teste Tukey % probbilid. RESULTADOS E DISCUSSÃO Ns condições irrids, conforme verificse n Tbel menor incidênci brusone ds pnículs foi ns plnts pulverizds com Trifloxistrobin + Propiconzol () + Tryciclzol (Trtmento 7), e com Tryciclzol 2 h 1 (Trtmento ); nesss observções, pens o trtmento com Mncozeb (pó) não diferiu sinifictivmente d testemunh. Em terrs lts (Tbel 3), s menores incidêncis brusone verificrmse com plicção Tryciclzol ns doses 2 e 2 h 1 (Trtmentos 3 e ) e Tryciclzol em mistur com Mncozeb n form líquid (Trtmento 8), tendo miori dos trtmentos Aropecuári Técnic, v.2 n. p.36, 2

4 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS SOBRE O CONTROLE DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E PRODUTIVIDADE DO ARROZ Tbel 2. Efeito d plicção funicids sobre incidênci e severid doençs, e produtivid do rroz, cv. Metic em condições irrição, no Projeto Formoso, no rícol 22/23 Trtmento Incidênci brusone Severid Severid Produtivid pnículs mnchprd mnch dos rãos ( k h 1) 1 oxistrobin () 22 d1 3, 2 96 b 2 Trifloxistrobin + Propiconzol () 3, b 3 Tryciclzol2 13, f, 17 b Tryciclzol2 ef, 28 Mncozeb líquido (L) 3, 2 b 6 + Tryciclzo l 13, f, 3,2 999 b 7 + Tryciclzo l f 3, c 137 b 8 Mncozeb L + Tryciclzo l 1,7 f, 7 87 b 9 Mncozeb (pó) + Tryciclzo l 1,7 f 3, 76 b 1 Mncozeb (pó) 3 b 3,7 19 b Testemunh,2, 99 b Coeficiente vrição (CV %) 13, 2 6 9, 1 9, 2 1 Ddos oriinis trnsformdos em rcoseno ( x +,) 1 / 2 ; 2 Ddos oriinis trnsformdos em ( x +,) 1/ 2 Médis seuids d mesm letr ns coluns não diferem entre si, pelo teste Tukey o nível % sinificânci. diferido d testemunh, exceto o Mncozeb pó. Outros estudos tmbém evincirm o controle st doenç utilizndo o funicid Tryciclzol (Lsc et l., 198; Brinni Neto et l., 1988; Ribeiro, 1989; Mlvolt e Tkd, 1997 e Sntos et l., 22). Pr mnchprd, nenhum trtmento diferiu sinifictivmente d testemunh no rroz irrido (Tbel 2). Em rroz terrs lts (Tbel 3), verificouse que pesr vários trtmentos terem reduzido o nível severid d doenç (Trts. 7,, 1 e 1), não houve um diferenç esttístic sinifictiv em relção à testemunh. Isso po ser tribuído o coeficiente vrição que foi lto (29,%), utilizndo os ddos trnsformdos e que não permitiu tecção ds diferençs entre os trtmentos. Com relção mnch dos rãos no sistem irrido (Tbel 2) menor severid foi verificd com o trtmento TRP + Tryciclzol (Trt. 7) seuido pelo Trt. TRP. Em terrs lts (Tbel 3), todos os trtmentos reduzirm mnch dos rãos, porém os menores níveis severid form novmente obtidos pelo funicid + Tryciclzol (Trt. 7), seuido do Trtmento 8 (Mncozeb L + Tryciclzol) que diferirm esttisticmente d testemunh. De cordo com os ddos presentdos miori dos funicids empredos não mostrou eficiênci sinifictiv no controle mnch dos rãos e mnchprd, porém houve redução d doenç com relção à testemunh. Souz et l. (1993) e Mlvolt e Tkd (1997), pesr utilizrem trtmentos diferentes, verificrm resultdo semelhnte. Neste trblho foi observdo que pesr d doenç mnchr o Tbel 3. Efeito d plicção funicids sobre incidênci e severid doençs, e produtivid do rroz, cv. Primver, em condições terrs lts, em Formoso do Arui, no rícol 22/23 Trtmento Incidênci brusone Severid Severid Produtivid pnículs mnchprd mnch dos rãos ( k h 1) 1 oxistrobin () 22 1 b2 332 b 2 Trifloxistrobin + Propiconzol () 13,2 c 2 b 338 b 3 Tryciclzol2 2 e, 2 b 391 b Tryciclzol2 7, 36 Mncozeb líquido (L) 3,2 b b 326 b 6 AZ + Tryciclzol 13,2 c b 7 + Tryciclzol 9,,2 c Mncozeb L + Tryciclzol 7,2 e, Mncozeb (pó) + Tryciclzol 9, Mncozeb (pó) 2 b b 3376 b Testemunh 3,2, 3, 372 b Coeficiente vrição (CV %) 17, 29, 2 7, 1 Ddos oriinis trnsformdos em rcoseno ( x +,) 1 / 2 ; 2 Ddos oriinis trnsformdos em ( x +,) 1 / 2; Médis seuids d mesm letr ns coluns não diferem entre si, pelo teste Tuke y o nível % sinificânci. Aropecuári Técnic, v.2 n. p.36, 2

