TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO"

Transcrição

1 1291 TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO Liver trnsplnttion in the out of home tretment progrm in the stte of Sergipe in Clinicl nlysis nd costs. Binc Souz Lel 1, Terez Virgíni Silv Bezerr Nscimento 2, João Augusto Guimrães Figueiredo 3, Alex Viney Clldo Frnç 2. RESUMO No Brsil, miori dos trnsplntes de fígdo é relizd n região Sudeste. Nos estdos em que não há serviço de trnsplnte de fígdo, como Sergipe, os pcientes usuários do Sistem Único de Súde são encminhdos pr outros estdos e s despess com deslocmento e jud de custo são finncids pelo Progrm de Trtmento For de Domicílio (TFD). Objetivo: Avlir os principis spectos dos pcientes cdstrdos pr trnsplnte de fígdo (pré- e pós-) e custos dos serviços finncidos pelo TFD em Sergipe no no de Método: Análise dos prontuários de 55 pcientes cdstrdos no TFD em Sergipe que vijrm em Form vlidos: idde, gênero, procedênci, nturlidde, presenç de cirrose e evolução com óbito em Comprrm-se s crcterístics e custos gerdos pelos pcientes, compnhntes e dodores e ind entre os pcientes trnsplntdos e não-trnsplntdos. Resultdos: Predominrm pcientes do gênero msculino (63,6%), com iddes entre 12 e 59 nos (61,8%) procedentes d cpitl - Arcju/SE - (50,9%) e do interior de Sergipe (49,1%). Apresentrm cirrose 80% dos pcientes e 12,7% evoluírm pr óbito em As principis cuss d cirrose form Heptite C e Alcoolismo, com 15,9% dos csos cd um. Form trnsplntdos 30,9% dos pcientes, sendo 76,5% desses trnsplntes relizdos em São Pulo. Os compnhntes formrm o grupo que gerou mior despes pr o TFD, com gsto de R$ ,72, em um totl de R$ ,43 incluindo pcientes e dodores. O custo médio de cd pciente finncido pelo TFD foi de R$ 8.037,97 e qundo incluíds despess dicionis, médi foi de R$ ,49 por pciente. Os pcientes vijrm em médi 4,76 vezes em 2008 e os trnsplntdos gerrm despes 1,8 vezes mior do que os não-trnsplntdos. Conclusão: Cirrose hepátic foi principl cus de indicção de trnsplnte de fígdo. Em 2008, o custo do progrm foi de cerc de R$ 8.000,00 por pciente, vlor que poderi ser investido, em prte, n estruturção de serviço especilizdo no compnhmento tnto no pré- qunto no pós-trnsplnte no estdo de origem do pciente. Descritores: Trnsplnte de Fígdo, Gstos em Súde, Sistem Único de Súde. Instituição: 1 Curso de Medicin d Universidde Federl de Sergipe, Arcju/SE 2 Deprtmento de Medicin d Universidde Federl de Sergipe, Arcju/SE 3 Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe d Universidde Federl de Sergipe, Arc Correspondênci: Prof. Dr. Alex Viney Clldo Frnç. Deprtmento de Medicin, Hospitl Universitário, Ru Cláudio Btist, s/n, Birro Sntório, Arcju, Sergipe, Brsil. Fone: (79) E-mil: Recebido em: Aceito em: INTRODUÇÃO O primeiro trnsplnte de fígdo bem sucedido d Améric Ltin foi relizdo no Brsil, no no de 1985, no Hospitl ds Clínics d Universidde de São Pulo.1 Desde então, vários outros centros pssrm relizr esse procedimento, sendo tulmente procedimento de rotin em muitos serviços hospitlres. Até o primeiro trimestre do no de 2009 existim 36 equipes que relizvm trnsplnte de fígdo em tividde no Brsil.2 A grnde miori desss equipes tu n região Sudeste, qul é responsável por cerc de 72% de todos os trnsplntes de fígdo no Brsil.2 No estdo de Sergipe não existem equipes que relizm trnsplnte de fígdo.3 Por ess rzão, pcientes portdores de doenç hepátic terminl que necessitm do procedimento são encminhdos outros estdos, e sus despess são custeds pelo Progrm de Trtmento For de Domicílio (TFD).4 O TFD é um benefício estbelecido pel Portri SAS/Ministério de Súde nº 055 de 24/02/1999 (D.O.U. de 26/02/1999, em vigor desde 01/03/1999) que consiste no fornecimento de pssgens pr tendimento médico especilizdo de dignose, terpi ou trtmento cirúrgico de lt complexidde, ser prestdo à

