CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA"

Transcrição

1 [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG

2 [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números inteiros Ζ é o conjunto dos números negtivos, positivos e nulos. Ζ { K,,, 0,,,,K}. Conjunto dos números rcionis Q é o conjunto de todo número que pode ser escrito n form / b, onde (numerdor) e b (denomindor) são números inteiros e b 0. Q K,, K,, K; 0,..,.., K. Conjunto dos números reis R é o conjunto de todos os números, ou sej, é união dos conjuntos dos números irrcionis. R Q I R K K, 0..,.. KK,.. K, K.. OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Ζ ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Se os números tiverem sinis iguis devemos somá-los e conservr o sinl, Eemplos: Se os números tiverem sinis diferentes devemos subtrí-los e conservr o sinl do mior,

3 [Digite teto] Eemplos: Obs: pr melhor compreensão deste conteúdo dotmos o sinl ( ) como sldo negtivo e o sinl ( ) como sldo positivo em um cont bncári. MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO Se os números tiverem sinis iguis o resultdo será positivo, Eemplos: ( ) ( ) 8 ( ) ( ) ( 0 ) : ( ) ( ) : ( ) 8 Se os números tiverem sinis diferentes o resultdo será negtivo, ( ) ( ) 8 ( ) ( ) 8 ( 8) : ( ) ( 8) : ( ) Obs: o esquem bio servirá somente pr multiplicção e divisão de números inteiros.

4 [Digite teto] I. EXERCÍCIOS EM SALA Efetue s operções, f) ( ) ( 0 ) ) 8 g) ( 8 ) ( ) ( 8 0) 8 c) ( ) h) 00 ( 8) d) ( ) e) ( ) II. EXERCÍCIOS PROPOSTOS. Efetue s dições lgébrics: ) Efetue s dições lgébrics: ) c) 0 d) Efetue ests dições lgébrics: ) c) Efetue os seguintes cálculos: ) ( ) ( ) c) ( ) d) ( ) ( ) e) ( )

5 [Digite teto] OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS Q ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Pr somr ou subtrir dus ou mis frções é necessário que els tenhm o mesmo denomindor, de preferênci que ele sej o menor possível, ou sej, o (mínimo múltiplo comum). Encontrndo o mmc devemos dividi-lo pelo denomindor de cd frção e multiplicá-lo pelo numerdor, depois efetumos som ou subtrção. Eemplos: ) c) MULTIPLICAÇÃO Pr multiplicr dus ou mis frções devemos multiplicr numerdor com numerdor e denomindor com denomindor. Eemplos: ) 0 : : DIVISÃO Pr efeturmos divisão de dus ou mis frções devemos conservr ª frção e multiplicr pelo inverso d ª frção. Eemplos: ) : : c) :

6 [Digite teto] Observções:. Qundo efetumos operções em Q, se possível, devemos simplificr o resultdo; ou sej, se numerdor e denomindor tiverem lgum divisor comum, devemos dividir mbos por ele. Eemplos: ) 0 : : 8 0 : :. Não devemos confundir simétrico (oposto) com inverso. Simétrico: o símbolo de é igul Inverso: o inverso de é igul. Número misto ou frção imprópri. Eemplo: 8 NÚMEROS DECIMAIS Todo número deciml eto pode ser escrito n form de frção. Bst contr quntos lgrismos direit d vírgul eistem e dividir pel potênci de 0 correspondente. Eemplos: ), 0 0,0 00 I. EXERCÍCIOS EM SALA ) 0, c) 0 d) : 0

7 [Digite teto] POTENCIAÇÃO Definição; n K Onde é um número rel. Eemplos: ) 8 d) 8 e) 9 c) ( ) ( ) ( ) 9 PROPRIEDADES. m n m n Eemplo:. m n m n : com 0 Eemplo: :. 0 com 0 Eemplos: 0 ( ) 0. ( ) n m n m Eemplos: ( ) 8 ( ) 0. ( ) n n n b b ou ( ) n n n b b Eemplos: ( ). n n Eemplos: 9

8 [Digite teto] EXERCÍCIOS EM SALA ) c) d) e) : ( ) ( ) f) ( ) 9 9 g) ( ) 9 h) GERATRIZES E DÍZIMAS PERIÓDICAS. Clcule s gertrizes ds dízims periódics : ) 0,... 8), ),() 9) 0, ),(09) 0), ), ) 0,0... ),0... ), ),() ),9... ),0() ),... OBS: OS ALGARISMOS QUE ESTÃO ENTRE PARENTESES, CORRESPONDEM AO PERÍODO DA DÍZIMA.. Encontre s gertrizes ds seguintes dízims periódics. ), 0,.. c),0.. d),000.. Se p/q é frção irredutível equivlente à dízim periódic 0,..., então q-p vle: ).. c) 8. d) 9. e).. Simplifique s frções: ) 8 8 c) 8 d) 9 e) f) g) h)

9 . Trnsforme s frções decimis em números decimis: ) e) 0 00 f) c) 8 g) d) h) trnsforme os números decimis em frções decimis: ) 0, e) 0,, f) 0, c), g) 0, 0 d), h),. Dê representção deciml ds frções: ) c) d) e) f) Clssifique s dízims periódics em simples ou compost e determine sus frções gertrizes ) 0,... 0,... c) 0,... d) 0,... e) 0,... f) 0,... 9) Obtenh s gertrizes ds seguintes dízims periódics: ),... 0, c) 0,... d),... e) 0,...

