APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA"

Transcrição

1

2 APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo PBPA. Neste Reltório, lém de outrs informções, os prticipntes encontrrão s Demonstrções Contábeis do Exercício de 2013, o Precer Aturil do Plno PBPA, o Precer dos Auditores Independentes, o Precer do Conselho Fiscl, Mnifestção do Conselho Delibertivo, informções referentes à Polític de Investimentos, os custos de dministrção, os custos e desempenho dos investimentos. Este Reltório Anul de Informções está de conformidde com Resolução CGPC nº 23/06. HISTÓRICO O Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR, utorizdo funcionr pel Portri nº 665/DAT/SPC/MPS de 11 de setembro de 2006, iniciou sus tividdes prtir de novembro de 2006 e tulmente dministr o Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo PBPA. A prtir d Emend Constitucionl nº 20/98 e d Lei Complementr nº 109/01 que reformulrm Previdênci Complementr no Brsil e Resolução CGPC nº12/02 que permitiu que s Entiddes Profissionis, Clssists e Setoriis instituíssem Plnos de Previdênci Complementr pr seus ssocidos, OAB-PR e CAA/PR, com utorizção do Conselho Federl, criou OABPrev-PR pr substituir o IASAPAR, estendendo todos os Advogdos prnenses e seus dependentes s vntgens de um Entidde Fechd de Previdênci Complementr, grntindo dest form um futuro seguro e trnquilo pr os Advogdos e seus fmilires. MENSAGEM DA DIRETORIA O Reltório Anul de Informções qui presentdo demonstr o expressivo crescimento d OABPrev- PR em 2013 e os ftores que form determinntes pr elevr OABPrev-PR à ctegori dos principis fundos de pensão instituídos do Brsil. Trilhmos o longo de 2013 um jornd de grndes conquists, dentre s quis podemos destcr o cdstro do prticipnte de número 10 mil, que pr noss legri foi lcnçdo com inscrição de um crinç de pens 6 meses de vid. Isso demonstr que nosso Fundo de Pensão está cumprindo o importnte ppel de conscientizr os pis dvogdos sobre inquestionável decisão de investir no futuro dos filhos e deles próprios. Comemormos ind o fto de termos superdo R$ 100 milhões em ptrimônio investido pelos dvogdos prnenses no Fundo de Pensão. Este cpitl, que ument substncilmente cd no, é o que grntirá posentdori complementr que nossos ssocidos vêm plnejndo o longo de bo prte de sus vids. Estes resultdos e tntos outros que poderão ser verificdos neste reltório são frutos de um equilibrd gestão dministrtiv, desempenhd com muit competênci por nossos diretores, conselheiros, gerenci executiv e colbordores. Tods s decisões e ções relizds em 2013 form tomds com consciênci e convicção sobre o inequívoco ppel ser desempenhdo pel OABPrev-PR no que diz respeito confinç depositd por todos queles que creditm n seriedde do Fundo de Pensão e o que ele represent. 2

3 Cumprimos ind essencil tref de promover Educção Previdenciári envolvendo nossos ssocidos. Um constnte fluxo de informções, distribuídos pelos mis diferentes veículos de comunicção direciondos os dvogdos prnenses, foi, mis um vez, ftor de incentivo os prticipntes sobre necessidde de dequr o vlor ds contribuições mensis à expecttiv futur de cd ssocido. Com isso, observmos um grnde número de justes de contribuições e portes eventuis com finlidde o incremento do cpitl já constituído. Ests ções de divulgção, somds o constnte trblho de noss prceir Mongerl Aegon, por meio dos consultores previdenciários credencidos pr presentção do plno de previdênci, gerou como resultdo desão de novos prticipntes em 2013,o que possibilitou Entidde fechr o exercício com um totl de ssocidos. O exponencil crescimento de nosso Fundo de Pensão já serve té mesmo como referênci pr outrs entiddes de previdênci complementr, que buscm n experiênci e resultdos obtidos pel OABPrev- PR, um modelo ser comprtilhdo. Entretnto, nós não terímos lcnçdo ests conquists sem o poio irrestrito de nossos instituidores OAB Prná e Cix de Assistênci dos Advogdos do Prná. O grnde incentivo e s inúmers oportuniddes de presentção d Entidde nos vários eventos promovidos pelos instituidores motivrm mis dvogdos derirem o plno, lém de fortlecer o nome OABPrev-PR dentro d ctegori. Continuremos trblhndo com s mesms diretrizes que nos trouxerm té qui e com visão cd vez mis focd no objetivo pr o qul OABPrev-PR foi crid, que é grntir os dvogdos e sus fmílis um plno de posentdori complementr que poss mnter o pdrão de vid dos prticipntes depois que vid profissionl for encerrd. PRINCIPAIS ATIVIDADES EM 2013 l l l 2013 foi um no histórico pr OABPrev-PR. Durnte o exercício, entidde registrou desão do prticipnte de número 10 mil e tmbém superou mrc dos R$ 100 milhões em ptrimônio. O grnde número de inscrições o plno no decorrer do no, em respost o projeto de educção previdenciári relizdo pel OABPrev-PR, permitiu que em 2013 entidde tivesse novos plnos contrtdos, finlizndo o exercício com ssocidos e ptrimônio totl de proximdmente R$ 114 milhões. Form relizdos portes, 49 portbiliddes, 327 cncelmentos, 6 benefícios concedidos. Durnte o no o PBPA foi presentdo ns 81 sessões de Compromisso Coletivo dos novos dvogdos provdos no Exme d OAB e diretori promoveu plestrs ns subseções de Irti, Prudentópolis, Frncisco Beltrão, São José dos Pinhis, Arucári e Pitng. A inicitiv fz prte ds ções prevists no projeto de Educção Previdenciári d OABPrev-PR, que tmbém divulgou informções sobre o plno em tods s edições do Jornl d Ordem, que é encminhdo os mis de 47 mil dvogdos inscritos n Seccionl. Além disso, os prticipntes tmbém receberm informtivos produzidos pel OABPrev-PR e Emils Mrketing com conteúdo diversificdo, sempre com foco n Educção Previdenciári. Em gosto OABPrev-PR relizou eleição pr escolh dos novos membros dos Conselho Delibertivo e Fiscl, ocorrid por voto eletrônico. Pr o Conselho Delibertivo form eleitos os dvogdos Iuri Ferrri Cocicov e José Mnuel Justo Silv, como membros titulres, e Regis Mrcelino Cstmnn e Mrcos Aurélio Mlinoski, pr s vgs de suplentes. Já os conselheiros indicdos pel OAB -PR form Meliss Folmnn como titulr e Cetno Brnco Pimpão de Almeid como suplente. Pr o Conselho Fiscl 3

