Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sindicatos. Indicadores sociais 2001"

Transcrição

1 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro 2003

2 Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Av. Frnklin Roosevelt, Centro Rio de Jneiro, RJ - Brsil ISBN IBGE, 2003 REIMPRESSÃO Cp Gerênci de Crição/Centro de Documentção e Disseminção de Informções - CDDI Mrcelo Thdeu Rodrigues Sindictos : indicdores sociis 2001 / IBGE, Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis. Rio de Jneiro : IBGE, p. Inclui bibliogrfi e glossário. ISBN Sindictos Brsil Esttístic. 2. Sindictos Pesquis Brsil. 3. Indicdores sociis Brsil. I. IBGE. Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis. Gerênci de Bibliotec e Acervos Especiis CDU 31:331.88(81) RJ/ EST Impresso no Brsil / Printed in Brzil

3 Sumário Apresentção Introdução Nots técnics Objetivos d pesquis Unidde de investigção e âmbito d pesquis Abrngênci geográfic ds informções Instrumento de colet Clssificção de tividdes Cdstro de informntes d pesquis Colet e divulgção ds informções Análise dos resultdos Evolução e estrutur dos sindictos no decênio Representtividde e prticipção O funcionmento d máquin sindicl Filição entiddes civis Estrutur dos sindictos no no de Tbels de resultdos Tbel 1 - Sindictos, por condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 2 - Sindictos, urbnos e ruris, por condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 3 - Sindictos de trblhdores, por condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo os grndes grupos e grupos profissionis - Brsil

4 Sindictos 4 IBGE Indicdores sociis 2001 Tbel 4 - Sindictos de empregdores, totl e por condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo os grndes grupos e grupos econômicos - Brsil Tbel 5 - Sindictos, urbnos e ruris, por condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo brngênci d bse territoril e tipo de sindicto - Brsil Tbel 6 - Sindictos de trblhdores, por filição à centrl sindicl, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 7 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, por tipo, segundo filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego - Brsil Tbel 8 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, por filição à centrl sindicl, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 9 - Sindictos de trblhdores, por filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo os grndes grupos profissionis - Brsil Tbel 10 - Sindictos de trblhdores, por clsses de ssocidos, segundo filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego - Brsil Tbel 11 - Número de trblhdores ssocidos, urbnos e ruris, por filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 12 - Número de trblhdores n bse, urbnos e ruris, por filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 13 - Número de trblhdores ssocidos, por filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 14 - Número de trblhdores n bse, por filição à centrl sindicl e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 15 - Sindictos de empregdores, urbnos e ruris, por clsses de ssocidos, segundo s Grndes Regiões, tipo de sindicto e condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego - Brsil Tbel 16 - Número de ssocidos e empress n bse, urbnos e ruris, por condição de registro junto o Ministério do Trblho e Emprego, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 17 - Sindictos, urbnos e ruris, por período de fundção, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 18 - Sindictos, urbnos e ruris, por período de reconhecimento, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil

5 Sumário IBGE 5 Tbel 19 - Sindictos, urbnos e ruris, por tipo, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 20 - Sindictos, urbnos e ruris, por clsses de trblhdores ou de empress n bse, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 21 - Sindictos, por clsses de ssocidos, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 22 - Sindictos, urbnos e ruris, por clsses de ssocidos, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 23 - Sindictos, urbnos e ruris, por percentul de ssocidos existentes em 31.12, em relção o totl de trblhdores ou empress n bse, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 24 - Sindictos, urbnos e ruris, por percentul de ssocidos quites em 31.12, em relção o totl de ssocidos existentes, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 25 - Sindictos de empregdores urbnos, por percentul d constituição jurídic dos seus ssocidos em 31.12, em relção o totl de ssocidos existentes, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 26 - Sindictos de trblhdores e gentes utônomos, urbnos e ruris, em clsses percentuis de ssocidos, por sexo, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 27 - Sindictos de trblhdores e gentes utônomos, urbnos e ruris, por percentul de ssocidos tivos quites e não-quites em relção o totl de ssocidos existentes, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 28 - Sindictos de trblhdores e gentes utônomos, urbnos e ruris, por percentul de posentdos quites, não-quites e remidos em relção o totl de ssocidos existentes, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 29 - Sindictos de empregdores ruris, por percentul do número de pessos físics e jurídics em relção o totl de ssocidos existentes, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 30 - Sindictos de trblhdores ruris, por percentul do número de trblhdores e pequenos proprietários em relção o totl de ssocidos existentes, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 31 - Sindictos de empregdos urbnos, por regime de trblho, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 32 - Sindictos de trblhdores e gentes utônomos, urbnos e ruris, por percentul de ssocidos tivos e posentdos que votrm em relção o totl de votntes n últim eleição relizd, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil

6 Sindictos 6 IBGE Indicdores sociis 2001 Tbel 33 - Sindictos, urbnos e ruris, por percentul de votntes em relção os ssocidos em condição de votr n últim eleição relizd, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 34 - Sindictos, urbnos e ruris, por número de chps concorrentes no 1º escrutínio d últim eleição relizd, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 35 - Sindictos, urbnos e ruris, por filição à federção e à confederção, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 36 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, por filição entiddes civis, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 37 - Sindictos de trblhdores, por período de reconhecimento, segundo s Grndes Regiões e grupos profissionis - Brsil Tbel 38 - Sindictos de empregdores, por período de reconhecimento, segundo s Grndes Regiões e grupos econômicos - Brsil Tbel 39 - Sindictos de trblhdores, por clsse de ssocidos, segundo s Grndes Regiões e grupos profissionis - Brsil Tbel 40 - Sindictos de empregdores, por clsses de ssocidos, segundo s Grndes Regiões e grupos econômicos - Brsil Tbel 41 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, que possuem ou não delegdos sindicis no locl de trblho e número de delegdos sindicis, em 31.12, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 42 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, que possuem ou não comitês sindicis de empress no locl de trblho e número de integrntes de comitês sindicis de empress, em 31.12, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 43 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, por representção trvés de comissões de fábric ou de empres, CIPA e outrs forms de representção no locl de trblho em 31.12, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 44 - Sindictos, urbnos e ruris, que tem conhecimento de comissões municipl e/ou estdul de emprego e de concilição prévi e os que prticipm ds comissões, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 45 - Negocições coletivs relizds pelos sindictos, urbnos e ruris, por tipo de sindicto, segundo s Grndes Regiões e nturez d negocição - Brsil Tbel 46 - Negocições coletivs relizds pelos sindictos de trblhdores, por nturez d negocição, segundo os grndes grupos e grupos de profissionis - Brsil Tbel 47 - Negocições coletivs relizds pelos sindictos de