2 1292 Binc Souz Lel, Terez Virgíni Silv Bezerr Nscimento, João Augusto Guimrães Figueiredo, Alex Viney Clldo Frnç. pcientes tendidos exclusivmente pelo Sistem Único de Súde (SUS) em outros estdos e entre municípios situdos mis de 50 km de distânci. Tmbém está previsto pgmento de jud de custo pr limentção e pernoite do pciente e compnhnte, somente pós comprovção de tl necessidde medinte nálise sócioeconômic efetud por ssistente socil do município de origem do pciente.4 O repsse do SUS pr instituições que relizm trnsplnte de fígdo prtir de novembro de 2008 é de R$ ,41 por procedimento com dodor cdáver.5 Dess form, pcientes usuários do Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe (TFD/SE) que form submetidos trnsplnte de fígdo gregrm esse vlor o custo de seus deslocmentos, gerndo despes ind mior pr Súde Públic do Brsil. Não há estudos locis ou ncionis pr dimensionr os custos do TFD com pcientes que necessitm de trnsplnte de fígdo. Por esse motivo, fz-se necessário o conhecimento dos principis spectos desses pcientes e seu impcto econômico pr o TFD, um vez que pode ser possível determinr novs estrtégis pr diminuir os gstos d súde públic no estdo de Sergipe. MÉTODOS Os ddos form obtidos de form retrospectiv, prtir dos prontuários do Centro de Atenção à Súde de Sergipe (CASE), loclizdo em Arcju-SE. Form seleciondos os 55 prontuários dos pcientes tendidos pelo Progrm de Trtmento For de Domicílio (TFD) registrdos como trnsplnte de fígdo e que vijrm pr vlição pré- e pós-trnsplnte ou pr relizção do mesmo em centros de referênci for do estdo de Sergipe no no de As informções dquirids trvés dos prontuários form: gênero, dt de nscimento, idde, procedênci, nturlidde, no em que o pciente ingressou no TFD, pciente já trnsplntdo ou não o ingressr no TFD, presenç de cirrose, etiologi d cirrose, outrs etiologis pr heptopti, indicção do trnsplnte, no de relizção do trnsplnte, locl do serviço de vlição/ trnsplnte e cráter público ou privdo do serviço de origem. As informções própris dos pcientes tendidos pelo TFD em 2008 form: número de vigens relizds, vlor ds pssgens, vlor d jud de custo, dis de permnênci e dis de internmento no serviço trnsplntdor, medicções utilizds, despes com medicções, evolução com óbito e despes com uxílio funerl. As informções obtids dos compnhntes e dodores desses pcientes form: número de vigens, vlor ds pssgens, vlor d jud de custo e tempo de permnênci no serviço trnsplntdor. Todos os vlores form clculdos bsedos nos comprovntes de pssgens e nos reltórios de jud de custo, considerndo o vlor d diário R$ 24,751*. As medicções tiverm seus custos clculdos de cordo com tbel de vlores dos medicmentos fornecid pelo Centro de Atenção à Súde de Sergipe (CASE). Esses ddos form nlisdos descritivmente e sus vriáveis tiverm s frequêncis clculds trvés do progrm SPSS versão 11.5 pr Windows. O presente estudo foi desenvolvido pelo Serviço de Heptologi do Deprtmento de Medicin d Universidde Federl de Sergipe, tendo sido provdo pelo Comitê de Étic em Pesquis sob número e segue os preceitos d declrção de Helsinque e d Resolução 196/96 do Conselho Ncionl de Súde. RESULTADOS Form vlidos os 55 prontuários dos pcientes cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe (TFD/ SE) pr trnsplnte de fígdo, que vijrm em Dentre esses, 20 (36,4%) erm do sexo feminino e 35 (63,6%) do sexo msculino. A idde médi foi de 30,4 nos, vrindo de 10 meses 68 nos de idde. Qundo nlisd fix etári, notou-se que 15 pcientes (27,3%) tinhm idde menor ou igul 11 nos, 34 (61,8%) presentrm idde entre 12 e 59 nos e hvi 6 pcientes (10,9%) com idde superior ou igul 60 nos. A mior prte d populção estudd (50,9%) foi procedente d cidde de Arcju/ SE, enqunto 27 pcientes (49,1%) reltrm proceder do interior de Sergipe, não tendo sido registrdo pcientes residentes em outro estdo. Qunto à nturlidde, prevlecerm pcientes nturis do interior de Sergipe (41,8%), seguidos pelos nturis de Arcju/SE (34,6%), sendo 13 (23,6%) pcientes nscidos em outros estdos. Em relção à presenç de cirrose, consttou-se que 44 (80%) desses pcientes presentvm cirrose, cinco (9,1%) não possuím fígdo cirrótico e 6 (10,9%) não tiverm esse ddo registrdo no prontuário. A evolução com óbito no no de 2008 ocorreu em sete (12,7%) dos pcientes vlidos, sendo todos ntes d relizção do trnsplnte. N tbel 1 estão relciondos lguns dos principis spectos dos pcientes cdstrdos no TFD/ SE, não sendo observd diferenç significtiv em relção o gênero, idde, procedênci, nturlidde, presenç de cirrose ou ocorrênci de óbito em 2008 qundo comprdo os grupos de pcientes trnsplntdos ou não (p>0,05). Tbel 1 - Associção entre os principis spectos dos pcientes cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe em 2008 e relizção do trnsplnte de fígdo. Vriáveis Gênero Relizção do Trnsplnte Sim Não N % N % Totl N % Msculino 12 34, , ,0 Feminino 5 25, , ,0 Fix Etári 11 nos 8 53,3 7 46, , nos 8 23, , ,0 60 nos 1 16,7 5 83, ,0 Procedênci Arcju/SE 10 35, , ,0 Interior/SE 7 25, , ,0 Outro estdo Nturlidde p 0,473 0,083 0,432