4 l l l l l form eleitos os dvogdos Osni Crlos Fnini Silv, como titulr, e Jonild Brg Souz, eleit como suplente. Os nomes indicdos pel CAA/PR form Ricrdo Bumnn Bindo como titulr e Alzir Alvino Rmos Sperndio como suplente. Os conselheiros eleitos e indicdos tomrm posse no di 3 de outubro. N ocsião, o conselheiro Armis de Souz Silveir encerrou seu mndto como presidente do Conselho Delibertivo e pssou direção pr o conselheiro Muro Ribeiro Borges, indicdo pel OAB-PR pr ocupr o crgo. Em outubro OABPrev-PR iniciou um cmpnh com o slogn Protej o futuro do seu filho e concorr um vigem pr Foz do Iguçu, incentivndo os pis dvogdos contrtrem plnos de previdênci pr os filhos. Ao todo 211 plnos form contrtdos e crinç sorted foi Mrcelle Souz Angelo, de 10 nos, residente n cidde de Toledo e filh do dvogdo Mrcelo Fernndes Angelo. Como prêmio, Mrcelle e mis dois compnhntes ficrm hospeddos no Resort Bourbon Ctrts, durnte os dis 13,14 e 15 de dezembro. Aind em outubro OABPREV-PR firmou um importnte convênio com o Itú que permitiu que s contribuições dos prticipntes correntists do bnco pudessem ser pgs trvés débito utomático em cont. Com isso, os ssocidos pssrm ter mis um opção pr fcilitr o recolhimento ds prcels mensis que formrão o ptrimônio de cd ssocido. No mês de novembro, os membros do Conselho Fiscl escolherm o dvogdo Rfel Bssil Lynes pr presidir o conselho em substituição o dvogdo José Ricrdo Cvlcnti de Albuquerque que deixou o crgo por ter encerrdo o período de su gestão. No mês de dezembro Entidde disponibilizou no site Propost Eletrônic de desão, destind contrtção de plnos de previdênci pr os filhos dos dvogdos que já prticipm do plno. Dest form, inscrição de filhos o Fundo de Pensão é feit de um form rápid e segur, sem precisr d intermedição de um corretor, um vez que o processo é relizdo pel áre restrit do site. EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Em 2013 OABPrev-PR desenvolveu s ções prevists em seu Projeto de Educção Previdenciári com o objetivo de orientr os ssocidos e não ssocidos sobre relevânci d posentdori complementr. A Entidde produziu notícis, rtigos, mtéris e e-mils mrketing sobre os mis diferentes ssuntos ligdos à Previdênci Complementr e importânci que todo ssocido deve dedicr su própri posentdori. Neste período form envidos: 11 Informtivos 20 e-mils Mrketing 12 Jornis d Ordem 4

5 Informtivo online envio quinzenl de mtéris sobre entidde, contemplndo tems de incentivo à Educção Finnceir e Previdenciári. Jornl d Ordem edição mensl com dus págins pr divulgção de notícis sobre o Fundo de Pensão. E-mil mrketing envio mensl de conteúdo publicitário informtivo, com cmpnhs de incentivo à Educção Finnceir e Previdenciári. GESTÃO PREVIDENCIAL PARTICIPANTES ATIVOS A bse cdstrl do Plno de Benefícios presentou prticipntes tivos, incluindo-se nesse número os prticipntes cujos plnos form cnceldos, ms que não exercerm o direito os Institutos Resgte, Portbilidde ou Benefício Proporcionl Diferido. RELATÓRIO PREVIDENCIAL Descrição Prticipntes 2012 Adesões em 2013 Resgtes Cncelmentos Concessão de Benefícios Portbilidde Prticipntes 2013 Quntidde Jn Dez/ (308) (327) (6) (3) EVOLUÇÃO DO QUADRO ASSOCIATIVO Gráfico 1 Evolução Acumuld PR. No gráfico 1 se observ evolução do número de prticipntes em cd no, desde o início d OABPrev- 5

6 Gráfico 2 Evolução Anul Jn Fev Mr Abr Mi Jun Jul Ago Set Out Nov Dez No gráfico 2 se verific o número de prticipntes que derirm o plno em cd mês de PARTICIPANTES ASSISTIDOS Em 2013 form concedidos 05 benefícios de Pensão por Morte. No finl do exercício, Entidde contv com 10 Aposentdoris Progrmds, 02 Aposentdoris por Invlidez e 29 benefícios de pensão por Morte, somndo 41 benefícios previdenciários. PARECER ATUARIAL 1. Objetivo Este precer tem como objetivo tender à Resolução MPS n 23, de 06 de dezembro de 2006 que, em seu rtigo 3, inciso IV, estbelece disponibilizção do precer turil do Plno de Benefícios os prticipntes e ssistidos. Em consonânci à Instrução nº 09, de 14 de dezembro de 2010 e com Instrução nº05 de 01 de Novembro de 2013, este precer turil foi elbordo considerndo todos os ftores relevntes pr purção dos resultdos d Avlição Aturil. A presente Avlição Aturil teve como finlidde purr o resultdo finnceiro-turil e dimensionr s Provisões Mtemátics e o Ptrimônio pr Cobertur do Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo - PBPA, dministrdo pelo Fundo de Pensão Multiptrocindo d Ordem dos Advogdos do Brsil, Seção Prná e d Cix de Assistênci dos Advogdos do Prná, em 31/12/2013, bem como, vlir rentbilidde dos recursos grntidores ds provisões mtemátics, os resultdos do Progrm Administrtivo d Entidde e presentr s hipóteses dotds n presente vlição e que pssrão viger prtir do exercício de Bse Cdstrl As informções referentes os prticipntes tivos, ssistidos e pensionists pr Avlição Aturil, nos form envids em rquivo eletrônico, com dt-bse em 31/12/2013 em formto xls. 6

7 Após recepção dos ddos, form relizdos os testes de consistênci julgdos necessários, sendo referid bse considerd stisftóri pr Avlição Aturil referente o exercício finnceiro de Form tmbém utilizds pr presente vlição s informções contábeis referentes o mesmo período. Anlisndo s informções encminhds se verificou um elevção de 21,88% (308 resgtes, 327 cncelmentos e desões) no número de prticipntes tivos em relção o no nterior. No que tnge os posentdos, o número de posentdoris permneceu constnte, 12 ssistidos em percepção de posentdori. Qunto os pensionists observou-se que houve um umento no número de benefícios em mnutenção, pssndo de 24 em 2012 pr 29 benefícios em Hipóteses turiis O Anexo d Resolução CGPC n 18, de 28 de mrço de 2006, em seu primeiro item, determin que tis hipóteses devm estr dequds às crcterístics d mss de prticipntes e ssistidos e o regulmento do plno de benefícios de cráter previdenciário. Tl resolução foi lterd pel CNPC nº 09/2012, estbelecendo novos prâmetros técnicos-turiis pr estruturção do plno de custeio e mensurção dos resultdos futuros dos plnos de benefícios. Como principis modificções not-se indicção do ptmr máximo pr hipótese de juros e exigênci de um justifictiv técnic que comprove su derênci o fluxo de receits e despess futurs. Assim, s hipóteses turiis dotds pr Avlição Aturil 2013, considerndo mnifestção d Entidde qunto o Reltório de Hipóteses Aturiis desenvolvido por est Consultori,são: ) Tx de Juros: 5,00%..; l Segundo o entendimento d Entidde, optou-se pel mnutenção d tx de juros de 5,00% tendo em vist polític de investimentos provd pr 2014 e s projeções de rentbilidde pr os recursos do plno. b) Tábu de Mortlidde Gerl: AT 2000; e, l Qundo d escolh d Tábu de Mortlidde Gerl, Entidde optou por mnter tábu AT 2000 como hipótese do plno, hj vist os resultdos dos testes de derênci relizdos em c) Tábu de Mortlidde de Inválidos: AT l Qundo d escolh d Tábu de Mortlidde Inválidos, Entidde optou por mnter tábu AT 2000 como hipótese do plno, hj vist os resultdos dos testes de derênci relizdos em 2012, bem como por conservdorismo, por se trtr d mesm tábu escolhid pr estimr mortlidde dos válidos. Por se trtr de um Plno estruturdo n modlidde de Contribuição Definid (CD), vle ressltr que s hipóteses turiis não são utilizds pr purção ds obrigções do plno de benefícios junto seus Prticipntes, ms sim pr o cálculo ds rends mensis, por equivlênci turil. 4. Resultdos turiis O Plno PBPA, dministrdo pelo Fundo de Pensão Multiptrocindo d Ordem dos Advogdos do Brsil, Seção Prná e d Cix de Assistênci dos Advogdos do Prná, presentou, em 31/12/2013, resultdo de equilíbrio técnico. Apurou-se um Provisão Mtemátic de R$ ,84, sendo R$ ,55 referentes à Provisão Mtemátic de Benefícios Concedidos e R$ ,29 referentes à Provisão Mtemátic de Benefícios Conceder. 7

8 Por se trtr de plno estruturdo n modlidde Contribuição Definid - CD, tnto n fse de cpitlizção como n fse de percepção dos benefícios, obrigção do Plno pr com os seus prticipntes está limitd o sldo de cont individul, conforme formulção constnte em Not Técnic Aturil vigente, justificndo ssim tl equilíbrio técnico. A rentbilidde uferid pelos recursos do plno em 2013, considerndo cot vigente em 31/12/2012 e 31/12/2013,foi de 5,3%. No mesmo período o Índice de Referênci cumulou 10,84%. A Durtion do plno foi purd em 581 meses (48 nos). Assim, é importnte que ess informção sej considerd qundo d definição ds estrtégis de investimento dos recursos grntidores do plno de benefício. Por fim, qunto o Progrm Administrtivo, observou-se no exercício de 2013 um pequen redução de 0,81% do fundo dministrtivo em relção o no de 2012, presentndo em 31/12/2013 um montnte de R$ ,46. Não obstnte, verificou-se su sustentbilidde, ddo o tul ptmr do Fundo Administrtivo. Dest form, testmos que s informções constntes deste Precer form vlids por noss Consultori Aturil e refletem s bses cdstris, bem como s informções contábeis referentes à dt bse 31/12/2013. Considerndo o exposto no presente precer se conclui que o Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo - PBPA encontr-se em equilíbrio turil e finnceiro, devendo observr s indicções e os resultdos purdos pel Avlição Aturil. Florinópolis, 12 de mrço de Rfel Porto de Almeid Atuário MIBA nº Dt A Consultori S/S Ltd. Kren Tressino Atuári MIBA nº Dt A Consultori S/S Ltd. Lucs Azevedo Fonsec Atuário MIBA nº Dt A Consultori S/S Ltd. ESTATÍSTICA POPULACIONAL E GRÁFICOS GERENCIAIS PARTICIPANTES ATIVOS Gráfico 1 - Distribuição de prticipntes por sexo Feminino 43,44% Msculino 56,56% 8

9 O conjunto dos prticipntes do plno é composto por 56% de integrntes do sexo msculino e 43% do sexo feminino. Segundo o IBGE, expecttiv de vid o nscer ds mulheres brsileirs é de 77,7 nos e dos homens de 70,6 nos. Já com bse n Tábu AT-2000 expecttiv de vid estimd o nscer é de proximdmente 80 nos e os 34 nos (idde médi dos prticipntes tivos) é de 47 nos. Gráfico 2 - Distribuição de prticipntes por fix etári Conforme se verific no Gráfico 2, miori dos prticipntes tivos do plno se concentr n fix etári de nos.se considerrmos que os prticipntes esperm se posentr em médi os 64nos-,então tem-se que esses prticipntes permnecerão no plno por mis 29nos, pelo menos. Tendo em vist médi de tempo pr que os prticipntes se posentem, é interessnte que Entidde tenh como diferencil um rentbilidde que sej cim dos índices de referênci do plno que or dministr. Com isto, os sldos de seus prticipntes evoluirão lém do esperdo, trzendo, por conseguinte, um gru mior de stisfção n relção entre prticipnte e entidde. Gráfico 3 - Distribuição de prticipntes por fix de contribuição De cordo com o Gráfico 3, percebe-se que mior prte dos prticipntes tivos contribuem pr o plno de benefícios com vlores de té R$ 200,00 por mês.com bse nests informções, cso Entidde julgue prudente, est poderá elborr cmpnhs voltds não tão somente à desão de novos prticipntes, ms tmbém pr o incentivo que os tuis umentem o nível de sus contribuições pr o plno. Um resultdo efetivo de um ção como est culmin com um evolução mis rápid do ptrimônio, trzendo, consequentemente, mior sustentbilidde dministrtiv pr Entidde e melhores perspectivs de rentbilidde. 9

10 Gráfico 4 - Composição ds contribuições O Gráfico 4 demonstr à Entidde distribuição ds contribuições efetuds pelos prticipntes tivos, considerndo s contribuições básic e de risco (invlidez e morte).com bse em tis ddos, pode-se ter um melhor visulizção de qul o destino dos recursos portdos pelos prticipntes. No plno, mis d metde 71% - ds contribuições vertids menslmente compõem o sldo de conts dos prticipntes. A outr prte é despendid pr quisição dos seguros contr morte e invlidez ofertdos pel segurdor prceir d Entidde. Gráfico 5 - Número de prticipntes por modlidde ds contribuições de risco Por meio do Gráfico 5, vislumbr-se o número de prticipntes por tipo de contribuição de risco. Assim, percebe-se que 66,00% (6.345) dos prticipntes do plno contribuem pr os riscos de pensão e invlidez. 12,27% (1.180) contribuem somente pr invlidez e 1,28% (123) contribuem pens pr pensão. Além disso, observ-se que 20,45% (1.966) do totl de prticipntes não contribuem pr nenhum tipo de benefício de risco. 10

11 Gráfico 6 Contribuição médi: norml, pensão e invlidez Acim, vislumbr-se o vlor médio ds contribuições que são vertids pelos prticipntes o plno e que compõem seus respectivos sldos individuis, bem como quels destinds o complemento dos benefícios de Risco (morte e invlidez). Gráfico 7 Proporção de prticipntes que contribuem pr risco Por intermédio do Gráfico 7, percebe-se que 20,45% (1.966)dos prticipntes do plno não contribuem pr os benefícios de risco e 79,55% (7.648) contribuem, tendo esses um cobertur dicionl em cso de morte ou invlidez. Gráfico 8 - Distribuição do número de prticipntes por tempo de esper 11

12 O Gráfico 8 demonstr o número de prticipntes que integrm cd fix de tempo de esper pr posentdori. Assim, verific-se que miori dos prticipntes do plno está distnte d idde de posentdori, cim de 20 nos. Ess observção pode ser considerd pr um melhor locção estrtégic dos recursos grntidores do plno de benefícios. Gráfico 9 - Provisão mtemátic constituíd por tempo de esper Com bse no Gráfico 9 se pode extrir tmbém importntes informções pr o estbelecimento ds estrtégis de investimentos d Entidde. Verific-se que os prticipntes que estão n fix de nos pr concessão de benefício concentrm mior prte d reserv mtemátic de benefícios conceder RMBC do plno. ASSISTIDOS Gráfico 10 - Distribuição de ssistidos por sexo 12

13 Gráfico 11 -Distribuição de ssistidos por opção de recebimento do benefício O Gráfico 11 demonstr que mior prte dos prticipntes ssistidos optrm pelo recebimento de sus rends por przo indetermindo pel expecttiv de vid. A tábu de sobrevivênci dotd pr fins de estimtiv dess esttístic é definid nulmente e presentd em demonstrtivo turil. Ddo que miori dos prticipntes está optndo por ess form de benefício, é importnte reforçr educção previdenciári dos mesmos pr que compreendm importânci d Tábu de Sobrevivênci pr o plno previdenciário. D mesm form, é imprescindível o conhecimento do plno de benefícios principlmente por prte dos ssistidos. Nest fse, o vlor do benefício que percebem é suscetível vrições d rentbilidde ou ind d expecttiv de vid, qundo do recálculo nul. A compreensão por prte d mss tiv, e tmbém ssistid, qunto o funcionmento do plno é um form muito eficz pr minimizção de ções judiciis contr Entidde. Gráfico 12 - Distribuição de ssistidos por fix etári Atrvés d nálise do Gráfico 12 percebe-se que mss de posentdos do plno está mis concentrd ns iddes cim de 61 nos. Conforme Tábu AT-2000, expecttiv de vid os 60 nos é de 23,63 nos. 13

14 Gráfico 13 - Distribuição de ssistidos por fix de benefício PENSIONISTAS Gráfico 14 - Distribuição de pensionists por sexo Gráfico 15 -Distribuição dos pensionists por opção de recebimento do benefício 14

15 Observ-se trvés do Gráfico 15 que 66% dos pensionists recebem seus benefícios por przo indetermindo e 34% recebem por przo determindo. D mesm form que pr os prticipntes em gozo de benefício de posentdori, tis esttístics nos demonstrm importânci de um educção previdenciári dos pensionists pr um compreensão qunto à influênci d tábu de sobrevivênci pr o plno de benefícios. Gráfico 16 - Distribuição de pensionists por fix etári Gráfico 17 - Distribuição de pensionists por fix de benefício 15

16 ESTATÍSTICA DE INGRESSOS E DESLIGAMENTOS DO PLANO PARTICIPANTES QUE INGRESSARAM NO PLANO Consttou-se que prticipntes ingressrm no plno no decorrer do exercício de Abixo, são presentds lgums crcterístics dest populção de form observr o nível de contribuição d nov mss que deriu o plno, distribuição d contribuição vertid o plno, bem como fix etári dos novos prticipntes. Gráfico 1 - Distribuição de prticipntes que ingressrm por sexo Gráfico 2 - Distribuição de prticipntes que ingressrm no plno por fix etári Conforme se verific no Gráfico 2, grnde prte dos prticipntes que ingressrm no plno PBPA se concentr n fix etári de nos.se considerrmos que os prticipntes esperm se posentr em médi os 64 nos, então tem-se que ess populção de prticipntes que ingressrm permnecerão no plno por mis 29 nos, pelo menos, em médi. 16

17 Gráfico 3 - Distribuição de prticipntes que ingressrm no plno por fix de contribuição De cordo com o Gráfico 3, percebe-se que grnde prte dos prticipntes que ingressrm no plno optrm por contribuir com vlores que vrivm entre 50,00 e 100,00 reis por mês. Com bse neste gráfico Entidde poderá observr qul contribuição vertid pelos novos prticipntes e desenvolver cmpnhs voltds conscientizção de um cultur previdenciári de longo przo, presentndo simulções de benefícios considerndo diversos cenários de contribuições. Gráfico 4 Composição ds contribuições dos prticipntes que ingressrm no plno em 2013 O Gráfico 4 demonstr à Entidde distribuição ds contribuições efetuds pelos prticipntes que ingressrm no plno no exercício de 2013, considerndo s contribuições básic e de risco (invlidez e morte). Assim, é possível visulizr o destino dos recursos portdos pelos referidos prticipntes, sendo que mis d metde 72,91% - ds contribuições vertids menslmente o plno compõem o sldo de conts dos mesmos. A outr prte é despendid pr quisição dos seguros contr morte e invlidez ofertdos pel segurdor prceir d Entidde. 17

18 PARTICIPANTES DESLIGADOS DO PLANO Consttou-se que 327 prticipntes cncelrm e 308 prticipntes resgtrm sus reservs do plno PBPA no decorrer do exercício de Considerou-se, pr fins dests esttístics, queles que gerrm benefício no período menciondo. Com o fito de uxilir Entidde em identificr o perfil dos prticipntes que solicitm o cncelmento do plno, presentmos bixo lgums crcterístics dest populção, tis como, fix etári, fix de contribuição, tempo de plno, dentre outrs. Gráfico 1 - Distribuição de prticipntes desligdos por sexo Gráfico 2 - Distribuição de prticipntes desligdos por fix etári Conforme se verific no Gráfico 2, grnde prte dos prticipntes que se desligrm do plno se concentr n fix etári de nos.se considerrmos que os prticipntes esperm se posentr em médi os 64 nos, então tem-se que ess populção de prticipntes desligdos ind cumulrim seus recursos por mis 29 nos, pelo menos, em médi. Com bse n suprcitd informção e nquels presentds nos gráficos 3 e 5 bixo, Entidde poderá desenvolver nálises pr observr s vntgens em desenvolver cmpnhs pr permnênci dos prticipntes no plno, observds s condições disposts no Regulmento. 18

19 Gráfico 3 - Distribuição de prticipntes desligdos por fix de contribuição Gráfico 4 Composição ds contribuições dos prticipntes desligdos De cordo com o Gráfico 3, percebe-se que grnde prte dos prticipntes que se desligrm do Plno contribuím com vlores que vrivm entre R$ 50,00 e R$ 100,00 por mês. O Gráfico 4, por su vez, demonstr à Entidde distribuição ds contribuições efetuds pelos prticipntes que se desligrm considerndo s contribuições básic e de risco (invlidez e morte). Gráfico 5 - Distribuição de prticipntes desligdos por fix de sldo de cont 19

20 O Gráfico 5 demonstr à Entidde distribuição do montnte do sldo cumuldo pelos prticipntes que se desligrm do plno, revelndo que grnde prte destes cumulou um sldo médio de té R$ 1.000,00. Ademis, o sldo médio dos prticipntes que se desligrm do plno foi de R$ 5.033,79, e o sldo de conts totl montou R$ ,44. Gráfico 6 - Distribuição de prticipntes desligdos por tempo de plno Resslt-se que o tempo de plno presentdo no gráfico 6 foi clculdo considerndo dt de inscrição do prticipnte no plno e dt d presente vlição. Com nálise dos gráficos cim é possível vlir ções pr fidelizção dos prticipntes o plno. Se observrmos que miori dos prticipntes que cncelrm o plno se encontrv n fix de menores contribuições e sldo, e ind com pequeno tempo de contribuição o plno, ções pós-desões, bem como, um conjunto de informtivos cerc d importânci d previdênci complementr e ind um incentivo à elevção ds contribuições, poderá colborr. O envio de simulções presentndo o nível do benefício esperdo, qundo se observ o longo przo, pode ser outr medid ser dotd pel entidde. INFORMAÇÕES GERAIS DOS PARTICIPANTES ATIVOS Item 2011 Nº de Prticipntes* Idde Médi (nos) 35,13 Tempo Médio de Filição o Plno (nos) 2,38 Contribuição Médi R$ 160,51 Sldo Individul Médio R$ 8.364, ,88 2,74 R$ 169,81 R$ 9.954, ,34 3,01 R$ 186,69 R$ ,95 (*) Vlores não contemplm 1272 prticipntes cnceldos, os quis não solicitrm resgte. Dinte d tbel cim, percebe-se que Entidde teve um umento no número de prticipntes em 2013 n ordem de 21,88%, qundo comprdo com o exercício de Isso demonstr efetividde nos progrms de desão de novos prticipntes, um vez que se depreende que derirm o plno um médi 116 prticipntes por mês, entre 12/2011 e 12/2013, já considerndo queles que se desligrm entre ests dts, conforme melhor eluciddo no gráfico seguir: 20

21 Gráfico 1 Evolução do número de prticipntes tivos INFORMAÇÕES GERAIS ASSISTIDOS Item 2011 Nº de Assistidos 10 Idde Médi (nos) 63 Tempo Médio de Filição o Plno (nos) 4,33 Benefício Médio R$ 1.213,89 Sldo Individul Médio R$ , ,08 5,27 R$ 1.364,64 R$ , ,08 6,27 R$ 1.409,92 R$ ,13 Atrvés d nálise d tbel 2 percebe-se que não houve lterções no número de posentdos no no de Do totl de posentdos do Plno PBPA, 10 percebem benefício de posentdori progrmd e 2 percebem benefício por invlidez. Percebe-se tmbém, pel tbel cim, que idde médi dos ssistidos é de proximdmente 64 nos. Atrvés d tábu AT-2000, verific-se que expecttiv de vid os 64 nos é de proximdmente 20 nos, ou sej, esper-se que um pesso com ess idde sobreviv té 84 nos, proximdmente. INFORMAÇÕES GERAIS PENSIONISTAS Item 2011 Nº de Pensionists 24 Idde Médi (nos) 36,50 Benefício Médio R$ 654,08 Sldo Individul Médio R$ , ,40 R$ 641,75 R$ , ,72 R$ 633,68 R$ ,48 A tbel cim demonstr que o número de benefícios de pensão por morte em 2013 umentou em 20,83% com relção o no de Observ-se um redução no vlor dos benefícios médios dos pensionists, e, no presente cso, um redução do sldo individul médio. 21

22 PLANO DE BENEFÍCIOS - PROVISÕES MATEMÁTICAS O Gráfico 2 pont que s reservs mtemátics de benefícios conceder cumulm mior prte dos recursos dos prticipntes do plno. Assim, esss informções podem servir pr embsmento d Entidde n tomd de decisão qunto os tipos de investimentos pr locção desses recursos. Do totl ds provisões mtemátics de benefícios conceder, R$ ,59 correspondem portbiliddes oriunds de outrs Entiddes Fechds de Previdênci Complementr e R$ ,40 correspondem à portbilidde proveniente de Entiddes Aberts.Os referidos vlores de portbilidde já estão rentbilizdos pel vrição d cot do plno. PROVISÕES MATEMÁTICAS Em tenção o Plno de Conts estbelecido pr s Entiddes Fechds de Previdênci Complementr, trvés d Resolução CGPC nº 28, de 26/01/2009, est Consultori elborou um qudro que contém s conts correspondentes às provisões e fundos do plno de benefícios em nálise, clculds trvés d bse cdstrl, o qul const do ANEXO II do presente documento. Segue bixo estrutur contábil resumid ds Provisões Mtemátics do plno de benefícios PBPA em 31/12/2011 e 31/12/2012, pr fins de comprção, e 31/12/2013, dt bse d presente Avlição Aturil: Tbel 4 - Provisões mtemátics EXERCÍCIO FINANCEIRO PATRIMÔNIO DE COBERTURA DO PLANO R$ ,87 R$ ,60 R$ ,84 PROVISÕES MATEMÁTICAS R$ ,87 R$ ,60 R$ ,84 Benefícios Concedidos R$ ,05 R$ ,43 R$ ,55 Benefícios Conceder(*) R$ ,82 R$ ,17 R$ ,29 * Consider os prticipntes cnceldos que não solicitrm resgte, sendo prticipntes e um sldo de conts totl de R$ ,49. 22

23 Gráfico 3 - Evolução do ptrimônio pr cobertur do plno Por meio do Gráfico 3 se pode observr evolução do Ptrimônio pr Cobertur do Plno PBPA desde o no de 2007 té Depreende-se que está hvendo um crescimento no vlor nominl de um no pr outro, no período nlisdo. Percentulmente, o crescimento observdo em 2009 (55,97%) se mostrou o mis significtivo, seguido do no de 2010 (37,04%) e 2012 (37,87%). REGIME DE FINANCIAMENTO E MÉTODOS DE FINANCIAMENTO Adot-se pr s Avlições Aturiis do Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo - PBPA o regime finnceiro de Cpitlizção e o Método de Cpitlizção Finnceir Individul, sob o qul serão constituíds s Reservs Mtemátics individulmente pr os Prticipntes, sendo s mesms equivlentes, qulquer momento, o sldo d Cont Individul do Prticipnte, cumuldo té o momento d vlição. Por se trtr de um plno estruturdo n modlidde de contribuição definid - CD, os benefícios de prestção continud têm seu vlor permnentemente justdo o sldo de cont mntido em fvor do prticipnte, inclusive n fse de percepção de benefícios, considerndo o resultdo líquido de su plicção, os vlores portdos e os benefícios pgos. Assim, não há grnti mínim de rentbilidde ns fses de cpitlizção e percepção dos benefícios, sendo dotd um tx de juros como premiss pr, juntmente um indexdor, determinr um índice de referênci turil teórico como ferrment pr mensurr rentbilidde dos recursos grntidores. RENTABILIDADE Em função d modlidde do plno de benefícios, é vedd grnti de rentbilidde mínim tnto n fse de cpitlizção qunto n de percepção de rend, sendo tx de juros dotd como premiss pr, juntmente um indexdor, determinr um índice de referênci turil (Benchmrk) como ferrment pr mensurr e comprr su rentbilidde. 23

24 A tx de juros estimd como rentbilidde rel é utilizd tmbém pr fins de cálculos dos benefícios, conforme formulção demonstrd em Not Técnic Aturil provd pel Superintendênci Ncionl de Previdênci Complementr (PREVIC). A prtir do histórico ds cots, que reflete rentbilidde líquid uferid pelos recursos grntidores do plno PBPA no período que compreende os meses de bril de 2010 dezembro de 2013, purou-se um rentbilidde cumuld de 38,13%. No mesmo período o índice de referênci (INPC + 5,00%) montou em 48,60%. Anlisndo pens os 12 últimos meses, observ-se que os recursos do plno lcnçrm um rentbilidde de 5,3% enqunto que o Índice de referênci cumulou em 10,84%, o que represent que rentbilidde obtid pel entidde foi superd em 5,54 pontos percentuis pelo índice de referênci. Sbe-se que no exercício de 2013 rentbilidde dos plnos de benefícios presentou grnde voltilidde, fce o cenário econômico do pís como um todo, demonstrndo ser um questão conjunturl. Assim, grnde prte do resultdo finnceiro uferido é reflexo dest situção. Observndo-se o longo przo e comptibilizndo o tivo do plno às obrigções turiis, cuj durtion do pssivo foi estimd em 581 meses (48 nos), verific-se existênci de títulos públicos (NTN-B) com vencimento em 2035 com rentbilidde rel de proximdmente 6,50% o no, demonstrndo vibilidde de se lcnçr hipótese de juros dotd pel Entidde. Importnte ind destcr que, em conformidde à Resolução CNPC 09/2012, s entiddes deverão observr redução grdul d tx de juros rel máxim ser dotd como índice de referênci em plnos de benefícios. A tx de juros máxim pr vlição turil de 31/12/2013 está definid em 5,75%, reduzindo em 0,25% cd exercício e chegndo 4,50% em Dest form, o plno de benefícios PBPA, no que tnge hipótese de juros, encontr-se dequdo os ditmes d norm vigente. Não obstnte, sugere-se que s simulções desenvolvids pr se projetr os benefícios futuros dos prticipntes, em função de sus contribuições, considere tx de juros comptível com polític de investimentos definid pel entidde, sendo importnte tmbém demonstrção de diferentes cenários os mesmos, de form que estes tenhm ciênci que seus benefícios futuros dependem, em grnde prte, d rentbilidde uferid pelos recursos do plno. RENTABILIDADE ÍNDICES COMPARATIVOS OABPrev-PR META CDI POUPANÇA PERÍODO 12 M 24 M 36 M 5,30% 19,22% 29,23% 10,56% 22,10% 33,96% 8,05% 17,14% 30,73% 6,37% 13,26% 21,70% Rentbilidde Segmentos de Aplicção FIC OABPrev-PR Rend Fix Rend Vriável Estruturdo Líquid 5,30% 6,69% -2,44% 7,95% Brut 5,44% 6,80% -2,43% 7,97% 1. Metodologi de cálculo: Ponderção dos custos prtir d locção no tempo, conforme ddos disponíveis em bse mensl. 24

25 PROGRAMA ADMINISTRATIVO Foi relizdo tmbém um estudo com o objetivo de verificr sustentbilidde do progrm dministrtivo d Entidde com relção o Plno de Benefícios PBPA. Pr isso foi utilizdo o fluxo contábil de despess e receits dministrtivs reltivs o período de jneiro de 2009 dezembro de Observou-se no período menciondo um despes dministrtiv médi de R$ ,62, e um receit dministrtiv médi de R$ ,81 lcnçd pel plicção d tx de crregmento sobre s Contribuições Básics, sobre s Contribuições Eventuis e sobre os benefícios dos prticipntes ssistidos, bem como d receit oriund d rentbilidde do Fundo Administrtivo e pelo pró-lbore dvindo dos benefícios de risco cobertos pel segurdor contrtd. Observndo o último exercício, receit médi foi superior à despes médi em R$ 145,01. Verificouse tmbém que houve um pequen redução de 0,81% sobre o montnte do Fundo Administrtivo no último no. Tl Fundo, em 31/12/2013, mont em R$ ,46, enqunto que em 31/12/2012 er equivlente R$ ,33. Apesr d redução do referido sldo, observ-se que o mesmo se encontr tulmente em um ptmr de plen sustentbilidde. Elbormos, por fim, o gráfico bixo demonstrndo evolução do sldo do Fundo Administrtivo desde dt de 01/01/2012, de modo tornr mis elucidtiv visulizção de como tl fundo se comportou o longo do tempo: Gráfico 4 - Evolução do fundo dministrtivo EVOLUÇÃO PATRIMONIAL O Ptrimônio d OABPrev-PR umentou 30,53% em 2013 em comprção o no de 2012, tingindo o vlor de R$ milhões, sendo R$ milhões de contribuições, portes e portbiliddes e R$ milhões de rentbilidde. 25

26 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS A Polític de Investimentos tem por finlidde definir s locções dos recursos finnceiros do PBPA, com bse nos cenários d economi, visndo mximizr os resultdos dos investimentos e de cordo com Resolução CMN nº 3.792/09 que disciplin e estbelece os limites de investimentos pr os fundos de pensão. N reunião de dezembro, o Conselho Delibertivo provou revisão d Polític de Investimentos d Entidde pr o exercício de 2013, conforme demonstrtivo seguir: PERÍODO DE REFERÊNCIA /2017 SEGMENTO/MANDATO ALOCAÇÃO (%) Objetivo Mínimo Máximo Índice de Referênci Met de Rentbilidde Rend fix CDI INPC + 5%.. Rend Vriável IBrX INPC + 9%.. Investimentos Estruturdos CDI + 3%.. INPC + 8%.. Investimentos no Exterior INPC + 5%.. INPC + 5%.. PROGRAMA DE INVESTIMENTOS A totlidde dos recursos do Plno de Gestão Administrtiv - PGA no vlor de R$ ,50 e do Plno de Benefícios - PBPA no vlor de R$ ,50, no montnte de R$ ,00 está sob gestão terceirizd, trvés do Fundo de Investimentos em Cots Exclusivo - FIC, dministrtivo pel SulAméric Investimentos, contemplndo os seguintes vlores e percentuis por segmento de plicção: Segmentos Investimento Estruturdo Rend Vriável Rend Fix e Multimercdos TOTAL Vlor R$ ,43 R$ ,17 R$ ,40 R$ ,00 % 7,74% 16,50% 76,03% 100% Os recursos do FIC Exclusivo estão plicdos em diversos gestores, contemplndo os seguintes vlores e percentuis: Gestor JGP QUEST F. TEMPLETON BTG PACTUAL SULAMÉRICA BRASIL PLURAL BRADESCO CLARITAS Vlor R$ ,43 R$ ,00 R$ ,75 R$ ,41 R$ ,33 R$ ,12 R$ ,68 R$ ,56 % 5,06% 2,41% 1,24% 4,69% 29,41% 9,24% 4,28% 4,09% 26

27 Gestor GAP BNP PARIBAS VOTORANTIN LACAN CEF CAIXA Vlor R$ ,65 R$ ,36 R$ ,74 R$ ,96 R$ ,09 R$ ,00 % 4,61% 19,83% 3,55% 1,76% 8,77% 1,33% CUSTOS DE GESTÃO DOS INVESTIMENTOS CUSTOS DE ADM. FIC. OABPrev-PR Tx de Administrção Tx de Custódi Tx CVM Tx ANBID Cetip Demis Custos Totl Acumuldo ACUM R$ ,62 R$ ,69 R$ ,00 R$3.120,00 R$ ,86 R$ 4.583,17 R$ ,34 Fundo Previdenciário Custo de Gestão dos Investimentos em 2013 R$ ,00 0,12% EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 2013 Itens Qudro Socil Receit Contribuição Previdenciári Receit Aportes Eventuis Receit Portbilidde de PGBLs Receit Previdenciári Totl Receit Administrtiv Despess Pessol/Encrgos Serviços Terceiros Despess de Cobrnç de Contribuições Despess Diverss Despess Administrtivs Totl Fundo Administrtivo Fundo Previdenciário Previsto , , , , , , , , , , , ,00 Relizdo , , , , , , , , , , , ,00 27

28 DESPESAS COM PESSOAL O Esttuto d OABPrev-PR ved expressmente qulquer tipo de remunerção membros dos Conselhos Delibertivo e Fiscl. A Diretori Executiv, mesmo não hvendo vedção esttutári, não recebe nenhum tipo de remunerção. A estrutur de pessol próprio d Entidde, compost de um gerente executivo, qutro ssistentes dministrtivos, um ssistente de comunicção e mrketing, um uxilir dministrtivo e um uxilir de serviços, possui vínculo empregtício trvés regime d CLT. O qudro seguir present os custos de pessol em 2013: ESPECIFICAÇÃO Despess de Pessol Encrgos e Benfícios TOTAL VALOR R$ ,16 R$ ,78 R$ ,94 DESPESAS COM CONSULTORIAS A Entidde, visndo redução dos custos dministrtivos, terceirizou s tividdes especilizds de tuári, sistem opercionl, contbilidde, vlição do desempenho e risco de investimentos e uditori extern, que necessitrim de grndes investimentos em pessol, equipmentos e sistems opercionis pr execução intern. O qudro seguir present os custos dests tividdes terceirizds em 2013: ESPECIFICAÇÃO Consultori Aturil Sistem Opercionl Contbilidde Consultori de Investimentos Auditori Extern TOTAL VALOR R$ ,58 R$ ,90 R$ ,44 R$ ,64 R$ ,01 R$ ,57 28

29 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇO PATRIMONIAL III - DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO ATIVO LÍQUIDO POR PLANO DE BENEFÍCIOS As Nots Explictivs integrm s Demonstrções Contábeis 29

30 IV - DEMONSTRAÇÃO DO ATIVO LÍQUIDO POR PLANO DE BENEFÍCIOS V - DEMONSTRAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (CONSOLIDADA) VII - DEMONSTRAÇÃO DAS PROVISÕES TÉCNICAS DO PLANO DE BENEFÍCIOS As Nots Explictivs integrm s Demonstrções Contábeis 30

31 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONSOLIDADAS (VALORES EM MILHARES DE REAIS) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL O Fundo de Pensão Multiptrocindo d Ordem dos Advogdos do Brsil, Seção do Prná e d Cix de Assistênci dos Advogdos do Prná - OABPrev-PR é entidde fechd de previdênci complementr, sem fins lucrtivos, dotd de utonomi ptrimonil, finnceir e dministrtiv, regid por Esttuto, pelos regulmentos dos plnos de benefícios por el operdos e pel legislção em vigor, constituíd sob form de sociedde de previdênci complementr nos termos d Lei Complementr nº. 109, de 29 de mio de 2001 e norms subsequentes. São Instituidores Funddores d OABPrev-PR, OAB-PR - Ordem dos Advogdos do Brsil, Seção do Prná e CAA-PR - Cix de Assistênci do Advogdos do Prná, instituidors do Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo - PBPA. A Secretri de Previdênci Complementr do Ministério d Previdênci Socil, trvés d Análise Técnic nº 238/SPC/DETEC/CGAF de 08 de setembro de 2006, provou constituição do Fundo de Pensão Multiptrocindo d Ordem dos Advogdos do Brsil- Seção do Prná e d Cix de Assistênci dos Advogdos do Prná - OABPrev-PR, bem como do Esttuto e do Regulmento do Plno de Benefícios Previdenciários do Advogdo-PBPA, nos termos d portri 665 publicd no Diário Oficil d União nº 175 de 12 de setembro de N form de sus disposições esttutáris e regulmentres, o OABPrev-PR tem por objetivo executr e dministrr plnos de benefícios de nturez previdenciári, constituídos por Instituidores, medinte contribuição de Prticipntes, de Empregdores ou de mbos. Pr consecução de seus objetivos, Entidde dispõe de recursos oriundos ds Contribuições de seus prticipntes, de comissões sobre vend de coberturs de risco e d remunerção dos seus tivos. Em observânci o rtigo 14 do Código Tributário Ncionl (CTN), o OABPrev-PR não distribui dividendos, plic no pís totlidde dos seus recursos e mntém escriturção de sus receits e despess em livros formis cpzes de ssegurr su extidão. NOTA 2 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrções contábeis form elbords e estão sendo presentds de cordo com s prátics contábeis dotds no Brsil e em conformidde com s diretrizes contábeis pr Entiddes Fechds de Previdênci Complementr (EFPC), estbelecids pelo Conselho Federl de Contbilidde CFC trvés d Resolução 1.272, de 22 de jneiro de 2010, e pelo Conselho Ncionl de Previdênci Complementr (CNPC) do Ministério d Previdênci Socil (MPS), por meio d Resolução CNPC nº. 08 de 31 de outubro de O OABPrev-PR present menslmente blncetes, por Plnos de Benefícios, do Plno de Gestão Administrtiv e consoliddo, segregndo os registros contábeis dos plnos de benefícios previdenciis dministrdos pel Entidde, bem como o plno de gestão dministrtiv, segundo nturez e finlidde ds trnsções. Os blncetes mensis são consoliddos por trimestre civil pr envio o órgão fisclizdor. NOTA 3 - SUMÁRIO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS A contbilidde do OABPrev-PR é elbord respeitndo utonomi ptrimonil do plno de benefícios de form identificr, seprdmente, o plno de benefícios previdenciis dministrdo pel Entidde, bem como o plno de gestão dministrtiv, pr ssegurr um conjunto de informções consistentes e trnsprentes, com objetivo de crcterizr s tividdes destinds à relizção de funções predeterminds. 31

32 O OABPrev-PR dot métodos e critérios objetivos e uniformes o longo do tempo, sendo que s modificções relevntes decorrentes d lterção do normtivo contábil estão evidencids em Nots Explictivs, com quntificção dos efeitos ns demonstrções contábeis. Os registros reltivos contribuições de prticipntes vinculdos o plno de contribuição definid são escriturdos com bse no regime de cix, de cordo com item 8.1 do nexo C d Resolução CNPC nº 08 de 31 de outubro de Todos os demis lnçmentos contábeis são registrdos com bse no Princípio d Competênci, significndo que n determinção do resultdo são computds s receits, s dições e s vrições positivs uferids no mês, independentemente de su relizção, bem como s despess, s deduções e s vrições negtivs, pgs ou incorrids no mês correspondente. O registro ds despess dministrtivs é feito por meio de sistem de locção diret ds despess comuns à dministrção previdencil e de investimentos Principis diretrizes contábeis As principis prátics contábeis dotds podem ser resumids como segue: Disponível Disponibiliddes são os recursos finnceiros que se encontrm à disposição d Entidde, compreendendo os meios de pgmento em espécie e os depósitos bncários à vist Relizável Os relizáveis previdencil e dministrtivo são presentdos pelos vlores de relizção e incluem, qundo plicável, s vrições monetáris e os rendimentos proporcionis uferidos té dt do blnço Investimentos Sob o título de Investimentos, no tivo relizável, estão incluíds tods s plicções de recursos d Entidde. Considerndo s disposições d Resolução CGPC nº 04, de 30 de jneiro de 2002, lterd pel Resolução CGPC nº 22, de 25 de setembro de 2006, Entidde clssificou tod su crteir de títulos e vlores mobiliários n ctegori de Títulos pr Negocição. Títulos pr negocição registr os títulos com propósito de serem negocidos, independentemente do przo decorrer do título n dt de quisição, os quis serão vlidos o vlor de mercdo ou de provável relizção Fundos de Investimento As quots de fundos de investimento estão registrds o vlor de custo crescido dos rendimentos uferidos té dt do blnço, com bse no vlor d quot do ptrimônio e clssificds de cordo com ctegori de cd fundo. A Entidde investe todos os seus recursos em fundo exclusivo clssificdo como multimercdo. Fundos Multimercdos A clssificção dos Fundos Multimercdos se bsei ns estrtégis dotds pelos gestores pr tingir os objetivos dos fundos, que devem prevlecer sobre os instrumentos utilizdos Permnente O Ativo Permnente contempl os bens imobilizdos, móveis, utensílios, computdores, periféricos, máquins e equipmentos, que são utilizdos no desempenho d tividde-fim, os quis estão registrdos pelos seus custos de quisição e deprecidos de cordo com nturez e tempo de vid útil dos itens que o compõem. 32

33 Exigível Opercionl Os exigíveis previdencil e dministrtivo são presentdos pelos vlores devidos e incluem, qundo plicável, s vrições monetáris e os encrgos proporcionis plicáveis té dt do blnço. Registr os vlores pgr ssumidos pelos plnos previdenciis e pelo Plno de Gestão Administrtiv Ptrimônio Socil Corresponde o Ativo Líquido d Entidde e é composto pelo Ptrimônio de Cobertur dos Plnos e pelos Fundos Ptrimônio de Cobertur dos Plnos Registr totlidde dos recursos efetivmente cumuldos pelos prticipntes do plno de benefícios previdenciis, de cordo com not técnic turil. As provisões mtemátics são determinds por tuário, em conformidde com os critérios provdos pel SPC e estão representds por: l Provisão mtemátic de benefícios concedidos - Consiste no vlor tul dos benefícios pgos os prticipntes e beneficiários já em gozo do benefício. l Provisão mtemátic de benefícios conceder - Corresponde às contribuições individuis dos prticipntes tivos ou gurdndo benefícios ou institutos de resgte ou portbilidde Fundos - Fundo Administrtivo O Fundo Administrtivo corresponde o vlor purdo decorrente ds sobrs, entre s contribuições pr cobertur ds despess dministrtivs previdenciis, resultdo dos investimentos do próprio fundo dministrtivo, outrs receits dministrtivs e s despess dministrtivs previdenciis mensis efetivmente incorrids. Os vlores cumuldos no Fundo poderão ser utilizdos pr custer s despess dministrtivs do exercício subsequente. NOTA 4 - DISPONIVEL Em 31 de dezembro entidde present recursos disponíveis em cix e depositdos em cont corrente: NOTA 5 - INVESTIMENTOS De cordo com o rtigo 6º d Resolução CMN nº de 24/09/2009, e nos termos do rtigo 31 d Lei Complementr nº 109, crteir de investimentos d Entidde está lstred em cots de fundos de investimentos, cujos títulos encontrm-se custodidos em instituições finnceirs, n Centrl de Custódi e Liquidção de Títulos Privdos - CETIP, no Sistem Especil de Liquidção e Custódi - SELIC e n Compnhi Brsileir de Liquidção e Custódi CBLC. A distribuição dos recursos entre s clsses de tivos é feit trvés do Fundo Exclusivo Sul Améric OABPrev-PR Fundo de Investimento em Cots de Fundos de Investimento Multimercdo, inscrito no CNPJ sob nº /

34 Em 31 de dezembro Demonstrção Consolidd dos Investimentos er seguinte: NOTA 6 - PERMANENTE Todos os itens registrdos no Ativo Permnente form inventridos e clssificdos de cordo com su nturez e devidmente deprecidos de cordo com dt de quisição e o tempo de vid útil. Durnte o no de 2013 não houve quisições nem bixs. Em 31 de dezembro presentv os seguintes sldos: NOTA 7 - EXIGÍVEL OPERACIONAL Registr os compromissos vencíveis segregdos ns gestões Previdencil, Administrtiv e dos Investimentos e present os seguintes sldos: 34

35 NOTA 8 - PATRIMÔNIO SOCIAL 8.1. Ptrimônio de Cobertur do Plno Provisões Mtemátics As provisões mtemátics são determinds por tuário, em conformidde com os critérios provdos pel SPC e presentm os seguintes sldos: 8.2. Fundos Fundo Administrtivo O fundo Administrtivo é formdo pel diferenç purd entre s fontes de receit e custeio e s despess do Plno de Gestão Administrtiv e corresponde à prcel ind não utilizd ds receits destinds especificmente pelo plno de custeio pr cobertur dos gstos dministrtivos. Esse fundo deverá ser utilizdo ou revertido pr cobertur de insuficiêncis ocorrids no progrm dministrtivo. Em 31 de dezembro rubric presentv os seguintes sldos: Pr fins de consolidção ds demonstrções Prticipção no Plno de Gestão Administrtiv PGA é elimind trvés do Blncete de Operções comuns, ssim o somtório ds conts ptrimoniis do Plno de Benefícios Previdenciis e do Plno de Gestão Administrtiv deve ser deduzido do sldo do Fundo Administrtivo. NOTA 9 - RESULTADO DAS OPERAÇÕES 9.1. Gestão Previdencil O resultdo do plno de benefícios previdêncis no exercício é formdo pels dições, subtríds s deduções por pgmentos de benefícios crescids ou deduzids do fluxo de investimentos, d cobertur de despess dministrtivs e d constituição de provisões mtemátics. Num plno instituído de contri 35

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa Segurnç pr quem você m. Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Cartilha Explicativa

Cartilha Explicativa Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno e flexível. O Fmíli Previdênci

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa PREFEITURA MUN ICI PAL DE T,IONDAI LEI N".3.512, DE l1 DE JUNHO DE 2013. Autoriz o Poder Executivo Municipl derir o progrm BADESC CIDADES II e tomr empréstimo juttto o BADESC - Agênci de Fomento de snt

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014 TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO DO PRNÁ nexo IV da Instrução Técnica nº 20/2003 - de Contas da Despesa SIM-M/2014 C Ó D I G O TÍTULO Nível S/ ESPECIFICÇÃO Versão 3 0 00 00 00 00 DESPESS CORRENTES S Classificam-se

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA,

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007 L E I Nº 6.969, DE 9 DE MIO DE 2007 Institui o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá e dá outrs providêncis. seguinte Lei: SSEMLÉI LEGISLTIV DO ESTDO DO PRÁ

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA ESTDO DO TOCNTINS TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO SICP SISTEM INTEGRDO DE CONTROLE E UDITORI PUBLIC PLNO DE CONTS PR O EXERCÍCIO DE 28 ENTIDDES MUNICIPIS DO ESTDO DO TOCNTINS S U M Á R I O _ I - INTRODUÇÃO II

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 P.J.U.- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 Regido pel Lei nº 10.520/2002, Lei Complementr

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO SETOR PROCESSO TRT Nº 01330.2006.000.14.00-0 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TIPO Menor Preço por lote, objetivndo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA AUDITORIA INTERNA RAINT - 2015 Auditori Intern Sumário 1. Introdução... 3 2. A Telebrs... 3 2.1. Histórico... 3 2.2. Novs Atribuições... 3 2.3. Atribuições... 4 2.4. Competênci

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais;

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; PROVIMENTO Nº. 01/2009 - CGJUS-TO Regulment os procedimentos reltivos à quisição, repsse e uso do Selo de Fisclizção dos Serviços Extrjudiciis e disciplin o ressrcimento os registrdores civis ds pessos

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR N 379/08, 415/08,

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA RESOLUÇÃO Nº 2/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

DC3 - Tratamento Contabilístico dos Contratos de Construção (1) Directriz Contabilística n.º 3

DC3 - Tratamento Contabilístico dos Contratos de Construção (1) Directriz Contabilística n.º 3 Mnul do Revisor Oficil de Conts DC3 - Trtmento Contbilístico dos Contrtos de Construção (1) Directriz Contbilístic n.º 3 Dezembro de 1991 1. Est directriz plic-se os contrtos de construção que stisfçm

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 018/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS O coordendor dos projetos de pesquis e desenvolvimento institucionl nº 034280, 042571, 042576, torn públic bertur de inscrições pr seleção de lunos dos cursos de grdução

Leia mais

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs individuis e consolidds Aos Administrdores e

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

Regulamento Interno a

Regulamento Interno a Regulmento Interno REGIMENTO INTERNO DO CEPE-AL ART. 01 Clube dos empregdos do sistem PETROBRAS reger-se-á pels leis do Pís, pelo Esttuto e por este Regimento Interno. ART. 02 O presente Regimento tem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL PEC/COPPE/UFRJ Nº 261/2015: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos Ministério d Previdênci Socil Conselho de Recursos d Previdênci Socil 04ª Junt de Recursos Número do Processo: 44232.000327/2014-37 Unidde de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RIO DE JANEIRO-COPACABANA

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Índice DE INTERESSE PÚBLICO Introdução...

Leia mais

Ano CXLIV N o - 194 Brasília - DF, segunda-feira, 8 de outubro de 2007. P ro j e t o / A t i v i d a d e de origem

Ano CXLIV N o - 194 Brasília - DF, segunda-feira, 8 de outubro de 2007. P ro j e t o / A t i v i d a d e de origem ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 194 Brsíli - DF, segund-feir, 8 de outubro de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL Artigo 19, da Resolução do CGPC nº 13/04. CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão. 1º SEMESTRE DE 2011

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 26 Com o pgmento d contribuição SENAR 2017, o Serviço de Aprendizgem Rurl (SENAR) obtém recursos pr desenvolver ções de Formção Profissionl Rurl FPR e de Promoção Socil PS, por

Leia mais