7 Sumário IBGE 7 empregdores, por nturez d negocição, segundo os grndes grupos e grupos econômicos - Brsil Tbel 48 - Sindictos, urbnos e ruris, com prticipção d confederção, federção e centrl sindicl ns negocições coletivs relizds, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 49 - Sindictos, urbnos e ruris, que relizrm negocições coletivs, por brngênci d bse territoril, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 50 - Sindictos, urbnos e ruris, por clsses de diretores em exercício, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 51 - Sindictos, urbnos e ruris, por sexo dos diretores em exercício em 31.12, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 52 - Sindictos, urbnos e ruris, por sexo de seu presidente, 1º secretário e 1º tesoureiro, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 53 - Sindictos, urbnos e ruris, por clsses percentuis de prticipção feminin n diretori em exercício em 31.12, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 54 - Sindictos, urbnos e ruris, por tempo de tução sindicl e de gestão de seu presidente n diretori, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 55 - Sindictos, urbnos e ruris, por gestões de seu presidente n diretori e no crgo, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 56 - Sindictos de empregdores urbnos, por porte d empres filid que pertence o presidente, segundo s Grndes Regiões e condição do presidente - Brsil Tbel 57 - Sindictos de empregdos urbnos e trblhdores vulsos e ruris, que possuem diretores liberdos pr s tividdes sindicis, por clsses de diretores liberdos, segundo form de liberção - Brsil Tbel 58 - Sindictos de trblhdores ruris, por inserção dos diretores n diretori, segundo s Grndes Regiões e tipo de inserção n produção gropecuári - Brsil Tbel 59 - Sindictos, urbnos e ruris, que lterrm pelo menos um vez o esttuto, por itens de lterção, e os que não lterrm o esttuto originl, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 60 - Sindictos, urbnos e ruris, por tipo de ssembléi ou reunião, segundo o tipo de sindicto e periodicidde ds reuniões - Brsil Tbel 61 - Sindictos, urbnos e ruris, por condição de ocupção d sede, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 62 - Sindictos, urbnos e ruris, por forms de comprtilhmento ou não do espço físico, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil

8 Sindictos 8 IBGE Indicdores sociis 2001 Tbel 63 - Sindictos, urbnos e ruris, por existênci de subsedes, segundo o tipo de sindicto e brngênci d bse territoril - Brsil Tbel 64 - Sindictos, urbnos e ruris, por gru de informtizção e número e médi de microcomputdores em tividde, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 65 - Sindictos, urbnos e ruris, por tipo, segundo s Grndes Regiões e serviços prestdos e tividdes oferecids os ssocidos ou os funcionários ds empress ssocids pelo sindicto - Brsil Tbel 66 - Sindictos de empregdores urbnos e ruris, segundo s Grndes Regiões e os principis serviços prestdos e tividdes oferecids às empress ssocids - Brsil Tbel 67 - Sindictos, urbnos e ruris, por tipo, segundo s Grndes Regiões e cursos de educção, qulificção e requlificção de mão-de-obr - Brsil Tbel 68 - Sindictos de trblhdores e gentes utônomos, urbnos e ruris, por tipo, segundo s Grndes Regiões e cursos de educção e formção sindicl - Brsil Tbel 69 - Sindictos, urbnos e ruris, por clsses de funcionários com crteir ssind, segundo especificção dos funcionários - Brsil Tbel 70 - Sindictos, urbnos e ruris, por tipo, segundo s Grndes Regiões e serviços de poio o funcionmento do sindicto - Brsil Tbel 71 - Sindictos, urbnos e ruris, que rrecdm ou não contribuição sindicl obrigtóri, por forms de devolução, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 72 - Sindictos, urbnos e ruris, que rrecdm ou não contribuição ssistencil ou negocil e/ou contribuição confedertiv, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 73 - Sindictos, urbnos ruris, por brngênci d bse territoril, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 74 - Sindictos, que tiverm ou não lterção d bse territoril, desde dt do registro ou reconhecimento do sindicto, segundo s Grndes Regiões e brngênci d bse territoril - Brsil Tbel 75 - Sindictos de empregdores, por brngênci d bse territoril, segundo os grndes grupos e grupos econômicos - Brsil Tbel 76 - Sindictos de trblhdores, por brngênci d bse territoril, segundo os grndes grupos e grupos profissionis - Brsil Tbel 77 - Sindictos, urbnos e ruris, por brngênci d bse territoril, segundo o tipo de sindicto e negocições relizds - Brsil Tbel 78 - Sindictos, urbnos e ruris, por tipo, segundo s Grndes Regiões e forms de comunicção utilizds pelo sindicto - Brsil

9 Sumário IBGE 9 Tbel 79 - Sindictos de empregdos urbnos, por reivindicção do blnço socil ds empress, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 80 - Sindictos de empregdores urbnos, por conhecimento d divulgção do blnço socil ds empress e por clsses de empress filids, segundo s Grndes Regiões e Uniddes d Federção - Brsil Tbel 81 - Sindictos de trblhdores, urbnos e ruris, por conhecimento de greves n su bse sindicl, no decorrer do no, e os principis motivos cusdores, segundo s Grndes Regiões e tipo de sindicto - Brsil Tbel 82 - Sindictos de empregdos urbnos, trblhdores vulsos e ruris, por conhecimento de greves n bse sindicl, no decorrer do no, e dos principis motivos cusdores, segundo grndes grupos e grupos profissionis - Brsil Referêncis bibliográfics Glossário Anexos 1 - Séries histórics d Pesquis Sindicl Qudro 1 - Informções levntds ns Pesquiss Sindicis - Brsil / Tbel 1 - Sindictos, segundo o tipo de sindicto, s Grndes Regiões e brngênci d bse territoril - Brsil / Tbel 2 - Sindictos de trblhdores, segundo os grndes grupos profissionis - Brsil / Tbel 3 - Sindictos, por tipo de sindicto, segundo s Grndes Regiões - Brsil / Clssificção de ctegoris profissionis Clssificção de ctegoris econômics Apêndice Questionário d Pesquis Sindicl 2002 (Ano de referênci 2001) Convenções - Ddo numérico igul zero não resultnte de rredondmento;.. Não se plic ddo numérico;... Ddo numérico não disponível; x Ddo numérico omitido fim de evitr individulizção d informção; 0; 0,0; 0,00 Ddo numérico igul zero resultnte de rredondmento de um ddo numérico originlmente positivo; e -0; -0,0; -0,00 Ddo numérico igul zero resultnte de rredondmento de um ddo numérico originlmente negtivo.

10

11 Apresentção OInstituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE -, com presente publicção, divulg os resultdos completos d Pesquis Sindicl relizd em 2002, que levntou informções sobre os sindictos do Pís em A pesquis foi relizd em convênio com o Ministério do Trblho e Emprego - MTE -, com interveniênci do Conselho Delibertivo do Fundo de Ampro o Trblhdor - CODEFAT. As informções presentds nest oportunidde complementm os primeiros resultdos d Pesquis, divulgdos pelo IBGE no início de outubro de 2002, e fornecem um retrto brngente sobre estrutur e o perfil sindicl no Brsil. Esse retrto permitirá contribuir positivmente pr formulção e implementção de polítics n áre de relções de trblho e elborção de dignósticos e nálises sobre s condições vigentes no sindiclismo brsileiro frente às trnsformções econômics, sociis e polítics ocorrids n sociedde brsileir, no último decênio. As tbels divulgds nest publicção contemplm um mplo conjunto de informções pesquisds junto os sindictos de empregdores e trblhdores, urbnos e ruris, que permitem, dentre outros spectos, vlir: _ s trnsformções d orgnizção sindicl brsileir no último decênio - cotejndo-se pr isso s informções d tul pesquis com quel elbord pelo IBGE em 1992, prtir d nálise d evolução e estrutur do número de sindictos e de ssocidos e trblhdores n bse de representção dos sindictos de trblhdores e empregdores; _ s negocições coletivs ds relções de trblho efetivds entre sindictos de trblhdores e empregdores ou entre

12 Sindictos 12 IBGE Indicdores sociis 2001 sindictos de trblhdores e empress, e s greves relizds em 2001, segundo os motivos que lhes derm origem; _ representtividde dos sindictos e prticipção dos ssocidos n vid sindicl, prtir d crcterizção: dos ssocidos e d diretori dos sindictos de trblhdores e empregdores; do processo de continuidde e/ou renovção dos membros d diretori sindicl; ds forms de representção dos trblhdores no locl de trblho; do conhecimento e prticipção do sindicto ns Comissões de Concilição Prévi - CCP - e comissões municipis e estduis de emprego; _ o funcionmento d máquin sindicl, bordd prtir d estrutur físic dos sindictos (instlções físics; comprtilhmento do espço físico d sede; condição de ocupção d sede; existênci de subsedes); de su estrutur orgnizcionl (tbel de funcionários, serviços e tividdes oferecidos os ssocidos; forms de comunicção com os ssocidos; cursos de educção gerl, de formção sindicl, de qulificção e requlificção de mão-de-obr; e, indicdores de informtizção dos sindictos); e _ filição entiddes civis, com informções relcionds à inserção e integrção dos sindictos nos espços de orgnizção que lhes são próprios, presentndo-se filição dos sindictos centris, confederções, federções e entiddes civis de estudos, pesquiss e ssessormento técnico. As tbels form elbords privilegindo, conforme o cso, presentção ds informções pesquisds, segundo clssificção dos sindictos, de cordo com os tipos, s ctegoris profissionis e econômics, su distribuição entre s Grndes Regiões e Uniddes d Federção, brngênci d bse territoril de representção. As informções d Pesquis Sindicl, or divulgds, estrão disponíveis no portl do IBGE n internet, no endereço Em um momento seguinte est publicção, informções desgregds d pesquis tmbém serão disponibilizds trvés do Bnco Multidimensionl de Esttístics - BME, ser tmbém cessdo trvés do portl do IBGE n internet e de CD-ROM, em um mbiente de informátic migável que permitirá os usuários relizrem cruzmentos diversos entre s vriáveis pesquisds. Mri Mrth Mlrd Myer Diretor de Pesquiss

13 Introdução No período de , o IBGE relizou Pesquis Sindicl, com periodicidde nul e brngendo o universo dos sindictos brsileiros, urbnos e ruris, de empregdos, empregdores, profissionis liberis, gentes e trblhdores utônomos. Em gosto de 2001, o IBGE celebrou convênio com o Ministério do Trblho e Emprego - MTE -, com interveniênci do Conselho Delibertivo do Fundo de Ampro o Trblhdor - CODEFAT -, pr relizção d colet ds informções d Pesquis Sindicl no primeiro semestre de 2002, referentes o no-bse de Como desdobrmento do convênio, foi crido um Grupo de Trblho, que teve por finlidde relizr o compnhmento técnico de tods s etps de trblho d pesquis - que envolveu desde definição do questionário e do cdstro de informntes té elborção do plno tbulr de divulgção ds informções - e que foi constituído por representntes do IBGE e de entiddes que compõem o CODEFAT. Aproprindo-se d experiênci de relizção ds pesquiss nteriores, Pesquis Sindicl 2001 foi mis brngente o incorporr novs vriáveis em relção àquels pesquisds em Com presente pesquis, objetiv-se suprir importnte lcun de informções sobre o meio sindicl brsileiro, que têm sido permnentemente demndds não pens pels entiddes de clsse, ms tmbém pelo governo, pel comunidde científic e pel sociedde em gerl.

14

15 Nots técnics APesquis Sindicl 2001 foi relizd pelo Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis - DEPIS -, d Diretori de Pesquiss - DPE -, contndo com o envolvimento ds representções do IBGE em cd Unidde d Federção - que, com equipes de coordendores, supervisores e entrevistdores, form responsáveis pels visits e entrevists nos sindictos no Pís. Objetivos d pesquis A Pesquis Sindicl é um levntmento brngente de informções esttístics sobre o universo de sindictos brsileiros, tendo como principis objetivos: retrtr estrutur sindicl brsileir, seu perfil institucionl e orgnizcionl e s tividdes desenvolvids pelos sindictos; subsidir formulção e implementção de polítics públics ns áres de relções de trblho; e contribuir pr vlição dos efeitos sobre orgnizção sindicl em rzão ds trnsformções econômics, sociis e polítics ocorrids n sociedde brsileir n décd de Unidde de investigção e âmbito d pesquis A unidde de investigção d pesquis é o sindicto, sendo investigdos queles que se encontrvm formlizdos té 31/12/ 2001, prtir de um dos instrumentos, seguir, relciondos: _ crt de reconhecimento no Ministério do Trblho e Emprego - MTE (crt sindicl); ou

16 Sindictos 16 IBGE Indicdores sociis 2001 _ registro sindicl no Ministério do Trblho e Emprego - MTE; ou _ pens registro em crtório; ou _ registro em crtório e pedido de registro sindicl no Ministério do Trblho e Emprego - MTE. Assim, considerm-se sindictos com registro no Ministério do Trblho e Emprego - MTE -, queles que possuem crt de reconhecimento (crt sindicl) ou registro sindicl; enqunto os sindictos sem registro no MTE são queles que possuem pens registro em crtório ou possuem registro em crtório e presentrm pedido de registro no Ministério do Trblho e Emprego. Abrngênci geográfic ds informções A Pesquis Sindicl 2001 investig o universo dos sindictos brsileiros formlizdos té 31 de dezembro de 2001 e sus informções são divulgds segundo s Uniddes d Federção, Grndes Regiões e pr o totl do Brsil. Instrumento de colet O levntmento ds informções dos sindictos de trblhdores e de empregdores, urbnos e ruris, foi relizdo trvés de um único modelo de questionário, com s informções prestds pelo informnte, dequndo-se o tipo de sindicto que pertenci (empregdos urbnos, empregdores urbnos ou ruris, profissionis liberis, gentes ou trblhdores utônomos e trblhdores ruris). O preenchimento ds informções do questionário foi efetudo por técnicos do IBGE, trvés de entrevist presencil junto representntes dos sindictos, no endereço d sede do sindicto. Clssificção de tividdes A clssificção dotd n Pesquis Sindicl 2001 tem por bse s ctegoris profissionis e s ctegoris econômics constntes d Consolidção ds Leis do Trblho - CLT. Embor o rtigo d CLT que contém ess clssificção tenh sido revogdo pel Constituição Federl de 1988, mesm ind constitui, n tulidde, bse pr emissão do registro sindicl pelo Ministério do Trblho e Emprego - MTE. A clssificção dos sindictos é instrumento essencil pr ssegurr integrção entre colet, nálise e divulgção ds informções e pr permitir nálises de evolução. Tendo em cont s rzões cim pontds, e considerndo que é trvés dess clssificção que os sindictos identificm s ctegoris profissionis ou econômics que compõem su bse sindicl de representção, optou-se por dotr ess clssificção. Os sindictos form clssificdos em grndes grupos e grupos profissionis ou econômicos, considerndo-se predominânci ds ctegoris profissionis ou econômics em cd sindicto, determind prtir do número de trblhdores ou de empress n bse de representção dos sindictos, ssocidos cd um ds ctegoris.

17 Nots técnics IBGE 17 A incorporção de nov ctegori profissionl ou econômic em grupmento específico d clssificção utilizd no momento d relizção d colet d pesquis que, conforme já menciondo, foi elbord prtir ds ctegoris constntes d CLT, somente ocorreu qundo consttd su existênci em pelo menos um sindicto registrdo no Ministério do Trblho e Emprego - MTE. Qundo verificds novs ctegoris profissionis e econômics em que todos os sindictos nels clssificdos não erm registrdos no MTE, optou-se pel inclusão dos mesmos ns tbels or divulgds, no grupmento "ctegoris não constntes d clssificção". Cdstro de informntes d pesquis O Cdstro Básico d Pesquis Sindicl 2001 foi constituído pelos sindictos de trblhdores e empregdores, seleciondos prtir do Cdstro Gerl de Empress do IBGE - que, no momento de relizção d pesquis, encontrv-se tulizdo pels informções d Relção Anul ds Informções Sociis - RAIS - do no de Pr tulizr e complementr s informções do Cdstro Gerl de Empress do IBGE, form consultdos e utilizdos todos os cdstros que o IBGE pôde ter cesso: _ Cix Econômic Federl - CAIXA - cdstro do recolhimento d Contribuição Sindicl Obrigtóri; _ Confederção Ncionl dos Trblhdores n Agricultur - CONTAG - cdstro dos sindictos ssocidos às federções estduis el filidos; _ Confederção Ncionl d Agricultur - CNA - cdstro dos sindictos ssocidos um conjunto de federções estduis el filidos (ES, TO, MT, MS, SC, RN, AL, AM, PE, PI, CE, MG e RJ); _ Ministério do Trblho e Emprego - MTE - cdstro dos sindictos com pedido de registro sindicl no ministério, nos nos de 1999, 2000 e 2001; e _ Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE - cdstro d Pesquis de Assistênci Médico-Snitári de 1999 e cdstro d Pesquis Sindicl de Além de se utilizr s fontes cdstris nteriormente enumerds, os técnicos ds Agêncis do IBGE recorrerm diverss informções disponíveis - conhecimento de su áre de tução, ctálogo telefônico, consults às empress, dentre outrs -, visndo à loclizção de novos sindictos. O cdstro resultnte desss tulizções constitui o cdstro de informntes d Pesquis Sindicl Colet e divulgção ds informções N fse de colet d Pesquis Sindicl 2001, ocorrerm lguns problems de preenchimento do questionário que merecem ser registrdos. O primeiro deles refere-se à recus de preenchimento do questionário por lguns sindictos, à despeito dos esforços enviddos pelos técnicos de pesquis do IBGE, objetivndo relizr s entrevists presenciis nestes sindictos. Ests recuss brngerm 136 sindictos, que seguir encontrm-se distribuídos segundo s Uniddes d Federção:

18 Sindictos 18 IBGE Indicdores sociis 2001 Tbel 1 - Recuss de preenchimento do questionário d pesquis, por lguns sindictos, segundo s Uniddes d Federção - Brsil Uniddes d Federção Recuss Totl 136 Rondôni 3 Prá 1 Mrnhão 1 Cerá 6 Pernmbuco 15 Mins Geris 6 Espírito Snto 7 Rio de Jneiro 12 São Pulo 45 Prná 8 Snt Ctrin 1 Rio Grnde do Sul 26 Mto Grosso 1 Distrito Federl 4 O segundo problem diz respeito à má qulidde ds informções finnceirs prestds pelos sindictos. As receits rrecdds (contribuição sindicl obrigtóri; contribuição por filição voluntári; contribuição ssistencil e negocil; contribuição confedertiv; e outrs receits) e s contribuições e demis despess efetuds pelos sindictos, no no de 2001, presentm centuds inconsistêncis. A nálise ds receits rrecdds pelos sindictos demonstr que um expressivo número de sindictos informou pens prcilmente seus itens de receits e, em lguns csos, simplesmente recusrm-se fornecê-los. Por outro ldo, cotejndo-se os vlores ds receits e o número de ssocidos ou trblhdores n bse de representção dos sindictos, observ-se um flgrnte subestimção ds receits. Assim, em rzão d inconsistênci dests informções, optou-se pel não divulgção dos vlores monetários ds receits e despess dos sindictos, no no de Em contrprtid, divulg-se um conjunto de vriáveis pesquisds que permite dimensionr o número de sindictos que rrecdm contribuição sindicl obrigtóri, contribuição ssistencil ou negocil e/ou contribuição confedertiv. Divulg-se, ind, o número de sindictos que devolvem - espontnemente ou por requisição do trblhdor - e os que não devolvem contribuição sindicl obrigtóri, bem como o número de sindictos que rrecdm s contribuições ssistencil ou negocil e confedertiv, segundo brngênci d rrecdção - de tod bse de representção do sindicto ou somente de seus ssocidos. O terceiro problem está relciondo às informções referentes o número de ssocidos e trblhdores ou empress n bse, informções que devem ser reltivizds, um vez que tendem ser superestimds. No cso dos trblhdores ou empress n bse, s informções são obtids prtir de declrção de dirigente pto o preenchimento do questionário, trtndose, n verdde, de percepções do dirigente qunto à dimensão e à representtividde de seus sindictos. Qunto o número de ssocidos, comprndo-se, por exemplo, form de levntmento ds informções n Pesquis Sindicl e n Pesquis Ncionl por

19 Nots técnics IBGE 19 Amostr de Domicílios - PNAD -, observ-se que enqunto PNAD pesquis ssocição sindicl junto às pessos ocupds no domicílio, Pesquis Sindicl lev em cont totlidde dos ssocidos obtid prtir de informção de dirigente do sindicto, estndo í incluídos os posentdos e, os ssocidos vinculdos o sindicto que não estão quites com sus contribuições. Neste prticulr, observ-se que muitos sindictos não possuem cdstros de ssocidos tulizdos. Por outro ldo, tnto s informções referentes o número de ssocidos qunto, principlmente, os trblhdores n bse estão sujeits superestimções derivds de dupl contgem. De um ldo, um mesmo indivíduo pode ser computdo em dus ctegoris distints. Este é prticulrmente o cso de indivíduos de formção superior que exercem tividde profissionl n indústri ou em serviços e que, conseqüentemente, tendem ser computdos em profissionis liberis e em ctegori de outro grupo profissionl. Por outro ldo, um mesmo indivíduo pode ser computdo em um mesm ctegori de sindictos distintos - sej porque há dois sindictos, num mesm bse, representndo mesm ctegori; ou porque há dois sindictos com brngênci d bse territoril distint, representndo mesm ctegori.

20

21 Análise dos resultdos Evolução e estrutur dos sindictos no decênio Número de sindictos No que se refere à estrutur e evolução do número de sindictos, nlisd prtir ds Pesquiss Sindicis relizds pelo IBGE, s Tbels 2 e 3 permitem observr que, no decênio de , mntivermse s tendêncis presentds no período nterior ( ). Em primeiro lugr, refletindo tomizção d representção sindicl, o número totl de sindictos mnteve su tendênci de crescimento, ind que em ritmo menos celerdo: enqunto entre 1988 e 1992, tx de crescimento médio nul foi de 5,3%, entre 1992 e 2001, foi de cerc de 4,0%. Em segundo lugr, o número de sindictos urbnos (4,9% o no) voltou presentr tx médi nul de crescimento superior o de sindictos ruris (2,7% o no), tendo su prticipção pssdo de cerc de 60% pr 64% do totl de sindictos. Este crescimento do número de sindictos urbnos deveu-se, mis um vez, à elevd tx médi de crescimento nul do número de sindictos de trblhdores utônomos (17,4%) e às txs de crescimento superiores à médi presentds pelos sindictos de empregdos urbnos (5,2%, o no) e de empregdores urbnos (5,2%, o no). Já os demis sindictos urbnos presentrm ou txs de crescimento inferiores à médi (profissionis liberis e trblhdores vulsos) ou mesmo redução (gentes utônomos). Qunto os sindictos ruris, s prticipções dos sindictos de empregdores ruris e de trblhdores ruris, no totl de sin-

22 Sindictos 22 IBGE Indicdores sociis 2001 dictos, vêm sofrendo qued ininterrupt, pssndo, respectivmente, de 18% e 30%, em 1988, pr 14% e 27%, em 1992, e pr 11% e 25%, em Em terceiro lugr, embor s representções de bse municipl e, em menor medid, intermunicipl, continuem predominndo, tendênci o crescimento bsoluto e reltivo dos sindictos de bse estdul, em detrimento dos de bse municipl e intermunicipl, observd no período , vem se confirmndo, no período recente: enqunto em 1992, os sindictos de bse estdul, de um ldo, e municipl e intermunicipl, por outro, erm responsáveis, respectivmente, por cerc de 15% e 83% do totl de sindictos, em 2001, ests relções erm de 20% e 78%, respectivmente. Cbe observr, ind, que representção de bse estdul é, em su quse totlidde, de nturez urbn, sendo que, do totl de sindictos de brngênci estdul, 39% são de empregdores urbnos e 44% de empregdos urbnos. Por outro ldo, no que se refere à distribuição d brngênci territoril por tipo de sindicto urbno, pode-se destcr o seguinte: no cso dos sindictos de empregdores urbnos, 46% são de bse estdul, 24% de bse municipl e 26% de bse intermunicipl; qunto os sindictos de empregdos urbnos, 24% de seus sindictos são de brngênci estdul, 41% de brngênci municipl e 34% de brngênci intermunicipl. Qunto os sindictos ruris, su bse é predominntemente municipl: no cso dos sindictos de empregdores ruris, 80% de seus sindictos são de brngênci municipl e 19% de brngênci intermunicipl; qunto os sindictos de empregdos ruris, 89% de seus sindictos são de brngênci municipl e 11% de brngênci intermunicipl. Tbel 2 - Sindictos, segundo o tipo de sindicto, Grndes Regiões e brngênci d bse territoril - Brsil /2001 Tipo de sindicto, Grndes Regiões e brngênci d bse territoril Sindictos (%) Tipo de sindicto Urbnos Empregdores Empregdos Trblhdores utônomos Agentes utônomos Profissionis liberis Trblhdores vulsos Ruris Empregdores Trblhdores Grndes Regiões Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Abrngênci d bse territoril Ncionl Estdul Municipl Interestdul Intermunicipl Fonte: IBGE, Diretori de Pesquiss, Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis, Pesquis Sindicl 1988/2001.

23 Análise dos resultdos IBGE 23 Tbel 3 - Índice e tx médi nul de crescimento dos sindictos, segundo o tipo de sindicto, Grndes Regiões e brngênci d bse territoril Brsil /2001 Tipo de sindicto, Grndes Regiões e brngênci d bse territoril Índice de crescimento Sindictos Tx médi nul de crescimento (%) / /2001 Tipo de sindicto 1,00 1,08 1,10 1,17 1,23 1,75 5,3 4,0 Urbnos 1,00 1,14 1,21 1,33 1,43 2,19 9,3 4,9 Empregdores 1,00 1,05 1,07 1,16 1,20 1,88 4,6 5,2 Empregdos (1) 1,00 1,22 1,32 1,39 1,51 2,38 10,8 5,2 Trblhdores utônomos 1,00 0,98 1,16 1,28 1,73 7,31 14,6 17,4 Agentes utônomos 1,00 1,05 1,07 1,11 1,17 0,23 3,9 (-) 16,3 Profissionis liberis 1,00 1,05 1,07 1,10 1,11 1,41 2,6 2,7 Trblhdores vulsos (2) ,00 1,18 1,28-0,9 Ruris 1,00 1,01 1,00 1,00 1,02 1,29 0,4 2,7 Empregdores 1,00 0,97 0,93 0,92 0,91 1,07 (-) 2,4 1,8 Trblhdores 1,00 1,04 1,04 1,06 1,08 1,42 2,0 3,1 Grndes Regiões 1,00 1,08 1,10 1,17 1,23 1,75 5,3 4,0 Norte 1,00 1,20 1,27 1,39 1,53 2,74 11,2 6,7 Nordeste 1,00 1,05 1,05 1,09 1,13 1,60 3,1 4,0 Sudeste 1,00 1,07 1,11 1,16 1,21 1,66 4,9 3,6 Sul 1,00 1,09 1,13 1,24 1,29 1,72 6,6 3,3 Centro-Oeste 1,00 1,08 1,08 1,18 1,26 2,15 5,9 6,2 Abrngênci d bse territoril 1,00 1,08 1,10 1,17 1,23 1,75 5,3 4,0 Ncionl 1,00 1,07 1,10 1,17 1,22 2,51 5,1 8,4 Estdul 1,00 1,12 1,15 1,30 1,38 2,56 8,3 7,2 Municipl 1,00 1,04 1,05 1,07 1,08 1,51 2,0 3,8 Interestdul 1,00 1,10 1,12 1,13 1,28 1,72 6,4 3,3 Intermunicipl 1,00 1,15 1,21 1,37 1,53 1,90 11,2 2,5 Fonte: IBGE, Diretori de Pesquiss, Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis, Pesquis Sindicl 1988/2001. (1) Inclui os sindictos de trblhdores vulsos nos nos de 1988, 1989 e (2) As informções reltivs os sindictos de trblhdores vulsos somente estão disponíveis prtir d Pesquis Sindicl As Tbels 4, 5 e 6 nos permitem exminr que grupos profissionis (Tbels 4 e 5) e grndes grupos econômicos 1 (Tbel 6) form responsáveis pelo crescimento do número de sindictos, entre 1992 e Resslt-se que o créscimo de sindictos de trblhdores responde por 78% do umento do número totl de sindictos, tendo crescido 49%, entre 1992 e 2001, o que corresponde um tx médi de cerc de 4,5%, o no. No que se refere os grupos profissionis - que gregm conjuntos de ctegoris de trblhdores -, pode-se observr que: ) As ctegoris de "servidores públicos" (inclusive "trblhdores d rede públic de ensino") e o grupo de "trblhdores n gricultur" são responsáveis por 58% do créscimo do número de sindictos de trblhdores. No cso de "servidores públicos" - que incluem, lém ds ctegoris gregds no grupo de servidores públicos proprimente ditos, s ctegoris de trblhdores d rede públic de ensino -, su tx médi nul de crescimento 1 As ctegoris são bse de representção dos sindictos de trblhdores (ctegoris profissionis) ou ptronis (ctegoris econômics), constituindo-se em um grupo de profissões (no cso de sindictos de trblhdores) ou em um grupo de tividdes econômics (no cso de sindictos ptronis) que, pr fins de orgnizção de sindictos, são previmente definids n Consolidção ds Leis do Trblho - CLT. As gregções de ctegoris profissionis ou econômics são denominds, respectivmente, grupos profissionis ou grupos econômicos e, gregção destes grupos, grndes grupos profissionis ou grndes grupos econômicos. Ver no Anexo dest publicção s clssificções de ctegoris profissionis e econômics.

24 Sindictos 24 IBGE Indicdores sociis 2001 foi de 12,1%, tendo su prticipção no totl de sindictos de trblhdores pssdo de 9%, em 1992, pr 17%, em Este elevdo crescimento do número de sindictos de servidores públicos - que conferiu o conjunto ds ctegoris de servidores públicos segund mior posição em termos de número de sindictos - deve-se: em primeiro lugr, o direito de livre ssocição sindicl, grntido pel Constituição de 1988, e o desdobrmento de municípios. Qunto às ctegoris gregds no grupo de "trblhdores n gricultur", su tx médi de crescimento foi bem mis modest: 3,1%, o no. E, embor su prticipção no totl de sindictos tenh cído de 39%, em 1992, pr 34%, em 2001, este grupo continu deter o mior número de sindictos de trblhdores. b) Anlisndo-se os serviços privdos, é possível observr que: os sindictos que representm s ctegoris de trblhdores grupds em "trnsportes rodoviários" explicm 12% do créscimo do número totl de sindictos de trblhdores. O elevdo crescimento deste grupo de sindictos deve-se principlmente o processo de difusão de trnsportes lterntivos os trdicionis, observdo n décd de que, de um ldo, crretou o desdobrmento de ctegoris já existentes (condutores utônomos de veículos rodoviários) e o surgimento de novs ctegoris profissionis (condutores de veículos rodoviários de dus ou três rods) e, por outro, está estreitmente ssocido o crescimento dos sindictos de trblhdores utônomos e o processo de terceirizção; os grupos mis heterogêneos, "empregdos em turismo e hospitlidde" e "empregdos de gentes utônomos do comércio", form responsáveis, em conjunto, por 9% do créscimo do número de sindictos de trblhdores. No que se refere "empregdos em turismo e hospitlidde", seu número de sindictos cresceu um tx médi nul de 5,7%, entre 1992 e 2001, e su prticipção no totl de sindictos de trblhdores ficou em torno de 5%; qunto "empregdos de gentes utônomos do comércio", su tx médi de crescimento foi de 7,3% o no, e su prticipção no totl lcnçou cerc de 2%. Embor nturez heterogêne ds ctegoris que compõem estes grupos dificulte nálise de seu comportmento, pode-se pontr o seguinte: prcel do seu crescimento deveu-se o processo de terceirizção ds tividdes meio e de poio, observdo o longo d décd de Neste cso, incluem-se os sindictos de "empregdos em empress de processmento de ddos", "de segurnç e vigilânci", "de serviços contábeis" e "de trblhdores em empress de trblho temporário" - pr o grupo de "empregdos de gentes utônomos do comércio" - e "empregdos em empress de sseio e conservção" - pr o grupo de "empregdos em turismo e hospitlidde". Por outro ldo, expnsão d rede hospitlr, de clínics e lbortórios vem se trduzindo no crescimento de sindictos de "empregdos em estbelecimentos e serviços de súde" ("empregdos em hospitis, css de súde, lbortórios de pesquis e nálises clínics, uxilires técnicos de serviços prmédicos, tendentes e uxilires de serviços médicos, empregdos em coopertivs de serviços médicos" etc); expnsão d rede privd de ensino, lid o desdobrmento de municípios, explic porque o número de sindictos ds ctegoris de "trblhdores em estbelecimentos de ensino d rede privd" cresceu um tx médi nul de 6,3%, tendo sido responsável por um créscimo de 1% no totl de sindictos de trblhdores;

25 Análise dos resultdos IBGE 25 Tbel 4 - Sindictos de trblhdores, totl, vrição, bsolut e reltiv e índice e tx médi nul de crescimento, segundo os grndes grupos e grupos profissionis Brsil /2001 Sindictos de trblhdores Grndes grupos e grupos profissionis 1992 (A) 2001 (B) Absolut Vrição (C) = (B)-(A) Reltiv (%) Índice de crescimento 1992/2001 Tx médi nul de crescimento (%) Totl ,49 4,5 Trblhdores n indústri ,14 1,5 De limentção ,16 1,6 Do vestuário ,34 3,3 D construção e do mobiliário ,15 1,6 Urbns ,19 2,0 Extrtivs ,11 1,1 De fição e tecelgem (-) 6 0 0,95 (-) 0,5 De rteftos de couro (-) 2 0 0,94 (-) 0,7 De rteftos de borrch ,75 6,4 De jolheri e lpidção de pedrs precioss ,00 0,0 Químic e frmcêutic ,22 2,2 Do ppel, ppelão e cortiç ,18 1,8 Gráfics ,03 0,3 De vidros, cristis, espelhos, cerâmic de louç e porceln ,13 1,3 Metlúrgic, mecânic e de mteril elétrico ,11 1,2 De instrumentos musicis e de brinquedos 4 2 (-) 2 0 0,50 (-) 7,4 Cinemtográfic ,00 16,7 De beneficimento 3 1 (-) 2 0 0,33 (-)11,5 Artesnto em gerl ,00 8,0 Trblhdores no comércio ,56 5,1 Atcdist (-) 26 (-) 1 0,66 (-) 4,5 Empregdos de gentes utônomos do comércio ,89 7,3 Armzendor ,40 3,8 Empregdos em turismo e hospitlidde ,65 5,7 Vrejist ,65 5,7 Em serviços de segurnç do trblho ,00 8,0 Trblhdores em trnsportes mrítimos, fluviis e éreos ,09 1,0 Mrítimos e fluviis ,04 0,4 Aéreos ,00 0,0 Estivdores ,00 0,0 Portuários ,11 1,1 Trblhdores em empress de pesc ,57 5,2 Trblhdores em trnsportes terrestres ,98 12,9 Ferroviários ,00 0,0 Rodoviários ,22 13,9 Metroviários ,75 6,4 Trblhdores em comunicções e publicidde ,02 0,2 Empress de comunicções ,12 1,2 Empress de publicidde (-) 9 0 0,83 (-) 2,1 Empress jornlístics ,19 2,0 Trblhdores em empress de crédito ,11 1,2 Estbelecimentos bncários ,07 0,8 Outros estbelecimentos ,43 4,0 Trblhdores em estbelecimentos de educção e cultur ,64 5,7 De ensino d rede privd ,73 6,3 Em empress de difusão culturl e rtístic ,43 4,0 De cultur físic ,00 13,0 Hípicos ,20 2,0 Profissionis liberis ,29 2,8 Trblhdores n gricultur ,31 3,1 Servidores públicos ,81 12,1 Servidores públicos (1) ,92 12,7 Em estbelecimentos de ensino d rede públic ,18 9,1 Outrs ctegoris profissionis ,90 12,6 Ctegoris não constntes d clssificção ou sem declrção (2) Fonte: IBGE, Diretori de Pesquiss, Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis, Pesquis Sindicl 1992/2001. (1) Exclui s seguintes ctegoris: professores d rede públic (federl, estdul e municipl), uxilires de dministrção e empregdos em estbelecimentos de ensino d rede públic. (2) Inclui os grupos de sindictos que declrrm ctegori profissionl não constnte d Consolidção ds Leis do Trblho - CLT - e que todos os sindictos pertencentes cd grupo não possuí registro no Ministério do Trblho e Emprego - MTE - e os sindictos que não declrrm o totl de trblhdores no cso de representrem mis de um grupo.

26 Sindictos 26 IBGE Indicdores sociis 2001 o número de sindictos ds ctegoris de trblhdores no comércio ("tcdist", "rmzendor" e "vrejist") explic 6% do créscimo no número totl de sindictos. No cso de "comércio vrejist", su tx médi de crescimento (5,7%, o no) está ssocid, principlmente, à expnsão e orgnizção em sindictos dos trblhdores utônomos; e s ctegoris gregds em "profissionis liberis" form responsáveis por 3% do créscimo do número totl de sindictos de trblhdores. c) O número de sindictos de "trblhdores n indústri" foi, dentre os três setores econômicos, o que presentou o menor ritmo de expnsão (1,5%, o no), tendo su prticipção no totl de sindictos cído de cerc de 21%, em 1992, pr 16%, em Por outro ldo, prticipção dos grupos no totl de sindictos Tbel 5 - Sindictos de trblhdores, segundo o setor econômico e grupos profissionis seleciondos - Brsil Setor econômico e grupos profissionis seleciondos Sindictos de trblhdores (%) Totl Setor primário Trblhdores n gricultur Setor secundário Trblhdores n indústri De limentção Do vestuário 8 9 D construção e do mobiliário Urbns 5 5 Extrtivs 6 6 De fição e tecelgem 8 7 Químic e frmcêutic 6 7 Do ppel, ppelão e cortiç 4 4 Metlúrgic, mecânic e de mteril elétrico Gráfics 4 4 Outros grupos (1) 5 5 Setor terciário Trblhdores no comércio tcdist e rmzendor 8 5 Trblhdores no comércio vrejist 10 9 Empregdos de gentes utônomos do comércio e em serviços de segurnç do trblho 5 5 Empregdos em turismo e hospitlidde Trblhdores em trnsporte mrítimos, fluviis e éreos 7 4 Trblhdores em trnsportes terrestres 7 12 Trblhdores em comunicções e publicidde 4 2 Trblhdores em empress de crédito 7 4 Trblhdores em estbelecimentos de educção e cultur (2) 5 5 Servidores públicos (3) Profissionis liberis 13 9 Outrs ctegoris profissionis 0 1 Ctegoris não constntes d clssificção ou sem declrção (4) 0 0 Fonte: IBGE, Diretori de Pesquiss, Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis, Pesquis Sindicl 1992/2001. (1) Inclui indústris de rteftos de couro, de rteftos de borrch, de jolheri e lpidção de pedrs precioss, de vidros, cristis, espelhos, cerâmic de louç e porceln, de instrumentos musicis e brinquedos, cinemtográfic, de beneficimento e rtesnto em gerl. (2) Exclui s seguintes ctegoris: professores d rede públic (federl, estdul e municipl), uxilires de dministrção e empregdos em estbelecimentos de ensino d rede públic. (3) Inclui s seguintes ctegoris: professores d rede públic (federl, estdul e municipl), uxilires de dministrção e empregdos em estbelecimentos de ensino d rede públic. (4) Inclui os grupos de sindictos que declrrm ctegori profissionl não constnte d Consolidção ds Leis do Trblho - CLT - e que todos os sindictos pertencentes cd grupo não possuí registro no Ministério do Trblho e Emprego - MTE - e os sindictos que não declrrm o totl de trblhdores no cso de representrem mis de um grupo.

27 Análise dos resultdos IBGE 27 dos trblhdores n indústri mnteve-se prticmente inlterd, tendo os principis grupos mntido su posição reltiv: "construção e mobiliário", 24%; "limentção", 17%; "metlúrgic, mecânic e de mteril elétrico", 13%; "vestuário", 9%; "químic e frmcêutic" e "fição e tecelgem", 7% em cd um dels; e "extrtivs", 6%. Tendo em cont os spectos cim observdos, e ddo que form s Regiões Norte e Centro-Oeste que presentrm ritmo de crescimento mis celerdo, pode-se firmr que orgnizção sindicl n indústri encontr-se devidmente consolidd e que lterções em termos de representtividde d bse sindicl no interior de cd grupo ou o surgimento de novs ctegoris não vêm se trduzindo no desmembrmento dos grupos ou ds representções sindicis de trblhdores já existentes. No que se refere à evolução do número de sindictos de empregdores por grndes grupos econômicos (Tbel 6), entre 1992 e 2001, tx médi nul de crescimento do número totl de sindictos de empregdores foi de 2,8%, o no. No que se refere su distribuição por grndes grupos econômicos, de um ldo, o grnde grupo "comércio" cresceu txs médis nuis de 4,4%, tendo su prticipção no número totl de sindictos de empregdores pssdo de 22%, em 1992, pr 26%, em 2001; qunto os grndes grupos "empress de crédito" e "estbelecimentos de educção e cultur", embor tenhm experimentdo elevds txs médis nuis de crescimento (7,3% e 8,7%, respectivmente), no período, seu peso no número totl de sindictos mnteve-se bixo (cerc de 2% em cd um destes grndes grupos). Por outro ldo, o número de sindictos d "gricultur" e "trnsportes terrestres" sofreu retrção significtiv, tendo sus prticipções no totl de sindictos pssdo, respectivmente, de 43% e 8%, em 1992, pr 39% e 4%, em Já o número de sindictos do grnde grupo "indústri" cresceu um tx médi nul de 3,1%, ficndo su prticipção em torno de 25% do número totl de sindictos de empregdores. Tbel 6 - Sindictos de empregdores, totl e percentul, vrição bsolut e índice e tx médi nul de crescimento, segundo os grndes grupos econômicos Brsil /2001 Sindictos de empregdores Grndes grupos econômicos 1992 (A) Totl 2001 (B) Vrição bsolut (B) - (A) Percentul (%) Índice de crescimento 1992/2001 Tx médi nul de crescimento (%) Totl ,29 2,8 Indústri ,32 3,1 Comércio ,47 4,4 Trnsportes mrítimos, fluviis e éreos ,69 11,6 Trnsportes terrestres (-) ,64 (-) 4,9 Empress de comunicções e publicidde ,57 11,0 Empress de crédito ,89 7,3 Estbelecimentos de educção e cultur ,13 8,7 Agricultur ,17 1,8 Outrs ctegoris econômics Ctegoris não constntes d clssificção ou sem declrção (1) Fonte: IBGE, Diretori de Pesquiss, Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis, Pesquis Sindicl 1992/2001. Not: Inclui empregdores urbnos e ruris e gentes utônomos. (1) Inclui os grupos de sindictos que declrrm ctegori econômic não constnte d Consolidção ds Leis do Trblho - CLT - e que todos os sindictos pertencentes cd grupo não possuí registro no Ministério do Trblho e Emprego - MTE - e os sindictos que não declrrm o totl de ssocidos no cso de representrem mis de um grupo.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 26 Com o pgmento d contribuição SENAR 2017, o Serviço de Aprendizgem Rurl (SENAR) obtém recursos pr desenvolver ções de Formção Profissionl Rurl FPR e de Promoção Socil PS, por

Leia mais

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007 L E I Nº 6.969, DE 9 DE MIO DE 2007 Institui o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá e dá outrs providêncis. seguinte Lei: SSEMLÉI LEGISLTIV DO ESTDO DO PRÁ

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS O coordendor dos projetos de pesquis e desenvolvimento institucionl nº 034280, 042571, 042576, torn públic bertur de inscrições pr seleção de lunos dos cursos de grdução

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente d Repúblic Luiz Inácio Lul d Silv Ministro do Plnejmento, Orçmento e Gestão Guido Mnteg INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Edurdo Pereir Nunes Diretor Executivo

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE VITÓRIA - ES

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE VITÓRIA - ES OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE VITÓRIA - ES Reltório Mensl: A Movimentção do Mercdo de Trblho Forml n Região Metropolitn de Vitóri DEZEMBRO DE 2008 Contrto de Prestção de Serviços Nº. 028/2008 DIEESE/SETADES

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR N 379/08, 415/08,

Leia mais

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO 1291 TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO Liver trnsplnttion in the out of home tretment progrm in the stte

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL PEC/COPPE/UFRJ Nº 261/2015: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente d Repúblic Luiz Inácio Lul d Silv Ministro do Plnejmento, Orçmento e Gestão Pulo Bernrdo Silv INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Edurdo Pereir Nunes Diretor-Executivo

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa Segurnç pr quem você m. Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem II

Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem II mbtrb2sem2010 Deprtmento de Enfermgem Básic Disciplin Administrção em Enfermgem II SAÚDE DO TRABALHADOR E O GERENCIAMENTO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM ENFERMAGEM 1 Objetivos GRECO, ROSANGELA MARIA. 2 Conhecer

Leia mais

Resumo Executivo. Violência contra a mulher

Resumo Executivo. Violência contra a mulher S T U L s R E K Q F zs B x f b w s X R e R y P Z K O q u A r G J M e z YLU E p z P c o Resumo Executivo iolênci contr mulher estudo revel predominânci de viés policilesco n cobertur noticios do tem Estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA TÉCNICA 12/2011 _ PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brsíli, 16 de mio de 2011. . PROGRAMA DE AVALIAÇÃO PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1. Introdução

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brasil. CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brasília DF

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brasil. CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brasília DF ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brsil CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brsíli DF Ferrments e Metodologis d OIT pr Promover Investimentos Públicos

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF O sistem de cots no Brsil: um estudo de cso n Universidde Estdul do Norte Fluminense -UENF Ludmil Gonçlves d Mtt Doutor em Sociologi Polític Professor do Mestrdo em Plnejmento Regionl e Gestão de Ciddes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo d líquot efetiv FLORIANÓPOLIS 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Fundação Norte Fluminense de Desenvolvimento Regional FUNDENOR RELATÓRIO DE ATIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANÇO GERAL 2013

Fundação Norte Fluminense de Desenvolvimento Regional FUNDENOR RELATÓRIO DE ATIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANÇO GERAL 2013 1 2 01 3 2 Fundção Norte Fluminense de Desenvolvimento Regionl FUNDENOR RELATÓRIO DE ATIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS BALANÇO GERAL 2013 Avenid Presidente Vrgs, 180 - Pecuári CNPJ: 28.976.710/0001-70 I.

Leia mais

Serviço de Gestão de Acervos Arquivísticos Permanentes (DGCON/SEGAP)

Serviço de Gestão de Acervos Arquivísticos Permanentes (DGCON/SEGAP) TRIBUNAL DE APELAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Unidde Orgnizcionl: 28/05/2007 22/02/2008 Fevereiro/ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Reltório d Pesquis d Tribunl de Justiç do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Cartilha Explicativa

Cartilha Explicativa Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno e flexível. O Fmíli Previdênci

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 018/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 A FACULDADE DE TECNOLOGIA MACHADO DE ASSIS FAMA, trvés d Comissão do Processo Seletivo COPS, comunic os interessdos bertur ds inscrições o PROCESSO SELETIVO pr ingresso nos

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052 O VERMELHO E O NEGRO: RAÇA E GÊNERO NA UNIVERSIDADE BRASILEIRA UMA ANÁLISE DA SELETIVIDADE DAS CARREIRAS A PARTIR DOS CENSOS DEMOGRÁFICOS DE 1960 A 2000 Kizô Iwkmi Beltrão

Leia mais