3 Trnsplnte de fígdo no progrm de trtmento for de domicílio no estdo de Sergipe em nálise de ddos clínicos e custo 1293 Arcju/SE 6 31, , ,0 Interior/SE 6 26, , ,0 Outro Estdo 5 38,5 8 61, ,0 Cirrose Sim 13 29, , ,0 Não 2 40,0 3 60, ,0 Totl 15 30, , ,0 Óbito em 2008 Sim 0 0, , ,0 Não 17 35, , ,0 Análise por provs de Qui-qudrdo de Person. 0,740 0,883 0,058 As demis crcterístics do grupo estuddo form sintetizds n tbel 2, onde se observou que s principis etiologis d cirrose form Heptite e Alcoolismo com sete (15,9%) csos cd um. Em seguid, form relcionds Atresi de Vis Bilires, Heptite B e Síndrome de Budd-Chiri, com 04 (9,1%) csos pr cd etiologi. Os outros 18 (40,9%) pcientes portdores de cirrose tiverm etiologis diverss, destcndo-se Heptite Auto-imune, Doenç de Wilson, Colngite Esclerosnte Primári, Doenç Hepátic Gorduros Não-lcóolic, Hemocromtose, Doenç de Byler e outrs. Dentre os 11 (20%) pcientes que não possuím cirrose ou cujos prontuários não especificrm tl fto, cus mis prevlente d heptopti foi Atresi de Vis Bilires em 04 (36,4%) csos, seguid de Síndrome de Algille em outros 2 (18,2%) csos. Os 5 (57,1%) pcientes restntes tiverm etiologis diverss, como Amiloidose, Doenç de Niemnn-Pick, Hemngioendoteliom Infntil e Síndrome de Croli. Os pcientes do presente estudo inicirm o cdstro no TFD/SE principlmente nos nos de 2007 (23,6%) e 2008 (32,7%), nos que concentrm mis d metde dos pcientes nlisdos; os demis (43,7%), form introduzidos no TFD/SE entre os nos de 2000 e Apens 1 pciente (1,8%) entre todos os vlidos, iniciou o cdstro no TFD/SE pós relizção do trnsplnte de fígdo. Os pcientes nlisdos, em su grnde miori (83,6%) form oriundos do serviço público, enqunto 9 (16,4%) pcientes vierm de serviços privdos. Dentre os 55 indivíduos observdos, 17 (30,9%) form trnsplntdos de fígdo té o finl do no de Heptite B 4 5 (15,6%) Sd. de Budd-Chiri 4 9 (28,1%) Outrs (34,4%) Heptopti nos pcientes não-cirróticos Atresi de Vis Bilires 4 3 (23,1%) Sd. de Algille 2 1 (7,7%) Outrs 5 1 (7,7%) Ano de início no TFD (25,5%) (25,5%) (25,5%) (25,5%) (25,5%) Admitido no TFD Pré-trnsplnte 54 (25,5%) Pós-trnsplnte 1 (25,5%) Serviço de Origem Público 46 (25,5%) Privdo 9 (25,5%) Pciente trnsplntdo té 2008 Sim 17 30,9 Não 38 69,1 Pcientes que não possuím cirrose ou cujos prontuários não reltvm cirrose. O no em que se registrou o mior número de trnsplntes n populção estudd foi 2008, qundo ocorrerm cinco (27,8%) trnsplntes de fígdo, todos com dodor flecido, sendo um (5,5%) deles retrnsplnte. Em 2006 e 2007 form relizdos dois (11,1%) trnsplntes de fígdo em cd no; em 2005, nenhum pciente foi trnsplntdo, enqunto que em 2004 houve qutro (22,2%) csos, e no período de ocorrerm os outros cinco (27,8%) trnsplntes de fígdo. No gráfico 1 é possível observr distribuição dos trnsplntes relizdos nesse grupo o longo dos nos, no período de , destcndo-se relizção de um retrnsplnte em Gráfico1: Número de trnsplntes e retrnsplntes de fígdo relizdos nos pcientes cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe. Tbel 2 - Crcterístics dos pcientes cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe que vijrm em Vriáveis Frequenci N (%) Etiologi d Cirrose Heptite C 7 11 (33,3%) Alcoolismo 7 3 (9,4%) Atresi de Vis Bilires 4 4 (12,5%)

4 1294 Binc Souz Lel, Terez Virgíni Silv Bezerr Nscimento, João Augusto Guimrães Figueiredo, Alex Viney Clldo Frnç. Os serviços de trnsplnte de fígdo que mis vlirm os pcientes do TFD/SE ficvm predominntemente no estdo de São Pulo, tendo sido 40 (72,7%) pcientes vlidos nesse locl. N Bhi, form vlidos 9 (16,4%) pcientes e em Pernmbuco, 6 (10,9%) pcientes. Os estdos de Mins Geris, Prná e Cerá form responsáveis pel vlição de 4 (7,3%) pcientes cdstrdos no TFD/SE que vijrm em Houve csos em que os pcientes form vlidos por mis de um serviço. Qunto o locl de relizção do trnsplnte, 76,5% dos trnsplntes ocorrerm no estdo de São Pulo, seguido de Pernmbuco (11,8%), Bhi (5,9%) e Mins Geris (5,9%), não hvendo trnsplntes relizdos no Prná e no Cerá entre os pcientes nlisdos. O gráfico 2 express distribuição nos estdos do Brsil onde form relizds vlições de todos os pcientes estuddos e onde ocorrerm os trnsplntes de fígdo. Vriáveis Número de 4,76 vigens (1-14) Dis de 44,8 permnênci (3 253) Dis de 14,76 internção (0 174) 2.502,32 Despes com (0,00- vigens b 8.535,57) 1.105,65 Ajud de custo b (99, ,75) Acompnhnte Pciente (n=55) Dodor (n=7) (n=54) Médi (%) Médi (%) Médi (%) 2,98 52,62 4,65 (1-14) 45,20 (3 253) 2,86 53,09 2,57 (2-6) 59,86 (16-95) Totl b 1,51-28,28-35, , , ,51 (389, ,57) 1.136,67 (99, ,75) 2.025, , ,46 (964, ,08) 1.481,46 (396, ,25) 1.581, ,43 699, ,00 Custo Totl b , , , ,43 Refere-se o serviço de vlição/trnsplnte em outro estdo ; b Vlores expressos em Rel (R$). Gráfico2: Distribuição no Brsil e entre os estdos brsileiros ds vlições e dos trnsplntes submetidos os pcientes cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe no no de Em relção os custos finncidos pelo TDF/SE em 2008, tbel 3 mostr os vlores médios gstos com pcientes (n=55), compnhntes (n=54) e dodores (n=7), lém do número de vigens e dos tempos de permnênci e internção (este último pens pr pcientes). Os pcientes vijrm mis vezes (4,76) do que os compnhntes (4,65) e dodores (2,57). Apens um (1,8%) pciente vijou sem compnhnte em O tempo médio de permnênci no serviço foi mior entre os dodores (59,86 dis), seguido dos compnhntes (45,2 dis) e dos pcientes (44,8 dis). Os pcientes ficrm interndos 14,8 (0 174) dis em médi. Dos 55 pcientes vlidos, 40 (72,7%) não form interndos nos serviços de trnsplnte de fígdo de outros estdos em Qunto às pssgens custeds pelo TFD/SE em 2008, os gstos form em médi de R$ 2.892,51 por compnhnte, R$ 2.502,32 por pciente e R$ 2.243,46 por dodor. A jud de custo teve vlor médio mior entre os dodores (R$ 1.481,46), seguido dos compnhntes (R$ 1.136,67) e pcientes (R$ 1.105,65). Ao somr esses custos, vlise que o vlor gsto com pcientes foi de R$ ,35; com os compnhntes gstrm-se R$ ,72 e com dodores, R$ ,44. Dest form, despes totl do TFD/SE com vigens e jud de custo em 2008 somndo pcientes, compnhntes e dodores foi de R$ ,43. A médi de gsto dos 55 pcientes cdstrdos pr trnsplnte de fígdo no TFD/SE que vijrm em 2008 foi de R$ 8.037,97 por pciente. Tbel 3 - Aspectos e custos dos serviços finncidos pelo Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe no no de 2008 pr pcientes, compnhntes e dodores. Associds esse vlor, há ind despess extrs com medicções, uxílio funerl (em cso de óbito do pciente em outro estdo) e, excepcionlmente, UTI ére. No gráfico 3 pode-se observr distribuição dos vlores gstos com esss despess dicionis. Foi possível perceber que 15 (27,3%) pcientes nlisdos necessitrm de medicções, gerndo um despes de R$ ,38 (médi de R$ 4.364,09 por pciente usuário de medicção). Os medicmentos mis utilizdos form os imunossupressores (Tcrolimo, Micofenolto de Mofetil, Micofenolto Sódico, Aztioprin, Ciclosporin, Meslzin, Penicilmin e Prednison), sendo tmbém utilizdos Eritropoetin Humn Recombinnte e o Ciprofloxcino. O uxílio funerl foi necessário em dois csos, sendo que o vlor gsto foi de R$ 7.220,00. Houve ind um cso em que UTI ére foi ciond, e o custo desse serviço foi de proximdmente R$ ,00. Então, o dicionr s despess extrs o gsto com vigens e jud de custo dos 55 pcientes cdstrdos pr trnsplnte de fígdo no TFD/SE que vijrm em 2008, tem-se o vlor médio de R$ ,49 por pciente, totlizndo o vlor de R$ ,17 de gstos pr súde públic do Brsil. Gráfico3: Vlores gstos com despess dicionis em pcientes cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe no no de Por fim, o relizr nálise comprtiv entre os spectos e custos dos pcientes que form trnsplntdos e queles que não form submetidos o trnsplnte de fígdo, notou-se que os pcientes que form trnsplntdos vijrm mis vezes (médi de 4,94 vigens/ pciente), enqunto o segundo grupo vijou em médi 4,68 vezes no no de Os pcientes trnsplntdos tmbém permnecerm mis tempo no serviço de outro estdo (médi de 71,64 dis) em comprção com pcientes não-trnsplntdos (32,79 dis). Qunto

5 Trnsplnte de fígdo no progrm de trtmento for de domicílio no estdo de Sergipe em nálise de ddos clínicos e custo 1295 os dis de internmento no serviço de trnsplnte de fígdo de outro estdo, sete (41,2%) dos pcientes trnsplntdos form interndos, o que resultou em um tempo médio de internção de 20,23 dis pr os pcientes desse grupo. Dentre os 38 pcientes que ind não hvim sido submetidos o trnsplnte, 8 (21,6%) form interndos, gerndo um médi de 12,31 dis de internmento por pciente desse grupo. O custo médio com os pcientes trnsplntdos (R$ ,64), incluindo s medicções e despess com compnhntes e dodores, foi cerc de 1,8 vezes mior do que o custo com pcientes não-trnsplntdos (R$ 7.325,73). As despess que mis contribuírm pr tl divergênci form: jud de custo e medicções, est últim com vlor 40 vezes mior no grupo dos trnsplntdos. N tbel 4 estão exposts s comprções entre os spectos e vlores gstos com os pcientes trnsplntdos e queles que não form submetidos o trnsplnte de fígdo. Tbel 4 - Comprção entre os pcientes trnsplntdos e não trnsplntdos de fígdo cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio em Sergipe que vijrm em Vriáveis Trnsplntdos (n=17) 4,94 Número de vigens (2 10) Dis de 71,64 permnênci (6 253) 20,23 Dis de internção (0 129) Despes com 2.717,56 vigens b (0 8030,20) 1.757,25 Ajud de custo b (148, ,75) Custo com compnhntes e dodores b Não-trnsplntdos (n=38) Médi DP(±) Médi DP(±) 5.326,81 (893, ,48) Custo com 3.647,02 medicções b ( ,60) 3,09 72,31 40, , , , ,41 4,68 (1 14) 32,79 (3 174) 12,31 (0 174) 2.406,02 ( ,57) 814,14 (99, ,50) 4.014,47 (488, ,32) 91,10 ( ,80) Totl b 2,97-36,07-33, , ,50 873, , , ,72 426, ,38 Custo Totl b , , ,35 Refere-se o serviço de vlição/trnsplnte em outro estdo ; b Vlores expressos em Rel (R$). DISCUSSÃO O trnsplnte de fígdo é um terpêutic essencil pr pcientes portdores de doenç hepátic terminl. 6 Dess form, fzse necessário conhecer os custos e os principis spectos que envolvem esse procedimento. No estdo de Sergipe, os pcientes que estiverm cdstrdos no Progrm de Trtmento For de Domicílio (TFD) pr submeter-se à vlição e/ou trnsplnte em serviços de trnsplnte de fígdo de outro estdo e que vijrm no no de 2008, tiverm sus crcterístics nlisds trvés do presente estudo. O gênero predominnte desse grupo foi o msculino (63,6%), enqunto pens 36,4% dos pcientes erm do gênero feminino. Segundo o Registro Brsileiro de Trnsplntes (RBT), esses vlores são condizentes com populção trnsplntd de fígdo entre os nos de 1995 e 2004, onde 63% dos pcientes erm do gênero msculino e 37% do gênero feminino. 2 Qunto à fix etári, quele mesmo estudo mostrou que 10% dos pcientes erm compostos pel populção com idde superior 60 nos, semelhnte os 10,9% de pcientes encontrdos no presente estudo. A fix etári prevlente em mbos os trblhos foi compost por pcientes entre 12 e 59 nos. 2 N litertur, há reltos de que Heptite C é principl doenç de bse pr trnsplntdos de fígdo (36% dos pcientes), seguid por Atresi de Vis Bilires (11%) e Alcoolismo (10%). 2 Neste estudo, Heptite C (15,9%), Alcoolismo (15,9%) e Atresi de Vis Bilires (9,1%) tmbém estiverm entre s principis heptoptis nos pcientes cirróticos. Entre os não-cirróticos prevleceu Atresi de Vis Bilires (36,4%) como principl doenç de bse. Entre todos os trnsplntes de fígdo relizdos entre 1995 e 2004 no Brsil, 5% form retrnsplntes, vlor idêntico o encontrdo entre os trnsplntes observdos neste estudo. Assim como em todo o pís, onde mior prte (72%) dos trnsplntes de fígdo foi relizd n região Sudeste, 82,4% de todos os trnsplntes deste estudo form relizdos nquel região. 2 A tx de mortlidde de pcientes em fil de esper pr trnsplnte de fígdo no Brsil foi estimd em 54,4%. 7 Esse vlor não foi semelhnte o encontrdo neste estudo, no qul, dentre os 38 pcientes em vlição pr trnsplnte de fígdo, sete (18,4%) flecerm. Ess discordânci provvelmente deve-se o curto tempo de vlição dos pcientes, ou sej, pens 12 meses. Observ-se que miori dos trnsplntes foi relizd em 2006, 2007 e 2008, o que coincide com implntção do serviço de heptologi do Hospitl Universitário d UFS, que vli tnto dultos qunto crinçs. Esse serviço é o único de referênci pr tendimento de pcientes portdores de doençs hepátics no Estdo de Sergipe, tendendo pens usuários do SUS. Outros spectos despertrm tenção no presente estudo, como o fto de o gsto totl com os compnhntes (R$ ,72) ser mior do que o gsto totl com os pcientes (R$ ,25). Tl ocorrênci pode ser devido um número considerável de pcientes crinçs, o que reduz o vlor ds trifs pr s pssgens. Além disso, deve-se destcr que os pcientes não recebem o benefício d jud de custo durnte o período de internção. Um ftor que tmbém pode ter contribuído pr tl foi ocorrênci de pens 1 (1,8%) pciente ter vijdo sem compnhnte, o que ind gerou um tempo médio de permnênci mior pr os compnhntes (45,2 dis) do que pr pcientes (44,8 dis). O número de pcientes (15 = 27,3%) que utilizrm medicmentos fornecidos pelo CASE tmbém foi bixo do esperdo, um vez que os 17 pcientes (30,9%) trnsplntdos deverim fzer uso de medicções. Um explicção plusível pr tl discordânci pode ser o fornecimento de medicções no serviço de vlição/trnsplnte de outro estdo. O custo do trnsplnte de fígdo pr o Sistem Único de Súde do Brsil prtir de novembro de 2008 foi de R$ ,41 por procedimento. 5 Dess form, s despess médis gerds pelos pcientes vlidos em nossos estudos de R$ ,49 por pciente (incluindo os gstos dicionis) umentrm em mis de 18% o custo do trnsplnte de fígdo. A mior prte desse vlor foi gst com serviços indispensáveis os pcientes que necessitm de trnsplnte de fígdo. Contudo, poderi hver um grnde redução desse custo com implntção e cpcitção d equipe de súde no próprio estdo de Sergipe pr relizr vlições prévis e posteriores o

6 1296 Binc Souz Lel, Terez Virgíni Silv Bezerr Nscimento, João Augusto Guimrães Figueiredo, Alex Viney Clldo Frnç. trnsplnte. Com implntção d referid equipe, seri possível diminuir o número de vigens, promovendo melhor d qulidde de vid desses pcientes, bem como redução de custo pr o serviço público. Ess consttção torn-se ind mis presente em pcientes que já relizrm trnsplnte de fígdo, pois estes presentm custo médio ind mior (R$ ,64 por pciente trnsplntdo), sendo sus vigens mis frequentes, mior o tempo médio de permnênci e internção em serviços de trnsplnte de fígdo de outros estdos e miores os custos com vigens, jud finnceir, despess com compnhntes e medicções. A implntção d estrutur necessári pr relizção do trnsplnte no próprio estdo de Sergipe tmbém poderi tornr-se um estrtégi pr restringir os gstos com o TFD em Sergipe. CONCLUSÃO Ao nlisr os 55 prontuários dos pcientes cdstrdos no TFD/ SE pr trnsplnte de fígdo que vijrm em 2008, consttou-se que, nquele no, houve um gsto com deslocmento e medicções correspondente mis de 18% do vlor do procedimento de trnsplnte de fígdo. Esse gsto dicionl poderi ser reduzido trvés d implntção de novs estrtégis pr diminuir os gstos d súde públic no estdo de Sergipe. ABSTRACT Introduction: In Brzil, liver trnsplnttion is performed minly in the Southest region. In sttes where there is no liver trnsplnttion service, such s Sergipe, ptients of the Ntionl Helth System re driven to other sttes, nd such expenses re funded by the Out of Home Tretment Progrm (TOH). Purpose: The im of this study ws to set min spects of ptients referred to liver trnsplnttion nd the costs of services funded by TOH in Sergipe long Methods: Anlysis of 55 records of ptients who were registered in TOH in Sergipe during Age, gender, origintion, plce of birth of the ptients, presence of cirrhosis nd deth in 2008 were ssessed. Crers, donors nd ptients fetures nd their costs were compred, s well s trnsplnted versus non-trnsplnted ptients. Some dditionl costs of those ptients were lso nlyzed. Results: Most ptients were men (63.6%), with ges between 12 nd 59 (61.8%) from Arcju/ SE (50.9%), nd 49.1% cme from the country re of Sergipe. About 80% of ptients presented cirrhosis, nd 12.7% died long The min cuses of cirrhosis were heptitis C nd lcoholism, both in 15.9% of cses. Liver trnsplnttion ws performed in 30.9% of ptients, nd 76.5% of those trnsplnttions were performed in São Pulo. Crers cused higher TOH expenditures. R$ 217, from totl mount of R$ 442, included ptients nd donors. The verge cost of ech ptient funded by TOH ws R$ 8, or R$ 10,590.49, with dditionl costs included. Ptients trveled n verge of 4.76 times in 2008, nd the trnsplnted ptients spent 1.8 times more thn non-trnsplnted ptients. Conclusion: Heptic cirrhosis ws the mjor cuse for the TOH indiction. It ws concluded tht the cost of the progrm ws round R$ 8, per ptient in Bsed on this figure, pre- nd post-liver trnsplnttion service could be creted t the stte level. Keywords: Liver Trnsplnttion, Helth Expenditures, Single Helth System. REFERÊNCIAS 1. Mies S. Trnsplnte de Fígdo [revisão]. Rev Ass Med Brsil 1998; 44(2): Associção Brsileir de Trnsplnte de Órgãos [homepge n internet]. Registro Brsileiro de Trnsplntes: RBT 10 nos Análise Qulittiv 2007 [cesso em 14 de junho de 2009]. Disponível em: profissionis/rbt/rbt10nos/index.spx?idctegori=2 3. Mrinho A, Crdoso SS, Almeid VV. Os Trnsplntes de Órgãos nos Estdos Brsileiros [texto pr discussão nº 1317]. Instituto de Pesquis Econômic Aplicd [homepge n internet], c 2006 [cesso em 2009 Mio 12]. Disponível em: 4. Secretri de Atenção à Súde (SAS). Brsíli (DF): Ministério d Súde. [cesso em 2009 Jun. 16]. Portri SAS nº 055. Disponível em: ss/portarias/port99/pt-055.html 5. Secretri de Atenção à Súde (SAS). Brsíli (DF): Ministério d Súde. [cesso em 2009 Jun. 16]. Portri GM nº Disponível em: br/ss/portarias/port2008/gm/gm-2041re.htm 6. Ntionl Institute of Helth Consensus Development Conference Sttement: liver trnsplnttion - June 20-23, Heptology. 1984;4(suppl): Mrinho A. Um estudo sobre s fils pr trnsplntes no Sistem Único de Súde brsileiro. Cd. Súde Públic, Rio de Jneiro out;22(10):

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Internação domiciliária: Home care service: I NTRODUÇÃO. uma experiência no sul do Brasil. an experience in the south of Brasil

Internação domiciliária: Home care service: I NTRODUÇÃO. uma experiência no sul do Brasil. an experience in the south of Brasil INTERNAÇÃO DOMICILIÁRIA: UMA... Grgno et l. SINOPSE Internção domiciliári: um experiênci no sul do Brsil Home cre service: n experience in the south of Brsil Objetivo: O objetivo deste trblho é o de reltr

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Aspectos da vigilância epidemiológica da raiva no município de Jacarezinho... Resumo. Abstract. Recebido para publicação 23/08/05 Aprovado em 12/02/06

Aspectos da vigilância epidemiológica da raiva no município de Jacarezinho... Resumo. Abstract. Recebido para publicação 23/08/05 Aprovado em 12/02/06 Aspectos d vigilânci epidemiológic d riv no município de Jcrezinho... Aspectos d vigilânci epidemiológic d riv no município de Jcrezinho, Prná, Brsil, 23 Aspects of the rbies epidemic surveillnce in the

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Sobrevivência de pacientes com aids em uma cidade do sudeste brasileiro 1

Sobrevivência de pacientes com aids em uma cidade do sudeste brasileiro 1 Sobrevivênci de pcientes com ids em um cidde do sudeste brsileiro 1 Elis Ortuzr Menesi, 2 Afonso Dinis Cost Pssos, 2 Mri Elizbeth Monteiro, 3 Amury Lelis Dl-Fbbro 2 e Milton Roberto Lpreg 2 RESUMO Plvrs

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015 Memóri d 41ª Reunião do Comitê Gestor de Cpcitção CGCAP 25/5/2015 Às quinze hors e vinte minutos do di vinte e cinco de mio de dois mil e quinze, presentes André de Mrque, Helen Arujo, Erismr Noves, Crl

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005

Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005 Rev Súde Públic 2008;42(6):1021-6 Elsi Belo Imbirib I,II José Cmilo Hurtdo- Guerrero I,III Luiz Grnelo I,IV Antônio Levino I,IV Mri d Grç Cunh V Vlderiz Pedros V Perfil epidemiológico d hnseníse em menores

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA SEGUNDO O NÍVEL SOCIOECONÔMICO EM ITAPETININGA SP

CÁRIE DENTÁRIA SEGUNDO O NÍVEL SOCIOECONÔMICO EM ITAPETININGA SP Cárie dentári segundo o nível socioeconômico... ARTIGO Rihs LB, et l. CÁRIE DENTÁRIA SEGUNDO O NÍVEL SOCIOECONÔMICO EM ITAPETININGA SP DENTAL CARIES ACCORDING TO THE SOCIOECONOMIC LEVEL IN ITAPETININGA

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revist de Súde Públic ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidde de São Pulo Brsil Pozz dos Sntos, Leonrdo; Lorine Lindemnn, Ivn; Vieir dos Sntos Mott, Jnín; Mintem, Gicele; Bender, Elin; Petrucci Gignte,

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA TÉCNICA 12/2011 _ PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brsíli, 16 de mio de 2011. . PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1. Introdução

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

Mat.Semana. PC Sampaio Alex Amaral Rafael Jesus. (Fernanda Aranzate)

Mat.Semana. PC Sampaio Alex Amaral Rafael Jesus. (Fernanda Aranzate) 11 PC Smpio Alex Amrl Rfel Jesus Mt.Semn (Fernnd Arnzte) Este conteúdo pertence o Descomplic. Está vedd cópi ou reprodução não utorizd previmente e por escrito. Todos os direitos reservdos. CRONOGRAMA

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo d líquot efetiv FLORIANÓPOLIS 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 018/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

ESTIMATIVA DO FLUXO TRIMESTRAL DE CORRENTE OCEÂNICA PARA A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS COM BASE EM DADOS OBSERVADOS.

ESTIMATIVA DO FLUXO TRIMESTRAL DE CORRENTE OCEÂNICA PARA A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS COM BASE EM DADOS OBSERVADOS. ESTIMATIVA DO FLUXO TRIMESTRAL DE CORRENTE OCEÂNICA PARA A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS COM BASE EM DADOS OBSERVADOS. Crl Gustvo Silv Sntos, Ricrdo Mrcelo d Silv 2, Audálio R. Torres Junior 3

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Impacto da terapia antirretroviral conforme diferentes consensos de tratamento da Aids no Brasil

Impacto da terapia antirretroviral conforme diferentes consensos de tratamento da Aids no Brasil Investigción originl / Originl reserch Impcto d terpi ntirretrovirl conforme diferentes consensos de trtmento d Aids no Brsil Silvi Mri Gomes de Rossi, 1 Eline Cesrio Pereir Mluf, 2 Denise Siqueir Crvlho,

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Resumo Executivo. Violência contra a mulher

Resumo Executivo. Violência contra a mulher S T U L s R E K Q F zs B x f b w s X R e R y P Z K O q u A r G J M e z YLU E p z P c o Resumo Executivo iolênci contr mulher estudo revel predominânci de viés policilesco n cobertur noticios do tem Estudo

Leia mais

Expectativa de vida com incapacidade funcional em idosos em São Paulo, Brasil 1

Expectativa de vida com incapacidade funcional em idosos em São Paulo, Brasil 1 Investigción originl / Originl reserch Expecttiv de vid com incpcidde funcionl em idosos em São Pulo, Brsil 1 Mirel Cstro Sntos Cmrgos, 2 Ignez Helen Oliv Perpétuo 2 e Crl Jorge Mchdo 2 Como citr Cmrgos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS O coordendor dos projetos de pesquis e desenvolvimento institucionl nº 034280, 042571, 042576, torn públic bertur de inscrições pr seleção de lunos dos cursos de grdução

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF O sistem de cots no Brsil: um estudo de cso n Universidde Estdul do Norte Fluminense -UENF Ludmil Gonçlves d Mtt Doutor em Sociologi Polític Professor do Mestrdo em Plnejmento Regionl e Gestão de Ciddes

Leia mais

Resultado do teste rápido anti- HIV após o parto: uma ameaça à amamentação ao nascimento

Resultado do teste rápido anti- HIV após o parto: uma ameaça à amamentação ao nascimento Mri Inês Couto de Oliveir I Káti Silveir d Silv II Sint Clir Gomes Junior II Vâni Mtos Fonsec I,II Resultdo do teste rápido nti- HIV pós o prto: um meç à mmentção o nscimento Delivering rpid HIV tests

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS LICITAÇÕES HOMOLOGADAS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014

DEMONSTRATIVO DAS LICITAÇÕES HOMOLOGADAS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014 ESTDO D BHI PREFEITUR MUNICIPL DE QUIJINGUE PODER EXECUTIVO MUNICIPL COMISSÃO DE LICITÇÃO DEMONSTRTIVO DS LICITÇÕES HOMOLOGDS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014 Órgão/Entidade: PREFEITUR MUNICIPL DE QUIJINGUE Exercício:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

Capacidade aquisitiva e disponibilidade de medicamentos para doenças crônicas no setor público

Capacidade aquisitiva e disponibilidade de medicamentos para doenças crônicas no setor público Investigción originl / Originl reserch Cpcidde quisitiv e disponibilidde de medicmentos pr doençs crônics no setor público An Pul Helfer, 1 Aline Lins Cmrgo, 2 Noemi Urruth Leão Tvres, 3 Pnos Knvos 4 e

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais