L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007"

Transcrição

1 L E I Nº 6.969, DE 9 DE MIO DE 2007 Institui o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá e dá outrs providêncis. seguinte Lei: SSEMLÉI LEGISLTIV DO ESTDO DO PRÁ esttui e eu snciono TÍTULO I DO PLNO DE RREIRS, RGOS E REMUNERÇÃO PÍTULO I DS DISPOSIÇÕES PRELIMINRES rt. 1º Fic instituído o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá, composto dos crgos efetivos, crgos comissiondos, de livre nomeção e exonerção, e funções grtificds. rt. 2º O presente Plno de rreirs, rgos e Remunerção - PR, tem s seguintes finliddes primordiis: I - estbelecimento de um sistem permnente de desenvolvimento funcionl do servidor, vinculdo os objetivos institucionis, obedecidos os critérios de iguldde de oportuniddes, do mérito e d qulificção profissionl; e II - grnti d eficiênci dos serviços prestdos pelo Poder Judiciário à sociedde. PÍTULO II DOS PRINÍPIOS E DIRETRIZES rt. 3º Os princípios e diretrizes que norteim este Plno de rreirs, rgos e Remunerção são: I - universlidde - integrm o Plno os servidores efetivos que prticipm do processo de trblho desenvolvido pelo Poder Judiciário do Estdo do Prá, incluindo os servidores estáveis que se dequrm no przo previsto no rt. 50 dest Lei (NR). II - eqüidde - fic ssegurdo os servidores que integrm este Plno, trtmento igulitário pr os ocupntes de crgos com tribuições e requisitos iguis; III - prticipção n gestão - pr implntção deste Plno às necessiddes do Poder Judiciário, deverá ser observdo o princípio d prticipção bilterl entre os servidores e o órgão gestor deste Plno, Secretri de dministrção do Tribunl de Justiç; IV - concurso público - é form de ingresso nos crgos efetivos do Poder Judiciário do Estdo do Prá; V - publicidde e trnsprênci - todos os ftos e tos dministrtivos referentes este PR serão públicos, grntindo totl e permnente trnsprênci. 1º Os servidores estáveis, ssim definidos nos termos d rt onstitucionl de 1988, que form enqudrdos nos termos d Lei Estdul nº 6.850/2006, integrm o plno ns mesms clsses e referêncis em que se encontrm. 2º Os servidores referidos no prágrfo nterior, só terão direito progressão funcionl, nos termos dest Lei, pós relizção de concurso público de que trt o rt. 19 do to ds Disposições onstitucionis Trnsitóris, slvo ctegori de oficiis de justiç estáveis que se dequrm o Plno em tempo hábil, em rzão de terem s sus tribuições funcionis regulds pelo rt. 143 do ódigo de Processo ivil, tundo como vlidores. (NR) * O inciso I e o 2º do rt. 3º do rtigo 3º tiverm redção lterd pel Lei nº 7.698, de 7 de jneiro de * redção nterior continh o seguinte teor: rt. 3º.... I - universlidde - integrm o Plno, os servidores efetivos que prticipm do processo de trblho desenvolvido pelo Poder Judiciário do Estdo do Prá;... 2º Os servidores referidos no prágrfo nterior, só terão direito progressão funcionl nos termos dest Lei, pós relizção de concurso público de que trt o rt. 19 do to ds Disposições onstitucionis Trnsitóris.

2 2 TÍTULO II D ESTRUTUR E ORGNIZÇÃO DO PLNO PÍTULO I D ONEITUÇÃO ÁSI rt. 4º Pr os efeitos dest Lei, considerm-se fundmentis os seguintes conceitos: I - plno de crreir: conjunto de princípios, diretrizes e norms que regulm os qudros de crreirs, form de ingresso, promoção e o desenvolvimento profissionl dos servidores; II - qudro de pessol: conjunto de crgos de provimento efetivo, em comissão e de funções grtificds; III - pessol efetivo: servidores públicos cuj investidur no respectivo crgo se deu medinte concurso público de provs ou de provs e títulos; IV - crgo de provimento efetivo: unidde de ocupção funcionl, crido por lei, com número certo e denominção própri, definido por um conjunto de tribuições e responsbiliddes cometids um servidor, medinte retribuição pecuniári pdronizd; V - crgo de provimento em comissão: conjunto de tividdes e responsbiliddes de direção superior e intermediári, definids com bse n estrutur orgnizcionl do Poder Judiciário do Estdo do Prá, e de ssessormento superior e intermediário, de livre nomeção e exonerção; VI - função grtificd: conjunto de tividdes e responsbiliddes de chefi intermediári, definids com bse n estrutur orgnizcionl do Poder Judiciário do Estdo do Prá, de livre designção e destituição, conferids servidor estável ou ocupnte de crgo de provimento efetivo deste Poder; VII - progressão funcionl: deslocmento funcionl de servidor, entre clsses e referêncis, por promoção no mesmo crgo; VIII - clsse: corresponde à fix de referêncis slriis existentes em quisquer dos crgos ds crreirs, determinnte d progressão funcionl verticl; IX - referênci: grdução scendente, existente em cd clsse, determinnte d progressão funcionl horizontl; X - interstício vlitório: período durnte o qul o servidor é compnhdo e vlido pr verificção do desempenho; XI - vencimento: é retribuição pecuniári mensl devid o servidor público pelo efetivo exercício de crgo, correspondente à clsse e à referênci do respectivo crgo de crreir n conformidde d tbel slril; XII - remunerção: é o vencimento do crgo, crescido ds vntgens pecuniáris prevists em lei; XIII - tbel de remunerção: conjunto de vlores que compõem o vencimento d clsse e referênci dos crgos definidos nest Lei; XIV - enqudrmento: locção do servidor em crgo correlto deste Plno, observdos, dentre outros, os requisitos de escolridde estbelecidos pr provimento; PÍTULO II DO QUDRO DE PESSOL rt. 5º O Plno de rreirs or instituído será composto pelos seguintes qudros: I - qudro de crgos de provimento efetivo; II - qudro de crgos de provimento em comissão; III - qudro de funções grtificds. Prágrfo único. Os qudros referidos nos itens I, II e III serão trtdos em cpítulos específicos definidos n presente Lei; PÍTULO III D ESTRUTUR DS RREIRS rt. 6º Os crgos previstos neste PR, com competênci pr tur ns áres de plnejmento, dministrção, controle, ssistênci, prevenção e proteção no Poder Judiciário, integrm o Qudro de rgos de Provimento Efetivo e pertencem às seguintes rreirs: I - crreir opercionl: compost por crgos pr cujo provimento é exigid escolridde de nível fundmentl; II - crreir uxilir: compost por crgos pr cujo provimento é exigid