5 Gil Rodriues dos Sntos et l. teumento d semente, nem sempre compromete qulid físic. Qundo el ultrpss csc d semente, form espiuets estéreis e diminui produção do rroz. Em mbos os ensios, verificouse que s plnts pulverizds presentrm mior produtivid, porém, pr o rroz irrido, pens o trtmento com Tryciclzol 2 h 1 em dus plicções, diferiu sinifictivmente d testemunh (Tbel 2). Em condições terrs lts (Tbel 3), os Trtmentos 9, 7 e form sinifictivmente diferentes d testemunh. Apesr dos funicids reduzirem o nível brusone ds pnículs, verificouse n testemunh um lt incidênci no sistem irrido (,2%) e em terrs lts (3,2%), o que po ter influencido n bix produtivid obtid nos diferentes trtmentos, nos dois ensios. A correlção st doenç com produtivid foi comprovd por Sntos et l. (22b), qundo estudrm resistênci diferentes enótipos às principis doençs no sul do Estdo do Tocntins. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEDENDO, I.P. Doençs do Arroz. In: KIMATI, H. et l. (Ed.). Mnul Fitoptoloi. 3.ed. São Pulo: Aronômic Ceres, p.899. BRIGNANI NETO, P.; ROLIM, P.R.R.; RAMOS, W.J. Controle Pyriculri oryze em cultur rroz sequeiro. Fitoptoloi Brsileir, v.13, n. p CENTRO INTERNACIONAL DE AGRICULTURA TROPICAL. Sistem evlución estndr pr rroz. 2.ed. Cli: Columbi, p. COSTA, J.L.S. Alternri pdwickii e Curvulri lunt: ptoenicid e trnsmissão por sementes rroz irrido. Fitoptoloi Brsileir, v.1 n. p FERREIRA, C.M. Recomendções técnics pr cultur do rroz irrido no Norste. Goiâni: EmbrpCNPAF, p. (EmbrpCNPAF. Documentos, 86). LASCA, C.C.; BRIGNANI NETO, F.; OLIVEIRA, D.A. Snid sementes rroz produzids em cmpos trtdos com funicids. Fitoptoloi Brsileir, v., n., p.13, 198. MALAVOLTA, V.M.A.; TAKADA, H.M. Controle químico funos cusdores mnchs rãos em rroz. Summ Phytoptholoic, v.23, n. p OU, S.H. Rice diseses. 2.ed. Surrey, Enlnd: Commonwelth Mycoloicl Institute, p. PRABHU, A.S.; BEDENDO, I.P. Principis doençs do rroz no Brsil. 2.ed. Goiâni: CNPAF/EMBRAPA, p. (CNPAF/EMBRAPA. Documentos, 2). PRABHU, A.S.; BEDENDO, I.P.; FILIPPI, M.C. Principis doençs do rroz no Brsil. 3.ed. Goiâni: EMBRAPA CNPAF, p. (EMBRAPACNPAF. Documentos, 2). RANGEL, P.H.N.; ZIMMERMANN, F.J.P.; NEVES, P.C.F. El CNPAF Investi: cresce en Brsil el rendimiento l rroz rieo. Arroz en ls Americs, Cli, v.13, n. p.2, RIBEIRO, A.S. Controle interdo ds doençs do rroz irrido. Pelots: EMBRAPACPATB, p. (Circulr Técnic, 3). SANTOS, G.R.; CARVALHO, E.M.; PELÚZIO, J.M. Reção linhens e cultivres rroz mnchdosrãos, mnch prd e brusone, em condições cmpo, no Estdo do Tocntins. Revist Ceres, v.7, n.27, p.1233, 2. SANTOS, G.R.; COSTA, W.M.; COSTA, H. Incidênci mnch prd do rroz no Projeto Formoso, Estdo do Tocntins. Fitoptoloi Brsileir, v.19, p.299, 199. Suplemento. SANTOS, G.R. Influênci do trtmento sementes do rroz irrido sobre o controle mnchs rãos no Estdo do Tocntins. Lvour Arrozeir, v.9, n.2 p.2123, SANTOS, G.R. et l. Adubção com silício: influênci sobre s principis doençs e sobre produtivid rroz irrido por inundção. Revist Ceres, v., n.287, p SANTOS, G.R. et l. Trtmento sementes com funicids pr controle d brusone folir do rroz irrido no Estdo do Tocntins. Revist Ceres, v.9, n.28 p SANTOS, G.R. et l. Resistênci enótipos rroz doençs no sul do Estdo do Tocntins. Bioscience Journl, v.1 n. p.31 22b. SINGH, B.M. et l. Fctors ffectin severity of lume bliht in diffent of rice in Himchl Prsh. Indin Phytoptholoy, v.3 p.1923, SOAVE, J. et l. Selection of rice cultivrs resistnt to some pthoens usin seed helth testin. Pesquis Aropecuári Brsileir, v.19, p.93, 198. SOUZA, N.S.; BARROS, L.G.; PRABHU, A.S. Incidênci mnch rãos do rroz em relção à époc plntio e plicção funicids. Cuibá: EMPAER, p. (Boletim Pesquis, ). UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. ESTAT: Prorm esttístic senvolvido pelo Deprtmento Processmento Ddos d Fculd Ciêncis Aráris e Veterináris Jboticbl. Jboticbl, SP: UNESP, CDROM. Aropecuári Técnic, v.2 n. p.36, 2

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Rmulri reol) EM ALGODÃO ADENSADO Autores: Alfredo Riciere Dis Fundção Chpdão Rento Anstácio Guzin - UFMS Cleer Brndino Ferreir

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 Anis do Congresso de Pesquis, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 RESPOSTA DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE ARROZ (ORYZA SATIVA) AO ATAQUE DA BROCA-DO-COLMO (DIATRAEA SACCHARALIS) NASCIMENTO, Jcqueline

Leia mais

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO ISSN 1808-981X 19 BROTÇÃO E LTUR DE PLNTS DE MNDIOC EM FUNÇÃO D VELOCIDDE DE PLNTIO MECNIZDO EM DOIS SISTEMS DE PREPRO DO SOLO Sprouting nd height of the cssv plnts in terms of speed of the mechnized plnting

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Efficiency of mulching on soil moisture and temperature, weed control and yield of carrot in summer season

Efficiency of mulching on soil moisture and temperature, weed control and yield of carrot in summer season USO DE COBERTURA MORTA VEGETAL NO CONTROLE DA UMIDADE E TEMPERATURA DO SOLO, NA INCIDÊNCIA DE PLANTAS INVASORAS E NA PRODUÇÃO DA CENOURA EM CULTIVO DE VERÃO Efficiency of mulching on soil moisture nd temperture,

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Leonardo Araújo 1, Rosa M. Valdebenito-Sanhueza 2 & Marciel J. Stadnik 1

Leonardo Araújo 1, Rosa M. Valdebenito-Sanhueza 2 & Marciel J. Stadnik 1 Tropicl Plnt Pthology, vol. 35, 1, 54-59 (21) Copyright by the Brzilin Phytopthologicl Society. Printed in Brzil www.sbfito.com.br SHORT COMMUNICTION / COMUNICÇÃO vlição de formulções de fosfito de potássio

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares Produção de lfce e cenour so dois ciclos lunres Smuel Luiz de Souz; José M. Q. Luz; Denise G. Sntn; Monlis A. D. d Silv UFU-Instituto de Ciêncis Agráris, Cx. Postl 593, Cep. 38.400-783 Uerlândi MG, jmgno@umurm.ufu.r