10 0) Determine o vlor numérico ds epressões lgébrics: ), pr e - -, pr e c) -, pr - e - d) b - b, pr - e b e) ( )(-), pr e - f) (, pr e b - g), pr e h), pr - e i) -, pr e - j), pr - e 8 k) ( ), pr - e l), pr ) Clcule os vlor numérico ds epressões: ) b b, pr e b -, pr e 0 00 ) Escrev epressão lgébric pr representr o perímetro de cd um ds figurs, sbendo que s medids são dds num mesm unidde de comprimento: ) c) ) Em um prov há, questões que vlem

11 pontos e questões que vlem pontos. Dê epressão lgébric que dá o número de pontos ness prov. ) Usndo s letrs e b pr indicr dois números reis, represente lgebricmente cd um ds frses seguintes: ) A som de dois números reis. A diferenç entre dois números reis. c) O produto de dois números reis. d) O qudrdo d som de dois números reis. ) Um livro cust reis e um cderno cust reis. Escrev epressão lgébric que represent qunti que você gst n compr de um livro e três cdernos ) Em um jogo de bsquete, você certou rremessos de pontos e rremessos de pontos. Escrev epressão lgébric que represent quntidde de pontos que você mrcou ) Um colégio tem, o todo, professores. Destes, professores são do seo msculino. Qul é epressão lgébric que represent quntidde de professores do seo feminino que trblhm nesse colégio? 8) Um cnet cust reis. Crol comprou cnets e deu 0 reis pr pgr. Escrev epressão lgébric que represent qunti que Crol deve receber de troco. 9) Qul epressão lgébric que represent áre d figur o ldo? ) Áre do qudrdo Áre do retângulo c) Áre d figur 0) Pr -8 e -, determine o vlor numérico d

12 epressão 9. ) Determine o vlor numérico d epressão ² -, qundo - e. ) Complete tbel. Considere h. Epressão Algébric Vlor Numérico h- h h (h ) 0 h h (h-)- ) Um motorist dirige seu crro, num trecho de um rodovi de pist dupl, um velocidde constnte de 00 km/h. Nesss condições, distânci que ele percorre com seu veículo pode ser clculd pel fórmul: d distânci (em d 00.t km) t tempo (em hors) ) Qul é distânci que ele percorre em hors? Qul é distânci que ele percorre em mei hor? c) Em qunto tempo ele percorre 0 km? d) Em qunto tempo ele percorre 0 km? ) Ns corrids noturns, os tists de cert cidde cobrm um t fi de R$,80, chmd bndeird, e mis R$,90 por quilômetro roddo. ) Escrev um fórmul pr representr o custo de um corrid noturn de tái dess cidde. Um pesso utilizou o tái durnte noite, percorrendo um distânci de 0, km. Qul é, em reis, o custo dess corrid?

13 ) O comprimento d circunferênci é dd pel fórmul C r. Usndo,, clcule o comprimento de um prç circulr cujo rio é de 0m. ) O comprimento d circunferênci de um moed de R$,00 é de 8, cm. Qul é o rio dess moed? ) Sbendo que ½ e b /, determine o vlor numérico de b ². 8) No utomobilismo, bndeir qudriculd indic o vencedor: Considerndo que represent medid do ldo de cd um dos qudrdos menores, escrev: ) áre de cd qudrdo: áre totl dos qudrdos pretos: c) áre d bndeir: 9) Clcule o vlor ds epressões bio : ) 0,... ( 0,...)

14 0) Efetue, observndo s definições e proprieddes: ) (-)³ i) j) (0,)³ c) 00¹ l) ¹ d) 00º m) e) 0³ n) f) 0º o) g) p) h) q) ) (Fuvest) O vlor de, é: () 0,0 ( 0,0 (c) 0,0 (d) 0,8 (e) 0, ) (Fei) O vlor d epressão é: () -/ ( / (c) (d) -/ (e) -/ ) (UECE) O vlor de é () -/ ( -/ (c) -/ (d) -/ ) (F.C. CHAGAS) Simplificndo-se epressão, obtém-se: () 0, ( 0, (c), (d), (e),

15 ) Dê o vlor de cd rdicl no cmpo dos número reis. Cso não eist, escrev: não eiste. ) h) i) c) j) d) l) e) m) f) n) g) o) ) Escrev um epressão simplificd que represente áre totl d figur: / / RADICIAÇÃO É operção invers d potencição n b, então b n. Eemplos: ) pois c) 8 pois 8 8 pois 8

16 PROPRIEDADES. n n b n b Eemplo: n. n n b b Eemplo: 0 0 m n vezes n n m. ( ) Eemplo: ( ) n n. ( ) Eemplo: ( ) m n m n. Eemplo:. n m n p m p n ou Eemplos: m 0 n: p m: p : : SIMPLIFICAÇÃO DE RADICAIS Qundo o rdicndo tem ftores com epoentes iguis o índice d riz esses ftores podem ser etrídos do rdicndo. Eemplos: ) 0 c)

17 EXERCÍCIOS EM SALA ) c) 0 d) e) f) 8 g) h) i) 8 OPERAÇÕES COM RADICAIS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Só podemos efetur dição e subtrção de rdicis semelhntes, nesse cso, bst fzer som lgébric dos ftores eternos e copir os rdicis. Eemplos: ) c) : : : : MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO Só podemos efetur multiplicção e divisão de rdicis que possuem o mesmo índice, qundo os rdicis possuem índices diferentes o psso é reduzi-los o mesmo índice. Isso é feito tirndo o mmc dos índices. Eemplos: ) tirndo o mmc de e

18 EXERCÍCIOS EM SALA ) 0 ( ) c) ( ) d) ( ) ( ) e) RADICIAÇÃO DE RAÍZ Qundo o rdicndo for outro rdicl, podemos escrever um só riz com índice igul o produto dos índices. Eemplo: RACIONALIZAÇÃO DE DENOMINADORES Qundo o denomindor de um frção é um número irrcionl podemos trnsformá-lo em um número rcionl; Eemplos: ) ( ) c) ( ) ( ) EXERCÍCIOS EM SALA ) c) d)

19 EXERCÍCIOS PROPOSTOS OPERAÇÕES COM RADICAIS. Complete s igulddes: ) c) b d) e). Complete s igulddes: ) 9 : 8 8 : d) : T e) 0 : c) 0 :. Simplifique: ) d) 8 e) c) 8 f) b c. Simplifique: ) 80 e) 80 f) c) g) 8 d) h). Efetue: ) 8 c) d) ( ) ( ) e) ( ) ( ) f) b b g) 0 h) 8

20 . Efetue: ) 8 : c) g) d) 8 : e) : f) :. Rcionlize: ) f) c) d) e) g) h) i) j) b 8) Fç rcionlizção ds epressões, e resolv-s. ) c) d) e) 9) Simplifique: ) c) 0) Reduz um único rdicl. ) 0 c) d)

21 . Reduz um único rdicl e em seguid simplifique, se possível: ) c) d). Encontre o perímetro ds figurs, cujs medids de seus ldos são dds num mesm unidde de medid de comprimento. ) 8 8. Clcule áre e o perímetro ds figurs, cujs medids indicds são dds num mesm unidde de medid de comprimento. ),, ) Efetue s seguintes dições de polinômios: ) ( ² 9 ) ( ² ) ( ² 9 ) ( ² ) c) ( ² 8) ( ² ) d) ( ² 8) ( ² ) e) ( ) ( ) f) ( ) ( ) g) ( ² ) ( ² ) h) ( ² ) ( ² ) i) ( ) ( 9) j) ( ) ( 9) k) ( ³ ² ) ( ³ ² ) l) ( ³ ² ) ( ³ ² ) m) ( ² ²) ( ² ²) n) ( ² ²) ( ² ²) o) ( ² ) ( ²) p) ( ² ) ( ²)

22 )Clcule os produtos: ) ( ² ).( ) ( ² ).( ) c).( ) d) ( ² ).( ) e).( f) ( ² ).( ) g).( ) h) ( ² ).( ) i).( j) ( ³ ² ).( ) k).( ) )Ddos os polinômios: A B C D Clcule os seguintes produtos: ) A.B A.C c) A.D d) C.D e) A.B.C f) A.B.D g) A² h) B² i) A² B² C² D² j) A² - B² - C² - D² PRODUTOS NOTÁVEIS As identiddes bio se verificm quisquer que sejm os vlores tribuídos s vriáveis dd freqüênci que são usds, lgums dels são dits notáveis. ( ) ( ) ( )( ) ( ) ( ) ( )( )

23 FATORAÇÃO Ftorr um polinômio é escrevê-lo em form de produto cujos ftores devem ser os mis simples possíveis. cso: colocr o ftor comum em evidênci. Eemplo: ( ) cso: ftorr por grupmento. Eemplo: b b ( ) b( ) cso: usndo os produtos notáveis. Eemplos: ( ) ( ) ( )( ) ( )( ) ( )( ) EXERCÍCIOS EM SALA. Desenvolv ( ( ) ( ( (. Ftore s epressões ) d) b e) c) b

24 EXERCÍCIOS PROPOSTOS. Efetue: ) ( c) ( ) e) ( ) ( c d ). Efetue: d) ( ) f) ( ) ) ( ) ( ) ( ) c) ( ) ( ). Efetue: ) ( ) ( ) c) ( ) d) ( ) e) ( ) f) ( ). Efetue: ) ( ) ( ) c) ( 0) d) ( ) e) f). Efetue: ) ( 9) ( ) c) ( ) d) ( ) e) ( ) f) ( ). Efetue: ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ). Efetue: ) 0 ( ) 8 ( ) c) ( ) d) ( ) ( ) e) ( ) ( ) f) ( ) ( )

25 8. Efetue: ) d) e) c) f) 9. Efetue: ) ( ) ( ) c) ( ) d) ( ) e) ( ) f) ( ) g) ( ) h) ( ) 0. Efetue: ) ( 0)( 0) ( )( ) c) ( )( ) d) ( )( ) e) ( )( ) f) ( )( ). Efetue: ). Efetue: b ) ( ) d) ( 9) ( 0) c) ( ) e) ( ) f) ( )

26 . Efetue: ) ( )( ) ( 0)( 0) c) ( )( ) d) ( )( ) e) ( )( ) f) ( )( ). Efetue: ) ( ). Efetue: ( ) ( )( ) ) ( )( ) ( )( ) ( )( ) ( )( ) ( )( ) ( )( ) c) ( ) ( ) ( ) d) ( )( ) ( ) ( ). As epressões são diferençs de dois qudrdos. Ftore-s: ) d) 8 c) 9 e) f). As epressões são trinômios qudrdos perfeitos. Ftore cs um dels: ) 8 8 c) 0 d) 9 e) f) 8. Ftore: ) m 0m c) 0 9

27 9. Efetue s divisões seguintes; ftorndo o dividendo. ) 9 c) 0 ( ) d) 9 0. Ftore: ) 9 b 9 8 9b c d) c) 9 b. Ftore, colocndo o ftor comum em evidênci: ) b c c) d) b e) f) z z 80. Ftore: ) c) d) z z z e) z f) g) h) 0. Ftore: ) 8. Vej este eemplo de ftorção: ( ) ( ) ( )

28 ( 9) ( ) 9 Agor, ftore: ) 8 0. Ftore: ) 8 9 c) d) ( ) ( ). Coloque o ftor comum em evidênci. ) ( ) ( ) ( ) ( ) c) b( ) ( ) d) ( m n) m n e) ( ( f) ( ( (. Ftore, por grupmento: ) m n bm bn c) d) b b 8. Ftore: ) b c b c 9. Ftore: ) c) z d) c) d) b b 0. Ftore: ) b b c) b b d) b b

29 . Ftore: ) b b c) b 0 b d). Ftore: ) 0 b b b 0 c) b b d) c bc b. Ftore: ) b b. Ftore: ) b b b b 0 c) mn 8 m 0n 80 d) 0 EQUAÇÃO DO GRAU Chmmos equção do gru de vriável, tod equção que pode ser reduzid à seguinte form. b 0 ( 0) Resolver est equção é determinr su riz, ou sej, encontrr o vlor de que torn verddeir iguldde. Eemplo: 0 0 Onde é solução ou riz d equção.

30 EXERCÍCIOS EM SALA ) ( ) ± EXERCÍCIOS PROPOSTOS Determine o conjunto verdde ds seguintes equções bio: ( ) ( ). ( )... ( ) 8. ( ) 9. ( ) ( ) 0. ( ) ( ). 0.. ( ).. 9

31 Soluções: SISTEMA DE GRAU É um conjunto de dus equções do tipo. d b e c f COM INCÓGNITAS E Pr resolvermos, devemos encontrr os vlores de e que stisfçm s dus equções. MÉTODO: ADIÇÃO Consiste em multiplicr um ds equções ou s dus por números reis não nulos, de tl modo que o somr membro membro s equções um ds incógnits sej elimind. Eemplo: ( I ) ( II ) Multiplicndo mbos os membros d equção ( II ) por temos: Se 9 9 Solução: (, )

32 MÉTODO: SUBTRAÇÃO Consiste em colocr em um equção um incógnit em função d outr e em seguid substituir n outr equção. Eemplo: ( I ) ( II ) Usndo equção ( I ) Substituímos o vlor encontrdo em ( II ) ( ) Se ( ) Solução (, ) 8 9 EXERCÍCIOS EM SALA ) 8 Se 8 Então é igul à

33 EXERCÍCIOS PROPOSTOS Resolv os seguintes sistems: ) 8 0 c) 9 d) e) f) 9 g) h) i) 8 j) 9

34 Soluções: ) (, 0), c) ( 9, 8) d) (, ) e) (, ) f), g) φ h), i) (, ) j) (, ) PROBLEMAS DE GRAU Problems de gru. São problems práticos que podem ser resolvidos com uílio de equções ou sistems do gru. EXERCÍCIOS PROPOSTOS. Divid. 080 em dus prtes, tl que 8 d primeir prte mis 0 d segund produz.. Num fábric trblhm pessos, entre homens, mulheres e menores. O número de homens é o dobro do ds mulheres e este é o dobro de menores. Quntos são os homens, s mulheres e os menores?. A som ds iddes de um pi e um filho é nos. Há três nos pssdos, idde do pi er onze vezes idde do filho. Determine s iddes.. Um pi tem, nos e o filho, 0. Dqui quntos nos idde do pi será o quádruplo d idde do filho?

35 . A diferenç entre dois números é 8. O quociente do mior pelo menor é e o resto é. Determine os números.. Num quintl eistem ptos e glinhs. O número dos ptos é 0 do ds glinhs. Morrerm ds glinhs e um pto, restndo, desse modo, tntos ptos qunts glinhs. Pergunt-se: Quntos erm os ptos e qunts s glinhs?. Num fábric trblhm homens e mulheres, sendo que o número de mulheres é do número de homens. Form dispensdos dos homens e dus mulheres, restndo tntos homens qunts mulheres. Pergunt-se: Quntos erm os homens e qunts s mulheres? 8. Um pi desej dividir R $.000, 00 entre seus dois filhos, de modo que o mis moço receb metde do que recebe o mis velho e mis R $00, 00. Qunto cberá cd um? 9. A som dos três números pres consecutivos é. Quis são os números? 0. A som de dois números ímpres consecutivos ecede terç prte do menor em 8 uniddes. Quis são os números?. A som de três números ímpres consecutivos é. Determine os números.. A um fest de cridde comprecerm 00 pessos. Os homens contribuírm com R $.000,00 e s mulheres, com R $.000, 00. Houve um rend de R $.0.000, 00. Quntos erm os homens e qunts s mulheres?. Num escol eistem 00 lunos. A terç prte do número de meninos é igul à metde do número de menins. Quntos são os meninos e qunts s menins?

36 . Pensei em um número. Acrescentei e dividi som obtid por. Se o resultdo foi 8, qul o número pensdo?. Num pátio eistem utomóveis e biciclets. O número totl de rods é 0 e o número de biciclet é o triplo do número de utomóveis. Quntos veículos há no pátio?. Um tijolo pes kg mis meio tijolo. Qunto pes um tijolo e meio? PROBLEMAS EQUAÇÃO DO GRAU (Gbrito). 00 e homens, 0 mulheres e menores.. e. 8. e. 0 glinhs e ptos. 0 homens e mulheres 8. R $.000, 00 pr o mis velho. R $.000, 00 pr o mis moço. 9. 0, e. 0. e., e. 0 homens e 0 mulheres. 0 meninos e 80 menins... kg

37 EQUAÇÕES DO GRAU ) Resolv s seguintes equções do gru ) ² ² c) ² d) ² - 0 e) ² - 0 f) ² g) ² 0 0 h) ² 0 i) ² j) ² - ² k) 8² 0 ² l) (² - ) m) (² - ) ² n) (² - ) (² ) o) ( )( ) 8 ) Resolv s seguintes equções do gru. ) ² - 0 ² 0 c) ² d) ² 0 e) ² - 0 f) ² 0 g) ² 0 h) ² - 0 i) ² j) ² 8 k) ² - l) -² 0 0 )Resolv s seguintes equções do gru ) ² ( ) 0 ( ) c) ( ) - ( -) d) ( )² e) ( )² 9 f) ( ) ( ) - ) Resolv s seguintes equções do gru ) ² - 0 ) ² ) ² ) ² ) ² ) ² ) -² 0 8) -² - 0 9) ² - 0 0) ² - 0 ) ² - ) ² 9 ) ² ) ² ) ² 9 ) ² 0 ) ² 8) ² -8 9) ² 0) ² - ² ) ² - 9 ² ) ( - ) ) ( ) 0 0 ) ² 0 ) ² - 0 ) ² 0 ) ² 0 8) ² ) -² ) ² ) ( )² ) ( - )² )( - )² 0 ) ( - )² -²

38

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

d) xy 2 h) x c a b c) d) e) 20

d) xy 2 h) x c a b c) d) e) 20 AS RESPOSTAS ESTÃO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. Rdicis ) Escrev em form de potênci com epoente frcionário ) Escrev em form de rdicl ) Dividindo o índice do rdicl e os epoentes de todos os ftores do rdicndo

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano)

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano) PARTE I ) Determine s potêncis: ) 4 = b) - = ) Escrev usndo potênci de bse 0: ) 7 bilhões: b) um milionésimo: ) Trnsforme os números ddos em potencições e simplifique epressão: 0000000 00000 5 = 4) Escrev

Leia mais

a) 3 ( 2) = d) 4 + ( 3) = g) = b) 4 5 = e) 2 5 = h) = c) = f) = i) =

a) 3 ( 2) = d) 4 + ( 3) = g) = b) 4 5 = e) 2 5 = h) = c) = f) = i) = List Mtemátic -) Efetue s dições e subtrções: ) ( ) = d) + ( ) = g) + 7 = b) = e) = h) + = c) 7 + = f) + = i) 7 = ) Efetue s multiplicções e divisões: ).( ) = d).( ) = g) ( ) = b).( 7) = e).( 6) = h) (

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Revisão EXAMES FINAIS Data: 2015.

Revisão EXAMES FINAIS Data: 2015. Revisão EXAMES FINAIS Dt: 0. Componente Curriculr: Mtemátic Ano: 8º Turms : 8 A, 8 B e 8 C Professor (): Anelise Bruch DICAS Use s eplicções que form copids no cderno; Use e buse do livro didático, nele

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU ( ) Matemática. a, b são os coeficientes respectivamente de e x ; c é o termo independente. Exemplo: x é uma equação do 2 grau = 9

EQUAÇÃO DO 2 GRAU ( ) Matemática. a, b são os coeficientes respectivamente de e x ; c é o termo independente. Exemplo: x é uma equação do 2 grau = 9 EQUAÇÃO DO GRAU DEFINIÇÃO Ddos, b, c R com 0, chmmos equção do gru tod equção que pode ser colocd n form + bx + c, onde :, b são os coeficientes respectivmente de e x ; c é o termo independente x x x é

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

NÃO existe raiz real de um número negativo se o índice do radical for par.

NÃO existe raiz real de um número negativo se o índice do radical for par. 1 RADICIAÇÃO A rdicição é operção invers d potencição. Sbemos que: ) b) Sendo e b números reis positivos e n um número inteiro mior que 1, temos, por definição: sinl do rdicl n índice Qundo o índice é,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Fatoração e Produtos Notáveis

Fatoração e Produtos Notáveis Ftorção e Produtos Notáveis 1. (G1 - cftmg 014) Simplificndo epressão 1 4 6 4 5 4 16 48 obtém-se ). b) 4 +. c). d) 4 +.. (G1 - ifce 014) O vlor d epressão: b b ) b. b) b. c) b. d) 4b. e) 6b. é. (Upf 014)

Leia mais

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional.

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIDADE DE APOIO EDUCACIONAL UAE MAT 099 - Tutori de Mtemátic Tópicos: Números Rcionis operções e proprieddes (frções, regr de sinl, som, produto e divisão de frções, potênci

Leia mais

DESAFIOS. π e. π <y < π, satisfazendo seny = 8 x

DESAFIOS. π e. π <y < π, satisfazendo seny = 8 x DESAFIOS ENZO MATEMÁTICA 01-(FUVEST) Sejm x e y dois números reis, com 0

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba MATEMÁTICA BÁSICA NOTAS DE AULA

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba MATEMÁTICA BÁSICA NOTAS DE AULA Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curitib MATEMÁTICA BÁSICA NOTAS DE AULA SUMÁRIO. FRAÇÕES.... Adição e Subtrção.... Multiplicção.... Divisão.... Número Misto.... Conversão

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

3n 3 3 3n. R = k(1,1) t. Pessoa Anos de Formação (t) Fator de Carreira (k) A B C

3n 3 3 3n. R = k(1,1) t. Pessoa Anos de Formação (t) Fator de Carreira (k) A B C Aul 0 Potencição 0) (PUC-SP) Simplificndo epressão ) n 9 ) n + n d) 6 7 6 9 n n n, otém-se 0) (Insper) Um nlist de recursos humnos desenvolveu o seguinte modelo mtemático pr relcionr os nos de formção

Leia mais

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < <

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < < MATEMÁTICA Assinle lterntiv verddeir: ) 6 < 7 6 < 6 b) 7 6 < 6 < 6 c) 7 6 < 6 < 6 d) 6 < 6 < 7 6 e) 6 < 7 6 < 6 Pr * {} temos: ) *, * + e + * + ) + > + + > ) Ds equções (I) e (II) result 7 6 < ( 6 )

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Sistemas Lineares Exercício de Fixação

Sistemas Lineares Exercício de Fixação Sistems Lineres Eercício de Fição Por: Griel Gutierre P Sores Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi Prí Disciplin: Mtemátic Professor: Amrósio Elis Aluno: Mtrícul: Curso: Série: Turno: Sistems

Leia mais

6. ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES

6. ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES MATRIZES. ÁLGEBRA LINEAR Definição Digonl Principl Mtriz Unidde Mtriz Trnspost Iguldde entre Mtrizes Mtriz Nul Um mtriz m n um tbel de números reis dispostos em m linhs e n coluns. Sempre que m for igul

Leia mais

Aula 1 - POTI = Produtos Notáveis

Aula 1 - POTI = Produtos Notáveis Aul 1 - POTI = Produtos Notáveis O que temos seguir são s demonstrções lgébrics dos sete principis produtos notáveis e tmbém prov geométric dos três primeiros. 1) Qudrdo d Som ( + b) = ( + b) * ( + b)

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Exercícios. . a r. 2º Caso: Agrupamento. É uma aplicação do 1º caso, só que o termo comum aparece em grupos. 3º Caso: Diferença de dois quadrados

Exercícios. . a r. 2º Caso: Agrupamento. É uma aplicação do 1º caso, só que o termo comum aparece em grupos. 3º Caso: Diferença de dois quadrados Mtemátic Básic Ftorção Aul. Definição Ftorr um epressão lgéric consiste em trnsformá-l num produto. É um prolem de grnde interesse n Álger, nálogo o d decomposição de um número em ftores primos. º Cso:

Leia mais

Exercícios. setor Aula 25. f(2) = 3. f(3) = 0. f(11) = 12. g(3) = 14. Temos: 2x 1 = 5 x = 3 Logo, f(5) = 3 2 = 9

Exercícios. setor Aula 25. f(2) = 3. f(3) = 0. f(11) = 12. g(3) = 14. Temos: 2x 1 = 5 x = 3 Logo, f(5) = 3 2 = 9 setor 07 070409 070409-SP Aul 5 FUNÇÃO (COMPOSIÇÃO DE FUNÇÕES) FUNÇÃO COMPOSTA Sej f um função de A em B e sej g um função de B em C. Chm-se função compost de g com f função h definid de A em C, tl que

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

Os números racionais. Capítulo 3

Os números racionais. Capítulo 3 Cpítulo 3 Os números rcionis De modo informl, dizemos que o conjunto Q dos números rcionis é composto pels frções crids prtir de inteiros, desde que o denomindor não sej zero. Assim como fizemos nteriormente,

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

é: y y x y 31 2 d) 18 e) O algarismo das unidades de é igual a: a) 1 b) 3 c) 5 d) 7 e) 9

é: y y x y 31 2 d) 18 e) O algarismo das unidades de é igual a: a) 1 b) 3 c) 5 d) 7 e) 9 0. Dentre s firmtivs bio, ssinle quel que NÃO é verddeir pr todo nturl n: - n = b - n- = - n+ n n c d - n = -- n e - n- = -- n 07. O lgrismo ds uniddes de 00. 7 00. 00 é igul : b c d 7 e 0. O vlor de 6

Leia mais

é: 31 2 d) 18 e) 512 y y x y

é: 31 2 d) 18 e) 512 y y x y 0. Dentre s firmtivs bio, ssinle quel que NÃO é verddeir pr todo nturl n: ) -) n = b) -) n- = -) n+ n n c) ) ) d) -) n = --) n e) -) n- = --) n 07. O lgrismo ds uniddes de 00. 7 00. 00 é igul : ) b) c)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES

MATRIZES E DETERMINANTES Professor: Cssio Kiechloski Mello Disciplin: Mtemátic luno: N Turm: Dt: MTRIZES E DETERMINNTES MTRIZES: Em quse todos os jornis e revists é possível encontrr tbels informtivs. N Mtemátic chmremos ests

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Professora: Profª Roberta Nara Sodré de Souza

Professora: Profª Roberta Nara Sodré de Souza MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA-CAMPUS ITAJAÍ Professor: Profª Robert Nr Sodré de Souz Função

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Equções Polinomiis p. 86 (PUC-SP) No universo C, equção 0 0 0 dmite: ) três rízes rcionis c) dus rízes irrcionis e) um únic riz positiv b) dus rízes não reis

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Conjuntos Numéricos. Conjuntos Numéricos

Conjuntos Numéricos. Conjuntos Numéricos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA.. Proprieddes dos números

Leia mais

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades?

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades? UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DCET / CAMPUS I DISCIPLINA: Cálculo II (MAT 089 CH: 75 PROFESSOR: Adrino Ctti SEMESTRE: 0. ALUNO: APOSTILA 0: INTEGRAL INDEFINIDA

Leia mais

I REVISÃO DE CONCEITOS BÁSICOS

I REVISÃO DE CONCEITOS BÁSICOS I REVISÃO DE CONCEITOS BÁSICOS. Elementos Básicos de Mtemátic. Regrs de Sinis ADIÇÃO: - qundo os números tem o mesmo sinl, somm-se os módulos e tribui-se o resultdo o sinl comum. E: (+)+(+9)=+4 ou 4 (-)+(-)=

Leia mais

CÁLCULO INTEGRAL. e escreve-se

CÁLCULO INTEGRAL. e escreve-se Primitivs CÁLCULO INTEGRAL Prolem: Dd derivd de um função descorir função inicil. Definição: Chm-se primitiv de um função f, definid num intervlo ] [ à função F tl que F = f e escreve-se,, F = P f ou F

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Professor Mauricio Lutz LIMITES DE FUNÇÕES

Professor Mauricio Lutz LIMITES DE FUNÇÕES Professor Muricio Lutz LIMITES DE FUNÇÕES ) Introdução O conceito de ite é fundmentl no cálculo diferencil, um cmpo d Mtemátic que teve início no século XVII e é bstnte fértil em resultdos e plicções em

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Conteúdo Programático:

Conteúdo Programático: Conteúdo Progrmático: AULA 0 Mtemátic Básic - M.M.C - M.D.C - Operções com Frções AULA 0 Rzão, Proporção e Sistems AULA 0 Porcentgem Regrs de Três Simples e Compost AULA 04 Equções de segundo gru, Gráficos

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

(Nova) Matemática, Licenciatura / Engenharia de Produção

(Nova) Matemática, Licenciatura / Engenharia de Produção Recredencimento Portri EC 7, de 5.. - D.O.U.... (ov) temátic, Licencitur / Engenhri de Produção ódulo de Pesquis: Prátics de ensino em mtemátic, contetos e metodois Disciplin: Fundmentos de temátic II

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

CONCURSO DE SELEÇÃO 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

CONCURSO DE SELEÇÃO 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO 003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 41100 0$7(0É7,&$ RESOLUÇÃO PELA PROFESSORA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA $ LOXVWUDomR TXH VXEVWLWXL D RULJLQDO GD TXHVWmR H DV GDV UHVROXo}HV

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

( 2 5 ) simplificando a fração. Matemática A Extensivo V. 8 GABARITO. Matemática A. Exercícios. (( ) ) trocando a base log 5 01) B 04) B.

( 2 5 ) simplificando a fração. Matemática A Extensivo V. 8 GABARITO. Matemática A. Exercícios. (( ) ) trocando a base log 5 01) B 04) B. Mtemátic A Etensivo V. Eercícios 0) B 0) B f() = I. = y = 6 6 = ftorndo 6 = = II. = y = 6 = 6 = pel propriedde N = N = De (I) e (II) podemos firmr que =, então: ) 6 = = 6 ftorndo 6 = = pel propriedde N

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA 8 EQUAÇÃO DO 2º GRAU

MATEMÁTICA BÁSICA 8 EQUAÇÃO DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA 8 EQUAÇÃO DO 2º GRAU Sbemos, de uls nteriores, que podemos resolver problems usndo equções. A resolução de problems pelo médtodo lgébrico consiste em lgums etps que vmso recordr. - Representr

Leia mais

Funções e Limites. Informática

Funções e Limites. Informática CURSO DE: SEGUNDA LICENCIATURA EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: CÁLCULO I Funções e Limites Informátic Prof: Mrcio Demetrius Mrtinez Nov Andrdin 00 O CONCEITO DE UMA FUNÇÃO - FUNÇÃO. O que é um função Um função

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Noção intuitiva de limite

Noção intuitiva de limite Noção intuitiv de ite Qundo se proim de 1, y se proim de 3, isto é: 3 y + 1 1,5 4 1,3 3,6 1,1 3, 1,05 3,1 1,0 3,04 1,01 3,0 De um modo gerl: Eemplo de um ite básico Qundo tende um vlor determindo, o ite

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Determinntes p. (Unifor-CE) Sejm os determinntes A, B e C. Nests condições, é verdde que AB C é igul : ) c) e) b) d) A?? A B?? B C?? C AB C ()? AB C, se i,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

(c) 600 dólares. (e) 60 mil dólares.

(c) 600 dólares. (e) 60 mil dólares. Vestibulr Insper 2014 1 B Análise Quntittiv e Lógic 1. De cordo com estimtiv do Fundo Monetário Interncionl, o Produto Interno Bruto (PIB) d Chin em 2012 foi de 8 trilhões e 227 bilhões de dólres. Considerndo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem.

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem. EFOMM 2010 1. Anlise s firmtivs bixo. I - Sej K o conjunto dos qudriláteros plnos, seus subconjuntos são: P = {x K / x possui ldos opostos prlelos}; L = {x K / x possui 4 ldos congruentes}; R = {x K /

Leia mais

OPERAÇÕES ALGÉBRICAS

OPERAÇÕES ALGÉBRICAS MATEMÁTICA OPERAÇÕES ALGÉBRICAS 1. EXPRESSÕES ALGÉBRICAS Monômio ou Termo É expressão lgébric mis sintétic. É expressão formd por produtos e quocientes somente. 5x 4y 3x y x x 8 4x x 4 z Um monômio tem

Leia mais

B ) 2 = ( x + y ) 2 ( 31 + 8 15 + 31 8 ( 31 + 8 15 ) 2 + 2( 31 + 8 15 )( 31 8 MÓDULO 17. Radiciações e Equações

B ) 2 = ( x + y ) 2 ( 31 + 8 15 + 31 8 ( 31 + 8 15 ) 2 + 2( 31 + 8 15 )( 31 8 MÓDULO 17. Radiciações e Equações Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis MATEMÁTICA. Mostre que Rdicições e Equções + 8 5 + 8 + 8 5 + 8 ( + 8 5 + 8 5 é múltiplo de 4. 5 = x, com x > 0 5 ) = x ( + 8 5 ) + ( + 8 5 )( 8 + ( 8 5 ) = x

Leia mais

Dessa forma o eixo ox é uma assíntota da função exponencial e assim valores de y < 0 não se relacionam com nenhum x do domínio, portanto Im = R +.

Dessa forma o eixo ox é uma assíntota da função exponencial e assim valores de y < 0 não se relacionam com nenhum x do domínio, portanto Im = R +. 6 4. Função Eponencil É todo função que pode ser escrit n form: f: R R + = Em que é um número rel tl que 0

Leia mais

UNIDADE 1 ARITMÉTICA BÁSICA. Divisibilidade por 5 Um número é divisível por 5 se o último algarismo for 0 ou 5. Exemplos: 235, 4670,

UNIDADE 1 ARITMÉTICA BÁSICA. Divisibilidade por 5 Um número é divisível por 5 se o último algarismo for 0 ou 5. Exemplos: 235, 4670, Inclusão pr vid Mtemátic A UNIDADE ARITMÉTICA BÁSICA MÚLTIPLO DE UM NÚMERO Sendo, b e c números nturis e. b = c, diz-se que c é múltiplo de e b. Eemplo: Múltiplos de M() = {0,, 6, 9,...} Observções: O

Leia mais

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portlpositivo.com.br/cpitcr 1 SUCESSÃO OU SEQUENCIA NUMÉRICA Sucessão ou seqüênci

Leia mais

Matemática I. Prof. Gerson Lachtermacher, Ph.D. Prof. Rodrigo Leone, D.Sc. Colaboração Prof. Walter Paulette. Elaborado por. Seção 2.

Matemática I. Prof. Gerson Lachtermacher, Ph.D. Prof. Rodrigo Leone, D.Sc. Colaboração Prof. Walter Paulette. Elaborado por. Seção 2. Mtemátic I Elordo por Prof. Gerson Lchtermcher, Ph.D. Prof. Rodrigo Leone, D.Sc. Seção Colorção Prof. Wlter Pulette Versão 009-1 ADM 01004 Mtemátic I Prof. d Disciplin Luiz Gonzg Dmsceno, M. Sc. Seção

Leia mais

Aulas 1 a 3. Aulas 4 e 5. Revisão Primeiro Semestre 2012 prof. Lessa. 4. (UNIFESP) Se 0 < a < b, racionalizando o denominador, tem-se que

Aulas 1 a 3. Aulas 4 e 5. Revisão Primeiro Semestre 2012 prof. Lessa. 4. (UNIFESP) Se 0 < a < b, racionalizando o denominador, tem-se que Revisão Primeiro Semestre 01 prof. Less Auls 1 1. (ESPM) A metde de vlem, respectivmente: A) 0,6 1 e e 1. Se 1 e 9 e 9 8 e 1, e o triplo de x =, então o vlor de x é: A) 6. (FUVEST) Rcionlizr o denomindor

Leia mais

Nota de aula_2 2- FUNÇÃO POLINOMIAL

Nota de aula_2 2- FUNÇÃO POLINOMIAL Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curiti Prof. Lucine Deprtmento Acdêmico de Mtemátic Not de ul_ - FUNÇÃO POLINOMIAL Definição 8: Função polinomil com um vriável ou simplesmente função polinomil

Leia mais