3 3 escolridde de nível médio ou equivlente; e III - crreir técnic: compost por crgos pr cujo provimento é exigido curso de grdução de nível superior. Prágrfo único. s rreirs referids no cput deste rtigo serão composts por tividdes finlístics e de suporte. rt. 7º s tividdes Finlístics são inerentes os crgos com tribuições voltds pr relizção dos serviços judiciários prestdos à populção, em todos os níveis de complexidde, tendo como finlidde o cumprimento d missão do Poder Judiciário, brngendo, dentre outrs: o processmento de feitos; execução de mnddos; nálise e pesquis de legislção, doutrin e jurisprudênci; bem como preceres jurídicos e outrs tividdes de poio n áre judiciári. rt. 8º s tividdes de são inerentes os crgos com tribuições voltds pr relizção dos serviços que vibilizm concretizção ds ções d áre-fim do Poder Judiciário, em todos os níveis de complexidde, brngendo àquels que exigem o domínio de hbiliddes específics; gestão de pessos; logístic; licitções, contrtos e convênios; orçmento, finnçs e contbilidde; comunicção socil; mnutenção e infr-estrutur; controle interno e uditori; trnsporte oficil e segurnç; bem como, preceres jurídicos e outrs tividdes de poio dministrtivo e opercionl. rt. 9º Os crgos que integrm s rreirs referids neste pitulo, estão estruturdos de cordo com o nexo I, dest Lei. Prágrfo único. lotção dos crgos de provimento efetivo será fixd por to do chefe do Poder Judiciário. rt. 10. berá à áre de gestão de pessos vlir periodicmente dequção do qudro de crgos às necessiddes institucionis, propondo, se for o cso, seu redimensionmento, com bse ns seguintes vriáveis, dentre outrs: I - necessiddes institucionis; II - proporção entre os quntittivos d forç de trblho do Plno de rreirs e usuários; III - inovções tecnológics; e IV - modernizção dos processos de trblho no âmbito d Instituição. PÍTULO IV DOS RGOS DE PROVIMENTO EM OMISSÃO E DS FUNÇÕES GRTIFIDS rt. 11. Os crgos de provimento em comissão e s funções grtificds são de livre nomeção/designção e exonerção/dispens do hefe do Poder Judiciário, constituindo s clsses omissiondo Judiciário Superior, Pdrão JS, e omissiondo Judiciário Intermediário, Pdrão JI, e Funções Grtificds, Pdrão FG, nos termos d Lei 6.850/06, que dispõe sobre estrutur orgno-funcionl dministrtiv do Poder Judiciário do Estdo do Prá. 1º Pr preenchimento dos crgos em comissão serão reservds 50% (cinqüent pontos percentuis) do totl ds vgs existentes, s quis serão destinds os servidores ocupntes de crgos de provimento efetivo. 2º Os crgos d clsse omissiondo Judiciário Superior, Pdrão JS, serão providos, únic e exclusivmente, por portdores de grdução de nível superior, que presentrem ntes de su nomeção, o respectivo diplom comptível com função que será exercid. rt. 12. Os crgos de provimento em comissão e s funções grtificds que se refere o rtigo nterior são os constntes d Lei nº 6.850/06 e legislção posterior pertinente. rt. 13. Pss integrr o Qudro de Funções Grtificds de que trt Lei nº 6.850/06, função de Diretor de Secretri, FG-2 (NR). Prágrfo único. função grtificd de Diretor de Secretri será exercid privtivmente por ocupnte do crgo de nlist Judiciário, d crreir Técnic, d tividde Finlistic, com formção de bchrel em Direito, do qudro de servidores efetivos, lotdo n omrc e indicdo pelo Juiz d Vr, resslvdo o direito à percepção d referid grtificção os ocupntes do crgo em extinção de Diretor de Secretri. (NR) * O cput deste rtigo 13 teve redção lterd pel Lei nº 7.505, de 13 de bril de * redção nterior continh o seguinte teor: rt. 13. Pss integrr o Qudro de Funções Grtificds de que trt Lei nº 6.850/06, função de Diretor de Secretri, FG-1.

4 4 * O prágrfo único do rtigo 13 teve redção lterd pel Lei nº 7.587, de 28 de dezembro de * redção nterior continh o seguinte teor: Prágrfo único. Função Grtificd de Diretor de Secretri será exercid privtivmente por ocupnte do crgo de nlist Judiciário, d rreir Técnic, d tividde Finlístic, com formção de chrel em Direito, do qudro de servidores efetivos, lotdo n omrc e indicdo pelo Juiz d Vr. * eficáci do disposto no rtigo 13 foi em prte prejudicd em fce do disposto n Lei nº 7.685, de 18 de dezembro de PÍTULO V DO INGRESSO E DO ESTÁGIO PROTÓRIO rt. 14. investidur em crgo de provimento efetivo dr-se-á medinte provção em concurso público de provs ou de provs e títulos, n referênci e clsse iniciis do crgo que concorreu, observd escolridde e o preenchimento dos demis requisitos exigidos pr ingresso. Prágrfo único. Os requisitos pr ingresso nos crgos que se refere o cput deste rtigo constm do nexo IV, dest Lei, referente às especificções dos crgos. rt.. O servidor nomedo pr crgo de provimento efetivo ficrá sujeito estágio probtório, em conformidde com s regrs geris estbelecids em lei. PÍTULO VI DO DESENVOLVIMENTO N RREIR rt. 16. elborção do Plno de Desenvolvimento n rreir observrá o: I - plno de mets institucionis; II - plno de mets ds Uniddes/Setores; III - plno de mets ds equipes. rt. 17. O Desenvolvimento n rreir é form de evolução n rreir, rgo, lsses e Referêncis Slriis, trvés de mecnismos de progressão, prtir do efetivo exercício no crgo, levndo-se em considerção o tempo desse exercício, qulificção e o mérito profissionl, conforme critérios estbelecidos em regulmento próprio. SEÇÃO I D PROGRESSÃO FUNIONL rt. 18. progressão do servidor nos crgos ds rreirs vis incentivr melhori de seu desempenho o executr s tribuições do crgo, mobilidde dos servidores n respectiv crreir e decorrente melhori slril n clsse e referênci que pertence, obedecerá um escl de pontos e fr-se-á d seguinte form: I - Horizontl: consiste no progresso do servidor, pós vlição, à referênci imeditmente superior àquel que pertencer, dentro d mesm clsse, respeitdo o interstício de dois nos de efetivo exercício n referênci em que se encontrr; II - Verticl: consiste no progresso do servidor locdo n últim referênci de um clsse pr outr, dentro do mesmo crgo, pós vlição de desempenho, observdo o interstício vlitório de três nos. 1º progressão horizontl vlorizrá experiênci e qulificção profissionis, devendo, pr su efetivção, o servidor tingir pontução mínim de 80 pontos, pr vnçr à referênci imeditmente superior àquel qul pertence, observndo, dentre outros, os seguintes itens: ) experiênci - com vlorção d prticipção em grupos e comissões especiis de trblho, desempenho de funções grtificds e tempo de serviço; b) qulificção - com vlorção de cursos de tulizção e perfeiçomento de no mínimo 60 e 120 hors, respectivmente. (NR) * líne b do 1º do rtigo 18 teve redção lterd pel Lei nº 7.258, de 8 de bril de * redção nterior continh o seguinte teor: rt º... b) qulificção - com vlorção de cursos de tulizção e perfeiçomento de no mínimo 60, 80, 100 e 120 hors.

5 5 2º progressão verticl será respldd no mérito profissionl do servidor, devendo, pr su efetivção, o servidor tingir pontução mínim de 90 pontos, pr vnçr à referênci inicil d clsse imeditmente superior àquel qul pertence, observndo, dentre outros, os seguintes itens: ) prticipção em grupos e comissões; b) desempenho de crgos comissiondos; c) desempenho orgnizcionl: trblho em equipe, orientção pr resultdos e comunicção forml; d) desempenho funcionl: dedicção o trblho, produtividde e qulidde do trblho; e) desempenho individul: cumprimento ds mets definids no Plno de Trblho Individul dndo ênfse à motivção, critividde, pontulidde, cumprimento de przos, relcionmento interpessol, responsbilidde e uso dequdo de equipmentos. 3º s progressões horizontl e verticl ocorrerão pós vlição do servidor, lcnçd pontução referid nos prágrfos nteriores. 4º O servidor, poderá, excepcionlmente, ser promovido por tempo de serviço, vnçndo um referênci, té últim d clsse em que se encontrr, qundo no espço mínimo de três nos, não obtiver nenhum ds progressões de que trt o cput deste rtigo. 5º s tividdes de qulificção profissionl poderão ser promovids pelo próprio órgão ou por outr instituição, inclusive, entidde sindicl, estes, desde que previmente utorizds pelo Deprtmento de Gestão de Pessos. rt. 19. Será considerdo, pr fins de progressão, pens o tempo de serviço prestdo efetivmente pelo servidor o Poder Judiciário do Estdo do Prá. 1º É considerdo de efetivo exercício, pr fins de progressão funcionl, o tempo em que o servidor estiver fstdo do crgo em csos de: ) licençs remunerds; b) licençs concedids pr o exercício de mndto eletivo ou de direção de entidde clssist, limitdo dois mndtos; c) exercício de crgo comissiondo ou de função grtificd. 2º O interstício vlitório será interrompido nos csos em que o servidor estiver fstdo por: ) licenç sem vencimentos; b) flts não bonds; c) suspensão disciplinr; d) prisão dministrtiv ou decorrente de decisão judicil. SEÇÃO II D VLIÇÃO DE DESEMPENHO rt. 20. s norms necessáris à efetivção d vlição Periódic de Desempenho necessári à concessão ds progressões horizontl e verticl dos servidores, reger-se-á por Resolução do Tribunl Pleno que instituir o Sistem de vlição Periódic do Tribunl de Justiç, e serão estbelecids no przo de cento e vinte dis contr do início d vigênci dest Lei. 1º periodicidde d vlição Periódic de Desempenho é de doze meses pr tods s áres de tividdes, devendo purção e homologção ocorrer té o terceiro mês do no nterior o de su efetivção. 2º s Progressões horizontl e verticl, decorrentes de vlição Periódic de Desempenho, surtirão efeitos prtir do exercício subseqüente o d respectiv vlição. rt. 21. unidde dministrtiv responsável pel vlição de desempenho dos profissionis ds crreirs definids neste Plno deverá: I - compnhr e supervisionr o processo; II - nlisr e instruir os recursos interpostos. rt. 22. Pr implntção do processo de vlição de desempenho serão observdos: I - definição metodológic dos indicdores de vlição; II - definição de mets dos serviços e ds equipes; III - doção de modelos e instrumentos que tendm à nturez ds tividdes, ssegurdos os seguintes princípios: ) legitimidde e trnsprênci do processo de vlição; b) periodicidde;

6 6 c) contribuição do servidor pr consecução dos objetivos do órgão ou serviço; d) dequção os conteúdos dos crgos e às condições reis de trblho, de form que cso hj condições precáris ou dverss, não prejudiquem vlição; e) conhecimento do servidor sobre tods s etps d vlição e do seu resultdo finl; f) direito de mnifestção às instâncis recursis. rt. 23. N vlição de desempenho, lém dos critérios já menciondos, deverão ser contempldos outros, cpzes de vlir qulidde dos processos de trblho contínuo, permnente, crítico, prticiptivo, ns áres judiciári e de suporte, brngendo de form integrd o servidor, com su prticipção no processo de prestção de serviços à populção do Estdo. SEÇÃO III DO PROGRM DE QULIFIÇÃO PROFISSIONL rt. 24. berá o Deprtmento de Gestão de Pessos, elborr e propor relizção, diret ou indiret, de Progrms de Qulificção Profissionl pr os servidores do órgão, que tem como objetivos: I - conscientizr os servidores pr relevânci do seu ppel, enqunto gente n construção de um sociedde mis just; II - preprr o profissionl do judiciário pr desenvolver-se n crreir, objetivndo seu engjmento no plno de desenvolvimento orgnizcionl do Poder Judiciário; III - cpcitr o profissionl pr um desempenho qulificdo de sus tribuições e pr prestção de serviços de qulidde à coletividde. rt. 25. qulificção funcionl dos servidores deverá resultr de progrm regulres de cursos de treinmento e perfeiçomento, orgnizdos e implementdos pelo Tribunl de Justiç, objetivndo: I - o primormento do desempenho ds tividdes funcionis; II - estbelecer possibilidde de progressão funcionl; III - formção inicil de servidores, com preprção pr o exercício ds tribuições dos crgos iniciis ds crreirs, propicindo conhecimentos, métodos, técnics e hbiliddes dequds; IV - nos cursos regulres de perfeiçomento, hbilitção do servidor pr o desempenho eficiente ds tribuições inerentes à referênci imeditmente superior; V - nos cursos de nturez gerencil, preprção do servidor pr o exercício de funções de direção e coordenção. PÍTULO VII D ESTRUTUR SLRIL E REMUNERÇÃO D RREIR rt. 26. estrutur de remunerção ds rreirs do Poder Judiciário, de que trt o rtigo 6º dest Lei, compreende: ) três clsses pr cd crgo integrnte ds rreirs, identificds pels letrs, e ; b) quinze referêncis, identificds por lgrismos rábicos, distribuíds em 5 (cinco) referêncis por clsse de cd crgo ds rreirs. SEÇÃO ÚNI DO VENIMENTO E VNTGENS rt. 27. Os vlores dos vencimentos dos servidores ocupntes dos crgos que integrm s rreirs Opercionl, uxilir e Técnic, são os constntes do nexo II dest Lei. rt. 28. lém do vencimento e de outrs vntgens prevists em Lei, o servidor do Poder Judiciário poderá ind perceber: I - dicionl de Titulção, concedid o servidor com grdução de nível superior, observd relção diret com o crgo que ocup, em percentul clculdo sobre o vencimentobse do referido crgo, nos seguintes percentuis: ) especilizção - % (quinze por cento); b) mestrdo - 20% (vinte por cento) e, c) doutordo - 25% (vinte e cinco por cento). II - grtificção de Risco de Vid à bse de 70% (setent por cento) do vencimento-

7 7 bse, devid exclusivmente pr os servidores no exercício ds tividdes de Oficil de Justiç, Oficil de Justiç vlidor e uxilir de Segurnç. (NR) * O inciso II do rtigo 28 teve inicilmente redção lterd pel Lei nº 7.321, de 23 de outubro de * redção originári continh o seguinte teor: rt II - Grtificção de Risco de Vid à bse de 20% (vinte por cento) do vencimento-bse, devid exclusivmente pr os servidores no exercício ds tividdes de Oficil de Justiç vlidor. * O inciso III do rtigo 28 teve redção posteriormente lterd pel Lei nº 7.587, de 28 de dezembro de * redção nterior continh o seguinte teor: rt II grtificção de Risco de Vid à bse de 50% (cinqüent por cento) do vencimento-bse, devid exclusivmente pr os servidores no exercício ds tividdes de Oficil de Justiç, Oficil de Justiç vlidor e uxilir de Segurnç. (NR) III - Grtificção de tividde Extern devid exclusivmente os Oficiis de Justiç e Oficiis de Justiç vlidor, fim de indenizr s despess de locomoção no cumprimento de diligêncis, cujo vlor será definido por to do Tribunl Pleno, rejustável n dt bse e observd vrição do IGP-M -Índice Gerl de Preços de Mercdo, d Fundção Getúlio Vrgs ou de outro índice de tulizção monetári estbelecido nulmente n Lei de Diretrizes Orçmentáris, pr gstos com combustível. (NR) * O inciso III do rtigo 28 teve inicilmente redção lterd pel Lei nº 7.505, de 13 de bril de * redção originári continh o seguinte teor: rt III - Grtificção de uxílio Locomoção no vlor de R$ 300,00 (trezentos reis), devido exclusivmente os oficiis de justiç e Oficiis de Justiç vlidor, rejustável no mesmo período e percentul de mjorção d trif de trnsporte urbno d Região Metropolitn de elém. * O inciso III do rtigo 28 teve redção posteriormente lterd pel Lei nº 7.790, de 9 de jneiro de * redção nterior continh o seguinte teor: rt III - Grtificção de uxílio Locomoção no vlor de R$ 600,00 (seiscentos reis), devido exclusivmente os Oficiis de Justiç e Oficiis de Justiç vlidor, rejustável no mesmo período e percentul de mjorção d trif de trnsporte urbno d Região Metropolitn de elém. IV - Grtificção de Gbinete que poderá ser concedid os servidores que prestrem serviço ns uniddes dministrtivs vinculds à Presidênci do Tribunl, que vrirá entre 50% (cinqüent por cento) e 100% (cem por cento) do vencimento-bse tribuído o crgo. (NR) * O inciso IV deste rt. 28 foi crescido est legislção trvés d Lei nº 7.557, de 21 de setembro de Pr fins de concessão do dicionl de Titulção previsto no inciso I, os cursos de Especilizção, Mestrdo e Doutordo, serão considerdos somente qundo forem devidmente reconhecidos pelo Ministério d Educção. 2º Pr concessão do dicionl de Titulção previsto no inciso I, líne, serão considerdos os cursos com crg horári igul e/ou superior 360 hors. 3 O dicionl de Titulção será devido pelo mior título obtido pelo servidor, vedd cumultividde, em qulquer hipótese. 4 Pr fins de concessão do dicionl de Titulção, o servidor deverá presentr o respectivo título o Deprtmento de Gestão de Pessos, pr fins de nálise. 5 Os efeitos finnceiros do dicionl de Titulção vigorrão prtir do no de º O Oficil de Justiç vlidor que estiver no exercício de outr função não frá jus à grtificção que se refere o inciso II deste rtigo. 7º O percentul d Grtificção de Risco de Vid de que trt o inciso II deste

8 8 rtigo, pss integrr os vencimentos dos crgos de Oficil de Justiç vlidor e de Oficil de Justiç, pr todos os efeitos legis. (NR) * O 7º do rtigo 28 teve redção lterd pel Lei nº 7.790, de 9 de jneiro de * redção nterior continh o seguinte teor: rt º O percentul d Grtificção de Risco de Vid de que trt o inciso II deste rtigo, pss integrr os vencimentos do crgo de Oficil de Justiç vlidor, pr todos os efeitos legis. rt. 29. s indenizções, uxílios e demis vntgens ou grtificções de cráter eventul não integrm remunerção. PÍTULO VIII D RETRIUIÇÃO DOS RGOS OMISSIONDOS E FUNÇÕES GRTIFIDS rt. 30. Os vlores de remunerção dos rgos que constituem s clsses omissiondo Judiciário Superior, Pdrão JS, e omissiondo Judiciário Intermediário, Pdrão JI, e s Funções Grtificds - FG, do Poder Judiciário, são os constntes d Lei nº 6.850/06 e crid nest Lei. TÍTULO III D IMPLNTÇÃO E GESTÃO DO PLNO PÍTULO I DS DISPOSIÇÕES PRELIMINRES rt. 31. implntção do plno de que trt est Lei, fr-se-á em três etps, conforme bixo discriminds: I - enqudrmento inicil dos servidores no PR, que observrá correlção entre crgos e respectivos requisitos, devendo ser implementdo no no de 2008; II - implementção d primeir progressão horizontl, que deverá ocorrer no przo de doze meses, prtir d dt do enqudrmento inicil; III - implementção d primeir progressão verticl, no przo de vinte e qutro meses, prtir d dt de enqudrmento inicil. Prágrfo único. be o Deprtmento de Gestão de Pessos o monitormento d implntção deste Plno, nos termos dos incisos deste rtigo, pr que referido instrumento legl lcnce su eficáci e efetividde. PÍTULO II DO ENQUDRMENTO rt. 32. O enqudrmento dos servidores nos crgos ds rreirs Opercionl, uxilir e Técnic ocorrerá medinte trnsformção dos crgos tulmente ocupdos, observd correlção existente com os crgos do novo Plno, em conformidde com Tbel de orrespondênci constnte do nexo III d presente Lei, desde que se encontrem em efetivo exercício, nos termos d Lei. 1º Os servidores que não se enqudrrem no Plno instituído por est Lei integrrão Qudro Suplementr em Extinção, sendo remunerção corrigid de cordo com os rejustes geris promovidos pelo Poder Judiciário. 2º Os servidores que não desejrem ser incluídos ns rreirs instituíds por est Lei deverão, no przo de sessent dis, contdos de su publicção, mnifestr opção pel permnênci nos tuis crgos que ocupm, os quis integrrão o Qudro Suplementr em Extinção. 3º Ns hipóteses prevists nos 1º e 2º, o crgo tul deverá ser trnsformdo por ocsião de su vcânci, em crgo correspondente no novo Plno. 4º O vencimento dos servidores do Poder Judiciário, integrntes do Qudro Suplementr em Extinção, corresponderá o que vem sendo percebido n dt d publicção dest Lei. rt. 33. revisão do processo de enqudrmento poderá ser solicitd pelo servidor, no przo de trint dis, contr d publicção do to de enqudrmento no Plno, medinte solicitção à Secretri de dministrção. rt. 34. os concursdos, empossdos prtir d vigênci dest Lei, plicr-se-á o vencimento-bse d Referênci e lsse iniciis do rgo d rreir, correspondente àquele pr o

9 9 qul foi nomedo. rt. 35. O enqudrmento do servidor n rreir, rgo, lsse e Referênci do Plno instituído por est Lei dr-se-á pós prévi nálise dos seguintes itens: I - situção funcionl tul do servidor; II - correspondênci dos crgos e funções tulmente ocupdos com os crgos deste Plno; III - tendimento os requisitos exigidos pr o provimento dos crgos; IV - lotção idel de crgos, necessári o funcionmento dos serviços do Poder Judiciário; V - recursos orçmentários e finnceiros disponíveis. rt. 36. O posicionmento n clsse e referênci slril do servidor enqudrdo será vinculdo o vencimento tulmente percebido. 1º Se, em decorrênci d plicção do disposto no cput deste rtigo, o servidor for locdo em referênci de vlor inferior o que percebe tulmente, será deslocdo pr clsse e referênci de vlor igul ou imeditmente superior. 2º Se, em decorrênci d plicção no disposto no cput deste rtigo, o vencimento do servidor for superior o estbelecido n últim referênci d crreir n qul deve ser enqudrdo, receberá diferenç título de vntgem pessol, que deverá ser bsorvid em umentos futuros, pr que não se perpetue distorção. 3º O enqudrmento dos servidores no Plno de rreirs, rgos e Remunerção, objeto dest Lei, dr-se-á trvés de to do hefe do Poder Judiciário ou de utoridde delegd. PÍTULO III D GESTÃO DO PLNO rt. 37. ompete à Secretri de dministrção propor: ) modificções ou regulmentos suplementres deste Plno; b) relizção de oncurso Público; c) execução de progrms de desenvolvimento de gestão de pessos, em benefício dos servidores ocupntes dos crgos e funções do Poder Judiciário. PÍTULO IV DISPOSIÇÕES GERIS rt. 38. Em decorrênci d implementção dest Lei, nenhum servidor investido no respectivo crgo efetivo, em rzão de ter sido provdo em concurso público de provs ou de provs e títulos, sofrerá: I - redução do que leglmente perceber à dt do início d vigênci dest Lei; II - restrição o exercício do respectivo crgo efetivo, em rzão d lterção dos requisitos de nível de escolridde pr o provimento do correspondente crgo. rt. 39. Os rgos de Diretor de Secretri, uxilir de Secretri, Oficil de Justiç, Porteiro de uditório e Leiloeiro pssm ser privtivos de chrel em Direito e integrr o Qudro de rreir Técnic, ódigo: PR-PJ-T- 01, d tividde finlístic, conforme o prágrfo único do rt. 6º dest Lei. rt. 40. Os crgos de Gurd Judiciário e gente de Segurnç pssm integrr o Qudro de rreir uxilir, ódigo PR-PJ--02, d tividde de conforme o prágrfo único do rt. 6º dest Lei (NR). * O cput deste rtigo 40 teve redção lterd pel Lei nº 7.321, de 23 de outubro de * redção nterior continh o seguinte teor: rt. 40. Os crgos de Gurd Judiciário pssm integrr o Qudro de rreir uxilir, ódigo PR-PJ--02, d tividde de, conforme o prágrfo único do rt. 6º dest Lei. rt. 41. Fic extinto um crgo vgo de Porteiro de uditório, do Qudro de Pessol, do Poder Judiciário. rt. 42. o servidor integrnte d rreir Judiciári do Poder Judiciário do Estdo do Prá será permitid movimentção pr ocupção de vgs, dentro do mesmo crgo, respeitdo o interesse d dministrção, consonte os seguintes critérios: I - obrigtoriedde de concursos de remoção ser relizdo, em decorrênci de vcânci do crgo, entre os servidores d rreir do Poder Judiciário do Estdo do Prá, nterior

10 10 relizção de concurso público; II - permut, entre dois ou mis servidores d crreir judiciári do Poder Judiciário, ocupntes do mesmo crgo. rt. 43. Os crgos que compõem estrutur funcionl d Justiç Militr Estdul e o Sistem dos Juizdos Especiis íveis e riminis do Estdo do Prá, de conformidde com Lei Estdul nº 6.459/02, lterd pel Lei Estdul nº 6.869/06, pssm integrr o qudro de pessol nos termos do rt. 4º, II, dest Lei. rt. 44. O processo de enqudrmento dos servidores neste Plno será relizdo pelo Deprtmento de Gestão de Pessos, sob coordenção d Secretri de dministrção. Prágrfo único. Os csos omissos serão objeto de estudo d Secretri de dministrção e decisão do chefe do Poder Judiciário. rt. 45. s especificções dos crgos efetivos, constitui o nexo IV, dest Lei. rt. 46. O servidor não terá reduzid remunerção de seu crgo efetivo, slvo n hipótese de estr percebendo vntgem ou prcel pecuniári em descordo com Lei há menos de cinco nos. Prágrfo único. No cso de percepção de vntgem ou prcel pecuniári em descordo com Lei há mis de cinco nos, est continurá integrdo remunerção do servidor como vntgem individul ser bsorvid em umentos futuros. rt. 47. Os servidores em gozo de licenç sem vencimentos, terão su situção funcionl trtd no Plno somente no retorno às tividdes normis. rt. 48. Fic extint Grtificção de omplemento de Vencimento. rt. 49. O Tribunl Pleno bixrá os tos regulmentres necessários à execução do presente Plno, inclusive qunto os critérios de remoção dos servidores, podendo Secretri de dministrção, expedir tos e instruções necessáris à su opercionlizção. DISPOSIÇÕES TRNSITÓRIS rt. 50. os tuis Servidores concursdos, ocupntes dos crgos de Diretor de Secretri, uxilir de Secretri, Oficil de Justiç, Porteiro de uditório e Leiloeiro, é concedido o przo de dez nos, contdos prtir d dt do início d vigênci dest Lei, pr quisição com gru de educção de nível superior, em curso de grdução, findo os quis, os servidores que não dquirirem pssrão integrr Qudro Suplementr em Extinção. (NR) * O rtigo 50 teve redção lterd pel Lei nº 7.258, de 8 de bril de * redção nterior continh o seguinte teor: rt. 50. os tuis servidores concursdos, ocupntes dos crgos de Diretor de Secretri, uxilir de Secretri, Oficil de Justiç, Porteiro de uditório e Leiloeiro é concedido o przo de oito nos, contdos prtir d dt do início d vigênci dest Lei, pr quisição do gru de escolridde bixo especificdo, findo os quis, os servidores que não dquirirem pssrão integrr Qudro Suplementr em Extinção: I - Diretores de Secretri, Leiloeiro e Porteiro de uditório - chreldo em Direito; II - uxilires de Secretri - chreldo em Direito, dministrção, iêncis ontábeis e iêncis Econômics; III - Oficiis de Justiç - chreldo em Direito, dministrção, iêncis ontábeis, iêncis Econômics, Engenhri ivil, Florestl e grônom e rquitetur. rt. 51. os nlists Judiciários - uxilires de Secretri e Porteiro de uditório, e os Oficiis de Justiç vlidor, que possuírem grdução exigid no rtigo nterior, será concedido um bono por desempenho de tividde técnic, no vlor constnte no nexo V dest Lei, que será bsorvido no to do enqudrmento inicil do presente Plno de rreir. rt. 52. os servidores concursdos nos tuis crgos de Diretor de Secretri, uxilir de Secretri, Oficil de Justiç, Porteiro de uditório e Leiloeiro, que pssm integrr crreir técnic, terão implementção d grtificção de escolridde efetivd de form grdul, no percentul de 20% (vinte por cento) o no, prtir do no de Prágrfo único. O presente cronogrm poderá ser ntecipdo por to dministrtivo d Presidênci, observdo o disposto nos rtigos 17, 1º, e 20 d Lei nº 101, de LRF. DISPOSIÇÕES FINIS rt. 53. s despess decorrentes d execução dest Lei correrão à cont do

11 11 orçmento do Poder Judiciário. rt. 54. Est Lei entr em vigor n dt de su publicção. rt. 55. Ficm revogds s disposições em contrário. PLÁIO DO GOVERNO, 9 de mio de N JÚLI REP Governdor do Estdo

12 12 NEXO I QUDRO DE RGOS DE PROVIMENTO EFETIVO RREIR RGO TIVIDD E LSS E REFERÊNI TÉNI ÓDIGO: PR-PJ- T-01 NLIST JUDIIÁRIO OFIIL DE JUSTIÇ VLIDOR Finlístic e 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e UXILIR ÓDIGO: PR-PJ- -02 UXILIR JUDIIÁRIO UXILIR DE SEGURNÇ Finlístic e 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e MOTORIST 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e OPERIO NL ÓDIGO: PR-PJ- O-03 TENDENTE JUDIIÁRIO UXILIR OPERIONL 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e TELEFONIST 1, 2, 3, 4 e 5 6, 7, 8, 9 e 10 11, 12, 13, 14 e

13 13 RGO RREIR OPERIONL TENDENTE JUDIIÁRIO UXILIR OPERIONL TELEFONIST RREIR UXILIR UXILIR JUDIIÁRIO UXILIR DE SEGURNÇ MOTORIST RREIR TÉNI NLIST JUDIIÁRIO OFIIL DE JUSTIÇ VLIDOR NEXO II TEL SLRIL DE RGOS EFETIVOS LS SE , , , , , , , , , , , , , , , , , ,58 REFERÊNIS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,40 Vrição Slril: Entre referêncis: rgos ds rreirs Opercionl e uxilir - 2% ns lsses e e 5% n lsse rgos d rreir Técnic - 3% ns lsses e 5% n lsse Entre lsses - 5% * O nexo II dest Lei, Tbel Slril de rgos Efetivos, sofreu s devids correções por ocsião ds revisões geris nuis d remunerção dos servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá.

14 14 NEXO III TEL DE ORRESPONDÊNI SITUÇÃO TUL SERVIDORES OUPNTES DOS RGOS IXO DISRIMINDOS OM ESOLRIDDE DE NÍVEL FUNDMENTL: tendente Judiciário tendente Judiciário, exercendo s funções de uxilir de Serviços Geris tendente Judiciário, exercendo s funções de Telefonist SERVIDORES OUPNTES DOS RGOS IXO DISRIMINDOS OM ESOLRIDDE DE NÍVEL MÈDIO: uxilir Judiciário, exercendo função d áre fim do órgão uxilir Judiciário, exercendo tividdes d áre dministrtiv tendente Judiciário, exercendo s funções de Segurnç- Gurd Judiciário e gente de Segurnç. (NR) tendente Judiciário, exercendo tividdes de Motorist SERVIDORES OUPNTES DOS RGOS IXO DISRIMINDOS OM GRDUÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR: nlist Judiciário, exercendo função de suporte do órgão nlist Judiciário, exercendo função d áre fim do órgão uxilir de Secretri Diretor de Secretri Leiloeiro Porteiro de uditório SITUÇÃO PROPOST tendente Judiciário, tividde de suporte d rreir Opercionl uxilir Opercionl, tividdes de, d rreir Opercionl Telefonist, tividdes de, d rreir Opercionl uxilir Judiciário, exercendo função de omissários d Infânci e d Juventude, tividdes Finlístics, d rreir uxilir uxilir Judiciário, tividdes de, d rreir uxilir uxilir de Segurnç, tividdes de, d rreir Opercionl Motorist, tividdes de, d rreir uxilir nlist Judiciário, tividdes de, d rreir Técnic nlist Judiciário, tividdes Finlístics, d rreir Técnic Oficil de Justiç Oficil de Justiç vlidor, tividdes Finlístics, d rreir Técnic * O item 3 do nexo III, Tbel de orrespondênci Servidores Ocupntes dos crgos bixo discrimindos com escolridde de nível médio situção tul, teve redção lterd pel Lei nº 7.321, de 23 de outubro de * redção nterior continh o seguinte teor: tendente Judiciário, exercendo s funções de Segurnç-Gurd.

15 I - DESRIÇÃO DOS RGOS: NEXO IV ESPEIFIÇÃO DOS RGOS RREIR: TÉNI - ÓDIGO: PR-PJ-T-01 RGO: NLIST JUDIIÁRIO LSSES:, e REFERÊNIS: 1 (cinco em cd clsse) NÍV EL/ L SS E REF HILITÇÃO ÁRE DE TUÇÃO FORM DE PROVIMENTO 1 5 Grdução de Nível Superior, obtid em diverss formções profissionis. Registro no Órgão de lsse. Finlístic e Ingresso: Público oncurso 6 10 Pontução mínim exigid n Progressão Verticl. Finlístic e cesso às lsses: Progressão Verticl cesso às Referêncis: Progressão Horizontl 11 Pontução mínim exigid n Progressão Verticl. Finlístic e cesso às lsses: Progressão Verticl cesso às Referêncis: Progressão Horizontl II - DESRIÇÃO DS TRIUIÇÕES: TIVIDDES FINLÍSTIS Pr tur ns Secretris Judiciis e Fóruns, com Formção em dministrção, iêncis ontábeis, iêncis Econômics e Direito 1) elborr, ssinr e expedir qulquer documento, formlizndo os tos processuis, tis como: crts de sentençs pr fzer prov em processo de execução provisóri; certidões de trânsito em julgdo de sentençs cíveis e criminis; certidões de usênci de contestção pr fins de decretção de reveli; certidão de suspensão de processo, exemplo d hipótese de interposição de embrgos de terceiros ou de execução; certidões pr fins de grvo de instrumento; certidão de tempestividde de interposição de recurso de pelção e de pgmento de prepro; certidão em embrgos de execução de que o juízo está seguro; demis certidões que se fizerem necessáris no curso do processo; certidões verbo d verbum ; termo de djudicção de bem; crt de djudicção; termo de rremtção; crt de rremtção; forml de prtilh; termo de compromisso de inventrinte; termo de inventrinte, primeirs declrções de inventrinte, últims declrções de inventrinte, numerr e rubricr tods s folhs de utos principis e suplementres; crts rogtóris; lvrás judiciis; ofícios; expedir mnddos de prisão ordendos pelo juiz; expedição de lvrá de soltur; expedição de guis pr depósitos judiciis; 2) fzer conclusão dos utos o juiz; 3) fzer vist dos utos o Ministério Público;

16 4) expedir utorizção de vigem pr menor; 5) lvrr termo de doção de menor (inclusive interncionl); 6) funcionr no cível como no crime nos processos de competênci dos Juízes pernte os quis servirem; 7) ssistir e utenticr todos os tos do processo; 8) fzer notificções dos despchos e sentençs, lvrndo s respectivs certidões; 9) lvrr os termos, ssentd e tos do processo, ssim como editis, ordens, lvrás, guis, ofícios, mndtos, crts prectóris, crts de sentençs, de rremtção, de djudicção, formis de prtilh e dos demis tos do Juízo; 10) lvrr procurções, pud ct ; 11) compnhr os juízes pernte quem servirem ns diligêncis dos seus ofícios; 12) levr ou mndr levr em protocolo, os juízes, Procurdores, Órgãos do Ministério Público, ontdor e Prtidor, os utos conclusos ou com vists, nos csos do rt. 141, inciso IV do ódigo de Processo ivil, dentro de 24 hors, de recebimento pr esse fim, se ntes não deverem fzer, e cobr-los de quem de direito, logo que findr o przo, sob pen de mult determind em lei, n primeir flt e suspensão n reincidênci; 13) fzer conclusões, no przo de 24 hors, dos utos que estiverem em termo de ser despchdos, sob s pens do inciso nterior; 14) envir o contdor, dentro de três dis, os utos findos ou qurent e oito (48) hors, queles em que houver condenção de custs por qulquer incidente, e, ntes de subirem os feitos outr instânci, ou ind ntes de serem entregues à prte queles que o deverem ser, sob pen de mult determind em lei; ) ssinr, de ordem do Juiz, os mndtos de citções nos termos do ódigo de Processo ivil; 16) tquigrfr, trduzir e digitr os debtes, votos e demis eventos relizdos ns sessões ds âmrs e do Tribunl Pleno; 17) trduzir e corrigir os pnhdos em sessões, reproduzindo os registros tquigráficos, observndo fidelidde bsolut n reprodução ds nots; 18) recolher os votos lidos em sessão, trnscrevendo-os ns nots ssim como s leis objeto de leitur dos debtes; 19) relizr composição de córdãos; 20) fornecer nots tquigráfics, medinte permissão, pr dvogdos e público em gerl; 21) compnhr mtéris de interesse do Tribunl de Justiç, nlisr e mnter sistemticmente orgnizd legislção reltiv à su áre de trblho, possibilitndo consults posteriores; 22) elborr reltórios e esttístics pertinentes às tividdes d Secretri e do Juiz em que exerce sus tribuições; 23) prticipr de treinmentos diversos de interesse d dministrção; 24) executr s sus tividdes de form de form integrd e coopertiv com s demis uniddes do Tribunl de Justiç colborndo pr o desenvolvimento dos grupos de trblho; 25) desempenhr outrs tividdes correlts ou outrs tribuições que possm vir surgir, d mesm nturez e nível de complexidde conforme s necessiddes d áre ou do Tribunl. Pr tur como ssistente Socil, nos Fóruns ível ou riminl: 1) ssessorr dirigentes e mgistrdos, trvés de preceres técnicos em processos que requeirm conhecimentos específicos d ciênci em preço; 2) relizr entrevist com menores e seus responsáveis legis, visndo tender ordens judiciis; 3) efetur visits domicilires, pr obter informções socioeconômics; 4) entrevistr os requerentes, emitindo preceres sobre processo judicil; 5) elborr reltórios sobre diligêncis ou ordens judiciis, reltivs processos; 6) fornecer, por escrito, ou verblmente, em udiênci, medinte ludos de estudo socil, subsídios pr embsr processos de gurd, tutel, doções ncionl e interncionl de crinçs e dolescentes, e destituição de poder fmilir; 7) compnhr o Oficil de Justiç em procedimentos de busc e preensão de crinçs e dolescentes; 8) compnhr visit dos pis os filhos, em processos de regulmentção de visits; 9) desenvolver trblhos de conselhmento, orientção, encminhmento, prevenção e 16

17 17 diligêncis, sob subordinção d utoridde judiciári, ssegurd o livre precer técnico; 10) fornecer subsídios o Juiz em su sentenç, pós nálise dos spectos psicossocil e econômico dos requerentes de ções; 11) mnter tulizdo registros do quntittivo de tendimentos executdos, pr o levntmento de ddos e reltórios de tividdes d su áre de tução; 12) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds. Pr tur como Pedgogo, nos Fóruns ível ou riminl : 1) ssessorr dirigentes e mgistrdos, trvés de preceres técnicos em processos que requeirm conhecimentos específicos d ciênci em preço; 2) relizr entrevist com menores e seus responsáveis legis, visndo tender ordens judiciis; 3) efetur visits domicilires pr obter informções sobre situção psicossocil dos menores; 4) entrevistr os requerentes, emitindo precer sobre processo de gurd, tutel, busc e preensão; 5) elborr reltórios obre diligêncis ou ordens judiciis reltivs processos; 6) fornecer, por escrito, ou verblmente, em udiênci, medinte ludos de estudo socil, subsídios pr embsr processos de gurd, tutel, doções ncionl e interncionl de crinçs e dolescentes, e destituição de poder fmilir; 7) desenvolver trblhos de conselhmento, orientção, encminhmento, prevenção e diligêncis, sob subordinção d utoridde judiciári, ssegurd o livre precer técnico; 8) fornecer subsídios o Juiz em su sentenç, pós nálise dos spectos psicossocil e econômico dos requerentes de ções; 9) mnter tulizdo registros do quntittivo de tendimento executdos, pr o levntmento de ddos e reltórios de tividdes d áre; 10) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds. Pr tur como Psicólogo, nos Fóruns ível ou riminl: 1) ssessorr dirigentes e mgistrdos, trvés de preceres técnicos em processos que requeirm conhecimentos específicos d ciênci em preço; 2) relizr vlição psicológic; 3) relizr entrevists com menores e seus responsáveis legis visndo tender ordens judiciis; 4) efetur visitr domicilires pr obter informções sob situção psicosocil de menores; 5) elborr reltórios sob diligêncis ou ordem judiciis reltivs processos; 6) entrevistr os requerentes emitindo precer sobre processos de gurd, tutel, busc e preensão; 7) fornecer, por escrito, ou verblmente, em udiênci, medinte ludos de estudo socil, subsídios pr embsr processos de gurd, tutel, doções ncionl e interncionl de crinçs e dolescentes, e destituição de poder fmilir; 8) desenvolver trblhos de conselhmento, orientção, encminhmento, prevenção e diligêncis, sob subordinção d utoridde judiciári, ssegurd o livre precer técnico; 9) fornecer subsídios o Juiz em su sentenç, pós nálise dos spectos psicossocil e econômico dos requerentes de ções; 10) mnter tulizdo registros do quntittivo de tendimentos executdos, pr o levntmento de ddos e reltórios de tividdes d su áre de tução; 11) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds. Pr tur como Sociólogo, nos Fóruns ível ou riminl: 1) ssessorr dirigentes e mgistrdos, trvés de preceres técnicos em processos que requeirm conhecimentos específicos d ciênci em preço; 2) fornecer, por escrito, ou verblmente, em udiênci, medinte ludos de estudo socil, subsídios pr embsr processos de gurd, tutel, doções ncionl e interncionl de crinçs e dolescentes, e destituição de poder fmilir; 3) desenvolver trblhos de conselhmento, orientção, encminhmento, prevenção e diligêncis, sob subordinção d utoridde judiciári, ssegurd o livre precer técnico;

18 18 4) fornecer subsídios o Juiz em su sentenç, pós nálise dos spectos psicossocil e econômico dos requerentes de ções; 5) mnter tulizdo registros do quntittivo de tendimentos executdos, pr o levntmento de ddos e reltórios de tividdes d su áre de tução; 6) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds TIVIDDES DE SUPORTE (ursos de Grdução de Nível Superior, obtid em diverss formções específics e registro no Órgão de lsse correspondente). FORMÇÃO EM DMINISTRÇÃO: 1) nlisr e elborr preceres de cráter dministrtivo relciondos com ssuntos ds áres de recursos humnos, finnceiro, orçmentário, ptrimonil e fins, utilizndo-se de norms e d legislção pertinentes; 2) executr tividdes típics ds áres de dministrção; 3) ssessorr dirigentes e mgistrdos, trvés de preceres técnicos em processos que requeirm conhecimentos específicos de dministrção; 4) prticipr de equipes multifuncionis e executr tividdes relcionds com o plnejmento técnico e opercionl, execução, compnhmento e vlição de projetos, estudos, progrms, cmpnhs, encontros, cursos e eventos em gerl; 5) prticipr de comissões qundo designdo; 6) relizr estudos e nálise orgnizcionis; subsidindo dministrção com ddos e informções; 7) plnejr, coordenr e compnhr s diverss fses do trblho de modernizção orgnizcionl, tundo diretmente n implntção de novos métodos; 8) promover reuniões explictivs com diferentes níveis de pessol, visndo o desenvolvimento de titudes fvoráveis e processos de tulizção e modernizção; 9) desempenhr outrs tividdes correlts ou outrs tribuições que possm vir surgir, d mesm áre; 10) operr equipmentos disponibilizdos e os sistems de informção tecnológic n execução de sus tividdes; 11) compnhr mtéri de interesse do Tribunl de Justiç, compnhr, nlisr e mnter sistemticmente orgnizd legislção reltiv à su áre de trblho, possibilitndo consults posteriores; 12) prticipr de treinmentos diversos de interesse d dministrção; 13) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds; 14) executr sus tividdes de form integrd e coopertiv com s demis uniddes do tribunl de Justiç do estdo colborndo pr o desenvolvimento dos grupos de trblho; ) desempenhr outrs tividdes correlts ou outrs tribuições que possm vir surgir, d mesm nturez e nível de complexidde conforme s necessiddes d áre ou do Tribunl.. FORMÇÃO EM RQUITETUR: 1) efetur levntmento de necessidde pr elborção de nte-projeto de rquitetur de obrs novs, reforms e mplições; 2) plnejr, executr e compnhr projetos d áre de rquitetur; 3) compnhr projeto de construção ou mnutenção de obrs civis em prédios do Tribunl, n cpitl e interior; 4) supervisionr equipe de instlção, montgem, repro ou mnutenção, efetundo o controle de qulidde do trblho executdo; 5) compnhr, monitorr, fisclizr e vlir projetos d áre, em prédios e obrs do Tribunl n cpitl e interior; 6) prticipr de comissões qundo designdo; 7) operr equipmentos disponibilizdos e os sistems e recursos de informção tecnológic n execução de sus tividdes; 8) executr tividdes relcionds com o plnejmento técnico e opercionl, execução, compnhmento e vlição de projetos, plnos, estudos, progrms, cmpnhs, encontros, cursos e eventos em gerl; 9) prticipr de treinmentos diversos de interesse d dministrção; 10) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds; 11) executr sus tividdes de form integrd e coopertiv com s demis uniddes do Tribunl de Justiç colborndo pr o desenvolvimento dos grupos de trblho;

19 19 12) desempenhr outrs tividdes correlts ou outrs tribuições que possm vir surgir, d mesm nturez e nível de complexidde conforme s necessiddes d áre do Tribunl.. FORMÇÃO EM ILIOTEONOMI: 1) execução dos serviços de clssificção e ctlogção de mnuscritos e de livros rros e preciosos, de mpotecs, de publicções oficiis e serids, de bibliogrfi; 2) orgnizção dos serviços de documentção; 3) dministrção e direção de bibliotecs; 4) pdronizção dos serviços de biblioteconomi; 5) incentivr e orientr os trblhos de recensemento, esttístic e cdstro ds bibliotecs; 6) plnejmento e difusão culturl, n prte que se refere serviços de bibliotecs; 7) operr equipmentos disponibilizdos e os sistems de informção tecnológic n execução de sus tividdes; 8) prticipr de equipes multifuncionis e executr tividdes relcionds com o plnejmento técnico e opercionl, execução, compnhmento e vlição de projetos, estudos, progrms, cmpnhs, encontros, cursos e eventos em gerl; 9) prticipr de comissões, qundo designdo; 10) compnhr mtéri de interesse do Tribunl de Justiç, compnhr, nlisr e mnter sistemticmente orgnizd legislção reltiv à su áre de trblho, possibilitndo consults posteriores; 11) prticipr de treinmentos diversos de interesse d dministrção; 12) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds; 13) executr sus tividdes de form integrd e coopertiv com s demis uniddes do Tribunl de Justiç do estdo colborndo pr o desenvolvimento dos grupos de trblho; 14) desempenhr outrs tividdes correlts ou outrs tribuições que possm vir surgir, d mesm nturez e nível de complexidde conforme s necessiddes d áre ou do Tribunl. D. FORMÇÃO EM IÊNI D OMPUTÇÃO, ENGENHRI D OMPUTÇÃO, TÉNÓLOGO EM PROESSMENTO DE DDOS E EM SISTEMS DE INFORMÇÃO: Pr tur como nlist de Sistems: 1) especificr sistems, de cordo com s norms e metodologis dotds pelo Tribunl de Justiç e dequds às crcterístics e necessiddes institucionis; 2) prestr ssessormento técnico n produção de soluções reltivs às rquiteturs, pltforms, recursos e lterntivs de desenvolvimento de sistems; ou ind, n quisição de sistems desenvolvidos por terceiros, bem compnhr e vlir su implntção; 3) fornecer treinmento reltivo à unidde dos sistems de informção e ferrment de cesso e mnipulção de ddos; 4) efetur lterções, mnutenções e dequções o bom funcionmento dos sistems, compnhndo vlindo o desempenho dos sistems implntdos; 5) certificr e inspecionr modelos e códigos de sistems; 6) estudr, definir, dimensionr, implntr e dministrr sistems gerencidores de nco de Ddos; 7) crir, documentr e mnter esquems, definições e visões ds plicções no Sistem Gerencidor de nco de Ddos; 8) elborr e mnter os modelos de ddos nos Sistems Gerencidores de nco de Ddos; 9) prticipr de treinmentos diversos de interesse d dministrção; 10) executr outrs trefs tinentes à ctegori que lhes forem tribuíds; 11) executr s sus tividdes de form integrd e coopertiv com s demis uniddes do Tribunl de Justiç colborndo pr o desenvolvimento dos grupos de trblho. 12) desempenhr outrs tividdes correlts ou outrs tribuições que possm vir surgir, d mesm nturez e nível de complexidde conforme s necessiddes d áre do Tribunl. Pr tur como nlist de : 1) nlisr, desenvolver e implntr soluções em conectividde, objetivndo integrção e disponibilizndo informção e o cesso bses externs de interesse do Judiciário; 2) relizr tividde de plnejmento, controle e dministrção visndo à implntção ds polítics de segurnç, cesso e integridde ds bses de ddos;

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 67, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1992. Institui o Plno de Crreir, Crgos e Slários do Pessol Civil d Administrção Diret do Poder Executivo, Autrquis e Fundções instituíds ou mntids pelo Poder

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO ESTDO D PRIB PREFEITUR MUNICIPL DE LGO SEC GBINETE DO PREFEITO Lei nº 117/20, de 31 de dezembro de 20 INSTITUI O CENTRO DE TENÇÃO PSICOSSOCIL NO MUNICÍPIO DE LGO SEC-PB, CRI CRGOS DE PROVIMENTO EFETIVO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO SETOR PROCESSO TRT Nº 01330.2006.000.14.00-0 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TIPO Menor Preço por lote, objetivndo

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014 TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO DO PRNÁ nexo IV da Instrução Técnica nº 20/2003 - de Contas da Despesa SIM-M/2014 C Ó D I G O TÍTULO Nível S/ ESPECIFICÇÃO Versão 3 0 00 00 00 00 DESPESS CORRENTES S Classificam-se

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 A FACULDADE DE TECNOLOGIA MACHADO DE ASSIS FAMA, trvés d Comissão do Processo Seletivo COPS, comunic os interessdos bertur ds inscrições o PROCESSO SELETIVO pr ingresso nos

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA RESOLUÇÃO Nº 2/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Itu Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº.

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Itu Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº. Prefeitur Municipl d Estânci Turístic Itu Estdo São Pulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº. 01/2011 A PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE ITU fz sber quem poss interessr,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL PEC/COPPE/UFRJ Nº 261/2015: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SECRETARIA ESPECIAL DE GESTÃO DE PESSOAS - SEGEP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SECRETARIA ESPECIAL DE GESTÃO DE PESSOAS - SEGEP ATENÇÃO: PARA ENVIO À SEGEP, IMPRIMA APENAS O(S) FORMULÁRIO(S) DO FINAL DO ARQUIVO. REDISTRIBUIÇÃO DE SERVIDORES DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO PARA A UFFS 1.O que é? É o deslocmento de crgo de provimento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA - NORMA REGULAMENTADORA Nº COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA Aprovd pel Portri GM/MTB nº. - DOU //. DO OBJETIVO Título do item. d NR crescido pelo rt. º d Portri SSMT nº - DOU //.. - Comissão

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul 11-1 0-1977 Diário Oficil Estdo de Mto Grosso do Sul ANO XXXIII 7.974 CAMPO GRANDE-MS, TERÇA-FEIRA, 87 PÁGINAS GOVERNADOR Vice-Governdor SIMONE TEBET Secretário de Estdo de Governo OSMAR DOMINGUES JERONYMO

Leia mais

JOSÉ DE ANCHIETA JUNIOR

JOSÉ DE ANCHIETA JUNIOR SUMÁRIO Págin Atos do Poder Executivo...01 Governdori do Estdo...01 Secretri de Estdo d Gestão Estrtégic e Administrção...04 Secretri de Estdo d Súde...09 Secretri de Estdo de Educção, Cultur e Desportos...16

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 P.J.U.- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 Regido pel Lei nº 10.520/2002, Lei Complementr

Leia mais

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Exercício 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO. Exercício 2012 1 Conselho Federl de Engenhri e Agronomi SEPN 508, Bloco A, Ed. Confe, Brsíli-DF CEP 70740-541 Conselho Federl de Engenhri e Agronomi Superintendênci de Estrtégi e Gestão Gerênci de Plnejmento e Gestão

Leia mais

2008./2009. SINDICA TO DOS EMPREGADOS S.ftll~ NO COMÉRCIO DE OSASCO. ~j ~

2008./2009. SINDICA TO DOS EMPREGADOS S.ftll~ NO COMÉRCIO DE OSASCO. ~j ~ SINDICA TO DOS EMPREGADOS S.ftll NO COMÉRCIO DE OSASCO 2008./2009 Por este instrumento e n melhor form de direito, de um ldo, como representnte d ctegori profissionl, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RAINT - 2015 Auditori Intern Sumário 1. Introdução... 3 2. A Telebrs... 3 2.1. Histórico... 3 2.2. Novs Atribuições... 3 2.3. Atribuições... 4 2.4. Competênci

Leia mais

Regulamento Interno a

Regulamento Interno a Regulmento Interno REGIMENTO INTERNO DO CEPE-AL ART. 01 Clube dos empregdos do sistem PETROBRAS reger-se-á pels leis do Pís, pelo Esttuto e por este Regimento Interno. ART. 02 O presente Regimento tem

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL. Página da Prefeitura na i nternet: www.portoalegre.rs.gov.br. Campanha estimula população a doar sangue

DIÁRIO OFICIAL. Página da Prefeitura na i nternet: www.portoalegre.rs.gov.br. Campanha estimula população a doar sangue DIÁRIO OFICIAL PORTO ALEGRE Órgão de divulgção do Município Ano IX Edição 2.301 Segund-feir, 14 de junho de 2004 Págin d Prefeitur n i nternet: www.portolegre.rs.gov.br SOLIDARIEDADE Cmpnh estimul populção

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos Ministério d Previdênci Socil Conselho de Recursos d Previdênci Socil 04ª Junt de Recursos Número do Processo: 44232.000327/2014-37 Unidde de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RIO DE JANEIRO-COPACABANA

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE PSG

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE PSG EDITAL Nº 031/2015 SENAC ACRE TRATA DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA RECRUTAMENTO, INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRICULA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO PRESENCIAL, NO PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG, UNIDADE NEP

Leia mais

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS:

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: ANO XLIV N.º 095 01/07/2014 SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: SEÇÃO I EXTRATO DE INSTRUMENTO CONVENIAL...02 SEÇÃO II PARTE 1: DESPACHOS

Leia mais

TÍTULO I Das Disposições Preliminares CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

TÍTULO I Das Disposições Preliminares CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Estatuto e o Plano de Carreiras, Cargos e Remuneração dos integrantes do Subgrupo Magistério da Educação Básica e dá outras providências. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 018/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul. Secretária de Estado de Administração THIE HIGUCHI VIEGAS DOS SANTOS

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul. Secretária de Estado de Administração THIE HIGUCHI VIEGAS DOS SANTOS 11-1 0-1977 Diário Oficil Estdo de Mto Grosso do Sul ANO XXXVI n. 8.662 CAMPO GRANDE-MS, QUINTA-FEIRA, 75 PÁGINAS GOVERNADOR Vice-Governdor SIMONE TEBET Secretário de Estdo de Governo OSMAR DOMINGUES JERONYMO

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA E PUBLICAÇÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N.º 001/2011.

EDITAL DE ABERTURA E PUBLICAÇÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N.º 001/2011. EDITAL DE ABERTURA E PUBLICAÇÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N.º 001/2011. O PREFEITO DE NOVA MUTUM ESTADO DE MATO GROSSO no uso de sus tribuições legis, torn público pr conhecimento dos interessdos,

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR N 379/08, 415/08,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015-2 MANUAL DO CANDIDATO. Edital de Vagas Remanescentes PROCESSO SELETIVO POR MEIO DE SORTEIO. Organização:

PROCESSO SELETIVO 2015-2 MANUAL DO CANDIDATO. Edital de Vagas Remanescentes PROCESSO SELETIVO POR MEIO DE SORTEIO. Organização: PROCESSO SELETIVO 2015-2 MANUAL DO CANDIDATO Editl de Vgs Remnescentes PROCESSO SELETIVO POR MEIO DE SORTEIO Orgnizção: EDITAL COMPLEMENTAR PARA PREENCHIMENTO DAS VAGAS REMANESCENTES DOS EDITAIS DO PROCESSO

Leia mais

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais;

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; PROVIMENTO Nº. 01/2009 - CGJUS-TO Regulment os procedimentos reltivos à quisição, repsse e uso do Selo de Fisclizção dos Serviços Extrjudiciis e disciplin o ressrcimento os registrdores civis ds pessos

Leia mais

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul. Secretário de Estado de Administração e Desburocratização CARLOS ALBERTO DE ASSIS

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul. Secretário de Estado de Administração e Desburocratização CARLOS ALBERTO DE ASSIS 11-1 0-1977 Diário Oficil Estdo de Mto Grosso do Sul NO XXXVII n. 9.016 CMPO GRNDE-MS, QUINT-FEIR, 38 PÁGINS GOVERNDOR REINLDO ZMBUJ SILV Vice-Governdor ROSINE MODESTO DE OLIVEIR Secretário de Estdo de

Leia mais

aumento da eficiência dos sistemas de Administração Tributária;

aumento da eficiência dos sistemas de Administração Tributária; i. e x e PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO ATOS OFICIAIS Em, de jneiro de 22. GABINETE DA PREFEITA LEI Nº./2. EMENTA: DISPOE SOBRE A CRIAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E DENOMINAÇÃO DA CRECHE MUNICIPAL GEORGE SAVALLA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2003 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Instituto de Pesquiss Jrdim Botânico do Rio de Jneiro Em tenção à Instrução Normtiv/TCU nº 12/1996 e à Instrução Normtiv SFC/MF nº 12/2000, o Instituto de Pesquiss Jrdim Botânico

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL O Serviço Socil do Comércio Administrção Regionl no Distrito Federl SESC/DF, instituição privd inscrit no CNPJ 03.288.908/0001-30, por meio d su Divisão de Administrção

Leia mais

Interno de Pessoal COORDENAÇÃO-GERAL DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS BOLETIM INTERNO DE PESSOAL.

Interno de Pessoal COORDENAÇÃO-GERAL DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS BOLETIM INTERNO DE PESSOAL. Boletim Interno de Pessol Novembro/2013 Alice obr d rtist plástic Esther Silv. GOTSCHALK DA SILVA FRAGA Presidente PAULO GRIJÓ GUALBERTO Coordendor-Gerl de Plnejmento e Administrção CARLOS ALBERTO MORGADO

Leia mais