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Tecnologi e Produção: Soj e Milho 008/009 Fertilidde do Solo, Adubção e Nutrição d Cultur d Soj Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Rnno.. Amostrgem do solo A recomendção de dubção e de clgem bseise principlmente

Leia mais

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade ISSN 2176-2864 79 Níveis de desfolh tolerdos n cultur d soj sem ocorrênci de prejuízos à produtividde Nível de ção e o MIP-Soj No mnejo dequdo d cultur d soj, Glycine mx (Merrill), é crucil doção de estrtégis

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

Germinação da semente e produção ARTIGOS de mudas / de ARTICLES cultivares de alface em diferentes substratos. Resumo. Abstract

Germinação da semente e produção ARTIGOS de mudas / de ARTICLES cultivares de alface em diferentes substratos. Resumo. Abstract Germinção d semente e produção ARTIGOS de muds / de ARTICLES cultivres de lfce em diferentes substrtos Germinção d semente e produção de muds de cultivres de lfce em diferentes substrtos Germintion of

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO XLIII Congresso Brsileiro de Engenhri Agrícol - CONBEA 214 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Cmilo - Cmpo Grnde - MS 27 31 de julho de 214 RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopeneus vnnmei Alberto J. P. Nunes, Ph.D. 1 * Pedro Henrique Gomes dos Sntos 1 Silvi Pstore, M.Sc. 2 1 LABOMAR

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFÉ CONILON PROPAGADAS VEGETATIVAMENTE EM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFÉ CONILON PROPAGADAS VEGETATIVAMENTE EM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO Produção de muds de cfé Conilon propgds vegettivmente Volumen 25, Nº 3, Págins 85-9 IDESIA (Chile) Septiembre - Diciembre 27 PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFÉ CONILON PROPAGADAS VEGETATIVAMENTE EM DIFERENTES NÍVEIS

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta Cultivndo o Ser 46 Crcterístics produtivs de cenour Esplnd em função do modo de plicção de composto orgânico e utilizção de coertur mort Fáio Steiner 1, Márci de Mores Echer 1 e An Crolin Cristo Leite

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.)

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.) INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Cmpomnesi spp.) Jênifer Silv NOGUEIRA¹, Fbino Guimrães d SILVA², Antônio Pulino d COSTA NETTO³, Pedro Ferreir MORAIS 4, Geicine Cintr de SOUZA

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

ISSN 2176-2937 Outubro, 2013. Sistemas de preparo do solo: trinta anos de pesquisas na Embrapa Soja

ISSN 2176-2937 Outubro, 2013. Sistemas de preparo do solo: trinta anos de pesquisas na Embrapa Soja ISSN 2176-2937 Outubro, 2013 342 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj ISSN 2176-2937 Outubro, 2013 Empres Brsileir de Pesquis Agropecuári Embrp Soj Ministério d Agricultur, Pecuári

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Manual de Operações Atualização do KIT I

Manual de Operações Atualização do KIT I Mnul de Operções Atulizção do KIT I ÍNDICE ANTES DE INICIAR... 2 NOVOS RECURSOS...2 EXIBIÇÃO DO TECIDO DURANTE O ALINHAMENTO DA POSIÇÃO DO BORDADO... 3 ALTERAÇÃO DO TAMANHO DO DESENHO, MANTENDO A DENSIDADE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL E COMPOSIÇÃO MINERAL DE COPAÍBA CULTIVADAS EM LATOSSOLO AMARELO, TEXTURA MÉDIA, SOB OMISSÃO DE NUTRIENTES

DESENVOLVIMENTO INICIAL E COMPOSIÇÃO MINERAL DE COPAÍBA CULTIVADAS EM LATOSSOLO AMARELO, TEXTURA MÉDIA, SOB OMISSÃO DE NUTRIENTES DESENVOLVIMENTO INICIAL E COMPOSIÇÃO MINERAL DE COPAÍBA CULTIVADAS EM LATOSSOLO AMARELO, TEXTURA MÉDIA, SOB OMISSÃO DE NUTRIENTES Márcio Gerdhnes Mrtins guedes 1 ; Mário Lopes d Silv Júnior 2 ; George

Leia mais

SPERMOVA (2011) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS

SPERMOVA (2011) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS Spermov SPERMOVA (11) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS P.S. Bruselli, M.F. Sá Filho, J.N.S. Sles, G.A. Crepldi, A.H. Souz, C.M. Mrtins, R. V. Sl, K.A.L. Neves Deprtmento

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO CV. GOLD EM ACLIMATAÇÃO

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO CV. GOLD EM ACLIMATAÇÃO Avlição do crescimento folir e rdiculr de muds micropropgds do cxizeiro Volumen cv. Gold 26, em Nº climtção 3, Págins 87-96 IDESIA (Chile) Septiemre - Diciemre 2008 AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005

Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005 Rev Súde Públic 2008;42(6):1021-6 Elsi Belo Imbirib I,II José Cmilo Hurtdo- Guerrero I,III Luiz Grnelo I,IV Antônio Levino I,IV Mri d Grç Cunh V Vlderiz Pedros V Perfil epidemiológico d hnseníse em menores

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO 1291 TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO Liver trnsplnttion in the out of home tretment progrm in the stte

Leia mais

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O feijão cupi (Vign unguicult (L.) Wlp), conhecido tmbém como feijão-decord ou feijão mcssr, constitui-se em fonte de proteíns e limento básico pr grnde prte d populção d Região do

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Avaliar o crescimento/desenvolvimento e o potencial produtivo da cultura de pinhão-manso no semiárido paraibano;

Avaliar o crescimento/desenvolvimento e o potencial produtivo da cultura de pinhão-manso no semiárido paraibano; 1. INTRODUÇÃO O pinhão-mnso (Jtroph curcs L.), plnt d fmíli ds euforiáces, é um rusto com té 4 m de ltur, distriuído em regiões tropicis de todo o gloo, inclusive no Brsil. Cresce, rpidmente, em solos

Leia mais

MELlSSA KUlIG AESCHBACH. ISOLAMENTO DE FUNGOS DE GRÃos DE CAFÉ DA VARIEDADE IAPAR 59 ASSOCIADOS Á QUALIDADE DE BEBIDA DE CAFÉ

MELlSSA KUlIG AESCHBACH. ISOLAMENTO DE FUNGOS DE GRÃos DE CAFÉ DA VARIEDADE IAPAR 59 ASSOCIADOS Á QUALIDADE DE BEBIDA DE CAFÉ ,.-- \ MELlSSA KUlIG AESCHBACH ISOLAMENTO DE FUNGOS DE GRÃos DE CAFÉ DA VARIEDADE IAPAR 59 ASSOCIADOS Á QUALIDADE DE BEBIDA DE CAFÉ Monogrfi presentd pr obtenção do título de Bchrel em Ciêncis Biológics,

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO

ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO Heliomr Bleeiro de Melo Júnior 1, Ivniele Nhs Durte 1, Mrcelo Muniz Benedetti 1, Elis Nscentes Borges 2 1. Pós Grdundos em Agronomi d

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Universidade Federal de Mato Grosso Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade Universidde Federl de Mto Grosso Fculdde de Agronomi e Medicin Veterinári Deprtmento de Fitotecni e Fitossnidde RELATÓRIO PARCIAL DE ATIVIDADES 2010/01 Comportmento microbino em solos sob o sistem de lvour

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

ACLIMATAÇÃO E ADUBAÇÃO DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO GOLD NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

ACLIMATAÇÃO E ADUBAÇÃO DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO GOLD NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL ACLIMATAÇÃO E ADUBAÇÃO DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO GOLD NO SUL DO ESTADO DO

Leia mais

Avaliação da fitotoxicidade de duas diferentes formulações de nicosulfuron na cultura do milho associada à adubação nitrogenada em cobertura

Avaliação da fitotoxicidade de duas diferentes formulações de nicosulfuron na cultura do milho associada à adubação nitrogenada em cobertura vlição d fitotoxiidde de dus diferentes formulções de niosulfuron n ultur do milho ssoid à dubção nitrogend em obertur nderson L. Cvenghi 1 ; Sebstião C. Guimrães 2 ; Rogério D. de Cstro 1 ; Sérgio Y.

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais